Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética"

Transcrição

1 FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética Durante 25 anos, desde 1950 a 1957, a molécula de DNA foi considerada intocável. A partir da década de 70 do séc. XX, porém ocorreu uma verdadeira revolução biotecnológica ( ). Abriram a molécula de DNA, extraíram genes, transplantaram-nos para outras células, multiplicaram alguns desses genes milhões e milhões de vezes e criaram em tubo de ensaio seres que não surgiram como resultado de milhões de anos de evolução Terra, Universo de Vida, Biologia de 12ºano (Porto Editora) Escola Secundária da Amadora Biologia 12ºano

2 FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA Como já foi falado em anos anteriores, o material genético, denominado DNA (ácido desoxirribonucleico) está empacotado no núcleo das células eucariotas sob a forma de cromossomas (existindo ainda uma pequena parte, de forma circular, no interior das mitocôndrias que se encontram espalhadas no citoplasma) e encontra-se solto no citoplasma nas células procariotas sob a forma de cromossomas e pequenos plasmídeos ambos circulares. Este material ao ser descodificado leva à produção de todas as proteínas existentes num determinado organismo (excepto se este tiver de alguma forma danificado). Esta síntese é unidireccional, tendo esse processo de passar pela seguinte ordem: DNA (Transcrição) mrna (Tradução) Proteínas. Este processo é muito idêntico nas células procariotas e eucariotas, no entanto, no último caso, o mrna tem de sofrer maturação/processamento, onde são retiradas as zonas não codificantes (Intrões) existentes no DNA que foi transcrito (às zonas codificantes dá-se o nome de Exões): DNA (Transcrição) RNA (Processamento) mrna (Tradução) Proteínas. Outra diferença, é o facto da replicação nos procariontes se dar de uma forma contínua (só existe um sítio de iniciação e terminação), enquanto nos eucariontes se dá de uma forma descontínua (através de pequenas porções, pois existem vários pontos de iniciação e terminação da replicação). Escola Secundária da Amadora Biologia 12ºano

3 FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA DE QUE FORMA A ENGENHARIA GENÉTICA VEIO REVOLUCIONAR O NORMAL FUNCIONAMENTO DA SÍNTESE PROTEICA? A descoberta de enzimas de restrição foi um dos primeiros passos para a grande revolução que a eng.genética veio a revelar. Estas Enzimas/Endonucleases de restrição fazem parte de complexos enzimáticos de defesa de algumas bactérias que são infectadas por vírus/bacteriófagos e que digerem o DNA parasita (de notar que a própria bactéria defende o seu DNA através da acção de outras enzimas metilases - que adicionam grupos metil, CH 3, ao DNA evitando que as outras enzimas se liguem ao DNA). Este procedimento evita que o DNA viral seja inserido no seu DNA não permitindo a sua multiplicação e posterior morte da célula hospedeira. A característica interessante destas enzimas é que elas reconhecem sequências específicas de nucleótidos (zonas de restrição) cortando especificamente a hélice dupla do DNA nessa sequência. Cada enzima apenas corta uma zona de restrição (ex.: enzima EcoRI- 5 GAATTC3, e Hind III 5 AAGCTT3 ). Outra descoberta relacionada também com o estudo das infecções virais foi a possibilidade de introduzir DNA estranho no interior de outros organismos, tal como os vírus o faziam. Sob determinadas condições esse DNA recombinante (DNA do organismo receptor mais o DNA do dador/parasita) sofre replicação e é transmitido às células filhas sempre que a célula se divide. Uma última conclusão tirada foi que o DNA viral apresenta uma determinada característica que lhe permite ligar-se ao DNA das bactérias, incorporando-se no seu interior. Mais tarde, os cientistas aperceberam-se das vantagens da utilização de outros Vectores, como os plasmídeos das próprias bactérias, recombinados no exterior, e reintroduzidos novamente nas bactérias (através de processos que aumentam a permeabilidade da sua membrana). Para manipular o material genético, a eng.genética desenvolveu então uma série de técnicas, tais como: 1. Isolamento de ADN 2. Utilização de Enzimas de Restrição/Endonucleases de restrição para cortar pequenos fragmentos de DNA e de Ligases de DNA para ligar os nucleótidos covalentemente entre fragmentos complementares. 3. Utilização de Vectores, transportadores bacterianos e virais, que permitem a entrada de DNA estranho no interior de um organismo receptor. 4. Produção de rdna ( DNA recombinante/recombinado) Produção de cdna (DNA complementar) Clonagem de genes/cdna, formando Bibliotecas de genes/cdna 5. Leitura de Impressões Digitais Genéticas (que permite identificar a paternidade de uma criança, por exemplo) 6. Reacção de Polimerização em Cadeia (PCR), que permite obter milhares de cópias de DNA em poucos minutos. Escola Secundária da Amadora Biologia 12ºano

4 Para produzir uma molécula de rdna (DNA recombinante) são necessários 3 elementos: 1. Um DNA dador (de uma célula eucariota ou procariota) 2. Um DNA que sirva de vector transportador (DNA Bacteriano Plasmídeo ou DNA Viral ) 3. Uma célula receptora (ou um organismo receptor se for unicelular) Para transformar o DNA necessitamos de o extrair da célula em que se encontra e separá-lo dos outros constituintes celulares (proteínas, enzimas, mrna e trna). 1. ISOLAMENTO DE DNA Separação dos componentes celulares de uma célula eucariota (imagem 89 do livro adoptado, pág. 213) O procedimento para retirar o DNA de células eucariotas e procariotas varia, uma vez que no primeiro caso o núcleo é a única barreira às enzimas existentes no citoplasma que podem digerir o DNA. Existem técnicas que permitem inactivar a acção dessas enzimas existentes no citoplasma (como diminuir a temperatura) e separar os restantes materiais celulares (DNA, RNA e proteínas). Estes são separados de acordo com a sua dimensão, densidade e afinidade, através de centrifugação (e adição de fenol e clorofórmio). O DNA ficará retido na fase aquosa, mais à superfície, enquanto que os restantes componentes ficarão precipitados no meio ou no fundo (interface ou fase orgânica respectivamente). A fase orgânica, contendo as proteínas, é facilmente retirada, mas ainda resta RNA em suspensão juntamente com o DNA. Por essa razão adicionam-se enzimas que degradam o RNA, e fazem-se várias lavagens (ressuspender e precipitar o DNA várias vezes) para que os vestígios de RNA sejam retirados e tenhamos apenas DNA no final. Nota ver imagem 90 do livro adoptado, pág. 214 (Isolamento do DNa Plasmídico). No caso do ADN bacteriano, a extracção também é realizada por centrifugação (para que o DNA cromossomal seja separado do DNA plasmídico). Neste caso os plasmídeos ligam-se aos compostos densos, ou seja, ficam retidos no fundo, fase orgânica).

5 2. ENZIMAS /ENDONUCLEASES DE RESTRIÇÃO E LIGASES DO DNA O DNA humano apresenta cerca de 300 sequências diferentes de pares de bases (zonas de restrição), que se repetem entre e vezes ao longo de todo o genoma. Como já foi referido, as Enzimas de restrição cortam zonas específicas do DNA. As extremidades resultantes desse corte denominam-se extremidades coesivas e podem ligar-se por complementaridade a outro DNA. Se a mesma enzima for utilizada para cortar a abertura de um vector e cortar as duas extremidades do DNA, ao ser introduzido nesse vector as suas extremidades terão exactamente a mesma sequência de bases, podendo ligar-se por complementaridade umas às outras. Contudo existe uma falha entre as ligações do esqueleto açúcar-fosfato. Esta falha pode ser reparada, através de uma enzima reparadora a ligase do DNA, que estabelece uma ligação covalente entre os nucleótidos adjacentes dos dois fragmentos de ADN. Os vectores são moléculas capazes de transportar um fragmento de DNA para uma célula, como já foi referido. 3. VECTORES A ideia de utilizar Plasmídeos (uma pequena molécula de DNA além do DNA cromossomal da bactéria), passou essencialmente pelas suas propriedades: 1. Apresentam genes não essenciais para a sobrevivência da bactéria 2. Podem replicar-se independentemente da molécula principal. 3. Apresentam genes com resistência a antibióticos que podem servir como marcadores, na selecção de bactérias com rdna plasmídico das que não apresentam plasmídeos. 4. Apresenta apenas uma zona de restrição para a enzima EcoRI (5 GAATTC3 ) Normalmente utilizam-se 2 tipos de vectores ou transportadores: a) DNA plasmídico b) DNA viral Para se introduzir este vector novamente no interior da bactéria, é necessária a presença de CaCl 2 e choque térmico para aumentar a permeabilidade da membrana celular da bactéria, e o Plasmídeo entrar no seu interior. É igualmente possível a utilização de bacteriófagos como vectores.

6 3-TÉCNICA DO RDNA ( DNA RECOMBINADO/RECOMBINANTE) Produção de Insulina recorrendo à técnica do rdna. Tal como o nome indica a técnica do DNA recombinado, significa que se alterou o tipo de informação genética num determinado ADN (neste caso adicionando um gene extra que se quer clonar). Nesta técnica, essa recombinação é apenas um processo intermédio para se poder multiplicar um determinado gene, de modo a produzir-se uma proteína específica e em grandes quantidades (ex. Insulina, hormona do crescimento, etc.), numa célula hospedeira que facilmente se replique (como um vírus ou uma bactéria). O procedimento para a construção de rdna consiste nos seguintes passos: 1. Isolamento do DNA que contém o gene que se quer clonar e do DNA plasmídico. (centrifugação em ambos os casos e a baixas temperaturas se a célula for eucariota, para inibir a acção enzimática). 2. DNA plasmídico+ Enzima de restrição.a (abertura do Plasmídeo) 3. DNA dador + Enzima de restrição A (abertura de todas as zonas de restrição) 4. Isolamento do gene que se quer inserir no Plasmídeo. 5. Gene + Plasmídeo + Ligases de DNA. 6. Temos agora um Plasmídeo com rdna 7. Plasmídeos recombinantes + Bactérias (Indução do aumento de permeabilidade da bactéria (CaCl3 e choque térmico) para que o Plasmídeo possa entrar na bactéria). 8. O gene inserido passa a comandar a síntese da proteína desejada (Nota - os restantes genes do Plasmídeo e do cromossoma primário continuam a sintetizar as restantes proteínas normalmente).

7 3.1. CDNA (DNA COMPLEMENTAR) Procedimento da técnica: O DNA complementar é um DNA sintético, que é produzido no sentido inverso ao da transcrição (passagem de DNA para mrna). Como este é produzido a partir do mrna, e no caso dos eucariontes, este mrna já sofreu maturação perdendo as zonas não codificantes do DNA original (Intrões), o cdna sintetizado não vai ser igual ao original, uma vez que também não vai apresentar Intrões, no entanto a sua comparação DNA e cdna permite-nos localizar as regiões codificantes(exões) e as zonas não codificantes (Intrões). Esta característica não prejudica a síntese proteica a partir deste novo DNA, uma vez que tem a informação necessária para sintetizar as mesmas proteínas (pois só as regiões codificantes Exões é que são relevantes para esse processo), estando pronto a usar. A grande vantagem é que este DNA facilita a produção de proteínas de eucariontes nas bactérias, já que estas não têm mecanismos de maturação do RNA (quando se introduzem genes de um eucarionte num procarionte que contêm intrões, a sua transcrição será feita de uma forma ininterrupta, produzindo-se uma proteína diferente da pretendida). Mas então como é que podemos reverter o sentido unidireccional da síntese proteica (ou pelo de parte desta, da transcrição)? Mais uma vez, ao estudarem ataques virais, os cientistas aperceberam-se que certos tipos de vírus retrovirus - não apresentavam o seu próprio DNA (ex. HIV). Eles tinham sim, como material genético RNA, e ao infectarem determinadas células é que sintetizavam o seu DNA a partir de uma enzima denominada Transcriptase Reversa. 1º Isola-se do citoplasma todos os mrna funcionais. 2º mrnas (cadeia simples) + Enzimas Transcriptase Reversa Forma-se a 1ªcadeia de cdna complementar ao mrna 3º Faz-se a degradação do mrna. 4º Poli A (Iniciador)*+ DNA polimerase Síntese da 2ªcadeia de DNA complementar Foi a partir da descoberta desta enzima que os cientistas encontram uma nova ferramenta para manipular o material genético. Nota Importante: * Uma vez que a extremidade do cdna apresenta uma sequência com várias Timinas (complementares às extremidades com várias Adeninas do mrna, como defesa à degradação enzimática no citoplasma), necessitamos inserir um pedaço de DNA iniciador (Primer), com uma sequência de várias Adeninas complementares, uma vez que a próxima enzima a utilizar DNA polimerase apenas se consegue ligar ao DNA de cadeia dupla!

8 Procedimento para a realização de Bibliotecas genómicas: 3.2. BIBLIOTECAS DE GENES/CDNA DNA a clonar Corte com a mesma Endonuclease Inserção dos fragmentos nos plasmídeos ou DNA viral: Clonagem: Bibliotecas de cdna: Todos os cdna que se sintetizam podem ser clonados em bactérias (ou vírus). Se fragmentarmos esse cdna e inserirmos cada segmento numa bactéria, podemos construir as chamadas bibliotecas de cdna, pois cada fragmento fica armazenado na bactéria durante longos períodos de tempo (com as condições adequadas à sua sobrevivência). Estes genes estão prontos a usar caso se queira fazer a síntese proteica. Bibliotecas de genes (DNA): Se por outro lado quisermos clonar todo o genoma de uma célula eucariota, mesmo com os genes não activos /não codificantes, basta utilizar enzimas de restrição, para fragmentar todo o genoma. Os fragmentos resultantes vão ter tamanhos diferentes, no entanto como foram cortados pela mesma endonuclease, vão apresentar extremidades não ligadas, mas complementares entre si. Neste último caso, não temos interesse em fazer a síntese das proteínas desses genes, uma vez que como apresentam ainda intrões, vão ser sintetizadas proteínas diferentes das que esperaríamos se o mrna tivesse sofrido maturação/purificação (quando perde os intrões). Ambos os casos vão ser clonados pela técnica do rdna. Após multiplicar esses fragmentos, podemos voltar a retirá-los dos plasmídeos, usando a mesma enzima de restrição que os cortou inicialmente, separar os plasmídeos dos fragmentos que clonámos e juntar os fragmentos entre si com Ligases de DNA de modo a formar de novo toda o genoma.

9 6. IMPRESSÕES DIGITAIS GENÉTICAS Em que é que consiste esta técnica? 1º A partir de uma pequena amostra de material biológico (cabelo, unhas, ossos, etc.) extrai-se e isola-se o DNA. 2º Utilizam-se enzimas de restrição e o DNA é fragmentado em segmentos pequenos e de diferentes tamanhos. (o tamanho varia de indivíduo para indivíduo). 3º Colocam-se estes fragmentos num aparelho que contém gel e um campo eléctrico (Electroforese), fazendo deslocar esses segmentos a velocidades e distâncias diferentes. Exceptuando os gémeos verdadeiros, cada indivíduo possui o seu próprio DNA. Com base neste princípio, foi desenvolvida uma técnica denominada Impressão Digital Genética ou DNA Fingerprint. Este método é bastante utilizado nos testes parentais, onde normalmente o filho apresenta cerca de 50% do seu genoma igual ao do pai e o restante igual ao da mãe. Também é muito utilizado na investigação criminal para descobrir a qual dos suspeitos pertencem determinados vestígios de tecido encontrados na zona do crime. (se forem ligeiramente semelhantes, não pertencem à mesma pessoa, só se forem 100% iguais). Nota Um outro material genético muito utilizado, é o DNA mitocondrial (apenas proveniente da mãe). Este DNA é muito semelhante ao dos plasmídeos das bactérias, uma vez que também é uma hélice dupla circular, e não está ligado à produção de proteínas da célula, apenas da própria mitocôndria. 4º Posteriormente observa-se a distância a que cada fragmento se localiza (semelhantes a um código de barras).

10 7. PCR (REACÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA) Mas afinal como é esse processo? 1º A partir de DNA isolado faz-se aumentar a temperatura (95ºC), que faz o DNA desnaturar (perder as ligações por pontes de hidrogénio que fazem ligar as bases complementares), separando as duas cadeias de DNA. 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 Aumento da 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 temperatura 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 (desnaturação) 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 2º Adiciona-se 2 oligonucleótidos de iniciação (Primers) de cerca de 20 nucleótidos, compostos pelas sequências complementares aos nucleótidos do início de cada uma das cadeias complementares*(aos 55ºC) 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 Iniciador1 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 Iniciador2 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 3º Adicionam-se Nucleótidos (T,G,C,A) +Enzima DNA polimerase (Taq).para sintetizar as cadeias opostas (aos 70ºC) 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 DNA polimerase (-5 3 ) DNA polimerase ( 3 5 ) 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 3 AAATTTCCCGGGATCA 5 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 5 TTTAAAGGGCCCTAGT 3 4º Repetir todos os passos anteriores até obter o nº de cópias desejado! Para trabalhar os genes de um determinado indivíduo necessitamos de cerca de 1micrograma de material genético. O que fazer quando só se tem um cabelo ou outro vestígio orgânico? Em 1983 descobriu-se uma técnica, a PCR, capaz de replicar várias copias de DNA em apenas alguns minutos! (Tal como ocorre na replicação natural mas muito mais lentamente.) Como este processo ocorre a elevadas temperaturas, além do DNA, a própria enzima DNA polimerase era afectada. Contudo, surgiu a ideia de utilizar a mesma enzima, mas de organismos capazes de viver em locais com temperaturas muito altas, como as bactérias térmófilas (que vivem nas proximidades de fontes hidrotermais). A enzima utilizada resiste a todos os ciclos de aquecimento e arrefecimento e tem como nome Taq polimerase, devido à designação da espécie da bactéria em que foi extraída (Thermus aquaticus). *Nota - para inserir os iniciadores certos, os cientistas necessitam conhecer o início das sequências, para produzirem a sequência de nucleótidos complementares correcta.

11

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Enzimas e Clonagem Molecular

Enzimas e Clonagem Molecular Universidade Estadual de Maringá Enzimas e Clonagem Molecular Disciplina: Biologia Molecular 6855 Profa. Dra Maria Aparecida Fernandez Enzimas: Enzimas de Restrição Endonucleases de restrição; Fazem o

Leia mais

DNA polimerases dependentes de "template"

DNA polimerases dependentes de template DNA polimerases dependentes de "template" - Adicionam deoxiribonucleótidos à extremidade 3' de cadeias duplas de DNA com um local de "priming" - A síntese ocorre exclusivamente na direcção 5'-3' da nova

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Problemas de Engenharia Genética

Problemas de Engenharia Genética Engenharia Genética Secção de Genética e Dinâmica de Populações Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Problemas de Engenharia Genética 2. Técnicas de análise

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

Tecnologia do DNA recombinante

Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA Recombinante déc. 70 conhecimento de mecanismos biomoleculares enzimas biológicas cortar DNA ligar DNA replicar DNA transcrever reversamente o RNA complementaridade

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA Profa. Maria Paula FERRAMENTAS Enzimas: de restrição, DNA-ligase, DNA-polimerase, transcriptase Vetores: plasmídeos, vírus 1) PGH O número de genes é muito menor do

Leia mais

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR Tecnologia do DNA Recombinante-TDR (clonagem de DNA) CONSTRUINDO A MOLÉCULA DE DNA RECOMBINANTE, BIOTECNOLOGIA:Engenharia genética. A utilização de microorganismos, plantas e animais para a produção de

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA 1- As acetabularias (fotografia à esquerda) são algas verdes marinhas, com 2 a 3 cm de altura, constituídas por uma base ou pé, onde está o núcleo, e um caulículo, na extremidade do qual se diferencia

Leia mais

Prova de Química e Biologia

Prova de Química e Biologia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do IPVC dos Maiores de 23 Anos Prova de Química e Biologia Prova modelo Prova Específica de Química

Leia mais

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA GENÉTICA BACTERIANA INTRODUÇÃO O DNA existe como uma hélice de fita dupla, mantidas pelo pareamento de bases nitrogenadas específicas (AT; CG). - A seqüência de bases codifica a informação genética; -

Leia mais

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Introdução Uma das características mais pertinentes de todos

Leia mais

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA".

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou impressão digital de DNA. Ácidos Nuclêicos 1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA". a) Segundo o resultado acima, qual dos homens,

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli REPLICAÇÃO DE DNA MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli TERMINOLOGIA Regras básicas para a designação de genes e proteínas: Genes bacterianos 3 letras minúsculas em itálico que reflectem a sua função aparente Ex:

Leia mais

Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c)

Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c) Colónias satélite: ao fim de 2 dias (a e b) e de 4 (c) 1 Regulação da expressão de genes 2 A decisão em iniciar a transcrição de um gene que codifica uma proteína em particular é o principal mecanismo

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a

Leia mais

RNA: transcrição e processamento

RNA: transcrição e processamento Universidade Federal do Piauí Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-graduação em Genética e Melhoramento Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento Bases Moleculares da Hereditariedade RNA: transcrição

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º Avisos 1.EstedocumentoapenasservecomoapoioparcialàsaulasdeBiologiaeGeologia11.ºano Unidade5 lecionadas na Escola Secundária Morgado Mateus(Vila Real)

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min

Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min Nome: Curso: Nº Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min As bactérias Gram-negativas como Salmonella typhi têm de se adaptar a uma variedade de stresses ambientais extremos

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome:

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome: PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA 13/06/2011 Nome: 1. Classifique as afirmações seguintes como verdadeira (V) ou falsa (F): a) A espermatogénese é um processo contínuo, com inicio

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular DNA RNA Proteínas Universo Celular Ciclo celular Ciclo Celular: Mitose Célula animal Núcleo Celular: Cromossomas Cromossoma:

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula????

Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula???? início Moléculas de RNA Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula???? gene DNA espaçador fim Profa Estela Rossetto início O que faz o DNA? http://rizomas. net/ensino-debiologia/recur sospedagogicos/2

Leia mais

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA Duração da prova: 2 horas Teste Modelo Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. O teste tem a duração de 2 horas no total,

Leia mais

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia REPLICAÇÃO Plano de Aula -DNA e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO Prof. Juliana Schmidt Curso Farmácia 2012 REPLICAÇÃO - Bibliografia DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO ALBERTS, B.; BRAY, D.;

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Replicação do DNA a Nível Molecular

Replicação do DNA a Nível Molecular Replicação do DNA a Nível Molecular Função do DNA Transferência de informação Copiada em DNA (Replicação) Traduzida em proteína Modelo de replicação do DNA proposto por Watson e Crick Replicação ou Duplicação?

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética V e t e r i n a r i a n D o c s Genética Introdução Conceitos Gene: segmento de DNA que é expresso para produzir um produto funcional, o que pode ser RNA ou polipeptídeo. 3 partes: seqüência reguladora,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética Biologia Molecular Tópicos de estudo Prof a Dr a Maria Aparecida Fernandez 2003 1 Unidade I Estrutura dos Ácidos Nucléicos Estrutura

Leia mais

DNA recombinante in a nutshell

DNA recombinante in a nutshell DNA recombinante in a nutshell Biologia Molecular Aplicada A tecnologia do DNA recombinante Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Teoria bem fundamentada Por volta do início da década de 70, os fundamentos básicos

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação SÍNTESES NUCLEARES O DNA éo suporte da informação genética Parte 1 Replicação Estrutura do DNA Replicação do DNA Nucleótidos A informação genética das células é armazenada sob a forma de 2 moléculas similares:

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc.

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc. Replicação de DNA DNA Dupla-hélice composta de nucleotídeos ligados entre si e cujas bases nitrogenadas de uma hélice fazem pontes de hidrogênio com bases nitrogenadas de outra hélice, numa direção anti-paralela

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

CONTROLE DO METABOLISMO GENES

CONTROLE DO METABOLISMO GENES CONTROLE DO METABOLISMO GENES 10/06/15 1º ANO - BIOLOGIA 1 ESTRUTURA DO GENE Segmentos (pedaços) da molécula de DNA, o constituinte dos nossos cromossomos, onde estão inscritas receitas (códigos genéticos)

Leia mais

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO.

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Transcrição e Tradução Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Tópicos abordados na aula Dogma Central da Biologia Molecular;

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO CELULAR Massa compacta, ocupando um volume limitado As suas variadas actividades, tal como replicação e transcrição, têm

Leia mais