Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini"

Transcrição

1 Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini

2 Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação de empresas metodologias complexas

3 Conteúdo da unidade III 3. Avaliação de empresas: metodologias complexas 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados 3.2 Metodologia do valor presente líquido 3.3 Metodologia das opções reais Mensuração do risco do projeto Utilização da opção real e seu impacto sobre o VPL e o risco

4 Conteúdo da unidade III 3. Avaliação de empresas: metodologias complexas 3.4 Metodologia da TIR e do período payback Taxa interna de retorno (TIR) Período de payback Exemplo comparativo entre os métodos do VPL, TIR e payback

5 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Na metodologia dos fluxos de caixa descontados, para se obter o valor total da empresa, os seguintes passos são necessários: capitalização dos fluxos de caixa da atividade principal, descontados por uma taxa de retorno que corresponda ao risco do negócio e reflita as incertezas do mercado; em seguida, soma-se o valor dos ativos não operacionais.

6 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Esse método é considerado um dos melhores em termos metodológicos, pois apresenta inúmeras vantagens: em mercados eficientes, o preço das ações de uma empresa é igual ao valor presente de seus fluxos de caixa esperados; incorpora os fluxos de caixa em vez de medidas contábeis; considera a taxa de retorno de acordo com o custo do capital do negócio.

7 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Os fluxos de caixa esperados devem ser descontados a uma taxa que reflita o custo de financiamento desses ativos, ou seja, o custo médio ponderado de capital. O custo médio ponderado de capital considera o custo da dívida (passivo), o custo do capital próprio (patrimônio líquido) e seus pesos relativos na estrutura de financiamento da empresa.

8 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados CMPC ke % de Capital Próprio ki % de Capital de Terceiros 1- t ke = custo do capital próprio, que representa a taxa de retorno exigida por investidores em ações na empresa. Patrimônio Líquido % de Capital Próprio 100 Passivo Patrimônio Líquido

9 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados ki = custo do capital de terceiros, que mensura o custo de empréstimo atual, ajustado para os benefícios tributários do empréstimo. Passivo % de Capital de Terceiros 100 Passivo Patrimônio Líquido

10 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados t = alíquota do Imposto de Renda. A empresa obtém um benefício tributário pela redução do pagamento de impostos. Se considerarmos uma alíquota de IR de 34%, o custo do capital de terceiros será multiplicado por (1 0,34). Supondo 15% de Imposto de Renda mais 9% de Contribuição Social sobre o lucro líquido, mais um adicional de 10% sobre o lucro excedente de R$ ,00, temos uma alíquota aproximada de 34%.

11 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados O capital de terceiros possui benefícios tributários, uma vez que os juros são dedutíveis para fins de cálculo do Imposto de Renda de pessoa jurídica. No caso brasileiro, esta afirmativa é válida apenas para as empresas tributadas pelo lucro real. Já o capital próprio não apresenta este benefício, pois o pagamento de dividendos aos acionistas não é dedutível tributariamente.

12 Interatividade O custo médio ponderado de capital (CMPC) considera: a) Somente a compra ou venda de empresas. b) Somente o custo da dívida. c) O custo da dívida e o custo do capital próprio. d) Somente o custo do capital próprio. e) O custo da distribuição de dividendos.

13 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados O valor da empresa é calculado considerando-se: o valor presente dos fluxos de caixa, mais o valor residual no último anoprojeto, mais o valor dos ativos não operacionais no último ano de atividade da empresa (ano 0), atualizados para a data zero à taxa de desconto (CMPC): Valor da Empresa FCAno1 FCAno 2 FCAno n VR Ano n i 1 i 1 i A N-O_Ano 0

14 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados O fluxo de caixa considerado a cada período é o fluxo líquido de caixa, ou seja, as entradas de caixa menos as saídas de caixa. O valor residual representa o valor da empresa no final do último ano projetado. Supondo um crescimento constante para o período pós-projetado, o valor residual poderá ser calculado pelo modelo de Gordon.

15 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados VR FC Ano u 1 CMPC - g g VR = valor residual para o último ano do período projetado. FC = fluxo de caixa do último ano projetado. g = taxa de crescimento constante para os fluxos de caixa do período pós-projetado. CMPC = custo médio ponderado de capital ou taxa de desconto.

16 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Copeland, Koller e Murrin (2002) sugerem que o valor residual para o último ano projetado seja calculado considerando os lucros operacionais ajustados: VR LOA Ano u 1 g CMPC LOA = lucro operacional ajustado do último ano projetado. g = taxa de crescimento constante para os fluxos de caixa do período pós-projetado. CMPC = custo médio ponderado de capital ou taxa de desconto.

17 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados EBITDA = Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization. Em uma tradução literal, temos: lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (alguns autores chamam este lucro de LAJIDA, que corresponde à sigla em português). O EBITDA considera apenas a atividade operacional, sem sua forma de financiamento (juros), nem itens que não afetam o caixa.

18 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Apresenta uma visão da atividade operacional da empresa na geração de caixa, independente da forma de financiamento de sua atividade (juros), dos impostos que incorram sobre ela e da depreciação e amortização que não são pagas, sendo muito utilizado pelo mercado como forma de medida do resultado operacional.

19 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Outra forma de cálculo do EBITDA é dada pelo ajuste na DRE, partindo do lucro ou prejuízo operacional: Lucro (prejuízo) operacional (-) Equivalência patrimonial (+) Despesas financeiras (-) Receitas financeiras (+) Depreciação e amortização (=) EBITDA

20 3.1 Metodologia dos fluxos de caixa descontados Outra forma de analisar os fluxos de caixa descontados e considerar a atividade da empresa uma perpetuidade. Neste caso, havendo um fluxo de caixa (FC) regular, ou seja, sem crescimento ao longo do tempo, podemos considerar o valor da empresa como sendo a perpetuidade deste fluxo, descontado pelo custo médio ponderado de capital e acrescido dos ativos não operacionais. Assim, o valor da empresa e dado por: Valor da Empresa = (FC/CMPC) + AN-O_Ano 0

21 Exemplo Uma empresa apresenta os seguintes fluxos de caixa nos últimos cinco anos: FC líquidos ($ milhões) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Histórico 94,00 101,00 198,00 115,00 119,00 A expectativa de seu desempenho é um crescimento a uma taxa de 4,80% ao ano para os próximos cinco anos: FC líquidos ($ milhões) Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Projetado 124,71 130,70 136,97 143,55 150,44

22 Exemplo Assumindo uma taxa de crescimento constante de 4% ao ano e considerando um custo de capital de 9,5% ao ano, o seu valor residual no ano 10 é: VR Ano10 150,44 1,04 0,0950-0,04 $ 2.844,62 milhões O valor da empresa ao final do ano 5 será de: VE 124,71 130,70 136,97 143,55 150, ,62 Ano 5 $ 2.329,61 milhões ,095 1,095 1,095 1,095 1,095

23 3.2 Metodologia do valor presente líquido A metodologia do valor presente líquido consiste em calcular o valor presente de uma série de fluxos de caixa a uma taxa conhecida e deduzir o valor do investimento inicial. VPL = -FC0 + FC1/(1 + i)1 + FC2/(1 + i)2 + + FCn/(1 + i)n (1+i) n O conceito de valor presente líquido é utilizado amplamente na matemática financeira, pois considera o VPL de todos os fluxos de caixa menos o valor do investimento inicial na data zero.

24 3.2 Metodologia do valor presente líquido Na aplicação da técnica do VPL, a definição da taxa de desconto i é fundamental para a validação do projeto. A taxa de desconto deve representar o risco do negócio e as incertezas do mercado. Por isso, utilizamos o conceito de taxa mínima de atratividade. A TMA representa o custo de oportunidade do capital investido.

25 3.2 Metodologia do valor presente líquido A taxa mínima de atratividade pode corresponder: à taxa de aplicação básica no mercado (opção bancária que o investidor possui); ao custo médio ponderado de capital (CMPC) entre o capital próprio e o capital de terceiros, no caso de empresas.

26 3.2 Metodologia do valor presente líquido Sendo o VPL descontado pela TMA, se o valor obtido for maior do que zero, teremos a aprovação da viabilidade econômica do projeto, e quanto maior for o VPL, mais interessante em termos financeiros i ele fica. Se o VPL for negativo, deve-se rejeitar o projeto, já que o valor presente dos fluxos de caixa seria inferior ao investimento requerido.

27 3.2 Metodologia do valor presente líquido Se o resultado for igual a zero, o investimento não apresentará ganhos acima do custo do capital e, devido ao risco e às incertezas, deverá ser rejeitado. A principal limitação desta metodologia é considerar os valores dos fluxos de caixa no início do investimento, pois podem ocorrer alterações nesse fluxo após o projeto ter sido aceito e colocado em prática.

28 Interatividade O valor residual representa o valor da empresa no final do último ano projetado. Supondo um crescimento constante para o período pós-projetado, o valor residual poderá ser calculado: a) Pelo modelo de Edwards and Bells. b) Pelo modelo de Spencer. c) Pelo modelo de Gordon. d) Pelo modelo de Laplace. e) Pelo modelo de Damodaran.

29 3.2 Exemplo: metodologia do valor presente líquido Uma empresa está à venda por $ 515 milhões e possui a expectativa de gerar os seguintes fluxos de caixa para os próximos cinco anos: FC líquidos ($ milhões) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Projetado 24,00 27,00 28,50 29,75 30,40 Após esse período, a expectativa é de um crescimento constante a uma taxa de 5,75% ao ano, e o custo do capital considerado é de 8,90% ao ano.

30 3.2 Exemplo: metodologia do valor presente líquido Primeiramente, vamos calcular o valor residual no ano 5, utilizando o modelo de Gordon, visto anteriormente: VR Ano 5 30,40 1,0575 0,0890-0,0575 $1.020,57 milhões Valor da empresa na data zero: a soma do VPL dos fluxos de caixa para os próximos cinco anos mais o VR capitalizado à taxa de 8,9% = $ 774,23 milhões.

31 3.2 Exemplo: metodologia do valor presente líquido O VPL para o ano 0 é de: VPL Ano 0 $774,23 - $515,00 $259,23 milhões O VPL positivo indica que o investimento na aquisição da empresa analisada é viável, uma vez que seus fluxos de caixa descontados menos o investimento inicial na aquisição da empresa geram um saldo positivo.

32 3.3 Metodologia das opções reais Esta metodologia surgiu como uma forma de eliminar as limitações do VPL. A metodologia das opções reais apresenta uma grande flexibilidade em relação ao VPL. A flexibilidade desse método é maior por considerar que as atitudes dos investidores e os fluxos de caixa da empresa podem sofrer alterações em função das mudanças nas condições do mercado.

33 3.3 Metodologia das opções reais Nesta metodologia, são utilizadas árvores de decisão, que representam graficamente cada uma das decisões sequenciais e seus resultados possíveis. As árvores de decisão são formadas por nós de decisão e por nós folha. Nós de decisão: nesta parte da árvore, realiza-se uma decisão sobre alguns dos atributos dos exemplos utilizados no modelo, sendo cada resultado associado a duas ou mais subárvores.

34 3.3 Metodologia das opções reais A estrutura dos nós é montada em uma cadeia que tem a forma de uma árvore. O modelo pode ser bastante diferenciado, de acordo com o número de nós e opções existentes. Cada nó demonstra os diferentes atributos, classes e até os benefícios associados a cada opção. Nós folha: indicam as possibilidades previamenterotuladaseaprobabilidade rotuladas e a probabilidade associada de sua classificação.

35 3.3 Metodologia das opções reais Atributos Opções Benefício Condicional Atributo 1 Atributo 2 Nó de decisão Atributo 3 Opção 1 (Probabilidade 1) Benefício Condicional 1 Atributo 4 Nó folha Opção 2 (Probabilidade 2) Benefício Condicional 2 Opção 3 (Probabilidade 3) Benefício Condicional 3 Opção 4 (Probabilidade 4) Benefício Condicional 4

36 Exemplo: metodologia das opções reais Uma empresa está avaliando três estágios para a criação de uma nova unidade de negócios. Estágio 1: na data t = 0 Necessidade de um gasto de $ 2 milhões para a realização de um estudo de mercado sobre o potencial de consumo de uma nova linha de produtos. A empresa estima uma probabilidade de 65% de o estudo apresentar resultados favoráveis. A empresa estima uma probabilidade de 35% de o estudo de mercado resultar em uma decisão de cancelamento do investimento.

37 Exemplo: metodologia das opções reais Estágio 2 Se o resultado diagnosticar a capacidade de mercado, então, em t = 1, a empresa gastará $ 5 milhões para desenvolver seu novo produto e colocá-lo em condições de produção. A administração estima que há 72% de probabilidade de seus profissionais (engenharia, produção e marketing) aprovarem a nova linha e uma probabilidade de 28% dela ser rejeitada.

38 Exemplo: Metodologia das opções reais Estágio 3: se o resultado anterior for favorável, então, em t = 2, a empresa construirá uma fábrica ao custo líquido de $ 16 milhões e estimará o fluxo de caixa durante os próximos cinco anos. Há uma probabilidade de 35% de o projeto gerar um fluxo de caixa de $ 12 milhões/ano. Há uma probabilidade de 45% de o projeto gerar um fluxo de caixa de $ 7 milhões/ano. Há uma probabilidade de 20% de o projeto gerar um fluxo de caixa negativo de $ 2 milhões/ano.

39 Exemplo: metodologia das opções reais t = 0 t = 1 t = 2 t = 3.. t = 7. -$2 1 65% -$5 2 72% 28% - $16 Parada 35% + $ $ %. -$2 20%... + $12 + $7 -$2 35% Parada

40 Exemplo: metodologia das opções reais As probabilidades para cada alternativa são as seguintes: Ramo 1: 0,65 x 0,72 x 0,35 = 0,1638 = 16,38% VPL Ramo , , , ,11 $16,51 Ramo 2: 0,65 x 0,72 x 0,45 = 0,2106 = 21,06% VPL Ramo ,11 1,11 1,11 1,11 $1,51

41 Exemplo: metodologia das opções reais Ramo 3: 0,65 x 0,72 x 0,20 = 0,0936 = 9,36% VPL Ramo ,11 1,11 1,11 1,11 Ramo 4: 0,65 x 0,28 = 0,1125 = 11,25% - $25,49 5 VPL Ramo ,11 - $6,50 Ramo 5: 0,35 = 35,00% VPL Ramo 5 $2,00

42 Exemplo: metodologia das opções reais VPL esperado Probabilidade conjunta (1) VPL (2) (1) x (2) 0, ,51 2,70 0,2106 1,51 0,32 0, ,49-2,39 0,1820-6,50-1,18 0,3500-2,00-0,70 1,0000 VPL esperado = -1, Como, neste caso, o VPL esperado é negativo, a regra recomendaria a rejeição do investimento.

43 Interatividade A principal limitação da metodologia do valor presente líquido é: a) Não considerar os valores dos fluxos de caixa no início do investimento. b) Considerar os valores dos fluxos de caixa no início do investimento. c) Considerar os valores dos fluxos de caixa no final do investimento. d) Considerar os valores dos fluxos de caixa a valor presente. e) Calcular o VR pelo modelo de Copeland.

44 3.4 Metodologia da taxa interna de retorno e do período payback A TIR é a taxa de juros que iguala os fluxos de caixa futuros ao recebimento inicial no momento zero. Assim, a TIR é a taxa que faz o VPL do projeto ser igual a zero. FC0 = FC1/(1 + i)1 + FC2/(1 + i)2 + + FC4/(1 + i)n A TIR é comparada ao mínimo de retorno exigido pelo investidor (TMA). Tem-se como viável a opção de investir no projeto caso a sua TIR seja maior do que a TMA.

45 3.4 Metodologia da taxa interna de retorno e do período payback O método do payback consiste em calcular em quanto tempo (meses ou anos) os fluxos de caixa recebidos pagam o investimento inicial ocasionado pelo projeto. O método do payback indica em qual período ocorre o retorno do capital, considerando como melhores os projetos que proporcionam a recuperação do capital em menor tempo. O método do payback descontado constitui-se do cálculo do valor presente dos fluxos de caixa de cada parcela do investimento.

46 Exemplo prático de avaliação de empresas

47 Exemplo prático de avaliação de empresas

48 Exemplo prático de avaliação de empresas

49 Comparativo metodologia dos fluxos de caixa descontados x valor presente líquido É preciso definir por quanto tempo será feita esta análise. Vamos supor um período de cinco anos, com uma taxa de crescimento de 5,00%. Vamos supor também um crescimento constante de 3,00% ao ano após o quinto ano para o cálculo do valor residual. Procedendo ao cálculo dos fluxos de caixa descontados, obtemos o VE para a Mega S.A.

50 Metodologia dos fluxos de caixa descontados

51 Metodologia do valor presente líquido Utiliza as mesmas informações do método anterior. A partir do fluxo de caixa descontado e excluindo o investimento inicial realizado na aquisição da empresa, esta técnica proporciona visualizar o valor gerado pelo investimento. Procedendo ao cálculo do valor presente líquido, obtemos o VE para a Mega S.A.

52 Metodologia do valor presente líquido

53 3.4.1 Taxa interna de retorno Esta metodologia utiliza as mesmas premissas da metodologia do VPL, pois a TIR é a taxa juros que obtém um VPL igual a zero. A utilização dos fluxos de caixa descontados será útil. Para facilitar a análise, rearranjamos o FC projetado, com o investimento inicial na data X2 (saída) e o valor residual (VR) sendo acrescido ao fluxo de caixa na data X7.

54 3.4.1 Taxa interna de retorno A taxa interna de retorno é de 29,31%, superior à TMA correspondente ao custo do capital (CMPC) de 13,21% ao ano.

55 3.4.2 Período payback Esta metodologia mostra quando o fluxo de caixa se torna positivo. Podemos calcular o payback simples e o descontado: rearranjamos o FC projetado, com o investimento inicial na data X2 (saída) e o valor residual (VR) sendo acrescido ao fluxo de caixa na data X7.

56 3.4.2 Período payback O payback ocorrerá no quinto ano, quando o fluxo de caixa se tornar positivo.

57 3.4.3 Exemplo comparativo entre os métodos VPL, TIR e payback Metodologia VE (em X2) Metodologia do valor contábil ,00 Metodologia do valor patrimonial de mercado ,40 Metodologia do valor de liquidação ,60 Metodologia do preço/lucro ,94 Metodologia de capitalização dos lucros ,63 Metodologia dos múltiplos de faturamento ,34 Metodologia dos múltiplos de lucros ,35 Metodologia dos fluxos de caixa descontados ,05 Outras medidas Metodologia do valor presente líquido ,05 Metodologia da TIR 29,31%

58 3.4.3 Exemplo comparativo entre os métodos VPL, TIR e payback Conforme a metodologia empregada, o valor da empresa pode ser alterado consideravelmente, pois temos valores que foram de $ até $ ,63 milhões. A grande questão é: qual deles é o melhor ou o mais adequado? A resposta a esta questão depende do conhecimento do avaliador sobre o mercado, que indicará qual metodologia proporciona a base para uma avaliação mais próxima do valor justo desta empresa.

59 Interatividade A TIR é a taxa de juros que iguala os fluxos de caixa futuros ao recebimento inicial no momento zero. Tem-se como viável a opção de investir no projeto caso a TIR: a) Seja maior do que a TMA. b) Seja positiva e menor do que a TMA. c) Seja menor do que a TMA. d) Seja negativa e menor do que a TMA. e) Seja negativa e maior do que a TMA.

60 ATÉ A PRÓXIMA!

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

Unidade III. Avaliação de Empresas

Unidade III. Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas Unidade III 3 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIAS COMPLEXAS Nesta unidade de estudo, pautaremos sobre a forma de avaliar uma empresa tendo as metodologias classificadas como complexas,

Leia mais

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Aula 09 Matemática Financeira Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Introdução A partir da absorção do conceito de dinheiro no tempo, estamos aptos a fazer uso da Engenharia Econômica, que se

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS

FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. E-mail: marcus.quintella@fgv.br Internet: www.marcusquintella.com.br FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. Bibliografia Recomendada ROSS, S. A., WESTERFIELD,

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PARA UMA EMPRESA DO RAMO DE TRANSPORTE ALEXANDRO

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL)

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) A análise de novos investimentos pelo IL Qual a taxa mínima de lucratividade de um projeto? Como determinar o IL ideal de um novo investimento? Francisco Cavalcante

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado! Estimativa do Fluxo de Caixa! O método do fluxo de caixa descontado! Valor presente do fluxo de caixa futuro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR Bruno Cesar Linhares (UFRN ) brunoclcs@yahoo.com.br Mariama Saskya Araujo da Silva (UFRN ) mariama.saskya01@gmail.com Gilberto Alves

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas:

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas: ADM 1351 Orçamento de Capital: Métodos Métodos de Avaliação de Prof. Luiz Brandão 2005 2 BRANDÃO Finanças Decisão de Investim. Decisão de Financ. Ativo Circulante Passivo Circulante Dívidas de L.Prazo

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas:

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas: IAG PUC-Rio Métodos de Métodos Avaliação de Prof. Luiz Brandão 2007 2 BRANDÃO Finanças Decisão de Investim. Decisão de Financ. Ativo Circulante Passivo Circulante Dívidas de L.Prazo Ativo Permanente Recursos

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Palavras-chave: Avaliação de Investimentos; Valor Presente Líquido; Taxa Interna de Retorno; Payback Descontado.

Palavras-chave: Avaliação de Investimentos; Valor Presente Líquido; Taxa Interna de Retorno; Payback Descontado. ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Autor: Luiz Henrique Figueira Marquezan 1 Orientador: Gilberto Brondani 2 RESUMO O presente trabalho objetiva evidenciar três métodos de avaliação de investimentos através das

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON 1 O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON Métricas de Retorno Os direcionadores do retorno total do acionista -TSR O CFROI passo a passo Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Banco de Dados Análise de Investimentos Aspectos Econômicos e Financeiros de Empreendimentos Imobiliários Data: 23/maio/2014 1. Objetivo SUMÁRIO 2. Incorporação Imobiliária

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 4 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Técnicas de Análise Financeira CMPC Custo Médio Ponderado de Capital. Relação custo-benefício. Valor presente. Valor presente

Leia mais

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital Prof: Cleber Almeida de Oliveira 1. Introdução Neste módulo abordaremos as decisões de investimento e de financiamento. Os seguintes conceitos deverão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220.

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220. 7) Investimento Inicial Acréscimo da NCG Equipamento 1.100.000 NCG Inicial 900.000 Necessidade Capital de Giro 900.000 NCG Operações 1.500.000 2.000.000 Investimento adicional - 1º ano 600.000 Fluxo de

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º

FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º FCG - FACULDADE CAMPO GRANDE Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Interpretação das Demonstrações Contábeis Semestre: 7º e 8º Horário: Quinta 19:10 22:00 AULA 02 MODELOS BASEADOS NO BALANÇO PATRIMONIAL,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1 Balanço Patrimonial Aplicação dos Capitais

Leia mais

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK! O Payback na análise de investimentos! Quais as limitações do Payback! Quais as vantagens do Payback! Possíveis soluções para utilização adequada do Payback Paulo Dragaud

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25 INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA E O EBITDA (Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization) Indicador de cobertura e análise de cenários EBITDA

Leia mais

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A.

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos Auditores

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL Índice 1 - Tarifa Básica de Remuneração 2 - Cálculo da Contrapartida 3 - Demanda Anual 4 - Prazo de Pagamento 5 - Apresentação da Proposta Comercial 6 Modelo de Declaração da

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR GERÊNCIA DE SANEAMENTO BÁSICO Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR Goiânia, Abril de 2015 Estudo da Revisão Tarifária Ordinária de 2015 GESB/AGR 1 Sumário 1. Introdução 4 2. Da Competência

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1 Tipo de Pesquisa De acordo com a taxonomia proposta por Vergara (2000), a classificação da presente dissertação em relação a dois critérios fundamentais, seria a seguinte: Quanto aos

Leia mais

Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes

Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes! Na análise de projetos independentes a TIR e o VPL levam à mesma conclusão?! VPL ou TIR para analisar projetos independentes?! Na análise de projetos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe Curso de Gestão de Restaurantes Diego Koppe Conteúdo Definindo o mercado Calcular o preço de venda CMV VPL de venda Impostos e demais encargos Gestão de custos Maximizar lucros e vendas Projeção de vendas

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Viabilidade financeira para a expansão de uma empresa: um estudo de caso em uma loja de roupas e acessórios do Rio Grande do Norte

Viabilidade financeira para a expansão de uma empresa: um estudo de caso em uma loja de roupas e acessórios do Rio Grande do Norte Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Viabilidade financeira para a expansão de uma empresa: um estudo de caso em uma loja de roupas e acessórios do Rio Grande do Norte Mayara Alves Cordeiro (UFRN) - mayaraalves@ymail.com

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia INTRODUÇÃO CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES A Eng. Econômica objetiva a análise econômica de decisão sobre investimentos, considerando o custo do capital empregado. ETAPAS DA ANÁLISE: 1) Análise técnica

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais