Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia"

Transcrição

1 Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Farmacologia Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Aula Tema: Anti-hipertensivos

2 Mecanismos do Controle da PA SNA SRA O Sistema cardiovascular é controlado de forma integrada: Sistema nervosa autônomo simpatico, Sistema Renina-angiotensina-Aldosterona

3 Controle da PA PA = DC x RVP FC x VS Ativação Simpática: NORADRENALINA

4 Ativação Simpática: NORADRENALINA Receptores 1 Ca 2+ Receptores α 1 Automaticidade Freq Cardíaca Força Contração Vasoconstriçã o PA = DC x RVP Ativação Simpática

5 TRANSMISSÃO ADRENÉRGICA Receptores Adrenérgicos: NORADRENALINA β Acoplados a adenilil ciclase β 1: Gs estimula AC AMPc β 2 : Gs estimula AC AMPc β 3: Gs estimula AC AMPc α α 2 :Gi Inibe AC Diminui AMPc α 1 : Gq Ativa via PLC β -IP 3 -Ca 2+ ;

6 Definição AMERICAN HEART ASSOCIATION Pressão sanguínea arterial acima de 140/90 mmhg ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Pressão sanguínea arterial acima de 145/90 mmhg Elevação da PA em no mínimo 2 aferições

7 CLASSIFICAÇÃO DA HIPERTENSÃO

8 Etiologia da HA Essencial ou idiopática 95-97% dos casos multifatorial Secundária Renovascular Endócrino Neurológica Feocromocitoma Coarctação da Aorta Exógena

9 Fatores Predisponentes para a HA Dislipidemia Tabagismo Estresse Obesidade Diabetes Hereditariedade Idade Sedentarismo Gênero Etnia Consumo de sal Hormônios (estrógeno) - Menopausa - Anticoncepcionais

10 Objetivo da Terapia Anti-Hipertensiva Evitar complicações cardiovasculares Reduzir a morbidade e mortalidade associadas à PA elevada

11 Tratamento não farmacológico Dieta com baixo teor de NaCl Redução de peso Exercício Cessação do tabagismo, diminuição do consumo alcoólico Diminuição do consumo de gorduras saturadas Evitar o estresse Segurança Vantagens Ausência de efeitos colaterais

12 Drogas utilizadas no tratamento da HA Diuréticos Inibidores do sistema nervoso simpático Fármacos de ação central Antagonistas -adrenérgicos Antagonistas -adrenérgicos periféricos Bloqueadores de canais para Ca ++ Inibidores da ECA Antagonistas de receptores para Angiotensina II Vasodilatadores diretos

13 Efeitos farmacológicos FC, DC, RPT, PA Diuréticos Tiazídicos: Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça: Furosemida Poupadores de K+: Espironolactona Amilorida Triantereno

14 Inibidores do Sistema Nervoso Simpático Atividade Simpática Metildopa Clonidina Drogas pouco utilizadas em função da extensão dos efeitos colaterais Efeitos farmacológicos FC, DC, RPT, PA

15 Bloqueadores das Ações Simpáticas Antagonistas dos receptores -adrenérgicos dos vasos sanguíneos PRAZOSIM Fármaco pouco utilizado em função da extensão dos efeitos colaterais Uso Terapêutico Hipertensão leve a moderada Efeitos farmacológicos FC, DC, RPT, PA

16 Bloqueadores das Ações Simpáticas Antagonistas dos receptores adrenérgicos Não seletivos ( 1 2 ): Propranolol Seletivos ( 1 ):Atenolol/ Metoprolol Uso Terapêutico Hipertensão leve a moderada Efeitos farmacológicos FC, DC, RPT, PA

17 Bloqueadores de canais para Ca 2+ Canais para Ca 2+ dependentes de voltagem L Fenilalquilaminas - verapamil Benzotiazepinas - diltiazem Dihidropiridinas - nifedipina Uso Terapêutico Hipertensão leve a moderada

18 Inibidores do Sistema Renina- Angiotensina

19 Angiotensinogênio Renina Angiotensina I ECA SISTEMA RENINA- ANGIOTENSINA Inibidores da ECA Angiotensina II AT1 Antagonistas AT1 MLV Contração Proliferação celular

20 Angiotensinogênio Renina Angiotensina I Angiotensina II AT1 ECA X Aldosterona Peptideos inativos X Bradicinina Ang 1-7 Inibidores da ECA Reduz a conversão de angiotensina II Reduz a contração vascular Captopril Enalapril MLV X Contração Proliferação celular Relaxamento Uso terapêutico Anti-hipertensivo

21 Angiotensinogênio Renina Angiotensina I Angiotensina II ECA Antagonistas dos Peptideos inativos Impede a ligação da Angiotensina no receptor Reduz a contração vascular Ang 1-7 Bradicinina receptores da angiotensina AT1 Aldosterona LOSARTAN VALSARTAN MLV X Contração Proliferação celular Uso terapêutico Anti-hipertensivo

22 Esquema Terapêutico da HA Medidas não Farmacológicas Resposta inadequada Medidas não Farmacológicas Monoterapia Diuréticos Bloqueadores de canais para Ca 2+ Antagonistas -adrenérgicos IECA e antagonistas Ang ll Resposta inadequada Substituir a droga Aumentar a dose Associar 2 a droga Resposta inadequada Associar 3 a droga

CLÍNICA MÉDICA HIPERTENSÃO ARTERIAL PATRICIA DUPIM UNIVERSO

CLÍNICA MÉDICA HIPERTENSÃO ARTERIAL PATRICIA DUPIM UNIVERSO CLÍNICA MÉDICA HIPERTENSÃO ARTERIAL PATRICIA DUPIM UNIVERSO HIPERTENSÃO ATERIAL É definida como uma PA sistólica 140mmHg e uma PA diastólica que 90mmHG, durante um período sustentado O risco cardiovascular,

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL PRESSÃO ALTA?

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL PRESSÃO ALTA? COMO EU TRATO? O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA? MINISTÉRIO DA SAÚDE Coordenação de Doenças Crônico-Degenerativas Hipertensão Arterial ou Pressão Alta é quando a pressão que o sangue faz na

Leia mais

Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais

Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Controla e Modula as Funções Viscerais SNA Importância do Estudo Implicação em várias situações

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS FARMACOLOGIA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Batista Powerpoint Templates Page 1 Powerpoint Templates Page 2 A N T I - H I P E R T E N S I V O S MECANISMOS DE CONTROLE DA PRESSÃO

Leia mais

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS)

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Pressão arterial O coração bombeia o sangue para os demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é "empurrado

Leia mais

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo Sanguíneo Controle Local Dependente da necessidade metabólica dos tecidos Controle agudo e a longo prazo Controle Humoral Desempenhado por substâncias

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL Doença cardiovascular mais comum

Leia mais

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Farmácia Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares Prof. Dr. Roberto Parise Filho Química

Leia mais

INTERNATO CARDIOLOGIA DOUTORANDA BEATRIZ ZAMPAR PROF DR MARIO AUGUSTO CRAY DA COSTA

INTERNATO CARDIOLOGIA DOUTORANDA BEATRIZ ZAMPAR PROF DR MARIO AUGUSTO CRAY DA COSTA INTERNATO CARDIOLOGIA - 2015 DOUTORANDA BEATRIZ ZAMPAR PROF DR MARIO AUGUSTO CRAY DA COSTA Plano de apresentação Introdução Evidências Combinações Hipertrofia ventricular esquerda Doença renal crônica

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Marina Politi Okoshi Disciplina de Clínica Médica Geral Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP 2008 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - Por

Leia mais

Profa. Fernanda Datti

Profa. Fernanda Datti Profa. Fernanda Datti > 30% PA 140/90 mmhg > 50% entre 60 e 69 anos 75% acima de 70 anos Idade Gênero e etnia Excesso de peso e obesidade Ingestão de sal Ingestão de álcool Sedentarismo Fatores socioeconômicos

Leia mais

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE São assim

Leia mais

POLIFARMÁCIA EM IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

POLIFARMÁCIA EM IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) POLIFARMÁCIA EM IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) Alleksandra Dias da Silva Henriques (1); Maria Luisa de Sá Vieira (2); Thamyres Stephanni Dantas dos Santos (3); Lindomar de Farias

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física Atividade Física e Hipertensão Disciplina Atividade Física e Saúde Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior Pressão Arterial A prevalência

Leia mais

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças PhD. Daniele Gabriel Costa Correlação entre aptidão cardiorrespiratória e mortalidade

Leia mais

6. Tratamento Medicamentoso

6. Tratamento Medicamentoso 6. Tratamento Medicamentoso 6.1. Objetivos O objetivo primordial do tratamento da hipertensão arterial é a redução da morbidade e da mortalidade cardiovasculares 138,139. Assim, os antihipertensivos devem

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data: Assinatura:... ATENÇÃO: Responda todas as questões obrigatórias e 1 questão à sua escolha dos demais blocos (C à F). Para completar

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

VASODILATADORES PERGUNTAS. 1. Para que usar? 1. Para que usar? 2. Quais opções? 3. Cuidados? facilita o esvaziamento do coração. (diminui a pré carga)

VASODILATADORES PERGUNTAS. 1. Para que usar? 1. Para que usar? 2. Quais opções? 3. Cuidados? facilita o esvaziamento do coração. (diminui a pré carga) VASODILATADORES Prof. Moacir Leomil Neto PUC Minas campus Poços de Caldas VESP PERGUNTAS 1. Para que usar? 2. Quais opções? 3. Cuidados? 1. Para que usar? facilita o esvaziamento do coração (diminui a

Leia mais

Agosto de 2016 HIPERTENSÃO ARTERIAL

Agosto de 2016 HIPERTENSÃO ARTERIAL Agosto de 2016 HIPERTENSÃO ARTERIAL SUMÁRIO 1. DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. MECANISMOS DA HIPERTENSÃO PRIMÁRIA OU ESSENCIAL... 4 4. DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA HIPERTENSÃO...

Leia mais

Hipertensão Arterial Sistêmica Resistente

Hipertensão Arterial Sistêmica Resistente Hipertensão Arterial Sistêmica Resistente Introdução Hipertensão resistente é definida como valores pressóricos acima das metas desejáveis com o uso adequado de três anti-hipertensivos de classes diferentes.

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

Palavras-chave: Hipertensão Arterial Sistêmica. Medicamentos anti-hipertensivos.

Palavras-chave: Hipertensão Arterial Sistêmica. Medicamentos anti-hipertensivos. MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS DISPENSADOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE IPATINGA - MG ANTIHYPERTENSIVE EXEMPT DRUGS ON A BASIC HEALTH UNIT IN MUNICIPALITY OF IPATINGA MG Juliana Franco

Leia mais

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Classificação Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Hidroclorotiazida:

Leia mais

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo; CONCEITOS PRELIMINARES Remédio; Medicamentos; Medicação; Fármaco; Droga; Eventos Adversos de Medicamentos (EAM). EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM Associado ou não à um dano ao paciente. É o caminho

Leia mais

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Fármacos ANTI-HIPERTENSIVOS EPIDEMIOLOGIA DA HAS Atinge - 20 a 30% dos adultos 68,4% tem conhecimento Apenas 27,4% são controladas satisfatoriamente Aumento da incidência de complicações com aumento dos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA. Dr. José Maria Peixoto

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA. Dr. José Maria Peixoto INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA Dr. José Maria Peixoto Introdução A síndrome da IC poder ocorrer na presença da função ventricular preservada ou não. Cerca de 20% a 50 % dos pacientes

Leia mais

Sessão Televoter Hipertensão

Sessão Televoter Hipertensão 2013 27 de Abril Sábado Sessão Televoter Hipertensão António Pedro Machado Carlos Rabaçal Joana Bordalo Hipertensão na gravidez Evolução da PA durante a gravidez em 6000 mulheres entre os 25 e os 34 anos

Leia mais

[A] Graduado em Enfermagem pela Universidade de Pinhal (Unipinhal), Espírito Santo do Pinhal, SP - Brasil. [c]

[A] Graduado em Enfermagem pela Universidade de Pinhal (Unipinhal), Espírito Santo do Pinhal, SP - Brasil. [c] [T] ASPECTOS CLÍNICOS E MECANISMO DE AÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES FARMACOLÓGICAS USADAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TÍTULO [I] Clinical aspects and action mechanism of main pharmacological

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Sistema Nervoso Central Periférico Autônomo Somático Simpático Parassimpático Ação integradora sobre a homeostase corporal. Respiração

Leia mais

Conteúdo 37 RESPOSTAS SOBRE HIPERTENÇÃO ARTERIAL

Conteúdo 37 RESPOSTAS SOBRE HIPERTENÇÃO ARTERIAL 37 RESPOSTAS SOBRE HIPERTENÇÃO ARTERIAL 2 Conteúdo 37 RESPOSTAS SOBRE HIPERTENÇÃO ARTERIAL... 4 Qual a prevalência da hipertensão arterial?... 4 O que é a hipertensão (HTA) arterial?... 4 O que é a pressão

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA

IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA FERREIRA 2, Vinicius Lins FONTES 1, Jacyguara Silva MELO 3, Maria Ladjane Sodré

Leia mais

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho CASO CLÍNICO Homem, 45 anos, com cirrose por HCV foi admitido com queixa de fraqueza e icterícia de início recente. O paciente possuía

Leia mais

DROGAS UTILIZADAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL

DROGAS UTILIZADAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL DROGAS UTILIZADAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL Definição: distúrbio assintomático com elevação anormal da pressão nas artérias Pressão em repouso: sistólica 140 mm Hg e diastólica 90 mm Hg No

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL EM INDIVIDUOS DO MUNICIPIO DE NEVES PAULISTA

HIPERTENSÃO ARTERIAL EM INDIVIDUOS DO MUNICIPIO DE NEVES PAULISTA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM INDIVIDUOS DO MUNICIPIO DE NEVES PAULISTA AUTORES VERIDIANE PASSOS HORJAS MARCELA CAPOBIANCO SILVIA MESSIAS BUENO PAULA CURI DE FREITAS FAVARO NATALIA SPERLI GERALDES MARIN DOS

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

ERVAS CHINESAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO. Dr. Marcio Miyamoto Tao das Ervas Fitoterapia Chinesa

ERVAS CHINESAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO. Dr. Marcio Miyamoto Tao das Ervas Fitoterapia Chinesa ERVAS CHINESAS NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO Dr. Marcio Miyamoto Tao das Ervas Fitoterapia Chinesa HIPERTENSÃO - SBH O que é hipertensão: É a pressão arterial, sistematicamente, igual ou maior que 14 mmhg

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA ALINE NEVES BONETTI

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA ALINE NEVES BONETTI 1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA ALINE NEVES BONETTI ANÁLISE CRITICA DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS PARA TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO E DO DIABETES NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Farmacologia Autonômica colinérgica

Farmacologia Autonômica colinérgica Projeto: Atualização em Farmacologia Básica e Clínica Curso: Farmacologia Clínica do Sistema Nervoso Autônomo Farmacologia Autonômica colinérgica Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Doutor em Biotecnologia

Leia mais

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas Diuréticos Os diuréticos são fármacos f que tem a propriedade de causar Diuréticos aumento do volume urinário rio e cujo mecanismo é a inibição da reabsorção tubular de sódio s e água. Prof. Carlos Cezar

Leia mais

FÁRMACOS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

FÁRMACOS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR FÁRMACOS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Ana Patrícia Fontes de Sousa Farmacologia 2002 1. INSUFICIÊNCIA NCIA CARDÍACA ACA Ana Patrícia Fontes de Sousa Farmacologia 2002 INTRODUÇÃ ÇÃO DEFINIÇÕES IC direita:

Leia mais

Variação e Controle da Pressão Arterial e Hipertensão Arterial Sistêmica. Paulo José Bastos Barbosa Semiologia Médica I

Variação e Controle da Pressão Arterial e Hipertensão Arterial Sistêmica. Paulo José Bastos Barbosa Semiologia Médica I Variação e Controle da Pressão Arterial e Hipertensão Arterial Sistêmica Paulo José Bastos Barbosa Semiologia Médica I - 2013 pjbbarbosa@uol.com.br Taxas de mortalidade por DCV e suas diferentes causas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Farmacologia. Instruções para o teste

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Farmacologia. Instruções para o teste FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Farmacologia Instruções para o teste Responda no formulário próprio. Escreva o seu nome completo em letras maiúsculas em ambas as folhas. Identifique o tipo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POSSÍVEIS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DO MUNICÍPIO DE POÇINHOS-PB

AVALIAÇÃO DE POSSÍVEIS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DO MUNICÍPIO DE POÇINHOS-PB AVALIAÇÃO DE POSSÍVEIS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DO MUNICÍPIO DE POÇINHOS-PB Alleksandra Dias da Silva Henriques (1) ; Thamyres Stephanni Dantas dos Santos (2) ; Lindomar de Farias

Leia mais

Manejo da Ascite no Cirrótico

Manejo da Ascite no Cirrótico XVIII WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO VII SIMPÓSIO DE TRANSPLANTE HEPÁTICO E HIPERTENSÃO PORTA BRASIL/ INGLATERRA Manejo da Ascite no Cirrótico Gustavo Pereira Serviço de Gastroenterologia

Leia mais

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel Pressão Arterial Profª. Claudia Witzel Pressão do sangue Quando o volume de sangue que sai do coração é maior do que o determinado pela Organização Mundial de Saúde, ou seja, acima de 130 x 85 mmhg. A

Leia mais

Atenção Farmacêutica em pacientes hipertensos: um estudo piloto

Atenção Farmacêutica em pacientes hipertensos: um estudo piloto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS CAMPUS DE ARARAQUARA Atenção Farmacêutica em pacientes hipertensos: um estudo piloto Carolina Luiza Modé Araraquara

Leia mais

Hipertensão Arterial. Literacia em saúde na área do medicamento e da terapêutica medicamentosa

Hipertensão Arterial. Literacia em saúde na área do medicamento e da terapêutica medicamentosa Literacia em saúde na área do medicamento e da terapêutica medicamentosa Hipertensão Arterial Ação financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do projeto em Literacia da Saúde 2014. Manuel Morgado,

Leia mais

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS FARMACOLOGIA Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS RIM RIM RIM Filtra perto de 150 litros por dia! Após secreção e reabsorção

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO CONTROLE HIDROELETROLÍTICO Profa. Dra. Monica Akemi Sato CONCEITO DE MEIO INTERNO E SUA HOMEOSTASE MEIO INTERNO: MEIO INTERSTICIAL- VASCULAR CONCEITO DESENVOLVIDO POR CLAUDE BERNARD (1813-1878) HOMEOSTASE:

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Maria Eugênia Fernandes Canziani Universidade Federal de São Paulo Brasília, 2012

Leia mais

Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica

Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica AGENTES ADRENÉRGICS E ANTIADRENÉRGICS Bibliografia G. L. Patrick. Drugs acting on the adrenergic nervous system. In: An Introduction to

Leia mais

Frederico Scuotto 1, Carolina Gonzaga 2, Márcio Sousa 2, Flávio Borelli 2, Leda Lotaif 2, Oswaldo Passarelli Jr. 2, Celso Amodeo 3, Amanda Sousa 4

Frederico Scuotto 1, Carolina Gonzaga 2, Márcio Sousa 2, Flávio Borelli 2, Leda Lotaif 2, Oswaldo Passarelli Jr. 2, Celso Amodeo 3, Amanda Sousa 4 134 CASO CLÍNICO Editor: Celso Amodeo Hipertensão arterial resistente verdadeira: sabendo identificar e conduzir Real resistant hypertension: investigation and management Frederico Scuotto 1, Carolina

Leia mais

TRATAMENTO DA CRISE HIPERTENSIVA

TRATAMENTO DA CRISE HIPERTENSIVA Eurival Soares orges TRATAMENTO DA CRISE HIPERTENSIVA INTRODUÇÃO EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS EM HIPERTENSÃO TERAPIA INICIAL CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO AVC CUIDADOS ESPECIAIS EM CRISE HIPERTENSIVA

Leia mais

YOMAX. cloridrato de ioimbina

YOMAX. cloridrato de ioimbina YOMAX cloridrato de ioimbina APRESENTAÇÃO Comprimidos de 5,4 mg. Caixa contendo 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: cloridrato de ioimbina... 5,4 mg Excipientes qsp...

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 11/03/2016)

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR (atualizado em 11/03/2016) ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896112157380 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896006210108 ASMA BROMETO

Leia mais

INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES

INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES INFLAMAÇÃO Estereotipia Mobilização Substâncias endógenas Inflammation as a multimedated phenomenon, of a pattern type in which all mediators would come and go at the appropriate

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

Manejo clínico da ascite

Manejo clínico da ascite Manejo clínico da ascite Prof. Henrique Sérgio Moraes Coelho XX Workshop Internacional de Hepatites Virais Recife Pernambuco 2011 ASCITE PARACENTESE DIAGNÓSTICA INDICAÇÕES: ascite sem etiologia definida

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 MG 7898361881566 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 MG 7898361881573 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 850 MG 7898361881580 DIABETES CLORIDRATO DE METFORMINA 850

Leia mais

DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL

DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL CONCEITO DIURÉTICOS Diuréticos são drogas que promovem a excreção renal de água, sódio e outros eletrólitos, aumentando assim a formação de urina e o débito urinário. Prof. Karina Lemos Guedes Karinag@pitagoras.com.br

Leia mais

TRATAMENTO AMBULATORIAL DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA REVISÃO DE LITERATURA

TRATAMENTO AMBULATORIAL DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA REVISÃO DE LITERATURA Vol.17,n.2,pp.22-29 (Jan Mar 2014) Revista UNINGÁ Review TRATAMENTO AMBULATORIAL DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA REVISÃO DE LITERATURA OUTPATIENT TREATMENT OF SYSTEMIC HYPERTENSION - LITERATURE REVIEW

Leia mais

DIFERENÇAS DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NO IDOSO ILNEI PEREIRA FILHO INSTITUTO DE CARDIOLOGIA FLORIANÓPOLIS

DIFERENÇAS DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NO IDOSO ILNEI PEREIRA FILHO INSTITUTO DE CARDIOLOGIA FLORIANÓPOLIS DIFERENÇAS DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NO IDOSO ILNEI PEREIRA FILHO INSTITUTO DE CARDIOLOGIA FLORIANÓPOLIS SC IDOSOS NO MUNDO EPIDEMIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO NO BRASIL Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Elizangela Damazio Galvagni 1 ; Elzira Diniz de Moraes 2 ; Giovana Zampieri Rocha 3 ; Jair Brás Cabeças Junior 4 ; Rubens

Leia mais

Journal of Hypertension 2013; European Heart Journal 2013; Blood Pressure 2013

Journal of Hypertension 2013; European Heart Journal 2013; Blood Pressure 2013 2013 ESC/ESH Guidelines for the management of arterial hypertension. Journal of Hypertension 2013; European Heart Journal 2013; Blood Pressure 2013 Comentários sobre a metodologia utilizada As novas Diretrizes

Leia mais

Farmacologia dos Adrenérgicos

Farmacologia dos Adrenérgicos Universidade Federal Fluminense Dep. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Adrenérgicos rgicos Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO Síntese de NA: NEUROTRANSMISSÃO ADRENÉRGICA

Leia mais

ATACAND. candesartana cilexetila

ATACAND. candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR

ELENCO OFICIAL DOS MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE PELO PROGRAMA AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026300193 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302449 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,02MG 7896026302432 ASMA BROMETO DE IPRATRÓPIO 0,25MG 7896026300216 ASMA BROMETO

Leia mais

Pressão Arterial. Pré-carga. Pós-carga. Volume Sistólico. Resistência Vascular Sistêmica

Pressão Arterial. Pré-carga. Pós-carga. Volume Sistólico. Resistência Vascular Sistêmica MV MSc. André Martins Gimenes Doutorando FMVZ-USP andremgimenes@usp.br Substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, diretos ou indiretos, atuando em pequenas doses

Leia mais

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Sistema Cardiovascular Função: distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios; termorregulação; manutenção do equilíbrio

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA. Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA. Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica Definição Síndrome caracterizada por alteração cardíaca estrutural ou funcional, que resulta em prejuízo da capacidade de ejeção

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão ORIENTAÇÃO MEDICAMENTOSA PARA PESSOAS COM HIPERTENSÃO Organizadora: Grace Kelly Matos e Silva Este material tem o objetivo de orientar os pacientes

Leia mais

Perspectivas Médicas ISSN: Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil

Perspectivas Médicas ISSN: Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Prodocimo Lestingi, Jacques Felipe; Dias, Marco Antonio Tratamento das crises hipertensivas Perspectivas

Leia mais

98% intracelular extracelular

98% intracelular extracelular DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DE 98% intracelular extracelular 2% HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO BALANÇO INTERNO BALANÇO EXTERNO HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO

Leia mais

Sinônimos: Fisiopatologia: 26/06/2013 CM DILATADA ENDO CARDIOSE ENDOCARDIOSE. CM Dilatada BOA NOITE!!!!!! CARDIOPATIAS

Sinônimos: Fisiopatologia: 26/06/2013 CM DILATADA ENDO CARDIOSE ENDOCARDIOSE. CM Dilatada BOA NOITE!!!!!! CARDIOPATIAS ENDO CARDIOSE X CM DILATADA BOA NOITE!!!!!! Prof. Dr. Moacir Leomil Neto PUC Minas campus Poços de Caldas CARDIOPATIAS HAMLIM, 1994 Adquiridas (95%); congênitas (5%) LARSSON et al., 2000 Valvulopatias:

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SNA Via motora autônoma neurovegetativa nível subcortical simpática e parassimpática SNA SNA opera por reflexos viscerais sinais sensitivos de partes do corpo enviam impulsos ao

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

Anexo III. Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo

Anexo III. Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo Anexo III Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo Nota: Esta adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto

Leia mais

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO SEÇÃO 1 Capítulo 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO 1 Epidemiologia da prevenção do acidente vascular cerebral e urgência do tratamento 2 Introdução / 2 Incidência e prevalência

Leia mais

Candemed. Candesartana cilexetila. Germed Farmacêutica Ltda. comprimido. 8, 16 e 32 mg

Candemed. Candesartana cilexetila. Germed Farmacêutica Ltda. comprimido. 8, 16 e 32 mg Candemed Candesartana cilexetila Germed Farmacêutica Ltda comprimido 8, 16 e 32 mg Candemed Candesartana Cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Comprimidos 8mg, 16mg e 32mg. Embalagens contendo 20,

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PACIENTES HIPERTENSOS

ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PACIENTES HIPERTENSOS REF ISSN 1808-0804 Vol. X (1), 51 - ATENÇÃO FARMACÊUTICA A PACIENTES HIPERTENSOS PHARMACEUTICAL CARE TO HYPERTENSIVE PATIENTS ATENCIÓN FARMACÉUTICA DE PACIENTES CON HIPERTENSIÓN 1 Priscila Aparecida Reis

Leia mais

3.3 Tratamento medicamentoso

3.3 Tratamento medicamentoso O tabagismo também aumenta o risco de complicações cardiovasculares secundárias em hipertensos e aumenta a progressão da insuficiência renal. Além disso, a cessação do tabagismo pode diminuir rapidamente

Leia mais

O coração. Por isso, recomenda-se o controle dos fatores de risco. o que são doenças cardiovasculares?

O coração. Por isso, recomenda-se o controle dos fatores de risco. o que são doenças cardiovasculares? Coração saudável O coração É o músculo mais importante do nosso corpo, pois é encarregado de bombear o sangue, levando oxigênio e nutrientes a todos os órgãos por meio de vasos sanguíneos chamados artérias.

Leia mais

Coração Outono/Inverno

Coração Outono/Inverno Coração Outono/Inverno O que posso fazer pelo doente idoso com: Risco Cardiovascular Elevado Maria João Vieira Interna de Formação Específica em Cardiologia 1ª Ano Hospital Distrital de Santarém Cátia

Leia mais

Perfil da terapêutica utilizada em pacientes hipertensos atendidos em hospital público*

Perfil da terapêutica utilizada em pacientes hipertensos atendidos em hospital público* Artigo Original Perfil da terapêutica utilizada em pacientes hipertensos atendidos em hospital público* Profile of therapy used in hypertensive patients treated at the public hospital Kelly Cristina Borges

Leia mais

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III PRESSÃO ARTERIAL Anti-hipertensivos PA = DC x RVP FC x Vol. sg. PA = pressão arterial/

Leia mais