S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S"

Transcrição

1 S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

2 Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta Vãos Máimos Triplos Balanço A SOLUÇÃO DEFINITIVA EM LAJES

3 Steel Deck sem sem Escoramento Escoramento máima máima (kn/m (kn/m))) Por eemplo, suponha que seja necessário projetar uma laje piso, apoiada em vigas aço e submetidas a vãos múltiplos mm. As cargas serviço a atuarem nesta laje serão: 1,0 kn/ m2 revestimento e 4,0 kn/m2 sobrecarga. MF 50, com largura útil 9mm, adotado em edificações urbanas tipo hotéis, hospitais, escritórios, Será feitagaragens a verificação edifícios, e etc.para uma laje com 0 mm altura total concreto (75 mm do Steel Deck e 65 mm cobrimento) com o Steel galvanizado espessura O Steel Deck éefabricado comdeck o açomf-75 especial mm. laje, nãopondo há necessida utilização ASTM A Para 653 esta Grau 40, ser encontrado nas escoramento. porque vão mm, mm écom inferior espessuras Isto mm, o mm e um aos vãos máimos escoramento (duplos ou triplos) comprimento atésem metros, conforme o projeto. relacionados na tabela cargas. O Steel Deck Metform também po ser pintado Após a cura do concreto, a carga sobreposta total acom atuara eletrostaticamente em sua face inferior e constitui acordo na laje mistametálica, será Wd =um 1,0sistema + 4,0 = 5,0 kn/m2. De estrutura construtivo alta com a tabela gran cargas,aplicação para uma na lajeconstrução altura 0 mm eficiência, com centros eumconvenções, vão mm, a resistência da lajecomerciais mista é: shoppings, edifícios e resinciais, hotéis, hospitais, escolas, conjuntos 2 habitacionais,wn garagens mezaninos armazéns, além Wnpara > Wd = 5,51 ekn/m edifícios industriais em geral. Dentre as muitas A laje adotada resiste às cargas aplicadas. vantagens para a construção, stacam-se as seguintes: 4,47 4, 3,45 2,94 2,37 1,77 1,29 5,69 5, 4,51 3,92 2,56 2,00 8, 7,48 6,63 5,88 5, 4, 3,42 4,97 4,48 3,83 3,27 2,63 1,98 1,44 O Steel Deck Metform possui dupla 6,32 5,76 5, 4,36 3,62 função: 2,85 como 2, fôrma 9, 8,31 7,36 6,53 5,59 3,81 para concreto durante a construção e4,61 como armadura 5,46 4,93 4,para 3,60 2,90 2, 1,59 positiva lajes as cargas serviço. O Steel 6,95 6,33 5,51 4,80 3,98 largas, 3, permitindo 2,45 Deck Metform possui nervuras a 9,91 9, 8, 7, 6, 5, 4, utilização conectores cisalhamento stud bolts, o 5,95 5,37 4,60 3,93 3, 2,38 1,73 que possibilita o cálculo vigas e reduz 7,57 6,90 6, 5, 4,35mistas 3,43 2,68o peso da estrutura.,81 9,95 8,82 7,83 6,71 5,54 4,58 A Metform o Steel Deck em dois molos: 6,45 5,82 disponibiliza 4,98 4,26 3,43 2,58 1,88 8, 7,47 75, 6,51 5,67 útil 4,71 3,72 recomendado 2,91 MF com largura 8mm,,70,78 9,55 para 8,49 7,27 6,00 industriais 4,96 empreendimentos e 6,94 6,26 5,37 4,59 3,70 2,78 2, lajes com necessida resis 8,83 8, 7,00 6, 5, 4, 3, tência a6,47 cargas elevadas.,60,60,28 9, 7,83 5,35 7,44 6,71 5,75 4,91 3,96 2,98 2, 9,45 8,62 7,50 6,54 5,44 4,30 3,36,49,43, 9,79 8,39 6,93 5,73 7,93 7, 6, 5, 4, 3, 2,33, 9, 8,00 6,97 5,80 4,59 3,59,38,25,75,44 8,94 7,39 6, alta qualida acabamento da laje; dispensa escoramento e reduz os gastos com sperdício material; Armadura Adicional facilida instalação e maior rapiz construtiva; Steel Deck funciona como plataforma serviço e proteção aos operários que trabalham nos andares inferiores, propiciando maior segurança; apresenta facilida para a passagem dutos das diversas instalações, favorecendo também a fiação forros; Materiais utilizados Basicamente são três os materiais utilizados na confecção lajes mistas com Steel Deck: O Steel Deck aço galvanizado, ASTM A 653 Grau 40 (ZAR- 280) tensão escoamento fy = 280 MPa; O concreto resistência mínima à compressão fck = MPa; Uma armadura em tela soldada, para controle fissuração, tendo uma área mínima 0,1% da área concreto acima do topo do Steel Deck. Concreto Steel Deck Dimensões 8mm 7mm 274mm 274mm 5mm 75mm 4,96 6,25 8,84 5,51 6,94 9,81 6, 7,63,78 6,60 8,32,75 7, 9,,72 7,69 9,69,70 8,,38,67 8,79,,64 Eemplos utilização tabela 5mm 9mm Propriedas físicas - para largura 1.000mm Esp. Final Esp. projeto Altura total (kg/m2) 0,76 0,91 74,98 75, 75,43 9,37,,63 Reações máimas apoio Eterno kn Interno kn 6,76 8,90,62, 29,70 49,53 Módulo Inércia para Área aço Resistência Deformação (mm2) (mm3) (mm4) Centro Gravida 37,49 37,57 37,72

4 Tabela cargas e vão máimos - MF Lajes Piso Lajes Forro Vãos Máimos sem Escoramento AlÍtura Espessura total da Seel Deck Simples Duplos Triplos Balanço laje Próprio (kn/m2) ( mm /m) 1,85 1,86 1,89 2, 2, 2, 2,32 2,33 2,36 2,55 2,57 2,60 2,79 2,80 2,83 3, 3, 3, 3,27 3,30 3,49 3,51 3,54 5,25 5,61 6,26 6,89 7,35 8, 8,85 9,43,49,,87,,85,72,32,93,98,90,45,69,97,43 25,87 28,55 M. Inércia Laje Mista Vãos Máimos Carga sobreposta 9,31,68,43,56,25,64,81,82,,39,31,96,57,54,82, 8,,,45 9,,62,39,33,00,33,42,37,52,75,61,,71,51,81,89 7, 9,,76 8,,,48 9,,44,,,65,91,99,87,63,95,,91,30,88,51 6,28 7,96,31 7, 9,,84 7,98,,36 8,82,,89 9,67,25,41,52,33,94,37,40,,47 5,54 7,, 6,29 8,00,42 7, 8,95,77 7,78 9,90, 8,53,85,49 9,28,80,85,,76,,78,71,57 4,89 6,25 8,97 5,55 7,, 6, 7,94,40 6,88 8,79,61 7,54 9,63,82 8,,48, 8,87,33,25 9,53,,46 4,32 5,55 8, 4,91 6,31 9, 5,50 7,, 6, 7,81,28 6,67 8,57,36 7,26 9,32,45 7,84,,53 8,43,83,62 Especificações Recomenda-se concreto convencional, com resistência a compressão (fck) maior ou igual a MPa (consumo indicado na tabela anea). No capeamento verá ser utilizada armadura nas duas direções a fim evitar fissuras por retração e/ou variações temperatura do concreto. De acordo com as prescrições da NBR-3 esta armadura verá ter área maior ou igual a 0,1% da área do capeamento concreto da laje. Além da armadura retração, verão ser previstas armaduras localizadas (acima vigas principais, no contorno pilares, etc) para evitar possíveis fissuras por tendência continuida da laje sobre os apoios. Todas as armaduras necessárias são indicadas no Manual Técnico Utilização do Steel Deck Metform. Dimensões 9mm 3mm 3mm 2,5mm 50mm 2,5mm 5mm 0mm Consumo concreto - armadura em tela soldada Altura total da laje Consumo Concreto (m3/m2) ,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 Tipo armadura para retração, em tela soldada Denominação Composição (kg/m2) Q - 92 Q - 92 Q - 3 Q - 3 Q ,48 1,48 1,80 1,80 2, 3,82 4,94 7, 4,34 5,61 8, 4,86 6,28 9, 5,38 6,96, 5,90 7,63, 6,42 8,30, 6,95 8,97, 7,47 9,64,00

5 sem Escoramento máima (kn/m2) ,38 4,40 6,44 3,84 5,00 7,31 4,30 5,60 8, 4,76 6, 9, 5, 6,80 9,94 5,69 7,40,82 6, 8,00,69 6,61 8,60,57 2,99 3,92 5,78 3,39 4,45 6,57 3,80 4,99 7,36 4, 5,52 8, 4,62 6, 8,93 5, 6,59 9,72 5,44 7,,51 5,85 7,66,29 2,63 3,49 5, 3,00 3,96 5,90 3,36 4,44 6,61 3,72 4,92 7,32 4, 5,40 8, 4,44 5,88 8,74 4,81 6,35 9,45 5, 6,83, 2,32 3, 4,67 2,64 3,53 5,31 2,96 3,95 5,95 3,28 4,38 6,59 3,60 4,81 7, 3,92 5, 7,86 4, 5,66 8,50 4,56 6, 9, 2, 2,75 4, 2,32 3, 4,77 2,60 3,51 5,35 2,88 3,89 5,92 3, 4,27 6,50 3,44 4,66 7, 3,73 5, 7,65 4, 5,42 8, 1,78 2,44 3,77 2, 2,78 4,29 2,27 3, 4,81 2,52 3,46 5,33 2,77 3,79 5,85 3, 4, 6,37 4,47 6,89 3,51 4,81 7,41 1,54 2, 3,38 1,76 2,46 3,85 1,98 2,76 4,32 2, 3, 4,79 2,41 3,36 5,26 2,63 3,66 5,72 2,84 3,96 6, 3, 4,26 6,66 3, 4, 6, 3,61 4,72 6,93 4, 5,28 7,76 4,48 5,85 8,59 4,91 6,42 9,42 5,35 6,98,25 5,78 7,55, 6, 8,,91 Materiais utilizados Basicamente são três os materiais utilizados na confecção lajes mistas com Steel Deck: O Steel Deck aço galvanizado, ASTM A 653 Grau 40 (ZAR- 280) tensão escoamento fy = 280 MPa; O concreto resistência mínima à compressão fck = MPa; Uma armadura em tela soldada, para controle fissuração, tendo uma área mínima 0,1% da área concreto acima do topo do Steel Deck. Armadura Adicional Concreto Steel Deck Propriedas físicas - para largura 1.000mm Esp. Nominal Esp. projeto 0,76 0,91 Altura total (kg/m2) 52,26 52,41 52,71 8,39 9,97, Reações máimas apoio Eterno kn Interno kn 4,95 6,51,41,67,89 35,43 Módulo Inércia para Área aço Resistência Deformação (mm2) (mm3) (mm4) Centro Gravida 26, 26, 26,36

6 Tabela cargas e vão máimos - MF-75 Lajes Forro Lajes Piso Altura total da laje Espessura Seel Deck Vãos Máimos sem Escoramento Duplos Triplos Simples Balanço Próprio (kn/m 2 ) 2,27 2,28 2,32 2,50 2,52 2,55 2,74 2,75 2,79 2,97 2,99 3, 3, 3, 3,44 3,46 3,50 3,68 3,70 3,73 3,91 3,93 3,97 M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m),66,34,74,,99,68,,,,35,51,90,,44 27, 27,25 28,84 32, 31,92 33,75 37,52 37, 39, 43, ,87,,83,,74,46,28,75,83,,34,63 2.0,56,69,94,71,,79,86,45,,84,,,32,61,47, ,42,38,31,45,63,98,48,87,65,51,,54,36,57,60,60,84,63 8,43,25,88 9,35,37,39,28,49,91,,61,42,,72,94,,84,96,96,88, ,56 9,25,62 8,39,26,00 9,,27,38,,28,76,87,29,,70,30,51,53,32,35,33 6,79 8,36,50 7,54 9,28,76 8,28,, 9,,,28 9,77,,54,52,94,80,26,86,,00,78 Vãos Máimos Carga sobreposta 6, 5,51 7,58 6,88,51 9,63 6,78 6, 8,41 7,64,67,69 7,45 6,72 9, 8,39,82,75 8, 7,32, 9,,97,80 8,80 7,93,91 9,90,,86 9,47 8,53,74,66,28,92, 9,,57,41,43,97,81 9,74,40,,58, Observações Norma utilizada: A tabela cargas foi elaborada seguindo as prescrições do Aneo C da norma NBR-3. próprio: O peso próprio da laje foi terminado consirando-se concreto nsida normal (2.400 Kg/m 3 ). Entretanto, para se computar as cargas sobrepostas à laje, o valor do peso próprio não precisa ser consirado. Armaduras adicionais: Deverá ser especificada uma armadura nas duas direções, a fim evitar possíveis fissuras vido à retração, ou a variações temperatura do concreto. Além da armadura retração, verão ser previstas armaduras localizadas (acima vigas principais, no contorno pilares, etc) para evitar possíveis fissuras vido a tendência continuida da laje sobre os apoios. Escoramento: Caso o vão utilizado seja superior ao vão máimo sem escoramento indicado na tabela cargas, a laje verá ser escorada durante a concretagem. Largura apoio: Os valores recomendados para as larguras apoio são: Steel Deck MF-75: 75mm (apoios eternos) e 0mm (apoios internos); Steel Deck MF-50: 50mm (apoios eternos) e 0mm (apoios internos); caso não seja possível a utilização das larguras apoio consiradas acima o Departamento Técnico da METFORM verá ser consultado. Lajes piso: Para lajes piso, recomenda-se que a altura total concreto seja maior ou igual a 0 mm. Cargas pontuais ou lineares: A tabela cargas foi elaborada para cargas uniformemente distribuídas na superfície da laje. Caso eistam cargas lineares ou pontuais aplicadas diretamente na laje, o Departamento Técnico da Metform verá ser consultado. Situações incêndio: Os valores indicados na tabela cargas corresponm aos carregamentos que pom ser aplicados em temperatura ambiente, ou em situações incêndio com tempos atuação até 30 minutos. Para situações incêndio com tempos atuação superiores a 30 minutos a norma NBR - 3 verá ser consultada, para que as armaduras adicionais sejam consiradas na resistência nominal das lajes. Manual Técnico: A METFORM dispõe um manual técnico dimensionamento e utilização do Steel Deck MF-50/MF-75. Neste manual encontram-se informações talhadas das lajes sobre: cargas concentradas, armaduras adicionais, verificações em situação incêndio e instruções sobre manuseio e montagem dos materiais na obra. Consumo concreto - tipo armadura para retração Altura total da laje Consumo Concreto Tipo armadura para retração, em tela soldada (m 3 /m 2 ) Denominação Composição (kg/m 2 ) 0,25 0,25 0, 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 Q - 92 Q - 3 Q - 3 Q - 8 Q ,48 1,80 1,80 2, 2,

7 sem Escoramento máima (kn/m 2 ). 4,96 4,47 6,25 5,69 8,84 8, 5,51 4,97 6,94 6,32 9,81 9, 6, 5,46 7,63 6,95,78 9,91 6,60 5,95 8,32 7,57,75,81 7, 6,45 9, 8,,72,70 7,69 6,94 9,69 8,83,70,60 8, 7,44,38 9,45,67,49 8,79 7,93,,,64,38 4, 5, 7,48 4,48 5,76 8,31 4,93 6,33 9, 5,37 6,90 9,95 5,82 7,47,78 6,26 8,,60 6,71 8,62,43 7, 9,, ,45 4,51 6,63 3,83 5, 7,36 4, 5,51 8, 4,60 6, 8,82 4,98 6,51 9,55 5,37 7,00,28 5,75 7,50, 6, 8,00,75 2,94 3,92 5,88 3,27 4,36 6,53 3,60 4,80 7, 3,93 5, 7,83 4,26 5,67 8,49 4,59 6, 9, 4,91 6,54 9,79 5, 6,97,44 2,37 5, 2,63 3,62 5,59 2,90 3,98 6, 3, 4,35 6,71 3,43 4,71 7,27 3,70 5, 7,83 3,96 5,44 8,39 4, 5,80 8, ,77 2,56 4, 1,98 2,85 4,61 2, 3, 5, 2,38 3,43 5,54 2,58 3,72 6,00 2,78 4, 6,47 2,98 4,30 6,93 3, 4,59 7,39 1,29 2,00 3,42 1,44 2, 3,81 1,59 2,45 4, 1,73 2,68 4,58 1,88 2,91 4,96 2, 3, 5,35 2, 3,36 5,73 2,33 3,59 6, Eemplos utilização tabela Por eemplo, suponha que seja necessário projetar uma laje piso, apoiada em vigas aço e submetidas a vãos múltiplos mm. As cargas serviço a atuarem nesta laje serão: 1,0 kn/ m2 revestimento e 4,0 kn/m2 sobrecarga. Será feita a verificação para uma laje com 0 mm altura total concreto (75 mm do Steel Deck e 65 mm cobrimento) e com o Steel Deck MF-75 espessura mm. Para esta laje, não há necessida utilização escoramento. Isto porque o vão mm é inferior aos vãos máimos sem escoramento (duplos ou triplos) relacionados na tabela cargas. Após a cura do concreto, a carga sobreposta total a atuar na laje mista será Wd = 1,0 + 4,0 = 5,0 kn/m 2. De acordo com a tabela cargas, para uma laje altura 0 mm e um vão mm, a resistência da laje mista é: Wn = 5,51 kn/m 2 Wn > Wd A laje adotada resiste às cargas aplicadas. Materiais utilizados Basicamente são três os materiais utilizados na confecção lajes mistas com Steel Deck: O Steel Deck aço galvanizado, ASTM A 653 Grau 40 (ZAR- 280) tensão escoamento fy = 280 MPa; O concreto resistência mínima à compressão fck = MPa; Uma armadura em tela soldada, para controle fissuração, tendo uma área mínima 0,1% da área concreto acima do topo do Steel Deck. Dimensões Concreto Armadura Adicional Steel Deck 8mm 7mm 274mm 274mm 5mm 75mm 5mm 9mm Propriedas físicas - para largura 1.000mm Esp. Final Esp. projeto 0,76 0,91 Altura total 74,98 75, 75,43 (kg/m 2 ) 9,37,,63 Reações máimas apoio Eterno kn 6,76 8,90,62 Interno kn, 29,70 49,53 Módulo Resistência (mm 3 ) Inércia para Deformação (mm 4 ) Área aço (mm 2 ) Centro Gravida 37,49 37,57 37,72

8 Unida Betim: Rua Engenheiro Gerhard Ett, CEP.: Distrito Industrial Paulo Camilo - Betim - MG Tel.: (31) Fa.: (31) Unida Taubaté: Rua Roberto Bertoletti, CEP.: Distrito Industrial do Vale do Piracangagua - Taubaté - SP Tel.:() Fa.: () Sistema Gestão da Qualida certificado conforme a Norma ISO 90:00

CATÁLOGO STEEL DECK MBP

CATÁLOGO STEEL DECK MBP CATÁLOGO STEEL DECK MBP LAJES MISTAS STEEL-DECK Uma laje mista é um elemento estrutural composto por uma chapa perfilada sobre o qual é adicionado concreto. Após a cura do concreto os dois materiais funcionam

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Estacas-Prancha Metálicas. Seções GU

Estacas-Prancha Metálicas. Seções GU Estacas-Prancha Metálicas Seções GU Estacas-prancha laminadas a quente ArcelorMittal opera dois laminadores produzindo estacas-prancha metálicas laminadas a quente: Esch/Alzette em Luxemburgo, e Dabrowa

Leia mais

Produtos para Construção Mecânica

Produtos para Construção Mecânica Produtos para Construção Mecânica FIO-MÁQUINA Construção Mecânica FIO-MÁQUINA Produto obtido por laminação a quente com seção transversal circular. Este produto é fornecido em rolos com 830 kg amarrados

Leia mais

PROJETO DE ELEMENTOS DE AÇO E CONCRETO COM ÊNFASE EM PILARES MISTOS

PROJETO DE ELEMENTOS DE AÇO E CONCRETO COM ÊNFASE EM PILARES MISTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS PROJETO DE ELEMENTOS DE AÇO E CONCRETO COM ÊNFASE EM PILARES MISTOS

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm)

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm) CIPROL Produtos Pré-Esforçadas do Oeste, Lda. Vigotas pré-esforçadas para pavimentos de vigotas e blocos de cofragem 0866-CPR-2010/CE.0136 10 NP EN 15037-1 Av2 Av3 Av4 Tipo (kg/m) Av2 18,3 Av3 18,4 Av4

Leia mais

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm)

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) * esp. peso. espessura nominal 80 100 120 150 180 200 0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7 tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) comprimento

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

ASTM A-36. NBR ASTM APLICAÇÕES

ASTM A-36. NBR ASTM APLICAÇÕES Perfis Cantoneiras de Abas Iguais Principais aplicações: Estruturas metálicas; Torres de linhas de transmissão de energia elétrica; Torres de telecomunicações; Máquinas e implementos agrícolas; Indústria

Leia mais

t f R d d t w b f PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU INFORMAÇÕES TÉCNICAS

t f R d d t w b f PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU INFORMAÇÕES TÉCNICAS Y t f R h X X t w t f Y PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU INFORMAÇÕES TÉCNICAS PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU! Laminaos, nas formas I e H.! Mesas paralelas que permitem melhores soluções e ligações, encaixes e acabamentos

Leia mais

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T Introdução Nas estruturas de concreto armado, com o concreto moldado no local, na maioria dos casos as lajes e as vigas que as suportam estão fisicamente interligadas, isto

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL #01 AMBIDRENO A tubagem de drenagem destina-se a captar o excesso de água existente nos solos, resultante do índice de pluviosidade e da capacidade de retenção

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Entre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA Módulo 3 Sumário Módulo 3 Dimensionamento das vigas a flexão 3.1 Dimensionamento de vigas de Perfil I isolado página 3 3.2 Dimensionamento

Leia mais

Várias formas da seção transversal

Várias formas da seção transversal Várias formas da seção transversal Seções simétricas ou assimétricas em relação à LN Com o objetivo de obter maior eficiência (na avaliação) ou maior economia (no dimensionamento) devemos projetar com

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída)

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída) ESTRUTURS DE CONCRETO RMDO Lista para a primeira prova Questão 1) P1 V1 P2 V4 P3 V2 V3 4m 2m 3m V5 P4 h ' s s b d Seção das vigas: b=20cm ; h=40cm ; d=36cm Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m

Leia mais

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento Estruturas de concreto Armado I Aula II Pré-Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR Apostila Projeto de Estruturas

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO. Prof. Cleverson Gomes Cardoso

ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO. Prof. Cleverson Gomes Cardoso ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO Prof. Cleverson Gomes Cardoso VIGAS (FLEXÃO) NBR 8800/08 Estados Limites Últimos Flambagem local da Mesa FLM Flambagem local da Mesa FLA Flambagem lateral (FLT) Resistência ao

Leia mais

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Coordenação Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br

Leia mais

Introdução à Mecânica da Fratura. Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II

Introdução à Mecânica da Fratura. Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II Introdução à Mecânica da Fratura Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II Tópicos da Aula Motivação Conceitos básicos Trincas como intensificadores

Leia mais

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba E Diego Rafael Alba Rebites Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. A solda é um bom meio de fixação, mas, por causa do calor, ela

Leia mais

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS CONSTRUÇÃO CIVIL O QUE É ( EXPANDED POLYS TYRENE)? é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, de acordo com a definição da norma DIN ISO 1043/78. O é um plástico celular rígido, resultado da polimerização

Leia mais

NOVAS CONSIDERAÇÕES PARA O PROJETO ESTRUTURAL: ESTRUTURAS MISTAS E HÍBRIDAS. Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas

NOVAS CONSIDERAÇÕES PARA O PROJETO ESTRUTURAL: ESTRUTURAS MISTAS E HÍBRIDAS. Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas NOVAS CONSIDERAÇÕES PARA O PROJETO ESTRUTURAL: ESTRUTURAS MISTAS E HÍBRIDAS Alexandre L. Vasconcellos Diretor Método Estruturas O que fazer para: Aumentar a produtividade Aumentar a qualidade das obras

Leia mais

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES Tabela. FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES x c d C0 C C0 C C30 C3 C40 C4 0,0 03, 69,,9 4, 34,6 9,7,9 3, 0, 0,046 0,03 0,09 0,04,3 34,9 6, 0,9 7,4,0 3,,6 0, 0,047 0,03 0,00 0,06 3, 3,4

Leia mais

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2015 01 RESUMO DA SITUAÇÃO 01 Ampliação do Aeroporto 01 Planta de Situação Ampliação do Edifício Garagem

Leia mais

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS

Leia mais

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65 ESPESSURAS: 0,75 1,00 1,20 comercial para cálculo Peso próprio (kn/m 2 ) e=0,75 mm 0,71 0,08 e= 1,00 mm 0,96 0,1 e= 1,20 mm 1,16 0,12 Peso Comercial Massa (Kg/m 2 ) 0,75 8,52 1 11,36 1,2 13,64 total Volume

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço EAD - CBCA. Módulo2. Parte 1

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço EAD - CBCA. Módulo2. Parte 1 Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço EAD - CBCA Módulo2 Parte 1 Sumário 1ª Parte Mezaninos estruturados em Aço 2.1 Definição página 3 2.2 Estrutura de Piso dos Mezaninos página 3 2.3. Os vigamentos

Leia mais

Produtos para Construção Civil

Produtos para Construção Civil Produtos para Construção Civil VS 50 Construção Civil VERGALHÕES VS 50 Fabricados por laminação a quente, com superfície nervurada que garante alta aderência ao concreto, na forma de rolos com 830 kg amarrados

Leia mais

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Vallourec é líder mundial em soluções tubulares premium, presente nos setores de energia, petrolífero, automotivo e construção,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 320

Norma Técnica SABESP NTS 320 NTS 320 Tubos de PVC-O para redes de distribuição, adutoras ou linhas de esgoto pressurizadas - Critérios complementares à ABNT NBR 15750. Especificação São Paulo Março - 2016 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS ÍNDICE Sobre a Ditual... 3 Tubos Industriais / Estruturais... 5 Tubos Redondos... 6 Tubos Retangulares... 8 Tubos Quadrados... 10 Tubos de Condução... 11

Leia mais

TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES

TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES A linha de Soluções Construtivas Eternit foi pensada para facilitar o desempenho do projeto na prática, para agregar qualidade e proporcionar um resultado

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva PAREDES Prof. Amison de Santana Silva Tijolo maciço ou burro - Conforme a carga a que resistem, são classificados em 1 a e 2 a categoria: As tolerâncias são de 5 mm para as medidas de comprimento e de

Leia mais

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Estruturas Especiais de Concreto Armado I Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Sapatas de Fundação Prof. Dr. Paulo Sérgio dos Santos Bastos UNESP - Bauru/SP Livro Exercícios

Leia mais

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Estruturas de concreto Armado II Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS. t f. b f. t w

INFORMAÇÕES TÉCNICAS. t f. b f. t w INFORMAÇÕES TÉCNICAS R t w Y R X t w h PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU! Laminaos, nas formas I e H.! Mesas paralelas que permitem melhores soluções e ligações, encaixes e acabamentos estruturais.! Ampla varieae

Leia mais

Módulo 08 DESENHO TÉCNICO. Luiz Fontanella

Módulo 08 DESENHO TÉCNICO. Luiz Fontanella Módulo Luiz Fontanella 2 ÍNDICE SCRIÇÃO PÁG. ÍNDICE 2 ROSCAS 3 TIPOS 4 SENTIDO DIREÇÃO 4 NOMENCLATURA 5 ROSCAS TRIANGULARES 5 o ROSCA MÉTRICA 6 o ROSCA WHITWORTH 6 PARAFUSOS 7 PARAFUSOS PASSANTES 7 PARAFUSOS

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS 58CBC2016 BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS Eng. Leonardo Braga Passos, MSc Sócio/Diretor da PI-Engenharia e Consultoria Ltda Diretor Regional BH - ABECE 2015/2016 HISTÓRIA 58CBC2016 Laje plana

Leia mais

Fichas Técnicas de Produto. Linha Duraline

Fichas Técnicas de Produto. Linha Duraline Fichas Técnicas de Produto Estante Dupla Face Base Aberta 10 prateleiras 2M Imagem de Referência Descritivo Técnico Completo Estante face dupla totalmente confeccionada em chapas de aço de baixo teor de

Leia mais

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO. (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO. (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO BLOCOS SOBRE ESTACAS (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva DETALHAMENTO DAS ARMADURAS PRINCIPAIS 0,85. φ φ estaca Faixa 1,. estaca Faixa pode definir o diâmetro

Leia mais

3. Descrição dos Testes Experimentais

3. Descrição dos Testes Experimentais 36 3. Descrição dos Testes Experimentais Neste capítulo serão descritos todos os testes experimentais realizados. 3.1. Considerações Iniciais O sistema estrutural construído consiste em uma laje mista

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

270 Estruturas metálicas

270 Estruturas metálicas 270 Estruturas metálicas x y bf CG x x Tabela E.1 Cantoneiras de abas iguais Propriedades para dimensionamento bf tf z b f P A t f I x = I y W x = W y r x = r y r z min x pol cm kg/m cm 2 pol cm cm 4 cm

Leia mais

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS 160x210 A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS ARAÚJO, J. M. Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado. 3. ed., Rio Grande: Dunas, 2014. Prof. José Milton de Araújo FURG 1 1 O PROJETO ESTRUTURAL E A DEFINIÇÃO

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

UNESP DOCENTE RESPONSÁVEL:

UNESP DOCENTE RESPONSÁVEL: Campus de Ilha Solteira CIV 0238Concreto Protendido Departamento de Engenharia Civil FEIS - UNESP DOCENTE RESPONSÁVEL: Profa Dra. Mônica Pinto Barbosa Estagiaria: Eng. Liane Ferreira dos Santos Aços para

Leia mais

ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura

ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura ANEXOS ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura TFM - Dimensionamento de um Pavilhão Metálico para Armazenagem de Paletes de Madeira Anexo

Leia mais

Interação de paredes

Interação de paredes 1/36 Alvenaria Estrutural Interação de paredes 2/36 TRABALHO EXPERIMENTAL REALIZADO Blocos cerâmicos com dimensão modular 15cm x 20cm x 30cm Tipo Largura (cm) Altura ( cm) Comp.(cm) Meio bloco 14 19 14

Leia mais

Conexões Tupy (11) Conexões BSP. Linha BSP - Conexões de Ferro Maleável aplicadas na condução de líquidos, gases e vapores

Conexões Tupy (11) Conexões BSP. Linha BSP - Conexões de Ferro Maleável aplicadas na condução de líquidos, gases e vapores 10 Conexões BSP As informações técnicas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio de acordo com o fabricante. Conforme ABNT - NBR 6943, ISO 49 e EN 10242 Pressões de Teste Temperatura ºC à 120 à 300

Leia mais

Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio

Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio Hermano de Sousa Cardoso¹ Francisco Carlos Rodrigues²

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALOTINA Rua Aldir Pedron, 898 Centro, Palotina Estado do Paraná CNPJ: / CEP:

MUNICÍPIO DE PALOTINA Rua Aldir Pedron, 898 Centro, Palotina Estado do Paraná CNPJ: / CEP: MUNICÍPIO DE PALOTINA Rua Aldir Pedron, 898 Centro, Palotina Estado do Paraná CNPJ: 76.208.487/0001-64 CEP: 85950-000 RETIFICAÇÃO NO EDITAL REFERENTE AO PREGÃO 169/2014 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

A Ética nos projetos estruturais. Prof. Sebastião Andrade Eng. Civil PUC-RIO

A Ética nos projetos estruturais. Prof. Sebastião Andrade Eng. Civil PUC-RIO A Ética nos projetos estruturais Prof. Sebastião Andrade Eng. Civil PUC-RIO Escopo Introdução Comportamento Ético do Engenheiro Discussão de casos Impedimento de desvios Considerações finais Introdução

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO

DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO Volume 4 Capítulo 1 DIMENSIONMENTO À TORÇÃO Prof. José Milton de raújo - FURG 1 1.1- INTRODUÇÃO Torção de Saint' Venant: não há nenhuma restrição ao empenamento; só surgem tensões tangenciais. Torção com

Leia mais

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A.

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Instituto Falcão Bauer da Qualidade Rua Aquinos, 111 Prédio III 3º andar Água Branca São Paulo - SP CEP 05036-070 Tel./Fax: (11) 3611-1729 www.ifbq.org.br Painéis

Leia mais

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Estruturas Mistas e Híbridas Proteção Estrutural Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Introdução NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Contribuição técnica nº 7 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Autores: Eduardo M. Batista, COPPE/ UFRJ - batista@coc.ufrj.br Elaine

Leia mais

MONTAGEM de BOMBAS SUBMERSÍVEIS

MONTAGEM de BOMBAS SUBMERSÍVEIS TUBOFURO Tubos em PVC, S.A. Produtos para MONTAGEM de BOMBAS SUBMERSÍVEIS 1 TUBOFURO Tubos em PVC, S.A. HIDROROSCADO Nominal Classe Externo Espessura parede Interno mínimo Ext. União Resistência União

Leia mais

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAR 1984 NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Escrito por Eng. Ricardo Almeida Qua, 05 de Março de :46 - Última revisão Qua, 05 de Março de 2014

Escrito por Eng. Ricardo Almeida Qua, 05 de Março de :46 - Última revisão Qua, 05 de Março de 2014 Palavras-chave: V17, punção, cisalhamento, dimensionamento, lajes 1. Introdução Esta DicaTQS tem por objetivo demonstrar, através de um exemplo, como é feito o dimensionamento de lajes à punção nos Sistemas

Leia mais

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002)

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002) EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002) ROTEIRO DE CÁLCULO I - DADOS Ponte rodoviária. classe TB 450 (NBR-7188) Planta, corte e vista longitudinal (Anexo)

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

Tabela de Pesos e Medidas

Tabela de Pesos e Medidas Tabela de Pesos e Medidas índice Bobinas de Bronze Bobinas de Cobre Bobinas de Latão Chapas Barra Retangulares Latão (Perfis L / T / U) Vergalhões Conexões Soldáveis para Tubos de Cobre Tubos de Cobre

Leia mais

GEOGRELHA GEOFOCO. Especificações Técnicas. Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001

GEOGRELHA GEOFOCO. Especificações Técnicas. Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001 GEOGRELHA GEOFOCO Especificações Técnicas Fabricado com padrão de qualidade ISO 9001 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GEOGRELHA PAVIMENTO 50/50 A GEOGRELHA PARA PAVIMENTO GEOFOCO é feita à partir de filamentos

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 313 ESTRUTURAS DE CONCRETO AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ana.paula.moura@live.com

Leia mais

Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos. Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos

Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos. Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos Projetista: Renata Bontempo Teixeira dos Santos Empresa: Premo Construções e Empreendimentos S/A. Obra: Boulevard Shopping Categoria: Edifício altos de múltiplos pavimentos Localização: Av. dos Andradas,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

Embalagem Rendimento Tambor com 196kg 980m 2 Embalagem Tambor com 182kg Rendimento Até 20.000 m 2 Embalagem Saco com 1 L Bombona com 3,6 L Balde com 18 L Tambor com 190 L Rendimento 5 m 2 / cm de espessura

Leia mais

5 Resultados Experimentais

5 Resultados Experimentais 5 Resultados Experimentais 5.1. Introdução Neste capítulo são apresentados os resultados medidos dos dois testes experimentais em escala real realizados para a comparação dos resultados teóricos. 5.2.

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção.

Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone: (47) 3349-6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção. 1. Características: 1) A medição não é afectada

Leia mais

Bem-vindo à Inconex. Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional

Bem-vindo à Inconex. Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional Bem-vindo à Inconex Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional Nascemos com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento dos mais diversos

Leia mais

MULTITUBO DE COBRE REVESTIDO

MULTITUBO DE COBRE REVESTIDO MULTITUBOS MULTITUBO DE COBRE REVESTIDO MATERIAIS Tubo interno: Cobre recozido e maleável sem costura Revestimento: PVC ou PEBD na cor preta Instrumentação à distância. Excelente resistência externa a

Leia mais

ÍNDICE GRADIS ELETROFUNDIDOS. Apresentação 03. Stadium Artis Leone Sigma Omega Estrut Sansone

ÍNDICE GRADIS ELETROFUNDIDOS. Apresentação 03. Stadium Artis Leone Sigma Omega Estrut Sansone Qualidade ISO 9001 Edição 01 GRADIS ELETROFUNDIDOS Produtos para Cercamentos GRADIS ELETROFUNDIDOS ÍNDICE Apresentação 0 Stadium 04-05 Artis 06-07 Leone 08-09 Sigma 10-11 Omega 1-1 Estrut 14-15 Sansone

Leia mais

RESERVATÓRIOS DOS EDIFÍCIOS

RESERVATÓRIOS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 5 RESERVATÓRIOS DOS EDIFÍCIOS Prof. José Milton de Araújo - FURG 1 5.1- INTRODUÇÃO P1 Par.1 h 3 P2 h 3 >10cm Espessuras mínimas: A Par.3 Par.4 Par.5 A h1 = 7 cm P3 Par.2 P4 (mísulas)

Leia mais

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO NEOPLASTIC EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Av. Pacaembu, 485 Serra dos Abreus Franco da Rocha SP CEP: 07810-000 Telefone: (11) 4443-1000 Fax: (11) 4443-1025 site: www.neoplastic.com.br

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

GC/GCD GRELHA CONTÍNUA

GC/GCD GRELHA CONTÍNUA GC/GCD GRELHA CONTÍNUA GC / GCD GRELHA CONTÍNUA A Grelha Contínua ou Arquitetural "GC" da Tropical combina com os ambientes mais sofisticados, devido ao seu desenho de linhas suaves. Pode ser fornecida

Leia mais

3. Dimensionamento ao cisalhamento.

3. Dimensionamento ao cisalhamento. cisalhamento ELU - 1 3. Dimensionamento ao cisalhamento. No capítulo anterior foi estudado o dimensionamento das seções transversais das vigas à flexão pura ou uniforme. Entretanto, nas vigas usuais, os

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

Tubo-Gotejador XF-SDI com Tecnologia Escudo de Cobre para Irrigação Sub-Superficial Especificações Técnicas

Tubo-Gotejador XF-SDI com Tecnologia Escudo de Cobre para Irrigação Sub-Superficial Especificações Técnicas Tubo-Gotejador XF-SDI com Tecnologia Escudo de Cobre Tubo-Gotejador XF-SDI com Tecnologia Escudo de Cobre para Irrigação Sub-Superficial Especificações Técnicas Aplicações O tubo-gotejador XF-SDI com Escudo

Leia mais

LINHA OFFICE ESTRUTURA PARA DIVISÓRIAS COM PLACA DE MADEIRA

LINHA OFFICE ESTRUTURA PARA DIVISÓRIAS COM PLACA DE MADEIRA LINHA OFFICE ESTRUTURA PARA DIVISÓRIAS COM PLACA DE MADEIRA INTRODUÇÃO LINHA OFFICE ROLL-FOR Estrutura para Divisórias com placa de madeira ou Aço Com a mais alta tecnologia em automação industrial, aliado

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Altura Externa. Boca Base Boca Base Boca Base

FICHA TÉCNICA. Altura Externa. Boca Base Boca Base Boca Base 1 Caixas de Visita Caixas de visita c/ fundo e Largura Externa 400x400x500 600x600x660 800x800x830 A A1 B B1 E e Largura Interna Externa Interna Boca 500 400 50 500 450 Base 515 385 65 Boca 720 600 60

Leia mais

Termoencolhíveis. Linha de Equipamentos e Insumo

Termoencolhíveis. Linha de Equipamentos e Insumo Termoencolhíveis Linha de Equipamentos e Insumo 1 ÍNDICE Shrink Seladora Semiautomática 801...4 Seladora Automática YUJ 501+YUJ 506...4 Seladora Automática YUJ 601+YUJ 506...5 Seladora Automática MP3/S...5

Leia mais

Carga axial. Princípio de Saint-Venant

Carga axial. Princípio de Saint-Venant Carga axial Princípio de Saint-Venant O princípio Saint-Venant afirma que a tensão e deformação localizadas nas regiões de aplicação de carga ou nos apoios tendem a nivelar-se a uma distância suficientemente

Leia mais

1.1. Vigas mistas Características das vigas mistas

1.1. Vigas mistas Características das vigas mistas 1 Introdução Esta tese apresenta a avaliação do comportamento estrutural de conectores de cisalhamento tipo Perfobond e T-Perfobond em estruturas mistas compostas por dois materiais fundamentais para a

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC - 1 - UNIP - Universidade Paulista CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 01 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS CONCRETO (SEC) NOTAS DE AULA - PARTE 1 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS - 2 - NA_01/2014 1. CARGAS

Leia mais

CILINDROS DE SIMPLES AÇÃO Ø 8 A

CILINDROS DE SIMPLES AÇÃO Ø 8 A Tipo : C-AS C-AS/DM CILINDROS DE SIMPLES AÇÃO Ø A 25mm Adequados ou não-adequados para uso com sensor magnético Conforme normas ISO-CETOP-AFNOR Amortecimento elástico ISOCLAIR ESPECIFICAÇÕES: FLUIDO :

Leia mais

Exercício 1. Exercício 2.

Exercício 1. Exercício 2. Exercício 1. Um recipiente hermético e parcialmente evacuado tem uma tampa com uma superfície de área igual a 77 cm 2 e massa desprezível. Se a força necessária para remover a tampa é de 480 N e a pressão

Leia mais