Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica"

Transcrição

1 Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã externa é igual a 1,070 atm? As densidades da água e gel a 0 C sã 1,00 e 0,92 g/cm3, respectivamente. Respsta: -0,90 kj 2) Calrímetr é equipament utilizad para determinar calr assciad a reações químicas u para determinar a capacidade calrífica de substâncias. N entant, própri recipiente d calrímetr absrve calr, prtant tem capacidade calrífica, que deve ser cnhecid para psterirmente analisar calr de reações químicas de interesse u a capacidade calrífica d material em análise. Esta etapa inicial é cnhecida cm calibraçã d calrímetr e permite determinar a capacidade calrífica d calrímetr. Supnha que a calibrar um calrímetr, tenhams frnecid 80,0 kj de calr para equipament aquecend- eletricamente (cntrland a crrente e temp, cnhecems calr frnecid) e que bservams que a temperatura d calrímetr aumenta 8,40 C. Qual será a capacidade calrífica d calrímetr? Respsta: C=9,52 kj/k 3) Agra que calrímetr fi calibrad e sua capacidade calrífica determinada (questã 3), pde-se utilizá-l para determinar calr liberad, pr exempl, em uma reaçã química. Cnsidere que uma reaçã química crre em um calrímetr, cm Capacidade calrífica de 9,52 kj/k. A temperatura d calrímetr aumentu 3,25 C ( T). Qual é valr de q para a reaçã química? Respsta: 30,94 kj 4) A capacidade calrífica de uma substância pde ser medida pr experiment simples. Adicine 50g de água a 20,0 C a um calrímetr cnfeccinad cm paredes de pliestiren, cuja capacidade calrífica é tã pequena que assumims que pde ser desprezada. Clque 21g de ferr metálic a 90,2 C n calrímetr. O equilíbri térmic será estabelecid entre a água e ferr, atingind a temperatura final (água + ferr) de 23,3 C. Observe que calr perdid pel ferr fi transferid para a água. Prtant, q ferr = q água e q ferr = m ferr. C s(ferr). T e q água = m água. C s(água). T Determine a capacidade calrífica específica d ferr. Dad: C s(água) = 4,184 J/g.K Respsta: 0,475 J/g.K 5) Calcule a temperatura final e a variaçã na energia interna quand 500J de energia sã transferids cm calr a 0,900 ml de O 2 a 298 K e 1,00 atm nas seguintes situações: a) A vlume cnstante; Respsta:+26,7 K b) À pressã cnstante Respsta:+19,1 K c) Justifique a diferença entre as temperaturas. Cnsidere cmprtament ideal d gás e que C v,m =5/2 R Respsta: A transferir energia para um gás é necessári que crra expansã d gás para manter a pressã cnstante. A expansã exerce trabalh sbre a vizinhança, cnsumind parte da energia, refletind na menr temperatura final d gás à pressã cnstante. 6) Cnsiderand exercíci 6, determine E para a situaçã (a) e (b). Respsta: a) 500 J pis w = 0; b) E = q+w, send que w = -P V = -nr T, w = -143 J e E = 357 J. 7) Calcule a temperatura final e a variaçã na energia interna quand 500 J de energia sã transferids cm calr a 0,900 ml de Ne a 298 K e 1,00 atm (a) a vlume cnstante; (b) à pressã cnstante. Trate gás cm ideal.

2 Respsta: a) 343 K, 500J; (b) 325K, 300 J. 8) Nas questões anterires fi pssível perceber que em prcesss à vlume cnstante E = q v, pis w =0. Em prcesss a pressã cnstante, parte da energia interna é cnvertida em trabalh de expansã, cnfrme vist anterirmente. Tipicamente s calrímetrs (bmbas calrimétricas) peram a vlume cnstante. Pdems necessitar cnverter valr medid de E em H. Pr exempl, é fácil medir calr liberad pela cmbustã de glicse em uma bmba calrimétrica, mas para usar a infrmaçã n cálcul de variações de energia n metablism, que crre à pressã cnstante, necessitams da entalpia. Um calrímetr a vlume cnstante mstru que a energia liberada durante a cmbustã de 1,00 ml de glicse (C 6H 12O 6) é kj/ml a 298 K. Prtant, E = kj/ml. Qual é a entalpia da reaçã? Observe que a energia perdida em frma de trabalh durante a cmbustã da glicse à pressã cnstante, deve-se a gás frmad. Cm H = E +P V (pressã cnstante) e P V = n gásrt. Respsta: kj 9) A equaçã termquímica para cmbustã d ciclhexan, é C 6H 12(l) + 9O 2(g) 6CO 2(g) + 6H 2O H = kj a 298 K. Qual é a variaçã na energia interna para a cmbustã de 1,00 ml de ciclhexan a 298K? Respsta: kj 10) Gaslina, que cntém ctan cm um mpnente, pde queimar a mnóxid de carbn se frneciment de ar fr restrit. Obtenha a entalpia-padrã de reaçã para a cmbustã incmpleta d ctan líquid n ar a mnóxid de carbn e água líquida a partir das reações a seguir: Respsta: kj 11) Metanl é cmbustível líquid de queima limpa cnsiderad cm candidat a substituinte da gaslina. Pde ser prduzid através da reaçã cntrlada d xigêni d ar cm metan d gás natural. Encntre a entalpia-padrã de reaçã para a frmaçã de 1 ml de metan a partir de metan e xigêni, dadas as seguintes infrmações: Respsta: -164 kj 12) Uma maneira experimental bastante útil para determinar a entalpia de frmaçã de um cmpst é utilizar a entalpia de reaçã na qual cmpst de interesse está envlvid. Uma reaçã muit utilizada é a reaçã de cmbustã. Determine a entalpia de frmaçã d prpan a partir da sua reaçã de cmbustã. O prpan é frequentemente utilizad em btijões para acampament. A entalpia da reaçã de cmbustã é kj/ml de prpan. Respsta: -104 kj/ml 13) O Cicl de Brn-Haber é muit útil para calcular a entalpia de rede de cmpsts iônics que revela a frça de interaçã entre íns, refletind em diversas prpriedades cm temperatura de fusã, slubilidade, etc. Tipicamente a entalpia de rede pde ser

3 determinada cnhecend as entalpias de frmaçã d cmpst iônic, a entalpia de vaprizaçã ds átms envlvids, a energia de inizaçã (I) e a afinidade eletrônica(e), cnfrme segue (nde M representa cátin e X ânin): H f [MX s] = H f [M(g)] + H f [X(g)] + I[M] + E[A] - H rede Observe que a entalpia de rede tem sinal negativ pr ser calr liberad devid a atraçã entre cargas pstas (cátin e ânin). Para ânins, valr da afinidade eletrônica também terá sinal negativ, representand a facilidade em receber elétrns. Determine a energia de rede d KCl e faça um diagrama demnstrand tdas as etapas d prcess. Dad: H f KCl(s) = -437 kj/ml, H[K(g)] = 89 kj/ml, H[Cl - (g)]= 122 kj/ml, I[K + (g)], E[Cl - (g)]= -349 kj/ml Respsta: 717 kj/ml 14) Estime a variaçã de entalpia da reaçã entre idetan gass e vapr de água utilizand as entalpias de ligaçã médias tabeladas, dadas em kj/ml. CH 3CH 2I(g) + H 2O(g) CH 3CH 2OH(g) + HI(g) 15) Na síntese da amônia através da reaçã N 2(g) 3H 2(g) 2NH 3(g), que é crucial para a agricultura, a entalpia-padrã da reaçã é -92,22 kj/ml a 298 K. Entretant, a síntese industrial crre a 450 C. a) Qual é a entalpia-padrã da reaçã nessa temperatura? Dad: Cp,m N 2(g) = 29,12 J/ml.K; Cp,m H 2(g)= 28,82 J/ml.K; Cp,m NH 3(g)= 35,06 J/ml.K. Cnsidere que as capacidades calríficas sã cnstantes nesta faixa de temperatura.

4 Respsta:-111,54 kj/ml b) Cm justificar as diferenças nas C p,m da amônia, gás nitrgêni e hidrgêni? c) A reaçã é mais extérmica em qual temperatura? 16) A entalpia da reaçã de frmaçã d óxid de alumíni a partir de seus cnstituintes elementares é kj/ml a 298 K. Estime seu valr a C. Respsta: kj/ml 17) Uma amstra de gás nitrgêni de vlume 20,0 L a 5,00 kpa tem sua temperatura aumentada de 20 C a 400 C a vlume cnstante. Qual é a variaçã de entrpia d nitrgêni devid a aqueciment? A capacidade calrífica mlar d nitrgêni a vlume cnstante, C v,m é 20,81 J/K.ml. Assuma cmprtament de gás ideal. Respsta: +0,710 J/K 18) A temperatura de 1,00 ml de He(g) é aumentada de 25 C para 300 C à pressã cnstante. Qual é a variaçã na entrpia d héli? Assuma cmprtament ideal e que C p,m = 5/2 R. Respsta: +13,6 J/K 19) Calcule a variaçã na entrpia mlar quand dióxid de carbn, tratad cm um gás ideal, se expande istermicamente até 10 vezes seu vlume inicial. Respsta: -17,3 J/K 20) Qual será a variaçã na entrpia de vaprizaçã da acetna na sua temperatura de ebuliçã, 56,2 C. Dad: H vap = 2,91 x 10 4 J/ml. Respsta: +88,3 J/K.ml 21) Cnsidere a tabela abaix e justifique as divergências à Regra de Trutn para a variaçã da entrpia de vaprizaçã de diferentes líquids. 22) Cnsidere diagrama abaix e justifique a descntinuidade da entrpia quand crre mudança de estad físic.

5 23) Calcule a entrpia-padrã para a reaçã de frmaçã da amônia a partir de seus elements cnstituintes. Utilize s dads da Tabela abaix: Respsta: -198,9 J/Kml O prdut gerad é mais rdenad que s reagentes? As infrmações dispníveis permitem avaliar se a reaçã é espntânea? 24) Qual a imprtância da desigualdade de Clausius na previsã da espntaneidade de prcesss? 25) A frmaçã d fluret de hidrgêni a partir de seus elements em suas frmas mais estáveis é espntânea a 25 C? Dad: H reaçã = -546,4 kj, S reaçã =+14,1 J/K Respsta: S univers = J/K, prtant, espntânea. 26) Determine S sis, S viz, S tt, para a expansã istérmica reversível de 1,00 ml de mléculas de um gás ideal de 8,00 L a 20,00 L a 292 K. Respstas: a) S sis=+7,6 J/K S viz=-7,6 J/K, S tt = 0 (reversível, está em cnstante equilíbri) 27) Cm vcê interpreta as duas imagens abaix em relaçã a flux de energia (calr u trabalh) entre uma fnte quente (ht) e fnte fria (cld)? Qual destas representações trata de um prcess espntâne?

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

PROCESSOS EM ENGENHARIA BIOLÓGICA

PROCESSOS EM ENGENHARIA BIOLÓGICA PROCESSOS EM ENGENHARIA BIOLÓGICA S-101 S-10 S-10 P-1 / V-101 P- / ST-101 S-104 Tanque de mistura Esterilizadr S-108 P-6 / AF-10 S-109 S-105 Filtr de gases P- / G-101 S-106 S-107 P-4 / AF-101 Cmpressr

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Termodinâmica Química - P2 - Eng. Materiais (Resolução Comentada) Prof. Fabrício R. Sensato Nome: RA Noturno

Termodinâmica Química - P2 - Eng. Materiais (Resolução Comentada) Prof. Fabrício R. Sensato Nome: RA Noturno Termdinâmica Química - P - Eng. Materiais (Resluçã Cmentada) Prf. Fabríci R. Sensat 01.1.006 Nme: RA Nturn Dads (98 K) Equaçã ds gases perfeits: pv = nrt T(K) = T( C) + 7 R = 0,080578 atmlml K u R = 8,1447

Leia mais

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B Questã 31 Os irradiadres de aliments representam hje uma pçã interessante na sua preservaçã. O aliment irradiad, a cntrári d que se imagina, nã se trna radiativ, umavezquearadiaçãquerecebeédtip gama. A

Leia mais

2 - Lista de exercícios H, E e Capacidade Calorífica

2 - Lista de exercícios H, E e Capacidade Calorífica 2 - Lista de exercícios H, E e Capacidade Calorífica 1) Sob certas circunstâncias, como em locais sem acesso a outras técnicas de soldagem, pode-se utilizar a reação entre alumínio (Al) pulverizado e óxido

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química PAGQuímica 211/1 Exercícis de Cinética Química 1 2. 3. 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaix é crreta u nã, para reações químicas que crrem sem que haja variaçã de temperatura e pressã: a)

Leia mais

TERMOQUÍMICA. A + B + calor C ou A + B C - calor. H = H p - H r

TERMOQUÍMICA. A + B + calor C ou A + B C - calor. H = H p - H r TERMOQUÍMICA 1 - Intrduçã. Muits prcesss químics industriais hje desenvlvids, sã inicialmente realizads em labratóri, em pequena escala, nde é feit um estud sbre a reaçã tais cm: a quantidade estequimétrica

Leia mais

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes Universidade Federal da Paraíba Centr de Ciências Exatas e da Natureza Departament de Química Disciplina: Química Geral Sluções Curs: Química Industrial Prfessra: Liliana Lira Pntes Cnceits Sluções Sluçã

Leia mais

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química.

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química. Aula: 07 emática: ermquímica Esta aula ns dará cnheciment para análise e determinaçã d calr prduzid u absrvid em uma reaçã química. A termquímica é a investigaçã d calr prduzid u cnsumid nas reações químicas.

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Q U Í M I C A Material nº ) (UEM PR) Assinale o que for correto.

TERMOQUÍMICA. Q U Í M I C A Material nº ) (UEM PR) Assinale o que for correto. 01) (UEM PR) Assinale que fr crret. 01) Partículas alfa sã cnstituídas de dis prótns e dis nêutrns. 02) Tda substância simples, n estad padrã e na sua frma altrópica mais estável (mais cmum), tem entalpia

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

QUÍMICA TERMOQUÍMICA. Calor padrão de formação a 25ºC. (KJ mol ) H2O(g) 241,8 CO 2(g) 393,5 CH3OH(g) 239,0

QUÍMICA TERMOQUÍMICA. Calor padrão de formação a 25ºC. (KJ mol ) H2O(g) 241,8 CO 2(g) 393,5 CH3OH(g) 239,0 QUÍMICA Prf. Rdrig Rcha TERMOQUÍMICA. (UEMA) Cm base n cnceit de entalpia, marque a única pçã crreta. a) Substâncias simples n estad padrã pssuem entalpia diferente de zer. b) A entalpia padrã d CO 2 (g)

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Gavião Peixoto nº 124 Edifício Manhattan /

Gavião Peixoto nº 124 Edifício Manhattan / 1) (Uerj 008) O trióxid de enxfre é um pluente secundári, frmad a partir da xidaçã d dióxid de enxfre, pluente primári, em presença d xigêni atmsféric. Cnsidere as seguintes entalpias-padrã de frmaçã a

Leia mais

Química. Questão 2. Questão 1 ETAPA. Resposta. Resposta. DADOS Massas atômicas (u.m.a.) 16 12 1 112 59 80 Dados termodinâmicos: Fe(s) Fe3C(s)

Química. Questão 2. Questão 1 ETAPA. Resposta. Resposta. DADOS Massas atômicas (u.m.a.) 16 12 1 112 59 80 Dados termodinâmicos: Fe(s) Fe3C(s) Química DADOS Massas atômicas (u.m.a.) O C H Cd Ni Br 6 59 80 Dads termdinâmics: Fe(s) Fe3C(s) CH 4(g) H(g) 0 ΔH f (kj. ml ) 0 5,0 74,80 0 ΔS 0 ( J. ml ) 7,30 04,6 86, 30,6 Ptencial de eletrd: Cd(OH) (s)

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Calor de Reação Forma de determinar a energia absorvida ou liberada em uma reação = ΔH da reação.

Calor de Reação Forma de determinar a energia absorvida ou liberada em uma reação = ΔH da reação. TERMOQUIMICA Estuda a variação de energia, ou seja, a variação de temperatura nas reações químicas. Essa energia é chamada de Entalpia representada pelo símbolo H. Reação endotérmica (absorve energia)

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Termodinâmica Química

Termodinâmica Química Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica

Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica 1 Introdução De forma geral podemos afirmar que na natureza algumas coisas acontecem e outras não. Por exemplo: um gás se expande ocupando inteiramente

Leia mais

2,25kg. m C ( ) 22,00kg. m

2,25kg. m C ( ) 22,00kg. m Questã 01 A massa inercial mede a dificuldade em se alterar estad de mviment de uma partícula Analgamente, mment de inércia de massa mede a dificuldade em se alterar estad de rtaçã de um crp rígid N cas

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

As propriedades do gás estelar

As propriedades do gás estelar As prpriedades d gás estelar Estrelas sã massas gassas mantidas gravitacinalmente cm uma frma quase esférica e que apresentam prduçã própria de energia. A definiçã acima, além de nã ser a mais precisa

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS Termoquímica é a parte da química que estuda as trocas de energia entre o sistema e o meio durante a ocorrência de uma reação química ou de um processo físico. ENTALPIA É

Leia mais

Solução Comentada da Prova de Química

Solução Comentada da Prova de Química Sluçã Cmentada da Prva de Química 01. A percentagem de dióxid de titâni, um pigment usad em tintas de cr branca, em um minéri pde ser determinada a partir da seguinte reaçã: 3Ti 2 (s) + 4BrF 3 (l) 3TiF

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess 01. (Unesp - adaptada) Definir, ou conceituar, e discutir, usando exemplos quando julgar conveniente: a) entalpia molar padrão de formação de uma substância;

Leia mais

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ 5. Lista de Exercícis - Amplificadres e Mdels TBJ. Um TBJ tend β = 00 está plarizad cm uma crrente cc de cletr de ma. Calcule s valres de g m, r e e r π n pnt de plarizaçã. Respsta: 40 ma/; 25 Ω; 2,5 kω.

Leia mais

Termoquímica Pa P rte t 2

Termoquímica Pa P rte t 2 Termoquímica Parte 2 Entalpiasde mudançade de estado físico O calor necessário para mudar o estado físico de uma substância é conhecido como: Entalpia de fusão H fus ; ENDOTÉRMICO Entalpia de vaporização

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Caderno de Prova ENGENHARIA MECÂNICA. Vestibular Vocacionado ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato:

Caderno de Prova ENGENHARIA MECÂNICA. Vestibular Vocacionado ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato: Universidade d Estad de Santa Catarina Vestibular Vcacinad 010. Cadern de Prva ª FASE ª Etapa ENGENHARIA MECÂNICA Nme d Candidat: INSTRUÇÕES GERAIS Cnfira Cadern de Prva, as Flhas de Respstas e a Flha

Leia mais

TERMOQUÍMICA RITA SIMÕES

TERMOQUÍMICA RITA SIMÕES TERMOQUÍMICA RITA SIMÕES CONCEITOS IMPORTANTES SISTEMA -É qualquer porção do universo escolhida para observação para, estudo ou análise. ENERGIA - resultado do movimento e da força gravitacional existentes

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Termoquímica. mica. Prof. Ms.. João Neto

Termoquímica. mica. Prof. Ms.. João Neto Termoquímica mica Prof. Ms.. João Neto H 2 O 2 NH 4 ClO 4 Prof. Ms. João Neto - Termoquímica 2 TERMOQUÍMICA: é o ramo da Química que tem por objetivo o estudo da energia associada a uma reação química.

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p Química Termodinâmica Exercícios de Fixação 06. Um gás ideal, com C p = (5/2)R e C v = (3/2)R, é levado de P 1 = 1 bar e V 1 t = 12 m³ para P 2 = 12 bar e V 2 t = 1m³ através dos seguintes processos mecanicamente

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Calorimetria Os reagentes são colocados num recipiente de aço de paredes resistentes chamado bomba, o qual está imerso numa quantidade de água contida num recipiente

Leia mais

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte não existe atração nem repulsão no gás ideal U = 0 q = - w q rev = nrtln(v f /V i ) q rev

Leia mais

Aula 15 TERMOQUÍMICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 15 TERMOQUÍMICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 15 TERMOQUÍMICA META Introduzir os principais conceitos da termoquímica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer os processos de transferência de energia; aplicar a primeira lei

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Questão 13. Questão 14. Resposta

Questão 13. Questão 14. Resposta Questã Uma empresa imprime cerca de.000 páginas de relatóris pr mês, usand uma impressra jat de tinta clrida. Excluind a amrtizaçã d valr da impressra, cust de impressã depende d preç d papel e ds cartuchs

Leia mais

ITA 2008 ENUNCIADOS DE QUÍMICA

ITA 2008 ENUNCIADOS DE QUÍMICA TESTES 1 - Cnsidere a equaçã química, nã balanceada, que representa a reaçã d sulfet de cádmi em sluçã aqusa de ácid nítric: CdS + HNO 3 -> Cd(NO 3 ) 2 + NO + Y + H 2 O Pde-se afirmar que, na equaçã química

Leia mais

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES Matrizes e Determinantes Depis de estudad uma matéria em matemática é imprtante que vcê reslva um númer significativ de questões para fiaçã de cnteúd.

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS D-09 - João Roberto F. Mazzei

EXERCÍCIOS DIVERSOS D-09 - João Roberto F. Mazzei 01. A transfrmaçã d 1-prpanl em prpilen, cm vems a seguir, cnstitui reaçã de: a) hidrataçã. b) desidrataçã. c) hidrgenaçã. d) halgenaçã. 02. Qual prdut btid pela reaçã: (Mnte a fórmula e cmplete a reaçã)

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

CURSO de ENGENHARIA QUÍMICA - Gabarito

CURSO de ENGENHARIA QUÍMICA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUINENSE TRANSFERÊNCIA semestre letiv de 008 e 1 semestre letiv de 009 CURSO de ENGENHARIA QUÍICA - Gabarit INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Veriique se este cadern cntém: PROVA DE REDAÇÃO

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia.

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia. TERMOQUÍMICA 1 Introdução A sociedade moderna depende das mais diversas formas de energia para sua existência. Quase toda a energia de que dependemos é obtida a partir de reações químicas, como a queima

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Aula 02 Álgebra Complexa

Aula 02 Álgebra Complexa Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician Aula 02 Álgebra Cmplexa 1. Númers Cmplexs Intrduçã Circuits CC smas algébricas de tensões e

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Circuitos de Corrente Alternada I

Circuitos de Corrente Alternada I Institut de Física de Sã Carls Labratóri de Eletricidade e Magnetism: Circuits de Crrente Alternada I Circuits de Crrente Alternada I Nesta prática, estudarems circuits de crrente alternada e intrduzirems

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS. Físico-Química. Professor: ALEX ALUNO(A): DATA: 15/03/2015. Termoquímica (Calor de formação e combustão)

EXERCÍCIOS EXTRAS. Físico-Química. Professor: ALEX ALUNO(A): DATA: 15/03/2015. Termoquímica (Calor de formação e combustão) EXERÍIS EXTRAS ALUN(A): Físic-Química Pressr: ALEX DATA: 15/3/15 Termquímica (alr de rmaçã e cmbustã) 1 - (UFES) nsidere a equaçã química nã balanceada abaix, que representa a reaçã de btençã d etanl de

Leia mais

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica 1 História A sociedade é movida a energia e a invenção da máquina a vapor contribuiu decisivamente na Revolução Industrial, que levou ao aumento da produtividade e diminuição da influência

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. Questão 49. alternativa C. alternativa D. alternativa D

Questão 46. Questão 48. Questão 47. Questão 49. alternativa C. alternativa D. alternativa D Questã 46 Se uma pessa cnseguiu percrrer a distância de 3 000 m em 45 minuts, sua velcidade escalar média, nesse interval, fi: a),0 km/h d) 6,0 km/h b) 3,0 km/h e) 6,7 km/h alternativa C c) 4,0 km/h A

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO,

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, HAIDAY, SNICK, WAK, UNDAMNOS D ÍSICA, 4.D., C, IO D JANIO, 996. ÍSICA CAPÍUO 9 MPAUA 5. Um termômetr de resistência é aquele que utiliza a variaçã da resistência elétrica cm a temperatura de uma substância.

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Sólidos, Líquidos e Forças intermoleculares

Sólidos, Líquidos e Forças intermoleculares Sólidos, Líquidos e Forças intermoleculares #Fases da matéria Fase é qualquer forma na qual a matéria pode existir, sólido, líquido, gás, plasma, dependendo da temperatura e da pressão. É a parte homogênea

Leia mais

Lista de Exercícios Funções

Lista de Exercícios Funções PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática Departament de Matemática Cálcul Dierencial e Integral I Lista de Eercícis Funções ) O gráic abai epressa a temperatura em

Leia mais

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE 1-O iodo-132, devido à sua emissão de partículas beta e radiação gama, tem sido muito empregado no tratamento de problemas na tireoide. A curva abaixo ilustra o decaimento

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C Questã 46 N instante t = 0 s, um móvel A parte d repus cm aceleraçã escalar cnstante e descreve uma trajetória retilínea. Nesse mesm instante, utr móvel B passa pr A, cm velcidade escalar cnstante, descrevend

Leia mais

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção ACUMULADOR DE PRESSÃO Linha de prdut Préseleçã 9.1 Acumuladr de pressã cm diafragma Acumuladr D,725 Acumuladr D,75 Acumuladr D,1625 Acumuladr D,321 Acumuladr D,3225 Acumuladr D,51 Acumuladr D,751 Acumuladr

Leia mais

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente Sistema de Cmercializaçã de Radifármacs - Manual d Cliente O IEN está dispnibilizand para s seus clientes um nv sistema para a slicitaçã ds radifármacs. Este nv sistema permitirá a cliente nã só fazer

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Química. 2º Ano. Nome completo: N.º

Química. 2º Ano. Nome completo: N.º Data: / /2012 Química 2º Ano Jesus 2ª UA B Nome completo: N.º ASSUNTO: TERMOQUÍMICA e CNÉTICA QUÍMICA PROFESSOR: JESUS I-Termoquímica Conceito: É o estudo das trocas de energia, na forma de calor, envolvidas

Leia mais

Substâncias Químicas

Substâncias Químicas Substâncias Químicas Gabarit Parte I: Respsta da questã 1: a) Crret. b) Crret. c) Crret. d) Incrret. e) Crret. [Respsta d pnt de vista da disciplina de Matemática] x= 2z e) Crret. Da equaçã química, btems

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

CONSTANTES MASSAS MOLARES

CONSTANTES MASSAS MOLARES CONSTANTES Cnstante de Avgadr = 6,02 x 10 23 ml 1 Cnstante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 C ml 1 = 9,65 x 10 4 A s ml 1 = 9,65 x 10 4 J V 1 ml 1 Vlume mlar de gás ideal = 22,4 L (CNTP) Carga elementar =

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Exercícios de Eletroquímica

Exercícios de Eletroquímica Material de api d Extensiv Exercícis de Eletrquímica Prfessr: Allan Rdrigues 1. Na dntlgia amálgama, que é cmpst basicamente pr uma mistura sólida na qual mercúri, a prata e estanh sã cmbinads, fi um material

Leia mais

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil VERMJCULITA HIDROFOBIZADA PARA O TRATAMENTO DE EFLUENTES DA FLOTAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO. J. MARTINS, L.C.R. MACHADO", S.A. VIEIRA FILHO, V.A. LEÃO" Escla de Minas. ** Escla de Farmácia Universidade Federal

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO

FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO DISCIPLINA : ELETROQUÍMICA APLICADA

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Volume II Isolamento Térmico

Volume II Isolamento Térmico INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR TRANSFERÊNCIA DE CALOR (TCL) Vlume II Islament Térmic Curs Técnic Módul 2 Prf. Carls Babaid Net,

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA O prblema de cmparaçã de distribuições de sbrevivências surge cm freqüência em estuds de sbrevivência. Pr exempl, pde ser de interesse cmparar dis trataments para

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 3ª Série de Exercícios ESTADOS DA MATÉRIA Tomar (2003) 1 Estado

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC FOLH DE QUESTÕES 007 1 a QUESTÃO Valr: 1,0 Um hmem está de pé diante de um espelh plan suspens d tet pr uma mla. Sabend-se que: a distância entre s lhs d hmem

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

CAPÍTULO VIII. Análise de Circuitos RL e RC

CAPÍTULO VIII. Análise de Circuitos RL e RC CAPÍTUO VIII Análise de Circuits e 8.1 Intrduçã Neste capítul serã estudads alguns circuits simples que utilizam elements armazenadres. Primeiramente, serã analisads s circuits (que pssuem apenas um resistr

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa C. alternativa D

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa C. alternativa D NOTAÇÕES C: cnjunt ds númers cmplexs. Q: cnjunt ds númers racinais. R: cnjunt ds númers reais. Z: cnjunt ds númers inteirs. N {0,,,,...}. N {,,,...}. i: unidade imaginária; i. z x + iy, x, y R. z: cnjugad

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departament de Engenharia Civil Setr de Getecnia Paul Sérgi de Almeida Barbsa Lista de exercícis de resistência a cisalhament ds sls 1.ª ) Uma amstra de uma argila nrmalmente

Leia mais

PRODUÇÃO DE GÁS DE CIDADE

PRODUÇÃO DE GÁS DE CIDADE PRODUÇÃO DE GÁS DE CIDADE A. HERCULANO DE CARVALHO Institut Superir Técnic Lisba Prtugal INTRODUÇÃO O sistema, que vigra desde há cerca de 5 ans, de prduçã de gás de cidade para abasteciment de Lisba tem

Leia mais