GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa"

Transcrição

1 GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1

2 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos) é um protótipo de software que implementa os algoritmos de geração de expressões algébricas descritos na tese de doutorado intitulada Geração de expressões algébricas para processos de negócio usando reduções de digrafos série-paralelo [1]. Do ponto de vista sistêmico, o objetivo é oferecer uma idéia de interface gráfica de modelagem de processos de negócio que permita a aplicação de algoritmos de geração de expressões algébricas. Do ponto de vista acadêmico, o objetivo é oferecer um instrumento de manipulação de processos que permita testar e validas os algoritmos propostos na tese de doutorado [1]. Este documento descreve a interface do GEADA e apresenta um exemplo de sua utilização. Alguns dos termos utilizados neste documento se referem à terminologia utilizada nos Capítulos 5, 6 e 7 de [1], de modo que recomendamos a leitura do texto antes da utilização deste software. 2 Instalação O GEADA é implementado na linguagem de programação Java e utiliza o compilador da versão 6 update 7 (JDK 6, update 7). Para utilizar o software, é necessário fazer o download do Java Runtime Environment (JRE). Recomenda-se utilizar a versão 6, ou superior, na qual foram realizados os testes de visualização. É possível que versões anteriores do JRE também sejam compatíveis, porém não foram feitos testes, até o momento, para comprovar essa compatibilidade. O JRE pode ser obtido diretamente no site da linguagem Java, java.sun.com. Uma vez instalado o JRE, basta fazer o download do GEADA, no endereço e descompactá-lo em um diretório qualquer. Nesse diretório, abra uma tela de comandos e execute a seguinte instrução: java -jar geada.jar Caso não ocorra erros, a tela principal do GEADA se abrirá, permitindo sua utilização. O arquivo geada.jar também contém o código-fonte da aplicação. 3 Utilizando o GEADA 3.1 Criação do Grafos A interface do GEADA procura ser a mais simples possível, permitindo que o usuário possa modelar seu processo de negócio por meio de uma tela gráfica na qual objetos são criados e relacionados (ver Figura 1). A tela principal do 2

3 Figura 1: Interface gráfica do GEADA GEADA apresenta, em sua lateral esquerda, uma barra de ferramentas, usada para criar elementos na tela central (ver Figura 2). Os elementos da barra de ferramentas são, considerando a ordem de cima para baixo: mouse: retira a seleção dos modos de edição de vértices e arcos; atividade: seleciona o modo de edição de vértices de atividade; vértice com operador paralelo: seleciona o modo de edição de vértices de ramificação e sincronização com regra de composição paralela; vértice com operador alternativo: seleciona o modo de edição de vértices de ramificação e sincronização com regra de composição alternativa; arco: seleciona o modo de edição que cria arcos entre vértices. Figura 2: Barra de ferramentas do GEADA 3

4 O clique em qualquer um dos botões da barra de ferramentas cria um modo de edição de objetos, que pode estar associado à criação de vértices e arcos. Os modos são descritos a seguir: Modo de Criação de Vértices Ao habilitar o modo de criação de vértices, cada novo clique no painel central cria um novo vértice para o digrafo. Os vértices são classificados em: Atividades: representam as atividades que compõem o processo de negócio; Vértices de composição paralelos: são usados para determinar pontos de ramificação ou sincronização entre dependências com regra de composição paralela; Vértices de composição alternativos: são usados para determinar pontos de ramificação ou sincronização entre dependências com regra de composição alternativa; É bom salientar que pontos de atividades não podem representar pontos de ramificação ou sincronização. Dessa maneira, todos os pontos de ramificação devem ser modelados necessariamente com vértices de composição paralela ou alternativa. Uma conseqüência direta desse fato é que todos os vértices que representam atividades possuem, no máximo, um único sucessor e um único antecessor. Também é possível criar vértices de atividades usando a seqüência de menus Processo > Cadastrar > Atividade. Essa operação abrirá uma janela, na qual é solicitado um rótulo para a nova atividade. Ao confirmar a operação (clicando no botão Cadastrar ), um novo vértice de atividades é criado no painel. Vértices também podem ser removidos acionando a seqüência de menus Processo > Remover > Vértice. Essa operação abrirá uma janela com a lista de vértices do digrafo. A lista exibe os rótulos de todos os vértices do digrafo, sejam eles atividades ou vértices de composição. Ao escolher um vértice e clicar no botão Remover, o vértice será excluído do digrafo. Na exclusão de um vértice, todos os seus arcos adjacentes são também excluídos, para manter a consistência do digrafo. É possível movimentar os vértices sobre o painel clicando sobre o vértice desejado e arrastando-o até a posição desejada. Todos os arcos adjacentes ao vértice também serão movimentados Modo de Criação de Arcos Ao habilitar o modo de criação de arcos, é possível criar arcos no digrafo. O arco é criado por meio da seleção de dois vértices. Para selecionar um vértice, basta fazer um clique sobre o vértice. Vértices selecionados serão diferenciados dos demais pela indicação de pontos em suas bordas. 4

5 Após a seleção de um vértice, um novo clique sobre outro vértice criará um arco entre ambos. Não é possível criar arcos reflexivos (com cabeça e cauda no mesmo vértice). Caso o segundo clique não ocorra sobre um vértice, o vértice inicial (selecionado) perderá a sua seleção. Também é possível criar arcos sem a utilização do mouse. Por meio da seqüência de menus Processo > Cadastrar > Dependência, uma janela com duas listas de vértices é aberta. Ao escolher os vértices extremos (cauda e cabeça) e apertar o botão de confirmação, é criado um nó entre os vértices selecionados. Para remover um arco, usa-se a seqüência de menus Processo > Remover > Dependência para acionar a janela de remoção. Após escolher um arco e apertar o botão de confirmação, o arco escolhido será removido do digrafo. 3.2 Redução de Processos de Negócio O passo seguinte à definição do processo de negócio por meio de um digrafo é a obtenção de sua expressão algébrica. A operação que realiza essa tarefa é acionada pela seqüência de menus Processo > Gerar Expressão. Isso criará uma nova janela, que exibe inicialmente o digrafo de expressão construído a partir do digrafo (processo de negócio) inicial. Caso o processo de negócio apresente ciclos em sua estrutura, será exibida uma mensagem de advertência ao usuário e a operação é interrompida. Uma das hipóteses para criação de expressões algébricas é que o digrafo original não contenha ciclos. Nessa nova janela, que chamaremos Janela de Expressão, são mostradas as mudanças sofridas pelo digrafo de expressão até a obtenção da expressão algébrica, quando possível. Na Janela de Expressão aparecem novo vértices, coloridos com cinza, que representam composições seqüenciais. Os rótulos das atividades do digrafo inicial são mepeados para arcos no digrafo de expressão. A seqüência de menus Processo > Reduzir, na Janela de Expressão, executa o algoritmo de redução sobre a estrutura. Caso o resultado seja um digrafo série-paralelo trivial, a expressão algébrica final é mostrada como o rótulo do único arco do digrafo de expressão. Caso o resultado da redução não seja um digrafo série-paralelo trivial, então haverá uma ponte de Wheatstone em sua estrutura. No menu Processo, aparecerá uma nova opção, chamada Reduzir Wheatstone. Quando as pontes de Wheatstone forem isoláveis, é possível ainda obter expressões algébricas, porém com risco de perda de equivalência em relação ao digrafo original. Ao utilizar o menu Processo > Reduzir Wheatstone, o digrafo resultante da Janela de Expressão sofre uma transformação segundo, de acordo com os 16 casos tratados no Capítulo 6 de [1]. Uma vez realizada a operação, é possível reaplicar a operação de redução para dar seqüência à redução do digrafo. 4 Exemplo 5

6 Para ilustrar os passos descritos na seção anterior, será apresentado um exemplo que ilustra integralmente a obtenção de uma expressão algébrica a partir de um modelo de processo de negócio baseado em digrafos acíclicos. Primeiramente, são criadas as atividades que fazem parte do processo de negócio. Neste exemplo, o processo de negócio é formado por 6 atividades. Essa operação é mostrada na Figura 3. Figura 3: Exemplo: Definição das atividades do processo de negócio Em seguida, são definidas as regras de composição entre atividades. A definição dessas regras depende da criação de vértices auxiliares, como mostra a Figura 4. É possível criar relações complexas, como a mostrada na Figura 5. Neste exemplo, o processo de negócio indica que uma das atividades, 4 ou 5, executa em paralelo com as atividades 2 e 3. Uma vez finalizado o modelo do processo de negócio, é iniciada a geração da expressão algébrica por meio da execução do menu Processo > Gerar Expressão, como mostrado na Figura 6. Essa operação abrirá uma nova janela que exibirá, inicialmente, o digrafo de expressão obtido a partir do modelo inicial de processo de negócio, como mostrado na Figura 7 Também é possível movimentar os vértices nessa nova janela. É possível que, durante a construção do digrafo de expressão, alguns vértices fiquem sobrepostos. A movimentação dos vértices pode facilitar a visualização global da estrutura. O passo seguinte na geração da expressão algébrica do processo de negócio é reduzir o digrafo de expressão, acionando a seqüência de menus Processo > Reduzir, como mostrado na Figura 8. A operação finaliza com sucesso, exibindo a expressão algébrica como rótulo do arco do digrafo trivial, como mostrado na Figura 9. 6

7 Figura 4: Exemplo: Inclusão de regras de composição Figura 5: Exemplo: Modelo final do processo de negócio 5 Problemas Conhecidos Grande parte dos problemas apresentados está relacionada à interface do software, que ainda está em fase de aprimoramento. Apesar disso, as funcionalidades internas, baseadas na redução de digrafos acíclicos, são consideradas estáveis. As limitações conhecidas do GEADA são: 7

8 Figura 6: Exemplo: Início da geração da expressão algébrica Figura 7: Exemplo: Início da geração da expressão algébrica Não é possível selecionar arcos por meio de cliques de mouse na interface; Arcos redundantes (com mesmas cabeça e cauda) não podem ser diferenciados pela interface; 8

9 Figura 8: Exemplo: Início da geração da expressão algébrica Não há como salvar trabalhos; Rótulos de arcos e vértices não podem ser movimentados; Referências [1] Marcio Katsumi Oikawa. Geração de expressões algébricas para processos de negócios usando redução de digrafos série-paralelo. Tese de doutorado em avaliação,

10 Figura 9: Exemplo: Início da geração da expressão algébrica 10

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 A U T O R I Z A D O R W E B B I O M E T R I A GUIA DE INSTALAÇÃO Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 UTILIZANDO A BIOMETRIA... 4 INSTALAÇÃO... 5 CADASTRO DA DIGITAL...15

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA E DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA Equipe Nova GIA Janeiro/2008 1 O Funcionamento do sistema operacional Windows Vista apresenta algumas diferenças com

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC. Treinamento Básico do Correio Eletrônico

Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC. Treinamento Básico do Correio Eletrônico Departamento de Tecnologia da Informação DTI Coordenadoria de Relacionamento com o Cliente CRC Treinamento Básico do Correio Eletrônico Brasília Março de 2012 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Como acessar

Leia mais

SEI - Procedimento para configurações e testes da instalação e uso de Token/Certificado Digital

SEI - Procedimento para configurações e testes da instalação e uso de Token/Certificado Digital Página 1 de 6 SEI - Procedimento para configurações e testes da instalação e uso de Token/Certificado Digital Este roteiro tem por finalidade orientar as configurações pertinentes e testes da instalação

Leia mais

Download e Instalação

Download e Instalação Download e Instalação Sistema Declaração eletrônica de Serviços Acesso a Página do Download...03 JRE Java Runtime Enviroment 5.0...05 Adobe Acrobat Reader...10 DeS - Declaração Eletrônica de Serviços...13

Leia mais

Autoridade Certificadora Notarial CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL. Página 1 de 14

Autoridade Certificadora Notarial CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL. Página 1 de 14 Página 1 de 14 CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL Página 2 de 14 Página 3 de 14 ECD Emissor de Certificados Digitais Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRÉ-REQUISITOS DE

Leia mais

Quinta Lista de Exercícios -

Quinta Lista de Exercícios - INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO COORDENADORIA DE INFORMÁTICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Quinta Lista de Exercícios - INSTRUÇÕES: 1) Nesta lista de exercícios, vamos nos preocupar em implementar o comportamento

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Gerência de Informática Repositório de Documentos do GHC Manual de Administração Versão 1.1 Novembro de 2015 Repositório de Documentos do GHC Manual de Administração Índice 1 Acesso ao Sistema...3 2 Adicionar

Leia mais

Manual do Assinador de Documentos

Manual do Assinador de Documentos Manual do Usuário Manual do Assinador de Documentos PROJUDI Template Versão 1.1 SUMÁRIO 1. Requisitos Básicos... 3 2. Atualizar a Versão do Java... 3 2.1 Adicionar Site à Lista de Exceções... 10 3. Baixar

Leia mais

Eletron-DS Pedido Eletrônico 1

Eletron-DS Pedido Eletrônico 1 1 2 Eletron-DS Julho / 2010 3 Índice Sistema... 4 Menu Digitar Pedido... 6 Menu Consultar Pedidos... 9 Menu Conexão Fornecedor... 10 4 Sistema Pré-requesitos: - Windows Vista ou Superior; - Acesso a Internet.

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS NA UTILIZAÇÃO DO NOVO COMPONENTE RESPONSÁVEL PELAS OPERAÇÕES DE ANEXAÇÃO NO SCDP

PRINCIPAIS DÚVIDAS NA UTILIZAÇÃO DO NOVO COMPONENTE RESPONSÁVEL PELAS OPERAÇÕES DE ANEXAÇÃO NO SCDP PRINCIPAIS DÚVIDAS NA UTILIZAÇÃO DO NOVO COMPONENTE RESPONSÁVEL PELAS OPERAÇÕES DE ANEXAÇÃO NO SCDP ÍNDICE 1. Por que foi desenvolvido um novo componente responsável pelas operações de anexação de arquivos

Leia mais

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes 1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes Janelas são estruturas do software que guardam todo o conteúdo exibido de um programa, cada vez que um aplicativo é solicitado à janela do sistema

Leia mais

ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA...

ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA... Instalação do Sistema Urano Integra em Sistema Operacional Windows 1 ÍNDICE 1.CONHECENDO OS APLICATIVOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA URANO INTEGRA.... 3 1.1 URANO INTEGRA... 3 1.2 JAVA RUNTIME

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Easytrade Admin Client

Easytrade Admin Client Easytrade Admin Client Manual de instalação e utilização Sumário 1.0 Instalação...3 1.1 Download e instalação do Java JRE...3 1.2 - Download e instalação do Easytrade Client...3 1.3 Criar atalho na area

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

COMO INSTALAR O CATÁLOGO

COMO INSTALAR O CATÁLOGO Este guia tem por finalidade detalhar as etapas de instalação do catálogo e assume que o arquivo de instalação já foi baixado de nosso site. Caso não tenho sido feita a etapa anterior favor consultar o

Leia mais

TISSNet Instalando e Configurando Schemas

TISSNet Instalando e Configurando Schemas Objetivos Gerais: Este documento tem por objetivo, instruir os credenciados da C. S. ASSISTANCE no processo de instalação e configuração do aplicativo TISSNet, facilitando desta forma o controle e envio

Leia mais

Manual de Instalação Seguros iseg

Manual de Instalação Seguros iseg Manual de Instalação Seguros iseg Sumário 1. Instalação para Notebooks e Desktop... 2 Pré-Requisito para instalação... 2 Obtendo o Download do arquivo de instalação do aplicativo Seguros iseg... 2 Versão

Leia mais

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP Apêndice A Manual do Usuário JSARP A.1. Introdução JSARP é um simulador e analisador de Redes de Petri. É um aplicativo que permite desenhar uma rede, fazer análises, verificar propriedades e simular sua

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C 2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C Este capítulo trata de colocar a linguagem C para funcionar em um ambiente de programação, concentrando-se no compilador GNU Compiler Collection (gcc). Mas qualquer outro

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

MA UAL DO USUÁRIO. RedesSociais

MA UAL DO USUÁRIO. RedesSociais MA UAL DO USUÁRIO RedesSociais 1 Instalação 1. Instalar JRE (Java Runtime Enviroment) ou JDK (Java Developer Kit). 2. Direcionar o banco de dados no JDBC do WINDOWS 2000/XP: a. Abrir Menu Iniciar / Painel

Leia mais

TUTORIAL DO EMBRAPEC

TUTORIAL DO EMBRAPEC TUTORIAL DO EMBRAPEC I Instalação 1 Instalale o Java (JRE) versão 5 a partir do site da Sun Microsystem http://java.sun.com/javase/downloads/index_jdk5.jsp. Selecione a opção Java Runtime Environment (JRE)

Leia mais

Manual de utilização do sistema Diagnose. Marcus Vinícius Benedito. 10 de maio de 2007

Manual de utilização do sistema Diagnose. Marcus Vinícius Benedito. 10 de maio de 2007 Manual de utilização do sistema Diagnose Marcus Vinícius Benedito 10 de maio de 2007 Prof. Dr. Jacques Wainer Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas 1 Sumário 1 Requisitos do sistema

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização

Manual de Instalação e Utilização Manual de Instalação e Utilização http://www.pdfsam.org Sumário Apresentação... 3 Ferramenta... 3 Finalidade... 3 Instalação... 4 Utilizando o PDFsam... 8 Dividir... 9 Mesclar/Extrair... 11 Rotacionar...

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ACESSO REMOTO NET FACTOR

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ACESSO REMOTO NET FACTOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ACESSO REMOTO NET FACTOR Ao acessar o link de Acesso Remoto disponibilizado pela Factoring aparecerá a tela de login do Sistema (Figura 1) onde deverão ser informados os códigos

Leia mais

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Índice Hyperlinks Descanse o mouse na frase, aperte sem largar o botão Ctrl do seu teclado e click com o botão esquerdo do mouse para confirmar. Introdução

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 2 O AMBIENTE WINDOWS

CURSO DE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 2 O AMBIENTE WINDOWS CURSO DE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 2 O AMBIENTE WINDOWS Relembrando... Gabinete Ligando o computador São três passos básicos O ambiente Windows O Windows é um tipo de software chamado sistema operacional

Leia mais

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3)

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Antes de iniciar o processo, você precisará um pen drive USB com uma capacidade de 2 GB ou maior. Em caso de dúvida ou dificuldade

Leia mais

Sistema de Bilhetagem Eletrônica

Sistema de Bilhetagem Eletrônica GUIA DE REFERÊNCIA SIB Sistema de Bilhetagem Eletrônica Projeto Sistema de Bilhetagem Eletrônica Documento MR (17/Maio/2011) Tabela 1 Histórico das alterações no documento Data Versão Autor Descrição 09/11/2010

Leia mais

Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014

Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014 Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014 Sumário Introdução... 3 1. Redirecionando e-mails novos... 4 2. Fazendo backup e encaminhando e-mails

Leia mais

Manual de Instalação. Utilização

Manual de Instalação. Utilização Manual de Instalação e Utilização http://www.pdfsam.org INSTALAÇÃO O PDFSam é um utilitário gratuito que possibilita dividir um arquivo existente PDF por tamanho, páginas pares ou ímpares, quantidade de

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64)

Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64) Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64) Manual do Usuário Índice O que é Token?... 03 Instalação do Token... 04 Verificação do Certificado... 07 Troca de Senhas... 10 O que é Token? É um dispositivo

Leia mais

Instalação e Configuração do Java (por Gilberto Irajá Müller)

Instalação e Configuração do Java (por Gilberto Irajá Müller) Instalação e Configuração do Java (por Gilberto Irajá Müller) Para o desenvolvimento em Java, é necessário fazer a instalação do Kit de desenvolvimento em Java (JDK), que é fornecido pela Sun Microsystem

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

Manual de utilização do Portal Usiminas configurações. Portal de Compras Usiminas

Manual de utilização do Portal Usiminas configurações. Portal de Compras Usiminas Manual de utilização do Portal Usiminas configurações Portal de Compras Usiminas Outubro/2010 Objetivo do Documento Disponibilizar informações ao fornecedor de forma a auxiliar na utilização do Portal

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SUPORTE DA PREFEITURA UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade do Sistema Índice Página 1. Como acessar o sistema 1.1 Requisitos mínimos e compatibilidade 03 2. Como configurar o Sistema 2.1 Painel de Controle 2.2 Informando o nome da Comissária 2.3 Escolhendo a Cor

Leia mais

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Pag.2 Backup (cópia de segurança) Após acessar a Intranet da Unimep, para abrir o Ambiente Virtual de Aprendizagem-Moodle, clique sobre seu link

Leia mais

Procedimento para correção de erro da ultima versão do Java

Procedimento para correção de erro da ultima versão do Java Procedimento para correção de erro da ultima versão do Java 1. O primeiro passo é desinstalar as versões antigas do Java do computador: Clique no botão ; Em seguida clique em ;

Leia mais

e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000

e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000 e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000 Autores: Luiz Fernando Martha (Professor de Análise de Estruturas) André Cahn Nunes (Aluno de Engenharia Civil, bolsista

Leia mais

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET.

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. Clique na guia SEGURANÇA, NÍVEL PERSONALIZADO. Ir até os ActiveX ( desenho

Leia mais

HCT Compatibilidade Manual do Usuário

HCT Compatibilidade Manual do Usuário HCT Compatibilidade Manual do Usuário Índice Introdução...3 HCT Compatibilidade...3 Librix...3 Execução do Programa...4 Seleção de Testes...4 Testes Manuais...6 Teste de Teclado...6 Teste de Vídeo...7

Leia mais

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br 1 - SOBRE O SGR Este manual irá lhe ajudar a entender o funcionamento do SGR (Sistema de Gerenciamento Remoto) permitindo assim que você possa atualizar

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR PARA ACESSAR O SISTEMA PJE-JT

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR PARA ACESSAR O SISTEMA PJE-JT PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR PARA ACESSAR O SISTEMA PJE-JT Sumário 1.Pré-requisitos...2

Leia mais

Guia de Atualização Passo a Passo do Windows 8.1

Guia de Atualização Passo a Passo do Windows 8.1 Guia de Atualização Passo a Passo do Windows 8.1 Instalação e atualização do Windows 8.1 Atualize o BIOS, aplicativos e drivers e execute o Windows Update Selecione o tipo de instalação Instale o Windows

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Certificação

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Certificação Manual do Usuário Certificação Manual do Usuário - Certificação Versão 1.0 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Certificação Versão 1.1 19 de maio de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento

Leia mais

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL ATENÇÃO! Para utilizar este tutorial não se esqueça: Onde estiver escrito seusite.com.br substitua pelo ENDEREÇO do seu site (domínio). Ex.: Se o endereço do seu site é casadecarnessilva.net

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Guia de Novas Funcionalidades Urano Integra 2.3 Data: 15/04/2015

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação LP: Laboratório de Programação Apontamento 4 Prof. ISVega Fevereiro de 2004 Ambiente BlueJ CONTEÚDO 4.1 BlueJ como Ferramenta

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Empari Sistemas www.empari.com.br

MANUAL DO USUÁRIO. Empari Sistemas www.empari.com.br MANUAL DO USUÁRIO Empari Sistemas www.empari.com.br Sumário Instalação... 2 Primeira Configuração... 5 Período de experimentação... 8 Configurar Busca de Licitações... 9 Tela de Configuração do LicitaPlus+...

Leia mais

SIPREV/Gestão de RPPS Implantação Manual de Instalação Versão 1.18

SIPREV/Gestão de RPPS Implantação Manual de Instalação Versão 1.18 Implantação Manual de Instalação Versão 1.18 1 de 44 - Manual de Instalação Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 19/05/09 1.0 Criação do documento Carlos Tabosa-UDCE 22/05/09 1.1 Revisão do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD ORIENTAÇÕES SOBRE USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (MOODLE) PARA DISPONIBILIZAÇÃO

Leia mais

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 A partir da versão 9.0 (BETA 3) do Software HCS 2010 é possível monitorar e gerenciar as biometrias

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO TOKEN

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO TOKEN GUIA DE UTILIZAÇÃO DO TOKEN Sumário Orientações Iniciais... 3 1. Conectando e Identificando o token... 4 2. Alterando a senha de utilização do token... 5 3. Importando a hierarquia de certificação para

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Manual de Instalação/Configuração:

Manual de Instalação/Configuração: 1/9 Manual de Instalação/Configuração: AIC AC OAB / TOKEN GD BURTI Tabela de Conteúdo 2/9 Objetivo... 3 Ambientes... 3 Pré-Requisitos... 3 Como instalar o AIC AC OAB e o Token GD Burti no seu computador...

Leia mais

Roteiro para o Envio de Documentos pela Internet

Roteiro para o Envio de Documentos pela Internet Diretoria de Tecnologia da Informação Roteiro para o Envio de Documentos pela Internet Portal e-contas Manaus, Março de 2013 Controle das Versões Data da Versão Versão 14/03/2013 1.0 Página 2 de 17 Conteúdo

Leia mais

Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64)

Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64) Página1 Token SafeNet Authentication Cliente 8.3 (x32 e x64) Manual do Usuário Página2 Índice O que é Token?... 03 Instalação do Token... 04 Verificação do Certificado... 07 Troca de Senhas...10 Página3

Leia mais

Configuração Java Nota Legal Porto Alegre

Configuração Java Nota Legal Porto Alegre Configuração Java Nota Legal Porto Alegre Manual do Usuário Sumário 1. Sobre... 03 2. Configuração do Java... 04 3. Configuração do Applet... 10 4. Geração da NFS-e... 13 Sobre A Prefeitura de Porto Alegre

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Introdução: Objetivo:

Introdução: Objetivo: Introdução: O Sistema Comprev via web será disponibilizado para os Regimes Próprios no dia 03 de dezembro de 2012 e será composto pelos Módulos Comprev RO, Comprev RI (Internet). Para o acesso a esses

Leia mais

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I.

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. MILI S.A. - D.T.I. Índice 1 ACESSANDO O PORTAL IPEDIDOS... 3 1.1 Login...5 1.2 Tela Principal, Mensagens e Atendimento On-line...6 2 CADASTRAR... 10 2.1 Pedido...10

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

Sistema de Recursos Humanos

Sistema de Recursos Humanos Sistema de Recursos Humanos Projeto 1 O objetivo desse sistema é gerenciar a admissão e a demissão de funcionários. Esse funcionário pode ou não ter dependentes. Esse funcionário está alocado em um departamento

Leia mais

Problemas com o Carregando assinador e Falhas ao assinar documentos no PJe-JT: roteiro para solução

Problemas com o Carregando assinador e Falhas ao assinar documentos no PJe-JT: roteiro para solução Problemas com o Carregando assinador e Falhas ao assinar documentos no PJe-JT: roteiro para solução Passo 1: Versão mínima - Mozila Firefox 26 e Java 1.7.0_51. Caso o escritório utilize outros sistemas

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP 1. Quem pode obter o acesso ao SEI-MP? O SEI-MP está disponível apenas para usuários e colaboradores internos do MP. Usuários externos não estão autorizados

Leia mais

Sistema IBR Igreja Batista da Redenção

Sistema IBR Igreja Batista da Redenção Manual de Instalação Data: 28 de setembro de 2013 Proprietários do Documento: Angelita Melo, Bruna Felício, Caio Soares, Drielly Garcia, Tamiris Rosa e Claudio Souza Índice 1 OBJETIVO... 3 2 CD DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO DIRETORIA DE INCLUSÃO DIGITAL DIRETORIA DE GOVERNO ELETRÔNICO APOSTILA LINUX EDUCACIONAL (Conteúdo fornecido pelo Ministério da Educação e pela Pró-Reitoria de Extensão da UNEB)

Leia mais

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo Manual Documentação de Arquivos Tela Classificação de Arquivo Objetivo e orientações iniciais Registro das classificações dos arquivos: título e unidade organizacional responsável. Menu: Documentação Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL DE USUÁRIO DO SISTEMA ANTISPAM 1. O que é? É um relatório resumido enviado diariamente para cada conta de e-mail, com a lista

Leia mais

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Ministério da Saúde Secretária Executiva Departamento de Informática do SUS SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Manual de Operação Versão 1.0 M 01 Rio de Janeiro 2006 GARANTIAS

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais