APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL"

Transcrição

1 APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL 2008

2 2 SUMÁRIO LISTA SIGLAS INTRODUÇÃO Origem e Evolução Regulamentação PRINCÍPIOS BIOMECÂNICOS DO NADO CRAWL Principio da Redução da Resistência da Água com o Corpo Resistência de Forma Resistência de Ondas Resistência de Atrito Principio da Continuidade das Ações Ritmo Orientação das Superfícies Propulsivas Sentido dos Movimentos em Relação com os Deslocamentos DESCRIÇÃO TÉCNICA Posição do Corpo (PC) O Alinhamento Horizontal (AH) Alinhamento Lateral (AL) Rotação do Corpo Sobre o Eixo Longitudinal (REL) Posição da Cabeça e Respiração Postura Inicial (Momento da Apnéia) Postura Final (Momento da Respiração) Inspiração Expiração Ação dos Braços Fase Área Saída da Mão Recuperação Entrada da Mão na Água Fase Aquática Extensão Agarre Tração Empurre Trabalho de Pernas Fase Descendente Fase Ascendente Coordenações Coordenação Entre os Braços Coordenação de Alcance ou Distância por Braçada Coordenação de Superposição Coordenação Entre Braços e Respiração Coordenação Entre os Braços e Pernas Coordenação Entre os Braços e o Tronco SEQÜÊNCIAS PEDAGÓGICAS DE ENSINO ERROS MAIS FREQÜENTES NA TÉCNICA DE CRAWL Posição do Corpo... 37

3 5.1.1 Erros no Movimento Horizontal Erros no Alinhamento Lateral Erros Rolamento Longitudinal Respiração Pernada Ação dos Braços Recuperação Entrada da Mão na Água Extensão do Braço Fase de Agarre Fase de Tração Fase de Empurre Saída Agarre Viradas Chegada REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 4 LISTA SIGLAS AA AD AH AL ALE ALI AMA FINA MI MS NB NPD PC REL - Ação Ascendente - Ação Descendente - Alinhamento Horizontal - Alinhamento Lateral - Alinhamento Lateral Exterior - Alinhamento Lateral Interior - Adaptação ao Meio Aquático - Federação Internacional de Natação Amadora - Membro Inferior - Membro Superior - Natação para Bebês - Natação Pura Desportiva - Posição Corporal - Rotação sobre o Eixo Longitudinal

5 NADO DE CRAWL 5 1 INTRODUÇÃO Crawl significa rastejar em inglês, que foi a primeira impressão de um técnico ao ver atletas nadando neste estilo. Sua principal característica é a possibilidade de se incorporar mudanças que o tornem mais rápido, ou seja, variações diversas são permitidas e até estimuladas, contribuindo para a evolução do nado 1. O crawl moderno é a modalidade de natação que, atualmente, no que se refere à velocidade, se apresenta como capaz de conseguir maior rendimento 2. O nado de crawl caracteriza-se por apresentar: - Posição ventral do corpo (barriga voltada para baixo); - Movimentos alternados e coordenados das extremidades superiores e inferiores; - Rosto submerso, com água na altura da testa, olhando para frente e para baixo; - Respiração lateral, com rotação da cabeça, coordenada com os membros superiores para realizar a respiração. - Um ciclo consiste numa braçada com o membro superior esquerdo e outra braçada com o membro superior direito e um número variável de pernadas. Com relação as provas nadadas nesse estilo temos as distâncias de 50m, 100m, 200m, 400m, 800m (feminino) e 1.500m (masculino). A posição do corpo permite trajetos subaquáticos bem orientados, com resultantes muito próximas da direção do nado. A alternância, continuidade e fluidez das ações segmentares implicam uma menor variação intra-cíclica da velocidade, o que contribui para a economia do movimento. 1 CARVALHO, Sérgio, Apostila de Natação I, CATTEU E GARROF, 1990, p.122

6 6 1.1 Origem e Evolução A primeira forma de nado rudimentar da qual se pode dizer que nasce o crawl, é o "English Side Stroke", que nasce na Inglaterra em 1840, e se caracteriza por nadar sobre a água com uma ação alternada de membro superior, mas sempre subaquática, enquanto os membros inferiores realizam um movimento de tesoura. Figura 1: English Side Stroke. Fonte: Enciclopédia Britânica on line via: Somente dez anos depois apareceu o "Single over" ou "Over singelo, o qual consiste no nado sobre o corpo, mas com uma recuperação aérea dos membros superiores, dito estilo é nadado pela primeira vez pelo australiano WALLIS (RODRÍGUEZ, 1997; REYES, 1998). Posteriormente aparece o "Trudgen" (sobrenome do primeiro nadador que o utiliza), que é "importado" a Europa por dito nadador inglês ao observar-se realizar a indígenas sul americanos. Dito nado tem como novidade que se nada sobre o abdômen, movendo alternativamente os membros superiores por fora da água, enquanto os membros inferiores realizam um movimento semelhante ao pontapé de peito. Em 1890 este estilo tem uma nova evolução levada a cabo pelos nadadores australianos, quem realizam um nado "Trudgen", mas com movimento do membro inferior de tesoura, denominandose esta nova técnica "Double over" ou "DOBRO OVER" (REYES, 1998). Mas não é até o ano 1893 quando o pontapé de tesoura se substituído por um movimento alternativo do membro inferior, dando a conhecer a forma mais rudimentar do estilo "crawl" ou crol, adotado pela primeira vez pelo nadador HARRY WICKHAM (DUBOIS E ROBIN, 1992; RODRÍGUEZ, 1997; REYES, 1998); mas é em realidade o nadador CAVILL o que mais difunde este estilo, introduzindo-o no ano 1903 em EE.UU. (CEGAMA, 1962; DUBOIS E ROBIN, 1992). O crawl acaba de evoluir em 1920 nos JJ.OO. Quando o príncipe hawaiano DUKE KAHANAMOKU, graças à realização de uma batida de seis tempos, consegue obter uma posição mais oblíqua que lhe permite bater todos os recordes (REYES, 1998). Desde esse momento, o estilo crawl sofre

7 pequenas variações: em 1928, CRABBE realiza um nado com respiração bilateral; em 1932, os japoneses realizam um crawl com uma tração descontinua para favorecer a eficácia do batido e, em 1955 JOHN WEISMÜLLER, realiza a tração subaquática com uma importante flexão de cotovelo na metade do percurso (DUBOIS e ROBIN, 1992). 7 Figura 2: Johnny Weissmuller and Duke Kahanamoku. Fonte:http://www.newsfinder.org/site/more/the_crawl_or_freestyle_swimming/ Na atualidade, a técnica de nado não tem variado muito desde a utilizada por dito nadador; ainda que nos últimos anos o nadador australiano MICHAEL KLIM, em certos momentos da prova, realiza movimentos de crawl do membro superior coordenados como batido de borboleta nos membros inferiores; como ocorreu nos metros finais da primeira posta do relevo 4 x 100m livres nos JJ.OO. de Sydney (Austrália) em Regulamentação A definição do crawl, como estilo de natação não é encontrado nos regulamentos oficiais da FINA. (Federation Internationale de Natation Amateur). E isto acontece, porque o crawl é a forma de nadar utilizada nas provas de nado livre, sem sofrer, no tocante à execução do estilo, a ação fiscalizadora dos chamados juizes de percurso. O regulamento vigente de natação com respeito ao nado livre diz: - SW5.1 Nado livre significa que numa prova assim denominada, o competidor pode nadar qualquer nado, exceto nas provas de medley individual ou revezamento quatro estilos em que nado livre significa qualquer nado diferente do nado de costas, peito ou borboleta. - SW5.2 Alguma parte do nadador tem que tocar a parede ao completar cada volta e no final. Como conseqüência:

8 - Admite-se nas provas de estilo livre nadar qualquer estilo ou combinação de estilos. - É uma porta aberta ao progresso na busca de formas de nado mais rápidas. - Crawl é a forma mais rápida de nado até o momento. 8

9 2 PRINCÍPIOS BIOMECÂNICOS DO NADO CRAWL 9 São os princípios que constituem os critérios básicos que permitirão eliminar ao máximo as forças de resistência. Entre eles temos: - Redução da resistência da água com o corpo; - Continuidade das ações propulsivas; - Ritmo; - Orientação das superfícies propulsivas; - Sentido dos movimentos em relação com os deslocamentos; 2.1 Principio da Redução da Resistência da Água com o Corpo Esse princípio tem como objetivo aumentar a força propulsiva e diminuir a força de resistência, que freiam o avanço do nadador. A Figura 1 mostra as quatro forças que agem no nado crawl: a força peso e o empuxo hidrostático que determinam a flutuabilidade do nadador, e as forças propulsivas e de resistência que determinam sua velocidade de nado. Figura 3: Forças atuantes no nado de crawl Para CATTEAU & GAROFF (1990, p.123) o rendimento do nado pode resultar dos seguintes fatores: - Utilização máxima das massas musculares; - Relaxamento muscular completo fora da fase propulsiva; - Respiração fisiológica adequada; - Resistência frontal reduzida; - Melhor sincronização das ações do membro inferior e superior;

10 10 Quando o nadador se desloca na água aparecem três tipos de resistências: resistência de forma, resistência de ondas e resistência por fricção ou atrito Resistência de Forma Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis. Isto significa que, quando nadamos, nosso corpo tem de estar numa postura de tal forma que a água nos ofereça a menor resistência possível 3. Figura 4: Resistência Frontal SOLAS (2006) diz que: Os principais objetivos da postura ideal do corpo de um nadador são: - Conseguir o maior coeficiente de penetração possível; - Diminuir a resistência de absorção o máximo possível; - Procurar a coordenação intramuscular (tensão-alavanca) perfeita; - Impedir que topos ósseos dificultem os movimentos Resistência de Ondas Este tipo de resistência é causado pela turbulência na superfície da água. É o tipo de movimento provocado quando correntes de água de direções diferentes se encontram. A água forma pequenos redemoinhos, e movimentase de maneira imprevisível. A famosa briga com a água, muitas vezes vista em nadadores ineficientes, é um fator que aumenta muito este tipo de resistência e que deve ser corrigido. Deve-se procurar entrar com a mão na água fazendo movimentos suaves, com uma inclinação e ângulo de mão e punho adequados. Os 3 HERNÁNDEZ, 2005a

11 triatletas, independente de sua qualidade técnica sofrem muito esse tipo de resistência, já que na maior parte das competições a natação é no mar Resistência de Atrito É a resistência oferecida pela superfície áspera da pele do nadador ao deslocamento. A raspagem dos pelos, o uso de toucas de borracha e, no caso dos triatletas, roupa de neoprene, diminuem este tipo de resistência. 11 Figura 5: Roupa de Neoprene Fonte: 2.2 Principio da Continuidade das Ações Coordenar a continuidade dos tempos motores: ação de braços, ação de pernas e respiração, sem observar rigidez. Nos nados alternativos quando um braço termina sua ação propulsiva, o outro a começa sem pontos mortos. 2.3 Ritmo Desde o primeiro momento pôr especial finca-pé em manter um ritmo constante na repetição de todas as ações sem dispêndio de energia. Assim mesmo, procurar a melhor relação entre amplitude e freqüência de braçada primando a maior longitude. 2.4 Orientação das Superfícies Propulsivas A direção do movimento e o ângulo de ataque das mãos devem ir orientados a que a força propulsiva total tenha, predominantemente, a direção do deslocamento desejada (SEBASTIÁN, Curso de treinador auxiliar de

12 Natação). Esticar o braço na entrada, realizar um apoio profundo no agarre, manter o cotovelo alto até o puxão e terminar o empuxo com a mão orientada em diagonal para atrás são as claves de crawl. A trajetória descrita será curvilínea e ampla Sentido dos Movimentos em Relação com os Deslocamentos. Sensibilidade para os efeitos que produzem as mudanças de direção, de ângulos de ataque e de aceleração dos movimentos propulsivos no deslocamento.

13 13 3 DESCRIÇÃO TÉCNICA A técnica de crawl ou livre é a técnica mais rápida das quatro técnicas de nado existentes em competição. Um ciclo consiste numa braçada com o membro superior esquerdo e outra braçada com o membro superior direito e um número variável de pernadas. 3.1 Posição do Corpo (PC) A posição corporal no crawl é uma estrutura complexa com todos os elementos interagindo uns com os outros. Para ter um bom entendimento da locomoção humana no meio aquático, é necessário conhecer que forças atuam no mesmo quando submerso na água. Segundo PÁVEL (1993) e MACHADO (op.cit, p.3) na analise da posição do corpo, há que se observarem os seguintes movimentos oscilatórios: - Rotação da cabeça para execução da inspiração, durante o final da ação submersa do braço; - Rotação dos ombros, para colocar a mão em uma posição mais cômoda de apoio; - Rolamento lateral do tronco e dos quadris, oferecendo apoio ao movimento das pernas; - Movimento de pernas, que exercem ao mesmo tempo propulsão e equilíbrio corporal. Nesse sentido, iremos, na descrição da Posição do Corporal (PC), nos reportar aos seguintes aspectos: (i) o Alinhamento Horizontal (AH); (ii) o Alinhamento Lateral (AL) e (iii) a Rotação sobre o Eixo Longitudinal (REL) O Alinhamento Horizontal (AH) Genericamente, poderá afirmar-se que, ao longo da técnica global, a PC deverá manter-se o mais próxima possível da posição hidrodinâmica fundamental (NISTRI, 1982), o que permitirá minimizar a força de arrasto hidrodinâmico a que o nadador se sujeita, assim como favorecer a produção de força propulsiva pela ação dos segmentos motores (HAY, 1985). Assim, em crawl e em costas, o corpo deve estar o mais horizontal possível, com a cabeça em posição natural no prolongamento do tronco (DUBOIS E ROBIN, s.d.).

14 Durante o nado, o corpo deve manter-se o mais horizontal possível, ao nível da água, com ligeira arqueação nas costas e com os membros inferiores se movimentando de modo que o centro de ação dos pés fique a uma profundidade que deve ser aproximadamente a mesma que a dos quadris, de forma que apresente uma pequena superfície frontal de contato com a água, reduzindo assim o arrasto hidrodinâmico. MAGLISCHO (1993) apud MARINHO (2005) refere que a melhor forma de observar e avaliar o AH deverá ser sobre o plano sagital, isto é, visualizando o nadador de lado, onde a profundidade e inclinação do corpo é perfeitamente perceptível. 14 Figura 6: Alinhamento Horizontal do Corpo. Fonte Hernández 2005a. Por outro lado, quanto maior for o comprimento total do corpo menor será o arrasto hidrodinâmico, pelo que se deverá privilegiar as posições alongadas na água, não só no deslize após partidas e viradas, como durante o nado propriamente dito (VILAS-BOAS, 1997). SANDERS (2001) sublinha este aspecto, referindo que os nadadores mais longilíneos têm vantagens hidrodinâmicas, o que lhes permite reduzir o arrasto e aumentar a propulsão. Conjuntamente com as características antropométricas, o nível de flexibilidade dos nadadores também poderá afetar a capacidade do nadador em adotar a posição mais hidrodinâmica. A este propósito, CHATARD et al. (1990) referem que os indivíduos hiperflexíveis conseguem, ao colocar o corpo numa posição mais alongada, minimizar o arrasto devido à diminuição da turbulência gerada perto dos pontos de pressão (e.g. ombros, bacia, joelhos e tornozelos) Alinhamento Lateral (AL) Durante o nado, qualquer movimento segmentar que crie forças com linhas de ação laterais em relação ao sentido de deslocamento do corpo provocará uma reação aplicada noutro segmento corporal, que o desviará do alinhamento corporal (ALVES, 1997). Assim, podem verificar-se movimentos de "ziguezaguear", com a anca e os MI (Membros Inferiores) oscilando lateralmente. Estas oscilações no AL levarão ao aumento da resistência ao avanço, devido ao aumento da superfície frontal de contato, conduzindo a um superior custo energético e à redução da velocidade de nado (RAMA, 2000) 4. 4 MARINHO (op.cit)

15 Para permitir que o nadador preserve um correto AL é necessário aproximar as ações propulsivas do eixo longitudinal de deslocamento, o que é facilmente conseguido através da REL (MAGLISCHO, 1993). Para CHOLLET (1990), é possível compensar a tendência lateralizante dos trajetos propulsivos através do papel equilibrador dos MI que exercem pressão sobre a água em direções laterais, acompanhando a REL e a ação dos MS. No entanto, cabeça não deve acompanhar a REL do bloco tronco/mi, devendo manter-se sempre fixa (COSTILL et al., 1992) Figura 7 Forças de ação e reação relacionadas ao alinhamento lateral. Fonte Pavel, 1993 Outro fator essencial para um correto AL é "não cruzar os apoios", isto é, não ultrapassar a linha média do corpo durante a trajetória dos MS. Este fato é importante durante toda a ação dos MS, mas tem especial relevo no momento da entrada e na fase da recuperação onde é de especial importância que o nadador não a realize lateralmente. A melhor maneira para avaliar o AL é observar o nadador de frente (sobre o plano frontal), de maneira que se possa visualizar o eixo longitudinal de deslocamento (MAGLISCHO, 1993) 6. Figura 8: Condição para Alinhamento Lateral. Fonte CATTEU & GAROFF (1990, p.127) 5 Id. ibid. 6 Id. Ibid.

16 3.1.3 Rotação do Corpo Sobre o Eixo Longitudinal (REL) MARINHO (op.cit) diz que entre as vantagens de se realizar a correta rotação do corpo sobre o eixo longitudinal (COSTILL ET AL, 1992; MAGLISCHO, 1993; PAVEL, 1993, WHITTEN, 1994; RICHARDS, 1996; ALVES, 1997; SANTOS SILVA, 1997; COLWIN, 1998; CAPPAERT, 1999; CASTRO et al., 2003) podemos citar: - O melhor aproveitamento de sinergias musculares; - A braçada submersa mais profunda; - O término da braçada submersa; - A recuperação da braçada mais perto do corpo, proporcionando a melhor descontração dos músculos envolvidos na fase aérea da braçada; - A execução da respiração (fase inspiratória); - O movimento de pernas estabilizado a reação da recuperação do braço, com diminuição da resistência do corpo na água. 16 Figura 9: Rotação do Corpo sobre o Eixo Longitudinal (REL). Fonte: PÁVEL op.cit. O ombro gira para a colocação mais apropriada da mão em seu ponto de apoio, tendo em vista que: - A técnica da ação dos braços, conforme seja melhor ou pior dominada, acarretará desequilíbrios observáveis nos diferentes planos, ou então contribuirá para atenuá-los. - As oscilações laterais mais evidentes parecem ligadas a uma passagem do braço afastado (exteriormente) do plano vertical que contém o eixo de deslocamento. - Menos freqüente e as vezes deliberada, a passagem dos braços por dentro da água será acompanhada de uma imersão considerável do ombro. Os quadris têm uma ligeira rotação, um pouco menor do que seus ombros, acompanhando o trabalho do tronco e suas nádegas devem permanecer abaixo do nível da água, transmitindo ao batimento de pernas melhor apoio, tendo em vista que o trabalho de pernas representa uma grande

17 percentagem no que se refere ao equilíbrio do corpo e a manutenção da posição do corpo na água. Com a rotação do quadril e tronco o corpo do nadador terá menos resistência, realizará uma boa pegada e estará trabalhando outros grupos musculares, tais como: os das costas, ombros e peitorais reduzindo a resistência, realizando uma braçada mais eficiente. 17

18 Posição da Cabeça e Respiração Postura Inicial (Momento da Apnéia) No momento da apnéia a cabeça deve de ir entre 20º e 30º com respeito à linha sagital da coluna vertebral. Com respeito à superfície da água, tem que ser mais ou menos à altura da linha do cabelo ou ligeiramente superior. Os olhos e direção da visão devem dirigir-se para frente e ligeiramente para abaixo. Uns 45º graus com respeito à vertical 7 Figura 10: Posição inicial da cabeça. Fonte: Hernández (2005a) Postura Final (Momento da Respiração) A respiração é composta por duas fases uma aquática (expiração) e outra área (inspiração). Deve-se observar que ao invés de se elevar a cabeça, deve-se girala para respirar, a elevação da cabeça aumenta as forças de resistência corporal e causa um distúrbio no ritmo do nado. Figura 11: Fase de respiração. Fonte: Hernández (2005a) Entretanto, deve-se compreender que a cabeça tende a se elevar quando há grande velocidade é por isso que os nadadores de velocidade têm a posição da cabeça mais alta, as costas mais arqueadas e, da cabeça aos pés, a impressão que se têm do nadador em ação é a de um arco, devido a alta velocidade de pernas e braços. Quando a movimentação é lenta somente a coroa da cabeça deve ser vista, os fundistas possuem as costas mais estendidas, a cabeça menos alta, com o nível da água chegando aos cabelos. Quando o nadador se desloca, principalmente em alta velocidade, podemos observar que a água passa por cima da nuca, com a formação de 7 SOLAS (op.cit)

19 uma marola à frente da cabeça, que se abre em "V" para os lados e para trás (bigode) e entre as duas marolas forma-se a cava, onde repousa o tronco do nadador Inspiração É conveniente que a tomada de ar pela boca quebre o menos possível a continuidade da progressão por uma mudança do equilíbrio do corpo. O giro da cabeça, para o lado escolhido, não precisa ser grande, pois, com o deslocamento do nadador existe uma formação de marola à frente, forma-se ao lado da cabeça uma cava que auxilia na inspiração. O nadador deverá manter uma das orelhas submersas e a boca livre para inspiração, coincidindo com a mais alta posição do ombro durante a ação dos braços. É preciso que a inspiração se efetue num mínimo de tempo possível, daí a necessidade de abrir bem a boca para absorver o ar. A inspiração é executada, depois de uma expiração forçada é necessariamente reflexa e não exige a intervenção da vontade do nadador, e coincide com momento em que a mão oposta ao movimento respiratório entra na água, e o final da ação motora da mão correspondente do lado da inspiração. À medida que o braço volta para frente, a cabeça também vai voltando a posição normal, girando em torno do pescoço, ai neste trajeto deve haver uma retenção da respiração (apnéia) Expiração É forçada e progressiva, pois desenvolve-se no mínimo durante um ciclo completo dos dois braços sob a água. É necessário que se faça explodir o ar que se está expirando imediatamente antes do rosto deixar a água para preparar a próxima tomada de ar. Para ser completa, a expiração deve expelir o ar ligeiramente dentro da água, isto é, pela boca, nariz ou nariz/boca, sem ser forte demais, a fim de não criar desvios excessivos de pressão no interior da caixa torácica. Notemos que a expiração forçada é determinada pelos músculos expiratórios, em particular os do abdome (grande e pequenos oblíquos, transversal e reto abdominal), exige que o nadador tenha uma musculatura abdominal adequadamente desenvolvida.

20 Ação dos Braços A ação dos braços pode ser analisada de acordo com CATTEAU & GAROFF (op.cit., p129) considerando o seguinte esquema: - Movimento de um braço (ciclo de braço): O ciclo de braçada pode ser dividido em duas fases principais, a subaquática ou movimento propulsivo e a recuperação, que é executada sobre a superfície da água; - Movimento de um braço em relação ao outro (coordenações): Os braços permanecem opostos um ao outro executando movimentos de rotação alternados e diferenciados.. Nesta secção iremos analisar o movimento completo de um braço, na secção de coordenação iremos analisar o movimento de um braço em relação ao outro. Um ciclo de braço pode ser subdividido da seguinte maneira; Fase Aquática Entrada da mão Extensão Recuperação aérea Agarre Saída da mão Tração Empurre Fase Área No movimento de ciclo de braço do nado crawl se distingue 2 grandes fases.

21 - Fase Área: mediante a qual o braço se move sobre a água, preparando-se para a fase aquática. Caracteriza-se por ser um movimento de trás da frente em relação ao sentido do nado. Esta fase se imbui de grande importância no gesto total, por representar o descanso, o relaxamento muscular, além de armar para o movimento seguinte. Levando-o à atuação que irá representar o ângulo ideal de colocação na água. Esta fase nunca poderá ser representada por um gesto conduzido e lento, mas ao contrário solto e veloz. - Fase Aquática: é caracterizado por ser um movimento de frente para trás em relação ao sentido do nado, essencialmente motor e inteiramente subaquático. Esse movimento motor pode também se subdivide em quatro fases: extensão, agarre, tração e empurre Fase Área Saída da Mão Tendo o braço terminado a fase de empurre, estando quase completamente esticado ao longo da lateral do corpo, o ombro sai da água, levando consigo o braço, o cotovelo se dirige para acima, seguido do antebraço e da mão. A mão esta descontraída orientada para dentro, dirige-se para cima e parte dela esta fora da água. Figura 12 Saída da mão Recuperação A recuperação do braço ocorre pela lateral do corpo e por cima da água que obriga uma oscilação contrária, obedecendo a 3 lei de Newton. Esta oscilação deixa de existir graças ao cotovelo mais alto e palma da mão para baixo, o que proporciona um braço flexionado e relaxado, com diminuição do braço de alavanca, aumentando a força e diminuindo a resistência. O trajeto da mão se faz próximo à água e com o dorso relaxado e voltado para frente e posteriormente para dentro, mas sempre próximo ao corpo. Esta posição impede maior elevação.

22 O movimento é relaxado até o momento da passagem da mão pelo cotovelo, quando devera ser arremessado para água, de maneira solta e veloz, procurando uma entrada em um ângulo melhor possível, com a ponta dos dedos entrando antes do antebraço e este se antecipando ao braço. É importante ressaltar que o cotovelo é sempre mantido mais alto que a mão para poder dirigir o braço, com entrada da mão na água antes do cotovelo e oferecer um melhor descanso nesta fase. A transferência de momentum de força da fase de recuperação ajuda a diminuir a resistência e aumenta a forca durante a fase de impulso subaquático do braço oposto. O ombro saíra da água, levando consigo o braço, o cotovelo, depois o antebraço e a mão. O primeiro a romper a superfície da água é o cotovelo seguido do braço, antebraço e da mão. Alguns nadadores realizam a passagem da mão longe do ombro e menos ou mais oblíqua para o lado. Nesta forma o movimento é, incontestavelmente, menos econômico (a contração do deltóide e tanto maior quanto mais o braço vai roçar a água); mas, algumas vezes tal movimento é exigido por um relaxamento relativamente limitado da articulação do ombro. A recuperação deve ser o mais plana possível: - Sua grande elevação ocasiona uma queda curta na água. - Uma pancada desnecessária na superfície - Um rolamento exagerado do tronco O movimento é relaxado até o momento da passagem da mão pelo cotovelo, quando deverá ser arremessado para água, de maneira solta e veloz, procurando uma entrada em um ângulo melhor possível, com a posta dos dedos entrando antes do antebraço e este se antecipando ao braço. 22 Posição Inicial Entrada da Mão na Água A mão entra com o punho ligeiramente flexionado, devido a ação dos músculos flexores do carpo, com a palma um pouco para fora, dedos unidos com o indicador entrando em primeiro lugar, polegar voltado para baixo exercendo uma ação de pressão na água para baixo e para trás, sendo que o dedo mínimo estará ligeiramente voltado para fora quando iniciarmos um movimento para baixo desse dedo e uma condução da mão com a palma voltada para dentro, tentando manter a pressão na ponta dos dedos e na palma da mão.

23 23 Figura 13 Entrada da Mão Vista Lateral O ângulo exato de inclinação da mão com o qual se consegue o máximo de sustentação varia com a direção do fluxo. Segundo PLAGENHOF e Schleihauf, que estudaram, em 1978, os movimentos dos nadadores e observaram que dependendo da variação do ângulo da posição da mão, os valores do coeficiente de sustentação aumenta até uma angulação de 40 e em seguida diminuem. Figura 14: Angulo de Entrada da Mão A mão penetra na água a pouca profundidade, seguida do antebraço, do braço, depois do ombro que também avança, no último momento, a fim de alongar na mesma medida o comprimento do trajeto motor. Há, portanto, extensão geral oblíqua dos segmentos do membro superior. Uma vez colocados os dedos na água, é aberta uma fenda, para onde dirigir-se o cotovelo e o ombro. O braço se encontra ligeiramente flexionado e a frente de seu ombro. O cotovelo esta dirigido para acima, a mão se encontra ligeiramente flexionada para abaixo e para fora. Figura 15 Entrada da Mão Vista Anterior

24 Fase Aquática Extensão Compreende a entrada do braço na água, a frente do ombro e do corpo, com a mão alcançando o seu ponto de apoio, que está à frente e para o fundo aproximando-se de uma posição abaixo do prolongamento do eixo do corpo é a base da fase propulsiva. Posição Inicial Figura 16: Fase de Extensão da Braçada ou Ponto Morto O braço se encontra ligeiramente flexionado e em linha com seu ombro. O cotovelo esta dirigido para acima e ligeiramente para fora. O pulso se encontra muito ligeiramente flexionada para abaixo e para fora. A extensão do braço não é completa, sua extensão máxima, é seguida de uma ligeira flexão do cotovelo, que permite à mão aproxima-se do eixo do corpo e ao mesmo tempo conserva os músculos do braço em posição mais cômoda. Figura 17 Vista Subaquática da Fase de Extensão da Braçada início Os ombros devem, neste estágio inicial da propulsão, ter começado seu rolamento lateral, auxiliando no correio posicionamento do braço para o início da tração. O apoio, com tração, deve ser feita com os dedos estendidos e unidos. O braço que traciona permanece estendido neste estágio, mas o punho mantém uma atitude ligeiramente flexionada em direção ao dedo mínimo (iniciada na entrada) e também na direção natural da palma da mão, para se estabelecer uma pressão propulsiva sobre a mão e o antebraço. Posição Final O braço se encontra quase totalmente estendido ligeiramente mais afora do que a linha de seu ombro. O cotovelo se orienta para acima e para

25 fora e esta mais alto do que a mão. O pulso esta girado para abaixo e para fora e a mão olha na mesma direção. 25 Figura 18: Vista Subaquática da Fase de Extensão da Braçada Final Postura Inicial Agarre O braço se encontra quase totalmente estendido e ligeiramente mais fora do que a linha de seu ombro. O cotovelo se orienta para acima e para fora e esta mais alto do que a mão. O pulso esta girado ligeiramente para fora. A mão olha para abaixo e para fora. Postura Final Figura 19 Fase de Agarre, Início O braço se encontra no ponto de máxima profundidade, quase esticado, e para fora de seu ombro. O cotovelo em flexão olha para acima e para fora. O pulso em ligeira flexão e rotação interna. A mão olha para dentro, para atrás e para acima preparando a seguinte curva. Figura 20 Inicio da Fase de Tração ou Fase de Agarre, Final

26 Tração Posição Inicial Segue-se logo após alcançar o ponto de apoio e termina quando a mão atingiu a posição ao lado e junto dos quadris, pronta para a retirada da água. Nessa fase, a mão, o antebraço e o braço exercem ação contra o líquido imprimindo-o para trás e fazendo o corpo deslocar-se para frente. Figura 21 Fase de Tração A profundidade da mão muda quando ela se move para trás da água. A mão se apóia na água e o mesmo princípio que faz a asa do avião se ergue fornece a força que faz o corpo avançar a frente da mão. O padrão da puxada é um S alongado, com a mão procurando exercer a sua ação numa linha o mais próximo possível do eixo do corpo, para que a mão possa encontrar apoio na água e aumentá-lo, mantendo a mesma profundidade até o início da finalização. A propulsão do braço, só pode acontecer quando houver pressão suficiente criada nas superfícies propulsoras da mão e do antebraço para sustentar a velocidade do nado, a pressão criada sobre sua mão e braço deve ser suficiente para superar todas as diversas formas de atrito criadas pela água. Precisamos saber que o nadador para produzir uma força de elevação para a frente, precisa mover sua mão em diferentes sentidos, de cima para baixo e de um lado para o outro, para que haja uma diferença de pressão, esta movimentação é ocasionada pela busca de água calma. A trajetória da mão na água busca oferecer uma resultante (interação das forças de sustentação e resistiva) orientada o mais próximo possível para frente. Tal afirmação se baseia no princípio de Bernoulli, ele estabeleceu que; "Se um fluído flui horizontalmente de maneira que haja alterações na energia potencial da gravidade, uma diminuição na pressão do fluído está associada com o aumento na velocidade do mesmo". Em um fluído a força de sustentação é sempre perpendicular a força resistiva e essa é sempre contrária ao movimento.

27 27 A palma da mão deve estar voltada, o mais próximo possível, imediatamente para trás dirigindo desta forma as forças propulsivas de maneira mais vantajosa. Os dedos devem estar unidos, ou quase unidos, e a mão deve estar plana. Para que a palma da mão esteja voltada para trás, o punho terá que ser inicialmente ligeiramente flexionado e, para se atingir um bom rendimento na água, o cotovelo também deve estar flexionado e permanecer elevado acima da mão. O cotovelo é mantido alto, com o antebraço ligeiramente flexionado sobre o braço e penetra mais ou menos profundamente na água, conforme se trate de um nadador de velocidade (pouco profundo) ou de meio fundo (mais flexionado). Devemos tentar o apoio e a pressão pelo músculo flexor do carpo, sendo que o dedo mínimo estará ligeiramente voltado para fora quando iniciarmos um movimento para baixo desse dedo e uma condução da mão com a palma voltada para dentro, tentando manter a pressão na ponta dos dedos e na palma da mão até o fim da empurrada. A flexão excessiva do cotovelo faz com que a mão fique muito próxima ao corpo do nadador e, embora a tração seja mecanicamente mais fácil, ela será menos efetiva. A boa dobra máxima dos cotovelos se aproxima de 90 na fase de impulso da braçada agindo paralelamente ao eixo do corpo, sendo mais marcada no momento da passagem da mão na vertical do ombro, apontando para a lateral da piscina criando um potente deslizamento da mão e do antebraço, proporcionando uma aceleração progressiva durante a braçada. Os dedos são posicionados de maneira a se moverem no plano vertical e central do corpo. O movimento excessivo da mão cruzando este plano central em qualquer direção tende a introduzir uma rotação longitudinal do corpo e aumentar a superfície de atrito. A rotação interna (ou medial) dos braços, que coloca o cotovelo em posição alta e avançada, deve ser compensada por uma rotação externa do antebraço para que a direção da mão possa ser mantida é item fundamental para a propulsão do nado. Posição Final O braço se encontra entre o pescoço e a linha média do corpo, mais ou menos embaixo de seu ombro. O cotovelo em máxima flexão, mira para fora e ligeiramente fazia acima. A mão se encontra no momento de menor

28 profundidade e deve terminar dirigida para fora, atrás e acima com o fim de preparar a seguinte curva Empurre Podemos dizer que é o movimento do braço que vai desde a máxima flexão do cotovelo, até sua extensão completa, que ocorre com o polegar passando próximo da coxa da perna em ação, com a palma voltada para dentro. É o ponto de maior velocidade na rotação dos braços. Fase Inicial A partir da máxima flexão do cotovelo este é estendido a aproximadamente 135 visando aumentar a resistência e a força da alavanca e conseqüentemente a potência do nado. A fase de finalização é distinta da puxada e não apenas uma continuação, pois, além da mudança de direção ainda há a modificação do movimento. Este gesto terminal é de suma importância e deve, no aperfeiçoamento, ser enfatizado até que se torne habitual ao nadador. Precisamos saber que o nadador para produzir uma força de elevação para a frente, precisa mover sua a mão em diferentes sentidos, de cima para baixo e de um lado para outro, para que haja uma diferença de pressão, esta movimentação é ocasionada pela busca de água calma. A trajetória da mão na água busca oferecer uma resultante (interação das forças de sustentação e resistiva) orientada o mais próximo possível para frente. Tal afirmação se baseia no principio de Bernolli, ele estabeleceu que: se um fluído flui horizontalmente de maneira que não haja alteração na energia potencial da gravidade, uma diminuição na pressão do fluido está associada com o aumento na velocidade do mesmo. Em um fluído a força de sustentação é sempre perpendicular a força de resistência e essa é sempre contrária ao movimento. É de extrema necessidade a manutenção do cotovelo sempre mais alto que a mão, não permitindo sua queda em nenhum momento e para isto, o nadador, deverá ter a sensação que envia o cotovelo para trás e para cima, quando parte para o movimento da finalização. A mão empurra a água para trás, levando a palma diretamente para os pés, até cerca de 15 a 20 cm abaixo do nível d água, a onde o antebraço realiza uma rotação lateral fazendo com que a palma da mão fique voltada para dentro, sendo o dedo mínimo o primeiro a sair da água.

29 29 Fase Final O braço se encontra quase completamente esticado ao longo do lateral do corpo. O cotovelo se dirige para acima e se encontra fora da água. A mão esta orientada para dentro, dirige-se para acima e parte esta fora da água. Terminou a traçada. Figura 22 Início da Fase de Empurre

30 Trabalho de Pernas O movimento de pernas é uma oscilação solta dos membros inferiores, que realizam ações curtas, alternadas e diferenciadas, iniciando um, antes que o outro termine, que se dão principalmente no plano vertical, cuja sua importância se faz no equilíbrio, propulsão e sustentação do corpo no estilo crawl, mantendo o corpo, no seu conjunto, sempre estendido na posição horizontal, além de constituir como um excelente meio de preparação cardiopulmonar. O trabalho de pernas está longe de alcançar o mesmo efeito propulsivo dos braços, este auxilio, entretanto, representa uma grande percentagem no que diz respeito ao equilíbrio do corpo, podendo quando aplicadas erroneamente prejudicar até 70% da força propulsiva. O movimento alternado na direção vertical ocorre de modo que as ações não percam a continuidade e que possam fundir-se de maneira tal, a ponto de parecer um único movimento de revolução das moléculas de água, criando uma força de sucção que auxilia a propulsão. A abertura entre as pernas no plano vertical (para cima e para baixo) deverá ser mais ou menos igual à largura do corpo, de 20 a 50 cm aproximadamente dependendo da idade e do tamanho do nadador. Os movimentos de batimento de pernas se originam na articulação coxo-femural (quadril) com uma pequena flexão do joelho e sendo no peito do pé o ponto de pressão que impulsiona a água para trás. Os pés saem ligeiramente na superfície da água funcionando num meio que contém ar e água, este procedimento permite boa cadência, entretanto, é indispensável que os pés estejam em flexão plantar. A eficiência da pernada está diretamente ligada a fatores como: - A completa soltura muscular que venha auxiliar para a chicotada que caracteriza este movimento. - O ritmo sem interferência de desaceleração e quebra de continuidade. - A posição da perna, com os pés naturalmente voltados para dentro sem movimentos forçados, visando o relaxamento muscular, para manter em atividade a zona de revolução da água. - Movimento solto do pé na posição indicada, com grande flexibilidade dos tornozelos, para que a movimentação da água no nível dos dedos dos pés seja a mais atuante possível. O movimento de pernas realiza dois movimentos, um ascendente (positivo) e outro descendente (negativo):

31 Fase Descendente É o movimento ativo da pernada, ocorre de cima para baixo, com leve flexão do joelho, com o pé ligeiramente voltado para dentro e o tornozelo relaxado oferecendo assim uma maior superfície motora. No primeiro tempo, o joelho vai se abaixando e a perna flexionandose um pouco mais sobre a coxa. A perna flexionada vai estender-se sobre a coxa que, por sua vez, vai manter-se apoiado na água e transmitir aos quadris o componente ascensional do movimento, ou seja, reação de elevação do quadril, mantendo o corpo do nadador numa posição plana e horizontal. O valor motor do movimento das pernas está fundamentalmente ligado à flexibilidade do tornozelo e também do ritmo. Se compararmos o mecanismo motor das pernas com um movimento da cauda do peixe, somos tentados a procurar a acelerar o gesto toda vez que a superfície motora se aproxima do eixo e a desacelerá-lo, quando ela se afastar do eixo Fase Ascendente Movimento passivo é o relaxamento da parte ativa, com extensão total da perna, até que o calcanhar atinja a superfície da água, mantendo o pé em posição natural. Partindo em extensão, com o pé no prolongamento da perna, na sua posição mais baixa, o membro movido pelas massas musculares posteriores (especialmente glúteos máximos e ísquio tibiais) vai se elevar, encontrando a resistência decrescente da massa de água superposta. Quando essa resistência se atenuar. A ação dos ísquios tibiais vai trazer como conseqüência uma inevitável flexão da perna sobre a coxa, compensada por um abaixamento do joelho. Essa flexão nunca é proposital nem comandada pelo nadador, mas é anatomicamente lógica e dá ao movimento harmonia e flexibilidade, além de aumentar a eficiência propulsiva.

32 Coordenações Quando falamos de coordenação de um estilo de natação nos estamos referindo à forma de coordenar os movimentos do corpo para que, além de atingir a máxima velocidade com a menor resistência, a fadiga apareça o mais tarde possível, isto é, coordenar o movimento de ambos braços, coordenar o movimento dos braços com a respiração e coordenar o movimento de braços e pés Coordenação Entre os Braços Para equilíbrio do corpo a ação se desenvolve na chamada pegada dupla, que consiste num melhor aproveitamento da braçada, pois, na sua execução, quando um dos membros está exercendo a fase de pressão, o outros está na ação de puxada. variantes: Podemos dizer que se usam dois tipos de coordenação e suas - Coordenação de Alcance ou Distância por Braçada; - Coordenação de Superposição; Coordenação de Alcance ou Distância por Braçada Na primeira e mais usada, os braços se alternam em suas fases de propulsão, bloqueando a ação propulsiva de um braço até que o outro não tenha terminado sua braçada. Esta forma de encadeamento temporário tem duas variantes ou inclusive três, de acordo como se encontre um braço com respeito ao outro. Figura 23 Coordenação de Alcance

33 As três têm um aspecto em comum, sempre um braço traciona o outro recupera. Na menos aberta das três, o braço bloqueado inicia sua tração imediatamente depois da finalização da braçada, produzindo sempre um momento propulsivo e fazendo que a velocidade do nadador seja mais constante. Esta forma é a mais usada e a que mais benefícios a priori contêm. A busca de uma propulsão constante provoca que tenha uma curva de velocidade mais redonda, com o conseguinte poupança de energia em recuperar a velocidade e as turbulências que se omitem, ao fazer a desacelerações mais suaves. 33 Na seguinte forma o braço bloqueado adiante de seu ombro não inicia o movimento para baixo e para fora até que o outro braço chegue à metade de sua recuperação. Pode vê-la em Thorpe nos 400m livres de Atenas ou Phelps na final de 400m estilos. É muito parecida à anterior descrita, a diferença estriba, em que se atrasa o início da braçada até que o corpo se encontra nivelado e o braço na fase de recuperação. Para poder realizar corretamente esta coordenação se tem de efetuar uma pernada o suficientemente propulsivo para que no momento em que nenhum braço produz propulsão, a velocidade não decaia demasiadamente. Como positivo tem que o braço que inicia sua braçada se encontra na água mais quieta (em função de seu corpo), fazendo mais eficazes as primeiras curvas que realiza. A seguinte é muito difícil de observa, ao menos em nadadores de alto nível. Consiste em realizar um relevo total no movimento dos braços. Só se move um braço cada vez. Até que um braço não terminou as bases aquáticas e aéreas o outro braço não inicia seu trabalho. Esta maneira de nado tem poucas vantagens e muitos inconvenientes. O único positivo que se poderia dizer, sempre que se mantenha uma vigorosa pernada, que procura a máxima longitude de nado por ciclo. Ainda que o preço seja uma freqüência demasiadamente baixa Coordenação de Superposição A seguinte variante é bem mais fechada; a mão contrária entra quando ainda a outra mão só completou a metade de seu percurso (Navarro); esta mudança se efetua embaixo do peito. Iniciando o movimento para abaixo e para fora quando a outra mão se encontra ao final da varredura para cima e para dentro. A diferença com a anterior forma de acoplamento (coordenação aberta), estriba em que elegem um diferente movimento para acima, para iniciar o movimento para embaixo do outro braço. Na aberta se elege o movimento ultimo para cima e para fora e na fechada se prefere o movimento cima e para dentro.

34 34 Figura 24 Coordenação de Superposição Esta forma de nado de importância às fases finais da braçada, que são com diferença as mais propulsivas. E só se produz um relevo na propulsão nesta zona. Desta maneira teoricamente se pode obter uma maior velocidade, mas com uma baixa eficácia, com um grande gasto energético e uma alta freqüência. A razão do exposto estriba em que quando um braço traçiona nas zonas iniciais da braça, zonas pouco propulsivas, o outro braço esta gerando o momento de maior velocidade com respeito à água, pelo que a mão que se encontra ao início da trajetória terá que deslocar água já em movimento (com respeito ao corpo), sendo isto pouco eficaz Coordenação Entre Braços e Respiração O movimento da cabeça para inspiração ocorre no meio da puxada (segunda curva do S ) de um dos braços (o lado escolhido pelo aluno), enquanto o outro braço encontra-se no movimento final da recuperação e próximo à pegada (entrada da mão). Quando da finalização desse braço onde está ocorrendo a inspiração, a cabeça estará totalmente voltada para essa lateral do corpo, sendo que o outro braço já terá realizado a pegada, alongando-se à frente. A recuperação do movimento da cabeça ocorre junto com a do braço, sendo que ela retornará (pela água) mais rapidamente que ele e o outro braço estará iniciando a puxada Coordenação Entre os Braços e Pernas Existem duas formas fundamentais de coordenação de pés e braços, o crawl de 6 tempos e o crawl de 2 tempos. O crawl de 4 tempos é uma forma intermédia. Os nadadores de velocidade tendem a utilizar o crawl de 6 tempos e os de fundo o de 2 tempos já que este último é mais econômico quanto a gasto

35 energético se refere. No entanto, esta regra tem suas exceções nos dois sentidos. Em qualquer caso, cada nadador deve ajustar seu ritmo de pernas segundo suas próprias características e a sua comodidade Coordenação Entre os Braços e o Tronco O momento mais importante da coordenação ocorre quando o M.S. entra na água quando o outro M.S. está a completar a Alinhamento Lateral Interior (ALI), o que permite ao corpo rodar para o lado do braço que vai iniciar a Ação Ascendente (AA) (M.S. recuado ). Por outro lado, a extensão para frente do M.S. que entra na água permite que o corpo fique novamente alinhado enquanto a AA é realizada. Além deste aspecto, o M.S. não deve começar a deslizar para baixo antes que o outro M.S. tenha completado a AA, mantendo-se o alinhamento do corpo nesta ação. Este fato vai causar diminuição da velocidade na AA; contudo, este fato é preferível à redução da propulsão, que ocorre se o M.S. deslocar-se para frente contra a água enquanto que o M.S. recuado deslocase para cima. Aparentemente, a velocidade de nado perdida durante o período desacelerativo compreendido entre o fim da AA do M.S. atrasado e o agarre do M.S. dianteiro é compensada por uma maior propulsão durante a AA. O movimento rotacional do tronco e da bacia para os Membros Superiores (MS), implicando um aumento da força propulsiva gerada pelos MS. A Rotação do corpo sobre o Eixo Longitudinal (REL) do tronco e Membros Inferiores (MI) é uma causa natural da utilização alternada dos MS. Assim, o corpo do nadador deverá acompanhar o movimento dos MS, efetuando a rotação dos ombros, tronco e MI como um todo, senão a bacia e os MI oscilarão lateralmente.

36 4 SEQÜÊNCIAS PEDAGÓGICAS DE ENSINO 36 Para os quatro estilos de competição, temos na seqüência os objetivos parciais da aprendizagem: 1. Movimentos de perna dos nados crawl e costas 2. Movimentos de braço e respiração específica do nado crawl 3. Coordenação geral do nado crawl 4. Movimentos de braço e respiração específica do nado costas 5. Coordenação geral do nado costas 6. Movimentos de perna do nado peito 7. Movimentos de braço e respiração específica do nado peito 8. Coordenação geral do nado peito 9. Movimentos de perna do nado borboleta 10. Movimentos de braço e respiração específica do nado borboleta 11. Coordenação geral do nado borboleta 12. Mergulhos da cabeça. 13. Saídas, virada simples e com cambalhota.

37 37 5 ERROS MAIS FREQÜENTES NA TÉCNICA DE CRAWL 5.1 Posição do Corpo Entre os principais erros na posição do corpo no nado crawl, temos: Erros no Movimento Horizontal Elevação exagerada dos quadris; Depressão dos quadris; Cabeça muito alta na respiração; Cabeça muito baixa; Erros no Alinhamento Lateral Recuperação baixa

38 Entrada da mão ultrapassando a linha média do corpo. 38 Virar o rosto para trás ao realizar a inspiração Erros Rolamento Longitudinal Rolamento excessivo do corpo; Ausência de Rolamento 5.2 Respiração - Movimento brusco da cabeça pela lateral. - Giro retardado. - Não efetuar a respiração ritmada. - Inspiração pelo nariz. - Expiração antes do tempo - Tirar a cabeça do seu eixo 5.3 Pernada - Pernada profunda;

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos Perímetros Ergonomia 2007 Antropometria: Técnicas e aplicações Essa medida antropométrica é o perímetro máximo de um segmento corporal medido em ângulo reto em relação ao seu maior eixo. Estudo da composição

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

* Saltos para a água. * Águas abertas. * Natação sincronizada. * Masters. * Mergulho Aquático. 1) Natacao pura

* Saltos para a água. * Águas abertas. * Natação sincronizada. * Masters. * Mergulho Aquático. 1) Natacao pura A natação é conhecida desde tempos pré-históricos, o registro mais antigo sobre a natação remonta às pinturas rupestres de cerca de 7.000 anos atrás. As referências escritas remontam a 2000 a. C. Algumas

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 81 Aula U.D. Nº: 3 de 6 Instalações: Pavilhão Data: 14-05-2010 Hora: 9h20m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Dinâmica dos fluidos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dinâmica dos fluidos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dinâmica dos fluidos Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dinâmica dos fluidos Questões??? Porque existem covinhas em uma bola de golfe? Porque o esquiador se curva durante a prova? O que faz a bola

Leia mais

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46 Após um AVC, a sensibilidade e o controlo dos movimentos do doente encontram-se muitas vezes diminuídos. Por isso, é muito importante ter cuidado com a posição em que se põem, pois podem não ser capazes

Leia mais

Forma Perfeita Em Poucas Semanas

Forma Perfeita Em Poucas Semanas Forma Perfeita Em Poucas Semanas Quer desenvolver bíceps, tríceps e antebraços fortes como uma rocha? Para isso é só encarar nosso programa de treino de 1 mês. Serão 4 semanas intensas, mas o resultado

Leia mais

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano)

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) (Artigo Publicado: Jonal da Aquática Paulista - Setembro de 1999.) The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) Eles não estão treinando mais do que nós... mas estão, na verdade, treinando com mais

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

MODELOS PROPULSIVOS. O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que:

MODELOS PROPULSIVOS. O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que: MODELOS PROPULSIVOS O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que: Aumentar o nível de proveitamento dos recursos energéticos em velocidade de nado Minimizar D Minimizar as flutuações

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior P O C. G. refere-se a um ponto onde está concentrada toda a massa do corpo, sem que seu comportamento mecânico seja alterado Base de apoio P Para se manter em equilíbrio

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO Ao que parece, o lançamento do disco foi descoberto pelos pescadores que lançavam placas chatas de pedras sobre a superfície da água, para que estas deslizassem. Ainda hoje,

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III ANEXO III RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS O mobiliário deve estar de acordo com as informações contidas nas determinações da Norma Regulamentadora 17, que estabelece: 17.4.2. Nas atividades que envolvam leitura

Leia mais

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT)

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) www.campusesine.net RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) O método RULA (Rapid Upper Limb Assessment) foi desenvolvido por Lynn McAtamney e Nigel Corlett (1993) na Universidade de Nottingham. É um método

Leia mais

Adaptação ao Meio Aquático?

Adaptação ao Meio Aquático? CURSO DE NATAÇÃO ADAPTADA Janeiro 2011 Adaptação ao Meio Aquático Nelson Gomes Adaptação ao Meio Aquático? O conceito de adaptação ao meio aquático, usualmente, identifica se com a 1ª fase da formação

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 10.00 Horas Abordagem Técnica do Salto em Comprimento Principais Erros e Suas Correcções Progressão Técnica de Salto em Comprimento 11.00 13.00 Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 13.00 Horas

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009 ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE Novembro 2009 Rui Silva ALONGAMENTOS NO BASQUETEBOL Na generalidade, os alongamentos devem ser feitos durante 20-30 segundos. De seguida, apresentam-se uma série de exercícios

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO 154 CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO Manual elaborado por: Fernando Jorge Ferreira da Costa Pedro Miguel da Costa Vidrago Janeiro, 2014 155

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Lista 5: Trabalho e Energia

Lista 5: Trabalho e Energia Lista 5: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a

Leia mais

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Sendo a natação um esporte praticado em meio diferente daquele no qual normalmente o homem vive, torna-se necessário lembrar algumas

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Importante: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME:

Importante: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME: Lista 3: Leis de Newton e Dinâmica da Partícula NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. As cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção.

Leia mais

Física 1. 2 a prova 02/07/2016. Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova.

Física 1. 2 a prova 02/07/2016. Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova. Física 1 2 a prova 02/07/2016 Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova. 1- Assine seu nome de forma LEGÍVEL na folha do cartão de respostas. 2- Leia os enunciados com atenção. 3- Analise sua

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM Por quê fazer exercícios? Porquê você recebeu um medicamento que age nos músculos, tornando-os mais relaxados, no entanto, se não houver a prática de exercícios físicos

Leia mais

MOVIMENTO OSCILATÓRIO

MOVIMENTO OSCILATÓRIO MOVIMENTO OSCILATÓRIO 1.0 Noções da Teoria da Elasticidade A tensão é o quociente da força sobre a área aplicada (N/m²): As tensões normais são tensões cuja força é perpendicular à área. São as tensões

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana15 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Amarela Ciclo de remada com

Leia mais

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA PROFº FABIANO 2º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA PROFº FABIANO 2º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 212 - PROFº FABIANO 2º BIMESTRE

Leia mais

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1 GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS 1. TESTES DE INICIAÇÃO GERAL Os elementos impostos, que deverão ser acompanhados por um tema musical, poderão ser executados numa ordem aleatória. A música poderá

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias

5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias 5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias Obs: Esta lista de exercícios é apenas um direcionamento, é necessário estudar a teoria referente ao assunto e fazer os exercícios

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL Osvaldo Tadeu da Silva Junior INICIAÇÃO ÀS TÉCNICAS INDIVIDUAIS INTRODUÇÃO FUTSAL: Da iniciação ao Alto nível Daniel Mutti A técnica consiste na execução individual dos

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos 1 Prova P3 2013.1 - O corpo submerso da figura abaixo tem 1m de comprimento perpendicularmente ao plano do papel e é formado

Leia mais

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA QUESTÕES DO CAPÍTULO 5 DO LIVRO FUNDAMENTOS DE FÍSICA HALLIDAY & RESNICK - JEARL WALKER Página 112 Segunda Lei de Newton. 9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA 1) Apenas duas forças horizontais atuam em um corpo

Leia mais

Lista de exercícios 4

Lista de exercícios 4 4. O sistema da figura a seguir é composto por uma barra homogênea AB, onde está articulada em A e pesa 00 N. O objeto P pesa 50 N para que esse sistema permaneça estático. Analise os seguintes itens:

Leia mais

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física NOME: MATRÍCULA Nº DATA NASCIMENTO: / / IDADE: CID: DATA 1ª AVALIAÇÃO: / / DATA 3ª AVALIAÇÃO: / / DATA 5ª AVALIAÇÃO: / / DATA 2ª AVALIAÇÃO: / / DATA 4ª AVALIAÇÃO: / / DATA 6ª AVALIAÇÃO: / / A avaliação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 7

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 7 LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 7 Questões 1) A Figura 1 apresenta um caminho direto e 4 caminhos indiretos de um ponto i para um ponto f. Ao longo do caminho direto e de 3 caminhos indiretos somente uma força

Leia mais

A AMARRAÇÃO. Alguns conselhos R. Tipos de amarração R BIZART

A AMARRAÇÃO. Alguns conselhos R. Tipos de amarração R BIZART 7 A AMARRAÇÃO Alguns conselhos R Tipos de amarração R Fevereiro 2012 BIZART A amarração Se uma carga não for amarrada de forma adequada, poderá constituir um perigo para si e para terceiros. Uma carga

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA k x Como pode cair no enem (ENEM) Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia

Leia mais

Documento de Apoio de Atletismo

Documento de Apoio de Atletismo Documento de Apoio de Atletismo Foi na antiga Grécia, onde as actividades atléticas tinham particular relevância na educação, que o Atletismo surgiu como uma modalidade desportiva, que era objecto de competição,

Leia mais

Estudo dos momentos e forças articulares. Problema da dinâmica inversa. Ana de David Universidade de Brasília

Estudo dos momentos e forças articulares. Problema da dinâmica inversa. Ana de David Universidade de Brasília Estudo dos momentos e forças articulares Problema da dinâmica inversa Ana de David Universidade de Brasília Estudo dos momentos e forças articulares Momentos atuam para produzir acelerações lineares enquanto

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

Transmissão hidráulica de força e energia

Transmissão hidráulica de força e energia Líquidos Transmissão de força Intensificador de pressão Pressão em uma coluna de fluido Velocidade e vazão Tipos de fluxo Geração de calor Diferencial de pressão Transmissão Hidráulica de Força e Energia

Leia mais

energia extraída do objeto é trabalho negativo. O trabalho possui a mesma unidade que energia e é uma grandeza escalar.

energia extraída do objeto é trabalho negativo. O trabalho possui a mesma unidade que energia e é uma grandeza escalar. !!"#$#!"%&' OBS: Esta nota de aula foi elaborada com intuito de auxiliar os alunos com o conteúdo da disciplina. Entretanto, sua utilização não substitui o livro 1 texto adotado. ( ) A energia cinética

Leia mais

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Apresentação Olá, esse conteúdo é a realização de uma parceria entre a Cefig e a Fisioterapia Integrativa. Nesse E-book vamos abordar algumas dicas para prevenção

Leia mais

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA).

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA). Estática Todo o nosso estudo até agora foi dedicado quase que exclusivamente ao movimento. Passamos da Cinemática - descrição matemática dos movimentos - à Dinâmica, em que essa descrição se aprofunda

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

BIOMECÂNICA OCUPACIONAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA OCUPACIONAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Biomecânica Ocupacional é a área da biomecânica que possui como objeto de estudo o universo organizacional, atendo-se

Leia mais

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção.

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. Lista 10: Energia NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão de

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE 1. (Unesp 89) Um cubo de aço e outro de cobre, ambos de massas iguais a 20 g estão sobre um disco de aço horizontal, que pode girar em torno de seu centro. Os coeficientes de atrito estático para aço-aço

Leia mais

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA FÍSICA Questão 1 Considere o veículo de massa M percorrendo uma curva inclinada, de ângulo, com raio R constante, a uma velocidade V. Supondo que o coeficiente de atrito dos pneus com o solo seja, calcule

Leia mais

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação ESCALA DE FULG MEYER NOME: Sexo: Prontuário: Lado dominante ou parético: (D) (E) Diagnóstico: Idade: Data da Lesão: Data da Avaliação: Avaliador: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR PACIENTE DEITADO Amplitude

Leia mais

Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito "Desporto para Todos" finalmente concretizado!

Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito Desporto para Todos finalmente concretizado! Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito "Desporto para Todos" finalmente concretizado! Pag. 1 de 9 Centro Empresarial Ral 2 - Pav. M 2709-503 Terrugem - Sintra Tel.: 21

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

ESTABILIDADE E FLUTUABILIDADE BÁSICA

ESTABILIDADE E FLUTUABILIDADE BÁSICA ESTABILIDADE E FLUTUABILIDADE BÁSICA Matéria básica para a realização do Exame de Capitão Amador Coordenação PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP BRASIL 2003 EDIÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES BIOMECÂNICA OCUPACIONAL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira DEFINIÇÃO Estuda as interações entre o trabalho e o homem sob o ponto de vista dos movimentos

Leia mais

Mirra Chair. Manual de Ajustes.

Mirra Chair. Manual de Ajustes. Mirra Chair Manual de Ajustes www.securit.com.br Leia este manual enquanto ajusta a sua cadeira Mirra. Altura do assento Alavanca próxima ao botão de inclinação à direita do usuário sentado na cadeira.

Leia mais