ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS"

Transcrição

1 ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS OBJETIVOS O aluno será capaz de determinar os esforços solicitantes em estruturas metálicas, e de dimensionar as principais peças estruturais em aço de acordo com estes esforços, utilizando os métodos adequados de cálculo, e observando os critérios exigidos nas Normas Técnicas Brasileiras. 1) Uma viga de edifício comercial esta sujeita a momentos fletores oriundos de diferentes cargas: Peso próprio de estrutura metálica Peso dos outros componentes não metálicos permanentes Ocupação da estrutura Vento M = 10kN. m M = 50kN. m M = 30kN. m M = 20kN. m Calcular o momento fletor solicitante de projeto M Solução: As solicitações M e M são permanentes e devem figurar e devem figurar em todas as combinações de esforços. As solicitações M e M são variáveis e devem ser consideradas, uma de cada vez, como dominantes nas combinações. Têm-se então as seguintes combinações: 1,25M + 1,5M + 1,5M + 1,4 x 0,6M = 149,3 kn. m 1,25M + 1,5M + 1,4M + 1,5 x 0,7M = 147,0 kn. m O momento fletor solicitante de projeto M = 149,3 kn.m

2 2) Uma diagonal de treliça de telhado está sujeita aos seguintes esforços normais (+ tração) oriundos de diferentes cargas. Calcular o esforço normal solicitante de projeto. Peso próprio da treliça e cobertura metálica Vento de sobrepressão v1 Vento de sucção v2 Sobrecarga variável N = 1k N N = 1,5 kn N = 3 kn N = 0,5 kn Calcular o esforço solicitante de projeto. Solução: Neste caso as cargas varia veis vl e v2 na o ocorrem simultaneamente; logo, na o se combinam. Na combinaça o em que a carga v2 for dominante, a carga permanente tera efeito favora vel. Tem-se enta o: 1,25N + 1,4N + 1,5 x 0,5N = 3,87 kn 1,0N + 1,4N = 3,20 kn 1,25N + 1,5N + 1,4 x 0,6N = 3,26 kn Observa-se neste exemplo uma característica típica de cobertura em aço: por ser uma estrutura leve, a ação do vento de sucção produziu reversão nos sinais dos esforços devidos ao peso próprio.portanto, a diagonal deverá ser projetada para suportar com segurança os seguintes esforços normais de projeto: N = 3,87 kn (traça o) N = 3,26 kn (compressa o)

3 3) Calcular a espessura necessária de uma chapa de I00 mm de largura, sujeita a um esforço axial de 100 kn (10 ). Resolver o problema para o aço MR250 u lizando o método das tensões admissíveis com σ = 0,6f Solução: Para o aço MR250, temos a tensão admissível (referida a área bruta): σ = 0,6 x 250 = 150MPa = 15kN/cm² Área bruta necessária: A = N σ = = 6,67cm² Espessura necessária: t = 6,67 10 = 0,67cm (adotar 7,94mm = 5/16") 4) Repetir o problema anterior, fazendo o dimensionamento com o método dos estados limites e comparar os dois resultados. Solução: Admitindo-se que o esforços de tração seja provocado por uma carga variável de utilização, a solicitação de cálculo vale: A área bruta necessária é obtida por: N = y N = 1,5 x 100 = 150kN A = N f /y = /1,10 6,60cm²

4 Espessura necessária: t = 6,60 10 = 0,66cm (adotar 7,94mm = 5/16") Verifica-se que, no caso de tração centrada devida a uma carga variável, o método dos Estados Limites e o de Tensões Admissíveis fornecem o mesmo dimensionamento. 5) Duas chapas 22 x 300 mm são emendadas por meio de talas com 2 x 8 parafusos Ø 22 mm (7/8"). Verificar se as dimensões das chapas são satisfatórias, admitindo-se aço MR250. (ASTM A36). Solução: Área bruta: A = 30 x 2,22 = 66,6 cm² A área líquida na seção furada é obtida deduzindo-se quatro furos com diâmetro ,5 = 25,5 mm. A = (30 4 x 2,55) x 2,22 = 44,04 cm² Admitindo-se que a solicitação seja produzida por uma carga variável de utilização, o esforço solicitante de cálculo vale: N = y N = 1,5 x 300 = 450kN Os esforços resistentes são obtidos com as equações 2.1a e 2.1b

5 Área bruta: N = 66,6 x 25 1,10 = 1513 kn Área Líquida: N = 44,0 x 40 1,35 = 1304 kn Os esforços resistentes são superiores aos esforços solicitantes, concluindo-se que as dimensões satisfazem com folga. 6) Duas chapas 28cm x 20mm são emendadas por traspasse, com parafusos d = 20 mm, sendo os furos realizados por punção. Calcular o esforço resistente de projeto das chapas, admitindo-as submetidas à tração axial. Aço MR250. Solução: A ligação por traspasse introduz excentricidade no esforço de tração. No exemplo, esse efeito será desprezado, admitindo-se as chapas sujeitas à tração axial. O diâmetro dos furos, a considerar no cálculo da seção líquida, é ,5 = 23,5 mm O esforço resistente de projeto poderá ser determinado pela seção bruta ou pela seção líquida da chapa, e a menor seção líquida deverá ser pesquisada nos percursos 1-1-1, e

6 Seção bruta: A = 28 x 2 = 56 cm 2 Seção líquida: A = (28 2 x 2,35)2 = 46,6 cm² A = x, 4 x 2,35 x 2 = 48,45cm² A = x, 5x 2,35 x 2 = 55cm² Observa-se que a menor seção líquida corresponde à seção reta Os esforços resistentes de projeto são obtidos com as Eqs. 2.1a e 2.1b. Área bruta N = 56 x 25 1,10 = 1273kN(127tf) Área líquida N = 46,6 x 405 1,35 = 1381kN(138tf) O esforço resistente de projeto é determinado pela seção bruta, valendo 1273 kn 7) Calcular o diâmetro do tirante capaz de suportar uma carga axial de 150 kn, sabendo-se que a transmissão de carga será feita por um sistema de roscas e porcas. Aço ASTM A36 (MR250). Admite-se que a carga seja do tipo permanente, com grande variabilidade. Solução: A = y x N 1,4 x 150 = 0,75 f /y 0,75 40/1,35 = 9,45 cm² > y x N 1,4 x 150 = 0,75 f /y 25/1,10 = 9,24cm²

7 O diâmetro de barra pode ser adotado igual a: D=3,49cm (1 3/8 ) A =9,58 cm² 8) Para a cantoneira L 178 x 102 x 12,7 (7" x 4" x 112") indicada na Figura, determinar: a) a área líquida, sendo os conectares de diâmetro igual a 22 mm (7/8"); b) maior comprimento admissível, para esbeltez máxima igual a 300. Solução: O cálculo pode ser feito rebatendo-se a cantoneira segundo seu eixo. Comprimentos líquidos dos percursos, considerando-se furos com diâmetro 22,2 + 3,5 = 25,7 mm (1"): Percurso 1-1-1: ,7 2 x 25,4 = 216,5 mm Percurso : , x 25,4 = 48,45cm² O caminho é critico. Seção líquida A = 21,6 x 1,27 = 27,4cm² O maior comprimento desta cantoneira trabalhando como peça tracionada será I = 300 x I = 300 x 2,21 = 663cm

8 9) Para o perfil U 381 (15") x 50,4 kg/m, em aço MR250. Calcular o esforço de tração resistente. Os conectares são de 22 mm de diâmetro. Solução: a) Escoamento da seção bruta N = A x f 1,10 = 64,2 x 25 1,10 = 1459 kn b) Ruptura da seção líquida: Diâmetro do furo a se considerar no cálculo = 22,0 + 3,5 =25,5 mm Área líquida (seção 1-1)= 64,2-4 X 2,55 X 1,02 = 53,8 cm² Área líquida efetiva, considerando-se fator de redução C C = 1 2,0 7,5 = 0,73 A = 0,73 x 53,8 = 39,4 cm² N = 39,4 x 40 = 1169 kn 1,35 c) Ruptura por cisalhamento de bloco no perímetro da área hachurada na figura Área cisalhada A = 2 x 1,02 x 15 = 30,6cm² A = 2 x 1, 02 x ( 15 1, 5 x 2, 55 ) = 22, 8cm² Área tracionada A = 1, 02 x ( 3 x 8, 5 3 x 2, 55 ) = 18, 2cm²

9 Utiliza-se equação: R = 0,6 x 40 x 22, x 18,2 1,35 = 944kN > 0,6 x 25 x 30, x 18,2 1,35 = 879kN d) Conclusão: O esforço resistente de tração do perfil é determinado pela ruptura por cisalhamento de bloco da área hachurada da figura: N =879kN 10) Calcular o esforço resistente de tração do perfil da figura, agora com ligação soldada. Solução: O esforço resistente ao escoamento da seção bruta foi obtido no problema é igual a 1444kN. Com o fator de redução obtém-se o esforço resistente para ruptura da seção efetiva na ligação: C = = 0,80 N = 0,80 x 64,2 x 40 1,35 = 1450kN

10 11) Ao perfil U 381 (15 ) x 50,4 kg/m do problema são acrescentados dois furos, como indicado na figura. Calcular o esforço de tração resistente.os conectares são de 22 mm de diâmetro. Solução: a) Ruptura de seção líquida O cálculo para ruptura da seção líquida será feito agora com as seções 1-1, 2-2 e Área líquida: Seção 1-1: Seção2-2: Seção 2-l-1-2: A = 64,2 4 x 2,55 x 1,02 = 53,8cm² A = 64,2 2 x 2,55 x 1,02 = 59,0cm² A = 64,2 4 x 2,55 x 1, x 7,5² x 1,02 = 57,6 cm² 4 x 8,5 Admitindo solicitações uniformes nos conectores, o esforço normal na seção 1-1 será: N 2 10 N = 8 10 N e por isso o esforço resistente à ruptura da seção líquida 1-1 será majorado de 10/8 para ser comparado ao esforço solicitante total N.

11 Ruptura da seção líquida efetiva, considerando o fator de redução C1 igual a 0,73 Seção 1-1: N = (0,73 X 53,8) X 40 X (10/8)/1,35 = 1454kN Seção : N s = (0,73 X 57,6) X 40/1,35 = 1246kN Comparando os resultados de esforço resistente à ruptura da seção líquida, vê-se que o percurso 1-1, embora com menor área líquida, não é determinante, pois o esforço na seção 1-1 é inferior ao esforço total N. b) Escoamento da seção bruta c) Ruptura por cisalhamento de bloco N = 1444 kn Com a distância agora adotada entre a última seção com furos e ruptura por cisalhamento de bloco não será determinante. d) Conclusão O esforço resistente à tração do perfil N é igual a 1246 kn. 12) Calcule o esforço resistente à tração da chapa de 20 mm de espessura ligada a outras duas chapas por parafusos de 19 mm de diâmetro. Aço MR250. N, = Ag x fy 1,10 Ag 28 x 2 = 56cm² => 56 cm² x 25 kn/cm² 1,10 d = 1,9 + 0,35 = 2,25cm = 1272,73 KN Lcrit1 = (2,25x3) = 21,25cm

12 N, = Lcrit2 = 28 + Ae x fu 1,35 O esforço resistente é 1259,26 KN (7,5 x 2)² (2,25x4) = 24,63cm 4x(5x2) => 42,5 cm² x 40 kn/cm² 1,35 = 1259,26 KN 13) Calcule o esforço resistente da cantoneira tracionada de contraventamento L 50 X 50 X 6 ligada à chapa de nó por parafusos Ø 9,5mm (3/8"). Aço MR250. AG = (0,6x5)+(4,4x0,6) = 5,64 cm² N, = Ag x fy 1,10 => 5,64 cm² x 25 kn/cm² 1,10 = 128,18 KN Aliq = Ag Ad Ad = (0,95 + 0,35) x 0,6 = 0,78 cm² Aliq = 5,64 0,78 = 4,86 cm² Elementos Área X XA Y YA 1 3 0,3 0,9 2,5 7,5 2 2,64 2,8 7, ,79 Total 5,64 8,2 8,29

13 Usar e referente ao lado onde encontra-se o parafuso Área 1 = (0,6 x 5 ) = 3 cm Área 2 = (4,4 x 0,6) = 2,64 cm X =,, e = 1,47 cm = 1,47cm Y =,, = 1,47 cm C = 1 - => 1, =0,85 A = A x C A = 4,86 x 0,85 => A = 4,13 cm² N, = Ae x fu 1,35 => 4,13 cm² x 40 kn/cm² 1,35 = 1267,11 KN A peça resiste ao esforço solicitado

14 14) Determine qual a máxima força de tração que pode solicitar a barra indicada na figura abaixo. Dados: - Aço A36 (MR250), f =25kN/cm²; f =40kN/cm². apoio. - A chapa (5,0 x 50mm) está ligada por meio de solda ao seu elemento de a) Área bruta = Área líquida, pois não há furos ou aberturas na seção. A = 0,5 x 5,0 = 2,5cm b) Coeficiente de redução C, como a força de tração está sendo transmitida uniformemente ao elemento a ser dimensionado C = 1,0. c) Verificação ESB: N, = 2,5 x 25 1,10 = 56,82kN d) Verificação RSE: N, = 2,5 x 40 1,35 = 74,07kN De (c) e (d), N, = 56,82kN

15 15) Determine se o perfil abaixo resiste a uma força de tração centrada de 650kN. Dados: - Aço A36, perfil cantoneira de abas iguais, L-152x12,7mm. - Ligação da barra ao elemento adjacente através de parafusos com 12,7mm, furo padrão. Das tabelas de perfis: A =37,1cm² (fornecida pelo fabricante). Área teórica: 15,2 x 1,27 + (15,2 1,27)x 1,27 = A = 36,9951cm y =42,69mm. a) ESB: N, = 37,1 x 25 1,10 = 843,18kN

16 b) RSE: Área Líquida: Parafuso d =12,7mm, furo padrão: dfuro teórico=12,7 + 1,5 = 14,2mm, folga obrigatória a ser considerada:14,2 + 2,0mm = 16,2mm. A = 15,2 x 1,27 + (15,2-1,62-1,27) x 1,27 = 34,94cm², ou A = 37,1 1,62 x 1,27 = 35,04cm², a diferençadeve-se aos valores diferentes de área real, fornecida pelo fabricante, e teórica, calculada a partir dedimensões nominais da seção. Sob o aspecto prático, pode-se utilizar qualquer um dos valores. Nesteexemplo será utilizado A =35,04cm². Coeficiente C : Como a força de tração não é transmitida uniformemente a toda a seção transversal no local da ligação -C 1,0. Aplica-se (c),c = 1 l. Com C 0,9 e 0,6. Para cálculo do comprimento da ligação l, pode-se supor inicialmente a distância entre os centros dosfuros igual a 3d (mínimo de norma será visto quando for estudada a ligação parafusada), ou seja: l = 2x 3 x 12,7 = 76,2mm.Com esse valorc = 1-42,69/76,20 = 0,44, menor que o mínimo 0,6, deve-se alterar aligação. C = 1 42,69 l 0,6, daí l 106,73mm, adotando se l = 110mm C = 1 42, = 0,61, e A, = 0,61 x 35,04 = 21,37cm N, = resiste.,, = 633,19kN < 843,18kN, logo N, = 633,00kN, a barra não

17 16) Verifique se a barra resiste à força indicada. Dados: - Aço A36, barra chata com espessura 8,0mm. - Ligação da barra ao elemento adjacente através de parafusos com 10,0mm, furo padrão. - Distância entre linhas de parafusos, 90mm, distância entre o primeiro/último furo e as bordas verticais,40mm, entre as linha de furos e as bordas horizontais, 55mm a) ESB: A = 0,8 x 20 = 16cm². N, = 16 x 25 1,10 = 363,64kN

18 b) RSE: Diâmetro do furo: 10,0 + 3,5mm = 13,5mm Seção 1: 1,35 x 2 92 A = 16 4 x 9 x 0,8 = 15,64cm² Seção 2: A = 16-1,35 x 0,8 = 14,92cm2 crítica; C = 1,0; A = 1,0 x 14,92 = 14,92cm² N, = 14,92 x 40 1,35 = 442,07kN c) N, = 363,64kN, a barra resiste.

19 17) Verificação de elemento comprimido seção duplamente simétrica. Determine a máxima força de compressão que pode ser aplicada a uma coluna bi-rotulada com 3000 mm de comprimento entre suas fixações, sendo dado: Aço A-36 (MR250) f = 25 kn/cm 2 e f = 40 kn/cm 2. G = 7.000kN/cm 2 ; E = kN/cm 2. Perfil I 160 x 17,9mm (série europeia, tabela ARCELOR-Laminado) A = 22,80cm 2 ; t = 9,51mm; I = 54,7cm 4 ; d = 160mm; t = 6,3mm; r = 6,40mm; b = 74mm; r = 1,55cm; I = 935cm 4. Sendo a coluna bi-rotulada e sem travamentos intermediários, pois não há observação sobre travamentos intermediários no enunciado, L = L = 300cm. a) Verificação da esbeltez da coluna λ = 1,0 x 300 1,55 = 193,54 (da tabela do item 3.3.1d, K=1,0), como λ OK. b) Cálculo de N, λ = 300 6,40 = 46,88 N, = XQA f y Para o cálculo de N é necessário determinar Q e X, uma vez que os demais elementos são conhecidos

20 c) Cálculo de Q Alma da seção AA Q Aba da seção A Q Tabela pág. 6 caso 2 (a favor da segurança, desprezou-se o raio de concordância). Valor Limite b t = 1,49 E = 1, = 42,14 f 250 (E= MPa, NBR 8800 e f =250Mpa, Aço A-36 No exemplo: b x 9,51 = = 22,38 < 42,14 Q t 6,3 = 1,0 Tabela pág. 6 caso 4 Valor Limite b t = 0,56 E = 0, = 15,84 f 250 Q = Q x Q = 1,0. No exemplo: b t = 74 2 x 9,51 = 3,89 < 15,84 Q = 1,0 d) Cálculo de χ O valor de χ depende da esbeltez reduzida λ, que por sua vez depende dos valores de força axial de flambagem elástica, apresentados no mesmo item para alguns tipos de seção transversal. Flambagem por flexão em torno do eixo Y (esbeltez máxima) N = π². E. I (K. L )² = 120,15kN com J ou I, inércia em torno de y = 54,7ecm ; E = kN/cm² K = 1,0 (barra rotulada);l = L = 300cm

21 λ = Q. A. f N = 2,1718 Com Q=1,00; A = 22,80cm²; f = e N calculado acima λ > 1,5 X = 0,887 λ ² X = 0,1844 Flambagem por flexão em torno do eixo X N = π². E. I (K. L )² = 2.048,265kN λ = 0,5275, λ 1,5 X = 0,658λ ² = 0,89 Conforme foi demonstrado anteriormentem para a seções com dupla simetria, o valor mínimo do coeficiente X, na flambagem por flexão, corresponde sempre a máxima esbeltez. Flambagem por flexo-torção N = 1 r ² π. E. C (K. L ) + GJ, onde as constantes C e J (constante de torção), Podem ser obtidas nas tabelas dos fabricantes dos perfis. Com x = y = 0, r ² = r ²+r ² = 1,55² + 6,40² = 6,58cm h=160-9,51=150,49mm J= = (2. b. t +h. t ³)= = (2 x 7,4 x ,05 x 0,63 = 5,4975cm C =.. ² =3.636,47 cm Substituindo na expressão de N : N = 1.073,01kN > N = 120,15kN, Logo, o eixo y é mais desfavorável.

22 e) Determinação de N N, =... =95,79kN Com x=0,18; Q=1,0; A = 22,8cm²; f = 25kN/cm e y = 1,1 O eixo y definiu a carga máxima de compressão que pode ser aplicada a essa barra, que é de 95,8kN 18)Verificação de elemento comprimido seção cantoneira. A treliça da figura tem suas barras comprimidas constituídas por cantoneiras. Sabendo que a força de compressão na barra indicada da treliça é de 800kN, verifique se as dimensões propostas estão compatíveis. Dados: Comprimento da barra 2000 mm (presas apenas pelas extremidades) Aço A36; Perfil 2L 152 x 152 x 12,7mm Propriedades do perfil (Tabela Usiminas): A =37,1cm 2 ; r =r =4,72cm; J =J =828cm 4 r =3,0cm. Como a barra é constituída por duas cantoneiras, cabe a cada cantoneira 400kN. Uma vez que as barras estão conectadas apenas pelas suas extremidades, nos nós, pode-se considerar que atende ao disposto na simplificação prevista pela NBR Como a barra é constituída por duas cantoneiras, cabe a cada cantoneira 400kN. Uma vez que as barras estão conectadas apenas pelas suas extremidades, nos nós, pode-se considerar que atende ao disposto na simplificação prevista pela NBR 8800, colocada na pág. 14.

23 a) Esbeltez da barra: λ = K. L = r 3 = 66,67 < 200 OK b) Comprimento equivalente: L = 200 r 4,72 = 42,72 < 80 K = 72rx + 0,75 L L = = 72 x 4,72 + 0,75 x 200 = 489,84cm c) Força de flambagem elástica: N = π. E. I (K. L ) = π x x 828 (489 x 84) = 681,17kN d) Cálculo de Q: Única situação, Aba da seção A Q Tabela pág. 6 caso 3 Valor Limite b t = 045 E = 0, = 12,73 f 250 No exemplo: b t = ,7 = 11,97 < 12,73 Q = 1,0 e) Cálculo de χ: λ = Q. A. f 1,00 x.37,10 x 25 = = 1,1669 N 681,17 λ 1,5 X = 0,658λ ² = 0,5656

24 f) Cálculo de N : N, =... =,,,, = 476,88kN > N = 400kN OK 19) Dimensionamento de elemento comprimido. Para a coluna da figura a seguir, dimensionar o perfil para resistir a uma força normal de compressão, centrada e de cálculo de 850kN. a) Pré-dimensionamento: As expressões do item 5 da NBR são apresentadas na forma de verificação (isso vale para todos os tipos de esforços), portanto, para o dimensionamento, sempre será necessário um procedimento iterativo de estimativa (pré-dimensionamento) e verificação (com eventuais ajustes). Tomando-se a expressão básica: N, = X. Q. A. f y É necessário estimar o produto X Q. Uma estimativa razoável é arbitrar o valor 0,6, daí: N, = X. Q. A. f = 0,6 x A x 25 = 850 A y 1,10 = 62,33cm²

25 Consultando uma tabela de perfis, pode-se adotar um perfil H, laminado, de faces paralelas: IP Massa d bf tf tw k g1 g2 [kg/m] [m m] [mm ] [mm] [m m] [mm ] [mm ] [m m] , ,0 6,5 28, , ,0 7,0 29, , ,0 7,5 33, I P A I x Wx rx Zx I y Wy ry Zy It Cw [cm2] [cm4] [cm3] [cm] [cm3] [cm 4] [cm 3] [cm] [cm 3] [cm4] [cm 6] , , , , , , , , , , , , Como a área foi estimada, será adotado inicialmente o perfil IP-210 x 220. b) Verificação da esbeltez: λy = (1,0 x 650)/5,51 = 117,96 < 200 OK! λx = (1,0 x 325)/9,17 = 35,44 < 200 OK! c) Cálculo de Q Alma da seção AA Q Aba da seção A Q Tabela pág. 6 caso 2; h=210-2 x 11=188mm Valor Limite b t = 1,49 E = 1, = 42,14 f 250 (E= MPa, NBR 8800 e f =250Mpa, Aço A-36 No exemplo: b t = = 26,86 < 42,14 Q = 1,0

26 Tabela pág. 6 caso 4; b=220/2=110 Valor Limite b t = 0,56 E = 0, = 15,84 f 250 Q = Q x Q = 1,0. No exemplo: b t = = 10,0 < 15,84 Q = 1,0 d) Cálculo de χ λ = λ π Q. f E = 117,96 π 1,00 x = 1,3276 λ 1,5 X = 0,658λ ² = 0,4782 Para verificação da flambagem por flexo-torção: r 2 = r ² + r ² = 9, ,51 2 = 114,45cm 2 ; C = cm 6 ; I (ou J ) = 28,6cm 4 ; N = 1. E. C r ² π + GJ = 2.538,34kN (K. L ) λ = Q. A. f 1,00 x.64,3 x 10 x 25 = = 0,7958 N 2538,34 λ 1,5 X = 0,658λ ² = 0,7672 (vale o anterior)

27 e) Cálculo de N N, = X. Q. A. f y = 698,82kN < 850kN É necessário verificar o próximo perfil, provavelmente será verificado, pois a simples relação de área (698,82 x 64,3/76,8 = 834,80kN). Será adotado IP-230 x 240 f) Nova verificação de esbeltez λ = 1,0 x 650 6,00 = 108,33 < 200 OK! λx = 1,0 x ,1 = 32,18 < 200 OK! g) Novo cálculo de Q Alma da seção AA QA h = 230 2x12 = 206mm. b t = 206 7,5 = 27,47 < 42,14 Q = 1,0 Aba da seção A Q b = = 120 b t = = 10,0 < 15,84 Q = 1,0 Q = Q x Q = 1,0

28 h) Cálculo de χ λ = λ π Q. f E = 108,33 π 1,00 x = 1,2191 λ 1,5 X = 0,658λ ² = 0,5368 Para verificação da flambagem por flexo-torção: r 2 = r 2 + r 2 = 10, ,0 2 = 138,01cm 2 ; C = cm 6 ; I (ou J ) = 41,8cm 4 ; N = 1. E. C r ² π + GJ = 3.232,20kN (K. L ) λ = Q. A. f 1,00 x.76,8 x 10 x 25 = = 0,7707 N 3232,2 Como λ é menor que o anterior, vale o anterior. Cálculo de N N, = X. Q. A. f y Adota-se o perfil IP 230 x 240 = 936,96kN > 850kN OK!

29 20) Verificação de viga fletida. Calcule o máximo carregamento distribuído que pode ser aplicado na viga da figura, sabendo que: A viga não tem travamento lateral intermediário. Dados:. Perfil Aço A 36, tipo VS 550x64;. bf=250mm; tf=9,5mm; tw=6,3mm);. Ag = 81cm 2 ; Ix=42500cm 4 ; Wx=1550cm 3 ; rx=22,9cm;. Zx=1730cm 4 ;. Iy=2480cm 4 ; ry=5,53cm;. Cw= cm 6 ; It ou J = 18,7cm 4. SOLUÇÃO: a) Verificação da esbeltez da alma λ = h/tw = ( ,5) = 84,29 ; λ = 5,7 =5,7 =161,22 λ < λ λ< - alma não esbelta! b) Verificação de FLA λ = 84,29 ; λ = 3,76 =3,76 =106,35 λ < λ seção compacta MRd = MPL/γa1 MPL = Zx.fy = = kN.cm = 432.5kN.m

30 MRd1 = 432,5/1,1 = 393,18kN.m c) Verificação de FLM λ = b/tf = 250/(2.9,5) = 13,16; λ = 0,38 =0,38 =10,75 λ = 0,95. == 0,95., = 21,20, σ = 0,3fy = 0,3.25 = 7,5kN/cm² kc = =, =0,4357(0,35 kc 0,76) λp < λ < λr seção semi compacta MRd = 1/γa1 M (M M ) Mr = (fy-σr).w = (25 7,5)1550 = 271,25kN.m,, MRd = 1/1,1 [432,5 (432,5-271,25). ] = 359,37kN.m,, d) Verificação de FLT λ = Lb/ry = 250/5,53 = 45,21; λ = 1,76 =1,76 =49,78 λ<λ seção compacta MRd = MPL/γa1 MPL = Zx.fy = = kN.cm = 432.5kN.m MRd1 = 432,5/1,1 = 393,18kN.m e) MRd Momento resistido é o mínimo entre as verificações MRd = 359,37kN.m f) Carga distribuída MRd Msd = ² q 8.MRd/ l² qd 459,99kN/m ~ 460kN/m

31 21) Dimensionamento de viga fletida. Defina qual o perfil Ip que deve ser utilizado na viga da figura, sabendo que: A viga tem travamento lateral intermediário a cada terço do vão. Perfil Aço A 36. A carga está aplicada no meio do vão. SOLUÇÃO: a) Pré-dimensionamento Zmin. =., = 2475 cm3 da tabela: Ip 550x106, bf=210mm; tf=17,8mm; tw=11,1mm. Zx=2780cm3; Wx=2440cm3; ry=4,45cm; Iy=2670cm4; Cw= cm6; J=124cm4. Msd = ,5/4 = 562,5 kn.m b) Verificação de FLA e da esbeltez da alma λ = h/tw = ( ,8)/11,1 = 46,45 ; λr =5,7 = 5,7 alma não esbelta! = 161,22 λ< λr - λ = 46,45 ; λp =3.76 = 3,76 = 106,35 λ< λp seção compacta MRd = MPL/γa1 MPL = Zx.fy = = 69500kN.cm = 695,0kN.m MRd1 = 695,0/1,1 = 631,82kN.m c) Verificação de FLM λ = b/tf = 210/(2.17,8) = 6,1; λp =0,38 = 0,38 =10,75 λ< λp seção compacta MRd = MPL/γa1; MRd1 = 631,82kN.m d) Verificação de FLT

32 λ = Lb/ry = 250/4,45 = 56,18; λp = 1,76 = 1,76 = 49,78 λp =,... = , com os dados já conhecidos λr = 158,1 λp < λ < λr seção semi compacta MRd = Cb/γa1[MPL ( MPL Mr) β = ( ). = 0,0172; Mr = (fy-σr).w = (25 7,5)2440 = 427,0kN.m ] Cálculo de Cb, á Cb = onde MA ¼ de Lb; MB ½ de Lb; Mc ¾ de Lb, á,., Cb =. 1 = 1,09 (, ) ( ), Na expressão de MRd MRd = 672,99kN.m e) MRd Momento resistido é o mínimo entre as verificações MRd = 672,99kN.m > 562,5 kn.m OK! O perfil selecionado está OK.

33 21 Verificar a estabilidade de um tubo circular 323,8 x 12,7mm aço ASTM A572 grau 42, sujeito a uma força axial de compressão de 1700kN, sendo 700kN de ações permanentes e 1000kN de ações variáveis. A peça tem 5,5m de comprimento e ambas as extremidades rotuladas. Dados: f = 29 kn/ cm², f = 41,5 kn/ cm² E = kn/cm² A = 124,12 cm 2 D = 32,38 cm t = 1,27 cm L = 550 cm 5, 5 m r = 11,01 cm I = 15041cm 4 Resolução: N, = 700 x 1, x 1,50 = 2445 kn N, N, N = π. E. I (k. L) = π x x (1 x 550) = 9.814,74kN Determinar Q D t 0,11 x E f Q1 33,38 1,27 0,11 x ,496 75, 862 Q1 λ = Q. A. f 1 x 124,12 x 25 = = 0,61 X = 0,856 N 9.814,74

34 N, = X. Q. A. f 0,856 x 1 x 124,12 x 25 = 2801, 05 Kn y 1,10 Revisão de conceitos básicos Centroide 1 ) LOCALIZE O CENTRÓIDE DA ÁREA DA PLACA NA FIGURA ABAIXO: X = distância de X.A Y = distância de Y.A A Total A Total Elementos Área X A.X Y A.Y (m 2 ) 1 4,5 1 4,5 1 4,5 2 6, ,0 1,5 9,0 3 1,0-2,5-2,5 0,5 0,5 11,5-4,0 14 X = - 4 = 0,35m 2 Y = 1 4 = 1,22m 2 11,5 11,5

35 2 ) LOCALIZE O CENTRÓIDE DA ÁREA DA PLACA NA FIGURA ABAIXO: Elementos Área X A.X Y A.Y (mm) X = = 20 mm Y = = mm Determinar a coordenada y do centróide da seção abaixo: Elementos Área X A.X Y A.Y (m 2 ) 1 6,0-2,5-15 6, , ,5 49,0 3 6,0 2,5 15 6, , Y = 121 = 4,65m 2 26

36 3) Determinar a distância c do centróide da figura abaixo: Dados: b = 10cm; e = 2,5cm; h = 20cm; h1 = 17,5cm. Elementos Área Y A.Y (mm) ,75 468, ,75 8,75 382,81 68,75 851,56 Y = 851,56 68,75 C = 7,61cm = 12,39cm Propriedades de figuras planas - centróide 4 ) Determinar os centróides das sessões abaixo: Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ x = A. x A = = 26,43 mm 4200 y = A. y A = = 0 mm

37 Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ x = y = A. x A = = 200 mm A. y A = = 162,5 mm Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ A. x x = A = = 63,46 mm A. y y = A = = 132,69 mm 32500

38 Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ x = A. x A = = 0 mm y = A. y A = = 237,5 mm Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ A. x x = A = = 0 mm A. y y = A = = 191,47 mm 30600

39 Elemento Área (mm²) X (mm) Y (mm) AX (mm³) AY (mm³) Σ x = A. x A = = 0 mm y = A. y A = = 40 mm 4800

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

5.3 COMPORTAMENTO DA SEÇÃO TRANSVERSAL SOB MOMENTO FLETOR CRESCENTE, SEM INFLUÊNCIA DA INSTABILIDADE

5.3 COMPORTAMENTO DA SEÇÃO TRANSVERSAL SOB MOMENTO FLETOR CRESCENTE, SEM INFLUÊNCIA DA INSTABILIDADE 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO 5.1 INTRODUÇÃO Os capítulos 5 e 6 deste trabalho apresentam início do estudo das vigas constituídas por perfis metálicos em estruturas, que a literatura costuma

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte Dimensionamento de Estruturas em Aço Parte 1 Módulo 2 2ª parte Sumário Módulo 2 : 2ª Parte Dimensionamento de um Mezanino Estruturado em Aço 1º Estudo de Caso Mezanino página 3 1. Cálculo da Viga V2 =

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA. DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO Aulas 10 e 11 Eder Brito

ESTRUTURAS DE MADEIRA. DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO Aulas 10 e 11 Eder Brito ESTRUTURS DE MDEIR DIMESIOMETO À TRÇÃO ulas 10 e 11 Eder Brito .3. Tração Conforme a direção de aplicação do esforço de tração, em relação às fibras da madeira, pode-se ter a madeira submetida à tração

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2 4ª. Edição revisada e atualizada Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME IV EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME II LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA,

Leia mais

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte Dimensionamento de Estruturas em Aço Parte 1 Módulo 3 2ª parte Sumário Módulo 3 : 2ª Parte Dimensionamento de um Galpão estruturado em Aço Dados de projeto página 3 1. Definição página 5 2. Combinações

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES 3.1 CONCEITOS GERAIS 3.2 EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO FORÇA AXIAL RESISTENTE DE CÁLCULO

3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES 3.1 CONCEITOS GERAIS 3.2 EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO FORÇA AXIAL RESISTENTE DE CÁLCULO 3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES As condições para o dimensionamento de peças metálicas à tração simples estão no item 5.2 da NBR 8800. Essa seção (seção 5) da NBR trata do dimensionamento de elementos

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus Kerkhoff Guanabara DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME I GALPÕES PARA USOS GERAIS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA, tem a satisfação

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

Em uma estrutura, quando se avalia a sua estabilidade, pode-se diferenciar dois tipos básicos de instabilidade:

Em uma estrutura, quando se avalia a sua estabilidade, pode-se diferenciar dois tipos básicos de instabilidade: 4 DIMENSIONAMENTO À COMPRESSÃO SIMPLES O dimensionamento de barras prismáticas submetidas à compressão simples tem suas condições estabelecidas pelo item 5.3 da NBR 8800, complementado pelos anexos E e

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

h = comprimento de flambagem nas duas direções

h = comprimento de flambagem nas duas direções Pilares Como se sabe, o pilar é uma barra submetida predominantemente a compressão axial. Em alguns casos, entretanto, os pilares podem ficar submetidos, além do esforço de compressão axial, ao esforço

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Objetivo 1 INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo Galpões são construções em aço geralmente de um único pavimento constituídos de sistemas estruturais compostos por pórticos regularmente espaçados, com cobertura superior apoiada

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES (OUTRA APRESENTAÇÃO) Prof. Almir Schäffer PORTO ALEGRE

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Claudemir Claudino 2014 1 Semestre 4) Dimensionar a estrutura representada a seguir com relação à flexão, considerando que a

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL (1) 1 APRESENTAÇÃO O presente documento apresenta alguns detalhes

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

Curso de Estruturas Metálicas ÍN D I C E

Curso de Estruturas Metálicas ÍN D I C E ÍN D I C E PAG. 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE AS ESTRUTURAS METÁLICAS 1.1. Principais Aplicações 1.2. Vantagens e desvantagens das Estruturas Metálicas 1.3. Exigências que se apresentam na execução de

Leia mais

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá Peças Tracionadas Denominam-se peças tracionadsas as peças sujeitas a solicitação de tração axial, ou tração simples. Tirantes

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 Rafael de Amorim Salgado Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira

Leia mais

CAPÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL I. ASECTOS GERAIS CAÍTULO IX CISALHAMENTO CONVENCIONAL O cisalhamento convencional é adotado em casos especiais, que é a ligação de peças de espessura pequena. Considera-se inicialmente um sistema formado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO ÁBACOS PARA PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE VIGAS I LAMINADAS DE

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

Figura 4.1: Chapa submetida à tração. f y = 250MP a = 25kN/cm 2 A área bruta necessária pode ser determinada através do escoamento da seção bruta:

Figura 4.1: Chapa submetida à tração. f y = 250MP a = 25kN/cm 2 A área bruta necessária pode ser determinada através do escoamento da seção bruta: 4 Exercícios de Tração 4.1 Resolvidos Ex. 4.1.1 Chapa simples tracionada Calcular a espessura necessária de uma chapa de 100 mm de largura, sujeita a um esforço axial de 100 kn (10 tf) de cálculo, figura

Leia mais

Tensão de Cisalhamento

Tensão de Cisalhamento - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensão de Cisalhamento

Leia mais

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355

Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 14762 e NBR 6355 Dimensionamento de Perfis Formados a Frio conforme NBR 1476 e NBR 6355 DMENSONAMENTO DE PERFS FORMADOS A FRO CONFORME NBR 1476 e NBR 6355 Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 3ª Edição 2005 Volume 3 Flávio D Alambert Coordenação Técnica: Rosângela C. Bastos Martins Colaboração: Christiane Mirian Haddad

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral 9 CONTRAVENTAMENTO DE ESTRUTURAS DE MADEIIRA 9..1 Generalliidades 11 As estruturas reticuladas são normalmente constituídas por elementos planos. Quando são estruturas espaciais (não planas), tendem a

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem Capítulo 5 Flambagem 5.1 Experiências para entender a flambagem 1) Pegue uma régua escolar de plástico e pressione-a entre dois pontos bem próximos, um a cinco centímetros do outro. Você está simulando

Leia mais

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Escola Superior Nautica Infante D. Henrique CET Manutenção Mecânica Naval Fundamentos de Resistência de Materiais Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Tradução: V. Franco Ref.: Mechanics

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA. Módulo

Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA. Módulo Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA Módulo 7 h Sumário Módulo 7 Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos 1. Concepção página 5 1.1. Análise da Arquitetura página 5 1.2.

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Construções Metálicas I AULA 5 Compressão

Construções Metálicas I AULA 5 Compressão Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Ouro Preto - MG Construções Metálicas I AULA 5 Compressão Introdução Denomina-se coluna uma peça vertical sujeita à compressão centrada. Exemplos de peças

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA Curso de Engenharia Civil Cristiano Goecks ANÁLISE DE LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM ESTRUTURAS METÁLICAS Ijuí/RS

Leia mais

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio

09-14. Estruturas compostas por perfis formados a frio 09-14 Estruturas compostas por perfis formados a frio Dimensionamento pelo método das larguras efetivas e aplicação conforme ABNT NBR 1476:010 e ABNT NBR 6355:01 ESTRUTURAS COMPOSTAS POR PERFIS FORMADOS

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Esforços axiais e tensões normais

Esforços axiais e tensões normais Esforços axiais e tensões normais (Ref.: Beer & Johnston, Resistência dos Materiais, ª ed., Makron) Considere a estrutura abaixo, construída em barras de aço AB e BC, unidas por ligações articuladas nas

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais