O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT"
  • 2 Há anos
  • Visualizações:

Transcrição

1 O CONCEITO E OS TIPOS DE LAYOUT DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios (ULBRA) e pós graduando em Consultoria e Planejamento Empresarial (UCAM) Artigo publicado em 07 de outubro de Conceito de Layout Tipos de Layout O layout é a técnica de administração de operações cujo objetivo é criar a interface homem-máquina máquina para aumentar a eficiência do sistema de produção (JONES & GEORGE, 2008). Um fluxo bem estudado permite o rápido atravessamento do produto pelo sistema produtivo. Assim, consequentemente, menos tempo é perdido em cada recurso e ocorre a rápida transformação da matériaprima em produto final, reduzindo o lead time da produção. (PARANHOS FILHO, 2007) O arranjo físico (layout) é muito importante para a produtividade, pois o fluxo dos processos pode ser otimizado ou prejudicado em função da distribuição física dos equipamentos. Deve, por isso, ser bem estudado porque as alterações futuras podem ser custosas ou mesmo não praticáveis, como é o caso de sistema de pintura e máquinas de grande porte que necessitem de fundação (base de concreto para a máquina). (PARANHOS FILHO, 2007) CRARS Segundo Jones e George (2008), "existem três formas básicas de se arranjar as estações de trabalho: layout por produto, layout por processo e layout com posição fixa". Em um layout por produto, as máquinas são organizadas de modo que cada operação necessária para fabricar um produto seja realizada em estações de trabalho dispostas em uma sequência fixa. Normalmente os operários ficam parados nesse arranjo e uma esteira transportadora move o produto que está sendo trabalhado para a estação de trabalho seguinte, e assim ele é montado progressivamente. Produção em série é o nome familiar para este arranjo; as linhas de montagem da indústria automobilística provavelmente são o exemplo mais conhecido. No passado, o layout por produto era eficiente apenas quando os produtos eram fabricados em grandes quantidades; entretanto, a introdução de 1

2 linhas de montagem modulares controladas por computadores o torna eficiente para fabricar produtos em pequenos lotes. (JONES & GEORGE, 2008) Em um layout por processo, as estações de trabalho não são organizadas em uma sequência fixa. Em vez disso, cada estação de trabalho é relativamente autônoma e um produto vai para qualquer estação de trabalho que seja necessária para realizar a operação seguinte para completar o produto. O layout por processo normalmente é adequado para ambientes fabris que produzem uma série de produtos sob encomenda, cada um deles adequado às necessidades de um diferente tipo de cliente. Um fabricante de móveis sob encomenda, por exemplo, poderia usar um layout por processo para que diferentes equipes de trabalhadores pudessem produzir diferentes estilos de cadeiras ou mesas fabricados a partir de diferentes tipos de madeiras e acabamentos. Um layout por processo oferece a flexibilidade necessária para mudar o produto. Entretanto, tal flexibilidade normalmente reduz a eficiência, pois tem um alto custo. (JONES & GEORGE, 2008) Em um layout com posição fixa, o produto permanece em uma posição fixa. Suas partes componentes ntes são produzidas em estações de trabalho remotas e levadas para a CRARS área de produção para a montagem final. As equipes autogeridas estão cada vez mais usando layout com posição fixa. As equipes diferentes montam cada parte componente e, depois, enviam essas partes para a equipe de montagem final, que faz o produto final. Um layout com posição fixa costuma ser usado para produtos como jatos, mainframes e turbinas a gás (produtos que são complexos e difíceis de montar ou tão grandes que movimentá-los de uma estação de trabalho para outra poderia ser difícil). (JONES & GEORGE, 2008) Situações para rever o Layout Dependendo do sistema de movimentação a ser utilizado, devem-se rever as configurações para o arranjo físico da planta (layout). Por exemplo, utilizando um sistema de movimentação baseado em veículos industriais, tais como carrinhos industriais, empilhadeiras, rebocadores, etc., temos que considerar no layout um adequado dimensionamento de corredores a fim de que os mesmos atendam à circulação e manobrabilidade do equipamento e da carga a ser movimentada. (BANZATO, 2001) Já a utilização de transportadores contínuos na movimentação de materiais possui uma concepção diferente dos 2

3 corredores de circulação, pois os mesmos serão necessários para atender basicamente ao fluxo de pessoas, sendo que o fluxo de materiais estará restrito aos transportadores que poderão inclusive ser aéreos, aproveitando o espaço sobre os equipamentos e eliminando a necessidade de corredores. (BANZATO, 2001) Com esse mesmo princípio, temos os equipamentos de elevação e transferência, onde as pontes rolantes, os pórticos e os guindastes são utilizados na movimentação, fazendo com que os materiais movam-se entre as áreas de um layout com grande flexibilidade de acesso. Dessa forma, o que se pode concluir é que existem diversas variáveis relacionadas aos sistemas de movimentação de materiais que afetam significativamente o layout, tais como: área de acesso de uma ponte rolante; raio de giro de uma empilhadeira; largura de carrinhos industriais; tamanho da carga a ser movimentada; tamanho dos contenedores; dimensões dos transportadores contínuos, entre outros. (BANZATO, 2001) desequilibrados ou tortuosos em uma fábrica. Para reduzir a complexidade, os layouts da planta devem permitir um fluxo racional da matéria prima ao produto acabado. Assim, a disposição do arranjo físico fabril deve ser pensada no longo-prazo e ter a flexibilidade necessária para se adequar as mudanças planejadas no médio e longoprazos, considerando a competência essencial da organização. REFERÊNCIAS: BANZATO, Eduardo. Integrando layout com movimentação de materiais. Artigo publicado em agosto de Disponível em: < Acesso em: 10 de Out de JONES, Gareth R.; GEORGE, Jennifer M. Administração Contemporânea. 4ª edição. São Paulo: McGraw-Hill, PARANHOS FILHO, Moacyr. Gestão da Produção Industrial. Curitiba: IBPEX, Considerações finais Os custos de gerenciamento de materiais, planejamento, controle e trabalho em andamento aumentam se houver fluxos CRARS

Indústria da Construção Civil:

Indústria da Construção Civil: Indústria da Construção Civil: Introdução Industria da Construção Civil 1 Construção Civil A construção civil divide-se em três subsetores: 1. edificações, responsável pela construção de edifícios; 2.

Leia mais

CARGA UNITÁRIA A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS

CARGA UNITÁRIA A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS TRANSELEVADORES A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS Um sistema de armazenamento de materiais é uma combinação de equipamentos e controles que movimentam, armazenam e retiram cargas com grande

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 Substituição do PHD pelo PI System Presented by Apresentação Marcelo Cruz e Sérgio Borges Copyright 2011 OSIsoft, LLC Agenda Institucional Suzano Papel e Celulose S.A. Marcelo

Leia mais

Stand 9m2 FICHA TÉCNICA DE STAND PARA EXPOSIÇÃO DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO STAND

Stand 9m2 FICHA TÉCNICA DE STAND PARA EXPOSIÇÃO DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO STAND Stand 9m2 [3 x 3] - 2 Frentes branca [(3m largura X 2,5m altura) x 2] - Alcatifa de Stand (3 x 3) de cor cinza Stand 16m2 [4 x 4] - 2 Frentes - Estrutura e Painéis de divisória em termolaminado de cor

Leia mais

Coberturas em madeira - sistemas estruturais

Coberturas em madeira - sistemas estruturais Seminário Coberturas de Madeira, P.B. Lourenço e J.M. Branco (eds.), 2012 87 Coberturas em madeira - sistemas estruturais Sílvia Gorete Silvano Fernandes Carmo Estruturas em Madeira S.A, Departamento Técnico,

Leia mais

Automático. by KliqPrensas.com.br

Automático. by KliqPrensas.com.br KLIQPRENSAS GLOBAL INNOVATIONS IN MACHINERY Enrolador de Mangueiras Automático by KliqPrensas.com.br ENROLADOR DE MANGUEIRAS AUTOMÁTICO A Enroladora automática foi desenvolvida para finalidade de enrolar

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

Soluções Chave-Na-Mão

Soluções Chave-Na-Mão NORDIMPIANTI P R O D U C T S APPLICATIONS T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Soluções Chave-Na-Mão Sistemas de produção adaptados para a fabricação de uma ampla gama de produtos de concreto protendido

Leia mais

Atas de Registro de Preços

Atas de Registro de Preços Atas de Registro de Preços Estantes para Livros, Expositores de Revistas, Estantes Multimídias (CDs, DVDs e VHS), Módulos para Devolução de Livros e Mesas de Estudo IFPB UFPB A Metalpox A existência da

Leia mais

Tema do Trabalho: A L og sti tica Reversa do Ól eo e Cozinha Usado

Tema do Trabalho: A L og sti tica Reversa do Ól eo e Cozinha Usado Tema do Trabalho: AL Logística Reversa do Óleo de Cozinha Usado Introdução Importante no preparo de alimentos através de fritura, são geradas grandes quantidades de resíduo de óleo de cozinha em residências

Leia mais

3. Uma balança digital Toledo, modelo 9094C/5, série , capacidade 15kg, funcionando, usada na padaria. Valor R$ 500,00 (quinhentos reais);

3. Uma balança digital Toledo, modelo 9094C/5, série , capacidade 15kg, funcionando, usada na padaria. Valor R$ 500,00 (quinhentos reais); 1 (Lote 03) RUA TENENTE EDUARDO OLMEDO, Nº787 1. Um fogão a gás, industrial, quatro bocas, sem marca aparente em forno, com uma prateleira, com botijão 13kg, funcionando. Valor R$ 450,00 (quatrocentos

Leia mais

Sistemas LMB e LFB para trabalho em altura

Sistemas LMB e LFB para trabalho em altura Sistemas LMB e LFB para trabalho em altura Sistemas móveis e fixos para diversas finalidades Os sistemas LMB e LFB são a melhor opção para trabalho em altura. Fixos ou móveis, eles podem ser aplicados

Leia mais

processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia

processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia O que significa produção? Produção pode ser definida como: processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia Pode também ser definida: atividade económica orientada para a obtenção

Leia mais

Para o segmento do Agronegócio, fornecemos todos os equipamentos, desde o Recebimento, Armazenagem, Movimentação de Cereais, inclusive Tombadores.

Para o segmento do Agronegócio, fornecemos todos os equipamentos, desde o Recebimento, Armazenagem, Movimentação de Cereais, inclusive Tombadores. A EMPRESA A JOSCIL EQUIPAMENTOS, conta atualmente com 3 unidades fabris, atua nos segmentos do Agronegócio, Caldeiraria e Energia, além de outros projetos especiais, de acordo com necessidade dos clientes.

Leia mais

Embalagens e Manuseio de Materiais

Embalagens e Manuseio de Materiais DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA PROF. ADM ENDERSON FABIAN AULA PARA AS TURMAS DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 Conteúdo 1 Perspectivas de Embalagem 2 Embalagem para Gerar Eficiências no Manuseio de Materiais

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Projeto do Arranjo Físico (Layout) Projetar um arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal de produção. O arranjo

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo 1º semestre de 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS.

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. Método de custeio direto ou variável e margem de contribuição. A pousada Lagoa Azul possui 90 quartos para alugar, praticando um preço médio de R$ 56,00

Leia mais

RESUMO DO MAPA LATERAL DE DEMANDA DE TECNOLOGIA E OPORTUNIDADES PARA OS FORNECEDORES

RESUMO DO MAPA LATERAL DE DEMANDA DE TECNOLOGIA E OPORTUNIDADES PARA OS FORNECEDORES RESUMO DO MAPA LATERAL DE DEMANDA DE TECNOLOGIA E OPORTUNIDADES PARA OS FORNECEDORES ESTRUTURA / PRINCIPAIS FATOS RELACIONADOS COM SWM Tecnologia / Fluxo de resíduos Setor / Etapa de Tratamento Equipamento

Leia mais

Cachoeira do Sul, de 5 de abril de Ano VII - Nº 435 ACESSO GRATUITO

Cachoeira do Sul, de 5 de abril de Ano VII - Nº 435 ACESSO GRATUITO - Ano VII - Nº 435 ACESSO GRATUITO 2 CONSTRUÇÃO COMPRO - 2 Portas externa usadas e janelas de madeira. Tratar 98614613. SERVIÇOS - Alex construções do alicerce ao telhado, reforma em geral, hidráulica

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO CENTRO DE EMPREGO DE 2012-03-19 1 / 5 587799043 ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO EXPERIENCIA PROFISSIONAL EM AUDITORIAS ENERGÉTICAS OU COM FORMAÇÃO NA AREA UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EXPERIÊNCIA EM EQUIPAMENTOS

Leia mais

Contabilidade e Análise de Custos II 2016

Contabilidade e Análise de Custos II 2016 I. EXERCÍCIOS CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EXERCÍCIO 1 A empresa Arte em Estilo produz móveis de luxo por encomendas. Seus custos fixos totalizam R$ 9.600,00 por semana e suas despesas fixas

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE DO SECRETÁRIO REGIONAL Observatório do Sistema Educativo e Cultural da RAM EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

Leia mais

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan.

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan. MagLev-Cobra Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan rms@ufrj.br 1 Roteiro 1. Tecnologia MagLev na UFRJ 2. Reduções de Custos em relação ao

Leia mais

Endereço: Rua Irmã Flávia Borlet, 435 Sobrado 2. Cidade: Curitiba-PR / Brasil CEP:

Endereço: Rua Irmã Flávia Borlet, 435 Sobrado 2. Cidade: Curitiba-PR / Brasil CEP: Dados Pessoais Nome: Mario Celso Meller Data de Nascimento: 27/07/1966 Idade: 49 Endereço: Rua Irmã Flávia Borlet, 435 Sobrado 2 Sexo: Masculino Estado civil: Casado Bairro: Hauer Cidade: Curitiba-PR /

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

Conexão com a rede. Xerox DocuColor

Conexão com a rede. Xerox DocuColor 5 Conexão com a rede Este capítulo discute as etapas básicas da conexão da impressora com a rede, fornece uma visão geral dos requisitos de rede e diagramas de protocolo e descreve como conectar fisicamente

Leia mais

Quando utilizamos os robôs?

Quando utilizamos os robôs? Quando utilizamos os robôs? Os primeiros robôs industriais começaram a ser comercializados e utilizados com o objetivo de se substituir o ser humano em tarefas em que ele, o ser humano, não poderia realizar,

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

Programa Laminadora 3M. Programa de Comodato de Laminadoras 3M. Adesivação limpa, rápida e. inteligente para você

Programa Laminadora 3M. Programa de Comodato de Laminadoras 3M. Adesivação limpa, rápida e. inteligente para você Programa Laminadora 3M Programa de Comodato de Laminadoras 3M Adesivação limpa, rápida e inteligente para você A 3M está trazendo a forma inteligente e segura de aumentar os lucros do seu negócio: o Programa

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

CIÊNCIAS. 01) Qualquer metodologia compatível com as atuais tendências construtivistas há de ter, necessariamente, uma participação ativa do aluno.

CIÊNCIAS. 01) Qualquer metodologia compatível com as atuais tendências construtivistas há de ter, necessariamente, uma participação ativa do aluno. CIÊNCIAS 01) Qualquer metodologia compatível com as atuais tendências construtivistas há de ter, necessariamente, uma participação ativa do aluno. Assinale a alternativa CORRETA, quanto ao que se entende

Leia mais

ANEXO 8 Inscrição Nome Empresarial Estadual

ANEXO 8 Inscrição Nome Empresarial Estadual ANEXO 8 RELAÇÃO DE CONTRIBUINTES OBRIGADOS A ENTREGAR OS ARQUIVOS SEF E edoc REFERENTES AO PERÍODO FISCAL DE SETEMBRO DE 2012 EM 15 DE OUTUBRO DE 2012 Inscrição Estadual Nome Empresarial 0058714-17 ALPARGATAS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR)

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DADOS NECESSÁRIOS PARA DEFINIR O PRODUTO (ESTRUTURA): Projeto Arquitetônico Plantas dos pavimentos tipos/subsolo/cobertura/ático Número de

Leia mais

PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP

PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP 2008 / Fevereiro 1 Objecto da apresentação Definir principais áreas de actividade dos engenheiros civis Definir principais

Leia mais

1 Dimensionamento de Frota

1 Dimensionamento de Frota 1 Dimensionamento de Frota DESENVOLVA UM MODELO DE SIMULAÇÃO COM N CAMINHÕES QUE CIRCULAM ENTRE UMA FÁBRICA E PORTO. TANTO NA FÁBRICA COMO NO PORTO ESSES CAMINHÕES PASSAM POR UM PROCESSO DE PESAGEM NA

Leia mais

Amplie a visibilidade da sua marca em uma das 10 maiores feiras de franquias do mundo

Amplie a visibilidade da sua marca em uma das 10 maiores feiras de franquias do mundo Amplie a visibilidade da sua marca em uma das 10 maiores feiras de franquias do mundo Nessa apresentação você encontra as melhores alternativas para valorizar e fixar a imagem da sua empresa de forma rápida

Leia mais

b) A Sara vai dar uma festa e precisa de 50 bolas de Berlim. Quantas caixas terá de comprar?

b) A Sara vai dar uma festa e precisa de 50 bolas de Berlim. Quantas caixas terá de comprar? Múltiplos e divisores 1- Escreve os primeiros 10 múltiplos de: a) 6 c) 15 b) 10 d) 20 2- Uma caixa tem 8 bolas de Berlim. a) Quantas bolas de Berlim há em:. 3 caixas?. 5 caixas?. 20 caixas? b) A Sara vai

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Grupo de 12 cidadãos arouquenses que se cruzaram em contexto de combate ao incêndio de Agosto de 2016.

Grupo de 12 cidadãos arouquenses que se cruzaram em contexto de combate ao incêndio de Agosto de 2016. J o r n a d a s d a F l o r e s t a e I n c ê n d i o s M A T É R I A - P R I M A 2 4. 3. 2 0 1 7, A r o u c a " A p r i n c i p a l s u b s t â n c i a q u e é u t i l i z a d a n a f a b r i c a ç ã

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE TRATORES

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE TRATORES INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE TRATORES LER 332 - Mecânica e Máquinas Motoras Departamento de Engenharia de Biossistemas José P. Molin ESALQ/USP jpmolin@usp.br www.agriculturadeprecisao.org.br Objetivos específicos

Leia mais

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades:

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Plataformas Monta-Cargas Monta-Pratos Acessibilidades Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Modelo PO Capacidade: 100 kg a 10.000 kg. Velocidade: até 0,30 m/s. Curso Máximo: até 12

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia aplicada às indústrias, caldeiraria e montagens industriais,

Leia mais

Maquete da Plataforma P-52 em exposição no Rio de Janeiro

Maquete da Plataforma P-52 em exposição no Rio de Janeiro Maquete da Plataforma P-52 em exposição no Rio de Janeiro Colaboradores do Rio de Janeiro que nunca tiveram a oportunidade de ver de perto uma plataforma têm agora a chance de saber como é esta estrutura:

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Veja a seguir, a título de ilustração, 20 questões que constaram de edições anteriores do Teste de raciocínio quantitativo e interpretativo. Observe que esta informação objetiva apenas ilustrar aos candidatos

Leia mais

Γ INTRODUÇÃO AO IFIX

Γ INTRODUÇÃO AO IFIX Γ INTRODUÇÃO AO IFIX l O que é o ifix: - Software de automação industrial; - Fornece uma janela para o seu processo ; - Fornece dados em tempo real para a monitoração e aplicações de software. l As funções

Leia mais

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Peixe Defumado 2 a edição revista e atualizada Joana Maria Leite de Souza Ociléia de Araújo

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Caracterização de Sistemas Distribuídos Roteiro Conceitos de Hardware Conceitos de Software Classificação de Flynn Classificação baseada no acesso a memória 2 Conceitos de HW Múltiplas CPUs Diferentes

Leia mais

Soluções em conexões para Sistemas de Segurança de Passageiros.

Soluções em conexões para Sistemas de Segurança de Passageiros. Soluções em conexões para Sistemas de Segurança de Passageiros. Airbag tipo cortina Airbag lateral Airbag de joelho Airbag lateral tipo cortina para a cabeça Airbag para proteção de pedestres Fornecedor

Leia mais

Planejamento Industrial

Planejamento Industrial Planejamento Industrial Planejamento Industrial 1. Fatores que influenciam as decisões do local 2. Ponto de Equilíbrio Localizacional 3. Detalhes Principais de Edifícios Industriais 4. Departamentos de

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

1

1 1 Desde 1967, que mantemos na ilha da Madeira e do Porto Santo, a confiança e a satisfação dos nossos clientes. No início, as instalações de infra-estruturas eléctricas assim como dos equipamentos eléctricos

Leia mais

Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL

Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL O futuro começa aqui! Eng. Celso Ribeiro B. de Novais Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável 1 Fatores que contribuíram para decisão Mudança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS Autores: Professor: Cláudia Gonçalves de Azevedo Marina Damião Besteti Kallyu Manoel de Souza Luís Cláudio Lopes Outubro,

Leia mais

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB : EJB Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta

Leia mais

Sistema de batelada em indústria de cosméticos

Sistema de batelada em indústria de cosméticos UM SÓLIDO INVESTIMENTO EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS Sistema de batelada em indústria de cosméticos 2 Objetivo Solução que permite o controle, monitoramento e análise do processo de bateladas e

Leia mais

Mês: Dezembro/2016 Edição Especial: 62ª Ano: (16) (11) (21)

Mês: Dezembro/2016 Edição Especial: 62ª Ano: (16) (11) (21) Mês: Dezembro/2016 Edição Especial: 62ª Ano: 6 +55 (16) 3397.0226 +55 (11) 3280.0226 +55 (21) 3942.0226 até 3,00 79,97% 79,97% 76,74% 76,74% 75,24% 75,24% 77,46% 77,46% de 3,01 até 5,00 12,27% 92,23%

Leia mais

Eficiência energética na indústria. Claudia Shirozaki - CSA. 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ

Eficiência energética na indústria. Claudia Shirozaki - CSA. 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Eficiência energética na indústria Claudia Shirozaki - CSA 1 Hora/ data título da apresentação autor (preencha aqui acessando o slide mestre) Eficiência

Leia mais

Portas Automáticas de Vidro Especiais Portas de Encartar

Portas Automáticas de Vidro Especiais Portas de Encartar Portas Automáticas de Vidro Especiais Portas de Encartar Pensando na comodidade dos seus clientes, a Refrão/KABA disponibiliza um sistema inovador e cómodo com um design delicado pensado nas necessidades

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP - PE Apresentação ao Comitê de Negócios Pré Workshop 18/01/2006 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP MG Estabelecimento da REDE PETRO-MG, como rede inicial da Rede Brasil de Tecnologia

Leia mais

Conceitos de Sistemas Distribuídos

Conceitos de Sistemas Distribuídos Conceitos de Sistemas Distribuídos Roteiro Definição de Sistemas Distribuídos (SD) Evolução Histórica Exemplos (SD) Modelos (Vantagens x Desvantagens) 2 O que é um Sistema Distribuído? Definição Coleção

Leia mais

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning)

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) O que significa ERP? ERP - Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) são sistemas de informações que integram todos os dados e processos

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO CENTRO DE EMPREGO DE 2012-03-22 1 / 6 587799043 ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO EXPERIENCIA PROFISSIONAL EM AUDITORIAS ENERGÉTICAS OU COM FORMAÇÃO NA AREA UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EXPERIÊNCIA EM EQUIPAMENTOS

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Duas chapas de aço 1018 laminado à frio de 1 por 4 são unidas por meio de sobreposição de duas chapas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação. Control Arm (Pong)

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação. Control Arm (Pong) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação Control Arm (Pong) CURITIBA 2010 Edson Luiz Sebold Martins Renan Passador da Silva Victor

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

www.professoravanucia.blogspot.com A importância da Indústria A Indústria é um dos três setores de atividade da economia. Os outros dois são os serviços e a agropecuária. As atividades agrícolas, o comércio

Leia mais

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva.

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. : Ao preencher o questionário é importante ser honesto e objectivo. Respostas

Leia mais

Electricidade e calor É claro que, com o gás de madeira

Electricidade e calor É claro que, com o gás de madeira Electricidade e calor É claro que, com o gás de madeira Energia a partir de madeira Não apenas o poder Não é fácil... Em um sistema de gás de madeira encontra-se uma sofisticada tecnologia que oferece

Leia mais

2º SEMINÁRIO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REALIZAÇÃO :

2º SEMINÁRIO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REALIZAÇÃO : 2º SEMINÁRIO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REALIZAÇÃO : QUEM SOMOS HISTÓRIA DA FORNO DE MINAS Fundação da empresa em julho/1990, por D. Dalva e seus filhos Hélida e Helder Início da produção em uma pequena

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 03

Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistemas Distribuídos Aula 03 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Ciência da Computação ELC1018 - Sistemas Distribuídos 1 Estilos Arquitetônicos Os mais importantes estilos de arquitetura para sistemas

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão)

Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão) Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão) O comércio mundial de alimentos. Commodity: valor que um

Leia mais

Titulo: Instituição: Área temática: Introdução Objetivos do projeto: Metodologia aplicada

Titulo: Instituição: Área temática: Introdução Objetivos do projeto: Metodologia aplicada Titulo: Melhorias na produção de móveis tubulares Autor: Prof. Paulo Roberto Silva: psilva_ufpe@zipmail.com.br Instituição: Universidade Federal de Pernambuco Área temática: Tecnologia Introdução O município

Leia mais

Engenharia - Ciclo Básico. Orientações. 2º e 3º semestres. 2016

Engenharia - Ciclo Básico. Orientações. 2º e 3º semestres. 2016 UNIP Universidade Paulista Engenharia - Ciclo Básico Orientações Atividades Práticas Supervisionadas 2º e 3º semestres. 2016 I OBJETIVO Projetar e construir um protótipo de um veículo movido a energia

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 8 - Parte 4 -Assunto: Plano Operacional Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada

Leia mais

oppacart Conheça a FABRICAR E CUIDAR DOS SEUS CARRINHOS.

oppacart Conheça a FABRICAR E CUIDAR DOS SEUS CARRINHOS. Conheça a oppacart Fundada em 2015, a oppacart é a mais nova empresa do Grupo Schioppa. Com 20.000 m2 de área construída e situada em um terreno de 101.000 m2, a oppacart foi desenvolvida com foco no crescimento

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

Avaliação de viab. e risco

Avaliação de viab. e risco Avaliação de viab. e risco Capítulo 3 -- parte 1 A proposta inicial Quatro finalidades: introduzir o conceito; testar as reações dos potenciais interessados; obter apoio; e estabelecer uma base para avaliação

Leia mais

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico)

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico) Layout (Arranjo Físico) O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido pelos indivíduos dentro da empresa; Importa mais o fluxo do trabalho e pessoas que o aspecto visual e de conforto;

Leia mais

ESTEIRAS SÉRIE CC50-55 APRESENTAÇÃO DA SÉRIE CC50-55

ESTEIRAS SÉRIE CC50-55 APRESENTAÇÃO DA SÉRIE CC50-55 APRESENTAÇÃO DA Série CC50-55: Série robusta com pinos empurradores para engradados, com taliscas e guardas laterais para transporte em curva e elevação de produtos, aplicações de acumulação de embalagens,

Leia mais

NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS 11.1 Normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras. 11.1.1 Os

Leia mais

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011 O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA 2011 Funchal, 10 de Novembro de 2011 BUSINESS PLAN Financial Analysis Agenda O tecido empresarial

Leia mais

Manual de Instrução Módulo de Configuração

Manual de Instrução Módulo de Configuração Manual de Instrução Módulo de Configuração NetControl Pacote 49 Versão 2.1 Data 31/01/2017 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Configuração do Módulo... 3 2.1 Configuração do Assistente de Configuração...

Leia mais

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS Estudantes & Autores: Eduardo Ribeiro Rui Ribeiro Gonçalo Veloso Jóni Cabral Manuel Azevedo Curso: MIEM Turma: 1M8_3 Unidade Curricular: Projeto

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DE ESTÁGIOS E TCC

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DE ESTÁGIOS E TCC CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DE ESTÁGIOS E TCC Horário Segundafeira 06/07/2015 Terçafeira 07/07/2015 Quartafeira 08/07/2015 Quintafeira 09/07/2015 Sextafeira 10/07/2015 LOCAL Lucas Thomazoni Samanta Cristiane

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 10:51 horas do dia 09 de agosto de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Canguçu, designado pela portaria 5292/2011 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Erros-Ponto Flutuante Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, 2015 Representação Numérica No sistema decimal X (10) = d 3 d 2 d 1 d 0 (número inteiro de 4 dígitos)

Leia mais

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS 16 TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): CLEBER FERREIRA CARVALHO ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Histórico Diferencial

Histórico Diferencial Histórico Empresa fundada em 1993, pelo seu atual sócio-diretor Presidente Sr. José Rodrigues, inicialmente atuando no segmento de MONTAGENS e REFORMAS de Usinas e Destilarias e que hoje, devido a necessidade

Leia mais

Japão. Aspectos gerais

Japão. Aspectos gerais Japão Aspectos gerais Economia A economia japonesa teve um grande avanço após a Segunda Guerra Mundial. Derrotado, o país recebeu uma grande quantidade de capital estrangeiro, principalmente norte-americano,

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produçã e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Empresas como sistemas Empresas como

Leia mais