Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica."

Transcrição

1

2 Clonagem Molecular A clonagem molecular é o processo de construção de moléculas de DNA recombinante e da sua propagação em hospedeiros apropriados que possibilitam a selecção do DNA recombinante. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

3 Clonagem Molecular Isolamento e propagação de moléculas de DNA idênticas Origem do termo: cada colônia bacteriana é um clone Tecnologia do DNA recombinante Produção de proteínas em larga escala Construção de bibliotecas genômicas e de cdna

4 Clonagem Molecular

5 Clonagem Molecular Duas etapas principais inserto vetor 1. Ligação do fragmento de DNA em um plasmídeo DNA recombinante 2. Introdução do DNA recombinante numa células hospedeira compatível Transformação

6 Enzimas de restrição Naturalmente produzidas por bactérias Mecanismo de defesa à entrada de DNA exógeno Sequencias 4 nt 6 nt 8 nt São denominadas por abreviaturas das estirpes bacterianas a partir das quais foram isoladas. AluI 1ª enzima de restrição a ser isolada de Arthrobacter luteus.

7 Enzimas de restrição Capacidade de clivar o DNA em regiões específicas Palindrômicas quando lidas na mesma orientação em ambas as cadieas 5 3 ou 3 5 são identicas enzimas com extremidades coesivas Blunt-end Extremidade coesiva

8 Enzimas de restrição Digerir ou cortar DNA Reconhecem sequencia de bases específica cliva o DNA toda vez que a sequencia GAATTC for encontrada Importante ferramenta clonar DNA de interesse n o fragmentos n o sítios de restrição Mapa de restrição - caracterização da molécula de DNA

9 Digestão do DNA com enzimas de restrição DNA + U enzima de restrição (37 o C, ou outra temperatura)

10 Digestão e ligação ligase Quando DNAs de organismos diferentes são digeridos com mesma enzima passam a apresentar extremidades coesivas compatíveis (clivados em regiões contendo a mesma sequencia de nucleotídeos) Formar moléculas híbridas DNA de dois organismos (genotecas ou moléculas de DNA recombinante)

11 Clonagem construção molécula híbrida

12 Clonagem construção molécula híbrida

13 Clonagem construção molécula híbrida

14 Vetor de clonagem - Plasmídeo Todo plasmídeo para ser um bom vetor de clonagem deve ter: Origem de replicação (Ori) Múltiplos sítios de clonagem (poly linker) Resistência a antibiótico (Amp, Kan, etc) * Extra: gene da b-galactosidase (lacz)

15 Transformação em células competentes Células competentes Células bacterianas quimicamente modificadas para receberem o DNA recombinantes

16 Introdução molécula recombinante célula hospedeira

17 Seleção de colônias Resistência a antibiótico Expressão de b-galactosidase Fragmento de DNA é inserido no meio do gene lacz b-gal: degrada polissacarídeos X-gal: substrato cromogênico forma precipitado azul quando há atividade de b-gal IPTG: indutor da atividade de b-gal

18 Screening de colônias Mini-prep Isolamento do plasmídeo e corte com enzimas de restrição + enzimas de restrição PCR de colônia PCR com primers específicos do inserto Mini prep PCR colônia

19 Transformação X Transfecção

20 Transformação X Transfecção Definições: Transformação e Transfecção Transformação: -Modificação de um genoma pela aplicação externa de DNA de uma célula de genótipo diferente - conversão de células eucarióticas normais em células em estado tumoral (com divisão descontrolada) Transfecção: - Introdução de ácidos nucléicos em células eucarióticas utilizando vetor viral ou plasmídeo Transformação: - Introdução de ácidos nucleicos em procariotos

21 Vetores de clonagem Tipos de vetores mais encontrados Plasmídeos (mais comuns) até 20 kb Fago lambda até 25 kb Cosmídeos 35 a 45 kb

22 Plasmídeos Plasmídeos presentes em grande número de cópias Regiões: - origem de replicação - múltiplos sítios de clonagem - gene de resistência a antibiótico

23 Vetores ou plasmídeos Clonagem, expressão, produção proteina recombinante Clonagem e obtenção de sonda molecular

24 Fago l Empacotamento in vitro eficiencia 10% - sítio cos (vetores de substituição) Infecção E. Coli eficiencia 100% (vetores de inserção)

25 Cosmídeos Plasmídeos com um fragmento de DNA do fago l sítio cos Utilizam sistema de empacotamento in vitro do fago l Tornam-se circulares na células hospedeira Permitem clonagem de genes maiores 35 a 45 kb

26 Vetores de expressão Plasmídeos cujo inserto deverá ser expresso numa proteína Amplamente utilizados na pesquisa e em terapias atuais

27 Vetores para expressão de proteína recombinante Vetores com 3 fases de leitura ORF GAA TTC ATG GGG TCG CTT AAG TAC CCC AGC INSERTO AA TTC ATG GGG TCG G TAC CCC AGC GAA TTC CCG GGT CTT AAG GGC CCA Vetor pgex 4T-1 G CTT AA GAA TTC ATG GGG TCG CTT AAG TAC CCC AGC

28 Fase de leitura aberta - ORF Vetores com 3 fases de leitura ORF GAA TTC ATG GGG TCG CTT AAG TAC CCC AGC INSERTO AA TTC ATG GGG TCG G TAC CCC AGC GGA ATT CCC GGG CCT TAA GGG CCC Vetor pgex 4T-2 GG CCT TAA GGA ATT CAT GGG GTC G CCT TAA GTA CCC CAG C

29 Fase de leitura aberta - ORF Vetores com 3 fases de leitura ORF GAA TTC ATG GGG TCG CTT AAG TAC CCC AGC INSERTO AA TTC ATG GGG TCG G TAC CCC AGC TGG AAT TCC CGG G ACC TTA AGG GCC C Vetor pgex 4T-3 TGG ACC TTA A TGG AAT TCA TGG GGT CG ACC TTA AGT ACC CCA GC

30 Clonagem direcionada Eco RI Eco RI Eco RI Sal I não direcionada direcionada

31 Proteína de fusão, sítio de clivagem e stop codons GST Trombina Eco RI Sal I Stop codons

32 Construção de bibliotecas DNA genomico mrna sequencias expressas Fragmentar aleatoriamente (enzimas restrição reduz representatividade) Mecanicamente ou digerido DNAse I Transcrição reversa (oligo dt ) Síntese de cdna Reparo das extremidades blunt end Adição de adaptadores contendo sítio para enzima

33 Construção de bibliotecas + Eco RI + Eco RI Clonagem, expressão produção proteina recombinante Sequenciamento de nt Clonagem de tamanhos fragmentos específicos Clonagem produtos PCR Ligação Hibridização Expressão

34 Seleção de fragmento de DNA com capacidade de expressar um antígeno recombinante específico Aumento da sensibilidade e especificidade do teste sorológico Screening imunológico

35 Purificar e expandir clone recombinante em bactéria Clone imunoselecionado Subclonagem e produção da proteína recombinante em larga escala - ORF Crescimento da bactéria recombinante Indução da expressão do gene - IPTG Purificação da proteína recombinante Coluna de afinidade

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Material e Métodos Resultados e Discussão

Material e Métodos Resultados e Discussão Área: Melhoramento Genético Vegetal TRANSFERIBILIDADE DE PRIMERS MICROSSATÉLITES DE Phaseolus vulgaris PARA Vigna unguiculata Matheus Felipe Nogueira da Silva 1, Leidiane Bezerra Albuquerque 2, Rafaela

Leia mais

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR Tecnologia do DNA Recombinante-TDR (clonagem de DNA) CONSTRUINDO A MOLÉCULA DE DNA RECOMBINANTE, BIOTECNOLOGIA:Engenharia genética. A utilização de microorganismos, plantas e animais para a produção de

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Tecnologia do DNA recombinante

Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA Recombinante déc. 70 conhecimento de mecanismos biomoleculares enzimas biológicas cortar DNA ligar DNA replicar DNA transcrever reversamente o RNA complementaridade

Leia mais

Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard

Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Programa de Pós Graduação em Biotecnologia e Biociências Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard Desenvolvimento da

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

DNA polimerases dependentes de "template"

DNA polimerases dependentes de template DNA polimerases dependentes de "template" - Adicionam deoxiribonucleótidos à extremidade 3' de cadeias duplas de DNA com um local de "priming" - A síntese ocorre exclusivamente na direcção 5'-3' da nova

Leia mais

CLONAGEM DE DNA. CLONAGEM: é multiplicar assexuadamente. Primeiros experimentos bem sucedidos de clonagem foram mostrados no início da década de 1970.

CLONAGEM DE DNA. CLONAGEM: é multiplicar assexuadamente. Primeiros experimentos bem sucedidos de clonagem foram mostrados no início da década de 1970. Clonagem de DNA CLONAGEM DE DNA CLONAGEM: é multiplicar assexuadamente. Na Biologia Molecular, significa mais especificamente crescer uma colônia de bactérias a partir de uma célula única. Clonagem de

Leia mais

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers :

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers : Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3 São necessários dois primers : Um complementar a um trecho da fita anti-sense» Primer sense (forward)

Leia mais

Enzimas e Clonagem Molecular

Enzimas e Clonagem Molecular Universidade Estadual de Maringá Enzimas e Clonagem Molecular Disciplina: Biologia Molecular 6855 Profa. Dra Maria Aparecida Fernandez Enzimas: Enzimas de Restrição Endonucleases de restrição; Fazem o

Leia mais

Problemas de Engenharia Genética

Problemas de Engenharia Genética Engenharia Genética Secção de Genética e Dinâmica de Populações Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Problemas de Engenharia Genética 2. Técnicas de análise

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética Biologia Molecular Tópicos de estudo Prof a Dr a Maria Aparecida Fernandez 2003 1 Unidade I Estrutura dos Ácidos Nucléicos Estrutura

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED & PEDRO

Leia mais

Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c)

Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c) Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c) 1 Regulação da expressão de genes 2 A decisão em iniciar a transcrição de um gene que codifica uma proteína em particular é o principal mecanismo

Leia mais

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética Durante 25 anos, desde 1950 a 1957, a molécula de DNA foi considerada intocável. A partir da década

Leia mais

Biologia - Grupos A - B - Gabarito

Biologia - Grupos A - B - Gabarito 1 a QUESTÃO: (1, ponto) Avaliador Revisor Foram coletados 1. exemplares do mosquito Anopheles culifacies, de ambos os sexos, em cada uma de duas regiões denominadas A e B, bastante afastadas entre si.

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

DNA recombinante in a nutshell

DNA recombinante in a nutshell DNA recombinante in a nutshell Biologia Molecular Aplicada A tecnologia do DNA recombinante Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Teoria bem fundamentada Por volta do início da década de 70, os fundamentos básicos

Leia mais

Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado de paciente com dengue clássico.

Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado de paciente com dengue clássico. Universidade de São Paulo Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Programa de Pós-Graduação em Biociências Aplicadas à Farmácia Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado

Leia mais

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Zamecnik PC and Stephenson ML, 1978: oligonucleotídeos como agentes antisenso para inibir replicação viral.

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

Bolsista CNPq: Graduação em Bacharelado em Biotecnologia, UFSCar, Araras- SP, thais_r_sakamoto@hotmail.com.

Bolsista CNPq: Graduação em Bacharelado em Biotecnologia, UFSCar, Araras- SP, thais_r_sakamoto@hotmail.com. GENES CODIFICANDO TERPENO SINTASES EM GENOMA DE CITROS THAÍS R. T. SAKAMOTO 1 ; MARCO AURÉLIO TAKITA 2 Nº 12149 RESUMO Terpenos são os produtos naturais mais abundantes na natureza, sendo também os principais

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

(11) (21) PI 0414073-7 A

(11) (21) PI 0414073-7 A (11) (21) PI 0414073-7 A (22) Data de Depósito: 31/08/2004 (43) Data de Publicação: 24/10/2006 República Federativa do Brasil (RPI 1868) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior

Leia mais

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Sequenciadores no mercado Illumina HiSeq 2500 Padrão do mercado, maior volume de

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Tópicos! Estrutura e função

Leia mais

Os conceitos I, II, III e IV podem ser substituídos, correta e respectivamente, por

Os conceitos I, II, III e IV podem ser substituídos, correta e respectivamente, por 01 - (FATEC SP) Mapas conceituais são diagramas que organizam informações sobre um determinado assunto por meio da interligação de conceitos através de frases de ligação. Os conceitos geralmente são destacados

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS CÓDIGO GENÉTICO

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS CÓDIGO GENÉTICO UFRGS CÓDIGO GENÉTICO 1. (Ufrgs 2013) Sabe-se que a replicação do DNA é semiconservativa. Com base nesse mecanismo de replicação, assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo. ( ) O DNA

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

TRADUÇÃO PROTEICA. Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos.

TRADUÇÃO PROTEICA. Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos. TRADUÇÃO PROTEICA Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos. A tradução ocorre no citoplasma e ocorre em organelas citoplasmáticas chamadas ribossomos.

Leia mais

Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas

Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO MELH. GEN. E OGMs (XBT353) TURMA 2015/2 Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas Prof. Dr. Silas

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

1ª eliminatória 2013. Ex.: A B C D E 1/6. Questões sobre matéria de 10º ano:

1ª eliminatória 2013. Ex.: A B C D E 1/6. Questões sobre matéria de 10º ano: 1ª eliminatória 2013 Este teste é constituído por 30 questões que abordam diversas temáticas da Biologia. Lê as questões atentamente e seleciona a opção correta unicamente na Folha de Respostas, marcando-a

Leia mais

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14 4/11/14 Aula 2 Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração Introdução ao sequenciamento de nova geração Ana Marcia de Sá Guimarães, Méd Vet, MSc, PhD Aula 2 Tópicos 1. Sequenciamento

Leia mais

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução Modificando o alfabeto molecular Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução em eukarya e prokarya Eventos pós-transcricionais Processo de síntese de proteínas RNAm contém o código do gene RNAt é

Leia mais

Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli

Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli Prof. Dr. Catarina Akiko Miyamoto 1 Resumo A produção de proteínas recombinantes para fins terapêuticos, veterinários, e agro-pecuários tem se mostrado

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Bioinformática. João Varela jvarela@ualg.pt. Aula T4 CURSOS EM BIOLOGIA, BIOQUÍMICA, BIOTECNOLOGIA, CIÊNCIAS BIOMÉDICAS E ENGENHARIA BIOLÓGICA

Bioinformática. João Varela jvarela@ualg.pt. Aula T4 CURSOS EM BIOLOGIA, BIOQUÍMICA, BIOTECNOLOGIA, CIÊNCIAS BIOMÉDICAS E ENGENHARIA BIOLÓGICA Bioinformática CURSOS EM BIOLOGIA, BIOQUÍMICA, BIOTECNOLOGIA, CIÊNCIAS BIOMÉDICAS E ENGENHARIA BIOLÓGICA João Varela jvarela@ualg.pt Aula T4 Esquema de anotação Annothaton 1. Determinar a localização das

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

CAP 03 GENÉTICA MOLECULAR

CAP 03 GENÉTICA MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CAP 03 GENÉTICA MOLECULAR (PARTE II) FUNÇÕES DO MATERIAL GENÉTICO DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA (Francis Crick) REPLICAÇÃO TRANSCRIÇÃO TRADUÇÃO DNA mrna

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

Pergunta 1. A fim de ser localizado na membrana plasmática, o SF-R deve primeiro passar por várias etapas dentro da célula.

Pergunta 1. A fim de ser localizado na membrana plasmática, o SF-R deve primeiro passar por várias etapas dentro da célula. Pergunta 1 Parte A Você está estudando um receptor chamado Receptor do Fator de Tamanho ou SF-R em um eucariota haplóide. Abaixo encontra-se um diagrama esquemático da proteína SF-R: A fim de ser localizado

Leia mais

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 24 III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 25 1. Pacientes No período de Outubro de 1996 a Outubro de 1997, estudamos pacientes HIV-positivos em seguimento na Unidade Especial

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO

Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO DNA Replicação DNA Trasncrição Reversa Transcrição RNA Tradução Proteína Transcrição É o processo pelo qual uma molécula de RNA é sintetizada a partir da informação

Leia mais

MUTAGÊNESE SÍTIO DIRIGIDA DO DOMÍNIO N TERMINAL DA PROTEÍNA NifA DE Herbaspirillum seropedicae

MUTAGÊNESE SÍTIO DIRIGIDA DO DOMÍNIO N TERMINAL DA PROTEÍNA NifA DE Herbaspirillum seropedicae RAFAEL MAZER ETTO MUTAGÊNESE SÍTIO DIRIGIDA DO DOMÍNIO N TERMINAL DA PROTEÍNA NifA DE Herbaspirillum seropedicae Monografia apresentada à disciplina BQOOl, como requisito parcial à conclusão do Curso de

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA HUMANA Maria Izabel Florindo Guedes Grupo de Pesquisa: Grupo de Inovação Biotecnológica em Saúde Maria Izabel Florindo Guedes Desenvolvimento

Leia mais

M. Sc. Nadia Batoreu Dr Martin Bonamino Dr Etel Gimba. goulart@bio.fiocruz.br. Ana Emília Goulart, Bio-Manguinhos/ Fiocruz

M. Sc. Nadia Batoreu Dr Martin Bonamino Dr Etel Gimba. goulart@bio.fiocruz.br. Ana Emília Goulart, Bio-Manguinhos/ Fiocruz Investigação dos mecanismos moleculares pelos quais o PCA3 modula a sobrevivência de células de câncer de próstata. LATER/ PBIO Bio-manguinhos/ FIOCRUZ goulart@bio.fiocruz.br M. Sc. Nadia Batoreu Dr Martin

Leia mais

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 1. (Unicamp 2005) Em 25 de abril de 1953, um estudo de uma única página na revista inglesa Nature intitulado "A estrutura molecular dos ácidos nucléicos",

Leia mais

Técnicas de análise de DNA e RNA

Técnicas de análise de DNA e RNA Técnicas de análise de DNA e RNA Fundamento e aplicação das técnicas de análise de DNA Extracção, purificação, quantificação e detecção de ácidos nucleicos Electroforese convencional em gel de agarose

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA

EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA Gabarito Exercícios Ácidos Nucléicos EXERCÍCIO EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA 1) O mofamento de grãos durante a estocagem causa perdas nutricionais e de valor de mercado, além de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli REPLICAÇÃO DE DNA MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli TERMINOLOGIA Regras básicas para a designação de genes e proteínas: Genes bacterianos 3 letras minúsculas em itálico que reflectem a sua função aparente Ex:

Leia mais

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Vivian E. Nascimento 1, Édila V.R. V. Pinho 1, Renzo G.V. Pinho 1, Bruno C. dos Santos 1, Elise de M. Pereira

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Instituto Adolfo Lutz. Priscilla Lima de Oliveira

Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Instituto Adolfo Lutz. Priscilla Lima de Oliveira Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Instituto Adolfo Lutz Priscilla Lima de Oliveira USO DA PCR EM TEMPO REAL PARA DETERMINAR A FREQUÊNCIA DOS PRINCIPAIS AGENTES CAUSADORES

Leia mais

Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular

Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular 1 2 Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular 3 ISSN 0103-0205 Setembro, 2008 Empresa Brasileira

Leia mais

Detecção de cepas patogênicas pela PCR multiplex e avaliação da sensibilidade a antimicrobianos de Escherichia coli isoladas de leitões diarréicos

Detecção de cepas patogênicas pela PCR multiplex e avaliação da sensibilidade a antimicrobianos de Escherichia coli isoladas de leitões diarréicos Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.59, n.5, 1117-1123, 2007 Detecção de cepas patogênicas pela PCR multiplex e avaliação da sensibilidade a antimicrobianos de Escherichia coli isoladas de leitões diarréicos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 32/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora

Leia mais

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc.

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc. Replicação de DNA DNA Dupla-hélice composta de nucleotídeos ligados entre si e cujas bases nitrogenadas de uma hélice fazem pontes de hidrogênio com bases nitrogenadas de outra hélice, numa direção anti-paralela

Leia mais

Desenvolvimento de microssatélites para Arapaima gigas

Desenvolvimento de microssatélites para Arapaima gigas PROTOCOLO Desenvolvimento de microssatélites para Arapaima gigas Izeni Pires Farias Universidade Federal do Amazonas Tomas Hrbek University of Puerto Rico Henner Brinkmann Université de Montréal Colaboradores:

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE GENES EM BACTÉRIAS

TRANSFERÊNCIA DE GENES EM BACTÉRIAS TRANSFERÊNCIA DE GENES EM BACTÉRIAS SEXO BACTERIANO Bactérias podem trocar ou transferir DNA entre elas por três diferentes vias. Em todos os casos, as células que fornecem o DNA são chamadas de DOADORAS

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA GENÉTICA BACTERIANA INTRODUÇÃO O DNA existe como uma hélice de fita dupla, mantidas pelo pareamento de bases nitrogenadas específicas (AT; CG). - A seqüência de bases codifica a informação genética; -

Leia mais

METODOLOGIAS DE IDENTIFICAÇÃO E ELUCIDAÇÃO DE GENES EM BIBLIOTECAS GENÓMICAS

METODOLOGIAS DE IDENTIFICAÇÃO E ELUCIDAÇÃO DE GENES EM BIBLIOTECAS GENÓMICAS METODOLOGIAS DE IDENTIFICAÇÃO E ELUCIDAÇÃO DE GENES EM BIBLIOTECAS GENÓMICAS Maria de Lurdes Antunes Jorge Bragança, 2012 Lição a apresentar na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

A TERRA. Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra

A TERRA. Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra A TERRA Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra Mitos da criação Catolicismo Gaia Da Mitologia à Geometria A Geometria dos povos antigos Egípcios, babilônios e os gregos. Euclides e o método

Leia mais

DNA, RNA E INFORMAÇÃO

DNA, RNA E INFORMAÇÃO DNA, RNA E INFORMAÇÃO OS ÁCIDOS NUCLEICOS Embora descobertos em 1869, por Miescher, no pus das bandagens de ferimentos, o papel dos ácidos nucleicos na hereditariedade e no controle da atividade celular

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado

Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 89 Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado Rita

Leia mais

Bases e aplicações. da tecnologia do DNA recombinante

Bases e aplicações. da tecnologia do DNA recombinante Bases e aplicações da tecnologia do DNA recombinante Por quê entender a Tecnologia do DNA recombinante? y y Doenças: diagnóstico, prognóstico e tratamento Compreensão dos mecanismos biológicos y y y organismos

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP PLANO DE ENSINO. Carga horária Total:

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP PLANO DE ENSINO. Carga horária Total: FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP CURSO DE : MEDICINA SÉRIE: 1ª. série ANO LETIVO: 2010 BLOCO I IDENTIFICAÇÃO Código da Disciplina PLANO DE ENSINO Nome da Disciplina Biologia Molecular

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO

AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO 2006 LARISSA GIROTTO AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil DE ALMEIDA VIEIRA, FÁBIO; DA SILVA SANTANA, JOSÉ AUGUSTO; DOS SANTOS, RUBENS MANOEL; GOUVÊA FAJARDO,

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome:

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome: PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA 13/06/2011 Nome: 1. Classifique as afirmações seguintes como verdadeira (V) ou falsa (F): a) A espermatogénese é um processo contínuo, com inicio

Leia mais

Relatórios de Biologia Molecular

Relatórios de Biologia Molecular Relatórios de Biologia Molecular 2013/2014 Professores: Dr. Claúdio Sunkel; Mariana Osswald Realizado por: Ana Isabel Sá; Ana Sofia Évora; Nuno Padrão 1 Extração de DNA genómico de Drosophila melanogaster

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

A presença de IPTG nos meios de cultura para rastreio de colonias azuis/brancas tem como função:

A presença de IPTG nos meios de cultura para rastreio de colonias azuis/brancas tem como função: MANIPULAÇÃO MOLECULAR E BIOTECNOLOGIA EXAME TEÓRICO EM O DNA complemantar (cdna) de um gene contém: a) Sequencia correspondente aos intrões b) A Sequencia correspondente à região promotora c) As sequencias

Leia mais

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Disciplina de Mét. Purif. e Anál. Proteínas Curso de Ciências Biológicas 1º Semestre de 2015 Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Prof. Marcos Túlio de Oliveira mtoliveira@fcav.unesp.br

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais