Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 2. Definindo Soluções OLAP"

Transcrição

1 Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse junto com seus componentes. Reconhecerá a necessidade dos processos de extração, transformação e carga de dados (ETL) que permitem alimentar as tabelas auxiliares que suportarão a estrutura multidimensional. Conhecerá as diferenças entre um sistema transacional e um Data Warehouse. Compreenderá o termo OLAP e a sua relação com a navegabilidade da informação. Conhecerá as transformações necessárias para montar um DW a partir de um Banco de Dados Operacional. Introdução Para desenvolver um Data Warehouse, devemos considerar uma série de pautas que deverão estar alinhadas com os objetivos do negócio e os fatos que precisam ser analisados, incluindo o alcance do sistema, a granularidade dos dados e a navegabilidade desejada. Devem ser identificadas as origens dos dados para selecioná-los, depurá-los, transformá-los e importá-los. Página 1 de 16

2 Conteúdo do módulo 2.1 Sistema Transacional (OLTP) Características Usos comuns de sistemas OLTP 2.2 Sistemas OLAP Bancos de Dados (Estruturas) Usos Comuns de sistemas OLAP 2.3 Dados de Origem X Informações do Negócio Convertendo Dados em Informações Extração, transformação e carga de dados ETL 2.1 Sistema Transacional (OLTP) Características Os sistemas OLTP (On-Line Transaction Processing) são os sistemas que capturam as transações de um negócio e as mantêm em estruturas relacionais chamadas Banco de Dados. As principais características dos sistemas OLTP são: Realizar transações em tempo real do processo de um negócio, motivo pelo qual os dados armazenados mudam continuamente. Os sistemas OLTP, nas suas transações, controlam processos essenciais do negócio. Os sistemas OLTP são os responsáveis pela manutenção dos dados, acrescentando dados, realizando atualizações ou eliminando-os. As estruturas de dados devem estar otimizadas para validar a entrada dos mesmos e rejeitá-los se não atenderem determinadas regras de negócio. Para a tomada de decisões, os sistemas OLTP possuem capacidades limitadas, pois não é seu objetivo e, portanto, não é uma prioridade no seu desenvolvimento. Se desejasse obter uma determinada informação histórica relativa ao negócio consultando um sistema OLTP, seria produzido um impacto negativo no funcionamento do sistema. Normalmente, para o desenho de um sistema OLTP é definido um modelo de Diagrama de Relação de Entidades (DRE). Um DRE é uma representação da realidade através de um esquema gráfico que contém os seguintes elementos: Entidades: Uma Entidade é um tipo de objeto que pode ser identificado de forma única por algum meio. Este objeto é traduzido para a estrutura física de um banco de dados como uma tabela. Atributos: As características particulares que diferenciam as Entidades são denominadas Atributos. Página 2 de 16

3 Relações (ou Relacionamentos): vínculos existentes entre as tabelas que servem para garantir a integridade referencial. Um exemplo de Entidades e Atributos é: Pessoa (IdPessoa, Nome, Sobrenome, IdLocalidade) Grupo (IdPessoa, Telefone) Para conseguir esquematizar um DRE, deve ser realizado um processo de padronização baseado nas Formas Normais, que também garante uma otimização do espaço utilizado no disco Usos Comuns de sistemas OLTP Toda organização ou empresa efetua seus objetivos diários realizando um conjunto de tarefas que estão cuidadosamente agrupadas dentro de processos relacionados entre si. Os processos podem pertencer à área Industrial, ao departamento de Marketing, ao departamento de Vendas ou ao setor Administrativo, mencionando apenas alguns deles. Podemos dizer que na definição de OLTP podem ser enquadrados todos os sistemas tradicionais dedicados à captura, validação e armazenamento de dados de forma estruturada e que correspondem aos procedimentos. Sistema OLTP Imaginemos estar diante de um Sistema de Caixas Eletrônicos. O sistema, ao ser operado por um cliente, passará pelas seguintes situações: Receber o cartão do Cliente. Validar o Cliente. Consultar no Banco de Dados se o Cliente existe e, se existir, confirmar que está em uma linha de caixas habilitada. Autenticar o cliente no sistema. Se desejar realizar uma transferência: Verificar se apresenta autorização para realizá-la. Verificar se apresenta saldo. Inicializar a transferência tratando-a como uma transação. Emitir comprovante. Despedir-se do Cliente. Página 3 de 16

4 A situação em um Sistema de Vendas através de um Site seria a seguinte: Validar o cliente e autenticá-lo no sistema. Aceitar o pedido. Controlar os limites de crédito. Informar os valores parciais da compra e acumulados. Confirmação do cliente antes de enviar o pedido. Enviar o pedido. Descontar as quantidades vendidas do estoque. Informar o número da venda e a data de entrega. Despedir-se do cliente. Podemos verificar que o sistema transacional garante um conjunto de regras de negócio, como no exemplo de um sistema de vendas pela Web, antes de realizar a venda verifica-se se o cliente não ultrapassou o limite de crédito. Por sua vez, deve ser mantida uma integridade na informação, isto é, se em uma tabela manipula-se o estoque dos produtos e em outra são tratadas as movimentações realizadas destes produtos, as quantidades movimentadas na tabela de movimentações devem ser descontadas na mesma quantidade que as apresentadas na tabela de produtos. Página 4 de 16

5 As organizações precisam então registrar as transações ocorridas durante seus processos operacionais, para controle e consulta posterior. Um sistema OLTP é utilizado em: Sistemas bancários Processamento de pedidos Comércio eletrônico Sistemas de faturamento Sistemas de estoque 2.2 Sistemas OLAP Bancos de Dados (Estruturas) Os sistemas OLAP (On-Line Analytical Processing, ou Processamento Analítico On-line) oferecem uma alternativa aos sistemas transacionais, proporcionando uma visão dos dados orientada à análise, além de uma navegação rápida e flexível. A tecnologia OLAP apresenta as seguintes características: Os bancos de dados OLAP apresentam um esquema otimizado para que as perguntas realizadas pelos usuários sejam respondidas rapidamente. As perguntas realizadas a um OLAP devem permitir a utilização interativa com os usuários. Página 5 de 16

6 Os cubos OLAP armazenam vários níveis de dados formados por estruturas altamente otimizadas que atendem às expectativas de negócio da empresa. Um sistema OLAP está preparado para realizar relatórios complexos de uma forma simples. O OLAP proporciona uma visão multidimensional dos dados. Os cubos oferecem uma visão multidimensional dos dados que vai além da análise de duas dimensões, oferecida por uma simples planilha de cálculo utilizada como tal. Os usuários podem modificar facilmente as filas, as colunas e as páginas nos relatórios do OLAP, sendo possível visualizar a informação da forma que seja mais conveniente para análise. Um Sistema OLAP Os sistemas OLAP representam uma solução que retorna respostas rápidas para as consultas realizadas. A partir de sistemas OLAP podem ser obtidos relatórios de negócios sobre Vendas ou Marketing, entre outros Usos Comuns de sistemas OLAP Os sistemas OLAP são utilizados pelas empresas para conhecer o histórico do negócio e poder realizar a tomada de decisões. Podemos enunciar as seguintes áreas onde o uso de um sistema OLAP está difundido: Sistemas de informação executivos. Os usuários e os administradores geralmente de cargos altos e médios, recebem a informação sobre os indicadores de funcionamento dominantes do negócio e das exceções ou as variações segundo os padrões pré-estabelecidos. Os Sistemas de Informação Executivos (EIS) geralmente apresentam dados multidimensionais em formatos gráficos. OLAP em EIS Alertas. Tomada de decisões. Aplicações financeiras. Os bancos de dados OLAP possuem diversos usos no mercado financeiro, incluindo a comunicação, análise do mês de fechamento, análise do aproveitamento do produto, orçamentos e Página 6 de 16

7 previsões. Os analistas financeiros utilizam sistemas OLAP extensivamente para análise de dados financeiros e operacionais para responder as perguntas dos superiores. OLAP na Área Financeira Relatórios analíticos. Planejamento. Análise. Aplicações de Vendas e Marketing. Existem diferentes formas de chegar aos clientes para atingir os objetivos de venda e de comercialização propostos. Por isso, é aconselhável a utilização de sistemas OLAP onde é importante contar com informação organizada de forma rápida. Os exemplos incluem análise do faturamento, análise de produto, análise do cliente e análise de vendas regional. OLAP no Marketing Análise de Produtos. Análise de Clientes. Análise de Faturamento. Outros Usos. Os bancos de dados do OLAP adaptam-se a uma ampla gama de análises, incluindo rendimento de processamento e eficácia da produção, eficácia do serviço ao cliente e análise de custo do produto. Definitivamente, um sistema OLAP é útil para todo processo no qual seja necessário tomar decisões. OLAP em Outros Usos Análise da Produção. Análise de Serviços ao cliente. Evolução do Custo do Produto. 2.3 Dados de Origem X Informações do Negócio O esquema a seguir representa as diferentes etapas que devem ser executadas para a construção de um Data Mart, a partir da identificação dos Página 7 de 16

8 dados originais nos sistemas transacionais até que os usuários possam utilizar essa informação. Ele indica qual parte destes processos cada módulo cobrirá. As etapas que devem ser atendidas durante o processo de construção de um Data Warehouse são as seguintes: 1. Identificação das necessidades e requerimentos. 2. Reconhecimento das fontes de dados originais e suas estruturas. 3. Baseado nos requerimentos, definir as tabelas auxiliares e os processos de extração, transformação e importação de dados. 4. Construir o esquema multidimensional. Este esquema deve estar de acordo com os requerimentos e com as tabelas auxiliares, como primeira forma de teste. 5. Acesso ao sistema a partir das estações de trabalho dos analistas, obtendo a informação identificada na etapa de requerimentos Convertendo Dados em Informações Para converter os dados em informação, deve ser entendida de que forma podem ser interpretados os dados armazenados nos sistemas OLTP, determinando: Como os fatos que desejamos medir se relacionam com os dados que podemos obter. Como estes dados refletem as metas e objetivos englobados pelo negócio. Um Data Warehouse classifica a informação com base nos aspectos que são de interesse para a empresa. Página 8 de 16

9 O ambiente operacional é orientado a aplicativos e funções (vendas, faturamento, estoque, etc.). O banco de dados combina os processos em uma estrutura que responde às necessidades das regras do negócio. Entretanto, em um Data Warehouse estes elementos são orientados a sujeitos (vendedores, produtos, filiais, etc.). Após reconhecer a análise do negócio como um valor significativo para uma organização, as solicitações dos dados e da informação tornam-se numerosas e freqüentes. Satisfazer estas solicitações pode ser uma tarefa muito complexa em um sistema OLTP, sendo necessário procurar entre grandes quantidades de dados obtidos de diferentes fontes, tentando selecionar, adequar e consolidar a informação. Em um sistema OLAP, estes pontos são resolvidos de uma só vez, na etapa de design Extração, Transformação e Carga de Dados ETL Os dados que alimentam um Data Warehouse são resultantes de diferentes fontes; estas fontes são diferentes sistemas OLTP que a empresa possui, geralmente não homogêneos e não concordando necessariamente com o que é necessário, sendo necessário realizar todas as adaptações pertinentes. ETL Os diferentes processos concentrados no conceito de extração, transformação e carga de dados em um Data Warehouse denomina-se ETL, em inglês Extract Transform Load. Página 9 de 16

10 É comum que os sistemas OLTP das organizações tenham sido desenvolvidos por diferentes equipes de programadores ou empresas de software e, que no seu desenvolvimento, tenham adotado diferentes convenções na codificação de variáveis, nomes dos atributos das tabelas, diferentes tipos de dados ou formatos de datas. Ao reunir dados dos diferentes sistemas deve ser definida uma norma única para o Data Warehouse e realizar as transformações necessárias em cada caso. Basicamente devem ser realizadas as seguintes tarefas: Estabelecer as regras que serão utilizadas para realizar a transformação. Detectar as inconsistências que podem ocorrer ao extrair dados de diferentes fontes. Planejar cuidadosamente e com detalhes a transformação dos dados, que ofereçam como resultado final conjuntos de dados consistentes. Convenções diferentes no desenvolvimento de aplicações Codificação: Um claro exemplo é a codificação e descrição do sexo do indivíduo. Este dado pode ter sido armazenado de diferentes formas. Por exemplo, pode ser encontrado como M e F, 1 e 0, Homem e Mulher ou Masculino e Feminino. Na transformação deverá ser escolhida uma convenção única para o Data Warehouse, que pode ser M e F e transformar os dados originais, padronizando-o na tabela de destino. Operacional Data Warehouse Aplicação A: M e F Aplicação B: 1 e 0 M F Aplicação C: Masculino e Feminino Unidades de medida dos atributos: As unidades podem apresentar diferentes unidades de medidas, de acordo com a origem do sistema OLTP. Um exemplo e falar em litros, centímetros cúbicos ou decilitros. Deve ser escolhida uma única unidade de medida que seja útil para o Data Warehouse e transformar os dados. Página 10 de 16

11 Operacional Data Warehouse Aplicação A: Litros Aplicação B: cm3 Litros Aplicação C: Decilitros Formatos: Outro exemplo claro são os formatos de data encontrados nos diferentes sistemas operacionais. As datas podem estar armazenadas como aaaa/mm/dd, mm/dd/aaaa ou dd/mm/aaaa. No desenvolvimento do Data Warehouse devemos escolher alguma delas e realizar a transformação correspondente. Operacional Data Warehouse Aplicação A: aaaa/mm/dd Aplicação B: mm/dd/aaaa dd/mm/aaaa Aplicação C: dd/mm/aaaa Várias colunas para uma: Em um sistema OLTP, os dados de uma pessoa, como Endereço podem ser armazenadas em diferentes campos da mesma tabela (Rua, Número, Andar e Apartamento). Ao transformar estes dados para que possam ser utilizados em um Data Warehouse, é possível armazená-los em um única coluna. O mesmo pode acontecer com Nome e Sobrenome. No sistema OLTP pode estar armazenado em duas colunas e no OLAP estar em apenas uma. Página 11 de 16

12 Uma coluna para vários: Os sistemas mais antigos costumavam colocar o tipo e número de documento no mesmo campo da tabela. Em um DW é possível que seja necessário colocar o tipo de documento em um campo e o número de documento em outro. Granularidade No momento de importar os dados da fonte de origem devem ser realizadas as sumarizações requeridas. Deve ser definida a granularidade máxima a ser armazenada e somar os dados, agrupando-os de acordo com esse critério. Ao definir a granularidade está sendo decidido ao mesmo tempo: As análises que são de interesse. O grau de detalhe necessário. Isto é, se tomarmos como exemplo a medição do tráfego telefônico, é possível definir a necessidade dos totais de ligações por cliente por dia. Vemos que o máximo detalhe requerido é o dia, não interessando a hora da ligação nem o tempo de cada uma das ligações. Por isso, deve ser agrupado e somado utilizando o critério por Cliente e Dia. Se desejar ter a quantidade e valor das vendas por mês, cliente e produto, é necessário agrupar por estas três aberturas, deixando no sistema OLTP o detalhe por dia por nota fiscal ou por varejo, obtendo o resultado visto no gráfico. Página 12 de 16

13 Por contar com o plano de trabalho desenvolvido segundo as regras de transformação, colhemos os dados do sistema OLTP e os importamos dentro da nossa área de dados. Utilizaremos tabelas auxiliares para armazenar os dados de origem para ajudar durante a transformação. Interpretação equivocada dos Requerimentos Durante a etapa de análise prévia ao desenho de um sistema OLAP é importante entender com precisão a problemática do negócio. Isto inclui definir o fato e quais medidas serão necessárias para se desenvolver o sistema. Muitos sistemas não obtêm sucesso devido a uma etapa de análise onde os requerimentos propostos não apontam para os objetivos do negócio. Página 13 de 16

14 Estudo de Caso Relevando os Requerimentos No Módulo 1 identificamos as necessidades da Contoso e quais fatores deseja analisar para a tomada de decisões. Agora devemos identificar de que forma, através das aberturas e das medidas, vamos medir os fatos que a empresa precisa analisar. Levando em consideração que cada ponto mencionado nos requerimentos está relacionado às vendas da empresa, podemos dizer que o fato do nosso Data Warehouse será, justamente, as Vendas. Começaremos analisando cada necessidade e qual é a dimensão ou medida que deverá ser criada para satisfazê-la. Depois, deve ser desenvolvida uma tabela onde será resumida a informação obtida. Esta tabela será utilizada na etapa de design. Analisaremos o primeiro conjunto de necessidades: A quantidade de unidades vendidas nos países atingidos pelo mercado atual. Nesta ordem detecta-se como possível medida as unidades vendidas, que precisamos ver detalhadamente por País. Por outro lado, a quantidade de unidades vendidas refere-se aos produtos: detectamos uma nova dimensão, o Produto. O custo incluído em cada unidade vendida. Deste requerimento resulta a medida custo de vendas. O valor de venda de cada produto. Aqui, precisamos contar com a medida valor de vendas, sabendo que será utilizada a dimensão Produto para obter o Valor da Venda de cada Produto. O lucro obtido na venda de cada produto. A medida Lucro obtido, será obtida da diferença entre o valor da venda e o custo do produto. Esta informação requer apresentação por região geográfica e filial. Aqui é apresentada uma nova dimensão, que será chamada de Filial. Agora, realizaremos a análise do segundo conjunto de requerimentos: Por outro lado a empresa deseja: Montar cestas de produtos de acordo com o perfil de compra dos clientes de cada cidade na qual tenha um local de varejo. Para isso, é necessário um estudo das vendas realizadas abertas por categoria de Página 14 de 16

15 produto (com a possibilidade de obter o detalhe por produto), por cidade, por mês, para os últimos 13 meses (para detectar paradas). Verificamos que é necessário analisar os produtos de acordo com a sua categoria e os clientes que os adquiriram. A partir daqui se faz necessária uma nova dimensão chamada Clientes e que os produtos sejam agrupados por Categoria de Produtos, definindo um nível na dimensão Produto. Premiar anualmente os vendedores que ultrapassem os objetivos de venda atribuídos. A análise, neste caso, deverá incluir os vendedores, as vendas realizadas, os objetivos de venda e o indicador de cumprimento detalhados por mês para o ano fiscal (O prêmio será diferente se forem atingidos os objetivos globais para o ano ou se, além disso, forem atingidos os objetivos em todos os meses em particular). Sobre estes requerimentos, devemos acrescentar apenas a dimensão Vendedor, pois as medidas utilizadas serão as mesmas destacadas anteriormente. Levando em consideração que a empresa chega aos clientes tanto através dos supermercados quanto dos hipermercados, poderia ser muito útil realizar a análise de cada uma das medidas por Tipo de Filial. Todo Data Warehouse contém informação histórica que a empresa analisará para diferentes períodos, então, acrescentaremos mais uma dimensão denominada Tempo. É comum que seja necessário analisar as vendas obtendo a sua média. Portanto, vendo esta possível necessidade, seria conveniente desenvolver a medida Vendas Unidades Média. Para ver a informação obtida nas análises de uma forma mais clara e compreensível, é conveniente elaborar uma tabela de entrada dupla onde colocaremos nas linhas as medidas e nas colunas as dimensões. Nas intersecções de linhas e colunas, colocaremos uma cruz se é necessário ver a medida por essa dimensão. Fato a medir: Venda de Produtos Dimensões Medidas Tempo Filial Vendedor Cliente Produto Vendas_Valor X X X X X Vendas_Custo X X X X X Vendas_Unidades X X X X X Vendas_ValorTotal X X X X X Vendas_Lucro X X X X X Vendas_Média X X X X X Esta tabela resumida é muito útil para ver claramente os requerimentos, agrupar por abertura e começar a definir os cubos que devem ser criados. Página 15 de 16

16 É possível compreender mais profundamente a estrutura de um sistema OLTP. Foi compreendido onde é utilizado um sistema OLTP. Foi demonstrado de que forma é estruturado um sistema OLAP. Foi abordado em detalhes em quais áreas um sistema OLAP é utilizado. Foram abordadas as inconsistências que podem ocorrer quando um sistema OLAP é alimentado a partir de um sistema operacional (OLTP). É possível compreender como transformar os dados antes de chegar ao sistema OLAP. Foram analisados os Fatos que são de interesse? Foram executadas as aberturas pelas quais será analisada a informação? Foram analisadas as medidas ou indicadores que serão utilizadas para avaliar os Fatos? Qual é a granularidade necessária para visualizar a informação no sistema OLAP? Foram definidas as fontes de onde serão retirados os dados? Foram definidos os formatos dos arquivos de transferência e dos dados que eles incluem? Foram desenhados os processos de extração, transformação e carga de dados (ETL)? Página 16 de 16

Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence

Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence Módulo 1. Introdução ao Business Intelligence Objetivos Fornecer uma visão sobre a finalidade de um sistema de suporte para tomada de decisões: Conhecer quais sistemas informatizados atuam em cada componente

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

O Que é Data Warehouse

O Que é Data Warehouse O Que é Data Warehouse Escrito por Carlos Alberto Sowek Buscando dar uma melhor visão sobre uma proposta de arquitetura de um Data Warehouse para a Celepar, bem como para os clientes da Celepar, sentimos

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL

DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL Fábio Silva Gomes da Gama e Abreu- FSMA Resumo Este artigo aborda os conceitos de ETL (Extract, Transform and Load ou Extração, Transformação e Carga) com o objetivo de

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Arquitetura física de um Data Warehouse

Arquitetura física de um Data Warehouse É um modo de representar a macroestrutura de, comunicação, processamento e existentes para usuários finais dentro da empresa. Operacionais origem Data / Arquitetura física Serviços Armazenamento de Área

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Sobre Grimaldo Grimaldo Oliveira grimaldo_lopes@hotmail.com Formação Mestre em Tecnologias Aplicadas a Educação pela Universidade do Estado da Bahia. Especialização

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados Análise de Pontos de Função (Hazan, 2001) A Análise de Pontos de Função (APF) é um método-padrão para a medição do desenvolvimento de software, visando estabelecer uma medida de tamanho do software em

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas.

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Customer Relationship Management CRM ou Gestão de Relacionamento com o Cliente é uma abordagem que coloca o cliente no centro dos processos do negócio, sendo desenhado

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

1.Introdução. 2. Posicionamento

1.Introdução. 2. Posicionamento 1.Introdução 1.1 Finalidade Este documento tem o objetivo de demonstrar as necessidades e problemas que a rede de clínicas de vacinação IMUNIZA encontra em seu dia a dia, propondo após um levantamento

Leia mais

Planejamento e Orçamento

Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento O SIPLAG Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Gestão, é um sistema voltado à gestão governamental, permitindo a elaboração do Plano Plurianual, da Lei Orçamentária Anual,

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 02 SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL Valorização das características humanas; Querer Fazer (atitude, determinação, interesse); Saber como fazer (habilidade, técnica); Saber o que e porque

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 09. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 09. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 09 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 FEEDBACK Prova Continuada 2 EFEITO CHICOTE AO LONGO CADEIA DE SUPRIMENTOS Ampliação da variação da demanda ao longo da

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS 1. CONCEITO Master Vendas não é somente um sistema, e sim, um novo conceito de gestão para sua empresa. Foi desenvolvido por profissionais de informática juntamente com

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES Guia O é destinado para micro, pequenas e médias empresas para o financiamento da compra de equipamentos, serviços e insumos. As vendas com o cartão BNDES são realizadas exclusivamente no Portal (www.cartaobndes.gov.br)

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

ÁGORA - GESTÃO EMPRESARIAL

ÁGORA - GESTÃO EMPRESARIAL ÁGORA - GESTÃO EMPRESARIAL Simplesmente o melhor... deixe-nos mostrá-lo porque! Nosso sistema foi desenvolvido por profissionais altamente capacitados e qualificados, em parceria com quem mais entende

Leia mais

Solução Cadia Projects

Solução Cadia Projects Solução Cadia Projects A Cadia Consulting, com mais de 14 anos de experiência na implementação da ferramenta Microsoft Dynamics NAV (Navision), desenvolve soluções verticais que visam ampliar as funcionalidades

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

GERAÇÃO DE EVIDÊNCIAS PARA ABERTURA DE CHAMADO

GERAÇÃO DE EVIDÊNCIAS PARA ABERTURA DE CHAMADO GERAÇÃO DE EVIDÊNCIAS PARA ABERTURA DE CHAMADO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Gerencial Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 26/02/2014 1 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas do

Leia mais

A consumerização do comércio multi canal B2B

A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização de TI é um assunto em evidência pelo fato de as organizações estarem sob crescente pressão para abrir as redes corporativas aos dispositivos

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Material de Apoio SEB - Contas a Pagar Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Conteúdo CONFIGURAÇÃO... 3 Cadastro de Fornecedores... 3 Métodos de Pagamento...

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados.

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados. DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS O Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) é uma das principais ferramentas utilizadas no projeto de sistemas de informação. O DFD é um diagrama gráfico, baseado apenas em quatro símbolos,

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com.

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com. S E M P R E Sistema de Gestão Empresarial E.R.P. +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840 www.angelbrasilsistemas.com.br O SEMPRE É UM E.R.P. Enterprise Resource Planning Definição de ERP Sistemas Integrados

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais