Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 4. Construindo uma solução OLAP"

Transcrição

1 Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de partições Entender a manipulação dos Cubos Virtuais Melhorar os tempos de processamento Otimizar o espaço de armazenamento Conteúdo do módulo 4.1. Introdução 4.2. Tipos de Armazenamento MOLAP ROLAP HOLAP 4.3. Definição de Agregações 4.4. Processamento de cubos 4.5. Cubos Virtuais 4.6. Partições 4.7. A difícil busca do equilíbrio Página 1 de 15

2 4.1. Introdução Nesta unidade abordaremos os conceitos que devem ser considerados para a implementação de um data mart. Serão descritos os diferentes tipos de armazenamento e as considerações que devem ser analisadas para melhorar o desempenho do sistema. Além disso, veremos qual é a freqüência conveniente para processar nossos cubos e explicaremos o uso dos cubos virtuais e partições. Ao finalizar este módulo, o leitor conhecerá qual é a forma de armazenamento mais adequada para os requerimentos da empresa e como balancear os diferentes fatores que ocorrem na implementação de um cubo Tipos de Armazenamento Ao realizar um pequeno balanço dos módulos anteriores, vemos que já temos um desenho de requerimentos, sabemos de onde e como obter os dados e contamos com a definição da estrutura multidimensional. Agora montaremos fisicamente o cubo, por isso, devemos escolher entre as diferentes formas de armazenamento que podemos utilizar. Para facilitar esta escolha, vamos desenvolver e comparar os conceitos de MOLAP, ROLAP e HOLAP MOLAP No modo de armazenamento MOLAP (OLAP Multidimensional) uma cópia dos dados de origem do cubo, junto com as suas agregações armazenam-se em uma estrutura multidimensional. Página 2 de 15

3 É importante considerar que enquanto os dados de origem são modificados diretamente com as operações, os objetos com armazenamento MOLAP devem ser processados para incorporar estas mudanças. O tempo compreendido entre um processamento e o seguinte cria um período de latência durante o qual a informação OLAP pode não coincidir com os dados de origem atuais. Como características do armazenamento MOLAP, podemos destacar: Oferece excelente rendimento e compressão de dados. Apresenta melhor tempo de resposta, dependendo apenas da porcentagem das agregações do cubo. A estrutura está muito otimizada para maximizar o rendimento das consultas. Geralmente este método é muito apropriado para cubos com uso freqüente devido à sua rápida resposta. AGREGAÇÕES E DADOS Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário ROLAP Em um modelo ROLAP (OLAP Relacional) toda a informação do cubo, seus dados, sua agregação, somas, etc., são armazenadas em um banco de dados relacional. Diferente do modo de armazenamento MOLAP, o ROLAP não armazena cópia do banco de dados. Ele acessa as tabelas originais quando precisa responder as consultas, geralmente é muito mais lento do que as outras formas de armazenamento (MOLAP ou HOLAP). O ROLAP é utilizado para economizar espaço de armazenamento quando se trabalha com grandes conjuntos de dados consultados com pouca freqüência; por exemplo, dados exclusivamente históricos. Página 3 de 15

4 Os usos comuns deste esquema são: Quando os clientes desejam ver as mudanças imediatamente. Quando contamos com grandes conjuntos de dados que não são consultados freqüentemente. AGREGAÇÕES E DADOS Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário HOLAP O HOLAP (OLAP híbrido) combina atributos do MOLAP e do ROLAP. Da mesma forma que o MOLAP, o HOLAP armazena as agregações em uma estrutura multidimensional e os dados detalhados em um banco de dados relacional, da mesma forma que no armazenamento ROLAP. Para procedimentos de busca que acessam dados sumarizados, o HOLAP é equivalente ao MOLAP. Em caso contrário, se os processos de consultas acessam os níveis máximos de detalhe, devem retirar os dados do banco de dados relacional e isso não é tão rápido comparado com uma estrutura MOLAP. Os cubos armazenados como HOLAP são menores do que os MOLAP e respondem mais rápido que os ROLAP. Usos comuns de HOLAP: Cubos que requerem resposta rápida. Quando existem sumarizações baseadas em uma grande quantidade de dados de origem. Solução com o compromisso de reduzir o espaço ocupado sem prejudicar totalmente o rendimento das consultas. Página 4 de 15

5 DADOS AGREGAÇÕES Banco de Dados Relacional Banco de Dados Multidimensional Visão do Usuário É importante considerar que, se os usuários geram consultas que devem utilizar os dados do nível mais baixo o HOLAP pode não ser a melhor opção. Dados detalhados Dados sumarizados Exemplo de operadora telefônica. Vamos supor que: Sejam medidas as ligações realizadas x Dia x Cliente. O tempo é estruturado como Dia Mês Ano. Os Clientes são estruturados como Cliente Cidade País. Definição MOLAP ROLAP HOLAP Ligações para um Dia e Cliente EM BR BR Soma das ligações para algum cruzamento de Cliente Tempo onde pelo menos uma das duas dimensões não esteja no EM BR EM nível mínimo. (Cliente e Mês ou Ano, Dia e Cidade ou País, etc.) EM = Estrutura Multidimensional BR = Banco de Dados Relacional Página 5 de 15

6 MOLAP ROLAP HOLAP Armazenamento das Agregações Modelo Multidimensional Banco de dados relacional Modelo Multidimensional Armazenamento dos dados Modelo Multidimensional Banco de dados relacional Banco de dados relacional Facilidade de Criação Velocidade de resposta Simples Muito Simples Simples Boa Regular ou Baixa Boa para consultas que apresentam agregações, Regular para dados de baixo nível Escalabilidade Problemas de escalabilidade São mais escaláveis Depende do perfil de consultas Recomendados para Cubos com uso freqüente Dados que não são utilizados freqüentemente Se o cubo requer uma resposta rápida Vantagens Desvantagens MOLAP ROLAP Melhor desempenho no tempo de resposta. Economia de espaço de armazenamento. Útil quando se trabalha com conjuntos de dados muito grandes. Duplica o armazenamento de dados (ocupa mais espaço) Tempo de Latência O tempo de resposta das consultas é maior. HOLAP Bom tempo de resposta apenas para informação sumarizada. Volumes de dados maiores no banco de dados relacional. Página 6 de 15

7 O MOLAP é um OLAP baseado no acesso a um banco de dados multidimensional. O ROLAP é um OLAP baseado no acesso a um banco de dados relacional. HOLAP é um OLAP situado entre o ROLAP e o MOLAP e acessa o Multidimensional e o Relacional Definição de Agregações Outro fator a considerar na implementação do modelo OLAP, além do modo de armazenamento é a definição da porcentagem de agregações. Denomina-se agregação ao processo de pré-calcular o cálculo dos dados através dos níveis para diminuir os tempos de resposta nos processos de busca de informação. A porcentagem de agregação determina a proporção ou profundidade até onde são realizados os pré-cálculos. As agregações são armazenadas na estrutura multidimensional (de acordo com a forma de armazenamento escolhida). As agregações são resumos de dados pré-calculados que melhoram o tempo de resposta pelo simples motivo de ter as respostas prontas antes de receber as perguntas. Ao definir as agregações é importante levar em consideração a especificação das restrições de armazenamento e de porcentagem de agregação, para conseguir uma boa solução de compromisso entre o tempo de resposta das consultas e os requisitos de armazenamento. Se forem calculadas todas as agregações possíveis seria necessário uma grande quantidade de tempo de processamento e espaço de armazenamento. Se não forem pré-calculadas as agregações (0%) a quantidade de espaço de armazenamento necessário fica reduzida ao mínimo, porém o tempo de resposta aumentará. Portanto, deve existir um equilíbrio entre o espaço de armazenamento, a porcentagem de possíveis agregações pré-calculadas e o desempenho requerido. É possível ver o gráfico desta relação na figura: Página 7 de 15

8 No gráfico é possível observar que se chega a um ponto no qual já não é possível atingir um aumento significativo nas agregações (é importante lembrar que, neste contexto, aumentar as agregações é sinônimo de melhorar o desempenho das consultas), apesar de aumentar a quantidade de espaço de armazenamento. Devemos escolher uma porcentagem situada na zona do ponto A, onde conseguimos a porcentagem máxima de agregação com a menor quantidade de espaço possível. Características das agregações: As agregações permitem melhorar os tempos de resposta Requerem armazenamento adicional Caso não forem controladas podem provocar uma explosão nos requisitos de armazenamento Para um maior número de agregações é necessário mais tempo de processamento e mais requerimento de espaço. Um menor número de pré-agregações reflete em um pior tempo de resposta das consultas Processamento de Cubos Nesta etapa devemos definir quando e com qual freqüência processar os cubos. Quando são processadas dimensões ou cubos, estão sendo atualizados os dados, as estruturas multidimensionais ou ambos. Página 8 de 15

9 Esta definição deve considerar os seguintes fatores: Modo de armazenamento escolhido (MOLAP-ROLAP-HOLAP) Tamanho da tabela de fatos (quantidade de registros) Número de dimensões do modelo Porcentagem de agregações Para determinar a freqüência de processamento do cubo devemos considerar a análise com o cliente com relação à granularidade dos dados para o tempo. O nível de detalhe (dia, mês, etc.) determinará a periodicidade de atualização dos dados. Diferente dos sistemas OLTP nos quais a atualização dos dados é realizada online com as transações e a agregação dos dados é realizada no momento em que o usuário realiza uma consulta, no OLAP o processamento dos cubos é realizado em contra-fluxo, nos horários que não afete a tarefa dos usuários. No sistema de tráfego telefônico, se os dados das ligações forem recebidos uma vez por semana, então devemos processar o cubo em um dia do final de semana para não afetar a tarefa do usuário. Se a informação das ligações for recebida de forma diária, o processamento pode ser realizado uma vez por dia, tarde da noite ou bem cedo pela manhã Cubos Virtuais Os cubos virtuais são visualizações de cubos reais. Os cubos virtuais podem ser utilizados: Quando o usuário deseja ver informação conjunta de dois cubos diferentes. Quando deseja ter uma visão parcial de um cubo. É uma forma de simplificar a manipulação da segurança. No sistema de tráfego telefônico, pode ser desejável relacionar as ligações telefônicas com a quantidade de horas trabalhadas. Uma forma simples de atender este requisito é criar um cubo virtual que recolha dados dos cubos de Tráfego e RH. Página 9 de 15

10 4.6. Partições Os cubos são formados por partições. Como o próprio nome diz, uma partição é uma divisão ou fracionamento da informação que forma um cubo. Cada cubo contém pelo menos uma partição, porém pode estar formado por múltiplas partições. As partições de um cubo são invisíveis para o usuário, porém o seu uso aumenta a carga de trabalho do administrador do modelo multidimensional. Para cada partição é possível definir a fonte de dados, o modo de armazenamento e a porcentagem de agregação de forma independente das demais partições. Além disso, uma partição de dados pode ser atualizada independentemente das outras. Esta propriedade é muito importante pois oferece a vantagem de melhorar os tempos de processamento se dividir corretamente as partições e elas forem processadas adequadamente. Dessa forma, se dividirmos o nosso cubo em partições, definiremos cada um destes parâmetros da forma mais indicada. Partição mais utilizada (Tempo Real): Modo de Armazenamento: MOLAP % de Agregação: alta Freqüência de processamento: alta Partição consultada de forma média (Freqüência Intermediária): Modo de Armazenamento: HOLAP % de Agregação: baixa Freqüência de processamento: ocasional Partição pouco acessada (Períodos Antigos): Modo de Armazenamento: ROLAP % de Agregação: nula Freqüência de processamento: muito baixa (normalmente apenas na criação da partição) Do ponto de vista administrativo cada partição pode ser manipulada como se fosse um cubo independente. Pode ter fonte de dados, modo de armazenamento, porcentagem de agregação e freqüência de processamento próprios. Página 10 de 15

11 Podemos criar uma partição por cada ano contido no cubo (por exemplo, 2004, 2005 e 2006) e armazenar as partições da seguinte forma: 2006: Em uma estrutura MOLAP, com uma alta porcentagem de agregações, para obter uma resposta rápida das consultas. 2005: Em uma estrutura HOLAP, com uma baixa porcentagem de agregações, que permitirá bons tempos de resposta para consultas de resumo, com um espaço de armazenamento mínimo. Anos anteriores: Em uma estrutura ROLAP, com porcentagem de agregações zero, que economizará espaço de armazenamento. Este economia é paga com o aumento do tempo de resposta, porém não é caro, pois as consultas são ocasionais. Desenhar mal uma partição, sem considerar os filtros habitualmente utilizados pelo usuário, aumenta a carga administrativa e não melhora o desempenho das consultas. Se a lógica que define as partições não está corretamente desenhada, os dados podem ser perdidos ou duplicados A difícil busca do equilíbrio No momento de implementar o cubo, devemos analisar em conjunto os seguintes fatores, tentando atingir um ponto de equilíbrio. % de Pré-agregação. Tempo de Processamento. Requerimentos de tempos de resposta. Tipo de armazenamento. Tipificação das consultas (Base para decidir se serão manipuladas partições). Uso de Partições. Página 11 de 15

12 Ação Resposta Tempo de Processamento Tempo de Resposta Consultas Mudanças Espaço Ocupado Manutenção % Pré-agregações Armazenamento MOLAP X Alto Alto x Agenda Alto ROLAP X Baixo Baixo Direto Baixo HOLAP X Médio Médio x Agenda Médio Partições Sim Estudo de Caso Veremos como implementar o desenho do modelo OLAP desenvolvido no módulo anterior. Como vimos, nosso modelo era: Página 12 de 15

13 Este modelo será implementado sobre um cubo denominado Vendas. Cubo Vendas Levando em consideração que o nosso cliente analisa a sua informação com relação aos períodos de tempo, filtrando por ano, construiremos duas partições dividindo o cubo de forma anual. Dessa forma obteremos uma partição para 2005 e outra para O objetivo desta partição é oferecer suporte às consultas realizadas com pouca freqüência, motivo pelo qual optamos por definir parâmetros que permitam a economia de espaço ocupado, aceitando um desempenho mais baixo. A partição para 2005 terá: Modo de armazenamento: HOLAP Porcentagem de agregação: 10% Freqüência de processamento: Será processada no momento da criação e Página 13 de 15

14 depois, apenas quando for solicitada pelo cliente O objetivo desta partição é oferecer suporte às consultas realizadas habitualmente e um dos requerimentos básicos é o tempo de resposta das consultas, motivo pelo qual optamos por definir parâmetros que apontem para a obtenção de um melhor desempenho, aceitando o custo de espaço ocupado e tempo de processamento. A partição de 2006 terá: Modo de armazenamento: MOLAP Porcentagem de agregação: 40% Freqüência de processamento: O processamento será realizado diariamente a partir das 22:00 hs, pois sabemos que os usuários não realizam consultas nesse horário. Não é necessário criar um cubo virtual para poder visualizar as duas partições. Do ponto de vista de acesso para as consultas, as partições são transparentes para o usuário, que define o cubo como sua fonte de dados sem considerar a sua forma de construção. Existem diferentes formas de armazenamento dos dados e agregações de um cubo e devemos selecionar um deles de acordo com as necessidades e possibilidades da nossa empresa. É conveniente utilizar partições quando existem grandes volumes de dados para obter melhorias nos tempos de processamento e resposta das consultas. Utilizaremos cubos virtuais quando o data mart precise relacionar informações de diferentes cubos. Página 14 de 15

15 Os tempos de resposta das consultas são um fator chave? Estão definidos os valores mínimos ou máximos que devem ser atendidos? Está estimado o volume de dados que deve ser manipulado, tanto hoje quanto no futuro? A freqüência e o tempo de processamento são fatores críticos? A empresa possui o equipamento adequado para a situação atual e a estimativa futura? Foi considerado este fator com relação ao armazenamento e à velocidade de processamento? Existem critérios preestabelecidos para a definição da % de pré-agregação? Será necessário criar cubos virtuais? Existe uma idéia clara da quantidade e qualidade das consultas habituais? Existe algum padrão de filtragem repetido, como mês ou cidade? Página 15 de 15

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

Fundamentos da Análise Multidimensional

Fundamentos da Análise Multidimensional Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Fundamentos da Análise Multidimensional Fundamentos da Análise Multidimensional

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos ORIENTAÇÃO A OBJETOS COM PROTOTIPAÇÃO CAPÍTULO 02 CONCEITOS FUNDAMENTAIS OBJETIVOS Definiremos alguns conceitos fundamentais de forma a não deixar dúvidas básicas ou interpretações que nos coloquem em

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Arquitetura física de um Data Warehouse

Arquitetura física de um Data Warehouse É um modo de representar a macroestrutura de, comunicação, processamento e existentes para usuários finais dentro da empresa. Operacionais origem Data / Arquitetura física Serviços Armazenamento de Área

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google 1 Links Patrocinados 1.1 Introdução Links patrocinados são aqueles que aparecem em destaque nos resultados de uma pesquisa na Internet; em geral, no alto ou à direita da página, como na Figura 1.1. Figura

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP Versão 1 Manual de Orientação Conteúdo 1. Introdução 3 2. Abrangência 4 3. Vagas 5 4. Fila de Espera

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Data Warehouse. Compras. Caroline B. Perlin

Data Warehouse. Compras. Caroline B. Perlin Data Warehouse Compras Caroline B. Perlin Agenda O processo de compra Requisitos de compras Transações de compra Tabela de fatos Slowly Changing Dimensions (SCD) Técnicas para lidar com SCD Abordagens

Leia mais

Aqui, FLOWww te dá a opção de gerar relatórios por dia, onde serão apresentados os resultados de cada dia no período pesquisado.

Aqui, FLOWww te dá a opção de gerar relatórios por dia, onde serão apresentados os resultados de cada dia no período pesquisado. Estatísticas As estatísticas de FLOWww oferecem um maravilhoso panorama da evolução do seu negócio e do comportamento dos seus clientes para que você saiba tomar as melhores decisões no momento adequado,

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão lateral. O editor deve permitir que o usuário trabalhe com camadas, para simular o efeito parallax. O usuário pode

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence

Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence Objetivos Fornecer uma visão sobre a finalidade de um sistema de suporte para tomada de decisões: Conhecer quais sistemas informatizados atuam em cada componente

Leia mais

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 5 2. OLAP... 6 3. Operações em OLAP... 8 4. Arquiteturas em OLAP...

Leia mais

1. Arquivos Seqüenciais

1. Arquivos Seqüenciais 1. Arquivos Seqüenciais 1.1. Introdução Historicamente, os arquivos seqüências são associados as fitas magnéticas devido a natureza seqüencial deste meio de gravação. Mas os arquivos seqüências são também

Leia mais

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining 7-1 Introdução Cada vez mais, organizações estão analizando dados correntes e históricos para identificar padrões úteis e suporte a estratégias de negócios.

Leia mais

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining 7-1 Introdução Cada vez mais, organizações estão analizando dados correntes e históricos para identificar padrões úteis e suporte a estratégias de negócios.

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.3 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso de Sistemas de Informação (Bacharelado) Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador?

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador? Backup O backup tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais é a base do típico pedido de recuperação de arquivo: Um usuário apaga acidentalmente um arquivo e pede que

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1 Análise Inteligente de Dados Objectivo: Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano Ficha T. Prática n.º 1 Estudo do paradigma multidimensional com introdução de uma extensão ao diagrama E/R

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União Tesouro Gerencial Brasília Novembro/2014 Objetivos do Curso O aluno deve ser capaz de: 1) Identificar as diferenças/semelhanças

Leia mais

Planejamento e Orçamento

Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento O SIPLAG Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Gestão, é um sistema voltado à gestão governamental, permitindo a elaboração do Plano Plurianual, da Lei Orçamentária Anual,

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Microsoft Access XP Módulo Um

Microsoft Access XP Módulo Um Microsoft Access XP Módulo Um Neste primeiro módulo de aula do curso completo de Access XP vamos nos dedicar ao estudo de alguns termos relacionados com banco de dados e as principais novidades do novo

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Gerencial Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 26/02/2014 1 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas do

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Projecto Final de Licenciatura Engenharia Informática - Computadores e Sistemas. elaborado por: Filipe Manuel Marques Pinto Pinheiro

Projecto Final de Licenciatura Engenharia Informática - Computadores e Sistemas. elaborado por: Filipe Manuel Marques Pinto Pinheiro OLAP (ONLINE ANALYTICAL PROCESSING) Projecto Final de Licenciatura Engenharia Informática - Computadores e Sistemas elaborado por: Filipe Manuel Marques Pinto Pinheiro orientado por: Engº Paulo Alexandre

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação Curso de Dwing TecBD-DI PUC-Rio Prof. Rubens Melo Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação Arquiteturas e Abordagens de Implementação Arquitetura adequada é fundamental Infra-estrutura disponível

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática RAID Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 1 de outubro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 1 de outubro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior ÍNDICE BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY)...2 BACKUP...2 PORQUE FAZER BACKUP?...2 DICAS PARA BACKUP...2 BACKUP NO WINDOWS...2 BACKUP FÍSICO E ON-LINE...3 BACKUP FÍSICO...3 BACKUP ON-LINE(VIRTUAL) OU OFF-SITE...3

Leia mais

Microsoft Analysis Service

Microsoft Analysis Service Microsoft Analysis Service Neste capítulo você verá: BI Development Studio Analysis Services e Cubos Microsoft Analysis Services é um conjunto de serviços que são usados para gerenciar os dados que são

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Sumário Visão geral de novos recursos 2 Instalação, ativação, licenciamento 2 Internet Security 3 Proteção Avançada 4

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Access Control Lists - ACL. Treinamento OTRS Help Desk

Access Control Lists - ACL. Treinamento OTRS Help Desk Access Control Lists - ACL Treinamento OTRS Help Desk Sumário Introdução... 3 Seções compõe as ACLs...4 Properties... 4 PropertiesDatabase...4 Possible... 4 PossibleNot... 4 Propriedades... 6 Action...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais