Calculando engrenagens cilíndricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calculando engrenagens cilíndricas"

Transcrição

1 Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a desmontagem, impeza dos componentes, substituição dos eementos danificados, montagem, ubrificação e ajustes finais da máquina. No entanto, muitas vezes não existem peças de reposição disponíveis para consertar a máquina, principamente quando ea é antiga. Por causa disso, o setor de manutenção de muitas empresas possui agumas máquinas operatrizes destinadas a produzir eementos mecânicos para a reposição de peças de máquinas sob manutenção. Esta é uma situação que pode estar ocorrendo agora na sua empresa: a máquina foi desmontada e percebeu-se que uma de suas engrenagens está quebrada. Você acha que seria capaz de evantar os dados desse eemento da máquina a partir dos fragmentos restantes e executar os cácuos para a confecção de uma nova engrenagem? Se a sua resposta é não, fique igado nesta aua. Nea vamos ensinar a cacuar engrenagens ciíndricas de dentes retos. O probema Engrenagem ciíndrica de dentes retos Nossa aua A engrenagem ciíndrica de dentes retos é a mais comum que existe.

2 A U L A Para a sua construção é necessário considerar uma série de dados, a saber: número de dentes (Z) diâmetro externo (de) móduo (m) diâmetro primitivo (dp) diâmetro interno (di) atura do dente (h) atura da cabeça (a) atura do pé do dente (b) passo (p) Cácuo do móduo O móduo (m) de uma engrenagem é a medida que representa a reação entre o diâmetro primitivo (dp) dessa mesma engrenagem e seu número de dentes (Z). Essa reação é representada matematicamente do seguinte modo: dp z Dica Os eementos dessa fórmua podem ser usados para cacuar o diâmetro primitivo da engrenagem dp = m Z. Servem iguamente para cacuar o número de dentes: Z = dp m. Com o móduo e o número de dentes determina-se a ferramenta a ser usada para fresar a engrenagem. O móduo auxiia nos cácuos para se encontrar todas as outras dimensões da engrenagem já citadas. Por causa disso, na reaidade, é possíve cacuar o móduo partindo de quaquer medida conhecida da engrenagem a ee reacionada. Por exempo, você pode cacuar o móduo a partir da medida do diâmetro externo e do número de dentes da engrenagem. Então, vamos votar ao probema inicia: você juntou os fragmentos da engrenagem e contou o número de dentes: Z = 60. Depois você mediu o diâmetro externo e obteve: de = 4 mm. Guarde esses dados para usar daqui a pouco.

3 Cácuo do diâmetro externo O diâmetro externo é igua ao diâmetro primitivo (dp) mais duas vezes a atura da cabeça do dente (a) que, por sua vez, é igua a um móduo. Isso é fáci de verificar, se você observar o desenho a seguir. A U L A 1 Matematicamente, isso corresponde a: de = dp + 2m Como, para o nosso probema, já temos o vaor do diâmetro externo (que é 4 mm), não precisamos cacuá-o. Para resover o probema de construção da engrenagem que apresentamos a você, é preciso cacuar o móduo a partir das medidas que temos. Vamos então trabahar essa fórmua de modo que ea nos auxiie a fazer o cácuo de que necessitamos. Já vimos á na Dica que dp = m Z. Como não temos um vaor numérico para dp, fazemos a substituição dentro da fórmua de cácuo do diâmetro externo (de). Então temos: de = dp + 2 m de = m Z + 2 m A partir dessa fórmua, temos finamente: de = m (Z + 2) Substituindo os vaores: 4 = m (60 + 2) 4 = m Portanto, o móduo da engrenagem que você precisa construir é igua a 2. Observe como usamos a fórmua do diâmetro externo para fazer esse cácuo. Isso pode ser feito usando quaquer dado conhecido reacionado ao móduo.

4 Tente A Uvocê L A Até agora estudamos as fórmuas para cacuar o diâmetro primitivo, o móduo, o número de dentes e o diâmetro externo de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos. Vamos aprender isso tudo, fazendo os exercícios a seguir. Exercício 1 Cacuar o diâmetro primitivo de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos, sabendo que 3 e Z = 90. Dados: 3 Z = 90 dp =? dp = m Z dp = 3 90 dp = Exercício 2 Cacue o número de dentes da engrenagem que tenha um diâmetro primitivo (dp) de 240 mm e um móduo igua a 4. Dados: dp = 240 mm 4 Z = dp m Z = Z = Exercício 3 Cacuar o móduo de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos cujo diâmetro externo (de) é igua a 45 mm e o número de dentes (Z) é 28. Dados: de = 45 Z = 28? de = m (Z + 2) 45 = m (28 + 2) 45 = Exercício 4 Qua é o diâmetro externo de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos cujo móduo (m) é igua a 3,5 e o número de dentes (Z) é igua a 42. Dados disponíveis: 3,5 Z = 42 de =? de = m (Z + 2) de =

5 Cácuo da atura tota do dente A atura tota (h) do dente de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos é igua a 2 móduos mais 1 de um móduo. O desenho a seguir iustra esta 6 definição. Observe. A U L A Isso pode ser representado matematicamente: h=1 m+1 m+ 1 6 m h= 6 6 m+6 6 m+1 6 m h= 13 6 m h = 2,166 m Votemos à engrenagem que você tem de fabricar. Já cacuamos o vaor do móduo: 2. A atura tota do dente (h) será: h = 2,166 m h = 2,166 2 h = 4,33 mm Então, a atura do dente da engrenagem deve ser de 4,33 mm. Dica A atura tota do dente da engrenagem é,, a soma da atura da cabeça do dente (a) mais a atura do pé do dente (b), ou seja, h = a + b.

6 Tente A Uvocê L A Para ver como esse cácuo é simpes, faça os exercícios que preparamos para você. Exercício 5 Cacue a atura tota (h) dos dentes de uma engrenagem cujo móduo é 1,75. h = 2,166 m h = Exercício 6 Cacue o móduo de uma engrenagem cuja atura tota (h) do dente é 4,33 mm. h 2,166 Cácuo da atura do pé do dente da engrenagem A atura do pé do dente da engrenagem (b) é 1m+ 1 6 m, ou seja: h=1 m+ 1 6 m h= 6 6 m+1 6 m h= 7 6 m h=1,166 m Vamos então cacuar a atura do pé do dente da engrenagem do nosso probema. Já sabemos que o móduo dessa engrenagem é 2. Assim: b = 1,166 m b = 1,166 2 b = 2,332 mm Desse modo, a atura do pé do dente da engrenagem (b) é de 2,332 mm.

7 Agora vamos propor mais aguns cácuos parecidos para você exercitar esse novo conhecimento. Exercício 7 Cacue a atura do pé dente (b) de uma engrenagem ciíndrica, sabendo que o móduo é igua a 1,5. b = 1,166 m b = Exercício 8 Cacue o móduo de uma engrenagem ciíndrica, sabendo que a atura do pé do dente (b) é de 3,498 mm. b = 1,166 m b 1,166 Tente A U Lvocê A Cácuo de diâmetro interno O diâmetro interno (di) é igua ao diâmetro primitivo (dp) menos 2 vezes a atura do pé do dente (b). Matematicamente isso é o mesmo que: di = dp - 2b Como b é igua a 1,166 m, podemos escrever: di = dp - 2 1,166 m Portanto: di = dp - 2,33 m Como dp = m Z, é possíve fazer a substituição: di = m Z - 2,33 m Reescrevendo, temos: di = m (Z - 2,33) Substituindo os vaores da engrenagem que você precisa construir, temos: di = 2(60-2,33) di = 2 57,67 di = 115,34 mm

8 Tente A Uvocê L A Este é mais um cácuo superfáci. Treine um pouco nos exercícios a seguir. Exercício 9 Cacue o diâmetro interno de uma engrenagem ciíndrica que tem um diâmetro primitivo de 75 mm e um móduo igua a 1,5. di = dp - 2,33 m di = 75-2,33 1,5 di = Exercício 10 Cacue o diâmetro interno de uma engrenagem ciíndrica com 50 dentes e móduo igua a 1,5. di = m (Z - 2,33) di = Exercício 11 Cacue o móduo de uma engrenagem da qua você conhece o diâmetro interno (di = 37,67 mm) e o número de dentes (Z = 40). di = m (Z -2,33) 37,67 = m (40-2,33) Cácuo do passo O passo é a medida do arco da circunferência do diâmetro primitivo que corresponde a um dente e a um vão da engrenagem. Ee é cacuado a partir do perímetro da circunferência do diâmetro primitivo (dp p) dividido peo número de dentes da engrenagem, porque o número de dentes corresponde ao número de passos. Matematicamente isso dá: p = dp p Z Como dp = m Z, podemos escrever: p = m Z p Z

9 Como Z = 1, teremos: Z p = m p Assim, para cacuar o passo, empregamos a fórmua p = m p. Com ea, vamos cacuar o passo da engrenagem que você tem de construir: A U L A p = 2 3,14 p = 6,28 mm Portanto, o passo dessa engrenagem é 6,28 mm. O passo é um dado muito importante entre as medidas de uma engrenagem. Exercite esse cácuo com atenção. Tente você Exercício Cacue o passo de uma engrenagem cujo móduo é 3. Exercício 13 Sabendo que o passo de uma engrenagem é,56 mm, cacue seu móduo. Cácuo da distância entre eixos Uma engrenagem jamais trabaha sozinha. Tendo isso em mente, dá para perceber que, aém das medidas que já cacuamos, precisamos conhecer a distância entre os centros dos eixos que apóiam as engrenagens. Essa medida se baseia no ponto de contato entre as engrenagens. Esse ponto está ocaizado na tangente das circunferências que correspondem aos diâmetros primitivos das engrenagens. Assim, a distância entre os centros (d) é igua à metade do diâmetro primitivo da primeira engrenagem Φdp 1 ΗΓ Ι 2 Κϑ mais a metade do diâmetro primitivo da segunda engrenagem Φ dp 2 ΗΓ Ι 2 Κ ϑ. Portanto d= dp 1 2 +dp 2 2 ou d= dp 1 +dp 2 2,

10 A U L A Tente você Na máquina sob manutenção de nosso probema inicia, a engrenagem 1 tem o diâmetro primitivo de 0 mm (já dado) e o dp da engrenagem 2 tem 60 mm. Substituindo os vaores, podemos cacuar: d= d= d = 90 mm Reeia essa parte da ição e faça o seguinte exercício. Exercício 14 Sabendo que o número de dentes da engrenagem 1 é 60 e o da engrenagem 2 é 150 e que seus móduos são iguais a 2, cacue a distância entre seus centros. Dica Duas engrenagens acopadas sempre têm o mesmo móduo. dp1 = m Z dp1 = dp2 = d = dp 1 + dp 2 2 d = Teste o que você aprendeu Como você pôde perceber no decorrer da ição, os cácuos de todas as medidas de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos estão reacionados entre si. Assim, quando você precisa cacuar uma medida, geramente é necessário cacuar aguma outra a ea reacionada. Leia novamente esta aua, estudando os exempos com atenção, e refaça os exercícios. Depois disso, encare os exercícios a seguir como um teste e verifique o que você conseguiu reter. Se errar aguma coisa, não desanime. Reeia o trecho em que está a informação de que você precisa e retorne ao exercício. O aprendizado só acontece com muita discipina e persistência. Exercício 15 Cacue dp, de, di, h, a, b e p de uma engrenagem ciíndrica de dentes retos com 45 dentes e móduo 4. Exercício 16 Sabendo que o diâmetro externo de uma engrenagem ciíndrica é de 88 mm e que ea tem 20 dentes, cacue m, dp, di, h, a, b e p. Exercício 17 Cacue a distância entre centros das duas engrenagens dos exercícios 15 e 16.

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) A UU L AL A Você já estudou como fazer os cálculos para encontrar as principais medidas para a confecção de uma engrenagem cilíndrica de dentes retos. Vamos

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Engrenagens III. A máquina de uma empresa se quebrou. O. Conceituação. Características e cálculos de engrenagem com dentes helicoidais

Engrenagens III. A máquina de uma empresa se quebrou. O. Conceituação. Características e cálculos de engrenagem com dentes helicoidais A U A UL LA Engrenagens III Introdução A máquina de uma empresa se quebrou. O mecânico de manutenção foi chamado. Depois de desmontá-la, identificou o defeito: a engrenagem helicoidal estava quebrada.

Leia mais

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias A U L A Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos A UU L AL A Na aula passada você viu como furar na fresadora, utilizando a mesa divisora. Nesta aula você vai aprender a fresar engrenagens, utilizando

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor (II)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (II) Realizando cálculos para o aparelho divisor (II) O problema Na aula anterior você aprendeu a fazer vários cálculos para o aparelho divisor. Mas, o assunto ainda não está esgotado. Há casos em que não existe

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais A UU L AL A Na aula passada você viu como fresar engrenagens cilíndricas de dentes retos, utilizando o aparelho divisor universal e divisão indireta.

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Calculando o desalinhamento da contraponta

Calculando o desalinhamento da contraponta Calculando o desalinhamento da contraponta A UU L AL A Tornear peças cônicas é uma atividade bastante comum na área da Mecânica. Para fazer isso, o torneiro tem duas técnicas a sua disposição: ele pode

Leia mais

2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo

2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo 2 O Probema do Fuo de Custo Mínimo 2.1. O Probema de Transbordo Os Probemas de Fuo de Custo Mínimo, doravante referenciados pea siga PFCM, encerram uma casse de probemas de programação inear ampamente

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales Unidade 8 - Trigonometria no Triânguo Retânguo Trigonometria História Triânguo retânguo Teorema de Pitágoras Teorema de Taes História O significado etimoógico da paavra trigonometria vem do grego e resuta

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

SENAI UOP Caxias Cálculo Técnico

SENAI UOP Caxias Cálculo Técnico 01-Usando unidades de medida Quando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação Com essas

Leia mais

Evolução dos seres vivos

Evolução dos seres vivos iustrações você conhece? Evoução dos seres vivos Quais dos animais que aparecem nestas A UU L AL A Atenção O homem nas iustrações serve de eemento de comparação com os outros animais. Imaginando-se um

Leia mais

O que acontece quando se evapora água do mar?

O que acontece quando se evapora água do mar? A UA UL LA O que acontece quando se evapora água do mar? O que você vai aprender Soução saturada Soução insaturada Sovente Souto Concentração Evaporação Condensação Fenômeno Seria bom já saber Mudança

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica Versão Onine ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica 008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace.

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace. 1.7 Tensão superficia, espahamento de íquidos, ânguo de contato e equação de Lapace. 1.7.1 Tensão superficia As interfaces 6 entre íquidos e gases (superfícies) e entre diferentes íquidos são regiões de

Leia mais

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito A UU L AL A Engrenagens V A ponte rolante precisava de reparos. A coroa e o parafuso com rosca sem-fim estavam com defeitos. Os dentes da coroa e os filetes da rosca do parafuso estavam desgastados. O

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas A UU L AL A Máquinas CNC Quando seu neto contou que havia visto, numa feira de tecnologia, tornos trabalhando sozinhos, seu Adamastor não acreditou. Riu com pouco caso e mergulhou novamente nas notícias

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0 Considere o conjunto de todos os números de cinco agarismos distintos, formados com os agarismos,, 5, 8 e 9. Escoendo,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

Tutorial: Quenn Anne Game Table Passo-a-Passo elaborado por Marco Pepe (HobbyFun)

Tutorial: Quenn Anne Game Table Passo-a-Passo elaborado por Marco Pepe (HobbyFun) A mesa que vamos construir! Tutorial: Quenn Anne Game Table Projeto: Queen Anne Game Table Lista de Materiais Madeira de 1, 2 e 3 mm de espessura. Pode ser mogno, cedro, balsa, etc. No nosso modelo eu

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos Introdução à Matemática Financeira Intervaar: náise Intervaar de Investimentos Gabriea do Carmo Pantoa Duarte Depto de Informática e Matemática picada, CCET, UFRN 5907-970, Nata, RN E-mai: gabrieapantoa@yahoo.com.br

Leia mais

ENSINO E APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA.

ENSINO E APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA. ENSINO E APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Josilene Maria de Almeida 1 ; Rosângela Miranda de Lima 2 ; Maria Sônia Lopes da Silva; Maria Anunciada

Leia mais

Na figura abaixo, a balança está em equilíbrio e as três melancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qual é o peso (em kg) de cada melancia?

Na figura abaixo, a balança está em equilíbrio e as três melancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qual é o peso (em kg) de cada melancia? A UUL AL A 5 Introdução à ágebra Na figura abaixo, a baança está em equiíbrio e as três meancias têm o mesmo peso. Nessas condições, qua é o peso (em ) de cada meancia? Para pensar 3 Uma barra de rapadura

Leia mais

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ENGRENAGENS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Engrenagens são utilizadas para transmitir movimento de um eixo rotativo para outro ou de um eixo rotativo para outro que translada (rotação

Leia mais

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Adaptação de Servo-motores Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Álgebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi. Grupos e Subgrupos H H

SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Álgebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi. Grupos e Subgrupos H H SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Ágebra III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortoossi Grupos e Subgrupos (Entregar todos os exercícios até o dia 14/04/2004 [01] Sejam (G, um grupo, a um eemento de G e H

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

1 Introdução. 2 Material

1 Introdução. 2 Material TUTORIAL Criação de Engrenagens em Acrílico Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 18/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br

Leia e informe-se. www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Leia e informe-se M Ó D U L O 18 Na aua anterior, Gustavo, Miranda e Jeremias se encontraram em uma anchonete para discutir a respeito de um projeto: a pubicação de um jorna na Matrex Construtora,

Leia mais

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1 EA CPCAR EXAME DE ADMISSÃO AO 1 o ANO DO CPCAR 009 MATEMÁTICA VERSÃO A 01 - Marque a aternativa verdadeira. Ano de 005 a) Se p 0 x = p p 1 + + +, p *, então x [ ] 1 1 1 + + 10 0 0 b) O vaor de y = é ta

Leia mais

Como se faz o tratamento da água?

Como se faz o tratamento da água? VÃO ME DECANTAR? VÃO ME FILTRAR? VÃO ME DESINFETAR? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se faz o tratamento da água? COMO VÃO ME LIMPAR? A UUL AL A O cico da água na natureza Estação de tratamento

Leia mais

DE INDIOS KA YOV Á-GUAilANl

DE INDIOS KA YOV Á-GUAilANl DESENHOS DE INDIOS KA YOV Á-GUAiAN Egon Sc:haden Professor da Cadeira de.\ntropoogia da Universidade de São Pauo Para se compreender a arte de uma tribo primitiva, conv.ém ter em mente a verdade eementar,

Leia mais

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Obtenha mais com as ofertas A4 da Lexmark Manua de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Aguns factos importantes sobre os equipamentos A4 da Lexmark Os MFP s A4 constituem o equipamento

Leia mais

Gabaritos Universo da Mecânica

Gabaritos Universo da Mecânica Gabaritos Universo da Mecânica Aula 1 - Idade da pedra/idade dos metais 1. b) 2. c) 3. b) 4. ( b ) Alta dureza, não pode ser forjado. ( c ) Baixa dureza, fácil de ser forjado. ( a ) Alta dureza, porém,

Leia mais

What s your address?

What s your address? What s your address? Assunto do dia Antes de mais nada, vamos apresentar os personagens e os ambientes que vocês vão encontrar nesse ivro. Agência de viagens Um dos ambientes no qua se passam várias situações

Leia mais

Raciocínio Lógico para o INSS Resolução de questões Prof. Adeilson de melo REVISÃO 01 - conjuntos e porcentagens

Raciocínio Lógico para o INSS Resolução de questões Prof. Adeilson de melo REVISÃO 01 - conjuntos e porcentagens APRESENTAÇÃO Olá, prezados concursandos! Sejam bem-vindos à resolução de questões de Raciocínio Lógico preparatório para o INSS. Mais uma vez, agradeço ao convite do prof. Francisco Júnior pela oportunidade

Leia mais

ABRINQ GUIA DE BRINQUEDOS E JOGOS 2012/2013 AVALIAÇÃO DE BRINQUEDOS E JOGOS SINTESE DOS RESULTADOS

ABRINQ GUIA DE BRINQUEDOS E JOGOS 2012/2013 AVALIAÇÃO DE BRINQUEDOS E JOGOS SINTESE DOS RESULTADOS ABRINQ GUIA DE BRINQUEDOS E JOGOS 2012/2013 AVALIAÇÃO DE BRINQUEDOS E JOGOS SINTESE DOS RESULTADOS Nome do Brinquedo /Jogo: MESA DOBRÁVEL 2 em 1 (Mesa mais Lousa) FRESO Fabricante FRESO Código/Ref.:32330

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Expoentes fracionários

Expoentes fracionários A UUL AL A Expoentes fracionários Nesta aula faremos uma revisão de potências com expoente inteiro, particularmente quando o expoente é um número negativo. Estudaremos o significado de potências com expoentes

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

========================

======================== Método de Iniciação - Ivan Meyer 1 suporte expicasaxcombr 1- APRENDEND A LER A "Ta da Partitura" Este conjunto de cinco inhas tem o nome de pentagrama sendo que cada inha tem um nome, repare que no começo

Leia mais

Usando unidades de medida

Usando unidades de medida Usando unidades de medida O problema Q uando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação.

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Aplicação do Teorema de Pitágoras

Aplicação do Teorema de Pitágoras A UA U L L A Apicação do Teorema de Pitágoras Para pensar Uma escada de 5 m de comprimento está apoiada num muro. O pé da escada está afastado 3 m da base do muro. Qua é a atura, no muro, que a escada

Leia mais

Alimentação do Adolescente

Alimentação do Adolescente Aimentação do Adoescente Nesta cartiha vamos faar de um assunto muito importante na vida de vocês: A ALIMENTAÇÃO! Você, com certeza, vai gostar do que preparamos! Direitos Humanos Você sabe o que são direitos

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Campos Vetoriais e Integrais de Linha

Campos Vetoriais e Integrais de Linha Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Campos Vetoriais e Integrais de Linha Um segundo objeto de interesse do Cálculo Vetorial são os campos de vetores, que surgem principalmente

Leia mais

Plantas e mapas. Na Aula 17, aprendemos o conceito de semelhança

Plantas e mapas. Na Aula 17, aprendemos o conceito de semelhança A UA UL LA Pantas e mapas Introdução Na Aua 7, aprendemos o conceito de semehança de triânguos e vimos, na Aua 0, interessantes apicações desse conceito no cácuo de distâncias difíceis de serem medidas

Leia mais

O triângulo é uma figura geométrica muito. Você já sabe que o triângulo é uma figura geométrica de:

O triângulo é uma figura geométrica muito. Você já sabe que o triângulo é uma figura geométrica de: U UL L cesse: http://fuvestibuar.com.br/ Triânguos Para pensar O triânguo é uma figura geométrica muito utiizada em construções. Você já deve ter notado que existem vários tipos de triânguo. Observe na

Leia mais

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125 Chamada de serviço: Nível de plataforma inoperante Subida/descida da lança inoperantes P22 - P22R código de rolagem na tela Ferramentas necessárias: Multímetro Chave de 7/16 2º técnico de serviço Modelo:

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO Vamos agora colocar em prática o nosso conhecimento sobre desenho geométrico, desenvolver a habilidade de fazer traçados e de pensar espacialmente. O objetivo deste exercício

Leia mais