PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1"

Transcrição

1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1

2 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Alterad nme deste Prcediment de Cmercializaçã para: CO.02 Saznalizaçã de Cntrat Inicial e de Energia Assegurada. Inserid índice. Alterada a numeraçã das seguintes seções: De 1 para 3 Prcess Origem; De 8 para 10 Premissas; De 2 para 4 Nme e Códig d Prcediment de Cmercializaçã; De 9 para 11 Fluxgrama; De 3 para 5 Públic Alv; De 10 para 12 Matriz de Operacinalizaçã; De 4 para 6 Objetiv; De 11 para 13 Crngrama Geral; De 6 para 8 Definições; De 12 para 14 Anexs. De 7 para 9 Ferramentas de Suprte; Alterada a descriçã e a numeraçã da seguinte seçã: De 5 - Aspects Regulatóris Envlvids para 7 Aspects Legais e Regulatóris. Inseridas as seguintes seções: 1 Aprvaçã; 2 Históric de Revisões. Alterads s nmes ds seguintes Macr-Prcesss da Cadeia de Valr para: PE Estabelecer Preçs de Liquidaçã de Diferenças; ME Registrar Dads de Mediçã. Inserids s seguintes Macr-Prcesss na Cadeia de Valr: RL Realizar Leilões; AC Administrar Cntrats. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 2 de 16

3 4. E DO PROCEDIMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO Alterada a numeraçã da seçã de 2 para 4 Nme e Códig d Prcediment de Cmercializaçã. Alterada a numeraçã da seçã de 3 para 5 Públic Alv. 5. PÚBLICO ALVO Alterads s seguintes itens para: Agente da CCEE Superintendência da CCEE Alterada a numeraçã da seçã de 4 para 6 Objetiv. 6. OBJETIVO Alterada a descriçã d bjetiv para: Definir prcess anual de Saznalizaçã de Cntrats Iniciais e Saznalizaçã da Energia Assegurada d an de 2005, de frma a dispnibilizar estas infrmações para Prcess de Cntabilizaçã d Mercad. Alterada a descriçã e a numeraçã da seçã de 5 - Aspects Regulatóris Envlvids para 7 Aspects Legais e Regulatóris. Excluíds s seguintes Aspects Legais e Regulatóris: 7. ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Lei nº , de 24 de abril de Resluçã ANEEL nº 290 de 03 de agst de Resluçã ANEEL nº 102, de 1º de Març de Resluçã ANEEL nº 103, de 1º de Març de Estatut Scial d MAE. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 3 de 16

4 Renumerads s Seguintes Aspects Legais e Regulatóris: De 7.2 para 7.1 Lei nº , de 26 de abril de De 7.3 para 7.6 Resluçã ANEEL nº 267 de 13 de agst de De 7.4 para 7.7 Resluçã ANEEL nº 268 de 13 de agst de De 7.5 para 7.8 Resluçã ANEEL nº 451 de 29 de dezembr de De 7.6 para 7.9 Resluçã ANEEL nº 453 de 30 de dezembr de De 7.7 para 7.10 Resluçã ANEEL nº 141 de 09 de junh de De 7.9 para 7.11 Resluçã ANEEL nº 361 de 12 de setembr de De 7.10 para 7.12 Resluçã ANEEL nº 444 de 22 de nvembr de ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS De 7.11 para 7.13 Resluçã ANEEL nº 447 de 27 de nvembr de De 7.12 para 7.14 Resluçã ANEEL nº 44 de 01 de fevereir de De 7.13 para 7.15 Resluçã ANEEL nº 45 de 01 de fevereir De 7.14 para 7.16 Resluçã ANEEL nº 169, de 3 de mai de De 7.15 para 7.17 Resluçã ANEEL nº 173 de 10 de mai de De 7.16 para Resluçã ANEEL nº 470 de 05 de nvembr de Inserids s seguintes Aspects Legais e Regulatóris: 7.2 Lei nº , de 15 de març de Decret nº 5.163, de 30 de julh de Decret nº 5.177, de 12 de agst de Decret nº 5.249, de 20 de utubr de Resluçã Nrmativa ANEEL nº 109, de 26 de utubr de changelg_pdc_c_02_versa1 Página 4 de 16

5 7. ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Inserida a seguinte nta: Será cnsiderada a legislaçã superveniente que gerar impacts ns nrmativs ra elencads. Alterada a numeraçã da seçã de 6 para 8 Definições. Alterada a descriçã da seguinte Definiçã: 8. DEFINIÇÕES Saznalizaçã: cálcul de vlumes de energia, cntratads u assegurads, em mntantes mensais. Alterads nmes e a descriçã das seguintes Definições para: De Agente de Mercad para Agente da CCEE u Agente: cncessinári, permissinári, autrizad de serviçs e instalações de energia elétrica e Cnsumidres Livres integrantes da CCEE. De Cntrats Iniciais para Cntrat(s) Inicial(is): instruments jurídic cmerciais de lng praz firmads entre Agente de Geraçã / Agente de Distribuiçã, Agente de Distribuiçã / Agente de Distribuiçã e Agente de Geraçã / Agente de Geraçã, cm tarifas fixadas pela ANEEL. De MRE para Mecanism de Realcaçã de Energia (MRE): mecanism de cmpartilhament ds riscs hidrlógics assciads à timizaçã eletr-energética d Sistema Interligad Nacinal SIN, n que cncerne a despach centralizad das unidades de geraçã de energia elétrica. De Simples/Mercad para Sistema SIMPLES: é Sistema de Infrmações de Mercad para Planejament d Setr Elétric. De SCL para Sistema de Cntabilizaçã e Liquidaçã (SCL): sistema cmputacinal basead nas Regras de Cmercializaçã, que suprta a cmercializaçã de energia elétrica n âmbit da CCEE. Excluídas as seguintes Definições: du: dias úteis. MA: mês anterir às perações de cmpra e venda de energia. N: 15 dias antes d iníci d an civil, para tds s meses de apuraçã d an seguinte. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 5 de 16

6 Inseridas as seguintes Definições: 8. DEFINIÇÕES Agente de Distribuiçã: titular de cncessã, permissã u autrizaçã de serviçs e instalações de distribuiçã para frnecer energia elétrica a cnsumidr final exclusivamente de frma regulada. Agente de Geraçã: titular de autrizaçã, cncessã u permissã para fins de geraçã de energia elétrica. Câmara de Cmercializaçã de Energia Elétrica (CCEE): pessa jurídica de direit privad, sem fins lucrativs, que atua sb autrizaçã d Pder Cncedente e regulaçã e fiscalizaçã da ANEEL, segund a Cnvençã de Cmercializaçã, instituída pela Resluçã Nrmativa ANEEL nº 109, de 26 de utubr de 2004, cm a finalidade de viabilizar as perações de cmpra e venda de energia elétrica entre s Agentes da CCEE, restritas a Sistema Interligad Nacinal (SIN), cuja criaçã fi autrizada ns terms d artig 4º da Lei nº , de 15 de març de 2004, e d Decret nº 5.177, de 12 de agst de Cnsumidr Livre: aquele que, atendid em qualquer tensã, tenha exercid a pçã de cmpra de energia elétrica, cnfrme definida ns arts. 15 e 16 da Lei nº 9.074, de 7 de julh de Cntrat Inicial Tip G: Cntrat Inicial n qual a parte cmpradra é um Agente de Geraçã. Cntrat Inicial Tip P: Cntrat Inicial n qual a parte cmpradra nã é um Agente de Geraçã. Superintendência da CCEE: é órgã executiv da CCEE. Alterada a numeraçã da seçã de 7 para 9 Ferramentas de Suprte. Alteradas as descrições das seguintes Ferramentas: 9. FERRAMENTAS DE SUPORTE SCL: Sistema de Cntabilizaçã e Liquidaçã da CCEE, n qual sã inseridas as infrmações resultantes d prcess de Saznalizaçã de Cntrats Iniciais n cmpnente Cntrats. Planilha de Saznalizaçã de Energia Mensal de Cntrats Iniciais: Planilha eletrônica utilizada para dispnibilizaçã, pr parte ds Agentes da CCEE, das infrmações relativas as mntantes mensais de energia ds Cntrats Iniciais (vide Anex 14.1 deste Prcediment de Cmercializaçã). Planilha de Saznalizaçã de Energia Assegurada: Planilha eletrônica utilizada para dispnibilizaçã, pr parte ds Agentes da CCEE, das infrmações relativas as mntantes mensais de Energia Assegurada e perdas de geraçã de Cntrats Iniciais (vide Anex 14.2 deste Prcediment de Cmercializaçã). changelg_pdc_c_02_versa1 Página 6 de 16

7 Alterada a numeraçã da seçã de 8 para 10 Premissas. Transferidas para Regras de Cmercializaçã, as seguintes premissas: 10. PREMISSAS Os Cntrats Iniciais entre Distribuidres (D/D) terã sua energia saznalizada de acrd cm as Resluções ANEEL nº 447 de 2000, nº 45 de 2001, nº 173 de 2001 e nº 722 de Para cada mês d an seguinte, as infrmações a serem dispnibilizadas pels Agentes de Mercad, cnstantes neste dcument sã: a) Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) b) Energia Assegurada Mensal (UMASS) c) Perdas Mensais de Geraçã de Cntrat Inicial (MGICL) Os Agentes de Mercad pderã saznalizar seus Cntrats Iniciais mediante negciações bilaterais, buscand assim, timizar suas transações de cmpra e venda de energia, respeitand as datas d Crngrama de atividades 2004 (vide seçã 12.3 deste Prcediment de Mercad Anexs ) Cas as partes nã entrem em acrd em relaçã as valres saznalizads d Cntrat Inicial, este será calculad pr cntingência. Alterada a descriçã das seguintes Premissas: 10.1 Os Cntrats Iniciais entre Agentes de Geraçã e Agentes de Distribuiçã (G/D) e entre Agentes de Geraçã (G/G) serã saznalizads de acrd cm este Prcediment de Cmercializaçã O Prcess de Saznalizaçã de Cntrat Inicial e Saznalizaçã de Energia Assegurada tem seu iníci cm recebiment, pela Superintendência da CCEE, da ptência cntratada de Itaipu, dispnibilizada para sistema elétric brasileir, referente a an de 2005 e ds valres da energia vinculada a essa ptência cntratada, elabrad pela Eletrbrás e dispnibilizad pela ANEEL. Excluídas as seguintes Premissas: A respectiva previsã de carga d Sistema Simples/Mercad será dispnibilizada as Agentes Distribuidres pela ANEEL Nvs Cntrats Iniciais, hmlgads pela ANEEL, serã registrads n SCL pela Superintendência d MAE, a partir de quand serã cnsiderads na cntabilizaçã ds meses seguintes a registr. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 7 de 16

8 Alterada a numeraçã e a descriçã das seguintes Premissas: 10. PREMISSAS De 10.4 para Os Agentes da CCEE que tiverem s mntantes de energia de seus Cntrats Iniciais aditads e hmlgads pela ANEEL deverã respeitar s nvs mntantes de energia estabelecids nas respectivas resluções. De 10.6 para 10.4 A Energia Mensal de Cntrat Inicial fra d MRE (NERMICE) será btida, pr Agente da CCEE, a partir da Energia Assegurada Mensal (UMASS) das Usinas nã Participantes d MRE. De 10.7 para Para dispnibilizaçã das infrmações de Saznalizaçã, Agente da CCEE deverá utilizar s mdels de planilhas dispníveis neste dcument (vide seçã 14 deste Prcediment de Cmercializaçã). Estas planilhas serã enviadas através de cmunicad, cnfrme data prevista n Anex 14.3 deste Prcediment de Cmercializaçã. De 10.8 para O praz limite para dispnibilizaçã das infrmações de Saznalizaçã para Prcess de Cntabilizaçã d an de 2005, bem cm as datas de cada uma das etapas deste prcess estã dispníveis neste dcument (vide Anex 14.3 deste Prcediment de Cmercializaçã). De para O Prcess de Cntingência da Saznalizaçã de Cntrat Inicial para s cass em que Agente da CCEE nã enviar s dads respeitand mntante cntratad, u para s cass nde nã huver acrd entre as partes, será a aplicaçã d perfil de carga btid pel Sistema SIMPLES a mntante ttal em MW médi d referid Cntrat Inicial. De para O Prcess de Cntingência da Saznalizaçã da Energia Assegurada para s cass em que Agente da CCEE nã respeite MW médi anual cntid nas Resluções ANEEL, será a aplicaçã d perfil infrmad pel Agente da CCEE, sbre mntante anual definid em Resluçã específica. De para O Prcess de Cntingência da Saznalizaçã da Energia Assegurada, para s cass em que Agente da CCEE nã envie s dads até praz estipulad, será a distribuiçã d mntante anual em MW médi, especificad em Resluçã da ANEEL, cm recurs fix a lng d an. De para O Prcess de Cntingência da Saznalizaçã das Perdas Mensais de Geraçã de Cntrat Inicial (MGICL), para s cass em que Agente da CCEE nã envie s dads até praz estipulad, será a distribuiçã d mntante anual em MW médi, infrmad em 2002, reduzid prprcinalmente à reduçã de seus cntrats, cm requisit fix a lng d an. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 8 de 16

9 10. PREMISSAS De para N cas de adesã à CCEE de um Agente que pssua Cntrats Iniciais, listads na Resluçã ANEEL nº 44, de 01 de fevereir de 2001, estes cntrats serã registrads n SCL pela Superintendência da CCEE. A partir desse registr, tais cntrats passarã a ser cnsiderads para fins de cntabilizaçã. De para Prcediments especiais para Hrári de Verã serã infrmads através de cmunicad. De para Cas as datas apresentadas n Crngrama de Atividades (vide Anex 14.3 deste Prcediment de Cntabilizaçã) nã sejam passíveis de cumpriment, a Superintendência da CCEE dispnibilizará nv crngrama para tal fim. De para A cntagem ds prazs estabelecids neste Prcediment de Cmercializaçã é realizada bservand-se apenas s dias úteis. Inserida a seguinte Premissa: N cas de aditament de Cntrat Inicial hmlgad pela ANEEL, será aplicada a mesma prprcinalidade da alteraçã ds mntantes cntratuais para fins de ajuste ds valres de Perdas de Cntrat (MGICL). Alterada a numeraçã da seçã de 9 para 11 Fluxgrama. Alterad respnsável: 11. FLUXOGRAMA De Superintendência d MAE para Superintendência da CCEE. De Agente de Mercad Distribuidr para Agente de Distribuiçã. De Agente de Mercad Geradr para Agente de Geraçã. Alterad nme das seguintes atividades para: CO Cnferir s Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais e Aplicar Cntingência, Cas Aplicável. CO Cnferir s Dads Saznalizads de Energia Assegurada e Aplicar Cntingência, Cas Aplicável. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 9 de 16

10 Alterad prdut gerad das seguintes atividades para: 11. FLUXOGRAMA CO Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Distribuiçã. CO Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizada pels Agentes de Distribuiçã. CO Mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) infrmads as geradres. CO Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) calculada pela Superintendência da CCEE em cas de Cntingência. CO Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Geraçã. CO Energia Assegurada, Perdas Mensais de Geraçã e Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) Tip G dispnibilizadas pels Agentes de Geraçã. CO Energia Assegurada Mensal (UMASS) calculada pela CCEE em cas de Cntingência. Inserid seguinte prdut gerad na atividade CO : Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Distribuiçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. Inserid seguinte prdut gerad na atividade CO : Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Geraçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. Alterada a numeraçã da seçã de 10 para 12 Matriz de Operacinalizaçã. Alterads s Respnsáveis: 12. MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO De Superintendência d MAE para Superintendência da CCEE. De Agente de Mercad Distribuidr para Agente de Distribuiçã. De Agente de Mercad Geradr para Agente de Geraçã. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 10 de 16

11 Alterads s nmes das seguintes atividades: CO Cnferir s Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais e Aplicar Cntingência, Cas Aplicável. CO Cnferir s Dads Saznalizads de Energia Assegurada e Aplicar Cntingência, Cas Aplicável. Alterad praz para Cnfrme Crngrama de Atividades (vide Anex 14.3 deste Prcediment de Cmercializaçã) das seguintes atividades: CO CO CO CO CO CO CO CO Alterads detalhament e prdut gerad da atividade CO.02.01, respectivamente para: 12. MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO Slicitar, através de envi da Planilha de Saznalizaçã de Cntrats Iniciais as Agentes de Distribuiçã, as infrmações relativas à Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE). Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Distribuiçã. Alterads n detalhament da atividade CO.02.02, 1º marcadr e 2º marcadr, respectivamente para: Dispnibilizar à Superintendência da CCEE, através da Planilha de Saznalizaçã de Cntrats Iniciais (vide Anex 14.1 deste Prcediment de Cmercializaçã), s mntantes mensais de energia relativs as Cntrats Iniciais Tip P. Estas infrmações serã utilizadas cm base para a Saznalizaçã da Energia Assegurada pr parte ds Agentes de Geraçã. Alterad prdut gerad da atividade CO para: Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizada pels Agentes de Distribuiçã. Alterad n detalhament da atividade CO.02.03, 1º marcadr e 2º marcadr, respectivamente para: Os mntantes de energia de Cntrat Inicial dispnibilizads à Superintendência da CCEE serã validads preliminarmente e agregads para envi as Agentes de Geraçã. Infrmar a Agente de Geraçã s mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE). changelg_pdc_c_02_versa1 Página 11 de 16

12 Alterad prdut gerad da atividade CO para: 12. MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO Mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) infrmads as geradres. Alterad detalhament da atividade CO para: Validaçã ds dads mensais de cada Cntrat enviada pels Agentes de Distribuiçã. Alterad n detalhament da atividade CO.02.05, 1º marcadr e 2º marcadr, respectivamente para: Cnferir s dads enviads pels Agentes de Distribuiçã para checar se estã em cnfrmidade cm as Resluções da ANEEL. Cas s dads enviads nã sejam validads pela Superintendência da CCEE, as partes nã entrem em acrd em relaçã as valres saznalizads, u s mesms nã sejam enviads, será aplicada a regra da Cntingência para Saznalizaçã de Cntrats Iniciais. Alterad prdut gerad da atividade CO.02.05, para: Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) calculada pela Superintendência da CCEE em cas de Cntingência. Inserid seguinte prdut gerad na atividade CO : Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Distribuiçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. Excluíd d detalhament da atividade CO.02.06, 4º marcadr. Alterad n detalhament da atividade CO.02.06, 1º marcadr e 3º marcadr, respectivamente para: Slicitar as Agentes de Geraçã, através de envi da Planilha de Saznalizaçã de Energia Assegurada, as infrmações relativas à Energia Assegurada Mensal (UMASS) e Perdas de Geraçã de Cntrats Iniciais (MGICL). Serã slicitadas também as infrmações referentes à Energia Mensal de Cntrats Iniciais Tip G. Estes mntantes deverã estar acrdads entre as partes envlvidas. Alterad prdut gerad da atividade CO.02.06, para: Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Geraçã. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 12 de 16

13 Alterads detalhament e prdut gerad da atividade CO.02.07, respectivamente para: 12. MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO Dispnibilizar à Superintendência da CCEE, através da Planilha de Saznalizaçã de Energia Assegurada (vide Anex 14.2 deste Prcediment de Cmercializaçã), s mntantes mensais de Energia Assegurada, perdas de geraçã de Cntrats Iniciais e energia mensal de Cntrats Iniciais Tip G. Energia Assegurada, Perdas Mensais de Geraçã e Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) Tip G dispnibilizadas pels Agentes de Geraçã. Alterad n detalhament da atividade CO.02.08, 1º marcadr e prdut gerad, respectivamente para: Cnferir s dads enviads pels Agentes de Geraçã para checar se estã em cnfrmidade cm as Resluções da ANEEL. Energia Assegurada Mensal (UMASS) calculada pela CCEE em cas de Cntingência. Inserid seguinte prdut gerad na atividade CO : Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Geraçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. Alterad n detalhament da atividade CO.02.09, 1º marcadr para: Realizar validaçã das infrmações de saznalizaçã dispnibilizadas pels Agentes de Geraçã e Distribuiçã. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 13 de 16

14 Alterada a numeraçã da seçã de 11 para 13 Crngrama Geral. Alterad prdut gerad referente às seguintes atividades para: 13. CRONOGRAMA GERAL CO Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Distribuiçã. CO Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizada pels Agentes de Distribuiçã. CO Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) calculada pela Superintendência da CCEE em cas de Cntingência. CO Infrmações de Saznalizaçã slicitadas as Agentes de Geraçã. CO Energia Assegurada, Perdas Mensais de Geraçã e Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) Tip G dispnibilizadas pels Agentes de Geraçã. CO Energia Assegurada Mensal (MASS) calculada pela CCEE em cas de Cntingência. Inserid s prduts gerads referentes às seguintes atividades: CO Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Distribuiçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. CO Dads Saznalizads de Cntrats Iniciais enviads pels Agentes de Geraçã, cnferids pela Superintendência da CCEE. Alterad praz para Cnfrme Crngrama de Atividades das seguintes atividades: CO CO CO CO CO CO CO CO changelg_pdc_c_02_versa1 Página 14 de 16

15 Alterada a numeraçã da seçã de 12 para 14 Anexs. Alterad layut ds Anexs. Alterad títul d item 14.1 Planilha de Saznalizaçã de Cntrats Iniciais para: 14. ANEXOS Planilhas de Saznalizaçã de Energia Mensal de Cntrat Inicial. Excluída a planilha d Item Planilhas de Saznalizaçã de Energia Mensal de Cntrat Inicial. Inserids s seguintes subitens: Planilha de Saznalizaçã de Energia Mensal de Cntrat Inicial para Agentes de Distribuiçã Planilha de Saznalizaçã de Energia Mensal de Cntrat Inicial para Agentes Vendedres. Alterad títul d item 14.3 Crngrama de Atividades 2004 para: Crngrama de Atividades. Alterads s terms nas Atividades d Anex 14.3 para: De Simples / MERCADO para Sistema SIMPLES. De Agentes Distribuidres para Agentes de Distribuiçã. De Agentes Geradres para Agentes de Geraçã. De Superintendência d MAE para Superintendência da CCEE. De entre Geradres (G/G) para Tip G. Excluída da tabela d item 14.3 Crngrama de Atividades, a seguinte atividade: 7ª Atividade Cnfirmaçã da realizaçã de acrd ds Cntrats Iniciais pels Agentes Geradres. changelg_pdc_c_02_versa1 Página 15 de 16

16 Alteradas as seguintes Atividades d Anex 14.3 cnfrme segue: 14. ANEXOS De Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizada pels Agentes Distribuidres para Mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizads pels Agentes de Distribuiçã. De Dispnibilizar a Energia Mensal d Cntrat Inicial (MICE) as Agentes Geradres para Mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) dispnibilizads as Agentes de Geraçã. Inseridas a 5ª e 7ª Atividades cm as respectivas descrições: Cnferir s Dads Saznalizads ds Cntrats Iniciais e aplicar a cntingência, se fr cas. - 29/12/2004. Mntantes de Energia Mensal de Cntrat Inicial (MICE) validads pels Agentes de Geraçã. Alterads s prazs de tdas as Atividades d Item 14.3 Crngrama de Atividades para adequaçã a Crngrama de changelg_pdc_c_02_versa1 Página 16 de 16

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Versão 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

Versão 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcedim ent de Cm ercializaçã Cntrle de Alterações PdC AG.0 2 MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRI OS DO SCL Versã 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Alterad nme deste Prcediment

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Cronograma Geral da Contabilização. PdC Versão 2 PdC Versão 3

Cronograma Geral da Contabilização. PdC Versão 2 PdC Versão 3 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Crngrama Geral da Cntabilizaçã PdC Versã 2 PdC METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã. Text tachad refere-se

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Tratamento da Energia do PROINFA na CCEE. PdC Versão 1

Tratamento da Energia do PROINFA na CCEE. PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Tratament da Energia d PROINFA na CCEE PdC Versã 1 Versã 1 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã. Text

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE)

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE) Diretria de Regulaçã de Emissres (DRE) Principais alterações a Regulament e Manual d Emissr 14/03/2016 x Cnfidencial Us Us Intern Públic 1 Regulament e Manual: principais alterações Divulgaçã: até 31/març.

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO ORIGEM...4

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

2. Possibilidade de digitar mais de um diferencial de alíquota por documento fiscal (Pct. 3113).

2. Possibilidade de digitar mais de um diferencial de alíquota por documento fiscal (Pct. 3113). * Invações: 1. Geraçã da GIISS de Brasília - DF (Pct. 3230). Dispnibilizada geraçã d arquiv magnétic de serviçs para Distrit Federal. Para utilizaçã é necessári vincular leiaute 37 - Livr Eletrônic de

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ Ref.: 0084/24 (Favr referir-se a este númer em tdas as crrespndências) Esta empresa está cnvidada a apresentar prpsta à UNESCO de Elabraçã de Prgrama Editrial para Institut

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Liquidação Financeira. PdC Versão 3 PdC Versão 4

Liquidação Financeira. PdC Versão 3 PdC Versão 4 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Liquidaçã Financeira PdC Versã 3 PdC Versã 4 Versã 3 Versã 4 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã. Text tachad refere-se à exclusã

Leia mais

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017 Admissões para Creche e Pré-esclar 2016 / 2017 1ª Fase: Pré-candidatura Decrre entre 4 a 29 de Janeir (2016): - Ficha de candidatura devidamente preenchida e assinada (dispnível na Secretaria u n site:

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Mateiral de Apoio. TOP Mobilidade RM 11.83

Mateiral de Apoio. TOP Mobilidade RM 11.83 Mateiral de Api TOP Mbilidade RM 11.83 Índice 1. Mbilidade... 4 1.1. Avanç Físic... 4 1.1.1. Parâmetrs... 4 1.1.2. Cletres... 5 1.1.2.1. Cadastrs... 5 1.1.2.2. Prcesss de Desativaçã e Inativaçã de Cletres...

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

GUIA do FILIAWEB. Versão 1.0

GUIA do FILIAWEB. Versão 1.0 GUIA d FILIAWEB Versã 1.0 Setembr de 2011 ÍNDICE 1. Intrduçã...4 1.1 Antaçã de filiaçã partidária pel partid plític...5 1.2 Registrs de filiaçã partidária junt à Justiça Eleitral...6 1.3 Desfiliaçã Partidária...8

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Sumário 1. Certificação Objetivo Introdução Módulo de Alocação 5. Módulo BMF

Sumário 1. Certificação Objetivo Introdução Módulo de Alocação 5. Módulo BMF SINACOR IPN 1 Sumári 1. Certificaçã... 5 2. Objetiv... 8 3. Intrduçã... 9 4. Módul de Alcaçã... 12 4.1 Intrduçã... 12 4.2 Nv Flux... 12 4.3 Telas... 13 4.3.1 Tratament de Repasses... 13 4.3.2 Incnsistências...

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Terms de Cperaçã PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment e invaçã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

www.datapar.com.br Descrição Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários do setor de Patrimônios nos cadastros e movimentação.

www.datapar.com.br Descrição Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários do setor de Patrimônios nos cadastros e movimentação. Página 1 de 8 Descriçã Este manual tem cm principal finalidade, ajudar s usuáris d setr de Patrimônis ns cadastrs e mvimentaçã. Relaçã ds Tópics a serem vists neste manual - Cadastr Departaments Itens

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

RISCOS DO MERCADO LIVRE X MERCADO CATIVO

RISCOS DO MERCADO LIVRE X MERCADO CATIVO Centr Universitári Fundaçã Sant André MBA em Gestã de Energia Disciplina Geraçã de Riscs Prfessr Rdrig Cutri RISCOS DO MERCADO LIVRE X MERCADO CATIVO Denilsn Freire Mendes Lúcia Yukie Nakada Matsumt Talita

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Manutenção de Cadastro de Agentes da CCEE e Usuários do SCL. Versão 1 -> Versão 2

Manutenção de Cadastro de Agentes da CCEE e Usuários do SCL. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Manutençã de Cadastr de Agentes da CCEE e Usuáris d SCL Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Text em realce refere-se à inserçã

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO)

FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO) FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO) CALENDÁRIO DO FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA DA ALIANÇA FRANCESA 2014 13 de julh de 2014 Lançament e publicaçã

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais