TABELA DE VÃOS E CARGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TABELA DE VÃOS E CARGAS"

Transcrição

1 TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28

2

3 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi

4 Coordenação Técnica: Celio de Oliveira Perucelo Colaboração: Carlos Gaspar Djaniro Álvaro de Souza Henrique José Ferreira da Silva

5 ÍNDICE 1 Notações e Unidades 2 Vigas Simples Contidas Lateralmente Escopo Ações Vigas de Aço Cargas Admissíveis em Vigas Dimensionamento Estrutural à Momento Fletor Força Cortante Fluxograma Dimensionamento a Flexão Cargas Concentradas Equivalentes Ações Variáveis (Sobrecargas) Deslocamentos (Flechas) Colunas -Axialmente Comprimidas de Aço 3.1 Escopo Ações Dimensionamento Tabelas de Pré-dimensionamento.1 Tabela TCPA Tabelas TVPA1 a TVPA Exemplo Planta Estrutural Premissas de Projeto Roteiro de Cálculo Pré-dimensionamento das Vigas Pré-dimensionamento das Colunas Pré-dimensionamento dos Contraventamentos Isométrica da Estrutura Planta de Montagem Lista Preliminar de Materiais

6

7 1 NOTAÇÕES E UNIDADES

8

9 1.1 - Letras Romanas Maiúsculas A A A C C g w b w E FLA FLM FLT G = área da seção transversal, cm² = área bruta da seção transversal, cm² = área efetiva de cisalhamento, cm² = fator de modificação para diagrama de momento fletor não-uniforme = constante do empenamento da seção transversal = módulo de elasticidade do aço, E = E = 2. MPa (2. tf/cm²) a = flambagem local da alma = flambagem local da mesa comprimida = flambagem lateral com torção = módulo de elasticidade transversal do aço (,385 * E = 77. MPa) I = momento de inércia, cm I x = momento de inércia da seção transversal em relação ao eixo x, cm I y = momento de inércia da seção transversal em relação ao eixo y, cm J K L L L L b p c M M M M M M N N r sd rd cr pl e = constante de torção da seção transversal = coeficiente de flambagem de barras comprimidas = vão; distância; comprimento = comprimento de um trecho sem contenção lateral (comprimento destravado), cm = valor limite do comprimento de um trecho sem contenção lateral correspondente ao momento de plastificação M pi, cm = comprimento máximo sem contenção lateral na mesa comprimida, cm = momento fletor = momento fletor correspondente ao início do escoamento, incluindo a influência das tensões residuais em alguns casos = momento fletor solicitante de cálculo = momento fletor resistente de cálculo = momento fletor de flambagem elástica = momento fletor de plastificação da seção transversal, igual ao produto do módulo de resistência plástico (Z) pela resistência ao escoamento do aço (f y ) = força axial = força axial de flambagem elástica N = força axial de compressão solicitante de cálculo c,sd N Q V c,rd = força axial de compressão resistente de cálculo = fator de redução total associado à flambagem local = força cortante 7

10 V V pl Rd W W W W Z Z x x y c = força cortante correspondente à plastificação da alma por cisalhamento = força resistente de cálculo = módulo de resistência elástico, cm³ = módulo de resistência elástico em torno do eixo x-x, cm³ = módulo de resistência elástico em torno do eixo y-y, cm³ = módulo de resistência elástico do lado comprimido da seção, relativo ao eixo de flexão, cm³ = módulo de resistência plástico, cm³ = módulo de resistência plástico em torno do eixo x-x, cm³ Letras Romanas Minúsculas b b f d d' f y h r r r t t t x y f w = largura, mm = largura da mesa do perfil, mm = altura da seção transversal, mm = altura livre da alma do perfil, mm = resistência ao escoamento do aço = altura em geral, distância entre as faces internas das mesas dos perfis I e H subtraída dos raios de concordância entre a mesa e a alma do perfil, mm = raio de giração, cm = raio de giração em torno do eixo x-x, cm = raio de giração em torno do eixo y-y, cm = espessura, mm = espessura da mesa, mm = espessura da alma, mm Letras Gregas a1 p r = coeficiente de dilatação térmica; fator em geral; coeficiente em geral = coeficiente de ponderação da resistência (escoamento, flambagem e instabilidade) = coeficiente de ponderação da resistência ou das ações = índice de esbeltez; parâmetros de esbeltez = índice de esbeltez reduzido = parâmetro de esbeltez limite para seções compactas = parâmetro de esbeltez limite para seções semicompactas c= fator de redução associado à resistência à compressão r = tensão normal = tensão residual de compressão nas mesas, 7 MPa (Perfis laminados) 8

11 2 VIGAS SIMPLES CONTIDAS LATERALMENTE

12

13 VIGAS SIMPLES CONTIDAS LATERALMENTE Escopo Este trabalho foi elaborado conforme os requisitos da norma brasileira ABNT NBR 88:28, baseado no método dos Estados Limites, para o dimensionamento de vigas uniformemente carregadas contidas lateralmente. As tabelas foram preparadas especialmente para os Perfis Estruturais Gerdau tipos I e H, duplamente simétricos, e não se aplicam a outros tipos de perfis. Em sua 3ª edição, estão contemplados os 88 Perfis disponíveis Ações As fórmulas de cálculo deste trabalho são baseadas no método dos estados limites (ABNT NBR 88:28) corrigidos com o coeficiente para calibrar com o método das tensões admissíveis (coeficiente de ponderação igual a 1,) Vigas de Aço Área Bruta Para a resistência à flexão, os dispositivos da presente especificação são aplicáveis a área bruta dos Perfis sem dedução de furos. Para a resistência à força cortante, é aplicável o que dispõe o item 5..3 Força Cortante Resistente de Cálculo da ABNT NBR 88:28 (pág. 9). Os valores listados nas tabelas não levam em conta recortes feitos na alma dos Perfis nem a existência de furos Estados Limites Na determinação das cargas de serviço constantes nas tabelas, utilizou-se o método dos estados limites últimos para Perfis tipo I laminados, ou seja, FLT considerando C = 1,, FLM e b FLA. Os parâmetros referentes ao momento fletor resistente, nos estados limites aplicáveis FLT, FLM e FLA, podem ser encontrados na Tabela G.1 (Parâmetros Referentes ao Momento Fletor Resistente) da ABNT NBR 88:28 (pág. 13) Comprimento Não Contraventado (Flambagem Lateral com Torção) Elementos fletidos em torno do seu eixo de maior resistência são classificados de acordo com o comprimento L b entre pontos contraventados. Esses são pontos de suporte lateral que impedem a torção da seção, em nossas tabelas de cargas estaremos utilizando a seguinte expressão da Tabela G.1 da ABNT NBR 88:28: L b 6 * r y E f y (2.3.2) 11

14 A flambagem lateral é a tendência da mesa comprimida da viga de flambar por flexo-torção, isto é, o perfil gira deslocando a mesa comprimida lateralmente. Tal tendência pode ser evitada se mantivermos o comprimento sem contenção lateral limitado conforme expressão 2.3.2, de forma prática podemos obter tal condição desde que: a) Para vigas bi-apoiadas (mesa superior comprimida) sejam colocados conectores de interação embutidos na laje de concreto, L será a máxima distância entre conectores. b b) Existam vigas secundárias transversais, num sistema adequadamente rígido ou contraventado, onde L será a maior distância entre vigas. b 2. - Cargas Admissíveis em Vigas As tabelas anexas preparadas para os Perfis Estruturais Gerdau devem ser usadas para vigas simplesmente apoiadas contidas lateralmente (l<l) e lista os valores do carregamento total P admissível na viga, dado em toneladas. As tabelas foram preparadas utilizando-se o método dos estados Limites da ABNT NBR 88:28 calibrados em tensões admissíveis pela divisão por fator de correção e para uma resistência ao escoamento fy = 5 t/cm² (35 MPa), correspondente ao aço de alta resistência mecânica ASTM A 572 Grau 5. As fórmulas apresentadas são as constantes na norma brasileira no sistema métrico. As cargas tabeladas incluem o peso próprio da viga que deverá ser deduzido para se chegar ao valor líquido da carga a ser suportada. As tabelas são também aplicáveis às vigas contidas lateralmente e sujeitas à cargas concentradas. O método para determinar a capacidade da viga para várias condições de carregamento está indicado no item 2.8. Supõe-se em todos os casos que as cargas são aplicadas verticalmente, normais ao eixo x-x indicado nas tabelas de Perfis Estruturais Gerdau, e que a viga se deforma verticalmente no plano da flexão. Se as condições de carregamento incluírem forças aplicadas fora desse plano, as tabelas não são aplicáveis Dimensionamento Estrutural à Momento Fletor A tensão admissível de flexão e a carga admissível de uma viga dependem da contenção lateral da mesa comprimida e das propriedades de sua seção. Na tabelas, o símbolo L b denota o comprimento máximo não contraventado da mesa comprimida, em centímetros, para a qual a teremos que satisfazer a seguinte expressão: M sd M rd ( f y r ) W x-x a1 (2.5) 12

15 Tipo de seção e eixo de flexão Estadoslimites aplicáveis M r M cr p r Seções I e H com dois eixos de simétricos e seções U não sujeitas a momento de torção, fletidas em relação ao eixo de maior momento de inércia FLT FLM FLA (f y - r ) W Ver Nota 3 Ver Nota 1 (f y - r ) W b/t Ver Nota 2 Ver Nota 3 Ver Nota f y W Viga de alma esbelta (anexo H da NBR 88:28) L b r y h t w 6,38 6 f y E f y E f y E Ver Nota 1 Ver Nota 2 E f y TABELA G.1 da ABNT NBR 88:28 (pág. 13) - Parâmetros referentes ao momento fletor resistente para vigas de alma não esbeltas utilizados na confecção das tabelas de cargas ( < ). p Nota 1: r 8 J r y J I y C w I y 2 1 M cr C b 2 E I y 2 L b C w I y 1,39 2 J L b C w Onde: Nota 2: C w 1 ( f y I y E r J ( d t f ) W,69 E M cr 2 2 ) W c, para seções I r,83 E ( f y r ) Nota 3: r = tensão residual de compressão nas mesas, tomada igual a 3% da resistência de escoamento do aço considerado (para f = 35 MPa, temos que r = 1 MPa). Nota : y b/t é a relação entre largura e espessura aplicável à mesa do Perfil, no caso de seções I e H com dupla simetria, b é a metade da largura total. 13

16 2.6 - Força Cortante A força cortante correspondente à plastificação da alma por cisalhamento é dada por: V p l,6 Aw fy (Para Perfis onde a relação p ) V Rd V p l (2.6) a1 Onde: A w d t w Fluxograma Dimensionamento a Flexão Escolher Perfil W ou HP p fy E M rd M pl f yz x a1 p Sim OK - Perfil Aceito Sim p < r Mrd C b a1 Mpl (M pl M ) r l p r l p M pl a1 > r Não I y (d t f )² C w M cr 2 C b E I y 2 a1 L b C w I y 1,39 2 J L b C w M pl a1 Não Escolher Perfil W ou HP Sim OK - Perfil Aceito Observação importante: Após seguir este fluxograma o Perfil deverá ser verificado à cisalhamento Nas tabelas de vãos e cargas consideramos os Perfis travados na mesa comprimida, portanto: L b< L p 1

17 2.8 - Cargas Concentradas Equivalentes As tabelas são também aplicáveis aos casos de vigas simplesmente apoiadas, contidas lateralmente, sujeitas a cargas concentradas. Exceto no caso de pequenos vãos onde a carga admissível é controlada pela força cortante, deve-se entrar na tabela de carga distribuída considerando a soma das cargas concentradas equivalentes mostradas na Tabela 1. Tabela 1 - Cargas Concentradas Equivalentes n Carregamento Coef. Viga Simplesmente Apoiada TABELA DE CARGAS ADMISSÍVEIS P=ql a b c d e f g,125 ****,5 ****,13 1, 1, TVPA 1 2 P a b c d e f g,25 ****,5 ****,21 2,,8 TVPA 2 3 P P a b c d e f g,333 **** 1, ****, TVPA 3 P P P a b c d e f g,5 **** ****,5,,95 TVPA Momento positivo máximo: apl Momento máximo negativo:..... bpl Reação no apoio simples: cp Reação no apoio engastado:..... dp 3 Flecha máxima: epl /EI Carga uniforme equivalente: fp Coeficiente da flecha para carga uniforme equivalente: g Número de espaços iguais no vão da viga:.... n Vão da viga: L 15

18 2.9 - Ações Variáveis (Sobrecargas) As ações variáveis ou sobrecargas são cargas de ocupação, definidas em função de análises estatísticas, cujos valores mínimos, uniformemente distribuídos, são estabelecidos conforme ABNT NBR 612:198. A Tabela 2, mostra as ocupações mais comuns em edifícios. Para outros locais e usos, consultar a referida norma. Tabela 2 - Cargas Acidentais conforme NBR 612 Tipo Local Valores Mínimos 2 kgf/m Edifícios Residenciais Escadas Escritórios Dormitórios, sala, copa, cozinha, banheiro Despensa, área de serviço e lavanderia Com acesso ao público Sem acesso ao público Salas de uso geral e banheiros Lojas Galerias de lojas Lojas com mezaninos 3 5 Restaurantes 3 Garagens e Estacionamentos Veículos de passageiros 3 Escolas Bibliotecas Terraços Salas de aula, corredores Outras salas Salas de leitura Depósito de livros Sem acesso ao público Com acesso ao público Forros Sem acesso a pessoas 5 Obs: As tabelas de pré-dimensionamento dos Perfis Estruturais Gerdau não devem ser usadas para cargas dinâmicas como em vigas de rolamento para pontes rolantes ou sujeitas à fadiga. 16

19 2.1 - Deslocamentos (Flechas) As flechas das vigas listadas podem ser calculadas pela fórmula: Onde: = flecha, cm e = coeficiente conforme Tabela 1 P = carga conforme Tabela 1 L = vão da viga teórico entre apoios ou o dobro do comprimento teórico em balanço, cm 3 L e P E I (2.1) DESCRIÇÃO Travessas de fechamento g Terças de cobertura g Vigas de cobertura Vigas de piso lim L/18 L/12 L/18 L/12 L/25 L/35 Tabela C.1 Deslocamentos máximos da ABNT NBR 88:28 (pág. 117) b c d e f h h b c d e f g h Deslocamento paralelo ao plano de fechamento (entre linhas de tirantes, caso estes existam). Deslocamento perpendicular ao plano de fechamento Considerar apenas as ações variáveis perpendiculares ao plano de fechamento (vento no fechamento) com seu valor característico. Considerar combinações raras de serviço, utilizando-se as ações variáveis de mesmo sentido que o da ação permanente. Considerar apenas as ações variáveis de sentido oposto ao da ação permanente (vento de sucção) com seu valor característico. Deve-se também evitar a ocorrência de empoçamento, com atenção especial aos telhados de pequena declividade. Caso haja paredes de alvenaria sobre ou sob uma viga, solidarizadas com essa viga, o deslocamento vertical também não deve exceder a 15 mm. 17

20

21 3 COLUNAS AXIALMENTE COMPRIMIDAS DE AÇO

22

23 COLUNAS AXIALMENTE COMPRIMIDAS DE AÇO 3.1 Escopo Trabalho elaborado conforme os requisitos da norma ABNT NBR 88:28 (pág. 3), Método dos Estados Limites e outras considerações para o dimensionamento de elementos comprimidos. As tabelas anexas foram preparadas especialmente para os Perfis I e H laminados, duplamente simétricos, ou seja, Perfis Estruturais Gerdau. 3.2 Ações A determinação das ações e suas combinações devem ser feitas de acordo com o método das tensões admissíveis onde as cargas são usadas sem coeficientes de majoração, ou através do método dos estados limites dividindo-se o resultado por Dimensionamento Força Axial de Compressão Resistente de Cálculo A força axial de compressão resistente ao cálculo, Nc,Rd de uma barra, associada aos estados limites últimos de instabilidade por flexão, por torção ou flexo-torção e de flambagem local, deve ser determinada pela expressão: N c,sd N c,rd Q O fator de redução associado à resistência à compressão,, é dado por: A g a1 f y (3.3.1.a) para para : =,658,877 >: = 2 2 (3.3.1.b) Onde é um coeficiente relacionado à curva de dimensionamento à compressão e é o índice de esbeltez reduzido. Q Ag fy N e (3.3.1.c) Valores de Força Axial de Flambagem Elástica Pela ABNT NBR 88:28 (Anexo E pág. 121), a força axial de flambagem elástica, N de uma e barra com seção transversal duplamente simétrica é dada por: a) Flambagem por flexão em relação ao eixo central de inércia x da seção transversal: N ex 2 E I x ( Kx L x )² (3.3.2.a) 21

24 b) Flambagem por flexão em relação ao eixo central de inércia y da seção transversal: N ey 2 E I y 2 ( k y L y ) (3.3.2.b) c) Flambagem por flexo-torção em relação ao eixo longitudinal z: N ez 1 2 r 2 E C w 2 k z L z ) ( G J (3.3.2.c) Onde: k.l x x = comprimento de flambagem por flexão em relação ao eixo x (o coeficiente de flambagem K x é dado em ABNT NBR 88:28 - E.2.1 pág. 12) k y.l y = comprimento de flambagem por flexão em relação ao eixo y (o coeficiente de flambagem K Y é dado em ABNT NBR 88:28 - E.2.1 pág. 12) k z.l z = comprimento de flambagem por torção (o coeficiente de flambagem Kz é dado em ABNT NBR 88:28 - E.2.2 pág. 125) r = raio de giração polar da seção bruta em relação ao centro de cisalhamento, dado por: Onde: r o ( r x² + r y² + x o² + y o² ) (3.3.2.d) r e r são os raios de giração em relação aos eixos centrais x e y, respectivamente, e x e y são as x y coordenadas do centro de cisalhamento na direção dos eixos centrais x e y, respectivamente, em relação ao centro geométrico da seção Comprimento Efetivo de Flambagem e Índice de Esbeltez A determinação do comprimento efetivo de flambagem do elemento comprimido através do fator K deve ser feita de acordo com a seção E2 do anexo E da ABNT NBR 88:28 (pág. 121). Na determinação do índice de esbeltez de um elemento comprimido carregado axialmente deve ser levado em conta o comprimento efetivo KL e o correspondente raio de giração r da seção Limites do Índice de Esbeltez Para elementos cujo dimensionamento é baseado na força de compressão, o índice de esbeltez KL/r não deve ultrapassar 2. 22

25 Fluxograma Dimensionamento à Compressão RESISTÊNCIA À FLAMBAGEM POR COMPRESSÃO DE BARRAS SEM COMPONENTES ESBELTOS Quando as relações b/t e h/t w de todos elementos comprimidos da seção forem inferiores a r e p seção é compacta e nesse caso Q = 1, ESCOLHER PERFIL KL r y 2 NÃO SIM NÃO NÃO = b t r SIM = h t w r SIM = A g N f e y N ey = 2 pe I K y L y y 2 SIM FLAMBAGEM POR FLEXÃO? SIM p NÃO NÃO NÃO NÃO FLAMBAGEM POR FLEXO TORÇÃO? SIM,877 f =,658 c = c 2 2 y SIM r = x + y + Ix+ I A g y N c,rd = ca g fy g a1 N = ez 2 1 pe C + G J K L r 2 z SIM w 2 z 23

26

27 TABELAS DE PRÉ-DIMENSIONAMENTO

28

29 TABELAS DE PRÉ-DIMENSIONAMENTO.1 - Tabela TCPA Na tabela TCPA estão listados os valores de resistência de cálculo à compressão axial dos Perfis Estruturais Gerdau, tipos I e H. Os valores tabelados correspondem ao aço ASTM A572 Grau 5, com limite de escoamento f = 5 tf/cm² (35 MPa), lembramos que os valores são de serviço. y TCPA - Colunas axialmente carregadas.2 - Tabelas TVPA-1 a TVPA- Nas tabelas TVPA-1 a TVPA- estão listadas as características geométricas e de cálculo para verificação de vigas submetidas a flexão, dos Perfis Estruturais Gerdau, tipos I e H. TVPA 1 - Vigas com carga uniformemente distribuída TVPA 2 - Vigas com uma carga concentrada no 1/2 vão TVPA 3 - Vigas com duas cargas concentradas no 1/3 vão TVPA - Vigas com três cargas concentradas no 1/ vão 27

30

31 TCPA COLUNAS AXIALMENTE CARREGADAS W 15 PERFIL W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 2 (H) W 15 x 2, W 15 x 29,8 (H) W 15 x 3 (H) MASSA kg/m 13, 18, 2 2, 29, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q 16, ,57 1, , , 29, , ,6 1, , , 38, ,72 1, , J (cm ) C (cm 6 w )

32 W 2 PERFIL W 2 x 15, W 2 x 1 W 2 x 2 W 2 x 26,6 W 2 x 3 W 2 x 3 (H) W 2 x (H) MASSA kg/m 15, , EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I (cm y ) r (cm) y r (cm) o Q J (cm ) 6 C w (cm ) 19, , , ,6 1,, , ,66 1, , ,26 1, 7, ,2 1, , ,59 1, ,68 1,

33 W 2 x (H) W 2 x 52, (H) HP 2 x 53, (H) W 2 x 59, (H) W 2 x 71, (H) W 2 x 86, (H) PERFIL 52, 53, 59, 71, 86, MASSA kg/m EIXO X-X EIXO Y-Y COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) , , 66, , , 68, , ,88 1, 76, 61 8, , 91, 766 9, , , , ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I (cm y ) r (cm) y r (cm) o Q , J (cm ) C (cm 6 w ) 31

34 W 25 PERFIL W 25 x 1 W 25 x 2 W 25 x 2 W 25 x 28, W 25 x 3 W 25 x 38,5 W 25 x,8 MASSA kg/m , 3 38,5, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I (cm y ) r (cm) y r (cm) o Q , ,93 28, , , 36, , , 9, , 57, , J (cm ) 7 7,6 17, C w (cm )

35 W 25 x 62, (H) W 25 x 73, (H) W 25 x 8, (H) HP 25 x 85, (H) W 25 x 89, (H) W 25 x 11, (H) W 25 x 115, (H) PERFIL 62, 73, 8, 85, 89, 11, 115, MASSA kg/m EIXO X-X EIXO Y-Y COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) , , , , , 18, , ,52 1 1, ,57 1 1, , , ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I (cm y ) r (cm) y r (cm) o Q , , , J (cm ) 6 C w (cm ) 33

36 W 31 PERFIL W 31 x 21, W 31 x 2 W 31 x 2 W 31 x 3 W 31 x 3 W 31 x W 31 x 52, MASSA kg/m 21, , EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q 27, , , 1,9 36, , 15, , 3 17,96 9, , 2 18,9 57, , 7 17,97 67, , , J (cm ) 7 5 8, ,9 31 C (cm 6 w )

37 HP 31 x 79, (H) HP 31 x 93, (H) W 31 x 97, (H) W 31 x 97, (H) HP 31 x 17, (H) W 31 x 117, (H) HP 31 x 125, (H) PERFIL 79, 93, 97, 17, 11, 117, 125, MASSA kg/m EIXO X-X EIXO Y-Y COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) , , , 119, , , ,68 15,7 1, ,72 15,5 1, 11, , , 19, , , 159, ,5 1 1, ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q , J (cm ) C (cm 6 w ) 35

38 W 36 PERFIL W 36 x 3 W 36 x 39, W 36 x W 36 x 51, W 36 x 58, W 36 x 6, W 36 x 72, MASSA kg/m 3 39,, 51, 5 5, 72, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I (cm x ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q , ,93 57, ,95 6, , , ,3, ,8 1885,8 15,56, ,86 21,8 13 1, J (cm ) 9, , C w (cm )

39 W 36 x 79, W 36 x 91, (H) W 36 x 11, (H) W 36 x 11, (H) W 36 x 122, (H) PERFIL 79, 91, 11, 11, 122, MASSA kg/m EIXO X-X EIXO Y-Y COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) , , , 129, ,52 1, ,6 1, ,59 1, ÁREA (cm²) I (cm x ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q J (cm ) 6 C w (cm ) 37

40 W 1 PERFIL W 1 x 3 W 1 x W 1 x 53, W 1 x 6, W 1 x 67, W 1 x 75, W 1 x 85, MASSA kg/m 3 53, 6, 67, 75, 85, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q ,87 59, ,5,9 68, , ,99, ,3,9 86, , , 17,38, , ,5,99 18, ,7 18,8 15 1, J (cm ) , ,8 C (cm 6 w )

41 W 6 PERFIL W 6 x 52, W 6 x 6, W 6 x 68, W 6 x 7, W 6 x 82, W 6 x 89, W 6 x 97, W 6 x 16, MASSA kg/m 52, 6, 68, 7, 82, 89, 97, 16, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q , ,63,9 87, , , ,23, ,22 11, ,98 293,28 19,6, ,51 1, , ,52 1, J (cm ) , ,5 18,19 C (cm 6 w )

42 W 53 PERFIL W 53 x 66, W 53 x 72, W 53 x 7, W 53 x 82, W 53 x 85, W 53 x 92, W 53 x 11, W 53 x 19, MASSA kg/m 66, 72, 7, 82, 85, 92, 11, 19, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q , ,2 21, , ,1 29,9 17, ,92 117, ,93 13, ,95 139, ,97 J (cm ) , , C (cm 6 w )

43 W 61 PERFIL W 61 x 11, W 61 x 113, W 61 x 125, W 61 x 1, W 61 x 155, W 61 x 17, MASSA kg/m 11, 113, 125, 1, 155, 17, EIXO X-X COMPRIMENTO EFETIVO DE FLAMBAGEM - KL (mm) EIXO Y-Y ÁREA (cm²) I x (cm ) r (cm) x I y (cm ) r (cm) y r (cm) o Q , ,86 21, , , ,56,96 198, , ,38 26,62, ,5 21,98 J (cm ) ,5 159, C (cm 6 w )

44 CARGA TOTAL DE CÁLCULO UNIFORMEMENTE DISTRIBUÍDA Q (t) Tabela de Bitolas Perfis W e HP Travamento contínuo na mesa superior K=8 BITOLA P.P. kg/m 13, 18, 2 15, 2, 1 29, , , 28, , 52, 2 38,5 59, 3,8 71, , 86, 39, 73, 52,, 85, 8, 3 51, 89, 5 79, 11, 6, 53, 115, 93, 72, 52, 6, 97, 79, 11, 67, 17, 6, 91, 125, 117, 75, 68, 11, 85, 11, 7, 66, 122, 82, 72, 7, 89, 97, 82, 85, 16, 92, 11, 19, 11, 113, 125, 1, 155, 17, MRD t.m , ,5 7,7 8 6,97 6 8, , , , , , , ,9 36,97 27,2 33, , ,6 38, 36,52 37, , ,27 77,31 87, QVRD VÃO LIVRE ( mm ) t W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 2 (H) W 2 x 15, W 15 x 2, W 2 x 1 W 15 x 29,8 (H) W 2 x 2 W 15 x 3 (H) W 25 x 1 W 2 x 26,6 W 25 x 2 W 2 x 3 W 2 x 3 (H) W 25 x 2 W 31 x 21, W 25 x 28, W 2 x (H) W 31 x 2 W 2 x (H) W 25 x 3 HP 2 x 53, (H) W 2 x 52, (H) W 31 x 2 W 25 x 38,5 W 2 x 59, (H) W 31 x 3 W 25 x,8 W 2 x 71, (H) W 36 x 3 W 31 x 3 HP 25 x 62, (H) W 2 x 86, (H) W 31 x W 36 x 39, W 25 x 73, (H) W 31 x 52, W 36 x HP 25 x 85, (H) W 25 x 8, (H) W 1 x 3 W 36 x 51, W 25 x 89, (H) W 1 x W 36 x 58, HP 31 x 79, (H) W 25 x 11, (H) W 36 x 6, W 1 x 53, W 25 x 115, (H) HP 31 x 93, (H) W 36 x 72, W 6 x 52, W 1 x 6, W 31 x 97, (H) W 36 x 79, HP 31 x 11, (H) W 1 x 67, W 31 x 17, (H) W 6 x 6, W 36 x 91, (H) HP 31 x 125, (H) W 31 x 117, (H) W 1 x 75, W 6 x 68, W 36 x 11, (H) W 1 x 85, W 36 x 11, (H) W 6 x 7, W 53 x 66, W 36 x 122, (H) W 6 x 82, W 53 x 72, W 53 x 7, W 6 x 89, W 6 x 97, W 53 x 82, W 53 x 85, W 6 x 16, W 53 x 92, W 53 x 11, W 53 x 19, W 61 x 11, W 61 x 113, W 61 x 125, W 61 x 1, W 61 x 155, W 61 x 17, 16 2, , , , , , , ,65 57,2 63 6, , , ,6 9, , , , , , , ,62 138, , , ,1 3 28, , 6 5 7,7 5 57, 5 5 9,6 7 79,7 57, 6 66,5 67, ,1 9, ,6 8 9, 86,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, ,6 2 29,1 3 28, , 6 5 7,7 5 57, 5 5 9,6 7 79,7 57, 6 66,5 67, ,1 9, ,6 8 9, 86,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, 15,5 19, 16,3 22, 2 27, ,8 3 3, , , ,6 7 79,7 57, 6 66,5 67, ,1 9, ,6 8 9, 86,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, , , 2, 29,8 37, 2 3 6, 3, 5 9,6 6 79,7 57, 5 66,5 65, , 78,1 9, , ,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, 6,3 1 9, ,5 15, 1, ,5 2 29,9 2 33, 28, ,6 9,7 6 7, ,2 7 59, , , , 9 86, , , , 1 16, , 22 21,2 238, 7,7 9,5 8, , , 17,3 1 19,8 2 18, , 3 3,2 5 39, ,5 1, 5, 68, 9, ,5 8 76,3 7 6,9 6 8,2 79, ,1 1 8, , , ,9 158, 16 18, 21, 22 21,2 238, 6,6 8,1 7, 9, 9, 1 1 1, , 1,8 1 17, ,2 19, , , , , ,2 7,8 68, 81, , ,9 8 98, 79, 7,2 18, , 9 1,2 98, ,3 199, 21,2 238, 13, 1 1 1, ,8 18, , ,8 29,6 2,8 35, 3 5, 37, 3 5, 5 7,6 66,3 57, 5 5, 65, 59, , , , 6 9, 76, ,7 9 11, 118, , , 198, 22, 6,3 5, 7,2 7, 9,1 1 7,7 9, , , 1 19, ,5 2 27, 3 26, , 27, ,2 5 38,9 58,9, 58, 5 6 5, 6 62, ,8 6, , ,9 7 77,7 88,5 87,3 97, , ,8 6,5 6,3 8,1 7, 6, ,7 1 1,8 11, 16,3 1,2 1 18, , , 3 36, 2 29,8 29, , 3 5 5,5 3 39,9 5 7,7 5 58, , 9, , 58,1 6, ,5 69,8 79,6 78, , ,9 158,1 179,2, 7, 6,3 8, 8, 1 1 1, 1,8 1 16, ,5 19, , 16,5 18,5 2 29,5 2 29, , 3 7, , 59, 5 56,9 5 62, 5, 7, 68, 55, 5 5 6,9 66, ,7 86,

45 6 65 VÃO LIVRE ( mm ) L b I x cm cm BITOLA, 5, 8,5 7,7 7,3 8,5 8, 9,8 1 9, , ,6 22, 1 16,9 26,9 19,6 18, 27, 2 2 3, 29,9 2, , , 37,7 35, 3 39,6 37,6 3 6,3 5, , 6 9,9 5 56,9 58, , 7 8, , ,,8 8,5 9,5 7, 9, 1 8, 1 1 1, 1 16, ,8 18,1 16,9 2,8 2 19,9 27, ,6 3 29,1 2, ,9 36,5 3,8 3 9,7 9,5 38,6 38, 8,, 5 39,7 57,6 6, ,9 67, , ,, 7,2 6,6 7,3 1 1, 1 1 9, , , 17, , 19,8 18, 25,5 25,5 17,3 2 28,6 21, 2 25,5 3 26,9 2,8 37, ,9 3 39,9 3 39,5 6, 3 3,,8 8, 39, ,6 5 8,6 9,6 56, ,3 69,1 78, ,,2 7,3 9,7 7, , 1 1,2 1 17, 12, , 17, ,7 26,6 19, ,9 28,1 2 26,3 3, 3 37,2 29,9 38,6 28, , 3 3 9,7 38, 39,7, 8, ,1 6 6, 73, 8 92, 1,8 11 6,3,2 5, 7,6 6,3 7,2 9, 1, 1 1 8, 1 9, , , 17,2 16, , , , 26, , 3 28, 3 26,5 3, 39, ,5 3 32, 6,5 37, , 9,2 8,6 5, 5 6,3 68, 76,3 8 98,1 11,2, 7,2 8,5 9, 9, , ,2 17, ,5 26,6 22, , ,6 37, 29,2 28,9 36,3 3 39,6 32, 35, , 39, ,2 7 8, ,, 5,5 5,,8 6, 8, 6, 7,7 9,8 7, 1 1 9, ,6 1 1,2 19,6 19,5 1 16,3 22, ,6 25, 19, ,9 2 28, 26, , ,2 3,2 3 37,3 28, , , 5 5 6,6 67,6 76,3 86,9 98,5 6,3 6, 7,2 9,2 9,6 7, 11, , , , 18, 1 15, 1 17,3 18,5 2 19,6 18, 27, 2 22, , , ,7 3 28, ,6 35,5 3 5,5 9,1 5,5 57, , 5, 6, 5, 9,1 6,6 9,7 1 9, , 17, ,6 1, , , 1 19, , 2 28,5 21, 27, ,1 3 27, 25, 3 29,9 28,5 29, , 38,6 6,5 5 6,6 68, 7 8,2,, 5, 7, 6,5 8,6 6,3 9,8 7, 9,2 1 8, 9, 1 1, , 16,5 16, , ,6 2 17,6 1 2,2 19,7 16,9 18,5 2, 2 26, 21, 27, 2, 2 3, 29, , , 2 28, , 36,6 1,,2 5,5 5 57,6 65, 7, 8, 3,,,8 5,,2,8 7, 8,1 6, 7, 1 8, 8,9 1, 9, ,6 13, 1, , 23, 19, ,6 2 21, 2 2, 2 19, 2 28,5 28, 2 22, 27,6 25, 2, 23, 3 27, 2 26,6 29,7 3 31, , 9,1 6 79,9 2, 3,,2, 6, 7, 7,7 8,9 7,6 8,5 1 9, , 19, , , 2 19,1 2 18, , 26,3 2, , 2 29, 29, ,2,2 6,9 5 59,1 67,3 76,3,, 7, 7, 5, 8, 7,2 8,1 9,6 1 9, 1 1 1,2 1,2 9,8 1 16, , 18, , 19, , , , , , 39,5,8 5, 56,5 6 73, W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 2 (H) W 2 x 15, W 15 x 2, W 2 x 1 W 15 x 29,8 (H) W 2 x 2 W 15 x 3 (H) W 25 x 1 W 2 x 26,6 W 25 x 2 W 2 x 3 W 2 x 3 (H) W 25 x 2 W 31 x 21, W 25 x 28, W 2 x (H) W 31 x 2 W 2 x (H) W 25 x 3 HP 2 x 53, (H) W 2 x 52, (H) W 31 x 2 W 25 x 38,5 W 2 x 59, (H) W 31 x 3 W 25 x,8 W 2 x 71, (H) W 36 x 3 W 31 x 3 HP 25 x 62, (H) W 2 x 86, (H) W 31 x W 36 x 39, W 25 x 73, (H) W 31 x 52, W 36 x HP 25 x 85, (H) W 25 x 8, (H) W 1 x 3 W 36 x 51, W 25 x 89, (H) W 1 x W 36 x 58, HP 31 x 79, (H) W 25 x 11, (H) W 36 x 6, W 1 x 53, W 25 x 115, (H) HP 31 x 93, (H) W 36 x 72, W 6 x 52, W 1 x 6, W 31 x 97, (H) W 36 x 79, HP 31 x 11, (H) W 1 x 67, W 31 x 17, (H) W 6 x 6, W 36 x 91, (H) HP 31 x 125, (H) W 31 x 117, (H) W 1 x 75, W 6 x 68, W 36 x 11, (H) W 1 x 85, W 36 x 11, (H) W 6 x 7, W 53 x 66, W 36 x 122, (H) W 6 x 82, W 53 x 72, W 53 x 7, W 6 x 89, W 6 x 97, W 53 x 82, W 53 x 85, W 6 x 16, W 53 x 92, W 53 x 11, W 53 x 19, W 61 x 11, W 61 x 113, W 61 x 125, W 61 x 1, W 61 x 155, W 61 x 17, 3

46 CARGA TOTAL DE CÁLCULO VIGAS COM 1 CARGA CONCENTRADA P1 (t) Tabela de Bitolas Perfis W e HP Travamento contínuo na mesa superior K= BITOLA P.P. kg/m 13, 18, 2 15, 2, 1 29, , , 28, , 52, 2 38,5 59, 3,8 71, , 86, 39, 73, 52,, 85, 8, 3 51, 89, 5 79, 11, 6, 53, 115, 93, 72, 52, 6, 97, 79, 11, 67, 17, 6, 91, 125, 117, 75, 68, 11, 85, 11, 7, 66, 122, 82, 72, 7, 89, 97, 82, 85, 16, 92, 11, 19, 11, 113, 125, 1, 155, 17, MRD t.m , ,5 7,7 8 6,97 6 8, , , , , , , ,9 36,97 27,2 33, , ,6 38, 36,52 37, , ,27 77,31 87, QVRD VÃO LIVRE ( mm ) t W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 2 (H) W 2 x 15, W 15 x 2, W 2 x 1 W 15 x 29,8 (H) W 2 x 2 W 15 x 3 (H) W 25 x 1 W 2 x 26,6 W 25 x 2 W 2 x 3 W 2 x 3 (H) W 25 x 2 W 31 x 21, W 25 x 28, W 2 x (H) W 31 x 2 W 2 x (H) W 25 x 3 HP 2 x 53, (H) W 2 x 52, (H) W 31 x 2 W 25 x 38,5 W 2 x 59, (H) W 31 x 3 W 25 x,8 W 2 x 71, (H) W 36 x 3 W 31 x 3 HP 25 x 62, (H) W 2 x 86, (H) W 31 x W 36 x 39, W 25 x 73, (H) W 31 x 52, W 36 x HP 25 x 85, (H) W 25 x 8, (H) W 1 x 3 W 36 x 51, W 25 x 89, (H) W 1 x W 36 x 58, HP 31 x 79, (H) W 25 x 11, (H) W 36 x 6, W 1 x 53, W 25 x 115, (H) HP 31 x 93, (H) W 36 x 72, W 6 x 52, W 1 x 6, W 31 x 97, (H) W 36 x 79, HP 31 x 11, (H) W 1 x 67, W 31 x 17, (H) W 6 x 6, W 36 x 91, (H) HP 31 x 125, (H) W 31 x 117, (H) W 1 x 75, W 6 x 68, W 36 x 11, (H) W 1 x 85, W 36 x 11, (H) W 6 x 7, W 53 x 66, W 36 x 122, (H) W 6 x 82, W 53 x 72, W 53 x 7, W 6 x 89, W 6 x 97, W 53 x 82, W 53 x 85, W 6 x 16, W 53 x 92, W 53 x 11, W 53 x 19, W 61 x 11, W 61 x 113, W 61 x 125, W 61 x 1, W 61 x 155, W 61 x 17, 16 2, , , , , , , ,65 57,2 63 6, , , ,6 9, , , , , , , ,62 138, , , ,1 3 28, , 6 5 7,7 5 57, 5 5 9,6 7 79,7 57, 6 66,5 67, ,1 9, ,6 8 9, 86,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, , , 2, 29, , 5 9,6 6 79,7 57, 5 66, , , ,5 8, , , , , ,2 16,6 138, , 22 21,2 238, 9,5 11, ,9 2 17,3 16,3 19,9 25, 18,6 27, , 2 36,5 27, ,7 37,2 6,9 6,9 6,6 6 9,7 56,5 77,7 6 58,6 89, 76, ,9 8,2 8, , 9 19, , ,5 1 97, , , 22 21,2 238, 8, 9, , , 2 17,2 2 27, ,8 2 1, 3 3 5, 37,6 5 37, , , 7 56,9 7 5, 7,2 82, ,9 7 86, 69,2 6 9,8 7 73, 75, 8, 9 86, 87,7 1, 98, , , 15 17, 198, 22 6,6 7, 9, 8, ,7 1 15, 1 16,5 1 18, 19,1 1 17, ,1 2 36,5 36,3 2 3, 29, , ,6 5 8, 5 5,5 59, 5 65,5 6 9, , 52, ,3 67, 7 6 8, , , ,9 5,5 6,9 6,3 7, 9, 8,6 8,1 9, , ,3 19,8 18,6 27, , 3, 2, , 38, ,9 7,3 3 9, , ,6 5 57,3 58, 66, , ,8, 7, 5, 8, 9, 7, 6,9 8, , , 19,1 13, 1 17,7 2 17, 1 2 2, 1 26, , , 3 27,3 2 38, ,6 37, 3,2 3, 6, , 9, 39,5 3 5, 3, 8,1 5 9, 5, 57, ,7 79, 88,1 99, , 6,5 7, 6,5 7, 6,9 8, , ,5 1, , , 18, , , , 3 29,9 35, 28, 3 26,9 3, , 3 3 7, ,6 2, 5,5 9,9 9,2 55, 5 6,9 69, 7 87, 99, 11 7, 5, 6,6 9,1 7,6 9,5 1 8,9 1 1, , ,1 15, ,6 2 16, , 29, , 26, , 3 36, 28,1 27,6 3 32, 38, ,3, 38, , 77,2 8 99,7, 6,3,8 7, 5,5 9,1 9, 8,6 8, 1, 1 9, ,3 1, 13, 18,1 18, 1 1 1,8 1 18,1 2 19, , , , ,7 29, 3, 3 36,3 3,2 3 39,8 39,2 7, 8, ,5 79,1 89,6,2,, 5, 5, 7, 8,6 9,8 7,3 9,1 12, 1 1 1, 1, , , ,2 1 2, 19, 16,5 18, ,6 19,5 2 29,5 29, , 2 31, 25, 2 3,2 27,7 2 27,2 33, ,9 3,,

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 3ª Edição 2005 Volume 3 Flávio D Alambert Coordenação Técnica: Rosângela C. Bastos Martins Colaboração: Christiane Mirian Haddad

Leia mais

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL FONTE:AutoFEM Buckling Analysis Buckling = FLAMBAGEM Flambagem em trilho ferroviário (tala de junção) Ensaio em laboratório de

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação Resistência

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem Capítulo 5 Flambagem 5.1 Experiências para entender a flambagem 1) Pegue uma régua escolar de plástico e pressione-a entre dois pontos bem próximos, um a cinco centímetros do outro. Você está simulando

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados em Aço Alvenarias Painéis de Vedação Resistência

Leia mais

SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA DE PONTES RODOVIÁRIAS DANIEL CARLOS TAISSUM CARDOSO

SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA DE PONTES RODOVIÁRIAS DANIEL CARLOS TAISSUM CARDOSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas SOLUÇÕES EM VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO PARA O PROJETO DA SUPERESTRUTURA

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS Travamentos e Contraventamentos Estruturas de Coberturas Elementos Principais vencem o vão Elementos Secundários Exemplo: Planta geral da cobertura Planta da cobertura

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 24 2 Revisão Bibliográfica 2.1.Introdução Neste capítulo são apresentados detalhes e alternativas para desenvolver este tipo de projeto e, ao mesmo tempo, a terminologia usada neles. De acordo com o Manual

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Civil Núcleo Temático: Estruturas Disciplina: Estruturas de Madeira Professor(es): DRT: Código da Disciplina: 15016765 Etapa: 6 a etapa Celso

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GRAZIELA SCARPARI ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO CRICIÚMA, JUNHO

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra.

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra. Teoria das dobras Eng Josemairon Prado Pereira I. INTRODUÇÃO A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras. No caso do aço é a proteção da chapa lisa através

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO ÁBACOS PARA PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE VIGAS I LAMINADAS DE

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo 1 INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo Galpões são construções em aço geralmente de um único pavimento constituídos de sistemas estruturais compostos por pórticos regularmente espaçados, com cobertura superior apoiada

Leia mais

Esforços axiais e tensões normais

Esforços axiais e tensões normais Esforços axiais e tensões normais (Ref.: Beer & Johnston, Resistência dos Materiais, ª ed., Makron) Considere a estrutura abaixo, construída em barras de aço AB e BC, unidas por ligações articuladas nas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Flambagem de Colunas Introdução

Flambagem de Colunas Introdução - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Flambagem de Colunas Introdução Os sistemas

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS OBJETIVOS O aluno será capaz de determinar os esforços solicitantes em estruturas metálicas, e de dimensionar as principais peças estruturais em aço de acordo com

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

FLAMBAGEM DE BARRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA

FLAMBAGEM DE BARRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas FLAMBAGEM DE BARRAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA JUNHO DE 006 1 - Introdução...3 - Conceito

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA

ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA MOACYR MOLINARI perito engenheiro L A U D O P E R I C I A L ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua 1, Curitiba-PR,

Leia mais

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio 09-14 Estruturas compostas por perfis formados a frio Dimensionamento pelo método das larguras efetivas e aplicação conforme ABNT NBR 1476:010 e ABNT NBR 6355:01 ESTRUTURAS COMPOSTAS POR PERFIS FORMADOS

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 Rafael de Amorim Salgado Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus Kerkhoff Guanabara DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

TABELAS DE VÃOS E CARGAS

TABELAS DE VÃOS E CARGAS Flávio D'Alambert Ivan Lippi ÍNDICE 1. NOTAÇÕES E UNIDADES 4. VIGAS SIMPLES CONTIDAS LATERALMENTE.1. ESCOPO 5.. AÇÕES 5.3. VIGAS DE AÇO 5.4. CARGAS ADMISSÍVEIS EM VIGAS 6.5. TENSÃO ADMISSÍVEL PARA FLEXÃO

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO, DAS ESTRUTURAS DE AÇO PARA COBERTURAS DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE SORRISO-MT

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO, DAS ESTRUTURAS DE AÇO PARA COBERTURAS DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE SORRISO-MT MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO, DAS ESTRUTURAS DE AÇO PARA COBERTURAS DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE SORRISO-MT CUIABÁ-MT AGOSTO/11 Características gerais As estruturas e aço para as coberturas das Prootorias

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Dr. Pedro C. G. S. Vellasco, MSc; PhD; DIC. Professor Adjunto, Instituto Politécnico, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ,

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME I GALPÕES PARA USOS GERAIS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA, tem a satisfação

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

Concepção Estrutural de Edifícios

Concepção Estrutural de Edifícios de maneira geral, uma construção é concebida para atender a determinadas finalidades. a sua implantação envolve a utilização dos mais diversos materiais: o concreto armado, as alvenarias de tijolos ou

Leia mais

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES No item 4.2.3. 1.C da NB-1 alerta-se que nas lajes (e vigas) deve-se limitar as flechas das estruturas. No caso das lajes maciças, (nosso caso), será

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO ISSN 1809-5860 CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO Marcela de Arruda Fabrizzi 1 & Roberto Martins Gonçalves 2

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais 02/06/2014 Pré--Dimensionamento Pré Estacas: elementos utilizados quando o solo tem boa capacidade de suporte apenas a grandes profundidades e precisa suportar cargas pequenas a médias; Prof. Dr. Rafael

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS Vão Vão livre (l0): Distância entre as faces dos apoios ou da etremidade livre até a face do apoio. Vão teórico (l): Distância entre os centros dos apoio. Em laje isolada:

Leia mais

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS"

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS RACKS ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS" Vinícius O. Faria viniciusjacks@yahoo.com.br Universidade Federal de Ouro Preto Arlene M. Sarmanho Freitas

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12 01 de 12 ESTANTES METÁLICAS - Componentes Cantoneiras Perfuradas: Tipo N3, produzidas em aço estrutural de média resistência. As cantoneiras podem ser fornecidas em comprimentos múltiplos de 40 mm. 35

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Galpões

Estruturas Metálicas. Módulo V. Galpões Estruturas Metálicas Módulo V Galpões APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - GALPÕES Introdução Os edifícios constituem no tipo mais comum de estrutura existente. Seja para abrigar atividades comerciais, seja para formar

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Vigas em Flexão Simples DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj

ESTRUTURAS METÁLICAS. Vigas em Flexão Simples DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Vigas em Flexão Simples Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj 1 Peças em

Leia mais

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355 Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 1476 e NBR 6355 DMENSONAMENTO DE PERFS FORMADOS A FRO CONFORME NBR 1476 e NBR 6355 Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Steel frame - cobertura (última parte)

Steel frame - cobertura (última parte) Página 1 de 8 Steel frame - cobertura (última parte) A cobertura destina-se a proteger as edificações da ação das intempéries. Pode ser vista também como um dos elementos de importância estética do projeto,

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA COBERTURA DE UM POSTO DE COMBUSTÍVEL

DIMENSIONAMENTO DA COBERTURA DE UM POSTO DE COMBUSTÍVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CENTRO TECNOLÓGICO CTC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV MARCUS CORTINHAS DE CARVALHO DIMENSIONAMENTO DA COBERTURA DE UM POSTO DE COMBUSTÍVEL Florianópolis

Leia mais

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME IV EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais