2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 O Problema do Fluxo de Custo Mínimo"

Transcrição

1 2 O Probema do Fuo de Custo Mínimo 2.1. O Probema de Transbordo Os Probemas de Fuo de Custo Mínimo, doravante referenciados pea siga PFCM, encerram uma casse de probemas de programação inear ampamente estudada devido à etensa gama de apicações práticas que apresenta. O transporte de mercadorias, design de redes de comunicação ou de dutos, atribuição de tarefas a trabahadores e paneamento da produção (Bradey et a. 1997), são apenas aguns eempos. O Probema de Transbordo, que pode ser formuado como um PFCM, consiste no probema de transportar certa quantidade de bens através de uma rede desde uma ou mais origens, ou fontes, até um ou mais destinos, ou sumidouros, obtendo o menor custo possíve. Sea, portanto, G ( N, A) um grafo, como á definido anteriormente, conectado e direcionado, sea o conunto B, B = n, composto pea dotação inicia dos nós pertencentes a N de ta maneira que b Z e que, se b > 0, b < 0 ou b = 0, o nó correspondente,, será um nó ofertante, demandante ou de transbordo. Suponha-se, por n b = 1 hora, que = 0, ou sea, que há equiíbrio entre oferta e demanda. Sea ainda, associado aos eementos de A, o conunto C, C = m, referente aos custos associados ao transporte de uma unidade do bem em questão ao ongo de cada arco. Desta maneira, sendo ( i, ) um arco quaquer que tenha origem em um nó i e destino em um nó, o vaor c, será o custo associado a este arco. i Representando-se por, o fuo no arco ( i, ), o Probema de Transbordo pode i ser formuado como um probema de programação inear da seguinte maneira:

2 16 min c i (2.1), ( ) A Sueito a = b, i i i N : ( ) A :(, i) A (2.2) 0 i, ( ) A (2.3) As restrições representadas por (2.2) são restrições de conservação de fuo e garantem que as demandas dos nós seam atendidas, á as representadas por (2.3) referem-se às restrições de não negatividade dos fuos. Observe que o probema, da maneira como formuado, não prevê imites máimos de fuo nos arcos configurando um probema do tipo não capacitado. Para transformá-o em um probema do tipo capacitado basta aterar (2.3) incuindo as restrições de capacidade dos arcos. Eiste também a possibiidade de se definirem imites inferiores positivos para o fuo nos arcos. Desta maneira, a versão mais competa de (2.3) seria: 0 ( ) A (2.4) u Onde i, e i u, representam respectivamente os fuos mínimo e máimo do arco ( i, ). Outros modeos mais específicos, pertencentes à mesma casse de probemas de fuo de custo mínimo, apresentam grande reevância teórica e prática, como o Probema do Caminho Mais Curto, o Probema de Atribuição e o Probema de Transporte (Key e O Nei, 1991) O Probema do Caminho Mais Curto O Probema do Caminho Mais Curto, PCMC, entre dois nós, s e t, pode ser energado como um Probema de Transbordo onde eistam n 2 nós de transbordo, um

3 17 nó ofertante, { s s N, b =1}, e um nó demandante, { t t N, b = 1} s t. Desta maneira, ao se resover o PFCM para este caso particuar, se está minimizando o custo do transporte de uma unidade de fuo entre dois nós predeterminados. A formuação do probema é idêntica à do probema de transbordo sem a necessidade da adoção de imites máimos de fuo nos arcos O Probema de Atribuição O Probema de Atribuição em um grafo bipartido consiste em associar, a um custo mínimo, eementos de um primeiro conunto, K, a eementos de um segundo, L, respeitando um custo { L} c, que representa a associação do eemento { i i K} i ao eemento. Desta maneira, consiste em eempo de Probema de Atribuição a aocação de tarefas a trabahadores. A formuação para este probema fica: min c i (2.5),, L Sueito a L = 1 (2.6) L = 1 i (2.7) K i, { 0;1} (2.8) Utiizando o eempo da aocação de tarefas (conunto K) a trabahadores (conunto I), as restrições presentes em (2.6) e (2.7) garantem, respectivamente, que nenhum trabahador ficará desocupado e que cada tarefa será atribuída a um, e somente um, trabahador. Já as restrições em (2.8) garantem que a soução sea inteira. Para energar o Probema de Atribuição como um caso particuar do Probema de Transbordo, basta, neste útimo, atribuir 1 a todo { b i i K} e -1 a todo { L} b. Observe que, para que a condição de equiíbrio entre oferta e demanda sea satisfeita, os

4 18 conuntos K e L deverão ter a mesma cardinaidade, ou sea, K = L = n. Observe 2 também que o Probema de Atribuição foi definido sobre um grafo bipartido, que, pea definição apresentada neste trabaho, se trata de um grafo não direcionado, enquanto o Probema de Transbordo foi definido sobre um grafo direcionado. Ta fato não apresenta empeciho agum visto que basta se transformar cada arco não direcionado ( i, ) em dois arcos direcionados ( i, ), e (, i) para se obter um grafo direcionado equivaente O Probema de Transporte Outra modeagem de grande importância pertencente à casse dos PFCM é a dos Probemas de Transporte. Formuado pea primeira vez por Hitchcock (1941) e mais tarde abordado de forma independente por Koopmans e Reiter (1951), este probema é freqüentemente embrado como o Probema de Transporte de Hitchcock-Koopmans. O probema de Hitchcock-Koopmans apresenta um conunto de nós ofertantes K, K = k, e um conunto de nós demandantes, L, L = e uma matriz de custos onde representa o custo de transportar uma unidade do bem em questão desde o nó { i i K} até o nó { L} através do arco ( ) e consiste em satisfazer a demanda com os bens ofertados ao menor custo possíve. c i, De modo a manter a coerência com a formuação apresentada para o Probema de Transbordo seam que os conuntos K e L subconuntos do conunto B contendo as dotações iniciais dos nós, e que B = k + = n. Sendo assim, os conuntos oferta e demanda podem ser respectivamente representados por { b b,..., } { b b } b k +, k + 2,..., k + 1, a formuação do probema fica então: 1, 2 b k e por Sueito a min c i (2.9),, L

5 19 L, = b L (2.10) i, = b i K (2.11) i i, 0 (2.12) i As restrições (2.10) e (2.11) garantem que respectivamente que toda a demanda sea atendida (embrando que um nó é demandante se enviada. Pressupõe-se aqui o equiíbrio entre oferta e demanda, ou sea, b < 0) e que toda a oferta sea b + b = 0. i L As inequações em (2.12) representam as restrições de não negatividade no caso de um probema não capacitado. Anaogamente ao que foi feito com o Probema de Transbordo pode-se transformar este probema em capacitado acrescentando-se as restrições de capacidade dos arcos. Para um probema ainda mais gera, com restrições de fuo mínimo, (2.12) ficaria: 0 (2.13) u Este é um probema muito simiar ao Probema de Transbordo, divergindo apenas no fato de não eistirem nós de transbordo, { i = 0} b i. Observe ainda que, para se transformar o Probema de Transporte em Probema de Atribuição basta que: b b =1 i K, L (2.14) i = K = L = n (2.15) 2 Aém da modeagem do probema, Hitchcock (1941) e Koopmans e Reiter (1951) apresentaram um método computaciona para a soução do probema. No mesmo ano Dantzig (1951) mostrou como o probema poderia ser resovido peo método simpe

6 20 e aguns anos mais tarde Orden (1956) mostrou que este agoritmo poderia ser apicado ao Probema de Transbordo.

Método Simplex Especializado para Redes

Método Simplex Especializado para Redes Método Simplex Especializado para Redes Prof. Fernando Augusto Silva Marins Departamento de Produção Faculdade de Engenharia Campus de Guaratinguetá UNESP www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II

Estruturas de Betão Armado II Estruturas de Betão Armado II A. P. Ramos Set. 006 ANÁLISE ELÁSTICA DOS ESFORÇOS Métodos de anáise eástica dos esforços: Métodos anaíticos Séries de Fourier Métodos numéricos: - Diferenças Finitas - Eementos

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos Introdução à Matemática Financeira Intervaar: náise Intervaar de Investimentos Gabriea do Carmo Pantoa Duarte Depto de Informática e Matemática picada, CCET, UFRN 5907-970, Nata, RN E-mai: gabrieapantoa@yahoo.com.br

Leia mais

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear.

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear. CAPÍTULO 7 7 ANÁLISE DE REDES 7.1 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Diversos problemas de programação linear, inclusive os problemas de transporte, podem ser modelados como problemas de fluxo de redes.

Leia mais

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006

UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronaldson Carneiro - Nov/2006 UFPa ESTRUTURAS DE CONCRETO II Prof Ronadson Carneiro - Nov/006 1. INTRODUÇÃO 1. DEFINIÇÃO: Eementos panos (pacas), geramente em posição horizonta, que apresentam uma dimensão, a espessura, muito menor

Leia mais

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS Angea Oandoski Barboza Departamento de Matemática, Centro Federa de Educação Tecnoógica do Paraná, Av. 7 de

Leia mais

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002 Controes Tracer TM Controadores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 Janeiro de 2002 BAS-PRC006-PT Introdução Os controadores de zona Tracer ZN511 e ZN521 oferecem controe digita para vários tipos de equipamentos

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial Desenvovimento e controe de um manipuador robótico de ata potência com dois graus de iberdade Auno: Fiipe Sacchi da Siva Orientador: Marco Antonio Meggioaro. Introdução Na sociedade atua, há uma crescente

Leia mais

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Obtenha mais com as ofertas A4 da Lexmark Manua de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Aguns factos importantes sobre os equipamentos A4 da Lexmark Os MFP s A4 constituem o equipamento

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 i o n a F e d e r a ibuna Re gi on a Federa E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/1 Proc. nº T-EOF-01/344 O ibuna Regiona Federa da Região, por seu Pregoeiro,

Leia mais

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN CENTRO TECNOLÓGICO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL ECV 5 - NÁLISE ESTRUTURL II Prof a Henriette Lebre La Rovere, Ph.D. Prof a Poiana Dias de Moraes, Dr Forianópois, fevereiro

Leia mais

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto

Cálculo analítico das reações de apoio das lajes maciças de concreto nais do XVI ncontro de Iniciação ientífica e Pós-Graduação do IT XVI NIT / 010 Instituto Tecnoógico de eronáutica São José dos ampos SP rasi 0 de outubro de 010 ácuo anaítico das reações de apoio das ajes

Leia mais

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial Procura de Codificadores BGU para utiização em Códigos com Concatenação Seria Manish Sharma e Jaime Portugheis Resumo Este artigo apresenta um método para a procura de codificadores a serem utiizados em

Leia mais

Matemática Discreta. Leandro Colombi Resendo. Matemática Discreta Bacharel em Sistemas de Informações

Matemática Discreta. Leandro Colombi Resendo. Matemática Discreta Bacharel em Sistemas de Informações Matemática Discreta Leandro Colombi Resendo Algoritmos para Grafos Grafos Direcionados e Relações Binárias; o Algoritmo de Warshall Caminho de Euler e Circuito Hamiltoniano Caminho Mínimo e Árvore Geradora

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

MUTAÇÕES GÊNICAS E MUTAÇÕES CROMOSSÔMICAS

MUTAÇÕES GÊNICAS E MUTAÇÕES CROMOSSÔMICAS MUTÇÕES GÊNIS E MUTÇÕES ROMOSSÔMIS écima terceira aua (T13) Texto adaptado de: MOORE, J.. Science as a Way of Knowing - Genetics. mer. Zoo. v. 26: p. 583-747, 1986. Objetivos 1. istinguir mutação espontânea

Leia mais

Localização de Terminais Móveis utilizando

Localização de Terminais Móveis utilizando 24 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL 13, Nº 01, MAIO DE 2011 Locaização de Terminais Móveis utiizando Correação de Assinaturas de Rádio-Frequência Rafae Saraiva Campos & Lisandro Lovisoo Abstract This tutoria

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS Ceber Damião Rocco (DEP/UFSCar) cdrocco@dep.ufscar.br Reinado

Leia mais

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1 Programação Inteira Fernando Nogueira Programação Inteira A Programação Inteira pode ser entendida como uma caso específico da Programação Linear, onde as variáveis devem ser inteiras (ou ao menos, parte

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - sala 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 20.081-000 Telefone/Fax: 2282-8682 -2282-8016 E D I T A L

SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - sala 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 20.081-000 Telefone/Fax: 2282-8682 -2282-8016 E D I T A L TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - saa 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 0.081-000 Teefone/Fax: 8-868 -8-8016 E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança

Galaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL. Uma nova dimensão em segurança Gaaxy Dimension UMA SOLUÇÃO INTEGRADA ÚNICA PARA GERIR E PROTEGER PESSOAS E BENS, A NÍVEL GLOBAL Uma nova dimensão em segurança A nova Gaaxy Dimension Controo integrado de intrusão e acessos Como poderá

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

DE INDIOS KA YOV Á-GUAilANl

DE INDIOS KA YOV Á-GUAilANl DESENHOS DE INDIOS KA YOV Á-GUAiAN Egon Sc:haden Professor da Cadeira de.\ntropoogia da Universidade de São Pauo Para se compreender a arte de uma tribo primitiva, conv.ém ter em mente a verdade eementar,

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

É assim que funciona

É assim que funciona A U A UL LA MÓDULO 17 É assim que funciona Cenatexto Eduardo acaba de ser contratado como sodador numa grande fábrica de transformadores. Primeiro dia no novo emprego, ee é encaminhado para a saa de treinamento,

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales

Unidade 8 - Trigonometria no Triângulo Retângulo. Trigonometria História Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras Teorema de Tales Unidade 8 - Trigonometria no Triânguo Retânguo Trigonometria História Triânguo retânguo Teorema de Pitágoras Teorema de Taes História O significado etimoógico da paavra trigonometria vem do grego e resuta

Leia mais

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Prof. Diego Mello da Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga 19 de fevereiro de 2013 diego.silva@ifmg.edu.br (IFMG) Matemática

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO

ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS... 17 ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO João Giberto Zaa Fiho Arthur José

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Rede bipartida onde um conjunto contém nós de oferta e o outro

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/2011 Proc. nº 712/07/2011 - EOF

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/2011 Proc. nº 712/07/2011 - EOF a a n bu bu i gg ee RR i oi on n a a RR e eg g Fe Fe d d e e r a i i ãão o E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/011 Proc. nº 71/07/011 - EOF O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Superfícies Sustentadoras

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Superfícies Sustentadoras Mestrado Integrado em Engenhia Aeroespacia Aerodinâmica I Superfícies Sustentadoras 5. Uma asa finita de um panador tem um aongamento Λ=14, =14, uma corda média de 1,5m, não tem torção e a sua secção é

Leia mais

A linguagem matemática

A linguagem matemática A UUL AL A A inguagem matemática Observe o texto abaixo. Ee foi extraído de um ivro de geometria chinês. Veja se, mesmo sem saber chinês, você consegue entender o tema do texto, ou seja, sobre o que o

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management Optimize a impressão em rede e crie uma vantagem informativa com uma soução de gestão de documentos que pode ser impementada no oca ou através da nuvem. Funcionaidade Print Reease

Leia mais

referência para Cálculo de Concreto Armado

referência para Cálculo de Concreto Armado UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES ÍNDICE referência para Conceitos Básicos... Cargas Características... Esforços Soicitantes e Reações...

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

A otimização é o processo de

A otimização é o processo de A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um problema. Eiste um conjunto particular de problemas nos quais é decisivo a aplicação de um procedimento de otimização.

Leia mais

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica Versão Onine ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica 008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

ESTABILIZADOR DE SISTEMAS DE POTÊNCIA ADAPTATIVO COM SUPERVISÃO FUZZY NUMA REDE DE MODELOS LOCAIS

ESTABILIZADOR DE SISTEMAS DE POTÊNCIA ADAPTATIVO COM SUPERVISÃO FUZZY NUMA REDE DE MODELOS LOCAIS ESTABIIZADOR DE SISTEMAS DE POTÊNCIA ADAPTATIVO COM SUPERVISÃO FUZZY NUMA REDE DE MODEOS OCAIS CAROS T. DA COSTA JR., JOSÉ A.. BARREIROS, WATER BARRA JR. aboratório de Controe e Sistemas, Depto. de Eng.

Leia mais

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1 EA CPCAR EXAME DE ADMISSÃO AO 1 o ANO DO CPCAR 009 MATEMÁTICA VERSÃO A 01 - Marque a aternativa verdadeira. Ano de 005 a) Se p 0 x = p p 1 + + +, p *, então x [ ] 1 1 1 + + 10 0 0 b) O vaor de y = é ta

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0 Considere o conjunto de todos os números de cinco agarismos distintos, formados com os agarismos,, 5, 8 e 9. Escoendo,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL Cleber Giugioli Carrasco ; Francisco Louzada-Neto Curso de Matemática, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG. Departamento

Leia mais

Compressores de Parafuso Série SK

Compressores de Parafuso Série SK Compressores Parafuso Série SK Com o mundiamente renoma PERFIL SIGM Vazão: 0,5 a,70, : 5,5 a Série SK Siencioso, eficiente e confiáve SK Economia para toda a vida Geramente os usuários ar comprimi esperam

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL PROGRAMAÇÃO NÃO LINEAR (Exercícios) ( Texto revisto para o ano lectivo 1- ) António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. / ISG Recomendações 1.

Leia mais

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO UM EXEMPLO DA SUA APLICAÇÃO A PILARES DE PONTES VITOR SILVA e MÁRIO M TALAIA, ISCIA Instituto Superior e Ciências a Informação e a Aministração,

Leia mais

Planejamento e Análise de Sistemas de Produção

Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Aula 26 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Paulo Augusto Valente Ferreira Departamento de Telemática Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação Universidade Estadual de Campinas Conteúdo

Leia mais

MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS

MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS Orientadora: Profa. Dr. Maria Aparecida Diniz Ehrhardt Aluna: Fernanda Bia Peteam DMA - IMECC - UNICAMP 20 de novembro de 2013 1 1

Leia mais

Luz e Cor. Luz. Onda eletro-magnética. Computação Gráfica Interativa - Gattass 2000-03-14. Luz e Cor. f(hertz)

Luz e Cor. Luz. Onda eletro-magnética. Computação Gráfica Interativa - Gattass 2000-03-14. Luz e Cor. f(hertz) Luz Onda eetro-magnética 10 2 10 4 10 6 10 8 10 10 10 12 10 14 10 16 10 18 10 20 rádioam FM,TV Micro-Ondas Utra-Vioeta Infra-Vermeho aiosx f(hertz) 10 6 10 4 10 2 10 10-2 10-4 10-6 10-8 10-10 10-12 λ(m)

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1288 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civi Discipina: 188 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA LAJES DE CONCRETO Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Termopares. Revisões. Termopares. Termopares. Termopares. Termopares

Termopares. Revisões. Termopares. Termopares. Termopares. Termopares eisões Lei de ariação da f.e.m de Seebeck? Efeitos de Petier e Thomson num circuito aberto ou fechado? Come se maimiza a sensibiidade? eação entre a e b nos dois metais? Lei dos condutores intermédios?

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

O que aquele caminhão está transportando?

O que aquele caminhão está transportando? A UU L AL A O que aquee caminhão está transportando? Transporte de produtos químicos. Sinaização dos caminhões que transportam produtos químicos: rótuos de risco e paine de segurança. Tabea Periódica Número

Leia mais

Trabalho Computacional

Trabalho Computacional Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Profª Claudia Boeres Teoria dos Grafos - 2014/2 Trabalho Computacional 1. Objetivo Estudo e implementação de algoritmos para resolução

Leia mais

Copyright 1996-1998, Greenwich Mean Time Ltd. Todos os direitos reservados.

Copyright 1996-1998, Greenwich Mean Time Ltd. Todos os direitos reservados. Copyright 1996-1998, Greenwich Mean Time Ltd. Todos os direitos reservados. Direito de pubicação da documentação Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida, transmitida, transcrita ou traduzida

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8338 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8339 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8340 Documento

Leia mais

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG Teoria dos Gráfos Métodos Quantitativos de Gestão MQG Conceitualmente, um grafo consiste em um conjunto de vértices (pontos ou nós) e um conjunto de arestas (pontes ou arcos), ou seja, é uma noção simples,

Leia mais

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60

Manual de instruções Sistema eletrônico VEGASON Série 60 Manua de instruções Sistema eetrônico VEGASON Série 60 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função... 4 1.2 Grupo-avo... 4 1.3 Simboogia utiizada.... 4 2 Para a sua segurança 2.1 Pessoa autorizado...

Leia mais