Leiaute ou arranjo físico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leiaute ou arranjo físico"

Transcrição

1 Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena. Em gera, essa área é coberta e abriga certos tipos de trabaho que estão igados entre si por apresentarem serviços semehantes ou competarem o produto fabricado. São denominados setor, departamento ou panta. Nos ocais destinados à fabricação, existem homens, máquinas, equipamentos, matérias-primas etc. ocaizados em determinados pontos que permitem que várias atividades sejam reaizadas. Pensando novamente em produtividade, verifica-se, muitas vezes, um excesso de ocomoção de pessoas e movimentação de matérias-primas; produtos semi-acabados e produtos acabados, causando transtornos diversos e aumentando os riscos de quebra e acidentes, aém de custos e de tempo de produção. A idéia básica da simpificação do trabaho é a de eiminar tudo aquio que não agrega vaor ao produto, ou seja, tudo aquio que não mehora ou não transforma o produto e que aumenta custos. O transporte pode ser o tipo de atividade que não tem vaor para nada e, nesse caso, é necessária a sua eiminação ou redução. A mehor forma de reduzir o transporte entre dois postos de trabaho é a de aproximar os dois postos, o máximo possíve. Essa distância mínima entre os dois postos segue uma norma de segurança do Ministério do Trabaho chamada N.R. - normas reguamentadoras. A NR 12 dessa norma diz, resumidamente: Quando uma máquina possuir partes móveis, isto é, agumas partes que se movimentam m horizontamente, como, por exempo, uma fresadora, a distância entre essa máquina e quaquer outro posto de trabaho deve estar contida numa faixa variáve entre 0,70 m e 1,0 m.

2

3 Procedimentos 1º Passo: desenho (panta) do oca - eiaute Como vimos, o primeiro passo para a mehoria de um arranjo físico consiste em eaborar uma panta do oca (desenho), que poderá ser feito até a mão ivre ou, se aguns desejarem e souberem, em escaa, preferenciamente de 1:50, contendo detahes importantes que devem ser marcados caramente na panta. O produto obtido é chamado, também, de eiaute. Aspectos importantes que devem ser observados e, se necessário, anotados: A U L A Materiais: produto semi-acabado; acabado ou matéria-prima. Postos de trabaho. Equipamentos: pontes roantes, esteiras transportadoras etc. Pessoa: posição de trabaho. Transportes: circuação de pessoas, materiais e equipamentos. Armazenamento de materiais. Características do edifício: andar, dimensões etc. Instaações: eétrica; pneumática, vapor, hidráuica etc. Fuxo de circuação: seqüência ordenada da movimentação do produto, indicado por fecha. O eiaute (desenho) pronto, feito por você, deve ser examinado para ser reorganizado. Esse exame começa sempre pea eiminação ou redução de transportes. Para isso, os postos de trabaho devem ser coocados o mais próximo entre si, obedecendo-se às Normas do Ministério do Trabaho. É necessário saber se as máquinas podem ser removidas com faciidade e se suas instaações também podem ser modificadas facimente. Há máquinas pesadas, difíceis de serem removidas, como as que exigem fundações especiais, grandes prensas e as montagens especiais, como grandes fornos, que devem ser preservados em seus ocais. Essas máquinas só devem ser mudadas em casos extremamente necessários. Verifique, também, a posição dos postos de trabaho em reação à posição do trabahador. Para faciitar esse estudo, recorte pedaços de cartoina, representando cada posto de trabaho e, por tentativas, cooque-os numa posição que você juga adequada. Depois verifique se as posições são as mehores. Caso não sejam, faça modificações, coocando os recortes de cartoina em outra posição. Vá tentando até conseguir o mehor esquema de arranjo físico. RECORTES DE CARTOLINA REPRESENTANDO OS POSTOS DE TRABALHO

4 A U L A Por exempo, podemos chegar a um arranjo adequado, conforme esta iustração: LEIAUTE DE PRODUÇÃO - ARRANJO FÍSICO PROPOSTO BEBEDOURO 1,60 16,20 8,00 EXTINTOR DE INCÊNDIO 1,50,50 CIRCULAÇÃO 1,20 1,20 1,40 EXTINTOR DE INCÊNDIO 1,0 CIRCULAÇÃO 5,00 12,00,00 2,00 5º 4,00 11,20 Esse arranjo apresenta as seguintes vantagens: Os tornos e fresadoras foram posicionados a 5º em reação à parede para faciitar a iuminação natura do posto de execução do trabaho, aproveitando a iuminação vinda das janeas. A distância entre as partes móveis das fresadoras foram mantidas com um mínimo de 1,0 m e as demais distâncias entre os postos de trabaho foram mantidas num mínimo de m, também entre os postos e as paredes. Foram feitas faixas de circuação que não havia no eiaute anterior. Para os containers, foram feitos cavaetes com atura de m para o trabahador não ter de se curvar. - Aguns containers estão próximos de dois postos de trabaho. Assim, o trabahador os acança só com o movimento dos braços. - A distância média anterior mantida para movimentação era de 29,50 m e a atua, de 15,40 m. Portanto, houve uma redução de 14,10 m. Isto dá uma idéia da redução que se pode fazer de transporte em metros, ao se transportar peças. Neste caso, acança-se uma redução de metros ou 141 km. Aém disso, sobra espaço para a coocação de mais postos de trabaho. 2º Passo: eaboração do novo eiaute No segundo passo, devemos procurar um mehor posicionamento das máquinas, dos homens e dos equipamentos para uma utiização adequada do espaço disponíve.

5 Aguns aspectos devem ser considerados: As distâncias entre os postos de trabaho devem ser as mínimas possíveis, de acordo com a NR 12. Evitar cruzamentos de materiais e produtos. Eiminar riscos de acidentes. Faciitar a circuação (movimentação) de homens, materiais e produtos. A U L A No exempo dado no primeiro passo, as máquinas mantêm-se fixas. É fabricado um único tipo de produto, que segue sempre o mesmo caminho (fuxo). Neste caso, temos um arranjo físico por produto. º Passo: impantação do novo eiaute Após eaborar o novo arranjo físico, podemos impantar o novo eiaute. Para isso, é necessária a autorização dos superiores, após expicar-hes o que deve ser feito, isto é, as mudanças necessárias e suas vantagens em reação ao eiaute existente. Também se deve apresentar o novo eiaute aos coegas e chefes. Tipos de arranjo físico Arranjo físico por produto É o tipo de arranjo físico em que o produto se move e as máquinas estão fixas. Arranjo físico por processo É o arranjo adequado para um setor que fabrica diferentes produtos com as mesmas máquinas. Num mesmo oca fabricamos bosas e caçados. Quando se fabricam bosas, a seqüência de fabricação é a seguinte: A B C D E Quando se fabricam sapatos, a seqüência é: início fim A B C D E Para atender à produção de bosas e sapatos, o mehor arranjo físico é o que permite agrupar as máquinas e não coocá-as em inha reta. B bosas sapatos A C D E Assim, as distâncias percorridas serão sempre as menores possíveis.

6 A U L A Arranjo físico fixo É usado quando o produto fica fixo (por exempo, na construção de navios) enquanto os trabahadores, as máquinas, os equipamentos e as matérias-primas se movimentam. Nesse caso, a movimentação deve ser a mínima possíve. Tudo deve estar próximo ao produto. máquinas matériasprimas produto trabaho equipamentos Exercícios Assinae com (X) a aternativa correta: Exercício 1 De acordo com as normas reguamentadoras (NR) do Ministério do Trabaho, a distância mínima permitida entre postos de trabaho é: a) ( ) 0,40 m a 0,90 m b) ( ) 0,50 m a 0,60 m c) ( ) 0,60 m a m Exercício 2 Para eaborar um novo eiaute devemos eiminar, em primeiro ugar: a) ( ) máquinas b) ( ) transportes c) ( ) operários Exercício As grandes prensas são difíceis de serem removidas peo seguinte motivo: a) ( ) são assentadas em fundações especiais b) ( ) são dotadas de instaações compexas c) ( ) são muito caras

Curso de Especialização Centro Universitário Franciscano - UNIFRA

Curso de Especialização Centro Universitário Franciscano - UNIFRA Gestão da Produção Prof. Miguel Antonio Pelizan 4 Leiaute ou Arranjo Físico ARRANJO FÍSICO Preocupa-se com a localização física dos recursos de transformação. Definir o arranjo é decidir onde colocar todas

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 21º Encontro - 07/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LAYOUTS DE EMPRESAS INDIVIDUAIS 02 ABERTURA

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - Éolo

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Guia de operação para 3148

Guia de operação para 3148 MO1211-PD Prefácio Congratuações pea sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo da sua compra, certifique-se de er este manua atentamente. Certifique-se de guardar toda a documentação do usuário

Leia mais

Como limpar derramamentos de

Como limpar derramamentos de Como impar derramamentos de petróeo? A UU L AL A Transformação do nitrogênio em fertiizantes Limpeza de derramamentos de petróeo Soubiização do oxigênio na água Interação entre moécuas de água Pontes de

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico?

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico? O que o gás natura tem a ver com saquinho pástico? A UU L AL A soo cascaho Frações do petróeo: eves, médias e pesadas idrocarbonetos Ponto de ebuição reacionado com o tamanho das moécuas dos hidrocarbonetos

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Leia e informe-se M Ó D U L O 18 Na aua anterior, Gustavo, Miranda e Jeremias se encontraram em uma anchonete para discutir a respeito de um projeto: a pubicação de um jorna na Matrex Construtora,

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

Evolução dos seres vivos

Evolução dos seres vivos iustrações você conhece? Evoução dos seres vivos Quais dos animais que aparecem nestas A UU L AL A Atenção O homem nas iustrações serve de eemento de comparação com os outros animais. Imaginando-se um

Leia mais

Cabos. Um motorista dirigia, quando, de repente, Conceito

Cabos. Um motorista dirigia, quando, de repente, Conceito A U A UL LA Cabos Introdução Um motorista dirigia, quando, de repente, surgiu um problema na embreagem do carro. Por mais que tentasse, o motorista não conseguia engatar a marcha. O carro foi rebocado

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem:

Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem: Paleta de moldes Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem: A seguir, apresentam-se os comandos mais usados, indicando seu ícone correspondente, informação

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Obtenha mais com as ofertas A4 da Lexmark Manua de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Aguns factos importantes sobre os equipamentos A4 da Lexmark Os MFP s A4 constituem o equipamento

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002 Controes Tracer TM Controadores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 Janeiro de 2002 BAS-PRC006-PT Introdução Os controadores de zona Tracer ZN511 e ZN521 oferecem controe digita para vários tipos de equipamentos

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança Gaaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL Uma nova dimensão em segurança A nova Gaaxy Dimension Controo integrado de intrusão e acessos Como poderá

Leia mais

Windows. Taiwan ArcSoft Inc. Taiwan Branch Tel: +886 (0) 2-27181869 Fax: +886 (0) 2-27190256 Email: support@arcsoft.com.tw

Windows. Taiwan ArcSoft Inc. Taiwan Branch Tel: +886 (0) 2-27181869 Fax: +886 (0) 2-27190256 Email: support@arcsoft.com.tw Windows ArcSoft Inc. Contatos de Assistência Técnica no Mundo Inteiro América do Norte 46601 Fremont Bvd Fremont, CA 94538 Te: 1.510.440.9901 Fax: 1.510.440.1270 Website: www.arcsoft.com Emai: support@arcsoft.com

Leia mais

========================

======================== Método de Iniciação - Ivan Meyer 1 suporte expicasaxcombr 1- APRENDEND A LER A "Ta da Partitura" Este conjunto de cinco inhas tem o nome de pentagrama sendo que cada inha tem um nome, repare que no começo

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

Normalização no Brasil

Normalização no Brasil Normaização no Brasi A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particuar de um grupo de técnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas técnicas no Brasi. Em 1962, a ABNT foi reconhecida

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

Organizando o trabalho

Organizando o trabalho Organizando o Trabalho Organizando o trabalho Para executar qualquer tarefa com sucesso, é preciso que nos organizemos antes. Organizar significa pensar antes de iniciarmos a tarefa. Mas pensar em quê?

Leia mais

Planejamento Industrial

Planejamento Industrial Planejamento Industrial Planejamento Industrial 1. Fatores que influenciam as decisões do local 2. Ponto de Equilíbrio Localizacional 3. Detalhes Principais de Edifícios Industriais 4. Departamentos de

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/2010 PROCESSO Nº 1114/10/2010-EOF 2 - MODELO DE PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DISCRIMINADOS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/2010 PROCESSO Nº 1114/10/2010-EOF 2 - MODELO DE PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DISCRIMINADOS TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO i o n a F e d e r a ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/010 PROCESSO Nº 1114/10/010-EOF 1 - OBJETO: Contratação de empresa prestadora de serviço de ocação de máquina

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

Lavadora de Roupas Professional e Professional Style

Lavadora de Roupas Professional e Professional Style REF.ENG. 5220 453 765 BSH 03/07 avadora de Roupas Professiona e Professiona Stye Manua de Instruções BSH Continenta Eetrodomésticos tda. Rua Sarapuí, 164 - Moóca 03123-900 - São Pauo - SP Ca Center - Grande

Leia mais

Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda.

Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda. Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda. Tipos de Conexões Veremos nestes exemplos os Tipos de Conexões entre obejtos existentes no Active3D, o objetivo é mostrar de uma forma bem prática a aplicação

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT

O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT http://www.administradores.com.br/artigos/ O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios (ULBRA)

Leia mais

Blog Cantinho do Saber

Blog Cantinho do Saber Blog Cantinho do Saber BRINCADEIRAS PARA A VOLTA ÀS AULAS 1) Onça Dorminhoca Educação infantil Formar com os alunos uma grande roda. Cada criança fica dentro de um pequeno círculo desenhado sob os pés,

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

Indústria de carnes e aves

Indústria de carnes e aves Souções de sistemas de marcação e codificação Indústria de carnes e aves Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção Desde o gerenciamento de vários materiais de embaagens

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

Universo da mecânica

Universo da mecânica Departamento Regiona de São Pauo Universo da mecânica Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização;

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management Optimize a impressão em rede e crie uma vantagem informativa com uma soução de gestão de documentos que pode ser impementada no oca ou através da nuvem. Funcionaidade Print Reease

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

O que aquele caminhão está transportando?

O que aquele caminhão está transportando? A UU L AL A O que aquee caminhão está transportando? Transporte de produtos químicos. Sinaização dos caminhões que transportam produtos químicos: rótuos de risco e paine de segurança. Tabea Periódica Número

Leia mais

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60 Manua de instruções Sistema eetrônico VEGASON Série 60 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função... 4 1.2 Grupo-avo... 4 1.3 Simboogia utiizada.... 4 2 Para a sua segurança 2.1 Pessoa autorizado...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais