ESTUDO SOBRE O FLUXO DE ARQUIVOS E INFORMAÇÕES ENTRE OPERADOR LOGÍSTICO E CLIENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE O FLUXO DE ARQUIVOS E INFORMAÇÕES ENTRE OPERADOR LOGÍSTICO E CLIENTE"

Transcrição

1 CENTRO TECNOLÓGICO DA ZONA LESTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ESTUDO SOBRE O FLUXO DE ARQUIVOS E INFORMAÇÕES ENTRE OPERADOR LOGÍSTICO E CLIENTE CAROLINA SORRENTINO São Paulo 2009

2 CENTRO TECNOLÓGICO DA ZONA LESTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CAROLINA SORRENTINO ESTUDO SOBRE O FLUXO DE ARQUIVOS E INFORMAÇÕES ENTRE OPERADOR LOGÍSTICO E CLIENTE Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte Orientador: Prof. José Abel de Andrade Baptista São Paulo 2009

3 CENTRO TECNOLÓGICO DA ZONA LESTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE S121d Sorrentino, Carolina Estudo sobre a troca de dados e informações entre Operador Logístico e cliente / Carolina Sorrentino São Paulo, SP : [s.n], f. Orientador: Prof. José Abel de Andrade Baptista Monografia (Graduação) Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Bibliografia: f. 1. Mercado Financeiro. 2. Economia. 3. Fuções e Aquisições. I. Bruschi, Luis Carlos (Jose Abel de Andrade Baptista). II. Universidade Estadual de Londrina. CDU : 578

4 CAROLINA SORRENTINO ESTUDO SOBRE O FLUXO DE ARQUIVOS E INFORMAÇÕES ENTRE OPERADOR LOGÍSTICO E CLIENTE Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte. COMISSÃO EXAMINADORA Prof. José Abel de Andrade Baptista Fatec - ZL Prof. Georgette Ferrari Priolli Fatec - ZL Prof. Hamilton Broglia Feitosa de Lacerda Unicastelo São Paulo, de de 2009.

5 A todos que de alguma forma ajudaram a nutrir os pensamentos que viabilizaram esse trabalho.

6 AGRADECIMENTOS Ao Prof. José Abel, braço amigo de todas as etapas deste trabalho. A minha família, pela confiança e motivação. Aos amigos e colegas, pela força e pela vibração em relação a esta jornada. Aos professores e colegas de Curso, pois juntos trilhamos uma etapa importante de nossas vidas. Aos profissionais que com seu trabalho diário, fomentaram em mim a motivação de realização do estudo de caso. A todos que, com boa intenção, colaboraram para a realização e finalização deste trabalho. Ao Anderson José pela sua incansável companhia motivadora. Aos que não impediram a finalização deste estudo.

7 Cada pessoa esta continuamente fabricando uma quantidade infinita de pensamentos, lembranças, desejos, objetos etc. Esses impulsos, ondulando pelo oceano da consciência, tornam-se sua realidade. Depak Chopra

8

9 SORRENTINO, Carolina. Estudo sobre o fluxo de arquivos e informações entre operador logístico e cliente: Trabalho de conclusão de curso FATEC Faculdade de Tecnologia da zona leste. RESUMO Analisa e compara os meios através dos quais são trocados dados e informações entre Operador Logístico e cliente. Disserta sobre a estrutura de operação Logística desenhada para que cliente e prestador de serviço possam, de forma contínua e eficaz, trocar dados operacionais para realização dos processos. Aborda sob o aspecto da transferência da informação a criação dos arquivos necessários a cada processo, bem como a necessidade de sua análise, interpretação e modificação. Propõem alterações no processo de troca de arquivos para entrada de produtos em estoque com o intuito de diminuição de trabalho operacional para o cliente, otimização dos recursos oferecidos pelo Operador Logístico e conseqüente agilidade no fluxo de entrada de produtos. Conclui que a eficiência do fluxo informacional é vital para o bom relacionamento operacional entre Operador Logístico e industria farmacêutica, bem como comprova que a eliminação de imputes repetidos ao longo da cadeia favorece a agilidade operacional. Palavras-chave: Operador Logístico; troca de dados e informação, entradas em estoque.

10 SORRENTINO, Carolina. Study about the flow of files and information between the customer and logistic operator: Final Paper - FATEC Faculdade de Tecnologia da Zona Leste.. ABSTRACT It analyses and compares how files and information are exchanged between the customer and logistic operator. It discusses the way the logistic operation structure is set up so that customer and logistic operator, can in an efficient and uninterrupted way, exchange data base information to the accomplishment of the processes. The approach is done taking in consideration the information exchange flow and the making of files necessary to each process, as well as the need for its analyses, interpretation and changes. It proposes changes on the file exchange flow for products entering the warehouse, reducing the operational work load for the customer, optimizing the resources offered by the logistic operator and therefore the speed of the entrance of products in the warehouse. It concludes that the efficiency of the information flow is vital for the good operational relationship between the logistic operator and the pharmaceutical industry, it also proves that by eliminating the repeated inputs throughout the supply chain improves the operational speed. Key-words: Logistic Operator, information and files exchange flow, entrance of products in the warehouse.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Modelo de sistemas de Informação Figura 2 - Sistema de informação logística Figura 3 - Áreas de atuação da empresa Figura 4 - Organograma do departamento de Distribuição Figura 5 - Fluxograma do processo de entrada de estoque Figura 6 - Fluxo de troca de arquivos de faturamento Figura 7 - Fluxo de processo de recebimento do OL Figura 8 - Padrão de conferência do Operador Logístico Figura 9 - Relatório de anormalidade externa do Operador Logístico Figura 10 - Gráfico de número entradas de notas fiscais por divisão de negócio Figura 11- Gráfico de número de linhas entradas em estoque...66 Figura 12- Tempo gasto para a entrada de itens em minutos...67 Figura 13- Fluxo de recebimento no Operador Logístico...68 Figura 14- Novo fluxo proposto de recebimento no Operador Logístico...68 Figura 15- Fluxo de recebimento do padrão no Laboratório...69 Figura 16: Novo fluxo de recebimento do padrão no Laboratório...69

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Metodologia DADOS, CONHECIMENTO E INFORMAÇÃO Dados: conceitos e definições Informação: conceitos e definições Conhecimento: conceitos e definições LOGÍSTICA: HISTÓRIA, CONCEITO E RELAÇÃO COM A INFORMAÇÃO Logística e sua relação com o conhecimento O pael da informação na cadeia de suprimento Barreiras à disponibilização de informação ao longo da cadeia OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Tipos de Sistemas de Informação Os Sistemas de Informação na Logística ESTUDO DE CASO...44 REFERÊNCIAS...72

13 12 1. INTRODUÇÃO Devido a crescente concorrência dos mercados, as empresas têm a necessidade cada vez maior de focar-se exclusivamente em seu core bussiness, em virtude disso vemos uma grande gama de serviços dentro das empresas sendo terceirizado; os serviços logísticos são um exemplo disso. A busca por operadores logísticos que ofereçam uma boa estrutura de serviço cresce constantemente. Entretanto terceirizar uma função extremamente estratégica como essa requer uma serie de cuidados e medidas especialmente do que tange a troca de informações entre operador e cliente, pois da eficiência desta, dependerá o sucesso da operação. Devido ao relativo afastamento da operação provocado pela terceirização, a falta de acompanhamento e gerenciamento das informações operacionais logísticas leva a perda de know how dos processos logísticos e o conseqüente afastamento do cliente final. Essa perda de sensibilidade pode tornarse uma grande desvantagem competitiva visto que a habilidade de reconhecer uma variação de tendência de mercado no momento exato em que ela acontece pode salvar uma empresa do fracasso ou até da falência. O presente trabalho se propõe a estudar a troca de dados e informações entre operador e logístico e cliente. O fluxo dessas informações gerenciais e principalmente operacionais tem a responsabilidade de garantir a acuracidade do estoques, o alinhamento da operação de distribuição bem como os dados relativos ao transporte, as informações acerca dos custos operacionais de cada etapa terceirizada e o alinhamento das estratégias gerenciais entre outros. Através de um estudo de caso entre a industria farmacêutica Omega e o operador logístico Andromeda pretende-se analisar o processo de troca de dados

14 13 de forma a propor mudanças nos processos de troca de arquivos para entrada de produtos em estoque de forma a melhorar a eficiência operacional e global do sistema Objetivo O objetivo geral deste trabalho é demonstrar que o gerenciamento adequado das informações trocadas entre operador logístico e cliente promoverá melhoria na execução dos processos e conseqüentemente aumento relevante do nível de serviço oferecido ao consumidor final. Como objetivo específico é pretendido demonstrar que o redesenho do processo de troca de arquivos e informações para o processo de entrada de produtos em estoque poderá promover maior agilidade e conseqüente eficiência do processo. 1.3 Metodologia Para realização desse trabalho foi feito levantamento bibliográfico sobre o tema de sistemas e gerenciamento da informação, com o intuito de conhecer, analisar e comparar o que dizem os principais autores da área. Dessa forma teremos condição de analisar criticamente conceitos, histórico e cenário atual do tema proposto. Também será realizado um estudo de caso, no qual através da exposição dos processos e da problemática, e com o embasamento teórico

15 14 conseguido no levantamento bibliográfico pretendemos realizar analise do processo praticado bem como, possíveis mudanças que proporcionem melhorias.

16 15 2. DADOS, INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO O mundo tem caminhado de forma a tornar irreversível o fato de que a informação é um elemento primordial e indispensável para o bom funcionamento dos processos, sejam eles das mais variadas naturezas. Hoje comumente ouvimos a expressão economia da informação para transmitir a idéia de que a grande geração de riqueza mundial é proveniente, baseada ou sustentada pela informação, vemos empresas como o Google, por exemplo, baseada essencialmente em informação e cujo valor de mercado supera com grande folga grandes empresas produtoras de bens de consumo. A um olhar desatento, podemos ter a falsa idéia de que dados, informação e conhecimento podem transmitir a mesma idéia, entretanto apesar de intrinsecamente relacionados, esse termos trazem concepções e idéias distintas. Este capitulo, pretende apresentar as definições dos termos abordados, com o intuito de fornecedor embasamento teórico para que seja desenvolvido o tema do trabalho. 2.1 Dados: conceitos e definições É oportuno, nesse momento, que comecemos nossa abordagem discutindo o significado da palavra dados, pois a partir dele é que surge a informação e todos os seus desdobramentos. Segundo Laudon (2007, p.9): Dados,[...]são seqüências de fatos brutos que representam eventos que ocorrem nas organizações ou no ambiente físico, antes de terem sido organizados e arranjados de uma forma que as pessoas possam entendê-los e usa-los. De acordo com o descrito pode-se observar que o os dados são

17 16 produzidos a todo o momento no dia a dia das organizações, entretanto em sua forma bruta eles não são capazes de transmitir nenhum tipo de informação, visto que para isso será necessária antes sua análise e tratamento. Uma outra conceituação interessante de dados é encontrada em Mundim (2002 p 74) Dados são um conjunto de fatos distintos e objetivos, relativos a acontecimentos. Dados descrevem apenas parte do que ocorreu e não oferecem nenhum tipo de julgamento, nem interpretação... aqui temos reforçada a idéia de que ao nos depararmos com qualquer tipo de dado, este não será capaz de nos transmitir qualquer tipo de informação em sua forma bruta. Contudo, os dados são mais do que essencialmente a matéria prima do gerenciamento da informação nas organizações, como descreve O Brien (2007 p.22): Dados são mais que a matéria prima dos sistemas de informação. O conceito de recursos de dados tem sido ampliado pelos gerentes e profissionais de sistemas de informação. Eles perceberam que os dados constituem um valioso recurso organizacional. Dessa forma você deve encarar os dados como recurso de dados que devem ser efetivamente administrados para beneficiar todos os usuários finais de uma organização Compreende-se portanto, que essa outra concepção do significado da palavra dados, engloba não apenas o sentido de matéria prima na qual os sistemas de informação irão se basear, mas sim, transmite a idéia abrangente de recursos de dados, entendendo que o adequado tratamento desse recurso será indispensável para que a informação flua corretamente na empresa. Ainda sobre os dados é pertinente mencionarmos, ainda que brevemente, as formas através das quais eles podem ser registrados e armazenados.

18 17 Em relação ao armazenamento desses dados, ainda segundo O Brien (2007, p.40), eles podem ser armazenados de maneira geral em: Bancos de dados que guardam dados processados e organizados; e Bases de conhecimento que guardam conhecimento em uma multiplicidade de formas como fatos, regras e exemplos ilustrativos sobre praticas de negócio bem sucedidas. Quanto ao caráter da apresentação dos dados, estes podem ser numéricos, na forma de textos, ou ainda alfanuméricos tradicionais, ou seja, registros que contém caracteres numéricos e alfabéticos. Podem ainda ter a forma de imagens, sons, entre outras. Enfim, os dados podem ser armazenados de diversas maneiras de acordo com a necessidade e facilidade da utilização deles. 2.2 Informação: conceitos e definições Uma vez definido e conceituado o significado de dados, é hora de discutir e definir o conceito de informação, e quanto a este se torna um pouco mais difícil encontrar em apenas uma definição o sentido claro e definitivo da palavra. Uma definição abrangente do termo foi encontrada em artigo publicado na Revista São Paulo em Perspectiva, (Perspectiva, 1994, p.11) Aqui a informação é qualificada como um instrumento modificador da consciência do homem e de seu grupo. Deixa de ser uma medida de organização para ser a organização em si; é o conhecimento, que só se realiza se a informação é percebida e aceita como tal e coloca o individuo em um estágio melhor de convivência consigo mesmo e dentro do mundo em que sua história individual se desenrola.

19 18 Acima a informação é tratada como um agente modificador da consciência do homem, ou seja, pode encará-la como algo que transforma a maneira como o homem vive e se relaciona. Percebe-se nessa abordagem que o termo é definido em dimensões que extrapolam os limites do campo técnico e entram na dimensão do valor social da informação enquanto forma de interação e de desenvolvimento do homem enquanto agente social. Anexo ao significado de informação, temos sempre acompanhada a idéia de transferência, pois não faz sentido produzir informação sem que ela migre de um ponto a outro, ainda no mesmo artigo mencionado anteriormente, tem-se reforçada essa idéia no seguinte trecho...tem-se procurado caracterizar a essência do fenômeno da informação como a adequação de um processo de comunicação que se efetiva entre o emissor e o receptor da mensagem. Revista São Paulo em Perspectiva, v 8, n 4, 1994: (1994, p.11) É valido, nesse momento, antes que de desenvolvam outras abordagens do termo informação, estabelecer uma diferenciação clara do que venha a ser dados, termo abordado anteriormente, e informação, para dessa forma, garantir que os conceitos não se confundirão comprometendo assim a efetividade de nossas análises. Segundo McGee (1994 p.23): A informação não se limita a dados coletados; na verdade informação são dados coletados, organizados, ordenados aos quais são atribuídos significados e contexto. Informação deve informar, enquanto dados absolutamente não tem essa missão. A informação deve ter limites, enquanto os dados podem ser ilimitados. Para que os dados se tornem úteis como informação a uma pessoa encarregada do processo decisório é preciso que sejam apresentados de tal forma que essa pessoa possa relaciona-los e atuar sobre eles. De acordo com o descrito pode-se interpretar que uma grande soma de dados não necessariamente será capaz de transmitir algum tipo de

20 19 informação, visto que a capacidade de transmiti-la esta relacionada a maneira pela qual relacionamos os dados. Da mesma forma, o mesmo conjunto de dados podem produzir informações diferentes de acordo com a forma que são apresentados. Após analise, é pertinente partir para a discussão de um termo derivado da informação, a chamada ciência da informação, que poderá enriquecer o estudo, na medida que discute o contexto histórico de formação, bem como seus processos de produção, é dada por Capurro 2004 apud Maciel e Albagli (2007, p. 149) Na definição já clássica que vem de 1960, a ciência da informação seria o estudo da geração, coleta, organização, interpretação, armazenagem, recuperação, disseminação da informação. Nesse contexto a construção do objeto de estudo da ciência da informação, na medida em que participa das novas constelações das ciências sociais, deve partir dos pontos de vista, teorias e perguntas pelas quais a informação esta sendo interpelada e aos quais tem que responder. Entende-se que a informação é tratada como participante do contexto das ciências sócias, e, que através de processos definidos como organização e interpretação se propõem a responder aos questionamentos de seus objetivos de estudo. A partir dessa leitura pode-se perceber a grande importância dessa ciência na construção de todas as outras áreas do conhecimento, em decorrência disso vê-se claro sentido em sistematizar os meios através dos quais a informação é gerada, bem como sua preocupação em responder aos questionamentos que a incitam. É proveniente dessas análises e contexto, a construção mundial de uma chamada Economia da informação, na qual a informação apresenta seu caráter essencial na tarefa de produzir, ou servir como ferramenta de produção de riquezas. Segundo Maciel e Albagli (2007, p.154), a criação dessa concepção pode

21 20 ser analisada cronologicamente através do quadro a seguir A corte suprema norte-americana, em uma de suas sentenças, afirma que as noticias tem valor econômico, valor criado no processo de sua produção, estimulando assim o desenvolvimento de negócios baseados no crescimento e distribuição da informação Knight constrói o conceito de incerteza informacional. 2º Guerra Mundial Aos poucos convergem comunicação e tecnologias de informação a pesquisa operacional fica atenta ao information management The American Economic Association reconhece a informação como um tópico próprio da economia, em sua classificação das idéias centrais da disciplina A National Science Foundation começa a investir recursos na pesquisa em Economia da Informação e o tema aparece no debate em fóruns internacionais e em diversas arenas políticas tal como a Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a UNESCO que abre debate sobre a New World Information Order Stiglitz, outro ganhador do prêmio Nobel, anuncia que considera a informação como central aos princípios da análise econômica. Quadro 1: Contexto histórico da economia da informação Fonte: Maciel e Albagli (2007, p.154) Foram portanto, os momentos históricos demonstrados no quadro os principais fatos que conduziram o mundo à idéia de economia da informação,

22 21 tornando-a um bem material passível de negociações e freqüentemente de altíssimo valor agregado. No mercado de ações por exemplo, a informação caracteriza-se por fator primordial para aproveitamento de oportunidades, algumas pessoas mal intencionadas valem-se disso para promover a chamada especulação financeira, quando informações duvidosas são lançadas afim de fazer subir ou cair o valor de mercado de determinada empresa. A atual dinâmica mundial da globalização exige constante investimento em formas de obter informações confiáveis nas quais são baseadas e estruturadas negociações globais, nesse contexto a velocidade com que a informação é transmitida torna-se tão importante quanto sua confiabilidade. 2.3 Conhecimento: conceito e definições Nesse momento de nossa análise, começa-se a ter argumentos para unir os termos e definições analisados desde o começo do capitulo para geração da necessidade de conceituação do termo conhecimento. Seguindo nossa linha de raciocínio tudo é originado através de dados provenientes dos processos existentes nos ambientes físicos, e, através do tratamento, organização e processamento dos dados temos como resultado a geração de informação e por meio da transferência desta, podemos obter o conhecimento, cujo sentido abordaremos nesse momento. Freqüentemente, um bom ponto de partida para iniciarmos a definição de termos é através de dicionário. Entre várias abordagens oferecidas foi escolhida a definição segundo o dicionário eletrônico Houaiss (2002): [...] procedimento compreensivo por meio do qual o pensamento

23 22 captura representativamente um objeto qualquer, utilizando recursos investigativos dessemelhantes intuição, contemplação, classificação, mensuração, analogia, experimentação, observação empírica etc. que, variáveis historicamente, dependem dos paradigmas filosóficos e científicos que em cada caso lhes deram origem. A partir da definição apresentada, percebe-se o sentido do conhecimento sob um aspecto dos processos mentais através dos quais, por desdobramento, ele é gerado; percebemos também que na tentativa de definição do termo inevitavelmente somos obrigados a apelar a conceitos subjetivos como intuição e contemplação. Esse é o motivo pelo qual torna-se praticamente impossível mensurar o conhecimento, visto que para esse não existe medida ou sequer margem de comparação. O conhecimento como desdobramento do processo de transferência da informação, é abordado com propriedade em um trecho do artigo como segue (DATAGRAMAZERO, 2009). A informação, quando adequadamente assimilada, produz conhecimento, modifica o estoque mental de informações do indivíduo e traz benefícios ao seu desenvolvimento e ao desenvolvimento da sociedade em que ele vive. Assim, como agente mediador da produção do conhecimento, a informação qualifica-se, em forma e substância, como estruturas significantes com a competência de gerar conhecimento para o indivíduo e seu grupo. Adentra-se agora em discussão muito interessante que tange a relação intrínseca entre informação e produção de conhecimento. Quanto aos aspectos da produção da informação, podemos relaciona-la com atividades como, seleção, transcrição, síntese de idéias, controle entre outras. Todas essas atividades, em ultima estância produzem a informação final que posteriormente será demandada por algum ponto de necessidade e realizará seu objetivo final, promover algum tipo de modificação no sistema existente e conseqüentemente

24 23 produzir conhecimento. Entretanto, conforme idéia explicita no artigo, infelizmente a criação de estoques de informação não necessariamente tem o compromisso de produzir conhecimento, pois este só se concretizará se houver uma comunicação mutua e vontade comum entre gerador, como os estoques, e o receptor em estabelecer a transferência. Inevitavelmente, após a análise do exposto, surge a questão de como trabalhar e direcionar a informação na sociedade no sentido de torna-la efetivamente produtora de conhecimento e riqueza, e eis aqui o grande desafio do homem contemporâneo na sociedade do conhecimento, e que apesar de não ser o objetivo deste trabalho discutir, deixa a oportunidade de ser abordado em futuros trabalhos. Ainda a respeito a definição do termo e o valor social e financeiro do conhecimento nas sociedades contemporâneas Maciel e Albagli (2007 p.155) definem com propriedade. Conhecimento é tudo o que chega a ser objetivamente conhecido, uma propriedade intelectual, associada a um nome ou a um grupo de nomes, e garantida por copyright ou por alguma outra forma de reconhecimento social (publicação por exemplo). Paga-se por este conhecimento com o tempo consagrado a escrever e pesquisar, com a compensação monetária atribuída à comunicação e aos meios educacionais.ele fica sujeito ao julgamento proferido pelo mercado, pelas decisões administrativas ou políticas [...] que equilatam o valor dos resultados, e as exigências que deles advirão quanto aos recursos da sociedade, sempre que surjam exigências desse tipo. Acima, são abordados tópicos de suma importância como a garantia de propriedade do conhecimento gerado, assegurado através de mecanismos sociais para garantia de propriedade intelectual. Essa garantia é indispensável pois garante de certa forma a profissionalização da geração do

25 24 conhecimento, a partir do momento que o trata como bem de seu criador, podendo este se valer de benefícios financeiros provenientes de seu estudo e pesquisa. Sem essa garantia, a produção do conhecimento de forma geral, seria inviável, pois apesar de freqüentemente os pesquisadores apontarem a paixão pelo que se faz como principal fator motivador, recompensas financeiras são extremamente visto que o desenvolvimento do conhecimento é uma atividade árdua que do pesquisador dedicação e comprometimento praticamente integral. Outro fator de extrema importância nesse âmbito de discussão é valor atribuído ao conhecimento, que conforme pontuado pelos autores, passa pelo crivo do mercado, de fatores conjunturais políticos e fatores culturais. É observável que o valor que as sociedades atribuem ao conhecimento são como um espelho de seu desenvolvimento e seus valores, por exemplo uma nação com traços culturais fortemente voltados a guerra valorizaram naturalmente pesquisadas e conhecimentos que agregarão valor a industria bélica.

26 25 3 LOGÍSTICA: HISTÓRIA, CONCEITO E SUA RELAÇÃO COM A INFORMAÇÃO Antes que comecemos a discutir o valor da informação na logística é oportuno discutirmos o significado do termo Logística. Segundo Harrison (2003, p.24) Logística é uma grande palavra para um grande desafio ; e, é realmente este desafio que vem tornando as maneiras de executá-la cada vez mais eficientes e complexas. A palavra Logística tem sua raiz na palavra francesa Logistique e de acordo com o dicionário de Logística (2004, p.136) É o processo de planejamento, implementação, controle do fluxo de armazenagem eficientes de matérias primas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente, em uma mesma organização [...] Em um sentido militar também pode envolver o movimento de pessoal/recursos. De maneira geral e de acordo com a definição acima a logística compromete-se com a otimização global dos sistemas, de maneira a torná-lo mais eficiente e econômico, como conseqüência temos então uma maior agregação de valor ao cliente final. Notoriamente reconhecido pelas autoridades do assunto, foi no terreno militar que a logística nasceu e se desenvolveu. De acordo com Ballou (1993, p.34), a logística foi essencial na invasão da Europa pelas forças militares décadas antes de se destacar como potencial competitivo na área empresarial. Foi na área militar que se iniciaram os estudos mais detalhados sobre o tema. Percebemos então, que bem antes dos benefícios da arte de fazer logística serem vislumbrados pelo mundo empresarial era no campo militar que a

27 26 logística se desenvolvia para tornar-se o conceito e ferramenta que mudaria o modo através do qual eram realizados os processos empresariais. Foi portanto, na elaboração das complexas e onerosas incursões militares que surgiu a necessidade de tornar os processos mais coesos e otimizados. De acordo com Bowersox e Closs (2001, p.28) em parte, a passagem da logística do ambiente militar para o empresarial, bem como sua disseminação deveu-se basicamente a cinco fatores: (1) uma mudança significativa nas regulamentações; (2) a comercialização do microcomputador (3) a revolução da informação (4) a adoção, em grande escala, dos movimentos da qualidade, e (5) o desenvolvimento de parcerias e alianças estratégicas. Entende-se que o autor enumera com grande propriedade os elementos que não só causaram grandes transformações no mundo em que vivemos, como também, conseqüentemente impulsionaram a disseminação do conceito de fazer logística. A comercialização e posterior popularização dos computadores tornou possível que um grande número de informações provenientes dos processos empresariais e por desdobramento, das atividades logísticas, fosse armazenado, tratado e analisado para posteriormente se transformar em conhecimento sobre os processos; é difícil de imaginar, nos tempos de hoje, o controle dos processos sem esse poderoso recurso Como conseqüência desse impressionante aumento quantitativo e qualitativo no tratamento dos dados, vimos o mundo entrar na revolução da informação, nunca antes, havíamos tido acesso a essa enorme quantidade de informações, e esse fato transformou o modo de fazer negócios de maneira irreversível. Devido a essa mudança os mercados se tornaram muito mais competitivos, pois o fácil acesso as informações tornou os processos empresariais

28 27 mais transparentes e por conseqüência tornou-se mais fácil modelá-los de forma mais eficiente, os gargalos e falhas foram melhor visualizados possibilitando assim melhorias globais nos sistemas. Reforçando tal idéia da importância da informação e do conhecimento no mundo corporativo Bowersox and Closs (2001, p. 54) Na esfera empresarial, conhecimento é poder. Restrições da capacidade de compartilhar experiências são uma barreira adicional à integração.. Nesse ambiente a logística tem se tornado um dos principais assuntos do mundo empresarial globalizado, apesar de sempre ter sido feita desde o começo dos tempos, sua otimização e racionalização dos processos se tornou uma grande promessa de eficiência operacional e vantagem competitiva. Segundo Bowersox and Closs (2001, p.19) A logística moderna também é um paradoxo. Existe desde o inicio da civilização: não constitui de modo algum uma novidade. No entanto, a implementação das melhores praticas logísticas tornou-se uma das áreas operacionais mais desafiadoras e interessantes da administração nos setores privado e publico. Há ainda outra abordagem do termo logística, o conceito de logística empresarial, que conceitua que é imprescindível que haja coordenação de todas as atividades inter-relacionadas, conforme Ballou (2006, p.26) A novidade então deriva do conceito da gestão coordenada de atividades inter-relacionadas, em substituição à pratica histórica de administra-las separadamente, e do conceito de que a logística agrega valor a produtos e serviços essenciais para a satisfação do consumidor e o aumento das vendas. Verifica-se portanto, através da análise da evolução do conceito de logística no desenrolar de sua história, que a Logística tal qual conhecemos hoje teve de acompanhar a evolução e as necessidades do mundo em que vivemos para transformar-se nessa indispensável ferramenta.

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais