Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2."

Transcrição

1 Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações adquiridas nas várias etapas do curso. Será dado um problema, e será requerida a implementação de algoritmos e estruturas de dados adequados para a resolução deste problema. Além disso, deve-se confeccionar um relatório explicando o trabalho desenvolvido, em particular, descrição dos algoritmos que você está usando, complexidade de tempo e memória destes algoritmos, detalhes de como você os implementou. 1. Introdução O projeto deve ser feito em grupos de até 3 alunos. Todas as implementações devem ser feitas em C ou C++. (Outras linguagens não serão aceitas). Você pode usar bibliotecas padrão disponíveis em C ou C++. Entretanto, você não deve fazer download de códigos na internet. Todo o código que você entregar, exceto bibliotecas padrão, deverá ser de sua própria autoria. O código fonte produzido deve estar devidamente comentado. O relatório sobre a execução do projeto deverá conter uma introdução sobre o problema abordado; os algoritmos implementados; os resultados; as conclusões; as referências bibliográficas. Você deverá entregar: (a) um relatório sobre o projeto, digitado em Word, enviado por e- mail. (b) o relatório impresso (entregue ao professor em sala); (c) um disquete contendo o código fonte e o executável (entregue ao professor em sala). Organize-se e observe a data de entrega. 2. Data de Entrega A data de entrega coincide com a data da segunda prova. 3. Exposição dos Projetos Segue uma exposição dos projetos.

2 Pg. 2 Projeto 1: Problema do Entregador de Mercadorias No problema do entregador de mercadorias, um entregador deve visitar n clientes. Modelando o problema como um grafo completo com n vértices, podemos dizer que o entregador deseja traçar uma rota, ou um ciclo hamiltoniano, saindo do depósito, visitando cada cliente exatamente uma vez e terminando no depósito de onde partiu. O custo total da rota é a soma dos custos individuais c(i, j) para se deslocar do vértice i até o vértice j. O entregador deseja encontrar uma rota cujo custo total seja mínimo. Projeto 2: Resolução em Paralelo de uma Malha de Elementos Finitos O problema da resolução eficiente do sistema linear gerado pelo método de elementos finitos em um sistema de computação paralela depende da resolução de um problema de partição de uma malha de elementos finitos em k subconjuntos, onde k é o número de processadores disponíveis. Tal partição precisa levar em conta a questão de balanceamento da carga de trabalho dos processadores bem como a da minimização dos custos de comunicação entre processadores. Projeto 3: Agenda de Reuniões Sempre que deseja agendar uma reunião entre seu grupo de executivos, uma certa empresa encontra dificuldades, já que estes executivos têm uma agenda muito ocupada. No problema de agenda de reuniões, dado um conjunto de pessoas e suas agendas, queremos agendar uma reunião para este grupo de modo a maximizar o número de participantes. Projeto 4: Localização de Departamentos em um corredor Uma determinada firma comprou, em um complexo comercial, um conjunto de salas, dispostas ao longo de um lado de um corredor, aonde pretende alocar seus departamentos de recursos humanos, comercial, jurídico, marketing, etc. Desta forma, a firma precisa resolver o problema de localização de n departamentos ao longo de um corredor. Dados (i) o fluxo de material entre cada par de departamentos e (ii) o comprimento de cada uma deles, o objetivo é minimizar o custo total de comunicação entre os departamentos. A distância entre dois departamentos é definida como a separação entre os seus centros. Desta forma, devemos minimizar a soma dos produtos da distância entre cada par de departamentos e o fluxo entre eles.

3 Pg. 3 Projeto 5: Carregamento de Pallets O Problema do Carregamento de Pallets ocorre quando se quer colocar caixas idênticas em uma pallet retangular. Como as caixas têm sua orientação vertical fixa, e são colocadas ortogonalmente na pallet em camadas, o problema se reduz à colocação de retângulos idênticos em um retângulo maior. A entrada para o problema é uma quádrupla (L, W, a, b) de inteiros positivos, onde L e W são o comprimento e a largura da pallet, respectivamente, e a and b são o comprimento e a largura da caixa, respectivamente. O objetivo é maximizar o número de caixas (a, b) dispostas dentro de uma pallet (L, W). Projeto 6: O Planejamento das Escalas de Trabalho de uma Tripulação Aérea Deseja-se determinar uma escala de trabalho ótima para uma frota de uma companhia aérea. Primeiramente, define-se um rodízio, isto é, uma seqüência de segmentos de vôos para cada frota que iniciam e terminam em localidades particulares (bases) e que obedecem a todas as regras pertinentes da legislação trabalhista. Dado um conjunto de rodízios viáveis, cada um tendo um custo associado, desejamos encontrar o conjunto mais econômico de rodízios de forma que cada vôo seja coberto exatamente uma vez. Projeto 7: O Corte Guilhotina de uma Placa de Aço Dada uma placa de aço retangular de dimensões L por H e um conjunto de n diferentes tipos de retângulos {r 1,r 2,...,r i,...,r n }, onde cada retângulo r i tem dimensões l i por h i, uma empresa siderúrgica deseja gerar um padrão de corte, caracterizado por cortes do tipo guilhotina, minimizando a quantidade de desperdício gerada no processo. A empresa siderúrgica possui uma demanda de no máximo b i réplicas de r i assim, o padrão de corte guilhotina deve conter não mais que b i peças do tipo i. Projeto 8: O Corte Não-Guilhotina de uma Placa Retangular Dada uma placa retangular de dimensões L por W e um conjunto de n diferentes tipos de retângulos {r 1,r 2,...,r i,...,r n }, onde cada peça retangular r i possui dimensões l i por h i, e um valor v i. Uma empresa deseja gerar um padrão de corte, maximizando o valor do conjunto de peças incluídas no padrão. A empresa possui uma demanda de no máximo b i réplicas de r i assim, o padrão de corte deve conter não mais que b i peças do tipo i. Projeto 9: Pesquisa de Mercado Em pesquisa de mercado, observa-se que certos tipos de consumidores reagem de maneira parecida quando lhes são apresentadas as características de um produto. A partir de entrevistas, um grafo baseado na semelhança de comportamento pode ser construído. Dado este grafo, deseja-se determinar tipos maximais de consumidores que reagem de forma semelhante com relação a certas características de um produto.

4 Pg. 4 Projeto 10: Criptografia Suponha que você tenha uma mensagem M a ser transmitida e um conjunto de n elementos: a 1, a 2..., a n, onde cada a j corresponde a uma peça de informação pública. O problema de encontrar uma solução factível para a equação: n j= 1 a j x j = M, x j {0,1} j = 1,..., n é de particular interesse na área de criptografia onde esta equação é construída para ter uma solução única a qual corresponde à mensagem a ser transmitida. Deseja-se tornar a equação extremamente difícil de se resolver, exceto para o receptor que conhece um truque para qualquer M. Projeto 11: Programação de uma Máquina Industrial Em uma determinada empresa, há uma máquina que pode executar no máximo uma tarefa por vez. Há n tarefas para serem processados. Cada tarefa j tem que ser processada nesta máquina por um período de tempo p j de comprimento integral. Além disso, toda tarefa é iniciada em um tempo t integral. Dado o custo C(j, t) de se processar a tarefa j no período t, deseja-se minimizar o custo total da alocação de tarefas na máquina. Projeto 12: Problema de Ordenação Linear Uma ordenação linear de um conjunto finito V={1,2,..,n}, é uma permutação T de {1,2,..,n}. Para cada u, v V, há um valor C(u, v) que é o custo de ser ter u antes de v em uma ordenação linear. Dentre todas a possíveis ordenações lineares de V desejamos encontrar aquela de menor custo. Projeto 13: Problema do Depósito Uma certa companhia fabrica n produtos químicos P 1, P 2,...,P n. Certos pares destes produtos são incompatíveis e podem causar explosões se forem acidentalmente postos em contato. Como medida de precaução, é desejável criar uma partição do depósito em compartimentos, armazenando produtos incompatíveis em diferentes compartimentos. Para obter uma maior agilidade em suas atividades, a companhia deseja minimizar o número de compartimentos que constituem a partição de seu depósito.

5 Pg. 5 Projeto 14: Problema da Seqüência de Tarefas Uma certa quantidade de tarefas J 1, J 2,...,J n tem que ser processada em uma máquina. Após cada tarefa, a máquina deve ser ajustada para atender aos requerimentos da próxima tarefa. Dado o tempo t ij de ajuste da tarefa J i para a tarefa J j, deseja-se encontrar a seqüência de tarefas que minimiza o tempo total de ajuste da máquina. Projeto 15: Problema de Armazenamento de Arquivos Suponha que temos uma certa quantidade de arquivos e dois dispositivos de armazenamento (disquetes, CDs, etc.) aos quais vamos nos referir como discos. Suponha que l i é a quantidade de espaço necessária para armazenar o arquivo i. A capacidade de cada disco é L. Determinar, dentre esses n arquivos, o número máximo de arquivos que pode ser armazenado nos dois discos (sem distribuir um arquivo entre dois discos). Considere, também o caso quando se tem k discos, k > 2. Projeto 16: Minimizando o Numero de Discos Suponha que temos n arquivos que devem ser armazenados em discos. Suponha que l i é a quantidade de espaço necessária para armazenar o arquivo i. A capacidade de cada disco é L. Determinar o número mínimo de discos para armazenar todos estes n arquivos (sem distribuir um arquivo entre dois ou mais discos). Projeto 17: Escalonando Tarefas com Limitação de Recurso Uma empresa possui n tarefas para serem escalonadas. A tarefa i utiliza uma quantidade de recurso h i e requer um tempo t i. Tem-se uma quantidade H de recurso disponível. Deseja-se escalonar as tarefas dentro da capacidade total de recurso para finalizar todas as tarefas no menor tempo possível.

Temas para estudo com alunos

Temas para estudo com alunos Temas para estudo com alunos Este documento reúne alguns dos temas de pesquisa desenvolvidos por professores do Departamento de Matemática Aplicada (DMA) e que podem ter alunos de graduação atuando. Tratam-se

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger SISTEMA DE ARQUIVOS Instrutor: Mawro Klinger Estrutura dos Discos As informações digitais, quer sejam programas ou dados do usuário, são gravadas em unidades de armazenamento. O HD é uma unidade de armazenamento

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Na aula anterior você aprendeu o traçado da perspectiva isométrica de um modelo simples: o prisma retangular. No entanto,

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

Análise e Projeto de Algoritmos

Análise e Projeto de Algoritmos Análise e Projeto de Algoritmos Prof. Eduardo Barrére www.ufjf.br/pgcc www.dcc.ufjf.br eduardo.barrere@ice.ufjf.br www.barrere.ufjf.br Complexidade de Algoritmos Computabilidade: Um problema é computável

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

OBI2014 Caderno de Tarefas

OBI2014 Caderno de Tarefas OBI2014 Caderno de Tarefas Modalidade Universitária, Fase 2 16 de agosto de 2014 A PROVA TEM DURAÇÃO DE 5 HORAS Promoção: Patrocínio: Olimpíada Brasileira de Informática OBI2014 1 Instruções LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG Teoria dos Gráfos Métodos Quantitativos de Gestão MQG Conceitualmente, um grafo consiste em um conjunto de vértices (pontos ou nós) e um conjunto de arestas (pontes ou arcos), ou seja, é uma noção simples,

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação I

Algoritmos e Linguagem de Programação I Algoritmos e Linguagem de Programação I Roberto Ferreira roberto.ferreira@lapa.ifbaiano.edu.br 2014.1 Módulo I Aula 4 Introdução ao C Linguagem de Programação É um conjunto de regras sintáticas e semânticas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Trabalho de Casa 1. 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002

Trabalho de Casa 1. 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002 Trabalho de Casa 1 15.053 Introdução à Otimização Para ser entregue no início da aula de quinta-feira, 14 de fevereiro de 2002 1. Formulações de PL a. Dê um exemplo de uma programação linear de duas variáveis

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

Aula 03 - Modelagem em PPLIM

Aula 03 - Modelagem em PPLIM Thiago A. O. 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto 1 Componentos do modelo 2 3 4 5 6 Componentes de uma modelagem matemática Elementos; Conjuntos; Parâmetros; Variáveis; Objetivo; Restições; Elementos

Leia mais

Google Drive: Acesse e organize seus arquivos

Google Drive: Acesse e organize seus arquivos Google Drive: Acesse e organize seus arquivos Use o Google Drive para armazenar e acessar arquivos, pastas e documentos do Google Docs onde quer que você esteja. Quando você altera um arquivo na web, no

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos PROGRAMAÇÃO INTEIRA Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos M9.1 - Problema de Seleção de Projetos ver Taha Capítulo 9 Cinco projetos estão sob avaliação

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

ProgramaTchê Programação OO com PHP

ProgramaTchê Programação OO com PHP Roteiro 1 Objetivos: * Apresentar conceitos de orientação a objetos; * Representar classes e objetos usando UML; Este roteiro tem como objetivo abordar os conceitos básicos de orientação a objetos. 1 Introdução

Leia mais

Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira

Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira Filipe Alvelos Departamento de Produção e Sistemas Universidade do Minho Primeira versão: 23 de Outubro de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos Página 1 de 8 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 3 anos, Decreto-Lei n.º 64/006, de 1 de março AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

1 Como Funciona um Computador

1 Como Funciona um Computador 1 Como Funciona um Computador Carlos H. Morimoto e Thiago T. Santos O objetivo dessa aula éapresentarumabrevedescrição do funcionamento de um computador, para que você possa se familiarizar com alguns

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Circuitos Digitais Cap. 6

Circuitos Digitais Cap. 6 Circuitos Digitais Cap. 6 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Latch com portas NAND Latch com portas NOR Sinais de Clock e Flip-Flops com Clock Flip-Flop S-C

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho.

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho. Computação Paralela Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Desenvolvimento de Aplicações Paralelas Uma Metodologia

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes

Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes A disciplina aborda o conceito do funcionamento de uma rede, utilizando a abordagem desde a camada de aplicação até a camada de nível físico nos

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado.

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. Estrutura de Dados Introdução Extraído de : Estruturas de Dados Homero L. Pícollo Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. A eficiência

Leia mais

Lista de Exercícios 03b Algoritmos Repetição

Lista de Exercícios 03b Algoritmos Repetição Lista de Exercícios 03b Algoritmos Repetição (enquanto... faça:... fim-enquanto) (faça:... enquanto) 61) Escreva um algoritmo em PORTUGOL que receba números do usuário e imprima o triplo de cada número.

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Teoria da Complexidade

Teoria da Complexidade handout.pdf June 5, 0 Teoria da Complexidade Cid C. de Souza / IC UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação o semestre de 0 Revisado por Zanoni Dias Autor Prof. Cid Carvalho de

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL)

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção 2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Diversas ferramentas para solução de problemas de otimização, comerciais ou acadêmicos, sejam eles lineares

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 Informática Windows 7 QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 1) Considerando a figura exibida acima, ao repousar o ponteiro do mouse sobre o ícone doword, aparecerão três miniaturas, representando arquivos desse programa

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Novidades no Q-flow 3.02

Novidades no Q-flow 3.02 Novidades no Q-flow 3.02 Introdução Um dos principais objetivos do Q-flow 3.02 é adequar-se às necessidades das grandes organizações. Por isso, o Q-flow 3.02 possui uma versão Enterprise que inclui funcionalidades

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Um problema pode ser resolvido através de diversos algoritmos; O fato de um algoritmo resolver um dado problema não significa que seja aceitável na prática. Na maioria das vezes, a escolha

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Versão 1.00 Sumário Geral... 3 Características da Impressora:... 3 Características técnicas:... 3 Suporte do rolo de filamento... 4 Colocando o filamento

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Contextualização: Sistemas de Computação

Contextualização: Sistemas de Computação Contextualização: Sistemas de Computação Professor: Santiago Viertel dcc2sv@joinville.udesc.br Modelo de Computador Modelo de Computador: Informática Origem e Definição; Elementos Fundamentais; Hardware;

Leia mais

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br Guia prático de como montar um planograma eficiente www.pdvativo.com.br 1. INTRODUÇÃO 2. Por que preciso de um planograma? 3. COMO FAZER A DISTRIBUIÇÃO DOS PRODUTOS NA LOJA 4. EXPOSIÇÃO DOS PRODUTOS (LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Eduardo C. Xavier. 24 de fevereiro de 2011

Eduardo C. Xavier. 24 de fevereiro de 2011 Reduções Eduardo C. Xavier Instituto de Computação/Unicamp 24 de fevereiro de 2011 Eduardo C. Xavier (IC/Unicamp) Reduções 24 de fevereiro de 2011 1 / 23 Programação Linear (PL) Vimos que na tentativa

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Definição de Probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Definição de Probabilidade Exercícios resolvidos sobre Definição de Probabilidade Nesta Unidade de estudo, até este ponto você aprendeu definições de probabilidade e viu como os conceitos se aplicam a várias situações. Observe agora

Leia mais

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO João Cesar Guirado Universidade Estadual de Maringá E-mail: jcguirado@gmail.com Márcio Roberto da Rocha Universidade Estadual de Maringá E-mail:

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

CARTEIRA VIRTUAL C A R D B O A R D CAMINHOS PONTOMOBI EDU

CARTEIRA VIRTUAL C A R D B O A R D CAMINHOS PONTOMOBI EDU CARTEIRA VIRTUAL G O O G L E C A R D B O A R D APLICAÇÕES E CAMINHOS!1 PONTOMOBI EDU INDICE CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS 4 OUTRAS CARACTERÍSTICAS 5 CUSTOMIZAÇÕES 6 EXEMPLOS DE APLICAÇÃO 8 DISTRIBUIÇÃO DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais