INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital"

Transcrição

1 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais importante que o administrador financeiro pode tomar, devido a uma série de fatores: - O impacto da decisão é de longo prazo; - Risco envolvido; - Dificuldades de conhecer o momento adequado; - O orçamento de capital é um processo que proporciona a melhoria da decisão; - O orçamento de capital pode melhorar a decisão de financiamento. Orçamento de Capital Processo que consiste em avaliar e selecionar investimentos a longo prazo, que sejam coerentes com o objetivo da empresa de maximizar a riqueza de seus proprietários O Orçamento de Capital procura atender a uma série de objetivos empresariais estratégicos, os quais são fundamentais, na determinação do sucesso ou fracasso das empresas: 1. Maximizar a riqueza do acionista mediante investimentos nos projetos mais rentáveis; 2. Criar sinergia entre os diversos projetos. 3. Substituir ativos obsoletos, desgastados e antieconômicos. 4. Proteger mercado. 5. Conhecer e dominar novas tecnologias. 6. Dominar novos mercados. 7. Inibir concorrentes. 8. Aproveitar recursos existentes e potencial de crédito e de novas captações. 9. Reduzir custos e deficiências. 10. Aproveitar novas oportunidades. De acordo com GITMAN(1997), as empresas geralmente costumam fazer investimentos a longo prazo, mas o investimento mais comum em uma empresa industrial é em ativos imobilizados, que incluem imóveis, instalações e equipamentos. Esses ativos muitas vezes são denominados ativos rentáveis, pois geralmente fornecem a base para a geração de lucro e valor à empresa.

2 6 Gastos de Capital e Gastos Operacionais Gastos de Capital Desembolso de fundos feito pela empresa, com a expectativa de gerar benefícios após um ano. Gastos Operacionais Desembolso de fundos feito pela empresa, resultando em benefícios obtidos em prazo inferior a um ano. Ex. Compras de matérias-primas, salários e diversas despesas Motivos para os Gastos de Capital Expansão Expandir o nível de operações atual da empresa, geralmente com a aquisição de ativos imobilizados. Substituição Substituir ou renovar ativos obsoletos ou gastos. Modernização Inclui a reconstrução, o recondicionamento ou a adaptação de uma máquina ou das instalações existentes. Desenvolvimento de produtos Novos ativos com o objetivo de produzir novos produtos para a empresa. Exigência Legal Ativos que visam atender exigências governamentais Processo de Orçamento de Capital Consiste em cinco etapas distintas, porém interrelacionadas Geração de Propostas Avaliação e Análise Tomada de decisão Implementação Acompanhamento Terminologia Básica Projetos Independentes X Projetos Mutuamente Exclusivos Projetos Independentes São projetos cujos fluxos de caixa não estão relacionados ou são independentes entre si; a aceitação de um deles não exclui a consideração posterior dos demais projetos. Ex.: Instalação de ar condicionado na fábrica; a compra de um novo software para o chão da fábrica ; a aquisição da empresa de um pequeno fornecedor; troca da frota de veículos. Projetos Mutuamente Exclusivos São projetos que possuem a mesma função e, consequentemente, competem entre si; a aceitação de um projeto elimina a consideração dos demais. Ex.: Expansão da fábrica; aquisição de outra empresa; a contratação de outra empresa para a fabricação.

3 7 Fundos Ilimitados X Racionamento de Capital Fundos Ilimitados É a situação financeira na qual a empresa é capaz de aceitar todos os projetos independentes que propiciam retorno aceitável para a empresa. Racionamento de Capital É a situação financeira na qual a empresa tem somente um valor monetário fixo para alocar entre alternativas de investimento que competem entre si. Aceitação-Rejeição e Classificação de projetos Aceitação-Rejeição Envolve a avaliação de propostas de orçamento de capital para determinar se atendem ao critério mínimo de aceitação da empresa. Classificação de projetos Envolve o ordenamento dos projetos com base em alguma medida predeterminada, como a taxa de retorno. Padrões de Fluxos de Caixa convencionais X não convencionais Fluxo de Caixa Convencional Consiste em uma saída inicial de caixa seguida somente por uma série de entradas. R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 Entradas de caixa 0 Saídas de caixa R$10 Tempo (anos) Fluxo de Caixa não-convencional É o padrão em que uma saída inicial não é seguida por uma série de entradas. R$5 R$5 R$5 R$5 R$5 R$5 R$5 R$5 R$5 Entradas de caixa 0 5 Saídas de caixa R$20 Tempo (anos) R$8

4 8 1.2 Fluxo de Caixa relevantes para análise de projetos de investimento Fluxo de Caixa Relevantes É a saída de caixa incremental, após os impostos (investimentos) e as entradas de caixa subsequentes resultantes, associados a um gasto de capital proposto. Principais Componentes de fluxo de caixa - Investimento Inicial É a saída de caixa relevante no instante zero, associada a um projeto proposto a longo prazo. - Entradas de caixa operacionais Entradas de caixa incrementais, após os impostos, originárias do projeto ao longo de usa vida. - Fluxo de caixa residual É o fluxo de caixa não operacional, após o imposto de renda, que ocorre no final do projeto, em geral decorrente da liquidação do projeto. Fluxo de caixa residual R$5 Entradas de caixa operacionais R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$2 R$ R$10 Investimento inicial Tempo (anos) Fluxo de caixa de expansão e Fluxo de caixa de substituição Fluxo de caixa para decisões de substituição Investimento Inicial Investimento Inicial necessário para adquirir um novo ativo = - Entradas de caixa, após o IR, da liquidação do antigo ativo Entradas de caixa operacionais Entradas de caixa operacionais do novo ativo = - Entradas de caixa operacionais do antigo ativo Fluxo de caixa residual Fluxo de caixa, após o IR, do término do novo ativo = - Fluxos de caixa, após o IR do término do antigo ativo

5 9 Determinação do Investimento Inicial Fluxo de caixa para decisões de expansão O investimento inicial, as entradas operacionais e o fluxo de caixa residual são simplesmente as saídas e entradas associadas à própria proposta de gasto de capital - Investimento Inicial É a saída de caixa relevante no instante zero, associada a um projeto proposto a longo prazo. Variáveis básicas - custos de instalação do novo ativo - recebimentos (se houver) pela venda do ativo antigo descontado o IR - mudanças (se houver) no capital circulante líquido. Custo do novo ativo instalado = Custo do novo ativo + custo de instalação (-) Recebimentos, após IR, obtido com a venda do ativo antigo = recebimento com a venda do ativo antigo imposto de renda* Variação no capital circulante líquido = Investimento inicial * O imposto de renda incidente sobre a venda de um ativo velho depende da relação entre o preço de venda desse ativo, seu preço inicial de compra e o seu valor contábil. EXEMPLO: Uma grande e diversificada fabricante de componentes aeronáuticos, está tentando determinar o investimento inicial necessário para substituir uma máquina antiga por um modelo novo e muito mais sofisticado. O preço de compra da nova máquina é R$ , e R$ adicionais serão exigidos para instalá-la. Ela será depreciada pelo método de depreciação linear durante cinco anos. A máquina atual(antiga) foi comprada há três anos por R$ e está sendo depreciada pelo método linear, pelo período de cinco anos. A empresa encontrou um comprador disposto a pagar R$ pela máquina atual e a arcar com os custos de sua remoção. A empresa espera que haja um aumento de R$ nos ativos circulantes e de R$ nos passivos circulantes, em conseqüência da substituição; essas variações acarretarão um aumento de R$ ( ) no capital circulante líquido. A empresa está na faixa de 25% de imposto de renda, tanto para o resultado operacional quanto para os ganhos de capital.

6 10 a) Calcule o valor contábil para o equipamento existente. b) Determine os impostos, se devidos, incidentes sobre a venda do equipamento existente. c) Calcule o investimento inicial associado à proposta de substituição de equipamento. Resolução: a) Valor contábil = custo histórico(valor de compra) depreciação acumulada Custo histórico = R$ Depreciação anual = Valor de compra/ Vida útil do ativo Depreciação anual = /5 = R$48000 Depreciação acumulada após 3 anos = *3 = R$ Valor contábil = = R$ b) Impostos sobre a venda do equipamento existente: - Ganho de capital = preço de venda preço de compra Ganho de capital = R$ R$ = R$ Depreciação recuperada = preço de compra valor contábil Deprec. Recuperada = R$ R$ = R$ Imposto = [0,25 * (ganho de capital + deprec.recuperada)] Imposto = [0,25 * ( )] = R$ c) Investimento Inicial Custo do novo ativo instalado Custo do novo equipamento Custos de instalação = Custo total do novo ativo instalado Recebimento após IR sobre a venda do ativo existente Recebimento da venda do ativo existente Imposto de renda sobre a venda do ativo existente (46.000) Recebimento após IR sobre a venda do ativo existente ( ) + Variação no capital circulante líquido = Investimento inicial * * Este valor representa a saída de caixa líquida necessária no instante zero Determinação das entradas de caixa operacionais - Entradas de caixa operacionais Entradas de caixa incrementais após o imposto de renda, originárias do projeto ao longo de sua vida. Receita - Despesas (excluindo a depreciação) = Lucro antes da depreciação e do imposto de renda - Depreciação = Lucro líquido antes do imposto de renda - Imposto de Renda = Lucro líquido após o imposto de renda + Depreciação = Entradas de caixa operacionais

7 11 EXEMPLO: As estimativas de receitas e despesas (excluindo a depreciação), da indústria do exemplo anterior, com a nova máquina proposta e com a máquina atual, são fornecidas abaixo. A vida útil da máquina proposta e a vida útil restante da máquina atual são iguais a 5 anos. Utilizando o método de depreciação linear, e uma alíquota de IR de 25%, calcule: a) As entradas de caixa da máquina proposta. b) As entradas de caixa da máquina atual. c) As entradas de caixa incrementais do projeto proposto. Máquina proposta Máquina atual Ano Receita Despesa Receita Despesa 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Resolução: a) Máquina Proposta Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Receita R$ R$ R$ R$ R$ (-) Despesas (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) Lucro antes da deprec e IR R$ R$ R$ R$ R$ (-) Depreciação (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) Lucro antes do IR R$ R$ R$ R$ R$ (-) IR (25%) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) Lucro líquido depois do IR R$ R$ R$ R$ R$ (+) Depreciação R$ R$ R$ R$ R$ Entradas de caixa operacionais R$ R$ R$ R$ R$ b) Máquina Atual Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Receita R$ R$ R$ R$ R$ (-) Despesas ( R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) Lucro antes da deprec e IR R$ R$ R$ R$ R$ (-) Depreciação R$ R$ R$ - R$ - R$ - Lucro antes do IR R$ R$ R$ R$ R$ (-) IR (25%) R$ R$ R$ R$ R$ Lucro líquido depois do IR R$ R$ R$ R$ R$ (+) Depreciação R$ R$ R$ - R$ - R$ - Entradas de caixa operacionais R$ R$ R$ R$ R$

8 12 c) Entradas de Caixa Incrementais Ano Máq. Proposta Máq. Atual Incrementais 1 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 2 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 3 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 4 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 5 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Cálculo do Fluxo de Caixa Residual - Fluxo de Caixa Residual É o fluxo de caixa relevante, resultante do encerramento e da liquidação de um investimento a longo prazo no final de sua vida útil. Variáveis básicas - Resultados com a venda de ativos - Impostos incidentes na venda de ativos - mudanças (se houver) no capital circulante líquido. Recebimento pela venda do novo ativo após o IR = Recebimentos pela venda do novo ativo Imposto de Renda (-) Recebimento pela venda do ativo velho após o IR = Recebimento pela venda do ativo velho Imposto de renda + Variação no capital circulante líquido* = Fluxo de Caixa Residual * A variação no capital circulante líquido reflete a reversão para sua situação original, de qualquer investimento no capital circulante líquido, refletido como parte do investimento inicial. Exemplo: Prosseguindo com o exemplo anterior, vamos supor que a empresa espere ser capaz de vender a nova máquina no final de seu quinto ano de vida útil pelo valor líquido de R$50.000, após pagar custos de vendas e remoção. A máquina velha pode ser liquidada no final de seu quinto ano de vida por R$0, pois estará completamente obsoleta. A empresa espera recuperar os R$ de investimento em capital circulante líquido ao término do projeto. Como foi mostrado antes, tanto os ganhos operacionais como os ganhos de capital são taxados à mesma alíquota de imposto de renda de 25%. Calcule o fluxo de caixa residual associado à decisão de substituição proposta.

9 13 Resolução: Valor contábil da máquina proposta = custo histórico depreciação acumulada Valor contábil = R$ R$ = R$0,00 (totalmente depreciada) Valor Contábil da máquina velha = 0 (totalmente depreciada) Imposto sobre a venda da máquina proposta: - Ganho de capital = preço de venda valor contábil Ganho de capital = R$ R$0,00= R$ Imposto = 0,25 * (ganho de capital) Imposto = 0,25 * (50.000) = R$ Imposto sobre a máquina velha = 0, pois Valor contábil = 0 e Valor = 0 Recebimento pela venda do novo ativo após IR Recebimento pela venda do novo ativo Impostos incidentes na venda do novo ativo = Resultado final pela venda do ativo após o IR Recebimento após IR sobre a venda do ativo velho Recebimento da venda do ativo velho 0 Imposto incidente sobre a venda do ativo velho 0 Resultado final pela venda do ativo velho após o IR 0 + Variação no capital circulante líquido = Fluxo de Caixa Residual Os fluxos de caixa relevantes da empresa para a proposta de dispêndio de capital com a substituição de equipamento podem ser representados na linha do tempo: R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Fluxo de caixa residual Entradas de caixa operacionais Fluxo de caixa total R$ Investimento inicial Tempo (anos)

10 QUESTÕES PARA REVISÃO 1. O que é Orçamento de capital? 2. Por que as decisões de orçamento de capital são essenciais para o sucesso da empresa? 3. Qual é a importância das decisões de investimentos a longo prazo para a empresa e para a economia como um todo? 4. Conceitue gastos de capital, e em que se distingue dos gastos operacionais. Cite exemplos. 5. Todos os gastos de capital envolvem ativos imobilizados? Explique. 6. Quais são os motivos básicos para se fazer gastos de capital? Explique, discuta e compare esses motivos. 7. Descreva quais as etapas do processo de orçamento de capital. 8. Defina e diferencie cada um dos grupos de termos associados ao orçamento de capital. a) Projetos independentes e projetos mutuamente exclusivos. b) Fundos ilimitados e racionamento de capital. c) Padrões de fluxos de caixa convencionais e não convencionais. 9. O que são fluxos de caixa relevantes? 10. Descreva quais são os principais componentes do fluxo de caixa. 11. Explique quais são as diferenças entre os fluxos de caixa nas decisões de expansão versus decisões de substituição de investimento. 12. Quais são as variáveis básicas para o cálculo do investimento inicial em uma proposta de investimento. Qual o formato básico para este cálculo? 13. Com os dados de receitas, despesas (excluindo depreciação), e depreciação do ativo atual e do ativo proposto, como seriam calculadas as entradas de caixa operacionais incrementais para efeito de decisão? 14. O que é fluxo de caixa residual? Use o formato básico apresentado para explicar como o valor desse fluxo de caixa é calculado em projetos de substituição. 1.5 EXERCÍCIOS 1. Uma indústria está considerando a compra de um novo equipamento para substituir o existente. O novo equipamento custará R$ e exigirá R$5.000 em custos de instalação. Ele será depreciado pelo método linear utilizando um período de depreciação de cinco anos. O equipamento existente foi adquirido a um custo total de R$50.000, quatro anos atrás; ele está sendo depreciado pelo método linear, utilizando um período de depreciação de cinco anos. Esse equipamento pode ser vendido hoje por R$55.000, líquidos de quaisquer despesas com venda ou remoção. Como resultado dessa proposta de substituição de equipamento, espera-se que o investimento em capital circulante líquido aumente em R$ A empresa paga imposto de renda a uma alíquota de 25%, tanto nos seus ganhos normais, quanto nos seus ganhos de capital. a) Calcule o valor contábil para o equipamento existente. b) Determine os impostos, se devidos, incidentes sobre a venda do equipamento existente. c) Calcule o investimento inicial associado à proposta de substituição do equipamento.

11 15 2. Uma indústria está considerando a compra de uma nova máquina para substituir uma já existente. A máquina atual foi comprada há 3 anos por um custo total de R$20.000; ela está sendo depreciada pelo método linear por um período de 5 anos. A nova máquina custaria R$ e exigiria mais R$5.000 para instalação; ela seria depreciada por um período de cinco anos pelo método de depreciação linear. A máquina existente pode ser vendida hoje por R$25.000, livres de custos de venda ou remoção. A empresa paga imposto de renda a uma alíquota de 25%, tanto para os ganhos normais quanto para os ganhos de capital. Calcule o investimento inicial associado à compra da máquina nova. 3. Uma empresa está considerando a reforma de seu equipamento para atender à crescente demanda por seus produtos. O custo para as modificações no equipamento será de R$1,9 milhão mais R$ de instalação. A empresa depreciará as modificações no equipamento por um período de cinco anos. As receitas de vendas adicionais proporcionadas pela reforma seriam de R$1,2 milhão por ano, e as despesas operacionais adicionais e outros custos (excluindo a depreciação) serão no montante de 25% das vendas adicionais. A empresa tem uma alíquota de imposto de renda de 25%. Responda as questões: a) Quais serão os lucros incrementais antes da depreciação e impostos gerados pela reforma? a) Quais serão os lucros incrementais após os impostos gerados pela reforma? b) Quais serão as entradas de caixa operacionais incrementais geradas pela reforma? 4. Uma indústria está considerando a substituição de um torno mecânico totalmente depreciado, que vai durar outros cinco anos. O novo torno deverá Ter vida útil de cinco anos e despesas com depreciação de R$2.000 por ano. A empresa estima as receitas e despesas (excluindo a depreciação para o torno novo e para o usado apresentado no quadro a seguir. A empresa está sujeita a uma alíquota de IR de 25%). a) Calcule as entradas de caixa operacionais associadas a cada torno. b) Calcule as entradas de caixa incrementais resultantes da proposta de substituição. Torno Novo Torno usado Ano Receitas Despesas Receitas Despesas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 5. Uma máquina que está sendo usada atualmente foi comprada dois anos atrás por R$ Ela está sendo depreciada pelo método linear, usando-se um período de depreciação de cinco anos, e tem três anos de vida útil remanescente. Essa máquina pode ser vendida hoje por R$42.000, líquidos de quaisquer custos de venda ou remoção. Uma nova máquina, utilizando o método linear de depreciação por três anos pode ser adquirida pelo preço de R$ São necessários R$ para instalá-la e ela tem três anos de vida útil. Se a nova máquina for adquirida, espera-se que o investimento em duplicatas a receber aumente em R$10.000, o investimento em estoques cresça em R$25.000, e as duplicatas a pagar cresçam em R$ Espera-se que os lucros antes da depreciação e imposto de renda sejam de R$ para cada um dos próximos três anos, com a máquina existente, e de R$ no primeiro ano e R$ no segundo e terceiro anos, com a nova máquina. Ao final dos três anos, o valor de mercado da máquina existente, seria igual a zero, mas a nova máquina poderia ser vendida por R$35.000, antes dos impostos. Tanto os ganhos normais quanto os ganhos de capital são taxados a uma alíquota de 25% de imposto de renda.

12 16 a) Determine investimento inicial associado à decisão de substituição proposta. b) Calcule as entradas de caixa operacionais incrementais para os anos 1 a 3, associadas à proposta de substituição. c) Calcule o fluxo de caixa residual associado à decisão de substituição proposta. (Obs.: isso ocorre no final do terceiro ano.). d) Trace o diagrama dos fluxos de caixa relevantes encontrados em a, b e c, associados a decisão de substituição proposta, supondo que seu término seja no final do terceiro ano. 6. Uma empresa está analisando a compra de um novo triturador super-rápido para substituir o existente. Ele foi comprado dois anos atrás, a um custo instalado de R$60.000; está sendo depreciado em um período de cinco anos pelo método linear. A nova máquina irá custar R$ e irá exigir R$5.000 para instalação; ela tem uma vida útil de cinco anos e seria depreciada pelo método linear por igual período. A máquina usada poderia ser vendida hoje por R$70.000, sem incorrer em custos de venda ou remoção. Para sustentar o aumento nos negócios, resultante da compra do novo triturador, as duplicatas a receber iriam crescer em R$40.000, os estoques em R$30.000, e as duplicatas a pagar em R$ Ao final dos cinco anos, espera-se que a máquina existente tenha um valor de mercado de zero, e a nova poderia ser vendida por R$ antes dos impostos. A empresa paga imposto de renda a uma alíquota de 25%. Os lucros estimados antes da depreciação e imposto de renda para os próximos cinco anos, tanto para o triturador novo como para o existente são apresentados no quadro abaixo: Lucro antes da depreciação e do IR Ano Triturador Novo Triturador usado a) Calcule o investimento inicial associado à substituição do triturador existente pelo novo. b) Determine as entradas de caixa operacionais incrementais associadas à proposta de substituição. c) Determine o fluxo de caixa residual esperado para a proposta de substituição. d) Faça o diagrama do fluxo de caixa relevante, associado à decisão de substituição. 7. A Atlantic Drydock está analisando a possibilidade de substituir um guindaste por um equipamento mais nove e eficiente. O guindaste atual tem três anos de uso, custou R$ e está sendo depreciado pelo método linear por um período de cinco anos. O guindaste A, uma das alternativas de substituição, custa R$ e envolve despesas de instalação de R$8.000; tem vida útil de cinco anos e será depreciado pelo método linear pelo prazo de cinco anos. O guindaste B (a outra alternativa), pode ser comprado por R$ e instalado por R$6.000; também tem vida útil de cinco anos e será depreciado pelo método linear pelo prazo de cinco anos. Investimentos adicionais em capital de giro líquido acompanharão a decisão de adquirir o guindaste A ou o B. A compra de A resultaria em um aumento de capital de giro líquido de R$4.000; a compra de B resultaria em mais R$6.000 de capital de giro líquido. As projeções de lucro antes da depreciação e do imposto de renda para cada alternativa de compra e para o guindaste atual são fornecidas na tabela a seguir.

13 17 Lucro antes da depreciação e do IR Ano Guindaste A Guindaste B Guindaste atual O guindaste já existente pode ser vendido agora por R$ e não provocará custos de remoção nem de limpeza; ao final de cinco anos poderá ser vendido pelo preço líquido de R$1.000 antes do imposto de renda. Os guindastes A e B poderão ser vendidos pelo preço líquido de R$ e R$20.000, respectivamente, antes do IR, também no final de cinco anos. A empresa está sujeita à alíquota de 25% de imposto sobre rendimentos ordinários e ganhos de capital. a) Calcule o investimento inicial associado a cada alternativa. b) Calcule as entradas operacionais incrementais de caixa associadas a cada alternativa. c) Calcule o fluxo de caixa residual no final do ano 5 associada a cada alternativa. d) Represente, em uma linha de tempo, os fluxos de caixa associados a cada alternativa.

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I:

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I: Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa Unidade I: 0 Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa 2. Aspectos contábeis e tributários 2. 1. Fundamentos de depreciação

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 4 4.1 Demanda por moeda O Fed (apelido do Federal Reserve Bank) é o Banco Central dos Estados Unidos. A moeda, que você pode usar para transações,

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01

NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 Assegurar que os ativos NÃO estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível de ser recuperado por uso ou

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia INTRODUÇÃO CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES A Eng. Econômica objetiva a análise econômica de decisão sobre investimentos, considerando o custo do capital empregado. ETAPAS DA ANÁLISE: 1) Análise técnica

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

Análise Econômica. Nívea Cordeiro

Análise Econômica. Nívea Cordeiro Análise Econômica Nívea Cordeiro 1 2011 Análise Econômica Permite levantar o montante que será gasto no empreendimento e se este dará lucro ou prejuízo. A análise econômica trabalha por competência, permitindo

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM Para novos investimentos com ciclo de vida determinado. Para novos investimentos com ciclo de vida indeterminado. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO O que é Ponto de Equilíbrio? Quais são as hipóteses consideradas para análise do Ponto de Equilíbrio? Como determinar as várias modalidades do Ponto de Equilíbrio? Como elaborar

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6 COMO DEFINIR A SUBSTITUIÇÃO DE UM A substituição de um equipamento por outro selecionado entre dois outros com vidas úteis iguais! Devemos considerar os insumos passados na substituição de um equipamento?!

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO CURSO: Administração DISCIPLINA: Orçamento, Estrutura e Custo de Capital CONTEÚDISTA: Kátia de Almeida

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas)

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) EBITDA e EBIDA juntos. O que separa o EBIDA da geração de caixa operacional efetiva. O que separa

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado! Estimativa do Fluxo de Caixa! O método do fluxo de caixa descontado! Valor presente do fluxo de caixa futuro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 Aprova a OTG 1000 que dispõe sobre modelo contábil para microempresa e empresa de pequeno porte O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Cadeias Produtivas Solidárias

Cadeias Produtivas Solidárias Cadeias Produtivas Solidárias Euclides André Mance IFiL, Curitiba, 11/2002 Definição Sintética As cadeias produtivas compõem todas as etapas realizadas para elaborar, distribuir e comercializar um bem

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário Receita Federal do Brasil 2012 Concurso para o cargo de Analista Tributário representa as origens de recursos (Passivo e Patrimônio Líquido), e o lado esquerdo as aplicações (Ativo). comentada da prova

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais