Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo"

Transcrição

1 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior de julho de 2015 Das inscrições: 1. O Torneio de Rotina Técnica será regido por um regulamento especifico. 2. Este torneio destina-se a clubes do Rio de Janeiro de nível A, B e principiante. 3. Para participar do Torneio de Rotinas Técnicas, o clube tem que estar devidamente regulamentado na Federação, no ato da inscrição, com exceção feita à categoria Principiante. 4. As inscrições deverão ser enviadas até o dia 10/07/2015 para a FARJ e também através de inscrição eletrônica para o Qualquer modificação será permitida de feita com até 24 horas antes do dia programado para o sorteio da ordem de entrada das rotinas. 5. Este Torneio destina-se as nadadoras das categorias: Infantil, Juvenil, Junior e Principiante. Infantil com idades até 12 anos, nascidos até 2003 Juvenil com idades de 13, 14 e 15 anos, nascidos em 2002, 2001, Júnior com idades de 15, 16, 17 e 18 anos, nascidos em 2000, 1999, 1998, 1997, As rotinas serão julgadas com notas para elementos e impressão artística. Cada atleta deverá se inscrever apenas na sua categoria, com exceção do ultimo ano do juvenil. OBS: A atleta que estiver no último ano de sua categoria poderá se inscrever na categoria acima. 7. A atleta só poderá ser inscrita em apenas uma vez em solo, dueto e equipe, ou seja, não podendo participar em mais do que uma rotina em solo e uma rotina em dueto, por exemplo. Rotina Técnica abaixo listada. A rotina técnica será composta dos seguintes elementos obrigatórios que deverão ser executados na ordem Elementos Obrigatórios para Solo Categoria Principiante Infantil (menores de 12 anos)

2 1. Partindo da posição de abertura, realizar um parafuso de 180º juntando simetricamente as pernas para assumir uma posição de vertical no tornozelo, e nesta posição realizar um parafuso de 180º para o lado oposto. Em seguida é realizada uma Descida de Vertical. 2. Da Posição de Abertura, mantendo máxima altura, as pernas se elevam simetricamente e com velocidade para a Posição Vertical, em seguida é realizada uma Descida de Vertical. 3. Partindo da Posição de Costas e com movimento de propulsão em direção à cabeça, o dedo do pé corre pela linha lateral da perna estendida até que a coxa esteja perpendicular à superfície tomando uma Posição de Costas com Joelho Flexionado (veleiro), com o quadril o mais próximo da superfície com o corpo permanecendo em total extensão. A perna se extende para assumir a posição de cancã. É obrigatório o deslocamento. 4. Partindo da posição de vertical com o joelho flexionado (garça) um parafuso de 360º é executado ao mesmo tempo que a perna se extende para assumir uma posição de vertical no tornozelo. Em seguida é realizada uma descida de vertical. Categoria Infantil ( Menor que 12 anos) e Principiante de Juvenil (13/15) 1. Partindo da Posição de vertical, afastar as pernas simetricamente para assumir uma posição de abertura, realizar um parafuso de 360º juntando simetricamente as pernas para assumir uma posição de vertical no tornozelo, e nesta posição realizar um giro de 360º para o lado oposto. Em seguida é realizada uma Descida de Vertical. 2. Da Posição de Abertura, mantendo máxima altura, executa-se um giro rápido de 180º (twirl) ao mesmo tempo em que as pernas se elevam simetricamente e com velocidade para a Posição Vertical, em seguida é realizada uma Descida de Vertical. 3. Partindo da Posição de Costas e com movimento de propulsão em direção à cabeça, assumir uma (uma perna será elevada estendida para a )posição de Cancã, mantendo o nível da água, extensão, estabilidade e movimento isolado da perna, realizar a desenrolada para posição de cavaleiro 4. Partindo de uma posição de vertical com joelho flexionado (garça), executar um parafuso combinado de 360º, assim um parafuso descendente de 360º juntando as pernas para posição vertical no tornozelo seguido sem pausa

3 por um igual ascendente na mesma direção flexionando a mesma perna que anteriormente havia sido estendida até assumir novamente a posição vertical de joelho flexionado. Realizar uma descida de vertical desta posição (garça). Categoria Juvenil e Principiante Junior (15/18) 1. Partindo da Posição de vertical, realizar um giro de 180º ao mesmo tempo que as pernas simetricamente se afastam para assumir uma posição de abertura e sem pausa e para o mesmo lado, realizar um outro giro de 180º juntando simetricamente as pernas para assumir uma posição de vertical, e nesta posição realizar para o lado oposto, um parafuso contínuo de 720º (2 giros completos até o tornozelo) e continuar girando até submergir os pés. 2. Fig. 308 Barracuda com Abertura Aérea: Tomar uma posição carpada atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos pés. Uma estocada se realiza para chegar a posição de abertura aérea. As duas pernas voltam rápida e simetricamente para a posição vertical e uma descida de vertical é realizada. 3. Fig. 150 Cavaleiro: Partindo da Posição de Costas e com movimento de propulsão em direção à cabeça, a figura Cavaleiro é executada até a posição de vertical com o joelho flexionado (garça). O deslocamento é permitido. 4. Partindo de uma posição de vertical, executar um giro de 360º na máxima altura seguido de um parafuso combinado de 360º na mesma direção (um parafuso de 360º (1 giro completo), em seguida continuar para a mesma direção e realizar um parafuso ascendente de 360º). Realizar uma descida de vertical Fig. 301d Barracuda parafuso 180º: Tomar uma Posição Carpada Atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos pés. Uma estocada se realiza para chegar a Posição de Vertical, o parafuso 180º é realizado. Categoria Junior (15/18) Aqui os elementos serão iguais aos do sênior.

4 Elementos Obrigatórios para Dueto Categoria Principiante Infantil (menores de 12 anos) 1. Fig. 439 Oceanita: partindo da posição de costas a figura Oceanita é realizada. 2. com propulsão claramente visível na posição de costas, assumir uma posição de tina e realizar um giro de 360º. 3. Partindo da posição de rabo de peixe executar um parafuso de 180º ao mesmo tempo que a perna horizontal junta para posição de vertical no calcanhar e mais um parafuso de 180º é executado para submergir os pés. 4. Partindo da posição de carpada à frente executar uma subida para a vertical com joelho flexionado e logo após as pernas se afastam simetricamente para assumir uma posição de abertura. A rotina deve conter uma levantada ou um arremesso, que pode ser colocado em qualquer lugar dentro da rotina. Com exceção dos movimentos de borda e do arremesso ou levantada, todos os movimentos devem estar sincronizados e na mesma direção. Não é permitido movimento espelhado. Todos os movimentos devem ser executados simultaneamente e olhando para a mesma direção. Categoria Infantil (menores de 12 anos) e Principiante Juvenil (13/15 anos) 1. Fig. 439 Oceanita: partindo da posição de costas a figura Oceanita é realizada. A partir dai uma perna é flexionada para assumir a posição de vertical com o joelho flexionado (garça) e executa-se um parafuso descendente de 360º estendendo a perna flexionada (parafuso de 1 giro juntando até a vertical no tornozelo e continua girando até submergir os pés)

5 2. com propulsão claramente visível na posição de costas, elevar uma das pernas estendida até assumir a posição de cancã simples, em seguida flexionar a perna horizontal até assumir uma posição de flamingo. Nesta posição realizar um giro de 360º. 3. Partindo da posição de rabo de peixe executar um giro 180º nesta posição seguido de um parafuso de 180º ao mesmo tempo que a perna horizontal junta para posição de vertical nos tornozelos e mais um parafuso de 180º é executado para submergir os pés. 4. Partindo da posição de carpada à frente executar uma subida para a vertical com joelho flexionado e logo após as pernas se afastam simetricamente para assumir uma posição de abertura. A partir dai uma saída de passo à frente é realizada. A rotina deve conter uma levantada ou um arremesso, que pode ser colocado em qualquer lugar dentro da rotina. Com exceção dos movimentos de borda e do arremesso ou levantada, todos os movimentos devem estar sincronizados e na mesma direção. Não é permitido movimento espelhado. Todos os movimentos devem ser executados simultaneamente e olhando para a mesma direção. Categoria Juvenil (13/15 anos) e Principiante Junior (15/18) 1. Fig. 439 Oceanita: partindo da posição de costas a figura Oceanita é realizada. A partir dai um parafuso de 180º é realizado ao mesmo tempo que uma perna é flexionada para assumir a posição de vertical com o joelho flexionado (garça) e executa-se um parafuso contínuo de 720º estendendo a perna flexionada (parafuso de 2 giros juntando até a vertical no tornozelo e continua girando até submergir os pés) 2. com propulsão claramente visível na posição de costas, elevar uma das pernas estendida até assumir a posição de cancã simples, em seguida a outra perna sobe, também estendida, para assumir a posição de cancã duplo. Nesta posição realizar um giro de 180º. 3. Partindo da posição de rabo de peixe executar um giro 360º nesta posição seguido de um parafuso de 360º ao mesmo tempo que a perna horizontal junta para posição de vertical nos tornozelos e mais um parafuso de 180º é executado para submergir os pés.

6 4. Partindo da posição de carpada à frente executar uma subida para a vertical e logo após as pernas se afastam simetricamente para assumir uma posição de abertura. A partir dai uma saída de passo à frente é realizada. A rotina deve conter uma levantada ou um arremesso, que pode ser colocado em qualquer lugar dentro da rotina. Com exceção dos movimentos de borda e do arremesso ou levantada, todos os movimentos devem estar sincronizados e na mesma direção. Não é permitido movimento espelhado. Todos os movimentos devem ser executados simultaneamente e olhando para a mesma direção. Categoria Junior (15/18) Os elementos serão iguais aos do sênior. Elementos Obrigatórios de Equipe Categoria Principiante Infantil (menores de 12 anos) 1. Fig. 301 Barracuda: Tomar uma Posição Carpada Atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos 2. Fig. 435 Nova: Realizar a figura Nova até a posição de vertical com o joelho flexionado (garça), em seguida uma descida de vertical é realizada ao mesmo tempo que a perna flexionada se estende até alcançar a Posição Vertical no tornozelo ( descida de Neptunos). 3. Partindo de uma posição de vertical do tornozelo, afastam-se as pernas simetricamente para assumir uma posição de abertura, executar uma saída de passo à frente. 4. Partindo de uma posição de abertura, executar uma junção rápida das pernas para a posição de vertical em máxima altura. Realizar a descida de vertical.

7 5. Fig. 101 cancã simples: partindo da posição de costas e com claro deslocamento direção cabeça, realizar a figura cancã simples. A rotina deverá conter um arremesso direção cabeça e uma ação em cadeia que poderão ser colocados em qualquer lugar da rotina. Com exceção da parte de fora da água, da entrada na água, do lançamento e da ação em cadeia, todos os outros elementos deverão ser feitos simultaneamente e na mesma direção por todas as atletas. Variação de propulsão e de direção será permitida durante as trocas de formação e nas ações submersas. Não estão permitidas ações espelhadas. Categoria Infantil (menores de 12 anos) e Principiante Juvenil (13/15 anos) 1. Fig. 301 Barracuda: Tomar uma Posição Carpada Atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos 2. Fig. 435 Nova: Realizar a figura Nova até a posição de vertical com o joelho flexionado (garça), em seguida é realizado um parafuso de 360º ao mesmo tempo que a perna flexionada se estende e assume uma posição de vertical no tornozelo. Sem pausa e para mesma direção um parafuso de 180º é realizado para submergir os pés. 3. Partindo de uma posição de carpada à frente, executa-se uma subida para vertical com joelho flexionado, em seguida afastam-se as pernas simetricamente para assumir uma posição de abertura e executar uma saída de passo à frente. 4. Partindo de uma posição de abertura, executar uma junção rápida das pernas para a posição de vertical em máxima altura. Realizar a descida de vertical. 5. Fig. 102 cancã alternado: partindo da posição de costas e com deslocamento direção cabeça, realizar o cancã e em seguida o flamingo. A rotina deverá conter um arremesso direção cabeça e uma ação em cadeia que poderão ser colocados em qualquer lugar da rotina. Com exceção da parte de fora da água, da entrada na água, do arremesso e da ação em cadeia, todos os outros elementos deverão ser feitos simultaneamente e olhando para a mesma direção por todas as atletas.

8 Variação de propulsão e de direção será permitida durante as trocas de formação e nas ações submersas. Não estão permitidas ações espelhadas. Categoria Juvenil (13/15 anos) e Principiante Junior (15/18) 1. Fig. 301 Barracuda: Tomar uma Posição Carpada Atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos 2. Fig. 439 Oceanita: partindo da posição de costas a figura Oceanita é realizada até a posição de vertical, em seguida é realizado um parafuso contínuo de 720º. (2 giros completos até o tornozelo e continua girando até submergir os pés) 3. Partindo de uma posição de carpada à frente, executa-se uma subida para vertical com joelho flexionado, um giro de 360º é realizado nessa posição, em seguida afastam-se as pernas simetricamente para assumir uma posição de abertura e executar uma saída de passo à frente. 4. Fig. 308 Barracuda com Abertura Aérea: Tomar uma posição carpada atrás com o nível da água logo acima dos dedos dos pés. Uma estocada se realiza para chegar a Posição Vertical, mantendo máxima altura as pernas são abertas rapidamente para assumir uma Posição de Abertura Aérea e rejunta para uma Posição Vertical, seguida de uma rápida descida de vertical. 5. Partindo da posição de costas e com claro deslocamento direção cabeça, assumir uma posição de cancã, em seguida a perna horizontal flexiona para assumir uma posição de flamingo. A rotina deverá conter um arremesso direção cabeça e uma ação em cadeia que poderão ser colocados em qualquer lugar da rotina. Com exceção da parte de fora da água, da entrada na água, do arremesso e da ação em cadeia, todos os outros elementos deverão ser feitos simultaneamente e olhando para a mesma direção por todas as atletas. Variação de propulsão e de direção será permitida durante as trocas de formação e nas ações submersas. Não estão permitidas ações espelhadas. Categoria Junior Os elementos da categoria serão os mesmos do sênior.

9 Tempos da Rotina Técnica para este torneio estão abaixo designados: Solo Principiante Infantil: 1 30 Infantil/Principiante Juvenil: 1 40 Juvenil/Principiante Junior: 1 50 Junior: 2 Dueto Principiante Infantil: 1 50 Infantil/Principiante Juvenil: 2 Juvenil/Principiante Junior: 2 10 Junior: 2 20 Equipe Principiante Infantil: 2 20 Infantil/Principiante Juvenil: 2 30 Juvenil/Principiante Junior: 2 40 Junior: 2 50

Das inscrições: 16 de julho de 2016

Das inscrições: 16 de julho de 2016 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2016 16 de julho de 2016 Das inscrições: 1.

Leia mais

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017

IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 IV TORNEIO INTERFEDERATIVO DE NADO SINCRONIZADO 2017 Das inscrições Art. 1 o - O Torneio Interfederativo de Nado Sincronizado será regido pelas regras da FINA e pelo Regulamento específico do Torneio.

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

2.1- O clube de Nível A é aquele que já compete o Nado Sincronizado há mais de cinco (5) anos; e sua participação como Nível B não é permitida.

2.1- O clube de Nível A é aquele que já compete o Nado Sincronizado há mais de cinco (5) anos; e sua participação como Nível B não é permitida. 2015 CAMPEONATO ESTADUAL DE CATEGORIAS DE NADO SINCRONIZADO INFANTIL; JUVENIL; JÚNIOR E SÊNIOR - NÍVEL A e B e Principiante Das inscrições Art. 1 o - O Campeonato Estadual de Categorias será regido pelas

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE CATEGORIAS DE SINCRONIZADO. INFANTIL JUVENIL - JÚNIOR - NÍVEL A e B e Principiante. SÊNIOR - NÍVEL A e B (BRASILEIRÃO)

CAMPEONATO BRASILEIRO DE CATEGORIAS DE SINCRONIZADO. INFANTIL JUVENIL - JÚNIOR - NÍVEL A e B e Principiante. SÊNIOR - NÍVEL A e B (BRASILEIRÃO) CAMPEONATO BRASILEIRO DE CATEGORIAS DE NADO SINCRONIZADO INFANTIL JUVENIL - JÚNIOR - NÍVEL A e B e Principiante SÊNIOR - NÍVEL A e B (BRASILEIRÃO) De 16 a 20 de Novembro de 2016 Das inscrições Art. 1 o

Leia mais

APÊNDICE V GRUPOS DE FIGURAS. CATEGORIA INFANTIS 8 a 12 anos. Obrigatórias Perna de Ballet Passeio à frente 2.1

APÊNDICE V GRUPOS DE FIGURAS. CATEGORIA INFANTIS 8 a 12 anos. Obrigatórias Perna de Ballet Passeio à frente 2.1 APÊNDICE V GRUPOS DE FIGURAS CATEGORIA INFANTIS 8 a 12 anos 1. 101 Perna de Ballet 1.6 2. 360 Passeio à frente 2.1 3. 321 Mortal submarino 2.0 4. 315 Pontapé na lua de joelho flectido 1.6 3. 355 Marsopa

Leia mais

XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP

XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP Das inscrições XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP Art. 1 o - O Campeonato Brasileiro Absoluto será regido pelas regras da FINA e pelo

Leia mais

XXV CAMPEONATO BRASILEIRO JUVENIL 2015 DE NADO SINCRONIZADO NÍVEIS A, B e PRINCIPIANTE 20 a 22 de Novembro de 2015 JOÃO PESSOA - PB

XXV CAMPEONATO BRASILEIRO JUVENIL 2015 DE NADO SINCRONIZADO NÍVEIS A, B e PRINCIPIANTE 20 a 22 de Novembro de 2015 JOÃO PESSOA - PB XXV CAMPEONATO BRASILEIRO JUVENIL 2015 DE NADO SINCRONIZADO NÍVEIS A, B e PRINCIPIANTE 20 a 22 de Novembro de 2015 JOÃO PESSOA - PB Das inscrições Art. 1 o - O Campeonato Brasileiro Juvenil será regido

Leia mais

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS 1 Execução de uma Perna de Ballet Partir da Posição Básica Dorsal. Um membro inferior mantém-se à superfície durante toda a execução. O pé do outro membro inferior desliza

Leia mais

2 Rosemary Brandão 330c 3,0 Aurora Twirl 3 Juliana Falcão 154 2,8 London 4 Tatiana Mattoso 5 Jaqueline Teixeira

2 Rosemary Brandão 330c 3,0 Aurora Twirl 3 Juliana Falcão 154 2,8 London 4 Tatiana Mattoso 5 Jaqueline Teixeira JUIZES AVALIADORES 308 2,8 Barracuda Aberta Aérea TTC 1 Luciana Reis 355g 2,6 Boto ½ Giro Parafuso Contínuo 2 Rosemary Brandão 330c 3,0 Aurora Twirl 3 Juliana Falcão 154 2,8 London FIGURA Júnior A 1 Maria

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma ligada a esta.

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2010-2012 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2011: 07 a 10 anos (nascidas em 2001,2002,2003, 2004). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE SELEÇÃO

REGULAMENTO DE PROVAS DE SELEÇÃO REGULAMENTO DE PROVAS DE SELEÇÃO 2016/2017 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. LOCAL E DATA... 3 3. CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO... 3 4. INSCRIÇÕES... 3 5. PROCEDIMENTOS... 5 6. ACOMPANHAMENTO MUSICAL... 5 7. AVALIAÇÃO...

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Âmbito... 2 2. Objectivo... 2 3. Caracterização... 2 4. Destinatários... 3 5. Níveis do Programa... 4 6. Sistema de Avaliação...

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO BRASILEIRO INTERCLUBES INFANTIL E JUVENIL DE NADO SINCRONIZADO VÁLIDO PARA OS ANOS DE 2017/ 2018 / 2019 / 2020

REGULAMENTO DO CAMPEONATO BRASILEIRO INTERCLUBES INFANTIL E JUVENIL DE NADO SINCRONIZADO VÁLIDO PARA OS ANOS DE 2017/ 2018 / 2019 / 2020 REGULAMENTO DO CAMPEONATO BRASILEIRO INTERCLUBES INFANTIL E JUVENIL DE NADO SINCRONIZADO VÁLIDO PARA OS ANOS DE 2017/ 2018 / 2019 / 2020 Das inscrições Art. 1 o - O Campeonato Brasileiro Interclubes Infantil

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Âmbito... 3 2. Objectivo... 3 3. Caracterização... 3 4. Destinatários... 3 5. Níveis do Programa... 4 6.Sistema de Avaliação...

Leia mais

REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016:

REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016: REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016: TORNEIO GAUCHO de INICIANTES TORNEIO ESTADUAL de ASPIRANTES: NÍVEL1 E NIVEL2 (CBHP) REGULAMENTO BÁSICO Os atletas que competiram nos Campeonatos

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Âmbito... 2 2. Objectivo... 2 3. Caracterização... 2 4. Destinatários... 3 5. Níveis do Programa... 4 6. Sistema de Avaliação...

Leia mais

[Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1

[Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 9º Festival

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL Ginastas nascidos em 2008, 2007 e 2006. Bases Técnicas PROGRAMA OBRIGATÓRIO Séries 01, 02 e 03 Aparelhos

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO Caracterização da Modalidade O atletismo pode ser dividido em cinco sectores:

Leia mais

[Type text] [Type text] [Type text] FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 FPN CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1

[Type text] [Type text] [Type text] FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 FPN CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 12º Festival de

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE PROVAS DE NÍVEL Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Âmbito... 3 2. Objectivo... 3 3. Caracterização... 4 4. Destinatários... 4 5. Níveis do Programa... 5 6.Sistema de Avaliação...

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS 2012/2013 FPN REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. Introdução... 2 2. Quadro Competitivo... 2 3. Participação... 2 4. Inscrições... 3

Leia mais

REGULAMENTO. Difundir, democratizar e incentivar a prática da natação; Proporcionar o desenvolvimento do desporto nas diferentes faixas etárias.

REGULAMENTO. Difundir, democratizar e incentivar a prática da natação; Proporcionar o desenvolvimento do desporto nas diferentes faixas etárias. 30 de junho de 2013 Realização: Centro Universitário Univates Rua Avelino Tallini, 171 Bairro Universitário CEP 95900-000 Lajeado RS Brasil Telefone: (51) 3714-7000 Ramal: 5805 www.univates.br///esportes/natacao

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017 Objetivo Incentivar e divulgar a prática da Ginástica Artística, orientando para um trabalho de base, mantendo um intercâmbio e motivando as crianças das equipes participantes. Organização A Liga de Ginástica

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Introdução... 2 2. Quadro Competitivo... 2 3. Participação... 2 4. Inscrições... 3 5. Participantes... 4 6. Categorias...

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo

Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE GINÁSTICA Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo 2009-2012 PRÓLOGO História do desenvolvimento da Notação Simbólica Em 1979 o Comitê Técnico Feminino da FIG

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina IDADE: 07 em diante, completos no ano da competição COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas.

Leia mais

Circuito de Atletismo de Rua

Circuito de Atletismo de Rua 2015 Circuito de Atletismo de Rua Objetivos: Promover e fazer crescer a modalidade em condições ideais para crianças e jovens quer em ambiente escolar quer no Clube. Projetado para ser abrangente, competitivo,

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica IDADE: 07 em diante COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas. Para a classificação por

Leia mais

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NATAÇÃO Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NADO CRAWL Nado Livre Significado Rastejar História do Nado Crawl Até 1844, era realizado com uma braçada de peito executado na lateral do corpo com batimentos

Leia mais

Confederação Brasileira de Kyokushinkaikan Karate Shihan José Koei Nagata IKO Matsushima KYOKUSHINKAIKAN KARATE KATA YANTSU

Confederação Brasileira de Kyokushinkaikan Karate Shihan José Koei Nagata IKO Matsushima KYOKUSHINKAIKAN KARATE KATA YANTSU KYOKUSHINKAIKAN KARATE KATA YANTSU O Karate Kyokushinkaikan, desenvolvido pelo Mestre Masutatsu Oyama teve influência do Kenpo, e dos estilos Shotokan e Goju Ryu, que foram praticados por ele. O Kata Yantsu

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: FOAM ROLLER GESTANTES FAIXA ELÁSTICA FITBALL TONNING BALLS BOSU DUPLA FUNCIONAL DUPLA ACROBATICA

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 REGULAMENTO DE ATLETISMO 1º - As provas de Atletismo serão realizadas no Estádio do Caldas de São Jorge Sport Clube, nos dias 9 e 10 de Julho

Leia mais

FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO CLASSE MASTER 2015 DAS COMPETIÇÕES DE MASTERS DA REGULAMENTAÇÃO

FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO CLASSE MASTER 2015 DAS COMPETIÇÕES DE MASTERS DA REGULAMENTAÇÃO Art. 1º - DA FAIXA ETÁRIA FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO CLASSE MASTER 2015 DAS COMPETIÇÕES DE MASTERS DA REGULAMENTAÇÃO 1 - Os nadadores serão divididos por faixa etária

Leia mais

[Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 25 E 26 DE JUNHO 2016 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1

[Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 25 E 26 DE JUNHO 2016 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 25 E 26 DE JUNHO 2016 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 11º Festival de

Leia mais

Federação de Ginástica do Estado do Rio de Janeiro IV TORNEIO ESTUDANTIL DE GINÁSTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GINÁSIO DO MARACANÃZINHO CONVITE

Federação de Ginástica do Estado do Rio de Janeiro IV TORNEIO ESTUDANTIL DE GINÁSTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GINÁSIO DO MARACANÃZINHO CONVITE IV TORNEIO ESTUDANTIL DE GINÁSTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro, 08 de Agosto de 2011 GINÁSIO DO MARACANÃZINHO Prezado (a) Senhor(a) CONVITE Temos a honra de convidar esta conceituada instituição

Leia mais

XXXVI Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2011

XXXVI Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2011 XXXVI Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2011 REGULAMENTO DE ATLETISMO 1º - As provas de Atletismo serão realizadas no Estádio do Caldas de São Jorge Sport Clube, nos dias 9, 10 e 17 de

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. Regulamento de Provas Nacionais 1

REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. Regulamento de Provas Nacionais 1 REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES NACIONAIS Regulamento de Provas Nacionais 1 Índice 1. Introdução... 2 2. Quadro Competitivo... 2 3. Participação... 2 4. Inscrições... 3 5. Participantes... 4 6. Categorias...

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Artística Feminina

Regulamento Específico. Ginástica Artística Feminina Regulamento Específico Ginástica Artística Feminina 2015 Art. 1º - A competição de ginástica artística feminina dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 será regida de acordo com as regras oficiais

Leia mais

XV Copa Artgym/TTC 2015 Ginástica Rítmica

XV Copa Artgym/TTC 2015 Ginástica Rítmica XV Copa Artgym/TTC 2015 Ginástica Rítmica Convite Prezado (a) Senhor (a), Temos o prazer de convidar esta conceituada instituição para participar da XV Copa Artgym\TTC de Ginástica Rítmica, que será realizada

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO NATAÇÃO SINCRONIZADA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO NATAÇÃO SINCRONIZADA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO NATAÇÃO SINCRONIZADA Regras Técnicas 2009 2013 INDICE SS1 GERAL 3 SS 2 COMPETIÇÕES 3 SS3 ELEGIBILIDADE 3 SS4 SESSÕES 3 SS5 PROGRAMAS 4 SS6 INSCRIÇÕES 4 SS7 ELIMINATÓRIAS

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Natação realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo II

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo II Regulamento Específico Ginástica Rítmica Módulo II 1 Art. 1º - A competição de ginástica rítmica será regida de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Ginástica (FIG), reconhecidas

Leia mais

XIV Copa Artgym/TTC Ginástica Rítmica

XIV Copa Artgym/TTC Ginástica Rítmica XIV Copa Artgym/TTC Ginástica Rítmica Convite Prezado (a) Senhor (a), Temos o prazer de convidar esta conceituada instituição para participar da XIV Copa Artgym\TTC de Ginástica Rítmica, que será realizada

Leia mais

K1 Técnica de remada inclinada

K1 Técnica de remada inclinada Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos

Leia mais

Regulamento da Copa Natal Pré Mirim a Sênior

Regulamento da Copa Natal Pré Mirim a Sênior Regulamento da Copa Natal 2015 - Pré Mirim a Sênior DA DATA E LOCAL A Copa Natal 2015 Pré Mirim a Sênior será realizado nas dependências do GNU Piscina Externa de 50m Aquecida (localizado na Rua Quintino

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Prof. Drt. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Exercícios Mul%Funcionais Educa%vos Básico Auxilio Reação NeuroMuscular EME - CONCEITO São Exercícios Mul0Funcionais

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

Exercícios de potência e explosivos

Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO DVD 1 MÚSCULOS PREDOMINANTES ENVOLVIDOS Descrição da Grupo muscular ou Nome ação concêntrica região corporal Músculos Arranque Extensão dos

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE - Fone: CRITÉRIOS DA TEMPORADA

FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE  - Fone: CRITÉRIOS DA TEMPORADA FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE www.fanrn.com.br - aquaticarn@gmail.com Fone: 32018008 I- NATAÇÃO FEDERADOS: a) NATAÇÃO FEDERADOS: CRITÉRIOS DA TEMPORADA - 2016 I TORNEIO NORTE NORDESTE INTERFEDERATIVO

Leia mais

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu Marcha Normal José Eduardo Pompeu Marcha Humana Deslocamento de um local para outro Percorrer curtas distâncias. Versatilidade funcional dos MMII para se acomodar a: degraus, mudanças de superfícies e

Leia mais

3º Torneio AberTo individual de Ténis de MesA CidAde de vizela. Convite

3º Torneio AberTo individual de Ténis de MesA CidAde de vizela. Convite Convite A Casa do Povo de Vizela vem por este meio convidar o vosso prestigiado clube a participar no 3º Torneio Aberto Individual de Ténis de Mesa Cidade de Vizela. O Torneio realizar-se-á no dia 25/03/2017

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA LPN DE VERÃO 2016

CAMPEONATO PAULISTA LPN DE VERÃO 2016 CAMPEONATO PAULISTA LPN DE VERÃO 2016 DATA LOCAL INSCRIÇÕES CORTES AABB - MARÍLIA 10/12/2016 Piscina de 25 metros Até 07/12/2016 Até 08/12/2016 HORÁRIO DAS ETAPAS PERIODO AQUECIMENTO INICIO DAS PROVAS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CATEGORIAS DE ATLETAS... 4 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO... 4 INSCRIÇÕES... 5 TRANSFERÊNCIA DE ATLETAS...

Leia mais

Documento de Apoio de Atletismo

Documento de Apoio de Atletismo Documento de Apoio de Atletismo Foi na antiga Grécia, onde as actividades atléticas tinham particular relevância na educação, que o Atletismo surgiu como uma modalidade desportiva, que era objecto de competição,

Leia mais

REGULAMENTO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO DE NATAÇÃO CAPÍTULO I - DA ARBITRAGEM Art.1º - A responsabilidade pela arbitragem dos Jogos Escolares TV SERGIPE 2017 será da FEDERAÇÃO AQUÁTICA DE SERGIPE, bem como o balizamento das provas a serem disputadas. CAPÍTULO

Leia mais

Badminton. Badminton

Badminton. Badminton Badminton Badminton Badmínton História da Modalidade Atualmente, acredita-se que o jogo da poona, de origem indiana e trazido para a Europa pelos oficiais ingleses, esteja na origem do badmínton. Em 1873,

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

II CAMPEONATO GUILHERME GUIDO

II CAMPEONATO GUILHERME GUIDO 7 DE MAIO DE 2016 II CAMPEONATO GUILHERME GUIDO DATA LOCAL PRAZOS DE INSCRIÇÃO POR SÚMULA ATÉ 29 DE ABRIL DE 2016 S.E. GRAN SÃO JOÃO 25 METROS 10 RAIAS SISTEMA ONLINE ATÉ 3 DE MAIO DE 2016 AQUECIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Regulamento Específico. Natação Paralímpica

Regulamento Específico. Natação Paralímpica Regulamento Específico Natação Paralímpica 2015 Art. 1º - A competição de natação dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 obedecerá às regras do Comitê Paralímpico Internacional - IPC Swimming, observando

Leia mais

Estou um pouco acima do peso.

Estou um pouco acima do peso. Estou um pouco acima do peso. http://www.cataflampro.com.br Estou um pouco acima do peso. Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Mantenha a sua mobilidade, faça algo para sua força e coordenação

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2017-2020 Autores: Comissão Técnica de GAM Bruno Narra José Augusto Dias José Ferreirinha Manuel Campos Paulo Simões Pedro Almeida André Nogueira

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012 ANEXO II TAF TESTE DE APTIDÃO FÍSICA E EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS MASCULINO E FEMININO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O TAF Teste de aptidão Física é um instrumento usado para medir e avaliar as condições

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais