As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:"

Transcrição

1 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas pelas empresas para a seleção de projetos que irão aumentar a riqueza de seus proprietários. Os enfoques mais usados para a análise de orçamentos de capital integram procedimentos de cálculo do valor do dinheiro no tempo, considerações de risco e retorno e conceitos de avaliação para selecionar gastos de capital compatíveis com o objetivo da empresa maximização da riqueza dos proprietários. As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: - Período de Payback - Valor Presente Líquido (VPL) - Taxa Interna de Retorno (IRR ou TIR) Período de Payback (original) Payback é o período de tempo necessário para que as entradas líquidas de caixa recuperem o valor do investimento inicial em um projeto. Regra do Payback: Um investimento é aceitável quando o retorno do capital investido se dá num tempo igual ou menos que aquele determinado pela empresa. Payback < padrão da empresa aceita-se o projeto Payback = padrão da empresa aceita-se o projeto Payback > padrão da empresa rejeita-se o projeto Vantagens e Desvantagens do Payback: VANTAGENS 1. Facilidade de se entender o conceito do método 2. Leva em conta a incerteza de fluxos de caixa mais distantes 3. Favorece a liquidez, ao privilegiar os fluxos de curto prazo, pois favorece a liberação de recursos para outras aplicações mais rapidamente. DESVANTAGENS 1. Ignora o valor do dinheiro no tempo 2. Exige um período limite arbitrário 3. Não leva em consideração as diferenças de risco nos projetos. Calculamos o payback de um projeto muito arriscado e de um projeto pouco arriscado da mesma maneira. 4. Ignora os fluxos de caixa pós payback.

2 19 5. Dificulta a aprovação de projetos de longo prazo. EXEMPLO: A Cia FPU, uma empresa metalúrgica de médio porte está analisando atualmente dois projetos cujos fluxos de caixa são apresentados na tabela abaixo e representados nas linhas de tempo. Estamos supondo que os projetos possuem séries convencionais de fluxos de caixa, e que todos esses fluxos apresentam o mesmo risco, que os dois projetos possuem vida útil igual e que a empresa dispões de fundos ilimitados. Projeto A Projeto B Investimento R$ R$ Ano Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Projeto A R$ R$ R$ R$ R$ R$ Projeto A período de payback = Investimento inicial / entrada de caixa anual Payback = / = 3 anos Projeto B Final do ano R$ R$ R$ R$ R$ R$ Final do ano Projeto B período de payback = entradas de caixa acumuladas até que o investimento inicial seja recuperado.

3 20 Payback = (Ano1) (Ano2) (50% da entrada de caixa do Ano 3) = 2,5 anos Período de Payback (descontado) É o período necessário para recuperar o investimento inicial, considerando os fluxos de caixa descontados a uma taxa mínima de atratividade. Esse método foi desenvolvido para corrigir uma das principais falhas do payback, que é não considerar o valor do dinheiro no tempo. EXEMPLO: PAYBACK ORIGINAL X PAYBACK DESCONTADO Valores Valores descontados Tx. Atrat. 15% Investimento R$ R$ Ano Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Payback(anos) 2,2 2,95 Apesar do payback original ser mais conhecido, o payback descontado é mais refinado e proporciona uma análise mais elaborada. Valor Presente Líquido (VPL) É uma técnica sofisticada de análise orçamento de capital, obtida subtraindo-se o investimento inicial de um projeto do valor presente de suas entradas de caixa, descontadas a uma taxa igual ao custo de capital da empresa (k). VPL = Valor presente das entradas de caixa Investimento FC k FC FC k FC FC VPL = FC n (1+ ) (1+ k) (1+ ) (1+ k) (1+ k) onde: FC = fluxo líquido de caixa (as saídas de caixa são representadas por valores negativos) k = custo de capital n = vida útil do projeto n

4 21 Regra do VPL: Um projeto de investimento deve ser aceito se o VPL for positivo e rejeitado se negativo. VPL > 0 aceita-se o projeto VPL = 0 aceita-se o projeto VPL < 0 rejeita-se o projeto Se o VPL for maior que 0, a empresa obterá retorno superior a seu custo de capital. Tal fato deverá aumentar o valor de mercado da empresa e, portanto, a riqueza dos proprietários. Vantagens e Desvantagens do VPL: VANTAGENS DESVANTAGENS 1. Leva em consideração o valor do dinheiro 1. Depende da determinação do custo de no tempo capital 2. Os VPLs podem ser somados 2. É um conceito de mais difícil assimilação pelos empresários do que uma taxa de retorno. 3. Dependem apenas dos fluxos de caixa e do custo de capital EXEMPLO: Usando os dados do exemplo anterior, e considerando o custo de capital da empresa for igual a 10%, os VPL dos projetos A e B podem ser calculados abaixo: Projeto A Projeto B Investimento R$ R$ Ano Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ VPL (10%) R$ R$ Uso da calculadora: Projeto A: chs g cf 0 Projeto B: chs g cf g cfj g cfj 5 g nj g cfj 10 i g cfj f NPV = R$ g nj 10 i f NPV = R$

5 22 Os dois projetos são aceitáveis, já que seus valores presentes líquidos são maiores que 0. Se estivessem sendo classificados, o projeto A seria considerado superior ao projeto B porque tem VPL R$ maior que R$ Taxa Interna de Retorno (TIR) É a taxa de desconto que iguala o valor presente das entradas de caixa ao investimento inicial referente a um projeto, resultando, desse modo em um VPL = 0. Matematicamente, a TIR é o valor de k que faz com que o VPL se iguale a 0. 0 = FC + 0 FC1 (1+ TIR) 1 + FC 2 (1+ TIR) 2 + FC 3 (1+ TIR) 3 + FC 4 (1+ TIR) FC n (1+ TIR) onde: FC = fluxo líquido de caixa (as saídas de caixa são representadas por valores negativos) k = custo de capital n = vida útil do projeto Regra do TIR: Um projeto de investimento é aceitável se sua TIR for igual ou superior ao custo de capital da empresa. Caso contrário, deve ser rejeitado. TIR > custo de capital(k) aceita-se o projeto TIR = custo de capital(k) aceita-se o projeto TIR < custo de capital(k) rejeita-se o projeto A lógica da TIR é a de que se o projeto está oferecendo um retorno igual ou superior ao custo de capital da empresa, estará gerando caixa suficiente para pagar os juros e para remunerar os acionistas de acordo com suas exigências. O custo de capital da empresa é tido como a taxa de retorno por ela exigida em seus projetos de investimento. Vantagens e Desvantagens da TIR: Vantagens Desvantagens 1. Relacionada de perto ao VPL, geralmente 1. Pode apresentar respostas múltiplas, se os levando a decisões idênticas fluxos de caixa forem não convencionais. 2. Fácil de entender e transmitir 2. Pode conduzir a decisões incorretas em comparações de investimentos mutuamente exclusivos. 3.Envolve uma técnica complexa de tentativa e erro para o cálculo da TIR. n

6 23 EXEMPLO: Usando os dados do exemplo anterior, e considerando o custo de capital da empresa for igual a 10%, calcular a TIR que faz com que o VPL seja exatamente igual a 0. Projeto A Projeto B Investimento R$ R$ Ano Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ TIR 19,86% 21,65% Uso da calculadora: Projeto A: chs g cf 0 Projeto B: chs g cf g cfj g cfj 5 g nj g cfj f IRR = 19,86% g cfj 3 g nj f IRR = 21,65% Comparando as TIRs dos projetos A e B ao custo de capital de 10%, verificamos que ambos os projetos são aceitáveis pois: TIR A =19,86% > k =10%; TIR B =21,65% > k =10% Comparando as TIRs dos dois projetos, preferiríamos o projeto B, pois TIR B =21,65% > TIR A =19,86%. 2.2 Comparação entre VPL e TIR O VPL é o método mais indicado pelos acadêmicos. Já a TIR é preferida pelos executivos e empresários, porque estes analisam os investimentos em termos de taxas percentuais como faz o mercado financeiro. O VPL e a TIR apresentam alguns aspectos comuns, como: Consideram o valor do dinheiro no tempo, tratando os fluxos de caixa com o mesmo instrumental da matemática financeira, e; Avaliam as propostas mediante o uso de uma taxa correspondente ao custo de capital ou à rentabilidade mínima exigida do investimento. Os dois métodos pressupões que as entradas de caixa sejam reinvestidas durante a vida útil do projeto, e neste ponto surge a diferença básica: No VPL esse reinvestimento seria realizado a uma taxa predeterminada que normalmente corresponde ao custo de capital; Na TIR a reinversão deveria propiciar rentabilidade periódica igual à própria TIR. Projetos independentes: Nesses projetos os dois métodos, VPL e TIR conduzem às mesmas decisões de rejeição ou aceitação.

7 24 Projetos mutuamente exclusivos: Nestes tipos de projetos já não acontece o mesmo, pois os dois métodos podem levar a diferentes soluções. Isso ocorre pelas taxas de reinvestimento implícitas em cada um dos métodos. 2.3 Investimento de capital sob risco Abordagens comportamentais para lidar com o risco São aspectos usados para obter uma noção do nível de risco em um projeto, são eles: Risco e entradas de caixa Em orçamento de capital, o termo risco refere-se à possibilidade de que um projeto se mostre inaceitável, ou seja, que VPL < 0 ou TIR < custo de capital. Risco, em orçamento de capital, é o grau de variabilidade dos fluxos de caixa. Nos projetos convencionais de orçamento de capital, o risco decorre quase que inteiramente das entradas de caixa, porque o investimento inicial geralmente é conhecido com relativa certeza. Essas entradas resultam de diversas variáveis relacionadas a receitas, despesas e impostos. Para avaliar o risco de um gasto proposto de capital, o analista precisa medir a probabilidade de que as entradas de caixa sejam suficientemente elevadas para levar a aceitação do projeto. Análise de sensibilidade É a abordagem que utiliza diversos valores possíveis de uma variável-chave, como as entradas de caixa, para avaliar seu impacto sobre o retorno da empresa, medido aqui pelo VPL. EXEMPLO: Suponha que o administrador financeiro da empresa tenha feito estimativas pessimista, mais provável e otimista das entradas de caixa de cada projeto. As estimativas resultantes e os VPLs resultantes são apresentados na tabela abaixo: Investimento Projeto A Projeto B R$ R$ Entradas de caixa anuais Estimativa Pessimista R$ R$ 0 Mais provável R$ R$ Otimista R$ R$ Amplitude R$1.000 R$4.000 VPL com k = 10% em 15 anos Estimativa Pessimista R$ R$ Mais provável R$5.212 R$5.212 Otimista R$9.015 R$ Amplitude R$7.606 R$ Comparando as amplitudes das entradas de caixa e dos VPLs, fica claro que o projeto A é menos arriscado que o projeto B, pois a amplitude do projeto B é maior que a amplitude do projeto A. Análise de Cenário É uma abordagem semelhante à análise de sensibilidade, mas com enfoque mais amplo. Ela avalia impacto sobre o retorno da empresa de

8 25 alterações simultâneas de diversas variáveis, como entradas de caixa, saídas de caixa e custo de capital. Simulação É uma abordagem comportamental com base estatística que aplica distribuições de probabilidades predeterminadas e números gerados ao acaso para estimar resultados com risco. Técnicas de ajuste ao risco As principais técnicas de ajuste ao risco, usando o método de decisão do VPL são: Equivalentes à certeza Fatores de ajuste ao risco que representam a porcentagem de uma entrada de caixa estimada, que os investidores ficariam satisfeitos em receber com certeza, ao invés de entradas de caixa possíveis, a cada ano. Esta técnica não é muito utilizada, pois utiliza um aspecto subjetivo para ajustar as entradas de caixa. Taxa de desconto ajustadas ao risco (TDAR) É a taxa de retorno que deve ser obtida em um projeto para recompensar os proprietários da empresa adequadamente pelo risco que estão incorrendo, ou seja, para manter ou aumentar o preço da ação. Quanto mais elevado o risco de um projeto, maior a TDAR e, portanto, menor o valor presente líquido de uma série de entradas de caixa. Na prática, as TDARs são freqüentemente mais utilizadas por dois fatores: 1. são coerentes com a preferência geral dos executivos financeiros por taxas de retorno; 2. são facilmente estimadas e aplicadas pois baseia-se em conveniência computacional e procedimento bem desenvolvidos. EXEMPLO: Utilizando o exemplo da Cia FPU, ela deseja usar o enfoque da TDAR para determinar de acordo com o VPL, se deve implantar o projeto A ou o projeto B. Além dos dados de cada projeto, a administração da empresa, depois de muita análise, atribuiu um índice de risco* para cada projeto. *índice de risco é apenas uma escala numérica usada para classificar o risco de um projeto. Investimento Ano Projeto A Projeto B R$ R$ Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Índice de risco TDAR 0,0 6% 0,2 7% 0,4 8% 0,6 9% 0,8 10% 1,0 (Proj.B) 11% 1,2 12% 1,4 13% 1,6 (Proj.A) 14% 1,8 16% 2,0 18%

9 26 VPLs R$ 6.063,13 R$9.798,43 Uso da calculadora: Projeto A: chs g cf 0 Projeto B: chs g cf g cfj g cfj 5 g nj g cfj 14 i g cfj f NPV = R$6.063,13 3 g nj 11 i f NPV = R$ 9.798,43 O projeto A oferece mais risco que o projeto B, sua TDAR de 14% é superior à do projeto B (11%). Os resultados mostram claramente que o projeto B é preferível porque seu VPL ajustado por risco de R$9.798 é maior que o do projeto A, de R$ Aprimoramentos em Orçamento de Capital Comparação de projetos com durações desiguais Se os projetos forem independentes, sua duração não será fator importante. Mas quando os projetos são mutuamente exclusivos, o impacto de durações deve ser considerado, e para isso utiliza a abordagem do valor presente líquido anualizado (VPLA). VPLA converte o VPL de projetos com durações diferentes em um montante anual equivalente que pode ser usado para selecionar o melhor projeto utilizando as seguintes etapas: Etapa 1 Calcular o VPL de cada projeto, ao longo de sua duração, usando o custo de capital apropriado. Etapa 2 Dividir o VPL de cada projeto, sendo ele positivo, pelo fator de valor presente de uma anuidade, ao custo de capital e considerando a duração do projeto, obtendo o VPLA. Etapa 3 Selecionar o projeto com o maior VPLA. EXEMPLO: Uma emissora de TV a cabo, está avaliando dois projetos, X e Y. Os fluxos de caixa relevantes de cada projeto são fornecidos abaixo. O custo de capital aplicável à avaliação desses dois projetos, que possuem o mesmo risco é de 10%. Projeto X Projeto Y Investimento R$ R$ Ano Entradas de caixa operacionais 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ VPLs R$ ,24 R$19.013,27 Cálculo do VPL com o uso da calculadora empregando a função programa NPV.

10 27 Ignorando as diferenças de duração dos projetos, ambos são aceitáveis (VPL > 0). Se fossem independentes, o projeto Y, com o maior VPL, seria preferível. Se fossem mutuamente exclusivos, deve levar em conta o tempo de duração dos projetos e utilizar a abordagem do VPLA: Etapa 1: VPL X = R$ ,24; VPL Y = R$ ,27 Etapa 2: Uso da calculadora Projeto X: ,24 chs PV Projeto Y: ,27 chs PV 3 n 6 n 10 i 10 i PMT = R$4.537,74 PMT = R$ 4.365,59 Etapa 3: Revendo os VPLAs calculados na etapa 2, percebemos que o projeto X seria preferido em relação ao projeto Y. Dado que os dois são mutuamente exclusivos, o primeiro, X, seria o projeto recomendado porque gera o maior VPLA Racionamento de Capital O objetivo do racionamento de capital é selecionar o grupo de projetos que oferece o maior VPL global e não exige mais dinheiro do que o orçamento disponível. Teoricamente, o racionamento de capital não deveria existir, mas na prática a administração das empresas impõe restrições internas aos gastos de capital para evitar um nível excessivo de novos financiamentos, em particular com capital de terceiros. Podem ser feitas duas abordagens básicas à seleção de projetos sob racionamento de capital: - Abordagem da Taxa Interna de retorno: envolve a confecção de gráficos de TIRs de projetos em ordem decrescente, contra o valor total do investimento. Esse gráfico é chamado de escala de oportunidades de investimento (EOI). EXEMPLO: Uma empresa do setor de plásticos em processo de rápido crescimento, tem diante de si seis projetos que competem por seu orçamento de R$ Os investimentos iniciais e as TIRs dos projetos são os seguintes: Projeto Investimento TIR A R$ ,00 12% B R$ ,00 20% C R$ ,00 16% D R$ ,00 8% E R$ ,00 15% F R$ ,00 11% O custo de capital da empresa é igual a 10%. De acordo com a escala, somente os projetos B, C e E devem ser aceitos. Em conjunto, eles absorverão R$ do orçamento total de R$ Os projetos A e F são aceitáveis, mas não podem ser escolhidos por causa da limitação de recursos. O projeto D não deve ser considerado pois sua TIR é inferior ao custo de capital da empresa. A falha desta abordagem é a inexistência de garantia de que a aceitação dos projetos B, C e E maximizará os retornos monetários totais e, portanto, a riqueza dos acionistas.

11 28 - Abordagem do valor presente líquido: Baseia no uso de valores presentes para determinar o grupo de projetos que maximizará a riqueza dos proprietários. Essa abordagem é implantada a partir da classificação dos projetos com base nas TIRs, seguida da avaliação do valor presente dos benefícios de cada projeto possível, a fim de determinar a combinação de projetos com o maior VPL global. EXEMPLO: O grupo de projetos do exemplo anterior, é classificado em ordem decrescente por TIR. O VPL das entradas de caixa também estão incluídos na tabela. Projeto Investimento (R$) TIR (%) VPL (R$) k = 10% B C E A F D Os projetos B, C e E requerem R$ e geram VPL de R$ Mas, se os projetos B, C e A fossem realizados, todo o orçamento de R$ seria usado e o VPL seria igual a R$ Portanto a aceitação de B, C e A é preferível pois são projetos que maximizam o valor presente com o orçamente dado.

12 QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Uma vez que a empresa tenha determinado os fluxos de caixa relevantes de seus projetos, o que deve fazer em seguida? Que objetivo deve usar na seleção de projetos? 2. O que é o período de payback? Como ele é calculado? 3. Que deficiências são comumente apontadas em relação ao uso do período de payback na avaliação de um projeto de investimento? 4. Como é calculado o valor presente líquido (VPL) de um projeto que apresenta uma série convencional de fluxos de caixa? 5. Quais são os critérios de aceitação no VPL? Como estão relacionados ao valor de mercado da empresa? 6. O que é a taxa interna de retorno (TIR) de um investimento? Como ela é determinada? 7. Quais são os critérios de aceitação para a TIR? Como estão relacionados ao valor de mercado da empresa? 8. O VPL e a TIR estão sempre de acordo quanto a decisões de aceitação ou rejeição? E quanto a decisões de classificação? Explique sua resposta. 9. Porque o método da taxa interna de retorno apresenta larga aceitação entre os executivos financeiros? 10. A maioria dos projetos mutuamente exclusivos de orçamento de capital possui o mesmo risco? Como a aceitação de um projeto pode alterar o risco geral de uma empresa? 11. Defina risco em termos das entradas de caixa de um projeto de orçamento de capital. 12. Descreva como cada uma das abordagens comportamentais pode ser usada para lidar com o risco de projetos. 13. Descreva as técnicas de ajuste ao risco, e diga qual delas são mais utilizadas pelos administradores financeiros. 14. Explique por que é incorreta uma simples comparação dos VPLs de projetos repetitivos, mutuamente exclusivos e de duração diferentes? 15. Descreva a abordagem do valor presente líquido anualizado (VPLA) para a comparação de projetos com duração diferentes. 16. O que é racionamento de capital? Teoricamente, deveria existir? Por que ocorre freqüentemente na prática? 17. Compare a abordagem da taxa interna de retorno e a abordagem do valor presente líquido a problemas de racionamento de capital. Qual delas é a melhor? Por que?

13 EXERCÍCIOS 1. Sua empresa gerará fluxos anuais de R$ durante os próximos oito anos, graças a um novo banco de dados. O sistema de computação necessário para instalar o banco de dados custa R$ Se puder tomar dinheiro emprestado para comprar o sistema de computação à taxa de juros de 11% ao ano, valerá a pena ter o novo sistema? 2. Você está analisando dois projetos de investimento: A e B. Se o seu custo de capital é de 9% a.a., qual será o melhor projeto? Use o payback, o VPL e a TIR. Projeto A Projeto B Investimento R$ R$ Ano Entradas de Caixa 1 R$8.000 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Considere os seguintes projetos mutuamente exclusivos. Se o custo de capital for de 12%, qual você escolheria? a) Pelo critério de payback, TIR e VPL. b) Qual seria sua decisão final? Por quê? Projeto A Projeto B Investimento R$ R$ Ano Entradas de Caixa 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ Uma empresa de logística possui R$ para investir em seus projetos; seu custo de capital é 10%. Ela está avaliando as seguintes propostas. Quais projetos a empresa deveria aceitar? Por quê? Projeto Investimento Fluxo de Caixa anual Vida do projeto 1 R$ R$ anos 2 R$ R$ anos 3 R$ R$ anos 4 R$ R$ anos 5 R$ R$ anos 5. Uma indústria está em um processo de escolha do melhor dentre dois projetos de dispêndio de capital, mutuamente exclusivos e com igual nível de risco. Os fluxos de caixa relevantes para cada projeto são apresentados a seguir. O custo de capital da empresa é de 14%. Projeto M Projeto N Investimento R$ R$ Ano Entradas de Caixa 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$8.000

14 31 a) Calcule o período de payback para cada projeto. b) Calcule o valor presente líquido para cada projeto. c) Calcule a taxa interna de retorno para cada projeto. d) Faça uma análise, e de acordo com cada técnica, indique qual projeto você recomendaria e por quê. 6. Uma empresa está tentando avaliar a viabilidade de investir R$ em um equipamento cuja vida útil é de cinco anos. A empresa estimou as entradas de caixa associadas a essa proposta como segue: Ano Entradas de Caixa 1 R$ R$ R$ R$ R$ A empresa tem um custo de capital de 12%. a) Calcule o período de payback para o investimento proposto. b) Calcule o VPL do investimento proposto. c) Calcule a TIR do investimento proposto. d) Avalie a aceitabilidade do investimento proposto, utilizando o VPL e a TIR. Qual seria sua recomendação a respeito da implementação do projeto. Por quê? 7. Uma empresa está analisando a substituição de uma máquina existente. A nova máquina custa R$1,2 milhão e requer custos de instalação de R$ A máquina existente pode ser vendida por R$ , antes do imposto. Ela tem dois anos de existência, custou R$ quando nova e tem um valor contábil de R$ Estava sendo depreciada pelo método linear em um período de cinco anos e, dessa forma, tem três anos restantes de depreciação. Se essa máquina permanecer na empresa até o final do quinto ano, seu valor de mercado será zero. Durante seus cinco anos de vida, a nova máquina deverá reduzir os custos operacionais em R$ por ano. Ela também seria depreciada pelo método linear num período de cinco anos. Um aumento do investimento no CCL de R$ será necessário para sustentar as operações da nova máquina. Suponha que a empresa tenha um lucro operacional suficiente contra o qual poderá deduzir qualquer perda decorrente da venda da máquina existente. A empresa tem um custo de capital de 9% e está sujeita a uma alíquota de IR de 25%. a) Desenvolva os fluxos de caixa relevantes necessários para analisar a proposta de substituição. b) Calcule o VPL da proposta. c) Calcule a TIR da proposta. d) Faça uma recomendação quanto à aceitação ou rejeição da proposta de substituição, e justifique sua resposta. 8. Uma empresa está considerando a compra de uma nova máquina impressora. O custo total do equipamento instalado seria de R$2,2 milhões. Esse desembolso seria parcialmente coberto pela venda de uma impressora existente. A impressora velha tem um valor contábil de zero, custou R$1 milhão dez anos atrás, e pode ser vendida hoje por R$1,2 milhão antes do imposto de renda. Espera-se que a nova máquina impressora irá gerar em cada um dos próximos cinco anos um aumento nas vendas no valor de R$1,6 milhão; porém, o custo dos produtos representará 50% das vendas. O novo equipamento não afetará a necessidade de capital circulante líquido da empresa. A nova impressora será depreciada pelo método linear, utilizando um período de cinco anos. A empresa está sujeita a uma alíquota de imposto de 25%. O custo de capital da empresa é de 11%. a) Calcule o investimento inicial exigido, e as entradas de caixa operacionais relacionadas com a nova impressora. b) Calcule o período de payback, o VPL e a TIR relacionadas com a nova impressora proposta. c) Faça uma recomendação de aceitar ou rejeitar a nova impressora e justifique sua resposta.

15 32 9. Uma empresa está analisando dois projetos mutuamente exclusivos cujos dados são apresentados abaixo: CV TDRA Projeto A Projeto B 0,0 7% Investimento R$ R$ ,2 8% 0,4 9% Ano Entradas de Caixa 0,6 10% 1 R$7.000 R$ ,8 11% 2 R$7.000 R$ ,0 12% 3 R$7.000 R$ ,2 13% Índice de risco 0,4 1,8 1,4 14% 1,6 15% 1,8 16% a) Calcule o VPL de cada projeto, considerando um custo de capital de 10%, ignorando diferenças em termos de risco. b) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando taxas de desconto ajustadas ao risco para levar em conta o risco. c) Compare e explique os resultados em a, e b. 10. Uma empresa está escolhendo um investimento entre três projetos mutuamente exclusivos, E, F e G. O custo de capital da empresa é de 15%.A empresa estimou os seguintes fluxos de caixa básicos e índices de risco para cada um dos projetos. Projeto E Projeto F Projeto G Investimento R$ CV = 1,8 R$ CV = 1,0 R$ CV = 0,6 Ano Entr. Cx Entr. Cx Entr. Cx 1 R$6.000 R$6.000 R$ R$6.000 R$4.000 R$ R$6.000 R$5.000 R$ R$6.000 R$2.000 R$ CV TDAR (%) 0,0 10,0 0,6 13,0 1,0 15,0 1,8 19,0 a) Ache o VPL para cada projeto, utilizando o custo de capital. Qual projeto é preferido nessa situação? b) Utilize a TDAR de cada projeto para calcular seu VPL ajustado ao risco. Qual projeto é preferível nessa situação? c) Qual dos projetos você recomendaria que a empresa aceitasse?

16 Uma empresa está examinando a possibilidade de realizar um de três projetos mutuamente exclusivos para aumentar a eficiência de sua produção. A empresa planeja usar o custo de capital de 14% para avaliar esses projetos, os quais oferecem o mesmo risco. Os investimentos iniciais e as entradas anuais de caixa projetadas para a vida útil de cada projeto são apresentados abaixo: Projeto 1 Projeto 2 Projeto 3 Investimento R$ R$ R$ Ano Entradas de caixa 1 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ a) Calcule o VPL de cada projeto, considerando sua vida útil. Classifique os projetos por ordem decrescente de VPL. b) Use o enfoque do VPLA para avaliar e classificar os projetos por ordem decrescente de VPLA. c) Compare os resultados obtidos nos itens a e b. Que projeto você recomendaria à empresa? Por quê? 12. Uma indústria está procurando selecionar o melhor de um grupo de projetos independentes que competem pelo orçamento de capital cujo valor total é de R$4,5 milhões. A empresa sabe que qualquer parcela não utilizada desse orçamento renderá menos que seu custo de capital de 15%, resultando em um valor presente de entradas inferior ao investimento inicial. A empresa sintetizou os dados essenciais a ser usados na seleção do melhor grupo de projetos na tabela abaixo: Projeto Investimento (R$) TIR (%) VPL (R$) k = 10% A B C D E F G a) Use a abordagem da taxa interna de retorno para selecionar o melhor grupo de projetos. b) Use a abordagem do valor presente líquido para selecionar o melhor grupo de projetos. c) Compare e discuta os resultados dos itens a e b. d) Quais projetos a empresa deve executar? Por quê? 13. Uma empresa encontra-se em fase de avaliação de propostas de investimento de capital. A seguir são apresentados os valores básicos das alternativas identificadas pela sua direção. Projetos Investimento VPL (R$) TIR (%) (R$) A R$ R$ B R$ R$ C R$ R$ D R$ R$ E R$ R$ a) Admitindo-se que o orçamento de capital esteja limitado em R$ , pede-se identificar as alternativas que você recomendaria. b) Se o orçamento for ampliado para R$ , você mantém a mesma recomendação anterior?

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Adm. Financeira II Aula 05 - Técnicas Orç. Capital - Pg. 1/8 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução 1.1. Considerar fatores importantes fora do controle da empresa 1.2. Fatores qualitativos

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Banco de Dados Análise de Investimentos Aspectos Econômicos e Financeiros de Empreendimentos Imobiliários Data: 23/maio/2014 1. Objetivo SUMÁRIO 2. Incorporação Imobiliária

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados

Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados Escolha de inves.mentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO Cálculo e interpretação do Payback Desvantagens do Payback Vantagens do Payback Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 6 Decisões de investimento de longo prazo Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios, pios,

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 4 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Técnicas de Análise Financeira CMPC Custo Médio Ponderado de Capital. Relação custo-benefício. Valor presente. Valor presente

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK! O Payback na análise de investimentos! Quais as limitações do Payback! Quais as vantagens do Payback! Possíveis soluções para utilização adequada do Payback Paulo Dragaud

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0)

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0) Exercícios Resolvidos 1. Em qual dos dois investimentos deve-se aceitar, levando em consideração os índices do VPL, TIR e PAYBACK? Justifique sua resposta. Taxa mínima de atratividade é de 6% Período Investimento

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

Análise de Investimentos e Reposição de Ativos

Análise de Investimentos e Reposição de Ativos Análise de Investimentos e Reposição de Ativos Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 10 A essência da análise de investimentos: Comparação de valores presentes, calculados

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Métodos e Critérios de Avaliação de Investimentos de Capital Orçamento de capital é o nome dado ao processo de decisões de procura e aquisição de ativos de longo prazo. São cinco as principais etapas do

Leia mais

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br ESTUDO DE VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Projeto de viabilidade É um projeto de estudo e análise, ou seja, é um projeto que procura verificar a

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos Análise de Investimentos e Financiamentos Aula 3 Prof. Cleverson Luiz Pereira Técnicas de análise de investimentos e análise de investimentos em condições de risco e incerteza Contextualização As técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PARA UMA EMPRESA DO RAMO DE TRANSPORTE ALEXANDRO

Leia mais

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia INTRODUÇÃO CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES A Eng. Econômica objetiva a análise econômica de decisão sobre investimentos, considerando o custo do capital empregado. ETAPAS DA ANÁLISE: 1) Análise técnica

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL)

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) A análise de novos investimentos pelo IL Qual a taxa mínima de lucratividade de um projeto? Como determinar o IL ideal de um novo investimento? Francisco Cavalcante

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos 1. Introdução Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos Pode-se definir Investimento como sendo um sacrifício hoje em prol da obtenção de uma série de benefícios futuros. Sob o enfoque das finanças

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Critérios de avaliação de investimentos Sumário Critérios de avaliação de investimentos o Valor actual líquido o Taxa interna de rentabilidade

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares

Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares Escolha de investimentos via fluxos de caixa irregulares descontados WERNKE, Rodney. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 4 Aula de Fernando

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON 1 O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON Métricas de Retorno Os direcionadores do retorno total do acionista -TSR O CFROI passo a passo Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado

Leia mais

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas:

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas: ADM 1351 Orçamento de Capital: Métodos Métodos de Avaliação de Prof. Luiz Brandão 2005 2 BRANDÃO Finanças Decisão de Investim. Decisão de Financ. Ativo Circulante Passivo Circulante Dívidas de L.Prazo

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 27 CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE INVESTIMENTO INTEGRAÇÃO ENTRE O CAIXA E O LUCRO CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins..

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins.. 1) Qual a definição de Capital Circulante Líquido- CCL? 2) O que são recursos não onerosos? 3) Qual o objetivo da administração do capital de giro? 4) Como podemos medir o risco e o retorno de uma empresa?

Leia mais

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas:

Lockheed Tristar: Premissas: Lockheed Tristar: Premissas: Início Vendas: IAG PUC-Rio Métodos de Métodos Avaliação de Prof. Luiz Brandão 2007 2 BRANDÃO Finanças Decisão de Investim. Decisão de Financ. Ativo Circulante Passivo Circulante Dívidas de L.Prazo Ativo Permanente Recursos

Leia mais

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3 2. METODOS DE VALORAÇÃO ---------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR A taxa interna de retorno é a taxa de juros (desconto) que iguala, em determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com o das saídas (pagamentos)

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo...

Técnicas de Avaliação. Técnicas BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos. Tópico Novo. O segundo passo... Tópico Novo O segundo passo... Técnicas de Avaliação Comparar os parâmetros das Decisões de Investimentos Um breve resumo... Comparação e técnicas Ativo Passivo Bens + Direitos INVESTIMENTOS Obrigações

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Professor: Daniel Otto Brehm

Professor: Daniel Otto Brehm Ponto 2: Metodologia e princípios da Análise de Investimentos; Análise de Projetos industriais e substituição de equipamentos; Prática instrumental, tabelas, planilhas e calculadoras Financeiras. Professor:

Leia mais

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa 1 CAPITAL DE GIRO E FLUXO DE CAIXA CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CAPITAL

Leia mais

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6 COMO DEFINIR A SUBSTITUIÇÃO DE UM A substituição de um equipamento por outro selecionado entre dois outros com vidas úteis iguais! Devemos considerar os insumos passados na substituição de um equipamento?!

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado! Estimativa do Fluxo de Caixa! O método do fluxo de caixa descontado! Valor presente do fluxo de caixa futuro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 7 - Custo de Capital e Estrutura de Capital Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios, fundamentos

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ - UNESPAR CAMPUS DE PARANAVAÍ. ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 215/216 WWW. O N I V A L D O. C O M. BR Administração Financeira oizidoro@uol.com.br

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante

Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante Ana Maria Paiva Guimarães UFSJ Pablo Luiz Martins pablo@ufsj.edu.br UFSJ Resumo:O presente trabalho objetiva apresentar

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira

ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira Juros e Taxas de Juros Tipos de Empréstimos Valor Atual Líquido Taxa Interna de Retorno Cobertura de Manutenção de Dívidas Juros e Taxa de Juros Juro é

Leia mais

Gestão de Projetos de Investimentos

Gestão de Projetos de Investimentos Gestão de Projetos de Investimentos Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Contabilidade e Controladoria Profº Fabiano Marcos Bagatini Chapecó, Abril de 2014. SUMÁRIO 1 1. CONCEITOS DE PROJETO 2 2. CONCEITOS

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Métodos de Avaliação de Risco Opções Reais Análise de Risco Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Quando usar o Atingir Meta e quando usar o Solver Autor: Francisco

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais