III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)"

Transcrição

1 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa larga incluind vz, víde e dads. O bjetiv desta rede é prver serviçs interativs de faixa larga, incluind serviç telefônic. Assim, tems multimídia interativa, realizaçã de redes de cmputadres em ampla área (wide-area), víde sb demanda e educaçã a distância. A tecnlgia de HFC tem muitas características que a trnam prpícia para integrar a próxima geraçã de sistemas de distribuiçã. A mair parte das sluções que utilizam fibra n lp (FITL) u sã muit caras u incapazes de transmitir simultaneamente serviçs analógics e digitais. A tecnlgia HFC reslve esses prblemas e também pde suprtar a demanda que futurs serviçs estabelecerã sbre a tecnlgia. Sistemas HFC pdem acmdar tdas as tecnlgias de sinal digital da indústria telefônica e é naturalmente cmpatível cm s sistemas de distribuiçã em faixa larga das peradras: SDH, ATM, SMDS, Frame Relay e utras tecnlgias de transprte e multiplexaçã. III.3.2. ARQUITETURA DE REDE A Figura III.3.1 apresenta a arquitetura de rede para um sistema HFC típic. Os elements básics dessa arquitetura sã: Fibras Óticas Cabs Caxiais Hub: Distribuidr Alimentadr: Element que cncentra a entrada e saída ds sinais de víde e prgrama. Amplificadres bi-direcinais. Nó

2 2 Figura III.3.1 Arquitetura básica de um sistema HFC

3 3 III DESCRIÇÃO A idéia pr trás ds sistemas HFC é a de utilizar um backbne em fibra ótica, e acess em cabs caxiais. Este sistema prpõe, assim, uma sluçã para acess d usuári a uma rede de banda larga. O empreg da tecnlgia de cable mdems permite utilizar a infra-estrutura existente de distribuiçã de sinais de TV em cabs caxiais (CATV), para prver serviçs de dads e também utrs serviçs, tais cm telefnia (vz). A estrutura em fibra ótica permite a interface cm utras redes e serviçs diverss, trnand a rede HFC prpícia a ferecer serviçs multi-mídia as usuáris. A tecnlgia HFC surgiu para atender, inicialmente, as necessidades das peradras de TV a cab, realizand a distribuiçã de sinais de TV. A medida em que evluiu, fi mdificada para atender as requisits de uma rede faixa larga interativa, e váris nvs prblemas tiveram que ser reslvids. Pr exempl, a cnfiabilidade da rede teve que ser significativamente melhrada, pis esta é uma característica que se trna mais crítica cnfrme mais assinantes utilizam a rede de frma interativa, cm mair frequência e em sessões cm mair duraçã. III.3.3. CARACTERÍSTICAS Os sistemas HFC, em suas especificações atuais, pssuem as seguintes características: - Suprte a canais de dads cmpartilhads cm taxas até 40 Mbit/s n sentid descendente e 10 Mbit/s n sentid ascendente. - A velcidade típica dispnível, limitada pel ruíd de radi-frequência e cmpartilhament ds canais de dads, é de 0,5 a 1 Mbit/s n sentid descendente e 256 a 500 kbit/s n sentid ascendente. - Prvê suprte a QS (especificações de qualidade de serviç). - Serviçs suprtads: Transmissã de dads e vz sbre IP (cm utilizaçã de adaptadr VIP), empregand cable-mdem. Víde analógic Víde digital - Requer sistema de cabs caxiais que fram atualizads para transmissã bidirecinal. - Nós de tamanh pequen, tipicamente 125 a 500 unidades de assinantes.

4 4 - Visa principalmente mercad residencial, nde já existe instalaçã prévia de uma rede de cabs caxiais para distribuiçã de sinais de TV (CATV). - O equipament nas instalações d usuári cnsiste de: Cable mdem para dads (requer adaptadr para VIP) Outrs serviçs requerem us de caixa cnversra/decdificadra para víde e interface de rede (NIU netwrk interface unit) para telefnia em cab. III.3.4. AUTO TESTE 1) Cmplete as lacunas a) A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de e que é usada para distribuiçã lcal de incluind, e. b) O bjetiv da rede HFC é prver serviçs, incluind serviç. c) Sistemas pdem acmdar tdas as tecnlgias de sinal digital da indústria telefônica e é naturalmente cmpatível cm s sistemas de distribuiçã em faixa larga das peradras:,,, e utras tecnlgias de transprte e multiplexaçã. d) Os elements básics que cnstituem uma arquitetura de rede para s sistemas HFC sã: Fibras Óticas Hub: Distribuidr Alimentadr: Element que a entrada e saída ds sinais de e prgrama. Amplificadres. Nó

5 5 2) Indique as alternativas crretas a) A idéia pr trás ds sistemas HFC é a de utilizar um backbne em fibra ótica, e acess em cabs caxiais. b) O empreg da tecnlgia de cable mdems permite utilizar a infraestrutura existente de distribuiçã de sinais de TV em cabs caxiais (CATV), para prver serviçs de dads e também utrs serviçs, tais cm telefnia (vz). c) A estrutura em fibra ótica, entretant, restringe a interface cm utras redes e serviçs diverss, trnand a rede HFC imprópria a ferecer serviçs multi-mídia as usuáris. d) A tecnlgia HFC surgiu para atender, inicialmente, as necessidades das peradras de TV a cab, realizand a distribuiçã de sinais de TV. e) As redes HFC nã precisam manter precupações n tcante a cnfiabilidade, pis s sistemas ótics pr si só mantêm um alt padrã de qualidade de transmissã. 3) Cmplete as lacunas Os sistemas HFC, em suas especificações atuais, pssuem as seguintes características: a) Suprte a canais de dads cmpartilhads cm taxas até Mbit/s n sentid descendente e Mbit/s n sentid ascendente. b) A velcidade típica dispnível, limitada pel ruíd de e ds canais de dads, é de a Mbit/s n sentid descendente e a kbit/s n sentid ascendente. c) Prvê suprte a (especificações de qualidade de serviç). d) Serviçs suprtads: Transmissã de e (cm utilizaçã de adaptadr VIP), empregand. Víde Víde e) Requer sistema de que fram atualizads para transmissã bidirecinal. f) Nós de tamanh, tipicamente a unidades de assinantes.

6 6 g) Visa principalmente mercad, nde já existe instalaçã prévia de uma rede de cabs caxiais para distribuiçã de sinais de TV (CATV). h) O equipament nas instalações d usuári cnsiste de: para dads (requer adaptadr para VIP) Outrs serviçs requerem us de caixa para víde e interface de rede (NIU netwrk interface unit) para em cab. III.3.5. AUTO TESTE SOLUÇÃO 1) Cmplete as lacunas e) A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa larga incluind vz, víde e dads. f) O bjetiv da rede HFC é prver serviçs interativs de faixa larga, incluind serviç telefônic. g) Sistemas HFC pdem acmdar tdas as tecnlgias de sinal digital da indústria telefônica e é naturalmente cmpatível cm s sistemas de distribuiçã em faixa larga das peradras: SDH, ATM, SMDS, Frame Relay e utras tecnlgias de transprte e multiplexaçã. h) Os elements básics que cnstituem uma arquitetura de rede para s sistemas HFC sã: Fibras Óticas Cabs Caxiais Hub: Distribuidr Alimentadr: Element que cncentra a entrada e saída ds sinais de víde e prgrama. Amplificadres bi-direcinais. Nó

7 7 2) Indique as alternativas crretas a) A idéia pr trás ds sistemas HFC é a de utilizar um backbne em fibra ótica, e acess em cabs caxiais. b) O empreg da tecnlgia de cable mdems permite utilizar a infraestrutura existente de distribuiçã de sinais de TV em cabs caxiais (CATV), para prver serviçs de dads e também utrs serviçs, tais cm telefnia (vz). c) A estrutura em fibra ótica, entretant, restringe a interface cm utras redes e serviçs diverss, trnand a rede HFC imprópria a ferecer serviçs multi-mídia as usuáris. d) A tecnlgia HFC surgiu para atender, inicialmente, as necessidades das peradras de TV a cab, realizand a distribuiçã de sinais de TV. e) As redes HFC nã precisam manter precupações n tcante a cnfiabilidade, pis s sistemas ótics pr si só mantêm um alt padrã de qualidade de transmissã. 3) Cmplete as lacunas Os sistemas HFC, em suas especificações atuais, pssuem as seguintes características: a) Suprte a canais de dads cmpartilhads cm taxas até 40 Mbit/s n sentid descendente e 10 Mbit/s n sentid ascendente. b) A velcidade típica dispnível, limitada pel ruíd de radi-frequência e cmpartilhament ds canais de dads, é de 0,5 a 1 Mbit/s n sentid descendente e 256 a 500 kbit/s n sentid ascendente. c) Prvê suprte a QS (especificações de qualidade de serviç). d) Serviçs suprtads: Transmissã de dads e vz sbre IP (cm utilizaçã de adaptadr VIP), empregand cable-mdem. Víde analógic Víde digital e) Requer sistema de cabs caxiais que fram atualizads para transmissã bidirecinal. f) Nós de tamanh pequen, tipicamente 125 a 500 unidades de assinantes.

8 8 g) Visa principalmente mercad residencial, nde já existe instalaçã prévia de uma rede de cabs caxiais para distribuiçã de sinais de TV (CATV). h) O equipament nas instalações d usuári cnsiste de: Cable mdem para dads (requer adaptadr para VIP) Outrs serviçs requerem us de caixa cnversra/decdificadra para víde e interface de rede (NIU netwrk interface unit) para telefnia em cab.

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Traz para sua empresa:

Traz para sua empresa: Traz para sua empresa: Link Internet para Prfissinais Liberais, Pequenas e Médias Empresas e inclusive as Grandes Empresas Características Nex Cnnect Small Business é serviç de Link Internet destinad às

Leia mais

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável UMG 100 User Media Gateway t E1 and VIP Transcding ns 30 canais Cancelament de ec Suprte SNMP CDR persnalizável Design Clean e facilidade de instalaçã O UMG 100 é um user gateway da linha de Media Gateways

Leia mais

Banda Larga Móvel LTE e Além

Banda Larga Móvel LTE e Além MARÇO 2015 As tecnlgias 3GPP - HSPA, HSPA+, LTE e agra a LTE-Advanced - frmam a platafrma glbal da banda larga móvel, ferecend cnexões rápidas e integradas n mund inteir. Nessa ediçã 1 Implementações 3GPP

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

Estudo sobre as condições de oferta dos serviços em banda larga

Estudo sobre as condições de oferta dos serviços em banda larga Relatóri Técnic/Cnsultria PD.33.10.92A.0216A/RT-03-AA Estud sbre as cndições de ferta ds serviçs em banda larga Resum Executiv Ctaçã: 25601/2010 Cliente: SINDITELEBRASIL Cntat: Sergi Kern E-mail: sergikern@acel.rg.br

Leia mais

Para você que procura o máximo em atendimento!

Para você que procura o máximo em atendimento! Para vcê que prcura máxim em atendiment! Sftware de Gestã Cnsultria em T.I. Manutençã de Equipaments Redes Hspedagem de Sistemas Web Design Distribuidra de Infrmática Nssa Empresa Para vcê que prcura máxim

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Cmputadres Observe a seguir a representaçã de uma rede de cmputadres, bserve que s cmputadres estã interligads, desta frma, pdend cmpartilhar dads e recurss entre eles. Alcance da rede As redes

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Essentra BAX Application Server IPCentrex (SoftSwitch, Classe 5)

Essentra BAX Application Server IPCentrex (SoftSwitch, Classe 5) Essentra BAX Applicatin Server IPCentrex (SftSwitch, Classe 5) O Applicatin Server Essentra BAX tem cm tarefa principal dar máxim de facilidades para usuári de uma rede de telecm prvend serviçs que vã

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos EMC ATMOS SÉRIE G3 A série G3 d Atms apresenta Atms G3-Dense-480 e G3-Flex-240. Essa série ferece várias pções de cnfiguraçã, inclusive suprte a diferentes capacidades de disc e sluções baseadas em rack

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Documentação da Tarefa 8 parte A

Documentação da Tarefa 8 parte A UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Disciplina: Cnstruçã de Interfaces Hmem-Cmputadr MC750/MO825 Prfessra: Cecília Baranauskas Dcumentaçã da Tarefa 8 parte A Design da Interface e Interaçã d Prtótip

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Microsoft Live Meeting 2007 Como Gravar uma Reunião

Microsoft Live Meeting 2007 Como Gravar uma Reunião M A N U A L D O A D M I N I S T R A D O R Micrsft Live Meeting 2007 Cm Gravar uma Reuniã O Micrsft Office Live Meeting ferece um recurs de gravaçã que lhe permite capturar td pressinament de teclas, slides

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

INFORMATIVO. Assunto: Informações sobre o Programa Banda Larga nas Escolas, listagem de previsão de instalação do 2 o trimestre de 2010.

INFORMATIVO. Assunto: Informações sobre o Programa Banda Larga nas Escolas, listagem de previsão de instalação do 2 o trimestre de 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Esplanada ds Ministéris, Blc L, Ed. Sede, 1º andar, Sala 119 Asa Nrte Brasília/DF - CEP: 70047-900 INFORMATIVO Brasília, 02 de març de 2010. Assunt:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Mensagem do atendimento ao cliente

Mensagem do atendimento ao cliente ASSUNTO: Cisc WebEx: Patch padrã a ser aplicad em [[DATA]] para [[WEBEXURL]] Cisc WebEx: Patch padrã em [[DATA]] A Cisc WebEx está enviand esta mensagem para s principais cntats de negóci em https://[[webexurl]]

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga (PNBL)

Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) Prgrama Nacinal de Banda Larga (PNBL) O Prgrama Nacinal de Banda Larga fi criad pel Decret nº 7.175, de 12 de mai de 2010. O bjetiv d Prgrama é expandir a infraestrutura e s serviçs de telecmunicações,

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

Cuidados, observações e dicas para obtenção de melhores resultados em sessões de videoconferência e eventos transmitidos pela Internet

Cuidados, observações e dicas para obtenção de melhores resultados em sessões de videoconferência e eventos transmitidos pela Internet Cuidads, bservações e dicas para btençã de melhres resultads em sessões de videcnferência e events transmitids pela Internet Esclha ds equipaments As sluções SMART permitem que s usuáris participem de

Leia mais

MIT Kerberos V5 Diogo Dias João Soares

MIT Kerberos V5 Diogo Dias João Soares MIT Kerbers V5 Dig Dias Jã Sares Objectiv Case Study de uma pssível utilizaçã d Kerbers Verificaçã das ferramentas existentes Estad da tecnlgia (nmeadamente, Open Surce) Alguma aplicaçã na rede FEUPNET

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Infraestrutura de monitoramento da rede LHCONE do grid WLCG do experimento LHC do CERN

Infraestrutura de monitoramento da rede LHCONE do grid WLCG do experimento LHC do CERN Infraestrutura de mnitrament da rede LHCONE d grid WLCG d experiment LHC d CERN Pedr Diniz, Niltn Alves Jr., Márci Prtes, Renat Santana phds@cbpf.br, naj@cbpf.br, mpa@cbpf.br, rsantana@cbpf.br 29/05/2015,

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

DBA Sybase Nº vagas: 01

DBA Sybase Nº vagas: 01 Sã Lepld, 16 de agst de 2012 A HCL é uma empresa de 6,2 bilhões dólares líder glbal em tecnlgia e TI que cmpreende duas empresas listadas na Índia - a HCL Technlgies e a HCL Infsystems. Fundada em 1976,

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Osprey 820e Lançamento 2012

Osprey 820e Lançamento 2012 Osprey 820e Lançament 2012 ViewCast Prprietary and Cnfiden/al. 2012 ViewCast, Inc. All rights reserved. A Osprey 820e A Osprey 820e é uma placa de captura de alta-definiçã cm entradas digitais e análgicas

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Super AP150Mbps Guia Rápido e Manual do Usuário

Super AP150Mbps Guia Rápido e Manual do Usuário Super AP150Mbps Guia Rápid e Manual d Usuári P R E F Á C I O Este é um prdut da marca GTS Netwrk, que está sempre cmprmetida cm desenvlviment de sluções invadras e de alta qualidade. Este manual descreve,

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS.

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS. Históric de Revisões Revisã Data Descriçã da Revisã Mtiv da Revisã 11 20/08/09 Ajustes de hardware dispar Sirene PST 12 14/11/09 AJUSTES SOFTWARE 13 25/11/09 Ajustes de hardware, falha n mdul GSM na trca

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos de Engenharia e Técnicos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br. Razões críticas de uso de um EDMS

Gerenciamento Eletrônico de Documentos de Engenharia e Técnicos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br. Razões críticas de uso de um EDMS Gerenciament letrônic de cuments de ngenharia e écnics S (ngineering cument anagent System) www.icnenet.cm.br rf. Rquemar Baldam rquemar@pep.ufrj.br prpósit básic d S é gerenciar durante td cicl de vida,

Leia mais

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares Análise da Mbilidade Humana em Events de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefnes Celulares Humbert T. Marques-Net Departament de Ciência da Cmputaçã Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO Agrupament de Esclas General Humbert Delgad Sede na Escla Secundária/3 Jsé Cards Pires Sant Antóni ds Cavaleirs PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO 2016-2017 DISCIPLINA: Equipaments Infrmátics e Redes ENSINO: Secundári

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012 COMPETIÇÕES PARA O ESCALÃO DE BENJAMINS B (10-11 ANOS) A respnsabilidade de rganizaçã das actividades para este escalã etári pderá caber as clubes, esclas u à AARAM. As prvas aqui designadas devem ser

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais