Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:"

Transcrição

1 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0

2 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos em ativos permanentes, ou seja, em imobilizado, mais precisamente em novos equipamentos, em novas máquinas, em novas fábricas, bem como em aquisição ou participação em empresas ou unidades de negócios. Assim, os gastos despendidos pelas empresas em investimentos de longo prazo são contabilizados em contas que fazem parte do ativo permanente, o qual é classificado em investimentos, imobilizado, intangível e diferido, conforme normas contábeis aplicadas às demonstrações financeiras. Apresentamos a seguir a classificação das contas do ativo, o qual é classificado em ativo circulante e não circulante e, dentro do não circulante, temos o realizável a longo prazo e o ativo permanente, conforme figura abaixo: ATIVO ATIVO CIRCULANTE ATIVO NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo ATIVO PERMANENTE Investimentos Imobilizado Intangível Diferido ATIVO TOTAL Figura nº 1 Classificação das contas no Balanço Patrimonial As decisões de investimento de longo prazo são, também, denominadas de projeto de investimentos, ou ORÇAMENTO DE CAPITAL e, normalmente, envolvem gastos de elevados valores e fazem parte do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO das empresas. 1

3 Definição de Orçamento de Capital Conforme Groppelli (1998, p.119), Orçamento de capital consiste um método para avaliar, comparar e selecionar projetos que obtenham o melhor retorno a longo prazo. Já conforme Gitman (2008, p.304), Orçamento de capital é o processo de avaliação e seleção de investimentos de longo prazo compatíveis com o objetivo de maximização da riqueza do proprietário da empresa. Assim, através do Orçamento de Capital, a administração da empresa escolhe os projetos para implantação, com base em critérios de decisão, que atendam às expectativas de retorno dos acionistas/sócios Principais Características do Orçamento de Capital faz parte do planejamento estratégico das empresas; os investimentos têm a finalidade de criar valor e vantagens competitivas para a empresa. O Orçamento de Capital envolve um investimento inicial substancial, por isso faz parte do planejamento estratégico e, após a finalização do projeto, há uma série de entradas de caixa provenientes da geração operacional do projeto, que pode ser desde a aquisição de uma nova máquina até uma nova fábrica. As entradas de caixa de um projeto são também denominadas de fluxos operacionais de caixa. Cabe ressaltar que decisões erradas de Orçamento de Capital podem levar uma empresa a ter dificuldades financeiras, ou até ir à falência. Assim como a não realização de investimentos acarreta perda de competitividade da empresa. O estudo de um projeto de investimento de longo prazo deve considerar as perspectivas econômicas e políticas do País. O crescimento econômico e a estabilidade política de um país criam um ambiente favorável para os investimentos empresariais. Os estudos para subsidiar as decisões de Orçamento de Capital devem considerar o cenário econômico e político de longo prazo. Apresentamos a seguir lembretes dos principais pontos e palavraschaves, que você deve atentar. 2

4 LEMBRETE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORÇAMENTO DE CAPITAL INVESTIMENTOS de longo prazo CRIAR VALOR E VANTAGENS COMPETITIVAs Tipos de Projetos de Investimentos Empresariais Existem diversos tipos de projetos de investimentos empresariais, como veremos a seguir. Você deve atentar para os projetos de substituição e de expansão, que são os dois principais tipos. Além disso, iremos tratar deles detalhadamente, efetuando as projeções de fluxos operacionais de caixa. Tipos de Projetos Substituição de máquinas ou de equipamentos existentes Em função do fim da vida útil ou do desgaste de máquinas e equipamentos, as empresas devem efetuar gastos com sua substituição, com a finalidade de manter sua capacidade de produção. Quando a substituição é feita por um mesmo tipo de máquina ou equipamento, trata-se de decisão rotineira, pois não envolve risco elevado. Exemplo: a substituição de um veículo por outro do mesmo tipo, ou de vários veículos de uma empresa transportadora de cargas. Nesse caso, não envolve expansão da atividade, nem alteração de tecnologia. 3

5 No caso de substituição com alteração do tipo ou de tecnologia, a decisão deixa de ser rotineira, e o estudo do projeto de investimento deve ser mais detalhado, pois envolve mais riscos. Projeto de Modernização São os projetos de substituição de máquinas, equipamentos ou processo produtivo com alteração de tecnologia, visando a reduzir custos e/ou aumentar a produtividade. Exemplo: substituição de uma máquina por outra automática, que irá reduzir a utilização de mão-de-obra. Projeto de Expansão Os projetos de investimento de expansão têm a finalidade de aumentar a capacidade de produção, visando a atender demanda já existente para os produtos fabricados, ou quando há estimativa de crescimento da demanda. Exemplos: aquisição de mais máquinas, aumentando a capacidade de produção da fábrica; construção de novas unidades industriais. Projeto de lançamento de novo produto Tem a finalidade de diversificar o portfólio de produtos e/ou mercado de atuação. Exemplos: o lançamento de refrigerante light por uma empresa de bebidas, ou produção de suco à base de soja. Projetos financeiros São projetos que podem envolver a compra de investimentos financeiros - por exemplo - compra de ações/debêntures de outra empresa ou, ainda, a reestruturação de passivos onerosos, isto é, empréstimos e financiamentos de instituições financeiras, com a finalidade de reduzir o custo de capital, ou seja, as despesas com juros. Exemplo: empresa com alto endividamento bancário de curto prazo estuda as possibilidades de alongamento das dívidas e redução do custo financeiro. Investimentos estratégicos Estes projetos podem envolver investimentos em novas áreas de negócios, alterando a atividade principal, ou a aquisição de concorrentes. 4

6 Pode, ainda, envolver a compra de unidade de negócios de outra empresa, em vez da empresa toda. Exemplos: a Perdigão adquiriu a empresa Avipal, que atua no segmento de avicultura e leite, de marca Elegê. A empresa Bertin, que atua no segmento de frigorífico de bovinos, adquiriu a Vigor, que atua no segmento de laticínios. Outros investimentos Podem existir ainda outros gastos de capital, com a finalidade de atender exigências legais ou sindicais. Exemplos: construção de refeitório para funcionários; investimentos em meio ambiente para evitar poluição, ou recuperar áreas etc. Cabe ressaltar que referidos projetos são de difícil avaliação, visto que não geram fluxos de caixa mensuráveis, porém, preservam a imagem da empresa. LEMBRETE TIPOS DE PROJETOS SUBSTITUIÇÃO MODERNIZAÇÃO EXPANSÃO LANÇAMENTO DE PRODUTO PROJETO ESTRATÉGICO outros O Processo de Orçamento de Capital As decisões de gastos de capital passam por diversas etapas. Conforme Gitman (2008, p.304), o processo de orçamento de capital compreende cinco etapas distintas. Referidas etapas são: geração de propostas, revisão e análise, tomada de decisão, implantação e acompanhamento. 5

7 Preparação de um projeto de investimento empresarial Em termos práticos, a preparação de um projeto de investimento inclui os seguintes passos listados a seguir, com relação às projeções dos valores envolvidos, ou seja, a parte financeira, que é objeto desta disciplina. Orçamento deve constar o valor do investimento a ser realizado, listando as máquinas a serem adquiridas, as despesas com a instalação, bem como todos os gastos necessários para colocar o ativo em funcionamento. A preparação do orçamento deve ser feita em uma planilha Excel. Projeções das saídas e entradas de caixa com base nos valores constantes no orçamento, projeta-se as saídas de caixa. Além disso, estima-se as entradas operacionais, ou seja, os benefícios esperados com o investimento. As projeções também podem ser feitas em uma planilha Excel, que contam com diversos recursos para os cálculos financeiros. Avaliação do projeto com base nos valores de saída e entradas de caixa, efetua-se as análises de viabilidade financeira do projeto, tais como o Valor Presente Líquido (VPL), a Taxa Interna de Retorno (TIR), o Payback, e outros critérios que podem ser utilizados pelas empresas para decidir a realização do investimento. Os cálculos financeiros são feitos com a calculadora financeira HP. Decisão - após os estudos da viabilidade do projeto, a decisão de aceitar a sua realização fica a cargo da administração da empresa, a qual deve obedecer à alçada decisória competente, que pode variar conforme o valor do investimento. Os grandes investimentos estão na alçada do alto escalão (Conselho de Administração). Implantação após a decisão de realizar o projeto, inicia-se a fase das obras e dos desembolsos de caixa. Acompanhamento - nesta etapa, deve-se verificar se as projeções de entradas e saídas de caixa, constantes no orçamento, estão se confirmando. No acompanhamento, deve-se comparar os valores orçados com os gastos efetivos. 6

8 Ressaltamos que, com relação à avaliação do projeto, utilizando as técnicas de Valor Presente Líquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR) e Payback, será objeto de estudo nas próximas aulas, assim como a utilização de calculadora financeira HP. Lembramos que, antes das projeções, outros estudos também devem ser efetuados, relativos ao ambiente econômico, mercado de atuação, concorrência etc., enfim um plano de negócio, porém, estes aspectos não serão tratados neste curso. Se VOCÊ pretende ser um empreendedor, já pode colocar a sua idéia no papel, utilizando os conhecimentos adquiridos nesta disciplina e em outras do curso Terminologia e Premissas Básicas As empresas podem contar com diversas alternativas de investimentos, assim as áreas de negócios apresentam os projetos para decisão da administração, os quais podem ser classificados, conforme a relação entre eles: projetos mutuamente excludentes; projetos independentes. Projetos mutuamente excludentes Quando há dois ou mais projetos mutuamente excludentes, uma empresa pode selecionar apenas um e, dessa forma, os outros são rejeitados, ou seja, a escolha de um exclui os demais. São investimentos que competem de alguma forma pelos recursos da empresa. Por exemplo: uma empresa de laticínio tem um projeto de aquisição de mais máquinas para aumentar a produção de leite longa vida; e outro que consiste em adquirir uma fábrica já pronta, que está à venda. A aceitação de um investimento elimina a necessidade do outro. Projetos independentes Nesse caso, a empresa pode selecionar um ou mais dos projetos propostos pelas áreas de negócios, desde que atendam às exigências de aceitação, bem como exista capital suficiente para implantar os projetos aceitos. Assim, a aceitação de um projeto não afeta a aceitação dos outros. 7

9 Cabe ressaltar que os fluxos de caixa dos projetos independentes não têm relação uns com os outros. Por exemplo: uma empresa de bebidas possui dois projetos: um de substituição de uma máquina obsoleta e o outro de desenvolvimento de um novo produto, isto é, os projetos são independentes e, desde que não exista restrição de capital, os dois podem ser aceitos Restrição de Capital As decisões sobre os gastos de capital, ou seja, investimentos de longo prazo, são afetadas pelo volume de recursos disponíveis para sua realização. O estudo das fontes de recursos faz parte das decisões de financiamento de longo prazo. Em termos de fontes de financiamento de longo prazo, as empresas podem contar com recursos próprios já existentes, ou efetuar captação através: de aumento de capital; de emissão de títulos no mercado, como debêntures; ou a contratação de empréstimos de longo prazo. Cabe ressaltar que os recursos para financiar os projetos de investimentos precisam ser de fontes de longo prazo, ou seja, uma empresa nunca deve utilizar empréstimos de curto prazo para financiar aquisição de ativos imobilizados. Como você viu no início desta Unidade, as decisões de investimento estão relacionadas às rubricas do ativo permanente do balanço patrimonial de uma empresa, principalmente, no imobilizado (máquinas, equipamentos etc.); já as decisões de financiamento dos investimentos são afetas ao passivo não circulante, ou seja, obrigações de longo prazo e patrimônio líquido. As fontes de financiamento de projetos podem ser: recursos próprios (patrimônio líquido), como capital e reservas de lucros, ou seja, lucros acumulados ou lucros retidos; recursos de terceiros (passivo de longo prazo): financiamento de longo prazo e outras obrigações de longo prazo, como debêntures. 8

10 Apresentamos a seguir o balanço patrimonial com as rubricas que são afetadas pelas decisões de investimento (Ativo Permanente) e pelas decisões de financiamento (Exigível a Longo Prazo e Patrimônio Líquido). Figura nº 2 - Balanço Patrimonial Seleção de Projetos A aceitação ou rejeição de um projeto pela administração de uma empresa é feita com base em critério mínimo de aceitação. São exemplos de critérios de aceitação de um projeto: Taxa Interna de Retorno (TIR), Valor Presente Líquido (VPL), Payback, os quais serão estudados mais adiante. Não havendo restrição de capital, a decisão para aceitar ou rejeitar um projeto é tomada com base apenas nos critérios de aceitação adotados pela administração da empresa. Ou seja, caso a empresa tenha recursos para realizar um investimento de longo prazo, e o projeto apresente viabilidade econômico-financeira, dentro dos critérios adotados pela administração, poderá ser realizado. LEMBRETE PREPARAÇÃO DE UM PROJETO Orçamento PROJEÇÕES DAS SAÍDAS E ENTRADAS DE CAIXA Avaliação do projeto Decisão Implantação acompanhamento 9

11 Referências Gitman, Laurence J. Princípios de Administração Financeira, 10ª Ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, Groppelli, A.A.; Nikbakht, Ehsan. Administração Financeira, 3ª Ed. São Paulo: Saraiva, Lapponi, Juan Carlos. Projetos de Investimento na Empresa, 1ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier,

12 11 Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Iraci de Oliveira Motta Rapp Revisão Textual: Profª Ms. Rosemary Toffoli Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil Tel: (55 11)

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Copyright@ Abelardo Puccini. 2009. Editora Saraiva. Taxa Mínima de Atratividade - 1 Taxa Mínima de Atratividade (i Min ) é o custo de oportunidadedo investidor.

Leia mais

Ponto de Equilíbrio com vários produtos: saiba como descobrir

Ponto de Equilíbrio com vários produtos: saiba como descobrir Este conteúdo faz parte da série: Cálculo de Ponto de Equilíbrio Ver 3 posts dessa série O que é: O ponto de equilíbrio de um produto é o valor específico que deve ser cobrado para vendê-lo e cobrir todos

Leia mais

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa FEA - USP Graduação Ciências Contábeis EAC0511 Profa. Joanília Cia Tema 07 Decisões de Investimento e Orçamento de Capital 7. Decisões Estratégicas de Investimentos:Orçamento de Capital 1. Introdução II.

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O que é custo de oportunidade Exemplo de custo de oportunidade em uma planilha de

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES FIP/MAGSUL 2016

PROJETO DAS FACULDADES FIP/MAGSUL 2016 Administração: (Bacharel) Direito: (Bacharel) Mantida pela A.E.S.P. R: Tiradentes, 322 Centro Tel.: (67) 3437-8820 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br PROJETO DAS

Leia mais

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Leasing

Lista de Exercícios sobre Leasing Lista de Exercícios sobre Leasing Ressalva: Em todos os exercícios, foi considerado que as empresas envolvidas adotam as normas CPC/IFRS para publicação Premissa comum: quando necessário, o valor residual

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 15: Avaliação de empresas: diagnóstico empresarial Este trecho de nossa análise focaliza uma série de situações típicas que envolvem as organizações nos seus aspectos econômico-financeiros.

Leia mais

O resultado de um estudo de viabilidade econômica

O resultado de um estudo de viabilidade econômica Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O resultado de um estudo de viabilidade Como fazer análise de cenários Relatório

Leia mais

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA Objetivos Orçamento Empresarial UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho 1. Apresentar um conceito de orçamento de investimentos 2. Elaborar o quadro de usos e fontes de um negócio 3. Calcular

Leia mais

O que é o business plan

O que é o business plan O que é o business plan O business plan nada mais é do que o termo em inglês referente ao nosso tão famoso plano de. Essa é uma das melhores ferramentas para te ajudar a ter uma visão completa do seu negócio.

Leia mais

Taxa Interna de Retorno (TIR)

Taxa Interna de Retorno (TIR) Problemas com o Método da TIR (Taxa Interna de Retorno) Hoje vamos falar do método da TIR (Taxa Interna de Retorno) e de alguns problemas que podem ocorrer quando utilizamos essa técnica na análise de

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguilherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 OS RELATÓRIOS DA As empresas com ação na bolsa de valores têm a obrigação de publicação de seus

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico SWOT Porter Roberto César 1 17:09 Análise SWOT Esta análise mostra a situação de uma empresa em um determinado momento, ela é feita de forma integrada levando em consideração os

Leia mais

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim O fluxo de caixa é um dos demonstrativos mais importantes do dia a dia de trabalho de qualquer gestor financeiro. Além de fornecer informações essenciais

Leia mais

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba Avaliação de Investimentos Prof. Adriano Paranaiba 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova

Leia mais

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total Custos de Produção Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total 1 Introdução Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios Uma empresa que está começando, ou até algumas mais maduras, sempre possuem dúvidas sobre quais ferramentas de gestão implementar para garantir eficiência no controle e execução de processos. Algumas tentam

Leia mais

Questões para Prova Integrada Institucional Curso: Administração de Empresas Semestre: 2osem/3osem Disciplina: Matemática Aplicada à Administração

Questões para Prova Integrada Institucional Curso: Administração de Empresas Semestre: 2osem/3osem Disciplina: Matemática Aplicada à Administração Questões para Prova Integrada Institucional Curso: Administração de Empresas Semestre: 2osem/3osem Disciplina: Matemática Aplicada à Administração FÓRMULAS: q = a.p + b (oferta e demanda) R T = p v.q (p

Leia mais

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II Professor Cristóvão Pereira Cristóvão Pereira Mestre em Gestão Empresarial FGV Engenheiro Eletricista PUC/RJ MBA New York University MBA Ibmec/RJ CEO Takeover Ltda. Contato

Leia mais

Como fazer o plano financeiro no plano de negócios

Como fazer o plano financeiro no plano de negócios Este conteúdo faz parte da série: Plano de Negócios Ver 7 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Por que pensar no plano financeiro de um plano de negócios Como fazer o plano financeiro de um

Leia mais

Nome do aluno: Nota:

Nome do aluno: Nota: CAMPUS NOVA CRUZ PROCESSO SELETIVO PARA TUTORIA DE APRENDIZAGEM EM LABORATÓRIO TAL ETAPA 1 PROVA ESCRITA DISCIPLINA: CONTABILIDADE DATA: 15/02/2013 HORÁRIO 10:30h.às 12:00h. Nome do aluno: Nota: QUESITO

Leia mais

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas Douglas Fabian Bacharel em Administração MBA Gestão Estratégica de Pessoas PLANO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS O que é um plano de negócios? INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO É um documento que especifica, em

Leia mais

CADÊ MEU LUCRO? Controle Financeiro! Como administrar seu próprio negócio Mary Kay

CADÊ MEU LUCRO? Controle Financeiro! Como administrar seu próprio negócio Mary Kay CADÊ MEU LUCRO? Controle Financeiro! Como administrar seu próprio negócio Mary Kay Muitas consultoras não conseguem contabilizar o seu lucro em Mary Kay Motivos mais frequentes: 1- Misturam conta pessoal

Leia mais

Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ).

Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). 0 Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). Começando a Conversa Caro aluno, olá! Nesta unidade, daremos prosseguimento ao estudo da Gestão Baseada em Valor e

Leia mais

L-1011 TriStar. IAG PUC-Rio. Fatia da Lockheed: 40% Preço Unitário: 15.5 milhões Início Vendas: 3 anos. Custo Variável Unit.: 11.

L-1011 TriStar. IAG PUC-Rio. Fatia da Lockheed: 40% Preço Unitário: 15.5 milhões Início Vendas: 3 anos. Custo Variável Unit.: 11. IAG PUC-Rio Finanças Decisão de Investim. Decisão de Financ. Decisões de Investimento Prof. Luiz Brandão 2009 Ativo Circulante Ativo Permanente Passivo Circulante Dívidas de L.Prazo Recursos Próprios:.

Leia mais

Empreendedorismo [7]

Empreendedorismo [7] [7] O Empreendedor DEGEN lembra que a riqueza de uma nação é medida pela capacidade de produzir, em quantidade suficiente, os bens e serviços necessários ao bem-estar de sua população A desigualdade de

Leia mais

agosto setembro outubro novembro

agosto setembro outubro novembro agosto setembro outubro novembro 2 apresentação da disciplina 9 Gestão da Inovação 16 Gestão da Tecnologia 23 Aplicação 30 Auto conhecimento 6 Descoberta - Canvas 13 Prova / Apresentação do Canvas 20 Plano

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL (PP) I e II (TCC I e II) ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS

PRÁTICA PROFISSIONAL (PP) I e II (TCC I e II) ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PRÁTICA PROFISSIONAL (PP) I e II (TCC I e II) ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS Disciplinas: 254CD-04 Projeto de Negócios (TCC I - Via Empreendedora/240h) 254PN-04 Plano de Negócios (TCC II - Via Empreendedora/240h)

Leia mais

Como fazer o plano de marketing no plano de negócios

Como fazer o plano de marketing no plano de negócios Este conteúdo faz parte da série: Plano de Negócios Ver 7 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Por que o plano de marketing é essencial para o plano de negócios Como fazer o plano de marketing

Leia mais

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES 1 PLANO FINANCEIRO 2 PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO DIRETRIZES CENÁRIOS PREMISSAS PRÉ-PLANEJAMENTO PLANO DE MARKETING

Leia mais

CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO Fundado em 15 de novembro de 1895

CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO Fundado em 15 de novembro de 1895 Rio de Janeiro, 30 de agosto 2016. CONSELHO DELIBERATIVO COMISSÃO PERMANENTE DE FINANÇAS PARECER Ilmo. Sr. Rodrigo Villaça Dunshee de Abranches Presidente do Conselho Deliberativo Senhor Presidente, Ref.:

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço.

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado envolve o grupo de compradores (procura) e a Indústria o grupo de vendedores (demanda). O

Leia mais

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS -! O que é uma boa projeção?! Quem usa as projeções financeiras?! Para que se usam as projeções financeiras? Fábio Vianna(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANOS DE NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PLANOS DE NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PLANOS DE NEGÓCIO PROF. MS CARLOS WILLIAM DE CARVALHO PLANO DE NEGÓCIO Apesar de recente no Brasil, o uso de Planos de Negócio tradicional ganhou destaque nos EUA ainda na década de 1960,

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Rodrigo Pereira 01/02/2017 Fonte: CPC-03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Terminologia em Custos: Gasto Investimento Custo Despesa Perda Desembolso 1 7. Análise da Viabilidade Econômica de

Leia mais

Receitas e Despesas Públicas. Prof. Ms Paulo Dantas

Receitas e Despesas Públicas. Prof. Ms Paulo Dantas Receitas e Despesas Públicas Prof. Ms Paulo Dantas Considera-se, como receita pública, todo o recurso obtido pelo Estado para atender às despesas públicas. As receitas públicas efetiva provem dos serviços

Leia mais

COM A HP 12 C. 8º encontro

COM A HP 12 C. 8º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 8º encontro 09/09/2016 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework 09/09/2016 2 3 O VPL e a TIR permitem

Leia mais

O que são as funções aleatorioentre e ordem

O que são as funções aleatorioentre e ordem Este conteúdo faz parte da série: Excel Fórmulas Avançadas Ver 10 posts dessa série O Excel, enquanto ferramenta dedicada ao trabalho com análise de dados, permite que o usuário execute diversas atividades

Leia mais

b) Determinar as raízes de f(x) = g(x) quando m = 1/2. c) Determinar, em função de m, o número de raízes da equação f(x) = g(x).

b) Determinar as raízes de f(x) = g(x) quando m = 1/2. c) Determinar, em função de m, o número de raízes da equação f(x) = g(x). 1. (Fuvest 2004) Seja m µ 0 um número real e sejam f e g funções reais definidas por f(x) = x - 2 x + 1 e g(x) = mx + 2m. a) Esboçar, no plano cartesiano representado a seguir, os gráficos de f e de g

Leia mais

Capacitação em IFRS e CPCS. (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I

Capacitação em IFRS e CPCS. (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I Capacitação em IFRS e CPCS (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I 1. Publicação das Demonstrações Contábeis - A empresa Rio Preto Softwares S.A. é de capital fechado, está sediada no interior

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL Aula 9 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 05 Custeio Variável 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável

Leia mais

AGRONEGÓCIO: TOMADA DE DECISÃO BASEADA NAS TÉCNICAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

AGRONEGÓCIO: TOMADA DE DECISÃO BASEADA NAS TÉCNICAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL AGRONEGÓCIO: TOMADA DE DECISÃO BASEADA NAS TÉCNICAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Luciano Ferreira DE LIMA (UNICENTRO) Valéria Wisniewski PADILHA (UNICENTRO) Marcel Luciano KLOZOVSKI (Universidade Estadual do

Leia mais

DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Mestre Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

Disciplina: Projetos. AULA 10 Assunto: Método Analítico de Análise de Projetos

Disciplina: Projetos. AULA 10 Assunto: Método Analítico de Análise de Projetos Disciplina: Projetos AULA 10 Assunto: Método Analítico de Análise de Projetos Professora Mestre Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde E GERENCIAL Aula 2- Unidade 01 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de Custos x Contabilidade Gerencial

Leia mais

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE PARTE II

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE PARTE II O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL! Perpetuidade com crescimento.! A taxa de crescimento do Fluxo de Caixa (G).! Valor residual pela liquidação dos ativos. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda.

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda. PARTE 7 DEPRECIAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Método Linear 3. Método de Cole ou da Soma dos Dígitos 4. Método Exponencial 5. Exercícios resolvidos 1. Introdução Depreciação significa desvalorização.

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa Prof. Marcelo Delsoto Capital de Giro Entender a importância dos prazos de rotação dos Ativos na gestão das empresas. Elaborar os quadros de Ciclo Operacional e o Ciclo

Leia mais

Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas

Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas 60% Institucional Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas Somos uma consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas, com soluções para decisões operacionais, societárias

Leia mais

COMO SAIR DAS DÍVIDAS

COMO SAIR DAS DÍVIDAS PRIMEIRO PASSO Monte seu orçamento familiar de forma que você consiga organizar tanto as contas como as dívidas e, assim, pagar as contas com 60% de sua renda. Talvez no primeiro momento você consiga diminuir

Leia mais

WEBCAST 3T16. Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016

WEBCAST 3T16. Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 WEBCAST 3T16 Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 PRINCIPAIS DESTAQUES 3T16 T1 Aprovado alfandegamento do T-OIL Primeira operação de transbordo no terminal de petróleo 76 embarques de minério de ferro

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Caso Prático Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Caso Prático (2005) A... Casado com B..., com 1 dependente Cat.. A - Rendimentos de Trabalho Dependente B.. auferiu rendimentos

Leia mais

Mais controle. Maior rendimento

Mais controle. Maior rendimento Mais controle Maior rendimento REdUção de custos com FERRaMEntaS EM até 30% 60% MaiS RáPido na LocaLização de FERRaMEntaS MEnoR tempo PaRa SoLicitaR FERRaMEntaS MEnoR tempo de implantação do MERcado Atualmente

Leia mais

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 07 de Fevereiro de 2014 O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Contributos para o exercício de uma correcta opção NOTA: - Opção até 28/02/2014

Leia mais

Avaliação de Projetos e

Avaliação de Projetos e www.iem.efei.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iem.efei.br/edson 26 Introdução Para avaliação de Projetos e Negócios é necessário: Projetar Demonstração

Leia mais

Fichas técnicas, o primeiro passo para uma boa organização

Fichas técnicas, o primeiro passo para uma boa organização Nesse artigo falaremos sobre: A importância de definir preços para os pratos do seu restaurante ou lanchonete Fichas técnicas, o primeiro passo para uma boa organização Com seu custo definido, pense no

Leia mais

Definição do escopo do projeto

Definição do escopo do projeto Este conteúdo faz parte da série: Gerenciamento de Projetos Ver 6 posts dessa série Um dos passos fundamentais para a realização de um projeto é a sua gestão. E existem muitas ferramentas e softwares específicos

Leia mais

As organizações que vendem para o mercado industrial e consumidor reconhecem que não podem apelar para todos os compradores deste mercado.

As organizações que vendem para o mercado industrial e consumidor reconhecem que não podem apelar para todos os compradores deste mercado. As organizações que vendem para o mercado industrial e consumidor reconhecem que não podem apelar para todos os compradores deste mercado. E diferentes empresas têm ampla variação em suas habilidades,

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO C U R S O D E C I Ê N C I A S C O N T Á B E I S Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Código: CNB Pré-Requisito: Período Letivo:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA:

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: DESA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA SIGLA:

Leia mais

MATEMÁTICA PARA CEF PROFESSOR: GUILHERME NEVES

MATEMÁTICA PARA CEF PROFESSOR: GUILHERME NEVES Aula 4 Parte 2 1 Análise de Investimentos... 2 1.1 Conceito... 2 1.2 Valor Presente Líquido (VPL)... 3 1.3 Taxa Interna de Retorno (TIR)... 3 1.4 Payback Descontado... 3 1.5 Exercícios Resolvidos... 4

Leia mais

Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Prof. Luciel Henrique de Oliveira - luciel@fae.br UNIFAE - São João da Boa Vista http://gp2unifae.wikispaces.com Análise

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

Etapa 2: Tenha disciplina e cheque as contas com cuidado

Etapa 2: Tenha disciplina e cheque as contas com cuidado Este conteúdo faz parte da série: Orçamento Ver 3 posts dessa série Quando temos uma empresa sob nossa responsabilidade, nos sentimos entusiasmados em poder elaborar projetos, desenvolver produtos, gerir

Leia mais

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Profissional da contabilidade Apresentação Empresário Serviços Assessoria Contábil. Professor Faculdade de

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Material Teórico Métodos Periódicos de Apuração do Custo das Mercadorias Vendidas (Cmv), do Resultado com Mercadorias (Rcm) e dos Estoques Finais de Mercadorias: Peps, Ueps, Mpm

Leia mais

Gestão de Frota na Aviação

Gestão de Frota na Aviação Aula 1 Gestão de Frota na Aviação Perguntas intrigantes sobre economia! O que vale mais: o dinheiro ou o trabalho? O que de fato gera riqueza? O que explica alguns países serem ricos e outros pobres? Se

Leia mais

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves. Depto. de Economia, Administração e Sociologia

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves. Depto. de Economia, Administração e Sociologia LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves Depto. de Economia, Administração e Sociologia REGIMES DE CONTABILIDADE Apuração de Resultados. Regime

Leia mais

Prof. Me. Evandro Rafael

Prof. Me. Evandro Rafael Unidade IV ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Me. Evandro Rafael Indicadores de desempenho Nesta unidade serão apresentadas medidas preventivas no que se refere à área financeira das organizações. Esta unidade

Leia mais

Palavras Chaves: Avaliação de Investimento, Viabilidade financeira, Fluxo de caixa.

Palavras Chaves: Avaliação de Investimento, Viabilidade financeira, Fluxo de caixa. A IMPORTÂNCIA DE UMA ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARA ABERTURA DE UMA LOJA DE AUTOPEÇAS EM UMA OFICINA MECÂNICA Daiane Escouto dos Santos 1 Carina Inês Panke da Silva 2 RESUMO Com a competitividade acirrada

Leia mais

Análise de Empreendimentos

Análise de Empreendimentos Análise de Empreendimentos - Instrumentos auxiliares para o processo de tomada de decisões. - Avalia, antecipadamente, o desempenho econômico - financeiro de determinado empreendimento e, por conseqüência,

Leia mais

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Introdução à análise de risco Um projeto de TI, como qualquer outro projeto está sujeito a riscos no decorrer do seu desenvolvimento. Alguns

Leia mais

1. Planilhas de Gastos Pessoais

1. Planilhas de Gastos Pessoais Este conteúdo faz parte da série: Finanças Pessoais Ver 8 posts dessa série Para começar, quando você está buscando uma planilha de gastos no Google (ou no Bing), não fica claro (para as ferramentas de

Leia mais

Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações Finanças para Não Financeiros MANUAL DO CANDIDATO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (Opção1) Segunda a sexta 9h às 21h e Sábado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS São Paulo, 12 de Maio de 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 2 DESTAQUES CONSOLIDADOS DO RECEITA LÍQUIDA (R$ MILHÕES) LUCRO BRUTO (R$ MILHÕES)

Leia mais

Para começar, vamos começar vendo alguns exemplos do uso da SOMASE na gestão de empresas:

Para começar, vamos começar vendo alguns exemplos do uso da SOMASE na gestão de empresas: Este conteúdo faz parte da série: Excel Fórmulas Avançadas Ver 10 posts dessa série Esse é o meu segundo post da série Como gerir melhor usando uma função do Excel (veja o meu post sobre a PROCV função

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Matemática Financeira II Matemática Financeira II Desconto Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Rosângela Maura Correa Bonici Revisão Textual: Profa. Esp. Vera Lidia de Sa Cicaroni Unidade Desconto

Leia mais

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados do 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados Comentários de abertura Rubens Menin 2 Divulgação de Resultados Destaques Crescimento com margens diferenciadas; Maior operação no

Leia mais

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 T20 TEMA

Leia mais

AULA 7 BALANÇO PATRIMONIAL PATRIMÔNIO LÍQUIDO

AULA 7 BALANÇO PATRIMONIAL PATRIMÔNIO LÍQUIDO AULA 7 BALANÇO PATRIMONIAL O, CONFORME JÁ EXPLICADO NAS AULAS INICIAIS, REPRESENTA APENAS A DIFERENÇA ENTRE OS BENS E DIREITOS CLASSIFICADOS NO ATIVO E AS OBRIGAÇÕES PARA COM TERCEIROS CLASSIFICADAS NO

Leia mais

Módulo Financeiro Centro de Custo

Módulo Financeiro Centro de Custo Módulo Financeiro Centro de Custo 1 O que é CENTRO DE CUSTO? Centro de Custo são setores em que a empresa tem uma receita (recebimentos) ou um custo (despesas). Por exemplo: O Transporte pode ser considerado

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T12 e do ano de de março de 2013

Divulgação de Resultados do 4T12 e do ano de de março de 2013 do e do ano de 2012 15 de março de 2013 Comentários de abertura Rubens Menin 2 Destaques Fluxo de Caixa; Qualidade Operacional; Margem Bruta; RET; Subsidiárias: LOG e Urbamais Geração de Valor. 3 Fluxo

Leia mais

Como ganhar dinheiro com o Google Alerta!

Como ganhar dinheiro com o Google Alerta! Como ganhar dinheiro com o Google Alerta! Uma das maiores dificuldades da nossa geração é conviver com as multi-funcionalidades do mundo moderno e principalmente com a genérica falta de tempo que assola

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala: 2º andar do Prédio da Mecatrônica (ramal 9400)

Leia mais

DEFINIÇÃO DO INTERVALO DE TEMPO IDEAL PARA ELABORAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

DEFINIÇÃO DO INTERVALO DE TEMPO IDEAL PARA ELABORAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS DEFINIÇÃO DO INTERVALO DE TEMPO IDEAL PARA ELABORAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS! Explorando o intervalo de tempo ideal para elaboração de fluxos de caixas na análise de novos

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica II Análise de Sensibilidade 21/08/2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Fluxo de Caixa ( + ) 0 1 2 3 n Parcela compostas por: ( - ) Investimento Receitas,

Leia mais

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III! O que é análise de sensibilidade?! O que é análise de cenários?! Identificando e simulando premissas críticas. Francisco

Leia mais