Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo"

Transcrição

1 Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares que expressam a mesma idéia: na subida há consumo de energia, na queda ou descida, a energia é fornecida ou devovida. É por isso que o nosso amigo Roberto tinha esperanças de gastar a energia do chocoate subindo escadas. O que ee não imaginava é que o chocoate fosse capaz de fornecer tanta energia. Agora é a hora de saber como Maristea chegou à concusão surpreendente de que Roberto poderia subir mihares de degraus, comendo uma barrinha de chocoate! A primeira pergunta que se pode fazer é: por que subir é difíci e descer é fáci? Por que todo santo ajuda? A resposta está na ei da gravitação universa: a Terra nos atrai, puxa a gente para baixo. Na inguagem dos físicos, isso significa que a Terra exerce sobre cada corpo uma força proporciona à massa desse corpo, dirigida para baixo (para o centro da Terra). Quando evantamos agum objeto, devemos fazer uma força no mínimo igua ao seu peso (no começo ea deve ser um pouquinho maior, é caro). Para baixar esse objeto, não é preciso fazer força aguma, basta argá-o que a Terra se encarrega do serviço. Em outras paavras: para evantar um corpo é preciso exercer uma força sobre ee, reaizar um trabaho. Em compensação, esse trabaho não se perde. O corpo adquire uma energia. E essa energia fica armazenada no corpo porque ee pode, ao cair, devover o trabaho que reaizamos sobre ee. Mais ainda, a energia depende da posição, da atura em que ee está. É, portanto, uma energia potencia. E, como já vimos, sendo a origem dessa energia a atração gravitaciona da Terra, ea é uma energia potencia gravitaciona. Estudaremos agora essa energia e vamos aprender, finamente, como Maristea fez aquea conta mauca. Energia potencia gravitaciona Figura1 Suponha que um corpo de massa m estava no chão e você mg o evantou até uma atura h (ver a Figura 1). Que trabaho você h reaizou? Uma das maneiras de responder a essa pergunta é imaginar o que aconteceria se ee caísse ivremente, sob a ação da gravidade. Para trazê-o de vota ao chão a Terra deve reaizar um trabaho igua ao que fizemos para coocá-o á em cima. Portanto, o trabaho que reaizamos sobre o corpo é igua ao trabaho reaizado pea Terra. W t = mgh

2 A U L A Lembre-se da a expressão do trabaho de uma força: t F = F d cos a O trabaho reaizado pea Terra será o trabaho da força que ea exerce sobre o corpo, isto é, o peso do corpo ( P). ρ Então, o trabaho reaizado pea Terra é o trabaho do peso do corpo (t P ) ao ongo de um desocamento d = h, atura de queda. Como o peso atua na mesma direção e sentido do desocamento, o ânguo a é zero. Apicando-se a expressão do trabaho temos, então: t P = P h cos a = P h cos 0 = P h 1,0 = P h Mas, como P = mg, podemos escrever: t P = mgh Se esse é o trabaho reaizado peo peso do corpo durante a queda, essa é a energia que ee tinha armazenado quando nós o evantamos até a atura h. Em outras paavras, essa é a sua energia potencia gravitaciona, E P. Portanto, a energia potencia gravitaciona de um corpo de massa m, a uma atura h do soo, num ugar onde a aceeração da gravidade é g, pode ser definida pea expressão: E P = mgh A unidade de energia potencia é a mesma de trabaho e energia cinética, o joue (J). Quanto ao vaor de h, é importante notar que ee depende do referencia adotado. Suponha que o nosso amigo Roberto, que mora no 5º andar, queira cacuar a energia potencia gravitaciona de um pacote de açúcar em cima da mesa da cozinha do seu apartamento (ver a Figura 2). Que vaor de h ee deve usar? O da atura da mesa até o chão da cozinha ou da atura da mesa até o piso do andar térreo? A resposta é: depende do referencia adotado. Ee tanto pode cacuar a energia potencia gravitaciona em reação a um piso ou a outro. Em gera, essa escoha é feita em função do nosso interesse. Por exempo, se quisermos saber com que veocidade o pacote atinge o soo, vamos utiizar o vaor de h em reação ao chão da cozinha, já que o pacote não pode atravessá-o. Se quisermos cacuar a energia que podemos aproveitar de uma queda d água, vamos utiizar como referência a atura onde vão ser coocadas as turbinas e assim por diante. Uma concusão mais importante ainda é que a atura h não depende da trajetória, mas apenas do desníve entre os pontos inicia e fina. Observe a Figura 3: imagine que o trenzinho da figura seja soto a uma atura h do ponto mais baixo da sua trajetória. Pode-se mostrar que o trabaho reaizado pea Terra sobre o trenzinho é, sempre, mgh, quaquer que seja a trajetória do trenzinho. Isso porque sempre é possíve decompor quaquer trajetória em pequeninos trechos verticais e horizontais. Como nos horizontais a Terra não reaiza trabaho, porque o peso é perpendicuar ao desocamento, sobram só os verticais, que somados, dão sempre o mesmo vaor h (veja o destaque da Figura 3). h T rreo h Figura 2

3 P A U L A Figura 3 Passo-a-passo Suponha que o pacote de açúcar que está sobre a mesa da cozinha do Roberto tenha 2 kg. Qua é a energia potencia gravitaciona desse pacote em reação ao piso da cozinha e em reação ao piso do andar térreo? Vamos admitir que a atura da mesa seja h c = 0,8 m e que a atura do piso da cozinha ao piso do andar térreo seja m. Portanto, a atura do pacote ao piso do andar térreo é h t =,8 m. Então, a energia potencia gravitaciona (E Pc ) do pacote em reação ao piso da cozinha é E Pc = m g h c = ,8 = 16 J Em reação ao piso do andar térreo, a energia potencia gravitaciona (E Pt ) é E Pt = m g h t = 2 10,8 = 316 J Passo-a-passo Um sitiante pretende instaar um gerador eétrico para aproveitar a energia de uma queda d água de 20 m de atura e vazão de 200 itros por segundo. Sabendo que cada itro de água tem massa de 1 kg e admitindo g = 10 m/s 2, qua a potência máxima que ee pode obter dessa queda d água? Lembrando a definição de potência, P = t/dt, para saber a potência máxima que pode ser aproveitada dessa queda d água é preciso saber qua o trabaho (t) que a água pode reaizar sobre o gerador (movendo uma roda-d água, por exempo) ocaizado no ponto mais baixo da queda. Esse trabaho deve ser reaizado num intervao de tempo Dt. Como a água cai continuamente, vamos considerar um intervao de tempo Dt = 1,0 s. Sendo de 200 itros por segundo a vazão da queda d água e como 1,0 itro de água tem uma massa de 1,0 kg, podese concuir que, no intervao de tempo considerado, cai sobre o gerador uma massa m = 200 kg de água. Por outro ado, o trabaho que essa água reaiza sobre o gerador, no ponto mais baixo, é igua a sua energia potencia gravitaciona no ato da queda d água, quando h = 20 m. Portanto, podemos escrever: P = t = E p D t D t = mgh = = W D t 1,0 Essa é a potência máxima ou potência tota que poderia ser obtida dessa queda d água. Dizemos máxima porque não pode ser atingida, sendo que a potência úti é bem menor, pois ocorrem inúmeras perdas. A água perde energia na queda devido ao atrito com o ar e com a roda-d água que ea deve fazer girar para acionar o gerador, que também tem perdas por atrito e aquecimento. Para saber o que de fato se aproveita, isto é, o vaor da potência úti, é necessário conhecer o rendimento do sistema.

4 A U L A Nesse útimo Passo-a-passo, você pôde perceber que, à medida que a água cai, sua veocidade aumenta. Isso significa que, durante a queda, a água adquire energia cinética. Mais ainda: enquanto a água cai, essa energia cinética aumenta pois a veocidade também aumenta. Por outro ado, ao mesmo tempo, a atura vai diminuindo e, portanto, a energia potencia gravitaciona também vai diminuindo. Será que não há uma compensação? O que se perde de uma forma de energia não se ganha de outra? Isso é verdade e é o assunto da nossa próxima aua. Mas, antes de passar à outra aua, é hora de pagar a nossa dívida. Expicar aquea conta mauca da Maristea. Vamos ver como ea fez. Em primeiro ugar, ea consutou numa tabea de aimentos as caorias que ees fornecem ao corpo humano. Lá está: 1,0 grama de chocoate fornece 4,7 quiocaorias (em agumas tabeas está escrito apenas caorias, mas o correto é quiocaorias). Quiocaoria é uma unidade de energia muito usada em termodinâmica e vae, aproximadamente, J. Portanto, 1,0 g de chocoate fornece 4, J. Isso dá J. Como o Roberto disse que a barrinha de chocoate tinha "só" 100 gramas, a energia que ee consumia era de J, ou seja, J! Agora, é só cacuar a que atura um corpo de 80 kg (que é a massa do Roberto) pode ser eevado com essa energia. Em outras paavras, se o organismo do Roberto tem disponíve uma energia de J para subir, qua a atura que ee pode atingir carregando o seu próprio peso? Para fazer esse cácuo, basta apicar a definição de energia potencia, admitindo-se que toda energia do chocoate seja transformada em energia potencia no corpo do Roberto, e cacuar a atura h em que isso acontece. Teremos então: E P = mgh Þ = h Þ h = 2.467,5 m Em gera, os degraus das escadas têm 20 cm de atura (0,2 m) e os andares têm 3,0 m. Então, 2.467,5 m correspondem a 2.467,5 0,2 = ,5 degraus e a 2.467,5 3,0 = 822,5 andares. Para subir apenas os 5 andares ( m), a energia necessária seria: E P = mgh Þ E P = = J Como 1,0 g de chocoate fornece J, bastariam = 0,6 g de chocoate, aproximadamente para subir até sua casa. Esses resutados são tão fantásticos porque o organismo humano é, de fato, uma máquina fantástica. Aém disso, estamos supondo que toda a energia do chocoate foi usada peo organismo para fazer o Roberto subir, o que não é verdade. O vaor rea, certamente, é menor, mas uma concusão é, infeizmente, inevitáve: a única forma eficiente de emagrecer é não comer muito chocoate! Nesta aua você aprendeu: o conceito de energia potencia e como cacuá-a; como cacuar a potência fornecida por uma queda d'água. aguns exempos de transformação de energia.

5 Exercício 1 Suponha que um pacote de açúcar com massa de 5 kg está sobre o armário da cozinha de sua casa. O armário tem 1,8 m e você mora no 10º andar de um prédio em que o piso do seu andar está a 30 m do soo. Qua a energia potencia gravitaciona desse pacote em reação ao piso da cozinha e em reação ao piso do andar térreo? A U L A Exercício 2 Um sitiante pretende instaar um gerador eétrico para aproveitar a energia de uma queda d água de 12 m de atura e vazão de 60 itros por segundo. Sabendo que cada itro de água tem massa de 1 kg e admitindo g = 10 m/s 2, qua é a potência máxima que ee poderá obter dessa queda d água? Exercício 3 Suponha que o nosso amigo Roberto substitui o chocoate por um suco com 100 gramas de beterraba e cenoura, sem açúcar. Sabendo que 1,0 grama desses saudáveis e saborosos vegetais tem 400 caorias, cacue a atura que ee seria capaz de subir se toda energia desses aimentos fosse aproveitada para isso. Admita que g = 10 m/s 2, que 1 caoria vae 4,2J e embre-se de que a massa do Roberto é de 80 kg.

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

O que acontece quando se evapora água do mar?

O que acontece quando se evapora água do mar? A UA UL LA O que acontece quando se evapora água do mar? O que você vai aprender Soução saturada Soução insaturada Sovente Souto Concentração Evaporação Condensação Fenômeno Seria bom já saber Mudança

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

Guia de operação para 3148

Guia de operação para 3148 MO1211-PD Prefácio Congratuações pea sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo da sua compra, certifique-se de er este manua atentamente. Certifique-se de guardar toda a documentação do usuário

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1 EA CPCAR EXAME DE ADMISSÃO AO 1 o ANO DO CPCAR 009 MATEMÁTICA VERSÃO A 01 - Marque a aternativa verdadeira. Ano de 005 a) Se p 0 x = p p 1 + + +, p *, então x [ ] 1 1 1 + + 10 0 0 b) O vaor de y = é ta

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno:

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno: Física Fácil prof. Erval Oliveira Aluno: O termo trabalho utilizado na Física difere em significado do mesmo termo usado no cotidiano. Fisicamente, um trabalho só é realizado por forças aplicadas em corpos

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial Desenvovimento e controe de um manipuador robótico de ata potência com dois graus de iberdade Auno: Fiipe Sacchi da Siva Orientador: Marco Antonio Meggioaro. Introdução Na sociedade atua, há uma crescente

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia.

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia. ENERGIA POTENCIAL Uma outra forma comum de energia é a energia potencial U. Para falarmos de energia potencial, vamos pensar em dois exemplos: Um praticante de bungee-jump saltando de uma plataforma. O

Leia mais

Ec = 3. 10 5 J. Ec = m v 2 /2

Ec = 3. 10 5 J. Ec = m v 2 /2 GOIÂNIA, / / 015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA:CIÊNCIA NATURAIS SÉRIE: 9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Uma das formas de energia, que chamamos de energia mecânica, que pode ser das seguintes

Leia mais

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Leia e informe-se M Ó D U L O 18 Na aua anterior, Gustavo, Miranda e Jeremias se encontraram em uma anchonete para discutir a respeito de um projeto: a pubicação de um jorna na Matrex Construtora,

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace.

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace. 1.7 Tensão superficia, espahamento de íquidos, ânguo de contato e equação de Lapace. 1.7.1 Tensão superficia As interfaces 6 entre íquidos e gases (superfícies) e entre diferentes íquidos são regiões de

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales Unidade 8 - Trigonometria no Triânguo Retânguo Trigonometria História Triânguo retânguo Teorema de Pitágoras Teorema de Taes História O significado etimoógico da paavra trigonometria vem do grego e resuta

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa?

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? AUUL AL A Efeito estufa parte da energia radiada, vota ao espaço energia radiada Efeito estufa Buraco

Leia mais

O que aquele caminhão está transportando?

O que aquele caminhão está transportando? A UU L AL A O que aquee caminhão está transportando? Transporte de produtos químicos. Sinaização dos caminhões que transportam produtos químicos: rótuos de risco e paine de segurança. Tabea Periódica Número

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Plantão de Atendimento Horário: terças e quintas-feiras das 14:00 às 16:00. MSN:

Leia mais

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva,

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva, Os soos A UU L AL A Dois mestres da arte de reforestar Há 2 anos, faça so ou faça chuva, o mineiro Luiz Roberto de Castro Carvaho, de 51 anos, não passa um só dia sem pantar peo menos uma árvore em sua

Leia mais

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5

): simplesmente apoiadas 1,0 Continuas 1,2 duplamente engastadas 1,7 em balanço 0,5 CÁLCULO DOS ESFORÇOS NAS LAJES. Cassiicação das ajes As ajes se cassiicam em dois grupos: a) Lajes armadas numa única direção, quando a reação entre o maior e o menor vão é maior do que. Cacuam-se como

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

O trabalho realizado por uma força gravitacional constante sobre uma partícula é representado em termos da energia potencial U = m.

O trabalho realizado por uma força gravitacional constante sobre uma partícula é representado em termos da energia potencial U = m. Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítulo 7: Energia Potencial e Conservação da Energia Resumo: Profas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes. INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos o conceito de

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

Exercícios: Potência

Exercícios: Potência Exercícios: Potência Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Fuvest) A energia que um atleta gasta pode ser determinada pelo volume de oxigênio por ele consumido na respiração. Abaixo está apresentado

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Manual de Usuario. GPS Tracker OR-TK102

Manual de Usuario. GPS Tracker OR-TK102 Manua de Usuario GPS Tracker OR-TK102 INDICE 1 Resumo...3 2 Apicações....3 3 Descrição de Equipamento...3 4 Especificações...4 5 Uso 5.1 Instaação de Cartão SIM 5 5.2 Bateria e Carregador...5 5.3 Início

Leia mais

É assim que funciona

É assim que funciona A U A UL LA MÓDULO 17 É assim que funciona Cenatexto Eduardo acaba de ser contratado como sodador numa grande fábrica de transformadores. Primeiro dia no novo emprego, ee é encaminhado para a saa de treinamento,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0 Considere o conjunto de todos os números de cinco agarismos distintos, formados com os agarismos,, 5, 8 e 9. Escoendo,

Leia mais

Guia de operação para 5081

Guia de operação para 5081 MO1204-PA Guia de operação para 5081 Prefácio Congratuações pea sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo da sua compra, certifique-se de er este manua atentamente. Certifique-se de guardar toda

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

Evolução dos seres vivos

Evolução dos seres vivos iustrações você conhece? Evoução dos seres vivos Quais dos animais que aparecem nestas A UU L AL A Atenção O homem nas iustrações serve de eemento de comparação com os outros animais. Imaginando-se um

Leia mais

Como limpar derramamentos de

Como limpar derramamentos de Como impar derramamentos de petróeo? A UU L AL A Transformação do nitrogênio em fertiizantes Limpeza de derramamentos de petróeo Soubiização do oxigênio na água Interação entre moécuas de água Pontes de

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

Trabalho e potência. 1º caso: a força F não é paralela a d. 2º caso: a força F é paralela a d. 3º caso: a força F é perpendicular a d

Trabalho e potência. 1º caso: a força F não é paralela a d. 2º caso: a força F é paralela a d. 3º caso: a força F é perpendicular a d Trabalho e potência Trabalho mecânico Realizar trabalho, em Física, implica a transferência de energia de um sistema para outro e, para que isso ocorra, são necessários uma força e um deslocamento adequados.

Leia mais

Alimentação do Adolescente

Alimentação do Adolescente Aimentação do Adoescente Nesta cartiha vamos faar de um assunto muito importante na vida de vocês: A ALIMENTAÇÃO! Você, com certeza, vai gostar do que preparamos! Direitos Humanos Você sabe o que são direitos

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Como se faz o tratamento da água?

Como se faz o tratamento da água? VÃO ME DECANTAR? VÃO ME FILTRAR? VÃO ME DESINFETAR? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se faz o tratamento da água? COMO VÃO ME LIMPAR? A UUL AL A O cico da água na natureza Estação de tratamento

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

Normalização no Brasil

Normalização no Brasil Normaização no Brasi A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particuar de um grupo de técnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas técnicas no Brasi. Em 1962, a ABNT foi reconhecida

Leia mais

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM

ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10. Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo ADERÊNCIA E ANCORAGEM ADERÊNCIA E ANCORAGEM CAPÍTULO 10 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo 25 setembro 2003 ADERÊNCIA E ANCORAGEM Aderência (bond, em ingês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto nais do XVI ncontro de Iniciação ientífica e Pós-Graduação do IT XVI NIT / 010 Instituto Tecnoógico de eronáutica São José dos ampos SP rasi 0 de outubro de 010 ácuo anaítico das reações de apoio das ajes

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

Da crise da república ao fim do império romano

Da crise da república ao fim do império romano Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Da crise da repúbica ao fim do império romano A UU L AL A A conquista de novos territórios acabou enriquecendo um pequeno grupo de famíias que se encarregaram de governar

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Introdução Quando um mergulhador pula de um trampolim para uma piscina, ele atinge a água com uma velocidade relativamente elevada, possuindo grande energia cinética. De onde vem

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60 Manua de instruções Sistema eetrônico VEGASON Série 60 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função... 4 1.2 Grupo-avo... 4 1.3 Simboogia utiizada.... 4 2 Para a sua segurança 2.1 Pessoa autorizado...

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta aceleração da gravidade na Terra, g = 10 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, ρ = 1000 kg/m 3 = 1 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo = 3,0 10 8 m/s calor específico da água 4 J/( o C g) 1 caloria

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN CENTRO TECNOLÓGICO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL ECV 5 - NÁLISE ESTRUTURL II Prof a Henriette Lebre La Rovere, Ph.D. Prof a Poiana Dias de Moraes, Dr Forianópois, fevereiro

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma

As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma grande altura. Considere a situação em que a desafortunada

Leia mais

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial Procura de Codificadores BGU para utiização em Códigos com Concatenação Seria Manish Sharma e Jaime Portugheis Resumo Este artigo apresenta um método para a procura de codificadores a serem utiizados em

Leia mais

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.)

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) 1. INTRODUÇÃO Ao caminhar por praias do Nordeste brasileiro, uma pessoa, com certeza, passa junto de coqueiros bem carregados de cocos verdes. Em meio à bela paisagem,

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

GERADORES A GASOLINA MANUAL DO USUÁRIO NG3000 NG4000 NG6000 NG8000

GERADORES A GASOLINA MANUAL DO USUÁRIO NG3000 NG4000 NG6000 NG8000 *Produto deve ser usado por no máximo 6 horas continuas com intervao de no mínimo 1 hora para resfriamento do motor GERADORES A GASOLINA MANUAL DO USUÁRIO Por favor eia este Manua com atenção para uso

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

MUTAÇÕES GÊNICAS E MUTAÇÕES CROMOSSÔMICAS

MUTAÇÕES GÊNICAS E MUTAÇÕES CROMOSSÔMICAS MUTÇÕES GÊNIS E MUTÇÕES ROMOSSÔMIS écima terceira aua (T13) Texto adaptado de: MOORE, J.. Science as a Way of Knowing - Genetics. mer. Zoo. v. 26: p. 583-747, 1986. Objetivos 1. istinguir mutação espontânea

Leia mais

4. Princípios matemáticos da dinâmica

4. Princípios matemáticos da dinâmica 4. Princípios matemáticos da dinâmica Aos 23 anos Isaac Newton teve uma ideia inovadora que foi a inspiração para a sua teoria da gravitação e da mecânica em geral. Newton pensou que assim como uma maçã

Leia mais

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico?

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico? O que o gás natura tem a ver com saquinho pástico? A UU L AL A soo cascaho Frações do petróeo: eves, médias e pesadas idrocarbonetos Ponto de ebuição reacionado com o tamanho das moécuas dos hidrocarbonetos

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

Manual de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de módulo

Manual de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de módulo Manua de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de móduo PC 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 BA!!!! on on on on VEGALOG VEGALOG VEGALOG VEGALOG 571 CPU 571 EA 571 EP 571 AR in out Índice Índice 1 Sobre o presente documento

Leia mais