Faculdade de Geologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade de Geologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, Rio de Janeiro (RJ), Brasil. E-mail: luantonioli@ig.com.br"

Transcrição

1 DOI: /Z RTIGO vlçã d ptecl gerdr de petróle d seçã pt-lb d c de Sergpe, tegrd álses plfclógcs e dds de gequímc rgâc Evlut f the ptetl geertr pt-lb l sect f the Sergpe s, tegrtg plyfces d rgc gechemstry lyses Crst Merelles Qutlh Celh 1 *, Luz tl 2, Rdlf D 3, Hele tues Prtel 4 RESUMO: Os dds presetds este trblh referem-se s estuds tegrd álses plfclógcs e de gequímc rgâc, que frm relzds em 51 mstrs de testemuh d pç 9-PEC-41-SE, lclzd c de Sergpe mrgem leste ctetl brsler. uscu-se vlr ptecl de gerçã de petróle, detfcd tp e gru de mturçã d mtér rgâc ds rchs gerdrs d seçã. s álses óptcs mstrm que mterl rgâc é cmpst, em mr prprçã, pr mtér rgâc mrf em bm estd de preservçã cm lt flurescêc. preset um méd de 67% em relçã à cmpsçã ttl d quergê. Os ftclsts, gerlmete, presetm-se bem preservds em prtcmete td seçã. Os plmrfs sã csttuíds pr um sscçã cmpst predmtemete pr esprs e grãs de póle d gêer Clssplls, que crcterz um mbete cm clm predmtemete árd semárd pr épc de depsçã. preseç de dflgeld prçã superr d seçã evdec s prmers gressões mrhs crrds fl d pt. sed-se s resultds qulttvs e qutttvs d quergê f pssível crcterzr três plfáces dstts, plfáces I presetu s melhres crcterístcs de quldde e preservçã d mterl rgâc. Os resultds d crb rgâc ttl mstrm vlres de té 6,39%, e s dds de prólse Rck-Evl ptrm pr quergê d tp II rc em mtér rgâc dequds pr frmçã de cumulções ds hdrcrbets. O ídce de hdrgê ectr-se etre 2 e 55 mg HC/g de crb rgâc ttl, que demstr bm ptecl de gerçã pr óle e gás. Os dds d ídce de clrçã de esprs mstrm que mterl rgâc ectr-se predmtemete fse de mturçã mtur, cm vlr de ICE 4, 4,5, crrbrd queles de tempertur máxm, de té 432 C. PLVRS-CHVE: c de Sergpe; gequímc rgâc; plfáces; gelg d petróle; hdrcrbets. STRCT: Dt preseted ths vestgt refer t studes tegrtg plyfces d rgc gechemstry lyses tht were perfrmed 51 smples f PEC-41-SE-9 well, lcted the Sergpe s, Ester rzl ctetl mrg. It ws evluted the ptetl fr l geert, detfyg the type d degree f mturt f the rgc mtter. Optcl lyzes shw tht the rgc mtter s cmpsed greter prprt by mrphus rgc mtter gd preservt, wth hgh flurescece. It ls presets 67% verge ccerg the ttl cmpst f the kerge. The phytclsts usully re well preserved lmst ll the sect. The plymrphs re cmpsed f ssct, predmtly, f spres d plle grs f geus Clssplls, feturg predmtly rd t sem-rd clmte evrmet t depst tme. Presece f the dflgellte the upper sect dsplys the frst mre gresss tht hppeed the ed f pt. sed the qulttve d qutttve results f kerge, t ws pssble t chrcterze three dstct plyfces, whch the plyfces I hd the best fetures fr qulty d preservt f rgc mtter. The results shw ttl rgc crb vlues up t 6.39% d Rck-Evl pyrlyss dt pted t the type II kerge rch rgc mtter sutble fr the frmt f hydrcrb ccumults. The hydrge dex s fud betwee 2 d 55 mg HC/g f ttl rgc crb, whch shws gd ptetl fr l d gs geert. Spre clr dex dt cclude tht the rgc mtter s fud predmtly the mmture mturt phse, wth SCI vlues f 4. t 4.5, crrbrtg wth dt f mxmum temperture, f up t 432 C. KEYWORDS: Sergpe s; rgc gechemstry; petrgrphy; plyfces; petrleum gelgy; hydrcrbs. 1 Prgrm de Pós-Grduçã em álse de cs e Fxs Móves, Fculdde de Gelg, Uversdde d Estd d R de Jer - UERJ, R de Jer (RJ), rsl. E-ml: 2 Fculdde de Gelg, Uversdde d Estd d R de Jer - UERJ, R de Jer (RJ), rsl. E-ml: 3 Fculdde de Gelg, Uversdde d Estd d R de Jer - UERJ; Petrbrs - Cetr de Pesquss e Desevlvmet Lepld mérc Mguez de Mel, Pesqus em Desevlvmet em Gás, Eerg e Desevlvmet Sustetd, R de Jer (RJ), rsl. E-ml: 4 Fculdde de Frmçã de Prfessres, Uversdde d Estd d R de Jer - UERJ, R de Jer (RJ), rsl. E-ml: *utr crrespdete Muscrt ID: 389. Recebd em: 24/2/214. prvd em: 31/1/

2 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe INTRODUÇÃO Este trblh refere-se à vlçã d ptecl de gerçã de hdrcrbets de um seçã Cretáce d c de Sergpe, utlzd dds de gequímc e métds plfclógcs. s álses cluírm: verfcçã d estd de preservçã d mtér rgâc mrf; crcterzçã ds dferetes plfáces e tps de mters rgâcs; determçã ds vlres percetus de crb rgâc ttl (COT); bteçã ds vlres de prólse Rck-Evl e d ídce de mturçã térmc (ICE); determçã d tp de quergê (I, II, III u IV); detfcçã d quldde, evluçã térmc e ptecl gerdr de petróle d mtér rgâc e detfcçã ds sscções plflrístcs presetes mterl. tegrçã ds ferrmets d gequímc rgâc e de plfáces, pssblt crcterzçã ds rchs gerdrs de hdrcrbets, s qus sã cpzes de gerr e expulsr hdrcrbets em qutddes sufcetes pr frmr cumulções de óle u gás (Hut, 1995). seçã pt-lb estudd está serd ctext d c de Sergpe, que é crrelt cm s dems bcs petrlífers d rsl. s rchs selecds pr pesqus pertecem, predmtemete, s três membrs d Frmçã Murbec (Crmpóls, Ibur e Oterhs) serds sstem petrlífer Murbec, que pssu cm rch gerdr de hdrcrbets s flhelhs prets pts d Membr Ibur. c de Sergpe está em um estág vçd qut às pesquss explrtórs, devd s estuds tess vltds pr explrçã de hdrcrbets, tt dmí shre cm ffshre. N ett, ts frmções sã puc dvulgds ltertur cetífc e, em especl, s pesquss utlzd cm ferrmet gequímc rgâc e s álses de plfáces. crcterzçã ds rchs gerdrs de petróle csttu um frmçã essecl pr vlçã ds rscs que evlvem explrçã petrlífer, prcplmete em bcs mdurs, cm é cs d c de Sergpe. CONTEXTO GEOLÓGICO REGIONL c de Sergpe-lgs está stud mrgem leste ctetl brsler e pssu prxmdmete 35 km de extesã prlel à cst, cupd um fx ltrâe lgd NE-SW, que brge um áre de km 2, s respectvs estds, clud s prções emers e submers (qu & L 199). c regstr sucessã estrtgráfc ms cmplet detre tds s bcs d mrgem ctetl brsler, cmpreedds pels megssequêcs: pré-rfte, rfte, trscl e pós-rfte (Cell & Mhrk 1998). depsçã c de Sergpe cu-se Permcrbífer, fl d Plezc, cm fse de séclse terr, que se mteve té fl d Jurássc, clud tmbém íc d Cretáce (Necm), gerd um regstr sedmetr crcterzd pr sedmets de rgem ctetl. prtr d Necm (Huterv), cmeçu sfrer s reflexs d bertur d Oce tlâtc, desevlved fse rfte té metde d pt, qud pssu ter um cráter trscl e fl d pt té recete, evluu pr um bc d tp mrgem pssv. O tervl lsd este trblh está serd ctext trscl que represet pssgem de mbete ctetl pr mrh sb severs cdções de restrçã e rdez. Crrespde predmtemete à seçã de dde pt-lb, que brge ltestrtgrfcmete Frmçã Murbec e um prçã d bse pertecete à Frmçã Rchuel. sedmetçã pt-lb crreu em mbetes de leques luvs e deltcs em crp de águ restrt. seçã pt é represetd pel Frmçã Murbec, que se cu cm depsçã de cglmerds e rets (Membr Crmópls), s qus sã s prcps reservtórs d c, segud pel depsçã ds flhelhs egrs, clclutts e evprts ds Membrs Oterhs e Ibur, s qus represetm prcpl rch gerdr d c. seçã lb pertece à Frmçã Rchuel, cmpst pr sedmets mrhs (Membr gc) e depósts lgures d Membr Tqur. MTERIIS E MÉTODOS s mstrs lsds frm btds em testemuh ctíu d pç 9-PEC-41-SE, em fur de sdgem de 387,9 m de prfuddde, relzd pel PETROMIS (Petrbrs Merçã S.) cmp prdutr shre de Srrzh, Estd d Sergpe. metdlg bseu-se vlçã ds dds plfclógcs e de gequímc rgâc pr determr s rchs pteclmete gerdrs de petróle. s rchs presetes pç crrespdem flhelhs, sltts, rets, clcrets, clclutts, dlmts, cglmerds, mrgs, clcár crstl e drt dulr crrespdete ccl evprítc Ibur (Sztmr 198). sed-se s crcterístcs ltlógcs, frm selecds 51 mstrs (Fg. 1) pr álse de prcetgem d COT. prtr ds resultds btds cm de 1% de COT, frm selecds 43 mstrs pr álse d 58

3 Crst Merelles Qutlh Celh et l. prólse Rck-Evl e 26 pr preprçã ds lâms rgpllógcs e pllógcs em tervls de 3 em 3 m, prefereclmete. s álses óptcs ds lâms rgpllógcs e pllógcs frm relzds utlzd mcrscp de luz brc trsmtd e flurescêc. Métds petrgráfcs O prcessmet físc-químc ds mstrs pr crcterzçã pllógc e plfclógc utlzu téccs de prcessmet pllógc descrts pr Cmbz (1964; 198), Uesugu (1979), Dettm (1963), Phpps e Plyfrd (1984), Tys (1995) e Wd et l. (1996), plcds pr bteçã d quergê ccetrd, sed utlzds pr lbrtórs de pllg em td mud, cfrme lustrd fluxgrm ds etps de preprçã ds lâms pllógcs e plfclógcs (Fg. 2). s álses plfclógcs (Fg. 3) frm relzds resídu rgâc ttl d mstr de rch pr defr s csttutes rgâcs ctds sedmet pós remçã d mtrz sedmetr merl, pr me ds prcesss crestrtgrf ltestrtgrf prf. ltlg (m) Idde 15 Períd Cretáce l b p t Frmçã Membr Rchuel Murbec gc Outerhs Ibur Crmópls COT: crb rgâc ttl. c de Sergpe Pç 9-PEC-41-SE ret Flhelh Sltt Clclutt Mrg drt Cglmerd drt dulr Dscrdâc mstrs de COT e Pllógcs mstrs de COT Fgur 1. Perfl ltlógc d seçã estudd pç 9-PEC-41-SE cm s mstrs selecds pr s álses pllógcs e de crb rgâc ttl. de cdfcçã cm ácds clrídrc (HCl) e flurídrc HF (Medç Flh et l. 29). tegrçã ds téccs de mcrscp e gequímc rgâc é utlzd pr eteder s prcesss que evlvem prduçã, dstrbuçã, decmpsçã e preservçã d mtér rgâc sedmetr (Tys 1995; Medç Flh 1999; Medç Flh et l. 21). O quergê f clssfcd pr me ds prpreddes óptcs, csderd frm, estrutur, cr e tesdde de flurescêc d csttute rgâc. s álses qutttvs ds csttutes d quergê frm relzds pr defr e crcterzr s plfáces. Nest clssfcçã, s dds percetus reltvs ds prtículs frm btds pel ctgem de té 3 prtículs cm dmesões superres 1 μm (Tys 1995; Medç Flh 1999). N vlçã d mterl, f pssível detfcr e qutfcr s três prcps grups de csttutes que cmpõem quergê: s ftclsts, s plmrfs e mtér rgâc mrf (Fg. 4). Os resultds d ctgem frm represetds em gráfcs e tbels e, psterrmete, tegrds cm s dds gequímcs btds s resultds de COT, exfre ttl e resídu slúvel. represetçã gráfc f elbrd cm utlzçã d prgrm Grpher, versã 4. pr Wdws, utlzd-se vlr percetul pr cd um ds cmpetes rgâcs btds. Iss resultu em gráfcs leres, que permtrm vsulzçã ds grups de quergê e dvdulzçã ds plfáces. O métd pr vlr quldde d mtér rgâc utlzd pr crcterzr s íves de preservçã d csttute rgâc mrf e ds plmrfs f btd pr me de álses óptcs de flurescêc. Segud Tys (1995), s ms tess flurescêcs crrem quergê lptíc gerdr de óle, rgd em mbete depscl, cm lt ptecl de preservçã. s flurescêcs ms frcs u usetes crrespdem s cmpetes rgâcs de cmpsçã químc rmátc, que ã pssuem bm ptecl pr gerçã de hdrcrbets. s álses de cr e tesdde d flurescêc permtem determr estd de preservçã d mtér rgâc e defr ptecl gerdr d rch. detfcçã ds tps de quergê permte dferecr ptecl de gerçã de um rch. vlçã ds dferetes tps e d preservçã d mtér rgâc é relzd cm mcrscóp óptc em luz brc trsmtd e flurescêc (Tys 1995), relcd estd de preservçã d mtér rgâc ptecl de gerçã ds hdrcrbets. 581

4 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Preprçã de mstrs 1ª etp Rch Ttl (4 g) HCL 32% 2 hrs Remçã ds Crbts Lvgem H 2 O destld 2ª etp Desgregçã mecâc mul (Frgmets ferres 5 mm) HF 4% 24 hrs Remçã ds Slcts Lvgem H 2 O destld 3ª etp Remçã d mtrz merl (cdfcçã) HCF 1% 1 hrs Remçã ds Flurets Lvgem H 2 O destld 4ª etp Quergê (Resídu Orgâc Sóld) ZCI 2 Seprçã ds resídus mers Cetrfugçã 2 rpm (2 m) Seprçã pr fltçã Mtgem Lâm Plfclógc Peer 1 µm Plfáces ICE álse Pllógc Mtgem Lâm Pllógc Fgur 2. Fluxgrm ds etps de preprçã ds mstrs pr álses pllógcs e plfclógcs, segud metdlg de Tys (1995). Plfáces Preprçã ds mstrs (cdfcçã) Redídu rgâc sóld (Quergê) Mtgem d lâm rgpllógc Mcrscp Luz brc trsmtd Luz ultrvlet/zul (flurescêc) Trtmet esttístc 3 pcetes Idetfcçã e ctgem ds cmpetes rgâcs Mturçã térmc Itesdde e cr de flurescêc Clssfcçã ICE Idetfcçã e estd de preservçã Mturçã térmc Mtér Orgâc mrf Plmrfs Ftclsts Ptecl gerdr Fgur 3. Fluxgrm de etps ds álses de plfáces, segud metdlg de Tys (1995). 582

5 Crst Merelles Qutlh Celh et l. álse pllógc é plcd pr detfcçã e dvdulzçã ds grups de plmrfs, tt de rgem lócte, represetd pels esprs e grãs de póle, cm s cmpetes utóctes. Pr álse pllógc, mcrscóp óptc f empregd pr detfcr s espéces, segud d pesqus bblgráfc pr detfcr mrftp ectrd e clssfcá-l. álse d mturçã térmc d mtér rgâc f usd pr me d ICE, desevlvd pr rrd et l. (1981), que permte trbur vlres umércs, em escl de 1 1, pr s vrções de cr crrds s esprmrfs (esprs e grãs de póle). De crd cm umet d prfuddde e tempertur, s cres vrm de mrel-clr, em bxs temperturs, té pret, em lts. clrçã ds cmpetes rgâcs é lterd de su cr rgl, qud submetd umet de temperturs, fcd ms escur à medd que tempertur se elev (crbzçã). determçã d ICE f relzd s lâms rgfclógcs, utlzd mcrscp óptc de luz brc trsmtd, bsed tbel de lâms pdrã d Rberts Reserch Itertl Lmted (Tys 1995). Métds de gequímc rgâc evluçã térmc d mtér rgâc f lsd tegrd s dds de COT e prólse Rck-Evl, que permtem defr ptecl de gerçã, gru de mturçã e tp de quergê ds rchs gerdrs (Tsst & Welte 1984). determçã d budâc d mtér rgâc presete s sedmets é vld pr me d prcetgem d crb rgâc, clud utrs elemets cm hdrgê, trgê e exfre (Jrve 1991). prprçã ds elemets depede d rgem, d estd de preservçã, d dde e d evluçã térmc d mtér rgâc. O crb rgâc csttu ter mím de mtér rgâc ecessár pr rgr um cumulçã de óle u gás, vável ecmcmete. Os dds qutttvs ds resultds d COT estudds rch frecem frmções pr determr ptecl de gerçã ds hdrcrbets. álse ds dds de prólse Rck-Evl pssblt vlr quldde d mtér rgâc presete seçã, relcd cm s resultds d COT. Os resultds d estud d COT e d prólse Rck- Evl frm mstrds em gráfcs, tbels e dgrm de V Krevele. Cmpetes Orgâcs Estruturds Nã estruturds Ftclsts Plmrfs Mterl mrf Nã Opcs Opcs Esprmrfs Ftpláct Zmrfs Mtér Orgâc mrf Res Trqueídes Equdmesl Esprs Mcrfrmfers Cutículs lgd Grõs de plé Cchstráces Córtex Crríd Tétrdes mrfs Idetermds Fgur 4. Clssfcçã ds grups de cmpetes rgâcs estruturds e ã estruturds (Tys 1995). 583

6 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Preprçã ds mstrs pr crb rgâc ttl Pr álse d COT, frm utlzds 51 mstrs d pç, segud s etps de preprçã cfrme fluxgrm presetd Fg. 5. s mstrs frm selecds ds testemuhs, cm tervls de 3 cm u 1, m, segud pr prcess de brtgem pr frgmetçã e pulverzçã em grl de prcel fm de bter prtículs de prxmdmete 2 μm. pós est etp, mterl f submetd um peer de 8 mesh e pó rmzed em frscs detfcds pel prfuddde d mstr. pesgem d mterl f relzd prelh LECO SC 444, qul huve quem d resídu slúvel (RI) e medd ds qutddes de CO 2 e SO 2 lberds pr me de um detectr de frvermelh, que express, em prcetgem de pes reltv à mstr rgl, s teres de crb rgâc e exfre. Preprçã ds mstrs pr prólse Rck-Evl Pr bteçã ds dds de prólse Rck-Evl, frm selecds 41 mstrs que presetrm s vlres de COT superres 1,%. técc de prólse Rck-Evl f desevlvd (Esptlé et l. 1977; 1985) Isttut Frcês de Petróle e determ s prâmetrs pr crrelçã ds rzões H/C e O/C, prveetes d álse elemetr cm s prâmetrs IH e IO, prveetes ds álses de prólse Rck- Evl (Esptlé et l. 1977). s mstrs selecds d mterl frm submetds equpmet pr quecmet em tmsfer erte de 3 5ºC, utlzd hél cm gás crredr. Os detectres de zçã de chm e cdutvdde térmc medrm s hdrcrbets e CO 2 lberds. Os vlátes sã lberds em três fses de temperturs crescetes, s qus permtem bteçã de prâmetrs cm: pc S1, que represet s hdrcrbets lvres rch gerds e que ectrm-se presetes rch gerdr; S2, que represet s hdrcrbets dervds pel crquemet térmc prmár; S3, qul relc dóxd de crb (CO 2 ) lberd durte prólse Rck-Evl, represetd qutdde de xgê presete quergê; tempertur máxm, que crrespde àquel em que crre pc S2; ídce de hdrgê (IH), usd pr determr tp, rgem e estd de preservçã d quergê; e ídce de xgê (IO). Os dds d IH e IO btds álse frm pltds dgrm V Krevele pr dferecr s qutr tps báscs de quergê (I, II, III e IV), csderd mterl termcmete puc evluíd. Segud clssfcçã de Tys (1995), quergê d tp I é crcterzd pr ser rc em hdrgê e pbre em xgê, crrespded à melhr cmpsçã de mtér rgâc pr gerçã de hdrcrbets líquds e gsss. O tp II é mes rc em hdrgê d que I, ms é csderd dequd pr frmçã de grdes cumulções de hdrcrbets. Já III é csttuíd pr mtér rgâc cm mut xgê e puc hdrgê, sed prpíc pr gerçã de hdrcrbets gsss. O quergê d tp IV ã pssu ptecl pr gerçã de óle u gás, e é csttuíd pr mtér rgâc xdd. Preprçã de mstrs pr COT e Prólse Frgmetçã e Pulverzçã ds mstrs cdcmet ds mstrs em brquhs de cerâmc cdfcçã ds mstrs (HCI 5%) Lvges e pesges (RI e crbts) Pesges (RI e crbts) Resultds de Prólse (Rck-Evl) Resultds de COT (Lec SC-444) COT: crb rgâc ttl. Fgur 5. Fluxgrm ds etps de preprçã de mstrs pr crb rgâc ttl e prólse Rck-Evl. 584

7 Crst Merelles Qutlh Celh et l. RESULTDOS PLINOFCIOLÓGICOS s álses vsus d quergê mstrm que mterl rgâc prtculd é csttuíd, prcplmete, pr elemets de rgem lcustre, cm preseç, mesm que rr, de plemcrplâct mrh. O mterl rgâc mrf, segud pr ftclsts e plmrfs, dm em prtcmete td tervl d seçã. F pssível rechecer e detfcr, pr me d mcrscp de luz brc trsmtd e ultrvlet cdete, três grups de quergê: ftclsts, plmrfs e mterl rgâc mrf. Os ftclsts estã presetes em grde prte d seçã e sã ectrds em tds s frms e tmhs, sed detfcds: pcs, ã pcs e trqueídes (Fg. 6). Os pcs sã crcterzds pr cr pret, tmhs vráves, frms lgds e equdmess, cm ctrs ítds e retlíes e sem flurescêc (Fg. 6). Já s ã pcs, presetm cr mrrm lrjd, cm frms equdmess e presetm usêc de flurescêc (Fg. 6). Os trqueídes têm cres que vrm de mrrm-clr lrjd mrrm-escur (Fg. 6D); pssuem frmt equdmesl lgd; su estrutur ter preset estômt vsível e presetm usêc de flurescêc (Fg. 6C). 2 µm 2 µm C D 5 µm Fgur 6. Ftmcrgrf em luz brc trsmtd. () Ftclst pc; () Ftclst ã pc; (C) Trqueíde cm estômt vsível; (D) Trqueíde. 585

8 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Os elemets que crrespdem grup ds plmrfs sã represetds pr grãs de póle e esprs. Os plmrfs sã crcterzds pr presetrem, qud submetds à luz brc trsmtd, clrçã mrel-clr mrrm e, à ultrvlet, flurescêc bx. Os grãs de póle sã dcds predmtemete pel espéce Clssplls clssdes Pflug (Pflug 1953). Observm-se, ptulmete, plmrfs dspsts em tétrdes e glmerds (Fg. 7), crrêc ds grãs de póle bsscds e esprs trletes (Fg. 7). mtér rgâc mrf (Fg. 8) preset-se predmtemete dspers, cm clrçã mrrm-clr, e glbs, cm clrçã mrrm-escur. álse qutttv d quergê O resultd qutttv ds cmpetes rgâcs presetu vlres percetus dstrbuíds lg ds prfudddes mstrds d pç, cfrme lustrd Fg. 9. mtér rgâc mrf mstru predmâc mr prte ds mstrs lsds, vrd de 4 9%, cm méd de 67%. qutfcçã ds plmrfs bteve vlres etre 1 4%, ted um méd de 12% dstrbuçã ttl d quergê. Os ftclsts ds subgrups ds pcs, ã pcs e trqueídes presetrm regstr cm vlres méds de 45%. 5 µm Fgur 7. Ftmcrgrf ds espéces de plmrfs. () Tétrde ds grãs de póle d espéce Clssplls clssdes; () Espr d espéce Deltdspr hll. Fgur 8. Ftmcrgrf d mtér rgâc mrf. () Luz brc trsmtd mstr 9-PEC-41-SE 294,5 m; () Luz ultrvlet mstr 9-PEC-41-SE 28, m. 586

9 Crst Merelles Qutlh Celh et l. crestrtgrf ltestrtgrf prf. Idde (m) 15 Períd l b Frmçã Rchuel Membr gc ltlg c de Sergpe Pç 9-PEC-41-SE Cretáce p t Murbec Outerhs Ibur Crmópls M (%) Ftclsts (%) Plmrfs (%) ret Flhelh Sltt Clclutt Mrg drt Cglmerd drt dulr Dscrdâc MO: mtér rgâc mrf. Fgur 9. Gráfc represetd prcetgem reltv etre s grups de quergê (mtér rgâc mrf, ftclsts e plmrfs). Os csttutes d quergê d subgrup ds ftclsts pcs sã budtes mr ds mstrs d seçã em relçã ã pcs. mr prprçã cmpsçã ttl d quergê seçã lsd é represetd pel mtér rgâc mrf (Fg. 1). álse d quldde de preservçã d mterl rgâc O estd de preservçã d mterl f exmd utlzd-se s crtérs óptcs, pr me de vlçã d tesdde de flurescêc. O resultd btd permtu detfcr crrêc de mtér rgâc mrf cm flurescêc lt (Fg. 11) e mderd à bx (Fg. 11) e cm usêc de flurescêc (Fg. 11C). 1 8 MO (%) MO: mtér rgâc mrf Plmrfs (%) Ftclsts (%) 1 Fgur 1. Gráfc terár utlzd pr detfcr predmí ds csttutes rgâcs d seçã estudd

10 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Os ftclsts e plmrfs, em gerl, presetm gru de flurescêc bx. mtér rgâc mrf crre seçã predmtemete frm glbs, cm mderd lt gru de flurescêc. Su detfcçã csttu um bm dctv pr determr gru de mturçã e preservçã d mtér rgâc. s crcterístcs d flurescêc d mtér rgâc mrf, btds álse de cr e tesdde, determm seu bm estd de preservçã. C Fgur 11. Ftmcrgrf d mtér rgâc mrf em luz brc trsmtd (esquerd) e ultrvlet flurescete à dret. () mstr 211,5 m cm flurescêc lt; () mstr 264, m cm flurescêc mderd à bx; (C) mstr 21, m cm usêc de flurescêc. 588

11 Crst Merelles Qutlh Celh et l. Crcterzçã ds plfáces Cm tegrçã ds resultds ds álses qulttvs de preservçã d mterl rgâc e qutttvs d quergê presete seçã, f pssível crcterzr e detfcr três plfáces dstts pr seçã. Plfáces I Ocrre em ds tervls d seçã, prçã termedár e tp. Crcterz-se pr presetr mr ctrbuçã de mtér rgâc mrf cmprd cm s dems csttutes, represetd em tr de 5 9%. mtér rgâc mrf pssu lt gru de flurescêc e preservçã, presetd-se mterl, frm dspers e glbs (Fg. 12). Ts crcterístcs ptm pr um depsçã em mbete redutr, dequd pr preservçã d mtér rgâc mrf. Plfáces II Crcterz-se pr presetr mr dmí de mtér rgâc mrf glbs xdd, cm regulr à bx tesdde de flurescêc e preservçã (Fg. 13). Plfáces I Fgur 12. Crcterzçã d plfáces I. () Luz brc trsmtd; () Flurescêc. Plfáces II Fgur 13. Crcterzçã d plfáces II. () Luz brc trsmtd; () Luz ultrvlet cm flurescêc regulr à bx. 589

12 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Pssu bx represettvdde de ftclsts e plmrfs, resultte prvvelmete de um mr expsçã ções xdtes. Plfáces III preset bx preservçã e usêc de flurescêc d mtér rgâc mrf (Fg. 14). Em terms percetus, est plfáces é csttuíd pr 5% de ctrbuçã d mtér rgâc mrf, 4% de ftclsts e rríssms plmrfs. s três plfáces defds (Fg. 15) presetm tervls que mrcm s mudçs de mbete depscl d mterl estudd. plfáces I é crcterzd pel tervl de mr preservçã d mtér rgâc mrf cm lts vlres de flurescêc, típcs de mbete redutr. preset elemets d plemcrplâct mrh tervl crrespdete à pssgem d pt-lb (Membrs Oterhs e gc), crrespded s prmers gressões mrhs. Plfáces III Fgur 14. Crcterzçã d plfáces III. () Luz brc trsmtd; () Luz ultrvlet cm usêc de flurescêc. Murbec Outerhs p t Ibur Cretáce Períd Rchuel Frmçã gc Membr crestrtgrfi ltestrtgrfi prf. ltlg (m) Idde 15 l 175 b 2 c de Sergpe Pç 9-PEC-41-SE Plfáces I 225 Plfáces II Plfáces III 325 Crmópls COT (%) M (%) Ftclsts (%) Plmrfs (%) ret drt Flhelh Cglmerd Sltt drt dulr Clclutt Dscrdâc Mrg COT: crb rgâc ttl; MO: mtér rgâc mrf. Fgur 15. Gráfcs cm relçã etre s grups de quergê, plfáces e crb rgâc ttl. 59

13 Crst Merelles Qutlh Celh et l. dstrbuçã ds plfáces II e III crre predmtemete, de frm cíclc, s rchs que crrespdem Membr Ibur e Oterhs, brged Frmçã Murbec, depstds em mbetes lcustres pltfrms. O cteúd rgâc preset crcterístcs típcs de mterl submetd um pssível expsçã xdte. álses pllógcs lg de td seçã, bserv-se bx represettvdde de plmrfs, em que espéce Clssplls clssdes tem um destque em relçã às dems. Os plmrfs frm detfcds (Fgs. 16 e 17), segud clssfcçã prpst pr Pté (1958), pr csegurem grupr stsftrmete s mrfgêers cfrme sus crcterístcs mrflógcs ms evdetes e, prcplmete, vegets que prduzm grãs smlres. Os plmrfs frm devdmete detfcds e regstrds pr me d crded Egld Fder, e ftmcrgrfds cm umet de 1 x. RESULTDOS D GEOQUÍMIC ORGÂNIC álse d crb rgâc ttl e exfre Os resultds btds pel álse d COT (Fg. 18) presetrm vlr máxm de 6,39%, permtd Regstr ds espéces lustrds pç 9-PEC-41-SE Espéces Fg. Prf. (m) Egld Fder C D Cythdtes ustrls Cuper, / 275, D 39-3 Deltdspr hll Mer, / 21, L 31 Deltdspr sp. 1/C 234, N 2 Cctrcssprtes sp. 1/D 39, S 4-4 Cctrcssprtes sp. 1/E 378,5 O 33-3 E F G H Cctrcssprtes sp. 1/F 21, E 39-2 Cctrcssprtes vmelech Hrwtz, 197 1/G 329, - Cctrcssprtes vmelech Hrwtz, 197 1/H 366, E 27 Cctrcssprtes vmelech Hrwtz, 197 1/I 243, K 34-4 I J K L Hmultsprs lbertess Srvstv, /J 275, K 39 Vtresprtes sp1 D, /K 211,5 T 33-3 Getceplletes uesugu Lm, 198 1/L 21 Q 29 Equsetsprtes mtess reer, /M 329, H 47 Equsetsprtes mculsus D, /N 275, R 35-3 M N O P Clssplls clssdes Pflug, /O 275, T 31 Crcul meyel Klus, 196 1/P 275, R 42-4 Fgur 16. Ftmcrgrf lustrtv ds plmrfs presetes mterl estudd. Regstr ds espéces lustrds pç 9-PEC-41-SE C D E Espéces Fg. Prf. (m) Egld Fder Crcul meyel Klus, 196 1/ 275, K 42-2 rucrctes ustrls Cks, / 366, R 29-2 rucrctes ustrls Cks, /C 21, T 37-1 F G H Iperturplletes turbtus Hbb, /D 275, X 34-3 Iperturplletes sp. 1/E 275, F 35 Cycdptes sp. 1/F 361, U 37-1 Cycdptes sp. 1/G 378,5 X 47 eettteplletes sp. 1/H 378,5 R 44 Dflgeld N.I. 1/I 211,5 G 4 I J Dflgeld N.I. 1/J 211,5 EF V 35-3 Fgur 17. Ftmcrgrf lustrtv ds plmrfs presetes mterl estudd. 591

14 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe Membr Frmçã l b gc Idde Rchuel Períd crestrtgrfi ltestrtgrfi prf. ltlg (m) 15 c de Sergpe Pç 9-PEC-41-SE Outerhs Murbec p t Crmópls Ibur Cretáce ret Flhelh Sltt Clclutt Mrg S (%) COT(%) drt drt Cglmerd dulr RI (%) Dscrdâc COT: crb rgâc ttl; S: exfre; RI: resídu slúvel. Fgur 18. Gráfc d dstrbuçã d crb rgâc ttl, exfre e resídu slúvel em prcetgem. crcterzr um bm ptecl de gerçã ds hdrcrbets pr seçã. Os teres de COT lg de td seçã vrrm de,76 6,29%, estd mr ds mstrs tervl etre 2, 6,%. Os dds d RI presetm predmtemete vlres cm de 6%, represetd flhelhs, e de 2 4%, s crbts. Os vlres d S ms bxs etre,5% crrespdem s de COT ms lts, etre 4 e 6%. álse d prólse Rck-Evl Os resultds btds álse d prólse RckEvl frm utlzds pr clssfcr tp e rgem d mterl rgâc presete. Os dds frm pltds dgrm de V Krevele, que permte relcr IH e IO pr clssfcçã d quergê em I, II, III u IV. O gru de preservçã d mtér rgâc pde ser represetd relçã etre ídce de hdrgê e ter de COT, sed pssível vlr quldde d mtér rgâc, preservçã e seu ptecl gerdr. Pr me ds álses btds s mstrs d pç 9-PEC41-SE, f pssível clssfcr quergê d tp II (Fg. 19), cmpst pr flhelhs rcs em mtér rgâc mrf, que, pesr de pssuírem um ter mer de hdrgê em relçã I, d sã rcs em hdrgê e pbres em xgê. s frmções d IH presetrm resultds etre 2 e 55 mg HC/g de COT, crcterzd um bm ptecl pr gerçã de óle e gás. Fg. 2 demstr s gráfcs gerds, relcd s dds de prólse Rck-Evl cm s plfáces defds pels prâmetrs d petrgrf. s álses ds plfáces I e II ptm s ms elevds vlres de IH e um dmuçã d IO, que dc um mr preservçã d mtér rgâc, lgd dretmete umet ds teres de COT. 592

15 Crst Merelles Qutlh Celh et l. plfáces III preset vlres de IH ferres em relçã s de IO, prtt mtér rgâc esteve pssvelmete expst xdções, relcd cm s meres vlres de COT. 1 IH I < 2 = ptecl pr gás. 2 3 = ptecl pr gás e cdesd. > 3 = ptecl pr óle. IH (mg HC/g COT) x 1 8 II III IV IO (mg CO2/g COT) x 1 Fgur 19. Dgrm de V Krevele cm dstrbuçã ds mstrs lsds, destcd predmí d quergê d tp II. Frmçã Membr Rchuel gc Outerhs p t Murbec l b álse d evluçã térmc d mtér rgâc tegru terpretçã ds vlres de ICE e s resultds de tempertur máxm, btds pel prólse Rck-Evl. Frm plcds cm prâmetrs d técc de bteçã d ICE s grãs de póle d gêer Clssplls, devd su lt represettvdde lg de td seçã. seds tbel pdrã d Rberts Reserch, ts resultds presetm vlres de 4, 4,5 de ICE, mstrd que seçã ectr-se predmtemete fse mtur de gerçã. O estd de evluçã térmc d quergê preset-se gru de mturçã mtur, que crrespde à refletâc d vtrt etre,3 e,4% R. Os resultds btds pr tempertur máxm estã etre C, que crrespdem tervl etre fse mtur e mtur pr gerçã de hdrcrbets. Ts resultds vêm crrbrr cm queles d álse d ICE, que presetu vlres etre 4, 4,5. c de Sergpe Pç 9-PEC-41-SE Ibur Cretáce Períd crestrtgrfi ltestrtgrfi prf. ltlg (m) Idde 15 RESULTDOS DO POTENCIL DE GERÇÃO 325 Crmópls COT (%) ret Flhelh Sltt Clclutt Mrg S2 (mg/g) drt drt Cglmerd dulr IH (mg HC/g COT) IO (mg CO2/g COT) T Mx (ºC) Dscrdâc Plfáces I Plfáces II Plfáces III COT: crb rgâc ttl. Fgur 2. Dstrbuçã ds plfáces cm crb rgâc ttl, pc S2, ídces de hdrgê e xgê e tempertur máxm. 593

16 vlçã d gerçã de petróle c d Sergpe DISCUSSÕES E CONCLUSÕES Os resultds ds álses plfclógcs e d gequímc rgâc, btds ds álses de 51 mstrs d pç 9-PEC-41-SE, d c de Sergpe, mstrm que mtér rgâc mrf é grup d quergê dmte e ectr-se em bm estd de preservçã em prtcmete td seçã, cm lt gru de flurescêc. Subrddmete, bserv-se preseç de cmpetes lóctes, ts cm: ftclsts pcs e ã pcs e grãs de póle e esprs. O dmí ds grãs de póle, represetd pel espéce Clssplls clssdes, sugere um pleclm árd semárd épc de depsçã. Resslt-se preseç ds csts de dflgelds tp d seçã, dctv ds prmers gressões mrhs crrds fl d pt. prtr ds resultds qulttvs e qutttvs d mtér rgâc, f pssível defr três plfáces dstts pr tervl estudd. plfáces I é crcterzd pr presetr mr preservçã d mtér rgâc mrf, cm lt tesdde de flurescêc e mres vlres de COT, s qus tgem 6,39%. Já II preset mr dmí de mtér rgâc mrf glbs xdd e bx represettvdde de ftclsts e plmrfs, e s vlres de COT estã etre 1 4%. plfáces III é dstt pr presetr dmí de mtér rgâc mrf xdd e seus vlres de COT serem bxs de té 2%. vlçã d ptecl petrlífer d seçã lsd, utlzd s ferrmets de álses plfclógcs e gequímc rgâc, resultu em dds que ptm pr rchs pteclmete gerdrs de petróle, cm teres de COT predmtemete cm de 2%, clud tervls cm vlres de té 6,39%. Os dds de prólse Rck-Evl mstrm IH etre 2 e 55 mg HC/g de COT, crrespded um bm ptecl de gerçã de óle e gás. Os dds de tempertur máxm tgrm vlres de 432 C, que cfrm s resultds btds pel álse d ICE cm vlres etre 4, 4,5, dcd um tervl predmtemete mtur. GRDECIMENTOS À Petrbrs, Udde de Operções de Explrçã e Prduçã de Sergpe e lgs (UO-SEL), pel lberçã ds mstrs utlzds trblh. REFERÊNCIS qu G.S. & L M.C Explrçã c de Sergpe- lgs: estd d rte. letm de Gecêcs d Petrbrs, R de Jer, 4(1): rrd P.C., Clls.G., Cper.S Geert f hydrcrbs tme, temperture d surce rck qulty. I: rks J. (ed.) Orgc Mturt Studes d fssl fuel explrt. Ld, cdemc Press, p reer G.J Mddle Cretceus spres d plle frm rthester Peru. Plle et spres, 1(2): Cell C. & Mhrk W.U Gelgy f tltc Ester rzl bss I: PG, Itertl Cferece & Exhbt Shrt Curse rzl Gelgy Prt II, R de Jer, rzl, 67 p. Cmbz Les Plyfces: Revue de Mcrpletlge. v. 7, p Cmbz Les kergees vus u mcrscpe. I: Durd. (ed.) Kerge: sluble rgc mtter frm sedmetry rcks. Prs, Édts Techp, p Cks I.C Plt mcrfssls frm the lgtes f Kerguele rchpelg. trctc Reserch Expedt Reprts, Seres 2, p Cuper R Upper Meszc d Czc spres d plle grs frm New Zeld. New Zeld d Gelgy Survey Pletlgy ul, 22:1-77. Dettm M.E Upper Meszc mcrflrs frm suthester ustrl. Prceedgs f the Ryl Scety f Vctr, Melbure, 77(1): D R Pllg, estrtgrf e Pleeclg d Frmçã lgmr Cretáce d c Ptgur, Nrdeste d rsl. Tese de Dutrd, Prgrm de Pós-grduçã em Gelg Sedmetr, Isttut de Gecêcs, Uversdde de Sã Pul, Sã Pul, 357 p. D R Sme ew plle gr speces frm the Lwer Cretceus f rthester rzl. letm de Gecêcs d Petrbrs, 8(2-4): Esptlé J., Lprte J.L., Mdec M., Mrqus F., Leplt P., Pulet J., utefeu Methde rpde de crcterst des rches mères, de leur ptetl petrler et de leur degré d evlut. Revue de l Isttut Frçs du Petrle, 32: Esptlé J., Der G., Mrqus F L pyrlyse Rck-Evl et ses pplcts premère/deuxème prte. Revue de l Isttut Frçs du Petrle, Prs, 4(56): Hbb D Mddle Cretceus plymrph ssemblges frm clys er the Hrz et deep-se utcrp. Mcrpletlgy, 16: Hrwtz Jurssc mcrflr frm the rther Negev, Isrel. Isrel Jurl f Erth Sceces, 19: Hut J.M Petrleum Gechemstry d Gelgy. 2d ed. New Yrk, W.H. Freem d Cmpy, 743 p. 594

17 Crst Merelles Qutlh Celh et l. Jrve D.M Ttl Orgc Crb (TOC) lyss. I: Merrl R.K. (ed.) Surce d mgrt prcesses d evlut techques. Tretse f Petrleum Gelgy, merc ssct f Petrleum Gelgsts, Tuls, p Klus W Spre der Krsche Stufe der stlpe Trs. Jhrbuch der Gelgsche udesstlt, 5: Lm M.R Pllg d Frmçã St (Cretáce d Nrdeste d rsl). III Descrçã sstemátc ds ples d turm Plctes (subturm Csttes). megh, ues res, 17(1): Medç Flh J.G plcçã de estuds de plfáces e fáces Orgâc em rchs d Plezc d c d Prá, Sul d rsl. Tese de Dutrd, Uversdde Federl d R Grde d Sul, St Ctr, 2 v., 338 p. Medç Flh J.G., Els V.O., Mced.C.O., Iemm M.., Meezes T.R. 21. Estuds ds Cmpetes Orgâcs Prtculds Presetes s Sedmets de Fud d í de Gubr: um Ctrbuçã à Crcterzçã d Degrdçã mbetl. I: VIII Cgress rsler de Gequímc, Curtb, Prá, de de vembr de 21. Medç Flh J.G., Meezes T.R., Medç J.O., Olver.D., Crvlh M.., St.J. 29. Plfáces. I: Crvlh I.S. (ed.). Pllg, 3 v. Mer E.L Plebtcl exmt f Cretceus d Tercry cls frm Mt. The merc Mdld Nturlst, 16(4): Pflug H Zur Etstehug ud Etwcklug des gspermde Plles der Erdgeschchte. Pletg. bt., Stuttgrt, 95(4-5): Phpps D. & Plyfrd G Téccs de lbrtór pr extrçã de plmrfs de sedmets. Ppers, Deprtmet de Gelg, Uvesty f Queesld, 11, p Srvstv S.K Systemtc descrpt f sme spres frm the Edmt Frmt (Mestrcht), lbert, Cd. Pletgrphc, btelug, 139:1-46. Sztmr P The rg f l depsts: mdel bsed evprtes. s D XXXI Cgress rsler De Gelg, Cmbrú, St Ctr, 1, p Tsst.P. & Welte D.H Petrleum frmt d ccurrece. New Yrk, Sprger-Verlg, 699 p. Tys R.V Plyfces lyss. The Netherlds, Kluwer cdemc Publshers, p Tys R.V Sedmetry rgc mtter: rgc fces d plyfces. Ld, Chpm & Hll, Ld, 615 p. Uesugu N Pllg: téccs de trtmet de mstrs. letm Técc d Petrbrs, R de Jer, 22: Wd G.D., Gbrel.M., Lws J.C Plylgcl techques prcessg d mcrscpy. I: Jsus J. & McGregr D.C. (Eds.) Pllylgy: prcples d pplcts. Dlls, Texs, merc f Strtgrphc Plylgsts Fudt, 1, p rquv dgtl dspível -le ste 595

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI EDUARDO SALA POLATI

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI EDUARDO SALA POLATI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI EDUARDO SALA OLATI ESTUDO DA OTÊNCIA GERADA EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ELO USO DE COMOSTOS OXIGENADOS EM MISTURA CONTENDO GASOLINA Sã Berrd d Cmp S - Brsl 010 EDUARDO SALA

Leia mais

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ )

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ ) RECPITULNDO: Soluções dluíds de polímeros Vsosdde tríse do polímero: 5 N V 5 (4 / 3) R 3 v h π h N v [ η ] v 5 Pode ser obtd prtr de: [ η ] lm η 0 sp / V Equção de rk-houwk-skurd: [η] K ode K e são osttes

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA MEC MINISÉRIO D EDUCÇÃO SECRERI DE EDUCÇÃO MÉDI E ECNOLÓGIC CENRO FEDERL DE EDUCÇÃO ECNOLÓGIC DO ESPIRIO SNO GERÊNCI DE POIO O ENSINO COORDENDORI DE RECURSOS DIDÁICOS Curs: Frmçã Ctud em Gerreferecmet

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 5

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 5 Itrduçã às Cêcas Físcas Módul Aula 5 Letes Vcê já deve ter vst u usad letes mutas vezes: em óculs, máquas ftgráfcas, bóculs, luetas, mcrscóps. N cema, sã usadas letes para a prjeçã da magem ds flmes. Uma

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTO DE ROBÓTI Mde iemátic de Rbôs Miudres Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi. Jut θ d α Pr. is d mr - UDE θ L L B 8 θ L d θ L D Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi.

Leia mais

OS IMPACTOS ECONÔMICOS DO ACQUARIO CEARÁ E SUA VIABILIDADE

OS IMPACTOS ECONÔMICOS DO ACQUARIO CEARÁ E SUA VIABILIDADE Nº 48 Dezembro de 2012 OS IMPACTOS ECONÔMICOS DO ACQUARIO CEARÁ E SUA VIABILIDADE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrer Gomes Goverdor Domgos Gomes de Agur Flho Vce Goverdor SECRETARIO DO PLANEJAMENTO E

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-043 APROVADA EM AGO/03 N o 00 0/09 SUMÁRIO Objetvo 2 Cmo Alcção 3 Resosbld

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

1ª Lista de Exercícios - GABARITO

1ª Lista de Exercícios - GABARITO Uversdde Federl de Ms Gers Deprtmeto de Cê d Computção Algortmos e Estruturs de Ddos II ª Lst de Exeríos - GABARIO Est lst deverá ser etregue pr os professores durte ul do d de setembro de 0. Não serão

Leia mais

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE Cpítulo V INTEAIS DE SUPEFÍCIE Cpítulo V Iters de Superfíce Cpítulo V Vmos flr sobre ters sobre superfíces o espço tr-dmesol Estes ters ocorrem em problems evolvedo fluídos e clor electrcdde metsmo mss

Leia mais

ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL

ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL Atoo Cleco Fotelles Thomz Gerrdo Vldíso R. V Crlos Artur S. Roch Fculdde Loureço Flho Uversdde Estdul do Cerá LOGIN - Lbortóro de Otmzção e Gestão Idustrl

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ZCAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL

INFLUÊNCIA DA ZCAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL INFLUÊNCIA DA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL Mci ds Sts Se 1, Wllce Figueied Meezes 2 e Ott Cê Rtu Filh 2 RESUMO Este tlh peset um liçã de episódis em cis hidgáfics

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Mríl Brsl Xver REITORA Prof. Rues Vlhe Fosec COORDENADOR GERA DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIA DIDÁTICO EDITORAÇÃO EETRONICA Odvldo Teer opes ARTE FINA DA CAPA Odvldo Teer opes REAIZAÇÃO BEÉM PARÁ BRASI

Leia mais

Resumo. Introdução PESQUISA OPERACIONAL NO ENSINO DA LOGÍSTICA

Resumo. Introdução PESQUISA OPERACIONAL NO ENSINO DA LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL NO ENSINO DA LOGÍSTICA Crlos Augusto Slver, Esp. Fáo Beylou Lvrtt, M.Sc. Rfel Crlos Vélez Beto, Dr. Resumo A Logístc como tvdde á está estelecd o Brsl há promdmete qutro décds. Seu

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E Questã Se P é 0% de Q, Q é 0% de R, e S é 50% de R, etã P S é igual a a) 50. b) 5. c). d) 5. e) 4. D alterativa Tems P 0, Q, Q 0, R e S 0,5 R. Lg P 0, Q 0, 0, R. S 0,5 R 0,5 R 5 Questã Seja f:r R uma fuçã

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Cap. 3 A Variável Tempo

Cap. 3 A Variável Tempo Egehr Ecoômc Cp. 3 rável Tempo 3. EQUILÊNCI, O LOR DO DINHEIRO NO TEMPO Imgemos um stução qul eu já sb hoje que detro de um o tere de efetur um pgmeto o vlor de.00 res. Se dspuser de dhero hoje, será que

Leia mais

LINHA MERCEDEZ-BENZ. REF. Nº ORIGINAL APLICAÇÃO Nº de Pás. RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6

LINHA MERCEDEZ-BENZ. REF. Nº ORIGINAL APLICAÇÃO Nº de Pás. RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6 CAMINHÕES/ÔNIBUS LINHA MERCEDEZ-BENZ RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6 RI-001-1 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 7 RI-001-2 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 8 RI-002 3442057006 1113

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura ê. b e b u e s m c d e c Cres 2 em 1 Ecômic, segur e versátil Nscid há cerc de 18 s, teve iíci cm frecimet r grdes mrcs d mercd. Há 11 s cm mrcs, rduts e sluções róris, Filler rgulh-se de td su trjetóri,

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350)

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) NOTAS IMPORTANTES 1. Documento atualizado mensalmente com o objetivo de ser o referencial do

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV s GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO ADVOGADO EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA i VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV -4 ' c ri r O -4 ' -4 t-3 PROCESSO N 1003345-80.2002.8.26.0100

Leia mais

Cap 6. Substituição de Equipamentos

Cap 6. Substituição de Equipamentos Egehr Ecoômc Demétro E. Brct Cp 6. Substtução de Equpmetos 6. REOÇÃO E SUBSTTUÇÃO DE EQUPETOS o problem de reovção ou de reposção, desej-se sber qul o tempo ótmo pr se coservr um equpmeto, ou sej, qul

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

3. Osciladores não senoidais e geradores de pulso

3. Osciladores não senoidais e geradores de pulso 3. Oscladres nã sendas e geradres de puls Sã crcuts que utlzam elements nã lneares e elements reats (C, L) para btençã de snas alternads a partr de fntes de tensã DC. 3.. Cncets geras A grande mara ds

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

SEQÜÊNCIAS E SÉRIES 1. CÁLCULO SOMATÓRIO. variando de 0 a 50. Esta soma pode ser representada abreviadamente por:

SEQÜÊNCIAS E SÉRIES 1. CÁLCULO SOMATÓRIO. variando de 0 a 50. Esta soma pode ser representada abreviadamente por: SEQÜÊNCIAS E SÉRIES. CÁCUO SOMATÓRIO Cosderemos segute som dcd : 6 8.... Podemos oservr que cd rcel é um úmero r e ortto ode ser reresetd el form, este cso, com vrdo de. Est som ode ser reresetd revdmete

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

MODELAGEM DA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURA NO PROJETO DE UM EQUIPAMENTO PARA CORTE A QUENTE DE BARRAS DE AÇO

MODELAGEM DA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURA NO PROJETO DE UM EQUIPAMENTO PARA CORTE A QUENTE DE BARRAS DE AÇO MODEAGEM DA DISTRIBIÇÃO DE TEMPERATRA NO PROJETO DE M EQIPAMENTO PARA CORTE A QENTE DE BARRAS DE AÇO Esl Ferrer d Cost Juor Evdro For Godo Adré Olver Souz d Cost 3 eslfr@hoo.om.br evdro@mol.om.br dreos@hoo.om.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA FUVEST-FASE POR PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA Q 4) A trajetória de u prjétil, laçad da beira de u pehasc sbre u terre pla e hriztal, é parte de ua parábla

Leia mais

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ :::... UJ ::: (.!) UJ...J < I- ::: CL SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE EXECUTIVOS: TOMADA DE DECISÃO z :I: UJ... < :::... ::> ::: U - UJ I- :::... > UJ I- UJ Z > UJ UJ ~ Z... >...J I- > z Z

Leia mais

Determinação de preços: Uma investigação teórica sobre a possibilidade de determinação de preço justo de venda na terceirização de produção

Determinação de preços: Uma investigação teórica sobre a possibilidade de determinação de preço justo de venda na terceirização de produção Deterção de preços: U vestgção teórc sobre possbldde de deterção de preço usto de ved tercerzção de produção Joel de Jesus Mcedo PUCPR R u d o J.B.S p o PUCPR Resuo: O presete estudo vestg o rcbouço teórco

Leia mais

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação I Mdliddes Pós-grduçã strictu sens (mestrd e dutrd) Pós-dutrd de Cpcitçã Definiçã de Necessiddes de Cpcitçã de Pós-Grduçã O Ipe definirá sus necessiddes de cpcitçã em pós-grduçã nulmente, levnd em cnt:

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

TABELA DE PROFUNDIDADES BANDA DE RODAGEM E BONIFICAÇÕES

TABELA DE PROFUNDIDADES BANDA DE RODAGEM E BONIFICAÇÕES Pneus Ltda. Gestão de Reclamações Brasil TABELA DE PROFUNDIDADES BANDA DE RODAGEM E BONIFICAÇÕES Linhas Truck, Agro e OTR Este manual é destinado exclusivamente aos Técnicos da Pirelli Pneus e Examinadores

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

XI-005 - MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL DE UMA STRIPPER DE AMÔNIA

XI-005 - MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL DE UMA STRIPPER DE AMÔNIA XI-005 - MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL DE UMA STRIPPER DE AMÔNIA Aa Cecília Crreia ds Sats (1) Egeheira Química pela Escla Plitécica da UFBA. Mestre em Egeharia Química pel Prgrama de Pós-Graduaçã em

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO.

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO. leã IR ÍL é t ei le, ni e liõe e eent tiie eüenii. le 1 e 2, liõe enle tl i e nnte, filitn eni lfet. ei le etã lt à itetiã fíli ilái, eitin, e nei, e fe lie itetiente n e e ln, fen inteenõe e eee e l ln

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módul MOTORES E BUSCA NA NTERNET duç Pqu d ç d gé Pqu d ç B d d Ulzç d d -l F d duç -l @2007 v 1 O qu é? A é d udl d d d ud qu uç l qulqu ud d ud, d lh u C u? Avé d u ju d l (g d uç TCP/P) qu ê gd vg d

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

1964 inauguração do Posto e Oficina Boechat. Uma empresa genuinamente brasileira

1964 inauguração do Posto e Oficina Boechat. Uma empresa genuinamente brasileira Missão Ser a empresa preferida de nossos parceiros, fornecendo soluções de engenharia e tecnologia para o mercado de freios automotivos. Uma empresa a frente do seu tempo A Fábrica Boechat é uma empresa

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico Referecal Teórc Referecal Teórc De acrd cm Bwers et al (997) a tábua bmétrca é uma frma de sumarzar a vda ds dvídus de uma ppulaçã, de uma prbabldade aferda será depedete de cvaráves cm a dade, gêer, raça,

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

!"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!

!#$%& '( &)*$+,-& '( +!,& .!(,()/'& & (.!/0()/& '( (&1!23 '& ()/!& '( 34)*3, +0),( /+!3,' )35(!,3''( ('(!$ '&,.6! !"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!3/& ")/& *&0&!(7+3,3/&."!*3"$."!" " &#/()8-& '& 1!"+ '( "*%"!($ (0 (&1!"23"!3()/"'&!!$9+'3&+3:;")&/($$3

Leia mais

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS * ENGRENAGEM DENTADA CILÍNDRICA * CREMALHEIRAS * ENGRENAGEM CÔNICA * BARRAS E PORCAS DE ROSCA TRAPEOIDAL * ENGRENAGEM PARA CORRENTE NORMA DIN * BUCHAS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ELEMENTOS TERRA RARAS E OUTROS TRAÇOS EM SOLEIRAS DE DIABÁSIO DA PROVÍNCIA MAGMÁTICA DO PARANÁ POR ATIVAÇÃO NEUTRÔNICA

DETERMINAÇÃO DE ELEMENTOS TERRA RARAS E OUTROS TRAÇOS EM SOLEIRAS DE DIABÁSIO DA PROVÍNCIA MAGMÁTICA DO PARANÁ POR ATIVAÇÃO NEUTRÔNICA 2005 Interntonl Nucler Atlntc Conference - INAC 2005 Sntos, SP, Brzl, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 DETERMINAÇÃO DE ELEMENTOS TERRA

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE OPTIMIZAÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE ACELEROGRAMAS REGISTADOS

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE OPTIMIZAÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE ACELEROGRAMAS REGISTADOS SÍSMIA 7 7º OGRESSO E SISMOLOGIA E EGEHARIA SÍSMIA APLIAÇÃO E ÉIAS E OPIMIZAÇÃO A UILIZAÇÃO E AELEROGRAMAS REGISAOS JOÃO M.. ESÊVÃO Professor Adjuto AE-ES-UALG Fro Portugl MÁRIO JESUS Professor Adjuto

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado.

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado. CP PENS PR INDICÇÃ Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CDE ao lado. LINH FRM LINH ELETR LINH SUPER LINH MTEC LINH DPTS C T Á L G D E P R D U T S LINH EXP LINH EXPSIÇÃ SEGUR nossa história

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Minha vida está mudando.

Minha vida está mudando. U jt v vv. Mh v tá. Q á, z, t Q. 11 h t M é Alc b h l t g, c FLR DA IDAD. t ql. c l, ã, q é pcólg c z. l íc f tã é ã cêc Sb, t l t c é É, t, t b. h c M. g c p lh! t q h c Pq t, tbé c t j, q é, bc, á c.

Leia mais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde UMinho 2012 Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde Universidade

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso ISO 15552, série ITS Catálogo impresso 2 ISO 15552, série ITS Ø 160-320 mm Conexões: G 3/4 - G 1 com efeito duplo com pistão magnético Amortecimento: pneumático, regulável Haste do pistão: rosca externa

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NUMÉRICOS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NUMÉRICOS Uversdde Federl Fluese UFF Volt Redod RJ INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NUMÉRICOS Prof. Dor Cesr Lobão Trblo orgl preprdo por: Prof. Ioldo José Sces e Prof. Dógees Lgo Furl Uversdde Federl do Prá. Deprteto de

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em

Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Curso Turo Discipli Crg Horári Licecitur Ple em Noturo Mtemátic Elemetr III 60h Mtemátic Aul Período Dt Coordedor.. 0 6/0/006 ª. feir Tempo Estrtégi Recurso Descrição (Produção) Descrição (Arte) :0 / :

Leia mais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais Shw C TÓPICOS Vã Gl Mé cv Mé cv O Mc Vã Ngóc Alg ú Pcp fc Rl N vç Pc Q fz Vã Gl A ESTRUTURA ECOLÓGICA CONSTRUTORA, g c l é c cçã à v pcpçã q lz écc clógc. Sb p v é pf pívl v, p g cl c fã. N çã ppc c, c

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

CILINDROS. PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm

CILINDROS.  PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm CILINDROS PNEUMÁTICOS CILINDROS NORMLIZDOS ISO 6431 - Ø32 À 200mm ISO 6432 - Ø10 À 25mm R Tabelas técnicas TBEL DE FORÇ (Kp), COMPRIMENTO DO MORTECIMENTO (mm) E ENERGI CINÉTIC DO CILINDRO (kgf/cm2) ØCIL.

Leia mais