Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos"

Transcrição

1 Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) Jorge Muniz (FEG Unesp) Eduardo carneiro leão (UNITAU) RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar a análise da gestão de fornecedores durante a fase de desenvolvimento de produtos, através da avaliação qualitativa da eficácia das auditorias realizadas. Para se atingir o objetivo proposto neste estudo, assume-se que as auditorias, na fase de desenvolvimento, têm os seguintes objetivos: identificar e avaliar riscos ao fornecimento; propor um plano de ações conjunto para melhorar o desenvolvimento dos produtos e processos; e analisar periodicamente a performance dos fornecedores. Por fim, se a utilização das auditorias para o controle dos fornecedores na fase de desenvolvimento for eficaz, espera-se que para o início da produção em série, tenhamos maturidade dos produtos fornecidos, fabricados por processos definidos e com parâmetros de performance conhecidos e estáveis. Este estudo é baseado em pesquisa-ação, onde o autor principal é auditor, e desenvolve fornecedores tanto para produtos em desenvolvimento quanto para produtos em série. Palavras-Chave: Fornecedores; Gestão; Desenvolvimento; Produtos. 1 OBJETIVOS Os objetivos deste estudo são demonstrar de que forma e porque são realizadas auditorias em fornecedores durante a fase de desenvolvimento de produto, apresentar o contexto de gestão de fornecedores onde estão inseridas as auditorias, e por fim, fazer uma avaliação qualitativa preliminar da eficácia dessas auditorias para o processo de gestão dos fornecedores, recomendando práticas que potencializem as mesmas. 2 INTRODUÇÃO Para muitas operações, itens comprados e serviços contratados representam um importante componente de custo. Tipicamente, esses produtos e serviços são: aqueles que são usados ou consumidos, aqueles que se tornam parte de um produto final (por exemplo, matéria-prima e produtos químicos), ou ainda aqueles que suportam o processo de produção ou o pessoal envolvido (por exemplo, máquinas e equipamentos, equipamentos eletrônicos, e material de escritório). JURAN, A qualidade desses itens comprados e serviços prestados podem influenciar de maneira muito significativa na qualidade da operação do produto final. Além disso, fornecedores com baixa performance em qualidade podem ser o maior contribuinte para o custo da baixa qualidade nas operações de uma maneira geral. Um fato relevante, é que muitas empresas aceitam o gasto de dinheiro com a baixa qualidade como se fosse um custo regular. É estimado que o custo da baixa qualidade varia entre 10 e 30 por cento das vendas. Por ignorar essa parcela importante nos custos, as empresas têm observado que fornecedores com baixa qualidade contribuem para uma insatisfação do cliente final, muitas vezes influenciando em sua posição no mercado. JURAN (1998). Para que os produtos fornecidos alcancem o nível de qualidade desejado no prazo previsto pelo planejamento do programa, é fundamental que a gestão dos fornecedores tenha início junto com o desenvolvimento do produto.

2 As auditorias durante a fase de desenvolvimento do produto são ferramentas fundamentais para a gestão dos fornecedores, cujo conceito principal é priorizar os fornecedores mais críticos através de uma análise de risco e da criticidade dos produtos fornecidos. Os objetivos principais das auditorias durante a fase de desenvolvimento do produto são: Identificar e avaliar riscos que possam afetar o desenvolvimento dos produtos do fornecedor e do produto final Acompanhar os Planos de Ação para a eliminação dos riscos identificados; corrigindo as ações e identificando novos riscos. Avaliar a qualidade dos testes que serão executados nos novos produtos de maneira que sejam representativos às condições reais de utilização Aprovar o processo produtivo do 1 artigo Acompanhar a etapa final de produção e embarque dos itens considerados críticos 3 JUSTIFICATIVA No processo de gestão apresentado neste trabalho, a priorização de fornecedores para tomada de decisões e ações, torna a gestão mais eficaz, pois os recursos são focalizados nos fornecedores e produtos com maior risco de gerarem não conformidades, possibilitando um acompanhamento periódico mais adequado e eficaz. Nos casos em que a cadeia de suprimentos for complexa, isto fica mais evidente, pois caso não houvesse uma priorização, a gestão seria padrão para todos os fornecedores e subfornecedores, gerando perda de recursos que poderiam ser utilizados em outros fornecedores mais críticos, e conseqüentemente aumentando o risco de futuras não conformidades que gerariam gastos desnecessários com atrasos de produção, logística e gestão de ações corretivas, insatisfação do cliente final, etc. 4 TEORIA A partir do momento que um fornecedor é selecionado, dá-se início ao processo de gestão do fornecedor. A estratégia que é utilizada para a gestão possui duas principais frentes: desenvolvimento do fornecedor e desenvolvimento dos produtos do fornecedor. 4.1 DESENVOLVIMENTO DOS FORNECEDORES Esta fase inicia-se logo que o fornecedor é selecionado e pode durar até a entrada em série dos produtos fornecidos. Durante esta fase, as áreas da Qualidade, Suprimentos, Engenharia do Produto e Processo, dentre outras, trabalham em conjunto, para que ao final da fase de desenvolvimento de um determinado programa, os fornecedores estejam qualificados e prontos para fornecer produtos para a produção em série. Nesta fase, temos a realização de alguns eventos fundamentais para o acompanhamento do desenvolvimento dos fornecedores. Esses eventos acontecerão com uma periodicidade definida de acordo com a priorização estabelecida para cada fornecedor e estão listados a seguir: REVISÃO DA QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO Atividade periódica conjunta, no nível operacional, entre qualidade, engenharia, manufatura, suprimentos, suporte ao cliente, etc, com o objetivo de se obter uma visão abrangente e alinhada dos riscos da não qualidade envolvidos no fornecimento de produtos, na qual as ações aplicáveis para mitigação dos riscos são alinhadas e os seus resultados posteriormente avaliados. São considerados os dados históricos de fornecedores e produtos similares que constam nos bancos de dados das áreas envolvidas.

3 4.1.2 AUDITORIAS NOS FORNECEDORES As auditorias na fase de desenvolvimento são planejadas com base nos resultados obtidos na Revisão da Qualidade no Desenvolvimento. O principal foco das auditorias na fase de desenvolvimento do fornecedor é levantar possíveis riscos e pontos fracos do fornecedor que possam influenciar na qualidade e prazo dos produtos fornecidos ABERTURA DO PLANO DE AÇÃO CONJUNTO Ao final da auditoria inicial no fornecedor, um Plano de Ação dever ser elaborado de modo a conter os riscos a serem tratados e mitigados durante e após a auditoria. Este plano deverá se acompanhado e atualizado sempre que necessário, não sendo necessário aguardar uma nova auditoria para o fechamento das ações existentes e nem para a abertura de novas ações. O Plano de Ação Conjunto é um documento gerido pela área da Qualidade, mas que envolve outras áreas da empresa para a análise e eliminação dos riscos REVISÃO DA QUALIDADE NO NÍVEL GERENCIAL Evento periódico de avaliação da evolução do desenvolvimento do produto e fornecedor, com a participação dos gerentes e diretores envolvidos, incluindo o fornecedor. O objetivo é a ratificação ou a correção das ações tomadas ou planejadas e apoiar tais ações viabilizando os recursos necessários. 4.2 DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS NOS FORNECEDORES Esta fase deve ocorrer simultaneamente ao desenvolvimento do fornecedor e tem como objetivo ter os produtos dos fornecedores aprovados e certificados. O desenvolvimento dos produtos nos fornecedores é subdividido nas seguintes etapas: REVISÃO PRELIMINAR DE PROJETO Nesta etapa, devem-se definir algumas características dos produtos como: especificações técnicas, atributos, especificações logísticas, planejamento para a aplicação das ferramentas da qualidade como FMEA (Failure Mode Effect Analysis), controle estatístico de processo, planejamento de testes de qualificação e testes de aceitação REVISÃO CRÍTICA DE PROJETO Nesta etapa, devem-se ter as características técnicas do produto totalmente definidas e o fornecedor pré-qualificado FABRICAÇÃO DOS PRODUTOS A SEREM FORNECIDOS Nesta etapa, onde os fornecedores irão iniciar a produção de itens para a realização dos testes, é necessário ter as PFMEAs (Process Failure Mode Effect Analysis) aprovadas e auditorias nos fornecedores para a aprovação do embarque das primeiras peças realizadas INTEGRAÇÃO DOS PRODUTOS FORNECIDOS Nesta etapa, os produtos fornecidos são integrados ao produto final e testados. As não conformidades encontradas devem ser geridas e rapidamente solucionadas em conjunto com os fornecedores ACOMPANHAMENTO DA PERFORMANCE DOS PRODUTOS FORNECIDOS Nesta etapa, é acompanhada e avaliada a performance dos produtos fornecidos através dos ensaios realizados no produto final. Através dos dados de performance é possível saber o grau de maturidade dos itens fornecidos para a entrada em série do produto final.

4 4.3 CLASSIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES Para uma gestão eficaz dos fornecedores, existem ainda dois pontos considerados fundamentais e dizem respeito à classificação dos fornecedores quanto ao risco que podem representar e a importância de seus produtos para o produto final. Para este fim podemos nos valer de ferramentas como Análise de Risco dos Fornecedores e Criticidade dos Produtos Fornecidos ANÁLISE DE RISCO DOS FORNECEDORES Evento realizado periodicamente para cada fornecedor, levando-se em consideração fatores como experiência em produtos similares ao fornecido, complexidade do produto e processo de fabricação, além do histórico de qualidade do fornecedor para em outros projetos. É executada por um time multifuncional buscando extrair proveito da experiência diferenciada dos participantes CRITICIDADE DOS PRODUTOS FORNECIDOS Durante a fase de Revisão Preliminar de Projeto, o corpo técnico é responsável por elaborar a lista que classifica os produtos fornecidos de acordo com sua criticidade para o produto final. Essa lista é elaborada baseada nos aspectos críticos de utilização e manufatura do produto RELAÇÃO ANÁLISE DE RISCO X CRITICIDADE DO PRODUTO A relação entre Análise de Risco e Criticidade dos Produtos é utilizada para definir a priorização dos fornecedores, como mostrado na Tabela 1. Com base neste modelo de priorização, os tipos de ações e períodos em que essas ações devem ocorrer são definidos, como exemplificado na Tabela 2. De posse das informações das Tabelas 1 e 2, pode-se afirmar que fornecedores com prioridade 1 terão uma gestão diferenciada e intensificada em relação a gestão dos fornecedores classificados com prioridades menores. Como resultado, as ações e eventos tornam-se menos freqüentes ou até mesmo desnecessários conforme a prioridade dos fornecedores diminui, disponibilizando recursos que serão mais bem aplicados nos mais críticos. 5 ANÁLISE DE CASO Na gestão de fornecedores durante a fase de desenvolvimento do produto, pode-se estabelecer que a 1ª auditoria em cada fornecedor deva ser executada tão logo os contratos sejam assinados. A partir daí, novas auditorias podem ser realizadas em um período estabelecido com base na classificação do fornecedor. Uma etapa fundamental para se obter bons resultados nas auditorias é o planejamento. Durante o planejamento das auditorias, alguns eventos devem acontecer: revisão na análise de risco do fornecedor e reunião para a revisão de aspectos gerais da qualidade no fornecedor. A realização das auditorias durante o desenvolvimento é focada no aspecto do risco que o fornecedor e seus produtos podem oferecer. A eficácia dessas auditorias é relacionada à identificação e antecipação aos riscos que os produtos dos fornecedores possam trazer para a montagem do produto final. Para que bons resultados nas auditorias sejam alcançados, a estratégia é elaborar um Plano de Ações Conjunto formal com os fornecedores auditados, de modo a discutir e documentar todos os potenciais riscos levantados com base no histórico de falhas do mesmo tipo de produto. O Plano de Ação Conjunto é um documento elaborado, atualizado e gerido sempre com a participação do fornecedor, e tem o objetivo de definir e registrar ações, prazos e responsáveis que eliminem ou minimizem os riscos, bem como permitir o acompanhamento

5 da implementação destas ações. O fornecedor passa a ter o comprometimento de que seus produtos não terão nenhuma falha relativa a algum risco abordado no Plano de Ação. De uma maneira geral, as estratégias e ações que devem ser adotadas para que seja possível obter bons resultados nas auditorias são: Planejar antes de auditar Conhecer bem os requisitos que o produto tem que atender Enfatizar a estruturação ou acompanhamento das atividades do Plano de Ação Conjunto Auditar o fornecedor de acordo com a priorização e com base nos riscos levantados Como resultado das auditorias e das ações tomadas pré e pós-auditoria, espera-se ter o controle do desempenho dos produtos e fornecedores através do Plano de Ação Conjunto, reduzindo o risco de se ter produtos não conforme durante a fase de desenvolvimento e produção em série. A figura 1 e a tabela 3 mostram de que maneira é acompanhado o desempenho dos Planos de Ação Conjunto durante a fase de desenvolvimento. 30 Indicador de Desempenho do Plano de Ação Conjunto "Fornecedor A" 100% 100% 100% 25 90% 20 86% Nº Ações 15 83% 80% % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ações abertas Ações fechadas Eficácia das ações Figura 1. Dados de desempenho dos Planos de Ação Conjunto. 5.1 ANTES E DEPOIS As auditorias convencionais de sistemas, processos e produtos, de forma geral se baseiam na verificação do atendimento de requisitos intermediários à obtenção do produto final, bem como se aplica de forma linear e aleatória sobre toda a base de fornecedores, não levando em conta a relatividade dos mesmos quanto a riscos do produto, sua produção e utilização. Se no processo de gestão de fornecedores não fossem considerados fatores como dados históricos de falhas de produtos similares e riscos potenciais associados ao produto e ao fornecedor, não seria possível priorizar os fornecedores e riscos de maneira eficaz, tornando a gestão padrão para todos os fornecedores. Essa falta de priorização na gestão poderia levar a falta de recursos na gestão de alguns fornecedores e excesso em outros, podendo comprometer o bom desenvolvimento dos produtos. Com o processo de gestão utilizando a priorização (baseado em análise de risco e criticidade do produto), os fornecedores são fortemente direcionados, de forma regular, a tomarem ações preventivas para evitar que falhas

6 conhecidas reincidam e que novas falhas apareçam. Essa antecipação ao risco é um fator fundamental para justificar a aplicação desta nova estratégia. Como resultado dessa antecipação ao risco, espera-se, que os custos da não qualidade no produto final sejam reduzidos e atrasos no desenvolvimento sejam minimizados. Um Plano de Ação Conjunto contendo os riscos e suas possíveis soluções, é um dos principais resultados esperados das auditorias na fase de desenvolvimento. Esses planos devem ser monitorados de modo que os fornecedores eliminem todos os riscos no decorrer do desenvolvimento do produto. O plano de Ações Conjunto mostra-se eficaz para atender os objetivos de se desenvolver produtos de boa qualidade e dentro dos requisitos estabelecidos. 6 TABELAS Tabela 1. Relação Análise de Risco do fornecedor x Criticidade do Produto para Priorização de Auditorias. Análise de Criticidade Análise de Risco (Fornecedor) (Produto) R Alto R Médio R Baixo Criticidade C Alta C Média C Baixa Tabela 2. Ações nos Fornecedores de Acordo com a Priorização. Prioridade Análise de Risco 1,5 mês 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses Reunião de Revisão da Qualidade 1,5 mês 3 meses 6 meses 9 meses Não aplicável Auditoria ou Visita Técnica 3 meses 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses Tabela 3. Indicador de desempenho Plano de Ação Conjunto. Mês / Status Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ações abertas Ações fechadas Ações eficazes Eficácia das ações 100% 100% 90% 83% 86% Reincidência CONCLUSÃO Auditorias na fase de desenvolvimento do produto são realizadas com base em riscos e criticidade inerentes ao fornecedor e ao produto.

7 O critério de priorização dos fornecedores para a gestão é fundamental para a correta aplicação de recursos, obtenção de bons resultados nas auditorias, redução dos riscos durante o desenvolvimento e de não conformidades durante a produção em série. A elaboração do Plano de Ações Conjunto com fornecedores gera uma ferramenta de acompanhamento e implementação de ações preventivas para as auditorias durante o desenvolvimento do produto. A priorização de fornecedores através do método apresentado pode ser aplicada a todos os ramos da indústria, mas esperam-se melhores resultados em empresas com uma cadeia de fornecimento complexa, onde gerir todos os fornecedores da mesma forma possa significar riscos. Uma proposta para próximos trabalhos seria apresentar resultados práticos que confirmem a eficácia desse método de gestão onde há a priorização de fornecedores. 8 REFERÊNCIAS ARTER, D. R. Quality audits for improved performance, 3 rd edition, HANLON, T. Auditoria da qualidade, 1 st edition, JURAN, M. J.; GODFREY, A.B. Juran s Quality Handbook, MacGraw-Hill, 5 th edition, FERNANDEZ, R. R. Total quality in purchasing & supplier management, St. Lucie Press, 1995.

Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade. Nilton José Reinert Junior¹

Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade. Nilton José Reinert Junior¹ Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade Nilton José Reinert Junior¹ RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar uma análise sobre auditorias da qualidade em fornecedores, bem como, conceitos

Leia mais

Um método de gestão de fornecedores baseado na avaliação da eficácia de auditorias realizadas na fase de desenvolvimento de produtos

Um método de gestão de fornecedores baseado na avaliação da eficácia de auditorias realizadas na fase de desenvolvimento de produtos Um método de gestão de fornecedores baseado na avaliação da eficácia de auditorias realizadas na fase de desenvolvimento de produtos Giovani Faria Muniz 1 Jorge Muniz 2 Fernando Augusto da Silva Marins

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Qualidade e Comportamento do Produto em Pós-venda

Qualidade e Comportamento do Produto em Pós-venda Qualidade e Comportamento do Produto em Pós-venda Sandro Mioni Moreira ( UNIMEP ) smmoreir@unimep.br Jurandir Jones Nardini ( UNIMEP) jnardini@unimep.br Resumo O objetivo deste artigo é informar técnicas

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia Hugo Machado S. Filho COELBA E-mail: hmachado@coelba.com.br Palavras-chave

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCEITOS SOBRE CUSTOS DA QUALIDADE (APOSTILA) Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 13 OBJETIVOS OBJETIVOS COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas

Leia mais

Alinhando Produção de Software e TI Copyright 2004 Jorge H C Fernandes. Todos os direitos Reservados

Alinhando Produção de Software e TI Copyright 2004 Jorge H C Fernandes. Todos os direitos Reservados Alinhando Produção de e TI White paper Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes jhcf@cic.unb.br Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de 2004 Conteúdo 1 - Organizações precisam

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO 2013 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS Dezembro - 2013 2 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS 2013 METAS DE NIVELAMENTO PARA AS CORREGEDORIAS

Leia mais

Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um

Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um projeto (PMBOK) Revisão O que vimos até agora? Iniciando um projeto Desenvolver o termo de abertura Desenvolver o escopo preliminar do projeto Gerenciamento

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo, Doutorando em Saneamento Ambiental IPH/UFRGS, Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III Aprovação de contas - 2013 [PUBLICO] Agenda Aprovação de Contas Estrutura do Fundo Mercado de Energia (2012-2014) Status - FIP-IE

Leia mais

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Universidade de Brasília Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais Disciplina: Auditoria 1 Prof: Wolney Resende de Oliveira Turma B. Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Ana Carolina Araujo Catarina

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos Processos de gerenciamento de riscos Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos O Plano de Gerência de Riscos descreve como a identificação, a análise

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 Fernando Teixeira de Abreu, engº Consultor Sénior Iberogestão Jornada da Qualidade para a Administração Pública - UCRE Cabo

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos

Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos 1 Resumo Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos Amanda Oliveira Zoltay - amanda.zoltay10@gmail.com Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Goiânia,

Leia mais

Atendimento Virtual Ampla

Atendimento Virtual Ampla 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Atendimento Virtual Ampla Carlos Felipe de Moura Moysés Ampla Energia e Serviços S.A cmoyses@ampla.com André Theobald Ampla Energia e Serviços S.A theobald@ampla.com

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a Administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL Pedro Duarte Filho 1 José Marta Filho 2 Resumo O setor energético de gás natural vem crescendo rapidamente e tornando-se

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga. existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam.

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga.  existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam. I GRÁFICO DE GANTT Em atividades industriais, programar a produção envolve primeiramente o processo de distribuir as operações necessárias pelos diversos centros de trabalho. Essa fase recebe o nome de

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

3ª Pesquisa. 3ª Pesquisa. IOB SPED NF-e. Mais informações sobre SPED e NF-e, acesse www.iobsolucoes.com.br www.iobsolucoes.com.

3ª Pesquisa. 3ª Pesquisa. IOB SPED NF-e. Mais informações sobre SPED e NF-e, acesse www.iobsolucoes.com.br www.iobsolucoes.com. 3ª Pesquisa /iobprimeo 1 A PESQUISA Estamos acompanhando o projeto SPED desde seu início, e sabemos que a crença de várias empresas quanto à adequação a esse sistema era de que poderia não perdurar. Entretanto,

Leia mais

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Importante instrumento da Estratégia Six Sigma *1 FMEA FAILURE MODE and EFFECTS ANALYSIS *2 A necessidade da montagem de um sistema preventivo e não corretivo,

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Gestão de Segurança com enfoque comportamental no Negócio Agregados

Leia mais

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007 Seminário sobre Recuperação de Empresas 10 de Outubro de 2007 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PÁGINA: 1/11 OBJETIVO DEFINIR O MÉTODO DE FUNCIONAMENTO DA, VISANDO MANTER AS MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E AS INSTALAÇÕES DA. DE FORMA A GARANTIR A QUALIDADE DO PRODUTO DENTRO DO ESPECIFICADO

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

APFCertifica. Sistema Operacional de Grupo

APFCertifica. Sistema Operacional de Grupo Associação dos Produtores Florestais do Concelho de Coruche e Limítrofes APFCertifica Sistema Operacional de Grupo Este documento constitui o manual de procedimentos para a gestão do grupo APFCertifica

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS DE FORNECEDORES 3M DO BRASIL

MANUAL DE REQUISITOS DE FORNECEDORES 3M DO BRASIL MANUAL DE REQUISITOS DE FORNECEDORES 3M DO BRASIL ÍNDICE 1 Introdução... Erro! Indicador não definido. 2 Requisitos da Qualidade... Erro! Indicador não definido. 2.1 Definições... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO 4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO Neste capítulo, apresentaremos o estudo da dinâmica da gestão de projetos, demonstrando como os principais autores de Dinâmica de Sistemas apresentam sua aplicações em

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ Sumário 1- A instituição 02 2- Indicadores sobre o corpo funcional 05 3- Resultados 2013 06 4- Principais Ações de Gestão

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und]

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und] 0 Implantação do CMMI-DEV L2 509,13 dias 01/Fev/10 08/Fev/12 1 1 Iniciação 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 2 1.1 Formar e institucionalizar SEPG 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 3 1.1.1 Treinamento 2 dias 01/Fev/10

Leia mais

PLANEJAMENTO*AGREGADO

PLANEJAMENTO*AGREGADO Estrutura'dessa'aula 1. POR'QUE'REALIZAMOS'PLANEJAMENTO'? 2. PLANEJAMENTO:'LONGO,'MÉDIO'E'CURTO'PRAZOS 3. CONTEXTO'GERAL'DO'PLANEJAMENTO'AGREGADO 4. O'QUE'É'PLANEJAMENTO'AGREGADO'? 5. O'PLANEJAMENTO'AGREGADO'NA'VISÃO'GERAL'DO'

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Construção Casa Simples. II - RBS Risk Breakdown Structure para a identificação dos riscos

Construção Casa Simples. II - RBS Risk Breakdown Structure para a identificação dos riscos Construção Casa Simples PLANO GERENCIAMENTO RISCOS E RESPOSTAS AOS RISCOS RISK MANAGEMENT PLAN AND RISK RESPONSE MANAGEMENT PLAN Preparado por Ronilson Ronald Marques Gerente do Projeto Versão 1.0 Aprovado

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

Relatório de Boas Práticas

Relatório de Boas Práticas Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: WEG EQUIPAMENTOS ELETRICOS S/A CNPJ: 07.175.725/0010-50 Responsável pela prática: Natalino Petry Cargo / Função: Chefe da seção QPOP E-Mail: natalinop@weg.net

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO &

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO & MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO & 1 Tópicos: Ações da BM&FBOVESPA Principais Ações de Divulgação pela ABBI Interação da ABBI com o Mercado Plano de Ação da ABBI - Pesquisa junto as IFs, - Projeto Piloto,

Leia mais

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice Gerência de Programas Gerência de Engenharia Gerência de Regulamentação Gerência de Inspeção e Produção 01 REUNIÃO DE FAMILIARIZAÇÃO Reunião para estabelecer parceria com o requerente. É uma oportunidade

Leia mais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade Critério para Comerciantes Mudanças Principais O Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade revisado é o resultado do projeto de revisão

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Flávia Felix da Silva Resumo: Neste estudo faz-se um levantamento sobre aspectos da informática e sistema de informação

Leia mais

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO Valdir Furlan Junior 1 (valdirfurlanjr@gmail.com) Álvaro Azevedo Cardoso 1 (azevedo@unitau.br)

Leia mais

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS * Dlmas de Paula Mietto A redução dos gastos com insumos através da determinação do fornecedor / matéria-prima de mais baixo custo.

Leia mais

Sumário. Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA

Sumário. Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA Fabio Reginaldo 1 Sumário - Introdução Contexto de Projetos Modelos de Maturidade O Problema O Objetivo Método Utilizado

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

1. Evolução da técnicas de gerenciamento

1. Evolução da técnicas de gerenciamento Gestão de Projetos Evolução das técnicas de gerenciamento; A história do gerenciamento de projetos; Características dos projetos; Causas de fracasso em projetos; Ciclo de vida de um projeto e suas fases;

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021

Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021 Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021 Revisão 01 FEV/2010 DOQ-CGCRE-021 Revisão 01 Fev/2010 Página: 02/28 Introdução

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

I N F O R M A T I V O T É C N I C O I D C C O M O B S E R V A Ç Õ E S I M P O R T A N T E S S O B R E O S S E T O R E S D O M E R C A D O

I N F O R M A T I V O T É C N I C O I D C C O M O B S E R V A Ç Õ E S I M P O R T A N T E S S O B R E O S S E T O R E S D O M E R C A D O I N F O R M A T I V O T É C N I C O I D C C O M O B S E R V A Ç Õ E S I M P O R T A N T E S S O B R E O S S E T O R E S D O M E R C A D O Gerenciamento do risco e m p r e s a rial : um plano d e a ç ã

Leia mais

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis 5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis Este capítulo descreve orientações, sobre a utilização da métrica Ponto de Função, para medição e remuneração de

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais