Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com"

Transcrição

1 Fármacos ANTI-HIPERTENSIVOS

2 EPIDEMIOLOGIA DA HAS Atinge - 20 a 30% dos adultos 68,4% tem conhecimento Apenas 27,4% são controladas satisfatoriamente Aumento da incidência de complicações com aumento dos fatores de risco

3 HIPERTENSÃO

4 HIPERTENSÃO CAUSAS INESPECÍFICAS RAÇA ESTRESSE BRADICINA HIPERTENSÃO ESSENCIAL HERANÇA GENÉTICA SNA DIETA

5 DROGAS QUE PODEM ELEVAR A PRESSÃO ARTERIAL: Anticoncepcionais orais Chumbo, cádmio, tálio Antiinflamatórios não-esteróides Moderadores de apetite Anti-histamínicos descongestionantes Vasoconstritores nasais Antidepressivos tricíclicos e Inibidores da IMAO Corticosteróides esteróides anabolizantes Eritropoietina Cocaína Alcalóides derivados do ergot Antiácidos ricos em sódio Hormônios tireoidianos (altas doses) Cafeína (?)

6 Tratamento Não-Medicamentoso Redução do peso corporal Redução da ingesta de sal/sódio Exercício físico regular Abandono do tabagismo Evitar drogas que aumentam a PA Redução do consumo de bebidas alcóolicas Controle das dislipidemias e do diabete melitus Medidas antiestresse MODIFICAR O ESTILO DE VIDA

7

8 CLASSES DE ANTI-HIPERTENSIVOS Diuréticos Inibidores adrenérgicos Inibidores da enzima conversora da angiotensina -ECA Antagonistas do receptor de angiotensina II Antagonistas dos canais de cálcio

9 INIBIDORES DA ENZIMA CONVERSORA DA ANGIOTENSINA -(IECA) CAPTOPRIL LISINOPRIL PRÓ- FÁRMACO ENALAPRIL RIMIPRIL

10 MECANISMO DE AÇÃO DOS INIBIDORES DA ECA CAPTOPRIL Katzung/98

11 FARMACOCINÉTICA DOS IECA ABSORÇÃO - ORAL METABOLISMO HEPÁTICO ELIMINAÇÃO RENAL INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA

12 INIBIDORES DA ECA Uso clínico Efeitos indesejáveis Tosse seca Hipertensão essencial Alteração do paladar Reações de hipersensibilidade (erupção cutânea e edema ) Pacientes hipertensos com nefropatia diabética, retardando o declínio da função renal. Portadores de IRC: hiperpotassemia e piora da função renal Contraindicação: gestantes

13 ANTAGONISTAS DOS RECEPTORES DA ANGIOTENSINA II AT1 Losartan, Valsartan, Candesartan, Ibersartan Mecanismo de ação

14 ANTAGONISTAS DO RECEPTORES AT1 Farmacocinética Uso clínico Efeitos indesejáveis Losartan: Metabolismo 1ª passagem - Metabólito ativo Hipertensão essencial Tosse seca menos comum Valsartan: Maior afinidade ao AT1 que o Lososartan Não possui metabolito ativo Hipercalemia Contraindicação: gestantes Candesartan: Metabólito ativo Afinidade ao AT1 80x mais que o Losartan Monoterapia Bloqueia liberação de Aldosterona e ADH

15 Fármacos Antagonistas dos Canais de Cálcio BENZOTIAZEPINAS FENILALQUILAMINAS DILTIAZEM VERAPAMIL DIIDROPIRIDINAS ANLODIPINA FELODIPINA LACIDIPINA DIIDROPIRIDINAS NIFEDIPINA NISOLDIPINA NITRENDIPINA

16 ANTAGONISTAS DOS CANAIS DE CÁLCIO Mecanismo de Ação Efeitos indesejáveis Redução da resistência vascular periférica Reduz concentração de cálcio nas células musculares lisas vasculares Cefaléia e tontura Rubor facial Edema periférico Hipertrofia gengival

17 BIBLIOGRAFIA 1- CRAIG, Charles R.; STITZEL, Robert E: : Farmacologia moderna com aplicações clinicas,, 6 ed. Rio de Janeiro, editora Guanabara Koogan, KATZUNG, Bertran G., Farmacologia básica e clinica, 9.ed Rio de Janeiro: editora Guanabara Koogan, RANG, H. P; DALE, M. M; RITTER, J. M., Farmacologia, 4 ed. Rio de Janeiro, editora Guanabara Koogan, SILVA, Penildon, Farmacologia, 5.ed., Rio de Janeiro, editora Guanabara, 1998.

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL Doença cardiovascular mais comum

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III PRESSÃO ARTERIAL Anti-hipertensivos PA = DC x RVP FC x Vol. sg. PA = pressão arterial/

Leia mais

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal do Paraná etor de iências da aúde urso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica AGETE DIURÉTI, IIBIDRE DA EA E UTR ATI-IPERTEIV Anti-ipertensivos onceito: ão fármacos

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Mariana de Oliveira Almeida 1 Flávia Lúcia Abreu Rabelo 2 Claudmeire Dias Carneiro de Almeida 3 Fabiana de Almeida 4 Júlia Maria

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos

Leia mais

PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN 107 PERFIL DA TERAPÊUTICA ANTI-HIPERTENSIVA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Edson Batista dos Santos Júnior 1 ;Tulio Felipe Vieira de Melo 2 ; Dany Geraldo Kramer Cavalcanti

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população Interações Medicamentosas de Anti-Hipertensivos com outros Medicamentos Ana Virgínia Campos Miranda, Nilton Carlos Umbelino Lima, João Marcelo A. B. B. Nabas. Graduandos do curso de Farmácia da Instituição

Leia mais

Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial

Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial Medicamentos Guia para Registro de Associações em Dose Fixa para o Tratamento da Hipertensão Arterial Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA Profa. Elisabeth Maróstica ISQUEMIA MIOCÁRDICA Sintoma primário da cardiopatia isquêmica é a ANGINA: Angina estável (esforço) Angina instável (repouso) Angina de Prinzmetal

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

maleato de enalapril Comprimido 5mg, 10mg e 20mg

maleato de enalapril Comprimido 5mg, 10mg e 20mg maleato de enalapril Comprimido 5mg, 10mg e 20mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE maleato de enalapril Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Comprimido

Leia mais

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica 1 Proposta de Avaliação do Risco Cardiovascular na Atenção Básica Propõe-se a utilização da tabela de Framingham, para estratificação

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Farmacologia Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Aula Tema: Anti-hipertensivos Mecanismos do Controle da PA SNA SRA O Sistema cardiovascular é controlado de forma integrada:

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ SILVEIRA, Lauren²; RODRIGUES, Andressa²; GOULART, Márcia²; FAGUNDES, Pâmela²; SCHMITT, Raquel²; LIMBERGER, Jane Beatriz³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Cuidado Farmacêutico na Hipertensão

Cuidado Farmacêutico na Hipertensão Cuidado Farmacêutico na Hipertensão Walleri Reis, BPharm, MSc Ambulatório de Atenção Farmacêutica do Hospital de Clínicas. Laboratório de Serviços Clínicos e Evidências em Saúde. Universidade Federal do

Leia mais

Principais interações medicamentosas em pacientes hipertesos

Principais interações medicamentosas em pacientes hipertesos Resumo Principais interações medicamentosas em pacientes hipertesos Alessandra Casadei Marques le_casadei@hotmail.com Atenção Farmacêutica e Farmacoterapia Clínica Instituto de Pós Graduação (IPOG) São

Leia mais

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e;

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e; Quinta-feira, 21 de setembro de 2006. Anti-hipertensivos. Prof. Cabral. Objetivos Os objetivos principais desta seção são: 1) definir hipertensão e estabelecer a importância de seu controle: Hipertensão

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS FARMACÊUTICO

QUESTÕES OBJETIVAS FARMACÊUTICO QUESTÕES OBJETIVAS FARMACÊUTICO 01. Dentro dos hipoglicemiantes orais, está a classe Sulfoniluréias, onde estão presentes a Glicazida, a Glibenclamida, o Clorpropamida e a Glimeperida. De acordo com a

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

AMLOCOR besilato de anlodipino

AMLOCOR besilato de anlodipino BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 AMLOCOR besilato de anlodipino I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO AMLOCOR besilato de anlodipino APRESENTAÇÕES Comprimidos 5 mg: embalagens

Leia mais

VALTRIAN HCT. (losartana potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg

VALTRIAN HCT. (losartana potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg VALTRIAN HCT ( potássica + hidroclorotiazida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg VALTRIAN HCT potássica + hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Lorsar-HCT I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. losartana potássica + hidroclorotiazida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Lorsar-HCT I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. losartana potássica + hidroclorotiazida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Lorsar-HCT losartana potássica + hidroclorotiazida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Lorsar-HCT (losartana potássica + hidroclorotiazida)

Leia mais

PACIENTE HIPERTENSO: PERFIL E PRÁTICAS

PACIENTE HIPERTENSO: PERFIL E PRÁTICAS 0 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA CLÍNICA TURMA FC 03 THAIZ RODRIGUES DO MONTE PACIENTE HIPERTENSO: PERFIL E PRÁTICAS SALVADOR 2011 1 THAIZ RODRIGUES DO MONTE PACIENTE HIPERTENSO: PERFIL E PRÁTICAS

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos.

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. Dolamin Flex clonixinato de lisina cloridrato de ciclobenzaprina Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido

Leia mais

BESILATO DE ANLODIPINO

BESILATO DE ANLODIPINO BESILATO DE ANLODIPINO COMPRIMIDOS 2,5 MG I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO besilato de anlodipino Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999 Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2,5mg: embalagem com

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE ALDACTONE Espironolactona FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE Comprimidos de 25 mg - caixas contendo 20 unidades. Comprimidos de 100 mg - caixas contendo 16 unidades. USO PEDIÁTRICO E ADULTO

Leia mais

Norvasc besilato de anlodipino

Norvasc besilato de anlodipino I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Norvasc Nome genérico: besilato de anlodipino Norvasc besilato de anlodipino APRESENTAÇÕES Norvasc 5 mg em embalagens contendo 10, 30 ou 60 comprimidos.

Leia mais

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia I CARGA HORÁRIA: 144 horas PROFESSOR TITULAR: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENTA: Princípios Gerais. Farmacocinética.

Leia mais

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL Abbott laboratórios do Brasil Ltda. MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL Blopress (candesartana cilexetila) Abbott Laboratórios do Brasil Ltda. comprimidos 8 mg e 16 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BLOPRESS

Leia mais

Cada comprimido contém: 10 20 maleato de enalapril 10 mg 20 mg hidroclorotiazida 25 mg 12,5 mg

Cada comprimido contém: 10 20 maleato de enalapril 10 mg 20 mg hidroclorotiazida 25 mg 12,5 mg GLIOTENZIDE 10 e 20 maleato de enalapril + hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações Embalagens contendo 30 comprimidos de GLIOTENZIDE 10 (10 mg de maleato de enalapril + 25 mg de hidroclorotiazida).

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE CAPTOPRIL EM AMOSTRAS DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS EM POSTOS PÚBLICOS UTILIZANDO ESPECTROSCOPIA FT-IR

ANÁLISE QUALITATIVA DE CAPTOPRIL EM AMOSTRAS DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS EM POSTOS PÚBLICOS UTILIZANDO ESPECTROSCOPIA FT-IR ANÁLISE QUALITATIVA DE CAPTOPRIL EM AMOSTRAS DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS EM POSTOS PÚBLICOS UTILIZANDO ESPECTROSCOPIA FT-IR Teixeira, C.M.; Santos, P.M.; Sakane, K.K.; Uehara, M.; Cardoso, M.A.G.

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

8/17/10 1ª PERGUNTA: 2ª PERGUNTA:

8/17/10 1ª PERGUNTA: 2ª PERGUNTA: 1ª PERGUNTA: Riscos associados ao uso de fármacos e/ou exposição a substâncias tóxicas: implicações de doenças hepá=cas e renais e enfoque em crianças, gestantes, lactantes e idosos Qual o objeevo do uso

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana Enquadramento A alimentação garante a sobrevivência do ser humano Representa uma fonte de

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Cloreto de potássio Noridem 150 mg/ml Concentrado para solução para perfusão

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Cloreto de potássio Noridem 150 mg/ml Concentrado para solução para perfusão FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR APROVADO EM Cloreto de potássio Noridem 150 mg/ml Concentrado para solução para perfusão Cloreto de potássio Leia atentamente este folheto antes de utilizar

Leia mais

sinvastatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 10mg, 20 mg, 40mg e 80mg

sinvastatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 10mg, 20 mg, 40mg e 80mg sinvastatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 10mg, 20 mg, 40mg e 80mg sinvastatina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg: embalagem

Leia mais

SINVAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg e 40mg

SINVAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg e 40mg SINVAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg e 40mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IB 304 CRÉDITOS: 04 (T01,T02,P01,P02,P03,P04) FARMACOLOGIA II Cada Crédito corresponde à 15h/ aula INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO

Leia mais

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Supervisão Técnica de Saúde de Parelheiros REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Álbum Seriado REMÉDIO EM CASA O que é o Programa Remédio em Casa? O Programa Remédio em Casa consiste na entrega, via

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Lacipil lacidipino

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Lacipil lacidipino LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Lacipil lacidipino APRESENTAÇÃO Lacipil 4 mg é apresentado na forma de comprimidos revestidos, embalados em cartuchos

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO. Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA

CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO. Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA CAPÍTULO 5 TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO DIABETE MELITO Luciana Loss Reck Cristiane Bauermann Leitão EPIDEMIOLOGIA A associação de hipertensão arterial sistêmica (HAS) e diabete melito (DM) é bastante

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Comprimido revestido 40mg, 80mg, 160mg e 320mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valsartana medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC

Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC Processo Seletivo para Admissão de Novos Membros 02.12.2011 Código de Matrícula Gabarito 1. 6. 11. 16. 21. 26. 2. 7. 12. 17. 22. 27.

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TERAPIA MEDICAMENTOSA EM HIPERTENSOS DO DISTRITO DE GALANTE-PB

AVALIAÇÃO DA TERAPIA MEDICAMENTOSA EM HIPERTENSOS DO DISTRITO DE GALANTE-PB UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS I CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA GUSTAVO PEREIRA DE SOUTO AVALIAÇÃO DA TERAPIA MEDICAMENTOSA EM HIPERTENSOS

Leia mais

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado EMS Sigma Pharma Ltda cápsula 10mg e 15mg 1 Vazy cloridrato de sibutramina monoidratado IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vazy (Cloridrato de sibutramina monoidratado)

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas, Pós-graduação em Geriatria. Universidade Estadual de Campinas- Unicamp, Campinas, SP, Brasil.

Faculdade de Ciências Médicas, Pós-graduação em Geriatria. Universidade Estadual de Campinas- Unicamp, Campinas, SP, Brasil. Hipertensão Arterial Sistêmica: aspectos clínicos e análise farmacológica 271 Hipertensão Arterial Sistêmica: aspectos clínicos e análise farmacológica no tratamento dos pacientes de um setor de Psicogeriatria

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral:

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Fisiologia Humana Cód.: FCB00006 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 2 0 / 1ºS/2010/F1 Responsável: Prof.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Amlodipina Jaba 5 mg comprimidos Amlodipina Jaba 10 mg comprimidos. Amlodipina

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Amlodipina Jaba 5 mg comprimidos Amlodipina Jaba 10 mg comprimidos. Amlodipina FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Amlodipina Jaba 5 mg comprimidos Amlodipina Jaba 10 mg comprimidos Amlodipina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento

Leia mais

besilato de anlodipino

besilato de anlodipino besilato de anlodipino Merck S/A besilato de anlodipino Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES Besilato de anlodipino 5 mg - Embalagens contendo 30 e 60 comprimidos. Besilato de anlodipino

Leia mais

cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Solução oral (gotas) 20 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO USO ORAL COMPOSIÇÃO Cada ml de cetoprofeno solução

Leia mais

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido de 2 mg: embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

Profa. Fernanda Datti

Profa. Fernanda Datti Profa. Fernanda Datti > 30% PA 140/90 mmhg > 50% entre 60 e 69 anos 75% acima de 70 anos Idade Gênero e etnia Excesso de peso e obesidade Ingestão de sal Ingestão de álcool Sedentarismo Fatores socioeconômicos

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Fármacos que afetam as funções renal e cardiovascular 2 As doenças cardiovasculares podem resultar de defeitos congênitos ou doenças e hábitos adquiridos posteriormente.

Leia mais

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico Diabetes Mellitus Introdução Distúrbio metabólico caracterizado por hiperglicemia crônica e alterações do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, decorrentes de defeitos da secreção e/ou ação

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40/5 mg, 40/10 mg, 80/5 mg e 80/10 mg: embalagens com 10 e 30 comprimidos

APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40/5 mg, 40/10 mg, 80/5 mg e 80/10 mg: embalagens com 10 e 30 comprimidos Micardis Anlo telmisartana anlodipino APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40/5 mg, 40/10 mg, 80/5 mg e 80/10 mg: embalagens com 10 e 30 comprimidos USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO MICARDIS ANLO 40/5 mg: cada comprimido

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE

Diretrizes Assistenciais. Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE Diretrizes Assistenciais Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE Versão eletrônica atualizada em jan/2012 Definição Cuidados com os pacientes renais crônicos durante avaliação

Leia mais

Co-Pressotec. Comprimido 10mg + 25mg e 20mg + 12,5mg

Co-Pressotec. Comprimido 10mg + 25mg e 20mg + 12,5mg Co-Pressotec Comprimido 10mg + 25mg e 20mg + 12,5mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Co-Pressotec maleato de enalapril hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Comprimido 10mg + 25mg Embalagem contendo

Leia mais

RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1. Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3.

RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1. Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3. RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1 Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3. 1 Pesquisa produzida na disciplina de Estágio VI: farmácias e drogarias

Leia mais

Casos Clínicos em Atenção Farmacêutica Acompanhamento Farmacoterapêutico. Identificação do paciente e descrição do caso

Casos Clínicos em Atenção Farmacêutica Acompanhamento Farmacoterapêutico. Identificação do paciente e descrição do caso Identificação do paciente e descrição do caso Nome, idade, sexo e dados demográficos Sinais e sintomas relatados Exames apresentados e dados biométricos Medicamentos utilizados Outras informações I.S.L,

Leia mais

CAPOX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg

CAPOX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg CAPOX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg Capox captopril MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

CLINFAR. sinvastatina. Merck S/A. Comprimidos revestidos 10 mg/20 mg/40 mg/80 mg

CLINFAR. sinvastatina. Merck S/A. Comprimidos revestidos 10 mg/20 mg/40 mg/80 mg CLINFAR sinvastatina Merck S/A 10 mg/20 mg/40 mg/80 mg Clinfar sinvastatina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES CLINFAR comprimidos está disponível em quatro dosagens,

Leia mais

Drogas que intervêm no sistema renina-angiotensina

Drogas que intervêm no sistema renina-angiotensina WILLE OIGMAN, MARIO TOROS FRITSCH O sistema renina-angiotensina desempenha papel preponderante na homeostase cardiovascular, principalmente mantendo controle dinâmico da volemia e da resistência vascular

Leia mais

Modelo de Bula - AstraZeneca

Modelo de Bula - AstraZeneca Modelo de Bula - AstraZeneca I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZESTRIL lisinopril 5 mg, 10 mg, 20 mg FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Comprimidos de 5 mg, 10 mg ou

Leia mais

Condutas em hipertensão arterial não controlada

Condutas em hipertensão arterial não controlada CAPÍTULO 14 Condutas em hipertensão arterial não controlada José Mariano Soares de Moraes * Hipertensão Arterial (H.A.) constitui-se na patologia cardiovascular de maior prevalência na população geral.

Leia mais

cetoprofeno Solução Injetável 50 mg/ml Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

cetoprofeno Solução Injetável 50 mg/ml Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Injetável 50 mg/ml Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cetoprofeno Medicamento

Leia mais

III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial

III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial consenso INTRODUÇÃO A HIPERTENSÃO ARTERIAL, uma entidade clínica multifatorial, é conceituada como síndrome caracterizada pela presença de níveis tensionais

Leia mais

Antagonistas de canais de cálcio

Antagonistas de canais de cálcio WILLE OIGMAN, MARIO TOROS FRITSCH Os antagonistas de canais de cálcio representam um grupo heterogêneo de drogas, divididos em quatro principais famílias: os diidropiridínicos, as fenilalquilaminas, os

Leia mais

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia Aplicada à Clínica Médica CARGA HORÁRIA: 36 horas PROFESSOR TITULAR: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENTA: Compreender

Leia mais

Buscopan butilbrometo de escopolamina. Cada ampola de 1 ml contém 20 mg de butilbrometo de escopolamina, correspondentes a 13,78 mg de escopolamina.

Buscopan butilbrometo de escopolamina. Cada ampola de 1 ml contém 20 mg de butilbrometo de escopolamina, correspondentes a 13,78 mg de escopolamina. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Buscopan butilbrometo de escopolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução injetável: embalagem com 5 ampolas. Uso injetável. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Cada ampola

Leia mais