Administração Financeira e Orçamentária II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração Financeira e Orçamentária II"

Transcrição

1 Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa

2 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos Conjuntos de capitais possuem algumas características de acordo com certas leis matemáticas, como: Periodicidade Uniformidade Crescimento Decrescimento Esses conjuntos são chamados de seqüências de capitais. Podem se referir a pagamentos ou recebimentos. O regime é de juros compostos. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 2

3 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos Uma série é uniforme quando: todos os seus termos (pagamentos ou desembolsos) são iguais; todos são feitos em períodos homogêneos (a cada dia, mês, bimestre, semestre, ano, etc.). Essa modalidade é conhecida como Modelo Price: todas as prestações têm o mesmo valor, genericamente representado por PMT. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 3

4 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos Representação gráfica: Série de Pagamentos PV Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 4

5 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos Representação Gráfica: Série de desembolsos FV Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 5

6 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos SÉRIES UNIFORMES DE PAGAMENTO Quando as entradas ou saídas destinam-se ao pagamento de uma dívida. SÉRIES DE DESEMBOLSO Quando as entradas ou saídas destinam-se a constituir um capital futuro. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 6

7 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos Principais fórmulas utilizadas em séries uniformes: 1. FACs (Fator de Acumulação de Capital); 2. FAC (relativo a uma série uniforme de pagamentos); 3. FVAs (Fator de Valor Atual); 4. FVA (relativo a uma série uniforme de pagamentos); 5. FFC (Fator de Formação de Capital); 6. FRC (Fator de Recuperação de Capital). Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 7

8 Fórmulas entre Termos FV i, n PV 4 PMT 6 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 8

9 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 1. FACs (Fator de Acumulação de Capital) Dado o Valor Presente, achar o Valor Futuro: FACs = ( 1 + i ) n FV = PV x FACs => FV = PV x (1 + i) n Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 9

10 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 2. FAC (relativo a uma série uniforme de pagamentos) Dada a Prestação, achar o Valor Futuro: FV = PMT x FAC => Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 10

11 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 3. FVAs (Fator de Valor Atual) Dado o Valor Futuro, achar o Valor Presente: PV = FV x FVAs => Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 11

12 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 4. FVA (relativo a uma série uniforme de pagamentos) Dada a Prestação, achar o Valor Presente: PV = PMT x FVA => Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 12

13 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 5. FFC (Fator de Formação de Capital) Dado o Valor Futuro, achar a Prestação: PMT = FV x FFC => Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 13

14 Séries Uniformes de Pagamentos e de Desembolsos 6. FRC (Fator de Recuperação de Capital) Dado o Valor Presente, achar a Prestação: PMT = PV x FRC => Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 14

15 Sistemas de Amortização Amortização é o processo de liquidação de uma dívida através de pagamentos periódicos. A amortização de uma dívida pode ser processada de várias formas, dependendo das condições pactuadas. Exemplos: 1. Pagamento da dívida em prestações periódicas, representadas por parcelas de juros mais capital; 2. Prestações constituídas exclusivamente de juros, ficando o capital pagável de uma só vez, no vencimento da dívida. 3. Juros capitalizados para pagamento, junto com o capital, ao final da dívida. Há diversos sistemas de amortização, dos quais destacamos os mais utilizados, o SAC e o PRICE. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 15

16 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) No sistema SAC as prestações são decrescentes. As prestações são formadas por parcelas do capital mais juros. O valor da amortização do capital é constante em todos os períodos. A parcela dos juros diminui a cada período, uma vez que a taxa de juros é aplicada sobre o saldo devedor. O valor do saldo devedor se reduz a cada período, em função da amortização. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 16

17 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Representação Gráfica: prestação Juros Amortização (capital) prestação períodos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 17

18 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Exemplo: Considerar a composição de uma dívida de $ ,00 a ser paga em quatro prestações anuais, com taxa de juros de 36% ao ano. Elaborar a planilha de pagamentos, indicando os diversos componentes. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 18

19 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) n.º prestações 4 taxa de juros (a a) 36% Período Prestação Juros Amortização Saldo Devedor Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 19

20 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Para elaborar a planilha de pagamentos será adotada a seguinte seqüência de procedimentos: 1. Calcular a amortização: dividir o valor da operação pelo número de prestações. 2. Calcular a parcela de juros: fazer incidir a taxa de juros sobre o saldo devedor do período anterior. 3. Calcular a prestação: somar o valor da amortização com a parcela de juros. 4. Apurar o saldo devedor do período: subtrair o valor da amortização do saldo devedor do período anterior. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 20

21 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) n.º prestações 4 taxa de juros (a a) 36% Período Prestação Juros Am ortização Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , , , , , Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 21

22 Valor $ Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Amortização e Juros no sistema SAC , , , , , , , , , ,00 0, Juros , , , ,00 Amortização , , , ,00 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 22

23 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Exemplo: Uma operação no valor de $ ,00 foi contratada para ser paga em quatro prestações anuais, com taxa de juros de 17,00% ao ano. Como será sua planilha de pagamento? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 23

24 Sistema de Amortizações Constantes (SAC) no. prestações 4 taxa de juros (a.a.) 17% Período Prestação Juros Amortização Saldo devedor , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0,00 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 24

25 Valor $ Sistema de Amortizações Constantes (SAC) Amortização e Juros no sistema SAC , , , , , ,00 0, Juros , , , ,00 Amortização , , , ,00 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 25

26 Sistema Francês ou Tabela Price No Brasil o sistema é mais conhecido como Tabela Price. As prestações são constantes em todos os períodos, formadas por parcelas do capital mais juros. A parcela referente à amortização do capital aumenta a cada período, a parcela referente aos juros diminui no mesmo valor, mantendo assim iguais as prestações em todos os períodos. Este sistema de amortização é um dos mais usados: o fato de as prestações terem valores constantes permite ao devedor um melhor planejamento dos pagamentos. é amplamente utilizado em CDC, leasing e outros. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 26

27 Sistema Francês ou Tabela Price Representação Gráfica: prestação Juros Amortização prestação períodos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 27

28 Sistema Francês ou Tabela Price Exemplo: O valor do financiamento a ser realizado pelo sistema Price é de $ ,00, à taxa de 37% ao ano, para ser pago em três parcelas. Elaborar a planilha de pagamentos, indicando os diversos componentes. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 28

29 Sistema Francês ou Tabela Price Para elaborar a planilha de pagamentos será adotada a seguinte seqüência de procedimentos: 1. Calcular a prestação: (FRC fórmula 6) 2. Calcular a parcela de juros: fazer incidir a taxa de juros sobre o saldo devedor no período anterior. 3. Calcular a amortização: obtê-la pela diferença entre a prestação e os juros do período. 4. Apurar o saldo devedor do período: subtrair o valor da amortização do saldo devedor do período anterior. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 29

30 Sistema Francês ou Tabela Price n.º prestações 3 taxa de juros (a a) 37% Período Prestação Juros Am ortização Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 30

31 Valor $ Sistema Francês ou Tabela Price Amortização e Juros no sistema Price , , , , , ,00 0, Juros , , ,57 Amortização , , ,75 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 31

32 Sistema SAC ou Price? Sistema SAC ou Tabela Price, qual dos dois é melhor? Matematicamente não é possível afirmar qual o melhor plano, pois são equivalentes: 1. reembolsam ao financiador o principal; 2. remuneram todo o capital, a uma taxa contratada, pelo tempo em que permanecer nas mãos do financiado. Devem ser consideradas outras condições que envolvem o negócio: capacidade de pagamento; necessidade de caixa; fatores contábeis, fiscais ou tributários, etc. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 32

33 Sistema SAC ou Price? Exemplo: Uma operação no valor de $ ,00 foi contratada para ser paga em quatro prestações anuais, com taxa de juros de 17,00% ao ano. Como será sua planilha de pagamento nos dois sistemas? Compare as duas situações. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 33

34 Sistema SAC ou Price? Sistema SAC no. prestações 4 taxa de juros (a.a.) 17% Período Prestação Juros Amortização Saldo devedor , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0,00 Sistema Price Período Prestação Juros Amortização Saldo devedor , , , , , , , , , , , , , , , ,67 0,00 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 34

35 Valor $ Valor $ Sistema SAC ou Price? Amortização e Juros no sistema SAC Amortização e Juros no sistema Price , , , , , , , , , , , ,00 0, Juros , , , ,00 Amortização , , , ,00 0, Juros , , , ,64 Amortização , , , ,67 Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 35

36 Sistemas SAC e PRICE: Exercícios Exercício 1: Um cliente propôs pagar o saldo devedor de um empréstimo de $ ,00 em 4 parcelas mensais, mas sugeriu que as prestações fossem decrescentes. Assim, o ideal seria a amortização pelo sistema SAC. Elabore a planilha de pagamento, sabendo que a taxa de juros é de 10% ao mês. Qual seria a diferença no sistema Price? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 36

37 Sistemas SAC e PRICE: Exercícios Exercício 2: A composição de uma dívida de $ 5.000,00 será paga em 5 prestações, com taxa de 15% ao ano, pelo sistema SAC. Elaborar a planilha de pagamento e destacar os valores de cada prestação, juros e amortização anual. Qual seria a diferença no sistema Price? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 37

38 Sistemas SAC e PRICE: Exercícios Exercício 3: Uma geladeira no valor de $ 1.200,00 é financiada pela Tabela Price em 4 parcelas mensais, sem entrada, com taxa de 11% ao mês. Encontrar o valor da prestação mensal e as parcelas de juros e amortização do capital de cada período. Qual seria a diferença no sistema SAC? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 38

39 Análise de Fluxo de Caixa É o principal objetivo da Matemática Financeira. Fluxo de caixa de um investimento, empréstimo ou financiamento, ou mesmo de uma empresa: é o nome dado ao conjunto das entradas e saídas do dinheiro ao longo do tempo. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 39

40 Fluxo de Caixa A matemática financeira permite comparar fluxos de caixas distintos para identificar a melhor alternativa de empréstimo, investimento ou financiamento. Exemplo: Ao fazermos uma pesquisa de preços, por exemplo, para aquisição de uma televisão, encontramos diversas alternativas de pagamento nas várias lojas pesquisadas: Somente à vista Sem entrada + 2, + 3, + 4,... Prestações Com ou sem juros, conforme o número de parcelas. E assim por diante. Onde deverei comprar? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 40

41 Fluxo de Caixa Somente poderemos dizer qual é a melhor opção de compra, se: analisarmos cada fluxo de caixa e transformarmos cada proposta em seu valor equivalente à vista. A matemática financeira fornece as ferramentas básicas que nos permitem comparar diferentes alternativas de investimento de um mesmo período. A decisão será sempre sob o enfoque econômico, sem considerar outros fatores além da melhor alternativa de investimento. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 41

42 Fluxo de Caixa Há vários métodos conhecidos para análise de investimento. Vamos considerar os três mais utilizados pelo mercado: o Prazo de Retorno Payback; o Valor Presente Líquido VPL NPV (Net Present Value); a Taxa Interna de Retorno TIR IRR (Internal Rate of Return). Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 42

43 Payback O método Payback (prazo de retorno) é um método simples e fácil de calcular. O método Payback é definido por: prazo de tempo necessário para que os desembolsos sejam integralmente recuperados. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 43

44 Payback Exemplo: Considerando o seguinte quadro (resultado do investimento): Anos Fluxo de Caixa ($) Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 44

45 Payback Representação Gráfica do Fluxo de Caixa: Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 45

46 Payback No exemplo, temos: Anos Fluxo de Caixa ($) O prazo de retorno é de 3 anos. Acumulado ($) Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 46

47 Payback Representação Gráfica do Acumulado: Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 47

48 Payback A aplicação do método Payback nas empresas em geral é feito do seguinte modo: a empresa fixa um prazo limite para recuperação dos investimentos; são aceitos projetos cujo tempo de recuperação for menor ou igual a este limite. Deficiências do método Payback: Não reconhece as entradas de caixa previstas para ocorrerem após a recuperação do investimento. Não avalia adequadamente o valor do dinheiro no tempo. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 48

49 Payback Escolher o melhor projeto do ponto de vista do Payback, justificando a escolha: Dados PROJETOS A B C Investim ento Inicial ($) Entradas Líquidas de Caixa ($) 1.º ano º ano º ano º ano Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 49

50 Payback Dados Projetos A B C Anos Período Acumulado Período Acumulado Período Acumulado Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 50

51 Valor $ Payback Fluxo de Caixa Acumulado Acum A Acum B Acum C Anos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 51

52 Valor $ Payback Fluxo de Caixa Acumulado Acum A Acum B Acum C Anos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 52

53 Payback Projeto selecionado: C Justificativas: Todos os projetos iniciam e terminam com o mesmo valor acumulado de fluxo de caixa ( e ). Todos os projetos têm Payback de 3 anos (o investimento inicial de retorna no terceiro ano). O fator diferencial entre os projetos é a rapidez com que atingem o prazo de Payback. O projeto C é o mais rápido na recuperação do caixa ao longo do tempo: fecha o segundo ano com o menor caixa negativo; fecha o terceiro ano com o maior caixa positivo. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 53

54 Payback Projeto selecionado: C Comentários: Se fosse possível estabelecer uma proporção de desempenho, o projeto C alcançaria o Payback ao redor do dia 156 do terceiro ano, contra 243 do projeto B e 320 do projeto A (5 de Junho, contra 31 de Agosto e 16 de Novembro). Após atingirem o Payback no terceiro ano, a relação de desempenho se inverte: O projeto A tem a acumulação de caixa mais rápida, seguido por B e C. Todos os projetos atingem o mesmo caixa acumulado (10.000) no quarto ano. Do ponto de vista da incidência de juros, o projeto C apresenta recuperação de caixa mais rápida, ficando a descoberto por menor período de tempo. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 54

55 Valor Presente Líquido (NPV) O método do Valor Presente Líquido (VPL) NPV Net Present Value requer a utilização dos conceitos de capitalização e descapitalização. Capitalizar : obter um valor futuro (FV) a partir de um valor presente (PV). PV (conhecido) FV (desconhecido) n períodos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 55

56 NPV Descapitalizar: obter um valor presente (PV) a partir de um valor futuro (FV). PV (desconhecido) FV (conhecido) n períodos Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 56

57 NPV Exemplo: Considere um empréstimo de $ 1.000,00, tomado no dia 10 de janeiro para pagar após 6 meses, ou seja, no dia 10 de julho, de uma só vez, à taxa de 5% ao mês (capitalizados mensalmente). a) encontre o valor a ser pago no vencimento (10/7); b) caso você deseje liquidar antecipadamente a dívida, em 10 de abril, que valor deverá ser pago? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 57

58 NPV 1. Valor na data de vencimento (10/7) PV = FV = PV x (1 + i) n i = 5% = 0,05 FV = x (1+0,05) 6 n = 6 FV = Valor em data antecipada (10/4) PV = FV = PV x (1 + i) n i = 5% = 0,05 FV = x (1+0,05) 3 n = 3 FV = Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 58

59 NPV O valor do NPV é a soma total das entradas e saídas, descapitalizadas, uma a uma, até o momento zero. Modelo matemático do Valor Presente Líquido NPV: Sejam: PV = investimento inicial (momento zero) PMTj = fluxos subseqüentes ao momento zero (j = 1,2,...,n) Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 59

60 NPV Interpretação do resultado: Se NPV > 0 Decisão pela realização. Estamos perante um projeto economicamente viável. Se o NPV = 0 Ponto de indiferença. No entanto, dada a incerteza associada à estimativa dos fluxos de caixa que suportam a análise, pode-se considerar elevada a probabilidade de o projeto se revelar inviável. Se o NPV < 0 Decisão contrária a sua realização. Estamos perante um projeto economicamente inviável. Nota: na análise comparativa de dois ou mais projetos de investimento, será preferível aquele que apresentar o NPV de valor mais elevado. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 60

61 NPV Utilização da TMA (Taxa Mínima de Atratividade): Para cálculo do valor presente das entradas e saídas de caixa pode ser utilizada a TMA (Taxa Mínima de Atratividade) como taxa de desconto. Se a TMA for igual à taxa de retorno esperada pelo acionista e NPV > 0, significa que a decisão é favorável à sua realização. Estamos perante um projeto economicamente viável. Sendo o NPV superior a 0, o projeto cobrirá tanto o investimento inicial como a remuneração mínima exigida pelo investidor, gerando ainda um excedente financeiro. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 61

62 NPV Utilização da TMA (Taxa Mínima de Atratividade): Esse projeto é, portanto, gerador de mais recursos do que a melhor alternativa ao investimento, para um nível de risco equivalente, uma vez que a TMA reflete o custo de oportunidade de capital. O objetivo da empresa é maximizar a riqueza dos acionistas e ela deve empreender todos os projetos que tenham um NPV > 0. Se dois projetos forem mutuamente exclusivos, deve ser priorizado o projeto com o NPV positivo mais elevado. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 62

63 NPV A TMA - Taxa Mínima de Atratividade é uma taxa de juros que representa: o mínimo que um investidor se propõe a ganhar quando faz um investimento, o máximo que um tomador de dinheiro se propõe a pagar quando faz um financiamento. A TMA é considerada pessoal e intransferível : propensão ao risco varia de pessoa para pessoa, pode variar ao longo do tempo. Não existe algoritmo ou fórmula matemática para calcular a TMA. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 63

64 NPV A Taxa Mínima de Atratividade TMA é formada a partir de 3 componentes básicos: Custo de Oportunidade: remuneração obtida em alternativas que não as analisadas. Exemplo: caderneta de poupança, fundo de investimento, etc. Risco do Negócio: o ganho tem que remunerar o risco inerente de uma nova ação. Liquidez: Quanto maior o risco, maior a remuneração esperada. capacidade ou velocidade em que se pode sair de uma posição no mercado para assumir outra. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 64

65 NPV Exemplo: O Sr. Chico Cavalcante emprestou hoje $ ,00 a um amigo que lhe prometeu pagar $ ,00 daqui a 1 mês e $ ,00 daqui a 2 meses. Sabendo que a taxa é de 20% ao mês, calcule o valor presente líquido. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 65

66 NPV Dados: PV = PMT1 = i = 20% = 0,2 PMT2 = NPV = -PV + [PMT 1 /(1+i) 1 + PMT 2 /(1+i) 2 ] NPV= [60.000/(1+0,2) /(1+0,2) 2 ] NPV = [60.000/1, /1,44] NPV = [ ] NPV = NPV = Conclusão: como NPV>0, o empréstimo tem retorno. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 66

67 NPV Exemplo: Calcule o valor presente líquido do fluxo abaixo, considerando que a taxa de juros é de 25% ao ano. Anos Fluxo de Caixa ($) Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 67

68 NPV Dados: PV = i = 1,25 Anos Fluxo de Caixa ($) PMT (1+i) n PMT/(1+i) n Acumulado 0-30,00-30,00 1, ,00-30, ,00-15,00 1, ,00-42, ,00 20,00 1, ,80-29, ,00 25,00 1, ,80-16, ,00 40,00 2, ,38-0,02 O valor NPV calculado é muito próximo de zero, o que indica que o investimento é indiferente. Recomenda-se nova análise, com menos incertezas e mais precisão. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 68

69 NPV Exemplo: Calcule o NPV dos projetos mostrados a seguir, considerando uma taxa de juros anual de 20%. Avalie quais poderão ser aceitos (adotando a taxa de juros como taxa de atratividade mínima) e qual a sua indicação para a tomada de decisão do empresário. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 69

70 NPV Dados PROJETOS A B C Investim ento Inicial ($) Entradas Líquidas de Caixa ($) 1.º ano º ano º ano º ano Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 70

71 NPV Análise do NPV do projeto A: Anos Fluxo de Caixa ($) PMT (1+i) n PMT/(1+i) n Acumulado , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 2, , ,98 NPV calculado: ,98 => projeto inviável. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 71

72 NPV Análise do NPV do projeto B: Anos Fluxo de Caixa ($) PMT (1+i) n PMT/(1+i) n Acumulado , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 2, ,90-584,49 NPV calculado: -584,49 => projeto inviável. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 72

73 NPV Análise do NPV do projeto C: Anos Fluxo de Caixa ($) PMT (1+i) n PMT/(1+i) n Acumulado , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 1, , , , ,00 2, ,52 0,00 NPV calculado: 0,0 => projeto indiferente. Recomenda-se nova análise. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 73

74 TAXA INTERNA DE RETORNO (IRR) É a taxa que torna nulo o Valor Presente Líquido (NPV) de um fluxo de caixa. Exemplo: Dados PROJETO Investim ento Inicial ($) Entradas Líquidas de Caixa ($) 1.º ano º ano º ano Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 74

75 IRR Calcule o NPV desse fluxo de caixa para valores da taxa de juros de 10% ao ano e 15% ao ano. Feitos os cálculos, tem-se: Para i = 10% NPV = 315,93 Para i = 15% NPV = (-) 145,60 Para NPV = 0, a taxa IRR está entre 10% e 15% ao ano. O valor de IRR pode ser estimado por meio de técnica de interpolação linear. Nesse caso, aplica-se a regra de 3 simples. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 75

76 IRR Variações no intervalo: Taxa i: de 10% para 15% => variação de 5% Valor $: de 315,93 para (-) 145,60 => variação de 461,53 Proporção: variando a taxa em 5 pontos percentuais, o valor variou em 461,53 unidades. Pergunta-se: quanto deve variar a taxa para absorver somente $ 315,93? (correspondente a NPV = 0) Equação: 5 p.p. estão para $ 461,53, assim como X p.p. estão para $ 315,93. Resultado: X = 3,42 p.p. Portanto IRR = 10% + 3,42% = 13,42% ao ano. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 76

77 IRR Importante: como se trata de interpolação linear, quanto maior for a diferença entre as taxas, menos preciso será o resultado. por meio deste método chegamos a uma taxa aproximada (=> valor estimado). As calculadoras financeiras indicam uma taxa mais precisa. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 77

78 IRR Representação gráfica da taxa IRR: NPV $ 315, ,60 5% 10% 15% Juros % 13,42% Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 78

79 IRR calculadora HP 12C Resolução por meio de calculadora HP12C: Limpar os registros financeiros e de armazenamento: Pressionar f CLEAR REG. Armazenar o valor do investimento inicial negativo: Pressionar 4500 CHS g CF 0 ; Armazenar o valor do primeiro pagamento: Pressionar 1000 g CF j ; Armazenar o valor do segundo pagamento: Pressionar 2000 g CF j ; Armazenar o valor do terceiro pagamento: Pressionar 3000 g CF j ; Indicar a taxa de juros (supor 13,5%) Pressionar 13,5 i Calcular o valor de VPL (NPV): Pressionar f NPV. Resultado: NPV = -14,6253 Valor de NPV será armazenado no registro PV. Calcular o valor da TIR (IRR): Pressionar f IRR. Resultado: IRR = 13,3367% O valor de IRR será armazenado no registro i. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 79

80 IRR calculadora HP 12C Lembrete importante: Cálculo do VPL com fluxos de caixa não agrupados. Se não houver fluxos de caixa iguais e consecutivos, utilize o procedimento descrito no slide anterior. Com esse procedimento, podem ser resolvidos problemas de NPV e IRR (VPL e TIR) com até 20 fluxos de caixa (além do investimento inicial CF 0 ). Cálculo do VPL com fluxos de caixa agrupados. Se dois ou mais fluxos de caixa consecutivos forem iguais, será possível resolver problemas: com mais de 20 fluxos de caixa, minimizando o número de registros necessários até 20, utilizando o procedimento descrito a seguir. Se a minimização ultrapassar 20 registros, outro método deverá ser adotado. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 80

81 IRR calculadora HP 12C Seqüência básica: Armazenar na calculadora os valores dos fluxos de caixa e o respectivo número de vezes consecutivas que eles ocorrem, pressionando: valor CHS g CF 0 para investimento inicial negativo; valor g CF 0 para investimento inicial positivo; consecutivas g Nj para o número de vezes consecutivas do valor; Armazenar a taxa de juros, pressionando taxa i; Calcular o VPL (NPV): pressionando f NPV. Calcular a TIR (IRR): pressionando f IRR. O valor de IRR será armazenado no registro i. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 81

82 IRR calculadora HP 12C Exemplo Um investidor tem a oportunidade de comprar um terreno por R$ e gostaria de ter um retorno de 13,50%. Ele acha que será possível vendê-lo após 10 anos por R$ e prevê os fluxos de caixa anuais mostrados na tabela abaixo. Verificar se o investidor terá lucro ou prejuízo e qual a taxa de juros envolvida. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 82

83 IRR calculadora HP 12C Ano Fluxo de Caixa ($) Como dois valores de fluxo de caixa (R$ e R$9.000) consecutivamente são repetidos, pode-se minimizar o número de registros de armazenamento necessários usando a tecla Nj para indicar o número de vezes consecutivas dos valores. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 83

84 IRR calculadora HP 12C Teclas Mostrador Ação f CLEAR REG 0,00 Zera os registros financeiros e de armazenamento CHS g CF ,00 Armazena o investimento inicial (número negativo) g CF j ,00 Primeiro valor de fluxo de caixa g CF j ,00 Próximo valor de fluxo de caixa g CF j ,00 Próximo valor de fluxo de caixa. 3 g Nj 3,00 Número de vezes que esse valor de caixa ocorre consecutivamente g CF j 9.100,00 Próximo valor de fluxo de caixa g CF j 9.000,00 Próximo valor de fluxo de caixa. 2 g Nj 2,00 Número de vezes que esse valor de caixa ocorre consecutivamente g CF j 4.500,00 Próximo valor de fluxo de caixa g CF j ,00 Último valor de fluxo de caixa. RCL n 7,00 7 valores diferentes de fluxo de caixa foram registrados. 13,5 i 13,50 Armazena a taxa de juros i (13,5%). f NPV 907,77 Calcula o valor de VPL (NPV) e registra em PV ($907,77). f IRR 13,72 Calcula o valor de TIR (IRR) e registra em I (13,72%). Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 84

85 IRR: Exercícios Exemplo: Calcule a IRR para os projetos abaixo, escolha a melhor e justifique sua escolha. Dados PROJETOS A B C Investim ento Inicial ($) Entradas Líquidas de Caixa ($) 1.º ano º ano º ano º ano Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 85

86 IRR: Exercícios Exemplo: Uma geladeira é vendida por $ 800,00 à vista, ou parcelada em 5 vezes, sem entrada, de $ 184,78. Qual a taxa de juros desse crediário? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 86

87 IRR: Exercícios Exemplo: Uma TV é vendida por $ 900,00 à vista, ou pode ser parcelada em 6 vezes (entrada + 5), de $ 180,26. Qual a taxa de juros desse crediário? Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 87

88 F I M Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Referencial: Reinaldo Cafeo / Economia online O material desta apresentação representa uma síntese orientativa para os conteúdos referentes ao tema e uma proposta de assuntos para estudo. Recomendam-se a leitura e o estudo da bibliografia indicada e a pesquisa mais detalhada e aprofundada, para melhor compreensão dos conteúdos. Fluxo Caixa Prof. Sérgio Augusto Lucke 88

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade Curso Básico de Matemática Financeira Celso H. P. Andrade ÍNDICE JURO... 3 FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO... 4 JURO SIMPLES... 6 JURO COMPOSTO... 7 Equivalência de Taxa de Juros... 9 DESCONTO... 10 FLUXO DE

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo...

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo... Tópico Novo O segundo passo... Técnicas de Avaliação Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos Um breve resumo... Comparação e técnicas Ativo Passivo Bens + Direitos INVESTIMENTOS Obrigações

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Escolha de investimentos. Aula de Fernando Nogueira da Costa

Escolha de investimentos. Aula de Fernando Nogueira da Costa Escolha de investimentos via fluxos de caixa descontados Aula de Fernando Nogueira da Costa Idéia Capital Valor do dinheiro no tempo: o capital emprestado (ou investido) em determinado período deve ser

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Prof. Msc. Sergio Silva Braga Junior Consultor Financeiro Observações Gerais É indispensável o uso da calculadora financeira HP-12C O curso

Leia mais

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Sistemas de Amortização... 2. Conceito... 2.2 Sistema Francês de Amortização (Sistema de Amortização Progressiva)... 2.2. Tabela Price... 3.2.2 Descrição das parcelas

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de 1 Sumário Razão... 4 Proporção - Parte 1... 4 Proporção - Parte 2... 5 Proporção - Parte 3... 6 Proporção - Parte 4... 6 Média Aritmética... 7 Média Aritmética Ponderada... 8 Grandezas Proporcionais...

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

SÉRIES UNIFORMES. Fórmulas das séries antecipadas. Fórmulas das séries postecipadas ( ) [ ( ) ( ) ] ] ( ) ( ) ] [ ( ) ( ) ( ) [ ( )] ( )

SÉRIES UNIFORMES. Fórmulas das séries antecipadas. Fórmulas das séries postecipadas ( ) [ ( ) ( ) ] ] ( ) ( ) ] [ ( ) ( ) ( ) [ ( )] ( ) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE - FAC-CG CURSO: Graduação Tecnológica em Gestão Comercial Disciplina: Matemática Comercial e Financeira Prof.: Rosemberg Trindade

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 03: FLUXO DE CAIXA (UNIFORME E IRREGULAR) FLUXO DE CAIXA Denomina-se fluxo de caixa, a sequência

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

HP 12C Conhecimentos Básicos

HP 12C Conhecimentos Básicos HP 12C Conhecimentos Básicos 1 HP 12C Conhecimentos Básicos Apresentação Caro Participante, Este material foi criado objetivando ser uma base de estudo com o propósito de servir de apoio ao treinamento

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

Curso Preparatório. Matemática Financeira

Curso Preparatório. Matemática Financeira Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br Matemática Financeira 1ª Edição CALCULADORA HP 12 C INTRODUÇÃO 2 Memorize o número de série da sua HP-12C, indicada no verso da mesma,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL. Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL. Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1 Sumário Conceitos e Convenções...3 Conceitos...3 Convenções...3 Convenções aplicadas a HP e EXCEL...4 Conhecendo a HP...5 Princípio

Leia mais

Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C

Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C Matemática Financeira - Turma B Departamento de Matemática - ICE - UFJF 2009 Preparação para o uso FUNÇÃO NA COR LARANJA = TECLA LARANJA

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA Curso: Informática Informática Gestão de Negócios. Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária. Professor(a): Darlan Marcelo Delgado. Lista de Exercícios:. Conteúdo

Leia mais

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros 1 MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ Disciplina: Cálculos Financeiros Material de Apoio ao Livro Texto: A Matemática das Finanças: com aplicações na HP 12C e Excel Autores: Adriano Leal Bruni e Rubens Famá 3 a.

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos Matemática Financeira Resumo Prof. Adriana C. Ferrazza Semana Acadêmica Curso de matemática O que são juros? Porque cobrar juros? O que significa Amortizar? Quais os sistemas de amortização? Quando os

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24 1 Quais serão os juros pagos pelo empréstimo de $1. durante um ano a uma taxa de 2% am? P=1. i=2%am n=1 ano(=12meses) F = P. (1+i) n J=F-P J=1.(1+,2) 12 1. = 268,24 3 Qual será o montante pago pelo empréstimo

Leia mais

O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS Maria Lucia Pozzatti Flores* Mestre em Engenharia de Produção. Professora da Ulbra-SM. Aluna especial

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO Taxa de juros: relação percentual entre os juros cobrados, por unidade de tempo, e o capital [principal] emprestado. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Montante: capital

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

A CORREÇÃO MONETÁRIA

A CORREÇÃO MONETÁRIA A CORREÇÃO MONETÁRIA NO FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS Cristiano Gimenes* Resumo Em linhas gerais, um imóvel pode ser adquirido à vista, a prazo ou por troca. Sobre a compra à vista não há problema, alguns cuidados

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE DISCIPLINA: Matemática Financeira e Engenharia Econômica TÓPICO: Sistemas de Amortização Prof: Khalil Conceito: O valor de uma prestação de um financiamento ou empréstimo

Leia mais

Apêndice. Funções financeiras do Excel

Apêndice. Funções financeiras do Excel Apêndice B Funções financeiras do Excel B.1. INTRODUÇÃO...2 B.2. CÁLCULOS FINANCEIROS BÁSICOS...3 B.2.1. NOMENCLATURA E CONVENÇÕES ADOTADAS...3 B.2.2. FUNÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS SIMULADOR DA HP 12 C..

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL O cálculo do VPL do acionista O cálculo do VPL da operação A diferença entre o VPL da operação e o VPL do acionista Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 27 CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE INVESTIMENTO INTEGRAÇÃO ENTRE O CAIXA E O LUCRO CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02 Prof. Mário Leitão Conceitos. A matemática financeira é um ramo da matemática que estuda as variações do dinheiro ao longo de tempo. Dinheiro e tempo... Se seu amigo lhe pedisse

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Curso Preparatório CEA

Curso Preparatório CEA Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br CEA 1ª Edição 13. Matemática Financeira Na prova da ANBIMA, para o CEA, não só é permitido usar calculadora como deve-se utilizar

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS?

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Juros Simples JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Os juros são a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Representam a remuneração do capital empregado em alguma atividade produtiva. Pode ser caracterizado

Leia mais

COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS

COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 6 COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS Adriano Blatt (adriano@blatt.com.br) Engenheiro formado pela Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Aplicações de conceitos da

Aplicações de conceitos da Aplicações de conceitos da matemática financeira WERNKE, RODNEY. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 2. Aula de Fernando Nogueira da Costa

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Luiz Brandão

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Luiz Brandão MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Brandão Índice 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FLUXO DE CAIXA... 5 1.1.1 AMBIENTE... 6 1.1.2 DEFINIÇÕES... 6 1.2 JUROS... 7 1.3 EXERCÍCIOS... 7 2. JUROS SIMPLES 8 2.1 EXERCÍCIOS: JUROS

Leia mais

Gestão Financeira. Cálculos Financeiros. Matemática Financeira. HP12C on line 18/9/2012. Prof.: Marcelo dos Santos

Gestão Financeira. Cálculos Financeiros. Matemática Financeira. HP12C on line 18/9/2012. Prof.: Marcelo dos Santos Gestão Financeira Prof.: Marcelo dos Santos Cálculos Financeiros Matemática Financeira http://fazaconta.com/calculadora-hp-12c-online.htm http://us.geocities.com/univix/hp_12c.htm com/univix/hp htm Fonte:

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Aula 02 Matemática Financeira Prof. Ms. João Domiraci Paccez Aula 02 Conversão das taxas de juros 1. Conversão da taxa de juros 2. Equivalência das taxas de juros na capitalização simples e na composta

Leia mais

Investimento. Uso de recursos visando obter benefícios futuros. 4 Abertura de uma filial. amento de um novo produto / serviço

Investimento. Uso de recursos visando obter benefícios futuros. 4 Abertura de uma filial. amento de um novo produto / serviço Investimento Uso de recursos visando obter benefícios futuros. 4 Abertura de uma filial 4 Lançamento amento de um novo produto / serviço 4 Compra de novos equipamentos 4 Construçã ção de uma nova fábricaf

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras - GEOB Engenharia Econômica aplicada à avaliação de projetos imobiliários 1 2 3 4 Eduardo G. Quiza (41)

Leia mais

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6 COMO DEFINIR A SUBSTITUIÇÃO DE UM A substituição de um equipamento por outro selecionado entre dois outros com vidas úteis iguais! Devemos considerar os insumos passados na substituição de um equipamento?!

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR A taxa interna de retorno é a taxa de juros (desconto) que iguala, em determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com o das saídas (pagamentos)

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto Juros compostos Cada período, os juros são incorporados ao principal e passam, por sua vez, a render juros. Também conhecido como juros sobre juros. Vamos ilustrar a diferença entre os crescimentos de

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa 1 CAPITAL DE GIRO E FLUXO DE CAIXA CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CAPITAL

Leia mais