Fundamentos do Futebol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos do Futebol"

Transcrição

1 Fundamentos do Futebol

2 Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico 1.7 Passe alto (por cima) 1.8 Passe paralelo 1.9 Passe em diagonal Capítulo 2 Recepção de Bola 2.1 Recepção de bola com o peito do pé 2.2 Recepção de bola com a parte interna do pé 2.3 Recepção de bola com a parte externa do pé 2.4 Recepção de bola com a sola do pé 2.5 Recepção de bola com a coxa 2.6 Recepção de bola com o peito 2.7 Recepção de bola com a cabeça Capítulo 3 Condução de bola 3.1 O que é condução de bola 3.2 Condução de bola com o peito do pé 3.3 Condução de bola com a parte interna do pé 3.4 Condução de bola com a parte externa do pé 3.5 Condução de bola com a sola do pé Capítulo 4 - Inserir Objetos 4.1 Equilíbrio do corpo 4.2 Posição do pé de apoio 4.3 Posição do pé que irá chutar a bola 4.4 Chutes com a parte interna ou externa do pé 4.5 Chute com o peito do pé 4.6 Chute de bico 4.7 Voleio ou sem pulo 4.8 Bate pronto

3 Apresentação

4 Sabemos que todos os dias, meses e anos são realizados vários campeonatos de futebol pelo Brasil afora, bem como em outros países. E com isto, vem crescendo demais o número de adeptos deste esporte. Portanto, aprender os processos pedagógicos para todos os fundamentos básicos do Futebol é fundamental para mostrar a importância em realizá-los corretamente no desenvolvimento da prática dessa modalidade esportiva, tanto no lazer ou em sua prática de rendimento.

5 Capítulo 1 O passe

6 1.1 Passe Simples No passe simples, a região de contato se inicia no dedão e vai até ao calcanhar. A perna de apoio fica ligeiramente flexionada e a perna de passe é elevada do quadril para fora, para que o eixo longitudinal do pé fique perpendicular à direção da bola. A posição escolhida em que fica a perna do passe impede de se obter grande distância. 1.2 Passe Peito de Pé No passe peito de pé, a posição do corpo também é importante em determinadas situações do jogo: a posição mais utilizada em bolas rasteiras é o pé de apoio ao lado da bola, perna de execução flexionada, e tronco inclinado para frente quando queremos mais força, e o tronco para trás quando queremos mais precisão.

7 1.3 Passe com a lateral externa do pé O passe com a lateral externa do pé basicamente é o mesmo procedimento para o passe simples, que é feito com a parte interna do pé, porém com a perna de apoio colocada ao lado da bola e a perna de passe tocando na bola com a lateral externa do pé (três dedos) Passe de Cabeça O passe de cabeça é utilizado em bolas aéreas. Com os olhos sempre abertos, a parte que toca a bola para dar maior direção é a testa. O passe de cabeça pode ser utilizado tanto na defesa quanto no ataque.

8 1.5 Passe de Calcanhar O passe de calcanhar normalmente é utilizado em situações em que o elemento não possui alternativa, causando assim, surpresa ao adversário. O mais comum é o passe dado com a parte posterior do calcanhar. De execução simples, consiste em devolver a bola à sua retaguarda ou mesmo surpreender o adversário em uma tabela na entrada da área de gol. 1.6 Passe de bico O passe de bico é um passe mais rápido é não tão preciso quanto os outros passes. Toca-se na bola com a ponta dos dedos. Existe o perigo de acidente no caso de um calço no momento deste passe.

9 1.7 - Passe alto (por cima) O passe alto é utilizado em situações em que o adversário está na frente da bola. Então o jogador utiliza a ponta do pé para fazer com que a bola passe acima da cabeça do adversário e este não alcance a mesma. A posição do jogador deve ser a seguinte: peso do corpo na perna de apoio, flexão da perna de execução, elevação da perna de execução rente ao solo para que possa pegar a bola bem por baixo e alçá-la à frente para um companheiro bem colocado. Devemos ter muito cuidado na execução desse passe para que o adversário não roube a bola Passe paralelo O passe paralelo é utilizado como uma variável do passe de meia altura. Quando temos o elemento à frente e não podemos realizar o passe por cima, utilizamos o passe paralelo e a meia altura, por ser mais rápido e mais fácil de executar. A técnica é a mesma do passe por cima, só que passamos a bola ao companheiro do lado do adversário, na altura da cintura do mesmo.

10 1.9 - Passe em diagonal O passe em diagonal é aquele dado ao companheiro em que está mais bem colocado diagonalmente ao adversário. Este tipo de passe é realizado com a parte interna do pé ou com o peito do pé. Caracteriza-se por sua utilidade e rapidez no jogo. É hora de recapitular! Neste capítulo conhecemos as formas básicas e corretas para a realização de um passe em boas condições dentro da prática dessa modalidade.

11 Capítulo 2 Recepção de Bola

12 Agora você conhecerá os melhores meios para se obter um bom domínio de bola dentro da modalidade de Futebol de campo. Fique atento (a) a cada detalhe! Recepção de bola com o peito do pé A recepção de bola com o peito do pé é um procedimento que requer um bom domínio e ação rápida, normalmente é utilizado em situações em que a bola vem de maior altura, colocando o pé embaixo da bola que vem caindo. O peso do corpo recai sobre a perna de apoio, ligeiramente flexionada, enquanto a perna que irá executar a recepção deve-se elevar o possível e no contato com a bola, iniciase o abaixamento da mesma, coincidindo a velocidade da descida com a velocidade da bola. Então, esta deve ficar como que colada ao peito do pé até chegar ao solo.

13 Recepção de bola com a parte interna do pé A recepção com a parte interna do pé é elemento indispensável durante qualquer partida. Em uma bola rasteira, a perna de apoio fica ligeiramente flexionada e a outra perna afastada para fora, para que o eixo longitudinal do pé fique perto da bola. O tronco inclina-se um pouco para trás, os braços se colocam ao lado do corpo e o olhar se volta para a bola. No momento do contato, em que a bola alcança a superfície interior do pé, afastamos a perna para trás; este afastamento deve ser um pouco mais lento que a velocidade de chegada da bola. Se a bola vem numa altura inferior que a do joelho, podemos também, recebê-la com a parte interna do pé. A execução do movimento é quase idêntica à técnica do recebimento da bola rasteira; na altura da bola que chega. Com o afastamento da perna no momento do contato com a bola para trás, a força da mesma diminui e facilita o seu domínio Recepção de bola com a parte externa do pé Na recepção de bola com a parte externa do pé, o tronco é ligeiramente inclinado para o lado oposto à recepção da bola, semiflexão do joelho, ponta do pé ligeiramente voltada para dentro, perna de apoio estendida e olhar voltado para a bola. Esta técnica é mais utilizada em situações de emergências. Devemos ter muito cuidado para evitar que ocorra lesão no tornozelo, fato comum nos jogadores que não dominam o movimento correto.

14 Recepção de bola com a sola do pé A recepção de bola com a sola do pé é utilizada para receber bolas rasteiras e com muita velocidade. Neste tipo de bola, esta forma de recepção se torna mais recomendável e fácil e ainda proporciona a oportunidade de repor a bola imediatamente em jogo. A posição correta para a recepção é: tronco ligeiramente inclinado para frente, perna de apoio ligeiramente flexionada e a perna de recepção ligeiramente elevada, com a ponta do pé também elevada em relação ao calcanhar Recepção de bola com a coxa Na recepção de bola com a coxa, se a bola vem pelo alto numa altura em que não é possível pará-la nem com o pé, nem com o peito, podemos dominá-la com a superfície da coxa. Portanto, o atleta deverá estar de frente para a bola, peso do corpo sobre a perna de apoio, perna de recepção à frente e flexionada de encontro à trajetória da bola que chega; no momento do contato, deve-se, então, abaixá-la de acordo com a velocidade da bola.

15 2.6- Recepção de bola com o peito Utilizamos a recepção de bola com o peito quando a bola vem pelo alto em parábola ou em linha reta. Nesses casos a recepção com o peito é a mais recomendada, devido à grande superfície de contato. No momento de recepcionar a bola no peito, procuramos inspirar (murchar no peito) para que a bola amorteça e deslize ao longo do corpo até chegar aos pés e destes ao solo. Devemos procurar a posição mais favorável para executar o movimento. Podemos utilizar a recepção de peito para executarmos até um drible. Esse fundamento requer grande habilidade para se realizar o trabalho de maneira satisfatória. O tronco tem importância fundamental; dependendo da circunstância de jogo ele pode ficar inclinado para frente, para trás ou de lado Recepção de bola com a cabeça Muitas vezes recepcionamos a bola numa trajetória muito alta, onde não podemos alcançá-la, senão com a cabeça. Devemos fazer com que a bola, depois de ser recepcionada, caia o mais próximo possível de nossos pés. No momento deste tipo de recepção, os olhos deverão estar sempre abertos, levantar o pescoço e ficar na posição de ponta de pés para melhor se executar o movimento. É hora de recapitular! Neste capítulo você conheceu os melhores meios e técnicas para exercer um bom domínio de bola quando se trata da recepção da mesma.

16 Capítulo 3 Condução de Bola

17 Após o estudo sobre a recepção da bola, agora conheceremos a técnica de condução dominada, quais são os melhores meios para mantermos essa bola sobre nosso domínio, conduzindo-a de maneira segura e eficaz O que é uma condução de bola A condução de bola é a forma mais indicada e de maior aplicabilidade em como movimentar-se após ter dominado a bola, sem, contudo, perdê-la de contato, ou seja, é o movimento que se faz levando a bola sobre o seu domínio Condução de bola com o peito do pé Na condução de bola com o peito do pé, a bola deverá ser movimentada após o seu domínio com a superfície superior do pé (peito do pé). É a forma de condução menos utilizada, haja vista a dificuldade em se manter a bola em movimento e sobre domínio. O corpo deve estar ligeiramente inclinado para frente mantendo a bola a uma distância máxima de aproximadamente 80 cm dos pés que a conduzirão até o momento de um passe ou chute a gol.

18 3.3 - Condução de bola com a parte interna do pé A Condução de bola com a parte interna do pé é o meio mais utilizado em uma partida de futebol, ou seja, movimentando-se dentro da área de jogo e levando a bola sobre seu domínio com a parte interna de um dos pés ou mesmo utilizando ambos alternadamente para conduzi-la Condução de bola com a parte externa do pé A condução de bola com a parte externa do pé também é muito utilizada, tendo em vista um deslocamento mais longo e rápido com a bola sobre seu domínio. Neste caso, a bola poderá ultrapassar apenas uma distância de aproximadamente 80 cm dos pés.

19 3.5 - Condução de bola com a sola do pé Dentro do futebol de campo, a condução de bola com a sola do pé é pouco utilizada, pela dificuldade de locomoção. Tendo em vista que a superfície de jogo em muitas das vezes não é regular. Consiste em movimentar-se com a bola dominada levando-a com a sola de um dos pés, sem perdê-la de contato com seu corpo. É um deslocamento lento, porém muito seguro. Observação: Em todos os casos de condução de bola o atleta deverá manter seu corpo ligeiramente inclinado para frente, o olhar dividido entre a bola e seu objetivo (passe, chute ou drible), manter a bola a uma distância recomendável para que não se tenha esta bola por perdida (+ ou 8 cm). É hora de recapitular! Neste capítulo você conheceu as melhores e mais eficientes maneiras para conduzir a bola em condições de jogo.

20 Capítulo 4 Chutes a Gol

21 Neste capítulo você conhecerá as técnicas mais utilizadas para que se execute um bom chute a gol. A seguir conheceremos os fatores que contribuem para a eficiência do chute. Portanto, fique atento (a)! Equilíbrio do corpo Na hora em que acionamos a perna do chute, o corpo tem que estar em perfeito equilíbrio. Este movimento livremente acionado como uma alavanca e a ligeira inclinação do corpo para o lado da perna de apoio impedem que a ponta do pé raspe o solo no momento de bater na bola. É preciso manter os braços afastados do corpo, quase abertos, para garantir perfeito equilíbrio. No momento do chute, os olhos devem estar fixos na bola, porém o desfecho final deve-se ter sido visto antecipadamente Posição do pé de apoio O pé de apoio é o que fica fixo ao solo no momento do chute, quando se deseja lançar o máximo de força à bola. É uma trajetória tão reta quanto possível e deve-se pôr este pé justamente ao lado da bola, de modo que o maleolo interno (saliência óssea do tornozelo) coincida mais ou menos com o eixo horizontal da bola.

22 4.3 - Posição do pé que irá chutar a bola O pé que irá chutar a bola deve ficar completamente estendido, mantendose rígida a articulação tibiotárica, isto é, o tornozelo, de modo que o peito do pé bata em cheio na bola, justamente no ponto que corresponde ao seu eixo anteroposterior. Observados estes detalhes iniciais, acrescente-se que no momento em que ser bater na bola, o corpo deve estar bem dobrado sobre ela, que será arrancada violentamente do solo e tomará uma trajetória baixa, reta ou com curva. No chute, a perna realiza o movimento de um pêndulo que, ao tocar a bola, está no ângulo intermediário e após o toque é completada a extensão. Este movimento é impulsionado não só pela própria inércia da perna, como também, por toda a força desse grupo muscular potentíssimo da coxa. Desde que o jogador bata na bola respeitando os ensinamentos descritos neste item, toda essa força será melhor aproveitada.

23 4.4 Chutes com a parte interna ou externa do pé Chutes com a parte interna do pé - Chute com mais precisão e menos violência. É dado conforme todo procedimento prescrito anteriormente, porém, com a parte interna do pé, visando que a bola tome uma trajetória com curva de fora para dentro, como que se ela fosse sair do gol, porém voltando-se para ele após a metade de sua trajetória. Chutes com a Parte externa do pé - Chute com precisão e de pouca violência. É dado conforme todo procedimento prescrito anteriormente, porém, com a parte externa do pé, visando que a bola tome uma trajetória com curva de dentro para fora, como que se ela fosse na direção de um lado do gol, porém voltando-se para um outro lado após a metade de sua trajetória. É um chute de difícil execução e na maioria das vezes com trajetória irregular.

24 4.5 - Chute com o peito do pé O chute com o peito do pé é de precisão e violência. É muito utilizado em cobranças de faltas e pênaltis. O atleta aplica todos os métodos citados anteriormente, batendo na bola com a superfície superior do pé, fazendo com que a bola tome uma trajetória mais em forma de parábola e em linha reta Chute de bico O chute de bico é um procedimento não muito preciso e de grande violência, utilizado como meio de surpreender a defesa e o goleiro adversário. É dado com a ponta dos dedos, fazendo com que a bola tome uma trajetória reta e violenta. Produz um som forte ao se bater na bola. Os procedimentos de execução são os mesmos citados anteriormente.

25 4.7- Voleio ou sem pulo É o chute desferido quando a bola se dirige ao jogador pelo ar, caindo perto dele (meia altura). É muito perigoso para o goleiro adversário por não pressentir a direção deste tipo de chute. De extrema violência, porém com direção indefinida Bate pronto É o chute desferido quando a bola se dirige ao jogador pelo ar, caindo perto dele. É muito perigoso para o goleiro adversário por não pressentir a direção deste tipo de chute. De extrema violência, porém com direção indefinida.

26 É hora de recapitular! Neste último capítulo mostramos como podemos ser eficazes na realização de chutes a gol nas mais variadas maneiras de realizá-los. Boa sorte e Sucesso!

esportivas das aulas de Educação Física nas escolas de todo país.

esportivas das aulas de Educação Física nas escolas de todo país. O Futsal, também conhecido como Futebol de Salão, é uma modalidade esportiva que foi adaptada do futebolde campo para as quadras. O futsal é muito praticado no Brasil, fazendo parte de uma das principais

Leia mais

Chute É o ato de golpear a bola, desviando ou dando trajetória à mesma, estando ela parada ou em movimento.

Chute É o ato de golpear a bola, desviando ou dando trajetória à mesma, estando ela parada ou em movimento. UI MARIA LENIR ARAÚJO MENESES Prof Esp. Leonardo Delgado FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO JOGADOR DE FUTEBOL Para uma melhor prática do futebol, faz-se necessário o conhecimento e domínio de algumas técnicas básicas,

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO EDITAL Nº 003/2016, DE 14 DE JANEIRO DE 2016 Seleção para Alunos de Pós-Graduação Lato Sensu para

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL Osvaldo Tadeu da Silva Junior INICIAÇÃO ÀS TÉCNICAS INDIVIDUAIS INTRODUÇÃO FUTSAL: Da iniciação ao Alto nível Daniel Mutti A técnica consiste na execução individual dos

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos*

UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos* UM PROGRAMA DE GINÁSTICA PARA CORONARIOPATAS Coletânea de Exercícios Sugeridos* Heinz Liesen** UNITERMOS: Ginástica especial. Cardiopatas. Os exercícios sâo organizados de maneira a trabalhar as diversas

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO Atletismo O LANÇAMENTO DO DISCO Ao que parece, o lançamento do disco foi descoberto pelos pescadores que lançavam placas chatas de pedras sobre a superfície da água, para que estas deslizassem. Ainda hoje,

Leia mais

Fundamentos do Goleiro de Futebol

Fundamentos do Goleiro de Futebol Fundamentos do Goleiro de Futebol FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO GOLEIRO Pegada Atodepegarabolacomasmãos. A palma deve ter uma superfície côncava, os dedos devem estar estendidos e abduzidos, os polegares devem

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 Despacho normativo nº1-a/2017 de 10 de fevereiro DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Ano de Escolaridade:

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados.

Matéria: CIDADANIA. 1. TROPA É a reunião de dois ou mais alunos, fardados, devidamente comandados. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª Série TURMA(S):

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Jogo 7x7 Jogo 5x5 FUTEBOL Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Recepção e controlo Enquadar ofensivamente

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 9º Turma: A Nº Alunos: 21 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 12h15min Duração: 75 minutos Unidade

Leia mais

Gestos Técnicos do Voleibol

Gestos Técnicos do Voleibol Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD e Pedro Pires Nº10 11ºD Disciplina de Pratica de Actividade Física e Desportiva Data de entrega: 03/12/2014 Diogo

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. COSTA MATOS. Campo de badminton

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. COSTA MATOS. Campo de badminton BADMINTON Caracterização: O badminton é um jogo que pode ser disputado em singulares (individualmente) ou em par (pares), não tendo qualquer limitação temporal, isto é, o jogo termina assim que um jogador/par

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

1ª Copa Contabilizar na Rede de Futebol Society - 2012

1ª Copa Contabilizar na Rede de Futebol Society - 2012 1ª1ª Copopa Conontababililizar na Rede de Futetebobol Societyety - 2012012 1ª Copa Contabilizar na Rede de Futebol Society - 2012 Esta Copa tem como o principal objetivo a melhor integração e confraternização

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física Seguidamente, apresento os elementos gímnicos que seriam abordados nas aulas dos dias 20 e 22 de Outubro. Dada a impossibilidade da vossa presença,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 10h15min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Badminton. Badminton

Badminton. Badminton Badminton Badminton Badmínton História da Modalidade Atualmente, acredita-se que o jogo da poona, de origem indiana e trazido para a Europa pelos oficiais ingleses, esteja na origem do badmínton. Em 1873,

Leia mais

Prof. Maick da Silveira Viana

Prof. Maick da Silveira Viana Regras do Handebol Prof. Maick da Silveira Viana REGRA 1 A quadra do jogo REGRA 2 - A duração da partida A partida de handebol consiste em dois tempos divididos por um intervalo de 10 minutos. A duração

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS 1 Execução de uma Perna de Ballet Partir da Posição Básica Dorsal. Um membro inferior mantém-se à superfície durante toda a execução. O pé do outro membro inferior desliza

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016

EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016 Handebol Devido ao fato do esporte ter sido desenvolvido por um professor de educação física, o handebol ganhou grande aceitação nas escolas e colégios de muitos países,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

HANDEBOL. Profesores: Daniel / Sheila. Colégio Adventista de Rio Preto

HANDEBOL. Profesores: Daniel / Sheila. Colégio Adventista de Rio Preto HANDEBOL Profesores: Daniel / Sheila Colégio Adventista de Rio Preto Técnicas Defensivas Handebol 1. Posição básica defensiva: É a postura que deve adotar os jogadores, posicionando-se para intervir na

Leia mais

7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA FABRÍCIO RAMALHO DA COSTA GERSON APARECIDO DE SOUZA JUNIOR ISMAEL FRANCO DE SOUZA MARCOS PAULO DA SILVA COSTA RUBENS VAZ COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS POLIVALENTE

Leia mais

Balística Avançada. Questão 01 - (UEM PR/2012)

Balística Avançada. Questão 01 - (UEM PR/2012) Questão 01 - (UEM PR/2012) Do topo de uma plataforma vertical com 100 m de altura, é solto um corpo C 1 e, no mesmo instante, um corpo C 2 é arremessado de um ponto na plataforma situado a 80 m em relação

Leia mais

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física Protocolo de Avaliação Inicial Educação Física ÁREA DAS ACTIVIDADE FÍSICAS 1- JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS 1.1. FUTEBOL. Jogo reduzido 5x5 (4+GR; 2 balizas) ou 4x4 (3+GR; 2 balizas). Critérios de êxito:

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

FLAGBOL. Profº Paulo Fernando Mesquita Junior

FLAGBOL. Profº Paulo Fernando Mesquita Junior FLAGBOL Profº Paulo Fernando Mesquita Junior Nascido a partir de uma variação mais suave do futebol americano, o Flagbol começou a desenvolver-se como modalidade esportiva no início dos anos 40, em bases

Leia mais

ANDEBOL. Nível Introdutório

ANDEBOL. Nível Introdutório Nível ANDEBOL Nível Não Com posse de bola: Desmarca-se, oferecendo linha de passe. Opta por passe, ou por drible em progressão para finalizar. Finaliza em remate em salto. Perde a posse de bola, assume

Leia mais

CAPÍTULO. 8.3 Saltos. Atletismo. José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira. cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24

CAPÍTULO. 8.3 Saltos. Atletismo. José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira. cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24 8 CAPÍTULO Atletismo 8.3 Saltos José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24 cap8.3.indd 2 27/05/13 18:24 CAPACIDADES ATLETISMO SALTOS COORDENATIVAS PRESSÃO DE TEMPO ATIVIDADES

Leia mais

Coelhinha da Playboy malha para ter corpo sequinho e bumbum grande

Coelhinha da Playboy malha para ter corpo sequinho e bumbum grande Uol - SP 08/11/2014-20:39 Coelhinha da Playboy malha para ter corpo sequinho e bumbum grande Da Redação Uma das regras da coelhinha da Playboy é comer de três em três horas, portanto ela não se incomoda

Leia mais

Escrito por Andreza Viana de Oliveira Seg, 13 de Maio de :26 - Última atualização Seg, 27 de Maio de :12

Escrito por Andreza Viana de Oliveira Seg, 13 de Maio de :26 - Última atualização Seg, 27 de Maio de :12 Empunhadura ( forehand ) Em geral a raquete deve ser empunhada como se o jogador estivesse apertando a mão com ela. Isso pode não parecer natural, mas com paciência e prática se tornará um hábito. Empunhadura

Leia mais

BADMINTON. no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino

BADMINTON. no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino BADMINTON no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino B DMINTON REGULAMENTOS CAMPO SINGULARES 1 Linha de serviço longo de singulares ou linha de fundo 2 Linha lateral de singulares 4 Linha de serviço curto

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL DOCUMENTO DE APOIO 7º ANO BREVE HISTÓRIA DA MODALIDADE O Futsal surge no final do século XX, na década de 90,

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Ms. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Ms. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. A Meta Qual o número mínimo de jogadores, em um time,

Leia mais

1- CONDUÇÃO NO BAMBOLE

1- CONDUÇÃO NO BAMBOLE TRABALHOS TÉCNICOS PARA O DESEVOLVIMENTO DOS FUNDAMENTOS DO FUTEBOL 1- CONDUÇÃO NO BAMBOLE Alguns bamboles espalhados pela quadra, ao sinal do professor os alunos deverão conduzir a bola e parar dentro

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Das inscrições: 16 de julho de 2016

Das inscrições: 16 de julho de 2016 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2016 16 de julho de 2016 Das inscrições: 1.

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO Caracterização da Modalidade O atletismo pode ser dividido em cinco sectores:

Leia mais

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles.

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. FUTEBOL Gesto Técnico: Passe com o pé Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. Utiliza-se quando existe um colega desmarcado, em

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Departamento de Educação Física Educação Física - 2º e 3º CICLO

Departamento de Educação Física Educação Física - 2º e 3º CICLO Ginástica no solo: Cambalhota à frente com pernas unidas Cambalhota à retaguarda com pernas unidas. Pino no espaldar ou Pino Cambalhota Roda Ginástica de Aparelhos: Salto ao eixo Salto Entre-Mãos Salto

Leia mais

:: REGRAS DO CAMPEONATO DE PEBOLIM (FLA-FLU)

:: REGRAS DO CAMPEONATO DE PEBOLIM (FLA-FLU) :: REGRAS DO CAMPEONATO DE PEBOLIM (FLA-FLU) 1 - A disputa 1.1. Cada jogo será disputado em uma melhor de 3 partidas, o time que marcar 5 gols primeiro vence a partida. 1.2. As partidas são finalizadas

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26 3º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e prática 1. Objeto de avaliação O presente

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo

Clínica Deckers. Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo Clínica Deckers Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo O QUE É. Estes são alguns exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do tornozelo. Eles foram compilados para dar a

Leia mais

P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011. Questão Valor Grau Revisão. -As respostas sem justificativas ou cálculos não serão computadas.

P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011. Questão Valor Grau Revisão. -As respostas sem justificativas ou cálculos não serão computadas. P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011 Nome: respostas Assinatura: Matrícula: Turma: Questão Valor Grau Revisão 1 a 3,0 2 a 2,5 3 a 3,0 Total 8,5 -As respostas sem justificativas ou cálculos não

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 Prova 26 / 2016 1ª e 2ª fase 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

June 2015 Monstar Games Events

June 2015 Monstar Games Events June 2015 Monstar Games Events SEXTA-FEIRA (05/06) - RX Individual Evento # 1 Fifth Gear 5x for time: 40 Double-Unders 30 Kettlebell Swings (24/16 kg) 20 Push Press (54/36 kg) Time Cap: 15 Minutos Standards

Leia mais

Eu aproveito a minha aposentadoria.

Eu aproveito a minha aposentadoria. Eu aproveito a minha aposentadoria. http://www.cataflampro.com.br Eu aproveito a minha aposentadoria. Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Mantenha a sua mobilidade, melhore a força das

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira

Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira UNIDADE DIDÁCTICA DE BADMINTON NÚCLEO DE ESTÁGIO 2001/2002 CRISTÓVÃO SILVA RUI VIEIRA ÍNDICE ÍNDICE... 1 INTRODUÇÃO... 2 NOTA METODOLÓGICA... 3 DEFINIÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ANO 2 BIMESTRE

EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ANO 2 BIMESTRE SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS EDUCAÇÃO

Leia mais

"Nunca esqueça que a vaidade é inimiga do espírito de equipe."

Nunca esqueça que a vaidade é inimiga do espírito de equipe. OBSERVAÇÕES COM RELAÇÃO AO: ARREMESSO DE GOLEIRO; ARREMESSO DE META; TIRO LATERAL. Caros colegas Oficiais, Dirigentes, Técnicos, Professores, Atletas e demais interessados pelo Futsal, estamos encaminhando

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Leia e veja como sua postura conta muito. Ergonomia

Leia e veja como sua postura conta muito. Ergonomia Leia e veja como sua postura conta muito. Ergonomia ERGONOMIA A ergonomia é a busca da relação ideal entre indivíduo e ambiente de trabalho. Ela visa proporcionar um ambiente de trabalho perfeitamente

Leia mais

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é Caracterização do O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é enviar a bola por cima da rede, fazendo-a cair no campo adversário e evitando que ela caia no nosso

Leia mais

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Prof. Drt. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Exercícios Mul%Funcionais Educa%vos Básico Auxilio Reação NeuroMuscular EME - CONCEITO São Exercícios Mul0Funcionais

Leia mais

Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol

Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol 126 Recursos do Professor Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol Cooperar com os companheiros no alcance do objetivo do Andebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações solicitadas

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE O basquetebol é um jogo desportivo colectivo, pr

Leia mais

PI Instrução inicial: Exercícios/ Objectivos

PI Instrução inicial: Exercícios/ Objectivos 5º Unidade de Ensino 21.01 a 15.02 10 Aulas Professor Estagiário: João Santos Turma: 7º B Objectivos : Gestão rotinas organizativas; Desenvolvimento competências de instrução e questionamento; Garantir

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROVA 26 / 2017 (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

CONTEÚDO DOS 7º ANOS REFERENTE AO 4º BIMESTRE DE 2016

CONTEÚDO DOS 7º ANOS REFERENTE AO 4º BIMESTRE DE 2016 CONTEÚDO DOS 7º ANOS REFERENTE AO 4º BIMESTRE DE 2016 Qual a diferença entre jogo e esporte O jogo é definido como uma atividade de caráter lúdico com normas livremente estabelecidas pelos participantes.

Leia mais

Estou um pouco acima do peso.

Estou um pouco acima do peso. Estou um pouco acima do peso. http://www.cataflampro.com.br Estou um pouco acima do peso. Aqui está o nosso programa de treinamento recomendado: Mantenha a sua mobilidade, faça algo para sua força e coordenação

Leia mais

EDITAL DE RECUPERAÇÃO PARALELA SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2016

EDITAL DE RECUPERAÇÃO PARALELA SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2016 EDITAL DE RECUPERAÇÃO PARALELA SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2016 Aluno: _ Ano: Professora: Disciplina: No Colégio Pentágono trabalhamos com a Recuperação Contínua e Paralela. A Recuperação Contínua ocorre durante

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR?

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? Quando se desenvolve músculos mais fortes e resistentes você diminui o desgaste do sistema cardiovascular, economizando energia, pois sua musculatura tem um torque de

Leia mais

CPMG - POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS APOSTILA DE FUTSAL DO 9 O ANO

CPMG - POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS APOSTILA DE FUTSAL DO 9 O ANO CPMG - POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS APOSTILA DE FUTSAL DO 9 O ANO A QUADRA DE FUTSAL 1- Dimensões A quadra de jogo será um retângulo com o comprimento de 40 metros e largura de 20 metros. As linhas

Leia mais

Matriz - Prova Global do Agrupamento Departamento de Educação Física Educação Física - 2º Ciclo

Matriz - Prova Global do Agrupamento Departamento de Educação Física Educação Física - 2º Ciclo Cambalhota à frente com pernas unidas Cambalhota à retaguarda com pernas unidas. Apresentação de uma sequência com Ligação entre os elementos.... Nível 1 Apresenta-se e tenta, mas não executa o exercício.

Leia mais