referência para Cálculo de Concreto Armado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "referência para Cálculo de Concreto Armado"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES ÍNDICE referência para Conceitos Básicos... Cargas Características... Esforços Soicitantes e Reações... Regras de Pré-dimensionamento de Peças... Fexão Simpes... Diagramas... Estado Limite Útimo convenciona na Fexão... Domínio de Deformação... Vigas de Seção Retanguar com Armadura Simpes... Viga de Seção T com Armadura Simpes... Viga de Seção Retanguar com Armadura Dupa... Lajes Retanguares aciças... Lajes Armadas em uma Direção... Esforços Soicitantes... Dimensionamento à Fexão... Atura Úti... Cácuo das Armaduras... Escoha das Barras... Lajes Armadas em Duas Direções... Esforços nas Lajes Isoadas... étodo simpificado apicáve a pisos usuais de edifícios... Atura Úti... Armaduras ínimas... Escoha das Barras... Lajes Nervuradas... Piares... Tipos de Piares... Situação de Cácuo... Dimensionamento da Seção Retanguar (armadura simétrica)... Dimensões mínimas... Disposições Construtivas, Bitoas e Espaçamentos... Travamentos Adicionais na Seção Transversa São Pauo Compiação e Projeto Gráfico: Karin Regina de Castro arins, Roberto Issamu Takahashi e Tiago Gimenez Ribeiro [ Baseado no resumo de arcos Siveira ] a partir das Apostias do Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações da Escoa Poitécnica

2 CONCEITOS BÁSICOS Ao se cacuar uma estrutura de concreto precisemos, primeiramente, determinar os seguintes itens: Cargas Características; Reações; Esforços Soicitantes; Cargas Características Esforços Soicitantes e Reações Esforços soicitantes e reações foram objeto de matérias básicas desta seqüência de discipinas. Na figura abaixo, a títuo de recordação, estão representados os esforços soicitantes e reações de agumas situações em vigas: Esforços áximos na Viga Biapoiada q Dividem-se em cargas permanentes e variáveis (ou acidentais). - Cargas Permanentes: são cargas constituídas peo peso próprio da estrutura e peos pesos de todos os eementos fixos e instaações permanentes. Abaixo estão aguns exempos de cargas de aguns dos materiais mais conhecidos, fornecidas por peso específico: V V q 2 /8 V q /2 Concreto simpes Concreto armado Argamassa Avenaria de tijoo maciço Avenaria de tijoo furado Avenaria de bocos de concreto 24 KN/m³ 25 KN/m³ 9 KN/m³ 6 KN/m³ 0 KN/m³ 3 KN/m³ Esforços áximos na Viga em Baanço V q P q 2 /2 V q + P - Cargas Variáveis ou Acidentais (NBR 620): são as cargas que podem atuar sobre as estruturas de edificações em função de seu uso. Abaixo estão aguns exempos de cargas acidentais verticais atuando nos pisos das edificações, devidas a pessoas, móveis, utensíios, etc., e são supostas uniformemente distribuídas: Esforços áximos na Viga com três apoios V q q Saas, quartos, cozinhas e wc s Escadas, corredores e terraços Restaurantes e saas de aua Auditórios Bibiotecas (estantes) Cinemas (patéia).5 KN/m³ 3.0 KN/m³ 3.0 KN/m³ 3.0 KN/m³ 6.0 KN/m³ 4.0 KN/m³ V 2 V V V 2 2

3 Regras de pré-dimensionamento de peças Ao se pré-dimensionar uma peça de concreto deve-se seguir os seguintes passos ógicos: - Determinação das ações; - Determinação das resistências; - Verificação da segurança. As ações são as soicitações à peça, as resistências evam em conta a seção transversa e as características mecânicas dos materiais, e a segurança deve ser garantida com um dimensionamento que supere os esforços que incidam sobre a peça com uma certa foga. Agumas hipóteses básicas devem também ser adotadas: - anutenção da seção pana: as seções transversais da peça, quando fetidas, não perdem a configuração pana; - Aderência perfeita entre o concreto e armadura: não há escorregamento entre os materiais; - A tensão do concreto é nua na região da seção transversa sujeita à deformação de aongamento. FLEXÃO SIPLES Na fexão simpes a ação pode ser admitida como sendo representada apenas peo omento de Projeto d ; são adotadas como resistências aqueas oferecidas peo concreto (f ck ), peo aço (f yk ) e pea seção transversa ( ud ); e a segurança adequada é quando é verificada a condição: d ud. Por razão de economia, faz-se d ud. O concreto mais utiizado tem como característica um f ck entre 20 e 28 Pa (KN/m³), sendo 24 Pa o mais usua, enquanto que o aço mais utiizado, o CA50A, tem como f yk um vaor de 50 KN/m³. Aém da resistência, existem ainda outras características inerentes ao concreto e ao aço, que serão utiizadas para efeito de cácuo, a saber: Concreto f ck 24 Pa γ c,4 E c Pa Aço f yk 50 KN/cm² γ s,5 E s Pa onde f ck é, como dissemos, o vaor característico da resistência do concreto, f yk é o vaor característico de resistência da armadura correspondente ao patamar de escoamento, γ c é o coeficiente de ponderarão de resistência do concreto (coeficiente de segurança), γ s é o coeficiente de ponderação de resistência de armadura (coeficiente de segurança), E s é o móduo de easticidade do concreto e E s é o móduo easticidade do aço. Diagrama Tensão-Deformação (de Cácuo) da Armadura: - Aço de dureza natura (com patamar de escoamento) σsd f yk f yd diagrama de cácuo arctg Es εyd 0,00 εsd 3 4

4 Diagrama Tensão-Deformação (de Cácuo) do Concreto: - Diagrama paráboa-retânguo σcd -A deformação de aongamento na armadura mais tracionada (E su ) atinge 0,00; denomina-se estado imite útimo (ELU) por aongameno pástico excessivo de armadura: εc 0,85 f cd patamar ud 0,00 0,0035 encoriamento εcd Diagrama retanguar simpificado kfcd 0,8 x x ud As Domínios de Deformação: εsu 0,0035 Conforme foi visto no ítem anterior, o estado imite útimo convenciona ocorre quando o diagrama de deformação passa por um dos dois pontos, A ou B, na figura seguinte: As εu deformação de estado imite útimo (ELU) x atura da zona comprimida, medida a partir de borda comprimida k 0,86, quando a atura de zona comprimida não diminui em direção à borda comprimida (seção retanguar) h d As ud 0,0035 x 23 x 34 D2 D3 D4 0,000 Estado imite útimo convenciona na fexão É atingido quando ocorro uma dos seguintes situações -A deformação de encurtamento no concreto (E cu ) atinge 0,0036; denomina-se estado imite útimo (ELU) por esmagamento do concreto: As ud εcu 0,0035 d atura úti da seção distância do CG da armadura à borda comprimida x atura de zona comprimida - Diagrama D2: o concreto é pouco soicitado e a armadura está em escoamento: a ruptura é do tipo dúti (com aviso). - Diagrama D3: o concreto está adequadamente soicitado e a armadura em escoamento: a ruptura também é dúti. As seções acima são ditas subarmadas ou normamente armadas. - Diagrama D4: o concreto é muito soicitado e a armadura pouco soicitada. A ruptura é do tipo frági (sem aviso). A seção é dita superarmada e é uma soução antieconômica pois a armadura não é exporada ao máximo. εs 5 6

5 VIGA DE SEÇÃO RETANGULAR CO ARADURA SIPLES Tem as seguintes características: - A zona comprimida da seção sujeita à fexão tem forma retanguar; - A armadura é constituída por barras agrupadas junto à borda tracionada e pode ser imaginada concentrada no seu centro de gravidade. Com o vaor de x, tem-se o domínio de deformação correspondente, podendo ocorrer as seguintes situações: -Domínio 2, onde x x 23 0,269 d ; e σ sd f yd -Domínio 3, onde x 23 x x 34 0,0035d/(0, ε yd ); e σ sd f yd h d b As ud 0,85fcd εu 0,8 x x Rcd Rsd 0,4x d- 0,4x -Domínio 4, se x x 34, neste caso convém aterar a seção para se evitar a peça superarmada, aumentando-se h ou adotando-se armadura dupa. Para a situação adequada de peça subermada tem-se σ sd f yd. Assim, a equação 3 nos fornece: σsd Resutante dos tensões A d s σ sd (d-0,4 x) d f yd (d-0,4 x) No Concreto: R cd 0,85 f cd b 0,8 x 0,68 b x f cd Na Armadura: R sd A s σ sd Equações de equiibrío De Força: R cd R sd ou 0,68 b x f cd A s σ sd De omento: ud R cd (d - 0,4x) ou ud R cd (d - 0,4x) substituindo o vaor das resutantes de tensão vem: ud 0,68 b x f cd (d - 0,4x) ou 2 ud A s σ sd (d - 0,4x) 3 Nos casos de dimensionamento, tem-se b, f ck e faz-se ud d, (momento fetor soicitante em vaor de cácuo). Normamente, pode-se adotar d 0,9 h. Desta forma, a equação 2 nos fornece o vaor de x: d x,25 d - - 0,425 b d² f cd 7 8

6 VIGA DE SEÇÃO T CO ARADURA SIPLES A anáise de uma seção T pode ser feita como se indica a seguir: ud 0,85fcd εu σsd 0,8 x x Rsd Rcfd Rcwd O probema pode ser equacionado subdividindo a zona comprimida em retânguos ( e 2). As resutantes de tensão sobre as partes e 2 vaem: R cfd 0,85 f cd (b f - b w ) h f e R cwd 0,85 f cd b w (0,8 x) A equação de equiibro de momento fornece: ud d cfd + cwd R cfd (d - h f /2) + cwd Este momento deve ser resistido pea parte 2 que é uma seção retanguar b w por d, portanto: A equação de equiíbrio de força permite escrever: Portanto x,25 d cwd - - 0,425 b w d² f cd R cd R cfd + R cwd A s f yd R cfd + R cwd R cfd + R cwd A s f yd As bw h f d 2 VIGA DE REÇÃO RETANGULAR CO ARADURA DUPLA Quando se tem, aém da armadura de tração A s, outra A s posicionada junto à borda comprimida, temos uma seção com armadura dupa. Isto é feito para se conseguir uma seção subarmada sem aterar as dimensões de seção transversa. A armadura comprimida introduz uma parcea adiciona na resutante de compressão, permitindo assim, aumentar a resistência da seção. Vejamos as equações de equiíbrio: De Força: De omento: R sd R cd + R sd A s σ sd 0,68 b x f cd + c d R cd (d - 0,4 x) + R sd (d - d ) d 0,68 b x f cd (d - 0,4 x) + A s σ cd (d - d ) Temos assim duas equações (A e B) e três incógnitas: x, A s e A s (pois as tensões na armadura depende de x). Costuma-se adotar um vaor de x, por exempo x d/2. Dessa forma podem ser determinadas as armaduras A s e A s como se indica a seguir. As equações A e B sugerem a decomposição mostrada na figura seguinte: d b As ud ε c εu x 0,4x d- 0,4x Rcd Rsd Conforme se indica na figura acima, pode ser determinado a primeira parcea do momento resistente, designada por wd : A d b A s As2 ud wd 0,68 b x f cd (d - 0,4 x) e R sd wd /(d - 0,4x) Como σ sd f yd (peça subarmado), tem-se: A s R sd /f yd Assim, fica conhecida a parcea restante do momento resistente: B ε c εu x d d- d R sd Rsd2 σsd σsd d d - wd 9 0

7 Também, d R sd (d - d ) A sd σ cd (d - d ) d R sd2 (d - d ) A s2 σ cd (d - d ) Que permitem determinar as áreas restantes de armadura A s2 e A s. De fato, R sd R sd2 d /(d - d ) e A s2 R sd2 /f yd O cácuo de A s, requer a determinação de tensão σ sd. Com x x im, tem-se, no domínio 3 ε c 0,0035 e, no domínio 2: Logo ε c 0,00 x / (d - x) ε s ε c (x - d ) / x e (por semehança de triânguos) LAJES RETANGULARES ACIÇAS Lajes são eementos estruturais panos de concreto armado sujeitos a cargas transversais a seu pano. Os apoios das ajes são, geramente, constituídos por vigas vigas de piso. Nestes casos, o cácuo das ajes é feito, de maneira simpificada, como se eas fossem isoadas das vigas, com apoios ivres à rotação e indesocáveis à transação, considerando, contudo, a continuidade entre ajes contíguas. Do ponto de vista de comportamento à fexão, as ajes retanguares maciças podem ser cassificadas em: - Lajes armadas em uma direção: quando a fexão (curvatura) é bastante predominante segundo a direção paraea a um dos ados; correspondem às ajes apoiadas em ados opostos (isoadas e contínuas, com ou sem baanços aterais), e às ajes aongadas apoiadas em todo o perímetro. - Lajes armadas em duas direções ou em cruz: quando as curvaturas paraeas aos ados são vaores comparáveis entre si, são ajes apoiadas em todo seu contorno e com ados não muito diferentes entre si ( y / x 2). que permite obter σ sd (no diagrama σ x ε de armadura) Finamente A s R sd /σ s e A s A s + A s2 2

8 LAJES ARADAS E UA DIREÇÃO Considere-se a aje esquematizada na figura a seguir: P V A P2 V x Abaixo estão os gráficos destes 3 casos: Esforços áximos na Laje Isoada q x B B p P3 V2 A y P4 Vx x Vx x Vx m x p x2 /8 m y υ m x v x p x /2 Sejam, x, o vão teórico da aje, normamente, igua à distância entre os eixos dos vigas de apoio, e y o seu comprimento. Os cortes AA e BB mostram, de forma esquemática, os desocamentos apresentados pea aje ao ser submetida à uma carga distribuída uniforme de vaor p. Constata-se a presença de curvatura e, portanto, de momento fetor segundo o corte AA. Segundo o corte BB ocorre, praticamente uma transação com curvatura e fexão desprezíveis. Considere-se, agora, faixas isoados de arguras unitárias paraeos ao corte AA: o carregamento de uma dessas faixas é constituído de carga uniforme de vaor p. Cada uma dessas faixas tem, aparentemente, o comportamento de uma viga isostática e o diagrama de momento fetor é uma paráboa de ordenada igua a p x2 /8. Representa-se este momento fetor por m x, com m x p x2 /8, na unidade kn m/m. Anaogamente, a força cortante tem diagrama inear e seu vaor máximo v x p x /2. Para que as faces superior e inferior mantenham-se paraeas entre si aparece um momenfo fetor m y υ m x atuando no pano paraeo ao ado y, também por unidade de argura, sendo m y 0,2 m x, pois no concreto υ 0,2. O momenfo fetor m x é chamado de momento fetor principa e m y de secundário. x Esforços áximos na Laje em Baaço Vx x Esforços áximos na Laje Contínua q q x x P q x2 m x p x2 /8 v x p x + P Esforços Soicitantes V x V x - Laje Isoada: nesse caso, a faixa de argura unitária da aje corresponde a uma viga isoada sujeita a carga distribuída uniforme; - Laje em baanço: nesse caso, a faixa de argura unitária da aje corresponde a uma viga em baanço e o carregamento consiste numa carga uniforme distribuída p mais uma concentrada P apicada junto à extremidade do baanço. - Laje contínua: nesse caso, a faixa de argura unitária da aje corresponde a uma viga contínua. x V x Dimensionamento à Fexão (Estado Limite Útimo - ELU) x2 V x O dimensionamento é feito para uma seção retanguar de argura unitária (normamente, b m 00 cm) e atura igua à espessura tota do aje, h. 3 4

9 Atura úti A armadura de fexão será distribuída no argura de 00 cm. Em gera, tem-se nos vãos, num mesmo ponto, dois momentos fetores (m x e m y, positivos) perpendicuares entre si. Desta forma, a cada um desses momentos corresponde uma atura úti; d x para o momento fetor m x e d y para o momento fetor m y. Normamente, m x é maior que m y ; por isso costuma-se adotar d x > d y ; para isto, a armadura correspondente ao momento fetor m y (A sy ) é coocada sobre a armadura correspondente ao momento fetor m x (A sx ): Nas ajes, normamente, a fexão conduz a um dimensionamento como peça subarmada com armadura simpes. Assim, conforme a figura acima, a equação de equiíbrio conduz a m d 0,68 b x f cd (d - 0,4x) com m d γ c m,4 m Resutando, para a atura de zona comprimida o vaor m x,25 d - - d 0,425 b w d² f cd 00 cm h d x d v v x c e a armadura m A s d f yd (d-0,4 x) Asy Asx Conforme a figura acima, tem-se: onde A d A sx para m m x e A d A sy para m m y onde d x h - c - φ x /2 d y h - c - φ x - φ y /2 e c cobrimento mínimo de armadura em ajes, fixado em 0,5 cm nas ajes protegidas com argamassa de espessura mínima de cm (NBR 68) φ x diâmetro da armadura A sx correspondente a m x φ y diâmefro da armadura A sy correspondente a m y Nas ajes maciças revestidas, usuais em edíficios, pode-se adotar aproximadamente: d x h - c - 0,5 cm d y h - c -,0 cm Cácuo das Armaduras h d 00 cm e d 0,85fcd 0,8x Rcd Rsd Escoha das barras A escoha da bitoa o espaçamento (φ e s) é feita para as bitoas comerciais com as seguintes recomendações: φ min 4 mm φ φ max h/0 s min 8 mm s s max 20 cm (p/ arm. princ. imitar a 2h) Para as bitoas, adota-se um mínimo de 4 mm e um máximo correspondente a um décimo da espessura da aje. O espaçamento mínimo de 8 cm tem por finaidade faciitar a concretagem da aje, e o espaçamento máximo visa garantir a uniformidade de comportamento admitida nos cácuos. A tabea a seguir mostra as bitoas comerciais mais utiizadas: h s 00 cm φ diâmetro nomina da barra em mm A s área nomina da seção transversa de uma barra m massa de uma barra por metro inear φ (mm) A s (cm) m (kg/m) 4,0 0,25 0,0 5,0 0,200 0,6 6,3 0,35 0,25 8,0 0,500 0,40 0,0 0,800 0,63 5 6

10 LAJES ARADAS E DUAS DIREÇÕES (E CRUZ) Considere-se a aje esquematizada na figura a seguir, apoiada em todo o seu contorno sobre vigas, sujeita à carga distribuída p e sejam: onde o carregamento usua é constituído de carga distribuída uniforme, são muito úteis as tabeas de Czèrny preparadas com coeficiente de Poisson 0,2 (admitido para o concreto). Os momentos fetores extremos são dados por: y A C B x α x o menor vão teórico x o maior vão teórico ( y x ) m x p x² m y p y² m α x α x p x² m y β y p y² ; ; ; x β y onde as variáveis e estão tabeadas de em função dos seguintes parâmetros: Normamente consideram-se as hipóteses simpificadoras: - vigas rígidas à fexão - continuidade de ajes vizinhas quando no mesmo níve A deformada da aje segundo os cortes A (paraea a x ) e B (paraea a y ) estão esquematizadas na figura a seguir: x - Tipo de carga (por ex. distribuída uniforme); - Condições de apoio da aje (tipo de apoio); - Reação ( y / x ). Particuarmente, interessa-nos o tipo de carga distribuída uniforme, e os tipos de apoio indicados a seguir: x y A B y 2A 3 4A 5A 6 C 2B 4B 5B Pode-se notar a presença de curvaturas comparáveis segundo os dois cortes, sugerindo a presença de momentos fetores comparáveis: m x momento por unidade de argura com pano de atuação paraeo a x ; m y momento por unidade de argura com pano de atuação paraeo a y. Considere-se o corte genérico CC e a deformada segundo este corte. Nota-se também a presença de momento, podendo este ser expresso por: m x m x cos²α + m y sen²α Esforços nas ajes isoadas Nas ajes interessam, particuarmente, os momentos fetores máximos no vãos e sobre os apoios (quando engastados). Existem tabeas que nos fornecem estes momentos máximos para aguns casos usuais de ajes maciças. Nos edifícios, engastado apoiado étodo simpificado apicáve a pisos usuais de edifícios Para os pisos usuais de edifícios residenciais e comerciais pode ser apicado o método simpificado exposto a seguir: Lajes isoadas: iniciamente separam-se as ajes admitindo-se, para cada uma deas, as seguintes condições de apoio: - Apoio ivre, quando não existir aje vizinha a este apoio; - Apoio engastado, quando existir aje vizinha no mesmo níve, permitindo assim a continuidade da armadura negativa de fexão de uma aje para a outra; - Vigas rígidas de apoio da aje; 7 8

11 e, cacuam-se os momentos fetores máximos (em vaor absouto) nestas ajes isoadas (m x, m y, m x, m y ). Correção dos momentos fetores devido à continuidade entre as ajes vizinhas: - omentos sobre os apoios comuns às ajes adjacentes: adota-se para o momento fetor de compatibiização, o maior vaor entre 0,8 m > e (m + m 2 ) / 2, onde m e m 2 são os vaores absoutos dos momentos negativos nas ajes adjacentes junto ao apoio considerado, e m >, o maior momento entre m e m 2. - omentos no vãos: para sobrecargas usuais de edifícios podem ser adotados os momentos fetores obtidos nas ajes isoadas; portanto, sem nenhuma correção devido à continuidade. Para sobrecargas maiores convém efetuar essas correções. Atura úti Da mesma forma que para as ajes armadas em uma só direção, as aturas úteis são dadas por: d x h - c - φ x /2 e d y h - c - φ x - φ y /2 Armaduras mínimas - Armaduras de vão: (A sx ou A sy ) 0,9 cm²/m e ρ A s 0,5 % (CA50 / 60) b h 0,20 % (CA25) - Armaduras sobre os apoios de continuidade: A s,5 cm²/m e ρ A s 0,5 % (CA50 / 60) b h 0,20 % (CA25) Escoha das barras - Diâmetro : 4 mm φ h/0 - Espaçamento entre as barras: armadura nos vãos: A s 8 cm s 20 cm 3h podendo ser estimadas, nas ajes usuais, por d x h - c 0,5 cm e d y h - c,0 cm armadura nos apoios: A s 8 cm s 20 cm 2h cácuo de A s m x,25 d d - - 0,425 b d² f cd e a armadura A s m d f yd (d-0,4 x) onde A s A sx para m m x A s A sy para m m y A s A s para m m 9 20

12 LAJES NERVURADAS As ajes maciças podem ser recomendadas para vãos até cerca de 5m. Para vãos maiores, ea se torna antieconômica devido ao seu grande peso próprio. Uma opção mehor para este caso pode ser conseguida através das ajes nervuradas. As nervuras tem a função de garantir a atura necessária para a armadura de tração resistir à fexão. hf > b /5 > 4 cm PILARES Piares são estruturas de concreto armado que transmitem as cargas do edifício para a fundação. A carga principa, nos edifícios, tem o sentido vertica (peso). Por isso, o esforço soicitante nos piares é constituído essenciamente pea força norma de compressão. Ações outras como, por exempo, a do vento, introduzem soicitações transversais nos piares. Como a força norma de compressão é grande, deve-se ainda considerar os efeitos provenientes do desaprumo construtivo, da indefinição do ponto de apicação das reações das vigas e dos desocamentos apresentados peos piares (efeito de segunda ordem). De fato, considere-se o piar em baanço esquematizado a seguir e seus esforços soicitantes usuais: bw 00 cm bw > 4 cm Para estas ajes tem-se as seguintes recomendações: H P - Os esforços soicitantes podem ser obtidos pea teoria das pacas para faixas de argura unitária; mutipicando estes esforços peos espaçamentos entre nervuras tem-se os esforços atuantes em cada nervura; - A mesa deve ser verificada à fexão se b > 50 cm ou se houver carga concentrada atuando diretamente sobre ea; - A verificação do cisahamento nas nervuras pode ser feita como aje se b 50 cm e, como viga em caso contrário. h Conforme a figura acima, tem-se que h momento fetor devido a H, com 4 m; P 800 kn e H 0 kn. Assim, o momento máximo na base do piar vae: H 0 4,0 40 kn m A força norma N (de compressão) vae 800 kn. Considere-se agora, como mostra a figura seguinte, o efeito de um eventua desaprumo (a) do piar de, digamos, 2 cm. O desocamento transversa da carga P produz um momento fetor adiciona no piar. o momento adiciona máximo vae: a P a 800 0,02 6 kn m P a a 2 22

13 Para se ter uma idéia do efeito dos desocamentos (efeito de segunda ordem), considere-se, no momento, o comportamento eástico inear do concreto com E o 3000 kn/cm² e seção transversa de 25 x 25 cm (seção quadrada). O desocamento (usua) do topo do piar devido a H vae: a H ³ 3 E c I 0 400³ 2,8 cm c (24 4 /2) A consideração do equiíbrio do piar na sua configuração deformada, acarreta um momento fetor adiciona devido ao desocamento transversa da força P. O desocamento transversa fina pode ser estimado através da expressão: a a + a 2 a - P / P f O momento fetor adiciona máximo vae 2 P a, então , ,3 kn m. A figura a seguir representa 2 : P a O momento máximo na base do piar vae: 2 onde sendo Assim P f π² E c I c ² π² E c A c λ² λ c, com e i c θ comprimento de fambagem do piar θ 2 no piar em baanço; θ no piar biarticuado com aongamento ivre; θ, biengastado com desocamento transversa ivre; θ 0,7, engastado de um ado e articuado do outro; i o raio de giração da seção do piar i c I c λ c i c P f 24 4 /2 A c 25² π² E c I c ² ,22 π² E c A c λ² a a + a 2 a - P / P n 7,22 cm π² ² 502 kn ² i c I c A c 2,8 4,66 cm / 502 h + a 2 ( + / h + 2 / h ) 40 ( + 6/ ,3/40) 40 ( + 0,40 + 0,93) Portanto, nesse caso, a representa 40% de h e, 2, 93%, mostrando a importância do desaprumo e do desocamento (efeito de segunda ordem) no esforço soicitante fina. Convém embrar que ainda existem soicitações adicionais provenientes do comportamento não inear com concreto armado e da fuência que age sobre o efeito da carga permanente. Outro fator de grande importância é a esbetez do piar (índice de esbetez λ), que pode ser notado através da expressão a 2, pois quanto maior for o λ, maior será o momento de segunda ordem 2. Considere-se, no exempo visto anteriormente, o efeito da variação da seção transversa de 25 x 25 cm até 90 x 90 cm. A figura a seguir apresenta os resutados obtidos: ( + 2) / a 2 2,0,8,6,4,2, λ 23 24

14 Nota-se que o efeito de segunda ordem é desprezíve para vaores de até em torno de 40 e que a partir deste vaor a sua infuência é cada vez maior. Assim, para efeito de um método de verificação e de cácuo, a NBR 68 propõe a seguinte cassificação dos piares em função do índice de esbetez: - Piar Curto: para λ 40; pode-se desprezar o efeito de segunda ordem e fuência; - Piar edianamente Esbeto: para 40 λ 80; o efeito de segunda ordem deve der considerado (podendo-se utiizar o método do piar padrão) e pode-se desprezar o efeito da fuência; - Piar Esbeto: para 80 λ 40; o efeito de segunda ordem deve der considerado (podendo-se utiizar o método do piar padrão) e deve-se considerar o efeito da fuência (podendo ser estimada através de uma excentricidade compementar equivaente); - Piar uito Esbeto: para 40 λ 200; o efeito de segunda ordem e a fuência devem ser considerados e cacuados de forma rigorosa, aém disso o coeficiente de ponderação das ações deve der majorado, passando a vaer: Tipos de Piares -Piares de canto: situados junto aos cantos do piso; para situação de projeto considera-se como esforços soicitantes a força norma (N) de compressão e dois momentos fetores ( x e y ), atuando segundo os panos constituídos peo piar e por cada uma das vigas nee apoiadas; normamente o conjunto de vaores (N, x e y ) é substituído por (N), (e ix x /N) e (e iy y /N). Situação de cácuo A situação de cácuo corresponde à verificação do estado imite útimo (ELU) de cada seção do piar; aos esforços provenientes da situação de projeto são acrescentados os seguintes efeitos: - A indefinição do ponto de apicação da força norma e o desaprumo do piar que podem ser considerados através da chamada excentricidade acidenta e a estimada, conforme a NBR 68 por e a 2 cm ou h/30, com h sendo a dimensão do piar segundo a dimensão considerada; - Os efeitos de segunda ordem quando λ 40 que podem ser considerados através da excentricidade e 2. Esta excentricidade pode ser estimada, para piares medianamente esbetos, através do método do piar padrão. As hipóteses admitidas neste método são: Normamente, os piares de edifícios podem ser agrupados em dois conjuntos: - Piares de Contraventamento: são aquees que, devido à sua grande rigidez, permitem considerar os diversos pisos do edifício como, praticamente, indesocáveis (caixas de eevadores, piares enrigecidos); o seu cácuo exige sua consideração como um todo; - Piares contraventados: são constituídos peos piares menos rígidos, onde as extremidades de cada ance podem ser consideradas indesocáveis, graças aos piares de contraventamento; seu cácuo pode ser feito de feito de forma isoada em cada ance. Os piares contraventos podem ser agrupados nos seguintes tipos: -Piares internos: situados internamente ao piso; para situação de projeto considera-se como esforço soicitante a fornça norma (N) de compressão; -Piares de estremidade: situados nas bordas do piso; para situação de projeto, considera-se como esforços soicitantes a força norma (N) de compressão e o momento fetor (), atuando segundo o pano constituído peo piar e pea viga; este par de esforços normamente é substituído por (N) e (e i /N). - Seção constante do piar (incusive armadura); - Configuração fetida de forma senoida. P e 2 y d r dx ε dx ε dx 25 26

15 Conforme a figura anterior, temos: ( ) o ( ) y e 2 sen πx ; ý e 2 sen πx ; ÿ - π ² e 2 sen πx - π ² y o o o o Situação de projeto e y h y e x N d Com ou - ÿ r tem-se, para a seção do meio do vão o ² e 2 / r ( π / o )² π² r ( o ) π ² e 2 r Por outro ado, sendo /r (ε co + ε o )/d, a NBR 68 permite considerar piares medianamente esbetos e esbetos: h y e y e y h x e x eax ex e 2x h x Nd h y e 2 y e y e ay e y e y e y N d r 0, f yd / E s h [( υ d + 0,5 )p ] Situação de cácuo h x Situação de cácuo 2 onde E s 2000 kn/cm² e υ d N d / A c f cd O comprimento de fambagem do piar ( o ) é tomado aproximadamente igua ao pé direito, pois as extremidades de cada ance do piar podem ser consideradas indesocáveis. Os efeitos de fuência (quando λ > 80) podem der considerados através da excentricidade compementar equivaente e o. Dimensionamento da Seção Retanguar (armadura simétrica) Costuma-se dimensionar uma seção retanguar com armadura simétrica considerando-se a mais crítica entre as situações de projeto indicadas na figura a seguir. No caso gera (piar de canto), tem-se duas situações de cácuo sujeitas a fexão composta obíqua (FCO); da situação resuta a taxa mecânica ω e da situação 2, ω 2 ; a maior destas taxas define a armadura da seção. Estas situações de cácuo são obtidas através do desocamento máximo do ponto de apicação da força norma segundo h x (situação ) e, segundo h y (situação 2). Para piares internos, tem-se duas situações de cácuo sujeitas a fexão composta norma (FCN). Nos piares de extremidade resutam uma FCN e uma FCO. Nesta útima situação, pode-se, em gera, desprezar a excentricidade inicia resutando, então, dois dimensionamentos a FCN. 27 Dimensões ínimas Para a seção retanguar de dimensões h x h y seja b o menor dos ados e h o maior. recomenda-se: b 20 cm e o /25, onde o é o pé direito ivre. Neste caso, toma-se γ f,4. Excepcionamente 2 cm b 20 cm e h 60 cm, devendo-se utiizar, neste caso, γ f,8. Recomenda-se que a armadura tenha distribuição simétrica e que sua taxa geométrica (ρ) obedeça a seguinte condição: onde ρ min ρ A s / A o ρ max ρ max 3% (6% nas emendas) ρ min 0,8% se λ > 30 ρ min 0,5% se λ 30 28

16 Disposições Construtivas, Bitoas e Espaçamentos h y s s t b < h As disposições construtivas, bitoas e espaçamentos apresentados na figura acima estão assim convencionados: 0 ρ b/0 ; 4 cm ou 4 φ t s 40 cm ; φ t 5 ; 7cm s 30 cm b 2 φ t 90 φ² t / φ CA50A Travamentos Adicionais na Seção transversa A possibiidade de fambagem das armaduras é inibida peos estribos que introduzem pontos de travamento, a cada distância s t. Este travamento é integra junto aos cantos, mas travamentos adicionais a cada 20 φ t, são necessários nas seções aongadas. 29

2.1 O Comportamento Estrutural

2.1 O Comportamento Estrutural 2 Vigas As vigas consistem basicamente de barras, contínuas ou não, com eixo reto ou curvo, equiibradas por um sistema de apoios, de modo a garantir que essas barras sejam, no mínimo, isostáticas. Estão

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5 CÁLCULO DOS ESFORÇOS NAS LAJES. Cassiicação das ajes As ajes se cassiicam em dois grupos: a) Lajes armadas numa única direção, quando a reação entre o maior e o menor vão é maior do que. Cacuam-se como

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES (OUTRA APRESENTAÇÃO) Prof. Almir Schäffer PORTO ALEGRE

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II

Estruturas de Betão Armado II Estruturas de Betão Armado II A. P. Ramos Set. 006 ANÁLISE ELÁSTICA DOS ESFORÇOS Métodos de anáise eástica dos esforços: Métodos anaíticos Séries de Fourier Métodos numéricos: - Diferenças Finitas - Eementos

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo 25 setembro 2003 ADERÊNCIA E ANCORAGEM Aderência (bond, em ingês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civi Discipina: 188 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA LAJES DE CONCRETO Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN CENTRO TECNOLÓGICO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL ECV 5 - NÁLISE ESTRUTURL II Prof a Henriette Lebre La Rovere, Ph.D. Prof a Poiana Dias de Moraes, Dr Forianópois, fevereiro

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenharia Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 3 HIPÓTESES DE CÁLCULO) Prof. Estela

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Concepção Estrutural de Edifícios

Concepção Estrutural de Edifícios de maneira geral, uma construção é concebida para atender a determinadas finalidades. a sua implantação envolve a utilização dos mais diversos materiais: o concreto armado, as alvenarias de tijolos ou

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES UNESP - Bauru/SP 1309 - Estruturas de Concreto II Vigas de Edifícios 1 VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO O texto seguinte apresenta vários itens da NBR 6118/2003 reativos às vigas contínuas de edifícios.

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 6 maio 2003 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES As estruturas de concreto armado devem ser projetadas de modo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES 338 Curso de Concreto Armado 1. Lajes retangulares apoiadas no contorno As tabelas A2.1 a A2.6 correspondem a lajes retangulares apoiadas ao longo de todo o contorno

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas ANÁLISE DE LAJES RETANGULARES À FLEXÃO CONSIDERANDO O ACRÉSCIMO DE ARMADURA

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE DIMENSIONAMENTO LAJES PRÉ-FABRICADAS PROTENDIDAS

UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE DIMENSIONAMENTO LAJES PRÉ-FABRICADAS PROTENDIDAS AJES PRÉ-FABRICADAS PROTENDIDAS www.tatu.com.br info@tatu.com.br Via Anhanguera, Km15 CEP 1480-70 Caixa Postal 41 imeira/sp Tel. (1) 446-000 Fax (1) 446-004 UTIIZAÇÃO DE TABEAS DE DIMENSIONAMENTO AJE PRÉ-FABRICADA

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenahria Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 2 AÇÕES E SOLICITAÇÕES) Prof. Estela

Leia mais

h = comprimento de flambagem nas duas direções

h = comprimento de flambagem nas duas direções Pilares Como se sabe, o pilar é uma barra submetida predominantemente a compressão axial. Em alguns casos, entretanto, os pilares podem ficar submetidos, além do esforço de compressão axial, ao esforço

Leia mais

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES Tabela. FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES β x c = d k c = bd M (cm / kn) C0 C5 C0 C5 C30 C35 C40 C45 d 0,0 03, 69, 5,9 4,5 34,6 9,7 5,9 3, 0, 0,046 0,03 0,09 0,04 5,3 34,9 6, 0,9 7,4

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Tensão para a qual ocorre a deformação de 0,2%

Tensão para a qual ocorre a deformação de 0,2% O QUE É DIMENSIONAR UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO? Dimensionar uma estrutura de concreto armado é determinar a seção de concreto (formas) e de aço (armadura) tal que: a estrutura não entre em colapso

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

CAPÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL I. ASECTOS GERAIS CAÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL O cisalhamento convencional é adotado em casos especiais, que é a ligação de peças de espessura pequena. Considera-se inicialmente um sistema formado

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

ANÁLISE E CÁLCULO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

ANÁLISE E CÁLCULO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Paulo Reiser dos Santos ANÁLISE E CÁLCULO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES

COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES Projeto Final de Curso apresentado ao corpo docente do Departamento

Leia mais

UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA NA FLEXÃO COMPOSTA COM BASE NA NBR 6118:2014. Raphael Moretti Barbosa Cerutti

UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA NA FLEXÃO COMPOSTA COM BASE NA NBR 6118:2014. Raphael Moretti Barbosa Cerutti UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA NA FLEXÃO COMPOSTA COM BASE NA NBR 6118:2014 Raphael Moretti Barbosa Cerutti Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Civil da

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais