TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA"

Transcrição

1 Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari

2 Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos barorreceptores Controle Renal maior retenção ou filtração de sódio e água Controle hormonal sistema renina-angiotensina do rim Renina Angiotensina I Angiotensina II Vasoconstrição

3 O que é a hipertensão? É uma doença crônica não transmissível de natureza multifatorial, assintomática (na grande maioria dos casos) que compromete fundamentalmente o equílibrio dos sistemas vasodilatadores e vasoconstritores, levando a um aumento da tensão sanguínea nos vasos, capaz de comprometer a irrigação tecidual e provocar danos aos órgãos por eles irrigados.

4 Fatores não-modificaveis IDADE HEREDITARIEDADE RAÇA

5 Fatores modificáveis OBESIDADE EXCESSO DE SAL ESTRESSE SEDENTARISMO ALCOOLISMO TABAGISMO

6 Prevalência Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões se considerar cifras entre e/ou mmhg 15 milhões nem sabem que são hipertensos

7 COMPLICAÇÕES Doença cerebrovascular Doença arterial coronária Insuficiência cardíaca Insuficiência renal crônica Doença vascular de extremidades

8 TRATAMENTO Não medicamentoso Medicamentoso

9 Tratamento não medicamentoso Redução do peso corpóreo Redução da ingestão de sódio Maior ingestão de alimentos ricos em K + Redução consumo bebidas alcoólicas Exercícios físicos regulares Abolir o tabagismo Diminuir ingestão de gorduras

10 MECANISMOS HIPOTENSOR DO EXERCÍCIO FÍSICO Diminuição da atividade nervosa simpática Aumento da excreção urinária de sódio Diminuição da atividade da renina plasmática

11 Tratamento medicamentoso (Princípios Gerais) Eficaz por via oral Se possível tomada única diária Iniciar-se com menores doses efetivas e aumentá-las gradativamente e/ou associar outra classe farmacológica Quanto maior a dose, maiores as probabilidades de surgirem efeitos indesejáveis Esclarecer ao paciente sobre a doença, efeitos colaterais dos medicamentos e objetivos terapêuticos Considerar suas condições socioeconômicas

12 Classes de antihipertensivos Diuréticos Inibidores adrenérgicos Vasodilatadores arteriais diretos Inibidores da enzima de conversão (ECA) Antagonistas dos canais de cálcio (ACC) Antagonistas do receptor AT1 da angiotensina II

13 Diuréticos: reduzem a pré-carga A hidroclorotiazida é adequada para o tratamento da insuficiência cardíaca crônica A furosemida é um diurético mais potente útil no controle da insuficiência cardíaca aguda A espirolactona antagoniza a aldosterona. É um diurético poupador de potássio: efeito no túbulo contornado do néfron

14 Fármacos que reduzem a pós-carga Hidralazina: dilata o leito vascular arterial mas produz taquicardia reflexa Nitroprussiato de sódio: dialata o leito vascular arterial e não produz taquicardia reflexa

15 Inibidores da ECA Captopril, Enalapril Inibem a enzima conversora, bloqueando a transformação de Angiotensina I em II. Aumenta a produção de bradicinina Efeitos Indesejáveis: Tosse seca Alterações do paladar Renina Angiotensina I Angiotensina II Vasoconstrição

16 Antagonista do Receptor AT1 da Angiotensina II Losartana; Valsartana Antagonizam a ação da angiotensina II, bloqueando especificamente os seus receptores. Não causam tosse Renina Angiotensina I Angiotensina II Vasoconstrição

17 Inibidores adrenérgicos Betabloqueadores: Propranolol (não seletivo); Atenolol (seletivo) Efeitos indesejáveis Broncoespasmo Bradicardia Pacientes com predisposição à asma devem restringir o uso

18 Antagonistas dos canais de cálcio Nifedipina, verapamil, diltiazem Causam vasodilatação arterial generalizada Nifedipina atua no músculo liso, enaquanto verapamil atua também no coração e diltiazem tem especificidade intermediária Nifedipina: taquicardia reflexa Verapamil e diltiazem: tornam mais lento o marca-passo cardíaco

19 Aumenta dose Monoterapia Inicial Diurético Betabloqueadores Antag. Canais Ca IECA ARAII Resposta Inadequada ou efeitos adversos OU Adicionar 2ª droga Resposta inadequada Adicionar 2ª ou 3ª Droga Substituir Monoterapia

20 Considerações Pacientes com um histórico de doença da artéria coronária, que tenham sofrido um infarto do miocárdio ou que apresentem hipercolesterolemia familiar requerem uma redução do nível sérico de colesterol total. Resinas de ligação de ácidos biliares: colestiramina Estatinas: bloqueiam a síntese de colesterol

21 Considerações Trombos arteriais são mediados por plaquetas e se formam em lesões intra-arteriais: placa aterosclerótica Trombos venosos são coágulos de fibrina causado por uma estase venosa Aspirina: Prevenção de formação de trombos arteriais: Varfarina: Prevenção de formação de trombos venosos:

22 Artéria normal Artéria com aterosclerose

23 Consequências da hipertensão arterial: importância do tratamento correto

24 Derrame Cerebral Desgaste acelerado no coração por Doenças no Coração (infarto, insuficiência cardíaca e arritmias) Dano sério nos rins Diminuição da visão por lesões na retina Lesão nas artérias

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Fármacos ANTI-HIPERTENSIVOS EPIDEMIOLOGIA DA HAS Atinge - 20 a 30% dos adultos 68,4% tem conhecimento Apenas 27,4% são controladas satisfatoriamente Aumento da incidência de complicações com aumento dos

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL Doença cardiovascular mais comum

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e;

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e; Quinta-feira, 21 de setembro de 2006. Anti-hipertensivos. Prof. Cabral. Objetivos Os objetivos principais desta seção são: 1) definir hipertensão e estabelecer a importância de seu controle: Hipertensão

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Mariana de Oliveira Almeida 1 Flávia Lúcia Abreu Rabelo 2 Claudmeire Dias Carneiro de Almeida 3 Fabiana de Almeida 4 Júlia Maria

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA O defeito

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA Profa. Elisabeth Maróstica ISQUEMIA MIOCÁRDICA Sintoma primário da cardiopatia isquêmica é a ANGINA: Angina estável (esforço) Angina instável (repouso) Angina de Prinzmetal

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população Interações Medicamentosas de Anti-Hipertensivos com outros Medicamentos Ana Virgínia Campos Miranda, Nilton Carlos Umbelino Lima, João Marcelo A. B. B. Nabas. Graduandos do curso de Farmácia da Instituição

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 10

Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 10 Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 1 APOSTILA Nº 10 FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Introdução. A

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o DISLIPIDEMIA Introdução Dislipidemias, também chamadas de hiperlipidêmicas, referem-se ao aumento dos lipídios no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos. O colesterol é uma substância

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

CORUS losartana potássica 25 mg e 50 mg Comprimidos revestidos

CORUS losartana potássica 25 mg e 50 mg Comprimidos revestidos MODELO DE BULA Corus_BU_01 CORUS losartana potássica 25 mg e 50 mg Comprimidos revestidos FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 25 mg: embalagem com 28 comprimidos. Comprimidos

Leia mais

Casos Clínicos em Atenção Farmacêutica Acompanhamento Farmacoterapêutico. Identificação do paciente e descrição do caso

Casos Clínicos em Atenção Farmacêutica Acompanhamento Farmacoterapêutico. Identificação do paciente e descrição do caso Identificação do paciente e descrição do caso Nome, idade, sexo e dados demográficos Sinais e sintomas relatados Exames apresentados e dados biométricos Medicamentos utilizados Outras informações I.S.L,

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM HIPERTENSÃO ARTERIAL MASCULINA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM HIPERTENSÃO ARTERIAL MASCULINA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM HIPERTENSÃO ARTERIAL MASCULINA Belmira Aparecida da Silva Liara Nunes Ferreira Tatiane Aparecida

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial

Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial Medicamentos Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN 107 PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Edson Batista dos Santos Júnior 1 ;Tulio Felipe Vieira de Melo 2 ; Dany Geraldo Kramer Cavalcanti

Leia mais

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal do Paraná etor de iências da aúde urso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica AGETE DIURÉTI, IIBIDRE DA EA E UTR ATI-IPERTEIV Anti-ipertensivos onceito: ão fármacos

Leia mais

Antiarrítmicos. tmicos ANATOMIA E FISIOLOGIA ACA ACA FISIOLOGIA CARDÍACA. Sistema cardiovascular

Antiarrítmicos. tmicos ANATOMIA E FISIOLOGIA ACA ACA FISIOLOGIA CARDÍACA. Sistema cardiovascular Antiarrítmicos tmicos ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDÍACA ACA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Sistema cardiovascular Sistema condutor do sangue e seus nutrientes por todo o corpo Formação: Coração ão: órgão

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg

Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg VALTRIAN losartana potássica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 50 mg: embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III PRESSÃO ARTERIAL Anti-hipertensivos PA = DC x RVP FC x Vol. sg. PA = pressão arterial/

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física Atividade Física e Hipertensão Disciplina Atividade Física e Saúde Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior Pressão Arterial A prevalência

Leia mais

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares:

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Farmácia Período: 4 período Disciplina: Nutrição Professora: Sabrina Dias arterial; Doença arterial coronariana; Acidente vascular cerebral; Geralmente acomete

Leia mais

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres.

Ataque cardíaco. Os homens têm uma probabilidade três vezes maior de sofrerem um ataque cardíaco do que as mulheres. Ataque cardíaco Introdução Um ataque cardíaco, também conhecido como enfarte do miocárdio, ou trombose coronária, ocorre quando parte do músculo cardíaco morre por falta de oxigénio. O ataque cardíaco

Leia mais

ARARTAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 50mg

ARARTAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 50mg ARARTAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 50mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Arartan

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma O débito cardíaco Introdução A influência do retorno venoso no débito cardíaco O papel dos barorreceptores Introdução

Leia mais

Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão

Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão Profa. Ms Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Insuficiência Cardíaca

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Cardizem cloridrato de diltiazem FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimido de 30 mg: embalagem com 20 e 50 comprimidos. Comprimido de 60 mg: embalagem com 20 e 50

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Iguassina hidroclorotiazida triantereno

Iguassina hidroclorotiazida triantereno Iguassina hidroclorotiazida triantereno Forma Farmacêutica e Apresentação: Comprimido: Embalagem com 20 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição: Cada comprimido contém: hidroclorotiazida 50 mg triantereno

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA COMPARAÇÃO DA RESPOSTA TERAPÊUTICA DIANTE DA ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS CAPTOPRIL E LOSARTANA POTÁSSICA EM PACIENTE COM HIPERTENSÃO - RELATO E ESTUDO DE CASO CLÍNICO FARMACOLÓGICO Lara Vezula Gonçalves

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido de 2 mg: embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Drogas que intervêm no sistema renina-angiotensina

Drogas que intervêm no sistema renina-angiotensina WILLE OIGMAN, MARIO TOROS FRITSCH O sistema renina-angiotensina desempenha papel preponderante na homeostase cardiovascular, principalmente mantendo controle dinâmico da volemia e da resistência vascular

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular (Hemodinâmica) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade

Leia mais

VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas

VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas USO ORAL USO ADULTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Cápsulas com 40 mg de mononitrato de isossorbida e 100 mg de ácido acetilsalicílico.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro, ES Brasil. fabianosantiliano@yahoo.com.br

Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro, ES Brasil. fabianosantiliano@yahoo.com.br A IMPORTÂNCIA DO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NA ADESÃO AO TRATAMENTO DO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO E DIABETES MELLITUS (HIPERDIA) EM IDOSOS NO MUNICÍPIO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES Angélica Hollunder Klippel

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose Depressão Neurose A A maior doença a hoje, não é a lepra ou a tuberculose, mas a sensação de abandono, de não ser amado. Madre Tereza de Calcutá Infarto Agudo do

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO. Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA

CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO. Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA A associação de hipertensão arterial sistêmica (HAS) e diabete melito (DM) é bastante

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Modelo de bula - Paciente Irbesartana 150 mg & 300 mg. irbesartana. Comprimidos revestidos 150 mg & 300 mg

Modelo de bula - Paciente Irbesartana 150 mg & 300 mg. irbesartana. Comprimidos revestidos 150 mg & 300 mg irbesartana Comprimidos revestidos 150 mg & 300 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO irbesartana Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 150

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA

O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA Classicamente, o sistema renina-angiotensina-aldosterona (S-RAA) é descrito como um eixo endócrino no qual cada componente de uma cascata é produzido por diferentes

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

losartana potássica Merck S/A Comprimidos revestidos 50 mg

losartana potássica Merck S/A Comprimidos revestidos 50 mg losartana potássica Merck S/A Comprimidos revestidos 50 mg losartana potássica Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 30 comprimidos.

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS)

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Pressão arterial O coração bombeia o sangue para os demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é "empurrado

Leia mais

VALTRIAN HCT. (losartana potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg

VALTRIAN HCT. (losartana potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg VALTRIAN HCT ( potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg VALTRIAN HCT potássica + hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA *

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * ANTONIO CARLOS LOPES** AROLDO WALTER LIBERATORI FILHO*** * Trabalho realizado na Disciplina de Medicina de Urgência do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Insuficiência cardíaca congestiva

Insuficiência cardíaca congestiva Insuficiência cardíaca congestiva Insuficiência cardíaca congestiva (ICC), também conhecida como insuficiência ventricular esquerda ou somente insuficiência cardíaca, é uma condição fisiopatológica na

Leia mais

Riley Rodrigues, MSc

Riley Rodrigues, MSc Riley Rodrigues, MSc Doenças cardiovasculares Existem fatores predisponentes, como a idade. As doenças são mais frequentes após os 50-60 anos. Já outros fatores são adquiridos ou podem ser controlados:

Leia mais

TORLÓS H. losartana potássica + hidroclorotiazida. Comprimido revestido - 50 + 12,5 mg

TORLÓS H. losartana potássica + hidroclorotiazida. Comprimido revestido - 50 + 12,5 mg TORLÓS H losartana potássica + hidroclorotiazida Comprimido revestido - 50 + 12,5 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 TORLÓS H losartana potássica + hidroclorotiazida I-

Leia mais

COLESTEROL. Colesterol é o substrato para formar hormônios,membranas, ele é o tijolo essencial para todo o corpo.( Sposito AC,2010).

COLESTEROL. Colesterol é o substrato para formar hormônios,membranas, ele é o tijolo essencial para todo o corpo.( Sposito AC,2010). COLESTEROL Colesterol é o substrato para formar hormônios,membranas, ele é o tijolo essencial para todo o corpo.( Sposito AC,2010). Colesterol é uma gordura e ele não se dissolve na água,o sangue é um

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais