Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1"

Transcrição

1 Resumo de Aula: Notação científica. 1- Introdução Este resumo não trata exatamente sobre física, é sobre uma das formas que expressamos os resultados numéricos em ciências em geral (e na física em particular). O fato é que em física lidamos com uma grande gama de valores. Trabalhamos com números gigantescos tais como a massa da Terra ou a quantidade de átomos em 1g de hidrogênio, ou com números muito pequenos entre os quais podemos citar o tamanho de um átomo ou a massa de um elétron. Consideremos por exemplo a massa da Terra, cerca de sextilhões de toneladas (este é um valor aproximado). Quantos zeros possui este número? Expresso em toneladas este número possui 1 zeros, expresso em quilogramas este número possui zeros. m Terra kg Há obviamente um grande inconveniente em ficar escrevendo este número gigantesco. Além disto, escrito desta forma, ele não faz nenhum sentido físico (veja o porquê no item ). E imagine a dificuldade em se fazer operações com números deste tamanho! O mesmo acontece com números muito pequenos. Tomemos por exemplo a massa de um elétron, um valor muito comum na física atômica: m elétron 0, kg Não precisa se dar ao trabalho de contar quantos zeros há após a vírgula, são 1 zeros entre a ela e o número 9 (este valor da massa é um valor aproximado cuja função é apenas ilustrativa). As objeções a respeito deste número são as mesmas discutidas acima. O que vamos ver agora é uma maneira mais simples de se escrever tais números. Porém cabe aqui um alerta: a discussão inicial é puramente matemática, não física. No ultimo item discutiremos algumas sutilezas a respeito destes números e, principalmente por que não faz sentido físico escrever a massa da Terra, ou do elétron, com esta quantidade absurda de zeros. -Potências de 10 A notação científica é fundamentada no uso de certas características das potências de 10. De fato escrever 10 elevado a qualquer número inteiro é muito simples. Observe a tabela a seguir: Potências positivas Potências negativas , , , , ,00001 Podemos ver que o expoente positivo indica quantos zeros devemos colocar à esquerda do 1, enquanto os expoentes negativos indicam quantos zeros há à direita do número 1 (ou dito de outra forma, o expoente negativo nos diz quantas casas há após a vírgula). -Notação Científica

2 A notação cientifica se utiliza destas propriedades das potencias para reescrever os grandes ou pequenos números da ciência. A idéia básica é escrever estes zeros como uma potência de dez, com expoentes positivos ou negativos. Não há uma regra rígida de como se deve escrever números nesta notação. Veremos aqui a regra geral, mas há muitas exceções. Vamos à regra então: escreva o número de tal forma que à esquerda da vírgula tenha apenas números entre 1 e 9, quaisquer outros números devem ficar a direita, se necessário ande com a virgula para a direita ou para esquerda chegar a este padrão (veja a figura a seguir). Vamos ver alguns exemplos reescrevendo os números a seguir a) 000 Perceba que o número 000 pode ser escrito como Agora escrevemos 1000 como uma potência de 10 x 1000 x 10 Pronto, o número 000 foi escrito em notação científica! Apesar deste método ser simples há um método ainda mais simples, reescreveremos o número colocando uma virgula em um lugar inofensivo 000 = 000,0 Agora vamos utilizar a regra da vírgula, toda vez que a vírgula anda uma casa para a esquerda do zero aumentamos 1 no expoente. cada vez que a vírgula anda uma casa para a direita diminui-se um no expoente. Esquematicamente teremos: Quadro 1-Prefixos. É usual simplificarmos o uso da notação cientifica com o uso de prefixos das grandezas. Por exemplo, o k utilizado em kg e kg significa 1000, ou em notação científica, 10. Outro exemplo é o m utilizado em mm, ml ou mg, que significa 0,001 ou As tabelas a seguir fornecem alguns prefixos, seus nomes e a potencia a que se referem. Para escrevermos nosso número em notação científica faremos a vírgula andar três casas para a esquerda e somamos no expoente. Como não há expoente então basta escrevermos,0 x 10. b) 000 Escrevemos o número como 000,0 e movemos a vírgula quatro casas para direita e escrevemos: Potência nome símbolo 10 kilo k 10 Mega M 10 9 Giga G 10 1 Tera T Potência nome símbolo 10 - deci d 10 - mili m 10 - micro 10-9 nano n 10-1 pico p

3 b) Escreva o número como 17000,0 e ande casas para a direita, teremos: 1,7 c) 1,7 Este número já possui vírgula, mais fácil. Ande casas para a direita e escreva 1,7 x 10 d),1 Este número possui uma vírgula e já tem uma potência de 10. Vamos andar duas casas para a direita e somar no expoente. Ficaremos com,1. e) 0,0 Este caso é diferente, para que este número fique no padrão da notação cientifica temos que andar duas casas para a direita, e o expoente será negativo:,0 x 10 - Seguindo este raciocínio podemos resolver os demais facilmente: f) 0,000 =, x 10 - g) 0,0 - = - h) 0,00 x 10 7 = x 10 i) - =, 1 -Operações (i) multiplicação A multiplicação de números escritos na forma de notação cientifica é simples, multiplicamos as potências entre si e os números entre si, acertando a vírgula da resposta final caso seja necessário. A multiplicação das potencias segue a regra matemática sobre produto de potencias de mesma base: conservamos a base e somamos os expoentes. Exemplos: a),0 x 10.,0 x10 =,0 x 10 + =,0 x 10 9 b), x 10.,0 x10 = 7, x 10 + = 7, x 10 7 c), x 10.,0 x10 = 1,0 x 10 + = 1,0 x 10 = 1, x 10 9 d), x 10.,0 x10 - =,9 x 10 +(-) =,9 x 10 - =,9 x 10 e), -7.,0 x10 - = 1,0 x 10-7+(-) = 1,0 x =1,0 x =,1 x 10-9 (ii) divisão Na divisão procederemos da mesma forma, mas lembrando que na divisão de potências de mesma base nós conservamos a base e subtraímos os expoentes. Exemplos: x 10 a) x 10-1, b) 0, x 10-0, x 10,0 x 10

4 7 x 10 c), x (-) - x 10 d) -, x 10 e) 7 x , x 10 0, x 10 --(-) --(-), x 10 0, x , x 10 0, x 10 - x 10 (iii) Adição e subtração Neste caso devemos lembrar que só podemos somar ou subtrair coisas semelhantes, neste caso só podemos somar e subtrair quando as potencias de 10 são iguais. Este é o caso dos exemplos a e b a seguir. a) x 10 x 10 b) x 10 7 x , x 10 Porem pode acontecer que as potencias não sejam iguais, neste caso usaremos o truque de andar com a vírgula para igualá-las. No exemplo a seguir transformaremos x 10 em 0, x 10 movendo a vírgula uma casa para a esquerda: c) x 10 = 0, x 10 =, x 10 Veja agora outros exemplos: - d) x 10 - = x 10-0,000 =,999 x 10 e) x f) - - 0,00 0,0 x 10,99 - Notação científica e precisão.,0 x 10 De um ponto de vista matemático não há diferença entre escrever um número de maneira convencional e escreve-lo em notação científica. Porém em física há. Pode parecer estranho, mas tal diferença tem haver com o que chamamos de precisão dos resultados. Considere, por exemplo, que você queira escrever a distância entre sua casa e o supermercado. Digamos que esta distância seja próxima a 100 m. A pergunta é: o quanto eu tenho certeza deste valor? Será que a distância é exatamente 100 m? Ou 10 m? Ou 1 m? Ou serão 17 m? Será que tem sentido dizer que a distância é de, exatamente, 1, m? A notação científica nos permite escrever a distância e fornecer a idéia de quão preciso é o resultado. Digamos por exemplo que você ache que a distância é próxima a 1000 m (pode ser 1100 m ou 100 m), então você pode escrever d = 1 x 10 m. Isto significa que eu sei que este 1 é garantido, o resto dos números não se tem certeza. Para ter um melhor resultado você pode medir a distância com maior cuidado e chegar a conclusão que a distância é próxima a 1100 m, mas não sabe dizer se é 110m ou 110m. Então escreva d = 1,1 x 10 m. Neste caso você está dizendo que você tem certeza dos dois números que você colocou. Agora se você escrever d= 1,100 x 10 m o que isto significa? Significa que você tem certeza que a distância entre sua casa e o supermercado é de exatamente 1100 m, e que não este valor não está errado nem por um metro! Matematicamente falando, os números 1,1 x10, 1,10 x 10 e 1,100 x 10 são idênticos. Mas fisicamente não. O número 1,100 x10 diz que seu resultado não está errado nem por um metro. Na introdução deste texto foi citada, como exemplo, a massa da Terra, vamos escrevê-la novamente: m Terra kg

5 Por que foi dito que este número não tem sentido físico? Por que, com todos estes zeros, este número diz que sabemos a massa da Terra sem errar nem por um quilo! Claro que isto não faz sentido. Provavelmente você não sabe nem a sua massa com esta precisão. Como procedemos então? Escrevemos em notação científica fornecendo apenas os números que temos alguma certeza que estão certos (chamamos estes números de algarismos significativos ): m Terra x10 kg Além de ser uma maneira mais compacta e operacional de se escrever este valor, a notação científica fornece uma maneira mais lógica de se escrevê-lo. Em física é comum termos números escritos com várias casas após a vírgula, mas os físicos só fazem isto quando tem certeza que estão certos, então, ao se deparar com um número com vários algarismos após a virgula, saiba que estes estão lá por que os cientistas tem certeza que aquele é o lugar deles. Para finalizar este resumo com um exemplo gostaria de escrever novamente a massa do elétron, desta vez em notação científica e com todos os algarismos significativos (os que temos certeza!), isto dará uma boa idéia de como se usa notação científica e de quão preciso pode ser um resultado experimental. Para ser bem preciso ao escrever este número vou deixar claro que há uma imprecisão igual a 0 nas duas ultimas casas decimais, ou seja este número possui um erro próximo de uma parte em milhões! m elétron 9,109 91x10-1 kg Veja mais sobre Física e Matemática no Site Plantão de Física -

FÍSICA APLICADA TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM ELETRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA

FÍSICA APLICADA TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM ELETRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA 1 FÍSICA APLICADA TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM ELETRÔNICA INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA Elaborado por: Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Prof. Alexandre Meira, M.Sc.

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

REVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES

REVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES REVISÃO Disciplina: Cálculo e Estatística Aplicada Professor: Dr. Fábio Saraiva da

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Conversão de unidades Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Conversão de unidades Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Conversão de unidades Prof. Dudan Matemática CONVERSÃO DE UNIDADES Apresentamos a tabela de conversão de unidades do sistema Métrico Decimal Medida de Grandeza Fator Múltiplos

Leia mais

Biofísica Faculdade de Educação e Artes FEA

Biofísica Faculdade de Educação e Artes FEA Biofísica Faculdade de Educação e Artes FEA Prof. Dr. Sergio Pilling (IP&D/ Física e Astronomia) PARTE A Unidades, Grandezas, Escalas e Graficos. Objetivos: Nomear e conceituar as grandezas fundamentais

Leia mais

GRANDEZAS E UNIDADES ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS REGRAS PARA ARREDONDAMENTO TRANSFORMAÇÃO DE UNIDADES

GRANDEZAS E UNIDADES ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS REGRAS PARA ARREDONDAMENTO TRANSFORMAÇÃO DE UNIDADES DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA GRANDEZAS E UNIDADES ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS REGRAS PARA ARREDONDAMENTO TRANSFORMAÇÃO DE UNIDADES Cid Vicentini Silveira 2005 1 SISTEMA INTERNACIONAL

Leia mais

Regras de Conversão de Unidades

Regras de Conversão de Unidades Unidades de comprimento Regras de Conversão de Unidades A unidade de principal de comprimento é o metro, entretanto existem situações em que essa unidade deixa de ser prática. Se quisermos medir grandes

Leia mais

Algarismos Significativos

Algarismos Significativos Algarismos Significativos Neste texto você conhecerá melhor os algarismos significativos, bem como as Regras gerais para realização de operações com algarismos significativos e as regras para Conversão

Leia mais

Matemática. Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6

Matemática. Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6 Matemática Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6 Competências e habilidades Espera-se que, ao terminar o estudo deste tema, o aluno melhore

Leia mais

Complemento Matemático 06 Ciências da Natureza I NOTAÇÃO CIENTÍFICA Física - Ensino Médio Material do aluno

Complemento Matemático 06 Ciências da Natureza I NOTAÇÃO CIENTÍFICA Física - Ensino Médio Material do aluno Você sabia que a estrela Alfa da constelação do Centauro está a 41.300.000.000.000 quilômetros da Terra. a massa do próton vale 0,00000000000000000000000000167 quilogramas. o raio do átomo de hidrogênio

Leia mais

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS II.1 A Comunicação em Ciência e Tecnologia A comunicação torna-se ainda mais perfeita, mais objetiva, se a questão envolver a definição da igualdade ou não de

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

Medidas e Incertezas

Medidas e Incertezas Medidas e Incertezas O que é medição? É o processo empírico e objetivo de designação de números a propriedades de objetos ou eventos do mundo real de forma a descreve-los. Outra forma de explicar este

Leia mais

Descrevendo Grandezas Físicas. Prof. Warlley Ligório Antunes

Descrevendo Grandezas Físicas. Prof. Warlley Ligório Antunes Descrevendo Grandezas Físicas Prof. Warlley Ligório Antunes Grandezas Físicas Define-se grandeza como tudo aquilo que pode ser comparado com um padrão por meio de uma medição. Exemplo: Este corpo tem várias

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 05 Medidas físicas Medidas, valores numéricos e unidades. Sistemas

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emerson Marcos Furtado Mestre em Métodos Numéricos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Graduado em Matemática pela UFPR. Professor do Ensino Médio nos estados do Paraná e Santa Catarina desde 1992.

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-5 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 5

Leia mais

QUÍMICA TECNOLÓGICA I

QUÍMICA TECNOLÓGICA I Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG QUÍMICA TECNOLÓGICA I Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira flaviana.tavares@ufvjm.edu.br Alquimia

Leia mais

Introdução à Engenharia de

Introdução à Engenharia de Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Sistemas de Numeração José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Introdução O número é um conceito abstrato que representa a idéia

Leia mais

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA α β χ δ ε φ ϕ γ η ι κ λ µ ν ο π ϖ θ ϑ ρ σ ς τ υ ω ξ ψ ζ Α Β Χ Ε Φ Γ Η Ι Κ Λ Μ Ν Ο Π Θ Ρ Σ Τ Υ Ω Ξ Ψ Ζ PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA Ciência

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Sistemas de Numeração Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Introdução Em sistemas digitais o sistema de numeração binário é o mais importante, já fora do mundo digital o sistema decimal é o mais

Leia mais

Claudia Regina Campos de Carvalho. Módulo I

Claudia Regina Campos de Carvalho. Módulo I Módulo I 1) Dúvidas ou Problemas ao longo do curso deverão ser resolvidas diretamente com o professor responsável (Profa. Claudia R. C. de Carvalho) que estará disponível na sala dos professores ou sala

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades LIVRO MATEMÁTICA 5 Resoluções das Atividades Sumário Módulo Fração Módulo Potências Módulo Sistema métrico decimal Módulo Fração Pré-Vestibular LIVRO MATEMÁTICA 5 0 C Analisemos a situação descrita e vejamos

Leia mais

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais.

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais. 25BCapítulo 2: Números e Aritmética Binária Os computadores armazenam e manipulam a informação na forma de números. Instruções de programas, dados numéricos, caracteres alfanuméricos, são todos representados

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES SANTO ANDRÉ 2012 MEDIDAS DE SUPERFÍCIES (ÁREA): No sistema métrico decimal, devemos lembrar que,

Leia mais

Disciplina: Física Geral I

Disciplina: Física Geral I 1 Disciplina: Física Geral I Material de Apoio: Capítulo 01 Fernando Sato, Denilson, Rodrigo, Luiz Henrique Juiz de Fora, 02 de Agosto de 2010 2 Lista de Figuras 1.1 Telescópio Hubble..............................

Leia mais

Capítulo 1 Erros e representação numérica

Capítulo 1 Erros e representação numérica Capítulo 1 Erros e representação numérica Objetivos Esperamos que ao final desta aula, você seja capaz de: Pré-requisitos Identificar as fases de modelagem e os possíveis erros nelas cometidos; Compreender

Leia mais

Potenciação e radiciação

Potenciação e radiciação Módulo 1 Unidade 8 Potenciação e radiciação Para início de conversa... Discutimos anteriormente as quatro operações aritméticas: adição, subtração, multiplicação e divisão. Agora trabalharemos com mais

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil. Disciplina: Física Geral e Experimental I Prof.a: Erica Muniz

Bacharelado Engenharia Civil. Disciplina: Física Geral e Experimental I Prof.a: Erica Muniz Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Prof.a: Erica Muniz FÍSICA Estudo da NATUREZA: Matéria, Energia, Espaço e Tempo. E a Engenharia Civil e a Física? * Informações Importantes

Leia mais

MEDIDAS. O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento.

MEDIDAS. O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento. MEDIDAS Comprimento O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento. Existem várias unidades que podem ser utilizadas

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

APRESENTAÇÃO Prof. Vitor Hugo Garcia Março/2007

APRESENTAÇÃO Prof. Vitor Hugo Garcia Março/2007 MEDIDAS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Fíísiica Experiimentall Departamento de Fíísiica Centro de Ciiênciias Tecnollógiicas/UDESC APRESENTAÇÃO A Física é uma ciência experimental. Em outras palavras, todo

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistema de Numeração Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Sistemas Numéricos Principais sistemas numéricos: Decimal 0,

Leia mais

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS 1 Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS Propriedades da matemática Prioridades: É importante relembrar e entender alguns conceitos da matemática, que serão muito úteis quando trabalharmos com taxas.

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Departamento de Informática Sistemas de Numeração Notas de estudo Alberto José Proença Luís Paulo Santos 18-Fev-05 1. Sistemas de numeração e representação de inteiros 1.1. Sistemas de numeração 1.2. Conversão

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Representação Binária de Números

Representação Binária de Números Departamento de Informática Notas de estudo Alberto José Proença 01-Mar-04 Dep. Informática, Universidade do Minho Parte A: Sistemas de numeração e representação de inteiros A.1 Sistemas de numeração

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL SANTA CRUZ ETESC DISCIPLINA DE QUÍMICA EXPERIMENTAL Profs.: Ana Cristina, Denis Dutra e José Lucas

Leia mais

Aula 9. Introdução à Computação. ADS IFBA www.ifba.edu.br/professores/antoniocarlos

Aula 9. Introdução à Computação. ADS IFBA www.ifba.edu.br/professores/antoniocarlos Aula 9 Introdução à Computação Ponto Flutuante Ponto Flutuante Precisamos de uma maneira para representar Números com frações, por exemplo, 3,1416 Números muito pequenos, por exemplo, 0,00000001 Números

Leia mais

CIÊNCIA E CULTURA - REVISÃO PARA O VESTIBULAR - FÍSICA - AULA 8

CIÊNCIA E CULTURA - REVISÃO PARA O VESTIBULAR - FÍSICA - AULA 8 Página 1 de 10 [HOME] [PÁGINA DA FÍSICA] [APRENDENDO CIÊNCIAS] [MUSEUS] [SALA DE LEITURA] [HISTÓRIA DA CIÊNCIA] [OLIMPÍADAS] TÓPICOS DA AULA Grandezas Fisicas GRANDEZAS FÍSICAS GRANDEZAS ESCALARES GRANDEZAS

Leia mais

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL Unidades de Medida A necessidade de contar e mensurar as coisas sempre se fez presente no nosso dia a dia. Na prática, cada país ou região criou suas próprias unidades de medidas. A falta de padronização

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

Fenômenos de transferência

Fenômenos de transferência Tratam da movimentação de uma grandeza física de um ponto para outro do espaço e dão corpo à disciplina Fenômenos de Transporte: Fenômenos de transferência Transporte de quantidade de movimento; Transporte

Leia mais

Aula 6 Aritmética Computacional

Aula 6 Aritmética Computacional Aula 6 Aritmética Computacional Introdução à Computação ADS - IFBA Representação de Números Inteiros Vírgula fixa (Fixed Point) Ponto Flutuante Para todos, a quantidade de valores possíveis depende do

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 Representação de Dados e Aritimética Computacional Roteiro Números inteiros sinalizados e nãosinalizados Operações

Leia mais

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15 1 NOTAÇÃO CIENTÍFICA Os números muito grandes ou muito pequenos podem ser escritos através de um produto n da forma x 10, onde 1 x < 10 e n Z. Denominamos essa representação de notação científica. Distância

Leia mais

GRANDEZAS FÍSICAS E SUAS MEDIDAS

GRANDEZAS FÍSICAS E SUAS MEDIDAS GRANDEZAS FÍSICAS E SUAS MEDIDAS Profª Marina de Lurdes Machado O que é uma grandeza física? Onde elas se encontram? Em muitas situações cotidianas temos contato ou noção de uma grandeza física, mesmo

Leia mais

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA UNIDADES EM QUÍMICA O sistema métrico, criado e adotado na França durante a revolução francesa, é o sistema de unidades de medida adotada pela maioria dos paises em todo o mundo. UNIDADES SI Em 1960, houve

Leia mais

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Sistemas Digitais Exercícios de Apoio - I Sistemas de Numeração CONVERSÃO ENTRE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Conversão Decimal - Binário Números Inteiros

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

2 A culpa é da barreira!

2 A culpa é da barreira! A U A UL LA A culpa é da barreira! A torcida vibra. Daquela distância é gol na certa, é quase um pênalti. O árbitro conta os passos regulamentares. A regra diz: são 10 passos (9,15 metros) para a formação

Leia mais

1.1 Definições e Conceitos Importantes

1.1 Definições e Conceitos Importantes 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DE ERROS Quando procuramos obter resultados através de observações experimentais, devemos ter sempre à mente que nossa observações serão sempre limitadas, no sentido de que jamais

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo F- TIPO D-7 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 7º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 7 o ano das

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano. Unidade principal

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano. Unidade principal Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano Medidas de massa Quilograma A unidade fundamental de massa chama-se quilograma. Apesar de o quilograma ser a unidade

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

15-11-2013. Sumário. Teoria de erros

15-11-2013. Sumário. Teoria de erros Sumário Erros que afetam as medições. Média, desvios e incertezas. As operações com os algarismos significativos exigem o conhecimento da teoria de erros. Mas, algumas regras simples podem ajudar a evitar

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Capítulo I : Noções Gerais

Capítulo I : Noções Gerais Capítulo I : Noções Gerais 1 Capítulo I : Noções Gerais Informática (Teoria da Informação): Ciência do tratamento e transmissão da informação. Computador: Sistema que permite armazenar grandes quantidades

Leia mais

Erros. Cálculo Numérico

Erros. Cálculo Numérico Cálculo Numérico Erros Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ Erros - Roteiro Eistência Tipos

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5. 4.1.Aumento Percentual... 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5. 4.1.Aumento Percentual... 6 AULA 5 PORCENTAGEM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5 4.1.Aumento Percentual... 6 4.2.Desconto Percentual... 7 4.3.Aumentos E Descontos Sucessivos...

Leia mais

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental TEMA II GRANDEZAS E MEDIDAS A comparação de grandezas de mesma natureza que dá origem à idéia de

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO A prova de Raciocínio Lógico-Matemático é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos

Leia mais

Professores Responsáveis: Patrícia Los Weinert Wilson Costa

Professores Responsáveis: Patrícia Los Weinert Wilson Costa SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA GERAL e ANALÍTICA Curso: Farmácia Professores Responsáveis: Patrícia Los Weinert Wilson Costa Ponta Grossa 2014 Instruções Gerais Manuseio

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões ANÁLISE DIMENSIONAL A análise dimensional é uma ferramenta poderosa e simples para avaliar e deduzir relações físicas. A similaridade é um conceito diretamente relacionado, que consiste basicamente na

Leia mais

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade bases I: numéricas 0 Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre bases numéricas 1 - Conceitos básicos sobre arquitetura de computadores

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ADITIVOS: ANÁLISE DOS PROCESSOS HEURÍSTICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ADITIVOS: ANÁLISE DOS PROCESSOS HEURÍSTICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ADITIVOS: ANÁLISE DOS PROCESSOS HEURÍSTICOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Aline Cristina Cybis Mestrado em Educação Matemática Universidade Bandeirante Anhanguera cybisaline@gmail.com

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação.

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação. Apostila de Cálculo Zero Este material visa auxiliar os estudos em Matemática promovendo a revisão de seu conteúdo básico, de forma a facilitar o aprendizado nas disciplinas de cálculo e também melhorar

Leia mais

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/ Paquímetro, Micrômetro e Propagação de Incertezas Sergio Scarano Jr 19/12/2012 Links para as Apresentações e Modelos Para o Laboratório de Física A, os materiais i das aulas e os modelos utilizados para

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

MATEMÁTICA NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO);

MATEMÁTICA NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO); NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO); Conjunto dos Números Inteiros Z Definimos o conjunto dos números inteiros como a reunião do conjunto dos

Leia mais

Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br TUTORIAL ENDEREÇAMENTO IP

Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br TUTORIAL ENDEREÇAMENTO IP Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br TUTORIAL ENDEREÇAMENTO IP Ronaldo A. Bueno Filho Skype: ronaldobf e-mail: ronaldobf@linkway.com.br Data: 08/12/2006

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa 1 Manual para emissão de Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Pessoa Física 2014. INTRODUÇÃO 2 A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa (NF-e avulsa) está sendo implementada

Leia mais

COMO PROJETAR E CONSTRUIR UM REDUTOR DE VELOCIDADE PARA USO EM:

COMO PROJETAR E CONSTRUIR UM REDUTOR DE VELOCIDADE PARA USO EM: COMO PROJETAR E CONSTRUIR UM REDUTOR DE VELOCIDADE PARA USO EM: TRIKE ULTRALEVE GIROCÓPTERO AVIÃO HELICÓPTERO BARCOS LANCHAS Engenheiro Adriano Antonio Luciano de Lima CREA: 5061459022 SP Formação Acadêmica:

Leia mais

Aulão Sociologia, atualidades e Dicas ENEM. Professor: Robson UP Centro Educacional

Aulão Sociologia, atualidades e Dicas ENEM. Professor: Robson UP Centro Educacional Aulão Sociologia, atualidades e Dicas ENEM Professor: Robson UP Centro Educacional Conceitos de Karl Marx: mais-valia, alienação do indivíduo social e materialismo histórico Cidadania Conceitos de Émile

Leia mais

A Física e a Matemática:

A Física e a Matemática: A Física e a Matemática: A medição de grandezas físicas A combinação de raciocínio teórico e observação experimental caracteriza a Física. Podemos dizer então que a Física é a Ciência que procura compreender

Leia mais

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução Exercícios 1) Indique três aspectos diferentes que podem ser medidos num carro. Para cada aspecto identificado, informe a grandeza e a unidade de medida correspondente

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Introdução à calculadora HP50g

Introdução à calculadora HP50g Introdução à calculadora HP50g Professor Paulo R. A. Nacaratti Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação (UFRJ) Especialista em Estatística (UFLA) Bacharel em Matemática (UFF) Belo Horizonte Sumário

Leia mais

Sumário. Volta às aulas. Vamos recordar?... 7 1. Grandezas e medidas: tempo e dinheiro... 59. Números... 10. Regiões planas e seus contornos...

Sumário. Volta às aulas. Vamos recordar?... 7 1. Grandezas e medidas: tempo e dinheiro... 59. Números... 10. Regiões planas e seus contornos... Sumário Volta às aulas. Vamos recordar?... Números... 0 Um pouco da história dos números... Como os números são usados?... 2 Números e estatística... 4 Números e possibilidades... 5 Números e probabilidade...

Leia mais

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua Nesta prática vamos nos familiarizar com os componentes e instrumentos que serão utilizados durante o curso. Também faremos a verificação experimental da Lei de Ohm e discutiremos alguns casos em que ela

Leia mais

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office.

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. EXCEL O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. É composto das seguintes partes: Pasta de Trabalho um arquivo que reúne várias planilhas, gráficos, tabelas,

Leia mais

Mecânica Geral Básica

Mecânica Geral Básica Mecânica Geral Básica Conceitos Básicos Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Unidades - o sistema métrico O sistema internacional de unidades (SI) o sistema MKS Baseado em potências de 10 de unidades de base

Leia mais

Volumes Exemplo1: Exemplo2:

Volumes Exemplo1: Exemplo2: Volumes Exemplo1: Esta garrafa está cheia. Ela contém 90 mililitros (90 ml) de refrigerante: Volume 90 ml Isso significa que 90 ml é a quantidade de líquido que a garrafa pode armazenar: Capacidade 90

Leia mais

DICAS DO ENEM MATEMÁTICA. TEMA 2: Porcentagem AUTOR: Marco Antonio Oliveira da Silva. Mais próxima, para você ir mais longe.

DICAS DO ENEM MATEMÁTICA. TEMA 2: Porcentagem AUTOR: Marco Antonio Oliveira da Silva. Mais próxima, para você ir mais longe. DICAS DO ENEM MATEMÁTICA TEMA 2: Porcentagem AUTOR: Marco Antonio Oliveira da Silva Mais próxima, para você ir mais longe. Índice Este tema está localizado aqui! 1. Interpretação 2. Porcentagem 6. Equações

Leia mais

OPERADOR DE COMPUTADOR

OPERADOR DE COMPUTADOR OPERADOR DE COMPUTADOR MATEMÁTICA CAPITULO 1 - NÚMEROS NATURAIS Os números 0, 1, 2, 3, 4, 5...; são chamados naturais, e a sequência dos números naturais é infinita. Assim como você, todas as pessoas usam

Leia mais

FÍSICA. Do grego physis = natureza. E-mail: contato@profmueller.net. Site: www.profmueller.net

FÍSICA. Do grego physis = natureza. E-mail: contato@profmueller.net. Site: www.profmueller.net FÍSICA Do grego physis = natureza Objetivo da Física A Física, como ciência, tem como objetivo descrever e explicar os fenômenos físicos da natureza, ou seja, aqueles que não alteram a estrutura da matéria.

Leia mais

Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos

Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos Prof. César Bastos 2009 pág. 1 Medidas 1.1 Sistema Internacional de Unidades Durante muito tempo cada reino estabelecia suas unidades (padrões) de

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

1. Introdução ao uso da calculadora

1. Introdução ao uso da calculadora 1. Introdução ao uso da calculadora O uso da calculadora científica no curso de Estatística é fundamental pois será necessário o cálculo de diversas fórmulas com operações que uma calculadora com apenas

Leia mais

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ. Questão Sistemas de Numeração No sistema de numeração de base 2, o numeral mais simples de

Leia mais