FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS MULTIPLUS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus."

Transcrição

1 Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and São Paulo - SP Hot Line: (11) SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and São Paulo - SP Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and São Paulo - SP Hot Line: (11) SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and São Paulo - SP

2 Índice Índice 1. Fundações Isoladas Sapatas Isoladas Tensões Sobre o Terreno Estados de Equilíbrio Estados de Concreto Sapata Contínua sob o Muro Vigas de Fundação Vigas de Travamento Blocos Sobre Estacas Critérios de Cálculo Critérios de Sinais Considerações de Cálculo e Geometria Placas de Ancoragem Sapatas de Concreto em Massa Cálculo de Sapatas como Sólido Rígido Cálculo de Sapata como Estrutura de Concreto em Massa Listagem de Comprovações Descrição do Programa Menu Dados da Obra Materiais Modelo de Lançamento Edição das Armaduras Começando uma Obra Nova A Janela Dados Gerais Introdução dos Pilares Formas de se Entrar os Pilares no CYPECAD As Máscaras DXF Inserindo o Primeiro Pilar Conceito de Ponto Fixo Ajustar o Pilar para a Posição Correta Alterando Pilares Fundações Sapatas Opções Gerais Armadura Perimetral Sapata Quadrada Sapata Retangular Centrada Sapata Retangular Excêntrica Sapata Piramidal Rigidez Combinadas Incremento Tensões Terreno Fundações Isoladas Sapatas Isoladas Tensões Sobre o Terreno Estados de Equilíbrio Estados de Concreto Sapata Contínua sob o Muro Vigas de Fundação Vigas de Travamento Blocos Sobre Estacas Critérios de Cálculo Critérios de Sinais Considerações de Cálculo e Geometria Placas de Ancoragem Sapatas de Concreto em Massa Cálculo de Sapatas como Sólido Rígido Cálculo de Sapata como Estrutura de Concreto em Massa Listagem de Comprovações Descrição do Programa Menu Dados da Obra Materiais Modelo de Lançamento Edição das Armaduras Começando uma Obra Nova A Janela Dados Gerais Introdução dos Pilares Formas de se Entrar os Pilares no CYPECAD As Máscaras DXF Inserindo o Primeiro Pilar Conceito de Ponto Fixo Ajustar o Pilar para a Posição Correta Alterando Pilares Fundações Sapatas Opções Gerais Armadura Perimetral Sapata Quadrada Sapata Retangular Centrada Sapata Retangular Excêntrica Sapata Piramidal Rigidez Combinadas Incremento Tensões Terreno 49 - /controle/acesso.asp tel.: /controle/acesso.asp tel.: Índice Índice 1. Fundações Isoladas Sapatas Isoladas Tensões Sobre o Terreno Estados de Equilíbrio Estados de Concreto Sapata Contínua sob o Muro Vigas de Fundação Vigas de Travamento Blocos Sobre Estacas Critérios de Cálculo Critérios de Sinais Considerações de Cálculo e Geometria Placas de Ancoragem Sapatas de Concreto em Massa Cálculo de Sapatas como Sólido Rígido Cálculo de Sapata como Estrutura de Concreto em Massa Listagem de Comprovações Descrição do Programa Menu Dados da Obra Materiais Modelo de Lançamento Edição das Armaduras Começando uma Obra Nova A Janela Dados Gerais Introdução dos Pilares Formas de se Entrar os Pilares no CYPECAD As Máscaras DXF Inserindo o Primeiro Pilar Conceito de Ponto Fixo Ajustar o Pilar para a Posição Correta Alterando Pilares Fundações Sapatas Opções Gerais Armadura Perimetral Sapata Quadrada Sapata Retangular Centrada Sapata Retangular Excêntrica Sapata Piramidal Rigidez Combinadas Incremento Tensões Terreno Fundações Isoladas Sapatas Isoladas Tensões Sobre o Terreno Estados de Equilíbrio Estados de Concreto Sapata Contínua sob o Muro Vigas de Fundação Vigas de Travamento Blocos Sobre Estacas Critérios de Cálculo Critérios de Sinais Considerações de Cálculo e Geometria Placas de Ancoragem Sapatas de Concreto em Massa Cálculo de Sapatas como Sólido Rígido Cálculo de Sapata como Estrutura de Concreto em Massa Listagem de Comprovações Descrição do Programa Menu Dados da Obra Materiais Modelo de Lançamento Edição das Armaduras Começando uma Obra Nova A Janela Dados Gerais Introdução dos Pilares Formas de se Entrar os Pilares no CYPECAD As Máscaras DXF Inserindo o Primeiro Pilar Conceito de Ponto Fixo Ajustar o Pilar para a Posição Correta Alterando Pilares Fundações Sapatas Opções Gerais Armadura Perimetral Sapata Quadrada Sapata Retangular Centrada Sapata Retangular Excêntrica Sapata Piramidal Rigidez Combinadas Incremento Tensões Terreno 49 - /controle/acesso.asp tel.: /controle/acesso.asp tel.:

3 Índice Índice Tabelas de Armaduras de Sapatas Lançamento das Sapatas Tipos de Sapatas Vigas Alavancas Tabela de Armadura Cálculo de Sapatas Armadura em 3D Blocos Bloco de 1 Estaca Vigas de Blocos Vigas e Malhas Armadura Perimetral Lançamento de Blocos Seleção de Estaca Tipo de Blocos Vigas Alavancas e Travamento Viga de Travamento Tabela de Armadura Armadura em 3D Tabelas de Armaduras de Sapatas Lançamento das Sapatas Tipos de Sapatas Vigas Alavancas Tabela de Armadura Cálculo de Sapatas Armadura em 3D Blocos Bloco de 1 Estaca Vigas de Blocos Vigas e Malhas Armadura Perimetral Lançamento de Blocos Seleção de Estaca Tipo de Blocos Vigas Alavancas e Travamento Viga de Travamento Tabela de Armadura Armadura em 3D 84 - /controle/acesso.asp tel.: /controle/acesso.asp tel.: Índice Índice Tabelas de Armaduras de Sapatas Lançamento das Sapatas Tipos de Sapatas Vigas Alavancas Tabela de Armadura Cálculo de Sapatas Armadura em 3D Blocos Bloco de 1 Estaca Vigas de Blocos Vigas e Malhas Armadura Perimetral Lançamento de Blocos Seleção de Estaca Tipo de Blocos Vigas Alavancas e Travamento Viga de Travamento Tabela de Armadura Armadura em 3D Tabelas de Armaduras de Sapatas Lançamento das Sapatas Tipos de Sapatas Vigas Alavancas Tabela de Armadura Cálculo de Sapatas Armadura em 3D Blocos Bloco de 1 Estaca Vigas de Blocos Vigas e Malhas Armadura Perimetral Lançamento de Blocos Seleção de Estaca Tipo de Blocos Vigas Alavancas e Travamento Viga de Travamento Tabela de Armadura Armadura em 3D 84 - /controle/acesso.asp tel.: /controle/acesso.asp tel.:

4 1. Fundações Isoladas 1. Fundações Isoladas Neste manual indicam-se as considerações gerais tidas em conta para a verificação e dimensionamento dos elementos de fundação definíveis em CYPECAD sob elementos de suporte verticais do edifício definidos com vinculação exterior. Recorde que pode calcular simultaneamente com o resto da estrutura ou de forma independente. Como são elementos com vinculação exterior, não têm assentamentos, logo não influem no cálculo da estrutura. Dado que se podem calcular de forma independente, não esqueça que pode fazer modificações na estrutura sem que isso implique afetar a fundação. Também é possível utilizá-la como um editor, pelo que poderá introduzir elementos de fundação sem calcular, e obter desenhos e medições Sapatas isoladas CYPECAD efetua o cálculo de sapatas de concreto armado e em massa (consulte o ponto 1.7. Sapatas de concreto armado em massa deste manual). Sendo o tipo de sapatas a resolver os seguintes: Sapatas de altura constante Sapatas de altura variável ou piramidais Em planta classificam-se em: Quadradas Retangulares centradas Retangulares excêntricas (caso particular: medianeiras e de canto). Cada sapata pode ser fundação de um número ilimitado de elementos de suporte (pilares, paredes e muros) em qualquer posição. As cargas transmitidas pelos elementos de suporte transportam-se ao centro da sapata obtendo a sua resultante. Os esforços transmitidos podem ser: N: axial Mx : momento x My : momento y Qx : esforço cortante x Qy : esforço cortante y T: torsor 1 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Neste manual indicam-se as considerações gerais tidas em conta para a verificação e dimensionamento dos elementos de fundação definíveis em CYPECAD sob elementos de suporte verticais do edifício definidos com vinculação exterior. Recorde que pode calcular simultaneamente com o resto da estrutura ou de forma independente. Como são elementos com vinculação exterior, não têm assentamentos, logo não influem no cálculo da estrutura. Dado que se podem calcular de forma independente, não esqueça que pode fazer modificações na estrutura sem que isso implique afetar a fundação. Também é possível utilizá-la como um editor, pelo que poderá introduzir elementos de fundação sem calcular, e obter desenhos e medições Sapatas isoladas CYPECAD efetua o cálculo de sapatas de concreto armado e em massa (consulte o ponto 1.7. Sapatas de concreto armado em massa deste manual). Sendo o tipo de sapatas a resolver os seguintes: Sapatas de altura constante Sapatas de altura variável ou piramidais Em planta classificam-se em: Quadradas Retangulares centradas Retangulares excêntricas (caso particular: medianeiras e de canto). Cada sapata pode ser fundação de um número ilimitado de elementos de suporte (pilares, paredes e muros) em qualquer posição. As cargas transmitidas pelos elementos de suporte transportam-se ao centro da sapata obtendo a sua resultante. Os esforços transmitidos podem ser: N: axial Mx : momento x My : momento y Qx : esforço cortante x Qy : esforço cortante y T: torsor 1 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Fundações Isoladas 1. Fundações Isoladas Neste manual indicam-se as considerações gerais tidas em conta para a verificação e dimensionamento dos elementos de fundação definíveis em CYPECAD sob elementos de suporte verticais do edifício definidos com vinculação exterior. Recorde que pode calcular simultaneamente com o resto da estrutura ou de forma independente. Como são elementos com vinculação exterior, não têm assentamentos, logo não influem no cálculo da estrutura. Dado que se podem calcular de forma independente, não esqueça que pode fazer modificações na estrutura sem que isso implique afetar a fundação. Também é possível utilizá-la como um editor, pelo que poderá introduzir elementos de fundação sem calcular, e obter desenhos e medições Sapatas isoladas CYPECAD efetua o cálculo de sapatas de concreto armado e em massa (consulte o ponto 1.7. Sapatas de concreto armado em massa deste manual). Sendo o tipo de sapatas a resolver os seguintes: Sapatas de altura constante Sapatas de altura variável ou piramidais Em planta classificam-se em: Quadradas Retangulares centradas Retangulares excêntricas (caso particular: medianeiras e de canto). Cada sapata pode ser fundação de um número ilimitado de elementos de suporte (pilares, paredes e muros) em qualquer posição. As cargas transmitidas pelos elementos de suporte transportam-se ao centro da sapata obtendo a sua resultante. Os esforços transmitidos podem ser: N: axial Mx : momento x My : momento y Qx : esforço cortante x Qy : esforço cortante y T: torsor 1 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Neste manual indicam-se as considerações gerais tidas em conta para a verificação e dimensionamento dos elementos de fundação definíveis em CYPECAD sob elementos de suporte verticais do edifício definidos com vinculação exterior. Recorde que pode calcular simultaneamente com o resto da estrutura ou de forma independente. Como são elementos com vinculação exterior, não têm assentamentos, logo não influem no cálculo da estrutura. Dado que se podem calcular de forma independente, não esqueça que pode fazer modificações na estrutura sem que isso implique afetar a fundação. Também é possível utilizá-la como um editor, pelo que poderá introduzir elementos de fundação sem calcular, e obter desenhos e medições Sapatas isoladas CYPECAD efetua o cálculo de sapatas de concreto armado e em massa (consulte o ponto 1.7. Sapatas de concreto armado em massa deste manual). Sendo o tipo de sapatas a resolver os seguintes: Sapatas de altura constante Sapatas de altura variável ou piramidais Em planta classificam-se em: Quadradas Retangulares centradas Retangulares excêntricas (caso particular: medianeiras e de canto). Cada sapata pode ser fundação de um número ilimitado de elementos de suporte (pilares, paredes e muros) em qualquer posição. As cargas transmitidas pelos elementos de suporte transportam-se ao centro da sapata obtendo a sua resultante. Os esforços transmitidos podem ser: N: axial Mx : momento x My : momento y Qx : esforço cortante x Qy : esforço cortante y T: torsor 1 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

5 As ações consideradas podem ser: Permanente, Sobrecarga, Vento, Neve e Sismo. Os estados a verificar são: Tensões sobre o terreno Equilíbrio Concreto (flexão e esforço cortante) Pode-se realizar um dimensionamento a partir das dimensões por padrão definidas nas opções do programa, ou de umas dimensões dadas. Também se pode simplesmente obter a armadura a partir de uma determinada geometria. A verificação consiste em verificar os aspectos normativos da geometria e armadura de uma sapata Tensões sobre o terreno Supõe-se um diagrama de deformação plana para a sapata, pelo que se obterão, em função dos esforços, uns diagramas de tensões sobre o terreno de forma trapezoidal. Não se admitem trações, pelo que, quando a resultante sair do núcleo central, aparecerão zonas sem tensão. A resultante deve ficar dentro da sapata, pois de outra forma não haveria equilíbrio. Considera-se o peso próprio da sapata. Verifica-se que: A tensão média não supere a do terreno. A tensão máxima no bordo não supere numa % a média segundo o tipo de combinação: - gravitacional: 25% - com vento: 33% - com sismo: 50% 2 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As ações consideradas podem ser: Permanente, Sobrecarga, Vento, Neve e Sismo. Os estados a verificar são: Tensões sobre o terreno Equilíbrio Concreto (flexão e esforço cortante) Pode-se realizar um dimensionamento a partir das dimensões por padrão definidas nas opções do programa, ou de umas dimensões dadas. Também se pode simplesmente obter a armadura a partir de uma determinada geometria. A verificação consiste em verificar os aspectos normativos da geometria e armadura de uma sapata Tensões sobre o terreno Supõe-se um diagrama de deformação plana para a sapata, pelo que se obterão, em função dos esforços, uns diagramas de tensões sobre o terreno de forma trapezoidal. Não se admitem trações, pelo que, quando a resultante sair do núcleo central, aparecerão zonas sem tensão. A resultante deve ficar dentro da sapata, pois de outra forma não haveria equilíbrio. Considera-se o peso próprio da sapata. Verifica-se que: A tensão média não supere a do terreno. A tensão máxima no bordo não supere numa % a média segundo o tipo de combinação: - gravitacional: 25% - com vento: 33% - com sismo: 50% 2 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As ações consideradas podem ser: Permanente, Sobrecarga, Vento, Neve e Sismo. Os estados a verificar são: Tensões sobre o terreno Equilíbrio Concreto (flexão e esforço cortante) Pode-se realizar um dimensionamento a partir das dimensões por padrão definidas nas opções do programa, ou de umas dimensões dadas. Também se pode simplesmente obter a armadura a partir de uma determinada geometria. A verificação consiste em verificar os aspectos normativos da geometria e armadura de uma sapata Tensões sobre o terreno Supõe-se um diagrama de deformação plana para a sapata, pelo que se obterão, em função dos esforços, uns diagramas de tensões sobre o terreno de forma trapezoidal. Não se admitem trações, pelo que, quando a resultante sair do núcleo central, aparecerão zonas sem tensão. A resultante deve ficar dentro da sapata, pois de outra forma não haveria equilíbrio. Considera-se o peso próprio da sapata. Verifica-se que: A tensão média não supere a do terreno. A tensão máxima no bordo não supere numa % a média segundo o tipo de combinação: - gravitacional: 25% - com vento: 33% - com sismo: 50% 2 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As ações consideradas podem ser: Permanente, Sobrecarga, Vento, Neve e Sismo. Os estados a verificar são: Tensões sobre o terreno Equilíbrio Concreto (flexão e esforço cortante) Pode-se realizar um dimensionamento a partir das dimensões por padrão definidas nas opções do programa, ou de umas dimensões dadas. Também se pode simplesmente obter a armadura a partir de uma determinada geometria. A verificação consiste em verificar os aspectos normativos da geometria e armadura de uma sapata Tensões sobre o terreno Supõe-se um diagrama de deformação plana para a sapata, pelo que se obterão, em função dos esforços, uns diagramas de tensões sobre o terreno de forma trapezoidal. Não se admitem trações, pelo que, quando a resultante sair do núcleo central, aparecerão zonas sem tensão. A resultante deve ficar dentro da sapata, pois de outra forma não haveria equilíbrio. Considera-se o peso próprio da sapata. Verifica-se que: A tensão média não supere a do terreno. A tensão máxima no bordo não supere numa % a média segundo o tipo de combinação: - gravitacional: 25% - com vento: 33% - com sismo: 50% 2 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

6 Estes valores são opcionais e modificáveis. Estes valores são opcionais e modificáveis Estados de Equilíbrio Estados de Equilíbrio Aplicando as combinações de estado limite correspondentes, verifica-se que a resultante fica dentro da sapata. O excesso referente ao coeficiente de segurança expressa-se através do conceito % de reserva de segurança: Se for zero, o equilíbrio é o estrito, e se for grande, indica que se encontra muito do lado da segurança em relação ao equilíbrio. Aplicando as combinações de estado limite correspondentes, verifica-se que a resultante fica dentro da sapata. O excesso referente ao coeficiente de segurança expressa-se através do conceito % de reserva de segurança: Se for zero, o equilíbrio é o estrito, e se for grande, indica que se encontra muito do lado da segurança em relação ao equilíbrio Estados de Concreto Estados de Concreto 3 Deve-se verificar a flexão da sapata e as tensões tangenciais. Momentos fletores No caso de pilar único, verifica-se com a seção de referência situada a 0.15 da dimensão do pilar para o seu interior. Se houver vários elementos de suporte, faz-se uma análise, calculando momentos em muitas seções ao longo de toda a sapata. Efetua-se em ambas direções x e y, com pilares metálicos e placa de ancoragem, no ponto médio entre bordo de placa e perfil. Esforços cortantes A seção de referência situa-se a uma altura útil dos bordos do elemento de suporte. Se houver vários, poderiam emendar-se as seções por proximidade, Deve-se verificar a flexão da sapata e as tensões tangenciais. Momentos fletores No caso de pilar único, verifica-se com a seção de referência situada a 0.15 da dimensão do pilar para o seu interior. Se houver vários elementos de suporte, faz-se uma análise, calculando momentos em muitas seções ao longo de toda a sapata. Efetua-se em ambas direções x e y, com pilares metálicos e placa de ancoragem, no ponto médio entre bordo de placa e perfil. Esforços cortantes A seção de referência situa-se a uma altura útil dos bordos do elemento de suporte. Se houver vários, poderiam emendar-se as seções por proximidade, 3 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) Estes valores são opcionais e modificáveis. Estes valores são opcionais e modificáveis Estados de Equilíbrio Estados de Equilíbrio Aplicando as combinações de estado limite correspondentes, verifica-se que a resultante fica dentro da sapata. O excesso referente ao coeficiente de segurança expressa-se através do conceito % de reserva de segurança: Se for zero, o equilíbrio é o estrito, e se for grande, indica que se encontra muito do lado da segurança em relação ao equilíbrio. Aplicando as combinações de estado limite correspondentes, verifica-se que a resultante fica dentro da sapata. O excesso referente ao coeficiente de segurança expressa-se através do conceito % de reserva de segurança: Se for zero, o equilíbrio é o estrito, e se for grande, indica que se encontra muito do lado da segurança em relação ao equilíbrio Estados de Concreto Estados de Concreto 3 Deve-se verificar a flexão da sapata e as tensões tangenciais. Momentos fletores No caso de pilar único, verifica-se com a seção de referência situada a 0.15 da dimensão do pilar para o seu interior. Se houver vários elementos de suporte, faz-se uma análise, calculando momentos em muitas seções ao longo de toda a sapata. Efetua-se em ambas direções x e y, com pilares metálicos e placa de ancoragem, no ponto médio entre bordo de placa e perfil. Esforços cortantes A seção de referência situa-se a uma altura útil dos bordos do elemento de suporte. Se houver vários, poderiam emendar-se as seções por proximidade, Deve-se verificar a flexão da sapata e as tensões tangenciais. Momentos fletores No caso de pilar único, verifica-se com a seção de referência situada a 0.15 da dimensão do pilar para o seu interior. Se houver vários elementos de suporte, faz-se uma análise, calculando momentos em muitas seções ao longo de toda a sapata. Efetua-se em ambas direções x e y, com pilares metálicos e placa de ancoragem, no ponto médio entre bordo de placa e perfil. Esforços cortantes A seção de referência situa-se a uma altura útil dos bordos do elemento de suporte. Se houver vários, poderiam emendar-se as seções por proximidade, 3 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

7 emitindo-se um aviso. Ancoragem das armaduras Verifica-se a ancoragem nos extremos das armaduras, colocando as dobras correspondentes se for o caso e segundo a sua posição. Alturas mínimas Verifica-se a altura mínima que a norma especificar. emitindo-se um aviso. Ancoragem das armaduras Verifica-se a ancoragem nos extremos das armaduras, colocando as dobras correspondentes se for o caso e segundo a sua posição. Alturas mínimas Verifica-se a altura mínima que a norma especificar. Separação de armaduras Verifica-se as separações mínimas entre armaduras da norma, que no caso de dimensionamento, considera-se um mínimo prático de 10 cm. Quantidades mínimas e máximas Verifica-se o cumprimento das quantidades mínimas, mecânicas e geométricas que a norma especificar. Diâmetros mínimos Verifica-se que o diâmetro seja pelo menos os mínimos indicados na norma. Dimensionamento O dimensionamento à flexão obriga a dispor alturas para que não seja necessária armadura de compressão. O dimensionamento ao esforço cortante, igualmente, para não ter de colocar reforço transversal. Verificação à compressão oblíqua Realiza-se no bordo de apoio, não permitindo superar a tensão no concreto por rotura à compressão oblíqua. Dependendo do tipo de elemento de suporte, pondera-se o axial do elemento de suporte por: Elementos de suporte interiores: 1.1 Elementos de suporte medianeiros: 1.4 Elementos de suporte de canto: 1.5 Para ter em conta o efeito da excentricidade das cargas. 4 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Separação de armaduras Verifica-se as separações mínimas entre armaduras da norma, que no caso de dimensionamento, considera-se um mínimo prático de 10 cm. Quantidades mínimas e máximas Verifica-se o cumprimento das quantidades mínimas, mecânicas e geométricas que a norma especificar. Diâmetros mínimos Verifica-se que o diâmetro seja pelo menos os mínimos indicados na norma. Dimensionamento O dimensionamento à flexão obriga a dispor alturas para que não seja necessária armadura de compressão. O dimensionamento ao esforço cortante, igualmente, para não ter de colocar reforço transversal. Verificação à compressão oblíqua Realiza-se no bordo de apoio, não permitindo superar a tensão no concreto por rotura à compressão oblíqua. Dependendo do tipo de elemento de suporte, pondera-se o axial do elemento de suporte por: Elementos de suporte interiores: 1.1 Elementos de suporte medianeiros: 1.4 Elementos de suporte de canto: 1.5 Para ter em conta o efeito da excentricidade das cargas. 4 /controle/acesso.asp Tel.: (11) emitindo-se um aviso. Ancoragem das armaduras Verifica-se a ancoragem nos extremos das armaduras, colocando as dobras correspondentes se for o caso e segundo a sua posição. Alturas mínimas Verifica-se a altura mínima que a norma especificar. emitindo-se um aviso. Ancoragem das armaduras Verifica-se a ancoragem nos extremos das armaduras, colocando as dobras correspondentes se for o caso e segundo a sua posição. Alturas mínimas Verifica-se a altura mínima que a norma especificar. Separação de armaduras Verifica-se as separações mínimas entre armaduras da norma, que no caso de dimensionamento, considera-se um mínimo prático de 10 cm. Quantidades mínimas e máximas Verifica-se o cumprimento das quantidades mínimas, mecânicas e geométricas que a norma especificar. Diâmetros mínimos Verifica-se que o diâmetro seja pelo menos os mínimos indicados na norma. Dimensionamento O dimensionamento à flexão obriga a dispor alturas para que não seja necessária armadura de compressão. O dimensionamento ao esforço cortante, igualmente, para não ter de colocar reforço transversal. Verificação à compressão oblíqua Realiza-se no bordo de apoio, não permitindo superar a tensão no concreto por rotura à compressão oblíqua. Dependendo do tipo de elemento de suporte, pondera-se o axial do elemento de suporte por: Elementos de suporte interiores: 1.1 Elementos de suporte medianeiros: 1.4 Elementos de suporte de canto: 1.5 Para ter em conta o efeito da excentricidade das cargas. 4 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Separação de armaduras Verifica-se as separações mínimas entre armaduras da norma, que no caso de dimensionamento, considera-se um mínimo prático de 10 cm. Quantidades mínimas e máximas Verifica-se o cumprimento das quantidades mínimas, mecânicas e geométricas que a norma especificar. Diâmetros mínimos Verifica-se que o diâmetro seja pelo menos os mínimos indicados na norma. Dimensionamento O dimensionamento à flexão obriga a dispor alturas para que não seja necessária armadura de compressão. O dimensionamento ao esforço cortante, igualmente, para não ter de colocar reforço transversal. Verificação à compressão oblíqua Realiza-se no bordo de apoio, não permitindo superar a tensão no concreto por rotura à compressão oblíqua. Dependendo do tipo de elemento de suporte, pondera-se o axial do elemento de suporte por: Elementos de suporte interiores: 1.1 Elementos de suporte medianeiros: 1.4 Elementos de suporte de canto: 1.5 Para ter em conta o efeito da excentricidade das cargas. 4 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

8 Dimensionam-se sempre sapatas rígidas, embora na verificação apenas se avisa do seu não cumprimento, se for o caso (balanço/altura =2). No dimensionamento de sapatas com vários elementos de suporte, limita-se a esbelteza a 8, sendo a esbelteza a relação entre o vão entre elementos de suporte dividido pela altura da sapata. Dispõe-se de umas opções de dimensionamento de maneira que o utilizador possa escolher a forma de crescimento da sapata, ou fixando alguma dimensão, em função do tipo de sapata. Obviamente, os resultados podem ser diferentes, conforme a opção selecionada. Quando o diagrama de tensões não ocupar toda a sapata, podem aparecer trações na face superior pelo peso da sapata em balanço, colocando-se uma armadura superior se for necessário. Dimensionam-se sempre sapatas rígidas, embora na verificação apenas se avisa do seu não cumprimento, se for o caso (balanço/altura =2). No dimensionamento de sapatas com vários elementos de suporte, limita-se a esbelteza a 8, sendo a esbelteza a relação entre o vão entre elementos de suporte dividido pela altura da sapata. Dispõe-se de umas opções de dimensionamento de maneira que o utilizador possa escolher a forma de crescimento da sapata, ou fixando alguma dimensão, em função do tipo de sapata. Obviamente, os resultados podem ser diferentes, conforme a opção selecionada. Quando o diagrama de tensões não ocupar toda a sapata, podem aparecer trações na face superior pelo peso da sapata em balanço, colocando-se uma armadura superior se for necessário Sapata Contínua Sob o Muro O programa calcula sapatas contínuas de concreto armado sob o muro. Este tipo de sapata contínua sob o muro pode-se utilizar em muros de suporte e muros de cave de edifícios, ou muros de carga. Há três tipos de sapatas: Com balanços em ambos os lados 1.2. Sapata Contínua Sob o Muro O programa calcula sapatas contínuas de concreto armado sob o muro. Este tipo de sapata contínua sob o muro pode-se utilizar em muros de suporte e muros de cave de edifícios, ou muros de carga. Há três tipos de sapatas: Com balanços em ambos os lados 5 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) Dimensionam-se sempre sapatas rígidas, embora na verificação apenas se avisa do seu não cumprimento, se for o caso (balanço/altura =2). No dimensionamento de sapatas com vários elementos de suporte, limita-se a esbelteza a 8, sendo a esbelteza a relação entre o vão entre elementos de suporte dividido pela altura da sapata. Dispõe-se de umas opções de dimensionamento de maneira que o utilizador possa escolher a forma de crescimento da sapata, ou fixando alguma dimensão, em função do tipo de sapata. Obviamente, os resultados podem ser diferentes, conforme a opção selecionada. Quando o diagrama de tensões não ocupar toda a sapata, podem aparecer trações na face superior pelo peso da sapata em balanço, colocando-se uma armadura superior se for necessário. Dimensionam-se sempre sapatas rígidas, embora na verificação apenas se avisa do seu não cumprimento, se for o caso (balanço/altura =2). No dimensionamento de sapatas com vários elementos de suporte, limita-se a esbelteza a 8, sendo a esbelteza a relação entre o vão entre elementos de suporte dividido pela altura da sapata. Dispõe-se de umas opções de dimensionamento de maneira que o utilizador possa escolher a forma de crescimento da sapata, ou fixando alguma dimensão, em função do tipo de sapata. Obviamente, os resultados podem ser diferentes, conforme a opção selecionada. Quando o diagrama de tensões não ocupar toda a sapata, podem aparecer trações na face superior pelo peso da sapata em balanço, colocando-se uma armadura superior se for necessário Sapata Contínua Sob o Muro O programa calcula sapatas contínuas de concreto armado sob o muro. Este tipo de sapata contínua sob o muro pode-se utilizar em muros de suporte e muros de cave de edifícios, ou muros de carga. Há três tipos de sapatas: Com balanços em ambos os lados 1.2. Sapata Contínua Sob o Muro O programa calcula sapatas contínuas de concreto armado sob o muro. Este tipo de sapata contínua sob o muro pode-se utilizar em muros de suporte e muros de cave de edifícios, ou muros de carga. Há três tipos de sapatas: Com balanços em ambos os lados 5 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

9 Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Utiliza-se como fundação de muros de concreto armado e de muros de alvenaria. A geometria define-se na introdução de dados do muro. Dimensiona-se e verifica-se da mesma forma que as sapatas retangulares (consulte o ponto Sapatas Isoladas), por isso tem as mesmas possibilidades (inclusão de pilares próximos na mesma) e as mesmas condicionantes. A única diferença está na forma de aplicar as cargas. Enquanto que num pilar as cargas aplicam-se no seu centro-eixo geométrico, quer seja quadrado ou retangular alargado, num muro converte-se num diagrama de cargas ao longo do muro de forma discreta, é como converter uma resultante num diagrama de tensões aplicadas ao longo da base do muro, discreteada em escalões que o programa realiza internamente, segundo as suas dimensões. De uma forma simples, expressando-o graficamente: Utiliza-se como fundação de muros de concreto armado e de muros de alvenaria. A geometria define-se na introdução de dados do muro. Dimensiona-se e verifica-se da mesma forma que as sapatas retangulares (consulte o ponto Sapatas Isoladas), por isso tem as mesmas possibilidades (inclusão de pilares próximos na mesma) e as mesmas condicionantes. A única diferença está na forma de aplicar as cargas. Enquanto que num pilar as cargas aplicam-se no seu centro-eixo geométrico, quer seja quadrado ou retangular alargado, num muro converte-se num diagrama de cargas ao longo do muro de forma discreta, é como converter uma resultante num diagrama de tensões aplicadas ao longo da base do muro, discreteada em escalões que o programa realiza internamente, segundo as suas dimensões. De uma forma simples, expressando-o graficamente: 6 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Com balanço à esquerda Utiliza-se como fundação de muros de concreto armado e de muros de alvenaria. A geometria define-se na introdução de dados do muro. Dimensiona-se e verifica-se da mesma forma que as sapatas retangulares (consulte o ponto Sapatas Isoladas), por isso tem as mesmas possibilidades (inclusão de pilares próximos na mesma) e as mesmas condicionantes. A única diferença está na forma de aplicar as cargas. Enquanto que num pilar as cargas aplicam-se no seu centro-eixo geométrico, quer seja quadrado ou retangular alargado, num muro converte-se num diagrama de cargas ao longo do muro de forma discreta, é como converter uma resultante num diagrama de tensões aplicadas ao longo da base do muro, discreteada em escalões que o programa realiza internamente, segundo as suas dimensões. De uma forma simples, expressando-o graficamente: Utiliza-se como fundação de muros de concreto armado e de muros de alvenaria. A geometria define-se na introdução de dados do muro. Dimensiona-se e verifica-se da mesma forma que as sapatas retangulares (consulte o ponto Sapatas Isoladas), por isso tem as mesmas possibilidades (inclusão de pilares próximos na mesma) e as mesmas condicionantes. A única diferença está na forma de aplicar as cargas. Enquanto que num pilar as cargas aplicam-se no seu centro-eixo geométrico, quer seja quadrado ou retangular alargado, num muro converte-se num diagrama de cargas ao longo do muro de forma discreta, é como converter uma resultante num diagrama de tensões aplicadas ao longo da base do muro, discreteada em escalões que o programa realiza internamente, segundo as suas dimensões. De uma forma simples, expressando-o graficamente: 6 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

10 1.3. Vigas de Fundação 1.3. Vigas de Fundação O programa calcula vigas de fundação de concreto armado entre fundações. As vigas de fundação utilizam-se para o equilíbrio de sapatas e bloco sobre de estacas. Existem dois tipos: Momentos Negativos O programa calcula vigas de fundação de concreto armado entre fundações. As vigas de fundação utilizam-se para o equilíbrio de sapatas e bloco sobre de estacas. Existem dois tipos: Momentos Negativos Momentos positivos armadura simétrica Existem umas tabelas de armadura para cada tipo, definíveis e modificáveis. Os esforços sobre as vigas de fundação são: Momentos e esforços cortantes necessários para o efeito de equilíbrio. Não admite cargas sobre ela, nem se considera a sua carga permanente. Supõe-se que as transmitem ao terreno sem sofrer esforços. Os esforços que recebem, quando são várias, um elemento sapata ou Bloco de encabeçamento de estacas, são proporcionais às suas rigidezes. Podem receber esforços só por um extremo ou por ambos. Se o seu comprimento for menor que 25 cm, emite-se um aviso de viga curta. Existe uma tabela de armadura para cada tipo, verificando-se o seu cumprimento para os esforços aos quais se encontra submetida. Realizam-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal 7 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Momentos positivos armadura simétrica Existem umas tabelas de armadura para cada tipo, definíveis e modificáveis. Os esforços sobre as vigas de fundação são: Momentos e esforços cortantes necessários para o efeito de equilíbrio. Não admite cargas sobre ela, nem se considera a sua carga permanente. Supõe-se que as transmitem ao terreno sem sofrer esforços. Os esforços que recebem, quando são várias, um elemento sapata ou Bloco de encabeçamento de estacas, são proporcionais às suas rigidezes. Podem receber esforços só por um extremo ou por ambos. Se o seu comprimento for menor que 25 cm, emite-se um aviso de viga curta. Existe uma tabela de armadura para cada tipo, verificando-se o seu cumprimento para os esforços aos quais se encontra submetida. Realizam-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal 7 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Vigas de Fundação 1.3. Vigas de Fundação O programa calcula vigas de fundação de concreto armado entre fundações. As vigas de fundação utilizam-se para o equilíbrio de sapatas e bloco sobre de estacas. Existem dois tipos: Momentos Negativos O programa calcula vigas de fundação de concreto armado entre fundações. As vigas de fundação utilizam-se para o equilíbrio de sapatas e bloco sobre de estacas. Existem dois tipos: Momentos Negativos Momentos positivos armadura simétrica Existem umas tabelas de armadura para cada tipo, definíveis e modificáveis. Os esforços sobre as vigas de fundação são: Momentos e esforços cortantes necessários para o efeito de equilíbrio. Não admite cargas sobre ela, nem se considera a sua carga permanente. Supõe-se que as transmitem ao terreno sem sofrer esforços. Os esforços que recebem, quando são várias, um elemento sapata ou Bloco de encabeçamento de estacas, são proporcionais às suas rigidezes. Podem receber esforços só por um extremo ou por ambos. Se o seu comprimento for menor que 25 cm, emite-se um aviso de viga curta. Existe uma tabela de armadura para cada tipo, verificando-se o seu cumprimento para os esforços aos quais se encontra submetida. Realizam-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal 7 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Momentos positivos armadura simétrica Existem umas tabelas de armadura para cada tipo, definíveis e modificáveis. Os esforços sobre as vigas de fundação são: Momentos e esforços cortantes necessários para o efeito de equilíbrio. Não admite cargas sobre ela, nem se considera a sua carga permanente. Supõe-se que as transmitem ao terreno sem sofrer esforços. Os esforços que recebem, quando são várias, um elemento sapata ou Bloco de encabeçamento de estacas, são proporcionais às suas rigidezes. Podem receber esforços só por um extremo ou por ambos. Se o seu comprimento for menor que 25 cm, emite-se um aviso de viga curta. Existe uma tabela de armadura para cada tipo, verificando-se o seu cumprimento para os esforços aos quais se encontra submetida. Realizam-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal 7 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

11 diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima de tração quantidade mecânica mínima (aceita-se redução) quantidade máxima de armadura longitudinal separação mínima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima da armadura longitudinal separação máxima de estribos largura mínima de vigas 1/20 vão) altura mínima de vigas 1/2 vão) verificação à fissuração (0.3 mm) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior verificação à flexão (não ter armadura de compressão) verificação ao esforço cortante (concreto + estribos resistem ao esforço cortante). Admite-se uma certa tolerância no ângulo de desvio da viga de fundação quando entrar pelo bordo da sapata (1 ). Existe uma opção que permite fixar uma quantidade geométrica mínima de tração. Existem uns critérios para dispor a viga relativamente à sapata, em função da altura relativa entre ambos os elementos, nivelando-a pela face superior ou inferior. Para todas as verificações e dimensionamento, utilizam-se as combinações de vigas de fundação como elemento de concreto armado, exceto para fissuração, onde se utilizam as de tensões sobre o terreno Vigas de travamento O programa calcula de viga de travamento entre fundações de concreto armado. diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima de tração quantidade mecânica mínima (aceita-se redução) quantidade máxima de armadura longitudinal separação mínima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima da armadura longitudinal separação máxima de estribos largura mínima de vigas 1/20 vão) altura mínima de vigas 1/2 vão) verificação à fissuração (0.3 mm) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior verificação à flexão (não ter armadura de compressão) verificação ao esforço cortante (concreto + estribos resistem ao esforço cortante). Admite-se uma certa tolerância no ângulo de desvio da viga de fundação quando entrar pelo bordo da sapata (1 ). Existe uma opção que permite fixar uma quantidade geométrica mínima de tração. Existem uns critérios para dispor a viga relativamente à sapata, em função da altura relativa entre ambos os elementos, nivelando-a pela face superior ou inferior. Para todas as verificações e dimensionamento, utilizam-se as combinações de vigas de fundação como elemento de concreto armado, exceto para fissuração, onde se utilizam as de tensões sobre o terreno Vigas de travamento O programa calcula de viga de travamento entre fundações de concreto armado. 8 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima de tração quantidade mecânica mínima (aceita-se redução) quantidade máxima de armadura longitudinal separação mínima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima da armadura longitudinal separação máxima de estribos largura mínima de vigas 1/20 vão) altura mínima de vigas 1/2 vão) verificação à fissuração (0.3 mm) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior verificação à flexão (não ter armadura de compressão) verificação ao esforço cortante (concreto + estribos resistem ao esforço cortante). Admite-se uma certa tolerância no ângulo de desvio da viga de fundação quando entrar pelo bordo da sapata (1 ). Existe uma opção que permite fixar uma quantidade geométrica mínima de tração. Existem uns critérios para dispor a viga relativamente à sapata, em função da altura relativa entre ambos os elementos, nivelando-a pela face superior ou inferior. Para todas as verificações e dimensionamento, utilizam-se as combinações de vigas de fundação como elemento de concreto armado, exceto para fissuração, onde se utilizam as de tensões sobre o terreno Vigas de travamento O programa calcula de viga de travamento entre fundações de concreto armado. diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima de tração quantidade mecânica mínima (aceita-se redução) quantidade máxima de armadura longitudinal separação mínima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima da armadura longitudinal separação máxima de estribos largura mínima de vigas 1/20 vão) altura mínima de vigas 1/2 vão) verificação à fissuração (0.3 mm) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior verificação à flexão (não ter armadura de compressão) verificação ao esforço cortante (concreto + estribos resistem ao esforço cortante). Admite-se uma certa tolerância no ângulo de desvio da viga de fundação quando entrar pelo bordo da sapata (1 ). Existe uma opção que permite fixar uma quantidade geométrica mínima de tração. Existem uns critérios para dispor a viga relativamente à sapata, em função da altura relativa entre ambos os elementos, nivelando-a pela face superior ou inferior. Para todas as verificações e dimensionamento, utilizam-se as combinações de vigas de fundação como elemento de concreto armado, exceto para fissuração, onde se utilizam as de tensões sobre o terreno Vigas de travamento O programa calcula de viga de travamento entre fundações de concreto armado. 8 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

12 As vigas travamento servem para travar as sapatas, absorvendo os esforços horizontais pela ação do sismo. A partir do esforço axial máximo, multiplica-se pela aceleração sísmica de cálculo a (nunca menor que 0.05) e estes esforços consideram-se de tração e compressão ( N). Opcionalmente, dimensionam-se à flexão para uma carga uniforme p (1 T/ml ou 10 KN/ml), produzida pela compactação das terras e soleira superior. Dimensionam-se para um momento pl 2 /12 positivo e negativo e um esforço cortante pl/2, sendo l o vão da viga. Para o dimensionamento utilizam-se as combinações chamadas de Vigas de Fundação como elemento de concreto armado. Utilizam-se umas tabelas de armadura com armadura simétrica nas faces. Fazem-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima da armadura de traçam (se tiver ativado a carga de compactação) quantidade geométrica mínima da armadura de compressão (se tiver ativado a carga de compactação) armadura mecânica mínima separação mínima entre armaduras longitudinais separação máxima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima entre estribos largura mínima de vigas (1/20 de vão) altura mínima de vigas (1/2 de vão) fissuração (0.3 mm, não considerando o sismo) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior 9 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As vigas travamento servem para travar as sapatas, absorvendo os esforços horizontais pela ação do sismo. A partir do esforço axial máximo, multiplica-se pela aceleração sísmica de cálculo a (nunca menor que 0.05) e estes esforços consideram-se de tração e compressão ( N). Opcionalmente, dimensionam-se à flexão para uma carga uniforme p (1 T/ml ou 10 KN/ml), produzida pela compactação das terras e soleira superior. Dimensionam-se para um momento pl 2 /12 positivo e negativo e um esforço cortante pl/2, sendo l o vão da viga. Para o dimensionamento utilizam-se as combinações chamadas de Vigas de Fundação como elemento de concreto armado. Utilizam-se umas tabelas de armadura com armadura simétrica nas faces. Fazem-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima da armadura de traçam (se tiver ativado a carga de compactação) quantidade geométrica mínima da armadura de compressão (se tiver ativado a carga de compactação) armadura mecânica mínima separação mínima entre armaduras longitudinais separação máxima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima entre estribos largura mínima de vigas (1/20 de vão) altura mínima de vigas (1/2 de vão) fissuração (0.3 mm, não considerando o sismo) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior 9 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As vigas travamento servem para travar as sapatas, absorvendo os esforços horizontais pela ação do sismo. A partir do esforço axial máximo, multiplica-se pela aceleração sísmica de cálculo a (nunca menor que 0.05) e estes esforços consideram-se de tração e compressão ( N). Opcionalmente, dimensionam-se à flexão para uma carga uniforme p (1 T/ml ou 10 KN/ml), produzida pela compactação das terras e soleira superior. Dimensionam-se para um momento pl 2 /12 positivo e negativo e um esforço cortante pl/2, sendo l o vão da viga. Para o dimensionamento utilizam-se as combinações chamadas de Vigas de Fundação como elemento de concreto armado. Utilizam-se umas tabelas de armadura com armadura simétrica nas faces. Fazem-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima da armadura de traçam (se tiver ativado a carga de compactação) quantidade geométrica mínima da armadura de compressão (se tiver ativado a carga de compactação) armadura mecânica mínima separação mínima entre armaduras longitudinais separação máxima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima entre estribos largura mínima de vigas (1/20 de vão) altura mínima de vigas (1/2 de vão) fissuração (0.3 mm, não considerando o sismo) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior 9 /controle/acesso.asp Tel.: (11) As vigas travamento servem para travar as sapatas, absorvendo os esforços horizontais pela ação do sismo. A partir do esforço axial máximo, multiplica-se pela aceleração sísmica de cálculo a (nunca menor que 0.05) e estes esforços consideram-se de tração e compressão ( N). Opcionalmente, dimensionam-se à flexão para uma carga uniforme p (1 T/ml ou 10 KN/ml), produzida pela compactação das terras e soleira superior. Dimensionam-se para um momento pl 2 /12 positivo e negativo e um esforço cortante pl/2, sendo l o vão da viga. Para o dimensionamento utilizam-se as combinações chamadas de Vigas de Fundação como elemento de concreto armado. Utilizam-se umas tabelas de armadura com armadura simétrica nas faces. Fazem-se as seguintes verificações: diâmetro mínimo da armadura longitudinal diâmetro mínimo da armadura transversal quantidade geométrica mínima da armadura de traçam (se tiver ativado a carga de compactação) quantidade geométrica mínima da armadura de compressão (se tiver ativado a carga de compactação) armadura mecânica mínima separação mínima entre armaduras longitudinais separação máxima entre armaduras longitudinais separação mínima entre estribos separação máxima entre estribos largura mínima de vigas (1/20 de vão) altura mínima de vigas (1/2 de vão) fissuração (0.3 mm, não considerando o sismo) comprimento de ancoragem armadura superior comprimento de ancoragem armadura de pele comprimento de ancoragem armadura inferior 9 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

13 verificação ao esforço cortante (só com carga de compactação) verificação à flexão (só com carga de compactação) verificação ao esforço axial. Existem opções para alongar os estribos até à face da sapata ou até ao elemento de suporte. Também são opcionais a posição da viga com nivelação superior ou inferior com a sapata em função das suas alturas relativas. verificação ao esforço cortante (só com carga de compactação) verificação à flexão (só com carga de compactação) verificação ao esforço axial. Existem opções para alongar os estribos até à face da sapata ou até ao elemento de suporte. Também são opcionais a posição da viga com nivelação superior ou inferior com a sapata em função das suas alturas relativas Bloco sobre Estacas O programa calcula bloco de concreto armado sobre estacas de seção quadrada ou circular de acordo com as seguintes tipologias: Bloco de 1 estaca. (A) Bloco de 2 estacas. (B) Bloco de 3 estacas. (C) Bloco de 4 estacas. (D) Bloco linear. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 3. (B) Bloco retangular. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 9. (D) Bloco retangular sobre 5 estacas (uma central).(d) Bloco pentagonal sobre 5 estacas. (C) Bloco pentagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 7 estacas (uma central).(c) Nota: Com CYPECAD é possível definir vários elementos de suporte sobre um mesmo Bloco Critérios de Cálculo Os Blocos tipo A baseiam-se no modelo de cargas concentradas sobre Blocos. Armam-se com estribos verticais e horizontais (opcionalmente com diagonais). Os Blocos tipo B baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Armam-se como vigas, com armadura longitudinal inferior, superior e pele, além de estribos verticais. Os Blocos tipo C baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais, malhas inferiores e superiores, e armadura perimetral de vigas de bordo. Os Blocos tipo D baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais (salvo o retangular), malhas inferiores e superiores Bloco sobre Estacas O programa calcula bloco de concreto armado sobre estacas de seção quadrada ou circular de acordo com as seguintes tipologias: Bloco de 1 estaca. (A) Bloco de 2 estacas. (B) Bloco de 3 estacas. (C) Bloco de 4 estacas. (D) Bloco linear. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 3. (B) Bloco retangular. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 9. (D) Bloco retangular sobre 5 estacas (uma central).(d) Bloco pentagonal sobre 5 estacas. (C) Bloco pentagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 7 estacas (uma central).(c) Nota: Com CYPECAD é possível definir vários elementos de suporte sobre um mesmo Bloco Critérios de Cálculo Os Blocos tipo A baseiam-se no modelo de cargas concentradas sobre Blocos. Armam-se com estribos verticais e horizontais (opcionalmente com diagonais). Os Blocos tipo B baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Armam-se como vigas, com armadura longitudinal inferior, superior e pele, além de estribos verticais. Os Blocos tipo C baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais, malhas inferiores e superiores, e armadura perimetral de vigas de bordo. Os Blocos tipo D baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais (salvo o retangular), malhas inferiores e superiores. 10 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) verificação ao esforço cortante (só com carga de compactação) verificação à flexão (só com carga de compactação) verificação ao esforço axial. Existem opções para alongar os estribos até à face da sapata ou até ao elemento de suporte. Também são opcionais a posição da viga com nivelação superior ou inferior com a sapata em função das suas alturas relativas. verificação ao esforço cortante (só com carga de compactação) verificação à flexão (só com carga de compactação) verificação ao esforço axial. Existem opções para alongar os estribos até à face da sapata ou até ao elemento de suporte. Também são opcionais a posição da viga com nivelação superior ou inferior com a sapata em função das suas alturas relativas Bloco sobre Estacas O programa calcula bloco de concreto armado sobre estacas de seção quadrada ou circular de acordo com as seguintes tipologias: Bloco de 1 estaca. (A) Bloco de 2 estacas. (B) Bloco de 3 estacas. (C) Bloco de 4 estacas. (D) Bloco linear. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 3. (B) Bloco retangular. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 9. (D) Bloco retangular sobre 5 estacas (uma central).(d) Bloco pentagonal sobre 5 estacas. (C) Bloco pentagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 7 estacas (uma central).(c) Nota: Com CYPECAD é possível definir vários elementos de suporte sobre um mesmo Bloco Critérios de Cálculo Os Blocos tipo A baseiam-se no modelo de cargas concentradas sobre Blocos. Armam-se com estribos verticais e horizontais (opcionalmente com diagonais). Os Blocos tipo B baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Armam-se como vigas, com armadura longitudinal inferior, superior e pele, além de estribos verticais. Os Blocos tipo C baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais, malhas inferiores e superiores, e armadura perimetral de vigas de bordo. Os Blocos tipo D baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais (salvo o retangular), malhas inferiores e superiores Bloco sobre Estacas O programa calcula bloco de concreto armado sobre estacas de seção quadrada ou circular de acordo com as seguintes tipologias: Bloco de 1 estaca. (A) Bloco de 2 estacas. (B) Bloco de 3 estacas. (C) Bloco de 4 estacas. (D) Bloco linear. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 3. (B) Bloco retangular. Pode escolher o número de estacas. Por padrão são 9. (D) Bloco retangular sobre 5 estacas (uma central).(d) Bloco pentagonal sobre 5 estacas. (C) Bloco pentagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 6 estacas. (C) Bloco hexagonal sobre 7 estacas (uma central).(c) Nota: Com CYPECAD é possível definir vários elementos de suporte sobre um mesmo Bloco Critérios de Cálculo Os Blocos tipo A baseiam-se no modelo de cargas concentradas sobre Blocos. Armam-se com estribos verticais e horizontais (opcionalmente com diagonais). Os Blocos tipo B baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Armam-se como vigas, com armadura longitudinal inferior, superior e pele, além de estribos verticais. Os Blocos tipo C baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais, malhas inferiores e superiores, e armadura perimetral de vigas de bordo. Os Blocos tipo D baseiam-se em modelos de bielas e tirantes. Podem-se armar com vigas laterais, diagonais (salvo o retangular), malhas inferiores e superiores. 10 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

14 Pode-se verificar e dimensionar qualquer Bloco. A verificação consiste em verificar os aspetos geométricos e mecânicos com umas dimensões e armadura dadas. Podem-se definir ou não cargas. O dimensionamento necessita de cargas e a partir de umas dimensões mínimas que o programa considera (dimensionamento completo), ou de umas dimensões iniciais que o utilizador fornece (dimensões mínimas), obtém-se (se for possível) uma geometria e armaduras de acordo com a norma e opções definidas. Sendo a norma EHE-98 a que maior informação e análise fornece para o cálculo de Blocos, adotou-se como norma básica para os Blocos, sempre rígidos, e nos casos em que tenha sido possível, para outras normas tais como a ACI-318/95, CIRSOC, NB-1, EH-91, bibliografia técnica como o livro de Estruturas de Cimentação de Marcelo da Cunha Moraes, e os critérios de CYPE Engenheiros; aplicaram-se esses princípios Critério de Sinais Pode-se verificar e dimensionar qualquer Bloco. A verificação consiste em verificar os aspetos geométricos e mecânicos com umas dimensões e armadura dadas. Podem-se definir ou não cargas. O dimensionamento necessita de cargas e a partir de umas dimensões mínimas que o programa considera (dimensionamento completo), ou de umas dimensões iniciais que o utilizador fornece (dimensões mínimas), obtém-se (se for possível) uma geometria e armaduras de acordo com a norma e opções definidas. Sendo a norma EHE-98 a que maior informação e análise fornece para o cálculo de Blocos, adotou-se como norma básica para os Blocos, sempre rígidos, e nos casos em que tenha sido possível, para outras normas tais como a ACI-318/95, CIRSOC, NB-1, EH-91, bibliografia técnica como o livro de Estruturas de Cimentação de Marcelo da Cunha Moraes, e os critérios de CYPE Engenheiros; aplicaram-se esses princípios Critério de Sinais Considerações de cálculo e geometria Ao definir um Bloco, necessita também de indicar as estacas, tipo, número e posição. É um dado da estaca a sua capacidade de carga, isto é, a carga de serviço que é capaz de suportar (sem majorar). Previamente, será necessário calcular a carga que as estacas recebem, que serão o resultado de considerar o peso próprio do Bloco, as ações exteriores e a aplicação da fórmula clássica de Navier: Considerações de cálculo e geometria Ao definir um Bloco, necessita também de indicar as estacas, tipo, número e posição. É um dado da estaca a sua capacidade de carga, isto é, a carga de serviço que é capaz de suportar (sem majorar). Previamente, será necessário calcular a carga que as estacas recebem, que serão o resultado de considerar o peso próprio do Bloco, as ações exteriores e a aplicação da fórmula clássica de Navier: com as combinações de tensões sobre o terreno. Compara-se ma estaca mais carregada na sua capacidade de carga e se a superar emite-se um aviso Quando se define uma estaca, pede-se a distância mínima entre estacas. Este 11 /controle/acesso.asp Tel.: (11) com as combinações de tensões sobre o terreno. Compara-se ma estaca mais carregada na sua capacidade de carga e se a superar emite-se um aviso Quando se define uma estaca, pede-se a distância mínima entre estacas. Este 11 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Pode-se verificar e dimensionar qualquer Bloco. A verificação consiste em verificar os aspetos geométricos e mecânicos com umas dimensões e armadura dadas. Podem-se definir ou não cargas. O dimensionamento necessita de cargas e a partir de umas dimensões mínimas que o programa considera (dimensionamento completo), ou de umas dimensões iniciais que o utilizador fornece (dimensões mínimas), obtém-se (se for possível) uma geometria e armaduras de acordo com a norma e opções definidas. Sendo a norma EHE-98 a que maior informação e análise fornece para o cálculo de Blocos, adotou-se como norma básica para os Blocos, sempre rígidos, e nos casos em que tenha sido possível, para outras normas tais como a ACI-318/95, CIRSOC, NB-1, EH-91, bibliografia técnica como o livro de Estruturas de Cimentação de Marcelo da Cunha Moraes, e os critérios de CYPE Engenheiros; aplicaram-se esses princípios Critério de Sinais Pode-se verificar e dimensionar qualquer Bloco. A verificação consiste em verificar os aspetos geométricos e mecânicos com umas dimensões e armadura dadas. Podem-se definir ou não cargas. O dimensionamento necessita de cargas e a partir de umas dimensões mínimas que o programa considera (dimensionamento completo), ou de umas dimensões iniciais que o utilizador fornece (dimensões mínimas), obtém-se (se for possível) uma geometria e armaduras de acordo com a norma e opções definidas. Sendo a norma EHE-98 a que maior informação e análise fornece para o cálculo de Blocos, adotou-se como norma básica para os Blocos, sempre rígidos, e nos casos em que tenha sido possível, para outras normas tais como a ACI-318/95, CIRSOC, NB-1, EH-91, bibliografia técnica como o livro de Estruturas de Cimentação de Marcelo da Cunha Moraes, e os critérios de CYPE Engenheiros; aplicaram-se esses princípios Critério de Sinais Considerações de cálculo e geometria Ao definir um Bloco, necessita também de indicar as estacas, tipo, número e posição. É um dado da estaca a sua capacidade de carga, isto é, a carga de serviço que é capaz de suportar (sem majorar). Previamente, será necessário calcular a carga que as estacas recebem, que serão o resultado de considerar o peso próprio do Bloco, as ações exteriores e a aplicação da fórmula clássica de Navier: Considerações de cálculo e geometria Ao definir um Bloco, necessita também de indicar as estacas, tipo, número e posição. É um dado da estaca a sua capacidade de carga, isto é, a carga de serviço que é capaz de suportar (sem majorar). Previamente, será necessário calcular a carga que as estacas recebem, que serão o resultado de considerar o peso próprio do Bloco, as ações exteriores e a aplicação da fórmula clássica de Navier: com as combinações de tensões sobre o terreno. Compara-se ma estaca mais carregada na sua capacidade de carga e se a superar emite-se um aviso Quando se define uma estaca, pede-se a distância mínima entre estacas. Este 11 /controle/acesso.asp Tel.: (11) com as combinações de tensões sobre o terreno. Compara-se ma estaca mais carregada na sua capacidade de carga e se a superar emite-se um aviso Quando se define uma estaca, pede-se a distância mínima entre estacas. Este 11 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

15 dado deve ser fornecido pelo utilizador (valor por padrão 1.00 m) em função do tipo de estaca, diâmetro, terreno, etc. Ao definir um Bloco de mais de uma estaca, deve definir as distâncias entre eixos de estacas (1.00 m por padrão). Verifica-se que essa distância seja superior à distância mínima. A verificação e dimensionamento de estacas baseia-se na carga máxima da estaca mais carregada, aplicando as combinações de concreto selecionadas às cargas por ações definidas. Se quiser que todos os Blocos de uma mesma tipologia tenham uma geometria e armadura tipificados para um mesmo tipo de estaca, dispõe de uma opção em Blocos, que se chama Cargas por estaca, que ao ser ativada, permite unificar os Blocos, de maneira que possa dimensionar o Bloco para a capacidade de carga da estaca. Neste caso defina um coeficiente de majoração da capacidade de carga (coeficiente de segurança para o considerar como uma combinação mais), denominado Coeficiente de Aproveitamento da Estaca (1.5 por padrão). Se não quiser considerar toda a capacidade de carga da estaca, pode definir uma percentagem da mesma, que se chamou Fração de cargas de estacas, variável entre 0 e 1 (1 por padrão). Neste caso, o programa determinará o máximo entre o valor anterior que é função da capacidade de carga, e o máximo das estacas pelas cargas exteriores aplicadas. Em algumas zonas e países é prática habitual, pois obtém-se um único Bloco por diâmetro e número de estacas, simplificando a execução. Esta opção está desativada por padrão. Em relação aos esforços, realizam-se as seguintes verificações: aviso de trações nas estacas: tração máxima 10% compressão máxima aviso de momentos fletores: será necessário dispor vigas de fundação aviso de esforços cortantes excessivos: se o esforço cortante em alguma combinação superar 3% do esforço axial com vento, ou noutras combinações da conveniência de colocar estacas inclinada aviso de torções se existirem tais definidas nas cargas. Se introduzirem vigas de fundação, essas vigas absorverão os momentos na direção em que atuarem. Em Blocos de 1 estaca são sempre necessárias em ambas as direções. Em Blocos de 2 estacas e lineares são necessárias na direção perpendicular à linha de estacas. O programa não considera nenhuma excentricidade mínima ou construtiva, dado deve ser fornecido pelo utilizador (valor por padrão 1.00 m) em função do tipo de estaca, diâmetro, terreno, etc. Ao definir um Bloco de mais de uma estaca, deve definir as distâncias entre eixos de estacas (1.00 m por padrão). Verifica-se que essa distância seja superior à distância mínima. A verificação e dimensionamento de estacas baseia-se na carga máxima da estaca mais carregada, aplicando as combinações de concreto selecionadas às cargas por ações definidas. Se quiser que todos os Blocos de uma mesma tipologia tenham uma geometria e armadura tipificados para um mesmo tipo de estaca, dispõe de uma opção em Blocos, que se chama Cargas por estaca, que ao ser ativada, permite unificar os Blocos, de maneira que possa dimensionar o Bloco para a capacidade de carga da estaca. Neste caso defina um coeficiente de majoração da capacidade de carga (coeficiente de segurança para o considerar como uma combinação mais), denominado Coeficiente de Aproveitamento da Estaca (1.5 por padrão). Se não quiser considerar toda a capacidade de carga da estaca, pode definir uma percentagem da mesma, que se chamou Fração de cargas de estacas, variável entre 0 e 1 (1 por padrão). Neste caso, o programa determinará o máximo entre o valor anterior que é função da capacidade de carga, e o máximo das estacas pelas cargas exteriores aplicadas. Em algumas zonas e países é prática habitual, pois obtém-se um único Bloco por diâmetro e número de estacas, simplificando a execução. Esta opção está desativada por padrão. Em relação aos esforços, realizam-se as seguintes verificações: aviso de trações nas estacas: tração máxima 10% compressão máxima aviso de momentos fletores: será necessário dispor vigas de fundação aviso de esforços cortantes excessivos: se o esforço cortante em alguma combinação superar 3% do esforço axial com vento, ou noutras combinações da conveniência de colocar estacas inclinada aviso de torções se existirem tais definidas nas cargas. Se introduzirem vigas de fundação, essas vigas absorverão os momentos na direção em que atuarem. Em Blocos de 1 estaca são sempre necessárias em ambas as direções. Em Blocos de 2 estacas e lineares são necessárias na direção perpendicular à linha de estacas. O programa não considera nenhuma excentricidade mínima ou construtiva, 12 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) dado deve ser fornecido pelo utilizador (valor por padrão 1.00 m) em função do tipo de estaca, diâmetro, terreno, etc. Ao definir um Bloco de mais de uma estaca, deve definir as distâncias entre eixos de estacas (1.00 m por padrão). Verifica-se que essa distância seja superior à distância mínima. A verificação e dimensionamento de estacas baseia-se na carga máxima da estaca mais carregada, aplicando as combinações de concreto selecionadas às cargas por ações definidas. Se quiser que todos os Blocos de uma mesma tipologia tenham uma geometria e armadura tipificados para um mesmo tipo de estaca, dispõe de uma opção em Blocos, que se chama Cargas por estaca, que ao ser ativada, permite unificar os Blocos, de maneira que possa dimensionar o Bloco para a capacidade de carga da estaca. Neste caso defina um coeficiente de majoração da capacidade de carga (coeficiente de segurança para o considerar como uma combinação mais), denominado Coeficiente de Aproveitamento da Estaca (1.5 por padrão). Se não quiser considerar toda a capacidade de carga da estaca, pode definir uma percentagem da mesma, que se chamou Fração de cargas de estacas, variável entre 0 e 1 (1 por padrão). Neste caso, o programa determinará o máximo entre o valor anterior que é função da capacidade de carga, e o máximo das estacas pelas cargas exteriores aplicadas. Em algumas zonas e países é prática habitual, pois obtém-se um único Bloco por diâmetro e número de estacas, simplificando a execução. Esta opção está desativada por padrão. Em relação aos esforços, realizam-se as seguintes verificações: aviso de trações nas estacas: tração máxima 10% compressão máxima aviso de momentos fletores: será necessário dispor vigas de fundação aviso de esforços cortantes excessivos: se o esforço cortante em alguma combinação superar 3% do esforço axial com vento, ou noutras combinações da conveniência de colocar estacas inclinada aviso de torções se existirem tais definidas nas cargas. Se introduzirem vigas de fundação, essas vigas absorverão os momentos na direção em que atuarem. Em Blocos de 1 estaca são sempre necessárias em ambas as direções. Em Blocos de 2 estacas e lineares são necessárias na direção perpendicular à linha de estacas. O programa não considera nenhuma excentricidade mínima ou construtiva, dado deve ser fornecido pelo utilizador (valor por padrão 1.00 m) em função do tipo de estaca, diâmetro, terreno, etc. Ao definir um Bloco de mais de uma estaca, deve definir as distâncias entre eixos de estacas (1.00 m por padrão). Verifica-se que essa distância seja superior à distância mínima. A verificação e dimensionamento de estacas baseia-se na carga máxima da estaca mais carregada, aplicando as combinações de concreto selecionadas às cargas por ações definidas. Se quiser que todos os Blocos de uma mesma tipologia tenham uma geometria e armadura tipificados para um mesmo tipo de estaca, dispõe de uma opção em Blocos, que se chama Cargas por estaca, que ao ser ativada, permite unificar os Blocos, de maneira que possa dimensionar o Bloco para a capacidade de carga da estaca. Neste caso defina um coeficiente de majoração da capacidade de carga (coeficiente de segurança para o considerar como uma combinação mais), denominado Coeficiente de Aproveitamento da Estaca (1.5 por padrão). Se não quiser considerar toda a capacidade de carga da estaca, pode definir uma percentagem da mesma, que se chamou Fração de cargas de estacas, variável entre 0 e 1 (1 por padrão). Neste caso, o programa determinará o máximo entre o valor anterior que é função da capacidade de carga, e o máximo das estacas pelas cargas exteriores aplicadas. Em algumas zonas e países é prática habitual, pois obtém-se um único Bloco por diâmetro e número de estacas, simplificando a execução. Esta opção está desativada por padrão. Em relação aos esforços, realizam-se as seguintes verificações: aviso de trações nas estacas: tração máxima 10% compressão máxima aviso de momentos fletores: será necessário dispor vigas de fundação aviso de esforços cortantes excessivos: se o esforço cortante em alguma combinação superar 3% do esforço axial com vento, ou noutras combinações da conveniência de colocar estacas inclinada aviso de torções se existirem tais definidas nas cargas. Se introduzirem vigas de fundação, essas vigas absorverão os momentos na direção em que atuarem. Em Blocos de 1 estaca são sempre necessárias em ambas as direções. Em Blocos de 2 estacas e lineares são necessárias na direção perpendicular à linha de estacas. O programa não considera nenhuma excentricidade mínima ou construtiva, 12 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

16 13 /controle/acesso.asp Tel.: (11) embora seja habitual considerar para evitar implantações incorretas das estacas ou do próprio Bloco em 10% do esforço axial. Incremente os momentos nesta quantidade 0.10 x N nas ações de cargas correspondentes, se considerar necessário. Se atuar mais do que uma viga de fundação na mesma direção, o momento distribuir-se-á proporcionalmente pelas suas rigidezes. Verificações que realiza: Verificações gerais: - aviso de ecrã - aviso de elementos de suporte muito separados (em CYPECAD) - aviso que não existem elementos de suporte definidos - balanço mínima desde o perímetro da estaca - balanço mínima desde o eixo da estaca - balanço mínima desde o pilar - largura mínima da estaca - capacidade de carga da estaca Verificações particulares: Para cada tipo de Bloco realizam-se as verificações geométricas e mecânicas que a norma indica. Recomendamos que realize um exemplo de cada tipo e obtenha a listagem de verificação, onde pode verificar todas e cada uma das verificações realizadas, avisos emitidos e referências aos artigos da norma ou critério utilizado pelo programa. Dos Blocos pode obter listagens dos dados introduzidos, medição dos Blocos, tabela de estacas, e listagem de verificação. Quanto aos desenhos, poderá obter graficamente a geometria e armaduras obtidas, assim como um quadro de medição e resumo. Como se mencionou anteriormente, é possível definir vários elementos de suporte num mesmo Bloco, tipo pilar ou parede, pelo que se impuseram algumas restrições geométricas em forma de aviso quanto às distâncias dos elementos de suporte ao bordo ou às estacas. Quando existem vários elementos de suporte sobre um Bloco, obtém-se a resultante de todos eles aplicada ao centro do Bloco, utilizando o método de bielas e tirantes e supondo o Bloco rígido, pelo que deve assumir a validade desse método, que conforme o caso particular de que se tratar, possa ficar fora do campo de aplicação desse método, pelo que deverá fazer as correções manuais e cálculos complementares necessários se sair fora do campo de validade desse método e ações consideradas Placas de Ancoragem Na verificação de uma placa de ancoragem, a hipótese básica assumida pelo programa é a de placa rígida ou hipótese de Bernouilli. Isto implica supor que a 13 /controle/acesso.asp Tel.: (11) embora seja habitual considerar para evitar implantações incorretas das estacas ou do próprio Bloco em 10% do esforço axial. Incremente os momentos nesta quantidade 0.10 x N nas ações de cargas correspondentes, se considerar necessário. Se atuar mais do que uma viga de fundação na mesma direção, o momento distribuir-se-á proporcionalmente pelas suas rigidezes. Verificações que realiza: Verificações gerais: - aviso de ecrã - aviso de elementos de suporte muito separados (em CYPECAD) - aviso que não existem elementos de suporte definidos - balanço mínima desde o perímetro da estaca - balanço mínima desde o eixo da estaca - balanço mínima desde o pilar - largura mínima da estaca - capacidade de carga da estaca Verificações particulares: Para cada tipo de Bloco realizam-se as verificações geométricas e mecânicas que a norma indica. Recomendamos que realize um exemplo de cada tipo e obtenha a listagem de verificação, onde pode verificar todas e cada uma das verificações realizadas, avisos emitidos e referências aos artigos da norma ou critério utilizado pelo programa. Dos Blocos pode obter listagens dos dados introduzidos, medição dos Blocos, tabela de estacas, e listagem de verificação. Quanto aos desenhos, poderá obter graficamente a geometria e armaduras obtidas, assim como um quadro de medição e resumo. Como se mencionou anteriormente, é possível definir vários elementos de suporte num mesmo Bloco, tipo pilar ou parede, pelo que se impuseram algumas restrições geométricas em forma de aviso quanto às distâncias dos elementos de suporte ao bordo ou às estacas. Quando existem vários elementos de suporte sobre um Bloco, obtém-se a resultante de todos eles aplicada ao centro do Bloco, utilizando o método de bielas e tirantes e supondo o Bloco rígido, pelo que deve assumir a validade desse método, que conforme o caso particular de que se tratar, possa ficar fora do campo de aplicação desse método, pelo que deverá fazer as correções manuais e cálculos complementares necessários se sair fora do campo de validade desse método e ações consideradas Placas de Ancoragem Na verificação de uma placa de ancoragem, a hipótese básica assumida pelo programa é a de placa rígida ou hipótese de Bernouilli. Isto implica supor que a 13 /controle/acesso.asp Tel.: (11) embora seja habitual considerar para evitar implantações incorretas das estacas ou do próprio Bloco em 10% do esforço axial. Incremente os momentos nesta quantidade 0.10 x N nas ações de cargas correspondentes, se considerar necessário. Se atuar mais do que uma viga de fundação na mesma direção, o momento distribuir-se-á proporcionalmente pelas suas rigidezes. Verificações que realiza: Verificações gerais: - aviso de ecrã - aviso de elementos de suporte muito separados (em CYPECAD) - aviso que não existem elementos de suporte definidos - balanço mínima desde o perímetro da estaca - balanço mínima desde o eixo da estaca - balanço mínima desde o pilar - largura mínima da estaca - capacidade de carga da estaca Verificações particulares: Para cada tipo de Bloco realizam-se as verificações geométricas e mecânicas que a norma indica. Recomendamos que realize um exemplo de cada tipo e obtenha a listagem de verificação, onde pode verificar todas e cada uma das verificações realizadas, avisos emitidos e referências aos artigos da norma ou critério utilizado pelo programa. Dos Blocos pode obter listagens dos dados introduzidos, medição dos Blocos, tabela de estacas, e listagem de verificação. Quanto aos desenhos, poderá obter graficamente a geometria e armaduras obtidas, assim como um quadro de medição e resumo. Como se mencionou anteriormente, é possível definir vários elementos de suporte num mesmo Bloco, tipo pilar ou parede, pelo que se impuseram algumas restrições geométricas em forma de aviso quanto às distâncias dos elementos de suporte ao bordo ou às estacas. Quando existem vários elementos de suporte sobre um Bloco, obtém-se a resultante de todos eles aplicada ao centro do Bloco, utilizando o método de bielas e tirantes e supondo o Bloco rígido, pelo que deve assumir a validade desse método, que conforme o caso particular de que se tratar, possa ficar fora do campo de aplicação desse método, pelo que deverá fazer as correções manuais e cálculos complementares necessários se sair fora do campo de validade desse método e ações consideradas Placas de Ancoragem Na verificação de uma placa de ancoragem, a hipótese básica assumida pelo programa é a de placa rígida ou hipótese de Bernouilli. Isto implica supor que a 13 /controle/acesso.asp Tel.: (11) embora seja habitual considerar para evitar implantações incorretas das estacas ou do próprio Bloco em 10% do esforço axial. Incremente os momentos nesta quantidade 0.10 x N nas ações de cargas correspondentes, se considerar necessário. Se atuar mais do que uma viga de fundação na mesma direção, o momento distribuir-se-á proporcionalmente pelas suas rigidezes. Verificações que realiza: Verificações gerais: - aviso de ecrã - aviso de elementos de suporte muito separados (em CYPECAD) - aviso que não existem elementos de suporte definidos - balanço mínima desde o perímetro da estaca - balanço mínima desde o eixo da estaca - balanço mínima desde o pilar - largura mínima da estaca - capacidade de carga da estaca Verificações particulares: Para cada tipo de Bloco realizam-se as verificações geométricas e mecânicas que a norma indica. Recomendamos que realize um exemplo de cada tipo e obtenha a listagem de verificação, onde pode verificar todas e cada uma das verificações realizadas, avisos emitidos e referências aos artigos da norma ou critério utilizado pelo programa. Dos Blocos pode obter listagens dos dados introduzidos, medição dos Blocos, tabela de estacas, e listagem de verificação. Quanto aos desenhos, poderá obter graficamente a geometria e armaduras obtidas, assim como um quadro de medição e resumo. Como se mencionou anteriormente, é possível definir vários elementos de suporte num mesmo Bloco, tipo pilar ou parede, pelo que se impuseram algumas restrições geométricas em forma de aviso quanto às distâncias dos elementos de suporte ao bordo ou às estacas. Quando existem vários elementos de suporte sobre um Bloco, obtém-se a resultante de todos eles aplicada ao centro do Bloco, utilizando o método de bielas e tirantes e supondo o Bloco rígido, pelo que deve assumir a validade desse método, que conforme o caso particular de que se tratar, possa ficar fora do campo de aplicação desse método, pelo que deverá fazer as correções manuais e cálculos complementares necessários se sair fora do campo de validade desse método e ações consideradas Placas de Ancoragem Na verificação de uma placa de ancoragem, a hipótese básica assumida pelo programa é a de placa rígida ou hipótese de Bernouilli. Isto implica supor que a

17 14 /controle/acesso.asp Tel.: (11) placa permanece plana perante os esforços aos quais se vê submetida, de forma que se podem desprezar as suas deformações para efeitos da distribuição de cargas. Para que isto se cumpra, a placa de ancoragem deve ser simétrica (o que o programa garante sempre) e suficientemente rígida (espessura mínima em função do lado). As verificações que se devem efetuar para validar uma placa de ancoragem dividem-se em três grupos, segundo o elemento verificado: concreto da fundação, parafusos de ancoragem e placa propriamente dita, com os seus enrigecedores, se existirem. Verificação sobre o concreto. Consiste em verificar que no ponto mais comprimido sob a placa não se supera a tensão admissível do concreto. O método utilizado é o das tensões admissíveis, supondo uma distribuição triangular de tensões sobre o concreto que apenas podem ser de compressão. A verificação do concreto só se efetua quando a placa está apoiada sobre o mesmo, e não se tem um estado de tração simples ou composta. Além disso, despreza-se o atrito entre o concreto e a placa de ancoragem, isto é, a resistência perante esforço cortante e torção confia-se exclusivamente aos parafusos. Verificações sobre os parafusos. Cada parafuso vê-se submetido, no caso mais geral, a um esforço axial e a um esforço cortante, avaliando-se cada um deles de forma independente. O programa considera que em placas de ancoragem apoiadas diretamente na fundação, os parafusos só trabalham à tração. No caso da placa estar a certa altura sobre a fundação, os parafusos poderão trabalhar à compressão, fazendo-se a correspondente verificação de encurvadura sobre os mesmos (considera-se o modelo de viga bi-engastada, com possibilidade de corrimento relativo dos apoios normal à diretriz: b = 1) e a translação de esforços à fundação (aparece flexão devida aos esforços cortantes sobre o perfil). O programa faz três grupos de verificações em cada parafuso: Tensão sobre o parafuso. Consiste em verificar que a tensão não supere a resistência de cálculo do parafuso. Verificação do concreto. À parte da rotura do parafuso, outra causa da sua falha é a rotura do concreto que o rodeia por um ou vários dos seguintes motivos: - Deslizamento por perda de aderência - Arranque pelo cone de rotura - Rotura por esforço cortante (concentração de tensões por efeito cunha). Para calcular o cone de rotura de cada parafuso, o programa supõe que a geratriz do mesmo forma 45 graus com o seu eixo. Tem-se em conta a redução de área efetiva pela presença de outros parafusos próximos, dentro do cone de 14 /controle/acesso.asp Tel.: (11) placa permanece plana perante os esforços aos quais se vê submetida, de forma que se podem desprezar as suas deformações para efeitos da distribuição de cargas. Para que isto se cumpra, a placa de ancoragem deve ser simétrica (o que o programa garante sempre) e suficientemente rígida (espessura mínima em função do lado). As verificações que se devem efetuar para validar uma placa de ancoragem dividem-se em três grupos, segundo o elemento verificado: concreto da fundação, parafusos de ancoragem e placa propriamente dita, com os seus enrigecedores, se existirem. Verificação sobre o concreto. Consiste em verificar que no ponto mais comprimido sob a placa não se supera a tensão admissível do concreto. O método utilizado é o das tensões admissíveis, supondo uma distribuição triangular de tensões sobre o concreto que apenas podem ser de compressão. A verificação do concreto só se efetua quando a placa está apoiada sobre o mesmo, e não se tem um estado de tração simples ou composta. Além disso, despreza-se o atrito entre o concreto e a placa de ancoragem, isto é, a resistência perante esforço cortante e torção confia-se exclusivamente aos parafusos. Verificações sobre os parafusos. Cada parafuso vê-se submetido, no caso mais geral, a um esforço axial e a um esforço cortante, avaliando-se cada um deles de forma independente. O programa considera que em placas de ancoragem apoiadas diretamente na fundação, os parafusos só trabalham à tração. No caso da placa estar a certa altura sobre a fundação, os parafusos poderão trabalhar à compressão, fazendo-se a correspondente verificação de encurvadura sobre os mesmos (considera-se o modelo de viga bi-engastada, com possibilidade de corrimento relativo dos apoios normal à diretriz: b = 1) e a translação de esforços à fundação (aparece flexão devida aos esforços cortantes sobre o perfil). O programa faz três grupos de verificações em cada parafuso: Tensão sobre o parafuso. Consiste em verificar que a tensão não supere a resistência de cálculo do parafuso. Verificação do concreto. À parte da rotura do parafuso, outra causa da sua falha é a rotura do concreto que o rodeia por um ou vários dos seguintes motivos: - Deslizamento por perda de aderência - Arranque pelo cone de rotura - Rotura por esforço cortante (concentração de tensões por efeito cunha). Para calcular o cone de rotura de cada parafuso, o programa supõe que a geratriz do mesmo forma 45 graus com o seu eixo. Tem-se em conta a redução de área efetiva pela presença de outros parafusos próximos, dentro do cone de 14 /controle/acesso.asp Tel.: (11) placa permanece plana perante os esforços aos quais se vê submetida, de forma que se podem desprezar as suas deformações para efeitos da distribuição de cargas. Para que isto se cumpra, a placa de ancoragem deve ser simétrica (o que o programa garante sempre) e suficientemente rígida (espessura mínima em função do lado). As verificações que se devem efetuar para validar uma placa de ancoragem dividem-se em três grupos, segundo o elemento verificado: concreto da fundação, parafusos de ancoragem e placa propriamente dita, com os seus enrigecedores, se existirem. Verificação sobre o concreto. Consiste em verificar que no ponto mais comprimido sob a placa não se supera a tensão admissível do concreto. O método utilizado é o das tensões admissíveis, supondo uma distribuição triangular de tensões sobre o concreto que apenas podem ser de compressão. A verificação do concreto só se efetua quando a placa está apoiada sobre o mesmo, e não se tem um estado de tração simples ou composta. Além disso, despreza-se o atrito entre o concreto e a placa de ancoragem, isto é, a resistência perante esforço cortante e torção confia-se exclusivamente aos parafusos. Verificações sobre os parafusos. Cada parafuso vê-se submetido, no caso mais geral, a um esforço axial e a um esforço cortante, avaliando-se cada um deles de forma independente. O programa considera que em placas de ancoragem apoiadas diretamente na fundação, os parafusos só trabalham à tração. No caso da placa estar a certa altura sobre a fundação, os parafusos poderão trabalhar à compressão, fazendo-se a correspondente verificação de encurvadura sobre os mesmos (considera-se o modelo de viga bi-engastada, com possibilidade de corrimento relativo dos apoios normal à diretriz: b = 1) e a translação de esforços à fundação (aparece flexão devida aos esforços cortantes sobre o perfil). O programa faz três grupos de verificações em cada parafuso: Tensão sobre o parafuso. Consiste em verificar que a tensão não supere a resistência de cálculo do parafuso. Verificação do concreto. À parte da rotura do parafuso, outra causa da sua falha é a rotura do concreto que o rodeia por um ou vários dos seguintes motivos: - Deslizamento por perda de aderência - Arranque pelo cone de rotura - Rotura por esforço cortante (concentração de tensões por efeito cunha). Para calcular o cone de rotura de cada parafuso, o programa supõe que a geratriz do mesmo forma 45 graus com o seu eixo. Tem-se em conta a redução de área efetiva pela presença de outros parafusos próximos, dentro do cone de 14 /controle/acesso.asp Tel.: (11) placa permanece plana perante os esforços aos quais se vê submetida, de forma que se podem desprezar as suas deformações para efeitos da distribuição de cargas. Para que isto se cumpra, a placa de ancoragem deve ser simétrica (o que o programa garante sempre) e suficientemente rígida (espessura mínima em função do lado). As verificações que se devem efetuar para validar uma placa de ancoragem dividem-se em três grupos, segundo o elemento verificado: concreto da fundação, parafusos de ancoragem e placa propriamente dita, com os seus enrigecedores, se existirem. Verificação sobre o concreto. Consiste em verificar que no ponto mais comprimido sob a placa não se supera a tensão admissível do concreto. O método utilizado é o das tensões admissíveis, supondo uma distribuição triangular de tensões sobre o concreto que apenas podem ser de compressão. A verificação do concreto só se efetua quando a placa está apoiada sobre o mesmo, e não se tem um estado de tração simples ou composta. Além disso, despreza-se o atrito entre o concreto e a placa de ancoragem, isto é, a resistência perante esforço cortante e torção confia-se exclusivamente aos parafusos. Verificações sobre os parafusos. Cada parafuso vê-se submetido, no caso mais geral, a um esforço axial e a um esforço cortante, avaliando-se cada um deles de forma independente. O programa considera que em placas de ancoragem apoiadas diretamente na fundação, os parafusos só trabalham à tração. No caso da placa estar a certa altura sobre a fundação, os parafusos poderão trabalhar à compressão, fazendo-se a correspondente verificação de encurvadura sobre os mesmos (considera-se o modelo de viga bi-engastada, com possibilidade de corrimento relativo dos apoios normal à diretriz: b = 1) e a translação de esforços à fundação (aparece flexão devida aos esforços cortantes sobre o perfil). O programa faz três grupos de verificações em cada parafuso: Tensão sobre o parafuso. Consiste em verificar que a tensão não supere a resistência de cálculo do parafuso. Verificação do concreto. À parte da rotura do parafuso, outra causa da sua falha é a rotura do concreto que o rodeia por um ou vários dos seguintes motivos: - Deslizamento por perda de aderência - Arranque pelo cone de rotura - Rotura por esforço cortante (concentração de tensões por efeito cunha). Para calcular o cone de rotura de cada parafuso, o programa supõe que a geratriz do mesmo forma 45 graus com o seu eixo. Tem-se em conta a redução de área efetiva pela presença de outros parafusos próximos, dentro do cone de

18 15 /controle/acesso.asp Tel.: (11) rotura em questão. Não se têm em conta os seguintes efeitos, cujo aparecimento deve ser verificado pelo usuario. - Parafusos muito próximos do bordo da fundação. Nenhum parafuso deve estar a menos distância do bordo da fundação, que o seu comprimento de ancoragem, uma vez que se reduziria a área efetiva do cone de rotura e além disso apareceria outro mecanismo de rotura lateral por esforço cortante não contemplado no programa. - Espessura reduzida da fundação. Não se contempla o efeito de cone de ruptura global que aparece quando há vários parafusos agrupados e a espessura do concreto é pequena. - O programa não contempla a possibilidade de utilizar parafusos contínuos, uma vez que não faz as verificações necessárias neste caso (tensões na outra face do concreto). Esmagamento da placa. O programa também verifica se, em cada parafuso, não se supera o esforço cortante que o esmagamento da placa contra o parafuso produziria. Verificações sobre a placa Cálculo de tensões globais. O programa constrói quatro seções no perímetro do perfil, verificando todas perante tensões. Esta verificação só se faz em placas com balanço (não se têm em conta as encurvaduras locais dos enrigecedores, e o utilizador deve verificar que as suas respetivas espessuras não lhes dão uma esbelteza excessiva). Cálculo de tensões locais. Trata-se de verificar todas as placas locais nas quais perfil e enrigecedores dividem a placa de ancoragem propriamente dita. Para cada uma destas placas locais, partindo da distribuição de tensões no concreto e de esforços axiais nos parafusos, calcula-se o seu fletor ponderado desfavorável, comparando-se com o fletor de rotura plástica. Isto parece razoável, uma vez que para verificar cada placa local supomos o ponto mais desfavorável da mesma, onde obtemos um pico local de tensões que se pode baixar pelo aparecimento de plastificação, sem diminuir a segurança da placa Sapatas de Concreto em Massa As sapatas de concreto em massa são aquelas em que os esforços no estado limite último são resistidos exclusivamente pelo concreto. No entanto, podem-se colocar no programa grelhas nas sapatas, mas o cálculo realizar-se-á como estrutura debilmente armada, isto é, como estruturas nas quais as armaduras têm a missão de controlar a fissuração devida à retração e à 15 /controle/acesso.asp Tel.: (11) rotura em questão. Não se têm em conta os seguintes efeitos, cujo aparecimento deve ser verificado pelo usuario. - Parafusos muito próximos do bordo da fundação. Nenhum parafuso deve estar a menos distância do bordo da fundação, que o seu comprimento de ancoragem, uma vez que se reduziria a área efetiva do cone de rotura e além disso apareceria outro mecanismo de rotura lateral por esforço cortante não contemplado no programa. - Espessura reduzida da fundação. Não se contempla o efeito de cone de ruptura global que aparece quando há vários parafusos agrupados e a espessura do concreto é pequena. - O programa não contempla a possibilidade de utilizar parafusos contínuos, uma vez que não faz as verificações necessárias neste caso (tensões na outra face do concreto). Esmagamento da placa. O programa também verifica se, em cada parafuso, não se supera o esforço cortante que o esmagamento da placa contra o parafuso produziria. Verificações sobre a placa Cálculo de tensões globais. O programa constrói quatro seções no perímetro do perfil, verificando todas perante tensões. Esta verificação só se faz em placas com balanço (não se têm em conta as encurvaduras locais dos enrigecedores, e o utilizador deve verificar que as suas respetivas espessuras não lhes dão uma esbelteza excessiva). Cálculo de tensões locais. Trata-se de verificar todas as placas locais nas quais perfil e enrigecedores dividem a placa de ancoragem propriamente dita. Para cada uma destas placas locais, partindo da distribuição de tensões no concreto e de esforços axiais nos parafusos, calcula-se o seu fletor ponderado desfavorável, comparando-se com o fletor de rotura plástica. Isto parece razoável, uma vez que para verificar cada placa local supomos o ponto mais desfavorável da mesma, onde obtemos um pico local de tensões que se pode baixar pelo aparecimento de plastificação, sem diminuir a segurança da placa Sapatas de Concreto em Massa As sapatas de concreto em massa são aquelas em que os esforços no estado limite último são resistidos exclusivamente pelo concreto. No entanto, podem-se colocar no programa grelhas nas sapatas, mas o cálculo realizar-se-á como estrutura debilmente armada, isto é, como estruturas nas quais as armaduras têm a missão de controlar a fissuração devida à retração e à 15 /controle/acesso.asp Tel.: (11) rotura em questão. Não se têm em conta os seguintes efeitos, cujo aparecimento deve ser verificado pelo usuario. - Parafusos muito próximos do bordo da fundação. Nenhum parafuso deve estar a menos distância do bordo da fundação, que o seu comprimento de ancoragem, uma vez que se reduziria a área efetiva do cone de rotura e além disso apareceria outro mecanismo de rotura lateral por esforço cortante não contemplado no programa. - Espessura reduzida da fundação. Não se contempla o efeito de cone de ruptura global que aparece quando há vários parafusos agrupados e a espessura do concreto é pequena. - O programa não contempla a possibilidade de utilizar parafusos contínuos, uma vez que não faz as verificações necessárias neste caso (tensões na outra face do concreto). Esmagamento da placa. O programa também verifica se, em cada parafuso, não se supera o esforço cortante que o esmagamento da placa contra o parafuso produziria. Verificações sobre a placa Cálculo de tensões globais. O programa constrói quatro seções no perímetro do perfil, verificando todas perante tensões. Esta verificação só se faz em placas com balanço (não se têm em conta as encurvaduras locais dos enrigecedores, e o utilizador deve verificar que as suas respetivas espessuras não lhes dão uma esbelteza excessiva). Cálculo de tensões locais. Trata-se de verificar todas as placas locais nas quais perfil e enrigecedores dividem a placa de ancoragem propriamente dita. Para cada uma destas placas locais, partindo da distribuição de tensões no concreto e de esforços axiais nos parafusos, calcula-se o seu fletor ponderado desfavorável, comparando-se com o fletor de rotura plástica. Isto parece razoável, uma vez que para verificar cada placa local supomos o ponto mais desfavorável da mesma, onde obtemos um pico local de tensões que se pode baixar pelo aparecimento de plastificação, sem diminuir a segurança da placa Sapatas de Concreto em Massa As sapatas de concreto em massa são aquelas em que os esforços no estado limite último são resistidos exclusivamente pelo concreto. No entanto, podem-se colocar no programa grelhas nas sapatas, mas o cálculo realizar-se-á como estrutura debilmente armada, isto é, como estruturas nas quais as armaduras têm a missão de controlar a fissuração devida à retração e à 15 /controle/acesso.asp Tel.: (11) rotura em questão. Não se têm em conta os seguintes efeitos, cujo aparecimento deve ser verificado pelo usuario. - Parafusos muito próximos do bordo da fundação. Nenhum parafuso deve estar a menos distância do bordo da fundação, que o seu comprimento de ancoragem, uma vez que se reduziria a área efetiva do cone de rotura e além disso apareceria outro mecanismo de rotura lateral por esforço cortante não contemplado no programa. - Espessura reduzida da fundação. Não se contempla o efeito de cone de ruptura global que aparece quando há vários parafusos agrupados e a espessura do concreto é pequena. - O programa não contempla a possibilidade de utilizar parafusos contínuos, uma vez que não faz as verificações necessárias neste caso (tensões na outra face do concreto). Esmagamento da placa. O programa também verifica se, em cada parafuso, não se supera o esforço cortante que o esmagamento da placa contra o parafuso produziria. Verificações sobre a placa Cálculo de tensões globais. O programa constrói quatro seções no perímetro do perfil, verificando todas perante tensões. Esta verificação só se faz em placas com balanço (não se têm em conta as encurvaduras locais dos enrigecedores, e o utilizador deve verificar que as suas respetivas espessuras não lhes dão uma esbelteza excessiva). Cálculo de tensões locais. Trata-se de verificar todas as placas locais nas quais perfil e enrigecedores dividem a placa de ancoragem propriamente dita. Para cada uma destas placas locais, partindo da distribuição de tensões no concreto e de esforços axiais nos parafusos, calcula-se o seu fletor ponderado desfavorável, comparando-se com o fletor de rotura plástica. Isto parece razoável, uma vez que para verificar cada placa local supomos o ponto mais desfavorável da mesma, onde obtemos um pico local de tensões que se pode baixar pelo aparecimento de plastificação, sem diminuir a segurança da placa Sapatas de Concreto em Massa As sapatas de concreto em massa são aquelas em que os esforços no estado limite último são resistidos exclusivamente pelo concreto. No entanto, podem-se colocar no programa grelhas nas sapatas, mas o cálculo realizar-se-á como estrutura debilmente armada, isto é, como estruturas nas quais as armaduras têm a missão de controlar a fissuração devida à retração e à

19 contração térmica, mas que não se considerarão para efeitos resistentes, isto é, para resistir aos esforços. Convém salientar que, contra a opinião alargada que existe, as estruturas de concreto em massa requerem mais cuidados no seu projeto e execução que as de concreto armado ou pré-esforçado. Na memória de cálculo tratar-se-ão os aspetos destas sapatas que apresentam diferenças significativas com as sapatas de concreto armado, e far-se-á referência à memória de cálculo das sapatas de concreto armado nos aspetos comuns a ambas Cálculo de Sapatas Como Sólido Rígido O cálculo da sapata como sólido rígido compreende, nas sapatas isoladas, duas comprovações: - Comprovação da balanço. - Comprovação das tensões sobre o terreno. Estas duas comprovações são idênticas às que se realizam nas sapatas de concreto armado, e encontram-se explicadas na memória de cálculo dessas sapatas. contração térmica, mas que não se considerarão para efeitos resistentes, isto é, para resistir aos esforços. Convém salientar que, contra a opinião alargada que existe, as estruturas de concreto em massa requerem mais cuidados no seu projeto e execução que as de concreto armado ou pré-esforçado. Na memória de cálculo tratar-se-ão os aspetos destas sapatas que apresentam diferenças significativas com as sapatas de concreto armado, e far-se-á referência à memória de cálculo das sapatas de concreto armado nos aspetos comuns a ambas Cálculo de Sapatas Como Sólido Rígido O cálculo da sapata como sólido rígido compreende, nas sapatas isoladas, duas comprovações: - Comprovação da balanço. - Comprovação das tensões sobre o terreno. Estas duas comprovações são idênticas às que se realizam nas sapatas de concreto armado, e encontram-se explicadas na memória de cálculo dessas sapatas Cálculo da Sapata Como Estrutura de Concreto em Massa Cálculo da Sapata Como Estrutura de Concreto em Massa. Neste capítulo é onde se apresentam as diferenças fundamentais com as sapatas de concreto armado. A seguir expõem-se as três comprovações que se realizam para o cálculo estrutural das sapatas de concreto em massa. Comprovação de flexão. As seções de referência que se utilizam para o cálculo à flexão nas sapatas de concreto em massa são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se especificadas no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que as tensões de flexão, na ação de deformação plana, produzidas sob a ação do momento fletor de cálculo, devem ser inferiores à resistência à flexotração dada pela seguinte fórmula: Neste capítulo é onde se apresentam as diferenças fundamentais com as sapatas de concreto armado. A seguir expõem-se as três comprovações que se realizam para o cálculo estrutural das sapatas de concreto em massa. Comprovação de flexão. As seções de referência que se utilizam para o cálculo à flexão nas sapatas de concreto em massa são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se especificadas no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que as tensões de flexão, na ação de deformação plana, produzidas sob a ação do momento fletor de cálculo, devem ser inferiores à resistência à flexotração dada pela seguinte fórmula: 16 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11) contração térmica, mas que não se considerarão para efeitos resistentes, isto é, para resistir aos esforços. Convém salientar que, contra a opinião alargada que existe, as estruturas de concreto em massa requerem mais cuidados no seu projeto e execução que as de concreto armado ou pré-esforçado. Na memória de cálculo tratar-se-ão os aspetos destas sapatas que apresentam diferenças significativas com as sapatas de concreto armado, e far-se-á referência à memória de cálculo das sapatas de concreto armado nos aspetos comuns a ambas Cálculo de Sapatas Como Sólido Rígido O cálculo da sapata como sólido rígido compreende, nas sapatas isoladas, duas comprovações: - Comprovação da balanço. - Comprovação das tensões sobre o terreno. Estas duas comprovações são idênticas às que se realizam nas sapatas de concreto armado, e encontram-se explicadas na memória de cálculo dessas sapatas. contração térmica, mas que não se considerarão para efeitos resistentes, isto é, para resistir aos esforços. Convém salientar que, contra a opinião alargada que existe, as estruturas de concreto em massa requerem mais cuidados no seu projeto e execução que as de concreto armado ou pré-esforçado. Na memória de cálculo tratar-se-ão os aspetos destas sapatas que apresentam diferenças significativas com as sapatas de concreto armado, e far-se-á referência à memória de cálculo das sapatas de concreto armado nos aspetos comuns a ambas Cálculo de Sapatas Como Sólido Rígido O cálculo da sapata como sólido rígido compreende, nas sapatas isoladas, duas comprovações: - Comprovação da balanço. - Comprovação das tensões sobre o terreno. Estas duas comprovações são idênticas às que se realizam nas sapatas de concreto armado, e encontram-se explicadas na memória de cálculo dessas sapatas Cálculo da Sapata Como Estrutura de Concreto em Massa Cálculo da Sapata Como Estrutura de Concreto em Massa. Neste capítulo é onde se apresentam as diferenças fundamentais com as sapatas de concreto armado. A seguir expõem-se as três comprovações que se realizam para o cálculo estrutural das sapatas de concreto em massa. Comprovação de flexão. As seções de referência que se utilizam para o cálculo à flexão nas sapatas de concreto em massa são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se especificadas no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que as tensões de flexão, na ação de deformação plana, produzidas sob a ação do momento fletor de cálculo, devem ser inferiores à resistência à flexotração dada pela seguinte fórmula: Neste capítulo é onde se apresentam as diferenças fundamentais com as sapatas de concreto armado. A seguir expõem-se as três comprovações que se realizam para o cálculo estrutural das sapatas de concreto em massa. Comprovação de flexão. As seções de referência que se utilizam para o cálculo à flexão nas sapatas de concreto em massa são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se especificadas no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que as tensões de flexão, na ação de deformação plana, produzidas sob a ação do momento fletor de cálculo, devem ser inferiores à resistência à flexotração dada pela seguinte fórmula: 16 /controle/acesso.asp Tel.: (11) /controle/acesso.asp Tel.: (11)

20 Nas fórmulas anteriores fck está em N/mm 2 e h (altura) em mm. Comprovação de esforço cortante. As seções de referência que se utilizam para o cálculo ao esforço cortante são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que a tensão tangencial máxima produzida pelo esforço cortante não deve ultrapassar o valor de ft,d, o qual é dado por: Nas fórmulas anteriores fck está em N/mm 2 e h (altura) em mm. Comprovação de esforço cortante. As seções de referência que se utilizam para o cálculo ao esforço cortante são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que a tensão tangencial máxima produzida pelo esforço cortante não deve ultrapassar o valor de ft,d, o qual é dado por: Comprovação de compressão oblíqua. A comprovação de rotura do concreto por compressão oblíqua realiza-se no bordo do apoio e comprova-se que a tensão tangencial de cálculo no perímetro do apoio seja menor ou igual a um determinado valor máximo. Esta comprovação far-se-á igual para todas as normas, aplicando o artigo 46.4 da norma espanhola EHE-98. Esse artigo estabelece o seguinte: Comprovação de compressão oblíqua. A comprovação de rotura do concreto por compressão oblíqua realiza-se no bordo do apoio e comprova-se que a tensão tangencial de cálculo no perímetro do apoio seja menor ou igual a um determinado valor máximo. Esta comprovação far-se-á igual para todas as normas, aplicando o artigo 46.4 da norma espanhola EHE-98. Esse artigo estabelece o seguinte: Onde: fcd é a resistência de cálculo do concreto à compressão simples. Fsd é o esforço axial que o apoio transmite à sapata. b é um coeficiente que tem em conta a excentricidade da carga. Quando não há transmissão de momentos entre o apoio e a sapata, 17 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Onde: fcd é a resistência de cálculo do concreto à compressão simples. Fsd é o esforço axial que o apoio transmite à sapata. b é um coeficiente que tem em conta a excentricidade da carga. Quando não há transmissão de momentos entre o apoio e a sapata, 17 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Nas fórmulas anteriores fck está em N/mm 2 e h (altura) em mm. Comprovação de esforço cortante. As seções de referência que se utilizam para o cálculo ao esforço cortante são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que a tensão tangencial máxima produzida pelo esforço cortante não deve ultrapassar o valor de ft,d, o qual é dado por: Nas fórmulas anteriores fck está em N/mm 2 e h (altura) em mm. Comprovação de esforço cortante. As seções de referência que se utilizam para o cálculo ao esforço cortante são as mesmas que nas sapatas de concreto armado e encontram-se no capítulo correspondente da memória de cálculo. Em todas as seções deve-se verificar que a tensão tangencial máxima produzida pelo esforço cortante não deve ultrapassar o valor de ft,d, o qual é dado por: Comprovação de compressão oblíqua. A comprovação de rotura do concreto por compressão oblíqua realiza-se no bordo do apoio e comprova-se que a tensão tangencial de cálculo no perímetro do apoio seja menor ou igual a um determinado valor máximo. Esta comprovação far-se-á igual para todas as normas, aplicando o artigo 46.4 da norma espanhola EHE-98. Esse artigo estabelece o seguinte: Comprovação de compressão oblíqua. A comprovação de rotura do concreto por compressão oblíqua realiza-se no bordo do apoio e comprova-se que a tensão tangencial de cálculo no perímetro do apoio seja menor ou igual a um determinado valor máximo. Esta comprovação far-se-á igual para todas as normas, aplicando o artigo 46.4 da norma espanhola EHE-98. Esse artigo estabelece o seguinte: Onde: fcd é a resistência de cálculo do concreto à compressão simples. Fsd é o esforço axial que o apoio transmite à sapata. b é um coeficiente que tem em conta a excentricidade da carga. Quando não há transmissão de momentos entre o apoio e a sapata, 17 /controle/acesso.asp Tel.: (11) Onde: fcd é a resistência de cálculo do concreto à compressão simples. Fsd é o esforço axial que o apoio transmite à sapata. b é um coeficiente que tem em conta a excentricidade da carga. Quando não há transmissão de momentos entre o apoio e a sapata, 17 /controle/acesso.asp Tel.: (11)

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

MULTIPLUS www.multiplus.com

MULTIPLUS www.multiplus.com Conhecida a flecha absoluta, poder-se-á determinar a flecha relativa ( L /xxx ), observando os apoios das zonas adjacentes ao ponto de máxima flecha absoluta e considerando o vão menor das possíveis contíguas.

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Home Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Introdução A versão Tricalc 7.2 oferece, entre outras novidades, uma apresentação

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

MULTIPLUS www.multiplus.com

MULTIPLUS www.multiplus.com 5. Detalhamento de Pilares e Parede s. Desenho pormenorizado do pilar e das paredes, incluindo o corte dos comprimentos e um quadro com os comprimentos de todos os barras. 6. Ações em fundação. Desenho

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES...

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... 3 7.- RESULTADOS DAS FASES... 3 8.- COMBINAÇÕES... 3 9.-

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo Memória de cálculo Muros em consola de B.A. Muros em consola de B.A. Memória de cálculo Software para Engenharia e Construção 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação

Leia mais

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES No item 4.2.3. 1.C da NB-1 alerta-se que nas lajes (e vigas) deve-se limitar as flechas das estruturas. No caso das lajes maciças, (nosso caso), será

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Fernando Fonseca, Ph.D., S.E. Brigham Young University - Utah - USA (essa é uma pegadinha) 5 Qual é o problema se a viga é alta? Distribuição das deformações na secção

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA Dimensionamento MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

Exemplo de projeto estrutural

Exemplo de projeto estrutural Planta de formas do pavimento tipo Exemplo de projeto estrutural P1-30x30 P2-20x50 P3-30x30 V1 L1 L2 P4-20x50 P5-40x40 P-20x50 V2 Estruturas de Concreto Armado Prof. José Milton de Araújo L3 480 cm 480

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES 338 Curso de Concreto Armado 1. Lajes retangulares apoiadas no contorno As tabelas A2.1 a A2.6 correspondem a lajes retangulares apoiadas ao longo de todo o contorno

Leia mais

h = comprimento de flambagem nas duas direções

h = comprimento de flambagem nas duas direções Pilares Como se sabe, o pilar é uma barra submetida predominantemente a compressão axial. Em alguns casos, entretanto, os pilares podem ficar submetidos, além do esforço de compressão axial, ao esforço

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES DETERMINAÇÃO DE ESFORÇOS OS HORIZONTAIS ESFORÇOS ATUANTES NOS PILARES Os pilares estão submetidos a esforços verticais e horizontais. Os esforços verticais

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 1 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Projeto. em fundações. de aerogeradores

Projeto. em fundações. de aerogeradores Projeto em fundações de aerogeradores titre Apresentação Carte Carte Equipe: Brasil Equipe: Vietnã Estrutura de comunicação: Vídeo-conferência França/Vietnã Estrutura de comunicação: Vídeo-conferência

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS

ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto foi elaborado pela CE-02:123.03 - Alvenaria Estrutural - Blocos Cerâmicos - do ABNT/CB- 02 - Construção Civil, nas

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE Fernando Rebouças Stucchi São Paulo,Outubro/2010 Resumo 1. Segurança estrutural 2. Teoria da Confiabilidade e as variabilidades 3. Método

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

Software para Engenharia e Construção. Manual do Utilizador. Gerador de pórticos

Software para Engenharia e Construção. Manual do Utilizador. Gerador de pórticos Software para Engenharia e Construção Gerador de pórticos Gerador de pórticos 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros,

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil - Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@yahoo.com.br Dimensionamento de estruturas especiais de

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

CURSO DE CONCRETO ARMADO

CURSO DE CONCRETO ARMADO CURSO DE CONCRETO ARMADO Calculando com o PACON 2006 JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Professor Titular da FURG Doutor em Engenharia CURSO DE CONCRETO ARMADO Calculando com o PACON 2006 Editora DUNAS CURSO DE CONCRETO

Leia mais

PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES

PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES Capítulo ESTRUTURAS USUAIS DE CONCRETO ARMADO 4 4 ESTRUTURAS USUAIS DE CONCRETO ARMADO 41 INTRODUÇÃO Os resultados obtidos na prática da construção de obras de

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade.

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade. Coordenação Modular na Construção Civil O QUE É? Toda construção é feita de partes, que podem ser unidas no canteiro de obras ou numa fábrica, com argamassa, cola, parafuso, encaixe ou qualquer outro processo.

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva Elementos estruturais em edifícios de concreto

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais