Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos"

Transcrição

1 Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

2 SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças Avaliação de investimentos Empréstimos e juros Alternativas de investimento Elementos de matemática financeira Juros compostos Valor futuro Valor presente Taxa de juros Número de períodos Perpetuidade Taxa de juros equivalente Parcelamento de empréstimos Sistema de parcelas iguais (Tabela Price) Sistema de amortizações constantes Índices de Retorno Exemplo Taxa de Juros Real Exercícios Análise de viabilidade financeira Constituição jurídica de empresas Precificação Mark-up Maximização do lucro Estratégias especiais Tributação Impostos e taxas Simples Nacional Lucro presumido Lucro real Outros impostos e taxas Salários e encargos Referências úteis GABARITO... 21

3 LISTA DE VARIÁVEIS N: número total de períodos n: período P: Pagamento ou parcela q: número de períodos menores que compõe o período maior r: taxa de juros real t: taxa de juros (nominal) VF: Valor futuro VP: Valor presente

4 1 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS Finanças corporativas Finanças Finanças pessoais Mercado financeiro 1.1 AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS Os recursos poupados por pessoas e entidades podem ser investidos em ativos a fim de transferir valor do presente para o futuro. A escolha de investimento em um ativo deve levar em consideração três características das alternativas disponíveis: Avaliação do ativo Retorno conjunto de benefícios esperados Risco grau de incerteza acerca do retorno Liquidez custo para transformar o ativo em dinheiro

5 O retorno de um ativo é composto por dois elementos: Renda Valorização Retorno 1. Renda: fluxo de pagamentos oferecidos ao proprietário do ativo. 2. Valorização: diferença entre os preços de venda e compra do ativo. Taxa de retorno é o retorno expresso em valores percentuais relativos ao preço do ativo. 1.2 EMPRÉSTIMOS E JUROS Poupança e investimento Origem dos juros Moral dos juros Taxa real de juros livre de risco Prêmio pelo risco Inflação Taxa de juros nominal Taxa básica de juros (SELIC) Taxa Referencial (TR) e Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) Poupadores Bancos Investidores Taxas de juros comerciais

6 1.3 ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO Dinheiro Ativos físicos o Imóveis o Veículos e equipamentos o Estoques o Metais preciosos o Jóias, obras de arte, objetos de coleção, etc. Caderneta de poupança Títulos de dívida o Títulos da dívida pública Taxa pré-fixada (RF) Taxa pós-fixada (DI) o CDB e CDI o Debêntures o Notas promissórias o Cheques pré-datados Ações Fundos de investimento (RF, DI, ações, cambiais, multimercados, etc)

7 2 ELEMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Juros simples e compostos 2.1 JUROS COMPOSTOS Valor futuro ( ) Valor presente ( ) ( ) Taxa de juros ( ) ( )

8 2.1.4 Número de períodos ( ) ( ) [( ) ] ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Perpetuidade Perpetuidade é um ativo que oferece pagamentos constantes por um período muito longo. O valor presente de uma perpetuidade é a soma de pagamentos futuros em valores presentes. ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Taxa de juros equivalente Transformação da taxa de juros referente a um período maior em uma taxa de juros referente a um período menor. Por exemplo, transformação de uma taxa de juros anual em taxa de juros mensal. ( ) ( ) } ( )

9 De maneira genérica, a taxa de equivalente é igual a ( ) Se a taxa de juros mensal for aplicada para calcular o valor futuro no mês n, então ( ) 2.2 PARCELAMENTO DE EMPRÉSTIMOS ( ) Sistema de parcelas iguais (Tabela Price) ( ) [ ] ( ) Sistema de amortizações constantes

10 Fluxo de caixa 2.3 ÍNDICES DE RETORNO O fluxo de caixa de alguns ativos não é constante. Nesse caso, torna-se mais difícil a comparação entre duas alternativas de investimento, sendo necessária a adoção de índices de retorno. Os três índices de retorno mais importantes são: Tempo de retorno (Payback): tempo necessário para a recuperação do investimento inicial. Valor Presente Líquido (VPL): soma dos valores presentes do fluxo de caixa considerando-se uma taxa de juros de referência. Taxa Interna de Retorno (TIR): taxa de juros de referência que faz com que VPL= Exemplo Considere o seguinte fluxo de caixa: N Fluxo de caixa R$ 4 R$ 2 R$ 0 -R$ 2 -R$ 4 -R$ 6 -R$ 8 -R$ Período Tempo de retorno = 4 períodos, pois o saldo dos fluxos de caixa no período 4 é zero. Período Fluxo de caixa Saldo 0 -R$ 10 -R$ 10 1 R$ 1 -R$ 9 2 R$ 3 -R$ 6 3 R$ 2 -R$ 4 4 R$ 4 R$ 0

11 VPL(taxa de referência=10%) = R$ 1,74, pois Período Fluxo de caixa VP (t=10%) 0 -R$ 10 -R$ 10,00 1 R$ 1 R$ 0,91 2 R$ 3 R$ 2,48 3 R$ 2 R$ 1,50 4 R$ 4 R$ 2,73 5 R$ 3 R$ 1,86 6 R$ 4 R$ 2,26 Soma R$ 1,74 TIR = 14,9%, pois VPL(taxa de referência=14,9%) = R$ 0, ou seja Período Fluxo de caixa VP (t=14,9%) 0 -R$ 10 -R$ 10,00 1 R$ 1 R$ 0,87 2 R$ 3 R$ 2,27 3 R$ 2 R$ 1,32 4 R$ 4 R$ 2,30 5 R$ 3 R$ 1,50 6 R$ 4 R$ 1,74 Soma R$ 0, TAXA DE JUROS REAL ( ) ( )( )

12 2.5 EXERCÍCIOS 1. Complete a tabela a seguir: Item Valor presente (VP) Valor futuro (VF) Taxa de juros (t) Períodos (n) a R$ 486,12 9,26% 2 b R$ 948,49 9,62% 12 c R$ 957,81 11,37% 19 d R$ 2083,68 7,40% 11 e R$ ,49 19,35% 40 f R$ 689,97 R$ 2085,80 11 g R$ 797,47 R$ 1653,28 37 h R$ 687,11 R$ 21008,97 16,82% i R$ 174,09 R$ 19383,40 18,33% j R$ 708,74 R$ ,69 34 k R$ 46,03 3,44% 18 l R$ 3349,78 21,04% 13 m R$ 382,57 14,55% 29 n R$ 131,31 R$ 99,72 24 o R$ 613,26 R$ 605,58-0,09% p R$ 317,28 R$ 15563,41 24 q R$ 1037,71 22,19% 15 r R$ 177,72 18,48% 34 s R$ 340,47 R$ 188,66-2,43% t R$ 251,23 R$ 46097,02 17,11% u R$ 967,25 24,94% 37 v R$ 206,56 21,18% 32 W R$ 545,92 3,16% 21 x R$ 810,57 R$ ,82 31 y R$ 664,01 R$ 44569,86 15,61% z R$ 32,16 R$ 49233,02 23,31% 2. Qual é o preço esperado de um ativo que paga R$ 150 mensalmente e por tempo indeterminado? Considere uma taxa de juros de 1,2% ao mês. 3. Quanto um investidor deveria estar disposto a pagar por um imóvel que rende um aluguel mensal de R$ 900,00 e que não apresenta qualquer perspectiva de valorização ou desvalorização? Considere uma taxa de juros de 0,7%. 4. Calcule a taxa de juros mensal equivalente a uma taxa de juros anual de 20%. 5. Calcule a taxa de juros diária equivalente a uma taxa de juros mensal de 6%. Considere que o mês tem 30 dias.

13 6. Calcule a taxa de juros semanal equivalente a uma taxa de juros anual de 12%. Considere que o ano tem 52 semanas. 7. Quanto você deveria investir hoje em um fundo que rende 12% ao ano no para que seu saldo seja de R$ 2500,00 daqui a três anos e meio? 8. Em quantos dias um investimento de R$ 550 resulta em um saldo de R$ 600 se aplicado a uma taxa mensal de 5% ao mês? Considere que o mês tem 30 dias. 9. Calcule o valor da parcela, amortização, juros e saldo devedor em cada período das seguintes operações de crédito segundo o método de parcelamento de amortizações constantes. Item Capital Taxa de juros (t) Número de períodos (n) a R$ 2.000,00 3% 7 b R$ 300,00 2,50% 6 c R$ 890,00 1,20% 7 d R$ 20,00 7,30% 5 e R$ 1.350,00 5,80% 8 f R$ 4.520,00 2,00% 10 g R$ ,00 1,85% Calcule o valor da parcela, amortização, juros e saldo devedor em cada período das seguintes operações de crédito segundo o método de parcelas constantes. Item Capital Taxa de juros (t) Número de períodos (n) a R$ 390,00 1,0% 5 b R$ 1200,00 2,5% 7 c R$ 360,00 0,8% 6 d R$ 4350,00 3,7% 8 e R$ 6550,00 1,45% 11 f R$ 5380,00 2,87% 14 g R$ 90,00 7,5% 15

14 11. Calcule o Valor Presente Líquido (VPL) dos seguintes fluxos de caixa, considerando as taxas de juros de referência indicadas. N Item a b c d e f g T 2% 10,00% 1,45% 7,25% 8,30% 12,50% 20,30% Calcule a Taxa Interna de Retorno dos seguintes fluxos de caixa. n Item a b , , Se a inflação anual é de 10% e a taxa de juros nominal paga por um ativo é de 20%, qual a taxa de juros real? 14. Em Junho de 2013 a taxa Selic era de 0,60% ao mês e a taxa de inflação mensal era de 0,26%. Qual a taxa de juros real paga pelos títulos da dívida pública naquele mês?

15 3 ANÁLISE DE VIABILIDADE FINANCEIRA 3.1 CONSTITUIÇÃO JURÍDICA DE EMPRESAS O Código Civil (Lei de 10 de Janeiro de 2002) prevê a existência de diferentes tipos de sociedades comerciais, sendo as principais: Sociedade Simples: único sócio e responsabilidade ilimitada. Sociedade Limitada: dois ou mais sócios reconhecidos no contrato social da empresa. Responsabilidade limitada. Sociedade Anônima: propriedade dividida em ações cujos proprietários são anônimos. Responsabilidade limitada. 3.2 PRECIFICAÇÃO Em mercados plenamente competitivos, nos quais os produtos não são diferenciados, o preço de venda é definido pelo mercado, e não por cada uma das empresas em particular. Neste caso, a empresa se vê obrigada a praticar o mesmo preço de suas concorrentes. Caso tente praticar um preço superior ao preço de mercado, a empresa não conseguirá vender. Em mercados imperfeitamente competitivos, a empresa tem algum poder de mercado, podendo estabelecer diferentes preços para seus produtos. Existem diferentes práticas de precificação para estes casos Mark-up A definição do preço pode ser feita com base no custo de produção. A diferença percentual entre o preço e o custo é chamada de mark-up. Exemplo: ( ) Se o custo de produção é de R$ 1.500,00 e o mark-up estabelecido pela empresa é de 25%, então o preço de venda é de R$ (1+0,25) = R$ 1.875, Maximização do lucro O preço pode ser estabelecido de forma a maximizar o lucro da empresa. Para tanto, a empresa deve considerar custos e receitas.

16 Os custos e as receitas podem variar de acordo com a quantidade produzida. A variação do custo total decorrente da produção de uma unidade adicional é chamada de custo marginal. Simetricamente, a variação da receita decorrente da venda de uma unidade adicional é chamada de receita marginal. A quantidade de produção e venda que maximiza o lucro da empresa é aquela em que o custo marginal é igual à receita marginal. ( ) ( ) Em algumas situações, o custo marginal é decrescente em função da quantidade. Nesse caso, produzir mais significa produzir mais barato. Contudo, como a capacidade produtiva da empresa é fixa no curto prazo, a partir de uma cerca quantidade o custo marginal geralmente é crescente em função da quantidade produzida. Custo marginal R$ Quantidade de produtos Nos mercados imperfeitamente competitivos, quanto menor o preço de venda, maior é quantidade vendida pela empresa. A relação entre o preço e a quantidade de vendas é chamada de curva de demanda da empresa. A partir da curva de demanda da empresa, pode-se calcular a função de receita marginal. Esse cálculo é exemplificado a seguir: Preço Vendas Receita Receita marginal

17 A quantidade de produção e venda que maximiza o lucro da empresa é definida partir da igualdade do custo marginal e receita marginal. Uma vez definida a quantidade de produtos, o preço de venda é estabelecido a partir da curva de demanda. R$ Curva de demanda Custo marginal Preço Receita marginal Quantidade de produção Estratégias especiais Liquidação: forma de reduzir o preço Preço de entrada: mais barato para ganhar mercado Preço de prêmio: altos preços levam à crença de qualidade Preço psicológico: como, por exemplo, R$ 1,99 Discriminação de preços: preços diferentes para o mesmo produto o Negociação o Classificação de clientes o Lotes o Market skimming 3.3 TRIBUTAÇÃO Impostos e taxas Simples Nacional Proibições o Faturamento máximo R$ ,00 o Intermediação

18 o Representação comercial Permitido: Restaurantes, Hotéis e Agências de Viagens, Espaço para eventos, Organizadora de Eventos Proibido: Operadoras de Turismo Impostos incluídos: IRPJ, CSLL, COFINS, PIS, ISS Base de cálculo: receita Alíquotas Receita anual (em R$) Alíquota Até ,00 6,00% De ,01 a ,00 8,21% De ,01 a ,00 10,26% De ,01 a ,00 11,31% De ,01 a ,00 11,40% De ,01 a ,00 12,42% De ,01 a ,00 12,54% De ,01 a ,00 12,68% De ,01 a ,00 13,55% De ,01 a ,00 13,68% De ,01 a ,00 14,93% De ,01 a ,00 15,06% De ,01 a ,00 15,20% De ,01 a ,00 15,35% De ,01 a ,00 15,48% De ,01 a ,00 16,85% De ,01 a ,00 16,98% De ,01 a ,00 17,13% De ,01 a ,00 17,27% De ,01 a ,00 17,42% Lucro presumido Proibições o Faturamento máximo de R$ CSLL o Base de cálculo: 12% da receita bruta o Alíquota: 9% IRPJ o Base de cálculo: 32% da receita bruta o Alíquota 15% sobre base de cálculo de até R$ por trimestre 25% sobre base de cálculo que exceder R$ por trimestre Contribuição Para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS): 3% Programa de Integração Social (PIS): 0,65%

19 Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS): 18% Imposto Sobre Serviços (ISS) o Varia por município o 5% no município de São Paulo Regime vantajoso para empresas impedidas de optar pelo Simples Nacional e com margem de lucro superior aos percentuais de definição da base de cálculo Lucro real Sistema complexo baseado na diferença entre receitas e despesas Outros impostos e taxas Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE) Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) 3.4 SALÁRIOS E ENCARGOS INSS: 20% sobre os pagamentos para empresas não optantes pelo Simples Nacional. 9% para empresas optantes pelo Simples Nacional. FGTS: 8% sobre pagamentos. Férias o Adicional de férias: adicional de 1/3 do salário 13º salário Adicional noturno: 11% a mais sobre as horas trabalhadas entre 22h00 e 5h00 Transporte: valor do transporte que exceder 6% do salário do empregado Hora extra: 50% a mais sobre as horas que excederem 8 horas diárias ou 44 horas semanais. Licenças Aviso prévio: 30 dias + 3 dias por ano de trabalho, até o máximo total de 90 dias.

20 4 REFERÊNCIAS ÚTEIS $File/NT000A44AE.pdf

21 GABARITO 1. Valor presente (VP) Valor futuro (VF) Taxa de juros (t) Períodos (n) A 486,12 580,32 9,26% 2 B 948, ,69 9,62% 12 C 957, ,98 11,37% 19 D 950, ,68 7,40% 11 E 988, ,49 19,35% 40 F 689, ,80 10,58% 11 G 797, ,28 1,99% 37 H 687, ,97 16,82% 22 I 174, ,40 18,33% 28 J 708, ,69 22,86% 34 K 46,03 84,61 3,44% 18 L 279, ,78 21,04% 13 M 382, ,33 14,55% 29 N 131,31 99,72-1,14% 24 O 613,26 605,58-0,09% 14 P 317, ,41 17,61% 24 Q 51, ,71 22,19% 15 R 177, ,07 18,48% 34 S 340,47 188,66-2,43% 24 T 251, ,02 17,11% 33 U 967, ,35 24,94% 37 V 206, ,74 21,18% 32 W 284,05 545,92 3,16% 21 X 810, ,82 19,88% 31 Y 664, ,86 15,61% 29 Z 32, ,02 23,31% R$ ,00 3. R$ , ,53% 5. 0,19% 6. 0,22% 7. R$ 1680, ,43 dias 9. a. N Amortização Juros Parcela Saldo devedor

22 0 2000, ,71 60,00 345, , ,71 51,43 337, , ,71 42,86 328, , ,71 34,29 320,00 857, ,71 25,71 311,42 571, ,71 17,14 302,85 285, ,71 8,57 294,28 0,03 b.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 300, ,00 7,50 57,50 250, ,00 6,25 56,25 200, ,00 5,00 55,00 150, ,00 3,75 53,75 100, ,00 2,50 52,50 50, ,00 1,25 51,25 0,00 c.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 890, ,14 10,68 137,82 762, ,14 9,15 136,29 635, ,14 7,63 134,77 508, ,14 6,10 133,24 381, ,14 4,58 131,72 254, ,14 3,05 130,19 127, ,14 1,53 128,67 0,02 d.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 20,00 1 4,00 1,46 5,46 16,00 2 4,00 1,17 5,17 12,00 3 4,00 0,88 4,88 8,00 4 4,00 0,58 4,58 4,00 5 4,00 0,29 4,29 0,00 e.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,75 78,30 247, , ,75 68,51 237, , ,75 58,73 227,48 843,75

23 4 168,75 48,94 217,69 675, ,75 39,15 207,90 506, ,75 29,36 198,11 337, ,75 19,58 188,33 168, ,75 9,79 178,54 0,00 f.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,00 90,40 542, , ,00 81,36 533, , ,00 72,32 524, , ,00 63,28 515, , ,00 54,24 506, , ,00 45,20 497, , ,00 36,16 488, , ,00 27,12 479,12 904, ,00 18,08 470,08 452, ,00 9,04 461,04 0,00 g.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,33 210,16 967, , ,33 196,15 953, , ,33 182,14 939, , ,33 168,13 925, , ,33 154,12 911, , ,33 140,11 897, , ,33 126,10 883, , ,33 112,09 869, , ,33 98,08 855, , ,33 84,06 841, , ,33 70,05 827, , ,33 56,04 813, , ,33 42,03 799, , ,33 28,02 785,35 757, ,33 14,01 771,34 0, a.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 390, ,46 3,90 80,36 313, ,22 3,14 80,36 236,32

24 3 78,00 2,36 80,36 158, ,78 1,58 80,36 79, ,56 0,80 80,36-0,02 b.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,99 30,00 188, , ,96 26,03 188,99 878, ,04 21,95 188,99 711, ,21 17,78 188,99 539, ,49 13,50 188,99 364, ,88 9,11 188,99 184, ,38 4,61 188,99 0,05 c.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 360, ,81 2,88 61,69 301, ,28 2,41 61,69 241, ,75 1,94 61,69 182, ,23 1,46 61,69 121, ,71 0,98 61,69 61, ,20 0,49 61,69 0,02 d.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,17 160,95 638, , ,83 143,29 638, , ,13 124,99 638, , ,12 106,00 638, , ,81 86,31 638, , ,23 65,89 638, , ,40 44,72 638,12 615, ,35 22,77 638,12-0,04 e.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,52 94,98 648, , ,55 86,95 648, , ,69 78,81 648, , ,95 70,55 648, , ,33 62,17 648, ,96

25 6 594,84 53,66 648, , ,46 45,04 648, , ,21 36,29 648, , ,09 27,41 648, , ,09 18,41 648,50 639, ,23 9,27 648,50 0,04 f.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor , ,65 154,41 472, , ,77 145,29 472, , ,15 135,91 472, , ,80 126,26 472, , ,72 116,34 472, , ,93 106,13 472, , ,43 95,63 472, , ,24 84,82 472, , ,35 73,71 472, , ,78 62,28 472, , ,54 50,52 472, , ,64 38,42 472,06 905, ,09 25,97 472,06 458, ,89 13,17 472,06 0,02 g.. n Amortização Juros Parcela Saldo devedor 0 90,00 1 3,45 6,75 10,20 86,55 2 3,71 6,49 10,20 82,84 3 3,99 6,21 10,20 78,85 4 4,29 5,91 10,20 74,56 5 4,61 5,59 10,20 69,95 6 4,95 5,25 10,20 65,00 7 5,32 4,88 10,20 59,68 8 5,72 4,48 10,20 53,96 9 6,15 4,05 10,20 47, ,61 3,59 10,20 41, ,11 3,09 10,20 34, ,64 2,56 10,20 26, ,22 1,98 10,20 18, ,83 1,37 10,20 9, ,49 0,71 10,20-0,

26 a. 13,38 b. -350,00 c ,00 d ,22 e. -17,29 f. 0,48 g. -30, a. 10% b. 12% 13. 9,09% 14. 0,34%

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

não aplicada não aplicada

não aplicada não aplicada 45 3277/04 Mensal De janeiro a novembro de 2007 IRRF - Rendimentos de capital - Rendimentos de partes beneficiárias ou de fundador 46 3277/05 Decendial 1º, 2º e 3º decêndios de dezembro de 2007 IRRF -

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Do endividamento à independência pessoal Formação de poupança e opções de investimento. Instituto Nacional de Tecnologia 11/março/2015

Do endividamento à independência pessoal Formação de poupança e opções de investimento. Instituto Nacional de Tecnologia 11/março/2015 Do endividamento à independência pessoal Formação de poupança e opções de investimento Instituto Nacional de Tecnologia 11/março/2015 As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 13-11-2013 aula 4 Avaliação de Ativos e Valor Presente. Dinâmica 1 Exercícios de Valor Presente e Valor Futuro 1) Joaquim

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de CUSTOS Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 - PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, ECONÔMICO E FINANCEIRO A empresa Distribuidora

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES SINCOR - ES Cleber Batista de Sousa MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES Estrutura Básica de uma GESTÃO ADMINISTRATIVA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Gestão Operacional; Gestão de Pessoas; Gestão Financeira; Gestão

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A)

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A) 6. PLANO DE CONTAS É apresentada abaixo a estrutura do Plano de Contas elaborada para o Manual de Contabilidade do Serviço Público de Exploração da Infraestrutura Rodoviária Federal. Legenda: (A) Rubrica

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de Sumário 1 Introdução, l 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, l 1.2 Fundamentos de tributos, 10 1.3 Plano de contas de referência, 22 2 A contabilização de tributos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL EVENTO MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL: PIS COFINS SIMPLIFICAÇÃO OU AUMENTO? EDUARDO LEVY CURITIBA, 23 DE NOVEMBRO DE 2015 Números do Setor de Telecomunicações 275 milhões de celulares

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento

Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento A poupança é mais popular, mas rendimento perde da inflação. Saiba como funciona cada uma dos três formas de guardar seu dinheiro. Karina

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31 Apresentação, xi 1 Introdução, 1 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, 1 1.2 Fundamentos de tributos, 9 1.3 Plano de contas de referência, 20 2 Tributos federais

Leia mais

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução.

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO FUnC RESOLUÇÃO 01/2010 FUnC Dispõe sobre o orçamento 2010 da FUnC. O Presidente da Fundação Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art.

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Economia para Engenharia

Economia para Engenharia Economia para Engenharia Prof. Fernando Deschamps fernando.deschamps@ufpr.br Problema Quanto vocêdeve poupar mensalmentepara que você possa ter uma aposentadoriade R$10.000,00 pelo resto de sua vida, sabendo

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

Glossário básico de Empreendedorismo

Glossário básico de Empreendedorismo Glossário básico de Empreendedorismo Análise Ambiental Estudo feito visando conhecer mais detalhadamente os agentes e fatores que por ventura podem influenciar nos planejamentos da empresa. Ativo Circulante

Leia mais

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 460, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2004 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Professor Carpi 3. OS 4 P s DO MARKETING 3. OS 4 P s DO MARKETING 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Preço Valor que o consumidor troca para obter benefícios por ele esperado. Funções e objetivos

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL Índice 1 - Tarifa Básica de Remuneração 2 - Cálculo da Contrapartida 3 - Demanda Anual 4 - Prazo de Pagamento 5 - Apresentação da Proposta Comercial 6 Modelo de Declaração da

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponibilidades 1.1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.1.1.1.01 Caixa 1.1.1.1.02 Depósitos Bancários em Moeda Nacional 1.1.1.1.03 Contas de Poupança 1.1.1.1.04 Numerários

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Contabilidade Tributária

Contabilidade Tributária Contabilidade Tributária Prof. Nelson Bravo 18.02.2013 Centro Universitário Uniseb 7 Semestre Apresentação da disciplina e noções gerais das normas contábeis 2 METODOLOGIA As aulas serão expositivas, com

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável USP-FEA Curso de Economia Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores 7. Instrumentos Financeiros (Aplicações Financeiras, Títulos, Contas a Receber, empréstimos) Instrumentos Financeiros

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Atendendo aos dispositivos legais, estatutários e à regulamentação do mercado de valores mobiliários, a administração da Brasil Brokers Participações S.A. vem submeter à apreciação de V.Sas. nossos comentários

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues Matemática Financeira Flávio Rodrrigues Desconto de Títulos de Crédito Conceito: O Desconto é a diferença entre o valor futuro de um título (duplicata, nota promissória, letra de câmbio, cheque pré- datado

Leia mais

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS 1 2 Identificar os principais produtos e serviços oferecidos pelos bancos no Brasil; 3 I INTRODUÇÃO 4 II - DESENVOLVIMENTO 1. PRODUTOS BANCÁRIOS 2. TIPOS DE CONTAS 3. OPERAÇÕES ATIVAS a. Cheque Especial

Leia mais

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS) COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)! A TIR e o VPL Na Formação do Preço Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra...

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... 0 http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... Outubro Notas Cenofisco: 1ª) Além das obrigações relacionadas neste Calendário, o assinante poderá,

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui:

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui: 1 - A INSTITUIÇÃO E SUAS OPERAÇÕES. A ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO POUPEX, organizada sob a forma de sociedade civil, de acordo com as Leis nº. 6.855, de 18.11.1980, e 7.750, de 13.04.1989, e demais

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS Ângelo da Silva Agosto/2011 Conceitos 2 Lucro econômico (L) = Receitas Custos (deve embutir o custo de capital, diferindo do lucro contábil) Um projeto

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL Sigrid Kersting Chaves IRPJ e CSLL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO IRPJ CSLL CTN: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013 . São Paulo, 13 de maio de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por Desconto Simples Títulos de Crédito Os títulos de crédito são instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) e são usados para formalizar dívidas que serão pagas no futuro, em prazo previamente

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras - GEOB Engenharia Econômica aplicada à avaliação de projetos imobiliários 1 2 3 4 Eduardo G. Quiza (41)

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil

Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil Plano de 5 anos para conjuntos habitacionais de famílias de 1-3 e 4-6 salários mínimos Habitação de Alta Qualidade para População de Baixa Renda Famílias auferindo

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS 1) Desconto de Duplicatas O desconto de duplicatas é uma operação muito comum nos dias atuais, por conta da grande necessidade de se fazer caixa. Nesta operação

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para a implantação da produção de veículos do tipo baja na região de Viçosa.

Estudo de viabilidade econômica para a implantação da produção de veículos do tipo baja na região de Viçosa. Estudo de viabilidade econômica para a implantação da produção de veículos do tipo baja na região de Viçosa. Mariana Saraiva Bitarães, mariana.bitaraes@ufv.br Geice Paula Villibor, geicelin@yahoo.com.br

Leia mais