ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA"

Transcrição

1 CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência As tensões de aderência τ b são variáveis ao ongo do comprimento de ancoragem b. Entretanto, para efeito de projeto é suficiente considerar o vaor médio de cácuo f bd. Prof. José Miton de Araújo - FURG 2

2 Se a tensão na barra é igua à tensão de escoamento de cácuo do aço, f yd, a força R sd é dada por R sd onde φ é o diâmetro da barra. 2 πφ = As f yd = f yd (7.1.1) 4 Equiíbrio: u f = R (7.1.2) s b bd sd u = πφ é o perímetro da seção da barra. s Das duas equações, obtém-se o comprimento básico de ancoragem φ f yd b = (7.1.3) 4 f bd Prof. José Miton de Araújo - FURG 3 Trajetórias das tensões principais na ancoragem Prof. José Miton de Araújo - FURG 4

3 Na direção transversa à barra surgem tensões de tração, cuja resutante produz o esforço de tração transversa denominado esforço de fendihamento. O vaor máximo do esforço de fendihamento é aproximadamente igua a R sd 4, nos casos de ancoragem por aderência. Em virtude das tensões de tração, surge sempre o risco de aparecerem fissuras ongitudinais ou de fendihamento na região da ancoragem. Se o cobrimento de concreto, c, for pequeno em reação ao diâmetro da barra, ee pode romper-se, como indicado na figura. Fendihamento na zona da ancoragem Prof. José Miton de Araújo - FURG 5 Os efeitos desfavoráveis do fendihamento podem ser eiminados quando existe uma compressão transversa na zona da ancoragem, como ocorre nos apoios diretos das vigas. Se essa compressão não existir, é necessário coocar uma armadura transversa, ao ongo do comprimento de ancoragem, capaz de absorver os esforços de fendihamento. Por isso, a NBR-6118 exige que, à exceção das regiões sobre apoios diretos, as ancoragens por aderência sejam confinadas por armaduras transversais ou peo próprio concreto. Neste útimo caso, é necessário que o cobrimento da barra ancorada seja maior ou igua a 3 φ e que a distância entre barras ancoradas também seja no mínimo igua a 3 φ. Prof. José Miton de Araújo - FURG 6

4 7.2 Tensão de aderência Convencionamente, a aderência entre o aço e o concreto é separada em três componentes: a aderência por adesão, a aderência por atrito e a aderência mecânica. A aderência por adesão decorre das igações físico-químicas que se estabeecem no contato entre o aço e o concreto (efeito de coagem) durante o processo de pega do cimento. Esse efeito é destruído para pequenos desocamentos da barra de aço e, portanto, dá uma contribuição muito pequena para a resistência da aderência. A aderência por atrito decorre do desocamento da barra de aço em reação ao concreto. As forças de atrito dependem da rugosidade superficia da barra e das pressões transversais às armaduras. Assim, uma compressão transversa também é favoráve para aumentar a aderência por atrito. A aderência mecânica ocorre em barras nervuradas, através do contato direto entre o concreto e as saiências na superfície da barra. Prof. José Miton de Araújo - FURG 7 Ensaio de arrancamento A tensão de aderência média, τ b, é dada por P P τ b = = (7.2.1) u πφ s o o Prof. José Miton de Araújo - FURG 8

5 Reação tensão de aderênciaescorregamento A resistência da aderência depende, ainda, da posição das barras de aço na estrutura. Barras verticais estão sempre em uma posição favoráve, enquanto que barras horizontais podem estar em uma situação desfavoráve, dependendo de sua ocaização. Devido à sedimentação do concreto fresco, pode ocorrer um acúmuo de água sob as barras horizontais, com a consequente formação de vazios na parte inferior das mesmas. Por causa disto, a resistência da aderência fica reduzida. Prof. José Miton de Araújo - FURG Tensão útima de aderência Na figura abaixo, são iustrados os casos possíveis para concretagem sobre formas fixas. Usando formas desizantes, devem-se considerar todas as barras em posição de má aderência. B boa aderência M má aderência M B h<30cm h<60cm B 30cm h>60cm M B 30cm α>45 o B Posições de boa e de má aderência Prof. José Miton de Araújo - FURG 10

6 O vaor de cácuo da tensão útima de aderência é obtido com o emprego da expressão = η η (7.3.1) fbd 1 2η3 f ctd onde f ctd é o vaor de cácuo da resistência à tração do concreto, obtido a partir da resistência característica inferior f, e os ctk, inf coeficientes η evam em conta os demais fatores que infuenciam na resistência da aderência. η 1 = 1,0 para barras isas (CA-25 e CA-60 iso); η 1 = 1,4 para barras entahadas (CA-60 entahado); η 1 = 2,25 para barras nervuradas (CA-50); η 2 = 1,0 para situações de boa aderência; η 2 = 0,7 para situações de má aderência; η 3 = 1,0 para barras de diâmetro φ 32mm; η φ = (com φ em mm) para φ > 32mm. 100 Prof. José Miton de Araújo - FURG 11 A resistência à tração de cácuo é dada por fctk,inf f = (7.3.2) ctd γ c Considerando η 1 = 2, 25 (para barras nervuradas), η 2 =1, 0 (para situações de boa aderência), η 3 =1, 0 (para barras com φ 32 mm), γ c =1,4 e as reações entre f ctk, inf e f ck do capítuo 1, pode-se escrever ( f ) 2 3 f bd = 0,42 cd, se f 50 MPa (7.3.3) ( 0, ) bd f cd ck f = 2,4n 1+ 15, se f > 50 MPa (7.3.4) As expressões (7.3.3) e (7.3.4) são váidas para barras nervuradas em uma situação de boa aderência, desde que φ 32 mm. ck Prof. José Miton de Araújo - FURG 12

7 Considerando apenas os casos usuais em que φ 32 mm, para as situações de boa aderência, a tensão de cácuo f bd é dada por ( f ) 2 3 f bd = k 0,42 cd, se f 50 MPa (7.3.5) ( 0, ) f = k 2,4n 1+ 15, se f > 50 MPa (7.3.6) bd f cd k =1,00 para barras nervuradas, k = 0,62 para barras entahadas, k = 0,44 para barras isas. Para as barras em situações de má aderência, as expressões (7.3.5) e (7.3.6) devem ser mutipicadas por 0,7. ck ck Prof. José Miton de Araújo - FURG Comprimento de ancoragem reta A = (7.4.1) s, ca b, nec b b,min Ase b φ f yd = 25φ (7.4.2) 4 f bd b, min 0,3b ;10φ ; 10cm (7.4.3) No caso de feixes de barras, o comprimento básico de ancoragem b é cacuado considerando-se o diâmetro do círcuo de mesma área do feixe. Por exempo, para um feixe de n barras de diâmetro φ o, o diâmetro equivaente é φ = n. n φ o Prof. José Miton de Araújo - FURG 14

8 As barras constituintes de feixes devem ter ancoragem reta, sem ganchos, e devem atender às seguintes condições: a) quando o diâmetro equivaente do feixe for menor ou igua a 25mm, o feixe pode ser tratado como uma barra única, de diâmetro φ n, vaendo todas as prescrições para ancoragem de barras isoadas; b) quando o diâmetro equivaente for maior que 25mm, a ancoragem deve ser cacuada para cada barra isoada, defasando as suas extremidades para reduzir os efeitos de concentrações de tensões de aderência; essa defasagem das extremidades não deve ser inferior a 1,2 vezes o comprimento de ancoragem de cada barra isoada; c) quando, por razões construtivas, não for possíve proceder como recomendado no item (b), o feixe pode ser tratado como uma barra única de diâmetro φ n; neste caso, é obrigatório o emprego de armadura transversa adiciona na região da ancoragem. Prof. José Miton de Araújo - FURG 15 O comprimento de ancoragem das barras comprimidas também é cacuado com a expressão (7.4.1). Nesses casos, as barras só podem ser ancoradas com ancoragem reta. Exceção: Ancoragem das barras de espera dos piares nas sapatas ou nos bocos de fundação Neste caso, o gancho tem apenas a função construtiva de faciitar a montagem. Se a barra do piar estiver comprimida, o gancho não sofre nenhum esforço, pois a ancoragem é feita no topo da sapata ou do boco, através das bieas de compressão. Se a barra do piar estiver tracionada, tem-se a ancoragem com gancho usua. O imite 0,6b dentro da sapata eva em conta os efeitos favoráveis do gancho, do cobrimento de concreto e da reação As,ca/Ase. Prof. José Miton de Araújo - FURG 16

9 7.5 Barras com ganchos Segundo a NBR-6118, os ganchos das extremidades das barras da armadura ongitudina de tração podem ser semicircuares (Tipo 1), em ânguo de 45 o (Tipo 2) ou em ânguo reto (Tipo 3). As extremidades retas desses ganchos devem ter os comprimentos mínimos indicados na figura. Para as barras isas, os ganchos deverão ser sempre semicircuares. Nos ganchos dos estribos, os comprimentos mínimos são de 5φ 5cm para o Tipo 1 e o Tipo 2 e de 10φ 7cm para o Tipo 3. Este útimo tipo de gancho não deve ser utiizado para estribos de barras e fios isos. Tipos de ganchos Prof. José Miton de Araújo - FURG 17 Tabea Diâmetros mínimos de dobramento (ganchos e estribos) Bitoa CA-25 CA-50 CA-60 φ < 20 4 φ 5 φ 6 φ φ 20 5 φ 8 φ Para estribos de bitoa não superior a 10, o diâmetro mínimo de dobramento é igua a φ 3. As barras isas tracionadas devem ser ancoradas com gancho, obrigatoriamente. As barras que forem sempre comprimidas devem ser ancoradas apenas com ancoragens retiíneas, pois os ganchos aumentam o risco de fendihamento na extremidade da barra. Nas barras sujeitas a esforços aternados de tração e de compressão, deve-se fazer a ancoragem sem ganchos. Não é recomendado o emprego de gancho para barras de φ > 32mm. Prof. José Miton de Araújo - FURG 18

10 Para evar em conta o efeito favoráve do gancho, o comprimento de ancoragem pode ser reduzido em reação à ancoragem reta, como indicado na figura. Ancoragem de barras tracionadas com ganchos A = α (7.5.2) s, ca b, nec 1b b,min Ase α 1 = 0,7 se o cobrimento de concreto no pano norma ao gancho for maior ou igua a 3 φ ; α 1 = 1,0 se o cobrimento for menor que 3 φ. Prof. José Miton de Araújo - FURG Outros fatores de redução do comprimento de ancoragem Segundo o CEB/90, o comprimento de ancoragem necessário é dado por As, ca b, nec = α 1α 2α3α 4α5b b,min (7.6.1) A Os cinco coeficientes introduzidos na equação (7.6.1) evam em conta os seguintes fatores favoráveis para a ancoragem: α 1: efeito de gancho ou aços; α 2: efeito de barras transversais sodadas; α 3: efeito do cobrimento das armaduras; α 4: efeito de barras transversais não sodadas; α : efeito da pressão transversa. 5 se Prof. José Miton de Araújo - FURG 20

11 7.7 Ancoragem em apoio de extremidade Ancoragem em apoio de extremidade Força a ser ancorada: a R sd = Vd (7.7.3) d onde a é obtido da equação (6.5.9) do capítuo anterior. Armadura cacuada: A = s, ca Rsd f yd (7.7.4) e A se é a armadura que reamente chega ao apoio. Prof. José Miton de Araújo - FURG 21 O comprimento de ancoragem é medido a partir da face do apoio. O comprimento de ancoragem b, nec é obtido da expressão (7.6.1), considerando-se os fatores de redução indicados na tabea No caso de ancoragem reta, o vaor mínimo (7.4.3). b, min é dado na equação Quando a barra termina em gancho no apoio, deve-se verificar que R + 5,5φ b, 7.7.5) 6cm nec sendo φ o diâmetro da barra e R o raio de dobramento do gancho. Prof. José Miton de Araújo - FURG 22

12 Exempo o s k Concreto: fck=30 MPa Aço: CA-50 A) Dimensionamento da armadura ongitudina 2 pk M k = = 90 knm s = 5, 61 8 A cm 2 Prof. José Miton de Araújo - FURG 23 Armando a viga com barras de φ = 16 2 mm, tem-se: - área de uma barra: As1 = 2, 01 cm 2 4 5,61 - número de barras necessárias: n = = 2,79 n = 3 barras 2,01 - área de aço adotada: A s, adot = 3x2,01 = 6, 03 cm 2 = πφ B) Escaonamento da armadura ongitudina Uma barra será cortada (ficando mais curta que o vão) e duas barras serão passadas de apoio a apoio. Prof. José Miton de Araújo - FURG 24

13 C) Ancoragem no vão (da barra que será cortada) As, ca = 5,61cm 2 (para Mk). A = 6, 03 cm 2 (adotado). f 30 - resistência da aderência: fcd = ck = = 21, 43 MPa 1,4 1,4 se f bd ( f ) = 0,42( 21,43) f = 3, 24 = 0,42 cd bd MPa - comprimento básico de ancoragem: b φ f yd 1,6 434,8 = = b 4 f 4 3,24 bd 54 cm Como 54 > 25φ = 40 cm b = 54 cm onde f = 500 1,15 = 434, 8 MPa. yd Prof. José Miton de Araújo - FURG 25 - comprimento mínimo de ancoragem: Para ancoragem no vão, reta ou com gancho, tem-se: 0,3 b 10 b, min φ Logo, 17 cm. b, min = 0,3x54 = 16,2cm = 10x1,6 = 16cm 10cm - comprimento de ancoragem reta: A 5,61 = 54 x b, 6,03 s, ca b, nec = b nec = Ase 50 cm Como >, adota-se 50 cm. b, nec b, min b, nec = Prof. José Miton de Araújo - FURG 26

14 D) Ancoragem nos apoios de extremidade pk 20x6 Cortante: Vk = = = 60 kn. Vd = 1,4V k = 84 kn. 2 2 A = s, ca a d V f d yd Para as vigas dos edifícios: a = d (simpificação) Vd 84 A s, ca = = As, ca = 1,93 cm 2 f 43,48 yd A se = 2 x2,01 = 4,02 cm 2 (só duas barras nos apoios). Prof. José Miton de Araújo - FURG 27 - comprimento de ancoragem reta: A 1,93 = 54 x b, 4,02 s, ca b, nec = b nec = Ase 26 cm b, min = Como 17 cm (visto anteriormente) >, deve-se adotar 26 cm. b, nec b, min b, nec = Largura dos piares: 20 cm. Cobrimento: 3 cm (Casse II) Espaço disponíve: 17 cm Impossíve fazer ancoragem reta! Prof. José Miton de Araújo - FURG 28

15 - comprimento de ancoragem com gancho: As, ca 1,93 0,7b = 0,7x54x b, A 4,02 b, nec = nec = se 18 cm R + 5,5φ b,min 6cm ; R = 2,5φ (tabea 7.5.1) 8φ = 8x1,6 = 12,8 6 cm b, min b,min = 13 cm Como resutou >, deve-se adotar 18 cm. b, nec b, min b, nec = Impossíve fazer ancoragem com gancho! Prof. José Miton de Araújo - FURG 29 Soução: passar as três barras corridas (não escaonar) A se = 3 x2,01 = 6,03cm 2. O comprimento de ancoragem necessário seria As, ca 1,93 0,7b = 0,7x54x b, A 6,03 b, nec = nec = se 13 cm. Adotar 13 cm. b, min = Na prática: 17 cm. b, nec = b, nec = 12 cm. Prof. José Miton de Araújo - FURG 30

16 7.8 Emendas das barras da armadura As emendas das barras da armadura devem ser evitadas sempre que possíve. Quando necessário, as emendas podem ser feitas por traspasse, através de soda, com uvas rosqueadas ou com outros dispositivos devidamente justificados. As emendas com soda ou uvas rosqueadas exigem um controe especia para garantir a resistência da emenda. A emenda por traspasse é mais barata, por ser de fáci execução, e faz uso da própria aderência entre o aço e o concreto. De acordo com a NBR-6118, esse tipo de emenda não é permitido para barras de bitoa superior a 32 ( φ > 32mm), nem para tirantes e pendurais (peças ineares de seção inteiramente tracionada). No caso de feixes, o diâmetro do círcuo de mesma área, para cada feixe, não pode ser superior a 45mm. Aém disso, as barras constituintes do feixe devem ser emendadas uma de cada vez sem que, em quaquer seção do feixe emendado, resutem mais de quatro barras. Prof. José Miton de Araújo - FURG 31 Nas emendas por traspasse, a transferência da força de uma barra para outra se faz através de bieas comprimidas incinadas, como indicado na figura abaixo. A distância entre as barras emendadas deve ser no máximo igua a 4 φ. Emenda por traspasse Prof. José Miton de Araújo - FURG 32

17 O comprimento do traspasse, ot, das barras tracionadas é dado por ot = α (7.9.1) ot b, nec ot,min onde b, nec é o comprimento de ancoragem, dado na expressão (7.6.1), e α ot 1 é um coeficiente que eva em conta as piores condições na região da emenda, em reação à ancoragem de uma barra isoada. Segundo a NBR-6118, o comprimento mínimo da emenda de barras tracionadas é dado por ot,min 20cm 15φ (7.9.2) 0,3α otb onde b é o comprimento básico de ancoragem. Prof. José Miton de Araújo - FURG 33 Tabea Vaores do coeficiente Porcentagem de barras emendadas na mesma seção Vaores de ot α ot 20% 25% 33% 50% >50% α 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 Considera-se como na mesma seção transversa, as emendas que se superpõem ou cujas extremidades mais próximas estejam afastadas de menos que 20% do comprimento do trecho de traspasse, conforme indicado na fig Assim, para reduzir o comprimento das emendas, eas devem ser distribuídas de maneira defasada ao ongo do eixo da peça. Emendas na mesma seção Prof. José Miton de Araújo - FURG 34

18 Tabea Proporção máxima de barras tracionadas emendadas Tipo de barra Situação Carregamento estático dinâmico ata aderência em uma camada 100% 100% em mais de uma 50% 50% camada isa φ < 16mm 50% 25% φ 16mm 25% 25% O comprimento do trecho de traspasse das barras comprimidas, oc, é dado por = (7.9.3) oc com o vaor mínimo dado por oc b, nec oc,min 20cm, min 15φ (7.9.4) 0,6b Prof. José Miton de Araújo - FURG 35

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo 25 setembro 2003 ADERÊNCIA E ANCORAGEM Aderência (bond, em ingês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Aderência e Ancoragens 2. DEFINIÇÕES Aderência (bond, em inglês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra em relação ao concreto que a envolve. É, portanto, responsável

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 2323 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II NOTAS DE AULA ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenharia Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 3 HIPÓTESES DE CÁLCULO) Prof. Estela

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura.

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. Consolos Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. São balanços muito curtos e merecem tratamento a parte pois não valem as hipóteses

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES Tabela. FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES β x c = d k c = bd M (cm / kn) C0 C5 C0 C5 C30 C35 C40 C45 d 0,0 03, 69, 5,9 4,5 34,6 9,7 5,9 3, 0, 0,046 0,03 0,09 0,04 5,3 34,9 6, 0,9 7,4

Leia mais

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES 338 Curso de Concreto Armado 1. Lajes retangulares apoiadas no contorno As tabelas A2.1 a A2.6 correspondem a lajes retangulares apoiadas ao longo de todo o contorno

Leia mais

2.1 O Comportamento Estrutural

2.1 O Comportamento Estrutural 2 Vigas As vigas consistem basicamente de barras, contínuas ou não, com eixo reto ou curvo, equiibradas por um sistema de apoios, de modo a garantir que essas barras sejam, no mínimo, isostáticas. Estão

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1 Prof. Eduardo C. S. Thomaz 1 / 13 CONSOLOS CURTOS 1-SUMÁRIO Um consolo curto geralmente é definido geometricamente como sendo uma viga em balanço na qual a relação entre o comprimento ( a ) e a altura

Leia mais

MODOS DE RUÍNA EM VIGA (COLAPSO)

MODOS DE RUÍNA EM VIGA (COLAPSO) MODOS DE RUÍNA EM VIGA (COLAPSO) É NECESSÁRIO GARANTIR O ELU ESTADO LIMITE ÚLTIMO 1. RUÍNA POR FLEXÃO (MOMENTO FLETOR ARMADURA LONGITUDINAL); 2. RUPTURA POR ESMAGAMENTO DA BIELA DE CONCRETO; 3. RUPTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 19 2 Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 2.1 Definições (conforme a Norma NBR6118:2003 - Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento). 2.1.1. Elementos de concreto protendido. Aqueles nos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA TABELAS E FÓRMULAS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO DE VIGAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES E CISALHAMENTO APLIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO AMÉRICO CAMPOS FILHO 04 SUMÁRIO Introdução... Escadas com vãos paralelos...

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

5 Caixas D água em Concreto Armado

5 Caixas D água em Concreto Armado 5 Caias D água em Concreto Armado 5.1 Introdução Na maioria dos edifícios e residências as formas usuais das paredes das caias d água são retangulares. Nos reservatórios elevados isolados são utilizadas

Leia mais

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON 1.1 - Introdução PACON - Programa Auxiliar para projeto de estruturas de CONcreto - é um software didático, destinado ao cálculo de esforços e dimensionamento de elementos

Leia mais

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNESP(Bauru/SP) 1309 - Estruturas de Concreto II - Torção em Vigas de Concreto rmado 1 TORÇÃO EM VIGS DE CONCRETO RMDO 1. INTRODUÇÃO Um conjugado que tende a torcer uma peça fazendo-a girar sobre o seu

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes 1 INTRODUÇÃO Método de análise de zonas de descontinuidade, baseado no Teorema Estático da Teoria da Plasticidade. Este método permite obter

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

Dente Gerber. J. Schlaich e K. Schaefer

Dente Gerber. J. Schlaich e K. Schaefer 1/6 Dente Gerber J. Schlaich e K. Schaefer Konstruieren im Stahlbetonbau - Beton Kalender - 2001 A reação de apoio F1 da viga na figura 4.2-11 é pendurada junto do apoio. (T1=F1). O modelo completo da

Leia mais

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO CONCRETO Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. Também é frequente o emprego de aditivos e adições. AGLOMERANTES Os aglomerantes

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL DE UMA UNIDADE MULTIFAMILIAR FABÍOLA SILVEIRA CAMPOS NÁJLA DE OLIVEIRA VICENTE

PROJETO ESTRUTURAL DE UMA UNIDADE MULTIFAMILIAR FABÍOLA SILVEIRA CAMPOS NÁJLA DE OLIVEIRA VICENTE PROJETO ESTRUTURL DE UM UNIDDE MULTIFMILIR FBÍOL SILVEIR CMPOS NÁJL DE OLIVEIR VICENTE UNIVERSIDDE ESTDUL DO NORTE FLUMINENSE DRCY RIBEIRO UENF CMPOS DOS GOYTCZES RJ MRÇO - 06 PROJETO ESTRUTURL DE UM UNIDDE

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES

VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÕES DE ESTADOS LIMITES UNESP - Bauru/SP 1309 - Estruturas de Concreto II Vigas de Edifícios 1 VIGAS DE EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO O texto seguinte apresenta vários itens da NBR 6118/2003 reativos às vigas contínuas de edifícios.

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

referência para Cálculo de Concreto Armado

referência para Cálculo de Concreto Armado UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES ÍNDICE referência para Conceitos Básicos... Cargas Características... Esforços Soicitantes e Reações...

Leia mais

Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto

Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto reitor vice-reitor diretor da edufscar Targino de Araújo Filho Pedro Manoel Galetti Junior Oswaldo Mário Serra Truzzi EdUFSCar - Editora

Leia mais

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado OUT 2006 Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa

Leia mais

10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA

10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA 10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA Fernando Musso Juniormusso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 189 10.1 - VIGA - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA PARA MOMENTO FLETOR Fernando Musso Juniormusso@npd.ufes.br Estruturas

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GG 50 GERDAU Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o vergalhão GG 50. Produzido rigorosamente

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5 CÁLCULO DOS ESFORÇOS NAS LAJES. Cassiicação das ajes As ajes se cassiicam em dois grupos: a) Lajes armadas numa única direção, quando a reação entre o maior e o menor vão é maior do que. Cacuam-se como

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 3 MATERIAIS Válter Lúcio Mar.2006 1 PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais 1. Betão 2. Aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA: MARTE ENGENHARIA RESP.TÉC. Nº CREA CSF

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo.

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo. MEMÓRIA DE CÁLCULO Análise e dimensionamento O estudo do comportamento global da estrutura consistiu numa análise não linear efectuada com o programa Robot Millenium v.17. Nesta análise, a estrutura de

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES...

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... 3 7.- RESULTADOS DAS FASES... 3 8.- COMBINAÇÕES... 3 9.-

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ESTABILIDADE E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Requerente: Local da obra: 1 - MEMÓRIA DESCRITIVA Dadas as características desta obra, considerou-se o emprego do betão da classe

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SSede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 220-1762/220-6436

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 2 TÓPICOS DA PALESTRA 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS DE PROJETO CONCEPÇÃO ESTRUTURAL MATERIAIS E DURABILIDADE

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS

DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS Letícia Marchiori de Oliveira DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos necessários

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação Resistência

Leia mais

Ancoragem e Emenda de Armaduras

Ancoragem e Emenda de Armaduras UNESP - Bauru/SP Disciplina 1309 - Estruturas de Concreto II - Ancoragem e Emenda de Armaduras 1 Ancoragem e Emenda de Armaduras 1. ADERÊNCIA ENTRE CONCRETO E ARMADURA Uma ótima aderência entre a armadura

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

FERNANDA APARECIDA JOÃO TÓPICOS EM DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

FERNANDA APARECIDA JOÃO TÓPICOS EM DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO FERNANDA APARECIDA JOÃO TÓPICOS EM DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO JOINVILLE, SC 2009 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC. CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT. DEPARTAMENTO

Leia mais

ABNT 15280-1/ASME B31.4

ABNT 15280-1/ASME B31.4 Projeto ABNT 15280-1/ASME B31.4 Condições de Projeto Pressão Regime Permanente Condição Estática Transiente Capítulo II Projeto ASME B31.4 Projeto Capítulo II Projeto ASME B31.4 Condições de Projeto Temperatura

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO Prof. Eduardo Giugliani Colaboração Engº Fabrício Zuchetti ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO III FENG / PUCRS V.02 Panorama da Fissuração. Perspectiva e Corte 1 De acordo

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Exemplo de projeto estrutural

Exemplo de projeto estrutural Planta de formas do pavimento tipo Exemplo de projeto estrutural P1-30x30 P2-20x50 P3-30x30 V1 L1 L2 P4-20x50 P5-40x40 P-20x50 V2 Estruturas de Concreto Armado Prof. José Milton de Araújo L3 480 cm 480

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civi Discipina: 188 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA LAJES DE CONCRETO Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 3º ENCONTRO CONSTRUTIVO DESEMPENHO DO CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 16/12/2014 NBR 12655 CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO PROCEDIMENTO. 4. ATRIBUIÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais