Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hidrodinâmica Arrasto Resistivo"

Transcrição

1 Hidrodinâmica

2 Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência, para análise de mecânica dos nados.

3 Hidrodinâmica Estudos do movimento relativo: Quando os nadadores deslocam-se por meio da água, exercem forças contra a água que fazem com que o meio em movimento. Algumas destas forças promovem a propulsão do corpo para a frente e outras o retêm. FORÇA DO NADADOR CONTRA A ÁGUA X FORÇA DA ÁGUA CONTRA O NADADOR

4 Hidrodinâmica Arrasto Resistivo A água exerce um efeito retardador profundo nos objetos que se deslocam por meio dela. FORÇA PROPULSIVA ARRASTO RESISTIVO = PROPULSÃO FINAL Três categorias de arrasto: Arrasto de Forma, Arrasto de Onda, Arrasto Friccional

5 Hidrodinâmica Arrasto de Forma 1. Arrasto de forma: Causado pelo porte e pela forma dos corpos dos nadadores em seu deslocamento propulsivo na água. Podemos minimizar este por meio do: Alinhamento horizontal: Melhorando movimento de perna colocando corpo na posição mais possível. Alinhamento lateral: Evitar balançar as pernas para lateral, para isso não cruzar braços a frente da cabeça e realizar rolamento dos ombros.

6 Hidrodinâmica Arrasto de Forma Rolamento do corpo nos nados crawl e costas: Colocam braços em melhor posição para força propulsiva. Permite pernadas diagonais que estabilizam o tronco. Minimiza os movimentos laterais do tronco e pernas.

7 Hidrodinâmica Arrasto de Onda 2. Arrasto de onda: Causado pelas ondas que são geradas pelos nadadores, são turbulências de superfície. É aumentada em piscinas e raias inadequadas. A mais comum é a onda de proa que faz pressão contra o deslocamento do nadador.

8 Hidrodinâmica Arrasto de Onda Melhor técnica de movimento: Pouca elevação da cabeça Movimentação de entrada do membro superior na água sem arrastar ou bater na água.

9 Hidrodinâmica Arrasto Friccional 3. Arrasto Friccional: Causado pela fricção entre a pele dos nadadores e as moléculas de água. Superfícies lisas causam menor fricção que as ásperas. Superfícies lisas: Raspagem de pelos (menor fricção ou maior sensibilidade cinestésica??) Tecido com baixa fricção.

10 Hidrodinâmica Arrasto Friccional a

11 Hidrodinâmica Arrasto Friccional 1972 Final dos

12 Hidrodinâmica Arrasto Friccional LZR Racer 2008 X-Glide Arena Poliuretano Demora de 20 a 40 minutos menos 6% de atrito Reduz 20% do atrito 2009 para vestir com ajuda.

13 Hidrodinâmica Fluxo Laminar e Fluxo Turbulento Fluxo Laminar: A água consiste de moléculas de hidrogênio e oxigênio que tendem a flutuar em correntes regulares e contínuas, que são compactas umas sobre as outras, recebendo o nome de fluxo laminar. Fluxo Turbulento: Um objeto sólido interrompe o fluxo e contínuo de água tornando-a turbulenta.

14 Papel dos MMSS na propulsão da natação Os membros superiores são os principais responsáveis pela propulsão nos nados crawl, costas e borboletas. Apenas movimentando os membros superiores a maioria dos nadadores atingem 90% de sua velocidade máxima. Termos utilizados: Agarre ou apoio, tracção e empurrada ou varredura.

15 Papel dos MMSS na propulsão da natação Fases da Braçada (Movimentos dos MMSS) Fase Aérea: Recuperação (reposicionamento) rápida, utilizando pouco gasto energético, sem aumentar as forças resistidas.

16 Papel dos MMSS na propulsão da natação Fases da Braçada (Movimentos dos MMSS) Fase Submersa: Realiza a propulsão, satisfazer os princípios hidrodinâmicos e fornecer vantagem mecânica para a ação dos músculos

17 Papel dos MMII na propulsão da natação No nado crawl, costas e borboleta os membros inferiores são importantes agentes na sustentação (flutuação e equilíbrio) adequada do corpo e auxiliam na propulsão. No nado peito os membros inferiores tem principal função de propulsores e auxiliam na sustentação.

18 Papel dos MMII na propulsão da natação Fase da pernada: Propulsão: Satisfazer princípios hidrodinâmicos e fornecer vantagem mecânica para ação dos músculos. Recuperação: Retorno a posição inicial, com pouco gasto calórico e sem aumentar as forças resistidas.

19 Papel do Tronco na propulsão da natação A posição correta do tronco (corpo) é fundamental na propulsão: O mais horizontal possível Melhor posição para ação eficaz da pernada Ondulação do corpo nos nados borboleta e peito

20 Capacidades Motoras na Atividade Aquática Capacidade Coordenativa: Terminologia: São capacidades determinadas sobre tudo pelo processo de controle dos movimentos e devem ser regulamentados. Estas capacitam o atleta para ações motoras em situações previsíveis e imprevisíveis (adaptação) e para rápido aprendizado e domínio de movimentos. Funções: Base para a capacidade de aprendizado sensorial e motor; permite que o movimento seja executado com economia (energética) e precisão; facilidade no aprendizado de novas técnicas esportivas e correção de movimentos já automatizados.

21 Capacidades Motoras na Atividade Aquática Capacidade Coordenativa Componentes das Capacidades Coordenativas 1. Capacidade de Diferenciação 2. Capacidade de Equilíbrio 3. Capacidade de Orientação 4. Capacidade de Ritmo 5. Capacidade de Adaptação a Variação

22 Capacidades Motoras na Atividade Aquática 1. Capacidade de diferenciação: Obter uma coordenação harmônica em todos os membros em movimento, o que pode ser verificado por uma maior exatidão e economia de movimentos. 2. Capacidade de Equilíbrio: Manutenção do equilíbrio durante uma atividade ou recuperação do mesmo após uma atividade que o ameace.

23 Capacidades Motoras na Atividade Aquática 3. Capacidade de Orientação: Determinação e mudança de posição ou de um movimento de um corpo no espaço e no tempo, com relação a um campo de ação ou a um objeto em ação. 4. Capacidade de Ritmo: Adaptar-se a um ritmo dado, interioriza-lo e reproduzi-lo em movimento 5. Capacidade de Adaptação a variação: De adaptar-se a uma nova situação durante um movimento devido a uma nova percepção do meio ou condições externas, de modo a completar o movimento de outra forma.

24 Fases para a Coordenação Motora 1º Sensibilidade Proprioceptiva: Desenvolvimento da sensibilidade A precisão dos movimentos é controlada do exterior - espelho, visão direta Aprende a tratar informações que lhe são fornecidas pelas articulações e pelos músculos para conhecer sua posição.

25 Fases para a Coordenação Motora 2º Fase Sensibilidade Sinestésica Sem recursos externos (olhar, correção) percebe sua posição e suas ações graças a imagem interna que ele tem de sua disposição segmentar. Ele é capaz de efetuar movimentos complexos, com os olhos fechados, interiorizando o que ele realiza, referindo-se as informações que chegam das articulações e de seus músculos.

26 Fases para a Coordenação Motora Questões que devem ser solucionadas para o movimento perfeito: O QUE? O que eu desloco? ONDE? Que caminho no espaço? COMO? Com que velocidade, que energia e em quanto tempo?

TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO

TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO TÉCNICAS DOS NADOS 1 Defender um determinado estilo ou forma em detrimento de outro: Ex.: mundo seguindo campeões; Poucos campeões possuem o background necessário para explicar

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NATAÇÃO Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NADO CRAWL Nado Livre Significado Rastejar História do Nado Crawl Até 1844, era realizado com uma braçada de peito executado na lateral do corpo com batimentos

Leia mais

Dinâmica dos fluidos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dinâmica dos fluidos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dinâmica dos fluidos Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dinâmica dos fluidos Questões??? Porque existem covinhas em uma bola de golfe? Porque o esquiador se curva durante a prova? O que faz a bola

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito.

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito. Física da Natação Anderson Johnson Licenciatura i em Física - UFRJ Orientador Carlos Eduardo Aguiar IF - UFRJ Introdução / Objetivos Apresentamos uma coletânea de tópicos de Física presentes na prática

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima

Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima Introdução A ciência e os métodos Objetivo Geral Analisar os efeitos da hidrodinâmica na natação. Objetivos

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

Prova Avaliativa Natação

Prova Avaliativa Natação Nome: Data: / / Prova Avaliativa Natação 1- De acordo com o material, informe quais são os aspectos principais trabalhados na natação infantil? A - Desenvolver habilidades de salvamento; B - Desenvolvimento

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais

Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000)

Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Ensinar é a capacidade de estar atento e de utilizar as possíveis

Leia mais

É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo:

É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo: Pressão Hidrostática É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo: Sentado, em repouso e imerso até altura do processo xifóide. Gera uma redistribuição

Leia mais

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano)

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) (Artigo Publicado: Jonal da Aquática Paulista - Setembro de 1999.) The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) Eles não estão treinando mais do que nós... mas estão, na verdade, treinando com mais

Leia mais

MODELOS PROPULSIVOS. O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que:

MODELOS PROPULSIVOS. O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que: MODELOS PROPULSIVOS O progressivo refinamento de uma técnica de nado não é mais que: Aumentar o nível de proveitamento dos recursos energéticos em velocidade de nado Minimizar D Minimizar as flutuações

Leia mais

Conceitos e curiosidades da Natação

Conceitos e curiosidades da Natação Conceitos e curiosidades da Natação Problemas de bordo de piscina Susana Maria Soares Ribeiro 1. Partida de bloco A partida de bloco obedece às seguintes vozes : apito mais longo, aos seus lugares, apito

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

REGRAS MODIFICADAS PELA FINA NO CONGRESSO 2013 BARCELONA ENTRARÃO EM VIGOR A PARTIR DE 23 DE SETEMBRO DE 2013

REGRAS MODIFICADAS PELA FINA NO CONGRESSO 2013 BARCELONA ENTRARÃO EM VIGOR A PARTIR DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 REGRAS MODIFICADAS PELA FINA NO CONGRESSO 2013 BARCELONA ENTRARÃO EM VIGOR A PARTIR DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 SW 1.2 O Bureau da FINA nomeará para o controle das competições dos Jogos Olímpicos e Campeonatos

Leia mais

Adaptação ao Meio Aquático?

Adaptação ao Meio Aquático? CURSO DE NATAÇÃO ADAPTADA Janeiro 2011 Adaptação ao Meio Aquático Nelson Gomes Adaptação ao Meio Aquático? O conceito de adaptação ao meio aquático, usualmente, identifica se com a 1ª fase da formação

Leia mais

Flávio Castro & Jefferson Loss 34

Flávio Castro & Jefferson Loss 34 CASTRO, F. A. S. ; LOSS, J. F. Forças no meio líquido. In: Paula Hentschel Lobo da Costa. (Org.). Natação e Atividades Aquáticas. Subsídios para o ensino. 1 ed. Barueri: Manole, 2010, v., p. 34-46. A movimentação

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO

NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO NADO DE PEITO CLÁSSICO 1 Es.E.F.E. NATAÇÃO Este nado em nosso País já fui conhecido como '"rã", "braçada clássica", "a La brasse", nado de bruços e "nado militar". Somente mais tarde surgiu a denominação

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FLUXOS. Fluxos laminares e turbulentos Numeros de Froude e Reynolds Camada Limite e tensão de cizalhamento Rugosidade do fundo

CARACTERIZAÇÃO DE FLUXOS. Fluxos laminares e turbulentos Numeros de Froude e Reynolds Camada Limite e tensão de cizalhamento Rugosidade do fundo CARACTERIZAÇÃO DE FLUXOS Fluxos laminares e turbulentos Numeros de Froude e Reynolds Camada Limite e tensão de cizalhamento Rugosidade do fundo NÚMERO DE REYNOLDS RELACIONA AS FORÇAS VISCOSAS (RESISTEM

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

Utilização de palmar e de nadadeira no treinamento de natação: um estudo de revisão

Utilização de palmar e de nadadeira no treinamento de natação: um estudo de revisão Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Escola de Educação Física ESEF Utilização de palmar e de nadadeira no treinamento de natação: um estudo de revisão Adriano Figueiredo dos Santos Porto Alegre,

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL 2008 2 SUMÁRIO LISTA SIGLAS... 4 1 INTRODUÇÃO... 5 1.1 Origem e Evolução... 6 1.2 Regulamentação... 7 2 PRINCÍPIOS BIOMECÂNICOS DO NADO CRAWL... 9 2.1 Principio da Redução

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção Affordance A adaptação do homem ao seu envolvimento está normalmente associada a processos de apreciação e percepção das características dos diferentes objectos que o rodeiam: 1 se uma superfície/estrutura

Leia mais

CAPACIDADES MOTORAS:

CAPACIDADES MOTORAS: CAPACIDADES MOTORAS: Na área da Educação Física e do desporto, capacidades motoras são pressupostos dos movimentos que permitem que as qualidades inatas de uma pessoa, como um talento, ou um potencial

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos Sistemas Hidráulicos podem ser descritos por leis que regem o comportamento de fluidos confinados em: regime permanente (repouso) invariante no tempo; regime

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ FÍSICA NA NATAÇÃO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Para ensinarmos à arte de nadar, temos que nos lembrar que alguns indivíduos têm mais facilidade para nadar do que outros. Isso tem algumas implicações,

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Natação realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos

Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Ensinando as Regras dos Esportes Aquáticos Exemplos de Categorização para Esportes

Leia mais

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog)

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Piscina Olímpica Comprimento:50 metros Largura: 25 metros Número de raias: 8 Largura das raias: 2,5 metros Temperatura da água: 25 C a 28 C Intensidade da luz: >1500

Leia mais

RESUMO MECFLU P2. 1. EQUAÇÃO DE BERNOULLI Estudo das propriedades de um escoamento ao longo de uma linha de corrente.

RESUMO MECFLU P2. 1. EQUAÇÃO DE BERNOULLI Estudo das propriedades de um escoamento ao longo de uma linha de corrente. RESUMO MECFLU P2 1. EQUAÇÃO DE BERNOULLI Estudo das propriedades de um escoamento ao longo de uma linha de corrente. Hipóteses Fluido invíscido (viscosidade nula) não ocorre perda de energia. Fluido incompressível

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais Mecânica dos Fluidos Física II Prof. Roberto Claudino Ferreira ÍNDICE ) - Introdução; ) - Densidade; 3) - Pressão;

Leia mais

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016-17 Capacidades Condicionais e Coordenativas Gerais Resistência Geral; Força Resistente; Força Rápida; Força Rápida; Velocidade de Reação Simples e Complexa; Velocidade

Leia mais

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Apresentação Olá, esse conteúdo é a realização de uma parceria entre a Cefig e a Fisioterapia Integrativa. Nesse E-book vamos abordar algumas dicas para prevenção

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

Transmissão hidráulica de força e energia

Transmissão hidráulica de força e energia Líquidos Transmissão de força Intensificador de pressão Pressão em uma coluna de fluido Velocidade e vazão Tipos de fluxo Geração de calor Diferencial de pressão Transmissão Hidráulica de Força e Energia

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José -

Prof. MSc. David Roza José - 1/20 2/20 Elementos de Amortecimento Em diversos sistemas práticos, a energia da vibração é gradualmente convertida em calor ou som. Devido à redução da energia, a resposta tal como a oscilação do sistema

Leia mais

BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS

BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação Ano lectivo 2006-2007 Docente: Tiago Barbosa A disciplina Biomecânica tem como objectivo desenvolver

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Antropometria e Fisiologia: a Mão do Homem Ponto 04 Mario S. Ferreira Abril, 2012 Com os Olhos: PRINCIPAL FONTE DE CONTATO COM O MEIO FÍSICO TATO Com a Face: EXPRESSÃO

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE

Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE INICIAÇÃO Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE Ms. Nino Aboarrage Pós Graduado em Treinamento Desportivo (UNIMEP) SP Pós Graduado em Fisiologia do exercícios (UNIFESP) SP Mestre em Motricidade Humana (UCB) RJ Professor

Leia mais

Identificação das principais faltas técnicas nas partidas e viragens durante o ensino da natação pura desportiva

Identificação das principais faltas técnicas nas partidas e viragens durante o ensino da natação pura desportiva 1 de 8 Comece já a Emagrecer Plano para Emagrecer com resultados comprovados em 30 dias. Ligue Já! www.bodyslim.pt/em Linepool Piscinas Construção Piscinas Betão Armado Garantia Robustez Qualidade www.linepool.pt

Leia mais

FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU

FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU Dr. Herman Kabat 1935 Doutor em neurofisiologia 1942-1943 Prof. de fisiologia e neuropsiquiatria 1932 Bacharel em ciências pela New York University,

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2011, 10(1):38-46 ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE BACHARELADO INFLUÊNCIA DO TRAJE DE ALTA TECNOLOGIA BLUESEVENTY DESEMPENHO EM NATAÇÃO NO Juliana Yuri Kanefuku Orientador: Prof.

Leia mais

APRENDIZAGEM DA RESPIRAÇÃO DO NADO CRAWL COM PRINCIPIANTES

APRENDIZAGEM DA RESPIRAÇÃO DO NADO CRAWL COM PRINCIPIANTES Resumo APRENDIZAGEM DA RESPIRAÇÃO DO NADO CRAWL COM PRINCIPIANTES ANDRADES, Rogério Alfredo de CESUMAR -PR rogerioandrades@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

MECÂNICA DE FLUIDOS: UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO DA TEORIA COM A PRÁTICA

MECÂNICA DE FLUIDOS: UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO DA TEORIA COM A PRÁTICA Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2011, 10(1):115-129 MECÂNICA DE FLUIDOS: UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO DA TEORIA COM A PRÁTICA Sônia Cavalcanti Corrêa Simone Tolaine Massetto Elisabeth dos

Leia mais

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu Marcha Normal José Eduardo Pompeu Marcha Humana Deslocamento de um local para outro Percorrer curtas distâncias. Versatilidade funcional dos MMII para se acomodar a: degraus, mudanças de superfícies e

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior P O C. G. refere-se a um ponto onde está concentrada toda a massa do corpo, sem que seu comportamento mecânico seja alterado Base de apoio P Para se manter em equilíbrio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA Roseli Fernandes* Shana Machado* Judite Filgueiras** Deficiência física é toda e qualquer alteração no corpo humano,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Aptidão física e saúde

Aptidão física e saúde Aptidão física e saúde A aptidão física pode ser interpretada segundo duas perspetivas: aptidão física associada à saúde e aptidão física associada ao rendimento desportivo. Conceitos fundamentais Saúde

Leia mais

Densidade relativa é a razão entre a densidade do fluido e a densidade da água:

Densidade relativa é a razão entre a densidade do fluido e a densidade da água: MECÂNICA DOS FLUIDOS 1.0 Hidrostática 1.1 Definições O tempo que determinada substância leva para mudar sua forma em resposta a uma força externa determina como tratamos a substância, se como um sólido,

Leia mais

Cinesiologia 28/3/2011. Ações/Contrações musculares. Prof. Cláudio Manoel. Classificação funcional dos músculos. Ações musculares.

Cinesiologia 28/3/2011. Ações/Contrações musculares. Prof. Cláudio Manoel. Classificação funcional dos músculos. Ações musculares. A parte de imagem com identificação de relação rid2 não foi encontrada no arquivo. 28/3/2011 Cinesiologia Ações/Contrações musculares Dinâmicas Concêntrica (positiva): Aproxima origem da inserção; ação

Leia mais

Apontamentos para o ensino do nado Costas

Apontamentos para o ensino do nado Costas Apontamentos para o ensino do nado Costas Guilherme Tucher 1, guitucher@yahoo.com.br; Daniel Oliveira Furlani 2, Emerson Filipino Coelho 3 1. Especialista em Natação e Atividades Aquáticas, e em Treinamento

Leia mais

Processo de Aquisição do Conhecimento Especialidade: estilos de natação

Processo de Aquisição do Conhecimento Especialidade: estilos de natação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA CMP 08 - TÓPICOS ESPECIAIS EM COMPUTAÇÃO VIII - AQUISIÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PSICOMOTRICIDADE CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PROF. MS. GUSTAVO ROBERTO DE GODOY Introdução Séc XIX Neurologia Dupré (1920) Psicomotricidade Desenvolvimento motor e intelectual Importanterecurso

Leia mais

Das inscrições: 16 de julho de 2016

Das inscrições: 16 de julho de 2016 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2016 16 de julho de 2016 Das inscrições: 1.

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 EMENTA A disciplina estuda a Natação em ambiente escolar,

Leia mais

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Prof. Paulo Sergio Gomes, Ph.D. Programa de Pós- graduação em Educação Física Centro de Pesquisas Interdiciplinares em Saúde AVISO Material de propriedade

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN APRENDIZAGEM DA NATAÇÃO E A COORDENAÇÃO CORPORAL DE UMA CRIANÇA DEFICIENTE VISUAL: ALGUMAS CONTRIBUIÇÕES SOLANGE RODOVALHO LIMA* MARIA AMÉLIA ALMEIDA** *Doutoranda Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física NOME: MATRÍCULA Nº DATA NASCIMENTO: / / IDADE: CID: DATA 1ª AVALIAÇÃO: / / DATA 3ª AVALIAÇÃO: / / DATA 5ª AVALIAÇÃO: / / DATA 2ª AVALIAÇÃO: / / DATA 4ª AVALIAÇÃO: / / DATA 6ª AVALIAÇÃO: / / A avaliação

Leia mais

A TÉCNICA DA NATAÇÃO *

A TÉCNICA DA NATAÇÃO * A TÉCNICA DA NATAÇÃO * Scott Riewald. Para nadar rápido, um nadador dever realizar um esforço constante para tentar maximizar a força propulsiva que pode gerar ao mesmo tempo em que dever minimizar as

Leia mais

Modelo técnico em Natação Pura Desportiva

Modelo técnico em Natação Pura Desportiva Modelo técnico em Natação Pura Desportiva Em Natação Pura Desportiva (NPD), são reconhecidas como técnicas de nado formal, a técnica de Crol, a técnica de Costas, a técnica de Bruços e a técnica de Mariposa,

Leia mais

ESCOAMENTOS UNIFORMES EM CANAIS

ESCOAMENTOS UNIFORMES EM CANAIS ESCOAMENTOS UNIFORMES EM CANAIS Nome: nº turma INTRODUÇÃO Um escoamento em canal aberto é caracterizado pela existência de uma superfície livre. Esta superfície é na realidade uma interface entre dois

Leia mais

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 Das inscrições Art. 1 o - O Torneio Interfederativo de Nado Sincronizado será regido pelas regras da FINA e pelo Regulamento específico do Torneio.

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Sendo a natação um esporte praticado em meio diferente daquele no qual normalmente o homem vive, torna-se necessário lembrar algumas

Leia mais

Bola Suíça. Ao verem as bolas sendo usadas na Suíça, terapeutas norte americanos deram a ela o nome de bola Suíça.

Bola Suíça. Ao verem as bolas sendo usadas na Suíça, terapeutas norte americanos deram a ela o nome de bola Suíça. BOLA SUIÇA Bola Suíça A bola própria para exercícios terapêuticos foi criada a pedido da fisioterapeuta suíça Susanne Klein- Volgebach por volta de 1963, na Itália, por um fabricante de brinquedos, o Sr.

Leia mais

CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO

CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO FESTIVAIS DE NÃO FEDERADOS ÉPOCA 2012/2013 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Introdução: O documento que se apresenta regulamentará o Circuito de Escolas

Leia mais

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional Palestrante: prof. William Urizzi REFLEXÃO O BOM ATLETA É AQUELE QUE DESEJA

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AVALIANDO A PERFORMANCE ESPORTIVA Há pelo menos três formas de avaliar o desempenho em um esporte: Observação; Uso de escala de avaliação; Teste de habilidade esportiva. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

Leia mais

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Capacidades Físicas Ou habilidades físicas são o conjunto de capacidades individuais, orgânicas, musculares e neurológicas que

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NADO BORBOLETA:

COORDENAÇÃO DO NADO BORBOLETA: COORDENAÇÃO DO NADO BORBOLETA: ESTUDO PILOTO SOBRE OS EFEITOS DA VELOCIDADE DE NADO E DAS AÇÕES INSPIRATÓRIAS MS. RICARDO PETERSON SILVEIRA Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Escola de Educação

Leia mais

NATAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA SEM ESTRUTURA ADEQUADA

NATAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA SEM ESTRUTURA ADEQUADA NATAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA SEM ESTRUTURA ADEQUADA MACK LÉO PEDROSO 1 RICARDO ANDRE TREVISOL 2 Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO A MECÂNICA DOS FLUÍDOS OBJETIVO: De grande

Leia mais

PROPRIEDADES DA ÁGUA &NAT ADAPTADA PROPRIEDADES DA ÁGUA ACTIVIDADE EM IMERSÃO IMPLICAÇÕES NATAÇÃO ADAPTADA

PROPRIEDADES DA ÁGUA &NAT ADAPTADA PROPRIEDADES DA ÁGUA ACTIVIDADE EM IMERSÃO IMPLICAÇÕES NATAÇÃO ADAPTADA PROPRIEDADES DA ÁGUA ACTIVIDADE EM IMERSÃO I IMPLICAÇÕES NA NATAÇÃO ADAPTADA N A JANEIRO DE 2011 ANA ISABEL FERREIRA TERAPEUTA OCUPACIONAL PROPRIEDADES DA ÁGUA &NAT ADAPTADA PROPRIEDADES DA ÁGUA HIDROESTÁTICAS

Leia mais

CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO

CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO CIRCUITO DE ESCOLAS DE NATAÇÃO FESTIVAIS DE NÃO FEDERADOS ÉPOCA 2011/2012 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Introdução: O documento que se apresenta regulamentará o Circuito de Escolas

Leia mais

Catálogo Cintos, Halteres, Steps, e. Acessórios para Treinamento Aquático. Catálogo Acessórios para Treinamento Aquático

Catálogo Cintos, Halteres, Steps, e. Acessórios para Treinamento Aquático. Catálogo Acessórios para Treinamento Aquático Catálogo 2015 Cintos, Halteres, Steps, e Acessórios para Treinamento Aquático Treinamento Aquático A Actual é pioneira no desenvolvimento, fabricação e distribuição de equipamentos para treinamentos aquáticos.

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais