Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 4. Construindo uma solução OLAP"

Transcrição

1 Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de partições Entender a manipulação dos Cubos Virtuais Melhorar os tempos de processamento Otimizar o espaço de armazenamento Conteúdo do módulo 4.1. Introdução 4.2. Tipos de Armazenamento MOLAP ROLAP HOLAP 4.3. Definição de Agregações 4.4. Processamento de cubos 4.5. Cubos Virtuais 4.6. Partições 4.7. A difícil busca do equilíbrio Página 1 de 15

2 4.1. Introdução Nesta unidade abordaremos os conceitos que devem ser considerados para a implementação de um data mart. Serão descritos os diferentes tipos de armazenamento e as considerações que devem ser analisadas para melhorar o desempenho do sistema. Além disso, veremos qual é a freqüência conveniente para processar nossos cubos e explicaremos o uso dos cubos virtuais e partições. Ao finalizar este módulo, o leitor conhecerá qual é a forma de armazenamento mais adequada para os requerimentos da empresa e como balancear os diferentes fatores que ocorrem na implementação de um cubo Tipos de Armazenamento Ao realizar um pequeno balanço dos módulos anteriores, vemos que já temos um desenho de requerimentos, sabemos de onde e como obter os dados e contamos com a definição da estrutura multidimensional. Agora montaremos fisicamente o cubo, por isso, devemos escolher entre as diferentes formas de armazenamento que podemos utilizar. Para facilitar esta escolha, vamos desenvolver e comparar os conceitos de MOLAP, ROLAP e HOLAP MOLAP No modo de armazenamento MOLAP (OLAP Multidimensional) uma cópia dos dados de origem do cubo, junto com as suas agregações armazenam-se em uma estrutura multidimensional. Página 2 de 15

3 É importante considerar que enquanto os dados de origem são modificados diretamente com as operações, os objetos com armazenamento MOLAP devem ser processados para incorporar estas mudanças. O tempo compreendido entre um processamento e o seguinte cria um período de latência durante o qual a informação OLAP pode não coincidir com os dados de origem atuais. Como características do armazenamento MOLAP, podemos destacar: Oferece excelente rendimento e compressão de dados. Apresenta melhor tempo de resposta, dependendo apenas da porcentagem das agregações do cubo. A estrutura está muito otimizada para maximizar o rendimento das consultas. Geralmente este método é muito apropriado para cubos com uso freqüente devido à sua rápida resposta. AGREGAÇÕES E DADOS Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário ROLAP Em um modelo ROLAP (OLAP Relacional) toda a informação do cubo, seus dados, sua agregação, somas, etc., são armazenadas em um banco de dados relacional. Diferente do modo de armazenamento MOLAP, o ROLAP não armazena cópia do banco de dados. Ele acessa as tabelas originais quando precisa responder as consultas, geralmente é muito mais lento do que as outras formas de armazenamento (MOLAP ou HOLAP). O ROLAP é utilizado para economizar espaço de armazenamento quando se trabalha com grandes conjuntos de dados consultados com pouca freqüência; por exemplo, dados exclusivamente históricos. Página 3 de 15

4 Os usos comuns deste esquema são: Quando os clientes desejam ver as mudanças imediatamente. Quando contamos com grandes conjuntos de dados que não são consultados freqüentemente. AGREGAÇÕES E DADOS Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário HOLAP O HOLAP (OLAP híbrido) combina atributos do MOLAP e do ROLAP. Da mesma forma que o MOLAP, o HOLAP armazena as agregações em uma estrutura multidimensional e os dados detalhados em um banco de dados relacional, da mesma forma que no armazenamento ROLAP. Para procedimentos de busca que acessam dados sumarizados, o HOLAP é equivalente ao MOLAP. Em caso contrário, se os processos de consultas acessam os níveis máximos de detalhe, devem retirar os dados do banco de dados relacional e isso não é tão rápido comparado com uma estrutura MOLAP. Os cubos armazenados como HOLAP são menores do que os MOLAP e respondem mais rápido que os ROLAP. Usos comuns de HOLAP: Cubos que requerem resposta rápida. Quando existem sumarizações baseadas em uma grande quantidade de dados de origem. Solução com o compromisso de reduzir o espaço ocupado sem prejudicar totalmente o rendimento das consultas. Página 4 de 15

5 DADOS AGREGAÇÕES Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário É importante considerar que, se os usuários geram consultas que devem utilizar os dados do nível mais baixo o HOLAP pode não ser a melhor opção. Dados detalhados Dados sumarizados Exemplo de operadora telefônica. Vamos supor que: Sejam medidas as ligações realizadas x Dia x Cliente. O tempo é estruturado como Dia Mês Ano. Os Clientes são estruturados como Cliente Cidade País. Definição MOLAP ROLAP HOLAP Ligações para um Dia e Cliente EM BR BR Soma das ligações para algum cruzamento de Cliente Tempo onde pelo menos uma das duas dimensões não esteja no EM BR EM nível mínimo. (Cliente e Mês ou Ano, Dia e Cidade ou País, etc.) EM = Estrutura Multidimensional BR = Banco de Dados Relacional Página 5 de 15

6 MOLAP ROLAP HOLAP Armazenamento das Agregações Modelo Multidimensional Banco de dados relacional Modelo Multidimensional Armazenamento dos dados Modelo Multidimensional Banco de dados relacional Banco de dados relacional Facilidade de Criação Velocidade de resposta Simples Muito Simples Simples Boa Regular ou Baixa Boa para consultas que apresentam agregações, Regular para dados de baixo nível Escalabilidade Problemas de escalabilidade São mais escaláveis Depende do perfil de consultas Recomendados para Cubos com uso freqüente Dados que não são utilizados freqüentemente Se o cubo requer uma resposta rápida Vantagens Desvantagens MOLAP ROLAP Melhor desempenho no tempo de resposta. Economia de espaço de armazenamento. Útil quando se trabalha com conjuntos de dados muito grandes. Duplica o armazenamento de dados (ocupa mais espaço) Tempo de Latência O tempo de resposta das consultas é maior. HOLAP Bom tempo de resposta apenas para informação sumarizada. Volumes de dados maiores no banco de dados relacional. Página 6 de 15

7 O MOLAP é um OLAP baseado no acesso a um banco de dados multidimensional. O ROLAP é um OLAP baseado no acesso a um banco de dados relacional. HOLAP é um OLAP situado entre o ROLAP e o MOLAP e acessa o Multidimensional e o Relacional Definição de Agregações Outro fator a considerar na implementação do modelo OLAP, além do modo de armazenamento é a definição da porcentagem de agregações. Denomina-se agregação ao processo de pré-calcular o cálculo dos dados através dos níveis para diminuir os tempos de resposta nos processos de busca de informação. A porcentagem de agregação determina a proporção ou profundidade até onde são realizados os pré-cálculos. As agregações são armazenadas na estrutura multidimensional (de acordo com a forma de armazenamento escolhida). As agregações são resumos de dados pré-calculados que melhoram o tempo de resposta pelo simples motivo de ter as respostas prontas antes de receber as perguntas. Ao definir as agregações é importante levar em consideração a especificação das restrições de armazenamento e de porcentagem de agregação, para conseguir uma boa solução de compromisso entre o tempo de resposta das consultas e os requisitos de armazenamento. Se forem calculadas todas as agregações possíveis seria necessário uma grande quantidade de tempo de processamento e espaço de armazenamento. Se não forem pré-calculadas as agregações (0%) a quantidade de espaço de armazenamento necessário fica reduzida ao mínimo, porém o tempo de resposta aumentará. Portanto, deve existir um equilíbrio entre o espaço de armazenamento, a porcentagem de possíveis agregações pré-calculadas e o desempenho requerido. É possível ver o gráfico desta relação na figura: Página 7 de 15

8 No gráfico é possível observar que se chega a um ponto no qual já não é possível atingir um aumento significativo nas agregações (é importante lembrar que, neste contexto, aumentar as agregações é sinônimo de melhorar o desempenho das consultas), apesar de aumentar a quantidade de espaço de armazenamento. Devemos escolher uma porcentagem situada na zona do ponto A, onde conseguimos a porcentagem máxima de agregação com a menor quantidade de espaço possível. Características das agregações: As agregações permitem melhorar os tempos de resposta Requerem armazenamento adicional Caso não forem controladas podem provocar uma explosão nos requisitos de armazenamento Para um maior número de agregações é necessário mais tempo de processamento e mais requerimento de espaço. Um menor número de pré-agregações reflete em um pior tempo de resposta das consultas Processamento de Cubos Nesta etapa devemos definir quando e com qual freqüência processar os cubos. Quando são processadas dimensões ou cubos, estão sendo atualizados os dados, as estruturas multidimensionais ou ambos. Página 8 de 15

9 Esta definição deve considerar os seguintes fatores: Modo de armazenamento escolhido (MOLAP-ROLAP-HOLAP) Tamanho da tabela de fatos (quantidade de registros) Número de dimensões do modelo Porcentagem de agregações Para determinar a freqüência de processamento do cubo devemos considerar a análise com o cliente com relação à granularidade dos dados para o tempo. O nível de detalhe (dia, mês, etc.) determinará a periodicidade de atualização dos dados. Diferente dos sistemas OLTP nos quais a atualização dos dados é realizada online com as transações e a agregação dos dados é realizada no momento em que o usuário realiza uma consulta, no OLAP o processamento dos cubos é realizado em contra-fluxo, nos horários que não afete a tarefa dos usuários. No sistema de tráfego telefônico, se os dados das ligações forem recebidos uma vez por semana, então devemos processar o cubo em um dia do final de semana para não afetar a tarefa do usuário. Se a informação das ligações for recebida de forma diária, o processamento pode ser realizado uma vez por dia, tarde da noite ou bem cedo pela manhã Cubos Virtuais Os cubos virtuais são visualizações de cubos reais. Os cubos virtuais podem ser utilizados: Quando o usuário deseja ver informação conjunta de dois cubos diferentes. Quando deseja ter uma visão parcial de um cubo. É uma forma de simplificar a manipulação da segurança. No sistema de tráfego telefônico, pode ser desejável relacionar as ligações telefônicas com a quantidade de horas trabalhadas. Uma forma simples de atender este requisito é criar um cubo virtual que recolha dados dos cubos de Tráfego e RH. Página 9 de 15

10 4.6. Partições Os cubos são formados por partições. Como o próprio nome diz, uma partição é uma divisão ou fracionamento da informação que forma um cubo. Cada cubo contém pelo menos uma partição, porém pode estar formado por múltiplas partições. As partições de um cubo são invisíveis para o usuário, porém o seu uso aumenta a carga de trabalho do administrador do modelo multidimensional. Para cada partição é possível definir a fonte de dados, o modo de armazenamento e a porcentagem de agregação de forma independente das demais partições. Além disso, uma partição de dados pode ser atualizada independentemente das outras. Esta propriedade é muito importante pois oferece a vantagem de melhorar os tempos de processamento se dividir corretamente as partições e elas forem processadas adequadamente. Dessa forma, se dividirmos o nosso cubo em partições, definiremos cada um destes parâmetros da forma mais indicada. Partição mais utilizada (Tempo Real): Modo de Armazenamento: MOLAP % de Agregação: alta Freqüência de processamento: alta Partição consultada de forma média (Freqüência Intermediária): Modo de Armazenamento: HOLAP % de Agregação: baixa Freqüência de processamento: ocasional Partição pouco acessada (Períodos Antigos): Modo de Armazenamento: ROLAP % de Agregação: nula Freqüência de processamento: muito baixa (normalmente apenas na criação da partição) Do ponto de vista administrativo cada partição pode ser manipulada como se fosse um cubo independente. Pode ter fonte de dados, modo de armazenamento, porcentagem de agregação e freqüência de processamento próprios. Página 10 de 15

11 Podemos criar uma partição por cada ano contido no cubo (por exemplo, 2004, 2005 e 2006) e armazenar as partições da seguinte forma: 2006: Em uma estrutura MOLAP, com uma alta porcentagem de agregações, para obter uma resposta rápida das consultas. 2005: Em uma estrutura HOLAP, com uma baixa porcentagem de agregações, que permitirá bons tempos de resposta para consultas de resumo, com um espaço de armazenamento mínimo. Anos anteriores: Em uma estrutura ROLAP, com porcentagem de agregações zero, que economizará espaço de armazenamento. Este economia é paga com o aumento do tempo de resposta, porém não é caro, pois as consultas são ocasionais. Desenhar mal uma partição, sem considerar os filtros habitualmente utilizados pelo usuário, aumenta a carga administrativa e não melhora o desempenho das consultas. Se a lógica que define as partições não está corretamente desenhada, os dados podem ser perdidos ou duplicados A difícil busca do equilíbrio No momento de implementar o cubo, devemos analisar em conjunto os seguintes fatores, tentando atingir um ponto de equilíbrio. % de Pré-agregação. Tempo de Processamento. Requerimentos de tempos de resposta. Tipo de armazenamento. Tipificação das consultas (Base para decidir se serão manipuladas partições). Uso de Partições. Página 11 de 15

12 Ação Resposta Tempo de Processamento Tempo de Resposta Consultas Mudanças Espaço Ocupado Manutenção % Pré-agregações Armazenamento MOLAP X Alto Alto x Agenda Alto ROLAP X Baixo Baixo Direto Baixo HOLAP X Médio Médio x Agenda Médio Partições Sim Estudo de Caso Veremos como implementar o desenho do modelo OLAP desenvolvido no módulo anterior. Como vimos, nosso modelo era: Página 12 de 15

13 Este modelo será implementado sobre um cubo denominado Vendas. Cubo Vendas Levando em consideração que o nosso cliente analisa a sua informação com relação aos períodos de tempo, filtrando por ano, construiremos duas partições dividindo o cubo de forma anual. Dessa forma obteremos uma partição para 2005 e outra para O objetivo desta partição é oferecer suporte às consultas realizadas com pouca freqüência, motivo pelo qual optamos por definir parâmetros que permitam a economia de espaço ocupado, aceitando um desempenho mais baixo. A partição para 2005 terá: Modo de armazenamento: HOLAP Porcentagem de agregação: 10% Freqüência de processamento: Será processada no momento da criação e Página 13 de 15

14 depois, apenas quando for solicitada pelo cliente O objetivo desta partição é oferecer suporte às consultas realizadas habitualmente e um dos requerimentos básicos é o tempo de resposta das consultas, motivo pelo qual optamos por definir parâmetros que apontem para a obtenção de um melhor desempenho, aceitando o custo de espaço ocupado e tempo de processamento. A partição de 2006 terá: Modo de armazenamento: MOLAP Porcentagem de agregação: 40% Freqüência de processamento: O processamento será realizado diariamente a partir das 22:00 hs, pois sabemos que os usuários não realizam consultas nesse horário. Não é necessário criar um cubo virtual para poder visualizar as duas partições. Do ponto de vista de acesso para as consultas, as partições são transparentes para o usuário, que define o cubo como sua fonte de dados sem considerar a sua forma de construção. Existem diferentes formas de armazenamento dos dados e agregações de um cubo e devemos selecionar um deles de acordo com as necessidades e possibilidades da nossa empresa. É conveniente utilizar partições quando existem grandes volumes de dados para obter melhorias nos tempos de processamento e resposta das consultas. Utilizaremos cubos virtuais quando o data mart precise relacionar informações de diferentes cubos. Página 14 de 15

15 Os tempos de resposta das consultas são um fator chave? Estão definidos os valores mínimos ou máximos que devem ser atendidos? Está estimado o volume de dados que deve ser manipulado, tanto hoje quanto no futuro? A freqüência e o tempo de processamento são fatores críticos? A empresa possui o equipamento adequado para a situação atual e a estimativa futura? Foi considerado este fator com relação ao armazenamento e à velocidade de processamento? Existem critérios preestabelecidos para a definição da % de pré-agregação? Será necessário criar cubos virtuais? Existe uma idéia clara da quantidade e qualidade das consultas habituais? Existe algum padrão de filtragem repetido, como mês ou cidade? Página 15 de 15

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Arquitetura física de um Data Warehouse

Arquitetura física de um Data Warehouse É um modo de representar a macroestrutura de, comunicação, processamento e existentes para usuários finais dentro da empresa. Operacionais origem Data / Arquitetura física Serviços Armazenamento de Área

Leia mais

Microsoft Access XP Módulo Um

Microsoft Access XP Módulo Um Microsoft Access XP Módulo Um Neste primeiro módulo de aula do curso completo de Access XP vamos nos dedicar ao estudo de alguns termos relacionados com banco de dados e as principais novidades do novo

Leia mais

Data Warehouse. Compras. Caroline B. Perlin

Data Warehouse. Compras. Caroline B. Perlin Data Warehouse Compras Caroline B. Perlin Agenda O processo de compra Requisitos de compras Transações de compra Tabela de fatos Slowly Changing Dimensions (SCD) Técnicas para lidar com SCD Abordagens

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos ORIENTAÇÃO A OBJETOS COM PROTOTIPAÇÃO CAPÍTULO 02 CONCEITOS FUNDAMENTAIS OBJETIVOS Definiremos alguns conceitos fundamentais de forma a não deixar dúvidas básicas ou interpretações que nos coloquem em

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

1. Arquivos Seqüenciais

1. Arquivos Seqüenciais 1. Arquivos Seqüenciais 1.1. Introdução Historicamente, os arquivos seqüências são associados as fitas magnéticas devido a natureza seqüencial deste meio de gravação. Mas os arquivos seqüências são também

Leia mais

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador?

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador? Backup O backup tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais é a base do típico pedido de recuperação de arquivo: Um usuário apaga acidentalmente um arquivo e pede que

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA LISTA DE ATUALIZAÇÕES NOVAS

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA LISTA DE ATUALIZAÇÕES NOVAS SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA VERSÃO 7.0 LISTA DE ATUALIZAÇÕES NOVAS Todas as telas do sistema foram remodeladas para utilização da resolução de vídeo 1024 x 768, apresentando agora um

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais

Manual AGENDA DE BACKUP

Manual AGENDA DE BACKUP Gemelo Backup Online DESKTOP Manual AGENDA DE BACKUP Realiza seus backups de maneira automática. Você só programa os dias e horas em que serão efetuados. A única coisa que você deve fazer é manter seu

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Julho -2012 Conteúdo Sumário... 2... 3 Consultar Registros... 4 Realizar Atendimento... 9 Adicionar Procedimento... 11 Não Atendimento... 15 Novo Atendimento... 16 Relatórios Dados Estatísticos...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Fundamentos da Análise Multidimensional

Fundamentos da Análise Multidimensional Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Fundamentos da Análise Multidimensional Fundamentos da Análise Multidimensional

Leia mais

Estatísticas Nacionais do Fone@RNP (VoIP) Manual do Usuário Estatísticas do Fone@RNP

Estatísticas Nacionais do Fone@RNP (VoIP) Manual do Usuário Estatísticas do Fone@RNP Manual do Usuário Estatísticas do Fone@RNP Uso do Mapa A utilização do mapa como filtro reflete nos relatórios exibidos no DASHBOARD. Além de modificar os gráficos por conseqüência dos filtros por Região

Leia mais

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBBILIDDE Quando estudamos algum fenômeno através do método estatístico, na maior parte das vezes é preciso estabelecer uma distinção entre o modelo matemático que construímos para

Leia mais

Gerenciamento de Contatos

Gerenciamento de Contatos Gerenciamento de Contatos O objetivo deste módulo é ajudar a gerenciar todos os contatos da empresa. Além dos dados mais importantes, o módulo permite cadastrar anotações e relacionar as tarefas e eventos

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática RAID Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 1 de outubro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 1 de outubro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Tutorial Passo a Passo Do Cadastro de Serviço à Consulta de Serviços Realizados Tutorial Recomendações AsinformaçõesutilizadasnestetutorialsãoasmesmasquevocêtemnoseuBancodeDados

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx...

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx... Casos de Sucesso A Cyrela está completamente focada no pós-venda e a utilização do Microsoft Dynamics 2011 só reflete mais um passo importante na busca pela qualidade do atendimento ao cliente Roberto

Leia mais

Controle do Arquivo Técnico

Controle do Arquivo Técnico Controle do Arquivo Técnico Os documentos existentes de forma física (papel) no escritório devem ser guardados em pastas (normalmente pastas suspensas) localizadas no Arquivo Técnico. Este Arquivo pode

Leia mais

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de Vitor Valerio de Souza Campos Conteúdo do curso Visão geral: consultas são essenciais Lição: inclui sete seções Tarefas práticas sugeridas Teste.

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Gerencial Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 26/02/2014 1 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas do

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Controle de Estoque. Apresentação. Cadastro de Grupos de Produtos. Cadastro de Produtos

Controle de Estoque. Apresentação. Cadastro de Grupos de Produtos. Cadastro de Produtos Controle de Estoque Apresentação O módulo de Controle de Estoque do LegalManager consiste em três partes principais: Manutenção do Estoque, Solicitações e Atendimento a Solicitações. Destes módulos, tradicionalmente

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

SEI Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Av Luiz Viana Filho, 435-4ª avenida, 2º andar CAB CEP 41.750-300 Salvador - Bahia Tel.

SEI Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Av Luiz Viana Filho, 435-4ª avenida, 2º andar CAB CEP 41.750-300 Salvador - Bahia Tel. SIDE Sistema de Dados Estatísticos AJUDA SEI Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Av Luiz Viana Filho, 435-4ª avenida, 2º andar CAB CEP 41.750-300 Salvador - Bahia O QUE O NOSSO BANCO

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Backup. jmcordini@hotmail.com

Backup. jmcordini@hotmail.com Backup jmcordini@hotmail.com Backups e restauração de dados Backup é uma das tarefas mais incômodas na administração de sistemas mas é sem dúvida uma das mais importantes. Backup é nossa última linha de

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP Versão 1 Manual de Orientação Conteúdo 1. Introdução 3 2. Abrangência 4 3. Vagas 5 4. Fila de Espera

Leia mais

TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI

TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI João Maldonado / Victor Costa 15, Outubro de 2013 Agenda Sobre os Palestrantes Sobre a SOLVIX Contextualização Drivers de Custo Modelo de Invenstimento

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Com base na estrutura organizacional de uma entidade, a parte gerencial é o processo administrativo, onde se traça toda a estrutura fundamental para elaboração do planejamento da

Leia mais

Laboratório de ENGSOF Estudo de Caso. Prof. André Pereira, MSC, PMP

Laboratório de ENGSOF Estudo de Caso. Prof. André Pereira, MSC, PMP Laboratório de ENGSOF Estudo de Caso Aula de Hoje: Desenvolver um sistema UML inteiro: Aplicação Banco Online. Nosso Estudo de Caso! RSA V7.5 O que será feito para o projeto? 1) Criando um Projeto UML:

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Preparando a força de trabalho para o futuro Planejamento de recursos humanos

Leia mais

CISC RISC Introdução A CISC (em inglês: Complex Instruction Set Computing, Computador com um Conjunto Complexo de Instruções), usada em processadores Intel e AMD; suporta mais instruções no entanto, com

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto 4 Segmentação Este capítulo apresenta primeiramente o algoritmo proposto para a segmentação do áudio em detalhes. Em seguida, são analisadas as inovações apresentadas. É importante mencionar que as mudanças

Leia mais

Manual AGENDA DE BACKUP

Manual AGENDA DE BACKUP Gemelo Backup Online DESKTOP Manual AGENDA DE BACKUP Realiza seus backups de maneira automática. Você só programa os dias e horas em que serão efetuados. A única coisa que você deve fazer é manter seu

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Visite o hotsite do livro: http://bit.ly/1ysv0da

Visite o hotsite do livro: http://bit.ly/1ysv0da Este ebook possui 5 dicas práticas avançadas de Facebook Ads que foram retiradas do novo livro que estamos escrevendo, chamado Facebook Marketing Avançado, que vai possuir muitas outras dicas práticas,

Leia mais

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia para Facebook Ads Por que investir no facebook Ads? Tipos de anúncios Como funciona o sistema de pagamentos Criando anúncios Métricas Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO

Leia mais

7. Análise e comparação dos programas VMI nas empresas XYZ e DEF

7. Análise e comparação dos programas VMI nas empresas XYZ e DEF 7. Análise e comparação dos programas VMI nas empresas XYZ e DEF Nos capítulos anteriores foi abordada a implementação do programa VMI na Empresa XYZ, bem como suas características, vantagens e benefícios,

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Manual Cartão SUS Manual de Operação Julho/2011 Conteúdo Sumário...

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO Cálculo e interpretação do Payback Desvantagens do Payback Vantagens do Payback Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix

TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix Guia de Customização Sumário Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Introdução... 3 3. Customização... 3 2 TOTVS BA Linha Logix Guia de Customização Projeto/Versão:

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a)

Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a) Arttez Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a) O Sistema Arttez. Arttez é o software de gerenciamento para estúdios de tatuagem que objetiva manter o controle

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH Projeto para a matéria TE130 Projeto de Circuitos Integrados Digitais, ministrada pelo

Leia mais

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 Os primeiros passos do SAC 2.0 da TAM A trajetória da TAM sempre foi guiada pela disponibilidade de servir seus clientes; nas redes sociais, essa filosofia não poderia

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. Aula 01 - Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. Aula 01 - Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Introdução ao Access 2007 Prof. Dr. Marco Antonio 1 Taxonomia dos Planejamentos ESTRATÉGICO TÁTICO OPERACIONAL Planejamento de Longo Prazo Responsabilidade dos Níveis mais Altos da Administração Se antecipa

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar! Para que serve a Tabela e o Gráfico Dinâmico?! Como criar uma Tabela Dinâmica?! Como criar um Gráfico Dinâmico?! Como podemos atualizar dos dados da Tabela

Leia mais

1.2) Na tela seguinte, o primeiro item a ser selecionado é o Unidade Acumuladora1.

1.2) Na tela seguinte, o primeiro item a ser selecionado é o Unidade Acumuladora1. MANUAL DA NOVA VERSÃO DE ARQUIVAMENTO DO CPROD Na nova versão de Arquivamento que está sendo implementada no CPROD, antes de realizarmos o Arquivamento do Processo ou Documento em si, temos que criar no

Leia mais

Data Warehouse Granularidade. rogerioaraujo.wordpress.com twitter: @rgildoaraujo - rgildoaraujo@gmail.com 1

Data Warehouse Granularidade. rogerioaraujo.wordpress.com twitter: @rgildoaraujo - rgildoaraujo@gmail.com 1 Data Warehouse Granularidade rogerioaraujo.wordpress.com twitter: @rgildoaraujo - rgildoaraujo@gmail.com 1 Granularidade A granularidade de dados refere-se ao nível de sumarização dos elementos e de detalhe

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Você sabia que... O pagamento numa loja virtual. Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas

Você sabia que... O pagamento numa loja virtual. Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas Você sabia que... Hoje, 77% dos brasileiros já utilizam cartão de crédito, aponta estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais