JOSÉ DENTI FILHO, ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ DENTI FILHO, ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA 1"

Transcrição

1 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil MONTAGEM E MODELAGEM DE UM GRUPO GERADOR SÍNCRONO TURBINA HIDRÁULICA PARA SEU ESTUDO E OPERAÇÃO EM MICRO CENTRAIS HIDROELÉTRICAS PARA PEQUENOS SISTEMAS ISOLADOS JOSÉ DENTI FILHO, ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA 1 1. Labratóri de Cntrle Inteligente, Departament de Engenharia Elétrica,UFES Av. Fernand Ferrari, 514, CEP , Vitória - ES s: Abstract This wrk presents the assembly and mdeling f a plant cnstitted by ne trbine and ne synchrns generatr t fnctin as a part f a Micr Hydrelectric Plant (MHP) fr small islated systems. Once the assembly f the plant at the labratry was cnstrcted, has started the develping f an empirical mdel f the prcess in the frm f reactin crves, btained by the se f the step respnse techniqe that allwed the apprximatin f the main variables invlved in a first rder with dead time mdel. After btaining the transfer fnctins f the plant, a PID cntrller was designed in rder t maintain the tpt vltage f the generatr n an apprpriate reference vale fr electrical distribtin in the netwrk f the islated electric system. With the prpse f validate the simlatin reslts, crves f respnse were btained frm the real system in the labratry and were cmpared t bth respnses, giving a satisfactry and very similar reslt. These reslts will fnctinate as a basis fr frther stdies in the areas f speed cntrl (r charge cntrller) and system stability, amng thers, in the field f MHPs fr small islated systems. Keywrds MHP, assembly, mdeling, islated system, AVR, sigmidal crve, tne. Resm O trabalh apresenta a mntagem e mdelagem de ma planta frmada pr ma trbina hidrálica e m geradr síncrn para se fncinament cm parte de ma Micr Central Hidrelétrica (MCH) para peqens sistemas islads. Uma vez feita a mntagem da planta em labratóri, parti-se para desenvlviment de m mdel empíric d prcess, na frma de crvas de reaçã, btidas tilizand-se a técnica de respsta a degra; e qe pssibilit a aprximaçã das variáveis principais envlvidas para m mdel de primeira rdem cm temp mrt. Depis de btidas as fnções de transferência da planta, prjet-se m cntrladr PID cm a finalidade de manter a tensã de saída d geradr a m valr de referência adeqad para a sa distribiçã na rede elétrica n sistema islad. A segir, cm a finalidade de validar s resltads btids nas simlações, btiveram-se crvas de respsta d sistema real em labratóri e cmpararam-se ambas as respstas, dand m resltad satisfatóri e mit parecid. Estes resltads servirã cm base para ftrs estds nas áreas de cntrle de velcidade ( gvernadr de carga) e estabilidade d sistema, entre trs, n camp das MCHs para peqens sistemas islads. Palavras-chave MCH, mntagem, mdelagem, sistema islad, AVR, crva sigmidal, sintnia. 1 Intrdçã Em m sistema islad, grp trbina hidrálica geradr precisa para se crret fncinament de gvernadres cntrladres qe mantenham fncinand a valres nminais de peraçã. As variações na ptência real ( ativa) afetam principalmente à freqüência d sistema, enqant qe variações na ptência reativa afetam principalmente a amplitde da tensã. Prtant, é pssível cntrlar a ptência ativa e reativa de maneira independente. A malha de cntrle de ptencia real freqüência LFC (lad freqency cntrl), cntrla a ptência real e a freqüência (velcidade de rtaçã d geradr); enqant qe a malha d regladr atmátic de tensã de ptência reativa tensã AVR (atmatic vltage reglatr) regla a ptência reativa e a amplitde da tensã. Mdanças na ptência real pdem ser feitas através d ângl d rtr e, pr cnseginte, da freqüência; a ptência reativa pde ser cntrlada através da tensã de excitaçã d geradr (Vanfretti, 2005). A fnçã básica de m sistema de excitaçã é de prver a crrente cntína a enrlament de camp de ma máqina síncrna. Além diss, sistema de excitaçã desempenha fnções de cntrle e prteçã essenciais para fncinament satisfatóri d sistema de ptência através d cntrle da tensã de camp, e pr cnseqüente, da crrente de camp. As fnções de cntrle inclem cntrle da tensã e da ptência reativa, cm também melhrament da estabilidade d sistema (Vanfretti, 2007). Os cntrladres eletrônics de velcidade ( gvernadres de carga) se tilizam em peqenas centrais e sistemas islads; estes mantêm a velcidade d cnjnt trbina geradr cnstante desviand para m dissipadr (aqecedr de ága ar) tda a energia elétrica qe nã esteja send cnsmida. Smand as trbinas hidrálicas, s geradres, s cntrladres de tensã e de freqüência, e s painéis de cntrle, pdem-se mntar grps cmplets de geraçã hidrelétrica. Neste trabalh é apresentad prcess de identificaçã ds parâmetrs e a btençã d mdel dinâmic da planta, definida cm cnjnt trbina hidrálica geradr elétric, a partir de prvas experimentais em labratóri em ma planta mntada para tal finalidade; para depis desenvlver a sintnia d cntrladr de tensã de saída da energia elétrica gerada, cm bjetiv de ter m mdel qe sirva cm base para ftras pesqisas sbre desenvlviment e prjeçã ds cntrladres eletrônics ISSN: Vl. X 356

2 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil de freqüência, estabilidade d sistema, entre tras, em peqens sistemas islads. 2.1 Geradr 2 Elements da planta mntada O geradr é síncrn d tip BRUSHLESS, de três fases cm cnexã em estrela cm pnt netr; ma tensã de linha de 380 V e tensã de fase de 220 V, freqüência de 50 Hz (de fabricaçã perana) e fatr de ptência de Planta mntada Na figra 4 mstra-se esqema da planta qe fi mntada para realizar a experimentaçã; deve-se ntar qe tdas as prvas fram feitas a velcidade cnstante, cm ajda de m gvernadr eletrônic de carga (f = cte.); ist fi feit devid a qe sistema é basicamente m sistema linearmente independente, seja, qe cntrle de tensã e de velcidade pde ser feit de frma independente. Se nã tivesse sid sad gvernadr de velcidade teríams btid dads qe nã refletiriam cmprtament real d geradr, devid a qe a respsta também estaria inflenciada pela inércia ds demais cmpnentes da planta (p.e. a trbina hidrálica). Figra 1. Sistema de excitaçã d geradr sem escvas Na figra 2 é apresentada a estrtra d regladr de tensã. Figra 4. Sistema mntad n labratóri 3 Obtençã d mdel dinâmic 3.1 Métd de identificaçã dinâmica através d teste degra Figra 2. Diagrama de blcs d AVR. O fncinament d AVR é basead na cmparaçã d valr eficaz da tensã de realimentaçã cm a referência de tensã, ajstada pela sma d trimpt de ajste de tensã cm trimpt extern. O err é prcessad pela malha de realimentaçã cj valr determina ângl de dispar d tiristr qe pde variar de 0 a 180, cntrland desta frma a tensã de saída d geradr. Cm zer gras de dispar temse zer vlts na saída d retificadr, e cm dispar de 180 gras, tem-se a saída máxima dada pel retificadr de meia nda. 2.2 Trbina hidrálica Nas prvas em labratóri fi sada ma trbina tip Banki, qe admitia ma vazã máxima de 30 [l/s], desenhada para ma altra de 40 [m] e cm ma ptência n eix de 8 [kw]. Figra 3. Trbina hidrálica tip Banki Para a identificaçã das características essenciais de m prcess sb avaliaçã, é pssível tilizar ma entrada degra. Assim, chaveament abrpt através de m acréscim decréscim na magnitde d degra pde ser estabelecid em nss cas pela variaçã da tensã de excitaçã. Em Celh e Celh (2004) define-se m sistema linear pr mei da sa respsta a degra para diferentes amplitdes n sinal de entrada (terema da sperpsiçã): m sistema é linear se a frma (crva) da respsta a degra nã depende da amplitde d sinal de entrada, qe é cmprid pelas prvas feitas. Os parâmetrs a serem estimads ds resltads btids de m teste degra sã: ganh d prcess, a cnstante de temp e temp mrt. 3.2 Obtençã d mdel de primeira rdem cm temp mrt Um mdel é ma representaçã matemática de m sistema. Pr ser m análg matemátic d sistema, espera-se qe mdel seja representativ das principais características d sistema real (Agirre, 2007). Dad qe sistema pde sfrer pertrbações tant psitivas qant negativas (ligament desligament da carga elétrica à saída d geradr), neste estd tilizaram-se degras psitivs e negativs ISSN: Vl. X 357

3 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil cm a finalidade de bservar cmprtament da planta diante estas pertrbações. Prtant, btiveramse das fnções de transferência qe descrevem a dinâmica d prcess. Existem váris métds para estimar a cnstante de temp de m prcess e temp mrt a partir da respsta a degra. O primeir destes métds fi prpst riginalmente pr Ziegler e Nichls. Pdems chamar este métd de métd da tangente. Otrs dis métds, métd d pnt e da tangente e métd ds dis pnts, dã resltads mais próxims. Em Crripi (2001) encntra-se qe métd ds dis pnts reslta em ma estimaçã mais alta d temp mrt e ma estimaçã mais baixa da cnstante de temp d prcess em cmparaçã cm s trs dis métds; entretant, métd da tangente é tr extrem. Prtant, decidi-se pr tilizar métd d pnt e da tangente. Tmam-se só s dads d segnd degra, devid a qe se spõe qe a planta irá trabalhar em ma faixa entre [Vac] qe sã s valres recmendads pel fabricante d AVR para qe este trabalhe crretamente, pde se fazer ma aprximaçã da crva cm ríd pr ma crva sigmidal (Ferreira, 2000) segnd mstrad na figra Respstas da planta a teste degra sem AVR e btençã das fnções de transferência Levantaram-se as fnções de transferência pel registr das crvas de reaçã da tensã de saída d geradr frente a degras aplicads à tensã de excitaçã d camp. Na figra 5 circit tilizad para realizar as prvas é mstrad. Figra 7. Crva de reaçã d sistema e btençã ds parâmetrs para a mdelagem d prcess A segir, pdems ver ma tabela resm de tdas as fnções de transferência encntradas ns distints testes. Tabela 1. Resltads das respstas d prcess a teste degra Figra 5. Circit para teste Fizeram-se várias prvas, tant para degras negativs qant para psitivs; na figra 6 pde se ver a respsta d sistema a degra psitiv. Figra 6. Degras psitivs na tensã de excitaçã e respsta d sistema ISSN: Vl. X 358

4 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil 4 Mdel prpst para cntrladr de tensã 4.1 Sistema de cntrle em malha fechada mstra P para as fnções de transferência btidas na tabela 1. Tabela 2. Cntrlabilidade ds testes realizads Uma descriçã detalhada d diagrama fncinal d sistema de cntrle em malha fechada (SCMF) é dada na figra 8. Este diagrama mstra s principais cmpnentes d sistema de cntrle, send: Referência (SP): Valr desejad da variável a ser cntrlada. Cmparadr: Dispsitiv qe cnstrói sinal de err entre valr desejad e btid. Cntrladr: Dispsitiv qe manipla sinal de err, gerand m sinal de cntrle qe será aplicad n sistema, cm a finalidade de crrigir a variável a ser cntrlada. Atadr: Dispsitiv qe recebe sinal de cntrle e gera m sinal cm ptência sficiente para atar sbre sistema. Sistema: Dispsitiv fenômen qe se deseja perar cm algma finalidade (bjetiv de cntrle). Medidr (transdtr): Dispsitivs respnsáveis pela mediçã e cnversã da variável a ser cntrlada para fins de cmparaçã e btençã d err de saída. Otpt t Prcess (OP): É a açã sinal de saída d cntrladr, para nss cas, a tensã de excitaçã d geradr (E dc ). Prcess Variable (PV): É a variável d prcess variável cntrlada, qe em nss cas é a tensã gerada (V ac ). Maniplate Variable (MV): É a variável maniplada através d atadr, para nss cas, é a intensidade de camp magnétic para pder gerar a FEM indzida. Figra 8. Diagrama d sistema de cntrle malha fechada 4.2 Estratégia de cntrle tilizada A cntrlabilidade da malha decresce qand a taxa entre temp mrt d prcess e sa cnstante de temp se incrementa. Agra se pde definir parâmetr de incntrlabilidade ( P ) da malha cm: θ = τ P (1) Em Crripi (2001) m prcess cm m lng temp mrt será incntrlável se a sa cnstante de temp fr mit mair d qe temp mrt. Para valres d parâmetr de incntrlabilidade maires d qe 1, sistema será incntrlável. A tabela 2 Os parâmetrs estimads d teste 6 dã cm resltad m P 1, ist pde ser pr casa de mitas razões, cm pr exempl a má reclha ds dads qand feit teste, s incrret d registradr, err ds instrments de mediçã, etc. Prtant, exclíms s dads d teste 6 para s ftrs cálcls. 4.3 Sintnia d cntrladr Segnd Astrm (1995) cntrladr PID é de lnge algritm mais cmm de cntrle. Cm mstrad na figra 2, AVR tem incrprad m cntrladr PI, prém, devid a temp rápid de respsta d sistema cm AVR, decidi-se pr sar m cntrladr PID paralel para pder representar de ma maneira mais próxima cmprtament real d AVR perand jntamente cm a planta (geradr - trbina hidrálica). Cm a finalidade é bter ma sintnia rápida e simples d sistema de cntrle, tilizams m ds métds mais simples e efetivs prpst para realizar a sintnia de cntrladres cm realimentaçã (Crripi, 2001). Este métd é cnhecid cm regras de sintnia IMC (Internal Mdel Cntrl) e fi riginalmente intrdzid cm nme de cntrller synthesis em Martin (1976). Para mdel d prcess de primeira rdem mais atras, as regras IMC de sintnia cnsistem em fazer temp integral ( T i ) igal à cnstante de temp (τ ) d prcess e temp derivativ ( T ) igal a D metade d temp mrt (θ ) d prcess. O ganh d prcess ( K ) é depis ajstad para bter a respsta desejada. P Para ma ba respsta a distúrbis, qand P estiver entre 0,1 e 0,5, sar a fórmla: 2τ K p = Kθ (2) ISSN: Vl. X 359

5 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil Qand P fr menr d qe 0,1 mair d qe 0,5 deve se sar só a metade d ganh cm valr inicial. Para ma respsta ótima a variações n set pint, qand P estiver na faixa 0,1 a 0,5 e para m cntrladr PID sa-se a fórmla: Depis, pt-se pr ter ma única fnçã de transferência, tant para teste cm degra psitiv qant para teste cm degra negativ; para ist btiveram-se s valres médis de cada m ds parâmetrs das fnções de transferência. 0, 83τ K p = Kθ (3) Tabela 4. Fnções de transferência cm as nidades adaptadas As fórmlas acima cnfirmam a idéia de qe ganh d cntrladr pde ser ajstad para bter váris tips de respsta. 4.4 Estrtras d mdel d prcess Antes de definir as estrtras d mdel e fazer a sintnia d cntrladr, deve-se adaptar as nidades das fnções de transferência encntradas, ist é, ganh adimensinal (% / %), τ e θ em mints. Para ist se tiliza a seginte relaçã: K (%) ( 2 1) = K [% / %] (4) ( y y ) 2 Os valres de y 1 e y 2 (240 [V ac ] e 190 [V ac ] respectivamente) frmam a faixa de peraçã recmendada pel fabricante d AVR para ma crreta peraçã d mesm e sem qe este sfra dans. Cnseqüentemente, s valres de 1 e 2 sã btids a partir desses valres. 1 A primeira estrtra prpõe a tilizaçã de das fnções de transferência, e a partir delas, fazer a sintnia ds cntrladres PID para cada ma delas. Enqant a segnda estrtra de cntrle prpõe qe, na identificaçã experimental d prcess, a se repetir m teste degra psitiv e tr negativ, ma média ds parâmetrs pde ser btida. Na tabela 5 pde se ver m resm das fnções tilizadas nas das estrtras. Tabela 5. Fnções btidas para as diferentes estrtras de cntrle Tabela 3. Fnções de transferência cm as nidades adaptadas 5 Resltads na planta real A figra 9 mstra diagrama de blcs da planta tilizada para fazer s testes; já na figra 10 apresentam-se as cnexões d AVR para dar degra na tensã de excitaçã. Figra 9. Malha fechada sbmetida à variaçã n SP ISSN: Vl. X 360

6 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil Figra 12. Respsta d sistema a degra negativ n SP Figra 10. Diagrama de cnexã d AVR Cm vist acima, s pins 6 e 7 d AVR sã tilizads para fazer m ajste extern da tensã de referência (SP); neles fi instalad ma chave cmtadra qe tinha das psições, ma para clcar s pins em crt-circit e tr para cnectar ma resistência de 1 [kω]. Deve-se mencinar qe inicialmente a geradr estavam ligadas cargas elétricas externas (resistências de ar e lâmpadas), ist para pder ter m fncinament crret d AVR e pder atingir s valres nminais sem prblemas. Na figras 11 e 12 apresentam-se as respstas btidas a degra psitiv e negativ nas simlações e ns testes na planta real para a primeira estrtra de cntrle. Já nas figras 13 e 14 apresentam-se as respstas btidas para a segnda estrtra de cntrle. Figra 13. Respsta d sistema a degra psitiv n SP btida cm a segnda estrtra de cntrle Figra 11. Respsta d sistema a degra psitiv n SP Figra 14. Respsta d sistema a degra negativ n SP btida cm a segnda estrtra de cntrle ISSN: Vl. X 361

7 X SBAI Simpósi Brasileir de Atmaçã Inteligente 18 a 21 de setembr de 2011 Sã Jã del-rei - MG - Brasil Figra 15. Planta para experimentaçã 6 Cnclsã Neste artig é apresentad mdel btid experimentalmente da planta (geradr trbina hidrálica) e cntrladr PID prjetad sad para cntrlar a tensã de saída da energia elétrica gerada, qe demnstraram ter m cmprtament dinâmic mit próxim cm a planta real. Entã é mstrad qe ma fnçã de transferência de primeira rdem cm temp mrt pde representar cmprtament d prcess de frma satisfatória. O trabalh feit pderá ser a base para ftrs trabalhs n qe se refere a pesqisas nas áreas de cntrle de velcidade, estabilidade d sistema, entre trs, n camp das Micr Centrais Hidrelétricas. Agradeciments Os atres gstariam de agradecer a IHH UMSA (La Paz - Blívia) e a CNPq. Referências Bibligráficas Agirre, L., 2007, Intrdçã à Identificaçã de Sistemas, UFSC, Brasil. Aström, K e Hägglnd, T., 1995, PID Cntrllers: Thery, Design and Tning, ISA, USA. Celh, A e Celh, L., 2004, Identificaçã de Sistemas Dinâmics Lineares, UFSC, Brasil. Crripi, A., 2001, Tning f Indstrial Cntrl Systems, ISA, USA. Ferreira, E., 2000, Prpsta de Cntrle para ma Clna de Destilaçã Didática, UFES, Brasil. Martin, J Jr., 1976, Hw t Select Cntrller Mdes and Tning Parameters frm Simple Prcess Mdels, ISA Transactins, Vl. 15, pp Vanfretti, L., 2005, Mdelación y Simlación de la Máqina Síncrna y s Operación en Sistemas de Ptencia, USAC, Gatemala. Vanfretti, L., 2007, Sistemas de Cntrl de Excitación y Estabilizadres de Sistemas de Ptencia, RPI, USA. ISSN: Vl. X 362

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ 5. Lista de Exercícis - Amplificadres e Mdels TBJ. Um TBJ tend β = 00 está plarizad cm uma crrente cc de cletr de ma. Calcule s valres de g m, r e e r π n pnt de plarizaçã. Respsta: 40 ma/; 25 Ω; 2,5 kω.

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 3 Sinais Singulares. 3 Sinais Singulares

J. A. M. Felippe de Souza 3 Sinais Singulares. 3 Sinais Singulares J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares 3 Sinais Singlares 3. Intrdçã as sinais singlares 3 3. Sinais singlares discrets 4 O sinal impls nitári discret ( nit-implse ) 4 Prpriedades d impls nitári discret

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Aula 02 Álgebra Complexa

Aula 02 Álgebra Complexa Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician Aula 02 Álgebra Cmplexa 1. Númers Cmplexs Intrduçã Circuits CC smas algébricas de tensões e

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

5 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

5 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 54 5 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL O nss bjetiv é avaliar desempenh ds dispsitivs pteletrônics LED e ftdetectres cm sensres de mediçã da variaçã da cncentraçã de pluentes particulads atmsférics. Cm este prpósit

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Lista de exercícios Conceitos Fundamentais

Lista de exercícios Conceitos Fundamentais Curs: Engenharia Industrial Elétrica Disciplina: Análise Dinâmica Prfessr: Lissandr Lista de exercícis Cnceits Fundamentais 1) Em um circuit trifásic balancead a tensã V ab é 173 0 V. Determine tdas as

Leia mais

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB.

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB. CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prf. Antni Sergi-D.E.E-CEAR-UFPB. Os circuit reativs sã classificads, assim cm s resistivs, em a) Circuits série. b) Circuits paralel c) Circuit série-paralel. Em qualquer cas acima,

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 3 RESSONÂNCIA SÉRIE E SELETIVIDADE

Roteiro-Relatório da Experiência N o 3 RESSONÂNCIA SÉRIE E SELETIVIDADE Rteir-Relatóri da Experiência N 3 1. COMPONENTES DA EQUIPE: AUNOS NOTA 1 3 4 Prf.: Cels Jsé Faria de Araúj 5 Data: / / : hs. OBJETIVOS:.1. Nesta experiência será mntad um circuit RC série ressnante, a

Leia mais

8 FILTROS ATIVOS E DEFASADORES

8 FILTROS ATIVOS E DEFASADORES 8 FILTOS ATIVOS E DEFASADOES Filtrs sã circuits elétrics que permitem passagem de crrente u tensã em uma faixa de freqüências inibem a passagem em utras freqüências. Filtrs ativs cm amp p s utilizam apenas

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

2. SISTEMA TRIFÁSICO

2. SISTEMA TRIFÁSICO 2. EMA RÁCO 2.1 ntrduçã a istema rifásic Circuits u sistemas nas quais as fntes em crrente alternada eram na mesma frequência, mas cm fases diferentes sã denminads lifásics. O circuit trifásic é um cas

Leia mais

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento Desenvlviment e Otimizaçã de Hidrciclnes Frente a Mdificações de Variáveis Gemétricas e de Prcess Hérmane Mntini da Silva 1 Gilssaha Franklin Maciel 2 Orientadra: Ph.D. Andréia Bicalh Henriques RESUMO

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público Caixas Ativas e Passivas SKY 3000, SKY 00, SKY 700, SKY 600 e NASH 144 Áreas de Cbertura e Quantidade de Públic www.studir.cm.br Hmer Sette 18-07 - 01 A área cberta pelas caixas acima, em funçã d psicinament

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 1 Revisão de Circuitos em Corrente Alternada

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 1 Revisão de Circuitos em Corrente Alternada Sistemas Elétrics de Ptência Lista de Exercícis N. Revisã de ircuits em rrente lternada Parte : Ptência em Sistemas Mnfásics. Duas cargas em paralel cnsmem respectivamente 20 W cm um fatr de ptência de

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Aula 10 Resposta em Freqüência de Sistemas Lineares Diagramas de Bode Introdução

Aula 10 Resposta em Freqüência de Sistemas Lineares Diagramas de Bode Introdução Aula 0 Respsta em Freqüência de Sistemas Lineares Diagramas de Bde Intrduçã Diagramas de Bde Escala Lgarítmica de Amplitude Escala Lgarítmica de Freqüência Análise ds Terms das Funções de Transferência

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!!

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1(): 15-156, 1995. CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1 Ed. Especial: 64-68, 004. Fernand ang da Silveira Institut

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2 UNIVERSIDADE FEDERA DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOOGIA DEPARTAMENTE DE ENGENHARIA DA EETRICIDADE ABORATÓRIO DE ONDAS EETROMAGNÉTICAS QUARTA EXPERIÊNCIA DO ABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Introdução às redes de distribuição

Introdução às redes de distribuição Intrduçã às redes de distribuiçã Eletrônica de Ptência para Redes Ativas de Distribuiçã Marcel Lb Heldwein, Dr. Sc. Refs.: V. K. Mehta, Principles f Pwer Systems, 2000. N. Kagan

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

Transdutor de Potência (analógico)

Transdutor de Potência (analógico) Transdutr de Ptência (analógic) Revisã 3.2 21/08/2013 [1] Intrduçã Os transdutres analógics de ptência têm pr finalidade cnverter a ptência ativa e/u reativa de um sistema em um sinal cntínu (de tensã

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A de dias decrrids para que a temperatura vlte a ser igual àquela d iníci das bservações é: A ser dividid pr 5, númer 4758 + 8a 5847 deixa rest. Um pssível valr d algarism a, das

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

PROJETO, SIMULAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM CONVERSOR CC-CC NÃO ISOLADO BOOST, UMA EXPERIMENTAÇÃO METODOLÓGICA

PROJETO, SIMULAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM CONVERSOR CC-CC NÃO ISOLADO BOOST, UMA EXPERIMENTAÇÃO METODOLÓGICA PROJETO, SIMUAÇÃO E IMPEMENTAÇÃO DE UM CONVERSOR CC-CC NÃO ISOADO BOOST, UMA EXPERIMENTAÇÃO METODOÓGICA Weldn C. E. Teixeia 1 ; Ghunter P. Viajante ; Enes G. Marra 3 1 Universidade Federal de Giás, Faculdade

Leia mais

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma:

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma: EQUILÍBRIO DE UM PONTO MATERIAL FORÇA (F ) A grandeza física capaz de empurrar u puxar um crp é denminada de frça send esta uma grandeza vetrial representada da seguinte frma: ATENÇÃO! N S.I. a frça é

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A Ds n aluns de uma escla, 0% têm 0% de descnt na mensalidade e 0% têm 0% de descnt na mesma mensalidade. Cas equivalente a esses descnts fsse distribuíd igualmente para cada um ds

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Circuitos de Corrente Alternada I

Circuitos de Corrente Alternada I Institut de Física de Sã Carls Labratóri de Eletricidade e Magnetism: Circuits de Crrente Alternada I Circuits de Crrente Alternada I Nesta prática, estudarems circuits de crrente alternada e intrduzirems

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista Sã Paul, 06 de Julh de 2009. Nº. 341 Divulgar esta infrmaçã para: Diretr Cnselheir Técnic Cnsultres de serviçs Gerente de Serviçs Gerente de Peças Chefe de Oficina Respnsável pela Qualidade Gerente de

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Csco, 23 a 25 de Otbro de 2007 MODELAGEM COMPUTACIONAL DA INFLUÊNCIA DA ESPESSURA DA PEÇA E A VELOCIDADE DE IMPACTO DO JATO NO PROCESSO DE JATEAMENTO

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

Sistemas de coordenadas tridimensionais. Translação e rotação de sistemas. Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal. Translação e rotação de sistemas

Sistemas de coordenadas tridimensionais. Translação e rotação de sistemas. Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal. Translação e rotação de sistemas Sistemas de crdenadas tridimensinais Prf. Dr. Carls Auréli Nadal X Translaçã de um sistema de crdenadas Y X Translaçã de um sistema de crdenadas X Y Y X Translaçã de um sistema de crdenadas X Y Y X Translaçã

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS # () OSCILADOR PONTE DE MEACHAM O sciladr a pnte Meacham

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #4 () O circuit a seguir é usad cm pré-amplificadr e

Leia mais

Transdutor de corrente alternada (analógico)

Transdutor de corrente alternada (analógico) Transdutr de crrente (analógic) Revisã 1.1 22/04/2014 [1] Intrduçã Os transdutres de crrente têm pr finalidade cnverter um determinad sinal de crrente em um sinal cntínu islad galvanicamente. Sã dispnibilizads

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

MINI-BOMBA DE CALOR ACOPLADA A COLETORES SOLARES

MINI-BOMBA DE CALOR ACOPLADA A COLETORES SOLARES III ngress Brasileir de Energia Slar - Belém, 21 a 24 de setembr de 2010 MINI-BOMBA DE ALOR AOPLADA A OLETORES SOLARES Sérgi Pereira da Rcha srcha@ifsc.edu.br Jaquim Manel Gnçalves jaquimm@ifsc.edu.br

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs. Leandr N.Alem 1351/53 -(1871)- Dck Sud Buens Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingeczs.cm ALM1 N480-I MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INSTALAÇÃO...3 1.1 MONTAGEM EM PAINEL...3

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Modulação Angular por Sinais Digitais

Modulação Angular por Sinais Digitais Mdulaçã Angular pr Sinais Digitais Cm n cas da mdulaçã em amplitude, também para a mdulaçã angular se desenvlveu uma nmenclatura especial quand se trata de sinais digitais na entrada. N cas da mdulaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Técnica do Fluxograma

Técnica do Fluxograma Prf. Elmer Sens FSP 2013/2 Técnica d Fluxgrama Fluxgrama: é a representaçã gráfica que apresenta a seqüência de um trabalh de frma analítica, caracterizand as perações, s respnsáveis e /u unidades rganizacinais

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por:

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por: Física QUSTÃO 1 Uma das hipóteses para explicar a extinçã ds dinssaurs, crrida há cerca de 6 milhões de ans, fi a clisã de um grande meter cm a Terra. stimativas indicam que meter tinha massa igual a 1

Leia mais

Organização de Computadores Digitais. Cap.10: Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos

Organização de Computadores Digitais. Cap.10: Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Organizaçã de Cmputadres Digitais Cap.10: Cnjunt de Instruções: Mds de Endereçament e Frmats Mds de endereçament Os mds de endereçament sã um aspect da Arquitetura d cnjunt de instruções ns prjets das

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundaments de Física Mecânica Vlume 1 www.grupgen.cm.br http://gen-i.grupgen.cm.br O GEN Grup Editrial Nacinal reúne as editras Guanabara Kgan, Sants, Rca, AC Farmacêutica, LTC, Frense,

Leia mais

Essa apostila tem por objetivo mostrar os conceitos básicos utilizados em sistemas de comunicações móveis.

Essa apostila tem por objetivo mostrar os conceitos básicos utilizados em sistemas de comunicações móveis. 1 1 NTRODUÇÃO Essa apstila tem pr bjetiv mstrar s cnceits básics utilizads em sistemas de cmunicações móveis. Os tips de transmissã envlvids serã Rádi Digital e a Cmunicaçã Móvel Celular. Primeiramente

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA

ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA ii ÁLVARO CHRISTIAN MONTAÑO SAAVEDRA MONTAGEM E MODELAGEM DE UM GRUPO GERADOR SÍNCRONO TURBINA HIDRÁULICA PARA SEU ESTUDO E OPERAÇÃO EM MICRO CENTRAIS HIDROELÉTRICAS PARA PEQUENOS SISTEMAS ISOLADOS Dissertação

Leia mais

Traz para sua empresa:

Traz para sua empresa: Traz para sua empresa: Link Internet para Prfissinais Liberais, Pequenas e Médias Empresas e inclusive as Grandes Empresas Características Nex Cnnect Small Business é serviç de Link Internet destinad às

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

UFSC. Matemática (Amarela)

UFSC. Matemática (Amarela) Respsta da UFSC: 0 + 0 + 08 = Respsta d Energia: 0 + 08 = 09 Resluçã 0. Crreta. 0. Crreta. C x x + y = 80 y = 80 x y y = x + 3 30 x + 3 30 = 80 x x = 80 3 30 x = 90 6 5 x = 73 45 8 N x z 6 MN // BC segue

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais