MODELO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO"

Transcrição

1 MODELO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Tiago Pascoal Filomena Brasil, UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Francisco José Kliemann Neto, Dr. Brasil, UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul PALAVRAS CHAVE: Custos, Desenvolvimento de Produto, Custeio por Características, Custeio em Projeto. TEMA: Gestão de Custos no Desenvolvimento do Produto. TEMA DO CONGRESSO NO QUAL O ARTIGO PODE SE INSERIR: Aplicaciones de los Sistemas de Costos en relación con la competitividad y productividad. RECURSOS AUDIOVISUAIS: Computador, Projetor para apresentação do PowerPoint. 1

2 MODELO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO PALAVRAS CHAVE: Custos, Desenvolvimento de Produto, Custeio por Características, Custeio em Projeto. TEMA: Gestão de Custos no Desenvolvimento do Produto. RESUMO Atualmente, o desenvolvimento de produto (DP) se tornou uma vasta área do conhecimento, no entanto o tema de gestão de custos no desenvolvimento do produto ainda é pouco explorado. Os métodos relativos à análise de investimento (Payback, Taxa Interna de Retorno, entre outros) são muito citados nos modelos de fases de desenvolvimento de produtos. Porém, para que essas metodologias possam ser utilizadas, é necessário que se tenha informações sobre os custos do produto em desenvolvimento. E é nesse ponto que se percebe uma deficiência, a qual pode ser suprida por metodologias referentes a sistemas de custeio. Este trabalho tem como objetivo principal propor um modelo de gestão de custos que se aplique ao desenvolvimento de produtos, de modo a permitir a predição e o cálculo do custo de obtenção de novos produtos. Como objetivos secundários pretende-se discutir temas como custeio em projetos e custeio por características. Uma das conclusões do trabalho é que para uma adequada a gestão de custos no desenvolvimento do produto é preciso que se faça sua separação em duas partes: (1) gestão pelo custo-alvo e (2) cálculo do custo relacionado ao DP, este último dividido em: (2.1) custeio do projeto e (2.2) custeio da introdução do produto na estrutura da empresa. 2

3 1. INTRODUÇÃO Foi grande a evolução no meio corporativo durante o último século. Pode-se pensar que, no início do século XX, Taylor começava a desenvolver e implantar os princípios da Administração Científica e que, hoje, 100 anos depois, já se tenha passado por importantes transformações como o Sistema Japonês de Produção e a Reengenharia. O momento atual é caracterizado por uma acirrada competição entre as corporações: a produção passou a ser mais customizada, os clientes mais exigentes, os preços a serem definidos pelo mercado, e, não mais, pelas empresas. Na organização da produção, a imposição do mercado por produtos com menores ciclos de vida, com maior qualidade e menor preço fizeram com que o desenvolvimento de produto (DP) se tornasse um fator crucial na competitividade industrial (Clark e Fujimoto, 1991). A engenharia simultânea, o design for manufacturing, o projeto auxiliado por computador, o QFD (Desdobramento da Função da Qualidade) foram algumas das técnicas introduzidas para melhoria da gestão do desenvolvimento de produto. Logo, o desenvolvimento de produto acabou se tornando uma vasta área do conhecimento que fez com que métodos de estruturação do processo de desenvolvimento de produtos (PDP), abrangendo desde atividades de identificação de oportunidade de mercado até atividades relacionadas ao lançamento do produto, desenvolvessem-se. Vários são os autores que discutem o tema relativo ao processo de desenvolvimento do produto: Andreasen e Hein (1987), Cooper (1990), Pahl e Beitz (1996), Prasad (1997), Kotler (2000), Dickson (1997), Crawford e Benedetto (2000). No que diz respeito à gestão econômica no desenvolvimento de produtos, percebe-se que os autores, mencionados no parágrafo anterior, citam muito dos métodos relativos à análise de investimento (Payback, Taxa Interna de Retorno, entre outros). Porém, para que essas metodologias possam ser utilizadas, é necessário que se tenha informações sobre os custos do produto em desenvolvimento. E é nesse ponto que se percebe uma deficiência, a qual pode ser suprida por metodologias referentes a sistemas de custeio. Os sistemas de custos, também, evoluíram com o passar dos tempos, deixando de serem meras ferramentas para análise de estoques e apoio às demonstrações financeiras, e passando a desempenhar importante papel de auxílio ao controle e à tomada de decisões (Martins, 2001; Bornia, 2001). Partindo da análise dos sistemas de custeio modernos, este trabalho tem como objetivo principal propor um modelo de gestão de custos que se aplique ao desenvolvimento de produtos, de modo a permitir a predição e o cálculo do custo de obtenção de novos produtos. Como objetivos secundários pretende-se discutir temas como custeio em projetos e custeio por características. Assim, inicialmente, estruturar-se-á a problemática da gestão de custos no desenvolvimento de produtos, em seguida, apresentar-se-á a revisão bibliográfica na qual o modelo foi fundamentado. Com isso, far-se-á a proposição do modelo para gestão de custos no o desenvolvimento do produto. 2. PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DE CUSTOS NO DP A inovação se tornou vida ou morte para a maioria das empresas, já que os produtos têm se tornando obsoletos rapidamente. Logo, nas últimas décadas, o desenvolvimento de novos produtos vem se transformando: antigamente, ele era visto como propriedade do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), sendo o mercado um mero receptador das inspirações do pessoal da engenharia. Hoje, o desenvolvimento de novos produtos se tornou multifuncional: pessoas de todas as áreas da empresa estão envolvidas no processo. O PDP é um guia genérico para operacionalização do desenvolvimento de novos produtos, sendo essencial para o sucesso, ou não, destes. Este processo é relativamente complexo, já que engloba desde a identificação da oportunidade de mercado até o lançamento do produto. Neste trabalho será utilizado um modelo genérico de fases proposto por Echeveste (2002), o qual foi baseado em pesquisas de campo em empresas da região sul do Brasil e em modelos teóricos como os de Andreasen e Hein (1987), 3

4 Cooper (1990), Pahl e Beitz (1996), Prasad (1997), Kotler (2000), Dickson (1997), Crawford e Benetto (2000). O modelo de fases de Echeveste (2002) pode ser visualizado na Figura 1, este está dividido em 5 fases distintas. A Fase 0 compreende desde a verificação de uma necessidade do mercado até a geração e triagem de idéias para suprimento desta. Na Fase 1 parte-se para o desenvolvimento do conceito, no qual serão especificados os princípios do projeto do produto. A Fase 2 constitui-se do projeto preliminar, projeto detalhado e do desenvolvimento do protótipo do produto, nesta fase ficam estabelecidos os detalhes técnicos do produto. A Fase 3 e a Fase 4 estão relacionadas com a fabricação do produto, sendo na primeira feito o planejamento da produção e na segunda o seu desenvolvimento. A fase final (Fase 5) trata da questão do lançamento e do pósvenda do produto. FASE 0 Avaliação Preliminar do Mercado FASE 1 FASE 2 Desenvolvimento do Projeto do Produto FASE 3 Desenvolvimento do Conceito Projeto Preliminar Projeto Detalhado Protótipo FASE 4 FASE 5 Planejamento da Produção Desenvolvimento da Produção Lançamento do Produto FASES DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO FIGURA 1: Fases do PDP (Echeveste, 2002). Não é o foco deste artigo aprofundar a discussão sobre as fases do desenvolvimento do produto, no entanto esta breve introdução se mostra necessária para o melhor entendimento do problema relacionado à gestão de custos no DP. Tanto o modelo de Echeveste (2002) como os de Andreasen e Hein (1987), Cooper (1990), Pahl e Beitz (1996), Prasad (1997), Kotler (2000), Dickson (1997), Crawford e Benedetto (2000) mencionam a gestão econômica como um fator importante durante o desenvolvimento do produto. Os métodos de gestão econômica, citados pelos autores, dizem respeito às técnicas de análise de investimento. Isto é explicável na medida em que o processo de desenvolvimento de produto pode ser tratado como um projeto, e nesses, historicamente, são feitas aplicações destes métodos (Gardiner e Stwart, 2000; Pinder e Marucheck, 1996; Anderson et al., 2000). Segundo Iglesias (1999), os métodos de análise de investimento apresentam características eficazes no que tange os aspectos econômicos. No entanto, a validade das informações fornecidas por esses métodos depende dos dados incluídos na avaliação. Iglesias (1999) comprova que as informações, geradas pelo sistema de custeio, fornecem dados cruciais para uma análise de investimento adequada. Portanto, informações adequadas de custos são essenciais para que os métodos de análise de 4

5 investimentos sejam eficazes. Logo, informações ruins, relativas aos custos dos produtos, levam a previsões econômicas ruins. Os métodos de PDP, já citados, fazem pouca menção à gestão de custos, apesar da importância desta para a gestão econômica. Logo, percebe-se a necessidade da construção de um método de gestão de custos que se adapte ao desenvolvimento do produto. Entretanto, um estudo de custos no desenvolvimento de produto não se justifica somente para melhoria das informações para gestão econômica. Outro qualificador para o tema é o fato de que a maior parte dos custos dos produtos é determinada na fase de desenvolvimento, com isso, no momento em que se inicia a fabricação, as oportunidades para redução de custos tornam-se escassas (Pahl e Beitz, 1996; Andreasen e Hein, 1987; Horngren et al., 2000). Para proposição de um modelo de gestão de custos para o desenvolvimento fez-se uma revisão bibliográfica sobre parte da literatura relativa a este tema, objetivando que as melhores práticas fizessem parte do modelo. 3. REVISÃO GESTÃO DE CUSTOS A revisão de custos iniciou com o custo-alvo que neste trabalho também contemplou a formação do preço e a engenharia de valor (análise de valor). Percebeu-se que o custoalvo é tratado na literatura como um método de gestão de custos para o DP, no entanto este peca por não ter uma estruturação para o cálculo do custo do produto, ficando mais próximo de uma filosofia para redução de custos. Revisou-se também o tema relativo a sistemas de custeio, que, conforme proposto por Bornia (2001), foi divido em princípios e métodos. O primeiro ataca a problemática da variabilidade de custos (fixos e variáveis) e o segundo discute a dificuldade de alocação de custos (diretos e indiretos). Os princípios foram classificados por absorção total, absorção parcial e variável. Já os métodos de custeio pesquisados foram custo-padrão, centro de custos, UEP (Unidade de Esforço de Produção), ABC (Custeio Baseado em Atividades) e o Custeio por Características (Feature Costing). Os quatro primeiros métodos de custeio já são bem conhecidos, no entanto o custeio por características ainda é pouco explorado na literatura. Percebeu-se, durante a revisão, a importância da gestão de custos em projetos, já que o desenvolvimento de produto pode ser tratado como um projeto que está consumindo os recursos da empresa. Com isso, buscou-se literatura relativa ao assunto, sendo o livro do PMBOK (Project Management Book) adotado pela maioria das pesquisas relativas ao tema. Alguns estudos como os de Tornberg et al. (2002), de Ben-Arieh e Qian (2003), de Ou- Yang e Lin (1997) e de Leibl et al. (1999) já começam a dissertar sobre métodos para predição de custos dos produtos durante a fase de desenvolvimento. O dois primeiros baseiam-se no uso do ABC e os outros em características relacionadas ao processo produtivo. A Tabela 1 apresenta a literatura utilizadada para formulação do modelo de gestão de custos para o desenvolvimento do produto, esta literatura é apresentada para facilitação de futuras pesquisas relativas ao assunto. A partir da revisão percebeu-se algumas características que um método para gestão de custos durante o desenvolvimento do produto deveria apresentar. Primeiramente, é necessário um método de gestão para o desdobramento do custo total do produto em partes (características) e para o controle de custos destas diferentes partes. Em segundo lugar, um método que custeie tanto o projeto do produto, quanto o impacto que ele causará na estrutura no momento em que o projeto for colocado em prática. A seguir, será apresentado um modelo de gestão de custos para o desenvolvimento do produto. 5

6 Tabela 1: Literatura utilizada para formulação do modelo de gestão de custos para DP. Tema Custo-Alvo, Formação do Preço e Engenharia de Valor Sistemas de Custeio Gerenciamento de custos em projetos Literatura Pesquisada Baxter (1998); Churchill e Peter (2000); Cooper e Chew (1996); Cooper e Slagmulder (1999); Creese (2000); Creese (2000); Csillag (1995); Everaert e Bruggemen (2002);Gagne e Discenza (1995); Hamilton (2002); Horngren et al.(2000); Kotler (2000); McDuff (2001); McNair, Poutnik e Silvi (2001); Monden (1999); Omar (1997); Yoshikawa et al (1995). Antunes Jr. (1988); Berts e Koch (1995); Bornia (1988); Bornia (2001); Brimson (1996); Brimson (1998).; Cooper e Kaplan (1988); Goebel et al. (1998); Kaplan (1988); Kaplan (1991); Kliemann (2002); Kliemann e Antunes Jr. (1988); Kraemer (1995); Lea e Fredendall (2002); Leone (1997); Lere, (2001); Martins (2001); Motta (2000); Muller (1996) ; Nakagawa (1994); Perez Jr et al., (1999); Player et al. (1997); Raz e Elnathan; Shank e Govindarajan (1997); Stevenson et al. (1993). Kerzner (2002); Kinsella (2002); Macarrone (1998); Maximiano (1997); Menezes (2001); PMBOK (2000); Ray (1995); Raz e Elnathan (1998); Valeriano (1998); Valeriano (2001); Woiler e Mathias (1996). Custos no desenvolvimento de produtos Ben-Arieh e Qian (2003); Leibl et al. (1999); Ou-Yang e Lin (1997); Tornberg et al. (2002). 4. MODELO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO Percebe-se que para seja adequada a gestão de custos no desenvolvimento do produto é preciso que se faça sua separação em duas partes, conforme Figura 2: (1) gestão pelo custo-alvo e (2) cálculo do custo relacionado ao DP, este dividido em: (2.1) custeio do projeto e (2.2) custeio da introdução do produto na estrutura da empresa. Esta discussão em duas partes é necessária, na medida em que o custo total do produto deve levar em conta a amortização do custo do projeto para o seu desenvolvimento, os custos de transformação e de matéria-prima incorridos para sua fabricação e um método que gerencie os custos durante o seu desenvolvimento (custo-alvo). A particularidade do desenvolvimento de produtos faz com que, num mesmo momento, esteja se fazendo o cálculo e predição dos custos tanto do projeto, quanto dos custos de fabricação e de matéria-prima, relacionados ao produto, sendo a gestão desses dois índices de custos simultânea. A gestão de custos contempla o controle de custos do projeto e do impacto na estrutura para que os mesmos não excedam as metas estipuladas. A gestão dos custos durante o DP é relacionada na literatura ao custo-alvo, sendo este método, também, adotado neste trabalho. No entanto, para um eficiente controle de custos são necessários métodos que predigam e calculem os custos do projeto e de introdução, além do simples controle de custos proposto pelo custo-alvo. A predição e o cálculo de custos do projeto é essencial para que se inicie o desenvolvimento do produto, já que, dependendo do produto, um gasto elevado com desenvolvimento pode inviabilizar sua produção. Já a predição e o 6

7 cálculo dos custos do impacto do produto na estrutura da empresa mostra sua importância na medida em que os custos de produção e matéria-prima estão intimamente relacionados ao preço do produto, sendo este definido nas fases iniciais do desenvolvimento do produto. O modelo que será apresentado, neste trabalho, pretende fornecer subsídios para que seja feita (enumerado conforme as seções do artigo) a (4.1) gestão dos custos durante o PDP através do custo-alvo e (4.2) a predição e o cálculo do custo relacionado ao DP, este dividido em (4.2.1) custos do projeto do produto e (4.2.2) custos que o produto incorrerá à estrutura da empresa. Com a separação desses dois tópicos far-se-á a proposição do modelo. Gestão pelo Custo-Alvo Custeio do Projeto Custeio Relacionado ao Desenvolvimento do Produto Custeio do Introdução do Produto na Estrutura Figura 2: Gestão de custos para o desenvolvimento do produto GESTÃO PELO CUSTO-ALVO A gestão pelo custo-alvo será tratada como método de gerenciamento de custos durante o desenvolvimento do produto, não tendo, assim, a mesma amplitude descrita na literatura. O custo-alvo será utilizado apenas para o cumprimento das metas de custo de projeto e de introdução do produto na estrutura, determinados no início do desenvolvimento do produto, utilizando como apoio a ferramenta de engenharia de valor. O modelo de gestão pelo custo-alvo se inicia na fase de pré-desenvolvimento, na qual se deve verificar o preço de mercado do produto que se está propondo desenvolver, e esse, quando relacionado com a margem de lucro desejada, resulta no custo-alvo do produto a ser desenvolvido, conforme Equação 1. A determinação do custo-alvo na fase de pré-desenvolvimento será o marco inicial para o desenvolvimento do produto, já que esta meta de custo deverá ser cumprida durante o desenvolvimento do produto. Custo-Alvo = Preço Margem (Equação 1) Após a determinação do custo-alvo do produto deve-se desdobrar este em partes do produto. No que tange a questão dos custos do produto, Silva et al. (2001) propõe um modelo para desdobramento do custo do produto com base nas suas funções. Neste 7

8 trabalho, as funções serão tratadas como características, para que seja facilitada a estimação dos custos do produto. A proposição deste trabalho é que, durante as fases do PDP, o custo do produto seja desdobrado em características, já que o projeto do produto é feito com base nestas. Logo, para que seja feita a estimação do custo do produto, é proposto um método de custeio no qual o objeto deixa de ser o produto e passa a ser as características, ou seja, custeio baseado em características, conforme seção Com o custo-alvo determinado, inicia-se o desenvolvimento do produto. A gestão pelo custo-alvo está diretamente relacionada com o modelo de avaliação utilizado no desenvolvimento do produto, sendo que o deste trabalho é o baseado nos gates 1. No final de cada fase do PDP existe um gate, no qual é feita uma avaliação de custos, sendo esta relacionada ao custo do projeto e ao de introdução do produto na estrutura. Na avaliação, quando a estimação dos custos não estiver de acordo com as metas previamente definidas, deve-se realizar uma análise de valor até que o custo do produto e do projeto estejam em harmonia com as metas. Na medida em que avança o PDP, maior será o detalhamento das informações relativas ao produto, logo, mais precisas serão as estimativas de custo das características. No final do desenvolvimento, deve-se verificar os custos previstos versus os realizados para avaliação de desempenho do desenvolvimento do produto. A Figura 3 mostra a gestão de custos, correlacionando-a com o PDP e com as estimativas de custos do produto. Verifica-se, na Figura 3, que, inicialmente (pré-desenvolvimento), deve-se determinar o custo-alvo do produto, o qual deve-se dividir em características, termo melhor definido na seção Com isso, durante o desenvolvimento se faz o controle dos custos do DP com base na alimentação feita pelo custeio do projeto e pelo custeio da introdução do produto na estrutura. O custo-alvo será a filosofia de controle de custos, e utilizará a engenharia de valor como ferramenta para redução de custos CÁLCULO DO CUSTO RELACIONADO AO DP Como já foi mencionado anteriormente no desenvolvimento de produtos, faz-se, simultaneamente, a predição e cálculo dos custos do projeto dos custos de fabricação e matéria-prima, relacionados ao produto. Logo, as duas próximas seções serão o custeio do projeto e o custeio da introdução do produto na estrutura CUSTEIO DO PROJETO O custo de um produto está diretamente relacionado com o custo das atividades relacionadas com o seu desenvolvimento. Logo, o custeio do processo de desenvolvimento do produto é de extrema importância, já que este pode inviabilizar a produção do produto. O custo do projeto deve ser amortizado no produto durante o seu ciclo de vida, e, para que isto seja possível, é necessário um método de custeio que apure os custos de cada projeto separadamente. A apuração individual deste custo mostra sua importância em função que não se deve incorrer no erro de ratear o custo do processo de desenvolvimento do produto entre os demais produtos da empresa. Conforme verificado na revisão bibliográfica, a literatura mais estruturada no que diz respeito a custeio em projetos é a que consta no PMBOK (2000). A classificação de fases feita pelo PMBOK (2000) - Planejamento de Recursos, Estimativa de Custos, Orçamento de Custos, Controle de Custos apesar de ser estruturada, é confusa no que diz respeito ao cálculo dos custos no projeto. Isto porque planejar os recursos, estimar os custos e orçar os custos não parece a ordem mais lógica para o cálculo dos custos do projeto. Imagina-se que, para se planejar os recursos é necessário, antes, verificar quais atividades estarão envolvidas no projeto e, a partir disto, planejar os recursos que estarão envolvidos nas atividades, conforme Figura 4. 1 Ver COOPER, R. G. Winning at new products. EUA: Ed. Perseus Books, 2 Ed., 1993, 350 p. 8

9 Custo-Alvo = Preço - Margem Verificação do Previsto versus o Realizado Pré-desenvolvimento Desenvolvimento Pós-desenvolvimento Análise de Valor Gestão pelo Custo-Alvo para o Cumprimento das Metas Estimativa de Custos Custeio do Projeto Custeio da Introdução do Produto na Estrutura Figura 3: Gestão pelo Custo-Alvo no Desenvolvimento do Produto A divisão das etapas, iniciando com o mapeamento das atividades, passando pela verificação dos recursos demandados e consequente estimativa de custos, aproxima-se muito das etapas propostas no método do custeio baseado em atividades (ABC) Mapeamento das Atividades seguido da Estimativa de Custos. Logo, a utilização do ABC parece adequada para o cálculo de custos de projetos. O uso do ABC em projetos, proposto aqui, só reforça os artigos como o de Kinsella (2002), o qual propõe a introdução do ABC no PMBOK, o de Raz e Elnathan (1998), o qual aplica o ABC no gerenciamento de um projeto, e os de Macarrone (1998) e Ray (1995), os quais aplicam o conceito do ABM no processo de desenvolvimento de produto. Para aplicação do ABC nas atividades do processo de desenvolvimento de produtos serão utilizadas as seguintes etapas: 1. Mapeamento das atividades; 2. Alocação dos custos das atividades; 3. Cálculo dos custos dos objetos de custeio. O nível de detalhamento das atividades dependerá das características do produto e da empresa. No entanto, propõe-se que sejam mapeadas e custeadas as atividades do processo de desenvolvimento de produto propostas na Figura 1: avaliação preliminar de mercado, desenvolvimento do conceito, projeto preliminar, projeto detalhado, protótipo, planejamento da produção, desenvolvimento da produção, lançamento do produto. Isto não impede que empresas que possuam outra configuração de processo de 9

10 desenvolvimento e, também, apliquem o custeio baseado em atividades, para apuração dos custos do PDP. O detalhamento das atividades dependerá da sua importância para o desenvolvimento do produto, por exemplo, o desenvolvimento do protótipo pode ser muito mais representativo na indústria automobilística do que na de brinquedos. Logo, com base nas características das indústrias, algumas fases terão um maior detalhamento para um melhor entendimento de seu custo. A gestão de custos será efetuada com base na taxa que determinado produto vai consumir as atividades relativas ao seu desenvolvimento. Por exemplo, o desenvolvimento do conceito é composto de diversas tarefas que formam o custo da atividade, logo, deve-se determinar quais tarefas e em que quantidade serão consumidas pelo projeto do novo produto. Quanto ao controle de custos no projeto, o método do valor do trabalho realizado (earned value), proposto no PMBOK (2000), parece bem adequado, sendo que o cálculo do custo orçado do trabalho programado (COTP), do custo real (CR) e do valor do trabalho realizado (VTR) terão como base o custeio baseado em atividades. PMBOK (2000) Proposta do Modelo Planejamento de Recursos Mapear Atividades Estimativa de Custos Verificar os Recursos Necessários Orçamento de Custos (Alocação nas Atividades) Estimativa de Custos Figura 4: Gestão de Custos para o Gerenciamento de projetos CUSTEIO DA INTRODUÇÃO DO PRODUTO NA ESTRUTURA O custo da introdução do produto na estrutura da empresa é questão crítica para avaliação de economicidade, durante o processo de desenvolvimento. No momento em que se está desenvolvendo o produto, é necessário prever o impacto que o produto causará na estrutura, podendo este estar diretamente ou indiretamente relacionado à fabricação. Para uma eficiente predição de custos de introdução na estrutura, é preciso uma base de dados adequada às necessidades da equipe de desenvolvimento do produto. Essa base passa pela necessidade de um maior detalhamento do produto e de um sistema de custeio, que propicie informações mais detalhadas sobre os custos do produto. 10

11 A forma como Brimson (1998) desdobra o objeto de custeio, através de características, parece ser o mais conveniente para o projeto do produto, já que, no seu desenvolvimento, o produto é desdobrado, e o projeto acaba tendo como base as características do produto. Não se pretende, neste trabalho, um desdobramento excessivo das partes do produto, já que o custo de manutenção de um sistema de custeio, deste porte, pode extrapolar os ganhos proporcionados. Uma das alterações propostas no modelo diz respeito a como será feita a alocação de custos aos produtos. O método de Brimson é um desdobramento apenas do ABC, enquanto o método proposto neste modelo se apóia no trabalho de Kraemer (1995), o qual comprova a necessidade do uso de mais de um método de custeio para alocação dos custos em empresas modernas, conforme Figura 5. Kraemer, além de se apoiar no método ABC para os custos de apoio, também utiliza o método das UEP s para a área industrial. Logo, o método apresentado neste trabalho utilizará o desdobramento do produto em características, conforme proposto por Brimson (1998). No entanto, a alocação de custos às características dos produtos em relação aos itens de custos a serem avaliados, utilizará o trabalho de Kraemer (1995). Na próxima seção será feito o detalhamento do custeio por características utilizado neste modelo. Matéria-Prima Despesas de Estrutura Custos de Transformação Itens de custo Custo de trans. de apoio à produção Custo de trans. propriamente dito Custeio por Absorção Custo-Padrão ABC UEP Métodos Custos Perdas Resultados Figura 5: Combinação de métodos de custeio (Kraemer, 1995) MODELO DE CUSTEIO POR CARACTERÍSTICAS A opção por um custeio baseado em características se explica, pois, no momento do desenvolvimento do produto, este deve ser tratado como um somatório de características que o comporão. Logo, a predição do custo do produto passa por uma estimação do custo de suas características. Alguns estudos como os de Tornberg et al. (2002), Ben-Arieh e Qian (2003), Ou-Yang e Lin (1997) e Leibl et al. (1999) explicitam a necessidade do desdobramento do objeto de custeio em características. Tornberg et al. (2002) verifica, em sua pesquisa, a necessidade de um custeio baseado em características, para que designers e engenheiros possam verificar quanto a mudança de um parâmetro no momento do projeto afeta no custo do produto. 11

12 Segundo Brimson (2001), o processo de desenvolvimento do produto começa com a definição do custo-alvo, e, a partir deste, determinam-se as características do produto ou serviço de modo que atendam às necessidades dos clientes. Esta é mais uma justificativa para o desdobramento do objeto de custeio em características, pois, no momento do desenvolvimento, o projeto é fundamentado em características do produto. Em busca de um método estruturado, que se fundamente em características, encontrou-se o estudo de Brimson (1998). O custeio por características, apresentado por Brimson (1998), é um detalhamento do método ABC, já que o custo do produto no ABC é determinado a partir do objeto de custeio produto, e, no outro, o custo do produto é determinado pelas suas características, esse detalhamento pode ser observado na Figura 6. Imagina-se que o custeio por características não se limita ao uso do ABC, e, neste trabalho, será utilizado com mais dois métodos de custeio. Brimson (2000) demonstra, segundo Figura 6, que nem todos os custos podem ser rastreados até as características. Por exemplo, alguns custos provêm de serviços compartilhados, os quais são alocados diretamente aos produtos. Este exemplo também se aplica a alguns processos que indiretamente estão relacionados à fabricação. Verificase, além disso, que alguns custos não são rastreáveis e devem usar alguma base de rateio para sua distribuição direta aos produtos. Custeio por Características Material Direto Mão de obra Direta Outros Rastreáveis Despesas Gerais Atividade Não Rastreáveis Processos de Negócio Características Serviços Compartilhados Custo do Produto Figura 6: Custeio por características segundo Brimson (2000). Quando se analisa o custeio por características não se está discutindo um novo método de custeio, mas, sim, uma nova forma de alocação de custos aos produtos, a partir de um novo objeto de custeio. Já que o cliente além de adquirir um produto, adquiri características associadas a esses. E essas características podem variar mesmo dentro de uma mesma categoria de produtos. Segundo Brimson (2000), o custo do produto é uma função: Das características do produto; Do grau de dificuldade em produzir as características; Do nível do serviço prestado por fornecedores internos; Do resultado da variação do processo. A discussão relacionada ao custeio por características, deste trabalho, será baseada em três métodos de custeio: o ABC para custos indiretos de transformação e despesas 12

13 de estrutura, a UEP para custos diretos de transformação e o custo padrão para o cálculo do custo de matéria-prima, conforme Kraemer (1995) PRÉ-REQUISITOS PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO Este trabalho utilizará três métodos de custeio para que posteriormente se aloque os custos às características: custo-padrão, unidade de esforços de produção e custeio baseado em atividades. Logo, é necessário que a organização tenha implantado os três métodos para operacionalização do custeio por características. Antes, é necessário definir como serão classificados os custos neste trabalho: Custo Relativo à Matéria-Prima: custos relacionados ao consumo de matéria-prima. Custo de Transformação: são todos os custos produtivos do produto. Custo de transformação propriamente dito: custos produtivos que agregam valor ao produto. Custo de Transformação de Apoio à Produção: são os custos de transformação que não agregam valor diretamente aos produtos. Despesa de Estrutura: são os custos administrativos relacionados à produção do produto. A seguir, são definidos os pré-requisitos para implantação do custeio por características. PRÉ-REQUISITOS 1 Determinação dos Custos de Matéria-Prima O método do custo-padrão será utilizado para o cálculo do custo de matéria-prima do produto. O cálculo do custo de matéria-prima é, relativamente, simples. Deve-se estabelecer o quanto o objeto de custeio consome de matéria-prima, sendo incluído neste consumo também as perdas destas relacionadas ao processo. Com a determinação do consumo unitário de matéria-prima por objeto de custeio, com uma simples multiplicação, pela quantidade fabricada do objeto de custeio, obtém-se a quantidade total consumida de matéria-prima. Os custos de matéria-prima, entre os custos que serão discutidos neste trabalho, talvez, sejam os que são mais bem trabalhados no momento do desenvolvimento. Isso devido à simplicidade do seu cálculo. PRÉ-REQUISITOS 2 Determinação dos Custos de Transformação (Exceto os de Apoio à Produção) A unidade de esforços de produção será utilizada para o cálculo dos custos de transformação do objeto de custeio. Os passos, para implantação do método, serão descritos a seguir: 1. Divisão da Fábrica em Postos Operativos; 2. Cálculo dos Foto-Índices dos Postos Operativos (FIPO); 3. Determinação do Produto-Base e Cálculo do seu Foto-Custo; 4. Cálculo dos Potenciais Produtivos dos Postos Operativos; 5. Cálculo dos Valores dos Objetos de Custeio em UEP s. A UEP propiciará verificar o impacto de introdução do produto, a partir de suas características, no processo produtivo da empresa. Com uso da UEP, pretende-se prever os custos relacionados ao processo de chão-de-fábrica, no qual as características do produto estarão inseridas. PRÉ-REQUISITOS 3 Determinação dos Custos de Transformação de Apoio à Produção e Despesas de Estrutura Para os custos de transformação de apoio à produção e para as despesas de estrutura será utilizado o custeio baseado em atividades. Para a implantação do método serão utilizadas as seguintes etapas: 1. Mapeamento das Atividades; 13

14 2. Alocação dos Custos às Atividades; 3. Cálculo dos Custos dos Objetos de Custeio. Com o ABC, pretende-se verificar as conseqüências da introdução do novo produto nas áreas indiretamente envolvidas com a produção. Esta é uma abordagem nova para o desenvolvimento de produtos, e mostra sua importância, na medida em que os custos indiretos de fabricação têm se mostrado cada vez mais significativos, e, mesmo assim, são desconsiderados durante o desenvolvimento do produto. O presente estudo não pretende detalhar a implantação do método do custo-padrão, do ABC e da UEP, no entanto faz menção às suas etapas de implantação para fins didáticos ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO Procurar-se-á levantar a arquitetura das informações necessárias, para que seja possível a utilização do custeio por características tendo como base esses três métodos de custeio já propostos (ABC, UEP e Custo-Padrão). ETAPA 1 Determinação das Características dos Produtos A definição das características torna-se importante, pois, para o desenvolvimento do produto, o relacionamento direto do produto ao consumo das atividades não é suficiente. Assim, é necessário dividir o produto em partes, e esse desdobramento é feito a partir de suas características. As características podem ser traduzidas como os componentes dos produtos. Por exemplo, na bicicleta a roda é uma característica. As características devem ser desdobradas em categorias e em sub-categorias, conforme Figura 7, e esse desdobramento acorre até o ponto em que um novo desdobramento da categoria ou subcategoria não cause mais variação no processo. Na bicicleta, o tipo de metal e o tamanho da roda são categorias da característica, enquanto aro tamanho 16 ou tamanho 20 são sub-categorias da categoria tamanho da roda. A determinação das características do produto é um ponto crítico no método proposto, pois o seu adequado desdobramento, será a informação base para a predição dos custos do produto no momento do seu desenvolvimento. PRODUTO 1 CARACTERÍSTICA X... CATEGORIA A... CATEGORIA B SUB-CATEGORIA A SUB-CATEGORIA A2 SUB-CATEGORIA B1 SUB-CATEGORIA B2 PRODUTO 2 CARACTERÍSTICA Y CATEGORIA A... CATEGORIA B SUB-CATEGORIA A SUB-CATEGORIA A2 SUB-CATEGORIA B1 SUB-CATEGORIA B2 Figura 7: Divisão dos produtos e suas características. 14

15 ETAPA 2 Relacionar as Características aos Métodos de Custeio Primeiramente, deve-se verificar o desdobramento feito na etapa 1, e, a partir deste, fazer a correlação com os métodos de custeio. Ou seja, os objetos de custeio relacionados com os métodos serão as características, desdobradas em categorias ou sub-categorias. Nesta etapa, deve-se criar padrões de relacionamento das características com os métodos de custeio. Esses padrões não são padrões monetários, mas, sim, de consumo. Isso faz com que uma variação no custo da atividade ou do processo atualize automaticamente o valor monetário do objeto de custeio. ETAPA 2.1 Relacionamento com os Custos de Matéria-Prima É simples o relacionamento da característica com o método do custo-padrão, uma vez que é uma relação matricial entre a característica e o seu consumo de matéria-prima, incluindo as perdas do processo. ETAPA 2.2 Relacionamento com os Custos de Transformação (Exceto os de Apoio à Produção) O cálculo do custo pelo método das UEP s é feito da mesma forma, no entanto o objeto de custeio será a característica, ao invés do produto. Por isso, a importância do desdobramento das características do produto é fundamental, já que esse desdobramento servirá como base para as tomadas de tempos das características no processo. Para operacionalizar o método, deverá ser adotada uma característica-base, que deve possuir os mesmos atributos do produto-base, ou seja, representar a estrutura dos processos que as características tendem a consumir. Como as características, em geral, consomem os mesmos processos, porém com diferentes quantidades, aconselha-se utilizar como característica-base a característica mais utilizada pelos produtos. Para que se operacionalize o método é necessário, também, que se saiba o tempo de passagem de cada característica nos postos operativos, para que se faça a multiplicação dos potenciais produtivos dos postos pelos tempos de passagem. Com essas alterações no método, o procedimento para o cálculo do custo das características passa a ser o mesmo que para o de produtos. ETAPA 2.3 Relacionamento com os Custos de Transformação de Apoio à Produção e Despesas de Estrutura O custeio baseado em atividades, já mencionado previamente, será utilizado para o cálculo dos custos de transformação de apoio e para as despesas de estrutura. As duas primeiras etapas para implementação do método continuam iguais, ou seja, devem ser mapeadas as atividades e, em seguida, os custos são alocados às atividades com base nos direcionadores de recursos. A diferença estará, assim como no método das UEP s, na alocação do consumo das atividades pelos objetos de custeio. Dever-se-á relacionar os direcionadores das atividades às características e, não, aos produtos. Esse detalhamento é importante para algumas áreas de apoio, como, por exemplo, a engenharia, já que as características do produto estão diretamente ligadas às atividades de re-projeto de produto, de desenvolvimento dos fornecedores, entre outras. O estudo de Tornberg et al. (2002) demonstra que os designers e engenheiros gostariam de saber a influência de suas decisões nos custos indiretos, ou seja, vendas, compras e marketing relacionados ao produto. Essa é uma justificativa para inclusão da análise dos custos indiretos no momento do desenvolvimento. Nem todos custos indiretos necessitarão do detalhamento do produto em características. Logo, poderão ser alocados diretamente aos produtos, podendo esses ser considerados os serviços compartilhados, conforme Figura 6. Um exemplo é a área de vendas, já que para essa o detalhamento do objeto de custeio, de produto para característica, não acarretaria numa melhor alocação de custos aos produtos. 15

16 ETAPA 3 Determinar o Custo das Características Com o relacionamento das características com os métodos de custeio é possível calcular os custos destas. Para isso, é proposta uma álgebra matricial, na qual as linhas serão as características e as colunas as atividades, operações ou matérias-prima. No cruzamento entre colunas e linhas, e com base no consumo determinado na etapa 2, pode-se calcular o custo de cada característica. ETAPA 4 Formar o Custo do Produto a partir de suas Características O custo do produto, no custeio baseado em características, deve ser formado a partir das características do produto, ou seja, é um novo nível de rastreabilidade de custos. Deve-se determinar, então, quais as características são consumidas pelos produtos. A Figura 8 demonstra os relacionamentos entre custos, métodos de custeio e objetos de custeio propostos neste método. Imagina-se que este tipo de abordagem, por características, seja importante por outros motivos, também, e não só para o desenvolvimento de produto. Em indústrias, nas quais o grau de customização é alto, o custeio dos produtos se torna difícil, já que um produto pode possuir diversas variações e determinar todas as variações possíveis se torna inviável. Logo, faz-se necessário o custeio das características dos produtos, para que, após, esses sejam remetidas aos produtos. Matéria-Prima Despesas de Estrutura Custos de Transformação Itens de custo Custo de trans. de apoio à produção Custo de trans. propriamente dito Custeio por Absorção Custo-Padrão ABC UEP Métodos Custos Perdas Resultados Característica A1 Característica A2 Característica A3 Objeto de Custeio Produto X Produto Y Detalhamento Objeto de Custeio Figura 8: Método de custeio por características. 16

17 5. APLICAÇÃO DO MÉTODO E RESULTADOS PRELIMINARES O tema gestão de custos é crítico para o desenvolvimento de produto, conforme verificado com as equipes contatadas. No entanto, em geral, as empresas predizem somente os custos de matéria-prima do novo produto, sendo feita uma estimativa grosseira dos custos de transformação. Este modelo vem sendo aplicado em indústrias do setor automotivo, que possuem alto grau de customização. Os primeiros resultados demonstram que o modelo está adequado com às necessidades da equipe de desenvolvimento de produto. Algumas contribuições relevantes têm sido notadas durante a aplicação do método: Integração da equipe de desenvolvimento com a equipe de processos; Melhor entendimento dos processos; Relacionamento das características dos produtos com a composição de custos da empresa; Oportunização da redução de custos; Adequação para administração do preço de venda de produtos especiais. 6. CONCLUSÃO Este artigo introduziu um modelo de gestão dos custos para o desenvolvimento do produto. Este modelo contribui para a resolução da problemática da gestão dos custos durante o desenvolvimento de produto, assim como, para o custeio do projeto e da introdução do produto na estrutura. Este modelo pretende controlar, prever e calcular os custos do produto durante seu desenvolvimento. Um ponto fundamental discutido no trabalho é que para uma adequada a gestão de custos no desenvolvimento do produto é preciso que se faça sua separação em duas partes: (1) gestão pelo custo-alvo e (2) cálculo do custo relacionado ao DP, este último dividido em: (2.1) custeio do projeto e (2.2) custeio da introdução do produto na estrutura da empresa. A necessidade do desdobramento do objeto de custeio em características, explicitada por Tornberg et al. (2002), de Ben-Arieh e Qian (2003), Ou-Yang e Lin (1997) e Leibl et al. (1999), e o concatenamento do custeio por características, proposto por Brimson (1998), com a combinação de métodos de custeio, proposto por Kraemer (1995), para suprimento das necessidades do desenvolvimento do produto, é outra contribuição importante do presente trabalho. O estudo ainda é limitado quanto ao número e a variedade de indústrias nas quais o modelo foi aplicado. Como sugestão para futuras pesquisas, destaca-se a aplicação do modelo em diversos setores industriais como o de brinquedos, da construção civil, entre outros. Este trabalho não pretende esgotar o tema de gestão de custos no desenvolvimento do produto, provavelmente, seja necessário um maior detalhamento de alguns módulos propostos. O tema gestão econômica no DP é muito mais amplo que o tema tratado neste artigo. Logo, pesquisas relativas a métodos de análise de investimentos e análise de demanda são informações essenciais para completa gestão econômica no DP. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERSON, R.C.; BYERS, S.S.; GROTH, J.C. The cost of capital for projects: conceptual and practical issues. Management Decision, vol. 38, n. 6, p , ANDREASEN, M. M., HEIN, L. Integrated Product Development. Dinamarca: Ed. IFS, 1987, 201 p. 17

18 ANTUNES JR, J. A. V. Esquema Geral para Implantação do Método das Unidades de Esforço de Produção (UEP s). Anais da XII Reunião Anual da ANPAD, Natal, BAXTER, M. Projeto de produto. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 2 Edição, 1998, 259 p. BEN-ARIEH, D.; QIAN, L. Activity-based cost management for design and development stage. International Journal of Production Economics, vol. 43,, p , BERTS, K.; KOCK, S. Implmentation considerations for activity-based cost systems in service firms: the unavoidable challenge. Management Decision, vol. 33, n. 6, p , BORNIA, A. C. A Influência do Produto-Base na Constância das Unidades de Esforço de Produção. Anais da XII Reunião Anual da ANPAD, Natal, BORNIA, A. C. Análise Gerencial de Custos. São Paulo: Ed. Bookman,, 2001, 203 p. BRIMSON, J. A. Material de palestra. SãoPaulo, Outubro, BRIMSON, J. A. Using Predictive Accounting to Improve Product Management. International Journal of Strategic Cost Management, vol. 2, n. 3, BRIMSON, J.A. Contabilidade por atividades. São Paulo: Ed. Atlas, 1996, 229 p. BRIMSON, J.A. Feature Costing: Beyond ABC. Journal of Cost Management, p. 6-12, Jan. Fev CHURCHIL, G. A.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Ed. Saraiva, 2 Edição, 2000, 625 p. CLARK, K.B.; FUJIMOTO, T. Product Development Performance. Boston: Ed. Harvard Business School Press, 1991, 409 p. COOPER, R. G. Stage-Gate systems: a new tool for managing new products. Business Horizons, v. 33, n. 3, p , COOPER, R.; CHEW, W. B. Control tomorrow s Target Costing lets customers, not the product, set the price. Harvard Business Review, p , Jan Fev COOPER, R.; KAPLAN, R. S. Measure costs right: make the right decisions. Harvard Business Review, p , Setembro-Outubro COOPER, R.; SLAGMULDER, R. Develop profitable new products with Target Costing. Sloan Management Review, p , Summer CRAWFORD, C. M., BENEDETTO, C. A. D. New product management. EUA: MqcGraw-Hill, International Edition, 2000, 533 p. CREESE, R. C. Cost Management in Lean Manufacturing Enterprises. AACE International Transactions, CSILLAG, J. M. Análise de valor. São Paulo: Ed. Atlas, 4 Edição, DICKSON, P. Marketing Management. Ed. Drydenn Press, ECHEVESTE, M. E. Qualificação de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFRGS, Porto Alegre, RS, EVERAERT, P., BRUGGEMEN, WERNER. Cost targets and time pressure during new product development. International Journal of Operations & Production Management, vol. 22, n. 12, p , GAGNE, M. L.; DISCENZA, R. Target Costing. Journal of Business & Industrial Marketing, vol. 10, n. 1, p , GARDINER, P.D.; SYEWART, K. Revisiting the golden triangle of cost, time and quality: the role of NPV in project control, success and failure. International Journal of Project Management, vol. 18, p , GOEBEL, D. J.; MARSHAL, G. W.; LOCANDER, W. B. Activity-Based Costing: Accounting for a market orientation. Industrial Marketing Management, vol. 27, p , HAMILTON, A.; Considering value during early project developing: a product case study. International Journal of Project Management, vol. 20, p , HORNGREN, C. T.; FOSTER, G.; DATAR, S. M. Contabilidade de Custos, Rio de Janeiro: Ed. LTC, 9 Edição, IGLESIAS, D.E.T. Proposta de uma sistemática de avaliação de investimentos utilizando o Método ABC (Activity-Based Costing). Porto Alegre, RS, 1999, p Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. KAPLAN, R. One Cost System Isn t Enough. Harvard Business Review, p Janeiro- Fevereiro KAPLAN, R.; COOPER, R. Profit Priorities from Activity-Based Costing. Harvard Business Review, p , Maio-Junho KERZNER, H. Gestão de Projetos: as melhores práticas. Porto Alegre, Ed. Bookman,

19 KINSELLA, S. M. Activity-Based Costing: Does it Warrant Inclusion in a Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide). Project Management Journal, vol. 33, n. 2, p , KLIEMANN, F. J.; ANTUNES JR, J. A. V. Controle e Desempenho Industrial pelo Método das Unidades de Esforço de Produção (UEP s). Anais da XII Reunião Anual da ANPAD, Natal, KLIEMANN, F. J. Apostila de Custos Industriais. Curso de Mestrado em Engenharia de Produção, UFRGS, Porto Alegre, RS, KOTLER, P. Administração de Marketing. São Paulo: Ed. Prentice Hall, 2000, 763 p. KRAEMER, T. H. Discussão de um Sistema de Custeio Adaptado às Exigências da Nova Competição Global. Porto Alegre, 1995, 136p. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós- Graduação em Engenharia de produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. LEA, B.; FREDENDALL, L., The impact of management accounting, product structure, product mix algorithm, and planning horizon on manufacturing performance. International Journal of Production Economics, v. 79, n. 3, p , LEIBL, P.; HUNDAL, M.; HOEHNE, G. Cost Calculation with a Feature-based CAD System using Modules for Calculation, Comparison and Forecast. Journal of Engineering Design, vol. 10, n. 1,, p , LEONE, G. S. G. Contabilidade de custos. São Paulo: Ed. Atlas, LERE, J., Your product-costing system seems to be broken: now what? Industrial Marketing Management, v. 30, n. 7, p , MACARRONE, P. Activity-based management and the product development process. European Journal of Innovation Management, Vol. 1, n. 3, p , MARTINS, E. Contabilidade de custos. São Paulo:Ed. Atlas, 2001, 388 p. MAXIMIANO, A. C. A. Administração de Projetos. São Paulo: Ed. Atlas, McDUFF, C. R. Value Engineering Perspectives on Cost Estimating. Cost Engineering, vol. 43, n. 10,, p , McNAIR, C. J.; POUTNIK, L.; SILVI, R. Cost management and value creation: the missing link. The European Accounting Review, vol. 10, n. 1, p , MENEZES, L. C. M. Gestão de Projetos. São Paulo: Ed. Atlas, MONDEN, Y. Sistemas de redução de custos: custo-alvo e custo kaizen. Proto Alegre: Ed. Bookman, 1999, 270 p. MOTTA, F. G., A. Fatores condicionantes na adoção de métodos de custeio em pequenas empresas: estudo multicasos em empresas do setor metal-mecânico de São Carlos-SP. São Carlos, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade de São Paulo. MULLER, C. J. A. Evolução dos Sistemas de Manufatura e a Necessidade de Mudança nos Sistemas de Controle e Custeio. Porto Alegre, RS, 1996, p Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. NAKAGAWA, M. ABC - Custeio Baseado em Atividades. São Paulo: Ed. Atlas, OMAR, O. E. Target pricing: a marketing management tool for pricing new cars. Pricing Strategy & Practice, vol. 5, n. 2,, p , 1997 OU-YANG, C.; LIN, T. S. Developing an Integrated Framework for Feature-Based Early manufacturing Cost Estimation. International Journal of Advanced Manufacturing Tecnology, vol. 13,, p , PAHL, G., BEITZ, W. Engineering Design: A systematic Approach, London: Springer, 1996, 528p. PEREZ Jr, J. H.; OLIVEIRA, L. M.; COSTA, R. G. Gestão Estratégica de Custos. São Paulo: Ed. Atlas, PINDER, J.P.; MARUCHECK, A.S. Using discounted cash flow heuristics to improve project net present value. Journal of Operations Management, vol. 14,, p , PLAYER, S.; KEYS, D.; LACERDA, R. ABM Activity-Based management. São Paulo: Ed. Makron Books, PMBOK. Project Management Book. Project Management Institute, Disponibilizado na internet pelo PMI de Minas Gerais, PRASAD, B. Concurrent Engineering Fundamentals, New Jersey: Prentice Hall, 1996, 478 p. RAY, M. R. Cost Management for Product Development. Journal of Cost Management, Primavera, p , RAZ, T.; ELNATHAN, D., Activity based costing for projects. International Journal of Project Management, Vol. 17, n. 1, p ,

20 SHANK, J. K.; GOVINDARAJAN, V. A revolução dos custos. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 4 Edição, SILVA, J. O.; POSSAMAI, O.; VALENTINA, L. V. O. D. Um modelo para formação do custo-alvo e de sua estrutura de desdobramento nas fases iniciais do desenvolvimento de produtos. 3 Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produtos, Floranópolis, SC, de Setembro de STEVENSON, T. H.; BARNES, F. C.; STEVENSON, S. A. Activity-based costing: an emerging tool for industrial marketing decision makers. Journal of Business & Industrial Marketing, vol. 8, n. 2,, p , TORNBERG, K., JÄMSEN, M., PARANKO, J. Activity-based costing and process modeling for cost-conscius product design: A case study in a manufacturing company. International Journal of Production Economics, Vol. 79, p , VALERIANO, D. L. Gerência em Projetos. São Paulo, Ed Makron Books, VALERIANO, D. L. Gerenciamento Estratégico e Administração por Projetos. São Paulo, Ed Makron Books, WOILER, S; MATHIAS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. São Paulo: Ed. Atlas, YOSHIKAWA, T.; INNES, J.; MITCHELL, F. A Japanese case study of functional cost analysis. Management Accounting Research, vol. 6, p ,

Modelo para Implantação de Custeio por Características

Modelo para Implantação de Custeio por Características ABCustos Associação Brasileira de Custos - Vol. IV n 1 - jan/abr 2009 ISSN 1980-4814 Modelo para Implantação de Custeio por Características Tiago Pascoal Filomena Mestre em Engenharia de Produção URGS,

Leia mais

MÉTODOS DE CUSTEIO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

MÉTODOS DE CUSTEIO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS "!#$! %'&)(*&,+-/. 021/34&6587:9;&0=7/?/3/@*A,7/B:3/5C?/. D*E 7/-/78F,7/G/+&2. (IHJ&)-/+K0,@*A47/L/&NHN78&=F)3*FOHP&,(OHP0*G/. E.?/0*?/& MÉTODOS DE CUSTEIO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Carlos

Leia mais

Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico

Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico Tiago Pascoal Filomena (UFRGS) tiagopf@producao.ufrgs.br Fernando de Oliveira Lemos (UFRGS) ferlemos@producao.ufrgs.br Francisco

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA Prof: Luiz Guilherme Azevedo Mauad, MsC. Prof: Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Escola Federal de

Leia mais

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC Leo Brunstein Universidade Paulista UNIP Rua Dr. Bacelar 1212 CEP 04026-002 São Paulo SP Fone/Fax (0xx11) 5586-4145 lbab@bol.com.br

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - PPGCC FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - PPGCC FICHA DE DISCIPLINA FICHA DE DISCIPLINA Disciplina Contabilidade e Análise de Custos Código Carga Horária 6 Créditos 4 Tipo: PPGCC09 Eletiva OBJETIVOS Apresentar e discutir os conhecimentos fundamentais voltados para a identificação,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações José Augusto da Rocha de Araujo (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo)jose.augusto@poli.usp.br Reinaldo Pacheco da Costa

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS José Henrique de Freitas Gomes (UNIFEI) ze_henriquefg@yahoo.com.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades

Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades Ricardo Forcenette Marcelo Seido Nagano Resumo: O artigo em questão tem como principal

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA

ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA Israel Brunstein *Escola Politécnica USP/SP Av. Prof. Almeida Prado, 531, 2º andar; CEP: 05508-900 São Paulo SP - Brasil Fone: (011)

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: NOVAS TENDÊNCIAS EM CONTABLIDADE DE GESTÃO Semestre 1º ECT s 6 Área Científica: Docente: CONTABILIDADE HUMBERTO RIBEIRO

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21 Sumário Capítulo l - Introdução 1.1. Objetivos 3 1.1.1. Objetivos amplos 3 1.1.2. Objetivos específicos 3 1.2. Mapa cognitivo 4 1.3. Engenharia industrial (Materiais e processos) 5 1.4. Custos e preços

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA v.7, n.2, p. 118-135, ago. 2000 Orlando Duran Lucas Radaelli Faculdade de Engenharia e Arquitetura Universidade de Passo Fundo Passo Fundo RS E-mail: duran@upf.tche.br

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

Contribuições da gestão estratégica de custos nas estratégias de marketing de produto. Um estudo de caso na empresa Alfa.

Contribuições da gestão estratégica de custos nas estratégias de marketing de produto. Um estudo de caso na empresa Alfa. Contribuições da gestão estratégica de custos nas estratégias de marketing de produto. Um estudo de caso na empresa Alfa. Everton Alain de Melo Professor do Curso de Ciências Contábeis IPTAN INTRODUÇÃO

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Luiza de Menezes Romanetto (USP e UFSCar) - lumenezesr@gmail.com Flávia Helena Cassin (EESC-USP)

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Evolução da Contabilidade de Gestão: Da Revolução Industrial ao Time-Driven ABC

Evolução da Contabilidade de Gestão: Da Revolução Industrial ao Time-Driven ABC Evolução da Contabilidade de Gestão: Da Revolução Industrial ao Time-Driven ABC XIII Congresso Internacional de Custos Alfândega do Porto, 18-19 Abril 2013 Maria João Major, PhD Maria.joao.major@iscte.pt

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Emanuel R. Junqueira (FAESA-ES) ejunqueira@faesa.br Gilberto Aurino Silva Neto (FAESA-ES) professorgilberto@terra.com.br

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos.

Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos. Aula 01 Introdução Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos. Ao final desta aula, você deverá estar apto a compreender como a definição

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Transparência e gestão de custos: cumprindo o artigo 50 da Lei de Responsabilidade Fiscal

Transparência e gestão de custos: cumprindo o artigo 50 da Lei de Responsabilidade Fiscal Transparência e gestão de custos: cumprindo o artigo 50 da Lei de Responsabilidade Fiscal Prof. Marilson Dantas Doutor em Custos aplicado ao Setor Público Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais-UnB

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

TARGET COSTING & ACTIVITY-BASED COSTING: FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS PARA SISTEMAS MODERNOS DE MANUFATURA.

TARGET COSTING & ACTIVITY-BASED COSTING: FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS PARA SISTEMAS MODERNOS DE MANUFATURA. TARGET COSTING & ACTIVITY-BASED COSTING: FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS PARA SISTEMAS MODERNOS DE MANUFATURA. MSc. Eng. Antônio Carlos de Souza. antcarls@fem.unicamp.br Prof. Dr. Antonio

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

TARGET COSTING: A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DO CUSTEIO ALVO NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS NOVOS

TARGET COSTING: A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DO CUSTEIO ALVO NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS NOVOS TARGET COSTING: A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DO CUSTEIO ALVO NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS NOVOS Maria da Glória Arraes Peter Faculdade de Economia, Administração, Atuaria e Contabilidade da Universidade Federal

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CUSTO-ALVO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

PROPOSTA DE MODELO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CUSTO-ALVO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PROPOSTA DE MODELO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CUSTO-ALVO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Tiago Pascoal Filomena Francisco José Kliemann Neto Resumo: Na medida em que o desenvolvimento produtos vem ampliando

Leia mais

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Projeto para a disciplina Sistemas de Informação Gerencial Curso: MBA em Gestão e Negócios UNIMEP Elaborada por: Profº. Ms Flávio Ibelli Callegari

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos Metodologia de Ensino 1. Aula em três tempos: Pré-aula (no portal acadêmico), Aula presencial (em sala de aula)

Leia mais

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO João Ernesto Escosteguy Castro Caixa Postal 476 - Florianópolis - SC - 88.040-900 Ruth Ferreira Roque Caixa Postal 1207 - Florianópolis - SC

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCEITOS SOBRE CUSTOS DA QUALIDADE (APOSTILA) Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO ALVES, Vanessa T. 1 ; BARCHET, Isabela 2 ; EVANGELISTA, Mário Luiz 3 ; MULINARI, Marieli 4 ; SHIMITH, Cristiano

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Pré-requisitos: Ter cursado a disciplina Administração I.

Pré-requisitos: Ter cursado a disciplina Administração I. Nome do centro: 1. Identificação Nome do curso: Ciências da Computação Nome e cód. Disciplina: Administração II Número de créditos: 04 Carga horária teórica: 32 h Carga horária prática: 28 h Carga horária

Leia mais

O CUSTO-META COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

O CUSTO-META COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL O CUSTO-META COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Gláudia Fabiana Silva F. de Araújo Halcima Melo Batista Lissandra de Brito Mesquita Costa Marília Menezes de Oliveira Rocha Verônica Germano da Silva Resumo: Mostra

Leia mais

Módulo 5: Elaboração de uma EAP

Módulo 5: Elaboração de uma EAP ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 5: Elaboração de uma EAP Brasília 2014 Atualizado

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais