COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º /

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23"

Transcrição

1 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º / ATIVO BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) CIRCULANTE DISPONIBILIDADES RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO Setor Privado (-) Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa (7) (7) OUTROS CRÉDITOS Diversos (-) Provisão para Outros Créditos de Liquidação Duvidosa - (47) REALIZÁVEL À LONGO PRAZO OPERAÇÕES DE CRÉDITO Setor Privado (-) Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa (12) (9) PERMANENTE INVESTIMENTOS Outros Investimentos IMOBILIZADO DE USO 6 11 Outras Imobilizações de Uso (-) Depreciações Acumuladas (51) (56) TOTAL DO ATIVO

2 PASSIVO CIRCULANTE OUTRAS OBRIGAÇÕES Sociais e Estatutárias Fiscais e Previdenciárias Diversas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social De Domiciliados no País Reservas de Lucros Sobras Acumuladas TOTAL DO PASSIVO As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis 2

3 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º / DEMONTRAÇÕES DE SOBRAS OU PERDAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 E PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Em milhares de reais) Segundo Semestre/11 Exercícios RECEITAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Operações de Crédito Resultado de Operações com Títulos e Val. Mobiliários DESPESAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA (1) (3) (44) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (1) (3) (44) RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS RECEITAS / DESPESAS OPERACIONAIS (92) (200) (160) Despesas de Pessoal (56) (104) (101) Outras Despesas Administrativas (51) (110) (95) Despesas Tributárias (1) (2) (4) Outras Receitas Operacionais RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO NÃO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DA TRIBUTAÇÃO SOBRE AS SOBRAS E PARTICIPAÇÕES SOBRAS LÍQUIDAS DOS EXERCÍCIOS E SEMESTRE JUROS S/ CAPITAL PRÓPRIO (321) (321) (303) N.º DE COTAS SOBRA POR COTA R$: 0,06 0,11 0,10 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis 3

4 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA - COOPERNITRO C.N.P.J. n.º / DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 E PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Em milhares de reais) EVENTOS CAPITAL REALIZADO 4 RESESERVAS DE LUCROS SOBRAS/PERDAS ACUMULADAS TOTAL Legal SALDOS EM Integralização de capital Devolução de capital (663) - - (663) Baixa de Capital p/ Amortz. Empréstimo (38) - - (38) Incorporação de juros ao capital Sobras Líquidas do Exercício Incorporação das Sobras no FATES - - (48) (48) Destinações: Juros s/ Capital Próprio - - (321) (321) Reserva Legal - 8 (8) - F.A.T.E.S. - - (8) (8) SALDOS EM MUTAÇÕES DO PERÍODO SALDOS EM Integralização de Capital Devolução de Capital (260) - - (260) Incorporação de juros ao capital Sobras Líquidas do Semestre Destinações: Juros s/ Capital Próprio - - (321) (321) Reserva Legal - 8 (8) - F.A.T.E.S. - - (8) (8) SALDOS EM MUTAÇÕES DO PERÍODO (101) 260 SALDOS EM Integralização de capital Devolução de capital (723) - - (723) Incorporação de juros ao capital Distribuição de Sobras - - (102) (102) Sobras Líquidas do Exercício Destinações: Juros s/ Capital Próprio - - (303) (303) Reserva Legal - 6 (6) - F.A.T.E.S. - - (6) (6) SALDOS EM MUTAÇÕES DO PERÍODO (54) 132 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis

5 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º / DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 E PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Em milhares de reais) Segundo Exercícios Semestre/11 Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais Sobras Líquidas do semestre e exercícios Ajustes por: Depreciação e Amortização Provisão Juros sobre Capital Próprio (321) (321) (303) (Aumento) Diminuição em Ativos Operacionais: Operações de Crédito (205) (626) 576 Outros Créditos (66) (96) 33 Aumento (Diminuição) em Passivos Operacionais: Outras Obrigações (22) Capital Social Caixa líquido proveniente das atividades operacionais 77 (334) 830 Fluxos de Caixa das Atividades de Investimentos Aumento de Capital na Central (50) (157) - Caixa líquido usado nas atividades de investimentos (50) (157) - Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos Constituição FATES (8) (8) - Distribuição de Sobras - - (102) Incorporação das Sobras no FATES - (48) - Caixa líquido usado nas atividades de financiamento (8) (56) (102) Aumento Líquido (Diminuição) de caixa e equivalentes de caixa 19 (547) 728 Caixa e equivalentes de caixa no inicio do período Caixa e equivalentes de caixa no fim do período (547) 728 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis 5

6 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º / NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo Aliança COOPERNITRO, constituída em , é uma instituição financeira, sociedade de pessoas, de natureza civil, sem fins lucrativos e não sujeita à falência, têm por objetivo social: I o desenvolvimento de programas de poupança, de uso adequado do crédito e de prestação de serviços, praticando todas as operações ativas, passivas e acessórias próprias de Cooperativas de crédito; II proporcionar, através da mutualidade, assistência financeira aos associados em sua atividade específica e III a formação educacional de seus associados, no sentido de fomentar o cooperativismo. A Cooperativa é politicamente neutra e não faz discriminações religiosas, raciais ou sociais. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais levam em consideração as disposições contidas na legislação societária, alteradas pelas Leis nºs /07 e /09, e abrangem as normas do Conselho Monetário Nacional CMN e as normas do Banco Central do Brasil BACEN e apresentadas de acordo com o Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional COSIF. As alterações introduzidas pelas Leis nºs /07 e /09, exigidos para exercícios iniciados a partir de 01 de janeiro de 2010, algumas alterações por ela introduzidas dependem de normatização por parte do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil. As alterações normatizadas foram: 1) tratamento contábil dos ativos intangíveis (Resolução CMN nº 3.642/08). 2) procedimentos de mensuração do valor recuperável de ativos (Resolução CMN nº 3.566/08). 3) elaboração da demonstração dos Fluxos de Caixa em substituição a DOAR (Resolução CMN nº 3.604/08). 4) divulgação das informações sobre partes relacionadas (Resolução CMN nº 3.750/09) e 5) reconhecimento, divulgação e mensuração das contingências ativas, passivas e obrigações legais (Resolução CMN nº 3.823/09 e a Carta-Circular nº 3.429/10). 3. RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a - Apuração do Resultado A apuração do resultado é feita segundo o regime de competência. 6

7 b - Estimativas Contábeis Na elaboração das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração use de julgamento na determinação e no registro de certos valores determinados sejam registrados por estimativa, as quais são estabelecidas com o uso de premissas e pressupostos em relação a eventos futuros. Itens significativos registrados com base em estimativas contábeis incluem as provisões para ajuste dos ativos ao valor de realização ou recuperação, os títulos mobiliários avaliados pelo valor de mercado, as provisões para indenizações, provisões para perdas em geral. A liquidação das transações registradas com base em estimativas poderá resultar em valores divergentes devido a imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A Administração da Cooperativa revisa periodicamente as estimativas e premissas. c - Ativo Circulante e Realizável à Longo Prazo Demonstrado ao valor de realização, incluindo quando aplicáveis os rendimentos e as variações monetárias auferidas no período de competência. d - Operações de Crédito Empréstimos e Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa d1 - Operações de Crédito Empréstimos As operações de crédito são representadas por empréstimos aos associados, acrescidos de encargos, taxa de administração e taxa de atualização previstas na política de empréstimo da Cooperativa e são classificados quanto ao nível de risco de acordo com os parâmetros estabelecidos pelas Resoluções nºs e do Conselho Monetário Nacional, conforme demonstrado na nota 4.1. d2 - Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa A provisão para operações de crédito de liquidação duvidosa é constituída em montante suficiente, para cobrir eventuais perdas na realização de créditos, levando-se em consideração a análise das garantias, dos riscos e normas estabelecidas pelo Banco Central do Brasil, conforme demonstrado na nota 4.2. e - Depósitos em Garantia Existem situações em que a Cooperativa questiona a legitimidade de determinados passivos ou ações movidas contra si. Por conta desses questionamentos por ordem judicial ou por estratégia da própria administração, os valores em questão podem ser depositados em juízo, sem que haja a caracterização da liquidação do passivo. 7

8 f - Imobilizado de Uso Estão contabilizados ao custo de aquisição e as depreciações foram calculadas pelo método linear, com base em taxas que levam em consideração a vida útil remanescente dos bens, divulgados na nota 5. g - Passivo Circulante Estão demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicáveis, os encargos e as variações monetárias incorridas. h - Provisões para Riscos Tributários e Trabalhistas As provisões são reconhecidas quando a Cooperativa tem uma obrigação presente legal ou implícita como resultado de eventos passados; é provável que uma saída de recursos seja necessária para liquidar a obrigação e uma estimativa confiável do valor possa ser feita. i - j - Sociais e Estatutárias Composta basicamente pelo Fundo de Assistência Técnica Educacional e Social FATES Patrimônio Líquido É formado exclusivamente pelo capital acumulado dos cooperados, pelas reservas e sobras do período. 4. OPERAÇÕES DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS E PROVISÕES PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA CIRCULANTE E REALIZÁVEL À LONGO PRAZO 4.1. Composição por vencimento das Operações de Crédito R$ MIL % R$ MIL % A Vencer Até 180 dias , ,54 De 181 a 360 dias , ,59 Acima de 360 dias , ,87 Total , ,00 8

9 4.2. Classificação das Operações de Crédito por Níveis de Risco Níveis Total das Operações de Crédito Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa R$ MIL R$ MIL Risco % Realizável a Realizável a Circulante Circulante Mínimo Longo Prazo Longo Prazo A 0, (7) (7) (12) (9) (7) (7) (12) (9) 4.3. Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa A provisão para operações de crédito de liquidação duvidosa foi movimentada pelos seguintes eventos nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010: R$ MIL Eventos Saldo Inicial Provisão Constituída 3 (3) Constituição de Provisão sobre Operações de Crédito 6 - (-) Reversão da Provisão (3) (3) Saldo Final IMOBILIZADO DE USO R$ MIL Taxa anual de Depreciação Depreciação Custo Líquido Líquido Acumulada Móveis e Equipamentos de Uso 10% 8 (5) 3 4 Sistema de Proc. de Dados 20% 49 (46) (51) 6 11 R$ MIL 6. OUTROS CRÉDITOS DIVERSOS Adiantamento e Antecipações Salariais - 3 Adiantamento para Pagamento de Nossa Conta 62 - Devedores por Depósitos por Garantia Imposto de Renda a Compensar - 3 Títulos e Créditos a Receber - 48 Devedores Diversos País

10 R$ MIL 7. OUTRAS OBRIGAÇÕES DIVERSAS Provisão para Pagamentos a Efetuar Provisão para Passivos Contingentes 72 - Credores Diversos País SOBRAS ACUMULADAS As Sobras Acumuladas estão assim compostas: R$ MIL Sobras Acumuladas Distribuição de Sobras de Exercício Anterior Conf. AGO - (102) Incorporação das Sobras no FATES (48) - Sobras Líquidas dos Exercícios Destinações: (-) Juros sobre o Capital Próprio (321) (303) (-) Fates (8) (6) (-) Reserva Legal (8) (6) Sobras à Disposição da Assembléia Geral CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Caixa e equivalentes de caixa consistem em numerário disponível na Cooperativa, saldos em poder de bancos e aplicações financeiras de curto prazo. Caixa e equivalentes de caixa incluídos na demonstração dos fluxos de caixa compreendem: R$ MIL Caixa e saldos em bancos Caixa e equivalentes de caixa JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO No exercício de 2011 foram provisionados Juros ao Capital no montante de R$ 321 mil (R$ 303 mil em 2010), contabilizados como despesa operacional e reclassificada na Demonstração do Resultado, Mutações do Patrimônio Líquido e Fluxos de Caixa de conformidade com a Circular n.º 2.739/97 do Banco Central do Brasil. 11. CAPITAL SOCIAL O Capital Social está totalmente subscrito e integralizado por associados no montante de R$ mil (R$ mil por 1.342, em 2010) na data do balanço por cooperados domiciliados no País. 10

11 12. GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A gestão de risco operacional é definida como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha ou inadequação de processos internos, sistemas, comportamento humano, ou eventos externos, que podem ocorrer em qualquer etapa de um processo operacional de uma instituição financeira. Em atendimento à Resolução nº 3.380, de do Conselho Monetário Nacional, a Cooperativa, instituiu a estrutura de gerenciamento capacitada para identificar, avaliar, monitorar, controlar e mitigar seus riscos, inclusive aqueles decorrentes de serviços terceirizados. Foi nomeado diretor responsável pelo gerenciamento de risco operacional conforme cadastro no UNICAD/BACEN. A descrição da estrutura de gerenciamento de risco operacional está arquivada nas dependências da Cooperativa. Os Planos de Contingências também são partes relevantes do gerenciamento de riscos operacionais e contém estratégias a serem adotadas para assegurar condições de continuidade das atividades e para limitar as perdas decorrentes de risco operacional. 13. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO A estrutura de gerenciamento do risco de mercado previsto na Resolução nº de do Conselho Monetário Nacional, define como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira e deve ser compatível com a natureza das operações, a complexidade dos produtos e a dimensão da exposição a risco de mercado da instituição. A Cooperativa nomeou diretor responsável pelo gerenciamento de risco de mercado conforme cadastro no UNICAD/BACEN. A descrição da estrutura de gerenciamento de risco de mercado está arquivada nas dependências da Cooperativa. A avaliação e controle da identificação prévia dos riscos inerentes a novas atividades e sua adequação aos procedimentos e controles e a avaliação dos cenários de estresse serão realizadas anualmente ou conforme sua necessidade. 14. GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Define-se como risco de crédito a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. 11

12 Em atendimento a Resolução nº 3.721, de 30/04/2009 do Conselho Monetário Nacional, a Cooperativa instituiu a estrutura de gerenciamento do risco de crédito capaz de permitir a identificação, mensuração, o controle e a mitigação dos riscos associados a cada instituição individualmente e ao conglomerado financeiro, bem como a identificação e o acompanhamento dos riscos associados às demais empresas integrantes do consolidado econômico-financeiro. A Cooperativa nomeou o diretor responsável pelo gerenciamento de risco de crédito conforme cadastro no UNICAD/BACEN. CLÁUDIO NOLASCO Presidente CLÁUDIO NOLASCO CRC 1 SP /O-4 12

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

COOPERACS - SP. Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria

COOPERACS - SP. Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria COOPERACS - SP Demonstrações Contábeis Referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 e Relatório de Auditoria Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa - Cnac São Paulo, 11

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

Balanço Patrimonial e Notas Explicativas 2014 Sicredi Rio. Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Médicos do Rio de Janeiro - Sicredi Rio

Balanço Patrimonial e Notas Explicativas 2014 Sicredi Rio. Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Médicos do Rio de Janeiro - Sicredi Rio Balanço Patrimonial e Notas Explicativas 2014 Sicredi Rio Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Médicos do Rio de Janeiro - Sicredi Rio BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 (Em milhares de Reais) Cooperativa

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em Reais) NOTA 01 CONTEXTO OPERACIONAL NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 (Valores expressos em Reais) A Cooperativa de Crédito Mútuo dos

Leia mais

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Contabilistas e Corretores de Seguros da Grande Belo Horizonte Ltda. SICOOB CREDITÁBIL

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Contabilistas e Corretores de Seguros da Grande Belo Horizonte Ltda. SICOOB CREDITÁBIL BALANÇOS PATRIMONIAIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DEZEMBRO DE 2015 E 2014 A T I V O 31/12/2015 31/12/2014 Circulante 16.397.472,20 12.860.303,16 Disponibilidades 290.217,28 156.007,88 Relações Interfinanceiras

Leia mais

Cooperativa de Crédito Mútuo dos Profissionais da Área da Saúde da Grande São Paulo - Sicredi Grande São Paulo SP

Cooperativa de Crédito Mútuo dos Profissionais da Área da Saúde da Grande São Paulo - Sicredi Grande São Paulo SP Cooperativa de Crédito Mútuo dos Profissionais da Área da Saúde da Grande São Paulo Sicredi Grande São Paulo SP Fonte: Gerência de Serviços Contábeis e Tributários Confederação Sicredi RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo com Relatório dos Auditores Independentes - Central Sicredi PR/SP Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Cooperativa de Crédito Mutuos dos Distribuidores de Bebidas do Estado de São Paulo - SICOOB CREDIBESP

Cooperativa de Crédito Mutuos dos Distribuidores de Bebidas do Estado de São Paulo - SICOOB CREDIBESP Cooperativa de Crédito Mutuos dos Distribuidores de Bebidas do Estado de São Paulo - SICOOB CREDIBESP RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Associados, Submetemos à apreciação de V.S.as as Demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 3 DE DEZEMBRO DE 204 NOTA 0 CONTEXTO OPERACIONAL A Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados do Sul do Estado de Santa Catarina Sicredi Sul

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Relatório Anual 2014

Relatório Anual 2014 Relatório Anual 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão da Região Central do Estado de São Paulo Sicredi Centro Paulista SP Diretoria Executiva de TI e Operações Superintendência de Operações Gerência

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial em 30 de junho de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial em 30 de junho de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas do 30 de junho de KPDS 98281 30 de junho de Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos Auditores Independentes sobre às Demonstrações Contábeis Consolidadas

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui:

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui: 1 - A INSTITUIÇÃO E SUAS OPERAÇÕES. A ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO POUPEX, organizada sob a forma de sociedade civil, de acordo com as Leis nº. 6.855, de 18.11.1980, e 7.750, de 13.04.1989, e demais

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras em Page 1 of 37 Conteúdo Relatório da Administração 3 Resumo do relatório do Comitê de Auditoria 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 6 Balanços

Leia mais

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Noroeste do Rio Grande do Sul - Sicredi Noroeste RS

Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Noroeste do Rio Grande do Sul - Sicredi Noroeste RS Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Noroeste do Rio Grande do Sul Sicredi Noroeste RS Fonte: Gerência de Serviços Contábeis e Tributários Confederação Sicredi RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Ecosol Petrolina Relatório da Administração 1. Identidade organizacional Missão: Fortalecer e estimular a interação solidária entre agricultores e cooperativas através do crédito orientado e da educação

Leia mais

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A)

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE AGOSTO DE 2014 PÉROLA FUNDO

Leia mais

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial Referentes ao Semestre e Exercício Findos em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Em milhares de reais ATIVO 2014

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 KPMG Auditores Independentes Agosto de 2013 Relatório dos auditores

Leia mais

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 AudiBanco - Auditores independentes SS Rua: Flores da

Leia mais

Cooperativa de Poupança e Crédito de Livre Admissão da Região de Maringá - Sicoob Metropolitano Relatório dos auditores independentes sobre as

Cooperativa de Poupança e Crédito de Livre Admissão da Região de Maringá - Sicoob Metropolitano Relatório dos auditores independentes sobre as Cooperativa de Poupança e Crédito de Livre Admissão da Região de Maringá - Sicoob Metropolitano Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Agência Especial de Financiamento Industrial - FINAME. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Agência Especial de Financiamento Industrial - FINAME. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Agência Especial de Financiamento Industrial - FINAME Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Ao Acionista e

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2008

RELATÓRIO ANUAL 2008 RELATÓRIO ANUAL 2008 Senhores Associados, RELATÓRIO ANUAL 2008 Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis do Exercício de 2008 da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Engenheiros

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

CONCESSIONÁRIA SPMAR S.A. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras Em 30 de junho de 2012

CONCESSIONÁRIA SPMAR S.A. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras Em 30 de junho de 2012 Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Em 30 de junho de 2012 FPRJ/MCV//MSA/GGA 2524/12 Demonstrações financeiras Em 30 de junho de 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

Publicação. BB Leasing. Balanço do Exercício/2014. Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias/Subsi III

Publicação. BB Leasing. Balanço do Exercício/2014. Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias/Subsi III Publicação BB Leasing Balanço do Exercício/2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias/Subsi III 1 Relatório da Administração Senhor Acionista, Apresentamos as demonstrações contábeis da BB Leasing

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 DCI Quartafeira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 Société Générale Brasil S.A. e Controladas CNPJ 61.533.584/000155 Avenida Paulista, 2300 9º andar Cerqueira César CEP 01310300 São Paulo SP Telefone:

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Iochpe foi instituída pela Companhia Iochpe e atualmente a sociedade mantenedora é a Iochpe-Maxion S/A e suas subsidiárias. A Fundação tem por finalidade cumprir a função

Leia mais

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES INSTITUTO RIO

Leia mais

Cooperativa de Poupança e Crédito Mútuo dos Empresários e Profissionais Liberais do Oeste Paulista SICOOB PAULISTA

Cooperativa de Poupança e Crédito Mútuo dos Empresários e Profissionais Liberais do Oeste Paulista SICOOB PAULISTA Cooperativa de Poupança e Crédito Mútuo dos Empresários e Profissionais Liberais do Oeste Paulista SICOOB PAULISTA Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e relatórios

Leia mais

Haitong Securities do Brasil Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A.

Haitong Securities do Brasil Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. Haitong Securities do Brasil Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. CNPJ/MF nº 33.894.445/0001-11 Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º andar - São Paulo/SP Ouvidoria: 0800-7700-668 - ouvidoria@haitongib.com.br

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e 2014 Demonstrações financeiras em KPDS 142882 Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório da Administração 3 Resumo do relatório do Comitê de Auditoria 6 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 (Em Reais) ATIVO 31/12/08

Leia mais

Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001

Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001 Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2001 E DE 2000 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES * REPRODUZ DOCUMENTO DA

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - Em Reais mil

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - Em Reais mil Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício findo em 31 de dezembro de 2013, do Banco Boavista Interatlântico S.A. (Banco Boavista), de acordo com as

Leia mais

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.)

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2006 (Em milhares de

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Banco e FNE Em R$ MIL Posição: 31.12.2011 Demonstrações Contábeis B A N C O Em R$ MIL Posição: 31.12.2011 BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. SEDE: AV. PEDRO RAMALHO, 5700 - FORTALEZA

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e 2010

BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e 2010 BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório da Administração

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS NO GELO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS NO GELO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS NO GELO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 e 2014 13 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores da Confederação

Leia mais

AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11

AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11 1 AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CREDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - CECREM PARECER E RELATÓRIO CIRCUNSTANCIADO

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Notas explicativas da administração às Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2011 Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma

Notas explicativas da administração às Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2011 Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma Índice das Notas Explicativas Página Nota 1 Contexto Operacional... 2 Nota 2 Apresentação das demonstrações contábeis... 2 Nota 3 Principais práticas contábeis... 4 Nota 4 Caixa e equivalentes de caixa...

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais