(11) (21) PI A

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(11) (21) PI 0414073-7 A"

Transcrição

1 (11) (21) PI A (22) Data de Depósito: 31/08/2004 (43) Data de Publicação: 24/10/2006 República Federativa do Brasil (RPI 1868) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior Instituto Nacional da Propriedade Industrial (51) Int. C1 7.: A61K 39/15 C12N 7/00 (54) Título: MÉTODO PARA INDUZIR UMA RESPOSTA (57) Resumo: "MÉTODO PARA INDUZIR UMA RESPOSTA IMUNE CONTRA INFECÇÃO POR ROTAVIRUS A PARTIR DE UM SOROTIPO IMUNE CONTRA INFECÇÃO POR ROTAVÍRUS A DE ROTAVÍRUS, E, USO DE UMA CEPA DE ROTAVÍRUS ATENUADO PARTIR DE UM SOROTIPO DE ROTAVÍRUS, E, USO DE UM SOROTIPO". A invenção proporciona um método de indução de DE UMA CEPA DE ROTAVÍRUS ATENUADO DE UM uma resposta imune contra infecção por retrovírus de um sorotipo de SOROTIPO rotavírus, o método compreendendo administrar a um indivíduo uma composição compreendendo uma vacina de rotavírus atenuado de um sorotipo diferente. (30) Prioridade Unionista: 02/09/2003 US 60/499,430; 01/07/2004 GB (71) Depositante(s): Glaxosmithkline Biologicals S.A. (BE) (72) Inventor(es): Brigitte Desiree Alberte Colau, Beatrice Arsene Virginie De Vos (74) Procurador: Momsen, Leonardos & Cia (86) Pedido Internacional: PCT EP2004/ de 31/08/2004 (87) Publicação Internacional: wo 2005/ de 10/03/2005

2 li 1 O n 51 "MÉTODO PARA INDUZIR UMA RESPOSTA IMUNE CONTRA INFECÇÃO POR ROTAVÍRUS A PARTIR DE UM SOROTIPO DE ROTAVÍRUS, E, USO DE UMA CEPA DE ROTAVÍRUS ATENUADO DE UM SOROTIPO" 5 CAMPO DA INVENÇÃO Esta invenção refere-se às formulações de vacina de rotavírus. A invenção refere-se ao uso de uma população de rotavírus atenuado de um sorotipo de rotavírus na prevenção de doença associada com infecção por rotavírus de outro sorotipo de rotavírus. Em particular a invenção refere-se ao 10 uso de uma população de rotavírus atenuado de sorotipo G1 na prevenção de doença associada com infecção por rotavírus de sorotipos não-g1. FUNDAMENTOS Diarréia infecciosa, aguda é uma causa líder de doença e de morte em muitos países do mundo. Em países em desenvolvimento, o impacto 15 de doença diarréica é incrível, Para Ásia, África e América Latina, tem sido estimado que há entre 3 e 4 bilhões de casos de diarréia cada ano e daqueles casos cerca de 5-10 milhões resultam em morte (Walsh, J. A. et al.: N. Engl. J. Med., 301: (1979)). Rotavírus tem sido reconhecido como uma das causas mais 20 importantes de diarréia severa em bebês e crianças jovens (Estes, M. K., "Rotaviruses and Their Replication" em Fields Virology, Terceira Edição, editado por Fields et al., Raven Publishers, Philadelphia, 1996). É estimado que a doença por rotavírus é responsável por mais de um milhão de mortes anualmente. Doença induzida por rotavírus mais comumente afeta crianças 25 entre 6 e 24 meses de idade, e a prevalência de pico da doença em geral ocorre durante os meses mais frios em climas temperados, e ao redor de um ano em áreas tropicais. Rotavírus são tipicamente transmitidos de pessoa para pessoa pela rota fecal-oral com um período de incubação de cerca de 1 dia a cerca de 3 dias. Diferente da infecção no grupo de 6 meses a 24 meses de

3 O 2 à V : I idade, os neonatos são em geral assintomáticos ou possuem apenas uma doença suave. Em contraste com a doença severa normalmente encontrada em crianças jovens, os adultos em sua maioria estão protegidos como um resultado da infecção por rotavírus prévia de modo que as infecções em adulto 5 são em sua maioria suaves ou assintomáticas. (Offit, P. A. et al. Comp. Ther., 8(8):21-26, 1982). Rotavírus são em geral esféricos, e seu nome é derivado de sua estrutura de capsídeo de capa dupla ou interna e externa distintas. Tipicamente, a estrutura de capsídeo de capa dupla de um rotavírus circunda 10 uma casca ou núcleo de proteína interna que contém o genoma. O genoma de um rotavírus é composto de 11 segmentos de RNA de fita dupla que codificam pelo menos 11 proteínas virais distintas. Duas destas proteínas virais chamadas de VO4 e VP7 estão arranjadas sobre o exterior da estrutura de capsídeo de casca dupla. O capsídeo interno do rotavírus apresenta uma 15 proteína, que é a proteína do rotavírus designada VP6. A importância relativa destas três proteínas virais específicas na geração de resposta imune que segue à infecção por rotavírus ainda não está clara. Contudo, a proteína VP6 determina o antígeno de grupo e subgrupo, e as proteínas VP4 e VP7 são os determinantes de especificidade de sorotipo. 20. Até o presente, pelo menos 14 sorotipos G de rotavírus e 11 sorotipos P de rotavírus têm sido identificados (Linhares A. C. & Bresse J. S., Pan Am. J. Publ. Health 2000, 9, ). Dentre estes, 10 sorotipos G e 6 sorotipos P têm sido identificados dentre os rotavírus de humano. A proteína VP7 é uma glicoproteína de PM de (PM de quando não-glicosilada) que é o produto de tradução do segmento genômico 7, 8 ou 9, dependendo da cepa. Esta proteína estimula a formação do anticorpo neutralizador após infecção por rotavírus. A proteína VP4 é uma proteína não-glicosilada de PM aproximadamente de que é o produto de tradução do segmento genômico 4. Esta proteína também estimula o

4 O 3 e e mofo e e e e e mo G) e II anticorpo neutralizador após infecção por rotavírus. Visto que as proteínas VP4 e VP7 são as proteínas virais contra as quais os anticorpos neutralizadores são direcionados, acredita-se que são as primeiras candidatas para o desenvolvimento de vacinas de rotavírus, proporcionando proteção contra doença por rotavírus. É sabido que a infecção por rotavírus natural durante a infância inicial gera imunidade protetora. Uma vacina de rotavírus atenuada viva é portanto elevadamente desejável. Preferivelmente esta deve ser uma vacina oral, porque esta é a rota natural de infecção do vírus. 10 O desenvolvimento inicial de vacina para prevenir infecção por rotavírus começou nos anos 1970 após a descoberta do vírus. Inicialmente, cepas atenuadas de animais e de humanos eram estudadas e tiveram resultados mistos ou decepcionantes. Esforços mais recentes têm focalizado sobre reclassificadores humano-animal que têm sido mais bem 15 sucedidos. Tem sido descrita uma cepa de rotavírus conhecida como por Ward; veja a Patente U.S e Bemstein, D. L. et al., Vaccine, 16 (4), , A cepa foi isolada de um espécime de fezes coletado de uma criança de 14 meses de idade com doença por rotavírus 20 natural em De acordo com a Patente U.S o rotavírus de humano HRV foi então adaptado para cultura por 2 passagens em células de Rim de Macaco Verde Africano (AGMK) e por 4 passagens em células MA-104 como descrito por Ward em J. Clin. Microbiol., 19, , Foi então purificado de placa 3 vezes em células MA-104 (para a 25 passagem 9) e crescido após 2 passagens adicionais nestas células. Uma passagem adicional foi preparada (passagem 12) para depósito com o ATCC sob o número de acesso ATCC VR A cepa depositada é conhecida como 89-12C2. O ensaio de 1998 em Vaccine de Bemstein et al. é referido

5 4 G I I.. o o * o. abaixo como o ensaio em Vaccine (1998). O ensaio descreve a segurança e a imunogenicidade de uma candidata à vacina de rotavírus de humano vivo oralmente administrada. Esta vacina foi obtida da cepa 89-12, atenuada pela passagem sem purificação de placa 26 vezes em células AGMK primárias e então outras 7 vezes em uma linhagem de células AGMK estabelecida (33 passagens no total). Daqui em diante o material acima mencionado que tem sido serialmente passado 26 vezes será referido a P26 e o material que tem sido serialmente passado 33 vezes será referido a P33. Em geral, rotavírus 10 derivado pela passagem de n vezes será referido a Pn. Nos exemplos que seguem o material P33 foi passado mais 5 vezes em células Vero. Este é referido a P38. Os isolados P26 e P33 descritos no ensaio em Vaccine (1998) não foram depositados em uma coleção de culturas, nem foram analisados 15 para estabelecer sua caracterização genética. Agora tem sido verificado que a população P26 descrita na literatura compreende uma mistura de variantes. Isto tem sido estabelecido por caracterização genética como descrito aqui abaixo (veja os exemplos). P26 não é portanto uma população confiavelmente consistente para passagens 20 adicionais, em particular para a produção de lotes de vacina. Semelhantemente, P33 compreende uma mistura de variantes e não é confiavelmente consistente para a produção de lotes de vacina. Tem sido verificado que o material P26 é uma mistura de pelo menos três variantes de gene VP4. P33 e P38 são semelhantemente uma 25 mistura de duas variantes. Estas variantes parecem ser antigeneticamente diferentes, em termos de epitopos neutralizadores, em relação à cepa 89-12C2 depositada na ATCC quando se avaliam os títulos de anticorpo neutralizador de soros de bebês vacinados com P33 contra estas variantes. Ainda mais tem sido verificado que quando o material P33 é

6 administrado a bebês, duas variantes identificadas são replicadas e excretadas. De 100 bebês vacinados, apenas 2 mostraram sinais de gastroenterite devido à infecção por rotavírus, enquanto que 20% de um grupo de placebo foi infectado. Estas descobertas sugerem que as variantes identificadas estão 5 associadas com a proteção contra a doença por rotavírus. WO descreve um método de separar variantes de rotavírus e uma vacina de rotavírus atenuado vivo melhorado derivado de uma cepa de rotavírus de humano (homogêneo) clonado. Também é descrita uma população (isolado) de rotavírus atenuado, caracterizada pelo fato de que 10 compreende uma variante única ou substancialmente uma variante única, a citada variante definida pela seqüência de nucleotídeos codificadora de pelo menos uma das proteínas virais maiores designadas como VP4 e VP7. Eficácia protetora de uma tal vacina de rotavírus de humano atenuado oral contra cepa heteróloga G9 tem sido relatada em bebês na América Latina 15 (Perez et al., 42nd Interscience Conference on Antimicrobial Agentes and Chemotherapy (ICAAC 2002) de Setembro de 2002, San Diego). O conteúdo inteiro de W é aqui incorporado como referência. 20 proteína VP4 de P43. proteína VP7 de P43. BREVE DESCRIÇÃO DAS FIGURAS Figura 1 é a seqüência de nucleotídeos codificadora da Figura 2 é a seqüência de nucleotídeos codificadora da DESCRIÇÃO DETALHADA DA INVENÇÃO Na presente invenção temos determinado que uma população 25 de rotavírus atenuado, caracterizada pelo fato de que ela compreende uma única variante ou substancialmente uma única variante, a citada variante definida por uma seqüência de nucleotídeos codificadora de pelo menos uma das proteínas virais maiores designadas como VP4 e VP7, pode ser usada como uma vacina para proporcionar proteção cruzada contra infecção por

7 rotavírus de um sorotipo diferente daquele utilizado na vacina. 6 ie g go o Em particular o uso de uma população de rotavírus Gl, [por exemplo como depositada na European Collection of Animal Cell Cultures (ECACC), Vaccine Research and Production Laboratory, Public Health 5 Laboratory Service, Centre for Applied Microbiology and Research, Porton Down, Salisbury, Wiltshire, SP4 OJG, Reino Unido aos 13 de agosto de 1999 sob o número de depósito , sob os termos do Tratado de Budapeste], pode ser utilizado para prevenir doença causada por ambos sorotipos de rotavírus G1 e pelo menos um não-g1, tais como os sorotipos de rotavírus 10 G2, G3, G4 e G9. Conseqüentemente a presente invenção refere-se ao uso de uma população de rotavírus atenuado de um sorotipo de rotavírus na prevenção de doença associada com infecção por rotavírus de outro sorotipo de rotavírus, na qual o sorotipo é preferivelmente definido por referência à 15 seqüência da proteína G de rotavírus. Preferivelmente a população de rotavírus é caracterizada pelo fato de que ela compreende uma única variante ou substancialmente uma única variante, a citada variante definida por uma seqüência de nucleotídeos codificadora de pelo menos uma das proteínas virais maiores designadas 20 como VP4 e VP7. Preferivelmente a população de rotavírus compreende proteínas virais VP4 e VP7 do depósito em ECACC adequadas para proporcionarem um efeito protetor cruzado. Preferivelmente o sorotipo de rotavírus atenuado é G1 e é 25 capaz de proporcionar proteção cruzada contra doença causada por sorotipos de rotavírus G1 e não-g1 tais como os sorotipos selecionados do grupo consistindo de: G2, G3, G4, G5, G6, G7, G8, G9, G10, Gll, G12, G13 e G14. Em particular o uso de uma população de rotavírus atenuado G1 [por exemplo como depositada na European Collection of Animal Cell

8 g g Cultures (ECACC), Vaccine Research and Production Laboratory, Public Health Laboratory Service, Centre for Applied Microbiology and Research, Porton Down, Salisbury, Wiltshire, SP4 OJG, Reino Unido aos 13 de agosto de 1999 sob o número de depósito , sob os termos do Tratado de 5 Budapeste], pode ser utilizado para prevenir doença causada por pelo menos um, preferivelmente pelo menos dois, com maior preferência pelo menos três, mais preferivelmente pelo menos quatro sorotipos de rotavírus não-g1 selecionados do grupo consistindo de: G2, G3, G4, G5, G6, G7, G8, G9, G10, G11, G12, G13 e G14. Em um aspecto particularmente preferido, uma 10 resposta imune é induzida contra dois ou mais sorotipos não-g1 de rotavírus, tipicamente contra qualquer sorotipo selecionado do grupo consistindo de: G2, G3, G4, G5, G6, G7, G8, G9, G10, G11, G12, G13 e G14. É preferido que se tenha proteção heterotípica contra pelo menos dois, com maior preferência pelo menos três, mais preferivelmente pelo menos quatro dos 15 seguintes sorotipos não-g1: G2, G3, G4 e G9, em adição à proteção homotípica (G1). Em particular de acordo com a presente invenção, é proporcionado o uso de uma cepa de rotavírus atenuado de um sorotipo G1 na manufatura de uma composição de vacina para a indução de uma resposta 20 imune contra um rotavírus que é não G1 ou G9. Em um aspecto preferido uma resposta imune é adicionalmente induzida contra infecção por rotavírus por um sorotipo G9 e/ou sorotipo Gl. Em um aspecto preferido particular, uma resposta imune é induzida contra dois ou mais sorotipos de rotavírus, estes sorotipos não sendo G1 ou G9. Tipicamente qualquer sorotipo diferente 25 de G1 ou G9 é selecionado da lista consistindo de: G2, G3, G4, G5, G6, G7, G8, G10, G11, G12, G13 e G14. É preferido que se tenha proteção heterotípica contra pelo menos dois, pelo menos três, pelo menos quatro, com maior preferência pelo menos cinco ou mais destes sorotipos diferentes daquele da composição de vacina. Mais preferivelmente uma resposta imune

9 é induzida contra todos os seguintes sorotipos não-gl : G2, G3, G4 e G9. A invenção também se refere a um método para induzir uma resposta imune contra infecção por rotavírus de um sorotipo de rotavírus, o método compreendendo administrar a um indivíduo uma composição 5 compreendendo uma vacina de rotavírus atenuado de um sorotipo diferente. Preferivelmente o método é um método para induzir uma resposta imune contra sorotipo não-g9 de rotavírus, o método compreendendo administrar a um indivíduo uma composição compreendendo uma vacina de sorotipo G1 de rotavírus compreendendo uma única variante 10 ou substancialmente uma única variante como aqui definida. Preferivelmente a população de rotavírus dentro da composição de vacina é de especificidade G1P1A P[8]. Mais preferivelmente a população de rotavírus compreende as proteínas virais VP4 e VP7 do depósito em ECACC adequadas para gerar uma resposta imune e, 15 tipicamente, proporciona um efeito protetor cruzado. Preferivelmente a vacina de rotavírus usada é depósito em ECACC, ou é derivada daquele depósito. Em uma modalidade a invenção exclui o uso da cepa de rotavírus correspondendo a em ECACC, em um método ou uso 20 como indicado acima para induzir uma resposta imune apenas ao sorotipo G9, embora o emprego de uma tal cepa G1 para a indução de respostas imunes para G9 em combinação com indução de respostas imunes para outros sorotipos G não seja em geral excluído. Adequadamente a invenção refere-se às cepas de rotavírus 25 G1P8 em métodos e usos como descritos acima. Preferivelmente a vacina é usada em um regime de 2 doses. Preferivelmente a vacina proporciona proteção cruzada contra gastroenterite. Conseqüentemente, em outro aspecto é proporcionado um método de acordo com a invenção no qual a composição é até 60% protetora,

10 9.. em uma população de indivíduos vacinados, contra diarréia causada pela infecção de um rotavírus de um tipo diferente daquele do rotavírus atenuado presente na composição. Em outro aspecto, é proporcionado um método de acordo com a invenção no qual a composição é até 81% protetora, em uma 5 população de indivíduos vacinados, contra gastroenterite causada pela infecção de um rotavírus de um tipo diferente daquele do rotavírus atenuado presente na composição. Em ainda um outro aspecto, é proporcionado um método de acordo com a invenção no qual a composição compreende uma cepa de rotavírus G1 que é até 83% protetora em uma população de 10 indivíduos vacinados contra gastroenterite severa causada por infecção de rotavírus de pelo menos dois sorotipos não-g 1. Preferivelmente a taxa de proteção contra diarréia e/ou gastroenterite e/ou gastroenterite severa alcançada em uma população de indivíduos vacinados infectados por um rotavírus de um tipo diferente 15 daquele do rotavírus atenuado presente na composição, está entre 10% e 90%, com maior preferência entre 20% e 80%, mais preferivelmente é de pelo menos 50%. A vacina de rotavírus usada para dar proteção cruzada possui as seguintes características preferidas: 20 Preferivelmente a população de rotavírus de acordo com a invenção é uma variante clonada. Uma população compreendendo uma única variante, ou substancialmente uma única variante, significa uma população de rotavírus que não contém mais do que 10%, e preferivelmente menos do que 5% e mais 25 preferivelmente menos do que 1% de uma variante ou variantes diferentes. Populações de vírus podem ser purificadas para homogeneidade ou homogeneidade substancial pela passagem em tipos celulares adequados ou pela realização de uma série de uma ou mais etapas de clonagem. Uma vantagem da invenção é que uma população

11 10 compreendendo uma única variante é mais apropriada para a formulação de um lote de vacina consistente. Variantes específicas definidas pelas seqüências de nucleotídeos codificadoras das proteínas virais maiores também podem estar associadas com a eficácia aumentada na prevenção da infecção por rotavírus. Em um aspecto preferido, a única ou substancialmente única variante na população de rotavírus da invenção é uma variante na qual o gene VP4 compreende uma seqüência de nucleotídeos compreendendo pelo menos uma das seguintes: uma base adenina (A) na posição 788, uma base adenina 10 (A) na posição 802 e uma base timina (T) na posição 501 a partir do códon de iniciação. Em um outro aspecto preferido, a única ou substancialmente única variante na população de rotavírus da invenção é uma variante na qual o gene VP7 compreende uma seqüência de nucleotídeos compreendendo pelo 15 menos uma das seguintes: uma timina (T) na posição 605, uma adenina (A) na posição 897 ou uma guanina (G) na posição 897 a partir do códon de iniciação. Preferivelmente na posição 897 há uma adenina (A). Em um aspecto preferido a única variante na população de acordo com a invenção possui uma adenina (A) nas posições 788 e 802 e uma 20 timina (T) na posição 501 a partir do códon de iniciação na seqüência de gene VP4. Em outro aspecto preferido a única variante na população de acordo com a invenção possui uma timina (T) na posição 605 e uma adenina/guanina (A/G) na posição 897 a partir do códon de iniciação na 25 seqüência de gene VP7. Mais preferivelmente na seqüência VP7 há uma adenina (A) na posição 897. Em um aspecto particularmente preferido a única variante na população de acordo com a invenção possui uma adenina (A) nas posições 788 e 802 e uma timina (T) na posição 501 a partir do códon de iniciação na

12 11 g seqüência de gene VP4, e uma timina (T) na posição 605 e uma adenina/guanina (A/G) na posição 897 a partir do códon de iniciação na seqüência de gene VP7. Mais preferivelmente na seqüência VP7 há uma adenina (A) na posição Em outro aspecto a única variante compreende uma seqüência de nucleotídeos codificadora de uma proteína VP4 na qual a seqüência de nucleotídeos é como a mostrada na Figura 1, e/ou uma seqüência de nucleotídeos codificadora de uma proteína VP7 na qual a seqüência de nucleotídeos é como a mostrada na Figura Populações de rotavírus preferidas para uso na presente invenção podem ser obtidas por um método compreendendo: a) diluição limitada; ou b) isolamento de placa individual; e checagem para a presença de uma variante substancialmente única pela 15 realização de uma determinação de seqüência de uma região apropriada da seqüência de gene VP4 e/ou VP7. como descritas acima. Preferivelmente a população é derivada das cepas P33 ou P26 A determinação de seqüência pode ser adicionalmente 20 realizada por uma técnica de hibridização semi-quantitativa ou quantitativa tal como uma hibridização em slot blot ou hibridização em placa. Preferivelmente a variante selecionada é uma variante que é replicada e excretada quando a preparação de rotavírus inicial é administrada a um indivíduo humano, em particular a uma criança. 25 Tipos de célula adequados para passagem da população de rotavírus no método acima incluem as células de rim de macaco verde africano (AGMK), que podem ser linhagens celulares estabelecidas ou células AGMK primárias. Linhagens de célula AGMK apropriadas incluem por exemplo Vero (ATCC CCL81), DBS-FRhL-2 (ATCC CL-160), BSC-1

13 .. 12 (ECACC ) e CV-1 (ATCC CCL70). Também são adequadas as linhagens celulares MA-104 (macaco rhesus ) e MRC-5 (de humano ATCC CCL-171). Células Vero são particularmente preferidas para propósitos de amplificação. Passagem em células Vero dá um rendimento de vírus elevado. 5 Técnicas para a checagem se há uma única variante em uma população de vírus resultante do método, e para determinar a natureza daquela única variante envolvem procedimentos de hibridização ou de seqüenciamento padrão conhecidos na técnica e que estão descritos aqui abaixo. 10 Em um aspecto preferido o método da invenção é realizado usando rotavírus apropriado, particularmente rotavírus possuindo as características da cepa ou de um seu derivado de passagem. Uma população de variante única particularmente preferida é P43, que foi obtida de P33 (por passagem 33 vezes de um rotavírus de 15 humano isolado em cultura de tipos de célula apropriados) por uma série de etapas de clonagem de diluição final seguida pela passagem do material clonado em células Vero para amplificação. A população P43 foi depositada na European Collection of Animal Cell Cultures (ECACC), Vaccine Research and Production 20 Laboratory, Public Health Laboratory Service, Centre for Applied Microbiology and Research, Potion Down, Salisbury, Wiltshire, SP4 OJG, Reino Unido aos 13 de agosto de 1999 sob o número de depósito , sob os termos do Tratado de Budapeste. Embora esta disponibilidade pública indicada seja o método 25 mais simples de obtenção de rotavírus de humano P43, rotavírus semelhantes e funcionalmente idênticos podem ser produzidos por estes ou outros métodos em vista dos ensinamentos desta invenção. Tais rotavírus funcionalmente substancialmente idênticos são considerados biologicamente equivalentes ao rotavírus de humano P43 desta invenção e portanto estão dentro do escopo

14 5 13 e.. e.. 1 e 1.. geral da presente invenção. Portanto será entendido que a invenção inclui populações de rotavírus possuindo as características da variante P43 como aqui descritas. Também será entendido que a invenção inclui materiais derivados de P43 ECACC depositado ao submetê-lo a processamento adicional por passagem, clonagem ou outros procedimentos adicionais usando o vírus vivo ou por modificação de P43 em qualquer maneira incluindo por técnicas de engenharia genética ou técnicas reclassificadores. Tais etapas e técnicas são bem conhecidas na técnica. 10 Materiais derivados de P43 depositado que são cobertos pela invenção incluem material de proteína e genético. De interesse particular são os rotavírus reclassificadores que compreendem pelo menos um antígeno ou pelo menos um segmento de P43, por exemplos os reclassificadores que compreendem uma cepa de rotavírus virulenta na qual um ou parte de um dos segmentos de genoma tem sido substituída pelo segmento de genoma ou sua parte de P43. Especificamente, um reclassificador de rotavírus no qual o segmento ou segmento parcial codificador de NSP4 é um segmento ou segmento parcial de P43, pode ter propriedades úteis. Rotavírus reclassificadores e técnicas para a preparação deles são bem conhecidos 20 (Foster, R. H. e Wagstaff, A. J. "Tetravalent Rotavirus Vaccine, a-review". ADIS drug evaluation, BioDrugs, Gev, 9 (2), , 1998). Materiais de interesse específicos são progênie de P43 e os derivados de P43 imunologicamente ativos. Derivados imunologicamente ativos significam materiais obtidos de ou com o vírus P43, particularmente 25 antígenos do vírus, que são capazes de gerar uma resposta imune que é reativa contra Rotavírus quando injetados em um animal hospedeiro. Na adaptação do rotavírus a uma linhagem celular apropriada, por exemplo células Vero, pode ser necessário tratar o vírus de modo a se livrar de um contaminante potencial tal como quaisquer agentes imprevistos

15 14 e e g w e e 1 e 4, que possam estar presentes e que de outro modo causariam contaminação. No caso de vírus imprevistos sensíveis ao éter, isto pode ser feito pelo tratamento com éter como descrito aqui abaixo. A presente invenção também se refere à inclusão de tal tratamento de éter como uma etapa opcional no procedimento total para a obtenção de um rotavírus vivo atenuado ou de uma vacina formulada com o mesmo. Vacina compreendendo variantes de rotavírus únicas ou substancialmente únicas são preferidas, contudo, o uso de variantes únicas ou de variantes substancialmente únicas não é essencial. A cepa de rotavírus 10 protetora cruzada da presente invenção pode ser combinada com outras cepas de rotavírus para proporcionar proteção ou proteção cruzada adicional contra doença ou infecção por rotavírus. Portanto, também estão dentro do escopo da invenção as misturas de P43 com outras variantes de rotavírus, por exemplo outras 15 variantes clonadas, ou com outros vírus em particular com outros vírus atenuados. Tais misturas são úteis nas vacinas da invenção que são descritas aqui abaixo. A presente invenção também proporciona uma vacina de rotavírus atenuado vivo capaz de proporcionar proteção cruzada, 20 preferivelmente que compreende uma população de uma variante substancialmente única, misturada com um adjuvante ou um veículo farmacêutico adequado. Preferivelmente, a vacina de rotavírus de acordo com a invenção é uma vacina de rotavírus monovalente contendo uma única cepa de 25 rotavírus. A presente invenção é particularmente vantajosa na provisão de uma vacina de rotavírus vivo na qual o rotavírus atenuado vivo é um rotavírus de humano e não causa intussuscepção. Veículos farmacêuticos adequados para uso com a cepa de é

16 15 : e e e e 5 n e e rotavírus atenuado de acordo com a invenção incluem aqueles conhecidos na técnica como sendo apropriados para administração oral, especialmente a bebês. Tais veículos incluem e não são limitados a carboidratos, polialcoóis, aminoácidos, hidróxido de alumínio, hidróxido de magnésio, hidróxi-apatita, talco, dióxido de titânio, estearato de magnésio, carbóxi-metil-celulose, hidróxi-propil-metil-celulose, celulose microcristalina, gelatina, peptona vegetal, xantana, carragenano, goma arábica, 13-ciclo-dextrina. A invenção também proporciona um processo para preparar uma vacina de rotavírus, por exemplo por secagem por congelamento do vírus 10 na presença de estabilizadores adequados ou misturação do vírus de acordo com a invenção com um veículo farmacêutico ou adjuvante adequado. Também pode ser vantajoso formular o vírus da invenção em veículos baseados em lipídeo tais como virossomos ou lipossomos, em emulsões de óleo em água ou com partículas veículo. Alternativamente ou em 15 adição imunoestimulantes tais como aqueles conhecidos na técnica para vacinas orais podem estar incluídos na formulação. Tais imunoestimulantes incluem toxinas bacterianas, particularmente toxina da cólera (CT) na forma da holotoxina (molécula inteira) ou apenas a cadeia B (CTB) e a enterotoxina de E. coli lábil ao calor (LT). LTs mutadas (mlts) que são menos propensas 20 à conversão em sua forma ativa do que a LT nativa são descritas em WO 96/06627, WO 93/13202 e US Outros imunoestimulantes que podem ser vantajosamente incluídos são derivados de saponina tais como QS21 e monofosforil-lipídeo A, em particular monofosforil-lipídeo A 3-de-O-acilado (3D-MPL). 25 Saponinas purificadas como adjuvantes orais estão descritas em WO 98/ Saponinas e monofosforil-lipídeo A podem ser empregadas separadamente ou em combinação (por exemplo WO 94/00153) e podem ser formuladas em sistemas adjuvantes juntamente com outros agentes. 3D-MPL é um adjuvante bem conhecido fabricado por Ribi Immunochem, Montana e é

17 16 fabricado como descrito em GB 'is 0 e 'a C) a 0 Uma discussão geral de veículos e adjuvantes para imunização oral pode ser encontrada em Vaccine Design, The Subunit and Adjuvant Approach, editado por Powell e Newman, Plenum Press, New York, A invenção também proporciona um método para vacinar indivíduos humanos, especialmente bebês, pela administração a um indivíduo em necessidade da mesma de uma quantidade efetiva de uma composição de vacina de acordo com a invenção. Preferivelmente a vacina atenuada viva é administrada por administração oral. 10 Em um aspecto preferido a cepa de rotavírus atenuado de acordo com a invenção é formulada com um antiácido para minimizar a inativação da vacina pelo ácido no estômago. Componentes antiácidos adequados incluem antiácidos inorgânicos por exemplo hidróxido de alumínio Al(OH)3 e hidróxido de magnésio Mg(OH)2. Antiácidos comercialmente 15 disponíveis que são adequados para uso na invenção incluem Mylanta (marca comercial) que contém hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio. Estes são insolúveis em água e são dados em suspensão. Hidróxido de alumínio é um componente particularmente preferido de uma composição de vacina de acordo com a invenção porque 20 pode proporcionar não apenas um efeito antiácido mas também um efeito adjuvante. Também são adequados para uso como antiácidos na vacina da invenção antiácidos orgânicos tais como sais de carboxilato de ácido orgânico. Um antiácido preferido na composição de vacina da invenção 25 contém um sal de carboxilato de ácido orgânico, preferivelmente um sal de ácido cítrico tal como citrato de sódio ou citrato de potássio. Um antiácido particularmente preferido que pode ser utilizado na composição de vacina da presente invenção é o sal inorgânico insolúvel, carbonato de cálcio (CaCO3). O carbonato de cálcio é capaz de se associar

18 17.. com o rotavírus e a atividade do rotavírus é mantida durante a associação com o carbonato de cálcio. Para prevenir a sedimentação do carbonato de cálcio durante a etapa de enchimento, agentes viscosos estão preferivelmente presentes na 5 formulação. Agentes viscosos possíveis que podem ser usados incluem excipientes pseudoplásicos. Uma solução pseudoplásica é definida como uma solução possuindo viscosidade maior em repouso comparada com a sua viscosidade sob agitação. Excipientes deste tipo são polímeros naturais tais 10 como goma arábica, goma adraganto, ágar-ágar, alginatos, pectinas ou polímeros semi-sintéticos por exemplo: carbóxi-metil-celulose (Tyloses C ), metil-celulose (Methocels A, Viscotrans MC, Tylose MH e MB ), hidróxi-propil-celulose (Klucels ), e hidróxi-propil-metil-celulose (Methocels E, e K, Viscontrans MPH ). Em geral aqueles excipientes 15 pseudoplásicos são usados juntamente com agentes tixotrópicos. Agentes viscosos alternativos que podem ser usados são excipientes pseudoplásicos com capacidade de escoamento baixa. Estes polímeros, em uma concentração suficiente, produzem um arranjo de fluido estrutural resultando em uma solução de viscosidade alta possuindo capacidade de escoamento baixa em 20 repouso. Uma certa quantidade de energia necessita ser fornecida ao sistema para permitir escoamento e transferência. Energias externas (agitação) são necessárias para destruir temporariamente o arranjo de fluido estrutural com o propósito de obter uma solução fluida. Exemplos de tais polímeros são Carbopols e goma xantana. 25 Excipientes tixotrópicos se tornam uma estrutura de gel em repouso enquanto que sob agitação formam uma solução fluida. Exemplos de excipientes tixotrópicos são: Veegum (silicato de alumínio e magnésio) e Avicel RC (cerca de 89% de celulose microcristalina e 11% de Na-carbóximetil-celulose).

19 18.. A composição de vacina da presente invenção preferivelmente compreende um agente viscoso selecionado de goma xantana ou amido. Assim a composição de vacina da presente invenção é preferivelmente formulada com uma combinação de carbonato de cálcio e goma xantana. Outros componentes de uma composição usada na invenção adequadamente incluem açúcares por exemplo sacarose e/ou lactose. A composição de vacina de acordo com a invenção pode conter componentes adicionais incluindo por exemplo agentes aromatizantes 10 (particularmente para uma vacina oral) e agentes bacteriostáticos. Preparações diferentes da composição de vacina de acordo com a invenção são contempladas. Em uma modalidade preferida, a vacina é administrada como uma formulação líquida. Preferivelmente a formulação líquida é reconstituída 15 antes da administração a partir de pelo menos os seguintes dois componentes: i) componente vírus ii) componente líquido. Nesta modalidade, o componente vírus e o componente líquido estão normalmente presentes em recipientes separados, que podem ser 20 compartimentos convenientemente separados de um único vaso, ou vasos separados que podem ser conectados em uma tal maneira que a composição de vacina final é reconstituída sem expô-la ao ar. Antes da reconstituição, o vírus pode estar em uma forma seca ou em uma forma líquida. Preferivelmente o componente vírus é liofilizado. 25 O vírus liofilizado é mais estável do que o vírus em uma solução aquosa. O vírus liofilizado pode ser adequadamente reconstituído usando uma composição antiácida líquida para produzi uma formulação de vacina líquida. Alternativamente o vírus liofilizado pode ser reconstituído com água ou uma solução aquosa, em cujo caso a composição de vírus liofilizado

20 19 preferivelmente contém um componente antiácido... Preferivelmente, a formulação de vacina compreende um componente vírus formulado com carbonato de cálcio e goma xantana em um compartimento ou vaso e este é reconstituído com água ou solução aquosa presente no segundo compartimento ou vaso. Em outra modalidade preferida, a composição de vacina é uma formulação sólida, preferivelmente um bolo liofilizado que é adequado para dissolução imediata quando posicionado dentro da boca. Formulações liofilizadas podem ser convenientemente proporcionadas na forma de tabletes 10 em uma embalagem farmacêutica de bolhas. Em outro aspecto a invenção proporciona uma vacina de rotavírus na forma de um tablete de dissolução rápida para administração oral. Em outro aspecto a invenção proporciona uma composição compreendendo uma cepa de rotavírus atenuado vivo, em particular uma cepa 15 de rotavírus de humano, na qual a composição é um sólido liofilizado de dissolução imediata quando posicionado dentro da boca. Preferivelmente o tablete de dissolução rápida de acordo com a invenção se dissolve na boca do indivíduo suficientemente rapidamente para prevenir a ingestão de tablete não dissolvido. Esta abordagem é 20 particularmente vantajosa para vacinas de rotavírus pediátricas. Preferivelmente o vírus é um rotavírus de humano atenuado vivo que está formulado com um antiácido inorgânico tal como carbonato de cálcio e um agente viscoso tal como goma xantana. Um outro aspecto da presente invenção é proporcionar uma 25 formulação liofilizada na qual o componente vírus é qualquer cepa de rotavírus que está formulada com carbonato de cálcio e goma xantana. Vacinas da invenção podem ser formuladas e administradas por técnicas conhecidas, usando uma quantidade adequada de vírus vivo para proporcionar proteção efetiva contra infecção por rotavírus sem os efeitos

21 20.. colaterais adversos significativos em vacinas típicas. Uma quantidade adequada de vírus vivo normalmente estará entre 104 e 107 unidades formadoras de foco (ffu) por dose. Uma dose de vacina típica pode compreender ffu por dose e pode ser dada em várias doses em um 5 período de tempo, por exemplo em duas doses dadas com um intervalo de dois meses. Benefícios podem contudo ser obtidos ao se ter mais de 2 doses, por exemplo um regime de 3 ou 4 doses, particularmente em países em desenvolvimento. O intervalo entre as doses pode ser maior ou menor do que dois meses. Uma quantidade ótima de vírus vivo para um dose única ou para 10 um regime de doses múltiplas, e tempo opcional para as doses, pode ser verificada por estudos padrão envolvendo a observação de títulos de anticorpo e de outras respostas em indivíduos. A vacina da invenção também pode compreender outros vírus vivos adequados para proteção contra outras doenças, por exemplo poliovírus. 15 Alternativamente outras vacinas de vírus vivo adequadas para administração oral podem ser dadas em uma dose separada mas na mesma ocasião da composição de vacina de rotavírus de acordo com a invenção. Soros de doze bebês de 4 a 6 meses de idade vacinados com material P43 como descrito no ensaio em Vaccine (1998) foram testados para 20 neutralização de P33, P38, P43 e 89-12C2. A faixa de títulos de neutralização de todos os soros testados é semelhante para P33, P38 e P43. A análise estatística não mostra diferença nos títulos de neutralização total contra todos os três vírus. Isto sugere que os epitopos de neutralização conformacionais e não-conformacionais de P33, 25 P38 e P43 são igualmente bem reconhecidos pelos soros anti-p33 de bebês vacinados. Esta observação indiretamente sugere que os epitopos de neutralização revelados neste ensaio in vitro não foram alterados entre P33, P38 e P43. A faixa de títulos de neutralização de P89-12C2 contudo difere

22 21.. significativamente de P33, P38 e P43. Esta observação sugere que os epitopos de neutralização conformacionais e não-conformacionais de P33, P38 e P43 não são igualmente bem reconhecidos pelos soros anti-p33 dos bebês vacinados contra P33. Esta observação indiretamente sugere que os epitopos 5 de neutralização revelados neste ensaio in vitro foram alterados entre 89-12C2 e P33, P38 e P43. incluem: Modalidades elevadamente preferidas da presente invenção 1. O uso de uma cepa de rotavírus atenuado de um sorotipo G1 na 10 manufatura de uma composição de vacina para a indução de uma resposta imune contra um rotavírus que é não G1 ou G9. 2. O uso de acordo com 1 no qual uma resposta imune é adicionalmente induzida contra infecção por rotavírus por um sorotipo G9 e/ou sorotipo Gl. 3. O uso de acordo com 1 ou 2 no qual a resposta imune é induzida contra 15 dois ou mais sorotipos de rotavírus, estes sorotipos não sendo G1 ou G9. 4. O uso de acordo como reivindicado em qualquer um de 1 a 3 no qual o sorotipo diferente de sorotipo G1 ou G9 é selecionado da lista consistindo de: G2, G3, G4, G5, G6, G7, G8, G10, G11, G12, G13 e G O uso de acordo com qualquer um de 1 a 4 no qual uma resposta imune 20 é induzida contra todos os seguintes sorotipos não-g1: G2, G3, G4 e G9. 6. O uso de acordo com qualquer um de 1 a 5, no qual a composição de vacina de rotavírus G1 compreende uma única variante de rotavírus ou substancialmente uma única variante de rotavírus, a citada variante definida por uma seqüência de nucleotídeos codificadora de pelo menos uma das 25 proteínas virais maiores designadas como VP4 e VP7. 7. O uso de acordo com 6 no qual a composição compreende um rotavírus possuindo um gene VP4 compreendendo, em uma seqüência de nucleotídeos, pelo menos uma das seguintes: uma base adenina (A) na posição 788, uma base adenina (A) na posição 802 e uma base timina (T) na posição 501 a

23 partir do códon de iniciação O uso de acordo com 7, no qual o gene VP4 compreende uma seqüência de nucleotídeos compreendendo uma base adenina (A) nas posições 788 e 802 e uma base timina (T) na posição 501 a partir do códon de 5 iniciação. 9. O uso de acordo com 6 no qual a composição compreende um rotavírus possuindo um gene VP7 compreendendo, na seqüência de nucleotídeos, pelo menos uma das seguintes: uma timina (T) na posição 605, uma adenina (A) na posição 897 ou uma guanina (G) na posição 897 a partir do códon de 10 iniciação. 10. O uso de acordo com 7 no qual o gene VP7 compreende uma seqüência de nucleotídeos compreendendo uma timina (T) na posição 605 e uma adenina (A) ou uma guanina (G) na posição 897 a partir do códon de iniciação O uso de acordo com qualquer um de 1 a 10, no qual a composição compreende um rotavírus possuindo um gene VP4 compreendendo, na seqüência de nucleotídeos, uma base adenina (A) nas posições 788 e 802 e uma base timina (T) na posição 501 a partir do códon de iniciação; e no qual o gene VP7 compreende, na seqüência de nucleotídeos, uma timina (T) na 20 posição 605 e uma adenina (A) na posição 897 a partir do códon de iniciação. 12. O uso de acordo com qualquer um de 1 a 11 no qual a composição é capaz de proteger contra gastroenterite e/ou diarréia causada por infecção por um rotavírus de um tipo diferente do sorotipo G1 do rotavírus atenuado presente na composição O uso de acordo com 12 no qual a composição é até 83% protetora em uma população de indivíduos vacinados contra gastroenterite severa causada por infecção de rotavírus de pelo menos dois sorotipos, estes sorotipos sendo diferentes do sorotipo G1 do rotavírus atenuado presente na composição. 14. O uso de acordo com 13 no qual a gastroenterite severa é causada por

24 .. 23 infecção de um rotavírus de pelo menos quatro sorotipos não-g O uso de acordo com 14 no qual os sorotipos não-g1 são sorotipos G2, G3, G4, e G O uso de acordo com qualquer um de 1 a 15 no qual a cepa de rotavírus é o depósito em ECACC, ou é obtenível ou derivável do depósito em ECACC. 17. O uso de acordo com qualquer um de 1 a 16 no qual a vacina é utilizada em um regime de 2 doses. 10 EXEMPLOS Os seguintes exemplos não limitantes ilustram a invenção. Exemplo 1: Demonstração de que a cepa na passagem 26 (P26) é uma mistura de variantes Seqüenciamento de genes VP4 e VP7 de diferentes lotes de passagem Foram realizados os seqüenciamentos dos genes VP4 e VP7 da 15 passagem P26 (células AGMK primárias), passagem P33 (linhagem de células AGMK estabelecidas (em oposição às primárias)), passagem P41 e passagem P43. A extração de RNA total foi reversamente transcrita e amplificada por meio de PCR em uma etapa/um tubo. Iniciadores Rota 5bis e Rota 29bis amplificaram o gene VP4 20 inteiro e os iniciadores Rota 1 e Rota 2bis amplificaram o gene VP7 inteiro. O material de PCR tem sido seqüenciado usando iniciadores diferentes (veja a Tabela 1). A seqüência de passagem P26 diferiu da seqüência de passagem P33 por 3 posições de base 501, 788 e 802 pb a partir do códon de 25 iniciação) em VP4 e por três bases em VP7 (108, 605 e 897 pb a partir do códon de iniciação). As varreduras de seqüência de passagem P26 de VP4 e VP7 mostram nas posições mutadas a presença da seqüência de passagem P33 como um fundo. Assim pode ser visto que a passagem P26 é uma mistura de

25 pelo menos 2 variantes. 24 e 4, As varreduras de seqüência de passagem P33 parecem homogêneas em VP4 e heretogêneas para VP7 (veja a Tabela 2). Passagem 38 (derivada da passagem 33) foi passada 5 vezes em células Vero e mostrou o mesmo conjunto de seqüências de VP4 e VP7 que o da passagem P33 (linhagem de célula AGMK). Assim não houve mudança maior nas populações entre P33 e P38. Tabela 1: Oligonucleofideos usados para a RT-PCR e o seqüenciamento nome seqüência posição VP7 Rota 1 GGC M AAA AGA GAG AAT TTC CGT CTG G -49 to 22 Rota lbis GGT TAG CTC CU TTA KM TAT GGT A -16 to 10 Rota 2bis GGT CAC ATC GAA CM TTC TAA, TCT MG Rota 7 CAA GTA CTC AAA TCA ATO ATO G Rota 12 TGT TGA M TTC TGT COA TCC AC i :Rota 46 GGT TGC TGA GAA TGA GAA AU AGC TAT AGT GO Rata 18 CCA CTA,TAG CTA ATT TCT CAT TCT CAG CAA CC VP4 Rota 5 TOO CTT'CGC CAT TTT ATA GAC À 2.23 Rota 6 ATT TCG GAC CAT TIA TAA CC Rota 5bis TGG CTT CAC TCA TTT ATA GAC A 2-23 Rota &bis AU TCA GAC CAT TIA TAA CCT AG Rota 25 GOA GTA GTA TAT GAA AGT ACA MT MT AG!. : s Rota 28 CTA TTA M GTA CTT TCA TAT ACT ACT CC Rota 27bis TCG ATA CAG TAT MG AGA GCA CAA G ' Rota 28 Rota 31 TTC AU MC Tl O TGC TCT CTT ATA CTG! Rota 32 GTA TAT GTA GAC TAT TGG GAT G, Rota 45. CAT CCC AAT AGT CTA CAT ATA C Rota 5.3 TGT MC TCC GGC AAA ATG CM CG Rota 54 CGT TGC ATT TTG CCG GAG TTA CA Rota 55 GTA AGA CM GAT TTA GAG CGC CA Rota 40 TGG CGC TCT AAA TCT TGT CTT AC Rota 39, CTT GAT GCT GAT GAA GCA OCA TCT O Rota 33 CAG ATG CTG CTT" CAT CAG CAT CM G Rota 34 COA TCA TAT COA ATA TTA MO GAT O Rota 29bis CAT CCT TTA ATA TTC GAT ATG ATC G AGC GTT CAC ACA ATT TAC ATT,GTA G

26 . 25 Tabela 2: Oligonucleotídeos usados em hibndização nome seqüência posição VP7 Rota 41 AGT ATT TTA TAC TAT AGT AGA 17A TAT TAA TC Rota 42 AGT AU TTA TAC TAT GGT AGA TTA TAT TAA TC VP4 Rota 15 ATC CCC ATT.ATA CTG CAT TCC TTT C Rota 16 ATC CCT ATT ATA CTG CAT TTC 'M C Rota 35 ATC CCC ATT ATA CTG CAT TTC M C Rota 36 ATC car ATT ATA CTG CAT TCC 17T C As bases mostradas em negrito na Tabela 2 são os sítios de variação de seqüência específica em VP4 e VP7. Tabela 3: Variação de seqüência de genes VP4 e VP7 P26 (AGMK) P33,,..24GMK)' P38 (VERO) P43 (VERO) VP4 VP7 501 bp 167 aa bp 263 aa 802 bp. 268 aa 108 bp 36 aa 605 bp 202 aa 897 bp 299 aa A G / A G / A A C / T A T A A G /A T/C A / G T A A A / G T G / A T A A A T A 5 N.B. Em um segundo clone dos 3 clones que foram desenvolvidos até o nível de produção de lote, o nucleotídeo de posição de 897 pb de VP7 é G, em vez de A como no clone selecionado de P43. Isto resulta em uma metionina no lugar de uma isoleucina na seqüência de aminoácidos. Variantes correspondendo a ambos o clone P43 selecionado e o 10 clone no qual há uma G em VP7 em 897 pb a partir do códon de iniciação, foram excretados nas fezes de bebês que haviam sido vacinados com o material P33. Na Tabela 3.1, na qual há duas bases alternativas em uma posição bases alternativas em uma posição específica, a primeira das duas 15 representa a base que aparece em uma população maior e a segunda é a base que aparece em uma população menor. Populações variantes menores e maiores são julgadas pela força do sinal no seqüenciamento.

27 3.2 P26 (AGMK) P33 (AGMK) P38 (VERO) P43 (VERO) 26 e ille 111d 4). e 1 VP4 VP7 501 bp 167 aa 788 bp 263 aa 802 bp 268 aa 108 bp 36 aa 605 bp 202 aa 897 bp 299 aa Leu GIy/GIu Gry/Arg Arg Thr/Met lie Phe Glu Arg Arg/Arg Met/Thr Ile/Met Phe Glu Arg Arg/Arg Met Met/Ile Phe Giu Arg Arg Met De Tabela 3.2 mostra as mudanças de aminoácido resultantes das diferenças de nucleotídeos entre as variantes. Tabela 4 VP4 (posições ) VP7 (posição 897) G-G A-A A-G 1 G-A A. G sondas Rota 15 Rota 10 Rota 35, Rota 36 Rota 41 Rota 42 Passagens P nd P P38 - P Hibridização em slot blot A mudança em populações entre as passagens P26 e P33 em células AGMK tem sido adicionalmente confirmada por hibridização em slot blot. Os fragmentos de genes VP4 e VP7 gerados pela RT/PCR foram hibridizados com sondas de oligonucleotídeo específicas para cada variante 10 (veja as Tabelas 3.1 e 3.2). Em contraste a P26 que hibridizou com Rota 16, Rota 35 e Rota 36 e não com Rota 15, o fragmento de PCR de VP4 do material P33, nas posições 788 e 802 hibridizou apenas com Rota 16 e não com qualquer um de Rota 15 ou Rota 35 ou Rota 36. Estes resultados estabeleceram a presença de pelo menos 3 variantes em P26 (veja a Tabela 4). 15 Para os fragmentos de PCR de VP7 do material P33, a posição 897 hibridizou com Rota 41 e Rota 42. Estes resultados estabeleceram a presença de pelo menos duas variantes no material P33. Exemplo 2: Isolamento e caracterização do clone P43 Para isolar os componentes de P33 como uma população de

28 .. () A Mil 4.) e e vírus homogênea, três diluições de ponto final de P33/AGMK em células Vero foram realizadas e o vírus resultante foi usado para infectar células Vero. Cavidades positivas foram selecionadas usando dois critérios: 5 crescimento demonstrado pelo número mais alto de focos detectados nas cavidades e as cavidades isoladas mais positivas nas placas, como é classicamente realizado. Após 3 passagens de diluição final em placas de microtítulo de 96 cavidades, 10 cavidades possíveis foram amplificadas sucessivamente em células Vero e avaliadas para seu rendimento. 10 Baseando-se no rendimento, três clones foram desenvolvidos para o nível de passagem de lote de produção. Imunorreconhecimento por anticorpos policlonais foi mostrado semelhante em ambos entre os três clones e entre os clones e P33. Homogeneidade dos clones foi avaliada por hibridização em slot blot. A seleção final de um único clone foi baseada na 15 seqüência e no rendimento. O clone selecionado foi amplificado por passagens sucessivas em células Vero para gerar uma semente Padrão, uma semente de Trabalho e finalmente lotes de produção. O clone selecionado foi geneticamente caracterizado em níveis 20 de passagem diferentes por seqüenciamento de VP4 e VP7 (identidade) e por hibridização específica em slot blot de VP4 e VP7 (homogeneidade) dos materiais amplificados por PCR. A seqüência dos genes VP4 e VP7 do material P43 são dadas nas Figuras 1 e 2 respectivamente e são idênticas a de P Homogeneidade do clone selecionado foi avaliada por uma hibridização seletiva usando sondas de oligonucleotídeo discriminantes de mudanças de nucleotídeo em regiões de VP4 e/ou VP7 para cada variante identificada durante o seqüenciamento de P26/AGMK primária (veja a Tabela 4).

BIOLOGIA. Biologia Molecular (segunda parte) Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Biologia Molecular (segunda parte) Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Biologia Molecular (segunda parte) Professora: Brenda Braga Ácidos Nuclêicos DNA RNA Ácido Desoxirribonuclêico Ácido Ribonuclêico Cadeias de Nucleotídeos Fosfato Pentose Base Nitrogenada A ligação

Leia mais

Material e Métodos Resultados e Discussão

Material e Métodos Resultados e Discussão Área: Melhoramento Genético Vegetal TRANSFERIBILIDADE DE PRIMERS MICROSSATÉLITES DE Phaseolus vulgaris PARA Vigna unguiculata Matheus Felipe Nogueira da Silva 1, Leidiane Bezerra Albuquerque 2, Rafaela

Leia mais

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica. Clonagem Molecular A clonagem molecular é o processo de construção de moléculas de DNA recombinante e da sua propagação em hospedeiros apropriados que possibilitam a selecção do DNA recombinante. Esta

Leia mais

I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA.

I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA. I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA. Í N D I C E 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 3 2 PREPARO DE AMOSTRAS PARA QUANTIFICAÇÃO...

Leia mais

I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA.

I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA. I N S T R U Ç Õ E S PA R A O P R E PA R O E E N V I O D E A M O S T R A S O LABORATÓRIO DA MYLEUS TEM A TECNOLOGIA QUE VOCÊ PRECISA. 1 Í N D I C E 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 3 2 PREPARO DE AMOSTRAS PARA QUANTIFICAÇÃO...

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

Vacina de Rotavírus Humano Vivo Atenuado

Vacina de Rotavírus Humano Vivo Atenuado cepa RIX4414 (vírus atenuados) I ) Identificação do medicamento FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES USO PEDIÁTRICO Vacina liofilizada para ser reconstituída antes da administração oral. A VACINA DE ROTAVÍRUS

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS

REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS CAMEVET Cód.: TRÂMITE Data de vigência REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS REPRESENTACIÓN REGIONAL DE LA OIE PARA LAS

Leia mais

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers :

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers : Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3 São necessários dois primers : Um complementar a um trecho da fita anti-sense» Primer sense (forward)

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED & PEDRO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes DIQUIM II e DIBIOTEC - DIRPA Araraquara- SP 17 a 18 de agosto de 2009 Pedidos depositados

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Os esquemas representam cortes transversais de regiões jovens de uma raiz e de um caule de uma planta angiosperma. Alguns tecidos estão identificados por um número e pelo nome, enquanto outros

Leia mais

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Claudia Magioli Coordenadora Geral de Patentes II Área de Biotecnologia Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação 7 de novembro de 2013 Centro

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

DESIDRATAÇÃO, SEPARAÇÃO E LIQUEFAÇÃO DE GÁS NATURAL USANDO O TUBO VORTEX

DESIDRATAÇÃO, SEPARAÇÃO E LIQUEFAÇÃO DE GÁS NATURAL USANDO O TUBO VORTEX DESIDRATAÇÃO, SEPARAÇÃO E LIQUEFAÇÃO DE GÁS NATURAL USANDO O TUBO VORTEX REV C Por Luiz Henrique V. Souza Com Agradecimentos Especiais ao Engº Eduardo Gertrudes, CTGÁS/RN. Dezembro, 2010. ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO.

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Purevax FeLV Suspensão injectável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada dose de 1 ml contém: Substância(s)

Leia mais

Biologia Molecular II

Biologia Molecular II Biologia Molecular II ÁCIDOS NUCLÊICOS Ácidos Nuclêicos DNA RNA Ácido Desoxirribonuclêico Ácido Ribonuclêico Cadeias de Nucleotídeos Fosfato Pentose Ribose RNA Desoxirribose DNA Base Nitrogenada Púricas:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO NOBILIS MG 6/85 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias ativas: Por dose de vacina reconstituída:

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Fernanda Montenegro de Carvalho Araújo Dezembro/2014 Introdução A febre do CHIKUNGUNYA é uma doença endêmica nos países do Sudeste da Ásia, África e Oceania e emergente

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sinavel EMS SIGMA PHARMA LTDA. Comprimido revestido. 100mg

Sinavel EMS SIGMA PHARMA LTDA. Comprimido revestido. 100mg Sinavel EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido revestido 100mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sinavel brometo de pinavério APRESENTAÇÕES: Comprimidos revestidos de 100 mg: embalagem contendo 10, 20, 30, 40 ou

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROFª. VERA NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos 50 e 100 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aglucose acarbose USO ORAL USO ADULTO APRESENTAÇÕES Comprimidos 50 mg: Caixa contendo 4, 30 e 60 comprimidos. Comprimidos

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

O PEDIDO DE PATENTE. São Paulo, 11 de Março de 2008. André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC

O PEDIDO DE PATENTE. São Paulo, 11 de Março de 2008. André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC O PEDIDO DE PATENTE São Paulo, 11 de Março de 2008 André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC 1 Pedido de patente de invenção Requerimento: Formulário 1.01 Comprovante da taxa correspondente O

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral. Ebastel ebastina Oral Xarope USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 2 ANOS) Comprimido USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 12 ANOS) E ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL Comprimidos revestidos contendo 10 mg

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 -

Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 - Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 - I. A VACINA Célia Regina Barollo crbarollo@gmail.com Sonia Regina Rocha Miura A vacina monovalente

Leia mais

Análise da eficiência do repovoamento utilizando marcadores genéticos

Análise da eficiência do repovoamento utilizando marcadores genéticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA Análise da eficiência do repovoamento utilizando marcadores genéticos Laboratório de Biotecnologia e Marcadores

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

24.1011 Sabão em Pasta Atol. Barra 1. IDENTIFICAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ

24.1011 Sabão em Pasta Atol. Barra 1. IDENTIFICAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Nome do Barra 1.2. Código interno: 24.1011 Sabão em Pasta 1.3. Aplicação: Produto destinado à lavagem de

Leia mais

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato

Leia mais

Triancinolona acetonida

Triancinolona acetonida Triancinolona acetonida Prati-Donaduzzi Pomada bucal 1 mg/g Triancinolona acetonida_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE triancinolona acetonida Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO

Leia mais

brometo de pinavério Comprimido revestido 50mg

brometo de pinavério Comprimido revestido 50mg brometo de pinavério Comprimido revestido 50mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE brometo de pinavério Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Comprimido revestido 50mg Embalagens

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97.

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 13. Ao chegar ao Pará (Belém), encontrei a cidade, antes alegre e saudável, desolada por duas epidemias: a febre amarela e a varíola. O governo tomou todas as precauções sanitárias

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

04.0532 Desinfetante Bak Ypê Lavanda

04.0532 Desinfetante Bak Ypê Lavanda Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do 1.2. Código do Produto: 1.3. Aplicação 04.0532 Desinfetante Desinfetante

Leia mais

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS por Heinz P. Bloch Para TECÉM - tecem.com.br 05/10/2013 Parcerias com um único fornecedor de selo mecânico nem sempre

Leia mais

Tecnologia GreenTech EC

Tecnologia GreenTech EC Tecnologia GreenTech EC Benefícios econômicos alcançados pela comutação eletrônica A escolha dos Engenheiros Não desligue o seu ventilador, controle-o de forma inteligente! Aqui está um exemplo prático

Leia mais

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR.

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR. Modelo de Bula Página 1 de 6 AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Guia de Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Este guia apresenta resultados das placas 3M para Contagem de Leveduras e Bolores.

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105575 (51) Classificação Internacional: A61F 5/449 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2011.03.21 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)...

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)... Betnovate valerato de betametasona Capilar FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: BETNOVATE Capilar é uma solução transparente, levemente viscosa, contendo 17-valerato de betametasona a 0,1% p/p. O veículo

Leia mais

Flagass. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Cápsula Mole 125 mg

Flagass. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Cápsula Mole 125 mg Flagass Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Cápsula Mole 125 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FLAGASS CAPS simeticona APRESENTAÇÕES Cápsula

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos Atividade de Aprendizagem 10 Dengue: aqui não! Eixo(s) temático(s) Ser humano e saúde / vida e ambiente Tema Água e vida / reprodução e ocupação de novos ambientes / saúde individual e coletiva Conteúdos

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 106328 (51) Classificação Internacional: A47K 13/30 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2012.05.22 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

15.0500 Multi-uso Ypê Clássico

15.0500 Multi-uso Ypê Clássico Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Nome do 1.2. Código interno: 15.0500 Multi-uso Ypê 1.3. Aplicação: Produto para limpeza geral de superfícies.

Leia mais

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Sequenciadores no mercado Illumina HiSeq 2500 Padrão do mercado, maior volume de

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos de 500 mg de mebendazol em embalagem com 1 comprimido ou 50 comprimidos.

APRESENTAÇÃO Comprimidos de 500 mg de mebendazol em embalagem com 1 comprimido ou 50 comprimidos. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pantelmin mebendazol comprimidos Anti-helmíntico de amplo espectro APRESENTAÇÃO Comprimidos de 500 mg de mebendazol em embalagem com 1 comprimido ou 50 comprimidos. USO ORAL

Leia mais

48 Como produzimos a insulina?

48 Como produzimos a insulina? A U A UL LA Como produzimos a insulina? Na aula passada você estudou a importância da insulina no nosso organismo. Dá para imaginar o que aconteceria conosco se não fabricássemos esse hormônio ou se o

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:297835-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, manutenção e serviços conexos de antenas, recetor de ensaio, gerador

Leia mais

mononitrato de isossorbida Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 20 mg 40 mg

mononitrato de isossorbida Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 20 mg 40 mg mononitrato de isossorbida Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 20 mg 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO mononitrato de isossorbida

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE Cybelle Frazão Costa Braga, Márcia Maria Rios Ribeiro, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal da Paraíba. Av. Pres.

Leia mais

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas.

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 18 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO VIMCO emulsão para injeção para ovelhas e cabras. 2. Composição qualitativa e quantitativa Uma dose (2

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

UMA PEQUENA EMBALAGEM, UM GRANDE IMPACTO

UMA PEQUENA EMBALAGEM, UM GRANDE IMPACTO UMA PEQUENA EMBALAGEM, UM GRANDE IMPACTO A Unilever convida seus concorrentes a adotar a sua tecnologia de aerossóis Comprimidos e reduzir o impacto ambiental causado pela indústria. 50% 30% menos gás

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

Trabalho Computacional

Trabalho Computacional Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Profª Claudia Boeres Teoria dos Grafos - 2014/2 Trabalho Computacional 1. Objetivo Estudo e implementação de algoritmos para resolução

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

Guia de instalação AC 2014 AC 2017

Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Antena Yagi Dual Band AC 2014 AC 2017 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este guia foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Líderes CRISTINA M. KOKRON EDECIO CUNHA NETO ÉSPER KALLÁS FÁBIO MORATO CASTRO PEDRO GIAVINA-BIANCHI

Líderes CRISTINA M. KOKRON EDECIO CUNHA NETO ÉSPER KALLÁS FÁBIO MORATO CASTRO PEDRO GIAVINA-BIANCHI Apresentação LIM 60 Descrição-LIM 60 Salas 3205-3217 da FMUSP, algumas compartilhadas com o LIM 37 -Adota boas práticas de laboratório (BPL) -LIM do grupo A - Infraestrutura: Citometria de Fluxo (3 citômetros,

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. 1. O QUE É Doxazosina Normon E PARA QUE É UTILIZADA

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. 1. O QUE É Doxazosina Normon E PARA QUE É UTILIZADA FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Doxazosina Normon 2 mg comprimidos Doxazosina Normon 4 mg comprimidos Doxazosina APROVADO EM Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO Bruna Rezende, Rassan Dyego Romão Silva e Antonio Jose Dias Martins Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientadora: Daniella Cavalcante

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. INFORMAÇÕES SOBRE A COMPOSIÇÃO QUÍMICA 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 4. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6. MEDIDAS DE CONTROLE

Leia mais

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21)

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) I Introdução Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode

Leia mais

111 111,1111111 (21)P10616657-1 A2 ,0R 5. (51) Int.CI.: CO7D 471/14 2006.01 A61K 31/4375 2006.01 A61P 31/18 2006.01 Z N

111 111,1111111 (21)P10616657-1 A2 ,0R 5. (51) Int.CI.: CO7D 471/14 2006.01 A61K 31/4375 2006.01 A61P 31/18 2006.01 Z N (21)P10616657-1 A2 (22) Data de Depósito: 25/09/2006 (43) Data da Publicação: 28/06/2011 (RPI 2112) 111 111,1111111 (51) Int.CI.: CO7D 471/14 2006.01 A61K 31/4375 2006.01 A61P 31/18 2006.01 (54) Título:

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS Ácido ídrico eto oso ito ico ato Sal nome do ácido de origem eto ito ato nome do cátion da base de origem +y B x +x A y Como pode cair no enem O etanol é considerado um

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE

BULA PARA O PACIENTE BULA PARA O PACIENTE Modelo de texto de bula Aldara imiquimode Forma farmacêutica: Creme Apresentação: Cartucho contendo 6 (12) sachês com 250 mg Aldara (imiquimode) deve ser administrado da seguinte forma:

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria nº 1237, de 29 de maio de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 30 de maio de 2014, Seção 1, página 54 Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal Aqueça um chão frio CONTACTO DO VENDEDOR A partir de 300 a t f e w Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal 800 812 080 800 812 063 portugal@warmup.com warmup.com

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

Dietas Caseiras para Cães e Gatos

Dietas Caseiras para Cães e Gatos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIA AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA CAMPUS DE JABOTICABAL SERVIÇO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA Prof. Dr. Aulus Cavalieri Carciofi

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais