Biosev 17 de agosto de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biosev 17 de agosto de 2016"

Transcrição

1 17 de agosto de 2016 Resultado do 1T17 e atualização de preço: Neutro; resultados financeiros e imposto de renda consomem bottom line; redução de caixa chama atenção Em outubro de 2015, reiniciamos a cobertura do setor de sucroalcooleiro mencionando os desafios relacionados aos preços do petróleo, do macroambiente brasileiro e das perspectivas positivas relacionadas ao déficit esperado na produção mundial de açúcar. Desde então, identificamos progressos em diferentes níveis mas, talvez, o maior desafio ainda seja o clima: O El Niño foi o mais rigoroso ao longo dos últimos trinta anos. Secas severas ocorreram no Brasil, na Índia, Tailândia e China, maiores produtores mundiais de açúcar. No Brasil, a seca ocorrida na região Centro-Oeste do país e chuvas na região sul causaram perdas consideráveis nas safras. No entanto, a produção de cana brasileira não foi significativamente impactada, o que não podemos dizer dos demais (países) grandes produtores mundiais. De acordo com a UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), o processamento brasileiro de cana durante o ano-safra 2015/16 atingiu 666,8 milhões de toneladas mn (+5,2% a/a), a partir do qual foram produzidos 33,8 milhões de toneladas de açúcar (-4,9% a/a), 11,7 milhões de m 3 de etanol anidro (-3,5% a/a), e 18,6 milhões de m 3 de etanol hidratado (+13,2% a/a). No mesmo período, de acordo com o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, em sua publicação Sugar: World Markets and Trade, May 2016, a Índia produziu 27,7 milhões de toneladas de açúcar (-9,1% a/a), a Tailândia 9,7 milhões de toneladas (-9,8% a/a) e a China 8,4 milhões de toneladas (-23,4% a/a). Visão geral da indústria e da Biosev Açúcar. Os dados divulgados pelo USDA apresentam: (i) estoques finais com um CAGR negativo de 5,0% nos últimos cinco anos; (ii) o ano-safra 2015/16 com consumo de 7,9 milhões de toneladas superior à produção; (iii) consumo esperado de cerca de 4,3 milhões de toneladas superior à produção no ano-safra 2016/17; (iv) os estoques finais estimados em cerca de 32,8 milhões de toneladas, recuo de 13,1% em relação ao ano-safra anterior e redução de 28,3% em relação ao ano-safra 2014/15; (v) condições climáticas adversas durante 2015, principalmente na Ásia, transformando a Índia de exportador para importador do adoçante; e (vi) as usinas brasileiras continuando a direcionar parte considerável da cana para produção de etanol, devido à sua rentabilidade e curto prazo de recebimento, ampliando as expectativas déficit na produção de açúcar. Etanol. De acordo com a UNICA, em 2015, 28,8 bilhões de litros (+19,6% a/a) foram consumidos. As perspectivas econômicas para os próximos anos sugerem um novo padrão de consumo de combustíveis, o que proporciona alguma recuperação de margens no etanol, bem como seus efeitos positivos nos balanços das empresas do setor. Outro item a ser considerado e que traz boas perspectivas às vendas do combustível no longo prazo é o crescente nível de exportações de etanol anidro, devido às políticas de baixo carbono nos países desenvolvidos. Estratégia da companhia. Nos últimos anos, a Biosev fez mudanças significativas em suas operações, tais como: (i) substituição de variedades; (ii) manutenção mais eficaz da produção agrícola; (iii) maior uso de tecnologia na produção, visando a implementação de melhores práticas agrícolas nos canaviais sob sua gestão, (iii) busca pela redução de sua alavancagem financeira, e (iv) alongamento do perfil das dívidas da companhia. Além disso, a empresa possui: (i) um portfólio diversificado de produtos, incluindo açúcar, etanol, cogeração e outras vendas de commodities, este último relacionado a contratos de performance de exportações; (ii) o acesso à inteligência mundial dos mercados de commodities desenvolvido por seu acionista controlador, Louis Dreyfus Group; (iii) um alto nível de exportação de produtos: durante o anosafra 2015/16, 59% de sua receita veio do mercado externo; (iv) uma das maiores capacidades de moagem de cana do mundo; e (v) elevada capacidade de armazenamento, o que reduz custos e proporciona flexibilidade na escolha do momento mais favorável para a realização de vendas. Resultado do 1T16/17. Neutro. A Biosev divulgou prejuízo de R$ 353,3 milhões no 1T17, valor 5,9% superior ao prejuízo de R$ 333,6 milhões no mesmo trimestre do ano anterior, afetado principalmente por despesas com juros, perdas com derivativos e reversão de imposto de renda e contribuição social diferidos (efeito não-caixa). O EBITDA ajustado atingiu R$ 140,0 mn (-23,0% a/a), queda influenciada principalmente por despesas com fretes e embarques, bem como pela redução em outras receitas operacionais (no ano anterior impactada positivamente pela reversão de provisões no valor de R$ 86,5 milhões). A receita líquida atingiu R$ 1.672,7 milhões (+22,8% a/a) e o CPV foi de R$ 1.608,0 (+21,5% a/a), demonstrando ligeira melhoria de 1,3 p.p. na relação receita x custo. O caixa foi reduzido em 62,0% a/a e 86,7% t/t, como resultado do uso de cana de terceiros no período. BSEV3 Commodities - Agronegócios Marcio Montes, CNPI Analyst Victor Penna, CNPI Chief Analyst Outperform Preço em 15/08/2016 BRL 10,70 Preço para 03/2017 (R$) 23,00 Upside 115% Market Cap (R$ milhões) Variação 1 mês -10,2% Variação 12 meses 119,3% Variação ,5% Mín. 52 sem. 4,75 Máx. 52 sem. 12, /17E 2017/18E 2018/19E Rec. Líquida (Aj.) Lucro Bruto Lucro Líquido EV/EBITDA 4,4 3,7 3,9 P/L 11,8 8,6 8,0 LPA 1,9 2,6 2,8 260 BSEV3 IBOV Source: Economatica and BB Investimentos R$ milhões 1T16/17 1T15/16 a/a 2015/ /15 a/a Receita Líquida 1.672, ,4 22,8% 6.162, ,2 36,5% Lucro Bruto 64,7 39,4 64,2% 1.762,4 934,7 88,5% Margem Bruta (%) 3,9% 2,9% 1,0 p.p. 28,6% 20,7% 7,9 p.p. EBITDA Ajustado 140,0 181,9-23,0% 1.440, ,4 7,9% Margem EBITDA Ajust.(%) 8,4% 13,4% -5,0 p.p. 23,4% 29,6% -6,2 p.p. Lucro Líquido -353,3-333,6 5,9% -272,7-498,7-45,3% Margem Líquida -21,1% -24,5% 3,5 p.p. -4,4% -11,1% 6,7 p.p. Dívida Líquida Ajustada 5.168, ,2 21,7% 4.247, ,2 2,6% Dív.Líq./EBITDA Ajust. 3,7x 3,0x 0,8x 3,0x 3,1x -0,1x Fonte: Biosev and BB Investimentos 1 / 8

2 Atualização de preço Outlook. Consideramos o resultado do 1T17 da Biosev como neutro. Destacamos: (i) a elevação do processamento de cana, (ii) a elevação nas receitas, (iii) os efeitos positivos decorrentes dos novos níveis de preços de açúcar e etanol, (iv) a redução do CPV em 1,8 p.p. em relação à receita, mesmo com a empresa utilizando mais cana de terceiros - com custos mais elevados - durante o trimestre, (v) a evolução da TCH e ATR, embora este ainda continue abaixo da média para a região Centro-Sul, e (vi) a redução consistente nas despesas administrativas. Acreditamos que a Biosev deva apresentar melhores resultados nos próximos trimestres devido a: (i) melhores preços de açúcar e etanol, (ii) hedge de commodities e de câmbio, (iii) redução do CPV devido à utilização de cana própria. Outros produtos continua a chamar a atenção devido ao descasamento de compromissos em moeda estrangeira, o que pode ser reduzido em função dos melhores preços nos produtos exportados. Acreditamos que a estratégia adotada pela administração possa gerar algum estresse à companhia no curto prazo em função da drástica redução drástica em seu caixa. Ultrapassado esse período, a elevação nas vendas e os preços de açúcar e etanol contribuirão para a melhoria dos números da Biosev como um todo. Assim sendo, e considerando as projeções de déficit em relação ao consumo de açúcar para os próximos anos, atualizamos nossa recomendação para Outperform para BSEV3, com preço-alvo de R$ 23/ação, para março/2017. Mais dos números do 1T16/17. A Biosev divulgou prejuízo de R$ 353,3 milhões no 1T17, valor 5,9% superior ao prejuízo de R$ 333,6 milhões no mesmo trimestre do ano anterior, afetado principalmente por despesas com juros, perdas com derivativos e reversão de imposto de renda e contribuição social diferidos (efeito não-caixa). O EBITDA ajustado atingiu R$ 140,0 mn (-23,0% a/a), queda influenciada principalmente por despesas com fretes e embarques, bem como pela redução em outras receitas operacionais (no ano anterior impactada positivamente pela reversão de provisões no valor de R$ 86,5 milhões). A receita líquida atingiu R$ 1.672,7 milhões (+22,8% a/a) e o CPV foi de R$ 1.608,0 (+21,5% a/a), demonstrando ligeira melhoria de 1,3 p.p. na relação receita x custo. O caixa foi reduzido em 62,0% a/a e 86,7% t/t, como resultado do uso de cana de terceiros no período. Dados operacionais. O volume de moagem atingiu 9,0 milhões de toneladas (+5.4% a/a), com uma elevação de 12,8% na cana de terceiros, a qual, embora com maior custo, permite que a companhia persiga sua estratégia de utilizar cana própria - com melhor produtividade - nos próximos trimestres. O TCH alcançou 91,3 ton/ha (+9,2% a/a). O ATR foi 119,5 kg/ton (+2.1% a/a), mas ainda 4,7% abaixo do ATR médio da região Centro-Sul, divulgado pela UNICA até 16 de Julho, que foi 125,4 kg/ton. A produção total registrada foi de 521 mil toneladas de açúcar (+19,4% a/a), 301 mil m 3 de etanol (-4,0% a/a) e 237 GWh de cogeração (-10,7% a/a). Receitas. A receita líquida ficou em R$ 1,7 bilhão (+22,8% a/a), como segue: Açúcar. Atingiu R$ 497,0 milhões (+24,5% a/a), sendo R$ 137,6 milhões provenientes do mercado interno (+23,4% a/a) e R$ 359,3 milhões (+24 9% a/a) de exportações, equivalentes a 96 mil toneladas (-3,0% a/a) e 378 mil toneladas (+8.6% a/a), respectivamente. O preço médio praticado foi de R$ 1.082/ton (+12,7% a/a). Etanol. Atingiu R$ 422,3 milhões (+18,4% a/a), sendo R$ 321,1 milhões no mercado doméstico (+0,4% a/a) e R$ 101,2 milhões em exportações (+176,1% a/a), equivalente a 194 mil m 3 (-14,5% a/a) e 71 mil m 3 (+115,2% a/a), respectivamente, com um preço médio praticado de R$ 1,609/m 3 (+15,3% a/a). O etanol hidratado foi responsável por 52,9% da receita, o anidro para 40,0% e o neutro/industrial para 7,1%. Cogeração. Atingiu R$ 49,2 milhões (-9,7% a/a), decorrente da comercialização de 362 GWh (+25,7% a/a) no período. O preço médio negociado no período foi de R$ 136/MWh, declínio de 28,4% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, devido à redução dos preços no mercado. Outros produtos. A receita líquida atingiu R$ 704 milhões (+27,5% a/a), ainda demonstrando o descasamento do fluxo de exportações da Biosev em relação aos vencimentos dos contratos de dívida, gerando algum desconforto em relação aos covenants da companhia. Despesas com Vendas, Gerais e Administrativas. Atingiu R$ 139,6 milhões (+85,8% a/a). Despesas gerais e administrativas representaram R$ 79,6 milhões (-16,7% a/a), como resultado dos esforços da companhia em melhorar os processos administrativos. As despesas com vendas atingiram R$ 71,3 milhões (+70,1% a/a), refletindo o aumento das exportações de açúcar, etanol e outros produtos. Destacamos os R$ 48,3 milhões com fretes (+49,1% a/a), R$ 17,6 milhões com embarques (+210,4% a/a), e R$ 5,4 milhões com taxas, capatazias e outros (+40,8% a/a). Resultados financeiros. Registraram resultado líquido positivo de R$ 27,0 milhões, comparado ao resultado negativo de R$ 91,2 milhões no 1T16, impactado principalmente pelo ganho de R$ 317,2 milhões (+940% a/a) com variação cambial, perdas de R$ 137,4 milhões (1.259% a/a) com derivativos, e por fim, despesas financeiras de R$ 185,0 milhões (+30,8% a/a). Riscos à tese de investimento na Biosev Alguns fatores podem frustrar nossas expectativas em relação ao crescimento da Biosev, dentre os quais destacamos: A redução na demanda de etanol no mercado doméstico, pressionando as margens nas vendas de combustíveis; Diminuição dos preços do petróleo, o que também pode pressionar as margens de etanol; Perdas relacionadas às condições climáticas no país - o Brasil ainda sofre com os efeitos climáticos do pior El Niño visto nos últimos trinta anos. Além disso, embora minimizada pelos climatologistas, há a possibilidade de efeitos negativos decorrentes do La Niña, levando a mais secas na região Nordeste do Brasil, onde Biosev conta com cerca de 8% da sua produção de cana; A retomada da produção na Ásia e incentivos para as exportações de açúcar em países como Índia e Tailândia, após as perdas registradas devido ao clima na última safra; Elevação nos custos de captação da empresa, devido à conjuntura econômica do país; Elevação nos custos do transporte de matérias-primas e outros produtos; Elevação nas taxas de impostos, taxas e contribuições a que a empresa está sujeita; Pressão adicional proveniente do risco de baixa liquidez (cerca de 72% das ações da companhia são detidas pelo Grupo LDC). 2 / 8

3 Acionistas Moagem NL 2 B.V. Hédera 4% 4% Santa Elisa Participações 6% NL 4 B.V. 4% 45,0 Capacidade de moagem (mihões tons) 40,0 40,0 37,9 Moagem (milhões tons) 36,4 36,4 IFC 6% 30,0 27,5 29,5 30,0 28,3 31,0 Mercado 16% Sugar Holdings 60% 15,0-2011/ / / / /16 Produção total Moagem por polo produtivo 2.500, ,0 Açúcar (mil tons) Etanol (mil m3) Cogeração (GWh) Leme-Lagoa da Prata (2 Usinas) 15% Nordeste (2 Usinas) 8% Mato Grosso do Sul (3 Usinas) 28% 1.500, ,0 500,0-2011/ / / / /16 Ribeirão Preto (4 Usinas) 49% Moagem por usina (Milhões ton) Flexibilidade de Produção Lagoa da Prata; 3,2 Cresciumal; 2,1 Vale do Rosário; 6,5 Giasa; 1,2 Estivas; 1,8 Santa Elisa; 6,1 Maracaju; 1,8 Passa Tempo; 3,3 MB; 2,8 Rio Brilhante; 5,0 Continental; 2,6 Lagoa da Prata (L-LP) Leme (L-LP) Maracaju (MS) Passa Tempo (MS) Rio Brilhante (MS) Estivas (NE) Giasa (NE) Continental (RP) MB (RP) Santa Elisa (RP) Vale do Rosário (RP) Etanol Flexibilidade Açúcar 37% 36% 39% 50% 34% 22% 3% 41% 49% 46% 42% 15% 7% 47% 16% 13% 75% 100% 12% 13% 10% 4% 16% 49% 54% 34% 53% 47% 38% 44% 54% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Pares - Market Share (ano safra 2014/15) Pares capacidade de moagem (mn tons ano safra 2014/15) Outros; 64,7% Raízen; 9,0% Biosev; 4,5% Odebrecht; 3,8% Usaçúcar; 3,0% Tereos-Guarani; 3,0% São Martinho; 3,0% Lincoln Junqueira; 3,0% Bunge; 2,0% Noble Agri; 2,0% Coruripe; 2,0% 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0-66,8 36,4 35,4 21,3 20,8 20,5 20,0 18,0 17,0 13,8 Fonte: Biosev e BB Investimentos 3 / 8

4 Financials Índices Econômicos (R$ milhares) 2015/ /2017E 2017/2018E 2018/2019E Receita Líquida EBIT Ajustado EBITDA Ajustado Dívida Bruta Dívida Líquida Margem Bruta (%) 28,6% 32,9% 32,9% 32,6% Margem EBITDA Ajustado (%) 23,4% 40,5% 44,3% 43,0% Margem Líquida (%) -4,4% 7,9% 10,0% 10,8% ROE (%) -128,0% 66,4% 47,7% 34,0% EV/EBITDA 6,7 4,4 3,7 3,9 P / L (18,3) 11,8 8,6 8,0 LPA (1,2) 1,9 2,6 2,8 Índices de Estrutura 2015/ /2017E 2017/2018E 2018/2019E Dívida Curto Prazo/Dívida Total (%) 27% 27% 27% 27% Dívida / Dívida + Patrimônio Líquido (%) 97% 91% 83% 76% Participação Capital de Terceiros (%) 98% 94% 90% 85% Dívida Líquida/EBITDA Ajustado 3,1x 2,0x 1,5x 1,3x Dívida Bruta/EBITDA Ajustado 4,7x 2,9x 2,3x 2,3x Balanço Patrimonial (R$ milhares) 2015/ /2017E 2017/2018E 2018/2019E Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Instrumentos Financeiros Derivativos Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar Outros Ativos Mantidos para a Venda Não Circulante Realizável a Longo Prazo Ativo Biológico Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Empréstimos e Financiamentos Adiantamentos de Clientes Fornecedores Provisões e Encargos Impostos e Contribuições a Recolher Instrumentos financeiros derivativos Outros Não Circulante Empréstimos e Financiamentos Outros LP Patrimônio líquido Fonte: Biosev e BB Investimentos 4 / 8

5 Demonstração do Resultado (R$ milhares) 2015/ /2017E 2017/2018E 2018/2019E Receita Operacional Líquida (-) CPV Lucro Bruto Despesas operacionais EBIT Ajustado (+) Resultado Financeiro EBT (-) IR + CSLL Resultado Líquido Resumo (R$ milhões) Premissas do Valuation Valor Total para a Firma Beta 1,54 Dívida Líquida WACC 11,6% Valor para os acionistas Taxa livre de risco 14,3% Número de ações (milhões) Prêmio de Mercado 4,6% Preço Alvo 23 Crescimento perpetuidade 3,5% Análise de Sensibilidade Preço Alvo YE2016/17 R$ 23 10,6% 11,1% 11,6% 12,1% 12,6% 2,5% ,0% ,5% ,0% ,5% Equity Value YE2016/17 R$ Milhões ,6% 11,1% 11,6% 12,1% 12,6% 2,5% ,0% ,5% ,0% ,5% Fonte: Biosev e BB Investimentos 5 / 8

6 Disclaimer INFORMAÇÕES RELEVANTES Este relatório foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes, em princípio, fidedignas e de boa-fé. Entretanto, o BB-BI não declara nem garante, expressa ou tacitamente, que essas informações sejam imparciais, precisas, completas ou corretas. Todas as recomendações e estimativas apresentadas derivam do julgamento de nossos analistas e podem ser alternadas a qualquer momento sem aviso prévio, em função de mudanças que possam afetar as projeções da empresa. Este material tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento. Não é, e não deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. É vedada a reprodução, distribuição ou publicação deste material, integral ou parcialmente, para qualquer finalidade. Nos termos do art. 18 da ICVM 483, o BB - Banco de Investimento S.A declara que: 1 - A instituição pode ser remunerada por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); o Conglomerado Banco do Brasil S.A pode ser remunerado por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório, ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s). 2 - A instituição pode possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), mas poderá adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da empresa(s) no mercado; o Conglomerado Banco do Brasil S.A pode possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderá adquirir, alienar e intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado. Informações Relevantes Analistas O(s) analista(s) de investimento, ou de valores mobiliários, envolvido(s) na elaboração deste relatório ( Analistas de investimento ), declara(m) que: 1 - As recomendações contidas neste refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação ao BB-Banco de Investimento S.A e demais empresas do Grupo. 2 Sua remuneração é integralmente vinculada às políticas salariais do Banco do Brasil S.A. e não recebem remuneração adicional por serviços prestados para o emissor objeto do relatório de análise ou pessoas a ele ligadas. Marcio de Carvalho Montes Victor Penna Analistas Itens O(s) analista(s) de investimentos, seus cônjuges ou companheiros, detêm, direta ou indiretamente, em nome próprio ou de terceiros, ações e/ou outros valores mobiliários de emissão das companhias objeto de sua análise. 4 Os analistas de investimento, seus cônjuges ou companheiros, possuem, direta ou indiretamente, qualquer interesse financeiro em relação à companhia emissora dos valores mobiliários analisados neste relatório. 5 O(s) analista(s) de investimento tem vínculo com pessoa natural que trabalha para o emissor objeto do relatório de análise. 6 - As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança. RATING RATING é uma opinião sobre os fundamentos econômico-financeiros e diversos riscos a que uma empresa, instituição financeira ou captação de recursos de terceiros, possa estar sujeita dentro de um contexto específico, que pode ser modificada conforme estes riscos se alterem. O investidor não deve considerar em hipótese alguma o RATING como recomendação de Investimento. 6 / 8

7 Disclaimer Administração Gerente Executiva Fernanda Peres Arraes Equipe de Pesquisa BB Securities Gerente - Wesley Bernabé 4th Floor, Pinners Hall Old Broad St. London EC2N 1ER - UK Renda Variável Managing Director Equity I Equity II Deputy Managing Director (facsimile) Admilson Monteiro Garcia +44 (207) Analista-Chefe Mário Bernardes Junior Analista-Chefe Victor Penna Selma Cristina da Silva +44 (207) Director of Sales Trading Educação e Vestuário Agronegócios Boris Skulczuk +44 (207) Mariana Ruza Paulon Márcio de Carvalho Montes Head of Sales Nick Demopoulos +44 (207) Institutional Sales Infraestrutura e Concessões Alimentos & Bebidas Annabela Garcia +44 (207) Renato Hallgren Luciana Carvalho Melton Plummer +44 (207) Renata Kreuzig +44 (207) Imobiliário Materiais Básicos Bruno Fantasia +44 (207) Daniel Cobucci Victor Penna Gianpaolo Rivas +44 (207) Head of M&A Gabriela Cortez Paul Hollingworth +44 (207) Indústrias e Transportes Mário Bernardes Junior Varejo Fabio Cardoso Maria Paula Cantusio Banco do Brasil Securities LLC Equity III Trading 535 Madison Avenue 34th Floor New York City, NY USA (Member: FINRA/SIPC/NFA) Analista-Chefe Wesley Bernabé Managing Director Petróleo & Gás Bancos e Serviços Financeiros Daniel Alves Maria +1 (646) Wesley Bernabé Wesley Bernabé Deputy Managing Director Carla Sarkis Teixeira +1 (646) Utilities Carlos Daltozo Institutional Sales - Equity Wesley Bernabé Charles Langalis +1 (646) Kamila dos Santos de Oliveira Institutional Sales - Fixed Income Viviane Silva Cassandra Voss +1 (646) DCM Richard Dubbs +1 (646) Renda Fixa Estratégia de Mercado Syndicate Renato Odo Hamilton Moreira Alves Kristen Tredwell +1 (646) Sales José Roberto dos Anjos Rafael Reis Michelle Malvezzi +1 (646) Myung Jin Baldini +1 (646) Equipe de Vendas BB Securities Asia Pte Ltd Investidores Institucionais: Varejo: 6 Battery Road #11-02 Singapore, Gerente - Antonio Emilio Ruiz Gerente - Mario D'Amico Managing Director Bianca Onuki Nakazato Bruno Henrique de Oliveira Marcelo Sobreira Bruno Finotello Fabiana Regina de Oliveira Director, Head of Sales Denise Rédua de Oliveira Rodrigo Ataíde Roxo José Carlos Reis Edger Euber Rodrigues Institutional Sales Elisangela Pires Chaves Paco Zayco Fábio Caponi Bertoluci Henrique Reis Marcela Andressa Pereira BB-Banco de Investimento S.A. BB-BI Rua Senador Dantas, º andar, Rio de Janeiro - RJ Tel. (+55 21) Fax (+55 21) / 8

8 Disclaimer 8 / 8

Embraer 31 de outubro de 2016

Embraer 31 de outubro de 2016 Embraer 31 de outubro de 2016 Resultado 3T16: Superados alguns dos mais árduos obstáculos. Recomendação sobe para Outperform O resultado do 3T16 da Embraer foi positivo. Por um lado, o excesso de despesas

Leia mais

Fibria 31 de maio de 2016

Fibria 31 de maio de 2016 31 de maio de 2016 Flash de Mercado: atualização do Projeto Horizonte II e Revisão de Preço Nesta data, a Fibria fez um call com analistas de investimentos com o intuito de atualizar as informações sobre

Leia mais

SLC Agrícola 4 de abril de 2017

SLC Agrícola 4 de abril de 2017 4 de abril de 2017 Resultado 2016 e atualização de preço: Negativo. Problemas climáticos frustram expectativas A SLC encerrou 2016 com lucro líquido de R$ 15 milhões, mostrando recuperação ante aos resultados

Leia mais

Direcional 09 de agosto de 2016

Direcional 09 de agosto de 2016 09 de agosto de 2016 Construção Civil Resultado 2T16 e atualização de preços: resultado neutro, destaque para a forte geração de FCF Direcional reportou um resultado neutro no 2T16. Por um lado, as vendas

Leia mais

São Martinho 08 de Março de 2016

São Martinho 08 de Março de 2016 São Martinho 08 de Março de 2016 Resultado 3T16 e atualização de preço: Maiores volumes e preços, hedge e dinâmica de oferta x demanda reforçam números da companhia A São Martinho reportou EBITDA Ajustado

Leia mais

Fibria. Resultado 1T16 e Revisão de Preço: preço da celulose comprime resultados. Papel e Celulose

Fibria. Resultado 1T16 e Revisão de Preço: preço da celulose comprime resultados. Papel e Celulose Resultado 1T16 e Revisão de Preço: preço da celulose comprime resultados 27 de abril de 2016 O resultado divulgado pela Fibria no 1T16 trouxe números fracos, advindos de queda acentuada em ambos: preço

Leia mais

Suzano 27 de abril de 2016

Suzano 27 de abril de 2016 Suzano 27 de abril de 2016 Resultado 1T16 e revisão de preço: alavancagem menor e EBITDA forte; venda de papéis se recuperando A Suzano apresentou um resultado forte para o 1T16. O segmento de celulose

Leia mais

Lojas Renner 10 de fevereiro de 2017

Lojas Renner 10 de fevereiro de 2017 Lojas Renner 10 de fevereiro de 2017 Resultado 4T16: vendas fracas, compensadas pelo forte resultado do segmento financeiro Os resultados do 4T16 da Lojas Renner vieram mistos, na nossa visão, com um suave

Leia mais

M. Dias Branco 08 de Agosto de 2017

M. Dias Branco 08 de Agosto de 2017 08 de Agosto de 2017 Resultado 2T17: não tão bom quanto o esperado, mas ainda positivo M Dias Branco apresentou resultados positivos no 2T17. Como resultado do aumento de volume (+ 2,5% a/a) e reajustes

Leia mais

Cielo. Resultado 4T16 e revisão de preço: resultado trimestral em linha e valuation atraente. Serviços Financeiros

Cielo. Resultado 4T16 e revisão de preço: resultado trimestral em linha e valuation atraente. Serviços Financeiros Resultado 4T16 e revisão de preço: resultado trimestral em linha e valuation atraente 1 de Fevereiro de 2017 A Cielo divulgou um resultado em linha com nossas estimativas e aproveitamos para revisar nossas

Leia mais

GOL 16 de agosto de 2016

GOL 16 de agosto de 2016 GOL 16 de agosto de 2016 Resultado 2T16 e Revisão de Preço: Efeito cambial leva a mais um trimestre de lucro líquido. Elevando a recomendação para Outperform A GOL Linhas Aéreas apresentou mais uma vez

Leia mais

Petrobras 22 de março de 2016

Petrobras 22 de março de 2016 22 de março de 2016 Resultado 4T15: impairment relevante em E&P; prêmio doméstico compensa menores volumes O resultado da Petrobras no quarto trimestre foi influenciado principalmente pela contabilização

Leia mais

Variação (%) Mês 2015 LTM

Variação (%) Mês 2015 LTM Relatório Setorial - Jan 2015 Victor Penna, CNPI victor.penna@bb.com.br Queda nos papéis apesar do cenário equilibrado Nome Ticker Cotação (R$) Jan-15 Variação (%) Mês 2015 LTM Market Cap EV Dívida Líquida

Leia mais

Lojas Americanas e B2W 9 de maio de 2016

Lojas Americanas e B2W 9 de maio de 2016 Lojas Americanas e B2W 9 de maio de 2016 Resultado 1T16: decepcionante tanto na LAME quanto na B2W Em nossa opinião, os resultados da B2W foram negativos, com a primeira retração no top line após quinze

Leia mais

A/A A/A 21,1% 8.088, ,8 14,5% 18,1% 2.263, ,0 12,6% -0,7 p.p. 28,0% 28,4% -0,4 p.p. 56,1% 411,6 298,8 37,8%

A/A A/A 21,1% 8.088, ,8 14,5% 18,1% 2.263, ,0 12,6% -0,7 p.p. 28,0% 28,4% -0,4 p.p. 56,1% 411,6 298,8 37,8% Perspectivas positivas para a varejista O ano de 2013 foi bastante desafiador para o Magazine Luiza. Após um primeiro semestre fraco, marcado por um cenário macroeconômico instável e pelo atraso na maturação

Leia mais

Petrobras 13 de maio de 2016

Petrobras 13 de maio de 2016 13 de maio de 2016 Resultado 1T16: efeitos negativos de hedge accounting superam números positivos de refino O resultado da Petrobras no 1T16 foi influenciado por um top line relativamente mais fraco do

Leia mais

Natura 26 de julho de 2012

Natura 26 de julho de 2012 Priscila Tambelli, CNPI priscilatambelli@bb.com.br thiago.gramari@bb.com.br Resultado 2T12 Natura 26 de julho de 2012 Outperform Ticker NATU3 Preço de mercado em 25/07/12 R$ 49,20 Preço para 31/12/13 R$

Leia mais

Raia Drogasil 28 de outubro de 2016

Raia Drogasil 28 de outubro de 2016 Raia Drogasil 28 de outubro de 2016 Resultado 3T16 e Revisão de Preço: outro forte resultado; apresentando preço-alvo para 2017 A Raia Drogasil apresentou um notável resultado trimestral mais uma vez,

Leia mais

JBS. Resultado 3T15: Resultado robusto advindo principalmente de JBS Foods e Mercosul. Food & Beverage

JBS. Resultado 3T15: Resultado robusto advindo principalmente de JBS Foods e Mercosul. Food & Beverage Resultado 3T15: Resultado robusto advindo principalmente de JBS Foods e Mercosul 13 de Novembro de 2015 JBS divulgou resultado robusto no 3Q15. Apesar do desempenho operacional mais fraco da JBS USA, as

Leia mais

#Interna Banco do Brasil

#Interna Banco do Brasil #Interna Banco do Brasil Resultado 4T15: Foco total na PCLD 26 de fevereiro de 2016 O Banco do Brasil reportou ontem lucro líquido recorrente de R$ 2,648 bilhões no 4T15 (ROE de 12,8%), um resultado trimestral

Leia mais

Variação (%) Mês 2014 LTM

Variação (%) Mês 2014 LTM Relatório Setorial Nov 2014 Entressafra, estoques e expectativas de produção influenciam cotações Márcio Montes, CNPI mcmontes@bb.com.br Luciana Carvalho luciana_cvl@bb.com.br Nome Ticker Cotação (R$)

Leia mais

M Dias Branco. Revisão de Preço

M Dias Branco. Revisão de Preço M Dias Branco Revisão de Preço Pronta para aquisições: Forte geração de fluxo de caixa para a empresa, sustentação de margens em níveis atrativos, baixa alavancagem financeira e intenso crescimento do

Leia mais

Variação (%) Mês 2014 LTM

Variação (%) Mês 2014 LTM Relatório Setorial - Jun 2014 Victor Penna, CNPI victor.penna@bb.com.br Produtoras de celulose próximas ao índice; Klabin recua Nome Ticker Cotação (R$) Jun-14 Variação (%) Mês 2014 LTM Market Cap EV Dívida

Leia mais

Pão de Açúcar. Resultado 3T14. Aceleração de vendas versus ganho de rentabilidade. Consumo Varejista

Pão de Açúcar. Resultado 3T14. Aceleração de vendas versus ganho de rentabilidade. Consumo Varejista Aceleração de vendas versus ganho de rentabilidade O GPA apresentou um resultado positivo no 3T14, em função das combinações dos seus diversos negócios. De um lado, a Cnova (segmento de e-commerce) e o

Leia mais

Variação (%) Mês 2014 LTM

Variação (%) Mês 2014 LTM Relatório Setorial - Mar 2014 Victor Penna, CNPI victor.penna@bb.com.br Produtoras de celulose não se sustentam e recuam no final Nome Ticker Cotação (R$) Mar-14 Variação (%) Mês 2014 LTM Market Cap EV

Leia mais

Relatório Focus 16 de janeiro de 2017

Relatório Focus 16 de janeiro de 2017 Relatório Focus 16 de janeiro de 2017 2017: taxa Selic em 1 dígito; 2018: cenário ainda mais favorável. Estratégia Macro Hamilton Moreira Alves, CNPI-T Rafael Freda Reis, CNPI IPCA (%) Expectativa (mediana)

Leia mais

A/A 9M13 9M12 A/A 12,9% ,5% 10,5% ,4% -1,2 p.p. 56,8% 57,9% -1,1 p.p. 4,3% 446,4 422,2 5,7%

A/A 9M13 9M12 A/A 12,9% ,5% 10,5% ,4% -1,2 p.p. 56,8% 57,9% -1,1 p.p. 4,3% 446,4 422,2 5,7% Resultado 3T13 e Revisão de Preço Vendas surpreendem no períodoo A Renner finalizou o 3T13 com um crescimento de 12,9% em sua receita líquida consolidada. A operação de varejo foi impulsionada pela assertividade

Leia mais

Setor de Educação. Revisão de Preço. Revisões no FIES mexem com o setor. Saúde e Educação Educação

Setor de Educação. Revisão de Preço. Revisões no FIES mexem com o setor. Saúde e Educação Educação Setor de Educação Revisão de Preço Revisões no FIES mexem com o setor Após divulgação das portarias 21 (26/12/14) e 23 (29/12/14) sobre alterações no FIES, programa de financiamento estudantil do governo

Leia mais

Lojas Americanas e B2W

Lojas Americanas e B2W Lasa: desempenho prejudicado pelo efeito calendário Os resultados do da Lojas Americanas mostraram uma desaceleração nas vendas, fator que já era esperado, considerando que a Páscoa, data de grande apelo

Leia mais

Hypermarcas 23 de fevereiro de 2016

Hypermarcas 23 de fevereiro de 2016 Hypermarcas 23 de fevereiro de 2016 Resultado 4T15: atualizando nossas estimativas e preço alvo O resultado do 4T15 da Hypermarcas trouxe todas as recentes alterações advindas da venda dos seus negócios

Leia mais

Petrobras 14 de Novembro de 2016

Petrobras 14 de Novembro de 2016 14 de Novembro de 2016 Resultado do 3T16 e revisão de preço: impairment inesperado sobrepõe números operacionais Os resultados da Petrobras no terceiro trimestre foram neutros, em nossa opinião. Apesar

Leia mais

Variação (%) Mês 2014 LTM. Direcional DIRR3 10,88 8,7% -9,3% -30,0%

Variação (%) Mês 2014 LTM. Direcional DIRR3 10,88 8,7% -9,3% -30,0% Relatório Setorial - Abr 214 Wesley Bernabé, CNPI wesley.bernabe@bb.com.br Prévias: ritmo lento de lançamentos no 1T14 Nome Ticker Cotação (R$) Abr-14 Variação (%) Mês 214 LTM Market Cap EV Dívida Líquida

Leia mais

Relatório Focus 26 de dezembro de 2016

Relatório Focus 26 de dezembro de 2016 Relatório Focus 26 de dezembro de 2016 Estratégia Macro Rafael Reis, CNPI-P Inflação e crescimento do PIB seguem tendência de esfriamento. IPCA (%) Expectativa (mediana) No relatório semanal Focus do Banco

Leia mais

Relatório Focus 20 de fevereiro de 2017

Relatório Focus 20 de fevereiro de 2017 Relatório Focus 20 de fevereiro de 2017 2017: IPCA segue abaixo do centro da meta. 2018: Câmbio arrefeceu. O relatório semanal Focus do Banco Central, que traz a mediana das projeções de mercado, apontou

Leia mais

23 de janeiro de Indicadores - Mediana - Agregado Final Final Final Final Final 6.jan jan jan.17 6.jan jan jan.

23 de janeiro de Indicadores - Mediana - Agregado Final Final Final Final Final 6.jan jan jan.17 6.jan jan jan. Relatório Focus 2017: taxa Selic e inflação cederam novamente 23 de janeiro de 2017 O relatório semanal Focus do Banco Central, que traz a mediana das projeções de mercado, sinalizou um cenário mais próspero

Leia mais

Petrobras. Flash de Mercado e Revisão de Preço. Política de preços. Petróleo e Gás

Petrobras. Flash de Mercado e Revisão de Preço. Política de preços. Petróleo e Gás Flash de Mercado e Revisão de Preço Política de preços A nova política de preços de diesel e gasolina da Petrobras, conforme divulgado em fato relevante hoje após o fechamento do mercado, tem como objetivos:

Leia mais

BRF 3 de Novembro de 2015

BRF 3 de Novembro de 2015 3 de Novembro de 2015 Resultado 3T15 e revisão de preço: resultados internacionais compensaram fraco desempenho no mercado doméstico A BRF divulgou resultados mistos no 3T15. O cenário desafiador no Brasil

Leia mais

Relatório Focus 30 de janeiro de 2017

Relatório Focus 30 de janeiro de 2017 Relatório Focus 30 de janeiro de 2017 2017: Em compasso de espera; 2018: Nova baixa da taxa Selic. O relatório semanal Focus do Banco Central, que traz a mediana das projeções de mercado, mesmo praticamente

Leia mais

Lojas Americanas e B2W 14 de novembro de 2016

Lojas Americanas e B2W 14 de novembro de 2016 Lojas Americanas e B2W 14 de novembro de 2016 Resultado 3T16 e revisão de preço: rentabilidade robusta, mas alavancagem financeira e falta de geração de caixa seguem preocupando Os resultados consolidados

Leia mais

Relatório Focus 28 de novembro de 2016

Relatório Focus 28 de novembro de 2016 Relatório Focus 28 de novembro de 2016 Estratégia Macro Hamilton Moreira Alves, CNPI-T Wesley Bernabé, CNPI Cenário consistente, favorecido pela dissipação do Efeito Trump No relatório semanal Focus do

Leia mais

Relatório Focus 19 de dezembro de 2016

Relatório Focus 19 de dezembro de 2016 Relatório Focus 19 de dezembro de 2016 2016: Inflação dentro do limite superior. 2017: PIB cedeu novamente. Estratégia Macro Hamilton Moreira Alves, CNPI-T Rafael Reis, CNPI-P IPCA (%) Expectativa (mediana)

Leia mais

Variação (%)* Mês 2014 LTM. Brookfield BISA3 1,59 0,6% 38,3% 42,0%

Variação (%)* Mês 2014 LTM. Brookfield BISA3 1,59 0,6% 38,3% 42,0% Relatório Setorial - Nov 2014 Resultados 3T14: perdendo tração Comentário sobre o desempenho das construtoras listadas Daniel Cobucci cobucci@bb.com.br Wesley Bernabé, CNPI wesley.bernabe@bb.com.br Companhia

Leia mais

Lojas Americanas e B2W 17 de março de 2016

Lojas Americanas e B2W 17 de março de 2016 Lojas Americanas e B2W 17 de março de 2016 Resultado 4T15: LAME neutra, B2W abaixo do esperado; atualizando nossas estimativas Em nossa visão, os resultados da B2W vieram fracos no 4T15, especialmente

Leia mais

Relatório Focus 10 de outubro de 2016

Relatório Focus 10 de outubro de 2016 Relatório Focus 10 de outubro de 2016 2017 e 2016: cenários em compasso de espera. Tão somente, o IPCA para 2016 denotou redução, após dado de setembro. No relatório semanal Focus do Banco Central, que

Leia mais

Raia Drogasil 19 de fevereiro de 2016

Raia Drogasil 19 de fevereiro de 2016 Raia Drogasil 19 de fevereiro de 2016 Resultado 4T15: resultado sólido, perspectivas para o futuro seguem positivas A Raia Drogasil reportou um resultado sólido, reafirmando a resiliência do seu negócio

Leia mais

Varejo e Consumo. Relatório Setorial - Abr Mês de oscilações mistas nas ações das varejistas

Varejo e Consumo. Relatório Setorial - Abr Mês de oscilações mistas nas ações das varejistas Relatório Setorial - Abr 2014 Mês de oscilações mistas nas ações das varejistas Maria Paula Cantusio, CNPI paulacantusio@bb.com.br Nome Ticker Cotação (R$ $) Abr-14 Magazine Luiza MGLU3 7,50 Hypermarcas

Leia mais

Klabin. Resultado 4T13 e Revisão de Preço. Mais um sólido resultado. Papel e Celulose

Klabin. Resultado 4T13 e Revisão de Preço. Mais um sólido resultado. Papel e Celulose Resultado 4T13 e Revisão de Preço Mais um sólido resultado Bom resultado operacional; foco no mercado externo. No 4T13 o volume de vendas da Klabin atingiu 476 mil toneladas e aumentou 8,9% em relação

Leia mais

Renda Fixa. Análise de Mercado. CDS Brasil sobe de patamar e pressiona os juros brasileiros

Renda Fixa. Análise de Mercado. CDS Brasil sobe de patamar e pressiona os juros brasileiros 1112111 21 Renda Fixa CDS Brasil sobe de patamar e pressiona os juros brasileiros Especialmente nas últimas três semanas, o mercado vem observando a retomada do CDS brasileiro de 5 anos, cuja cotação rompeu

Leia mais

Ânima Educação. Resultado 3T14 e Revisão de Preço. Integração com USJT impulsiona margens. Small Caps Educação

Ânima Educação. Resultado 3T14 e Revisão de Preço. Integração com USJT impulsiona margens. Small Caps Educação Resultado 3T14 e Revisão de Preço Integração com USJT impulsiona margens O resultado líquido reportado pela Anima veio positivo em R$ 49,9 milhões, um aumento de 67,4% com relação ao mesmo período do ano

Leia mais

campanhas de marketing focadas na Copa do 1T13 A/A T/T

campanhas de marketing focadas na Copa do 1T13 A/A T/T Magazine Luiza Crescimento surpreendente de vendas O desempenho do primeiro trimestre do ano foi de desempenho surpreendente para o Magazine Luiza, superando não só a média do seu mercado de atuação, como

Leia mais

GOL. Revisão de Preço. Melhora nas perspectivas, com cenário favorável e boa capacidade de management. Quais os riscos? Transportes Aviação

GOL. Revisão de Preço. Melhora nas perspectivas, com cenário favorável e boa capacidade de management. Quais os riscos? Transportes Aviação GOL Revisão de Preço Melhora nas perspectivas, com cenário favorável e boa capacidade de management Revisamos nosso modelo de avaliação e projeções para a companhia aérea GOL. O novo preço-potencial para

Leia mais

Siderurgia e Mineração

Siderurgia e Mineração Relatório Setorial - Dez 2014 Victor Penna, CNPI victor.penna@bb.com.br Mais um mês de queda em um ano ruim para os papéis Nome Ticker Cotação (R$) Dez-14 Variação (%) Mês 2014 LTM Market Cap (R$ mi) EV

Leia mais

Varejo e Consumo. Relatório Setorial - Maio Ações das varejistas acompanharam seus resultados

Varejo e Consumo. Relatório Setorial - Maio Ações das varejistas acompanharam seus resultados Relatório Setorial - Maio 2014 Ações das varejistas acompanharam seus resultados Maria Paula Cantusio, CNPI paulacantusio@bb.com.br Nome Ticker Cotação (R$) Mai-14 B2W Digital BTOW3 28,60 16,3% 87,3% 164,8%

Leia mais

Siderurgia e Mineração

Siderurgia e Mineração Relatório Setorial - Jan 2015 Victor Penna, CNPI victor.penna@bb.com.br Começando o ano com o pé esquerdo Nome Ticker Cotação (R$) Jan-15 Variação (%) Mês 2015 LTM Market Cap (R$ mi) EV (R$ mi) Dívida

Leia mais

Gerdau. Resultado 3T13 e Revisão de Preço. Desempenho firme com elevação no EBITDA. Siderurgia e Mineração

Gerdau. Resultado 3T13 e Revisão de Preço. Desempenho firme com elevação no EBITDA. Siderurgia e Mineração Resultado 3T13 e Revisão de Preço Desempenho firme com elevação no EBITDA A Gerdau apresentou um resultado consistente, com melhora no desempenho das operações do Brasil e em linha com a estratégia da

Leia mais

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

Restoque 22 de março de 2016

Restoque 22 de março de 2016 Restoque 22 de março de 2016 Resultado 4T15: novamente abaixo do esperado; atualizando nossas estimativas Em nossa visão, os resultados do 4T15 da Restoque vieram negativos, com o top line e a rentabilidade

Leia mais

Lojas Renner. Resultado 1T14 e Revisão de Preço. Trimestre de recuperação de margens. Comércio Varejista

Lojas Renner. Resultado 1T14 e Revisão de Preço. Trimestre de recuperação de margens. Comércio Varejista Resultado 1T14 e Revisão de Preço Trimestre de recuperação de margens O 1T14 foi de performance positiva para a Lojas Renner, tanto na venda de mercadorias, quanto nos serviços financeiros. A receita líquida

Leia mais

Cielo. Resultado 3T14 e Revisão de Preço. Aumento de custos pressionou as margens, mas sem assustar. Bancos e Serviços Financeiros

Cielo. Resultado 3T14 e Revisão de Preço. Aumento de custos pressionou as margens, mas sem assustar. Bancos e Serviços Financeiros Cielo Resultado 3T14 e Revisão de Preço Aumento de custos pressionou as margens, mas sem assustar A Cielo, mais uma vez, apresentou um bom resultado trimestral, com lucro líquido de R$ 817 milhões, crescimento

Leia mais

Lojas Americanas e B2W

Lojas Americanas e B2W Resultado 3T14 e Revisão de Preço Lame acelera programa de expansão: 800 lojas em 5 anos Os resultados do 3T14 da Lojas Americanas mostraram uma performance positiva de vendas (+13,2%), mesmo frente a

Leia mais

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

Natura 21 de outubro de 2015

Natura 21 de outubro de 2015 Natura 21 de outubro de 2015 3T15: vendas no Brasil seguem ainda mais pressionadas Os resultados da Natura no 3T15 foram mistos. No Brasil, as vendas continuaram a apresentar deterioração em um ritmo ainda

Leia mais

B2W Digital. Resultado 3T13 e Revisão de Preço. Resultado negativo apresenta melhora no período. Comércio Varejista

B2W Digital. Resultado 3T13 e Revisão de Preço. Resultado negativo apresenta melhora no período. Comércio Varejista Resultado 3T13 e Revisão de Preço Resultado negativo apresenta melhora no período A B2W Digital finalizou o 3T13 apurando uma receita bruta de R$ 1.712,8, cerca de 25,2% superior ao 3T12. No entanto, assim

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15

Teleconferência de Resultados 2T15 Teleconferência de Resultados 2T15 Destaques Encerramento do 5º ano de fornecimento de cana-de-açúcar, entregando 724 mil toneladas. Área total plantada de 78.044 hectares. Construção de um silo na Bahia,

Leia mais

Relatório Setorial. Fevereiro 2016: Temporada de resultados pressiona ações. Monthly Change (%) Indústrias & Transportes

Relatório Setorial. Fevereiro 2016: Temporada de resultados pressiona ações. Monthly Change (%) Indústrias & Transportes Relatório Setorial Fevereiro 2016: Temporada de resultados pressiona ações Companhia Indústrias Ticker Preço (R$) Fev-2016 Market Cap (R$ milhões) Variação (%) Mês 2016 12M Embraer EMBR3 30,20 22.362 5,01%

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Após a divulgação dos resultados do 3T13 e da teleconferência realizada pela, iniciamos nosso preço justo de R$ 11,00 por ação ODPV3, com base em modelos

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

Renda Fixa. Análise de Mercado

Renda Fixa. Análise de Mercado Renda Fixa renda-fixa-brasil, risco-brasil, fra-cambial, juros-brasileiros, paridade-descoberta-das-taxas-de-juros, us-treasuries, análise-do-dólar, análise-do-di-futuro, bond-soberano-brasileiro, siautukowatari

Leia mais

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição:

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição: Sonae Sierra Brasil Empresa: A Sonae Sierra Brasil é uma das principais incorporadoras, proprietárias e operadoras de shopping centers no Brasil, tendo em seu portfólio a participação de onze shoppings

Leia mais

Cia. Hering D É B O R A D A R I N

Cia. Hering D É B O R A D A R I N Cia. Hering D É B O R A D A R I N G I O VA N N A S A R T O R V E R Í S S I M O C R E D I T S U I S S E A WA R D S 2 0 1 6 0 2 D E J U N H O D E 2 0 1 6 M A R C O A N T O N I O PAT H E F I L H O M A R I

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2014 Reunião Pública com Analistas e Investidores Grupo São Martinho 300.000 Ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 20 milhões de toneladas Capacidade de processamento

Leia mais

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão:

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: VALE RIO DOCE S/A Empresa: A companhia é uma das maiores mineradoras do mundo, sendo a maior das Américas, baseada na capitalização de mercado. É a maior produtora mundial de minério de ferro e pelotas

Leia mais

DESTAQUES DO 2T12. Resumo dos Destaques Operacionais - 2T12. Revisão do Guidance de Produção 2T11 2T12

DESTAQUES DO 2T12. Resumo dos Destaques Operacionais - 2T12. Revisão do Guidance de Produção 2T11 2T12 Resultados DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais e financeiras, constituem-se

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T16

Apresentação dos Resultados 2T16 Apresentação dos Resultados 2T16 O Mercado Preço das Commodities e Dólar 2 140 Queda de 9,8% do dólar no 2T16 Alta de 29,0% no preço da soja no 2T16 Alta de 7,5% no preço do algodão no 2T16 Alta de 2,1%

Leia mais

17 de Fevereiro de 2017

17 de Fevereiro de 2017 : Resultados crescentes, mas ação bem precificada A crise na siderurgia mundial, a recessão no Brasil, a alta dos juros e os baixos preços do minério de ferro impactaram em muito os resultados da até o

Leia mais

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais e

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de outubro de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA: CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao

Leia mais

Infraestrutura de Transportes

Infraestrutura de Transportes Relatório Setorial - Out 2014 Volatilidade, novo ciclo de alta dos juros e nível da atividade ditarão o cenário para o setor na bolsa Renato Hallgren, CNPI renatoh@bb.com.br Nome Ticker Cotação (R$) Out-14

Leia mais

Relatório de Resultados: 4T 16

Relatório de Resultados: 4T 16 Os saldos e resultados apresentados neste relatório podem diferir daqueles reportados pela Cosan como sendo referentes à Raízen. Isto se deve a (i) o exercício social da Raízen ser de abril a março de

Leia mais

JSL 22 de abril de 2013

JSL 22 de abril de 2013 , CNPI Market Perform Código da ação JSLG3 Preço de mercado em 19/04/2013 R$ 15,53 Target-price para 31/12/2013 R$ 17,00 Potencial de valorização 9,5% Setor Logística e Transportes Min (52 sem) R$ 8,03

Leia mais

Carteira Sugerida Fevereiro 2016

Carteira Sugerida Fevereiro 2016 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 Carteira

Leia mais

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 2T08 2T09 2T10 2T11

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 2T08 2T09 2T10 2T11 Comercializamos 51 unidades de implementos rodoviários no 2T11 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 108 45 38 51 Durante o 2T11 nosso desempenho comercial foi fortemente afetado pelas

Leia mais

Diário de Mercado. 10 de fevereiro de China capitaneia melhora no panorama externo e levanta commodities. Petrobras tem rating elevado.

Diário de Mercado. 10 de fevereiro de China capitaneia melhora no panorama externo e levanta commodities. Petrobras tem rating elevado. Diário de Mercado 10 de fevereiro de 2017 China capitaneia melhora no panorama externo e levanta commodities. Petrobras tem rating elevado. Resumo do dia. Inicialmente, a China ganhou os holofotes na sessão

Leia mais

Comercializamos 55 unidades de implementos rodoviários no 1T11 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11

Comercializamos 55 unidades de implementos rodoviários no 1T11 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11 Comercializamos 55 unidades de implementos rodoviários no 1T11 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 116 33 40 55 Nosso desempenho comercial no 1T11 foi aquém do esperado. O faturamento

Leia mais

Avaliação quinzenal da Safra 2017/18 (2ª quinzena de junho) 04 de julho de 2017

Avaliação quinzenal da Safra 2017/18 (2ª quinzena de junho) 04 de julho de 2017 Avaliação quinzenal da Safra 2017/18 (2ª quinzena de junho) 04 de julho de 2017 O mercado de açúcar passou por um ponto importante na última semana, o vencimento da tela de julho. A volumosa entrega de

Leia mais

Diário de Mercado 13 de janeiro de 2017 Semana encerra com correções frente à decisão de corte de

Diário de Mercado 13 de janeiro de 2017 Semana encerra com correções frente à decisão de corte de Diário de Mercado 13 de janeiro de 2017 Semana encerra com correções frente à decisão de corte de juros pelo Copom e expectativas sobre Trump nos EUA Hamilton Moreira Alves, CNPI-T Rafael Reis, CNPI-P

Leia mais

Diário de Mercado 16 de maio de 2017

Diário de Mercado 16 de maio de 2017 Diário de Mercado 16 de maio de 2017 Estratégia de Mercado Manutenção do viés positivo doméstico segue a tônica Resumo. Guiado pelo mercado externo mas com fatos domésticos relevantes na sessão, a manutenção

Leia mais

Carteira Sugerida 31 de janeiro de 2017

Carteira Sugerida 31 de janeiro de 2017 fev-2016 mar-2016 abr-2016 mai-2016 jun-2016 jul-2016 ago-2016 set-2016 out-2016 nov-2016 dez-2016 jan-2017 2017 12 Meses Carteira Sugerida 31 de janeiro de 2017 Fevereiro 2017: Bom humor tende a perdurar

Leia mais

Diário de Mercado. 27 de janeiro de Dados norte-americanos aquém do esperado derrubam juros e dólar no mercado doméstico

Diário de Mercado. 27 de janeiro de Dados norte-americanos aquém do esperado derrubam juros e dólar no mercado doméstico Diário de Mercado 27 de janeiro de 2017 Dados norte-americanos aquém do esperado derrubam juros e dólar no mercado doméstico Resumo do dia. Ainda que se mantenha como o maior fator de volatilidade, a agenda

Leia mais

Petrobras 26 de abril de 2013

Petrobras 26 de abril de 2013 Andréa Aznar, CNPI andrea.aznar@bb.com.br Carolina Flesch, CNPI carolinaflesch@bb.com.br Outperform Ticker PETR3 PETR4 Preço em 26/04/13 R$ 18,04 R$ 19,29 Preço para 31/12/2013 R$ 25,31 R$ 23,23 Potencial

Leia mais

Diário de Mercado 23 de maio de 2017

Diário de Mercado 23 de maio de 2017 Diário de Mercado 23 de maio de 2017 Dia de repique, com mercado recuperando os 62 mil pts. Clima político doméstico mais ameno e exterior aguardando Resumo. Desde a quinta-feira passada, o mercado acionário

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Diário de Mercado 3 de maio de 2017

Diário de Mercado 3 de maio de 2017 Diário de Mercado 3 de maio de 2017 Estratégia de Mercado Ibovespa teve queda com baixas de preços de commodities e compelido por Wall Street negativo Resumo. O índice doméstico operou em campo positivo

Leia mais

Earnings Release 3T13

Earnings Release 3T13 UNIPAR CARBOCLORO ANUNCIA OS RESULTADOS DO 3T13 E DOS 9M13 São Paulo, 12 de novembro de 2013 A UNIPAR CARBOCLORO S.A. (BM&FBOVESPA: UNIP3, UNIP5 e UNIP6) divulga hoje os resultados referentes ao terceiro

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital 2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 7 2 1. Introdução

Leia mais