REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL"

Transcrição

1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES - MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE RODOVIA : BR-11/RN TRECHO : Av. Tomaz Landim, km 83,59 e km 82,83 SUBTRECHO : Entr. RN-16 (p/ São Gonçalo do Amarante) SEGMENTO : km 83,4 ao km 85,1 e km 81,4 ao km 83,4 CÓDIGOS PNV : 11BRN8 e 11BRN75 PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA CONSTRUÇÃO DE PASSARELAS PARA PEDESTRES SOBRE A BR-11/RN, NOS Km 83,59 E Km 82,83, SOBRE A AVENIDA TOMAZ LANDIM, BAIRRO DE IGAPÓ. VOLUME 3B MEMÓRIA DE CÁLCULO DAS ESTRUTURAS RECIFE/PE MARÇO/212

2 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES - MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE RODOVIA : BR-11/RN TRECHO : Av. Tomaz Landim, km 83,59 e km 82,83 SUBTRECHO : Entr. RN-16 (p/ São Gonçalo do Amarante) SEGMENTO : km 83,4 ao km 85,1 e km 81,4 ao km 83,4 CÓDIGOS PNV : 11BRN8 e 11BRN75 PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA CONSTRUÇÃO DE PASSARELAS PARA PEDESTRES SOBRE A BR-11/RN, NOS km 83,59 E km 82,83, SOBRE A AVENIDA TOMAZ LANDIM, BAIRRO DE IGAPÓ. VOLUME 3B MEMÓRIA DE CÁLCULO DAS ESTRUTURAS - Supervisão : Diretoria de Planejamento e Pesquisa - Coordenação : Coordenação Geral de Desenvolvimento e Projetos / Coordenação de Projetos - Fiscalização : Superintendência Regional no Estado do Rio Grande do Norte - Elaboração : Maia Melo Engenharia Ltda - Contrato : Processo : / Edital : TP416/29-14 RECIFE/PE MARÇO/212

3 873-BR11RN-Projexec-RB-V3B.Rel Índice

4 Índice 1. Apresentação 4 2. Mapa de Situação 7 3. Memória de Cálculo das Obras de Artes Especiais 9 4. Cálculo Estruturais 4.1 Cálculo da Passarela Metálica sobre a BR-11-RN Características Geométricos Programa de Cálculo Carregamentos Verificação das Placas de Piso e Cobertura Verificação dos Elementos das Treliças Cálculo de Pilar Calculo do Consolo do Pilar como Viga Cálculos dos Blocos Sobre Estacas Calculo da Capacidade de Carga nas Estacas Verificação do Neoprene Memória de Cálculo da Passarela em estrutura de Concreto Armado Estaiada para Travessia da BR-11/RN Características Geométricas Programa de Cálculo Carregamentos Esforço Solicitantes Dimensionamento da Armadura Longitudinal da Viga/Laje Dimensionamento da Armadura Transversal Verificação da Flecha Dimensionamento da Transversina Verificação da Secreção Transversal Cálculo dos Pilares Dimensionamento da Torre Cálculos dos Blocos Rampa Rampa Neoprene 14

5 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL 1. Apresentação

6 4 1.1 Introdução A Maia Melo Engenharia Ltda., empresa de consultoria sediada à Rua General Joaquim Inácio n o 136, Ilha do Leite, Recife-PE, fone (81) , fax (81) , inscrita no CNPJ sob o n o /1-51, apresenta ao Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes - DNIT, o Projeto Executivo, referente a Elaboração de Projeto Básico e Executivo de Engenharia para a construção de duas passarelas na rodovia BR-11/RN. O instrumento contratual, que tem como objetivo a elaboração dos referidos estudo e projeto, tem as seguintes características: Edital de Tomada de Preços : 416/29-14 Contrato : Data da Ordem de Serviço : 4/2/21 Data da Assinatura do Contrato : 18/1/21 Data da Proposta : 2/11/29 Processo : /28-34 Objeto : Elaboração de Projeto Básico e Executivo de Engenharia para a construção de duas passarelas na rodovia BR-11/RN. Rodovia : BR-11/RN Trecho : Av. Tomaz Landim, Km 83,59 e Km 82,83 Subtrecho : Entr. RN-16 (P/ São Gonçalo do Amarante) Segmento : Km 83,4 ao Km 85,1 e Km 81,4 ao Km 83,4 Códigos PNV : 11BRN8 e 11BRN BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL.DOC

7 5 1.2 Volumes Componentes Esta edição é composta dos volumes discriminados a seguir: Volume 1 - Relatório do Projeto Básico Volume 2 - Projetos para Execução Volume 3 - Memória Justificativa Volume 3B - Memória de Cálculo das Estruturas Volume 4 - Orçamento Plano de Execução da Obra O conteúdo de cada volume é descrito a seguir: Volume 1 Relatório e Memória Justificativa do Projeto Básico Este volume reúne todas as metodologias que possibilitaram a definição das soluções a serem adotadas para os diversos itens de serviços. Apresenta, também, todos os estudos realizados que, de alguma forma, orientaram as tomadas de decisões com relação às soluções adotadas. Apresentado no tamanho A4. Volume 2 - Projetos para Execução Este volume contém as plantas, listagem de serviços, projetos-tipo, seções transversais e demais informações de interesse para a execução do Projeto. É apresentado em tamanho A3. Volume 3 - Memória Justificativa Este volume reúne todas as metodologias que possibilitaram a definição das soluções a serem adotadas para os diversos itens de serviços. Apresenta, também, todos os estudos realizados que, de alguma forma, orientaram as tomadas de decisões com relação às soluções adotadas. É apresentado no formato A4. Volume 3B - Memória de Cálculo das Estruturas Este volume apresenta todos os cálculos necessários à perfeita definição das estruturas a executar. É apresentado no formato A4. Volume 4 Orçamento da Obra/ Plano de Execução da Obra/ Critérios de Medição Este volume apresenta o demonstrativo de quantidades, distâncias médias de transportes, consumo de materiais, plano de execução da obra, resumo dos preços, o demonstrativo do orçamento e as composições de preços unitários, elaboradas com base na metodologia vigente no Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte - DNIT, como também, o Plano de Execução da Obra. É apresentado no formato A BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL

8 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL 2. Mapa de Situação

9 873-BR11RN-MINPROJEXEC-V1-MS 7 Rio Grande do Norte N O L S MAIA MELO ENGENHARIA MAPA DE SITUAÇÃO

10 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL 3. Memória de Cálculo das Obras de Arte Especiais

11 9 3.1 Considerações Iniciais Para Travessia da BR-11/RN, serão executadas 2 passarelas: Uma com superestrutura em estrutura metálica, tipo chapa dobrada, para transposição de pedestres sobre a rodovia BR-11/RN no km 292,8, composta de treliça hiperestática com um vão central de 4,45m, 24,m e 21,m de comprimento e 2,1m de largura, rampas com quatro vãos de 13,75m e patamar de 2,m, sua Mesoestrutura é composta por quatro pilares únicos suportando a estrutura metálica mais dois pórticos mistos, pilares em concreto e viga em perfil soldado, em cada rampa. Quanto à infraestrutura compõe-se de blocos de concreto armado sobre estacas raízes de 16mm de diâmetro. A outra em estrutura de concreto armado estaiada para travessia da BR-11/RN, com comprimento de 58,m, uma rampa de 24,m e um aterro de 14,m e largura de 2,m. Os estais adotados foram barras dywidag de 32mm de diâmetro emendados por luvas e ancorados na torre e nas transversinas das lajes, sustentando a superestrutura. A superestrutura é composta por um vão de 4,m e outro de 11,m, laje de 5cm de espessura e transversinas de 6 x 5cm 2 a fim de ancorar os cabos e servir de apoio. Os pilares foram divididos em pilar da torre com 1x1cm 2, pilar extremo de 4x1cm 2. NBR-7188/84 - Carga móvel em Ponte Rodoviária e Passarela de pedestre 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL

12 1 Materiais empregados Passarela Metálica Aço estrutural: Dywidag ST 85/15 fyk = 845MPa Aço doce: CA-5 fyk = 5MPa Concreto: Torre, lajes, pilares e vigas fck = 3MPa Blocos fck = 2MPa Passarela em concreto Armado Estaida Aço estrutural: Dywidag ST 85/15 f yk = 845MPa Aço doce: CA-5 fyk = 5MPa Concreto: Torre, lajes, pilares e vigas fck = 3MPa Blocosfck = fck 2MPa Bibliografia Passarela Metálica NBR 6118/23, NBR 7188/1984 Estruturas de Aço Walter e Michele Pfeil Projeto de Perfis de Aço de Chapa Dobrada José Humberto Matias Fundamentos da técnica de armar P. B. Fusco Técnicas de armar as estruturas de concreto P. B. Fusco Concreto armado Walter Pfeil Manual de Obras de Arte Especiais DNER/1996 Passarela em concreto Armado Estaida NBR 6118/23, NBR 7188/1984 Fundamentos da técnica de armar P. B. Fusco Concreto armado Walter Pfeil Pontes em concreto armado Walter Pfeil Exercícios de fundações Urbano R. Alonso Dimensionamento de fundações profundas Urbano R. Alonso Manual de Obras de Artes Especiais DNER/ BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL

13 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL 4. Cálculo Estruturais

14 873-BR11RN-MINPROJEXEC-RB-V3B.REL 4.1 Passarela Metálica

15 CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS Seção transversal típica Características Geométricas do Modelo de Cálculo Perspectiva

16 14 Em planta A estrutura foi modelada com barras para os elementos metálicos, pilares e estacas e elementos de placa para a laje de piso e cobertura PROGRAMA DE CÁLCULO Para a determinação dos esforços solicitantes será utilizado o software de análise estrutural STRAP (Structural Analysis Program), versão 28. Trata-se de um conjunto de programas destinados a geração da geometria do modelo, composição de cargas e verificação de resultados. Para facilitar a construção de modelos estruturais, o programa está subdividido com relação ao tipo de estrutura em: Frame Plane estruturas planas, Grid grelha, Space estruturas espaciais e Truss-treliças. As etapas de análise de um modelo são as descritas a seguir: 1. Geração da geometria: determinação das propriedades mecânicas das barras e dos elementos; 2. Definição das condições de contorno (rótulas, apoios simples, engastes, etc.); 3. Definição dos carregamentos considerados (peso próprio, sobrecargas, cargas móveis, vento, etc.); 4. Cálculo do modelo; 5. Verificação dos resultados e dos perfis metálicos.

17 15 Propriedades e materiais das barras e elementos: Propriedades das barras

18 16 Propriedades dos elementos CARREGAMENTOS Carregamento Permanente Toda a estrutura metálica e placas pré-moldadas = g1 Revestimento das placas 2cm x 24kg/m 3 = 48kg/m 2 = g Temperatura T = ± 15 C Carregamento móvel Multidão (q): =,5 tf/m Hipóteses para as cargas móveis: 1) Para a carga móvel devido à multidão com impacto, foram consideradas as seguintes hipóteses: a) Em todo o piso da estrutura; b) Apenas na rampa da direita; c) Apenas na rampa da esquerda; d) Apenas na estrutura central;

19 Carregamento devido ao vento V velocidade básica do vento; S 1 Fator topográfico; S 2 Fator que considera a influência da rugosidade do terreno, das dimensões da edificação e de sua altura sobre o terreno; S 3 Fator baseado em conceitos probabilísticos; V k Velocidade características do vento. C a Coeficiente de arrasto. V k = V.S 1.S 2.S 3 para a região em questão V = 3m/s S 1 = 1,; S 2 Classe B =,83 Categoria IV z 1 S 3 =,95; V k = 3 x 1, x,83 x,95 = 23,66 m/s Ca = 1,2 q 2 2 = C a,613 Vk = 1,2,613 23,66 = 41,18kgf/m Combinações de ações Sd = 1,4 Sg + 1,5 Sq + 1,2 S T VERIFICAÇÃO DAS PLACAS DE PISO E COBERTURA - Carregamento Piso Dados: altura da laje = 8cm Carga móvel = 5kgf/m2 Revestimento = 48 kgf/m2

20 CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS Seção transversal típica Características Geométricas do Modelo de Cálculo Perspectiva

21 VERIFICAÇÃO DOS ELEMENTOS DAS TRELIÇAS Esforços axiais x Momentos fletores R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 1 2Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI.1.13.

22 2 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 33 2Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI.2.17.

23 21 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 6 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI

24 22 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 88 2Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI..2.

25 23 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 116 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI W 2x MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ..1.

26 24 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 145 2Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI..1.

27 25 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 177 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#1x5x2# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI.2.16.

28 26 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 26 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI.1.7.

29 27 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 235 2Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI.2.15.

30 28 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 262 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI

31 29 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 36 2Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ..1.1

32 3 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 341 2Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI

33 31 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 37 2Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI W 2x MJ MI W 2x MJ MI W 2x MJ MI W 2x MJ MI

34 32 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 42 2Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ W 2x MJ MI..1.

35 33 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 431 2Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#1x5x2# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI.2.2.

36 34 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 476 2Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ..1.

37 35 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 56 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI

38 36 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 536 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI.3.23.

39 37 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 564 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI..2.

40 38 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 592 2Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI.1.6.

41 39 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 621 2Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ..1.

42 4 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 652 2Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI W 2x MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI..1.

43 41 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 681 2Uef#16x5x2# MI MJ Uef#16x5x2# MI MJ Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ

44 42 R e s u l t a d o s G e r a i s C A P A C I D A D E S Flec Dir Combinada Barr Seção Co L/ Esbl Axial Corta Mom LTB Axial+Mom 719 2Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#16x5x35# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI Uef#1x5x2# MJ MI..3.

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE AUGUSTO CORRÊA C.N.P.J. 04.873.600/0001-15 PRAÇA SÃO MIGUEL Nº 60 CEP: 68610-000. Assunto:

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE AUGUSTO CORRÊA C.N.P.J. 04.873.600/0001-15 PRAÇA SÃO MIGUEL Nº 60 CEP: 68610-000. Assunto: Assunto: MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE PONTE EM CONCRETO ARMADO DE ACESSO A VILA DE PERIMIRIM EM AUGUSTO CORRÊA/PA. 1 MEMORIAL DESCRITIVO OBSERVAÇÕES GERAIS / LOCALIZAÇÃO

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES DETERMINAÇÃO DE ESFORÇOS OS HORIZONTAIS ESFORÇOS ATUANTES NOS PILARES Os pilares estão submetidos a esforços verticais e horizontais. Os esforços verticais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 DADOS DO EMPREENDIMENTO CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO:

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

- LAJES PRÉ-FABRICADAS

- LAJES PRÉ-FABRICADAS - LAJES PRÉ-FABRICADAS Originam-se das lajes nervuradas e das lajes nervuradas mistas, onde, em geral, as peças pré-fabricadas são empregadas para a formação das nervuras. Entre elas, colocam-se elementos

Leia mais

Área1 0,60 Forma1 2,87 Área2 0,47 Forma2 3,09 Dist1 2,90 Dist2 2,00 Dist3 16,00. Volume Concreto Fck = 35 MPa 41,01 m³ Peso de 1 Viga 25,63 Ton

Área1 0,60 Forma1 2,87 Área2 0,47 Forma2 3,09 Dist1 2,90 Dist2 2,00 Dist3 16,00. Volume Concreto Fck = 35 MPa 41,01 m³ Peso de 1 Viga 25,63 Ton AMPLIAÇÃO DA PONTE SOBRE O RIO PONTAL I DADOS: Vão da Ponte: 42,15 m Seção Existente 10,10 m Seção Nova 14,80 m Nº de tramos 2,00 und SUPERESTRUTURA VIGAS LONGARINAS A SEREM IMPLANTADAS (20,90 m) Área1

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA ESPECIAL CENTRO CTU DEPARTAMENTO ESTRUTURAS CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA PONTES (Uso da PROGRAD) *CARGA HORÁRIA Horário da Oferta PERÍODO

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado Escadas Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@gmail.com 1 Terminologia e dimensões

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MUNICÍPIO: INDAIAL PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROJETO: PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA COM BLOCO DE CONCRETO LOCALIZAÇÃO: TRECHO: RUA MINAS GERAIS (EST. 0+00 PP) AO PARQUE MUNICIPAL

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO Aprovada pelo Sr. Superintendente nos autos nº 97.024/DER/1962-5º Provº em

Leia mais

AMPLIAÇÃO DA PONTE SOBRE O RIO PONTAL I DADOS: Vão da Ponte: 42,15 m Seção Existente 10,10 m Seção Nova 14,80 m Nº de tramos 2,00 und SUPERESTRUTURA

AMPLIAÇÃO DA PONTE SOBRE O RIO PONTAL I DADOS: Vão da Ponte: 42,15 m Seção Existente 10,10 m Seção Nova 14,80 m Nº de tramos 2,00 und SUPERESTRUTURA AMPLIAÇÃO DA PONTE SOBRE O RIO PONTAL I DADOS: Vão da Ponte: 42,15 m Seção Existente 10,10 m Seção Nova 14,80 m Nº de tramos 2,00 und SUPERESTRUTURA VIGAS LONGARINAS A SEREM IMPLANTADAS (20,90 m) Área1

Leia mais

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc.

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1 Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Willian de Araujo Rosa Engenheiro Civil UFMS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

Painel dos projetistas

Painel dos projetistas Painel dos projetistas Projetista: Eduardo Barros Millen Empresa: ZAMARION E MILLEN CONSULTORES S/S LTDA. Obra: Galpão 5 do Estaleiro Atlântico Sul Categoria: Galpões 1 OBJETIVO - Apresentação das estruturas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Marcos Roberto de Souza (1), Alexandre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h - 4 h por semana

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h - 4 h por semana UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Ano: 2010 Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h -

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Na mentalidade da empresa, modernizar é elevar a qualidade dos processos e produtos, consequentemente, aumentar sua competitividade no mercado.

Na mentalidade da empresa, modernizar é elevar a qualidade dos processos e produtos, consequentemente, aumentar sua competitividade no mercado. O Grupo Pedra Norte iniciou suas atividades no ano de 2009, e hoje é uma organização formada pelas unidades de negócio Pedreira Pedra Norte, Usina de Asfalto Pedra Norte, Pedra Norte Concreto e Argamassa

Leia mais

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL ANO LETIVO Centro: DE TECNOLOGIA E URBANISMO Departamento: DE ESTRUTURAS 2009 PLANO DE CURSO CÓDIGO NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª SÉRIE CARGA HORÁRIA SEM.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Civil Disciplina: Aeroportos Professor: Núcleo Temático: Geotecnia, Transportes e Urbanismo Código da Disciplina: ENEX00355 DRT: Etapa: 9 a

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 2 TÓPICOS DA PALESTRA 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS DE PROJETO CONCEPÇÃO ESTRUTURAL MATERIAIS E DURABILIDADE

Leia mais

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Introdução A Vale é a empresa que mais investe em logística no Brasil. Ao longo dos anos, temos trabalhado para aprimorar

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009 ANEXO I-D ORÇAMENTO ESTIMATIVO ANALÍTICO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PELOTAS/RS ORÇAMENTO - PLANILHA ANALÍTICA BDI = 19,57% e LS = 176,82% DATA: JULHO/2009 CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE COEF. PREÇO(R$) TOTAL

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

Infra-estrutura de Minas Gerais: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura de Minas Gerais: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco Infra-estrutura de Minas Gerais: Prazo de validade vencido Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos das

Leia mais

SGCE/ 2ª Inspetoria Geral de Controle Externo ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS

SGCE/ 2ª Inspetoria Geral de Controle Externo ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS Órgão / entidade SMO/CGO Coordenadoria Geral de Obras Datas das 11ª e 12ª visitas 06/12/2012 e 05/02/2013 Contrato selecionado Contrato nº 117/2011 Implantação da Transcarioca

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES No item 4.2.3. 1.C da NB-1 alerta-se que nas lajes (e vigas) deve-se limitar as flechas das estruturas. No caso das lajes maciças, (nosso caso), será

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO

ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO ANÁLISE DO LIMITE DO NÚMERO DE PAVIMENTOS EM ESTRUTURAS USUAIS DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO Floor Limit analysis on Multi-storey usual precast concrete framed structures Marcelo Cuadrado

Leia mais

Exemplo de projeto estrutural

Exemplo de projeto estrutural Planta de formas do pavimento tipo Exemplo de projeto estrutural P1-30x30 P2-20x50 P3-30x30 V1 L1 L2 P4-20x50 P5-40x40 P-20x50 V2 Estruturas de Concreto Armado Prof. José Milton de Araújo L3 480 cm 480

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço.

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço. A Utilização do Eurocódigo em Projetos de Alargamento e Reforço de Pontes Rodoviárias de Concreto José Afonso Pereira Vitório 1, Rui Manuel de Menezes e Carneiro de Barros 2 1 Doutor em Estruturas pela

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenharia Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 3 HIPÓTESES DE CÁLCULO) Prof. Estela

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL, DESENVOLVIMENTO URBANO E METROPOLITANO NOTA TÉCNICA AV. INDEPENDÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL, DESENVOLVIMENTO URBANO E METROPOLITANO NOTA TÉCNICA AV. INDEPENDÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL, DESENVOLVIMENTO URBANO E METROPOLITANO NOTA TÉCNICA AV. INDEPENDÊNCIA 2 OBJETO: Implantação de Alça Rodoviária - Rodovia Independência/1ª Etapa JUSTIFICATIVA:

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2003 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0006040A - Sistemas Estruturais II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2003 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0006040A - Sistemas Estruturais II Curso 2003 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0006040A - Sistemas Estruturais II Docente(s) Luttgardes Oliveira Neto Unidade Faculdade de Engenharia Departamento Engenharia Civil

Leia mais

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra.

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. O sistema industrializado de Lajes Mistas Nervuradas da Tuper é composto por vigotas metálicas fabricadas com aço estrutural galvanizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado João Paulo Teixeira Oliveira Rodrigues Fulgêncio 1 Fernando Amorim de Paula 2 Crysthian Purcino Bernardes Azevedo 3 Resumo O emprego de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO PROJETO BÁSICO DE ESTRUTURA METÁLICA DA COBERTURA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE POCONÉ

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO PROJETO BÁSICO DE ESTRUTURA METÁLICA DA COBERTURA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE POCONÉ MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO PROJETO BÁSICO DE ESTRUTURA METÁLICA DA COBERTURA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE POCONÉ Autor: Eng. Civil Alan Toshiaki Sato (Crea-MT MT028846) CUIABÁ MATO GROSSO JULHO - 2015

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES Glauco José de Oliveira Rodrigues Coordenação de Pós Graduação e Pesquisa / Engenharia Civil UNISUAM

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO AMÉRICO CAMPOS FILHO 04 SUMÁRIO Introdução... Escadas com vãos paralelos...

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA ITEM REFER. ESPECIFICAÇÕES UN QUANT P. UNIT. MELHORAMENTO, RECONSTRUÇÃO E REFORMA DO SISTEMA VIÁRIO NO DISTRITO DE ABRANTES. 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.0.1 ORSE 0004 1.0.2 1.1.4.27 1.0.3 SINAPI 12488

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais 02/06/2014 Pré--Dimensionamento Pré Estacas: elementos utilizados quando o solo tem boa capacidade de suporte apenas a grandes profundidades e precisa suportar cargas pequenas a médias; Prof. Dr. Rafael

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL:

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: MEMÓRIA DE CALCULO: OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: Área Anexa ao Ginásio Municipal de Esportes Gerson Luis Milanesi Parapuã. Tipo de Projeto- Construção 54,06 m2 ART. 92221220110130074

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU.

PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU. PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU. Este manual fornece informações úteis para orientá-lo na construção de pisos em concreto armado com carregamento até t/m² ou 8 t/eixo. Para executar

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Coordenação Geral de Infra-Estrutura - CGEST ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ESTRUTURAS METÁLICAS DATA:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO CONCRETO Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. Também é frequente o emprego de aditivos e adições. AGLOMERANTES Os aglomerantes

Leia mais

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 3ª Edição 2005 Volume 3 Flávio D Alambert Coordenação Técnica: Rosângela C. Bastos Martins Colaboração: Christiane Mirian Haddad

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GRAZIELA SCARPARI ESTUDO COMPARATIVO ENTRE VIGAS METÁLICAS E VIGAS MISTAS NO DIMENSIONAMENTO DE UMA EDIFICAÇÃO CRICIÚMA, JUNHO

Leia mais

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON 1.1 - Introdução PACON - Programa Auxiliar para projeto de estruturas de CONcreto - é um software didático, destinado ao cálculo de esforços e dimensionamento de elementos

Leia mais

ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA

ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA MOACYR MOLINARI perito engenheiro L A U D O P E R I C I A L ESTRUTURA DA COBERTURA DA ÁREA DE ABASTECIMENTO DO POSTO MARIANA Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua 1, Curitiba-PR,

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Civil Núcleo Temático: Estruturas Disciplina: Estruturas de Madeira Professor(es): DRT: Código da Disciplina: 15016765 Etapa: 6 a etapa Celso

Leia mais

MUSEU DO AMANHÃ RIO DE JANEIRO

MUSEU DO AMANHÃ RIO DE JANEIRO OBJETIVO A presente apresentação tem o objetivo de descrever as premissas e os critérios para o dimensionamento das estruturas de concreto do Museu do Amanhã. MUSEU DO AMANHÃ RIO DE JANEIRO ESTRUTURA DE

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Forças devidas ao Vento em Edificações Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais