Custeio Variável e Margem de Contribuição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custeio Variável e Margem de Contribuição"

Transcrição

1 Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete Aparecida Fabbris Introdução Para iniciar seus estudos, assista à videoaula a seguir, assim você poderá compreender melhor o conteúdo deste tema. (Vídeo disponível no material on-line) Sistema de Custeio Direto ou Variável Você sabe o que é custeio variável e para que ele serve? O Sistema de custeio direto ou variável fundamenta-se na separação dos gastos em variáveis e fixos, isto é, em gastos que oscilam proporcionalmente ao volume da produção e das vendas e gastos que se mantêm estáveis perante volumes de produção e vendas oscilantes dentro de certos limites. O termo Custos Variáveis designa os custos que, em valor absoluto, são proporcionais ao volume da produção dentro de certos limites, isto é, oscilam na razão direta dos aumentos ou reduções das quantidades produzidas. Os defensores da utilização do custeio variável/direto, como instrumento gerencial, se valem de três argumentos principais. São eles: 1. Os custos fixos, por sua própria natureza, existem independentemente da fabricação ou não de determinado produto ou do aumento ou redução da quantidade produzida. Os custos fixos podem ser encarados como encargos necessários para que a empresa tenha condições de produzir e não como encargo de um 1

2 determinado produto. 2. Por não estarem vinculados a nenhum produto específico ou a uma unidade de produção, eles sempre são distribuídos aos produtos por meio de critérios de rateio que contêm, em maior ou menor grau, a arbitrariedade. 3. O valor dos custos fixos a ser distribuído a cada produto depende, além dos critérios de rateio, do volume de produção. Assim, qualquer decisão em base de custo deve levar em conta, também, o volume de produção. Pior que isso, o custo de um produto pode variar em função da variação de quantidade produzida de outro produto. Os defensores do custeio direto ou variável (direct costing) propõem que, no cálculo dos custos finais por produto, não entrem mais que os custos variáveis e que os custos fixos sejam levados globalmente ao resultado do período por não serem considerados como elementos componentes do custo dos produtos. Obtém-se, assim, o custo final variável dos produtos. Quer saber mais sobre o que estamos estudando? Então, acesse o material a seguir Margem de contribuição: quanto sobra para sua empresa?. Exemplo de Distinção entre Custeio Variável e por Absorção Uma indústria, com um único produto, tem a seguinte movimentação: Período Produção (unidade) Vendas (unidade) Estoque Final (unidade) 1º Ano º Ano º Ano º Ano

3 Características dos Custos de Produção Custos Variáveis Matéria-prima Energia Materiais indiretos Total R$ 20,00/unidade R$ 4,00/unidade R$ 6,00/unidade R$ 30,00/unidade Custos Fixos Mão de obra Depreciação e impostos Manutenção Diversos R$ 1.300,00/ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano R$ ,00/ano Total R$ ,00/ano Preço de venda = R$ 75,00/unidade. A indústria faz Custeio por Absorção com os estoques avaliados à base do Peps (Fifo) durante quatro anos. 1º ano Vendas: un. x R$ 75,00/un. R$ ,00 Custo dos Produtos Vendidos: Custo de Produção Custos Variáveis = un. x R$ 30,00/un. R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 Custo da Produção Acabada R$ ,00 (-) Estoque Final de Produtos Acabados R$ ,00 x un. = R$ 65,00/un. x un (R$ ,00) CPV R$ ,00 3

4 2º ano Vendas: un. x R$ 75,00/un. R$ ,00 Custo dos Produtos Vendidos: Custo de Produção Custos Variáveis = un. x R$ 30,00/un. R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 Custo da Produção Acabada (R$ 72,00/un.) R$ ,00 (+) Estoque Inicial de Produtos Acabados R$ ,00 (-) Estoque Final: un. x R$ 72,00/un. (R$ ,00) CPV R$ ,00 3º ano Vendas: unidades x R$ 75,00/un. R$ ,00 Custo Unitário de Produção: Custo de Produção Custos Variáveis = un. x R$ 30,00/un. R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 Custo da Produção Acabada R$ , un. = R$ 60,00/un. R$ ,00 (+) Estoque Inicial: un. x R$ 72/un. R$ ,00 (-) Produção do Período: un. x R$ 60,00/un. R$ ,00 CPV R$ ,00 4

5 4º ano Vendas: unidade x R$ 75,00/un. R$ ,00 Custo dos Produtos Vendidos: Estoque anterior: un. x R$ 60,00/un. R$ ,00 Produção do Período: un. x R$ 30,00/un. R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 CPV R$ ,00 Podemos observar que mesmo com o aumento de vendas, houve uma queda nos lucros. 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Total Vendas (-) CPV ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Lucro Estoque Final A causa: o custo unitário no primeiro ano foi de R$ 65,00/unidade, enquanto que no quarto ano foi de R$ 72,00/unidade, que também impactou nos estoques. Os resultados não acompanham a direção das vendas, que são influenciados pelo volume e pela quantidade feita no período anterior. 5

6 E com o Custeio Variável? 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Total Vendas (-) CPV dos prod. vendidos Margem de Contribuição Custos Fixos ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Lucro ( ) Estoque Final Quando aumentam as vendas, também aumentam os lucros. O reflexo não é proporcional pelo fato de o valor da dedução do Custo Fixo ser sempre igual, independente das vendas. Já a MC varia proporcionalmente às vendas. Mas por que o custo fixo não é usado em balanços? Porque fere os princípios contábeis da competência e da confrontação. Isso acontece pelo fato de que os Custos Fixos são integralizados no período e não na venda. Margem de Contribuição, Custos Fixos Identificados e Retorno sobre o Investimento Após tudo o que comentamos e estudamos sobre os Custos Fixos, talvez tenha ficado a impressão de que eles devam ser abandonados no processo decisório. Isso não é verdade! Eles existem e representam gastos e desembolso que precisam ser lembrados. Os custos indiretos de produção e as despesas genericamente denominadas de Overhead vêm representando 6

7 parcelas cada vez mais significativas dos custos. O Custeio por Atividades tem por missão melhorar a mensuração e a administração desses custos e despesas considerados fixos. Margem de Contribuição Os produtos, ao serem fabricados, geram custos variáveis. Depois, ao serem comercializados, geram certas despesas, também variáveis, como comissões, fretes, seguros etc. Assim, há custos e despesas que ocorrem em virtude da produção e da venda: são os custos e as despesas variáveis. Enquanto no custeio por absorção podemos falar em lucro por produto, ou seja, da obtenção de lucro após a dedução dos custos de produção do preço de venda, no custeio variável isso não ocorre. Nele, os produtos geram uma margem denominada Margem de Contribuição. (MARTINS, 2010) A Margem de Contribuição é o montante que resta do preço de venda de um produto depois da dedução de seus custos e despesas variáveis. Representa uma parcela excedente dos custos e das despesas geradas pelos produtos. A empresa só começa a ter lucro quando a margem de contribuição dos produtos vendidos supera os custos e despesas fixos do exercício. Entende-se por margem de contribuição a diferença entre o preço de venda e a soma das despesas e custos variáveis de um produto ou serviço. Ou seja, a margem de contribuição resulta do seguinte cálculo: MC = PV (CV+DV) MC = Margem de Contribuição PV = Preço de Venda CV = Custos Variáveis DV = Despesas Variáveis Vejamos um exemplo: Uma empresa fabrica os produtos X, Y e Z. Em fevereiro de 2014 esses 7

8 produtos foram fabricados e vendidos com os preços e custos da tabela abaixo: Produtos Quantidade Preço de venda unitário Custos Variáveis unitários X 1.000u R$ 238,00 R$ 183,00 Y 800u R$ 404,00 R$ 367,00 Z 1.500u R$ 382,00 R$ 350,00 As despesas variáveis de vendas (comissões) representam 5% do preço. Os custos e despesas fixos totalizam R$ no mês. O resultado dessa empresa seria obtido da seguinte maneira: 1. Cálculo da margem de contribuição de cada produto. Produto Preço de Custos Despesas Custos (+) Margem de venda variáveis variáveis (de despesas contribuição unitária unitários vendas) variáveis unitária unitárias unitários a b C = a x 5% D = b + c E = a - d X R$ 238,00 R$ 183,00 R$ 11,90 R$ 194,90 R$ 43,10 Y R$ 404,00 R$ 367,00 R$ 20,20 R$ 387,20 R$ 16,80 Z R$ 382,00 R$ 350,00 R$ 19,10 R$ 369,10 R$ 12,90 2. Cálculo da margem de contribuição total. Produtos Quantidade Margem de Margem de vendida contribuição contribuição unitária total X 1.000u R$ 43,10 R$ ,00 Y 800u R$ 16,80 R$ ,00 Z 1.500u R$ 12,90 R$ ,00 Total R$ ,00 8

9 3. Cálculo do resultado. Margem de contribuição total R$ ,00 (-) Custos e despesas fixos R$ ,00 (=) Lucro operacional R$ ,00 Vamos a mais um exemplo: Imagine uma empresa com cinco produtos, sendo A e B produzidos pelos departamentos X e C, D e E sendo produzidos pelo departamento Y. Os custos são: Custos Variáveis Produto A Produto B Produto C Produto D Produto E R$ 480,00/unidade R$ 550,00/unidade R$ 350,00/unidade R$ 410,00/unidade R$ 600,00/unidade Custos Fixos Departamento X Departamento Y Demais departamentos Total R$ ,00/mês R$ ,00/mês R$ ,00/mês R$ ,00/mês 9

10 As vendas do período de um mês foram: Produto A 1.050un. x R$ 860,00/un. R$ ,00 Produto B 1.400un. x R$ 930,00/un. R$ ,00 Produto C 980un. x R$ 810,00/un. R$ ,00 Produto D 1.370un. x R$ 830,00/un. R$ ,00 Produto E 1.320un. x R$ 990/un. R$ ,00 Total R$ ,00 Atenção! Para o nosso exemplo, a metodologia usada para o rateio dos custos fixos não é relevante. Poderia ser qualquer um, o fato é que os custos existem. Com o rateio de custos fixos ficaria assim: Custo Variável R$/un. Custo Fixo R$/un. Custo Total R$/un. Preço de Venda R$/un. Lucro R$/un. Produto A Produto B Produto C Produto D Produto E A Demonstração de Resultados (DRE) ficaria assim: A B C D E Total (1.050 un.) (1.400 un.) (980 un.) (1.370 un.) (1.320 un.) Vendas R$ R$ R$ R$ R$ R$ (-) CPV (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) (R$ ) Lucro (R$ ) R$ R$ R$ R$ R$ Uma análise simplista poderia sugerir a eliminação do produto A, afinal, totaliza um prejuízo unitário de R$ 20,00 e total de R$ ,00. Deixar de produzir significaria perder uma receita de R$ ,00, mas deixarão de existir apenas os CVs (R$ 480,00 x = R$ ,00). O resultado global cairia R$ ,00 (R$ ,00 R$ ,00). 10

11 Para um lucro de R$ ,00, isso seria muito perigoso. Esses R$ ,00 nada mais são do que a MC total do produto A: Preço de Venda R$ 860,00/un. Custo Variável R$ 480,00/un. MC unitária R$ 380,00/un. Margem de Contribuição Total 1.050un. x R$ 380,00 = R$ ,00 Uma interpretação poderia ser dada: já que os lucros de A e B somados dão apenas R$ ,00, por que não cortar ambos e eliminar um custo fixo de R$ ,00, já que os dois têm um departamento somente para eles? Continuando a análise das MCs: Margem de Contribuição Total de A R$ ,00 Margem de Contribuição Total de B R$ ,00 (1.400un. x (R$930-R$550)/un.) Margem de Contribuição Total R$ ,00 Assim, poderíamos eliminar os R$ ,00 de custos fixos, mas deixaríamos de receber uma margem de contribuição de R$ ,00. A análise fica bem mais fácil. O primeiro grupo contribui com R$ ,00 e o segundo com R$ ,00. Juntos conseguem amortizar os CFs comuns (R$ ,00) e ainda produzir um lucro de R$ ,00. A B C D E Total (1.050un.) (1.400un.) (980un.) (1.370un.) (1.320un.) Vendas , , , , , ,00 (-) CVPV , , , , , ,00 1ª MC , , , , ,00 Soma , , ,00 11

12 (-) Cfid , , ,00 2ª MC , , ,00 (-) CFNI ,00 Lucro ,00 Síntese Neste encontro, estudamos sobre os sistemas de custeio direto ou variável e vimos alguns exemplos de distinção entre custeio variável e por absorção. Além disso, compreendemos o que é margem de contribuição, custos fixos identificados e retorno sobre o investimento por meio de exemplos. 12

13 Referências MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 10. ed. São Paulo: Atlas,

14 Atividades 1. Analise os dados do quadro, a seguir, e assinale a alternativa que apresenta o resultado da Margem de Contribuição Unitária (MC). Preço de venda = R$ 50,00 Soma de custos variáveis = R$ 20,00 Soma de despesas variáveis = R$ 10,00 a. R$ 50,00. b. R$ 40,00. c. R$ 10,00. d. R$ 20, O que é custeio variável? a. É o montante que resta do preço de venda de um produto depois da dedução de seus custos e despesas variáveis. b. É a variação entre o custo padrão e o custo real. c. É a taxa obtida entre o custo padrão com o custo real da mão de obra. d. Sistema de custeio direto ou variável, fundamenta-se na separação dos gastos em variáveis e fixos, isto é, em gastos que oscilam proporcionalmente ao volume da produção e vendas e gastos que se mantêm estáveis perante volumes de produção e vendas oscilantes dentro de certos limites. 3. O que é Margem de Contribuição (MC)? a. É o custo que oscila proporcionalmente ao volume de produção. b. É o montante que resta do preço de venda de um produto depois da dedução de seus custos e despesas variáveis. c. É a taxa obtida entre o custo padrão com o custo real da mão de obra. d. É a variação do custo direto e indireto. 14

15 4. Uma empresa fabrica os produtos X, Y e Z. Em março de 2014, esses produtos foram fabricados e vendidos com os preços e custos da tabela abaixo: Produtos Quantidade Preço de venda unitário Custos variáveis unitários X 1.000un. R$ 210,00 R$ 180,00 Y 800un. R$ 424,00 R$ 352,00 Z 1.500un. R$ 382,00 R$ 350,00 As despesas variáveis de vendas (comissões) representam 5% do preço. Os custos e despesas fixos totalizam R$ no mês. Calcule a margem de contribuição de cada produto. a. X = 43,10; Y = 50,80; Z = 21,90 b. X = 19,50; Y = 50,80; Z = 12,90 c. X = 19,50; Y = 45,80; Z = 12,90 d. X = 23,10; Y = 30,80; Z = 21,90 5. Uma Empresa fabrica os produtos X, Y e Z. Em março de 2014 esses produtos foram fabricados e vendidos com os preços e custos da tabela abaixo: Produtos Quantidade Preço de venda unitário Custos Variáveis unitários X 1.000un. R$ 238,00 R$ 183,00 Y 800un. R$ 404,00 R$ 367,00 Z 1.500un. R$ 382,00 R$ 350,00 As despesas variáveis de vendas (comissões) representam 5% do preço. Os custos e despesas fixos totalizam R$ no mês. 15

16 Calcule a margem de contribuição total e o cálculo do resultado (respectivamente). a ,00 e ,00 b ,00 e ,00 c ,00 e ,00 d ,00 e ,00 16

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição O que é Margem de Contribuição? Quais as técnicas para o cálculo da Margem de Contribuição? Qual a diferença entre a Margem de Contribuição

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Custos para Tomada de Decisões Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Exemplo Planilha de Custos Quantidade Vendida 10.000 12.000 Item de Custo

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Capítulo Capítulo CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO A Contabilidade de Gestão, como instrumento essencial de apoio ao processo de tomada de decisão, deve contribuir

Leia mais

I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1. Introdução No curso Controle de Custos estudamos os procedimentos da Contabilidade de Custos para efeito de avaliação de estoques e de Resultado e também

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos que darão prejuízo. $ Custo fixo; $ Custo variável; $

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: http://www.fabianocoelho.com.br, levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos EDITORA ATLAS S.A. Rua Conselheiro Nébias, 1384 (Campos Elísios) 01203-904 São Paulo (SP) Tel.: (0 11) 3357-9144 (PABX) www.editoraatlas.com.br Eliseu Martins Welington Rocha Contabilidade

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

O CUSTEIO POR ABSORÇÃO E O CUSTEIO VARIÁVEL: VANTAGENS E DESVANTAGENS SOBRE O MÉTODO A SER ADOTADO PELA EMPRESA.

O CUSTEIO POR ABSORÇÃO E O CUSTEIO VARIÁVEL: VANTAGENS E DESVANTAGENS SOBRE O MÉTODO A SER ADOTADO PELA EMPRESA. 1 O CUSTEIO POR ABSORÇÃO E O CUSTEIO VARIÁVEL: VANTAGENS E DESVANTAGENS SOBRE O MÉTODO A SER ADOTADO PELA EMPRESA. Ana Paula Lobo Vieita 1 RESUMO O artigo tem como finalidade identificar e demonstrar as

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3 Sumário Parte 1 Contabilidade de Custos 1 Capítulo 1 Aspectos gerais 3 1 Áreas da Contabilidade 3 2 Contabilidade de Custos 3 3 Contabilidade de Serviços 4 4 Contabilidade Industrial 4 5 Campo de aplicação

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS EMPRESA INDUSTRIAL ÁREA FÁBRIL ÁREA COMERCIAL Eliabe Moraes de Oliveira FUNDAMENTOS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Matéria Prima Materiais diversos Aluguel Energia

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS

COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS A fórmula. Sua aplicação numa empresa que vende vários produtos. O artifício da solução. Francisco Cavalcante

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA: PARTE I DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS II 5º PERIODO- 2014_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

EMPRESA: MBX Mariscos Belém Ltda.

EMPRESA: MBX Mariscos Belém Ltda. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL AUGUSTO MENDES REGO 0601003701 GEORGE ANTONIO DE BRITO MELO 06010008901 EMPRESA: MBX Mariscos

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

Planejamento Operacional: Orçamento

Planejamento Operacional: Orçamento UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTÁBEIS Curso de Ciências Contábeis Tópicos Especiais em Contabilidade Orçamento Prof. Mestre. João Rafael Alberton Casca - 2015 Parte

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br Custos... afinal, o que é isto? São essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

Aplicação da contabilidade de custos através do método de custeio variável na empresa Beleza Pura Moda Íntima Ltda. em Tangará da Serra MT

Aplicação da contabilidade de custos através do método de custeio variável na empresa Beleza Pura Moda Íntima Ltda. em Tangará da Serra MT Aplicação da contabilidade de custos através do método de custeio variável na empresa Beleza Pura Moda Íntima Ltda. em Tangará da Serra MT Rosane Conceição de Barros Malheiros (UNEMAT) ro_malheiros@hotmail.com

Leia mais

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir!

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! KA-dicas Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! Os KA-dicas são mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para mais, acesse nosso

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

TODAS AS EMPRESAS DEVERIAM TER UM SIMULADOR DE PREÇOS. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

TODAS AS EMPRESAS DEVERIAM TER UM SIMULADOR DE PREÇOS. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) TODAS AS EMPRESAS DEVERIAM TER UM SIMULADOR DE PREÇOS O que mostra a análise de um preço de venda isoladamente. A elasticidade do preço. A necessidade de uma visão global. A importância de um simulador

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS 1 FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FUPAC - FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Tele fax: (34) 3223-2100 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção Engenharia Econômica Introdução à Engenharia de Produção Demanda e Capacidade Após a determinação da localização da empresa Planejamento quanto à capacidade ( tamanho da empresa) Deve-se definir o Nível

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE. Disciplina: Análise dos Demonstrativos Contábeis II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE. Disciplina: Análise dos Demonstrativos Contábeis II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE Disciplina: Análise dos Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Curso: Ciências Contábeis Turno: Tarde

Leia mais

PREÇOS E TOMADA DE DECISÕES.

PREÇOS E TOMADA DE DECISÕES. O PRINCIPAL OBJETIVO DESTE TRABALHO É REALIZAR UM ESTUDO DA VISÃO DOS CUSTOS NO COMÉRCIO, INDUSTRIA, SERVIÇOS, FORMAÇÃO DE PREÇOS E TOMADA DE DECISÕES. IVO NASCIMENTO JOILMA SILVA JULIANA DEL BIANCO JULIANO

Leia mais

Outros Tópicos Importantes na Elaboração do Fluxo de Caixa

Outros Tópicos Importantes na Elaboração do Fluxo de Caixa Outros Tópicos Importantes na Elaboração do! O Tratamento da Remuneração do Trabalho dos Dirigentes! Outras Contas Econômicas que não geram efeito sobre o caixa! A Projeção dos investimentos em ativo imobilizado

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Administração 5ª Série Contabilidade de Custos

Administração 5ª Série Contabilidade de Custos Administração 5ª Série Contabilidade de Custos A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizag desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo professor,

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Parte 2

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Parte 2 Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 O objetivo deste capítulo é ensinar a calcular o custo de um produto por meio do sistema de custeio variável, identificando a margem de contribuição, o ponto de equilíbrio e a margem de segurança para

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1 CUSTOS 1 1. Conceitos Contabilidade de custos é o processo ordenado de usar os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negócio, de tal maneira que, com os dados da

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Orçamento Empresarial - Prof. Manuel Soares da Silva Aluno (a):...matr.:... ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PARA 20X1: "CIA Fig.&Cagg."

Orçamento Empresarial - Prof. Manuel Soares da Silva Aluno (a):...matr.:... ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PARA 20X1: CIA Fig.&Cagg. IESP - PÓS-GRADUAÇÃO - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA Orçamento Empresarial - Prof. Manuel Soares da Silva Aluno (a):...matr.:... ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PARA 20X1: "CIA Fig.&Cagg." (Obs.: Os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta 21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta Sejam bem-vindos Patrocínio Realização Programação 08:00 h Café de boas vindas 08:30 h Abertura 08:40 h Bloco K, sua empresa está preparada? 09:00 h Gestão de custos: a

Leia mais

6 O SignificadO do LucrO

6 O SignificadO do LucrO 6 O Significado do Lucro Para que haja uma compreensão total e absoluta do processo de apuração de resultados econômicos Lucro ou Prejuízo é mister que entendamos porque a apuração de resultados é tão

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS Bruni & Fama (2007), explicam que a depender do interesse e da metodologia empregada, diferentes são as classificações empregadas na contabilidade de custos. Os sistemas,

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com.

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com. Apostila Petrobras 2013 Engenheiro de Produção Jr Exercícios Resolvidos e Comentados Junho 2013 2 Conteúdo 1. Gestão Econômica...4 1.1. Juros Simples...4 1.2. Juros Compostos...4 1.3. Tipos de Taxas...8

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais