ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA"

Transcrição

1 CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência As tensões de aderência τ b são variáveis ao ongo do comprimento de ancoragem b. Entretanto, para efeito de projeto é suficiente considerar o vaor médio de cácuo f bd. 2

2 Se a tensão na barra é igua à tensão de escoamento de cácuo do aço, f yd, a força R sd é dada por R sd onde φ é o diâmetro da barra. 2 πφ = As f yd = f yd (7.1.1) 4 Equiíbrio: u f = R (7.1.2) s b bd sd u = πφ é o perímetro da seção da barra. s Das duas equações, obtém-se o comprimento básico de ancoragem φ f yd b = (7.1.3) 4 f bd 3 Trajetórias das tensões principais na ancoragem 4

3 Na direção transversa à barra surgem tensões de tração, cuja resutante produz o esforço de tração transversa denominado esforço de fendihamento. O vaor máximo do esforço de fendihamento é aproximadamente igua a R sd 4, nos casos de ancoragem por aderência. Em virtude das tensões de tração, surge sempre o risco de aparecerem fissuras ongitudinais ou de fendihamento na região da ancoragem. Se o cobrimento de concreto, c, for pequeno em reação ao diâmetro da barra, ee pode romper-se, como indicado na figura. Fendihamento na zona da ancoragem 5 Os efeitos desfavoráveis do fendihamento podem ser eiminados quando existe uma compressão transversa na zona da ancoragem, como ocorre nos apoios diretos das vigas. Se essa compressão não existir, é necessário coocar uma armadura transversa, ao ongo do comprimento de ancoragem, capaz de absorver os esforços de fendihamento. Por isso, a NBR-6118 exige que, à exceção das regiões sobre apoios diretos, as ancoragens por aderência sejam confinadas por armaduras transversais ou peo próprio concreto. Neste útimo caso, é necessário que o cobrimento da barra ancorada seja maior ou igua a 3 φ e que a distância entre barras ancoradas também seja no mínimo igua a 3 φ. 6

4 7.2 Tensão de aderência Convencionamente, a aderência entre o aço e o concreto é separada em três componentes: a aderência por adesão, a aderência por atrito e a aderência mecânica. A aderência por adesão decorre das igações físico-químicas que se estabeecem no contato entre o aço e o concreto (efeito de coagem) durante o processo de pega do cimento. Esse efeito é destruído para pequenos desocamentos da barra de aço e, portanto, dá uma contribuição muito pequena para a resistência da aderência. A aderência por atrito decorre do desocamento da barra de aço em reação ao concreto. As forças de atrito dependem da rugosidade superficia da barra e das pressões transversais às armaduras. Assim, uma compressão transversa também é favoráve para aumentar a aderência por atrito. A aderência mecânica ocorre em barras nervuradas, através do contato direto entre o concreto e as saiências na superfície da barra. 7 Ensaio de arrancamento A tensão de aderência média, τ b, é dada por P P τ b = = (7.2.1) u πφ s o o 8

5 Reação tensão de aderênciaescorregamento A resistência da aderência depende, ainda, da posição das barras de aço na estrutura. Barras verticais estão sempre em uma posição favoráve, enquanto que barras horizontais podem estar em uma situação desfavoráve, dependendo de sua ocaização. Devido à sedimentação do concreto fresco, pode ocorrer um acúmuo de água sob as barras horizontais, com a consequente formação de vazios na parte inferior das mesmas. Por causa disto, a resistência da aderência fica reduzida Tensão útima de aderência Na figura abaixo, são iustrados os casos possíveis para concretagem sobre formas fixas. Usando formas desizantes, devem-se considerar todas as barras em posição de má aderência. B boa aderência M má aderência M B h<30cm h<60cm B 30cm h>60cm M B 30cm α>45 o B Posições de boa e de má aderência 10

6 O vaor de cácuo da tensão útima de aderência é obtido com o emprego da expressão = η η (7.3.1) fbd 1 2η3 f ctd onde f ctd é o vaor de cácuo da resistência à tração do concreto, obtido a partir da resistência característica inferior f, e os ctk, inf coeficientes η evam em conta os demais fatores que infuenciam na resistência da aderência. η 1 = 1,0 para barras isas (CA-25 e CA-60 iso); η 1 = 1,4 para barras entahadas (CA-60 entahado); η 1 = 2,25 para barras nervuradas (CA-50); η 2 = 1,0 para situações de boa aderência; η 2 = 0,7 para situações de má aderência; η 3 = 1,0 para barras de diâmetro φ 32mm; η φ = (com φ em mm) para φ > 32mm A resistência à tração de cácuo é dada por fctk,inf f = (7.3.2) ctd γ c Considerando η 1 = 2, 25 (para barras nervuradas), η 2 =1, 0 (para situações de boa aderência), η 3 =1, 0 (para barras com φ 32 mm), γ c =1,4 e as reações entre f ctk, inf e f ck do capítuo 1, pode-se escrever ( f ) 2 3 f bd = 0,42 cd, se f 50 MPa (7.3.3) ( 0, ) bd f cd ck f = 2,4n 1+ 15, se f > 50 MPa (7.3.4) As expressões (7.3.3) e (7.3.4) são váidas para barras nervuradas em uma situação de boa aderência, desde que φ 32 mm. ck 12

7 Considerando apenas os casos usuais em que φ 32 mm, para as situações de boa aderência, a tensão de cácuo f bd é dada por ( f ) 2 3 f bd = k 0,42 cd, se f 50 MPa (7.3.5) ( 0, ) f = k 2,4n 1+ 15, se f > 50 MPa (7.3.6) bd f cd k =1,00 para barras nervuradas, k = 0,62 para barras entahadas, k = 0,44 para barras isas. Para as barras em situações de má aderência, as expressões (7.3.5) e (7.3.6) devem ser mutipicadas por 0,7. ck ck Comprimento de ancoragem reta A = (7.4.1) s, ca b, nec b b,min Ase b φ f yd = 25φ (7.4.2) 4 f bd b, min 0,3b ;10φ ; 10cm (7.4.3) No caso de feixes de barras, o comprimento básico de ancoragem b é cacuado considerando-se o diâmetro do círcuo de mesma área do feixe. Por exempo, para um feixe de n barras de diâmetro φ o, o diâmetro equivaente é φ = n. n φ o 14

8 As barras constituintes de feixes devem ter ancoragem reta, sem ganchos, e devem atender às seguintes condições: a) quando o diâmetro equivaente do feixe for menor ou igua a 25mm, o feixe pode ser tratado como uma barra única, de diâmetro φ n, vaendo todas as prescrições para ancoragem de barras isoadas; b) quando o diâmetro equivaente for maior que 25mm, a ancoragem deve ser cacuada para cada barra isoada, defasando as suas extremidades para reduzir os efeitos de concentrações de tensões de aderência; essa defasagem das extremidades não deve ser inferior a 1,2 vezes o comprimento de ancoragem de cada barra isoada; c) quando, por razões construtivas, não for possíve proceder como recomendado no item (b), o feixe pode ser tratado como uma barra única de diâmetro φ n; neste caso, é obrigatório o emprego de armadura transversa adiciona na região da ancoragem. 15 O comprimento de ancoragem das barras comprimidas também é cacuado com a expressão (7.4.1). Nesses casos, as barras só podem ser ancoradas com ancoragem reta. Exceção: Ancoragem das barras de espera dos piares nas sapatas ou nos bocos de fundação Neste caso, o gancho tem apenas a função construtiva de faciitar a montagem. Se a barra do piar estiver comprimida, o gancho não sofre nenhum esforço, pois a ancoragem é feita no topo da sapata ou do boco, através das bieas de compressão. Se a barra do piar estiver tracionada, tem-se a ancoragem com gancho usua. O imite 0,6b dentro da sapata eva em conta os efeitos favoráveis do gancho, do cobrimento de concreto e da reação As,ca/Ase. 16

9 7.5 Barras com ganchos Segundo a NBR-6118, os ganchos das extremidades das barras da armadura ongitudina de tração podem ser semicircuares (Tipo 1), em ânguo de 45 o (Tipo 2) ou em ânguo reto (Tipo 3). As extremidades retas desses ganchos devem ter os comprimentos mínimos indicados na figura. Para as barras isas, os ganchos deverão ser sempre semicircuares. Nos ganchos dos estribos, os comprimentos mínimos são de 5φ 5cm para o Tipo 1 e o Tipo 2 e de 10φ 7cm para o Tipo 3. Este útimo tipo de gancho não deve ser utiizado para estribos de barras e fios isos. Tipos de ganchos 17 Tabea Diâmetros mínimos de dobramento (ganchos e estribos) Bitoa CA-25 CA-50 CA-60 φ < 20 4 φ 5 φ 6 φ φ 20 5 φ 8 φ Para estribos de bitoa não superior a 10, o diâmetro mínimo de dobramento é igua a φ 3. As barras isas tracionadas devem ser ancoradas com gancho, obrigatoriamente. As barras que forem sempre comprimidas devem ser ancoradas apenas com ancoragens retiíneas, pois os ganchos aumentam o risco de fendihamento na extremidade da barra. Nas barras sujeitas a esforços aternados de tração e de compressão, deve-se fazer a ancoragem sem ganchos. Não é recomendado o emprego de gancho para barras de φ > 32mm. 18

10 Para evar em conta o efeito favoráve do gancho, o comprimento de ancoragem pode ser reduzido em reação à ancoragem reta, como indicado na figura. Ancoragem de barras tracionadas com ganchos A = α (7.5.2) s, ca b, nec 1b b,min Ase α 1 = 0,7 se o cobrimento de concreto no pano norma ao gancho for maior ou igua a 3 φ ; α 1 = 1,0 se o cobrimento for menor que 3 φ Outros fatores de redução do comprimento de ancoragem Segundo o CEB/90, o comprimento de ancoragem necessário é dado por As, ca b, nec = α 1α 2α3α 4α5b b,min (7.6.1) A Os cinco coeficientes introduzidos na equação (7.6.1) evam em conta os seguintes fatores favoráveis para a ancoragem: α 1: efeito de gancho ou aços; α 2: efeito de barras transversais sodadas; α 3: efeito do cobrimento das armaduras; α 4: efeito de barras transversais não sodadas; α : efeito da pressão transversa. 5 se 20

11 7.7 Ancoragem em apoio de extremidade Ancoragem em apoio de extremidade Força a ser ancorada: a R sd = Vd (7.7.3) d onde a é obtido da equação (6.5.9) do capítuo anterior. Armadura cacuada: A = s, ca Rsd f yd (7.7.4) e A se é a armadura que reamente chega ao apoio. 21 O comprimento de ancoragem é medido a partir da face do apoio. O comprimento de ancoragem b, nec é obtido da expressão (7.6.1), considerando-se os fatores de redução indicados na tabea No caso de ancoragem reta, o vaor mínimo (7.4.3). b, min é dado na equação Quando a barra termina em gancho no apoio, deve-se verificar que R + 5,5φ b, 7.7.5) 6cm nec sendo φ o diâmetro da barra e R o raio de dobramento do gancho. 22

12 Exempo o s k Concreto: fck=30 MPa Aço: CA-50 A) Dimensionamento da armadura ongitudina 2 pk M k = = 90 knm s = 5, 61 8 A cm 2 23 Armando a viga com barras de φ = 16 2 mm, tem-se: - área de uma barra: As1 = 2, 01 cm 2 4 5,61 - número de barras necessárias: n = = 2,79 n = 3 barras 2,01 - área de aço adotada: A s, adot = 3x2,01 = 6, 03 cm 2 = πφ B) Escaonamento da armadura ongitudina Uma barra será cortada (ficando mais curta que o vão) e duas barras serão passadas de apoio a apoio. 24

13 C) Ancoragem no vão (da barra que será cortada) As, ca = 5,61cm 2 (para Mk). A = 6, 03 cm 2 (adotado). f 30 - resistência da aderência: fcd = ck = = 21, 43 MPa 1,4 1,4 se f bd ( f ) = 0,42( 21,43) f = 3, 24 = 0,42 cd bd MPa - comprimento básico de ancoragem: b φ f yd 1,6 434,8 = = b 4 f 4 3,24 bd 54 cm Como 54 > 25φ = 40 cm b = 54 cm onde f = 500 1,15 = 434, 8 MPa. yd 25 - comprimento mínimo de ancoragem: Para ancoragem no vão, reta ou com gancho, tem-se: 0,3 b 10 b, min φ Logo, 17 cm. b, min = 0,3x54 = 16,2cm = 10x1,6 = 16cm 10cm - comprimento de ancoragem reta: A 5,61 = 54 x b, 6,03 s, ca b, nec = b nec = Ase 50 cm Como >, adota-se 50 cm. b, nec b, min b, nec = 26

14 D) Ancoragem nos apoios de extremidade pk 20x6 Cortante: Vk = = = 60 kn. Vd = 1,4V k = 84 kn. 2 2 A = s, ca a d V f d yd Para as vigas dos edifícios: a = d (simpificação) Vd 84 A s, ca = = As, ca = 1,93 cm 2 f 43,48 yd A se = 2 x2,01 = 4,02 cm 2 (só duas barras nos apoios) comprimento de ancoragem reta: A 1,93 = 54 x b, 4,02 s, ca b, nec = b nec = Ase 26 cm b, min = Como 17 cm (visto anteriormente) >, deve-se adotar 26 cm. b, nec b, min b, nec = Largura dos piares: 20 cm. Cobrimento: 3 cm (Casse II) Espaço disponíve: 17 cm Impossíve fazer ancoragem reta! 28

15 - comprimento de ancoragem com gancho: As, ca 1,93 0,7b = 0,7x54x b, A 4,02 b, nec = nec = se 18 cm R + 5,5φ b,min 6cm ; R = 2,5φ (tabea 7.5.1) 8φ = 8x1,6 = 12,8 6 cm b, min b,min = 13 cm Como resutou >, deve-se adotar 18 cm. b, nec b, min b, nec = Impossíve fazer ancoragem com gancho! 29 Soução: passar as três barras corridas (não escaonar) A se = 3 x2,01 = 6,03cm 2. O comprimento de ancoragem necessário seria As, ca 1,93 0,7b = 0,7x54x b, A 6,03 b, nec = nec = se 13 cm. Adotar 13 cm. b, min = Na prática: 17 cm. b, nec = b, nec = 12 cm. 30

16 7.8 Emendas das barras da armadura As emendas das barras da armadura devem ser evitadas sempre que possíve. Quando necessário, as emendas podem ser feitas por traspasse, através de soda, com uvas rosqueadas ou com outros dispositivos devidamente justificados. As emendas com soda ou uvas rosqueadas exigem um controe especia para garantir a resistência da emenda. A emenda por traspasse é mais barata, por ser de fáci execução, e faz uso da própria aderência entre o aço e o concreto. De acordo com a NBR-6118, esse tipo de emenda não é permitido para barras de bitoa superior a 32 ( φ > 32mm), nem para tirantes e pendurais (peças ineares de seção inteiramente tracionada). No caso de feixes, o diâmetro do círcuo de mesma área, para cada feixe, não pode ser superior a 45mm. Aém disso, as barras constituintes do feixe devem ser emendadas uma de cada vez sem que, em quaquer seção do feixe emendado, resutem mais de quatro barras. 31 Nas emendas por traspasse, a transferência da força de uma barra para outra se faz através de bieas comprimidas incinadas, como indicado na figura abaixo. A distância entre as barras emendadas deve ser no máximo igua a 4 φ. Emenda por traspasse 32

17 O comprimento do traspasse, ot, das barras tracionadas é dado por ot = α (7.9.1) ot b, nec ot,min onde b, nec é o comprimento de ancoragem, dado na expressão (7.6.1), e α ot 1 é um coeficiente que eva em conta as piores condições na região da emenda, em reação à ancoragem de uma barra isoada. Segundo a NBR-6118, o comprimento mínimo da emenda de barras tracionadas é dado por ot,min 20cm 15φ (7.9.2) 0,3α otb onde b é o comprimento básico de ancoragem. 33 Tabea Vaores do coeficiente Porcentagem de barras emendadas na mesma seção Vaores de ot α ot 20% 25% 33% 50% >50% α 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 Considera-se como na mesma seção transversa, as emendas que se superpõem ou cujas extremidades mais próximas estejam afastadas de menos que 20% do comprimento do trecho de traspasse, conforme indicado na fig Assim, para reduzir o comprimento das emendas, eas devem ser distribuídas de maneira defasada ao ongo do eixo da peça. Emendas na mesma seção 34

18 Tabea Proporção máxima de barras tracionadas emendadas Tipo de barra Situação Carregamento estático dinâmico ata aderência em uma camada 100% 100% em mais de uma 50% 50% camada isa φ < 16mm 50% 25% φ 16mm 25% 25% O comprimento do trecho de traspasse das barras comprimidas, oc, é dado por = (7.9.3) oc com o vaor mínimo dado por oc b, nec oc,min 20cm, min 15φ (7.9.4) 0,6b 35

10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA

10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA 10 - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA Fernando Musso Juniormusso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 189 10.1 - VIGA - DISPOSIÇÃO DA ARMADURA PARA MOMENTO FLETOR Fernando Musso Juniormusso@npd.ufes.br Estruturas

Leia mais

Dimensionamento ao Cortante

Dimensionamento ao Cortante Dimensionamento ao Cortante Pk a b Compressão Tração Vk,esq = Pk. b /(a+b) Pk Modelo de treliça Vk,dir= Pk. a /(a+b) Dimensionamento ao Cortante Pk a b Pk Modelo de treliça Compressão Tração Vk,esq Armadura

Leia mais

Concreto Armado. Expressões para pré-dimensionamento. Francisco Paulo Graziano e Jose Antonio Lerosa Siqueira

Concreto Armado. Expressões para pré-dimensionamento. Francisco Paulo Graziano e Jose Antonio Lerosa Siqueira Concreto Armado PEF2604 FAU-USP Expressões para pré-dimensionamento Francisco Paulo Graziano e Jose Antonio Lerosa Siqueira Concreto como material Alta resistência à compressão f ck (resistência característica)

Leia mais

DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO

DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO Volume 4 Capítulo 1 DIMENSIONMENTO À TORÇÃO Prof. José Milton de raújo - FURG 1 1.1- INTRODUÇÃO Torção de Saint' Venant: não há nenhuma restrição ao empenamento; só surgem tensões tangenciais. Torção com

Leia mais

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Estruturas de concreto Armado II Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR

Leia mais

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES

Tabela 1.1 FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES Tabela. FLEXÃO SIMPLES EM SEÇÃO RETANGULAR - ARMADURA SIMPLES x c d C0 C C0 C C30 C3 C40 C4 0,0 03, 69,,9 4, 34,6 9,7,9 3, 0, 0,046 0,03 0,09 0,04,3 34,9 6, 0,9 7,4,0 3,,6 0, 0,047 0,03 0,00 0,06 3, 3,4

Leia mais

ESTUDO DAS VIGAS: DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE FLEXÃO

ESTUDO DAS VIGAS: DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE FLEXÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DAS VIGAS: DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE FLEXÃO Ilha Solteira-SP

Leia mais

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Estruturas Especiais de Concreto Armado I Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Sapatas de Fundação Prof. Dr. Paulo Sérgio dos Santos Bastos UNESP - Bauru/SP Livro Exercícios

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída)

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída) ESTRUTURS DE CONCRETO RMDO Lista para a primeira prova Questão 1) P1 V1 P2 V4 P3 V2 V3 4m 2m 3m V5 P4 h ' s s b d Seção das vigas: b=20cm ; h=40cm ; d=36cm Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m

Leia mais

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO. (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO. (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO BLOCOS SOBRE ESTACAS (Continuação) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva DETALHAMENTO DAS ARMADURAS PRINCIPAIS 0,85. φ φ estaca Faixa 1,. estaca Faixa pode definir o diâmetro

Leia mais

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T Introdução Nas estruturas de concreto armado, com o concreto moldado no local, na maioria dos casos as lajes e as vigas que as suportam estão fisicamente interligadas, isto

Leia mais

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002)

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002) EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS (adaptado TAGUTI 2002) ROTEIRO DE CÁLCULO I - DADOS Ponte rodoviária. classe TB 450 (NBR-7188) Planta, corte e vista longitudinal (Anexo)

Leia mais

3. Dimensionamento ao cisalhamento.

3. Dimensionamento ao cisalhamento. cisalhamento ELU - 1 3. Dimensionamento ao cisalhamento. No capítulo anterior foi estudado o dimensionamento das seções transversais das vigas à flexão pura ou uniforme. Entretanto, nas vigas usuais, os

Leia mais

CONCRETO PROTENDIDO: MATERIAL DIDÁTICO PARA O AUTOAPRENDIZADO Estimativa de Carga de Protensão

CONCRETO PROTENDIDO: MATERIAL DIDÁTICO PARA O AUTOAPRENDIZADO Estimativa de Carga de Protensão PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Curso: ENGENHARIA CIVIL CONCRETO PROTENDIDO: MATERIAL DIDÁTICO PARA O AUTOAPRENDIZADO Estimativa de Carga de Protensão Cristiano Curado

Leia mais

10 ENECE 2007 Engenharia Estrutural - Preparandose para o futuro. A preparação da nova revisão da NBR

10 ENECE 2007 Engenharia Estrutural - Preparandose para o futuro. A preparação da nova revisão da NBR 10 ENECE 2007 Engenharia Estrutural - Preparandose para o futuro A preparação da nova revisão da NBR6118-2008 Eng. Fernando Rebouças Stucchi ENECE Outubro/2007 EPUSP/EGT Engenharia Resumo 1.Comentários

Leia mais

fct - UNL ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I 3 MATERIAIS Válter Lúcio Fev

fct - UNL ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I 3 MATERIAIS Válter Lúcio Fev 3 MATERIAIS ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I Válter Lúcio Fev.2006 1 PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais 1. Betão 2. Aço 4.Durabilidade 5.Estados

Leia mais

Exercícios de cargas axiais em barras rígidas - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP

Exercícios de cargas axiais em barras rígidas - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP São Paulo, dezembro de 015. 1. A barra rígida AC representa um muro de contenção de terra. Ela está apoiada em A e conectada ao tirante flexível BD em D. Esse tirante possui comprimento de 4 metros e módulo

Leia mais

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS 160x210 A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS ARAÚJO, J. M. Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado. 3. ed., Rio Grande: Dunas, 2014. Prof. José Milton de Araújo FURG 1 1 O PROJETO ESTRUTURAL E A DEFINIÇÃO

Leia mais

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva

PAREDES. Prof. Amison de Santana Silva PAREDES Prof. Amison de Santana Silva Tijolo maciço ou burro - Conforme a carga a que resistem, são classificados em 1 a e 2 a categoria: As tolerâncias são de 5 mm para as medidas de comprimento e de

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado I

Estruturas de Concreto Armado I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Estruturas de Concreto Armado I Dênio Ramam Carvalho de Oliveira BELÉM Março de

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO. DOSAGEM é o proporcionamento adequado. e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos

DOSAGEM DE CONCRETO. DOSAGEM é o proporcionamento adequado. e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos 2 1 DOSAGEM Ingredientes Execução 3 MATERIAIS CONSTITUINTES ou a receita

Leia mais

Concreto de Alta Resistência na NBR Fernando Stucchi Prof. EPUSP EGT Engenharia

Concreto de Alta Resistência na NBR Fernando Stucchi Prof. EPUSP EGT Engenharia Concreto de Alta Resistência na NBR 6118 Fernando Stucchi Prof. EPUSP EGT Engenharia 1. Caracterização do CAR - Concreto de Resistência Normal CRN 20 a 50 Mpa - Concreto de Alta Resistência CAR 50 a 120

Leia mais

Introdução ao Concreto Estrutural

Introdução ao Concreto Estrutural Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações PEF 3303 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I PEF 3303 - Estruturas de Concreto I MATERIAIS

Leia mais

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Coordenação Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br

Leia mais

MEMÓRIADE CÁLCULO ESTRUTURAEM CONCRETO

MEMÓRIADE CÁLCULO ESTRUTURAEM CONCRETO 01/34 INDICEDE REVISÕES REV. DATA AUTOR DESCRIÇÃO 0 11/08/2014 LUCIO EMISSÃOINICIAL e-mail: rodriguesribeiro@outlook.com.br FONE: (19) 99812-9482 PIRACICABA-S.P. 02/34 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 3 2. DOCUMENTOS

Leia mais

Flambagem das barras das armaduras de pilares Ensaios de Emil Moersch ( 1902)

Flambagem das barras das armaduras de pilares Ensaios de Emil Moersch ( 1902) 1 / 15 Flambagem das barras das armaduras de pilares Ensaios de Emil Moersch ( 1902) * Ruptura de Prisma de concreto sem armadura Ruptura em forma de cunhas Ruptura de um pilar comum de concreto armado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS 58CBC2016 BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS Eng. Leonardo Braga Passos, MSc Sócio/Diretor da PI-Engenharia e Consultoria Ltda Diretor Regional BH - ABECE 2015/2016 HISTÓRIA 58CBC2016 Laje plana

Leia mais

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 313 ESTRUTURAS DE CONCRETO AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ana.paula.moura@live.com

Leia mais

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento

Estruturas de concreto Armado I. Aula II Pré-Dimensionamento Estruturas de concreto Armado I Aula II Pré-Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR Apostila Projeto de Estruturas

Leia mais

TELAS SOLDADAS EMENDAS

TELAS SOLDADAS EMENDAS Instituto Brasileiro de Telas Soldadas Boletim Técnico TELAS SOLDADAS EMENDAS Eng. Luiz Cholfe* * Engenheiro, mestre em Estruturas pela USP, em 1986. Professor titular de Estruturas da Escola de Engenharia

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

AULA J EXEMPLO VIGA-BALCÃO

AULA J EXEMPLO VIGA-BALCÃO AULA J INTRODUÇÃO O Projeto de Revisão da Norma NBR-6118 sugere que a descrição do comportamento estrutural seja feita de maneira mais rigorosa possível, utilizando-se programas computacionais baseados

Leia mais

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES. Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais. Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES. Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais. Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais Prof. Gerson oacyr Sisniegas Alva Antigamente... INTRODUÇÃO Não era obrigatória a consideração

Leia mais

Revisão de literatura sobre métodos de cálculo da aderência entre concreto e aço

Revisão de literatura sobre métodos de cálculo da aderência entre concreto e aço 24 e 25 de setembro de 201 Revisão de literatura sobre métodos de cálculo da aderência entre concreto e aço Gabriela Vieira Cavalcanti Carvalho Engenharia Civil CEATEC gabriela.vcc@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Considerações sobre o Dimensionamento de Blocos sobre Estacas com o Uso do Método das Bielas e Tirantes Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2 1

Considerações sobre o Dimensionamento de Blocos sobre Estacas com o Uso do Método das Bielas e Tirantes Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2 1 Considerações sobre o Dimensionamento de Blocos sobre Estacas com o Uso do Método das Bielas e Tirantes Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2 1 Instituto Militar de Engenharia / Seção de Eng a de Fortificação

Leia mais

SCI Parafuso para ambiente exterior, com cabeça escareada Versões em aço inoxidável A2 e A4

SCI Parafuso para ambiente exterior, com cabeça escareada Versões em aço inoxidável A2 e A4 SCI Parafuso para amiente exterior, com caeça escareada Versões em aço inoxidável A2 e A4 GEOMETRIA ESPECIA Ponta autoperfurante com entalhe recuado, rosca assimétrica em forma de guarda-chuva, fresa alongada,

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV Prof. Marco Pádua Exercício: Calcular o consumo de materiais considerando uma concretagem em conjunto com uma alvenaria de blocos de concreto. profmarcopadua.net------------------------------------------exercício

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm)

FICHA TÉCNICA. Av2 Av3 Av4. PRÉ-ESFORÇO (MPa) (1) Diâmetro (f pk = 1770 MPa, f p0.1k = 1550 MPa) Nível (mm) CIPROL Produtos Pré-Esforçadas do Oeste, Lda. Vigotas pré-esforçadas para pavimentos de vigotas e blocos de cofragem 0866-CPR-2010/CE.0136 10 NP EN 15037-1 Av2 Av3 Av4 Tipo (kg/m) Av2 18,3 Av3 18,4 Av4

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE EXPERIMENTAL DA CAPACIDADE MECÂNICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO COMPARADAS A VIGAS DE CONCRETO PROTENDIDO COM A MESMA SEÇÃO E ARMADURAS EQUIVALENTES RESUMO Samuel Giassi Zanette (1), Alexandre

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites Estruturas de Betão Armado II 1 ESTADO LIMITE ÚLTIMO DE RESISTÊNCIA À FLEXÃO Nas lajes vigadas, em geral, os momentos são baixos, pelo que se pode utilizar expressões aproximadas para o dimensionamento

Leia mais

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores EC2 A 2d kd B > 2d kd d d A Contorno u out B Contorno u out,ef Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores NOTA: O valor de k a utilizar num determinado país poderá ser dado no respectivo

Leia mais

ABNT NBR 6118:2014 Considerações sobre a nova norma. Suely B. Bueno / Alio E. Kimura

ABNT NBR 6118:2014 Considerações sobre a nova norma. Suely B. Bueno / Alio E. Kimura ABNT NBR 6118:2014 Considerações sobre a nova norma Suely B. Bueno / Alio E. Kimura DE 1940 ATÉ 2014 São 74 anos Velha Senhora Muita coisa mudou NB-1 DE 1940 ATÉ 2014 Herança Passado e presente se misturam

Leia mais

NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961

NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961 NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA VERSÃO 2011 DA NORMA DE PROJETO ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Escola Politécnica da USP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva HISTÓRICO

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES Disciplina: Estruturas em Concreto II 2585 Curso: Engenharia Civil Professor: Romel Dias Vanderlei 1- Dimensionar e detalhar as armaduras (longitudinal e transversal) para o

Leia mais

Exercícios de Ligações Parafusadas Resolvidos

Exercícios de Ligações Parafusadas Resolvidos 11 Exercícios de Ligações Parafusadas 11.1 Resolvidos Ex. 11.1.1 Ligação Simples Chapas Duas chapas de 204mm x 12,7mm (1/2 ) de aço ASTM A36 são emendadas com chapas laterais de 9,5mm (3/8 ) e parafusos

Leia mais

Prof. Eduardo C. S. Thomaz. Concreto Protendido - 03 Flexão. Notas de aula 1 / 28

Prof. Eduardo C. S. Thomaz. Concreto Protendido - 03 Flexão. Notas de aula 1 / 28 1 / 28 2 / 28 3 / 28 No bordo oposto ao cabo não deve haver tensão de tração. Caso ocorram tensões de tração, deve ser colocada armadura de tração para resistir à resultante de tração no banzo superior.

Leia mais

ES013. Exemplo de de um Projeto Completo de de um de deconcreto Armado

ES013. Exemplo de de um Projeto Completo de de um de deconcreto Armado Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Deartamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES013 Eemlo de de um Projeto Comleto de de um Edifício de deconcreto Armado Prof. Túlio Nogueira Bittencourt

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Gustavo Largura Brusco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Gustavo Largura Brusco UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Gustavo Largura Brusco CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A NOVA NORMA NBR 6118 E A NORMA

Leia mais

Interação de paredes

Interação de paredes 1/36 Alvenaria Estrutural Interação de paredes 2/36 TRABALHO EXPERIMENTAL REALIZADO Blocos cerâmicos com dimensão modular 15cm x 20cm x 30cm Tipo Largura (cm) Altura ( cm) Comp.(cm) Meio bloco 14 19 14

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DA SEÇÃO TRANSVERSAL NA CAPACIDADE PORTANTE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DA SEÇÃO TRANSVERSAL NA CAPACIDADE PORTANTE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DA SEÇÃO TRANSVERSAL NA CAPACIDADE PORTANTE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO Mateus Ronchi Laurindo (1), Alexandre Vargas (2); UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

4 Programa Experimental

4 Programa Experimental 4 Programa Experimental 4.1. Notas Iniciais Este estudo tem como objetivo avaliar o comportamento estrutural de vigas de seção T de concreto armado reforçadas à força cortante com CFC por meio da: a) o

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DE BLOCOS RÍGIDOS

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DE BLOCOS RÍGIDOS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Gustavo Simonato PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DE BLOCOS RÍGIDOS Porto Alegre

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO A - DEFORMAÇÃO NORMAL 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada à viga provocar um deslocamento

Leia mais

CARLOS EDUARDO DRUMMOND DE MELLO

CARLOS EDUARDO DRUMMOND DE MELLO ANÁLISE COMPARATIVA DE TRÊS SOLUÇÕES ESTRUTURAIS PARA O NOVO TERMINAL DE EMBARQUE DO AEROPORTO SANTOS DUMONT, NO RIO DE JANEIRO, BASEADA EM CRITÉRIOS TÉCNICO-ECONÔMICOS CARLOS EDUARDO DRUMMOND DE MELLO

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada MEMÓRIA DE CÁLCULO MODELOS DE ANÁLISE O procedimento usado na análise da estrutura baseia-se em modelos diferenciados em função dos objetivos. Para a análise global da estrutura utilizou-se um modelo de

Leia mais

Produtos para Construção Civil

Produtos para Construção Civil Produtos para Construção Civil VS 50 Construção Civil VERGALHÕES VS 50 Fabricados por laminação a quente, com superfície nervurada que garante alta aderência ao concreto, na forma de rolos com 830 kg amarrados

Leia mais

Materiais utilizados em Concreto Protendido

Materiais utilizados em Concreto Protendido UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CONCRETO PROTENDIDO Materiais utilizados em Concreto

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO USO DE FIBRAS DE AÇO E DE ESTRIBOS NO COMPORTAMENTO DA ANCORAGEM DE BARRAS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO USO DE FIBRAS DE AÇO E DE ESTRIBOS NO COMPORTAMENTO DA ANCORAGEM DE BARRAS VINICIUS COSTA CORREIA ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO USO DE FIBRAS DE AÇO E DE ESTRIBOS NO COMPORTAMENTO DA ANCORAGEM DE BARRAS Dissertação apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

Analysis of NBR-6118 simplified method for consideration of located second order effects

Analysis of NBR-6118 simplified method for consideration of located second order effects Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.10, p.1-10, Julho, 2007 Análise do processo aproximado da NBR-6118 para consideração dos efeitos localizados de segunda ordem Analysis of NBR-6118 simplified method

Leia mais

ELS-W: Estado Limite de Serviço de abertura de f Fonte: Tabela 13.3 da NBR 6118:2003 No item são apresentados critérios para estágio atual do

ELS-W: Estado Limite de Serviço de abertura de f Fonte: Tabela 13.3 da NBR 6118:2003 No item são apresentados critérios para estágio atual do Aplica-se às versões: EBv5, EBv5Gold, EBv6, EBv6 Assunto Quais as prescrições utilizadas para o dimension Artigo A NBR-6118:2003 define prescrições a serem obede e detalhamentos de vigas, com o intuito

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES 7 9 CIRCUITOS MAGÉTICOS LIEARES E ÃO LIEARES Circuitos magnéticos são usados para concentrar o efeito magnético de uma corrente em uma região particuar do espaço. Em paavras mais simpes, o circuito direciona

Leia mais

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x?

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x? 2 a rovadeedi-38concretoestruturali rof. Flávio Mendes Neto Outubro de 2009 Sem consulta. A interpretação das questões faz parte da prova. Justifique cientificamente suas afirmações e comente, criticamente,

Leia mais

REFERENCIA DESENHO CP 92

REFERENCIA DESENHO CP 92 REFERENCIA DESENHO CP 92 DESENHO NUMERO NÚM. FOLHA TÍTULO REVISÃO DATA CP 92 01 3 BASE DE CONCRETO ARMADO PARA QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE PEDESTAL (QDP) CP 92 02 2 BASE PARA (QDP) TIPO 00 EM CONCRETO PRÉ

Leia mais

5 Programa Experimental

5 Programa Experimental 5 Programa Experimental 5.1. Introdução Este estudo experimental tem como objetivo principal avaliar a ductilidade de vigas retangulares de concreto armado reforçadas à flexão com tecido de fibras de carbono,

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

27.1 Simplificação do diagrama de tensões de compressão no concreto - seção retangular

27.1 Simplificação do diagrama de tensões de compressão no concreto - seção retangular conteúo 7 fleão pura 7.1 Simplificação o iagrama e tensões e compressão no concreto - seção retangular Figura 7.1 Distribuição as eformações e tensões simplificaas na seção (NBR6118/003 Item 17..) A istribuição

Leia mais

Dosagem Experimental do Concreto - Método IPT / EPUSP

Dosagem Experimental do Concreto - Método IPT / EPUSP Alunos: UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA ICET - Instituto de Ciências de Exatas e de Tecnologias Profª. Moema Castro, MSc. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Dosagem Experimental do Concreto - Método

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL

DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL LINEKER

Leia mais

QUESTÕES DE PROVAS QUESTÕES APROFUNDADAS

QUESTÕES DE PROVAS QUESTÕES APROFUNDADAS UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI IVIL ENG 01201 MEÂNI ESTRUTURL I QUESTÕES DE PROVS QUESTÕES PROFUNDDS ISLHMENTO ONVENIONL TEORI TÉNI DO ISLHMENTO TORÇÃO SIMPLES

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

ESTABILIDADE GLOBAL DE ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: EFEITO DAS LIGAÇÕES SEMI-RÍGIDAS

ESTABILIDADE GLOBAL DE ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: EFEITO DAS LIGAÇÕES SEMI-RÍGIDAS Núcleo de Estudo e Tecnologia em Pré-Moldados de Concreto www.deciv.ufscar.br/netpre ESTABILIDADE GLOBAL DE ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: EFEITO DAS LIGAÇÕES SEMI-RÍGIDAS Prof. Dr. Marcelo Ferreira - UFSCar

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS.

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. RESUMO Ricardo frazzetto Guetner (1), Alexandre Vargas (2). UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A.

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Instituto Falcão Bauer da Qualidade Rua Aquinos, 111 Prédio III 3º andar Água Branca São Paulo - SP CEP 05036-070 Tel./Fax: (11) 3611-1729 www.ifbq.org.br Painéis

Leia mais

Estruturas de Concreto I

Estruturas de Concreto I 2012 Estruturas de Concreto I Edição 2012, responsável Marco Andre Argenta Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil 0 PREFÁCIO Esta apostila é baseada na apostila

Leia mais

CONCRETO ARMADO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO DO CONCRETO ARMADO AULA VIII

CONCRETO ARMADO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO DO CONCRETO ARMADO AULA VIII CONCRETO ARMADO CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO DO CONCRETO ARMADO AULA VIII Prof. MSc. MACEL WALLACE QUEIROZ FERNANDES 1 CONCEITOS Frequência 5 % f k 1,65 s f m Resistência ( f ) 2 CONCEITOS 3 CONCEITOS DIAGRAMA

Leia mais

Orientação Para Dimensionamento De Lajes Alveolares Em Balanço

Orientação Para Dimensionamento De Lajes Alveolares Em Balanço Orientação Para Dimensionamento De Lajes Alveolares Em Balanço Bruna Rayssa Veloso 1 ; Tiago Corassa 1 ; Kirke Andrew Wrubel Moreira 1 1 Faculdade Educacional Araucária RESUMO Neste trabalho foi desenvolvido

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

Viga Parede Notas de aula Parte 4

Viga Parede Notas de aula Parte 4 Prof. Eduardo Thomaz 1 VIGA PAREDE Armaduras adicionais Caso 1 : Cargas aplicadas na parte superior da viga parede : Em cada face da viga parede deve ser colocada uma malha ortogonal de barras horizontais

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL. Adriano Maboni Alex Pimentel Arléia Teixeira Fabrício Machado Liliane Trombini Pereira

ALVENARIA ESTRUTURAL. Adriano Maboni Alex Pimentel Arléia Teixeira Fabrício Machado Liliane Trombini Pereira ALVENARIA ESTRUTURAL Adriano Maboni Alex Pimentel Arléia Teixeira Fabrício Machado Liliane Trombini Pereira DADOS DO TRABALHO Edifício de 9 pavimentos tipo e 1 térreo Térreo apoiado diretamente sobre a

Leia mais

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65 ESPESSURAS: 0,75 1,00 1,20 comercial para cálculo Peso próprio (kn/m 2 ) e=0,75 mm 0,71 0,08 e= 1,00 mm 0,96 0,1 e= 1,20 mm 1,16 0,12 Peso Comercial Massa (Kg/m 2 ) 0,75 8,52 1 11,36 1,2 13,64 total Volume

Leia mais

FQ-01. Fechamento para quadra de esportes. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1/5 7 18/09/09

FQ-01. Fechamento para quadra de esportes. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1/5 7 18/09/09 1/5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Fundação em baldrame sobre brocas ou sapatas corridas, conforme as condições do terreno e de acordo com especificação de projeto. Impermeabilização rígida, tipo

Leia mais

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha.

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha. Introdução - Uma laje nervurada é constituida de por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas pelas mesas. - Esse elemento estrutural terá comportamento intermediário entre o de laje maciça e

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS Torção 1º SEM./2001 1) O eixo circular BC é vazado e tem diâmetros interno e externo de 90 mm e 120 mm, respectivamente. Os eixo AB e CD são maciços, com diâmetro

Leia mais

Dosagem Experimental do Concreto - Método INT (Lobo Carneiro)

Dosagem Experimental do Concreto - Método INT (Lobo Carneiro) UNIP - UNIVERSIDADE PAUISTA ICET - Instituto de Ciências de Exatas e de Tecnologias Profª. Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVI Dosagem Experimental do Concreto - Método INT (obo Carneiro) Introdução

Leia mais

CATÁLOGO STEEL DECK MBP

CATÁLOGO STEEL DECK MBP CATÁLOGO STEEL DECK MBP LAJES MISTAS STEEL-DECK Uma laje mista é um elemento estrutural composto por uma chapa perfilada sobre o qual é adicionado concreto. Após a cura do concreto os dois materiais funcionam

Leia mais

CIDADE PASSO FUNDO INSTRUÇÕES GERAIS. a c d

CIDADE PASSO FUNDO INSTRUÇÕES GERAIS. a c d SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC / SETEC CIDADE PASSO FUNDO INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas.

Leia mais

ESTRUTURA DE LINHA DE VIDA (CABO-GUIA) MEMÓRIA DE CÁLCULO E DETALHES

ESTRUTURA DE LINHA DE VIDA (CABO-GUIA) MEMÓRIA DE CÁLCULO E DETALHES ESTRUTURA DE LINHA DE VIDA (CABO-GUIA) MEMÓRIA DE CÁLCULO E DETALHES A. DADOS DA EMPRESA CELSUL ENGENHARIA LTDA CNPJ: 02.031.790/0001-06 Ramo de Atividade: construção de edifícios Código CNAE: 4120-4 Grupo:

Leia mais

CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS

CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS 1 CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS I. ASPECTOS GERAIS As vigas empregadas nas edificações devem apresentar adequada rigidez e resistência, isto é, devem resistir aos esforços sem ruptura e ainda não

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil 1 ANÁLISE COMPARATIVA DO DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE CONCRETO ARMADO APOIADO NO SOLO: CONSIDERANDO A LIGAÇÃO ENTRE A PAREDE E O FUNDO TIPO PÉ DESLIZANTE RESUMO Heidy Ramos (1); Alexandre Vargas

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Referências para essa aula: (BAUER, 2011)

Leia mais

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA UNIVERSIDADE POITÉCNICA ANÁISE E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS PAREDE. VERIFICACAO DA SEGURANÇA Índice Temático 1. Definição de vigas parede (REBAP - Artº 128º)... 1 2. Definição do Vão Teórico e Espessura

Leia mais

As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção.

As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. 6 Escadas 6.1 Introdução As escadas são elementos estruturais que servem para unir, através degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. 6. Terminologia dos Elementos Constituintes A linha

Leia mais

Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão

Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão Vigas Pré-Moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 40 metros de Vão Rodrigo Ruas Bastos 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Benjamin Ernani Diaz 3 Resumo Os projetos atuais de vigas pré-moldadas

Leia mais