Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte"

Transcrição

1 Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte não existe atração nem repulsão no gás ideal U = 0 q = - w q rev = nrtln(v f /V i ) q rev /T = nrln(v f /V i ) ΔS = q rev /T (Jmol -1 K -1 ) leve o sistema de um estado 1 a um estado 2 por um caminho reversível mudança de entropia do sistema (critério para prever a direção)

2 em um processo: - reversível, a entropia do universo é cte; - irreversível, a entropia do universo aumenta(expansão livre de gás ou resfriamento de um corpo) q rev /T q irrev /T q rev > q irrev então ΔS > q irrev / T ΔS q /T desigualdade de Clausius sistema isolado, a T cte, q=0 e ΔS total 0, a entropia de um sistema não pode diminuir ( 2 a lei da termodinâmica)

3 numa mudança espontânea a entropia de um sistema isolado aumenta : ΔS total 0 ΔS sistema + ΔS vizinhanças - sistema isolado: q = 0 irreversível (espontâneo): ΔS > 0 reversível (equilíbrio térmico): ΔS = 0 ΔS total = ΔS sis + ΔS viz ΔS t > 0 processo espontâneo

4 T 2 -q + q T 1 T 2 >T 1 ΔS = q/t 1 - q/t 2 então ΔS > 0 Para T 2 = T 1 ΔS = 0 (equilíbrio térmico)

5 Fonte de calor T 2 Máquina térmica (~1mol gás ideal) q 2 Máquina Térmica q 1 < q 2 U = 0 w = q 2 - q 1 q 1 pois o trabalho realizado é cíclico Reservatório frio T 1 w na viz ΔS = q 1 /T 1 - q 2 /T 2 mas, ΔS > 0 q 1 /T 1 > q 2 /T 2 q 1 > q 2 T 1 /T 2 a qtidade mínima liberada para o reservatório frio: q 1 = q 2 T 1 /T 2 w = q 2 - q 1 = q 2 - (q 2 T 1 /T 2 ) = q 2 ( 1 - T 1 /T 2 ) não dá para transformar todo calor em trabalho!

6 Eficiência termodinâmica = trabalho líquido realizado pela máquina térmica = w = 1 T 1 /T 2 calor absorvido pela máquina q 2 = T 2 T 1 = 1 T 1 /T 2 (x 100%) T 2 na realidade, < 30 a 40 % Qual é a eficiência de um motor de combustão interna, tendo w realizado = 1400J e q fornecido = 3200J? Resp: 44% (na prática é menor que 30%)

7 Expansão isotérmica reversível de um gás ideal: w = - nrtln(v f /V i ) U = 0 q = - w como P i V i =P f V f q = nrtln(v f /V i ) ΔS = nrln(v f /V i ) ou ΔS = nrln(p i /P f ) T cte, gás ideal, na expansão processo reversível

8 Mudança de estado físico (transição entre fases) ΔS = ΔH/T mudança de estado físico: fusão, vaporização ΔH > 0 solidificação, condensação ΔS > 0 (menos ordem) ΔH < 0 ΔS < 0 (maior ordem) Δ fus S = Δ fus H/T fus Δ vap S = Δ vap H/T eb - regra de Trouton: Δ vap S 88 Jmol -1 K -1

9 Troca de calor nas vizinhanças As vizinhanças reservatório muito grande variação infinitesimal independe : processo reversível ou irreversível em relação ao sistema T sis = T viz = T cte ΔS viz = q viz / T viz no laboratório; expansão reversível ΔS univ = ΔS sis + ΔS viz = q sis / T + q viz / T = nrtln(v 2 /V 1 ) + [- nrtln(v 2 /V 1 ) ] = 0 T T Processo reversível, a variação total ΔS univ = 0

10 Troca de calor nas vizinhanças expansão irreversível: (caso extremo: no vácuo) ΔS sis = nrln(v 2 /V 1 ) S função de estado w = 0, não troca calor, q viz = 0, ΔS viz = 0 ΔS univ = ΔS sis + ΔS viz = nrln(v 2 /V 1 ) > 0 Combinando o processo reversível com o irreversível : ΔS univ = ΔS sis + ΔS viz 0, = 0, para processo reversível >0, para processo irreversível (espontâneo) a entropia de um sistema isolado aumenta em um processo irreversível e permanece inalterada em um processo reversível

11 Ex 6 Uma quantidade de 0,5 mols de um gás ideal a 20 o C expande-se isotermicamente contra uma pressão constante de 2,0 atm de 1,0 L a 5,0L. Quais os valores de P inicial, ΔS sis, o q perdido pela vizinhança, ΔS viz e ΔS univ? P inicial do gás: ΔS sis / J K -1 : a) 1218,0 atm a) - 2,8 b) 2,0 atm b) 810,0 c) 12,0 atm c) 3,9 d) 5,0 atm d) 6,7 e) 8,0 atm e) 2,8 q viz : ΔS viz / J K -1 ΔS univ / J K -1 a) 810,0 a) 3,9 a) 3,9 b) -810,0 b) -3,9 b) -3,9 c) 2,8 c) 2,8 c) 9,5 d) -2,8 d) 8,0 d) -9,5 e) 3,9 e) -2,8 e) 0

12 Variação de entropia de mistura: T e P cte gás ideal V 1 V 2 V 3 n 1, V 1 n 2, V 2 n= n 1 + n 2, V 1 + V 2 = V 3 tratar como duas expansões isotérmicas do gás: ΔS = nrln(v f /V i ) ΔS 1 = n 1 Rln(V 1 + V 2 / V 1 ) e ΔS 2 = n 2 Rln(V 1 + V 2 / V 2 ) Δ m S = ΔS 1 + ΔS 2 se V n (gás perfeito) Δ m S = n 1 Rln(n 1 + n 2 / n 1 ) + n 2 Rln(n 1 + n 2 / n 2 ) x = fração molar, x 1 = n 1 / n 1 + n 2 e x 2 = n 2 / n 1 + n 2 x < 1 ln x < 0 o lado direito da eq.> 0 ΔS = nr(x 1 ln1/x 1 + x 2 ln1/x 2 ) Δ m S = - nr(x 1 lnx 1 + x 2 lnx 2 ) na mistura de gases ideais a T cte: ΔH = 0 e ΔS>0

13 Variação da entropia com a T calor é transferido reversivelmente: S Tf = S Ti + Δ r C p ln(t f /T i ) P cte (C p independente no ΔT ) S Tf = S Ti + Δ r C v ln(t f /T i ) V cte ( C p independente no ΔT )

14 3ª Lei: Em T = 0 toda energia do movimento térmico é extinta, e num cristal perfeito todos os átomos ou íons estão uniformes e regularmente organizados. S = 0 (da substância) Nernst: ΔS 0 quando T 0 A variação de entropia de qualquer transformação física ou química tende a zero quando a T tende a zero S elemento, na forma mais estável a T=0 como nula S(0) = 0 cristal perfeito (convenção) Entropias-padrão, S o (T) a 1 bar S o (T) = produtos S o - reagentes S o

15 Entropias molares no estado padrão, S o (T) a 298 K e 1 bar Substância S o /J K -1 mol -1 C (Graf) 5,7 C (diamante) 2,4 CO(g) 197,9 CO 2 (g) 213,6 C 2 H 5 OH (l) 161,0 CH 3 CHO (l) 160,2

16 Ex 7 Calcule as variações de entropia e entalpia, a 25 o C, para a reação: 2 H 2 (g) + O 2 (g) 2 H 2 O (g) f H o /kj mol -1 S o /J mol -1 K -1 H 2 (g) O 2 (g) H 2 O (g)

17 Ex 8 Conhecendo as entalpias molares de fusão e de vaporização da água, 6,01 ( a 273 K) e 40,79 ( a 373 K ) kj/mol, respectivamente: a) calcule as variações de entropia para a fusão e a vaporização de 1 mol de água em seus pontos normais de fusão e ebulição; b) quais são as variações na entropia da vizinhança? c) qual é a variação total na entropia do universo? d) qual processo apresenta maior desordem?

18 n-hexano ferve a 68,7 o C em 1,01325 bar e o calor de vaporização, Hvap, a pressão constante é J/mol a essa temperatura. Se o líquido é vaporizado a vapor saturado a esta temperatura o processo é reversível. Qual é a variação de entropia por mol? Resp.: 84,4 J/K mol veja a regra de Trouton!

19 Ex 9 Qual a variação total de entropia durante o processo de oxidação do ferro a 25 o C? Considere a entalpia de reação por mol igual a -412,1 kj/mol. A reação de oxidação é de 4 mols de Fe(s) originando Fe 2 O 3 (s). Dados: S o a 298 K ( J/K mol) Fe 27,3 Fe 2 O 3 87,4 O 2 205,1

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS Nem todas as substâncias têm a mesma capacidade calorífica, isto é, para a mesma energia calorífica recebida, a elevação de temperatura é diferente. C capacidade

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Energia é conservada!

Energia é conservada! Calor transferido E = q + w Variação de energia Trabalho realizado pelo sistema Energia é conservada! ENDOtérmico: o calor é transferido da VIZINHANÇA para o SISTEMA. T(sistema) aumenta enquanto T (vizinhança)

Leia mais

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica 1 História A sociedade é movida a energia e a invenção da máquina a vapor contribuiu decisivamente na Revolução Industrial, que levou ao aumento da produtividade e diminuição da influência

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISES TÉRMICAS DE ALIMENTOS Regina Cristina A. De Lima TRANSIÇÕES DE FASE 1. Introdução Uma fase é um estado específico

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Segunda Lei da Termodinâmica 1. (UECE 2009) Imagine um sistema termicamente isolado, composto por cilindros conectados por uma

Leia mais

Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica

Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Aulas 11 e 12 Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica 1 Introdução De forma geral podemos afirmar que na natureza algumas coisas acontecem e outras não. Por exemplo: um gás se expande ocupando inteiramente

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/10/04

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/10/04 P - PROV DE QUÍIC GERL - 8//4 Nome: Nº de atrícula: GBRITO Turma: ssinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total, Constantes R 8,34 J mol - K - R,8 atm L mol - K - atm L,35 J Equações

Leia mais

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta Entropia e energia livre de Gibbs Prof. Leandro Zatta 1 Segunda e a terceira leis Ideias importantes Sentido Natural Desordem Medido por Energia livre de Gibbs 2 Chave para compreensão da ocorrência ou

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos,

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos, ermodinâmica André Silva ranco Calor: Calor é energia térmica em transito, e vai espontaneamente de uma região mais quente (maior temperatura) para uma mais fria (menor temperatura). Equação undamental

Leia mais

Gás Ideal ou Perfeito

Gás Ideal ou Perfeito Leituras Complementares Gás Ideal ou Perfeito Um gás ideal ou perfeito é aquele que segue a ecuação: PV = nrt Onde: R = 8,314 J mol -1 K -1 R = 8,205 10-2 atm L mol -1 K -1 R = 8,314 10-2 bar L mol -1

Leia mais

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas.

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. Não há reação química que ocorra sem variação de energia! A energia é conservativa. Não pode ser criada

Leia mais

Diagramas de Energia

Diagramas de Energia Diagramas de Energia 1.1- Análise Gráfica Reação exotérmica Reação endotérmica (a) Energia de ativação (Ea) para a reação inversa (b) Energia de ativação (Ea) para a reação direta (c) ΔH 1.2- Entropia

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Reações químicas e combustão

Reações químicas e combustão Reações químicas e combustão Introdução Reações químicas: Relacionam componentes antes e depois da reação Diversas aplicações termodinâmicas Aplicação de princípios termod. => considerar mudanças composição

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

Termodinâmica Química

Termodinâmica Química Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Sistemas termodinâmicos simples

Sistemas termodinâmicos simples Sistemas termodinâmicos simples Estados e processos. Sistemas hidrostáticos. Diagramas de estado para substâncias puras. Equações de estado. Equilíbrio termodinâmico Equilíbrio termodinâmico: Equilíbrio

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz TERMODINÂMICA Abrange toda e qualquer mudança que ocorre no Universo. Sistema: (ambiente) Pode variar: porção

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO 8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO Um gás que existe abaixo de sua temperatura crítica é normalmente chamado de VAPOR, porque pode condensar. SE O VAPOR E O LÍQUIDO DE UM COMPONENTE PURO

Leia mais

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio As Três Leis da Termodinâmica Processos Espontâneos Entropia A Segunda Lei da Termodinâmica Energia de Gibbs Energia de Gibbs e Equilíbrio Químico Termodinâmica

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica Colégio Estadual Professor Ernesto Faria Subprojeto Pibid - Química UERJ Termoquímica REAÇÕES ENDOTÉRMICAS E EXOTÉRMICAS Processo Exotérmico Libera calor para ambiente (vizinhança) Transmite sensação de

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs

Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs Primeira Lei da Termodinâmica U = q

Leia mais

TERMOQUÍMICA (introdução)

TERMOQUÍMICA (introdução) TERMOQUÍMICA (introdução) Portal de Estudos em Química (PEQ) www.profpc.com.br Página 1 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (FEI-SP) A queima de 46 g de álcool etílico (C 2 H 6 O) libera 32,6 kcal. Sabendo que

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba Lista de Exercícios Termodinâmica Curso: Data: / / Nome: Turma: Disciplina: Química (QB70D) - Profª Loraine 1. Defina:

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.

Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17 Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. 1 Processos Físicos e Químicos Espontâneos Uma cascata corre

Leia mais

N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] Para T=298 K. tempo

N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] Para T=298 K. tempo Equilíbrio Químico N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] [ N O ] 2 4 2 NO 2 cte = 4.63x10 3 Concentração Concentração tempo Para T=298 K Concentração 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 2 [ SO ] [SO 2 ] / mol dm -3 [O

Leia mais

Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia.

Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia. Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia. 1. O volume de um gás aumenta de 2,0 L até 6,0 L a temperatura constante. Calcule o trabalho feito pelo gás se ele se expandir: a) contra o vácuo

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

TERMOQUÍMICA. 6) O ΔH da reação H 2 O (g) H 2 (g) + ½ O 2 (g), calculado a partir dos dados da tabela abaixo, é igual a kj por mol de H 2 O (g).

TERMOQUÍMICA. 6) O ΔH da reação H 2 O (g) H 2 (g) + ½ O 2 (g), calculado a partir dos dados da tabela abaixo, é igual a kj por mol de H 2 O (g). TERMOQUÍMICA 1) (UFRGS) Conhecendo-se as equações termoquímicas S (rômbico) + O 2(g) SO 2(g) ΔH = - 70,96 kcal S (monoclínico) + O 2(g) SO 2(g) ΔH = - 71,03 kcal são feitas as seguintes afirmações: I-

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess 01. (Unesp - adaptada) Definir, ou conceituar, e discutir, usando exemplos quando julgar conveniente: a) entalpia molar padrão de formação de uma substância;

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ QUÍMICA Prof. Arthur LISTA DE EXERCÍCIOS - 2.8: TERMOQUÍMICA 1. (UFMG-MG) O gás natural (metano) é um combustível utilizado, em usinas termelétricas, na geração de eletricidade, a partir da energia liberada

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica

Exercícios de Termodinâmica Exercícios de Termodinâmica 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica

Leia mais

Fase Identifica um estado uniforme de

Fase Identifica um estado uniforme de DIAGRAMAS DE FASES Definições Fase Identifica um estado uniforme de matéria, não só no que se refere à composição química, mas também no que se refere ao estado físico. Número de fases numa mistura P 1

Leia mais

EXERCÍCIOS PROPOSTOS RESUMO. ΔH: variação de entalpia da reação H R: entalpia dos reagentes H P: entalpia dos produtos

EXERCÍCIOS PROPOSTOS RESUMO. ΔH: variação de entalpia da reação H R: entalpia dos reagentes H P: entalpia dos produtos Química Frente IV Físico-química Prof. Vitor Terra Lista 04 Termoquímica Entalpia (H) e Fatores que Alteram o ΔH RESUMO Entalpia (H) é a quantidade total de energia de um sistema que pode ser trocada na

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Entropia. Energia de Gibbs e Equilíbrio

Entropia. Energia de Gibbs e Equilíbrio Entropia Energia de Gibbs e Equilíbrio Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins TRANSFORMAÇÕES ESPONTÂNEAS Uma reacção diz-se

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas professor titular de física teórica Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Processos espontâneos A termodinâmica está relacionada com a pergunta: uma reação pode ocorrer? 2 Al (s) + Fe 2 O 3 (s) Al 2 O 3 (s) + 2 Fe (s) H 2 (g) + 1/2O 2 (g) H 2 O(g) 2 2 2 A primeira lei de termodinâmica:

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Física 2ª série Ensino Médio v. 2

Física 2ª série Ensino Médio v. 2 ísica 2ª série Ensino Médio v. 2 Exercícios 01) Caloria é a quantidade de calor necessária para que um grama de água possa aumentar sua temperatura de 1,5 o C para 15,5 o C. 02) É o calor necessário para

Leia mais

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS Termoquímica é a parte da química que estuda as trocas de energia entre o sistema e o meio durante a ocorrência de uma reação química ou de um processo físico. ENTALPIA É

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Termoquímica PROF. Prof. DAVID David TERMOQUÍMICA O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Estuda as quantidades de calor liberadas ou absorvidas durante as reações químicas

Leia mais

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015 Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1 Mudanças de estado físico. Variação de entalpia. Atividade Prático-Laboratorial APL 1.4 Balanço energético num sistema termodinâmico. Resolução de exercícios:

Leia mais

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16 Física Frente III CAPÍTULO 5 - TERMODINÂMICA AULAS 1 A 16 Introdução A Termodinâmica é o ramo da física que estuda as relações entre calor, temperatura, trabalho e energia. Todo estudo na termodinâmica

Leia mais

Termodinâmica A primeira Lei

Termodinâmica A primeira Lei Departamento de Química e Bioquímica Termodinâmica A primeira Lei Cap. 7 Atkins FUNDAMENTOS DE QUÍMICA Termodinâmica Estudo das transformações de energia entre as suas diferentes formas Sistema + Vizinhança

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03 FOLHAS DE PROBLEMAS Termodinâmica e teoria cinética Física dos Estados da Matéria 00/03 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ª FOLHA

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Termodinâmica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Termodinâmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127 Termodinâmica Prof. Antonio Guerra Departamento de Química Geral e Inorgânica - DQI Energia e Trabalho Energia A capacidade de realizar

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

www.professormazzei.com Assunto: TERMOQUÍMICA Folha 3.1 Prof.: João R. Mazzei

www.professormazzei.com Assunto: TERMOQUÍMICA Folha 3.1 Prof.: João R. Mazzei 01- (FUVEST-1994) Considere a reação de fotossíntese (ocorrendo em presença de luz e clorofila) e a reação de combustão da glicose representadas a seguir: 6CO (g) + 6H O(l) ë C H O (s) + 6O (g) C H O (s)

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/03

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/03 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/05/03 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Constantes: Questão Valor Grau Revisão a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 0,0 R = 8,34 J mol - K - R =

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

Físico-Química Farmácia 2014/02

Físico-Química Farmácia 2014/02 Físico-Química Farmácia 2014/02 1 2 Aspectos termodinâmicos das transições de fase A descrição termodinâmica das misturas Referência: Peter Atkins, Julio de Paula, Físico-Química Biológica 3 Condição de

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Ciências Físico-Químicas - 7º ano Propriedades físicas e M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Há substâncias que, mesmo misturadas com outras, facilmente identificamos através de características

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE QUESTÃO 1 Peso 2 A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia.

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia. TERMOQUÍMICA 1 Introdução A sociedade moderna depende das mais diversas formas de energia para sua existência. Quase toda a energia de que dependemos é obtida a partir de reações químicas, como a queima

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo Capacidade calorífica e calor específico Q/J Quando um corpo recebe energia calorífica a sua temperatura aumenta (e de forma linear): A energia calorífica ( Q) que é necessário fornecer a um corpo para

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico.

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Exercícios de Equilíbrio químico e Misturas Meta Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição)

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT E-mail: rita@debiq.eel.usp.br

Leia mais

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Duas propriedades independentes definem o estado termodinâmico de uma substância Pode-se, portanto, determinar-se as outras propriedades, desde

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

A matéria possuem 7 estados físicos...

A matéria possuem 7 estados físicos... A matéria possuem 7 estados físicos... 1 Estado: SÓLIDO. 2 Estado: LIQUIDO. 3 Estado: GASOSO. 4 Estado: PLASMA. 5 Estado: O Condensado de Bose-Einstein. 6 Estado: Gás Fermiônico. 7 Estado: Superfluido

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais