Pesquisa Operacional Programação em Redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Operacional Programação em Redes"

Transcrição

1 Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013

2 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação em redes Modelado por meio de uma estrutura de grafo ou rede que consiste em diversos nós, cada nó deve estar conectado a um ou mais arcos. Aplicações: Produção, transporte, localização de facilidades, gestão de projetos, finanças, entre outras Muitos podem ser formulados como problemas de programação linear e resolvidos pelo método simplex

3 Problema de programação em redes Exemplos de problemas: Transporte (clássico) Transbordo Designação de tarefas Caminho mais curto Fluxo máximo Árvore geradora mínima

4 A terminologia de Grafos e Redes Grafo: Um grafo é uma estrutura representada como um conjunto de pontos (vértices, nós) ligados por retas (arestas). Dependendo da aplicação, as arestas podem ser direcionadas (arcos), e são representadas por setas.

5 A terminologia de Grafos e Redes Os vértices podem representar facilidades (como fábricas, centros de distribuição, terminais ou portos marítimos), estações de trabalho ou Interseções; As arestas fazem conexões entre pares de nós, podendo representar caminhos, rotas, fios cabos, canis, entre outros. G= (V,A)

6 Um grafo cujas arestas(arcos) e/ou nós estão associados à variável numérica fluxo e/ou capacidade é chamado de rede A terminologia de Grafos e Redes Muitas vezes, as arestas (ou arcos) de um grafo que fazem conexões entre os nós estão associados a uma variável numérica chamada fluxo (como distância entre os nós, custo de transporte, tempo despendido, dimensão do fio, quantidade de peças transportadas, entre outras). Os nós de um grafo podem estar associados a uma variável numérica chamada capacidade, (podendo representar a capacidade de carga e descarga, suprimentos, demanda, entre outros).

7 Rede Os nós podem ser subdivididos em três tipos: oferta ou fontes demanda transbordo

8 Rede Nós de oferta ou fontes: Representam entidades que produzem ou distribuem determinada produto Nós de demanda: Representam entidades que consomem o produto Nós de transbordo Pontos intermediários entre nós de oferta e demanda e representam os pontos de passagem desses produtos

9 Rede Arco: Direcionado Não direcionado Quando todos os arcos da rede são direcionados rede direcionada Caminho entre dois nós: seqüência de diferentes arcos conectando esses dois nós. Um caminho que tem uma única direção: caminho direcionado

10 Rede Caminho hamiltoniano visita cada vértice (nó) uma única vez Um caminho que começa e termina no mesmo vértice (nó) ciclo Se o caminho percorrido no ciclo é direcionado ciclo direcionado Rede conexa - existe um caminho entre qualquer par de vértices (nós) Rede com estrutura de árvore conexa e acíclica

11 Rede Dentro do conceito de árvores: Uma árvore com n nós contém n-1 arcos Se um arco for adicionado à árvores, formase um ciclo Se um arco for eliminado da árvore, a rede deixa de ser conexa

12 Rede Árvore geradora ou de cobertura Dado um grafo G = (V, A), uma árvore geradora é um subgrafo de G que tem a estrutura de uma árvore e contém todos os nós de G.

13 Exemplos

14 Problemas de Transporte Esta classe de problemas recebeu este nome porque seu método de resolução, denominado Método de Transporte, foi inicialmente utilizado para determinar o menor custo de transporte entre diversas fábricas de um produto e diversos centros consumidores.

15 Problema Clássico de Transporte Determinar as quantidades de produtos a serem transportadas a partir de um conjunto de fornecedores para um conjunto de consumidores, de maneira que o custo total de transporte seja minimizado. Cada fornecedor fabrica um número fixo de produtos, e cada consumidor tem uma demanda conhecida que será atendida. O modelo é modelado a partir de dois elos da cadeia de suprimentos, ou seja, não considera facilidades intermediárias (centros de distribuição, terminal, porto marítimo ou fábrica)

16 Representação em redes do problema de transporte Origens c 11 :x 11 Destinos Cf 1 F1 C 1 d 1 Cf 2 F 2 C 2 d 2 Capacidade de fornecimento Cf m F m Demanda consumida Cn d n C mn ; X mn

17 Formulação matemática do problema Clássico de Transporte c ij : custo de transporte por unidade, do fornecedor i (i=1,..., m) para o consumidor j (j=1,..., n) x ij : quantidade transportada do fornecedor i (i=1,...m) para o consumidor j (j=1,..., n) Cf i : capacidade de abastecimento do fornecedor (origem) d i : demanda do consumidor (destino) j. Objetivo do problema: determinar as incógnitas x ij que minimizarão o custo total de transporte e, ao mesmo tempo, satisfarão todas as restrições de suprimento e demanda.

18 Formulação matemática do problema Clássico de Transporte Min Z = s. a: n i= 1 m i= 1 x ij x m n i = 1 j = 1 ij x ij 0 Cfi d c ij x ij j (i = 1, 2,..., m) (j = 1, 2,..., n)

19 Formulação matemática do problema Clássico de Transporte Min Z = s. a: n i= 1 m i= 1 x m n i = 1 j = 1 ij x ij Cfi d c ij x ij j (i = 1, 2,..., m) (j = 1, 2,..., n) Corresponde a um problema de programação linear x ij 0

20 Problemas de Transporte O problema de transporte poderia ser resolvido pelo método Simplex. No entanto, a estrutura especial do problema em redes permite a obtenção de algoritmos de solução mais eficientes, como o algoritmo de transporte

21 Problemas de Transporte Para que o problema tenha solução básica factível, a capacidade total de fornecimento deve ser maior ou igual à demanda de todos os consumidores. n i= 1 Cfi di

22 Problemas de Transporte Min Z = s. a: Se a capacidade total de fornecimento é exatamente igual á demanda total consumida, isto é, n i= 1 Cfi = di o problema é conhecido como problema de transporte balanceado, podendo ser reescrito como: i= 1 m n i= 1 x ij m n i = 1 j = 1 x x = ij ij = 0 d c ij x ij Cfi j (i = 1, 2,..., m) (j = 1, 2,..., n)

23 Problemas de Transporte Se a capacidade de fornecimento total for menor que a demanda total consumida n i= 1 Cfi < di alguns consumidores não serão atendidos. Os fornecedores utilizarão sua capacidade máxima. O problema pode ser escrito como: Min Z = s. a: n i= 1 m i= 1 x ij m n i = 1 j = 1 x ij = x ij 0 d c ij x ij Cfi j (i = 1, 2,..., m) (j = 1, 2,..., n)

24 Exemplo 1 A Karpet Ltda é uma empresa fabricante de autopeças, cujas sedes estão localizadas em Osasco, Sorocaba e São Sebastião. Seus clientes encontram-se em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Os custos unitários de transporte de cada origem para cada destino, assim como a capacidade de cada fornecedor, encontram-se na tabela abaixo: Fornecedor custo unitário de transporte consumidor São Paulo Rio de Janeiro Curitiba Capacidade Osasco Sorocaba São Sebastião demanda O objetivo é atender a demanda de cada consumidor final, respeitando as capacidades de fornecimento, de forma a minimizar o custo total de transporte. Modelar o problema de transporte

25 Solução A capacidade de fornecimento é igual á demanda total consumida problema de transporte balanceado Variáveis de decisão: x ij (quant. de peças transportadas do fornecedor i para o consumidor j), com i=1,2,3 e j=1,2,3 x 11 = transporte de Osasco para São Paulo x 12 = transporte de Osasco para Rio de Janeiro x 13 = transporte de Osasco para Curitiba x 21 = transporte de Sorocaba para São Paulo x 22 = transporte de Sorocaba para Rio de Janeiro x 23 = transporte de Sorocaba para Curitiba x 31 = transporte de São Sebastião para São Paulo x 32 = transporte de São Sebastião para Rio de Janeiro x 33 = transporte de são Sebastião para Curitiba

26 Solução A função objetivo busca minimizar o custo total de transporte: Min Z= 12x x x x x x x x x 33

27 Solução As restrições do modelo: 1. A capacidade de cada fornecedor será utilizada para atender a demanda dos consumidores x 11 +x 12 +x 13 = 100 x 21 +x 22 +x 23 =140 x 31 +x 32 +x 33 =160

28 Solução As restrições do modelo: 2. A demanda de cada consumidor deve ser atendida x 11 +x 21 +x 31 = 120 x 21 +x 22 +x 32 =130 x 31 +x 23 +x 33 =150

29 Solução As restrições do modelo: 3. As variáveis de decisão do modelo são não negativas. xij 0 i= 1,2,3 e j=1,2,3

30 Algoritmo de transporte Início: o problema deve estar balanceado (fluxo total de entrada = fluxo total de saída) e representado na forma tabular Passo 1: encontrar uma solução básica factível inicial. Para isso, são apresentados 3 métodos: método do canto noroeste, método do custo mínimo e método da aproximação de Vogel. Passo 2: Teste de otimalidade usar método dos multiplicadores, baseado na teoria da dualidade. Aplicar a condição de otimalidade do método simplex ao problema de transporte. Se a condição é satisfeita, o algoritmo termina aqui, caso contrário, determina-se uma SBF adjacente melhor.

31 Algoritmo de transporte Iteração: Determinar uma SBF adjacente melhor Três passos devem ser tomados: 1. determinar a variável não básica que entrará na base, utilizando o método dos multiplicadores. 2. escolher a variável básica que passará para o conjunto de variáveis não básica utilizando a condição de factibilidade do método simplex. Recalcular a nova solução básica.

32 Início Problema Balanceado Forma Tabular

33 Consumidor x12 x13 Capacidade 100 Fornecedor x x22 x x x32 x Demanda m fornecedores n consumidores Problema de transporte balanceado possui m+n restrições de igualdade O problema balanceado possui fluxo total de entrada = saída. Pode-se afirmar que uma das restrições é redundante. Assim possui m +n-1 equações independentes e m+n-1 variáveis básicas Para o problema acima: m = 3 e n =3, tem-se 5 variáveis básicas

34 Passo 2 Determinar solução Básica Factível

35 Método do canto noroeste Passo 1: selecione a célula x 11, localizada no canto superior esquerdo (noroeste) Passo 2: Verificar a capacidade total do Fornecedor 1 e a demanda do consumidor 1.Verificar a quantidade máxima que deve ser alocada. O valor máximo a ser alocado nessa célula é o mínimo entre esses dois valores Passo 3: Se o limite máximo de capacidade do fornecedor 1 ou a demanda for atingida, as células correspondentes à mesma linha/coluna devem ser bloqueadas.

36 Método do canto noroeste consumidor capacidade 1 x 11 x 12 x fornecedor 2 x 12 x 22 x x 13 x 32 x demanda

37 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor demanda

38 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor demanda

39 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor x 160 demanda

40 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor x x 160 demanda

41 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor x x demanda

42 Método do canto noroeste consumidor capacidade x x 100 fornecedor x x demanda Solução básica : x 11 = 100, x 21 = 20, x 22 = 120, x 32 = 10, x 33 = 150, com z=9690 Variáveis não básicas: x 12, x 13, x 23, x 31 iguais a 0

43 Método do Custo Mínimo Adaptação do método do canto noroeste, em que, em vez de selecionar a célula mais próxima do canto noroeste, seleciona-se aquela com menor custo.

44 Método do Custo Mínimo Passo 1: Selecione a célula de custo mínimo Passo 2: alocar a maior quantidade possível Passo 3: Se a capacidade do fornecedor for atingida ou a demanda for atendida, bloquear as outras células da linha/coluna

45 Método do Custo Mínimo consumidor x12 x13 Capacidade 100 Fornecedor x x22 x x x32 x Demanda

46 Método do Custo Mínimo consumidor x x Capacidade 100 Fornecedor x x x x x Demanda

47 Método do Custo Mínimo consumidor x x Capacidade 100 Fornecedor x x x x Demanda

48 Método do Custo Mínimo consumidor x x Capacidade 100 Fornecedor x x x x Demanda

49 Método do Custo Mínimo consumidor x x Capacidade 100 Fornecedor x x x Demanda

50 Método do Custo Mínimo consumidor x x Capacidade 100 Fornecedor x x Demanda Solução básica: x 11 = 100, x 21 = 20, x 23 = 120, x 32 = 130, x 33 = 30, com z=8370

51 Método de aproximação de Vogel Versão melhorada do método do custo mínimo que leva, geralmente, a melhores soluções iniciais.

52 Método de aproximação de Vogel Passo 1: para cada linha e coluna, calcular a penalidade que corresponde à diferença entre os dois menores custos unitários de transporte na respectiva linha (e coluna). A penalidade para uma linha (coluna) será calculada enquanto houver pelo menos duas células ainda não alocadas e não bloqueadas na mesma linha (coluna)

53 Método de aproximação de Vogel Passo 2: escolher a linha de maior penalidade. Em caso de empate, escolher qualquer uma delas, aleatoriamente.na linha ou coluna selecionada, escolha a célula de menor custo.

54 Método de aproximação de Vogel Passo 3: Aloque a maior quantidade possível de produto, de forma que a soma das células correspondentes na mesma linha e na mesma coluna não ultrapasse a capacidade de fornecimento total e de demanda total, respectivamenete.

55 Método de aproximação de Vogel Passo 4: bloqueie as células correspondentes à mesma linha ou coluna que atingiu o limite máximo de fornecimento ou demanda, enquanto restar mais de uma célula não alocada e não bloqueada, volte ao passo 1, caso contrário, vá para o passo 5.

56 Método de aproximação de Vogel Passo 5: aloque a essa última célula a capacidade ou demanda remanescente.

57 Método de aproximação de Vogel consumidor Capacidade 100 Penalidade na linha = 10 Fornecedor x21 x22 x = 6 x x32 x = 7 Demanda Penalidade Na coluna =6 =7 =2

58 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha = 10 Fornecedor x x22 x = 6 x x32 x = 7 Demanda Penalidade Na coluna =6 =7 =2

59 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x x = 6 x x = 7 Demanda Penalidade Na coluna =4 =9 =2

60 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x x x = 14 x x = 12 Demanda Penalidade Na coluna =4 =9 =2

61 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x = x = 12 Demanda Penalidade Na coluna =4 =2

62 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x = 14 x x = 12 Demanda Penalidade Na coluna =4 =2

63 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x x x = 12 Demanda Penalidade Na coluna =2

64 Método de aproximação de Vogel consumidor x x Capacidade 100 Penalidade na linha - Fornecedor x x = 12 Demanda Solução Básica: x 11 = 100, x 21 = 20, x 23 = 120, x 32 = 130, x 33 = 30, com z=8370

65 Passo 2 Teste da otimalidade

66 Teste de Otimalidade Para verificar se a solução encontrada é ótima, utiliza-se o métodos dos multiplicadores, que é baseado na teoria da dualidade A cada linha i e a cada coluna j é associado os multiplicadores u i e v i. Os coeficientes da FO (custos reduzidos) da variável x ij (c ij ) são dados pela seguinte fórmula: c ij = u i + v j -c ij

67 Teste de Otimalidade Como os custos reduzidos das variáveis básicas são nulos, a fórmula c ij = u i + v j -c ij se resume a u i + v j = c ij Como o modelo contém m+n-1 equações independentes e, consequentemente, m+n-1 variáveis básicas, para resolver o sistema de equações u i + v j = c ij com m+n incógnitas, devese atribuir, arbitrariamente, o valor zero a um dos multiplicadores por exemplo, u 1 =0

68 Teste de Otimalidade Para o problema de transporte (problema de minimização), a solução atual é ótima se, e somente se, os custos reduzidos de todas as variáveis não básicas forem não positivos: u i + v i -c ij <=0, para cada variável não básica x ij Enquanto existir pelo menos uma variável não básica com custo reduzido positivo, há uma solução básica factível (SBF) adjacente melhor.

69 Teste de Otimalidade Iteração: Determinar uma SBF adjacente melhor Passo 1. determinar a variável não básica que entrará na base, utilizando o método dos multiplicadores. A variável não básica x ij selecionada e aquela com maior custo reduzido (maior valor de u i + v i c ij ) Passo2. Escolher a variável básica que sairá da base Passo 3. Recalcular a nova solução básica (diretamente na forma tabular do problema de transporte)

70 Teste de Otimalidade fornecedor consumidor capacidade x x x x demanda Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = para x 22 : u 2 + v 2 = 24 v 2 = para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = para x 33 : u 3 + v 3 = 34 u 3 =

71 Teste de Otimalidade fornecedor consumidor capacidade x x x x demanda Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 22 : u 2 + v 2 = 24 v 2 = 18 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = -3 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 u 3 = 37

72 Teste de Otimalidade Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 22 : u 2 + v 2 = 24 v 2 = 18 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = -3 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 u 3 = 37 A partir desses multiplicadores, determinam-se os custos reduzidos das variáveis não básicas por meio de fórmula c ij = u i + v i -c ij c 12 = u 1 + v 2 c 12 = c 13 = u 1 + v 3 c 13 = c 23 = u 2 + v 3 c 23 = c 31 = u 3 + v 1 c 31 =

73 Teste de Otimalidade Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 22 : u 2 + v 2 = 24 v 2 = 18 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = -3 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 u 3 = 37 A partir desses multiplicadores, determinam-se os custos reduzidos das variáveis não básicas por meio de fórmula c ij = u i + v i -c ij c 12 = u 1 + v 2 c 12 = = -4 c 13 = u 1 + v 3 c 13 = = 7 c 23 = u 2 + v 3 c 23 = = 11 c 31 = u 3 + v 1 c 31 = = -13 Como existem dois custos positivos, existe uma SBF adjacente melhor. Entra x 23, pois é o maior custo reduzido.

74 Determinar SBF adjacente melhor Um ciclo fechado deve ser construído para determinar a variável que sairá da base e para calcular a nova solução básica A) deve-se iniciar e terminar em x 23 B)ser formado por uma sequencia de segmentos verticais e horizontais conectados entre si C) cada esquina deve estar associada a uma variável básica, com exceção de x 23 fornecedor 1 2 consumidor capacidade x x x demanda

75 Determinar SBF adjacente melhor fornecedor consumidor capacidade x x x demanda Determinar a variável que sairá da base. Escolher a variável que possui o menor valor (120<150) (esquinas vizinhas). A restrição de capacidade do fornecedor deve ser respeitada

76 Determinar SBF adjacente melhor fornecedor consumidor capacidade x x x demanda x 23 = 120 e x 22 = 0 Calcular os novos valores para x 32 e x 33. X 32 = 130 e x 33 =

77 Determinar SBF adjacente melhor fornecedor consumidor capacidade x x x demanda Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = para x 23 : u 2 + v 3 = 32 v 3 = para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = para x 33 : u 3 + v 3 = 34 v 2 =

78 Determinar SBF adjacente melhor fornecedor consumidor capacidade x x x demanda Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 23 : u 2 + v 3 = 32 v 3 = 26 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = 8 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 v 2 = 7

79 Teste de Otimalidade Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 23 : u 2 + v 2 = 32 v 3 = 26 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = 8 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 v 2 = 7 A partir desses multiplicadores, determinam-se os custos reduzidos das variáveis não básicas por meio de fórmula c ij = u i + v i -c ij c 12 = u 1 + v 2 c 12 = c 13 = u 1 + v 3 c 13 = c 22 = u 2 + v 2 c 23 = c 31 = u 3 + v 1 c 31 =

80 Teste de Otimalidade Para cada variável básica x ij, descrever a equação u i + v j = c ij para x 11 : u 1 + v 1 = 12 fazendo u 1 = 0, tem-se: v 1 = 12 para x 21 : u 2 + v 1 = 18 u 2 = 6 para x 23 : u 2 + v 2 = 32 v 3 = 26 para x 32 : u 3 + v 2 = 15 u 3 = 8 para x 33 : u 3 + v 3 = 34 v 2 = 7 A partir desses multiplicadores, determinam-se os custos reduzidos das variáveis não básicas por meio de fórmula c ij = u i + v i -c ij c 12 = u 1 + v 2 c 12 = = -15 c 13 = u 1 + v 3 c 13 = = -4 c 22 = u 2 + v 2 c 23 = = -11 c 31 = u 3 + v 1 c 31 = = -2 Como todos os custos reduzidos de todas as variáveis não básicas são negativos, a solução atual é ótima. x 11 = 100, x 21 = 20, x 23 = 120, x 32 = 130 e x 33 = 30, com z= 8370

81 Capacidade de fornecimento > que a demanda total consumida Para que o algoritmo de transporte seja utilizado o problema deve estar balanceado. Solução: criar um consumidor fantasma que irá absorver todo o excesso de oferta.

82 A empresa Caramelos & Confetes atua no ramo doceiro desde 1990 e possui 3 lojas localizadas na Grande São Paulo. Seus principais clientes estão localizados na Capital Paulista, Baixada Santista e Vale do Paraíba. A capacidade de produção das lojas, a demanda dos clientes e os custos por unidade distribuída de cada loja para cada cliente estão na tabela abaixo. A fim de minimizar o custo total de transporte, a empresa quer determinar quanto distribuir de cada loja para os respectivos consumidores, respeitando a capacidade de produção e garantindo que as demandas serão atendidas. Formule o problema de transporte da empresa. custo unitário de transporte consumidor São Paulo B. Santista Vale Paraíba capacidade fornecedor Loja Loja Loja demanda

83 Solução Solução (a): modelar as restrições na forma de desigualdade Min z = 8x x x x x x x x x 33 s. a: x 11 + x 12 + x 13 <= 50 x 21 + x 22 + x 23 <=100 x 31 + x 32 + x 33 <= 40 x 11 + x 21 + x 31 >= 60 x 12 + x 22 + x 32 >= 70 x 13 +x 23 +x 33 >=30 x ij >= 0 Solução ótima: x 11 = 0, x 12 =50, x 13 = 0, x 21 = 50, x 22 = 20, x 23 = 30, x 31 = 10, x 32 =0, com z = 1240

84 Solução Solução (b): para que o algoritmo de transporte possa ser aplicado, o problema deve estar balanceado. Criar um consumidor fantasma para absorver o excesso de oferta de 30 unidades. Min z = 8x x x x x x x x x 33 s. a: x 11 + x 12 + x 13 = 50 x 21 + x 22 + x 23 =100 x 31 + x 32 + x 33 = 40 x 11 + x 21 + x 31 = 60 x 12 + x 22 + x 32 = 70 X 13 + x 23 + x 33 = 30 X 14 + x 24 + x 34 = 30 x ij >= 0 Solução ótima: x 11 = 0, x 12 =50, x 13 = 0, x 21 = 50, x 22 = 20, x 23 = 30, x 31 = 10, x 32 =0, com z = 1240

85 Capacidade de fornecimento < que demanda total consumida Deve-se criar um fornecedor fantasma

86 Exercício Modelar o programa, a seguir, e resolvê-lo usando o algortimo de Transporte

87

88

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

O Problema do Transporte. Pesquisa Operacional. Formulação do Problema. Descrição Geral de um problema de transporte. Parte 2

O Problema do Transporte. Pesquisa Operacional. Formulação do Problema. Descrição Geral de um problema de transporte. Parte 2 Pesquisa Operacional Parte Graduação em Engenharia de Produção DEPROT / UFRGS Prof. Flavio Fogliatto, Ph.D. O Problema do Transporte Descrição Geral de um problema de transporte:. Um conjunto de m pontos

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Linear (PL) Aula 5: O Método Simplex. 2 Algoritmo. O que é um algoritmo? Qualquer procedimento iterativo e finito de solução é um algoritmo. Um algoritmo é um processo que se repete (itera)

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL

PESQUISA OPERACIONAL PARTE I Para os exercícios de programação linear abaixo, apresentar a modelagem do problema, a solução algébrica e a solução gráfica: 1. Uma confecção produz dois tipos de vestido: um casual e um de festa.

Leia mais

Método Simplex Especializado para Redes

Método Simplex Especializado para Redes Método Simplex Especializado para Redes Prof. Fernando Augusto Silva Marins Departamento de Produção Faculdade de Engenharia Campus de Guaratinguetá UNESP www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Resolver um problema de Programação Linear significa basicamente resolver sistemas de equações lineares; Esse procedimento, apesar de correto, é bastante trabalhoso,

Leia mais

UNIDADE I PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA

UNIDADE I PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA UNIDADE I PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA ) INTRODUÇÃO Os problemas de Programação Linear Inteira podem ser entendidos como casos específicos da Programação Linear (conjunto solução contínuo), onde todas, ou

Leia mais

Joaquim J. Júdice. Pedro C. Martins. Marta B. Pascoal. Jorge P. Santos OPTIMIZAÇÃO EM REDES. Departamento de Matemática Universidade de Coimbra

Joaquim J. Júdice. Pedro C. Martins. Marta B. Pascoal. Jorge P. Santos OPTIMIZAÇÃO EM REDES. Departamento de Matemática Universidade de Coimbra Joaquim J Júdice Pedro C Martins Marta B Pascoal Jorge P Santos OPTIMIZAÇÃO EM REDES Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 006 Conteúdo Introdução Alguns Problemas de Optimização em Redes

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho Teoria dos Grafos Aulas 3 e 4 Profa. Alessandra Martins Coelho fev/2014 Passeio ou percurso Um passeio ou percurso é uma sequência finita de vértices e arestas Exemplo Em (1) o passeio inicia pelo vértice

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Grafos Cliques Maximais Para determinar os cliques maximais de um grafo G podemos usar o método de Maghout em Dado o grafo abaixo, calcule Determine os conjuntos independentes maximais em

Leia mais

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear.

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear. CAPÍTULO 7 7 ANÁLISE DE REDES 7.1 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Diversos problemas de programação linear, inclusive os problemas de transporte, podem ser modelados como problemas de fluxo de redes.

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DE VEÍCULOS 1 (Vehicle Scheduling Problem) Cássio Roberto de Araújo cassio@em.ufop.br Elva

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Problemas de transportes

Problemas de transportes V., V.Lobo, EN / ISEGI, 8 Problemas de transportes Problema de transportes aso particular de programação linear Permite uma solução particular mais simples que o caso geral de PL Embora se chame problema

Leia mais

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Rede bipartida onde um conjunto contém nós de oferta e o outro

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Idéias básicas Um algoritmo guloso seleciona, a cada passo, o melhor elemento pertencente a entrada. Verifica se ele é viável - vindo a fazer parte da solução ou não. Após uma seqüência de

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Pesquisa Operacional Livro: Introdução à Pesquisa Operacional Capítulo 2 - Programação Linear Fernando Marins fmarins@feg.unesp.br Departamento de Produção

Leia mais

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 a) x ij são as variáveis de decisão apropriadas para o problemas pois devemos indicar quantos

Leia mais

2 Problema das p-medianas

2 Problema das p-medianas 2 Problema das p-medianas 2.1 Definição O PMNC é definido da seguinte forma: determinar quais p facilidades (p m, onde m é o número de pontos onde podem ser abertas facilidades) devem obrigatoriamente

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL

PESQUISA OPERACIONAL Universidade Castelo Branco PESQUISA OPERACIONAL Prof. Cláudio H. S. Grecco RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL ii ÍNDICE. INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL. O Desenvolvimento da Pesquisa Operacional. Modelagem.3

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ano lectivo: 2014/2015 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática Investigação Operacional Ficha de exercícios n o 5 Problemas de Transportes e Afectação. Cursos: Economia, Gestão e Optometria

Leia mais

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ PESQUISA OPERACIONAL Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo Apresentação da disciplina. Formulação em programação matemática (PM). Introdução

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

Método Simplex - Exemplos. Iteração 1 - variáveis básicas: y 1, y 2, y 3. Exemplo 1. Facom - UFMS. Exemplo. Edna A. Hoshino.

Método Simplex - Exemplos. Iteração 1 - variáveis básicas: y 1, y 2, y 3. Exemplo 1. Facom - UFMS. Exemplo. Edna A. Hoshino. Tópicos Método Simplex - s Edna A. Hoshino 1 Facom - UFMS março de 2010 E. Hoshino (Facom-UFMS) Simplex março de 2010 1 / 21 E. Hoshino (Facom-UFMS) Simplex março de 2010 2 / 21 1 Iteração 1 - variáveis

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO

PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especialização Lato Sensu em Engenharia de Produção com enfoque em Pesquisa Operacional PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO Professores:

Leia mais

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2. Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações

Leia mais

Análise e Complexidade de Algoritmos

Análise e Complexidade de Algoritmos Análise e Complexidade de Algoritmos Uma visão de Intratabilidade, Classes P e NP - redução polinomial - NP-completos e NP-difíceis Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias.

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Fábio França 1, 1 Logical Optimization Rua Tanhaçu número 405, CEP 05679-040 São Paulo, Brasil fabio.franca@optimization.com.br

Leia mais

MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM IA. Busca em espaço de estados. Estados e Operadores. Jogo dos 8. Sumário. Exemplo: jogo dos 8

MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM IA. Busca em espaço de estados. Estados e Operadores. Jogo dos 8. Sumário. Exemplo: jogo dos 8 MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM IA Sumário busca em espaço de estados redução de problemas Busca em espaço de estados Exemplo: jogo dos 8 2 8 3 1 6 4 7 5 Jogo dos 8 Estados e Operadores Estado: uma

Leia mais

Apostila de CIC373 Fluxo em Redes

Apostila de CIC373 Fluxo em Redes Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação Apostila de CIC7 Fluxo em Redes Aluno: Diego Faria Lemes Professor: Gustavo Peixoto Silva Programa

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Seminários Datas Temas Problema do Caminho mais curto programação em redes Data 07/11/13 Problema do Fluxo máximo

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Matemática Discreta. Leandro Colombi Resendo. Matemática Discreta Bacharel em Sistemas de Informações

Matemática Discreta. Leandro Colombi Resendo. Matemática Discreta Bacharel em Sistemas de Informações Matemática Discreta Leandro Colombi Resendo Algoritmos para Grafos Grafos Direcionados e Relações Binárias; o Algoritmo de Warshall Caminho de Euler e Circuito Hamiltoniano Caminho Mínimo e Árvore Geradora

Leia mais

Programação Inteira. Advertência

Programação Inteira. Advertência Departamento de Informática Programação Inteira Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Este material pode ser

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Tópicos em Programação Linear e Inteira Prof. Dr.Ricardo Ribeiro dos Santos ricr.santos@gmail.com Universidade Católica Dom Bosco - UCDB Engenharia de Computação Roteiro Introdução

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Otimização de Redes de Distribuição de Água com Estações de Bombeamento 1

Otimização de Redes de Distribuição de Água com Estações de Bombeamento 1 Submetido para TEMA Otimização de Redes de Distribuição de Água com Estações de Bombeamento 1 C. H. DIAS 2, F. A. M. GOMES 3, Departamento de Matemática Aplicada, IMECC UNICAMP, 13081-970, Campinas, SP,

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Eduardo C. Xavier. 24 de fevereiro de 2011

Eduardo C. Xavier. 24 de fevereiro de 2011 Reduções Eduardo C. Xavier Instituto de Computação/Unicamp 24 de fevereiro de 2011 Eduardo C. Xavier (IC/Unicamp) Reduções 24 de fevereiro de 2011 1 / 23 Programação Linear (PL) Vimos que na tentativa

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

Aplicação do Algoritmo de Vogel ao problema de transporte de combustível

Aplicação do Algoritmo de Vogel ao problema de transporte de combustível Aplicação do Algoritmo de Vogel ao problema de transporte de combustível André Luís Silva (UFOP) andreluismg@gmail.com Eduardo Henrique Reis Montalvão (UFOP) montalvao.edu@gmail.com Rafael Belini Souza

Leia mais

Problemas de Caminho Mínimo. Metodologias de Apoio à Decisão 1. Slide 1. Definição: Determinar o caminho mais curto entre o nó de entrada e o nó

Problemas de Caminho Mínimo. Metodologias de Apoio à Decisão 1. Slide 1. Definição: Determinar o caminho mais curto entre o nó de entrada e o nó Metodologias de Apoio à Decisão 1 Problemas de Caminho Mínimo Slide 1 Transparências de apoio à leccionação de aulas teóricas Problemas de Caminho Mínimo Definição: Determinar o caminho mais curto entre

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS

MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS MS877 Problema do Carteiro Chinês: Estudo da modelagem e software XNÊS Orientadora: Profa. Dr. Maria Aparecida Diniz Ehrhardt Aluna: Fernanda Bia Peteam DMA - IMECC - UNICAMP 20 de novembro de 2013 1 1

Leia mais

1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel

1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel 1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel O software Excel resolve problemas de Programação Linear através da ferramenta Solver. Retomando um problema de Programação Linear já citado,

Leia mais

PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS

PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS Aluno: Ricardo Fernando Paes Tiecher Orientador: Lorenzo Justiniano Díaz Casado Introdução A teoria da probabilidade, assim como grande parte da matemática, está

Leia mais

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Alexandre da Costa 1 1 Acadêmico do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual

Leia mais

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Revisões Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS Um grafo G(V,A) pode ser conceituado como um par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio cujos elementos são de denominados vértices ou nodos do grafo; A

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel.

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. PROGRAMAÇÃO LINEAR Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. Para além da resolução pelo método gráfico e/ou outros métodos, é possível resolver um problema de PL

Leia mais

Satisfação de Restrições. Capítulo 5 (disponível online)

Satisfação de Restrições. Capítulo 5 (disponível online) Satisfação de Restrições Capítulo 5 (disponível online) Sumário Problemas de Satisfação de Restrições (CSPs) Procura com Retrocesso para CSPs Procura Local para CSPs Estrutura dos CSPs Problemas de Satisfação

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador ª Edição Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador Gerson Lachtermacher,00 Programação Linear Software Versão Windows e comandos Formulação do problema

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES

26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES 2 ÁRVORES Dado um grafo G G é chamado de árvore caso seja não direcionado, conectado e não possua circuitos simples Matemática Discreta Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Caminhos de custo mínimo em grafo orientado Este problema consiste em determinar um caminho de custo mínimo a partir de um vértice fonte a cada vértice do grafo. Considere um grafo orientado

Leia mais

TÂNIA CORDEIRO LINDBECK DA SILVA NOVA METODOLOGIA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE TRANSPORTE EM CASOS ESPARSOS

TÂNIA CORDEIRO LINDBECK DA SILVA NOVA METODOLOGIA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE TRANSPORTE EM CASOS ESPARSOS TÂNIA CORDEIRO LINDBECK DA SILVA NOVA METODOLOGIA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE TRANSPORTE EM CASOS ESPARSOS Tese apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Ciências. Programa

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Programação Linear com o Microsoft Excel R

Programação Linear com o Microsoft Excel R Programação Linear com o Microsoft Excel R Adriano Verdério 1, Clezio A. Braga 1 1 Colegiado do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 6 do livro de Taha (2008): Otimização em Redes

Leia mais

Problemas de Fluxos em Redes

Problemas de Fluxos em Redes Investigação Operacional Problemas de Fluxos em Redes Slide Transparências de apoio à leccionação de aulas teóricas Problemas de fluxos em redes Rede: Conjunto de pontos (vértices) ligados por linhas ou

Leia mais

Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A lei de Gauss é a lei que estabelece a relação entre o fluxo de campo elétrico que passa através de uma superfície fechada com a carga elétrica que

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA DISCIPLINA MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSOR SILTON JOSÉ DZIADZIO APOSTILA 01 MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA A matemática Financeira tem como objetivo principal estudar o valor do dinheiro em função do

Leia mais

Grafo: Algoritmos e Aplicações

Grafo: Algoritmos e Aplicações Grafo: Algoritmos e Aplicações Leandro Colombi Resendo leandro@ifes.edu.br Grafos: Algortimos e Aplicações Referências Basicas: Boaventura Netto, P. O., Grafos: Teoria, Modelos, Algoritmos, 2ª, SP, Edgar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

Modelos lineares de otimização aos quais eventualmente se incorporam restrições

Modelos lineares de otimização aos quais eventualmente se incorporam restrições Capítulo 2 Programação Linear 21 Introdução Modelos lineares de otimização aos quais eventualmente se incorporam restrições de integralidade das variáveis de decisão são os mais utilizados em planejamento

Leia mais

Problemas de Satisfação de Restrições

Problemas de Satisfação de Restrições Computação Inteligente Problemas de Satisfação de Restrições Lucas Augusto Carvalho Mestrado em Ciência da Computação 2011.1 DCOMP - Universidade Federal de Sergipe 1 Conteúdo Problemas de Satisfação de

Leia mais

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA Aloísio de Castro Gomes Júnior Marcone Jamilson Freitas Souza Projeto patrocinado pelo programa PRÓ-ATIVA da UFOP DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008 Revisões Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

MODELAGEM OTIMIZAÇÃO EM GAMS

MODELAGEM OTIMIZAÇÃO EM GAMS Aneirson Francisco da Silva Doutor em Engenharia Mecânica- UNESP Mestre em Engenharia de Produção- UNIFEI Pós Graduado em Economia e Planejamento Empresarial-UFU MODELAGEM OTIMIZAÇÃOEMGAMS 1- Definir

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais