Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo"

Transcrição

1

2 Copyright Ícone Editora Ltda Série Natação em Academias Apoio SEEAATESP Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo Coordenador Prof. Gilberto José Bertevello Diagramação Rosicler Freitas Teodoro Revisão Antônio Carlos Tosta Proibida a reprodução total ou parcial desta obra, de qualquer forma ou meio eletrônico, mecânico, inclusive através de processos xerográficos, sem permissão expressa do editor (Lei n 5.988, 14/12/1973). Todos os direitos reservados pela ÍCONE EDITORA LTDA. Rua das Palmeiras. 213 Sta. Cecília C\V São Paulo - SP Tels. (011) /

3 PROF. OSWALDO FUMIO NAKAMURA NATAÇÃO 4 ESTILO DEFEITOS - CORREÇÕES Colaborador (ilustrações) Prof. Pedro Ferreira Icone editora

4 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Nakamura, Oswaldo Fumio. Natação 4 estilos: defeitos, correções / Oswaldo Fumio Nakamura; colaborador (ilustrações) Pedro Ferreira. - São Paulo: ícone Bibliografia. ISBN Esportes aquáticos 2. natação 3. natação - Treinamento I.Ferreira, Pedro, II. Título CDD Índices para catálogo sistemático: 1. Natação: Treinamento: Esporte Quatro estilos: Natação: Treinamento: Esporte

5 A fórmula do sucesso eu não posso dar, mas a do fracasso é só tentar contentar a todos. J. Kennedy A vida é um banquete e a maior parte dos idiotas está morrendo de fome. T. Mane Ser bom não quer dizer não fazer o mal a ninguém, porém significa fazer todo o bem que se pode e sempre que se pode. F. Martegazza A mais pura glória do mestre consiste não em formar discípulos que o sigam, mas em forjar sábios que o superem. Ramon Y. Cayal Quem pensa demais, sem sentir, não chega a idéia certa. Provérbio japonês O rio não critica a montanha por estar parada e a montanha não diminui o rio por correr por baixo. Koichi Tohei A alegria do bem que se realiza é o maior tesouro que podemos obter. C. T. Pastorino Há sempre um pouco de loucura no amor, Mas há sempre um pouco de razão na loucura. O orador pode ser tolo, desde que o ouvinte seja sábio Nietzehe Sabedoria oriental

6 DEDICATÓRIA A todos que contribuíram em meus conhecimentos e principalmente aos ex-nadadores do Yara Clube de Marília, do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), da Secretaria Municipal de Esportes - SEME. UNIFEC - Universidade de São Caetano do Sul e UNISA - Universidade Santo Amaro.

7 Índice Sobre o Autor... 8 Apresentação... 9 Considerações Gerais Capítulo Crawl Capítulo Costas Capítulo Estilo peito Capítulo Estilo borboleta Bibliografia... 51

8 Sobre o Autor PROF. OSWALDO FUMIO NAKAMURA Professor de Educação Física pela Faculdade de Educação Física de São Carlos. Professor em Pedagogia pela Universidade de São Caetano do Sul (UNIFEC). Professor Efetivo da Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SEME). Professor Efetivo da Secretaria Municipal de Educação -EMPG ProP Isabel Vieira Ferreira. Chefe de Seção Técnica de Natação do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), da SEME. Chefe de Seção Técnica de Execução Esportiva do Departamento de Promoções Esportivas - DEPEL 1. Diretor da Divisão Técnica do Departamento de Promoções Esportivas - DEPEL 1. Assistente Técnico do Departamento de Execução Esportiva (DEE), da SEME. Técnico de Natação do Yara Clube de Marília. Professor Titular da cadeira de Natação da Universidade de São Caetano do Sul (UNIFEC). Professor titular da cadeira de Natação da Universidade de Santo Amaro (UNISA).

9 Apresentação Conheci o Prof. Nakamura em meados de 84, quando realizávamos os festivais de natação da AENESP - Associação das Escolas de Natação do Estado de São Paulo. Embora não tenha sido seu aluno, mas sempre me considerando seu discípulo, respeito a qualidade profissional deste batalhador da natação brasileira. Há vários anos, Nakamura é o professor titular da cadeira de natação da Unisa - Universidade Santo Amaro, orientando e direcionando a carreira de muitos profissionais de Educação Física que optam pela iniciação esportiva em natação, a sua forma de trabalho e manutenção da vida. Rígido em seus hábitos, seguro dos seus ideais, altamente disciplinado e um ideólogo na formação do futuro educador, Nakamura colabora com esta coleção sobre natação, com o mesmo brilhantismo que sempre conduziu a sua carreira. Um dos atletas da história da natação brasileira, nos finais dos anos 50 e início dos 60, Oswaldo Nakamura continua sendo um dos alicerces da natação, centralizando hoje seu trabalho na formação de futuros campeões. Campeão que é de natação, na vida e na profissão, agradecemos publicamente ao Prof. Nakamura por este livro, que sem sombra de dúvidas abrilhanta esta coleção. Prof. Gilberto José Bertevello

10 Considerações Gerais Este livro pretende orientar os professores, desde os exercícios mais simples até a forma mais complexa e completa possível para a prática da natação. Assim, este manual se propõe a servir de guia para professores e técnicos de natação, cuja atividade docente aspira contribuir com uma clara delimitação de temas e com a unidade de sua linha fundamental. Aqui nos limitamos a pretensão de facilitar ao professor, os fundamentos gerais de seu conhecimento técnico e uma visão de conjunto sobre as possibilidades do método. A natação é uma das formas de atividade física em que deve se basear todo processo de formação física conjuntamente com o jogo, o atletismo, a dança, a ginástica e a vida intensa na natureza. A natação é um meio de educação física, mas também um esporte, quando o nadador se propõe a realizar um esforço física intenso, cumprir uma formação e ainda cumprir objetivos espirituais, nem sempre bem definidos, mas cujo cumprimento é para ele como um imperativo. Quero manifestar aqui meu agradecimento à ícone Editora, por sua valorosa colaboração na apresentação deste livro, assim como aos colegas de trabalho. Tenho que agradecer também as valiosas sugestões de minha esposa, filhos e amigos que me cercam e que tiveram interesse pela edição deste e de outros livros, e em especial ao professor Pedro Ferreira.

11 Capítulo 1 Crawl 1 - Posição do corpo - Horizontal - Cabeça no prolongamento da coluna - evitar movimentos - Laterais (cabeça e tronco) 2 - Movimentos braços Tração - Entrada das mãos entre a linha dos ombros e eixo mediano - Braço semiflexionado - ângulo varia com o indivíduo - Percurso da mão - descreve a letra ''esse" - Sensibilidade das mãos Recuperação Início - Projeção do cotovelo para cima durante ' - Cotovelo mais alto que a mão (flexibilidade articulação escápulaumeral). Final - Extensão do cotovelo seguido da entrada da mão na água. 3 - Movimentos das pernas 4 Respiração - Finalidade - estabilidade - Movimentos - ascendentes e descendentes - Manter os calcanhares próximos à superfície da água - Lateral - Ombros giram levemente - Tipos Um ciclo completo (unilateral) Um ciclo e meio (bilateral) Dois ciclos completos 5 - Coordenações pernas e braços 6 x 1 6 Saídas + arrebatadora/grab (Agarre) - Tempo de reação mais rápido - Posicionamento confortável

12 7 - Viradas flip-turn - Nade durante a virada - Braços ao lado das coxas - Flexione o pescoço (empurrando a cabeça para baixo - salto mortal de frente) - Movimente os quadris e pernas - Girar o corpo sobre o abdome. ESTILO CRAWL POSIÇÃO DO CORPO Horizontal em decúbito ventral, com a água na altura da testa (início do couro cabeludo). MOVIMENTOS DOS BRAÇOS Recuperação - O braço terminando a sua ação de tracionar (empurrar para trás com a mão espalmada), inicia o seu movimento aéreo, ou seja, a recuperação com a flexão do cotovelo, de modo a mantê-lo mais elevado do que a mão, solta, o dorso voltado para frente e ponta dos dedos voltados para baixo. Conduzir o braço à frente paralelamente ao eixo do corpo e penetrar com a ponta dos dedos diagonalmente para frente, na área entre a linha mediana e a linha de prolongamento do ombro. Tração - Após efetuar a entrada na água, o braço executa a extensão para frente e para baixo em busca do apoio ideal da mão na água. À medida que a mão caminha em direção ao eixo do corpo e para trás, o cotovelo procura manter-se alto, como um ponto fixo. Daí inicia-se a extensão completa do braço. O percurso que a mão efetua sob a água, com velocidade crescente da mão, durante a fase de tração, assemelha-se a letra "esse" invertida. MOVIMENTOS DAS PERNAS Tem início na articulação coxo-femural e o movimento principal se localiza nos músculos da coxa, executando movimento flexível e solto das pernas e pés, com os dedos voltados ligeiramente para dentro. A batida forte deverá ser efetuada para baixo, ou seja, no trajeto descendente, a ponto de sentir a resistência da água no peito e lateral externa do pé. Executa dois movimentos: durante a fase ascendente a perna se mantém estendida e, durante a fase descendente, se mantém em semiflexão do joelho e que se estende na sua finalização. RESPIRAÇÃO Gira a cabeça para o lado até que a boca saia da água. aproveitando a formação do "vácuo" e efetua-se a inspiração pela boca. A expiração se faz pela boca, pelo nariz ou boca-nariz, pouco antes da cabeça

13 girar novamente. O movimento da cabeça deve ser suave, mantendo-a sempre no eixo longitudinal. CRAWL - DEFEITOS POSIÇÃO DO CORPO - DEFEITOS 1 - Corpo horizontal - quadris altos. 2 - Corpo horizontal - quadris baixos. 3 - Corpo horizontal - cabeça muito alta. 4 - Corpo horizontal - cabeça muito baixa. MOVIMENTOS DOS BRAÇOS - DEFEITOS RECUPERAÇÃO 1 - Levar o braço estendido à frente. 2 - Levar o braço com o cotovelo muito baixo.

14 3 - Levar o braço com a mão mais alta que o cotovelo. 4 - Levar o braço pela lateral, com a mão mais alta que o cotovelo. ENTRADA DO BRAÇO NA ÁGUA - DEFEITOS 1 - Entrada da mão muito próxima da cabeça. 2 - Entrada da mão fora da largura do ombro. 3 - Entrada da mão ultrapassando a linha mediana.

15 4 - Entrada da mão com o cotovelo baixo. TRAÇÃO - DEFEITOS 1 - Apoio da mão para iniciar a tração demasiadamente lateral. 2 -Tração com o braço estendido. 3 -Tração com o braço fora do alinhamento do corpo. 4 - Na tração, afundar o cotovelo mais que a mão.

16 5 - Final da tração, empurrar a água para cima e não para trás. 6 - Tracionar sem aceleração suficiente para desenvolver a potência necessária. MOVIMENTOS DAS PERNAS - DEFEITOS 1 - Batida da perna rígida. 2 - Batida com ritmo muito lento. 3 - Batida muito no fundo. 4 - Batida com elevação excessiva para fora da água. 5 - Batida das pernas semiflexionando excessivamente o joelho. 6 - Semiflexão dos joelhos no início do movimento ascendente. 7 - Flexão dos pés.

17 RESPIRAÇÃO - DEFEITOS 1 - Elevação excessiva da cabeça para respirar. 2 - Movimento brusco da cabeça pela lateral. 3 - Giro retardado. 4 - Não efetuar a respiração ritmada. 5 - Inspiração pelo nariz. 6 - Expiração antes do tempo. 7 - Tirar a cabeça do seu eixo. VIRADAS - DEFEITOS 1 -Tocar a parede com as duas mãos. 2 - Dar um impulso na parede com os pés muito abaixo ou acima em relação ao plano do corpo. 3 - Dar impulso na parede com as pernas estendidas.

18 4 - Dar impulso na parede, sem estar com os braços estendidos à frente da cabeça. SAÍDA COM CIRCUNDUÇÃO DOS BRAÇOS - DEFEITOS 1 - Posição inicial na plataforma de saída errada: a) braços para trás ou para frente. b) cabeça muito baixa ou muito elevada. c) corpo muito flexionado. d) pernas estendidas ou exageradamente flexionadas.

19 e) quadris muito elevados. f) ombros muito elevados g) não prender os dedos dos pés na parte anterior da plataforma de saída.

20 SAÍDA COM CIRCUNDUÇÃO DOS BRAÇOS DEFEITOS 1 - Não efetuar a circunducão dos braços. 2 - Falta de coordenação dos movimentos dos braços e pernas para uma boa impulsão. 3 - Saltar para baixo, entrando na água próximo da borda. 4 - Saltar para cima. SAÍDA DE AGARRE - DEFEITOS 1 - Não segurar ou apoiar as mãos na plataforma de saída. 2 - Posição inicial errada: a) Pernas muito flexionadas e quadris baixos.

21 b) Cabeça alta, olhando para frente. c) Pernas completamente estendidas. 3 - Soltar as mãos da plataforma de saída antes do corpo estar projetado à frente. 4 - Impulsionar antes das pernas estarem paralelas a água. 5 - Antes da impulsão, não abaixar a cabeça e puxar os braços flexionando-os. 6 - Não estender as pernas durante o vôo, entrando na água carpado. CHEGADAS - DEFEITOS 1 - Tocar a parede sem pressioná-la. 2 - Chegar de frente para a parede.

22 CRAWL - CORREÇÕES Exagerar a elevação e extensão do braço à frente do ombro e sentir que o mesmo encosta na orelha. Evitar movimento de zig-zag. Estes exercícios fazem com que o nadador ganhe alguns centímetros em cada braçada. PERNAS CORREÇÕES 1 - Pernada de crawl submerso - relaxar os calcanhares. 2 - Pernada de crawl com as mãos entrelaçadas atrás dos quadris. Para velocista, manter a cabeça alta. 3 - Pernada de crawl com as mãos fora da água. Para velocista, manter a cabeça alta. Velocidade em curta distância. 4 - Pernada de crawl lateral, com um dos braços estendidos acima da cabeça, fazer o trabalho das pernas flexionando bem os joelhos. Para respirar, fazer a rotação do tronco e cabeça sem diminuir a pernada. Trocar de lado a cada respiração. Respirar no máximo 4 vezes a cada 25 metros. 5 - Pernada de crawl com movimento de pedalar. 6 - Pernada de crawl de dois tempos e uma pequena parada. 7 - Pernada de crawl de três tempos e uma pequena parada. BRAÇOS E PERNAS-CORREÇÕES 1 - Tronco semiflexionado, glúteos apoiados na parede da piscina, ombros e queixo ao nível da água, pernas em afastamento lateral e os calcanhares distantes da parede (o necessário para manter o equilíbrio) e braços estendidos à frente. Levar a mão direita (esquerda) em direção ao joelho correspondente, ou seja, mais precisamente a ponta do dedo médio, em seguida tocar a palma da mão na parede, sem movimentar o tronco. Levar a mão contra a parede, semiflexionando o cotovelo até onde permitir a articulação do ombro. Em seguida levar o braço à frente até que faça a penetração da mão na área compreendida entre o eixo mediano e a linha de prolongamento do ombro, para a execução novamente do movimento de tração, enquanto que o braço oposto efetua o mesmo movimento. Este exercício corrige o posicionamento do braço na fase de tração assim como o de recuperação, quando o cotovelo deve permanecer mais alto que a mão. Pode ser executado tanto dentro da água como fora.

23 2 - Crawl - cotovelo alto "raspando" o polegar -nadando o crawl, respiração bilateral, na recuperação "raspar" o polegar desde a coxa até próximo ao ombro, e, daí, estender o braço à frente - perna intensa. 3 - Crawl - cotovelo alto - nadando o crawl bilateral, na recuperação tocar a ponta dos dedos nos respectivos ombros, tendo o cuidado de manter os cotovelos altos. Perna intensa. 4 - Crawl - cotovelo alto - nadando o crawl, na recuperação manter a mão dentro da água até o punho. Empurrar a água com o dorso da mão até a extensão l\o braço, mantendo o cotovelo alto. 5 - Crawl - com rotação dos ombros - nadando e efetuando a respiração bilateral - ao terminar a puxada, o nadador deve tocar a mão atrás dos quadris, forçando assim a rotação do ombro e estender à frente, tocando com a ponta dos dedos nos respectivos ombros, tendo o cuidado para manter os cotovelos altos. 6 - Crawl - com apenas um dos braços- um dos braços estendidos à frente e o outro faz a puxada. Respirar a cada 4 (quatro) braçadas. Ritmo moderado, concentrando-se na técnica do estilo, estendendo bem o braço à frente e relaxando bem na recuperação. Trocar de braço a cada 25 metros ou mais. Variação: fazer este exercício tocando com a ponta dos dedos nos ombros. 7 - Crawl - com pegada dupla - com os braços estendidos à frente realizar a puxada e a recuperação com um braço de cada vez. Este exercício serve também para a obtenção de força localizada, usando palmares. Respira-se a cada 2 ou 3 ciclos completos e sempre para o mesmo lado da piscina. Pode-se fazer também, tocando com a ponta dos dedos nos ombros. Trabalho de perna intenso. 8 - Crawl - pegada dupla com 2 recuperações -proceder como no exercício anterior, só que ao realizar recuperações, a mão deve ir até á frente, tocar a água, voltar com o cotovelo flexionado, tocar a água junto a coxa e proceder uma nova recuperação. 9 - Crawl - um braço pára no final da braçada exagerando o rolamento e retirando da água o ombro e também o braço, para depois iniciar a recuperação Crawl - com elevação forçada - com a elevação forçada do cotovelo durante a recuperação, o antebraço respectivo roça na parede Crawl - as mãos bem próximas da cabeça entram na linha dos ombros e os braços se estendem na superfície da água Crawl - um braço faz a puxada e outro permanece estendido atrás no prolongamento do tronco.

24 13 - Crawl - a cabeça permanece parada fora da água, olhar à frente, as braçadas são longas Crawl - um braço puxa uma corda colocada 30 a 50 centímetros abaixo da superfície da água, logo, o outro braço termina a puxada normal. 15 Crawl -apenas um braço faz a puxada, enquanto o olhar está voltado para a recuperação e a entrada da mão na água. A braçada é bem longa Crawl - executar os movimentos com as mãos fechadas Crawl - sem respirar - tiros de 6 a 8 braçadas completas sem respirar, cabeça alta e parada. Perna forte de 6 tempos. Braçadas bem longas.

25 Capítulo 2 Costas 1 - Posição do corpo - Horizontal - decúbito dorsal - Pescoço semiflexionado - cabeça imóvel - Olhos fixos num ponto 2 - Movimentos dos braços Tração: entrada da mão na água - 3 posições Palma da mão voltada para: - fora - cima - água - Movimento da mão descreve um "esse" no plano horizontal - Caracterizado pelo braço semiflexionado - Ombros giram levemente - Saída com o polegar na altura do quadril Recuperação - Braço sai estendido - Retorna estendido - Mão entra na água 3 - Movimentos das pernas iniciam na articulação coxo-femural estabilidade - Manter os pés próximos à superfícies da água - Movimento das pernas - ascendente e descendente 4 - Coordenações pernas e braços 6 x 1 Respiração 5 Saída - Facilidade - posição da cabeça fora d'água - Corpo em posição de cócoras - mãos no ponto de apoio - Pernas impulsionam a parede - Corpo projetado para cima e para trás com extensão do tronco - Mãos e braços são lançados para os lados e estendidos para trás - Cabeça é lançada para trás com extensão do pescoço - Mãos entram primeiro na água

26 6 - Viradas - Sem alterar o ritmo do nado - Girar para um dos lados (da posição em decúbito dorsal para ventral) - Efetuar movimento do braço que está ao lado da coxa - Braços ao lado das coxas - Flexione o pescoço (empurrando a cabeça para baixo) - Movimente os quadris e pernas - Girar o corpo sobre o abdome ESTILO COSTAS POSIÇÃO DO CORPO Deve estar paralelo no nível da água e os quadris devem estar mais submersos que o tronco, para facilitar o movimento das pernas. O queixo deverá estar próximo ao esterno, provocando um ligeiro afundar dos quadris, para facilitar o movimento das pernas. MOVIMENTO DOS BRAÇOS RECUPERAÇÃO - O braço recupera-se diretamente para cima, estendido e inicia a rotação, girando a palma da mão para fora quando se encontra sobre o ombro (momento que o corpo tem uma rotação de 40 a 50 ) e vai descendo até a entrada na água, passando com o braço próximo a orelha ao entrar na água. TRAÇÃO - O movimento para baixo do braço que entra na água, na sua fase final de recuperação, faz com que ele afunde ainda estendido. O cotovelo começa a se flexionar enquanto o braço é puxado para baixo e lateralmente. Vai acentuando a flexão do cotovelo enquanto a palma da mão fica voltada em direção aos pés. Após a passagem do braço pelo alinhamento do ombro, o cotovelo atinge a sua flexão máxima e começa a se estender trazendo-a próxima ao corpo, finalizando o movimento com o braço em extensão. MOVIMENTO DAS PERNAS Inicia-se na articulação da coxa executando movimento flexível das pernas e sua batida forte deve ser efetuada para cima, ou seja, no trajeto ascendente. O movimento deverá ser com soltura de toda a perna com batimento dos pés soltos a ponto de sentir a resistência da água no peito dos pés. O joelho tem uma semiflexão mais acentuada do que no estilo crawl. RESPIRAÇÃO Devido a posição do corpo, onde rosto permanece fora da água, é mais fácil a respiração. A inspiração deverá ser feita pela boca quando um braço fizer a recuperação, e a expiração quando fizer a tração pelo outro braço. O ritmo respiratório pode ser adaptado a qualquer braço indiferentemente.

27 COSTAS - DEFEITOS POSIÇÃO DO CORPO - DEFEITOS 1 - Corpo na horizontal - cabeça excessivamente alta com a nuca fora da água. 2 - Queixo encostado no peito. 3 - Cabeça e pescoço estendido para trás. 4 - Quadris baixos. 5 - Movimento da cabeça para os lados acompanhando o movimento dos braços. MOVIMENTO DOS BRAÇOS - DEFEITOS RECUPERAÇÃO 1 - Com o braço semiflexionado, passando frente ao corpo ou fora da linha dos ombros. 2 - Diminuir o ritmo do movimento. 3 - Lançar com violência o braço para trás.

28 4 - Manter o braço contraído. 5 - Manter os ombros dentro da água. ENTRADA DOS BRAÇOS NA ÁGUA - DEFEITOS 1 - Ultrapassar a linha mediana do corpo. 2 - Ultrapassar a linha mediana do corpo exageradamente afastado 3 - Apoio inicial da mão muito superficial. TRAÇÃO - DEFEITOS 1 - Iniciar com.o braço semiflexionado (ataque de cotovelo). 2- Executar com o braço estendido Horizontal ou vertical. 3 - Executar movimento assimétrico (um braço fundo e o outro na superfície).

29 4 - Não apoiar a mão no início da braçada. 5 - Elevação do cotovelo no final da tração. MOVIMENTO DAS PERNAS - DEFEITOS 1 - Movimento de pedalar. 2 - Batida com os pés em extensão. 3 - Batida com flexão da perna no início da fase descendente. VIRADA SIMPLES DEFEITOS 1 - Diminuir o ritmo do nado ao se aproximar da parede. 2 - Apoiar as duas mãos na borda. 3 - Lançar os braços fora da água após o toque.

30 4 - Impulsionar a parede com as pernas estendidas. 5 - Impulsionar a parede antes dos braços estarem estendidos atrás da cabeça. 6 - Impulsionar a parede com os pés acima ou muito abaixo em relação ao plano do corpo. 7 - Abandonar a parede sem estar na posição de costas. 8 - Deslize exagerado após o impulso. 9 - Após a impulsão na parede puxar simultaneamente os braços. VIRADA EM CAMBALHOTA DEFEITOS 1 - Diminuir o ritmo do nado ao se aproximar da parede. 2 - Tirar a posição de decúbito dorsal para ventral muito distante da parede. 3 - Ao entrar em mergulho (saldo mortal de frente para a parede) muito distante da parede, não dando condições para impulsionar a parede com os pés. 4 - Dar impulso na parede com as pernas estendidas ou com ligeira semiflexão dos joelhos.

31 5 -Apoiar os pés na parede para o impulso muito acima ou muito abaixo em relação ao plano do corpo. 6 - Puxar os braços logo após o impulso. 7 - Abandonar a parede sem estar com os braços estendidos atrás da cabeça. SAÍDAS - DEFEITOS 1 - Não semiflexionar os braços e pernas. 2 - Não coordenar o movimento entre o impulso de pernas e braços. 3 - Lançar os braços para cima. 4 - Impulsionar o corpo exageradamente para cima. 5 - Cabeça alta durante o vôo. 6 - Não estender completamente o corpo. 7 - Cabeça baixa durante o deslize. 8 - Batida exagerada antes da primeira braçada. 9 - Cabeça para trás durante o deslize Puxar um braço logo após o deslize.

32 11 - Após o deslize puxar inicialmente os dois braços Prolongar excessivamente o deslize sob a água. COSTAS - CORREÇÕES Exagerar a elevação e extensão dos braços à frente dos ombros e sentir que os mesmos encostam nas orelhas. Evitar movimento de zig-zag. Estes exercícios fazem com que o nadador ganhe alguns centímetros cm cada braçada. PERNAS - CORREÇÕES 1 - Perna de costas - braços estendidos ao longo do corpo, movimentando as mãos, bater as pernas suavemente, enfatizando o impulso para cima e trabalhando os joelhos para baixo. Relaxar bem os calcanhares. 2 - Perna de costas com elevação dos ombros - com um dos braços acima da cabeça e o outro ao longo do corpo, elevar o ombro correspondente ao braço que se mantém à linha lateral do tronco. Manter o ombro fora da água durante alguns segundos e depois relaxar. Trabalho de perna intensa. Trocar o braço a cada 25 ou 50 metros. 3 - Perna de costas - bater perna de costas no plano diagonal, da direita para a esquerda e vice-versa, passando sempre pelo plano diagonal. 4 - Perna de costas - com um dos braços atrás da cabeça e o outro perpendicular à linha da água, com o ombro bem alto - trocar de braço a cada 25 metros. 5 - Perna de costas - bater as pernas de costas, com os braços junto ao corpo procurando encostar o ombro no queixo, elevação do ombro e rolamento. 6 - Perna de costas - bater pernas com os braços no prolongamento do corpo com a cabeça bem alta, sem encostar o queixo no peito. 7 - Pernas de costas - cronometrar - braços estendidos, dedos entrelaçados acima da cabeça, encostando os ombros nas orelhas. Puxar com um dos

33 braços antes das viradas (alternar os braços). Bater as pernas com os dedos e pés estendidos. Manter a posição correta do corpo - tiros de 25, 50 e 100 metros coordenados. BRAÇOS E PERNAS-CORREÇÕES 1 - Costas - alternando os braços - com um dos braços acima da cabeça e o outro ao longo do corpo, a puxada com um braço e a recuperação com outro, acentuando a rotação dos ombros - dar uma pausa para o deslize de 5 segundos, aproximadamente.trabalho de pernas intenso e muita ênfase na mecânica da puxada. 2 - Costas - puxada simultânea - partindo da posição em que os dois braços estão acima da cabeça, realizar a puxada e a recuperação com os dois braços ao mesmo tempo. Flexionar os cotovelos durante a tração. Deslizar durante algum tempo com os dois braços acima da cabeça - Perna intensa. 3 - Costas - com apenas um dos braços - um dos braços estendidos acima da cabeça e o outro faz a puxada. No momento em que o braço está tracionando, procurar elevar o ombro contrário. Na recuperação a mão pode sair da água com o dedo wkmindinho,, ou polegar primeiro e a entrada da mão pelo "mindinho". Forçar a rotação dos ombros. Evitar que o corpo faça zig-zag. Trocar de braço a cada 25 ou 50 metros. Trabalho intenso das pernas. 4 - Costas - pegada dupla - com ambos os braços estendidos acima da cabeça, realizar a puxada e recuperação com um braço de cada vez. Dar uma ligeira pausa para o deslize com os dois braços acima da cabeça. Este exercício serve também na obtenção de força localizada, usando-se palmares. Trabalho de pernas intenso. 5 - Costas - pegada dupla com 2 recuperações - o mesmo exercício anterior só que na recuperação o nadador deverá tocar com a mão na água. acima da cabeça - voltar com o braço para o início da recuperação, ou seja, junto a coxa e realizar uma nova recuperação. Acentuar a rotação dos ombros. 6 - Costas - nadar executando o rolamento e procurando tirar o ombro fora da água. 7 - Costas - nadar com um braço fazendo a puxada e o outro estendido atrás da cabeça. 8 - Costas - nadar com um braço fazendo a puxada e o outro estendido no prolongamento do tronco. 9 - Costas - nadar com um braço parado atrás da cabeça e o outro executando somente o término da puxada Costas - nadar olhando a entrada da mão na água Costas - nadar puxando a raia ou corda com o ombro abaixo.

34 12 - Costas - nadar junto a parede, obrigando a recuperação do braço na vertical e roçando o antebraço na parede, durante a tração e recuperação Costas - nadar com um objeto na testa Costas - nadar com as mãos fechadas.

35 Capítulo 3 Estilo peito PEITO 1 - Posição do corpo Horizontal - dec. ventral manter os joelhos próximos 2 - Movimentos dos braços Tração - cada mão desenvolve um movimento circular Recuperação 3 - Respiração - Cotovelo para cima - Mãos pressionam no início, levemente, para baixo e para fora - Mãos e braços são levados até a linha dos ombros - Os cotovelos por baixo e para dentro sob o corpo - Palmas das mãos podem estar voltadas: para cima para baixo se defrontando - Pela frente - Usar movimentos do pescoço - Queixo próximo à superfície da água 4 Coordenação - Nado começa com impulso - Respiração é feita quando as mãos se movem sob o corpo - Braços retornam para frente e o rosto volta para água quando o movimento das pernas termina - deslize 5 - Saída - Idem ao crawl, porém num ângulo de penetração; - Maior para execução de uma braçada completa e uma pernada (filipina). 6 - Virada - Mãos tocam simultaneamente a parede, acima ou abaixo da superfície da água. - Uma das mãos permanece mais baixa, para o giro sobre esse lado. - Corpo se afunda e impulsiona com os pés a parede e executa a filipina.

36 MOVIMENTO DOS BRAÇOS RECUPERAÇÃO - As mãos são levadas juntas à frente através da extensão dos cotovelos, permanecendo abaixo da linha dos ombros, com as palmas das mãos voltadas diagonalmente para fora. TRAÇÃO - Braços estendidos à frente da cabeça, com as palmas das mãos voltadas diagonalmente para fora. O ataque inicia-se com os braços estendidos e as mãos a uma profundidade entre 15 a 25 centímetros. As mãos são levadas lateralmente e os cotovelos semiflexionam atingindo aproximadamente 110-, entre o braço e o antebraço. A fase de tração termina antes dos braços atingirem a linha dos ombros através de um movimento curto. As mãos são levadas para dentro em movimento circular, quando então terminam a sua última parte propulsora. MOVIMENTO DAS PERNAS Flexão dos joelhos, levando as pernas sobre as coxas, trazendo os calcanhares próximos aos glúteos. Evitar a flexão da coxa ao tronco. A seguir os tornozelos se flexionam e fazem a rotação dos pés para fora, para logo em seguida iniciar a impulsão das pernas para trás com apoio da região plantar na água. De acordo com a extensão dos joelhos, os pés são impulsionados para trás, seguido de um movimento arredondado, e elevação das coxas para cima. Conforme as pernas se estendem, finalizam o movimento com elas unidas e em extensão. RESPIRAÇÃO A cabeça deve ser elevada o suficiente para permitir a inspiração, em seguida, a flexão do pescoço e o seu retorno para a água. COORDENAÇÃO DOS BRAÇOS E INSPIRAÇÃO A inspiração se executa quando os braços finalizam a tração para o início da recuperação. PEITO - DEFEITOS MOVIMENTO DOS BRAÇOS - DEFEITOS 1 - Iniciar a braçada sem que os braços estejam completamente estendidos à frente. 2 - Início da braçada sem as palmas estarem voltadas para fora.

37 3 - Abertura exagerada dos braços antes da tração. 4 - Executar o início da braçada muito superficialmente, 5 - Apoio inicial muito profundo. 6 - Mãos ultrapassam a linha dos ombros. 7 - Desenvolver os movimentos dos braços lentamente, sem velocidade. 8 - Ao iniciar o lançamento dos braços à frente, parar bruscamente o movimento. 9 - Na recuperação manter as mãos e cotovelos baixos Executar a tração dos braços diferentemente um do outro.

38 11 - Executar a tração dos braços lateralmente para trás (horizontal) Braçada demasiadamente curta. MOVIMENTO DAS PERNAS - DEFEITOS 1- joelhos muito unidos na flexão dos joelhos. 2 - Joelhos e pés muito separados na flexão dos joelhos. 3 - Uma perna flexiona em plano diferente da outra (assimetria).

39 4 - Joelhos são levados ao peito. 5 - Executar a pernada com os dois pés voltados para dentro. 6 - Executar a pernada com os dois pés em extensão. 7 - Executar a pernada muito na superfície, com parte dos pés saindo da água. 8 - Executar a pernada profunda. 9 - Não completar a pernada até a união dos pés No início da extensão das pernas, mantê-las mais unidas do que as coxas Terminar a pernada com elas estendidas e separadas. RESPIRAÇÃO - DEFEITOS 1 - Elevação exagerada da cabeça para a inspiração. 2 - Após a inspiração lançar a cabeça para baixo.

40 3 - Girar a cabeça para os lados. COORDENAÇÃO - DEFEITOS 1 - Elevar a cabeça para inspirar no início da braçada. 2 - Executar mais de uma braçada sem respirar. 3 - Executar a braçada e pernada simultaneamente. 4 - Iniciar a braçada sem as pernas e os pés estarem completamente estendidos. 5 - Iniciar a flexão das pernas sem que os braços tenham atingido o final da tração. 6 - Iniciar a flexão das pernas quando se inicia a tração dos braços. SAÍDA COM CIRCUNDUÇÃO DOS BRAÇOS-DEFEITOS 1 - Posição inicial na plataforma de saída errada: a) braços para trás ou para frente. b) cabeça muito baixa ou muito elevada. c) corpo muito flexionado. d) pernas estendidas ou exageradamente flexionadas. e) quadris muito baixos. f) ombros muito elevados. g) não prender os dedos dos pés na parte anterior da plataforma de saída. 2 - Não efetuar a circundução dos braços. 3 - Falta de coordenação dos movimentos de braços e pernas para uma boa impulsão. 4 - Saltar para baixo, entrando na água próximo da borda. 5 - Saltar para cima. SAÍDA DE AGARRE - DEFEITOS 1 - Não segurar na plataforma de saída. 2 - Posição inicial errada: a) pernas muito flexionadas e quadris baixos. b) cabeça alta, olhando para frente. c) pernas completamente estendidas.

41 3 - Soltar as mãos da plataforma antes do corpo estar projetado à frente. 4 - Impulsionar antes das pernas estarem paralelas a água. 5 - Antes da impulsão, não abaixar a cabeça e puxar os braços flexionando-os. 6 - Não estender as pernas durante o vôo, entrando na água carpado. 7 - Penetrar na água muito superficialmente ou muito profundo. 8 - Dentro da água, sem os braços estarem estendidos à frente da cabeça. 9 - Dentro da água, niio executar a braçada e a pernada submersa. VIRADAS-DEFEITOS 1 - Não tocar as duas mãos na parede simultaneamente. 2 - Após o giro, ficar de frente para a piscina. 3 - Dar impulso sem os braços estarem estendidos á frente da cabeça. 4 - Não executar a filipina. 5 - Executar mais de uma braçada ou pernada submersa. 6 - Dar impulso na parede com as pernas estendidas. 7 - Dar impulso na parede com o corpo muito na superfície. 8 - Dar impulso na parede com o corpo muito profundo. 9 - Após a virada, fazer a braçada lateralmente ou verticalmente No final da braçada, empurrar a água para a coxa Recuperar os braços afastados do corpo Deslizar com a cabeça alta ou baixa Tocar as mãos na parede muito acima do nível da água Ao tocar a parede, flexionar exageradamente os braços Antes de tocar a parede não completar um ciclo completo do movimento dos braços e pernas.

42 ESTILO PEITO - CORREÇÕES Em todo o movimento das pernas, forçar o final da pernada, mantendo os pés estendidos e unidos. 1 - Sentado ou em apoio dos antebraços no chão, pernas estendidas e unidas; riscar no chão dois semicírculos se defrontando, de modo que as linhas retas fiquem paralelas, acompanhando o posicionamento das pernas estendidas. Efetuar a semiflexão dos joelhos com os calcanhares, acompanhando os traços paralelos riscados no chão; a seguir, acompanhar com os calcanhares os semicírculos, cada qual com o seu respectivo pé até que as pernas terminem o movimento com a extensão e união. 2 - Em duplas - o executante no solo em decúbito ventral - o companheiro segura nos calcanhares do executante e o auxilia em toda a manobra do posicionamento dos pés e pernas para execução da pernada no estilo peito. 3 - Dentro da piscina, na parte funda, frente ã parede, em apoio dos braços e antebraços no piso próximo ã borda, aproximar toda a parte anterior do corpo contra a parede. Iniciar o movimento das pernas, flexão dos joelhos trazendo os calcanhares em aproximação dos glúteos (não deixar que os joelhos batam contra a parede), seguido da flexão dorsal e rotação externa dos pés e finalmente a extensão das pernas, seguindo num movimento arredondado dos pés, finalizando com as pernas estendidas e unidas (à medida que estendem, elas vão se unindo) finalizando com um movimento rápido de pernas e pés (a cada movimento, o corpo devera sentir um ligeiro impulso para cima. provocado pelo apoio da região plantar dos pés contra a água). PERNAS - CORREÇÕES 4 - Pernada de peito com prancha - cabeça fora da água, enfatizando o final da pernada, pés juntos e estendidos. 5 - Pernada de peito - com os braços estendidos à frente da cabeça. 6 - Pernada de peito com as mãos entrelaçadas atrás dos quadris - respirar no momento em que se flexiona os joelhos para armar a pernada procurando empurrar a água para cima, com os pés que permanecem estendidos. 7 - Pernada de peito com as mãos ao longo do corpo-tocar os calcanhares com os dedos, no momento em que as pernas estão no seu ponto máximo de flexão. Os joelhos devem permanecer ligeiramente separados e os calcanhares um pouco mais afastados que a linha dos quadris. 8 - Pernada de peito em decúbito dorsal - os braços permanecem atrás da cabeça e as mãos entrelaçadas, os joelhos juntos não devem sair da água e os quadris mantêm-se altos.

43 BRAÇOS E PERNAS-CORREÇÕES 1 - Peito com perna de crawl - realizar a braçada de peito normalmente - manter as palmas das mãos para cima até a metade da recuperação e procurar encostar os ombros nas orelhas, quando da extensão dos braços à frente. Na respiração elevar o queixo para cima e para frente em todos os exercícios. 2 - Peito com 2 pernadas para cada braçada - no deslize, manter os ombros juntos das orelhas, respirar somente quando der a braçada. 3 - Peito - começo da braçada - braços estendidos á frente - fazer o movimento das mãos e pulsos sem dobrar os cotovelos. A pernada e a respiração são normais. Dar ênfase à extensão dos braços à frente. 4 - Peito - braço direito - braço esquerdo - os dois-realizar o movimento do nado de peito, primeiro com o braço direito (esquerdo permanece à frente), depois com o esquerdo e, finalmente, com os dois braços juntos; respira-se em todas as braçadas. 5 - Peito - nadar com a cabeça mantendo-se na posição e executando duas braçadas para uma respiração. 6 - Peito - nadar com a cabeça sempre fora da água. 7 - Peito submerso - braços estendidos ã frente, efetuar a braçada concentrando-se na técnica do estilo. Respirar o mínimo possível a cada 25 metros. Não utilizar o movimento de pernas, não deixar o cotovelo passar a linha do ombro. 8 - Peito - nadar cruzando os braços (um por cima o outro por baixo) - no início da braçada. 9 - Peito - nadar com pernada do golfinho Peito - nadar de peito intercalando duas ou mais braçadas com pernas estendidas, com 2 pernadas ou mais com os braços estendidos, com nado completo Peito - nadar só com ação do braço esquerdo e da perna esquerda, a mão direita segura o tornozelo direito; após um número determinado de braçadas e pernadas, inverter a posição Filipinas - (primeira braçada após a saída e as viradas) - fazer os 25 ou 50 metros somente com filipinas, enfatizando a recuperação dos braços com as mãos bem juntas do corpo, uma sobreposta a outra, viradas para cima. No deslize após a braçada e na recuperação, eliminar posições que causem atritos. Não usar a pernada. Respirar a cada duas ou três filipinas. Diminuir o número de braçadas a cada 25 metros ou 50 metros Filipinas - dar duas ou mais filipinas seguidas.

44 14 - Filipina completa - realizar a filipina completa, enfatizando a recuperação dos braços com as mãos bem juntas do corpo, uma sobreposta a outra, viradas para cima. No deslize, após a braçada e na recuperação eliminar posições que causem atrito. A pernada deve ser iniciada (flexão dos joelhos) no momento em que as mãos estejam passando na altura do queixo. Na primeira braçada após a filipina, a cabeça deve permanecer baixa (neste exercício não se respira na primeira braçada), após duas ou três braçadas, afunda-se novamente e repetese o exercício.

45 Capítulo 4 Estilo borboleta BORBOLETA 1 - Posição do corpo - Horizontal - decúbito ventral - Movimento natural para cima e para baixo 2 - Movimentos dos braços Tração Recuperação - Mãos descrevem um buraco de fechadura (2 pontos de interrogação) - Cotovelo para cima - Mãos pressionam num ângulo de 45 com o cotovelo abaixo do corpo e para fora, afastando dos quadris - Cotovelo alto - Ombros são mantidos para fora - Mãos entram na água, após flexão do pescoço 3 - Movimento das pernas 4 - Coordenação 5 - Saídas - Propulsão em certos pontos do nado - Ponta dos pés - Movimento das pernas - ascendente e descendente - Movimento ondulatório do nado - 2 pontapés para cada braçada - Pontapé maior- final do impulso - Pontapé menor - quando as mãos entram na água - Respiram enquanto faz a finalização dos braços na tração - A cabeça vai para baixo quando faz o retorno dos braços - Ritmo (importante) - Idem ao estilo crawl - porém um angulo de penetração maior que o estilo crawl e menor que o estilo peito, para permitir uma ou mais pernadas e uma braçada para a saída e princípio do nado.

46 6 - Viradas - As mãos ficam juntas à parede - Uma as mãos impulsiona sob a água e move-se para essa direção - Cabeça fica baixa MOVIMENTO DOS BRAÇOS RECUPERAÇÃO É o momento de relaxamento em todos os estilos, dos músculos responsáveis pela ação propulsora dos mesmos. Partindo da posição das mãos ao lado dos quadris, os braços são levados estendidos ou quase estendidos até os pontos laterais à cabeça, com a palma das mãos e cotovelos dirigidos para cima, quando então a palma das mãos se voltam para a água e os braços são estendidos para frente até o final da entrada das mãos na água, na largura dos ombros. TRAÇÃO A braçada no estilo borboleta consiste em um movimento simultâneo e simétrico. Após a entrada dos braços na água. as mãos são voltadas ligeiramente para fora e para baixo, atingindo uma profundidade de 20 a 25 centímetros da superfície. À medida que se aproxima da linha dos ombros com a palma das mãos voltadas para trás. os cotovelos atingem flexão aproximada de 90, quando as mãos estão sendo levadas para baixo do corpo, para dentro, com um força contínua e crescente. Nesta fase, as mãos se aproximam e os braços começam a se estenderem para trás, seguido do giro das mãos para fora, comprimindo a maior quantidade de água, a fim de se prepararem para o início da recuperação. MOVIMENTO DAS PERNAS As pernas se encontram no ponto mais baixo da sua batida, com os calcanhares a uma profundidade de mais ou menos 60 centímetros. Os quadris se encontram próximos da superfície. As pernas se movem para cima em extensão, provocando o abaixamento dos quadris. Iniciar a descida das coxas, seguido da semi-flexão dos joelhos. Neste ponto, os quadris chegam ao seu flexionamento. As pernas e pés são lançados para baixo como uma rabada" e finaliza com a extensão das mesmas. RESPIRAÇÃO Inspiração Expiração Inicia-se no final da tração dos braços. É realizada de modo explosivo, quando inicia a segunda metade da tração dos braços. O número de braçadas para cada respiração completa varia de um nadador para outro, sendo o mais comum, de uma a duas braçadas.

47 BORBOLETA - DEFEITOS COORDENAÇÃO - DEFEITOS 1 - Não efetuar duas pernadas para cada ciclo de braçadas. 2 - Efetuar as pernadas fora do tempo. SAÍDA COM CIRCUNDUÇÃO DOS BRAÇOS -DEFEITOS 1 - Posição inicial na plataforma de saída errada: a) braços para trás ou para frente. b) cabeça muito para baixo ou muito elevada. c) tronco muito flexionado. d) pernas estendidas ou exageradamente flexionadas. e) quadris muito baixos. f) ombros muito elevados. g) não prender os dedos na parte anterior da plataforma de saída. 2 - Não efetuar a circundução dos braços. 3 - Falta de coordenação dos movimentos de braços e pernas para uma boa impulsão. 4 - Saltar para baixo, entrando na água próximo da borda. 5 - Saltar para cima. SAÍDA DE AGARRE - DEFEITOS 1 - Não segurar na plataforma de saída. 2 - Posição inicial errada: a) pernas muito flexionadas e quadris baixos; b) cabeça alta, olhando para frente; c) pernas completamente estendidas. 3 - Soltar as mãos da plataforma de saída antes do corpo estar projetado à frente. 4 - Impulsionar antes das pernas estarem paralelas a água. 5 - Antes de impulsão, não abaixar a cabeça e puxar os braços flexionando-os. 6 - Não estender as pernas durante o vôo, entrando na água carpado. CHEGADA - DEFEITOS 1 - Tocar as mãos na parede muito acima da água.

48 2 - Dar uma braçada de mais ou de menos para chegar. 3 - Não tocar as mãos na parede simultaneamente. POSIÇÃO DO CORPO DEFEITOS 1 - Inexistência do movimento ondulatório. 2 - Elevação exagerada do corpo. MOVIMENTO DOS BRAÇOS-DEFEITOS 1 - Entrada das mãos muito próximas da cabeça. 2 - Entrada das mãos muito afastadas (além da linha dos ombros). 3 - Entrada dos braços com os cotovelos baixos. 4 - Iniciar a braçada empurrando a água para trás. 5 - Ataque de cotovelos durante a tração dos braços. 6 - Retirar os braços antes de completar a braçada. 7 - Braços contraídos na recuperação. 8 - Empurrar a água para cima no final da tração. MOVIMENTO DAS PERNAS - DEFEITOS 1 - Lentidão e exagero na amplitude de cada movimento. 2 - Movimento exclusivo de pernas. 3 - Elevação exagerada do movimento de pernas, retirando os pés fora da água. 4 - Rigidez das articulações. 5 - Movimento alternado de pernas. 6 - Início do movimento ascendente com as pernas flexionadas. 7 - Batida de pernas com os pés flexionados. RESPIRAÇÃO - DEFEITOS 1 - Elevação atrasada da cabeça para a inspiração. 2 - Elevação da cabeça para inspiração no momento do apoio das mãos.

49 3 - Devolução da cabeça após os braços terem ultrapassado a linha dos ombros. BORBOLETA - CORREÇÕES PERNAS- CORREÇÕES 1 - Pernada submersa - com saída de cima, perna de golfinho por baixo da água, sem respirar, braços estendidos à frente. Flexionar bem os joelhos. 2 - Pernada submersa com respiração - saída de baixo, perna de golfinho, sem respirar, braços estendidos à frente. Flexionar bem os joelhos. Subir à tona somente para respirar a cada 25 metros. 3 - Pernada - bater pernas de golfinho com tronco fora da água e segurando os tornozelos de um companheiro. 4 - Pernada - pernas de golfinho lateralmente, submerso ou na superfície. 5 - Pernada - braços atrás - mãos entrelaçadas-atrás dos quadris - trabalho de pernas sem interrupção no momento em que respira. Ao se colocar os braços à frente, o nadador sentirá mais facilidade em fazer o golfinho. 6 - Pernada de golfinho na superfície com respiração frontal-braços ao longo do corpo ou à frente da cabeça. 7 - Pernada ao contrário - perna de golfinho em decúbito dorsal, braços ao longo do corpo ou estendidos acima da cabeça com as mãos entrelaçadas. 8 - Pernada de lado - com um dos braços estendidos acima da cabeça, fazer o trabalho de pernas flexionando bem os joelhos. Para respirar fazer a rotação do tronco e cabeça sem diminuir as pernadas. 9 - Pernada de golfinho com respiração lateral e grande ondulação do tronco - três ou mais pernadas submersas após a inspiração Pernada de golfinho segurando o final da prancha ou tábua. BRAÇOS E PERNAS CORREÇÕES 1 - Borboleta submerso - efetuar o movimento de braçada (tração), com o trabalho de pernas, mas na recuperação os braços mo sairão por fora da água e sim como se recupera após a filipina no estilo peito, trazendo as mãos bem juntas ao corpo. Para respirar não se deve diminuir o movimento das pernas. 2 - Borboleta com três golfinhadas - nadar o borboleta com três golfinhadas para cada ciclo de braçada: cuidar da mecânica do braço e inclusive da recuperação que até a metade deve ser com as palmas das mãos para cima. 3 - Borboleta com um braço - o nadador mantém um dos braços estendidos à frente, enquanto o outro realiza a puxada. A primeira pernada se realiza

50 quando um braço de tração se estende na frente logo que entra na água; a segunda pernada (mais forte que a primeira) se realiza com a finalização de tração do braço. Respiração a cada 3 ou mais pelo lado ou pela frente. Mudar o braço de tração a cada 25 ou 50 metros, pois melhora a mecânica de braçada e a coordenação dos braços e pernas. 4 - Borboleta - braço direito - braço esquerdo - os dois. Realizar o nado borboleta, primeiro com o braço direito (esquerdo permanece à frente), depois com o esquerdo e finalmente com os dois braços juntos; respira-se somente quando o movimento feito com os dois braços juntos. Encostar os ombros nas orelhas, pois melhora a coordenação. 5 - Borboleta - nadar golfinho elevando os cotovelos no final da puxada e recuperando as mãos por dentro da água. 6 - Borboleta - nadar golfinho cruzando-se os braços entre si no meio da puxada. 7 - Borboleta - nadar golfinho com braçada cruzada e quatro pernadas, mantendo o corpo submerso e os braços estendidos à frente. 8 - Borboleta - nadar golfinho e batida de perna do crawl. 9 - Borboleta - nadar golfinho e duas batidas de golfinho - respira-se uma ou mais vezes antes de submergir novamente. O final da tração deve coincidir com a 2ª golfinhada (forte); dar ênfase à elevação dos quadris no final da puxada e deixar deslizar um pouco ao terminá-la. O trabalho das pernas é contínuo.

51 Bibliografia ARROYO, Alejandro S.:Natación deportiva, Madri, Tutor, BIRD, J. C: Metodologia para su ensenansa, Buenos Aires. CARLILE,?.: Natación, Editorial Paidos, CATTEAU, R.; GAROFF, G.: O ensino da natação, Editora Manole Ltda, COUNSILMAN, James E.: La natación ciência y técnica, Editorial Hispano Europea, 1974, Colección Herakles. GAMBRIL, D. L.: Natação Moderna, Difel/Fórum, GUINOVART, J. C.: Como se hace un nadador, Editorial Sintes S/A., KÍPHUTH, R.: Natación, Editorial Paidos, KRAMP H.; SULLIVAN, G.:ABC de Ia natación, Ediciones Toray S/A, Barcelona, LIBOUREL, Colette.; MURR, R: La natation le livre de poche, Paris, 1974 LOTUFO, J.: Ensinando a nadar, Cia Brasil Editora, 6ª edição. MILLER, B.: Revista Stadium, n 41, pág. 17. PAVEL, R.: Palestra Promoções Esportivas, apostila, PORTARO, A. L.: Apostila. A importância da fase de aprendizagem em natação. I Seminário de técnicas e práticas de natação, Apostila. STICHERT, K. H.: Natação, Ao Livro Técnico S/A., TEIXEIRA, L. R.: / Congresso Sul-americano de Natação, julho, Apostila, THIBAULT, C: La natación, Editorial Espasa-Calpe S/A., Madrid, 1968.

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos*

UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos* UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos* Heinz Liesen** UNITERMOS: Ginástica especial. Cardiopatas. Os exercícios sâo organizados de maneira a trabalhar as diversas

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO

TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO TÉCNICAS DOS NADOS 1 Defender um determinado estilo ou forma em detrimento de outro: Ex.: mundo seguindo campeões; Poucos campeões possuem o background necessário para explicar

Leia mais

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NATAÇÃO Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NADO CRAWL Nado Livre Significado Rastejar História do Nado Crawl Até 1844, era realizado com uma braçada de peito executado na lateral do corpo com batimentos

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

Das inscrições: 16 de julho de 2016

Das inscrições: 16 de julho de 2016 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2016 16 de julho de 2016 Das inscrições: 1.

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Gestos Técnicos do Voleibol

Gestos Técnicos do Voleibol Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD e Pedro Pires Nº10 11ºD Disciplina de Pratica de Actividade Física e Desportiva Data de entrega: 03/12/2014 Diogo

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Prof. Drt. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Exercícios Mul%Funcionais Educa%vos Básico Auxilio Reação NeuroMuscular EME - CONCEITO São Exercícios Mul0Funcionais

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS.

Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM E MINI-MIRIM A ginasta deverá optar por apenas um nível em todos os aparelhos NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = 1,00 pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 Despacho normativo nº1-a/2017 de 10 de fevereiro DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Ano de Escolaridade:

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

K1 Técnica de remada inclinada

K1 Técnica de remada inclinada Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos

Leia mais

NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO

NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO Este nado em nosso País já fui conhecido como '"rã", "braçada clássica", "a La brasse", nado de bruços e "nado militar". Somente mais tarde surgiu a denominação

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: FOAM ROLLER GESTANTES FAIXA ELÁSTICA FITBALL TONNING BALLS BOSU DUPLA FUNCIONAL DUPLA ACROBATICA

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

7(67(6'($37,' 2)Ë6,&$3$5$2&$5*2'($66,67(17(7e&1,&2, )81d 2'((/(75,&,67$$35(1',=

7(67(6'($37,' 2)Ë6,&$3$5$2&$5*2'($66,67(17(7e&1,&2, )81d 2'((/(75,&,67$$35(1',= &203$1+,$3$5$1$(16('((1(5*,$±&23(/ &21&85623Ò%/,&21ž 7(67(6'($37,' 2)Ë6,&$3$5$2&$5*2'($66,67(17(7e&1,&2, )81d 2'((/(75,&,67$$35(1',=,1)250$d (6*(5$,6 7(67(6'($37,' 2)Ë6,&$ 1.1. Os Testes de Aptidão Física,

Leia mais

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009 ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE Novembro 2009 Rui Silva ALONGAMENTOS NO BASQUETEBOL Na generalidade, os alongamentos devem ser feitos durante 20-30 segundos. De seguida, apresentam-se uma série de exercícios

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

Exercícios de potência e explosivos

Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO DVD 1 MÚSCULOS PREDOMINANTES ENVOLVIDOS Descrição da Grupo muscular ou Nome ação concêntrica região corporal Músculos Arranque Extensão dos

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Forma Perfeita Em Poucas Semanas

Forma Perfeita Em Poucas Semanas Forma Perfeita Em Poucas Semanas Quer desenvolver bíceps, tríceps e antebraços fortes como uma rocha? Para isso é só encarar nosso programa de treino de 1 mês. Serão 4 semanas intensas, mas o resultado

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana15 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Amarela Ciclo de remada com

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo Hidrodinâmica Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência,

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13 Escola Secundária D.Pedro V Ginástica de Solo Ana Abel 06/04/13 Introdução Este trabalho sobre ginástica é um elemento de avaliação das disciplinas de Educação Física e Prática de Actividades Físicas e

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO Escala de Equilíbrio de Berg 1.SENTADO PARA EM PÉ INSTRUÇÕES: Por favor, fique de pé. Tente não usar suas mãos como suporte. ( ) 4 capaz de permanecer em pé sem o auxílio das mãos e estabilizar de maneira

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO Caracterização da Modalidade O atletismo pode ser dividido em cinco sectores:

Leia mais

Treinamento Esportivo.com

Treinamento Esportivo.com Treinamento Esportivo.com 2009 w w w. t r e i n a m e n t o e s p o r t i v o. c o m Página 0 APRESENTAÇÃO Este circuito de peso corporal surgiu anos atrás quando comecei a trabalhar com atletas de tênis

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

CARTILHA ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE

CARTILHA ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE CARTILHA ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE 1 CARTILHA ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012.

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. ANEXO V CRITÉRIOS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA RETIFICADO EM

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2010-2012 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2011: 07 a 10 anos (nascidas em 2001,2002,2003, 2004). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no

Leia mais

Meu trabalho exige de mim fisicamente.

Meu trabalho exige de mim fisicamente. Meu trabalho exige de mim fisicamente http://www.cataflampro.com.br Meu trabalho exige de mim fisicamente Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Relaxe com exercícios menos intensos, alongue

Leia mais

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados.

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª Série TURMA(S):

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é Caracterização do O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é enviar a bola por cima da rede, fazendo-a cair no campo adversário e evitando que ela caia no nosso

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

ANDEBOL. Nível Introdutório

ANDEBOL. Nível Introdutório Nível ANDEBOL Nível Não Com posse de bola: Desmarca-se, oferecendo linha de passe. Opta por passe, ou por drible em progressão para finalizar. Finaliza em remate em salto. Perde a posse de bola, assume

Leia mais

DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LETIVO 2017-2018 ANO: 12º O aluno: OBJECTIVOS / METAS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES - Desenvolve da capacidade física resistência.

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

Eu me sinto estressado (a) e esgotado (a).

Eu me sinto estressado (a) e esgotado (a). Eu me sinto estressado (a) e esgotado (a). http://www.cataflampro.com.br Eu me sinto estressado (a) e esgotado (a). Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Relaxe com exercícios de alongamento,

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO BÁSICOS SUPINO RETO Peitoral maior parte esterno costal (medial) Descer a barra na direção do esterno até que toque a região peitoral. Subir a barra até a extensão dos cotovelos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Natação realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012 ANEXO II TAF TESTE DE APTIDÃO FÍSICA E EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS MASCULINO E FEMININO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O TAF Teste de aptidão Física é um instrumento usado para medir e avaliar as condições

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 10h15min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Campo Mourão 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

Eu fico sentado (a) em frente ao computador o dia todo.

Eu fico sentado (a) em frente ao computador o dia todo. Eu fico sentado (a) em frente ao computador o dia todo. http://www.cataflampro.com.br Eu fico sentado (a) em frente ao computador o dia todo. Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Mova-se

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 Das inscrições Art. 1 o - O Torneio Interfederativo de Nado Sincronizado será regido pelas regras da FINA e pelo Regulamento específico do Torneio.

Leia mais

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos 1 Plano de Aula Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Hora: 10:20h 11h50 Duração: 90 (72 ) Espaço: Salão Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica

Leia mais

R E S I S T A N C E TRAINER. ESSENTIALS by S T R E N G T H S T R E N G T H. ZIVA HRT Exercise Chart_18x28 ENG.indd 1

R E S I S T A N C E TRAINER. ESSENTIALS by S T R E N G T H S T R E N G T H. ZIVA HRT Exercise Chart_18x28 ENG.indd 1 S T R E N G T H ZIVA HRT Exercise Chart_18x28 ENG.indd 1 R E S I S T A N C E TRAINER INSTRUÇÕES ESSENTIALS by S T R E N G T H Tipo de Exercício Este programa foi desenvolvido para exercícios diversos e

Leia mais

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS 1 Execução de uma Perna de Ballet Partir da Posição Básica Dorsal. Um membro inferior mantém-se à superfície durante toda a execução. O pé do outro membro inferior desliza

Leia mais

O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA

O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA A procura de uma técnica de salto em altura ideal é uma questão de estilo biomecanicamente adequado da transposição

Leia mais