¹CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS,Brasil, ²CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS, Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "¹CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS,Brasil, oliveiralimarafael@hotmail.com. ²CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS, Brasil."

Transcrição

1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, INTRODUÇÃO A CRIPTOGRAFIA RSA Rafael Lima Oliveira¹, Prof. Dr. Fernando Pereira de Souza². ¹CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS,Brasil, ²CPTL/UFMS, Três Lagoas, MS, Brasil. RESUMO No trabalho foi estudado o conceito de Criptografia RSA, que é uma aplicação da teoria dos números muito usada em bancos, transações com cartão de crédito, compras online, mensagens de e mail e muito mais. Tal algoritmo ou método de criptografar oferece tanta segurança em quaisquer transações que é a mais usada em aplicações comerciais em todo o mundo. A descrição do por que tanta segurança e qualidade deste método serão enunciados neste trabalho, utilizando em seu desenvolvimento conceitos que serão empregados de maneira relativamente elementar, com o objetivo de fazer uma descrição simples e de boa compreensão de todos sobre a Criptografia RSA. Palavras chave: Criptografia RSA, Codificar, Mensagem, Segurança, Algoritmo. INTRODUÇÃO E OBJETIVO A Teoria dos números é uma área muito estudada e conhecida na Matemática por oferecer um leque enorme de resultados importantes utilizando números. Tais conceitos que a teoria dos números estuda em geral são propriedades dos números inteiros, e não de quaisquer números. Alguns exemplos são fatoração, máximo divisor comum, critérios de divisibilidade, números primos e aritmética modular. A criptografia estuda os métodos para codificar uma mensagem de modo que seu destinatário legítimo consiga interpretá la. Tal fato é expressamente necessário para que a mensagem em hipótese alguma, mesmo que seja condicionada por escutas, seja interpretada por quem está com má intenção. Criptografia do tipo RSA, leva este nome devido aos seus inventores R. L. Rivest, A. Shamir e L. Adleman em O que será apresentado neste trabalho é o método de criptografar utilizando chave pública chamado RSA, e em seu desenvolvimento será apresentado alguns conceitos de teoria dos números bem como a metodologia para codificar e decodificar mensagens. METODOLOGIA No desenvolvimento deste trabalho foram realizados estudos dirigidos com o orientador e apresentação de seminários expositivos, bem como matéria bibliográfica especificada que possibilitou uma boa apreciação sobre o tema. Entre diversas discussões que o tema proporcionou dentre eles o estudo de máximo divisor comum, fatoração, critérios de divisibilidade, números

2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, primos e aritmética modular o que se deve ater de todos estes itens é os resultados dos teoremas e proposições vistos em todo o estudo. RESULTADOS Para formalizar o método da criptografia consideram se alguns teoremas, proposições e definições importantes e necessárias oriundas do estudo da teoria dos números: Definições: Um número é dito primo se for divisível somente por 1 e por si próprio. Sejam e fixo. Diz se que é congruente a módulo se, e somente se,. Seja um inteiro. Chama se inverso de um inteiro tal que Algoritmo da Divisão: Sejam. Então, existem únicos tais que (Se resto da divisão de a por b). dizemos que b divide a (b a), q é chamado de quociente e r de Lema: Se, então o. Algoritmo de Euclides: Sejam dois inteiros cujo máximo divisor comum se deseja determinar. Aplicando sucessivamente o algoritmo da divisão temos: Como os restos são todos inteiros positivos tais que e existem apenas inteiros positivos menores que, necessariamente se chega a uma divisão cujo resto O ultimo resto que aparece nesta sequência de divisões é o máximo divisor comum procurado de a e b, isto é, o.

3 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Para melhor entender a criptografia RSA, utiliza se dois resultados, tais resultados podem ser encontrados em Teoria Elementar dos Números de Edgar de Alencar Filho página 183 e página 193. Teorema Chinês do Resto: Sejam inteiros positivos tais que o, sempre que. Então, o sistema de congruências Admite uma única solução módulo Pequeno teorema de Fermat: Seja um número primo. Se então As demonstrações não vão ser apresentadas para que seja possível apresentar mais detalhes do método RSA. Criptografia RSA: Consideram se três etapas para realizar a codificação e decodificação da mensagem. Primeira Etapa: Pré Codificação: Esta etapa se refere à escolha da mensagem para codificação. Considera se para simplificar que nesta mensagem não há números e todas as letras são maiúsculas. A título de exemplo, considera se a mensagem UNOESTE. Utiliza se para converter a mensagem a seguinte tabela A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Obs: O espaço entre duas palavras é definido pelo número 99 quando feita a conversão. Em número a mensagem fica escrita como É importante seguir a tabela de conversão para evitar problemas mais adiante. Define se alguns parâmetros antes de continuar: Seja dois primos distintos que denotaremos respectivamente por p e q tais que o resto na divisão por 6 tem de ser 5. Usa se este parâmetro com intuito de simplificar um pouco mais e também para utilizar um resultado de Coutinho (2008,p.99). Define se, nos quais para o exemplo tomam se dois primos, 17 e 23, logo implica que. A última fase do processo de pré codificação consiste

4 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, em quebrar em blocos o número formado pela conversão da mensagem tal que, estes blocos sejam estritamente menores que. No caso do exemplo, a mensagem seguira da forma: Obs1: A maneira de escolher tais blocos não é única, mas precisam obedecer ao fato de não começarem com 0. Obs2: Os blocos não correspondem a nenhuma unidade lingüística. Segunda Etapa: Codificação: Para codificar é preciso apenas de que é o produto de primos. Diz que é a chave de codificação do sistema RSA e dita chave pública que pode ser enviada a qualquer pessoa. A definição de codificação é: NOTAÇÃO: C(b) é o bloco codificado definido por No exemplo temos que. Desta forma os blocos que foram quebrados seguem: A mensagem codificada será: Feito este processo finaliza se esta etapa. É importante citar que depois de feita a codificação destes blocos não se pode juntá los novamente, pois se acontece, não seria possível distingui los uns dos outros para a etapa seguinte. Terceira Etapa: Decodificação: Para decodificar usam se dois números: e o inverso Fato este porque foi considerado o parâmetro definido acima. Apropriando da definição de inverso (Definição 3) segue Define se o par de chave de decodificação. Esta é mantida em segredo. Notação: Se é o bloco codificado, denota por o processo de decodificação, em que Para calcular, utiliza do fato que foi considerado no parâmetro definido anteriormente, em que deixam resto 5 na divisão por 6. Segue que

5 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Assim, onde Como, ponto 3 em evidência assim, então. Logo, é o inverso de 3 módulo. Como é negativo, adequamos tal número de maneira a encontrar o resto módulo. Assim que é positivo para todo Logo é mesmo o resto de. Portanto podemos tomar. Como no exemplo considera se p=17 e q=23, de forma que que é igual:. Portanto Aplicando a receita dada, temos que, onde a é o bloco codificado. Desta forma o cálculo de tal potência seria complicado se não fosse o algoritmo chinês do resto e o Teorema de Fermat. Aplicando tais ferramentas para decodificar temos que como 391=17.23, faremos. Desta forma segue pelo teorema de Fermat: Daí Novamente pelo teorema de Fermat,, assim Obtém se portanto o sistema:

6 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Usa para resolver o sistema o teorema chinês do resto. Como, substituindo na segunda congruência temos, somando 13 de ambos os lados da congruência temos. Mas o inverso de, logo como, usando o fato de 4 ser inverso de 17 módulo 23 segue que, sendo assim como, substituindo tem se Portando segue novamente o número correspondente ao bloco original que passou por estas etapas. Fazendo o mesmo processo com os outros blocos que foram codificados: Juntando novamente estes blocos a fim de formar um número novamente: Usando a tabela de conversão obtém se a mensagem UNOESTE, que era o que realmente se tinha anteriormente. DISCUSSÃO Considerando o exemplo dado anteriormente, observou que escolheu dois primos tal que obedecesse ao parâmetro informado e que foram números bem pequenos. Enfim, nas aplicações de RSA em empresas que realmente precisam de muita segurança a chave chega a ser formada por números com cerca de 2470 algarismos de acordo com Coutinho (2008,p.158). Considerando o tamanho deste número, era ainda preciso saber os primos que somente é possível através da fatoração de. Para se ter uma ideia do tempo para se conseguir fatorar considera se uma fatoração finalizada por F. Bahr no Escritório Federal de Segurança de Informação da Alemanha em que os cálculos foram em 80 computadores de 2.2GHz, mesmo assim foi necessário 5 meses para completar as contas que possibilitou fatorar uma chave de 193 algarismos. Pode ver que é possível fatorar, mas como as chaves públicas utilizadas por empresas possuem até 2470 algarismos, definitivamente é impossível que se obtenha novamente os primos. Mas suponha que se conseguiu encontrar os primos, como possui estes tantos algarismos o bloco em que a mensagem foi quebrada dependendo da mensagem já é muito grande, enfim, como a próxima etapa consiste em elevar este enorme número a potência de 3, ou seja, nesta altura a memória do computador já não tem mais espaço suficiente para tantos cálculos. Mesmo que na pior das

7 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, hipóteses seja possível, na etapa de decodificação o número em que foi elevado na potência 3 precisa ser elevado ao inverso que é obtido pela congruência (*) que é uma potência enorme, sendo assim, definitivamente o número será gigantesco, logo sem nenhuma possibilidade de ser descoberta o bloco original. CONCLUSÕES Neste trabalho se fez uma breve introdução do método de criptografar chamado de RSA, de forma que, o tema foi condicionado de maneira introdutória a fim de deixar o trabalho com leitura e entendimento para diferentes públicos. Além disso, foi possível reafirmar que o processo de criptografar usando o método RSA é totalmente seguro e livre de qualquer perigo da mensagem ser descoberta desde que os primos escolhidos sejam bem grandes. REFERÊNCIAS Alencar Filho, Edgard de. Teoria Elementar dos números, NOBEL, São Paulo, Hefez, Abramo, Elementos de aritmética, SBM, Rio de Janeiro, COUTINHO, S.C., Criptografia, Programa de Iniciação Científica, Rio de Janeiro, 2008.

CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA

CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA CONCEITOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NO FUNCIONAMENTO DA CRIPTOGRAFIA RSA Cristiane Moro 1 Raquel Cerbaro 2 Andréia Beatriz Schmid 3 Resumo: A criptografia visa garantir que somente pessoas autorizadas tenham

Leia mais

Álgebra A - Aula 11 RSA

Álgebra A - Aula 11 RSA Álgebra A - Aula 11 RSA Elaine Pimentel Departamento de Matemática, UFMG, Brazil 2 o Semestre - 2010 Criptografia RSA- pré-codificação Converter a mensagem em uma seqüência de números pré-codificação.

Leia mais

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação 2) Fundamentos 2.1) Conjuntos e Sub-conjuntos 2.2) Números Inteiros 2.3) Funções 2.4) Seqüências e Somas 2.5) Crescimento de Funções Divisão

Leia mais

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17.

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17. Prova Teoria de Números 23/04/203 Nome: RA: Escolha 5 questões.. Mostre que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 7. Solução: Pelo teorema de Fermat 2 6 (mod 7 e 3 7 3 (mod 7. Portanto, 2 67 = 2 64+3 = ( 2 6 4 8 8

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo Introdução à Criptografia Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do

Leia mais

Venda segura. Série Matemática na Escola

Venda segura. Série Matemática na Escola Venda segura Série Objetivos 1. Apresentar alguns conceitos de criptografia de chave pública; 2. Contextualizar o assunto através de exemplos práticos. 3. Motivar o estudo de operações matemáticas envolvendo

Leia mais

Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA

Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA Resíduos Quadráticos e Fatoração: uma aplicação à criptoanálise do RSA Charles F. de Barros 20 de novembro de 2008 Resumo Faremos uma breve introdução ao conceito de resíduos quadráticos, descrevendo em

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA A HISTÓRIA DA CRIPTOGRAFIA E A APLICAÇÃO DE TEORIA DOS NÚMEROS EM CRIPTOGRAFIA

Leia mais

O que é número primo? Série O que é?

O que é número primo? Série O que é? O que é número primo? Série O que é? Objetivos 1. Discutir o significado da palavra número primo no contexto da Matemática; 2. Apresentar idéias básicas sobre criptografia. O que é número primo? Série

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração)

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) MA14 - Aritmética Unidade 4 Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Título. Breve descrição da aula. Competência(s) desenvolvida(s) Conteúdo(s) desenvolvido(s).

Título. Breve descrição da aula. Competência(s) desenvolvida(s) Conteúdo(s) desenvolvido(s). Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Alunos: Bruno Castilho Rosa Laura Thaís Lourenço Géssica Cristina dos Reis Lucas Borges de Faria Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Notas de

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan Matemática Divisores e Múltiplos Os múltiplos e divisores de um número estão relacionados entre si da seguinte forma: Se 15 é divisível por

Leia mais

Introdução à Engenharia de

Introdução à Engenharia de Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Sistemas de Numeração José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Introdução O número é um conceito abstrato que representa a idéia

Leia mais

Nome: Paulo Eduardo Rodrigues de Oliveira Nome: Pedro Thiago Ezequiel de Andrade Nome: Rafael Lucas Gregório D'Oliveira. Rsa

Nome: Paulo Eduardo Rodrigues de Oliveira Nome: Pedro Thiago Ezequiel de Andrade Nome: Rafael Lucas Gregório D'Oliveira. Rsa Nome: Paulo Eduardo Rodrigues de Oliveira Nome: Pedro Thiago Ezequiel de Andrade Nome: Rafael Lucas Gregório D'Oliveira RA:063570 RA:063696 RA:063824 Rsa Introdução: Criptografia (Do Grego kryptós, "escondido",

Leia mais

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Sistemas de Numeração Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Introdução Em sistemas digitais o sistema de numeração binário é o mais importante, já fora do mundo digital o sistema decimal é o mais

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática na Comunicação Resumo O episódio Matemática na Comunicação aborda como a Matemática tem ajudado o homem a se comunicar, revelando o que está oculto nas

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva Conversões em Sistemas de Numeração José Gustavo de Souza Paiva 1 Conversões entre bases que são potências entre si Primeiro caso base binária para base octal Como 2 3 = 8, podemos separar os bits de um

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

Criptografia fragilidades? GRIS-2011-A-003

Criptografia fragilidades? GRIS-2011-A-003 Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação Grupo de Resposta a Incidentes de Segurança Rio de Janeiro, RJ - Brasil Criptografia O que é, porque

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula Divisibilidade II Definição 1. Dados dois inteiros a e b, com a 0, dizemos que a divide b ou que a é um divisor

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos UNIPAC Sistemas Digitais Sistemas de Numeração Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos 1 Agenda Objetivos Introdução Sistema Binário Sistema Octal Sistema Hexadecimal Aritméticas no Sistema

Leia mais

Números primos. Série Rádio Cangalha. Objetivos 1. Provar que existem infinitos números primos;

Números primos. Série Rádio Cangalha. Objetivos 1. Provar que existem infinitos números primos; Números primos Série Rádio Cangalha Objetivos 1. Provar que existem infinitos números primos; Números primos Série Rádio Cangália Conteúdos Aritmética. Duração Aprox. 10 minutos. Objetivos 1. Provar que

Leia mais

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras Eder Soares

Leia mais

Matemática. Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6

Matemática. Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6 Matemática Tema 1: Controle dos códigos de identificação Referência no GUIA Capa Número de aulas previstas: 6 Competências e habilidades Espera-se que, ao terminar o estudo deste tema, o aluno melhore

Leia mais

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Criptografia Digital Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Aplicações 3. Criptografia e seus Conceitos 4. Tipos de Criptografia em Relação ao Uso de Chaves 5. Autenticação Comum

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

( y + 4) = 16 16 = 0 y + 4 = 0 y = 4

( y + 4) = 16 16 = 0 y + 4 = 0 y = 4 UFJF MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 00-0 GABARITO DA PROVA DE MATEMÁTICA Questão Uma circunferência de equação x + y 8x + 8y + 6 = 0 é tangente ao eixo das abscissas no ponto M e tangente ao eixo das ordenadas

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG ENCRYPTION: AN APPLICATION OF DISCRETE MATHEMATICS THROUGH THE IMPLEMENTATION OF CAESAR CIPHER BY

Leia mais

cripto 2009/6/30 page 1 Estilo OBMEP Criptografia S. C. Coutinho

cripto 2009/6/30 page 1 Estilo OBMEP Criptografia S. C. Coutinho page 1 Criptografia S. C. Coutinho page 2 Texto já revisado pela nova ortografia. page i Antes de Começar Estas notas tratam de uma aplicação da matemática à criptografia. Embora algumas pessoas ainda

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Professor Menezes SISTEMA DE NUMERAÇÃO 1-1 Sistemas de Numeração Observe que alguns números decimais a possuem uma representação muito curiosa no sistema binário: 1 decimal = 1 binário; 2 decimal = 10

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9 Quarta Edição William Stallings Capítulo 9 - Public Key Cryptography e RSA Cada egípicio recebia dois nomes que eram conhecidos respectivamente como o nome

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

Aula 13 Técnicas de Integração

Aula 13 Técnicas de Integração Aula 13 Técnicas de Integração Objetivos da Aula Estudar técnicas especiais de integração: integração por substituição e por partes, mostrando que estes processos são ferramentas poderosas para facilitar

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Teoremas de Fermat, Wilson, Wolstenholme e Euler. 1 Os teoremas de Wilson e Wolstenholme

Teoremas de Fermat, Wilson, Wolstenholme e Euler. 1 Os teoremas de Wilson e Wolstenholme Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 6 Teoremas de Fermat, Wilson, Wolstenholme e Euler 1 Os teoremas de Wilson e Wolstenholme Uma aplicação

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Representação da Informação para seres humanos Números (1,2,3,4...) Letras (a,a,b,b,c,c...) Sinais de pontuação (:,;...) Operadores aritméticos (+,-,x,/) Representação da Informação

Leia mais

Aulas de PHP Criptografia com Cifra de César. Paulo Marcos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br

Aulas de PHP Criptografia com Cifra de César. Paulo Marcos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Aulas de PHP Criptografia com Cifra de César Paulo Marcos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Cifra de César com ISO-8859-1 A cifra de Cesar existe há mais de 2000 anos. É

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

FACULDADE DE TECNLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA UNIDADE CURRICULAR: LINGUAGEM TÉCNICA

FACULDADE DE TECNLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA UNIDADE CURRICULAR: LINGUAGEM TÉCNICA FACULDADE DE TECNLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA UNIDADE CURRICULAR: LINGUAGEM TÉCNICA PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA NOMES: ALESSANDRO, ANDRESSA SANTOS, FLÁVIA, SUZANA TURMA: 01 TERMOS TÉCNICOS

Leia mais

Criptografia e os conteúdos matemáticos do Ensino Médio

Criptografia e os conteúdos matemáticos do Ensino Médio Clarissa de Assis Olgin Universidade Luterana do Brasil Brasil clarissa_olgin@yahoo.com.br Resumo Os pressupostos educacionais da Educação Matemática salientam a importância do desenvolvimento do processo

Leia mais

Capítulo UM Bases Numéricas

Capítulo UM Bases Numéricas Capítulo UM Bases Numéricas 1.1 Introdução Quando o homem aprendeu a contar, ele foi obrigado a desenvolver símbolos que representassem as quantidades e grandezas que ele queria utilizar. Estes símbolos,

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Aritmética com Maple:

Aritmética com Maple: Aritmética com Maple: Capítulo 2 Objetivos: 1.Revisar os sistemas decimais e convertendo números para outras bases. 2.Usar Maple para converter números binários e hexadecimais para outras bases. 3.Distinguir

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Soluções de Questões de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ. Questão Sistemas de Numeração No sistema de numeração de base 2, o numeral mais simples de

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 1 - SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA E DECIMAL Todos os computadores são formados por circuitos digitais, onde as informações e os dados são codificados com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 14: A Matemática Grega: Pitágoras e os Pitagóricos 17/04/2015 2 Pitágoras de Samos Aproximadamente 572 a.c. Discípulo de Tales de Mileto,

Leia mais

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança Python: Comandos Básicos Claudio Esperança Primeiros passos em programação Até agora só vimos como computar algumas expressões simples Expressões são escritas e computadas imediatamente Variáveis podem

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 29/21 Módulo 1: Sistemas de Numeração

Leia mais

Números Primos e Criptografia RSA

Números Primos e Criptografia RSA Números Primos e Criptografia RSA Jean Carlo Baena Vicente Matemática - UFPR Orientador: Carlos Henrique dos Santos 6 de outubro de 2013 Sumário Criptografia RSA Por que o RSA funciona? Fatoração Primalidade

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

1 Base de um Espaço Vetorial

1 Base de um Espaço Vetorial Disciplina: Anéis e Corpos Professor: Fernando Torres Membros do grupo: Blas Melendez Caraballo (ra143857), Leonardo Soriani Alves (ra115465), Osmar Rogério Reis Severiano (ra134333) Ramon Códamo Braga

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS LÓGICOS

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS LÓGICOS 1 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS LÓGICOS SISTEMA NUMÉRICO PROF. ANDRÉ MONTEVECCHI ANDRE.MONTEVECCHI@PROF.UNIBH.BR 19/02/2014 Prof. André Montevecchi / Profa. Anna Tostes 2 SUMÁRIO Sistemas Numéricos Notação Posicional

Leia mais

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br Cálculo Numérico ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab Ricardo Antonello www.antonello.com.br Conteúdo Erros na fase de modelagem Erros na fase de resolução Erros de arredondamento Erros de

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50.

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. 2) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos

Leia mais

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50.

Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Scilab Estrutura de Repetição 1) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. 2) Escreva um algoritmo em Scilab que imprima todos

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Introdução Todos sabemos que existem diferentes tipos de números: fraccionários, inteiros positivos e negativos, etc. Torna-se necessária a representação destes dados em sistema

Leia mais

Formigas. Série Rádio Cangalha. Objetivos

Formigas. Série Rádio Cangalha. Objetivos Formigas Série Rádio Cangalha Objetivos 1. Apresentar a demonstração de que 2 é irracional; Formigas Série Rádio Cangália Conteúdos Aritmética. Duração Aprox. 10 minutos. Objetivos 1. Apresentar a demonstração

Leia mais

1. Sistemas de numeração

1. Sistemas de numeração 1. Sistemas de numeração Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo seria organizar,

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR CAMPUS DE UNIÃO DA VITÓRIA FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS - FAFIUV COLEGIADO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR CAMPUS DE UNIÃO DA VITÓRIA FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS - FAFIUV COLEGIADO DE MATEMÁTICA 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR CAMPUS DE UNIÃO DA VITÓRIA FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS - FAFIUV COLEGIADO DE MATEMÁTICA VICTOR HUGO GONZALEZ MARTINEZ TEORIA DOS NÚMEROS

Leia mais

Organização de Computadores. Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária

Organização de Computadores. Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária Organização de Computadores Capítulo 4 Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais.

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais. 25BCapítulo 2: Números e Aritmética Binária Os computadores armazenam e manipulam a informação na forma de números. Instruções de programas, dados numéricos, caracteres alfanuméricos, são todos representados

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

2. Sistemas de Numeração

2. Sistemas de Numeração 2. Sistemas de Numeração 2.1. Introdução A necessidade de contar é algo que acompanha o ser humano desde tempos imemoriais. Muitas cavernas pré-históricas registram contagens, provavelmente de animais,

Leia mais

Introdução à Criptografia RSA

Introdução à Criptografia RSA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JULIO DE MESQUITA FILHO " U N E S P Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira - FEIS Introdução à Criptografia RSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Aluna: Elen Viviani Pereira

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Representação Binária de Números

Representação Binária de Números Departamento de Informática Notas de estudo Alberto José Proença 01-Mar-04 Dep. Informática, Universidade do Minho Parte A: Sistemas de numeração e representação de inteiros A.1 Sistemas de numeração

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Mágica das cartelas. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. Mágica das cartelas. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância números e funções Guia do professor Experimento Mágica das cartelas Objetivos da unidade 1. Relembrar diferentes sistemas de numeração; 2. Aprofundar o estudo sobre a base binária; 3. Conhecer aplicações

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia Introdução Atualmente no mundo internacional das redes e com o comércio eletrônico, todo sistema de computador se tornou um alvo em potencial para intrusos. O problema é que não há como saber os motivos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1.

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1. EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 0 - Questão. GABARITO Considere um triângulo equilátero de lado e seja A sua área. Ao ligar os pontos médios de cada lado, obtemos um segundo triângulo equilátero de área

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais