ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES"

Transcrição

1 ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1

2 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO INTRODUÇÃO CONCEITOS GERAIS Comportamento da seção transversal sob momento fletor crescente, sem influência da instabilidade Comportamento da seção transversal sob momento fletor, com influência da instabilidade EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO Condições de aplicabilidade Quanto à seção transversal ( ): Quanto ao carregamento ( ): Quanto ao valor de M Rd ( ), para assegurar a validade da análise elástica: Quanto à consideração de furos e chapas de reforço nas mesas ( ): Momento fletor resistente de cálculo para vigas de alma não esbelta Expressões para verificação de FLT, FLM e FLA: Para verificação de FLT: Para verificação de FLM e FLA: Determinação de Cb EXEMPLOS Verificação de viga fletida Dimensionamento de viga fletida

3 CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO 1 INTRODUÇÃO Os capítulos 5 e 6 deste trabalho, apresentam início do estudo das vigas constituídas por perfis metálicos em estruturas, que a literatura costuma chamar vigas de alma cheia. O estudo básico desse tipo estrutural está também refletido no item 5.4 da NBR 8800/2008, que estabelece as condições para o dimensionamento de barras prismáticas submetidas à flexão simples e esforço cortante. Contudo, apesar da NBR apresentar ambos os dimensionamentos no mesmo item, e que, de fato os esforços de flexão e de cisalhamento ocorrem simultâneamente em vigas, por uma questão de facilidade de apresentação e de exposição, o dimensionamento à flexão será exposto neste capítulo, e a seguir, no próximo capítulo, será apresentado o dimensionamento ao cortante. Do mesmo modo que no caso dos capítulos 3 (tração) e 4 (compressão), é importante mais uma vez lembrar que a seção 5 da NBR 8800 trata do dimensionamento de elementos estruturais submetidos a ações predominantemente estáticas, o que é válido para estruturas civis mais corriqueiras tais como, edifícios e barracões, para as condições adicionais de dimensionamento, tais como fadiga, fratura frágil e temperaturas elevadas, ver o item 9 da NBR CONCEITOS GERAIS Ao estudar a flexão simples em perfis metálicos, encontramos algumas semelhanças importantes com o estudo feito no capítulo anterior, de compressão simples. A expressão básica apresentada pela NBR é semelhante às utilizadas para o dimensionamento à tração e compressão, mas devido à esbeltez dos elementos constituintes dos perfis, a ruína das peças flexionadas, a exemplo das comprimidas, também é definida em muitos casos pelo comportamento quanto à instabilidade. Dentro do exposto no parágrafo anterior, antes de apresentar as expressões da NBR 8800 para o dimensionamento, é importante expor a conceituação básica do comportamento de peças metálicas quando submetidas à flexão. Deve-se atentar que existe superposição de dois comportamentos, o de tensões de flexão com o de instabilidade. Do mesmo modo como ocorria nas seções comprimidas, as seções flexionadas podem sofrer instabilidades globais (da viga como um todo) ou localizadas (dos elementos componentes da seção) 2.1 Comportamento da seção transversal sob momento fletor crescente, sem influência da instabilidade Iniciando pela apresentação do comportamento de uma seção flexionada sem instabilidade, ou seja, sem instabilidade localizada dos elementos constituintes da seção transversal e sem instabilidade lateral da viga, significando que a viga está inteiramente contida lateralmente. Pretende-se apresentar o estudo do comportamento dessa viga sob momentos fletores crescentes, que atuam no plano que contém um eixo principal da seção. Partindo de um momento fletor nulo, para essa primeira condição de interesse, o comportamento das tensões na seção transversal pode ser representada na figura

4 Nessa figura, utilizou-se a seção retangular como exemplo: h y M sd b fig fig ε σ A tensão em uma fibra distante y da linha neutra da seção, é dada por: σ., onde y é a distância representada na figura e I é a inércia da seção. Para a fibra mais distante, ocorre a tensão máxima, cuja expressão também já é conhecida: σ á. Quando a distância até a fibra extrema é passada ao denominador, a expressão da tensão máxima fica: σ á, onde W é chamado de módulo de resistência elástico da seção. A expressão acima, já conhecida da resistência dos materiais, pode ser facilmente generalizada: σ, Onde W sup,inf é dado por:, W,,, nessa expressão, y sup,inf representa as distâncias entre a linha neutra da seção e as fibras extremas superior e inferior da seção transversal. Na medida em que M sd cresce, as tensões nas fibras extremas também aumentam, até o instante em que essa tensão máxima alcança, em uma ou em ambas as fibras extremas ao mesmo tempo, a tensão de escoamento. O momento fletor que corresponde ao início do escoamento da seção, é chamado pela NBR 8800 de M r, e utilizando as expressões anteriores, pode-se definir M r como: M W. f Na expressão acima, W é o módulo de resistência elástico com relação ao eixo da flexão, ou o mínimo caso a seção tenha módulos diferentes com relação à fibra superior e inferior. A nomenclatura 2

5 apresentada segue a adotada pela NBR, que apresenta expressões onde são utilizadas essas variáveis W sup, W inf e W. A partir de M r, com o crescimento de M sd, a tensão máxima não ultrapassa f y e a distribuição de tensões na seção assume a configuração representada na figura 5.2: h M sd b fig ε σ=f y A partir dessa condição, com o aumento de M sd, se alcança a terceira e última situação (teórica) que é o escoamento ou plastificação integral da seção. O momento fletor correspondente a essa condição é chamado M PL. Para representar a distribuição de tensões, novamente será utilizada seção retangular como exemplo. h R c h/2 b fig M sd =M PL ε σ=f y R t Na situação de plastificação integral da seção, o equilíbrio pode ser escrito como: ΣM Rc = 0 R t.(h/2) = M PL, mas R t = 1/2b.h.f y, daí: (1/2b.h).h/2.f y = M PL, que, por semelhança com a expressão da distribuição de tensões na seção transversal, já apresentada anteriormente, pode ser escrita como: f. ou, M Z. f, onde define-se: Z = módulo de resistência plástico, que para a seção retangular vale 1/4.b.h 2, e que pode ser calculado de modo semelhante para qualquer seção. De modo geral, o valor de Z é fornecido pela tabela das propriedades geométricas de uma seção transversal. Resumindo as definições apresentadas há pouco, pode-se distinguir três condições características de funcionamento da seção transversal fletida: 3

6 1) Seção transversal apenas com tensões elásticas, para 0<M sd M r, e M r =f y.w; 2) Seção transversal com tensões de escoamento, para M r <M sd <M PL ; 3) Seção transversal totalmente plastificada, com M PL = Z.f y. Lembrando o conceito apresentado no capítulo anterior, as seções que têm sua condição de funcionamento sob as cargas de projeto como em (3), após a consideração dos efeitos de instabilidade que serão vistos a seguir, podem ser chamadas de seções compactas; enquanto as que trabalham na condição (2), são chamadas seções semi compactas (de comportamento semi-compacto) e as que operam no regime elástico de esbeltas ou não compactas. Como complemento à definição de Z, voltando à expressão acima, esta propriedade pode ser entendida como: M PL = (½.b.h).(h/2).f y = 2. A g /2. (h/4).f y Na expressão acima, 2. A g /2. (h/4) é o módulo de resistência plástico Z e pode ser entendido como a soma dos momentos estáticos das áreas da seção, acima e abaixo da linha neutra, calculados com relação à linha neutra. Também como complemento, a relação entre M PL e M r para uma seção transversal, é independente das propriedades do material e é conhecida como fator de forma, ou de resistência, da seção ζ. Esse fator é dado pela relação: ζ = Z/W, que pode ser obtida facilmente dividindo as expressões de M PL pela de M r. 2.2 Comportamento da seção transversal sob momento fletor, com influência da instabilidade Para completar esse estudo de flexão das vigas, é necessário também analisar a instabilidade da seção, que pode ocorrer em qualquer instante durante o aumento do valor de M sd. Ou seja, a barra submetida a fletores crescentes, percorre as condições descritas anteriormente até alcançar M PL, a menos que ocorra a instabilidade da seção durante esse trajeto. Basicamente, pode ocorrer nas vigas fletidas dois tipos de instabilidade, um global, da viga como um todo, outro localizado, em qualquer dos elementos da seção transversal. Para tanto, a NBR 8800, no seu item , define configurações básicas de instabilidade, ou estados limites, que devem ser verificadas em peças fletidas. Com essas configurações listadas a seguir, a norma brasileira tenta abranger as situações possíveis que devem ser atendidas: a) Flambagem Local da Alma FLA situação onde a alma de seção se torna instável; b) Flambagem Local da Mesa FLM condição em que a mesa comprimida se torna instável; c) Flambagem Lateral com torção FLT - Instabilidade por flexo-torção, quando há uma combinação dos dois efeitos simultaneamente e a rotação da seção pela instabilidade; d) Flambagem Local da Aba, aplicável a seções formadas por duas cantoneiras, constituindo uma seção similar à seção T; e) Flambagem Local da Parede do Tubo, que naturalmente se aplica a seções tubulares ou assemelhadas; 4

7 f) Embora não seja uma situação de instabilidade, para certos tipos de seções transversais deve também ser verificado o estado limite de escoamento da mesa tracionada. Nas condições apresentadas, notar que a condição (c), se refere à instabilidade global, enquanto as demais buscam representar as situações possíveis de instabilidade local. O dimensionamento das vigas metálicas à flexão, portanto, compreende a verificação dos estados limites (a) até (e). Para cada uma dessas verificações define-se, sob uma abordagem simplificada, se a seção tem um comportamento: a) Compacto, cujas dimensões da seção são robustas o suficiente para alcançar o M PL antes de ocorrer instabilidade; b) Semi-compacto, que não alcança a plastificação integral antes de uma das condições de instabilidade antes definidas, ou; c) Não-compacto, que se tornam instáveis antes de qualquer das fibras das seção alcançar f y. A NBR 8800 apresenta os limites de validade, as expressões para verificação de estados limites e demais condições de dimensionamento, no item 5.4 e nos anexos G e H. No próximo item deste capítulo serão apresentadas essas condições e expressões. 3 EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO Para o dimensionamento de peças fletidas, a condição de segurança expressa genericamente no item 4 do capítulo 2, pode ser escrita como: M Sd M Rd Onde: M Sd é o momento fletor solicitante de cálculo, definida conforme estabelecido no capítulo 2, e M Rd é o momento fletor, resistente de cálculo, cuja determinação está colocada nos itens a seguir. 3.1 Condições de aplicabilidade Nos itens , e , a NBR 8800 coloca as seguintes condições de aplicabilidade das expressões fornecidas pela NBR: Quanto à seção transversal ( ): a) Seções I e H com dois eixos de simetria, fletidas com relação a um desses eixos; b) Seções I e H com apenas um eixo de simetria, situado no plano médio da alma, fletidas em relação ao eixo central de inércia perpendicular à alma; 5

8 c) Seções T, fletidas em relação ao eixo central de inércia perpendicular à alma; d) Seções constituídas por duas cantoneiras, ligadas em forma de T, fletidas em relação ao eixo central de inércia perpendicular ao eixo de simetria; e) Seções U, fletidas em relação a um dos eixos centrais de inércia; f) Seções caixão e tubulares retangulares com dois eixos de simetria, fletidas em relação a um desses eixos de simetria; g) Seções sólidas circulares e retangulares, fletidas em relação a um dos eixos centrais de inércia; h) Seções tubulares circulares, fletidas em relação a qualquer eixo que passe pelo centro geométrico Quanto ao carregamento ( ): O carregamento transversal deve sempre estar em um plano de simetria, exceto no caso de perfis U fletidos em relação ao eixo perpendicular à alma, quando a resultante do carregamento transversal deve passar pelo centro de cisalhamento da seção transversal ou a torção deve ser impedida Quanto ao valor de M Rd ( ), para assegurar a validade da análise elástica: M,. Onde, W é o módulo de resistência elástico mínimo da seção com relação ao eixo de flexão e γ a1 é dado na tabela do capítulo 2, transcrita da NBR Quanto à consideração de furos e chapas de reforço nas mesas ( ): As vigas podem ser dimensionadas ao momento fletor com base nas propriedades da seção bruta, desde que: f u.a fn Y t.f y A fg, onde: Y t = 1,00 para f y /f u 0,8 e Y t = 1,10 para f y /f u >0,8; f u e f y são as tensões de ruptura e escoamento do aço, respectivamente; A fn é a área líquida da mesa tracionada, calculada como estabelecido no capítulo 3 (tração), e A fg é a área bruta da mesa tracionada; Caso a desigualdade acima não se verifique, então M Rd fica limitado pelo estado limite último de ruptura por flexão, na região dos furos sendo dado por: M. W, com W t o módulo de resistência elástico do lado tracionado da seção, relativo ao eixo da seção. 6

9 3.2 Momento fletor resistente de cálculo para vigas de alma não esbelta O cálculo do momento fletor resistente é divido pela NBR em seções não-esbeltas (anexo G) e seções esbeltas (anexo H). Será apresentado a seguir o cálculo de M Rd em vigas de seção não-esbelta (Anexo G da NBR 8800). São consideradas seções não esbeltas: a) As seções I, H, U, caixão e tubulares retangulares cujas almas, quando perpendiculares ao eixo de flexão, têm parâmetro de esbeltez λ λ r, onde λ e λ r estão definidos na tabela 5.1 (tabela G.1 da NBR 8800), reproduzida mais à frente; b) Seções I ou H soldada, com λ=h/t w 5,70 ; c) Seções tubulares circulares com relação entre diâmetro e espessura de parede não superior a 0,45E/f y ; d) Seções formadas por duas cantoneiras em forma de T, e sólidas circulares ou retangulares de quaisquer dimensões; t f t f t w t w h d h b f b f fig 5.4 nomenclatura das dimensões da seção Para vigas de alma não-esbelta, as verificações de estados limites, apresentadas no item 2 deste capítulo se reduzem à verificação de flambagem lateral por torção, flambagem local da mesa e flambagem local da alma (FLT, FLM e FLA). 7

10 3.3 Expressões para verificação de FLT, FLM e FLA: Para verificação de FLT: a) Se λ λ p M (comportamento compacto) b) Se λ p < λ λ r M M M M (semi compacto) c) Se λ > λ r M (comportamento esbelto) Os valores de M Rd são válidos para forças transversais externas (caso existam) aplicadas na semi-altura da seção. A determinação de C b não consta da tabela 5.1 e será apresentada logo após as notas referentes à tabela 5.1 (embora seja um parâmetro exclusivo da verificação de FLT) Para verificação de FLM e FLA: a) Se λ λ p M (comportamento compacto) b) Se λ p < λ λ r M M M M (semi compacto) c) Se λ > λ r M (comportamento esbelto) Notar que as expressões de verificação são, a rigor, as mesmas do caso FLT, quando se considera que C b =1 para verificação de FLM e FLA. Da mesma forma que no caso FLT, as definições dos parâmetros λ, λ p, λ r, M r e M cr estão na tabela 5.1 a seguir (que reproduz a tabela G.1 da NBR 8800) e notas de esclarecimento complementares. 8

11 Tabela valores de M r, M cr, λ, λ p e λ r para a verificação de seções fletidas não-esbeltas (tabela G.1, Anexo G da NBR 8800) A tabela 5.1 é geral e seus elementos são esclarecidos pela NBR 8800 em notas numeradas de 1 a 10. As observações da NBR estão colocadas a seguir, embora não seja seguido aqui exatamente a mesma ordem de apresentação da NBR. 1) M. 1 0,039. onde: L b comprimento do trecho destravado; I y momento de inércia da seção relativo ao plano médio da alma; constante de empenamento da seção, fornecida nas tabelas de seções C w 9

12 J a NBR fornece duas expressões para cálculo de C w como exemplo, a expressão para seções I: C ; constante de torção da seção, também fornecida nas tabelas de seções (às vezes chamada de I t ). Expressões para C w e J estão no item 4 Anexo, do capítulo 4. λ,... onde: 1 1. r y é o raio de giração da seção, em torno do eixo principal perpendicular ao eixo de flexão; β. σ r é definida como tensão residual de compressão nas mesas e vale 30% de f y (na NBR esta definição está na nota 9). 2) Para esse tipo de seção as expressões de se alteram, ficando: M. β β 1 0,039. λ,... β β. Pode-se notar que são semelhantes às equações da nota 1. As alterações devem-se ao fato da seção não ser duplamente simétrica e, portanto, com a parte da seção tracionada diferente da parte que é comprimida. Nas equações acima: β. β 2 = 5,2 β 1 β W c é o módulo de resistência elástico do lado comprimido da seção, calculado com relação ao eixo de flexão; β 0,45 d, t fs e t fi sendo as espessuras das mesas superior respectivamente, e α y : os módulos I yc e I yt são os momentos de inércia da mesa comprimida e da mesa tracionada, respectivamente, calculados com relação ao eixo que passa no plano médio da alma. Caso existam momentos positivos e negativos no trecho destravado, tomar a maior das inércias (com relação ao eixo mencionado). O valor alfa tem as seguintes limitações: 10

13 1/9 α y 9, e, para as seções, a soma da área da menor mesa com a da alma não deve ser superior à área da maior mesa. O valor de C w pode ser retirado das tabelas de perfis, ou utilizar a expressão a seguir (NBR 8800, anexo G, nota 2. C, com as definições de b fi e de b fs, análogas às de t fi e de t fs. 3) A nota 3 refere-se a verificação de seções U. É importante ressaltar que o caso indicado na tabela refere-se a seções U fletidas em torno do eixo de menor inércia. O estado limite FLA somente se aplica à alma da seção, quando ela está comprimida pelo momento fletor; O estado limite FLM somente se aplica quando a extremidade livre das mesas for comprimida pelo momento fletor. 4) W ef é o módulo de resistência mínimo elástico, relativo ao eixo de flexão, para uma seção que tem uma mesa comprimida. Para seções U fletidos em torno do eixo de menor inércia, W refere-se à alma comprimida. No cálculo de W ef, admite-se a largura b ef, onde b ef pode ser calculado como definido no capítulo 4, item 3.2 determinação do coeficiente redutor Q, caso AA, fazendo σ=f y. Para alma de seção U, b=h, t=t w e b ef =h ef. 5) A nota 5 da NBR 8800, refere-se ao valor da tensão residual σ r, que aqui foi colocado junto com o detalhamento dos elementos da nota 1. 6) Na verificação do estado limite FLM, o cálculo de M cr de seções I, H e U (caso em que essas seções têm um comportamento não-compacto, conforme o item 5.1 Introdução). Para perfis laminados: M, W e λ 0,83 Para perfis soldados: M,. W e λ 0,95 / Todos os elementos dessas equações foram definidos anteriormente, quanto a k c, ele é calculado como exposto no capítulo 4: 4, 0,35 0,76 7) Refere-se á verificação de flexão em seções caixão retangulares. Observa que a verificação do estado limite FLT somente é aplicável quando o eixo de flexão for o de maior inércia. 8) A relação b/t, mostrada na tabela da NBR, refere-se à relação largura da mesa comprimida sobre sua espessura, porém b tem definições diferentes conforme a seção transversal. Para seções I e H com ao menos um eixo de simetria, b é a metade da largura da mesa comprimida b f /2. Para seções U é a largura total da mesa comprimida b f. Para seções caixão é a distância livre entre as almas. 9) Para valores da nota 9 da tabela da NBR 8800, ver os valores de α y, que já foram definidos na nota 2. 11

14 10) Para seções caixão: λ 3,76 Para seções tubulares retangulares: λ 2, Determinação de Cb A verificação de FLT quando λ p < λ λ r, pode exigir o cálculo do parâmetro C b, chamado de fator de modificação para diagrama de momento fletor não-uniforme. Esse cálculo refere-se a situações onde o diagrama de fletores não é uniforme no trecho destravado de viga (chamado de L b ). O cálculo de C b é apresentado na NBR 8800, item e No caso de ambas as mesas serem destravadas, a expressão de C b é: C,. á, á R 3,0 Onde: M máx Maior momento fletor, em módulo, do trecho destravado; M A Valor de M sd, em módulo, na seção situada a um quarto do comprimento destravado, medido a partir da extremidade da esquerda; M B Valor de M sd, em módulo, no centro do trecho destravado; M C equivalente a M A, na seção a três quartos do comprimento destravado; R m parâmetro de monossimetria, igual a 1,00 em todos os casos, com exceção de: seções com um eixo de simetria, fletidas com relação ao eixo que não é de simetria, no caso em que são submetidas à curvatura reversa. R m = 0,5 + 2(I yc / I y ) 2 I yc Inércia da mesa comprimida com relação ao eixo de simetria. Como a curvatura é reversa, trata-se da mesa com menor inércia; I y Inércia da seção com relação ao eixo de simetria. C b = 1,00 em trechos em balanço, entre o trecho com restrição a deslocamento lateral e a extremidade livre. De modo geral o M Rd é constante ao longo do trecho destravado, com exceção de seções com um eixo de simetria, fletidas com relação ao eixo que não é de simetria, e sujeitas á curvatura reversa. Cada mesa terá seu M Rd que deverá ser igual ou superior ao M Sd que comprime a mesa correspondente. O caso em que uma das mesas está contida lateralmente de modo contínuo e a outra está livre, a NBR 8800 ( ) fornece as seguintes expressões, válidas para: Seções I, H e U, fletidas em relação ao eixo de inércia perpendicular à alma e, Seções caixão e seções tubulares retangulares, fletidas em relação a um eixo central de inércia. a) Quando a mesa com contenção lateral estiver tracionada em pelo menos uma extremidade do comprimento destravado: C 3,00 onde: M 0 maior M Sd, tomado com sinal negativo, que comprime a mesa livre na extremidade do comprimento destravado; M 1 M Sd na outra extremidade do comprimento destravado. Se M 1 comprime a mesa livre entra na expressão com sinal negativo. Se M 1 traciona, entra com sinal positivo no segundo termo e com valor zero no terceiro; 12

15 M 2 M Sd na seção central do trecho destravado. M 2 >0 se tracionar a mesa livre e M 2 <0 se tracionar a mesa com contenção lateral contínua. b) Em trechos com momento nulo nas extremidades, submetidos a uma força transversal uniformemente distribuída, com apenas a mesa tracionada contida lateralmente contra deslocamento lateral C b = 2,00 c) Em todos os outros casos C b = 1,00. Para verificação do estado limite FLT, deve-se tomar como M Sd o maior momento fletor que comprime a mesa livre. 4 EXEMPLOS 4.1 Verificação de viga fletida Calcule o máximo carregamento distribuído que pode ser aplicado na viga da figura, sabendo que: A viga não tem travamento lateral intermediário. Perfil Aço A 36, tipo VS 550x64 (b f =250mm; t f =9,5mm; t w =6,3mm). p A g = 81cm 2 ; I x =42500cm 4 ; W x =1550cm 3 ;r x =22,9cm; Z x =1730cm mm I y =2480cm 4 ; r y =5,53cm; C w = cm 6 ; I t ou J = 18,7cm 4. a) Verificação da esbeltez da alma λ = h/t w = ( ,5) = 84,29 ; 5,7 =5,7. λ< - alma não esbelta! b) Verificação de FLA λ = 84,29 ; 3,76 =3,76. M PL = Z x.f y = = kN.cm = 432.5kN.m M Rd1 = 432,5/1,1 = 393,18kN.m c) Verificação de FLM = 161,22 = 106,35 λ< seção compacta M Rd = M PL /γ a1 λ = b/t f = 250/(2.9,5) = 13,16; 0,38 = 0,38. = 10,75 13

16 0,95. = 0,95.., = 21,20, σ r = 0,3f y = 0,3.25 = 7,5kN/cm 2 k c =, 0,4357 (0,35 k c 0,76) λ p < λ < seção semi compacta M Rd = 1/γ a1 d) Verificação de FLT M r = (f y -σ r ).W = (25 7,5)1550 = 271,25kN.m M Rd = 1/1,1 [432,5 (432,5-271,25).,,,, ] = 359,37kN.m λ = L b /r y = 250/5,53 = 45,21; 1,76 = 1,76. = 49,78 λ< seção compacta M Rd = M PL /γ a1 M PL = Z x.f y = = kN.cm = 432.5kN.m M Rd1 = 432,5/1,1 = 393,18kN.m e) M Rd Momento resistido é o mínimo entre as verificações M Rd = 359,37kN.m f) Carga distribuída M Rd M sd =.l q 8.M Rd/l q d 459,99kN/m ~ 460kN/m 4.2 Dimensionamento de viga fletida Defina qual o perfil I p que deve ser utilizado na viga da figura, sabendo que: A viga tem travamento lateral intermediário a cada terço do vão. Perfil Aço A 36. A carga está aplicada no meio do vão. P d = 300kN. 750cm 250cm 250cm 250cm 14

17 a) Pré dimensionamento. =.,. = 2475 cm 3 da tabela: I p 550x106, b f =210mm; t f =17,8mm; t w =11,1mm. M sd = ,5/4 = 562,5 kn.m Z x =2780cm 3 ; W x =2440cm 3 ; r y =4,45cm; I y =2670cm 4 ; C w = cm 6 ; J=124cm 4. b) Verificação de FLA e da esbeltez da alma λ = h/t w = ( ,8)/11,1 = 46,45 ; 5,7 =5,7. = 161,22 λ< - alma não esbelta! λ = 46,45 ; 3,76 =3,76. M PL = Z x.f y = = 69500kN.cm = 695,0kN.m M Rd1 = 695,0/1,1 = 631,82kN.m c) Verificação de FLM = 106,35 λ< seção compacta M Rd = M PL /γ a1 λ = b/t f = 210/(2.17,8) = 6,1; 0,38 = 0,38. = 10,75 λ< seção compacta M Rd = M PL /γ a1 ; M Rd1 = 631,82kN.m d) Verificação de FLT λ = L b /r y = 250/4,45 = 56,18; 1,76 = 1,76. = 49,78 λ, , com os dados já conhecidos λ r = 158,1 λ p < λ < seção semi compacta M Rd = C b /γ a1 β. =,... = 0,0172; M r = (f y -σ r ).W = (25 7,5)2440 = 427,0kN.m Cálculo de C b C b =, á, ; onde M A ¼ de L b ; M B ½ de L b ; M c ¾ de L b 15

18 250cm 250cm 250cm ,75 = M A 468,75 = M C ,5 562,5 = M max =M B 250cm,.,,,,. 1,0 = 1,09 Na expressão de M Rd M Rd = 672,99kN.m g) M Rd Momento resistido é o mínimo entre as verificações M Rd = 672,99kN.m > 562,5 kn.m OK! O perfil selecionado está OK. 16

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus Kerkhoff Guanabara DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS OBJETIVOS O aluno será capaz de determinar os esforços solicitantes em estruturas metálicas, e de dimensionar as principais peças estruturais em aço de acordo com

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355 Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 1476 e NBR 6355 DMENSONAMENTO DE PERFS FORMADOS A FRO CONFORME NBR 1476 e NBR 6355 Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações

Leia mais

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio 09-14 Estruturas compostas por perfis formados a frio Dimensionamento pelo método das larguras efetivas e aplicação conforme ABNT NBR 1476:010 e ABNT NBR 6355:01 ESTRUTURAS COMPOSTAS POR PERFIS FORMADOS

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 Rafael de Amorim Salgado Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2 4ª. Edição revisada e atualizada Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 6 maio 2003 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES As estruturas de concreto armado devem ser projetadas de modo

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME II LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA,

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES (OUTRA APRESENTAÇÃO) Prof. Almir Schäffer PORTO ALEGRE

Leia mais

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral 9 CONTRAVENTAMENTO DE ESTRUTURAS DE MADEIIRA 9..1 Generalliidades 11 As estruturas reticuladas são normalmente constituídas por elementos planos. Quando são estruturas espaciais (não planas), tendem a

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA DE PONTES RODOVIÁRIAS DANIEL CARLOS TAISSUM CARDOSO

SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA DE PONTES RODOVIÁRIAS DANIEL CARLOS TAISSUM CARDOSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA

Leia mais

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios.

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios. Introdução 1 1. Introdução O objetivo do cálculo de uma estrutura de concreto armado é o de se garantir: uma segurança adequada contra a ruptura decorrente das solicitações; deformações decorrentes das

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7.

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7. APRESENTAÇÃO RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Comumente observamos que eixos empenam, pinos são esmagados e cortados, vigas deformam, rolamentos se desgastam, chavetas quebram, etc. Mas por que isso acontece?

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados em Aço Alvenarias Painéis de Vedação Resistência

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L Engenheiro Civil Graduado pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Mestrando em Engenharia de Estruturas

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Prof.: J. E. Guimarães Revisão 7 20/01/08 2 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Revisão de Matemática Faremos aqui uma pequena revisão de matemática necessária à nossa matéria, e sem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO ÁBACOS PARA PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE VIGAS I LAMINADAS DE

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME IV EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

O USO DIDÁTICO DE ENSAIOS NA DISCIPLINA DE ESTRUTURAS METÁLICAS

O USO DIDÁTICO DE ENSAIOS NA DISCIPLINA DE ESTRUTURAS METÁLICAS O USO DIDÁTICO DE ENSAIOS NA DISCIPLINA DE ESTRUTURAS METÁLICAS Carlos Eduardo Javaroni javaroni@feb.unesp.br Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia, Unesp, Campus de Bauru Av. Eng.

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

2.1 O Comportamento Estrutural

2.1 O Comportamento Estrutural 2 Vigas As vigas consistem basicamente de barras, contínuas ou não, com eixo reto ou curvo, equiibradas por um sistema de apoios, de modo a garantir que essas barras sejam, no mínimo, isostáticas. Estão

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL (1) 1 APRESENTAÇÃO O presente documento apresenta alguns detalhes

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais.

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. 1. Introdução. Nas aulas anteriores foram fornecidas as bases teóricas para verificação analítica da segurança de estruturas de concreto.

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

h = comprimento de flambagem nas duas direções

h = comprimento de flambagem nas duas direções Pilares Como se sabe, o pilar é uma barra submetida predominantemente a compressão axial. Em alguns casos, entretanto, os pilares podem ficar submetidos, além do esforço de compressão axial, ao esforço

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS

PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS Procedimento SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições, notações e unidades 4 Condições gerais de projeto

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo 1 INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo Galpões são construções em aço geralmente de um único pavimento constituídos de sistemas estruturais compostos por pórticos regularmente espaçados, com cobertura superior apoiada

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra.

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra. Teoria das dobras Eng Josemairon Prado Pereira I. INTRODUÇÃO A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras. No caso do aço é a proteção da chapa lisa através

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

O valor da tensão máxima de compressão na viga prismática de concreto armado da figura após a cura do concreto, só com o peso próprio, vale:

O valor da tensão máxima de compressão na viga prismática de concreto armado da figura após a cura do concreto, só com o peso próprio, vale: ESTUDOS DISCIPLINARES DA DISCIPLINA DE COMPLEMENTO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONSISTE NA RESOLUÇÃO DE EXERCICIOS, COM SUAS DEVIDAS JUSTIFICATIVAS. Exercício 1: O valor da tensão máxima de compressão

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME I GALPÕES PARA USOS GERAIS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA, tem a satisfação

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: FLAMBAGEM E RESISTÊNCIA ELIANE SOUZA DOS SANTOS

ANÁLISE DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: FLAMBAGEM E RESISTÊNCIA ELIANE SOUZA DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas ANÁLISE DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: FLAMBAGEM E RESISTÊNCIA ELIANE

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais